Imprimir
Sistema Ocepar - Paraná Cooperativo - Informe Diário

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 3309 | 27 de Março de 2014

AGO: Sistema Ocepar vai reunir dirigentes cooperativistas no dia 1º de abril

ago 27 03 2014O Sistema Ocepar vai reunir dirigentes das cooperativas filiadas para apresentar os resultados alcançados pelo setor cooperativista paranaense em 2013 e as metas para este ano. Será durante a Assembleia Geral Ordinária que acontece dia 1º de abril, na sede da entidade, em Curitiba. Atualmente há 231 cooperativas registradas no Sistema Ocepar e que atuam em dez diferentes ramos: agropecuário, crédito, saúde, transporte, infraestrutura, educacional, habitacional, trabalho, consumo e turismo e lazer. Ao todo, são um milhão de cooperados em todo o Estado. O setor responde por 16% de toda a riqueza gerada no Paraná e por 56% do PIB agropecuário paranaense. No ano passado, atingiu movimentação econômica de R$ 46 bilhões. 

 

 

RAMO TRANSPORTE: Cooperativas expandem atividades e crescem 14%

As 25 cooperativas que integram o ramo transporte no Paraná registraram em 2013 uma receita de R$ 273 milhões, montante que representa um crescimento de 14% em relação ao ano anterior. Formadas por transportadores de cargas e de passageiros, as cooperativas de transporte possuem 2.444  cooperados, 201 funcionários e uma frota de aproximadamente 3 mil caminhões. Estes e outros indicadores do ramo foram apresentados no Fórum de Dirigentes do Ramo Transporte, promovido pelo Sistema Ocepar na quarta-feira (25/03), em Cafelândia (PR). O evento foi conduzido pelo coordenador de Autogestão do Sistema Ocepar, João Gogola, e pelo analista de Autogestão, Jessé Rodrigues. Participaram 32 cooperativistas de 13 cooperativas do ramo.

Indicadores- Criadas para serem uma alternativa de valorização profissional e melhor remuneração dos profissionais, que são os donos de seus veículos de transporte, as cooperativas que atuam no setor de transporte encerraram o ano de 2013 com um patrimônio líquido de R$ 30 milhões.  Já a distribuição de sobras, antes das destinações, somaram R$ 6,9 milhões. “O crescimento do ramo foi puxado pelo aumento dos fretes realizados pelas cooperativas que estão expandindo em alguns setores e buscando atender da melhor forma possível a demanda de seus contratantes”, comenta o analista Jessé Rodrigues. Além dos indicadores do setor, também houve a discussão de assuntos relacionados à legislação do setor, e a apresentação dos diversos eventos que serão disponibilizados pelo Sistema Ocepar às cooperativas de transporte durante o ano de 2014.

Anfitriã – Durante o Fórum, tradicionalmente é feita uma apresentação da cooperativa anfitriã que, nesta edição foi a Coopercaf, presidida por Dorival Bartzike. Por conta disso, o contador Marcelio Koehler destacou o crescimento sólido da Coopercaf, sempre apoiada pela capitalização da cooperativa. Com 143 cooperados e 9 funcionários, a cooperativa alcançou no ano passado uma receita de R$ 9,7 milhões e distribuiu R$ 300 mil em sobras aos cooperados.

{vsig}noticias/2014/03/27/Forum_transporte/{/vsig}

ECONOMIA I: PIB vai crescer 2% em 2014, diz Banco Central

A economia brasileira deve crescer 2%, este ano, reduzindo o ritmo em relação a 2013. A projeção é do Banco Central (BC), no Relatório de Inflação, divulgado nesta quinta-feira (27/03). No ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, cresceu 2,3%. De acordo com as projeções do BC, o crescimento para a produção da indústria em 2014 é de 1,5%, ante 1,3% registrado em 2013. O crescimento do setor de serviços em 2014 foi projetado em 2,2% (contra 2% medidos em 2013). A produção agropecuária também deve crescer menos este ano: 3,5%, ante 7% observados em 2013.

