Imprimir
Sistema Ocepar - Paraná Cooperativo - Informe Diário

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 3284 | 17 de Fevereiro de 2014

PÓS-GRADUAÇÃO: Inscrições ao Mestrado Profissional em Gestão de Cooperativas superam expectativas

pos graduacao 17 02 2014As próximas semanas serão de muito trabalho para os professores e membros da coordenação do Mestrado Profissional em Gestão de Cooperativas, promovido pela Escola de Negócios da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), com apoio do Sistema Ocepar. Nesse período, eles vão se dedicar a entrevistar os 95 candidatos que se inscreveram para participar do curso. “Será um trabalho árduo já que o número de candidatos superou as nossas expectativas. Além de entrevistá-los, faremos a análise de todas as propostas de projetos que eles tiveram que apresentar no momento da inscrição”, informou, na manhã desta segunda-feira (17/02), o professor Eduardo Damião, decano da Escola de Negócios da PUCPR.

Alta demanda- Ele explicou ainda que normalmente é realizada uma pré-seleção dos projetos mas que, no caso do Mestrado Profissional em Gestão de Cooperativas, todos os trabalhos serão avaliados devido ao grande número de interessados. “Não esperávamos essa quantidade tão elevada de candidatos. Como são 25 vagas ofertadas, a média ficou em 3,2 candidatos por vaga, o que representa um resultado muito bom. Agora, teremos até o dia 28 de fevereiro para finalizarmos o processo de seleção para que tenhamos condições de iniciarmos as aulas no dia 14 de março”, acrescentou o professor Damião.

Pioneirismo- De acordo com ele, não é comum uma pós-graduação na modalidade “Stricto sensu”, como o Mestrado Profissional em Gestão de Cooperativas, receber tantas inscrições em sua primeira edição. Mas, neste caso, o professor Damião acredita que isso ocorreu devido à expectativa que já existia no próprio cooperativismo paranaense em relação à capacitação. “No setor há um grande investimento na formação de seu quadro. Muitos profissionais já participaram de outras especializações e aguardavam por esse mestrado. Acredito ainda que o fato de sermos pioneiros, ao criar o primeiro mestrado profissional do Brasil, específico em gestão de cooperativas, explica esse procura pelo curso”, disse.

Cooperativismo - O professor lembra ainda que, além de profissionais que já atuam nas cooperativas paranaenses, o mestrado também despertou o interesse de pessoas de outras áreas. “Estimamos que entre 20% e 25% dos inscritos não atuam no setor mas são simpatizantes e gostam do conceito que envolve o cooperativismo. Certamente eles têm interesse em ingressar no setor motivados pela imagem forte que as cooperativas possuem e pela notoriedade que o cooperativismo tem no mercado não somente na área agropecuária, mas também no crédito, saúde e transporte, por exemplo. São marcas cada vez mais conhecidas na sociedade que, para os demais profissionais, representam mais uma opção de atuação”, frisou Damião.

Diferencial – Ele destacou também que o Mestrado Profissional em Gestão de Cooperativas possui um grande diferencial. “O curso já nasce com uma parceria internacional. No final de 2013, nós visitamos diversas instituições de ensino que já possuem programas de mestrado e doutorado na área de cooperativismo e sistemas cooperativistas existentes na Espanha, França, Itália e Alemanha. Dessa forma, vamos poder contar com professores visitantes desses países, que poderão realizar seminários, ministrar disciplinas, participar de workshops aqui. Em breve, também poderemos organizar visitas técnicas dos alunos do nosso mestrado a essas cooperativas e instituições com as quais já firmamos um acordo. Teremos condições de devolver ainda estudos correlatos, verificar se há problemas similares, encontrar soluções, enfim, implementar atividades que proporcionarão uma grande riqueza por meio da interação internacional e que resultarão em grande qualidade ao curso”, afirmou.

O curso– O Mestrado Profissional em Gestão de Cooperativas foi lançado no ano passado e os interessados tiveram até o dia 10 de fevereiro para efetivar as inscrições. O aluno poderá optar por duas linhas de pesquisa: Cooperativismo e Sustentabilidade e Gestão Estratégica de Entidades Cooperativas. O programa contempla 24 créditos, com cinco disciplinas obrigatórias e três eletivas, mais uma dissertação. As aulas serão quinzenais, às quintas, sextas e sábados, em Curitiba. “A missão do curso é gerar conhecimento que possa contribuir com o desenvolvimento de profissionais de alto desempenho para o setor cooperativista, capazes de pesquisar, identificar e encontrar soluções para problemas complexos existentes nas cooperativas”, esclareceu o professor Damião. 

 

EXPOCOOP 2014: Cooperação internacional será discutida no Brics Coop

expocoop 17 02 2014Lideranças cooperativistas do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul estarão em Curitiba (PR) discutindo aspectos que fortalecerão o intercâmbio comercial entre os países. O palco para isso é a quarta edição do Brics Coop, que acontecerá entre os dias 14 e 17 de maio, período em que também será realizado um dos maiores eventos do setor: a Expocoop 2014. O encontro abordará o tema “Crescimento Inclusivo, Soluções Sustentáveis”. Além de debates e apresentações de cada um dos países, os visitantes ainda terão a oportunidade de visitar cooperativas paranaenses.

Estratégias - Esses países também deverão tratar de estratégias que fomentem a cooperação técnica entre eles. Os cinco países juntos somam 1 milhão de cooperativas com 400 milhões de cooperados. Segundo dados do Ministério da Indústria e Comércio Exterior, os quatro países do grupo são destino de 20% das exportações e 18% das importações de cooperativas brasileiras.

Breve histórico- O Brics Coop teve origem em 2010 como iniciativa do Sistema OCB de reunir em Brasília, durante a I Cúpula de Chefes de Estados do BRICS, as cooperativas dos países membro do grupo. Desde então, o encontro foi realizado na China, em 2011, e na África do Sul, em 2013, sendo incorporado ao calendário oficial da Cúpula.

Croácia – Entre os dias 25 e 28 de junho, será realizada na cidade de Pula, na Croácia, a Conferência Internacional do Comitê de Pesquisa da Aliança Cooperativa Internacional (ICA CCR). O evento reunirá profissionais cooperativistas, pesquisadores e estudantes ligados a pesquisas em estudos cooperativos e da economia social, bem como outros campos de investigação em cooperativismo.

