Imprimir
Sistema Ocepar - Paraná Cooperativo - Informe Diário

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 3199 | 11 de Outubro de 2013

PRÊMIO OCEPAR: Unimed de Francisco Beltrão sedia lançamento regional

Vinte e cinco profissionais de imprensa, assessores de cooperativas e dirigentes cooperativistas, participaram nesta quinta-feira (10/10), de almoço de lançamento do 10º Prêmio Ocepar de Jornalismo. O evento aconteceu na sede da Unimed em Francisco Beltrão e contou com a presença do presidente da cooperativa, Dr. Maurício Alves, do diretor financeiro, Dr. Rubens Schirr, da Dra. Venilda Feltrin, diretora administrativa e da gerente Miraci Liston. Pelo Sicredi Iguaçu representou a diretoria, a assessora de imprensa, Kiara Vilmes Miri. Com este quinto lançamento já somam 198 participantes, encontros esses onde o coordenador de comunicação do Sistema Ocepar, Samuel Milléo Filho e a assessora de imprensa da Federação Unimed Paraná, Jossânia Veloso, detalham aos presentes sobre o regulamento do concurso para 2013. Já foram realizados lançamentos em Curitiba, Cascavel, Toledo, Palotina e Francisco Beltrão, na segunda-feira, dia 14/10, será a vez de Ponta Grossa, com um almoço para a imprensa local, às 11 horas na Rua Augusto Canto, 337 na Garage Jazz and Blues.

Prestígio - Na opinião do presidente da Unimed de Francisco Beltrão, Dr. Maurício Alves, essa sistemática adotada pelo Sistema Ocepar, pela Federação Unimed e Sicredi Paraná, de promover todos os anos lançamentos regionais é uma forma de também prestigiar não só o trabalho exercido pela imprensa local mas também das cooperativas singulares. “Para nós é uma honra poder receber aqui o lançamento do Prêmio Ocepar mais uma vez, sentimo-nos prestigiados e dedicamos esse nosso dia em receber os profissionais das entidades e também os jornalistas para esse congraçamento. É uma forma inteligente de mostrar também para os veículos de imprensa das pequenas cidades o que representa o cooperativismo. Isto vem de encontro aos nossos interesses, dos nossos cooperados, usuários e não só fortalece a imagem da Unimed local, mas também de todas as cooperativas da região e do Paraná”, frisou.

Estímulo – Ele também ressalta que o fato da Federação Unimed não realizar mais o seu prêmio e vir reforçar o Prêmio Ocepar “é uma atitude de visão dos dirigentes de não só reforçar com um maior aporte financeiro, mas criar categorias especiais que trarão um interesse maior por parte dos profissionais de imprensa local”.

Desafio - Dr. Maurício Alves também fez um desafio para que os profissionais de imprensa de Francisco Beltrão e região escrevam, produzam matérias sobre o tema proposta este ano que é Cooperativismo no Paraná: “Sabemos que existem muitos prêmios que os jornalistas tem oportunidade de participar, mas este Prêmio da Ocepar é diferente, ele tem todo um atrativo especial de falar de assuntos pertinentes ao dia-a-dia das pessoas, mostrar para a população o que representa o cooperativismo para o desenvolvimento tanto social como econômico do nosso estado, creio que pautas não falta, inclusive nossa assessoria, diretoria estão a disposição de todos para ajudar na construção dessas possíveis matérias para o concurso”, lembrou.

Valor dos prêmios - O 10º Prêmio Ocepar de Jornalismo tem como tema “Cooperativismo no Paraná”. Ao todo, serão distribuídos R$ 62 mil em prêmios, já descontados os tributos. O valor é 17% superior ao do ano passado, quando foram repassados R$ 53 mil aos vencedores. Poderão ser inscritos trabalhos nas categorias Jornalismo Impresso, Radiojornalismo, Telejornalismo e Mídia Cooperativa. Os três primeiros lugares vão receber R$ 6 mil, R$ 3mil e R$ 2 mil, respectivamente.

Categorias especiais - A categoria Universitário, lançada no ano passado, foi mantida mas, neste ano, os acadêmicos de Jornalismo poderão inscrever matérias tratando de todos os ramos do cooperativismo, diferentemente do ano passado, que se restringia ao crédito. Será escolhido um ganhador que receberá R$ 2.500,00. Nesta edição, passam a vigorar duas novas categorias: o Prêmio Especial Unimed, voltado apenas para matérias sobre saúde, e cujo vencedor vai receber R$ 6 mil. O Prêmio Especial Ramo Crédito, destinado a trabalhos a respeito do cooperativismo de crédito, vai premiar com R$ 6 mil a melhor matéria jornalística. Outra novidade é o Prêmio Destaque Especial do Jornalismo Paranaense, cujo vencedor será indicado pela comissão julgadora, com direito a um prêmio de R$ 3.500,00.

Prazo de inscrição – Outra novidade é que, nesta edição, os interessados terão mais tempo para fazer as inscrições. O prazo vai até o dia 28 de fevereiro de 2014. Podem concorrer matérias publicadas ou veiculadas de 1º de agosto de 2012 até 28 de fevereiro de 2014. Cada participante pode inscrever até três trabalhos, independente da categoria, podendo ser contemplado apenas uma vez. Serão aceitas apenas matérias relativas a cooperativas registradas no Sistema Ocepar, cuja lista pode ser consultada no portal www.paranacooperativo.coop.br. Outra modificação diz respeito à participação dos profissionais das assessorias de imprensa das cooperativas, sejam contratos diretos ou indiretos (prestadores de serviço), que somente podem participar da Categoria Mídia Cooperativa. Os trabalhos escolhidos pela comissão julgadora serão premiados durante a Assembleia Geral Ordinária da Ocepar, no dia 1º de abril de 2014, em Curitiba.

O Prêmio - O concurso é realizado desde 2003 com o objetivo de premiar os melhores trabalhos e profissionais da imprensa que atuam nos veículos de comunicação do Paraná e também das cooperativas paranaenses. O Prêmio Ocepar de Jornalismo tem ainda o propósito de divulgar a importância do cooperativismo para o desenvolvimento econômico e social do Paraná e do Brasil. Desde que foi criado, já recebeu um total de 630 trabalhos inscritos em telejornalismo, radiojornalismo, jornalismo impresso e mídia cooperativa. Somente no ano passado, houve 85 matérias inscritas.

