Imprimir
Sistema Ocepar - Paraná Cooperativo - Informe Diário

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 3266 | 22 de Janeiro de 2014

VISITA: Cooperativistas norte-americanos visitam o Paraná

Visita 22 01 2014Um grupo de dirigentes de cooperativas de crédito de várias regiões dos Estados Unidos, em viagem ao Brasil, visitou na manhã desta quarta-feira (22), em Maringá, a administração da Sicredi União PR-SP. A comitiva, que veio ver de perto a realidade do sistema no país, onde seu desenvolvimento tem sido rápido, foi recebida pelo diretor-executivo Rogério Machado, o diretor regional de Desenvolvimento, Walter Silva, e outros profissionais. Após uma reunião de apresentação, em que fizeram muitas perguntas, os visitantes foram levados para conhecer a unidade de atendimento Centro.  O programa do dia inclui, ainda, na parte da tarde, uma visita à unidade situada na Cocamar, que atende exclusivamente produtores rurais ligados a essa cooperativa, que os receberá para apresentar seu parque industrial – um dos maiores do setor no Brasil - e um dia de campo sobre tecnologias agrícolas. Acompanhado por profissionais da Sicredi Central PR-SP, os norte-americanos disseram que o Sicredi é uma referência internacional em matéria de cooperativismo de crédito, sendo admirado por seu crescimento e conquistas.

Ocepar – Este mesmo grupo também esteve na segunda-feira (20/01), na sede do Sistema Ocepar, em Curitiba, quando foram recebidos pelos analistas da Gerência Técnica e Econômica, Alexandre Monteiro e Robson Mafioletti. De Curitiba o grupo foi para Castro, onde visitou a Cooperativa Castrolanda, seguiu para Maringá, onde realizou hoje uma visita ao Sicredi União. Na sequência viajam para a região Oeste do estado. (Com informações Assessoria Sicredi União)

 

 

{vsig}noticias/2014/01/22/Visita/{/vsig}

COAMO I: Reuniões de campo levam conteúdo atual ao cooperado

Fenix reucam 22 01 2014 (Small)Começam nesta quarta-feira (22/01) as Reuniões de Campo da Coamo. Em 11 dias, cerca de cinco mil quilômetros serão percorridos pela diretoria da Coamo para realizar os tradicionais encontros deste primeiro semestre de 2014. Ao todo serão 37 reuniões com a expectativa de participação de mais de dez mil cooperados de toda área de ação da cooperativa no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. O projeto existe há mais de 40 anos e os encontros são realizados duas vezes por ano, sempre no início e final da safra de verão, com objetivo de auxiliar os cooperados na tomada de decisões para a condução dos negócios na propriedade. Nas reuniões, eles ficam sabendo da situação geral e das perspectivas da agricultura brasileira, bem como da situação geral da Coamo e Credicoamo. (Assessoria de Imprensa Coamo)

 

COAMO II: Presidente da Coamo destaca importância das reuniões de campo

toledo reucam 22 01 2014 (Small)O presidente da cooperativa, engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini, coordena as tradicionais Reuniões de Campo da diretoria há 40 anos e considera as reuniões como uma importante ferramenta de auxílio para tomada de decisões na condução da atividade do produtor rural no campo. “Mais uma vez começamos as reuniões de campo. Esta participação é que dá sentido ao trabalho que estamos fazendo em prol da melhoria da produtividade e renda dos cooperados da Coamo. As reuniões são sempre bem recebidas pelo quadro social, com acesso à importantes informações do cenário atual da nossa agricultura. Além disso, é uma satisfação fazer parte dessa história, desde começo, onde pude observar na pratica o quanto essas reuniões dão resultado”, observa Gallassini. (Assessoria de Imprensa Coamo)

 