Inscrições - As inscrições de resumos para apresentação de papers estão abertas até o dia 1º de março por meio do site www.ica2014.coop. No portal está também a lista de campos de estudo contemplados na conferência. Os trabalhos apresentados na conferência serão publicados em edição especial do Journal of Co-operative Organization and Management (Elsevier Science).

Auxílio - A Gerência de Relações Institucionais do Sistema OCB oferecerá auxílio às unidades estaduais que tiverem interesse em se inscrever. Para isso, basta que a UE entre em contato com a gerência por meio do e-mail:  relacoesinstitucionais@ocb.coop.br.

 

COAMO I: Receitas globais atingem recorde de R$ 8,175 bilhões

Os associados da Coamo Agroindustrial Cooperativa aprovaram, na tarde de sexta-feira (14/02), na 44ª Assembleia Geral Ordinária (AGO) realizada em Campo Mourão, o balanço do exercício 2013, que apresentou receitas globais de R$ 8,175 bilhões e um crescimento de 14,3% em relação ao ano anterior. Centenas de produtores associados representando as regiões produtoras nos estados do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul participaram do evento, realizado após uma série de 38 encontros (pré-assembleias) da diretoria com o quadro social nos meses de janeiro e fevereiro. Na AGO, os associados aprovaram também as sobras do exercício 2013 no valor total de R$ 519,7 milhões, que serão distribuídas a partir desta segunda-feira (17/02) a cada associado na proporção da sua movimentação com a Coamo no abastecimento dos insumos e na entrega da produção. O presidente do Sistema Ocepar, João Paulo Koslovski, prestigiou a assembleia.

Safra recorde e bons preços– O presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, avalia com muito positivo o desempenho da cooperativa em 2013, cujo faturamento foi o maior da história de seus 43 anos de existência. “Em 2013 tivemos uma safra de verão recorde com preços bons, o que é uma combinação rara. A Bolsa de Chicago estava com preços altos em função da pouca disponibilidade de produto nos EUA e o dólar continuava a trajetória de apreciação iniciada em 2012. No entanto, lamentavelmente as limitações logísticas absorveram parte do ganho, com encarecimento de frete rodoviário e fila de navios de mais de três meses nos portos.”

Safrinha - Segundo Gallassini, “a segunda safra de milho também foi recorde, mesmo com os problemas provocados pelo clima adverso na colheita, com excesso de chuvas e geadas afetando a qualidade do produto”, explica, acrescentando que “o ritmo de venda dos produtores foi bem compassado, sem pressionar os preços para baixo e aproveitando-se das altas para comercializar.”

Investimentos - O relatório da diretoria da Coamo destaca entre os principais fatos de 2013 as inaugurações do entreposto de Dourados e dos postos de recebimento em  Cruzmaltina e Goioxim, além das modernizações e ampliações nas unidades de Araruna, Peabiru, Brasilândia do Sul, Janiópolis e Boa Ventura, e o início das obras do Moinho de Trigo. Durante 2013 a cooperativa promoveu investimentos de R$ 318,86 milhões, os quais melhoraram o recebimento, a armazenagem da produção e a qualidade no atendimento dos nossos associados.

Recebimento – Em 2013, a Coamo recebeu em sua estrutura adequada e ágil localizada em 116 unidades, estrategicamente instaladas em 67 municípios no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul, um total de  6,80 milhões de toneladas de produtos agrícolas, correspondendo a 3,6% da produção nacional de grãos e fibras. A capacidade estática de armazenagem da cooperativa é de 4,58 milhões de toneladas a granel e 880,27 mil toneladas de ensacados.

Industrialização – O Parque Industrial composto por duas indústrias de esmagamento de soja, refinaria e envase de óleo de soja, fábrica de gordura vegetal e margarina, moinho de trigo, torrefação e moagem de café e duas fiações de algodão industrializou em 2013 volumes da ordem de 1,53 milhão de toneladas de soja, 58,77 mil toneladas de trigo, 2,86 mil toneladas de café beneficiado e 10,03 mil toneladas de algodão em pluma.

Alimentos - Os alimentos Coamo produzidos no parque industrial da cooperativa com as marcas Coamo, Primê, Anniela, Sollus e Dualis registraram faturamento de R$ 726,43 milhões.

Exportações – As exportações de produtos agrícolas industrializados e in natura atingiram 2,56 milhões de toneladas e o montante de US$ 1,21 bilhão, que colocou a Coamo na 33ª posição entre as maiores empresas exportadoras do Brasil e a 1ª do agronegócio paranaense. As exportações foram realizadas através de Terminal Portuário próprio e de terceiros no Porto de Paranaguá no Paraná e pelos Portos de São Francisco do Sul em Santa Catarina e Rio Grande no Rio Grande do Sul.

Social – Durante 2013 a Coamo promoveu 1.477 eventos nas áreas técnica, educacional e social, com o envolvimento de 49.494 participantes.  A Coamo encerrou o ano com 26.276 associados, atendidos por 6.452 funcionários efetivos, sem contar os colaboradores temporários e terceirizados. Com relação à geração de impostos, taxas e recolhimentos, a cooperativa registrou o montante de R$ 269,25 milhões.

Cooperativismo de resultados– “O sucesso e os bons resultados obtidos pela Coamo deve-se a confiança e ao apoio dos nossos associados nas suas operações com a cooperativa e a dedicação, comprometimento e profissionalismo dos nossos funcionários. Agradecemos a todos pelas suas atuações que possibilitaram o bom desempenho alcançado pela Coamo em 2013”, comemora Gallassini. (Com informações da Assessoria de Imprensa da Coamo)

{vsig}noticias/2014/02/17/coamo/{/vsig}

COAMO II: Presidente da Ocepar destaca o bom momento do cooperativismo

coamo II 17 02 2014

 O presidente da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), João Paulo Koslovski, presente na Assembleia Geral Ordinária da Coamo, destacou o bom exemplo da cooperativa nos seus 43 anos de existência. Ele explicou que a Ocepar tenta participar sempre das assembleias mas que isso nem sempre é possível. “A gente não consegue participar de todas, mas a Coamo é nossa maior cooperativa do país. É uma referência que realmente vem fazendo um trabalho fantástico na defesa dos cooperados.” Ele ainda acrescentou que o faturamento significativo mostra o trabalho feito pelos cooperados e a gestão profissional da cooperativa.