{vsig}noticias/2013/10/11/premio_ocepar/{/vsig}

LEITE: Mais de 1500 crianças visitam a Fazendinha Frimesa

Encerra nesta sexta-feira (11/10) a Fazendinha Frimesa, evento que durante 8 dias recebeu a visita de mais de 1500 crianças, estudantes de 30 escolas do ensino fundamental de Curitiba e Região Metropolitana. As crianças visitantes, na faixa etária de 5 a 8 anos, conheceram em detalhes o funcionamento da cadeia produtiva do leite, como são produzidos e quais os produtos procedentes da atividade. O passeio foi dividido por etapas: demonstração de animais com a ordenha, alimentação de bezerros, passagem por painéis interativos com explicações sobre o processo de produção, teatro educativo, finalizando com um lanche. Na Fazendinha, instalada numa área no bairro CIC (Cidade Industrial de Curitiba), com a supervisão dos profissionais da cooperativa, as crianças puderam conhecer e interagir com os animais - coelhos, ovelhas, cabras e vacas.

Concurso - A Frimesa, que mobilizou mais de 15 colaboradores para o trabalho na Fazendinha, lançou também um concurso de desenho entre as escolas visitantes. As crianças receberam caderno e lápis de cor e poderão participar da promoção. Uma comissão de professores escolherá os melhores trabalhos e os estudantes receberão premiação da cooperativa.    

{vsig}noticias/2013/10/11/frimesa/{/vsig}

UNIPRIME OESTE: Prime Day, um dia dedicado à integração, formação e lazer da família do cooperado

A Uniprime Oeste do Paraná, cooperativa de crédito do setor de saúde, com forte presença em Cascavel, Foz do Iguaçu e municípios vizinhos, lança, no dia 12 de outubro, o “Prime Day”, um evento inovador, com atrações exclusivas para toda a família do cooperado. Um segundo evento acontecerá no dia 26 de outubro, no Viale Cataratas, em Foz do Iguaçu. A programação mescla atividades de recreação para crianças, jovens e adultos, a palestra sobre finanças e gestão financeira, destinada ao público jovem.  “É um dia diferente, em que buscamos promover a integração e recreação  da família do cooperado, agregando informações e conhecimentos práticos e úteis para o seu dia-a-dia e para as gerações futuras”, explica o diretor institucional, médico Hirofumi Uyeda.

Um jogo real - O Prime Day inicia às 9h deste dia 12 e reserva ampla programação, nas dependências da Associação Médica de Cascavel. Entre as atrações, destaca-se a palestra sobre gestão financeira, adequada à visão de adolescentes e pré-adolescentes, espaços destinados à beleza da mulher, minissalão de beleza infantil, gincana recreativa, coquetel e lanches, campeonatos de futebol e vôlei, atividades entre pais e filhos, feirão de veículos novos, cinema infantil.

Unigame - Outra atração deverá ser o Unigame, um jogo para adultos e jovens, que envolve o fator sorte, mas também simula a tomada de decisões financeiras de rotina e premia o melhor desempenho. O acesso ao evento será liberado mediante apresentação de convite retirado nas agências Uniprime Oeste do Paraná e somente para seus cooperados e familiares. (Imprensa Uniprime Oeste)

 

uniprime costa oeste 11 10 2013

SICOOB: Sistema chega ao 130º ponto de atendimento, no Paraná

sicoob 11 11 2013A cidade de Pinhalão, no norte pioneiro do Estado, recebeu sua primeira cooperativa de crédito. Trata-se do 130º ponto de atendimento do Sicoob, pertencente ao Sicoob Centro Leste. A inauguração ocorreu no dia 12 de outubro. A partir de agora, os aproximadamente 6.500 habitantes do município poderão contar com os produtos e serviços do Sicoob. Seguindo a missão de promover o desenvolvimento das nossas comunidades por meio do cooperativismo de crédito, o Sicoob chegou depois de dois anos, desde o começo do projeto do Sebrae (Serviço Nacional de Apoio a Micros e Pequenas Empresas) para contemplar municípios de baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). O novo ponto de atendimento fica na rua Geraldo Vieira, 74 e o telefone é (43) 3569-1530. (Informativo Sicoob Paraná)

 

COPACOL: Melhores da avicultura e suinocultura são premiados

A noite de quarta-feira (09/10) foi especial para avicultores e suinocultores da região da Copacol, que se reuniram na Aercol de Cafelândia para a premiação dos melhores do ano em ambas as atividades. Os 51 produtores acompanhados de suas famílias receberam como prêmio em sinal da dedicação e do trabalho desenvolvido, um notebook. A escolha dos produtores destaques foi baseada no histórico de índice de eficiência produtiva dos lotes no período de 01/09/12 a 31/08/13, sendo selecionados os três melhores de cada região da integração avícola e suinícola da Copacol.

Melhores índices - O avicultor Arlindo Paulus, do distrito de Jotaesse, município de Tupãssi, e o suinocultor José Salésio Heinzen, de Cafelândia, obtiveram respectivamente os melhores IEPs (Índice de Eficiência Produtiva) entre os produtores selecionados e ganharam além do computador a quantia de R$ 1,5 mil cada. Arlindo ficou muito contente com a premiação. “É com muita honra e gratidão que recebo esse prêmio, é muito gratificante, quero agradecer o departamento técnico e a todos que contribuíram para que isso pudesse acontecer, não é fácil, mas com muita dedicação, trabalho e carinho a gente consegue, agora vamos tentar melhorar cada vez mais”, explicou.

Trabalho integrado - José, que não esperava, também ficou feliz. “É certo que sempre trabalhamos para obter bons resultados, mas não esperávamos o melhor IEP também, estamos muito felizes e agradecemos toda a equipe da Copacol, esse trabalho integrado foi o que proporcionou a chegarmos onde estamos”, comentou.