CRÉDITO: Sicredi lança promoção Sorte em Campo

sorteemcampo 22 01 2014Para aproveitar o clima de futebol e Copa do Mundo que toma conta do País, o Sicredi lança neste mês de janeiro mais uma promoção para seus associados: a Sorte em Campo Sicredi. A campanha está alinhada com outras ações, como a "Seu Cartão Sicredi Visa Bate um Bolão", que levará 20 associados portadores do Cartão Sicredi Visa para assistir a jogos da Copa 2014, e o patrocínio do 100º Campeonato Paranaense de Futebol. Na Sorte em Campo Sicredi, a instituição financeira cooperativa distribuirá, até agosto, 25 prêmios semanais de R$ 30 mil e um prêmio final de R$ 250 mil a associados pessoas físicas e jurídicas, totalizando R$ 1 milhão.


Promoção - Participam da promoção os associados que investirem em poupança, depósito à prazo (RDC / Sicredinvest), fundos de investimento e capital social ou que indicarem amigos e familiares convertidos em associação, conforme previsto no regulamento. A promoção se estende até o dia 31 de julho. Os sorteios serão semanais pela Loteria Federal. O primeiro será no dia 15 de fevereiro e o prêmio final será sorteado no dia 16 de agosto. Os números da sorte serão atribuídos aos associados pelas cooperativas de crédito de forma eletrônica, sem a necessidade de cadastro do participante. Os associados poderão consultar seus números e o regulamento completo no site da promoção - www.sorteemcamposicredi.com.br, na sua unidade de atendimento ou pelo SAC Sicredi - 0800 724 7220.

 

ECONOMIA: Paraná está entre os três estados que mais criaram empregos em 2013

C Vale Maria Assuncao 22 01 2014O Paraná gerou 90.349 empregos com carteira assinada em 2013, um aumento de 3,5% em relação ao estoque de trabalhadores de dezembro de 2012. Foi o terceiro Estado do país que mais criou novas vagas e o primeiro da região Sul. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, foram divulgados nesta terça-feira (21) e mostram que o Paraná foi superado apenas pelos estados de São Paulo (267.812 empregos com aumento de 2,14%) e pelo Rio de Janeiro (100.800 empregos, aumento de 2,67%). 

Região Sul - O desempenho paranaense é também o melhor da região Sul. De janeiro a dezembro de 2013, o Rio Grande do Sul gerou 90.164 vagas (3,47%) e Santa Catarina criou 76.762 (4,04%). Os setores de atividade que mais contribuíram para a expansão paranaense foram os Serviços (39.196 postos), o Comércio (28.135 postos) e a Indústria de Transformação (15.177 postos).  No ano, ao Interior do Estado foi responsável por 71.845 empregos, aumento de 4,67% em relação ao estoque de empregos em dezembro de 2012. Já a região Metropolitana de Curitiba registrou acréscimo de 18.504 empregos formais. 

Novos investimentos - Na avaliação do secretário do Trabalho, Emprego e Economia Solidária, Luiz Cláudio Romanelli, o Paraná teve um excelente desempenho. “Em 2012 ficamos em quarto lugar na geração de empregos e, em 2013, passamos para a terceira posição. Os números mostram o acerto da política de atração de investimentos do governo Beto Richa, que criou um novo ambiente de negócios no Estado e mantém uma relação de diálogo com empregadores e trabalhadores. Acredito que 2014 será um excelente ano para a economia paranaense”, analisa Romanelli. 

Final de 2013 – No último mês do ano, por razões sazonais que marcam a série do Caged (entressafra agrícola, férias escolares, período de chuvas, término das festas no final do ano), que permeiam quase todos os setores/subsetores, verificou-se declínio de 1,59% no nível de emprego ou -43.022 postos de trabalho. O resultado decorreu da queda em todos os setores, com destaque para Indústria de Transformação (-17.625 postos), Serviços (-13.013 postos), Construção Civil (-4.725 postos) e Comércio (-4.089 postos). 