Bom momento - O presidente da entidade que congrega as cooperativas fez um balanço positivo de 2013. Segundo ele, todas as paranaenses apresentaram resultados positivos. “Nós tivemos no total mais de R$ 1,5 bilhão de resultado apresentado pelas cooperativas, não nessa expressão da Coamo, mas foi um ano muito bom para as cooperativas do Paraná.” Koslovski ainda frisou que o número de cooperados cresceu em mais de um milhão, fazendo com que três milhões de paranaenses dependam das ações do cooperativismo. Segundo ele, são 1,7 milhão de postos de trabalho gerados pelo cooperativismo no Paraná, o que representa hoje 13,6% do PIB do Paraná. “É um cooperativismo muito forte e representativo que defende realmente os interesses dos cooperados”, comemora. (Imprensa Coamo)

 

CASTROLANDA I: Abertas as cotas de patrocínio do Agroleite 2014

castrolanda 17 02 2014A partir desta segunda-feira (17/02), a Castrolanda, organizadora do Agroleite, abre a comercialização para as cotas de patrocínio da edição 2014 do evento. São três cotas divididas em Diamante, Ouro e Prata. A exposição da marca varia de acordo com o valor do patrocínio e garantem as empresas que investem no evento larga vantagem na divulgação da marca e permitem estarem mais próximas de seus clientes. No ano passado foram 21 empresas entre nacionais e multinacionais as investidoras em publicidade no Agroleite.

Prioridade - Os patrocinadores terão prioridade e serão os primeiros a escolherem a área para montagem de estande.  Logo após esta etapa as demais empresas farão a escolha da área conforme a planta setorizada.  Máquinas e equipamentos vão ocupar o espaço do Parque Dario Macedo e parte da área da Castrolanda e as empresas de insumos pecuários como ordenhadeiras, medicamentos, nutrição, agentes financeiros, genética, mídia, entidades parceiras e associações vão ocupar as áreas próximas ao Convention Center. O mapa com a distribuição dos lotes vai estar disponível nesta segunda-feira (17/02).

Obras – A pouco mais de cinco meses para sediar o maior evento nacional do leite as obras e investimentos previstos para este ano seguem a todo vapor. O Pavilhão dos Animais está sendo construído e o amplo espaço, aproximadamente 7 mil metros quadrados vão permitir conforto para os animais. A 1ª fase da Praça Central do recinto vai ser construída e nela seis casas já estão em construção. A Vila Holandesa vai ganhar mais cinco casas. Pintura e manutenção são constantes. A equipe da Castrolanda já trabalha no local para os preparativos. Novamente o público que vier ao Agroleite,  estimado em 80 mil pessoas, vai perceber os investimentos da Castrolanda na cidade do leite.

Agenda - O evento será realizado de 4 a 8 de agosto e deve receber cerca de 600 animais das raças holandesa, jersey, pardo-suíça, simental  e simlandês. Em negócios a expectativa é superar os R$ 52 milhões do ano passado.

Agroleite - O Agroleite é um evento técnico voltado a todas as fases da cadeia do leite. Ele acontece todos os anos no mês de agosto na cidade de Castro (PR), capital nacional do leite, e busca através de sua programação apresentar o potencial de produção de leite da região nos aspectos qualitativo e quantitativo. Na última edição o evento recebeu 80 mil pessoas e foram comercializados R$ 52 milhões durante os cinco dias. (Imprensa Castrolanda)

 

CASTROLANDA II: Inaugurado o Espaço Mulher Cooperativista

castrolanda II 17 02 2014“Há pouco mais de um ano, o primeiro grupo vestiu a camisa e hoje nós podemos ver que a semente plantada está dando frutos”. A frase é do presidente da Castrolanda, Frans Borg, ao saudar as mulheres, na manhã desta segunda-feira (17/02), na cerimônia de inauguração do espaço Mulher Cooperativista na Castrolanda. Trata-se de uma sala exclusiva para as reuniões de trabalho do grupo inaugurada no antigo DAT, com a presença da Diretoria e das participantes do 1º grupo de líderes cooperativistas e da nova turma que inicia hoje no Programa. “É um prazer como sociedade de produtores rurais recebê-las aqui. Para nós é muito importante a participação da mulher. Se quisermos ser um país desenvolvido precisamos da participação de todos. Todos somos responsáveis pela nossa Cooperativa e observamos também que a participação da mulher inclusive na visão econômica é maior. Parabenizo a iniciativa e temos certeza que teremos bons frutos dos trabalhos que serão desenvolvidos pelos grupos”, disse o presidente.

O caminho- A visita do grupo e da assessora de Cooperativismo Rosélia Gomes em cooperativas com larga experiência em programas desenvolvidos com mulheres e jovens foram lembradas pelo diretor de operações, Marco Antonio Prado. “Buscamos experiências e encontramos os caminhos. Agora estamos estruturando os nossos passos com planejamento e  temos certeza que este espaço vai facilitar o desenvolvimento das atividades, trouxemos também a assessora de cooperativismo que aceitou este desafio de desempenhar junto de vocês este trabalho  e a partir de agora acredito que daremos passos largos rumo ao desenvolvimento dos projetos tanto para mulheres, como jovens e futuros trabalhos que vamos desenvolver dentro da filosofia do cooperativismo”, disse ele.

Mãos à obra- Para representar o esforço e as conquistas desta primeira turma do Programa de Líderes Cooperativas, Elsa Kugler foi uma das convidadas de honra para o cerimonial. “Estou muito emocionada por acompanhar toda a evolução que tivemos nesse período. O meu grupo ficou responsável por essa conquista  e confesso que havia achado muito difícil. Tínhamos que conseguir uma sala para nossas reuniões e ainda uma assessora, uma pessoa que trabalhasse diretamente junto de nós. Assim que terminou o Agroleite fomos até a Cooperativa e no momento não tínhamos nenhuma expectativa. O Marco nos atendeu e mais que isso nos deu um apoio fantástico para o nosso crescimento trocamos ideias, fortalecemos nosso planejamento e hoje temos a satisfação de comemorar e dividir estas conquistas com vocês: nossa sala, uma assessora para nossos trabalhos, tudo que foi desenvolvido ao longo deste tempo e agora um novo grupo que se junta a nós para novos desafios em busca do nosso desenvolvimento”, comemora Elsa.