Importância - O presidente da Copacol, Valter Pitol, falou da importância dessa premiação que acontece há anos na avicultura e pela segunda vez na suinocultura. “Nada mais justo do que estimular e reconhecer cada vez mais nossos produtores por todo o esforço diário nas propriedades, visando produzir com excelência e que diretamente contribui para o crescimento e desenvolvimento da cooperativa”, destacou. (Imprensa Copacol)

{vsig}noticias/2013/10/11/copacol/{/vsig}

AGRÁRIA: Delegação de Rastatt visita coirmã e participa da Festa da Cevada 2013

agraria 11 10 2013Uma delegação de 30 pessoas da cidade alemã de Rastatt, chefiada pelo prefeito Hans Jürgen Pütsch, cumpre programação de visitas na coirmã Guarapuava, durante todo dia desta quinta-feira (10/10). Acompanhado pelo presidente da Agrária, Jorge Karl, o grupo foi recepcionado pelo prefeito Cesar Silvestri Filho, no Paço Municipal, pela manhã. Na sequência, seguiram para a Câmara de Vereadores. O Salto São Francisco e o Parque das Araucárias foram posteriormente visitados, na presença do vice-presidente da Agrária, Paul Illich.

Chegada - A chegada da comitiva a Entre Rios ocorreu na última quarta-feira (09/10). Durante o final de semana, os integrantes da delegação participam da extensa programação da Festa da Cevada 2013. O início do evento está previsto para as 19h30 desta sexta-feira (11/10), com as apresentações dos grupos da Fundação Cultural Suábio-Brasileira, no Centro Cultural Mathias Leh, na Colônia Vitória. Na ocasião haverá o ato oficial alusivo aos 25 anos da assinatura do termo de adoção, que tornou Entre Rios/Guarapuava e Rastatt cidades coirmãs.

Acordo - O acordo firmado em 1988 tinha por objetivo estreitar o relacionamento entre ambas as cidades, assim como entre Rastatt e o distrito de Entre Rios, no sentido de fomentar o intercâmbio cultural, econômico e científico. A presença de Pütsch e toda a delegação é uma retribuição à visita do diretor Jorge Karl e do prefeito Cesar Filho à cidade do estado de Baden-Württemberg, em julho passado.

Instalações - Nesta sexta-feira (11/10), a delegação visitará instalações da Agrária, a Fapa (Fundação Agrária de Pesquisa Agropecuária), o Museu Histórico de Entre Rios, além de projetos sociais desenvolvidos no distrito. No sábado, o grupo está convidado a participar das demais atrações da Festa da Cevada 2013. Pela manhã ocorrerá a procissão à Capela Maria, situada no centro das cinco colônias de Entre Rios.

Atividades típicas - À noite, a partir das 20h, ocorre jantar e baile típicos, promovidos pela Associação Esportiva Danúbio, no Centro Catequético São José Operário, na Colônia Vitória. No evento será servida a típica carne suína no disco e, depois da apresentação do Grupo Folclórico Adulto da Fundação Cultural Suábio-Brasileira, o baile fica por conta da banda Original Donauschwaben Musikanten.

Encerramento - A Festa da Cevada se encerra no domingo, dia 13, com o almoço típico, no qual serão servidos gulasch e estrogonofe, no Colégio Imperatriz Dona Leopoldina – promovido pela Comunidade Luterana da colônia Cachoeira. Durante todo o evento, o Museu Histórico de Entre Rios estará aberto em horários diferenciados. Na sexta-feira, as visitações poderão ser realizadas das 8h às 12h e das 13h às 17h; e no sábado e domingo das 13h às 16h. O ingresso custa R$ 5,00. (Imprensa Agrária)

 

Festa da cevada

CONFERÊNCIA ACI-AMÉRICAS I: Gestão e governança, caminhos para o sucesso das cooperativas

conferencia aci I 11 11 2013O profissionalismo e a transparência na gestão, aliados à adoção de uma governança moderna e cooperativa, são pontos fundamentais para que o movimento cooperativista se consolide como modelo de negócios sustentável. A todo o momento, tais questões são apontadas pelos participantes da XVIII Conferência Regional da Aliança Cooperativa Internacional para as Américas (ACI-Américas) como prioritárias ao desenvolvimento do setor e ao seu posicionamento da Década do Cooperativismo. Da mesma forma, os cooperativistas sul-americanos ressaltam a necessidade de formação de lideranças para o sucesso do negócio cooperativo.

Sistema financeiro – O presidente do Banco Sicredi, Ademar Schardong, por exemplo, destacou desafios apresentados às cooperativas de crédito pela competividade do mercado financeiro nacional. Entre os principais, está o oferecimento de produtos e serviços financeiros eficientes aos associados. “As cooperativas de crédito têm de entregar o produto pretendido pelo cooperado, da mesma qualidade ou até superior ao do mercado bancário e, ao final do exercício financeiro, ainda gerar resultado. É isto que faz o cooperativismo ser um modelo interessante. Por realizar bem o seu papel, o segmento tem crescido uma média de 20% ao ano”. Segundo ele, cerca de 80% do sistema financeiro são controlados por cinco instituições – duas públicas e três privadas. Outro ponto citado por Schardong é a busca dos sistemas que atuam no cooperativismo de crédito por um balanço combinado que mostre a contabilização de patrimônio de referência. “Isso faria com que as cooperativas de credito se tornassem muito mais competitivas no mercado financeiro de varejo", disse. 

Gestão e transparência – Buscando uma gestão cada vez mais profissionalizada, o setor cooperativista brasileiro trabalha por marcos legais e outros tipos de normativos que atendam às características das sociedades cooperativas. Foi o que ressaltou a analista de Monitoramento e Desenvolvimento de Cooperativas do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) Giulliana Fardini. “Um dos desafios atuais do sistema está no cumprimento ao que determina o ICPC 14, uma instrução normativa do Comitê de Normas Internacionais de Contabilidade. Ela enquadra as cotas-partes dos associados como passivo da cooperativa, sendo que, na verdade, devem ser vistas como ativo, por terem um caráter de investimento”. Segundo Giulliana, a norma foi criada após a crise de 2008, para garantir mais transparência ao público das organizações de capital aberto, no qual se enquadram algumas cooperativas. “Queremos, logicamente, cumprir o que determina o normativo, mas é preciso considerar a realidade das sociedades cooperativas, por isso, devemos trabalhar juntos na construção de uma proposta de adequação”, convidou os cooperativistas sul-americanos para um esforço conjunto.