Brasil – Em 2013, foram gerados 1.117.171 postos de trabalho celetistas no país. Essa expansão deveu-se principalmente ao crescimento do emprego nos setores de Serviços ( 546.917 postos), do Comércio ( 301.095 postos), da Indústria de Transformação (126.359 postos) e da Construção Civil (107.024 postos).  O resultado aponta uma redução no ritmo de expansão, quando confrontado com os saldos registrados nos anos anteriores. Em 2012, nesse mesmo período de comparação, verificou-se um aumento de 1.301.842 postos de trabalho, quadro que já assinalava um arrefecimento no ritmo de crescimento do emprego em relação aos últimos anos. Apesar da desaceleração apresentada em 2013, o mercado de trabalho formal vem apresentando, pelo quinto mês consecutivo, (de agosto a dezembro) um maior dinamismo frente ao mesmo período do ano anterior. Especificamente no mês de dezembro de 2013, verificou-se no Brasil uma redução de 449.444 postos de trabalho, ou declínio de 1,10%, tomando como referência o estoque do mês anterior. (AEN) 

 

NOVAS TECNOLOGIAS: O meio rural e o acesso à informação

Ocepar Campo 22 01 2014As profundas transformações observadas no mundo rural, nos últimos trinta anos, geraram uma necessidade de adaptação, por parte dos produtores, a uma nova realidade em que a produção de subsistência deu lugar a um complexo sistema agroindustrial e as fronteiras entre rural e urbano tornaram-se, cada vez mais, tênues e difusas. O conhecimento deixou de ser privilégio e tornou-se fator de desenvolvimento da agricultura. Nesse contexto a inclusão digital representa um canal privilegiado para o acesso à informação - fonte de conhecimento - e uma possibilidade de equalização de oportunidades para todos os segmentos da sociedade, seja ela urbana ou rural. Sendo assim, a difusão das tecnologias de informação e comunicação (TIC’s), especialmente da internet, tornou-se uma necessidade para o meio rural, tanto quanto já era para o urbano, visando atender a demanda por informações atualizadas e constantes.

 

Limites geográficos - No que se refere às possibilidades aventadas pelas TICs para o meio rural pode-se destacar a extinção dos limites geográficos, a ampliação de horizontes e a incorporação de expectativas, a constituição de grupos de comercialização, o desenvolvimento de novas políticas públicas, o acesso facilitado a estimativas de safras e desempenhos nas bolsas de valores e commodities, a serviços bancários, as cooperativas de crédito e de produção, a educação a distância e a assistência técnica. Todavia, abolir as distâncias espaciais e oportunizar acesso universal às TICs ainda são promessas e, para isso, é necessário superar questões relativas aos custos de infraestrutura, à qualificação da população em termos de alfabetização digital e sua familiarização com a internet. Assim, Bernardo Sorj, autor do livro " Brasil@povo.com", afirma que a inclusão digital depende de cinco fatores.

Principais fatores - A existência de infraestruturas físicas de transmissão. A disponibilidade de equipamentos/conexão de acesso (computador, modem, linha de acesso). Treinamento no uso de instrumentos do computador e da internet. Capacitação intelectual e inserção social do usuário, produto da profissão, do nível educacional e intelectual e de sua rede social, que determina o aproveitamento efetivo da informação e das necessidades de comunicação pela internet. A produção e o uso de conteúdos específicos adequados às necessidades dos diversos segmentos da população. Portanto, para a universalização do acesso à internet é necessário que sejam superadas as barreiras de infraestrutura, que dependem de investimentos público-privados, além da capacitação dos usuários e da disponibilização de conteúdos específicos para o meio rural. Este último ponto vem sendo gradativamente superado com o advento de portais e canais específicos para o público do Agronegócio. Verônica Crestani Viero Engenheira Agrônoma, Relações Públicas e Mestre em Extensão Rural pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), atua como Coordenadora de Ensino do Instituto Phytus. (Agrolink)

 