Consumo das famílias- O consumo das famílias deve crescer 2% (2,3% registrados em 2013). Segundo o relatório esse crescimento será “amparado no cenário de manutenção das baixas taxas de desemprego e de ganhos reais de salários moderados”. O consumo do governo deverá aumentar 2,1% e a Formação Bruta de Capital Fixo (investimentos), 1%, ante 1,9% e 6,3%, respectivamente, registrados em 2013).

Bens e serviços- As exportações e importações de bens e serviços devem crescer 1,3% e 0,9%, respectivamente, em 2104, ante elevações de 2,5% e 8,4%, respectivamente, em 2013. “As exportações devem se beneficiar do cenário de maior crescimento global e da depreciação do real, a qual também deve contribuir para o arrefecimento das importações” diz o BC. (Agência Brasil)

ECONOMIA II: Ipea informa que crescimento do PIB segue moderado neste ano

O menor volume de investimentos e o ritmo moderado de consumo das famílias levam o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) a apontar, na Carta de Conjuntura divulgada nesta quarta-feira (26/03), no Rio de Janeiro, que a economia deve manter crescimento contido nos próximos meses.

Alterações - “O mais provável é que não haja grandes alterações no quadro econômico, ao longo de 2014, seja para melhor ou para pior. O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) permanecerá moderado e ainda sujeito a alguma volatilidade; a inflação se manterá em patamar mais próximo do teto da meta de inflação [de 6,5%] do que do centro [4,5%], mas sem grandes riscos de aceleração, tendo em vista, inclusive, os efeitos defasados do atual ciclo de aperto da política monetária; e as contas externas permanecerão sob controle, ainda que haja aumento do déficit em transações correntes”, diz o documento.

Aumento dos investimentos- A reversão desse quadro passa pelo aumento dos investimentos, analisam os economistas do Ipea. A recuperação recente da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) é vista como muito positiva pelo instituto, cujos técnicos observam, entretanto, a necessidade de se garantir que “a expansão do investimento seja um fenômeno mais generalizado e sustentável, e não tenha caráter pontual e volátil”.

Infraestrutura - Para melhorar o ritmo de crescimento, a expansão dos investimentos deve ocorrer não somente na produção, mas também na infraestrutura, aponta o Ipea. Segundo o instituto, “isso justifica a ênfase da política governamental no programa de concessões e na provisão de condições favoráveis de financiamento do investimento, associado a um esforço de expansão dos investimentos públicos, em que pese as restrições fiscais”.

Tendência - A tendência, segundo disse o coordenador do Grupo de Estudos de Conjuntura (Gecon) do Ipea, Fernando Ribeiro, na divulgação da Carta de Conjuntura, é que o PIB crescerá este ano entre 2% e 2,5%. "Essa tendência pode se sustentar, mas vai depender bastante do investimento", salientou.

Mercado de trabalho- Em relação ao mercado de trabalho, o Ipea sinaliza que “há alguns indícios de que o crescimento moderado da economia brasileira já afeta o ritmo da ocupação no país”. O documento prevê que a taxa de desemprego permanecerá em níveis baixos, devido ao  crescimento mais lento da força de trabalho, “colaborando também para a manutenção de ganhos, ainda que modestos, dos salários reais”. (Agência Brasil)

AGENDA I: Novo presidente da Frencoop ressalta a força econômica das cooperativas

O deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR) assumiu, nesta terça-feira (25/03), a presidência da Frencoop – Frente Parlamentar do Cooperativismo no Congresso Nacional. Trata-se das mais conceituadas Frentes Parlamentares, formada mais de 200 deputados e mais de 20 senadores. A posse se deu durante o lançamento da Agenda Legislativa do Cooperativismo de 2014, que tem dentre as principais bandeiras a aprovação de um marco regulatório para o adequado tratamento tributário ao ato cooperativo.

Desafios - Segundo o presidente da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), Márcio Lopes de Freitas, o setor tem muitos desafios, mas que alguns merecem destaque. “Nosso objetivo é garantir que não sejamos tributados duas vezes – a cooperativa, como pessoa jurídica, e o cooperado, como pessoa física. Este é um exemplo de muitas das proposições de interesse do cooperativismo brasileiro que estão em tramitação na Câmara dos deputados e no senado Federal”, ressaltou o Márcio Freitas.