Governança cooperativa - A participação ativa dos associados, dentro do que propõe a autogestão, é outro ponto determinante para o sucesso das cooperativas. Tão importante quanto, segundo Helmut Egewarth, parceiro do  Sistema OCB, é a inclusão crescente de mulheres e jovens nesse processo. “É necessário sair do discurso para a prática. Podemos, por exemplo, prever nas eleições das cooperativas a inscrição de, no mínimo, três candidatos aos cargos de direção, prevendo sempre a participação de mulheres e jovens. O fato de ter três pessoas abre a possibilidade para a discussão de propostas. Outro mecanismo interessante, no sentindo de reforçar que os cooperados devem trabalhar juntos para o crescimento da cooperativa, é o compromisso público dos candidatos, de apoiar aquele que for eleito”, ressaltou. 

Novas lideranças – A importância da formação de jovens lideranças para a continuidade do negócio cooperativo foi outra questão em destaque na conferência. Filhos de cooperados e integrantes do Coopa Jovem em Patrocínio, Thais Anselmo e Caciano Sangaletti, falaram sobre o tema no IX Encontro da Juventude promovido no evento. Eles apresentaram o Coopa Jovem, um projeto desenvolvido pela Cooperativa Agropecuária de Patrocínio. Segundo Thais, o objetivo é fortalecer a agropecuária na região, formando uma juventude consciente e atuante na cooperativa. Os dois jovens integraram o grupo do Sistema Ocemg que representou Minas Gerais na conferência.

Conferência - O evento, que conta com o apoio do Sistema OCB, também é uma realização do Sistema Unimed e está sendo realizado de 6 a 11 de outubro, no Guarujá (SP). (Informe OCB)

 

CONFEERÊNCIA ACI AMÉRICAS II: Informação e comunicação na pauta cooperativista

Os desafios da comunicação para o cooperativismo são similares em toda a América Latina. O primeiro – e principal deles – é elaborar um discurso forte, sólido e atrativo sobre nossa doutrina. Esse foi o tema central do painel "Informação e Comunicação: a mensagem do cooperativismo", realizado nesta quinta-feira (10/10) de manhã, durante a XVII Conferência Regional ACI Américas. De acordo com os três debatedores, atualmente, o cooperativismo é praticamente desconhecido pelas pessoas que não participam do movimento. Além disso, os próprios cooperativistas têm dificuldade para apresentar os diferenciais do nosso modelo de negócios de forma clara, convincente e chamativa. Confira, a seguir, um pouco dos gargalos da comunicação dos três países representados no fórum de comunicação:

BRASIL: aposta na divulgação digital - "Em 2005, o Sistema OCB realizou uma pesquisa que mostrou: 92% dos brasileiros não sabe o que é cooperativismo. Para nós, da comunicação, essa é uma grande oportunidade, pois temos uma tela em branco para pintar como quisermos. Basta definir uma mensagem sólida, atrativa e coerente para começar a divulgá-la de maneira uníssona e constante, em todo o país. Queremos trabalhar especialmente nas mídias digitais, já que é lá que estão os nossos públicos-alvo preferenciais: os jovens (pois irão renovar a base); as mulheres (donas do poder de decidir como a família irá gerenciar sua vida financeira) e os formadores de opinião (capazes de dar maior visibilidade ao movimento)". Guaíra Flor, gerente de comunicação do Sistema OCB.

ARGENTINA: cooperativas se organizaram em uma rede de comunicação - "A Argentina vive um momento de luta pela democratização da palavra. Nossa comunicação está concentrada nas mãos de alguns poucos grupos econômicos, o que dificulta nossa missão de difundir o cooperativismo. Na Argentina, as pessoas também não entendem o são as cooperativas, nem tampouco sua função social. Mas nós estamos trabalhando fortemente para mudar isso por meio de uma rede de comunicação cooperativista que hoje reúne 500 veículos de comunicação cooperativistas, 400 distribuidores de TV a cabo, 1,5mil km de rede digital. Trabalhamos em conjunto para a produção de conteúdo em rede sobre o cooperativismo e queremos ser mais conhecidos nos próximos anos". Ariel Guarco, representante da Argentina.

COLÔMBIA: defesa de uma marca mais forte - "Na Colômbia as pessoas também não sabem o que é uma cooperativa. Fizemos um concurso cultural nas escolas para saber: o que vocês acham que é uma cooperativa. Uma das crianças, de uns 7 anos, disse: "cooperativa é o lugar que empresa dinheiro para minha avozinha". É essa imagem que nós queremos? Eu creio que não. Temos de desmistificar o cooperativismo e apresentá-lo como uma alternativa sustentável de desenvolvimento. E essa é um trabalho que precisamos fazer agora, porque temos o desafio da década do cooperativismo para vencer. Temos de mostrar que o cooperativismo é o modelo de negócios que mais cresce no mundo, o mais sustentável e o preferido das pessoas". Carlos Acero, representante da Colômbia. (Informe OCB)

PORTAS ABERTAS: Sistema OCB lança novo canal de aproximação com lideranças cooperativistas

portas abertas 11 10 2013Prestar contas das atividades realizadas pelo Sistema OCB com o objetivo de desenvolver o cooperativismo brasileiro, aproximando as cooperativas do dia-a-dia da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) e da Confederação Nacional das Cooperativas (CNCoop). Este é o principal objetivo do projeto “Portas Abertas”, novo canal de aproximação de lideranças cooperativistas de todo o país com a realidade do trabalho sistêmico desenvolvido pelas três entidades nacionais de defesa do cooperativismo em Brasília (DF).