SAFRA: Transporte caro

caminhao safra 22 01 2014A colheita começa a engrenar nesta semana em Mato Grosso e no Paraná sob a previsão de que o transporte da produção custe 10% a mais do que em 2013. "O grande problema é a disponibilidade de caminhões", disse a pesquisadora Natália Trombeta, da Esalq Log, braço de pesquisas sobre logística da conceituada Escola Superior de Agricultura, que estimou esse reajuste. A safra brasileira de soja - principal produto agrícola de exportação do país - deverá crescer 11%, para 91 milhões de toneladas. Além da pressão da demanda por transporte, o reajuste de 10% é atribuído ao encarecimento do diesel. A Petrobras aprovou três reajustes para o diesel nas refinarias ao longo de 2013: 5,4%, 5% e 8%. "Teve 15% de aumento [nos postos] sobre uma fração muito importante do frete", disse Neuto Reis, diretor técnico da NTC&Logística, associação que reúne 3 mil transportadoras. O óleo diesel, segundo ele, responde por até 40% dos custos dos fretes de longa distância. A alta no custo com o transporte ocorre sobre os elevados patamares de 2013, quando uma nova legislação trabalhista impôs limites à carga horária dos caminhoneiros. Escalada 35% de reajuste no frete de Mato Grosso para Santos foi registrado no ano passado, quando o transporte de uma tonelada de soja ultrapassou a marca de R$ 300.  (Gazeta do Povo)

 

 

 

TRIGO: Cereal argentino começa a chegar nos moinhos

trigo Agencia de Noticias do Parana 22 01 2014As primeiras 500 mil toneladas de trigo que a Argentina liberou para exportação devem começar a chegar ao Brasil a partir de fevereiro. Os moinhos brasileiros esperam liberação para um total de 2,5 milhões de toneladas, 1 milhão a mais do que cogita Buenos Aires. A demora e o compasso nas remessas sustentam os preços a R$ 42 a saca no Paraná e a R$ 35 no Rio Grande do Sul. Os produtores paranaenses recebem 5% a mais e os gaúchos 5% a menos do que um ano atrás, numa variação que reflete o resultado da safra - recorde no extremo sul. As previsões de que a chegada do trigo argentino vai reduzir os preços do produto nacional só devem ser conferidas nas próximas semanas. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que o cereal brasileiro será mais disputado neste ano. Há estimativa de queda na exportação - que ocorre por sobra de tipos específicos do grão na Região Sul - de 1,6 milhão para 500 mil toneladas. A importação, por sua vez, tende a seguir entre 6 milhões e 7 milhões de toneladas. Pão caseiro 25% do volume de trigo exportado quatro anos atrás, que chegou a 2,5 milhões de toneladas em 2011. Essa deve ser a marca das vendas externas da triticultura brasileira em 2014, conforme a Conab. (Gazeta do Povo)

 

MAPA I: Aberto concurso para 796 vagas e salários de até 12,5 mil reais

Foi divulgado no Diário Oficial da União desta terça-feira, 21 de janeiro, Seção 3, o edital de abertura do concurso público 001/2014 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, voltado ao provimento de 796 vagas nas carreiras de Fiscal Federal Agropecuário, Atividades Técnicas de Fiscalização e do Plano Geral de Cargos do Poder Executivo. A organização do certame é da empresa Consulplan. As oportunidades estão distribuídas entre as Unidades do Mapa nos Estados do Acre, Amazonas, Amapá, Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraná, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

Cargos - Nível Fundamental: Auxiliar de Laboratório (66 + 4 PcD – reserva de vagas para Pessoas com Deficiências); Nível Médio/ Técnico: Agente de Atividades Agropecuárias (47 + 3 PcD), Agente de Inspeção Sanitária e Industrial de Produtos de Origem Animal (95 + 5 PcD), Técnico de Laboratório (174 + 10 PcD), Agente Administrativo (104 + 6 PcD) e Técnico em Contabilidade (4 + 1 PcD); Nível Superior: Engenheiro Agrônomo (76 + 4 PcD), Farmacêutico (12 + 1 PcD), Químico (20 + 2 PcD), Veterinário (104 + 6 PcD), Zootecnista (6 + 1 PcD), Administrador (23 + 2 PcD), Bibliotecário (2), Contador (5 + 1 PcD), Economista (4), Engenheiro (3), Geógrafo (3) e Psicólogo (2).