Legado - Elizete Petter, precursora da participação das mulheres na Cooperativa foi homenageada.  Nesta sua trajetória dentro da Cooperativa, Elizete já ocupou por diversas vezes o Comitê de Suinocultores e do Conselho Fiscal da cooperativa e agora será a 1ª mulher a participar do Conselho de Administração como diretora vogal.  “Eu acredito muito no cooperativismo e amo muito a nossa Cooperativa. Vejo com muito orgulho o esforço que foi dispensado pela 1ª turma do PDL e é uma satisfação muito grande ver o interesse e vontade das mulheres em participar da nossa Cooperativa. Temos uma história de sucesso e agradeço aos homens de nossa cooperativa por serem tão abertos e nos incentivarem a trabalhar e fazer parte dela. Vão surgir momentos difíceis mais tenham certeza que temos sempre com quem contar. Para as que estão iniciando o Programa saibam que podem contar com o nosso suporte, com a equipe da 1ª turma. Este espaço Mulheres Cooperativista é uma conquista e  também uma responsabilidade muito grande. Aproveito a oportunidade para convidar vocês para que participem ativamente de todas as reuniões, eventos, pré-assembleias, não se preocupem com as informações e os números, nós precisamos da ajuda de vocês. Agradeço a Diretoria da Castrolanda, obrigado pela abertura que vocês estão dando para as mulheres e em nome de todas elas tenham certeza que não vamos decepcionar”. (Imprensa Castrolanda)

 

COCAMAR I: Cooperativa vai receber grãos em Nova Andradina (MS)

Depois de inaugurar, na última quinta-feira (13/02), uma unidade de atendimento em Nova Andradina (MS), onde faz a comercialização de insumos agropecuários, a Cocamar anuncia mais investimentos no município. Para atuar também no recebimento de grãos (soja principalmente), a cooperativa informou que irá construir uma estrutura que deve ficar pronta para operar já na próxima safra de verão (2014/15).

Atendimento ampliado- Segundo o presidente do Conselho de Administração da Cocamar, Luiz Lourenço, que esteve em Nova Andradina, para a inauguração da unidade, em companhia do presidente executivo José Fernandes Jardim Júnior e do vice-presidente de Negócios José Cícero Aderaldo, a decisão de atuar no recebimento de grãos faz parte do objetivo da cooperativa de ampliar o atendimento aos produtores.

Localização estratégica- Localizada estrategicamente, a cidade de Nova Andradina recebeu a segunda unidade fora do Estado do Paraná. É a de número 56, lembrando que no ano passado uma outra foi inaugurada em Presidente Prudente (SP). As demais 54 atuam no noroeste e norte paranaense. A ofensiva rumo a Estados vizinhos é parte da estratégia da Cocamar para crescer e ampliar o seu faturamento, que foi de R$ 2,650 bilhões em 2013 e tem previsão de chegar a R$ 2,900 bilhões este ano. (Imprensa Cocamar)

COCAMAR II: Maringá vai sediar a VI Conferência Brasileira de Pós-Colheita, em outubro

O dinamismo do agronegócio brasileiro, que faz do país um dos principais produtores mundiais de alimentos, não está só no campo. Terminada a colheita, há ainda uma série de desafios, como o adequado armazenamento da safra. Para debater o tema “A pós-colheita de grãos: logística e segurança alimentar do produtor ao consumidor”, a Associação Brasileira de Pós-Colheita (Abrapos) promove em Maringá (PR), no período de 14 a 16 de outubro deste ano, a VI Conferência Brasileira de Pós-Colheita. A iniciativa, que tem a previsão de reunir mais de mil participantes do país e do exterior do Centro de Eventos Excellence, terá a Cocamar Cooperativa Agroindustrial como anfitriã.

Especialistas - Uma extensa programação, ainda a ser finalizada, terá a participação de especialistas de renome em palestras e debates de assuntos técnicos relacionados a logística de produção, estocagem e expedição, segurança alimentar, infra-estrutura de armazenamento e outros. A solenidade de abertura já tem confirmada a presença do ex-ministro da Agricultura Luiz Carlos Guedes Pinto, que vai traçar um panorama da produção mundial de alimentos no Brasil e no mundo. Em paralelo ao amplo centro de debates, o evento vai contar também com uma exposição de empresas fabricantes de produtos e prestadoras de serviços para o setor.

Conscientização - O presidente da Abrapós e pesquisador da Embrapa Soja, Irineu Lorini, explica que a Conferência “tem a finalidade de promover a discussão em torno da conscientização dos profissionais ligados à pós-colheita de grãos, na busca das especificações de qualidade desejadas pelo consumidor”. Segundo ele, a Abrapós – que foi fundada em 1987 e está sediada em Londrina (PR) -, tem como missão “utilizar todos os meios para a redução dos índices de perdas durante e após a colheita, em benefício tanto do produtor quanto do consumidor”.

Cocamar - A anfitriã Cocamar foi fundada em 1963 e possui estruturas para armazenar 1,1 milhão de toneladas de grãos, entregues por seus 12 mil produtores associados. A previsão da cooperativa é faturar R$ 2,9 bilhões em 2014.

Apoio - A VI Conferência conta com o apoio de várias outras cooperativas paranaenses e de outros Estados, além de empresas, órgãos públicos e instituições, entre as quais Ceagesp, Codapar, Conab,, Embrapa Soja, Feagri-Unicamp, Sistema Ocepar-Sescoop, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Universidade Federal de Viçosa (UFV).

Serviço – Mais informações podem ser obtidas junto a Abrapós, tel. (43) 3345 3079 e www.abrapos.org.br.  (Imprensa Cocamar)

SESCOOP: Excelência na gestão é meta para cooperativas

sescoop 17 02 2014Aprimorar os processos e métodos é um objetivo perseguido diariamente pelos representantes de 14 cooperativas vencedoras do “Prêmio Sescoop Excelência de Gestão”, que concluíram na sexta-feira (14/02) o workshop Plano de Melhoria, oferecido pelo Sistema OCB. “A excelência na gestão é uma corrida que não tem chegada... é preciso melhorar cada vez mais tudo aquilo que é feito no âmbito cooperativista, com foco nas pessoas, pois são elas que fazem a engrenagem funcionar”, afirma o gerente de Estratégias, Projetos e Processos da Unimed Vitória, campeã do prêmio, Luiz Fernando Dutra de Freitas.

Aprendizado - Para ele, sempre é possível aprender: “Aqui, vimos pequenas cooperativas do ramo Saúde, com grandes lições para nos repassar. Acredito que a fase mais difícil na hora de implantar a cultura da excelência em gestão é o começo, e essas cooperativas estão dando um exemplo. São ‘cases’ de sucesso”.