Piloto - Na turma-piloto do “Portas Abertas”, a equipe do Sistema OCB recebeu nesta quarta-feira (09/10) um grupo 22 diretores e gerentes de cooperativas de crédito de Minas Gerais, que tiveram a oportunidade de estar em contato com as gerentes-gerais da OCB, Tânia Zanella, e do Sescoop, Karla Tadeu, para ouvir os principais desafios da atuação das entidades no seu papel de representação política e institucional (OCB); de educação cooperativista, promoção social e monitoramento (Sescoop); e de representação sindical (CNCoop).

Ações específicas - Durante a apresentação institucional do Sistema OCB, também foram abordadas todas as ações desenvolvidas especificamente ao Ramo Crédito, com enfoque na importância da atuação do Conselho Consultivo do Ramo Crédito (Ceco/OCB) e das novidades referentes ao Curso de Formação de Conselheiros do Cooperativismo de Crédito (Formacred), programa desenvolvido pelo Sescoop. Também foram lembradas, no encontro, as últimas grandes vitórias conquistadas pelo Sistema OCB no Congresso Nacional e no Poder Executivo, como a regulamentação do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC) e a aprovação da Medida Provisória (MPV) 619/2013, que trata, dentre outros assuntos, do Fundo Garantidor de Crédito para Cooperativas (FGCoop).

Visita institucional - Além disso, o grupo realizou visita institucional ao Congresso Nacional e ao Banco Central, onde puderam entender mais profundamente como tramitam as proposições e os normativos que afetam o cooperativismo de crédito brasileiro. No Banco Central, as cooperativas mineiras foram recebidas pelo seu secretário-executivo, Geraldo Magela, que demonstrou o seu entusiasmo com o cooperativismo de crédito brasileiro, tendo em vista o “alcance do patamar de dois dígitos na participação no Sistema Financeiro Nacional (SFN)”. Atualmente, o cooperativismo de crédito corresponde a 2,1% do mercado financeiro do país.  

Proximidade entre projetos - Durante a semana, o grupo de cooperativas mineiras que participou do projeto “Portas Abertas” já estava em Brasília para participar de atividades referentes ao “Prêmio Sescoop Excelência de Gestão”, que está sendo realizado entre esta quinta e sexta-feira (10 e 11/9) na sede do Sistema OCB. A perspectiva é que a dobradinha entre os dois projetos aconteça mais vezes : outros 6 grupos de lideranças cooperativistas estarão em Brasília neste ano para participar do workshop de melhorias do “Prêmio Sescoop Excelência de Gestão”, tendo, também, a oportunidade de participar do “Portas Abertas”. (Informe OCB)

 

RAMO TRANSPORTE: Conselho Consultivo quer levantar impacto da perda do Simples

ramo transporte 11 10 2013A perda do benefício do Simples Nacional por cooperativas de transporte que têm em seu quadro social a presença de eirelis (empresas individuais de responsabilidade limitada) foi um dos assuntos que marcou a reunião ordinária do Conselho Consultivo do Ramo Transporte, realizada na quarta-feira (09/10), na sede da cooperativa Valelog, na cidade de Arroio do Meio (RS).

Plano de trabalho - O assunto – que faz parte do Plano de Trabalho do ramo transporte, elaborado no início do ano – rendeu um “dever de casa” às unidades estaduais. De acordo com o Coordenador do Conselho Consultivo do Ramo Transporte, Abel Paré, com base em pareceres jurídicos apresentados na reunião do conselho, cada estado deverá elaborar um parecer técnico, apresentando todos os dados relacionados aos impactos financeiros e legais que essa perda do Simples poderá acarretar ao desenvolvimento das cooperativas.

Documento técnico - “Nossa ideia, é elaborar um documento técnico até o fim deste ano e apresenta-lo à Receita Federal, com o objetivo de assegurar que os benefícios do Simples, entre outros, sejam mantidos nas cooperativas, mesmo com a participação de eirelis”, comenta Paré.

Simples nacional - O Simples Nacional é um regime compartilhado de arrecadação, cobrança e fiscalização de tributos aplicável às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, previsto na Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006. Abrange a participação de todos os entes federados (União, Estados, Distrito Federal e Municípios). Clique aqui para ler mais sobre este assunto.

Manual contábil tributário – outro destaque da reunião foi a discussão aprofundada sobre a elaboração do Manual Contábil Tributário para as cooperativas do ramo transporte. Esse documento norteará todos os aspectos da contabilidade cooperativista. Para isso, as cooperativas receberão visitas técnicas que darão conta da realidade tributária de cada uma delas.

Outros temas - Outros temas que também constaram da pauta da reunião foram: Demonstração para o Sefaz da evasão fiscal na subcontratação de fretes; necessidade de adequação da Lei 11.442/07; INSS pelo tomador de fretes de cooperativas; restrição de circulação de caminhões articulados de grande porte, como bi-trens e rodo-trens; linhas de crédito específicas para o Ramo; entendimentos da legislação de ICMS e apresentação do resumo das reuniões da Câmara de Estudos do Transporte junto ao Ministério dos Transportes. (Informe OCB)

 

MEIO AMBIENTE: Plano de Resíduos Sólidos do Paraná é apresentado na Áustria

meio ambiente 11 1- 2013O Plano de Regionalização da Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Urbanos do Paraná foi um dos 26 escolhidos, entre ações de 100 países, para ser apresentado no Congresso Mundial da Associação Internacional de Resíduos Sólidos, em Viena, na Áustria. A apresentação foi feita nesta quinta-feira (10/10), pelo coordenador de Mudanças Climáticas da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sema), Carlos Renato Garcez,

Paraná Sem Lixões - O plano possibilitou a criação do Programa Paraná Sem Lixões. Garcez explicou que o processo de seleção e os critérios sugeridos pelo Governo do Paraná para a formação de consórcios públicos municipais, foi o que chamou a atenção da organização do congresso. “A nossa visão que o consócio gera volume de materiais para as Associações de Coletores foi muito elogiada por técnicos estrangeiros”, disse Garcez.

Consórcios - A formação de consórcios intermunicipais para a destinação de resíduos é incentivada pela Secretaria do Meio Ambiente como alternativa viável para eliminar os 214 lixões a céu aberto do estado. Além do baixo custo de implantação e gerenciamento, os consórcios permitem que a área seja usada, gerenciada e financiada por municípios da mesma região para o tratamento dos resíduos e a correta destinação de rejeitos. O produto em apenas um ponto facilita o acesso das associações de coletores de materiais recicláveis e possibilita aumentar a renda de famílias que atuam neste segmento.