Contribuição - O deputado Serraglio disse ser um grande prazer defender as causas de um setor que tanto contribui para o país. Ele lembrou que são mais de 6.600 cooperativas atuando em 13 ramos de atividades econômicas e gerando mais de 320 mil empregos diretos. “O sistema tem mais de 11 milhões de associados e envolve mais de 44 milhões de brasileiros, sendo o responsável por mais de 6 bilhões de dólares em exportações” salientou o deputado, acrescentando que “as cooperativas paranaenses foram as campeãs brasileiras em exportação, somando  mais de dois bilhões de dólares”.

Números- O cooperativismo paranaense faturou no ano passado R$46,5 bilhões e é formado por 231 cooperativas registradas na Ocepar. Agrupa um milhão de cooperados e 72.000 colaboradores, congregando em torno de 2 milhões e 500 mil paranaenses. “A nossa luta é constante em defesa do cooperativismo e esperamos contar como sempre com os parlamentares que defendem o setor, agora sob o comando do deputado Osmar Serraglio que sempre esteve ao lado da nossa causa” disse o presidente da Ocepar, João Paulo Koslovski.

Presença - O evento contou ainda com a presença do ministro da agricultura Neri Geller, senadores, deputados e presidentes das centrais de cooperativas dos diversos estados brasileiros. (Assessoria de Imprensa do deputado federal Osmar Serraglio)

{vsig}noticias/2014/03/27/agenda_I/{/vsig}

AGENDA II: Secretário do Mapa destaca importância da iniciativa para o cooperativismo

agenda II 24 03 2014O secretário de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo (SDC) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Caio Rocha, participou do lançamento da Agenda Legislativa do Cooperativismo 2014, apresentada pelo Sistema OCB, e destacou a importância de um acompanhamento de perto dos projetos de lei relacionados ao cooperativismo para o setor. “A OCB apresentou de forma organizada toda uma programação e um planejamento para que os 62 projetos de lei que hoje tramitam no legislativo, referentes ao cooperativismo, sejam acompanhados de perto e tenham o devido encaminhamento”, disse.

Essencia - Para Caio, a iniciativa é essencial, já que o associativismo e o cooperativismo têm contribuído cada vez mais para o desenvolvimento da agricultura brasileira. “Para esta safra, espera-se que cerca de 50% do que será colhido, como soja e milho, passe pelas cooperativas. Por isso, é preciso ficar de olho no que é interesse do setor e permitir o desenvolvimento das cooperativas agropecuárias que, em muitas localidades, representam uma das poucas possibilidades de agregação de valor à produção rural, bem como da inserção de pequenos e médios produtores em mercados concentrados”, afirmou. (Mapa)

 

UNITÁ: AGO divulga evolução da Cooperativa Central

Prestes a completar um ano da inauguração do Abatedouro de Aves, que foi entregue no mês de junho de 2013, a Unitá Cooperativa Central vem aumentando de forma significativa o processo de industrialização dos frangos.Para prestar contas das atividades que foram realizadas em 2013 e projetar os investimentos que serão realizados este ano, a diretoria da Unitá divulgou os resultados e o balancete contábil da Central durante a Assembleia Geral Ordinária, realizada quarta-feira (26/03), na cidade de Ubiratã.

Parceria - Através da parceria sólida e inovadora entre a Copacol e a Coagru, várias famílias têm a oportunidade de crescerem com o trabalho prestado na indústria, ou na criação das aves no campo. Hoje, com uma média de 90 mil aves abatidas diariamente, são mais de 800 empregos diretos gerados pela Central, já para o mês de abril com o início do abate no segundo turno, serão abatidas mais de 140 mil aves ao dia, com a geração de 1,3 mil empregos diretos.