Exigências - Do total de vagas, 46 são para pessoas com deficiência e os salários variam de R$ 2.818,02 a R$ 12.539,38, de acordo com a escolaridade, para jornadas semanais de trabalho de 40h. Os interessados devem ter formação em nível fundamental, médio/ técnico ou superior, conforme vaga pretendida, e realizar inscrição entre os dias 3 de fevereiro de 2014 e 6 de março de 2014, pelo endereço eletrônico www.consulplan.net, com taxas de R$ 38,50, R$ 50,00 e R$ 71,00, de acordo com o cargo.

Provas - Haverá prova objetiva de múltipla escolha e discursiva para todos os cargos, com caráter eliminatório e classificatório, na data de 4 de maio de 2014, nos períodos da manhã e tarde, em horários e locais a serem divulgados a partir de 28 de abril de 2014 pelo site do certame. A avaliação de títulos para funções de nível superior destinadas ao Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro) será de caráter apenas classificatório. O conteúdo programático está anexo ao edital. O certame é válido por um ano, a contar de sua homologação e pode ser prorrogado por igual período. Para mais detalhes consulte o edital no Edital nº 1do DOU. (Assessoria Mapa)

MAPA II: Quantidade de fruta terá destaque no rótulo das bebidas

A partir de julho de 2014 a indústria deverá informar no painel principal do rótulo das bebidas não alcoólicas o percentual de polpa da fruta ou suco utilizado nos ingredientes. A regra foi determinada pelas Instruções Normativas nº 17, 18, 19 e 42 publicadas em 2013 pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Após um amplo debate com os integrantes da cadeia do agronegócio de bebidas, ficou claro que é necessário informar com mais clareza ao consumidor o que está sendo ofertado para ele. Segundo o chefe da Divisão de Bebidas do Ministério, Marlos Schuck Vicenzi, todos os refrigerantes, refrescos e chás devem declarar o percentual. “Em dezembro de 2014 a regra passa a valer também para os néctares e sucos tropicais. Essa obrigatoriedade beneficia tanto o produtor quanto o consumidor, pois aumenta a transparência nas relações de consumo das cadeias produtivas envolvidas”, ressaltou.

Novas exigências - Para ser chamada de suco, a bebida deve conter 100% da fruta. No caso do néctar deve ter em sua composição um percentual mínimo do suco ou polpa. “O néctar de pêssego deve conter no mínimo 40%, já o de pitanga no mínimo 25%. Marlos explica ainda que o teor de suco ou polpa se modifica em função do tipo de fruta. Existem algumas com alto grau de acidez ou sabor forte que torna inviável a produção de néctares com percentual elevado de suco. “Outro fator considerado nas discussões para um possível aumento do teor de suco nas bebidas é a disponibilidade da fruta para as indústrias”, disse. A partir de 2015 haverá aumento do percentual mínimo obrigatório de suco ou polpa para os néctares de laranja e uva, que será feito de forma gradual partindo-se dos atuais 30% para 40% em janeiro e finalmente 50% em janeiro de 2016”, explica Vicenzi.