Sucesso - A iniciativa paranaense foi apresentada no Congresso e Viena como um das experiências bem-sucedidas na área de Planejamento Público de Resíduos Sólidos. O congresso reúne representantes de mais de 120 países, e é organizado pela cidade de Viena em cooperação com a International Solid Waste Association (ISWA), sendo um dos eventos mais importantes do mundo no campo da gestão de resíduos. Segundo Carlos Garcez, os participantes do Congresso ficaram muito interessados na construção do Plano de Resíduos por meio da inclusão social dos catadores.

Europa - Ele lembrou que na Europa, os aterros são utilizados para colocar apenas os resíduos que não oferecem nenhuma possibilidade de reciclagem “Na mentalidade dos europeus é inconcebível o encaminhamento de resíduos para aterro. Além disso, eles estão muito avançados na produção de energia através de tecnologias de tratamento de resíduos como, por exemplo, incineração, gaseificação, pirólise, biogás”, destaca Carlos.

Critérios - Os critérios apresentados no Congresso de Viena integram o Plano para a Gestão Integrada de Resíduos Sólidos – PGIRS - que pode ser consultado pelo site www.meioambiente.pr.gov.br. O objetivo do documento é avaliar e planejar o gerenciamento e destinação de resíduos, preparando os municípios para a implementação de soluções integradas e consorciadas.

Critérios - Para a formação dos consórcios intermunicipais foram estabelecidos critérios de regionalização, divididos em três meios: aquele que resulta da ação do homem, conhecido como meio antrópico; o meio físico e ainda, o conjunto de todos os organismos vivos que vivem em um ecossistema, conhecido como meio biótico.

Sociais - Entre os critérios sociais estão a disponibilidade de mão de obra qualificada para a gestão de aterro consorciado, funcionamento dos atuais sistemas de coleta, triagem e tratamento de resíduos da região, priorizando aquelas onde não há soluções com relação à coleta e tratamento do lixo. Foi priorizado para formação de consórcios os locais onde o saneamento público é insuficiente e regiões onde existem cooperativas de catadores formadas.

Quesitos econômicos - Os quesitos econômicos incluíram a infraestrutura disponível, população e nível de desenvolvimento econômico, já que isso define o porte das instalações necessárias. Outro critério importante é a existência de formas de cobrança por serviços de limpeza e o custo do transporte dos resíduos deve ser igualmente calculado. A presença de órgãos vinculados ao Sistema Sema também conta pontos, tendo em vista que estes órgãos serão mobilizadores e fiscalizadores dos consórcios propostos.

Meio físico - No meio físico foram consideradas áreas já degradadas ambientalmente, consideradas atrativas para a implantação de centrais de tratamento ou destinação final. Já áreas que apresentam fragilidade ambiental são desconsideradas. É relevante observar as restrições de usos e ocupação de regiões, de acordo com o zoneamento municipal e urbano. Já no meio biótico foram considerados aspectos específicos de cada região como, por exemplo, a existência de Unidades de Conservação, Áreas de Preservação Permanente (APP) e locais onde existem espécies endêmicas da fauna e da flora, ou seja, que se desenvolveram em determinada região. (Assessoria de Imprensa da Sema)

 

INFRAESTRUTURA: Movimentação nos portos cresce e fecha setembro com 35 milhões de ton

infraestrutura 11 10 2013Os portos de Paranaguá e Antonina fecharam setembro com 35 milhões de toneladas exportadas e importadas. O volume é 3% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Entre os destaques está a carga geral, que registrou alta de 17%, totalizando 6,6 milhões de toneladas movimentadas.

Grãos - Entre os grãos, a soja já atingiu o patamar das 7 milhões de toneladas exportadas, registrando alta de 8% no comparativo com o mesmo período de 2012. O milho também segue entre os destaques, totalizando 3,1 milhões de toneladas – alta de 7% em relação ao ano passado. Na importação, os fertilizantes totalizaram 7,1 milhões de toneladas, alta de 11% em relação ao ano passado.

Chuva - Mesmo com tempo mais chuvoso, a exportação e importação de grãos têm registrado alta no Porto de Paranaguá. De janeiro a setembro, a operação ficou paralisada pelo período equivalente a 63 dias. No ano passado, no mesmo período, as paralisações somaram 56 dias.

Caminhões – De janeiro a setembro, passaram pelo Pátio de Triagem do Porto de Paranaguá 298 mil caminhões carregados com grãos. Em 2012, até setembro, foram pouco mais de 288 mil. Com as adequações no sistema Carga Online, além da eliminação das filas, o Pátio de Triagem conseguiu diminuir consideravelmente o tempo de espera dos caminhões, aumentando o giro de veículos no local. (Agência de Notícias do Paraná)

 

PARAGUAI: Congresso paraguaio aprova imposto sobre exportação de grãos

O Congresso paraguaio aprovou uma lei que estabelece impostos sobre as exportações de grãos, decisão que deverá oferecer alívio financeiro para os cofres do governo, mas que encontra resistência por parte dos produtores. A regra, aprovada na quarta-feira (09/10), estabelece um imposto de 10 por cento sobre as exportações de soja, trigo, milho e girassol "in natura", uma porcentagem que o Executivo pode reduzir em anos de baixa produtividade.

Soma - O imposto soma-se a outro, aprovado em setembro, de tributação de renda agrícola, o que aumentará significativamente a contribuição do campo para o Tesouro, num momento em que um déficit fiscal acentuado ameaça a estabilidade da economia do país. O governo espera levantar 300 milhões de dólares anuais com o imposto de exportação, de acordo com um dos autores do projeto, e cerca de 250 milhões de dólares para a renda agrícola.

Quarto maior exportador - O Paraguai é o quarto maior exportador de soja e produz cerca de 15 milhões de toneladas de grãos por ano. Na safra 2013/2014 a expectativa é de uma colheita de 9,3 milhões de toneladas de soja, de acordo com estimativas oficiais. As exportações de soja do país somaram 2,4 bilhões de dólares entre janeiro e agosto, segundo o Banco Central paraguaio.