Bons exemplos- A gerente de Monitoramento e Desenvolvimento de Cooperativas, Susan Miyashita Vilela, mostrou-se impressionada com o nível de excelência dos participantes desta edição do workshop. “Estou emocionada em participar deste momento tão rico de troca de experiências. Tem muitos exemplos bons. Percebo que é preciso ouvir mais as cooperativas, para termos acesso às boas práticas e disseminá-las para o Brasil. Estou muito satisfeita”, avalia a gestora.

Atividade – Na sexta, os participantes foram divididos em pequenos núcleos para debaterem sobre os critérios de avaliação, utilizados no Prêmio, estratégias e planos de governança. Ao final das discussões, foi feita a apresentação dos resultados e de cases de sucesso.

Workshop – O evento começou na quarta-feira e os cooperativistas também participaram do projeto “Portas Abertas”, por meio do qual conheceram a Embrapa, o Bancoob, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e o Banco Central, parceiros institucionais do Sistema OCB. Esta edição do workshop Plano de Melhorias contou com a participação de cooperativas do Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Mato Grosso.

Internacional – Em 2007, a Unimed Vitoria recebeu o prêmio máximo como representante da América Latina, pela utilização do BSC (Balanced Score Card), uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenvolvida pelos professores da Harvard Business School, Robert Kaplan e David Norton, em 1992. O prêmio foi entregue pelos próprios autores. No Brasil, poucas empresas detêm o título, entre elas a Gerdau e a Volkswagen. (Informe OCB)

 

CONSUMO: Ramo terá diagnóstico

consumo 17 02 2014A partir do mês que vem, serão iniciadas as ações voltadas à identificação do ramo Consumo. A estimativa é que, em abril, as 112 cooperativas brasileiras do ramo recebam um questionário, visando à elaboração do primeiro diagnóstico do setor. A intenção é conhecer com profundidade a realidade e as demandas específicas dessas cooperativas.

Reunião - Esse é o resultado principal da reunião dos membros do Conselho Nacional do ramo Consumo ocorrida quinta-feira (13/02), na Casa do cooperativismo. O presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, falou sobre a importância de identificar os pontos principais para a promoção e reconhecimento da atividade.

Conhecimento - “Sabemos que os órgãos regulamentadores em suas mais variadas instâncias não compreendem o ramo. É preciso conhecer a fundo as cooperativas de consumo. Com isso, ficará mais fácil dialogar com representantes das esferas judicial, executiva e legislativa, em prol do reconhecimento que queremos, principalmente quando direcionamos o discurso para o tratamento tributário específico”, analisa Márcio Freitas.

Questão tributária- Segundo o coordenador do Conselho, Márcio Valle, atualmente o principal problema do setor gira em torno da questão tributária. “Somos o único ramo do cooperativismo que é tributado como se fosse uma empresa mercantil. Além de gerar insegurança, isso nos impede de investir e de crescer”, lamenta Valle.

Diagnóstico – Márcio Valle explicou que o questionário possui cerca de 40 questões e para que 100% das cooperativas respondam as perguntas, haverá uma mobilização por parte das unidades estaduais e Nacional, além dos representantes do ramo. Para ele, o resultado do diagnóstico servirá de base para aprimorar o debate junto ao governo e membros do Executivo, Legislativo e do Judiciário, além, das estratégias de atuação.

Cronograma – Todo o trabalho de aplicação do questionário, compilação dos dados e elaboração do diagnóstico demandará cinco meses. “Em nossa programação, previmos que, em agosto, seja possível apresentar o resultado de nossa pesquisa ao Conselho Consultivo do ramo, unidades estaduais e suas cooperativas. Acredito que teremos uma ideia bem clara sobre o setor”, declara a gerente técnica e econômica da OCB, Clara Maffia.

Plano de ação– Além de discutir sobre o diagnóstico, o Conselho também tratou do Plano de Ação 2014. Ao longo deste ano as ações serão direcionadas aos resultados deste mapeamento e à aproximação com o governo federal.

Números– Atualmente, 19 estados representam o ramo Consumo, congregando 2,8 mil associados. Em 2012, foram gerados aproximadamente 12 mil empregos diretos. (Informe OCB)

 

AGENDA PARLAMENTAR: Confira o resultado das atividades da semana passada no Congresso Nacional

A semana no Congresso Nacional ficou focada nas instalações e eleições das Mesas de nove Comissões Mistas de Medidas Provisórias. Além disso, foi definido o Plano de Trabalho da Medida Provisória (MPV) 627/2013, que prevê a realização de três audiências públicas e a leitura do parecer pelo relator, deputado Eduardo Cunha (RJ), para o dia 19 de fevereiro. A MPV 627 altera a legislação tributária federal relativa ao Imposto sobre a Renda das Pessoas Jurídicas - IRPJ, à Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL, à Contribuição para o PIS/PASEP e à Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social – Cofins. 

CAR - O Sistema OCB também participou da mesa de debates sobre o Sistema Nacional Cadastro Ambiental Rural (CAR), que foi tema de audiência pública na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) do Senado Federal. O Analista Técnico Econômico Marco Olívio Morato de Oliveira representou o setor cooperativista no evento que também contou com a presença de representantes dos Ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura. (Blog OCB no Congresso)

Para acessar a Agenda Resultado,clique aqui.

LEGISLATIVO: Cooperativismo é tema de discurso na Câmara dos Deputados

legislativo 17 02 2014O deputado Celso Maldaner (SC) usou a tribuna da Câmara dos Deputados, na última terça-feira (11/02), para destacar a importância do cooperativismo para a economia do País. Ele fez questão de relatar sua participação na abertura oficial do “Campo Demonstrativo Alfa”, evento realizado pela Cooperativa Agroindustrial Alfa, sediada em Santa Catarina. O evento está em sua 19ª edição e é referência no setor agropecuário. E este ano o tema foi "Terra, o campo da vida".