Os fiscais agropecuários do Mapa fiscalizam a produção das bebidas por meio de análises laboratoriais e inspeções nos estabelecimentos. O descumprimento das regras estabelecidas nos padrões de identidade e qualidade fixados pelo Mapa constitui infração. O produtor pode ser punido com multa, interdição do estabelecimento, suspensão ou cassação de registros. (Assessoria Mapa)

ARGENTINA: Chuvas trazem alívio para produtores de soja

As chuvas registradas desde a noite de segunda-feira na Argentina trouxeram alívio para as lavouras de soja depois de uma onda de temperaturas muito altas e tempo seco e precipitações mais volumosas devem chegar ao final da semana, disse um especialista climático nesta segunda-feira. Na semana passada, um período de extremo calor e sem chuva levantou temores sobre a colheita do país sul-americano, o maior exportador global de óleo e farelo de soja, o que sustentou os futuros na bolsa de Chicago. Nesta terça-feira, os futuros registravam perdas decorrentes das chuvas na Argentina.

Menos perdas - Desde a noite de segunda-feira, as três principais províncias de soja da Argentina tiveram entre 30 e 50 milímetros de chuvas, segundo Germán Heinzenknecht, meteorologista da Climatologia Aplicada. "Essas chuvas têm sido muito benéficas para o leste e o norte de Buenos Aires, sul de Santa Fé e sudeste de Córdoba", afirmou o especialista à Reuters. Os agricultores argentinos já semearam 92 por cento da área prevista para o ciclo 2013/14, cujo plantio foi adiado pela seca e pelas elevadas temperaturas. O clima adverso afetou lavouras de soja, mas as fortes chuvas de janeiro devem normalizar a situação, evitando perdas. No caso do milho, as condições secas e quentes causaram danos irreversíveis no país que é o terceiro maior exportador global. Na quinta-feira, a área central pode voltar a ter mais 25 milímetros de chuvas, o que posiciona muito bem a soja para entrar no mês de fevereiro, disse o especialista. O Ministério da Agricultura estima que a área de soja da Argentina 2013/14 atingirá um recorde de 20,8 milhões de hectares. (Reuters)

ORÇAMENTO: Ministério da Agricultura perde recursos e encolhe

O orçamento do Ministério da Agricultura vem sendo achatado nos últimos anos, enquanto as despesas com funcionários crescem no ritmo da inflação e deixam pouca margem para gastos com investimentos. O orçamento liquidado pelo ministério subiu apenas 14% de 2009 a 2013, passando de R$ 2,9 bilhões para R$ 3,3 bilhões - a inflação acumulada no período alcançou 26,4%. As despesas com o pagamento de pessoal, que subiram de R$ 2,3 bilhão para R$ 2,9 bilhões, acompanharam exatamente a evolução da inflação e passaram a representar 87% do orçamento liquidado da pasta, segundo dados levantados pelo Portal da Transparência. O orçamento do setor, excluídas as autarquias, tem sido instável e os recursos efetivamente liberados não acompanham a evolução da inflação. O avanço dos gastos de custeio, mesmo assim, é notável. As despesas com funcionários ativos somaram R$ 1,6 bilhão em 2013 e com inativos e pensionistas, R$ 1,3 bilhão. Segundo estatísticas do Ministério do Planejamento, a Agricultura tem 33 mil funcionários, sendo 10,8 mil ativos. Os reajustes de salários e benefícios fizeram o gasto com pessoal subir de R$ 1,9 bilhão em 2007 para R$ 2,9 bilhões no ano passado, uma alta de 52,6%, muito acima da inflação acumulada nesses seis anos, de 39,6%. Nesse período, alguns programas de investimento foram extintos. Dos 15 programas de investimento e custeio registrados em 2009, só quatro funcionam hoje. Houve a união de vários programas sob uma única denominação, mas alguns foram encerrados. Fontes ouvidas disseram que o custo elevado para manter o ministério deixa pouco espaço para outras despesas. O sucateamento da máquina administrativa é visível. Há departamentos em que os funcionários trabalham sem impressora, papel e material de escritório. Três dos seis elevadores da entrada principal foram desligados para economizar energia. (Valor Econômico)


Versão para impressão


Assessoria de Imprensa do Sistema Ocepar - Tel: (41) 3200-1150 / e-mail: imprensa@ocepar.org.br