Competitividade - Os produtores afirmam que o imposto reduzirá a competitividade, uma vez que o país já tem a desvantagem da falta de acesso ao mar. Os agricultores dizem também que a tarifa vai acabar beneficiando as indústrias de processamento de grãos multinacionais. A cadeia da soja no Paraguai é em grande parte controlada pelas multinacionais Archer Daniels Midland, Bunge, Louis Dreyfus Commodities, Cargill e Noble. (Reuters / Agrolink)

FGV: Mercado de trabalho mostra tendência de estabilidade

emprego 11 10 2013O Indicador Antecedente de Emprego (Iaemp), da Fundação Getulio Vargas (FGV), ficou praticamente estável em setembro (variação de 0,1%), na comparação com o mês anterior. O índice busca antecipar tendências do mercado de trabalho para os próximos meses, com base em entrevistas com consumidores e empresários da indústria e do setor de serviços.

Componentes - Entre os componentes usados para medir o indicador, a maior alta foi observada na perspectiva dos consumidores de encontrar emprego em sua própria região (4,3%). Por outro lado, os empresários de Serviços estão menos otimistas em relação a contratações futuras, pois o componente teve queda de 1,1%.

Percepção - Outro índice da FGV, o Indicador Coincidente de Desemprego (ICD), apontou para uma leve piora, de 0,5%, na percepção do consumidor sobre o mercado de trabalho atual. As piores avaliações ficaram com as duas faixas de renda mais baixa dentre as quatro analisadas pela FGV: a avaliação dos consumidores com renda abaixo de R$ 2,1 mil piorou 0,7%, enquanto a daqueles com renda entre R$ 2,1 mil e R$ 4,8 mil teve uma piora de 0,8%. (Agência Brasil)

 

BRASIL: País está preparado para transição econômica global, diz Awazu, do BC

brasil 11 10 2013O Brasil está muito bem preparado para o período de transição da economia global, disse na quinta-feira (11/10) o diretor de assuntos internacionais do Banco Central (BC), Luiz Awazu Pereira. "Com isso, vamos poder reforçar a nossa estabilidade macroeconômica e dar previsibilidade aos agentes para que eles possam continuar o processo de recuperação da economia brasileira e de recuperação gradual de investimentos e do crescimento no Brasil", afirmou ele, ao participar de evento em Washington, onde ocorre a reunião anual do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Fundamentos macroeconômicos - Segundo ele, o país preparou-se para a reversão do sentimento do mercado pela manutenção dos seus fundamentos macroeconômicos, com nível de dívida e inflação sob controle. O país também fez isso "através de um elemento muito importante, que é a solidez de seu sistema financeiro".

Sistema sólido - O Brasil tem, de acordo com ele, um sistema bancário sólido, bem capitalizado, bem provisionado, capaz de passar por um período em que os ativos tenham naturalmente "um pouco mais de volatilidade, sem que isso cause mais volatilidade no nosso sistema financeiro". Ele ressaltou que o programa do BC para o mercado de câmbio ajudou a dar mais previsibilidade aos agentes econômicos.

Excesso de otimismo - Awazu disse que em relação aos mercados emergentes parece ter havido antes um pouco de excesso de otimismo e depois houve simetricamente um excesso de pessimismo. Na verdade, segundo ele, a situação está mais no meio termo. As coisas não eram possivelmente tão exuberantes, e agora são possivelmente mais normais.

Reprecificação - Para o diretor do BC, a América Latina, e o Brasil em particular, são capazes de viver esse período de transição em que vai haver reprecificação dos ativos dos emergentes. O país tem grandes reservas internacionais acumuladas, bons indicadores de solidez externa e anunciou um programa de intervenção no mercado de câmbio que deu previsibilidade. Awazu participou ontem de um debate sobre a América Latina, na Universidade George Washington. (Valor Econômico)

 

CÂMBIO Dólar cai 1,13% e fecha dia cotado a R$ 2,18 para venda

cambio 11 10 2013O dólar caiu 1,13% no pregão desta quinta-feira (10/10) e terminou o dia cotado a R$ 2,181 para venda, menor valor desde 18 de junho deste ano, quando a moeda norte-americana fechou o pregão em R$ 2,178. Contribuíram para a queda do dólar a elevação da taxa básica de juros (Selic) para 9,5% ao ano, determinada quarta-feira (09/10), e a consequente sinalização do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) de que o processo de ajuste monetário deve continuar.

Reforço - A decisão do Copom reforçou o mercado de câmbio, que adquiriu estabilidade desde que o BC iniciou os leilões diários de dólares, em 23 de agosto. Nesta quinta, por exemplo, o BC vendeu todo o lote de 10 mil contratos de swap cambial (equivalente à venda futura de dólares), com vencimento em 5 de março de 2014, no valor de US$ 497,5 milhões. Avanços nas negociações entre democratas e republicanos para acabar com o impasse fiscal nos Estados Unidos também animaram os investidores, que aplicaram tanto no dólar quanto no mercado de ações.

Bolsa - O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) terminou o pregão com valorização de 0,85%, aos 52.996 pontos, depois de fechar 822.140 negócios no valor de R$ 6,275 bilhões. (Agência Brasil)

 

PARCERIA: UE quer aumentar cooperação com a indústria do Brasil

A União Europeia (UE) pretende intensificar a sua cooperação industrial com o Brasil como parte de sua estratégia para aumentar os negócios e o comércio na América do Sul, disse o vice-presidente da Comissão Europeia para a Indústria e o Empreendedorismo, Antonio Tajani.

Investimento e competividade - Tajani, que lidera uma comissão conjunta com o Brasil sobre investimento e competitividade, disse que a localização da maior economia da região foi importante para aumentar as oportunidades econômicas do bloco. "Queremos aumentar o número de empresas europeias que trabalham no Brasil porque para nós a internacionalização é fundamental", afirmou Tajani. "O Brasil é muito importante porque a economia está crescendo", acrescentou.