Orgulho -Segundo o deputado catarinense, há muito orgulho em ser representante das famílias que alavancam o agronegócio e contribuem com o desenvolvimento da de seu estado. “Trabalho fortemente para melhorar a infraestrutura logística para que os insumos cheguem com maior facilidade e a preços mais competitivos à nossa região, por meio de ferrovias e melhorias nas estradas, em especial a BR-282”, afirma ele. (Informe OCB)

Confira aqui a ÍNTEGRA DO DISCURSO

 

COMMODITIES: Fortes vendas no BR impactam em Chicago e soja fecha em queda

Na sexta-feira (14/02), o mercado internacional da soja testou os dois lados da tabela na Bolsa de Chicago e fechou os negócios em campo positivo. O recuo dos preços, não só de hoje, mas o que foi pontualmente registrado durante a semana, não indica uma mudança de tendência para as cotações, mas somente movimentos de realização de lucros. Assim, a estreita relação entre a oferta e demanda que já é conhecida pelos investidores mantém a perspectiva de um mercado ainda sustentado de forma bastante sólida.

Motivo - Segundo analistas, um dos motivos para as últimas altas registradas pela soja no mercado internacional foram as origens brasileiras mais reticentes em vender grandes volumes de soja, acreditando em expectativas de melhores momentos de comercialização, com valores mais altos. Porém, as altas de quinta-feira (13/02), que superaram os 20 pontos em Chicago, estimularam as vendas e, ao mesmo tempo, acabaram ajudando a pressionar os preços neste pregão.

Comercialização - Entre quinta e sexta-feira foram comercializadas nos portos brasileiros mais de 1 milhão de toneladas de soja, cerca de 500 mil toneladas por dia. As movimentações pesaram sobre os preços uma vez que o mercado as interpretou como uma maior pressão de oferta vinda da América do Sul. Essas notícias, por outro lado, estimularam uma reversão do prêmio no vencimento março que, de negativo, passou para positivo em 15 cents sobre o valor praticado em Chicago.

Dólar - Frente a isso, e com o dólar ainda na casa dos R$ 2,40, os preços para o produtor brasileiro de soja continuam bastante favoráveis e criando boas oportunidades de comercialização, justificando as últimas vendas efetivadas, como explicou o operador de mesa da Terra Investimentos, Bruno Perottoni. O operador afirma ainda que uma movimentação mais intensa já tem sido registrada nos portos brasileiros dada uma entrada da safra brasileira acontecendo um pouco mais cedo em relação à temporada anterior.

Mercado - O mercado, no entanto, ainda continua bastante atento aos impactos reais que a seca no Centro-Sul do Brasil pode causar na produção brasileira e ainda de que forma uma safra menor do que as projeções iniciais pode irá refletir nos preços.

Milho - As cotações futuras do milho encerraram o pregão de sexta-feira (14/02) em alta na Bolsa de Chicago. Ao longo das negociações, os preços recuperaram as baixas iniciais, uma vez que os operadores buscaram melhor posicionamento frente ao final de semana prolongado, nesta segunda-feira (17/02) é feriado nos EUA devido ao Dia do Presidente.

Sinalização - Além disso, os investidores também aguardam uma sinalização do Fórum Anual do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) sobre o tamanho da área que será cultivada na próxima safra. Frente à recente queda nas cotações do milho, a expectativa é que os produtores americanos invistam mais no plantio da soja.

Estoques e demanda- Na visão do analista de mercado da FCStone, Glauco Monte, a escassez nos estoques norte-americanos e a demanda aquecida também contribuem para o cenário positivo dos preços. Na sessão desta quinta, as principais posições da commodity registraram ganhos entre 4,00 e 4,75 pontos. O contrato março/14 fechou o dia cotado a US$ 4,45 por bushel.

Brasil - As cotações também estão positivas no mercado brasileiro. A seca em importantes regiões produtoras do país tem atrasado a semeadura da safrinha, situação que dá suporte aos preços na BM&F. Diante desse cenário, a tendência é que a área cultivada com a safrinha seja menor e haja uma redução nos rendimentos. Segundo o analista, a produção de 2014 poderá ser inferior ao ano passado. "A Conab já projeta uma produção menor, mas pode ser mais baixa. Esse fator tem suportado os preços no mercado do milho. Apesar de alguns descontos, por conta das chuvas em algumas localidades, as cotações melhoraram aos produtores rurais", explica Monte. Ainda na visão do analista, os agricultores têm negociado o milho, no entanto, após as altas adotaram uma postura mais cautelosa, à espera de cotações mais altas. (Notícias Agrícolas

SAÚDE ANIMAL: Russos conhecem experiência sanitária brasileira

Na tarde de sexta-feira (14/02), Aleksey Alekssenko, autoridade sanitária da Rússia, esteve em reunião com técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para conhecer a experiência brasileira em regionalização e compartimentação sanitária. “O Brasil está contribuindo com a experiência adquirida nos últimos anos na erradicação de enfermidades. O trabalho desenvolvido no país é de grande qualidade e pode ser utilizado com sucesso em outros países”, explica o diretor do Departamento de Saúde Animal do Mapa, Guilherme Marques.

Regionalização - A regionalização consiste em identificar uma área com status sanitário diferenciado do restante do país e de reforçar o sistema de proteção contra doenças. Para os russos, foi apresentada a experiência brasileira na regionalização e compartimentação da febre aftosa, peste suína, influenza aviária e new castle que já funcionam com sucesso no Brasil.Todo o aparato técnico e científico também foi dado à autoridade russa para implantação do programa no país europeu. (Mapa)

MILHO: Argentina conclui plantio do grão nesta safra

O plantio de milho na Argentina encerrou-se na última semana, com 3,57 milhões de hectares semeados de acordo com a Bolsa de Cereais de Buenos Aires. A área é ligeiramente superior as projeções da própria bolsa que apontavam até o mês passado, 3,3 milhões de hectares. Se comparada a safra 2012/13, a área de plantio é 9% menor. Sobre o milho que está nos campos, o informe semanal da bolsa indica que a produtividade das lavouras é muito variável, dependendo de como foram afetadas pela oferta hídrica. Por enquanto, a bolsa estima um rendimento médio de 70 quilos por hectare, que deve resultar em uma produção total de 23,5 milhões de toneladas. Se confirmado, este volume será 13% menor que o verificado na campanha passada, de 27 milhões de toneladas. (Valor Econômico)

MOBILIDADE URBANA: Paraná terá ciclovias em obras de duplicação nas rodovias estaduais

Todas as novas obras de duplicação ou construção de rodovias no Paraná deverão incluir, obrigatoriamente, ciclovias. Até 2015, serão construídos mais de 90 quilômetros de novas ciclovias em diversas regiões do estado. A informação, anunciada pelo secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Luiz Eduardo Cheida, na abertura do 3.º Fórum Mundial da Bicicleta, em Curitiba, foi aplaudida por cerca de 1.200 participantes do evento.