Segundo o diretor presidente da Copacol e da Unitá, Valter Pitol, 2013 foi um ano importante que marcou o começo da industrialização de frangos na Central, onde milhares de pessoas estão se beneficiando com o investimento. “Estamos promovendo a transformação de toda a região, com a geração de empregos, impostos e a sustentação dos produtores no campo através da avicultura”, afirma. Pitol também destacou que até o fim do ano a previsão é de abater 180 mil aves por dia na Unitá. (Assessoria de Imprensa da Copacol)

{vsig}noticias/2014/03/27/unita/{/vsig}

CAMISC: Prestação de contas e eleição do Conselho Fiscal ocorrem em Assembleia

camisc 27 03 2014A Cooperativa Agrícola Mista São Cristovão (Camisc) realizou, na noite da última sexta-feira (21/03), no salão do Clube Grêmio Mariopolitano, sua Assembleia Geral Ordinária para apresentar aos cooperados a prestação de contas do exercício financeiro de 2013, eleição do Conselho Fiscal, entre outros assuntos de interesse geral em pauta.

Dever cumprido - Na sua mensagem, o diretor-presidente da Camisc, Nelson André de Bortoli, expressou a cerca de 250 associados e familiares presentes a certeza do cumprimento do dever. “Em mais um ano de trabalho estamos orgulhosos do crescimento e da solidez econômica da nossa Camisc, com um resultado positivo e superior ao exercício de 2012. Esse resultado - disse - é mais uma vez fruto da credibilidade que os cooperados depositam em nosso Conselho de Administração, Conselho Fiscal e funcionários”.

Compromissos - O momento foi também de agradecimentos e de reafirmar compromissos para 2014. “A avaliação de 2013 foi muito positiva, junto com nossos cooperados atingimos um objetivo importante em um curto prazo, só temos a agradecer a todos que estiveram junto conosco nessa caminhada. Estamos ainda com projeto de ampliação e melhoria em nossa estrutura, para oferecer um melhor atendimento a todos”, concluiu.

Receitas - Durante a prestação de contas, o demonstrativo apontou que as receitas tiveram um aumento de 15% em 2013, senso que o Resultado Acumulado Operacional passou de valor negativo para quatro milhões, mostrando o crescimento satisfatório da cooperativa no ano que se findou. A apresentação das demonstrações contábeis decorreu pelo aval dos auditores independentes, conforme é realizado todos os anos, porém, como o auditor responsável não estava presente, foi feita a leitura do relatório de desempenho e fluxo de caixa, expondo-se sem ressalvas quanto ao que foi apresentado, o que mostra a transparência e a ética da cooperativa.

Satisfação - Para o superintendente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, que declarou acompanhar a Camisc desde seu início, a cooperativa têm tudo para se consolidar na região. “Estou satisfeito com os resultados desta administração, notamos que providências foram adequadas para que hoje a cooperativa estivesse em uma situação mais confortável. Acredito que a Camisc tenha um futuro promissor pela frente”.

Eleição - Na oportunidade, foi realizada a eleição e posse do novo Conselho Fiscal. Procedida à votação, para comporem como membros efetivos do Conselho Fiscal foram eleitos os seguintes quatro novos cooperados: Gilson Carneiro Gustmann, Flávio Antônio G. Hillesheim, Antônio Montagna e Joraci Brandão, devendo haver, anualmente, a renovação de 2/3 (dois terços) dos integrantes do Conselho Fiscal. Permanecem no cargo, os cooperados Adriana Zanella Perera e José Francisco Paludo.

Previsão orçamentária- Durante a Assembleia, foi apresentada ainda a previsão orçamentária para 2014. De Bortoli destacou que as Receitas tiverem um aumento de 150 milhões para 165 milhões em um ano. “Nosso desafio é que alcance o resultado de 170 milhões ao fim de 2014, e isso só será possível cumprindo nossas metas, nosso planejamento e com a ajuda do quadro social da cooperativa” enfatizou.

Acordo - O diretor-secretário, Élio Renato Bettin, destacou que de acordo com a apresentação da prestação de contas, a Camisc está atingindo um patamar satisfatório no que diz respeito às metas implantadas no ano anterior, chegando a um equilíbrio. “Para que se alcance o objetivo traçado para 2014 e para a cooperativa continuar crescendo precisamos, cada vez mais, da participação de nossos associados, trabalhando juntos pela cooperativa”, completou Bettin.