Reunião - Além disso, o vice-presidente da Comissão Europeia esteve no Brasília com um grupo de 11 embaixadores europeus e 73 líderes empresariais brasileiros e europeus para discutir questões políticas da Confederação Nacional das Indústrias no Brasil. Segundo Tajani, o resultado desta reunião e de outra que será realizada em novembro em Bruxelas será apresentado durante uma cúpula de altos funcionários do governo brasileiro e da União Europeia prevista para fevereiro de 2014.

Negociações - As negociações vêm à medida que o Brasil e seus parceiros da união aduaneira do Mercosul se esforçam para chegar a um comum acordo sobre uma proposta de livre comércio com a UE, que deve ser apresentada até o final do ano. Na semana passada, o Brasil aprovou o conteúdo de uma proposta de liberalização comercial a ser feito pelo Brasil nas negociações envolvendo o Mercosul e a UE. Essa proposta está sendo apresentada aos parceiros do Brasil no Mercosul para aprovação.

Outras questões - Mas a UE se preocupa com algumas questões da região. Enquanto o Brasil se comprometeu a tentar negociar até 90% do seu volume de comércio com a UE caso o acordo seja aprovado, outros parceiros do Mercosul, como Argentina e Venezuela, são vistos como hesitantes em abrir mais o comércio exterior. Para Tajani, se a maior cooperação industrial entre Brasil e a UE for concretizada, as oportunidades devem aumentar em uma série de setores, incluindo aeroespacial, turismo, automóveis, maquinaria, biotecnologia , agroindústria e energia alternativa. (Dow Jones Newswires / Agência Estado)

OPINIÃO: Engenheiro Agrônomo, 80 anos de regulamentação profissional

opiniao 11 11 2013*Luiz Antonio Corrêa Lucchesi

Oitenta anos se passaram desde a promulgação do Decreto 23.196 que, em 12 de outubro de 1933, regulamentou o exercício profissional do engenheiro agrônomo. Naquela época, o então presidente Getúlio Vargas certamente enxergou o potencial que o Brasil possuía para ampliar e tecnificar sua agricultura e a necessidade de se ter profissionais capacitados científica e tecnicamente para conceber, planejar e orientar tecnicamente a concretização de tal visão.

Não obstante em 1878 ter sido instalado, em Cruz das Almas, Bahia, o primeiro Curso de Agronomia do País, e de ter sido o ensino agronômico regulamentado em 1910 quando da criação da ENA, Escola Nacional de Agricultura, hoje Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (km 47), somente muito tempo depois é que houve a regulamentação desta importante e vital profissão para o Brasil.

Do final do século XIX ao início do século XXI muitas escolas de Agronomia foram criadas e milhares de engenheiros agrônomos foram por elas formados. Com eles se estruturou políticas e programas de desenvolvimento agrícola, empreendimentos e  instituições que fizeram do Brasil uma das maiores potências agrícolas do planeta!

Os números derivados desta criação são incontestáveis. Como exemplo pode-se citar o caso da soja. Se por um lado o sucesso do cultivo desta leguminosa é fruto do trabalho dos heróicos agricultores brasileiros e de suas organizações, de outro, a produtividade média desta cultura, hoje entre as mais altas do mundo, só foi conseguida com a utilização de resultados de pesquisa obtidos com o emprego da Ciência Agronômica, tornando o Brasil numa referência mundial em agricultura tropical.

Há poucos anos atrás isto não ocorria. Foi por meio da ciência agronômica e do trabalho de assistência técnica e de extensão rural dos engenheiros agrônomos aos agricultores que a cultura da soja e um sem número de outras foram adaptadas a outrora hostis ambientes, permitindo a expansão, a diversificação e o aprimoramento, do Oiapoque ao Chuí, da produção animal e vegetal brasileira que hoje, com produtos de qualidade, abastece  nossas mesas, nossa indústria e até mesmo nossa rede de transmissão de energia elétrica e a crescente frota de veículos, gerando renda  e divísas que ativam nossa economia num ambiente global altamente competitivo.

Sim, a pujança da agricultura brasileira hoje estampada em jornais de todo o mundo, está respaldada em conhecimentos que congregam o manejo de solos e da água, a nutrição vegetal e animal, a genética e o melhoramento de plantas e de animais, a biologia molecular, o controle integrado de pragas e doenças, a geodésia, a informática e a agricultura de precisão, a economia agrícola, a engenharia rural e  tantos outros apreendidos pela agronomia que nos bancos escolares, nos campos experimentais e escritórios estão sendo convertidos em tecnologias cuja aplicação tem como resultado o que aí se apresenta na força do agronegócio brasileiro.

A visão holística proporcionada pelas boas escolas de Agronomia que impera na formação de engenheiros agrônomo brasileiros tem permitido a estes profissionais liderar ações de desenvolvimento nas mais remotas regiões, e propor soluções inovadoras e sustentáveis para o abastecimento de água, para a segurança alimentar e para a logística reversa de resíduos sólidos das grandes metrópoles.

Mas nem tudo são flores e o sucesso de nossa agricultura tem também gerado grandes problemas. Os engenheiros agrônomos, com sua visão empreendedora, preparação técnica-científica, consciência cidadã e ética profissional continuarão a contribuir para com o enfrentamento destes novos desafios e com isso para com o desenvolvimento de nosso País!

Desta forma, sempre prontos a servir, os engenheiros agrônomos comemoram neste 12 de outubro de 2013, além do Dia da Padroeira e do Dia da Criança também o seu dia!

Parabéns a todos os colegas engenheiros agrônomos!

*Luiz Antonio Corrêa Lucchesi, Ph.D., Vice-presidente para a Região Sul da Confaeab - Confederação dos Engenheiros Agrônomos do Brasil, Presidente da Federação dos Engenheiros Agrônomos do Paraná, Diretor de Política Profissional da Associação dos Engenheiros Agrônomos do Paraná - Curitiba, Professor do Departamento de Solos e Engenharia Agrícola da Universidade Federal do Paraná/ Setor de Ciências Agrárias

 


Versão para impressão


Assessoria de Imprensa do Sistema Ocepar - Tel: (41) 3200-1150 / e-mail: imprensa@ocepar.org.br