Mobilidade urbana- "A medida, coordenada pela Secretaria de Infraestrutura e Logística, é uma das ações que estão sendo priorizadas pelo Governo do Paraná na sua política de mobilidade urbana sustentável", afirmou Cheida. "O Paraná está construindo uma política de apoio ao uso deste modal sustentável que é a bicicleta, pela primeira vez na sua história, e com a colaboração do movimento cicloativista", reforçou Cheida.

Ciclo Paraná- O secretário falou sobre o Programa Ciclo Paraná, do Governo do Estado, que reunirá todas as ações voltadas ao incentivo ao uso da bicicleta, realizadas nas diversas esferas governamentais. "O tema bicicleta está se tornando transversal e presente nas iniciativas do Governo. A nossa intenção é levá-lo a todo o Paraná para que seja incluído nas discussões sobre as cidades que queremos para o futuro", declarou Cheida.

Campanhas - A Secretaria do Meio Ambiente está elaborando o Programa Ciclo Paraná, com a participação de diversos órgãos de governo. Entre as ações previstas estão campanhas de educação no trânsito, incentivo ao uso da bicicleta para o trabalho, a criação de rotas de cicloturismo, carona solidária, ciclovias, sinalização, entre outras ações voltadas à mobilidade urbana sustentável.

Clamor - “Sou clicloativista há mais de dez anos e é muito bom ver que o clamor do nosso movimento está ganhando o apoio do poder público”, comemorou o vice-presidente da Federação Paranaense de Ciclismo e coordenador do programa CicloVida, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), José Carlos Belotto.

Outras ações- A base do Programa Ciclo Paraná será iniciativas que já estão em andamento, somando esforços com o conjunto de conhecimentos práticos adquiridos por entidades ligadas ao ciclismo como, por exemplo, o projeto Ciclovida da Universidade Federal do Paraná (UFPR), da Federação Paranaense de Ciclismo, atividades desenvolvidas por entidades como o Ciclo Iguaçu e, até mesmo, por prefeituras municipais. Entre as ações realizados pelo governo é possível citar a construção de ciclovias em todos os projetos em execução pela Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), o que inclui as obras de mobilidade para a Copa do Mundo de 2014.

Parques - Além disso, os cinco novos parques metropolitanos que serão criados em breve pela Comec terão ciclovias. São eles: o Parque Palmital, em Pinhais, Parque Piraquara, Parque Itaqui, em São José dos Pinhais, Parque Metropolitano do Iguaçu, entre Curitiba e São José dos Pinhais, e Área de Interesse Especial do Rio Iguaçu, que prevê a ocupação das margens do Rio Iguaçu com áreas de lazer até a Lapa.

Rodovias - Já a Secretaria de Infraestrutura e Logística está incluindo a construção de ciclovias nos projetos de rodovias em áreas metropolitanas e travessias urbanas. Os projetos, sob supervisão do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), vão beneficiar mais de 20 municípios, trazendo mais segurança para ciclistas ao evitar que circulem nas margens das rodovias.

Norte e Noroeste- Nas regiões Norte e Noroeste terão ciclovias as duplicações entre Maringá e Paiçandu e entre Londrina e Cambé. Juntas, estas obras somam 10 quilômetros de ciclovias. As áreas de trânsito de ciclistas serão instaladas em locais com maior adensamento, respeitando as limitações das faixas de domínio das rodovias.

RMC - Para 2014, o governo vai construir ciclovias nas duplicações entre Pinhais e Piraquara e também entre Curitiba, Almirante Tamandaré, Itaperuçu e Rio Branco do Sul, além da duplicação na região de Tijucas do Sul. Nestas mesmas obras estão programados 23 quilômetros de ciclovias.

 

PR-445- Dentro do programa de mobilidade está prevista também a implantação de calçadas e ciclovias nas obras de duplicações, que serão feitas em parcerias público-privadas, nas PR-445 (Mauá da Serra/Londrina), cerca de 20 quilômetros, e também PR-323, com 33 quilômetros.

PR-281- No Oeste a PR-281 terá quase 10 quilômetros de calçadas e mais 2 quilômetros de ciclovias. Outro corredor, o Norte Central, vai atender a região entre Mauá da Serra e Guarapuava, terá 5 quilômetros de ciclovias. Nos Campos Gerais, serão construídos 1,9 quilômetros de ciclovias.

Incentivo - Outro fator importante é o incentivo ao uso da bicicleta para o trabalho, medida que já foi implementada pela Sanepar, no mês de setembro, e pela Secretaria do Meio Ambiente recentemente. Nestes locais, foram instalados paraciclos (estacionamento de bicicleta) para visitantes e funcionários e os banheiros foram adaptados com chuveiros para que os funcionários possam tomar banho, após o percurso pedalando. A medida foi aprovada e ganha cada vez mais adeptos.

Cicloturismo - A elaboração das rotas de cicloturismo no Paraná também é um tema que faz parte das iniciativas do governo e que será discutida com o movimento cicloativista, no próximo dia 18 de fevereiro. Vale lembrar que no ano passado o governador Beto Richa sancionou a lei que decreta setembro como “Mês da Bicicleta no Paraná” - ocasião em que são feitas atividades educativas relacionadas a esse meio de transporte.

O Fórum- O Fórum Mundial da Bicicleta aconteceu entre os dias 13 e 16 de fevereiro com atividades em diversos espaços de Curitiba. Nesta edição, o conceito “A Cidade em Equilíbrio” tem como objetivo criar um espaço para a reflexão sobre a maneira como é pensando o trânsito e o planejamento das cidades. Um dos organizadores do evento, o cicloativista Jorge Brand conta que serão promovidas mais de 80 atividades durante o Fórum. "Trabalhamos muito para que o Fórum pudesse ser itinerante, atingindo um público cada vez maior", afirmou.

Temas - No Teatro da Reitoria foram debatidos temas como a percepção de risco dos ciclistas, marketing e mobilidade, 100 dicas para começar a viajar de bicicleta, o cicloativismo no Equador, o uso da bicicleta no Maranhão, oficinas sobre reparos rápidos da bicicleta, como propor a lei da bicicleta na sua cidade, mulher sustentável, entre outros. Além disso, o evento inclui feiras, exposições e mesas-redondas. (Agência de Notícias do Paraná)

{vsig}noticias/2014/02/17/meio_ambiente/{/vsig}

ECONOMIA: Em queda, IGP-10 registra inflação de 0,3% em fevereiro

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) registrou inflação de 0,3% em fevereiro deste ano, taxa inferior à observada em janeiro (0,58%). Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), que calcula o indicador, o IGP-10 acumula inflação de 0,88% no ano e de 5,57% em 12 meses. A queda do índice foi puxada por uma inflação menor dos preços no atacado, medidos pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo. A taxa caiu de 0,55% em janeiro para 0,07% em fevereiro. Por outro lado, a inflação dos preços no varejo, medidos pelo Índice de Preços ao Consumidor, subiu de 0,76% para 0,82% no período.

Construção - Também teve alta a inflação medida pelo Índice Nacional de Custo da Construção, que passou de 0,36% em janeiro para 0,7% em fevereiro. O IGP-10 é calculado com base em preços coletados entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência. (Agência Brasil)

COMÉRCIO EXTERIOR: CNI quer reativar proposta sobre câmbio na OMC

A Confederação Nacional da Industria (CNI) vai pedir para o governo reativar a proposta sobre câmbio na Organização Mundial do Comércio (OMC), praticamente engavetada por falta de impulso do próprio Brasil e de outros grandes países. Para a CNI, o Brasil não pode ficar amarrado na "armadilha conjuntural" porque o real está desvalorizado agora. A entidade sugere uma perspectiva de longo prazo que leve em conta a estratégia de aumentar competitividade, inovação e produtividade.

Remédios- Diego Bonomo, gerente-executivo de Comércio Exterior da CNI, disse que a entidade apresentará propostas até o fim do mês ao governo para a busca de "remédios multilaterais" para câmbio manipulado. E com o cuidado de evitar o risco de o feitiço voltar contra o feiticeiro, ou seja, contra exportações brasileiras quando o câmbio estiver desvalorizado.

Distinção - "O objetivo é distinguir o que é politica cambial legítima e o que é câmbio manipulado para ganhar vantagem no comércio", disse Bonomo. Mesmo com a desvalorização do real nos últimos meses, a CNI diz que a indústria tem "grande preocupação" com a China, outros países do sudeste asiático e também com os europeus.

Mudança - Para a CNI, o que mudou desde 2011, quando o Brasil levou o tema cambial para a OMC, é que desta vez os Estados Unidos, que antes resistiam, estão mudando sua posição. No Congresso, boa parte dos parlamentares, tanto republicanos quanto democratas, pressionam para a Casa Branca incluir um mecanismo contra "manipulação cambial" na Parceria Trans-Pacífico (TPP), o acordo com 12 nações, incluindo Canadá, México, Austrália e Japão, e também em todos os futuros acordos de livre comércio.

Controle - Aluisio Campos, professor da American University, em Washington, tem insistido que o Brasil deveria manter o controle do debate sobre desalinhamento cambial predatório, porque ele vai aparecer de todo jeito por acordos comerciais ou por disputas diante da OMC. A especialista Vera Thorstensen, coordenadora do Centro do Comércio Global da Fundação Getulio Vargas (FGV), defende a negociação já agora de uma cláusula de salvaguarda cambial no acordo Mercosul-UE.

Mecanismo - Em sua proposta, a CNI vai sugerir que o governo defenda a criação de um mecanismo multilateral a partir de pedaços de acordos já existentes na OMC. De um lado, o artigo XV do velho Gatt de "disposições sobre câmbio" interdita aos países-membros utilizar medidas cambiais para influenciar no comércio. Mas esse artigo nunca foi utilizado nos 62 anos do sistema multilateral de comércio. Além disso, sempre que um país quer renegociar suas tarifas de importação para aumentá-las é obrigado a negociar compensações com parceiros que se sentem atingidos. Isso poderia ocorrer então também no câmbio.

FMI - Bonomo reconhece que no fim das contas caberá ao Fundo Monetário Internacional (FMI) ter o papel de dizer qual país tem câmbio manipulado. Nos meios comerciais, em Genebra, a avaliação é de que o Brasil de fato deveria continuar dando ênfase na busca de um mecanismo sobre câmbio e comércio, dando gradualmente os passos porque, em certo momento, o tema estará maduro para aprovação entre os países. (Valor Econômico)

INTERNACIONAL: União Europeia confirma cúpula com Brasil para o dia 24 deste mês

internacional 17 02 2014A União Europeia (UE) confirmou na tarde de sexta-feira (14/02) a realização da cúpula Brasil-UE em Bruxelas, no dia 24 deste mês, com a presença da presidente Dilma Rousseff. “Foi confirmado hoje. A agenda não muda”, disse a porta-voz europeia Maria Traversa por telefone. O cancelamento da cúpula pela presidente Dilma no começo da semana causou decepção e mesmo surpresa nos meios europeus. O Brasil chegou a sugerir que a reunião ficasse para abril, mas os europeus responderam que era complicado.

Decisão - A Comissão Europeia, braço executivo da UE, passou, então, a insistir para que a presidente revertesse sua decisão. “Está uma confusão total, agora Dilma voltou atrás e confirmou sua vinda”, reagiu um representante do setor privado em Bruxelas.

Tempo - Por sua vez, para a BusinessEurope, grande confederação empresarial europeia, a questão é se dará tempo voltar a organizar a cúpula empresarial Brasil-UE que seria encerrada pela presidente Dilma e pelo presidente da Comissão Europeia, José Durão Barroso.

Perda- A decisão inicial da presidente brasileira, de cancelar a cúpula, fora recebida como uma “uma ocasião perdida”. Para o setor empresarial europeu, é preciso mais Brasil na Europa e mais Europa no Brasil. O Brasil precisa estreitar mais suas relações com a UE, pois isso favorece também as relações com o Mercosul.

Retomada - O eurodeputado Jose Ignácio Salafranca, presidente da Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana e relator do Parlamento Europeu sobre o Acordo de Associação UE-Mercosul, destacou a importância de uma retomada das negociações no momento atual. Para ele, a cúpula é uma boa oportunidade para dar impulso ao processo de negociação ou identificar possibilidades alternativas num momento em que a UE está negociando acordos de associação com diferentes países e regiões. A cúpula é vista como uma ocasião para aprofundar e desenvolver ainda mais a parceria estratégica UE-Brasil. (Valor Econômico)

 


Versão para impressão


Expocoop 2014

Assessoria de Imprensa do Sistema Ocepar - Tel: (41) 3200-1150 / e-mail: imprensa@ocepar.org.br