Para o cooperado Neuri Gehlen, a prestação de contas já é uma tradição da Camisc, com uma relevante importância, pois é quando os associados podem conhecer a atual situação financeira da cooperativa. “Nós cooperados temos que ser fiel à Camisc e com nós mesmos, porque a Camisc é nossa. Todos devem ter consciência que para o fortalecimento da cooperativa, não depende apenas do quadro administrativo, mas de cada um de nós”. Gehlen ainda parabenizou a diretoria e todos os envolvidos pelos resultados obtidos no exercício do ano de 2013. (Imprensa Camisc)

 

COCAMAR I: Cooperativa celebra 51 anos com bolo e projeção de crescimento

Os colaboradores da Cocamar foram surpreendidos nesta quinta-feira (21/03), ao chegarem para trabalhar: os ambientes estavam repletos de bexigas verdes, em comemoração ao aniversário de 51 anos da cooperativa. O clima festivo foi completado com a distribuição de bolo. "Estamos celebrando, também, o nosso bom momento", comenta o presidente executivo, José Fernandes Jardim Júnior, lembrando que em 2013 a cooperativa cresceu 15% e planeja manter o ritmo de expansão neste ano, mesmo tendo havido redução de 30% no recebimento de soja, na safra 2013/14, em razão de problemas climáticos. Segundo Fernandes, a meta é elevar o faturamento que foi de R$ 2,650 bilhões no ano passado, para ao menos R$ 2,9 bilhões. "Mas vamos trabalhar para tentar chegar aos R$ 3 bilhões", anuncia.

Apostas - As apostas da Cocamar estão no fortalecimento de sua rede de entrepostos, que recebem investimento em novas estruturas de armazenagem nas regiões noroeste e norte do Paraná, para ampliar a recepção das safras, nas oportunidades ue surgem em Estados vizinhos e no aumento as vendas de insumos agropecuários e produtos industrializados.   (Imprensa Cocamar)

 

cocamar I 27 03 2014

 

COCAMAR II: Programa “Parceiros do Campo” promove transferência de tecnologia

O cooperado Sérgio Viúdes, de Cambé, colheu 185 sacas de soja por alqueire, na recente safra 2013/14, mesmo enfrentando estiagens e calor forte. Ele é um dos exemplos de sucesso do Programa “Parceiros em Campo”, desenvolvido pela Cocamar desde o ano passado. Na quarta-feira (26), Viúdes, outros produtores e equipe técnica da cooperativa reuniram-se em Maringá para avaliar os resultados e trocar experiências. “Tem muito produtor fazendo muita coisa boa, com excelentes resultados, e essa é a oportunidade de cada um mostrar o que tem sido feito e aprender com a experiência do outro, tudo com a orientação e o respaldo de consultores e especialistas”, afirmou o engenheiro agrônomo Emerson Nunes, coordenador técnico de culturas anuais, que está à frente do programa. A reunião serviu também para discutir e entender melhor o que aconteceu a safra 2013/14 e planejar a próxima.

Transferência de tecnologia- Segundo Nunes, este é mais um trabalho diferenciado de transferência de tecnologia oferecido pela Cocamar a seus cooperados, no qual pesquisadores, especialistas em diversas áreas, e consultores, fazem o acompanhamento das lavouras e prestam assistência técnica integral, orientando os produtores a encontrarem formas de melhorar ainda mais seus resultados e atuando diretamente nos pontos que têm limitado a produtividade.

Seleção - Para participar do projeto piloto, foram selecionados 15 cooperados que já eram referência em suas regiões, em 14 unidades da área de ação. Posteriormente, a ideia é estender o trabalho aos demais produtores associados.

Entendimento - Nunes acrescenta que o objetivo é entender as várias situações de manejo e adversidades enfrentadas na safra, nos ambientes de produção, detectando a situação do problema de cada produtor e consultando especialistas em busca de soluções para aumentar a produtividade e a rentabilidade. Dentre os pesquisadores que têm oferecido suporte à equipe técnica da Cocamar, estão Antonio Luiz Fancelli, da Esalq/USP e Cássio Tormena, da UEM.

Vitrine tecnológica- “Queremos que as propriedades desses produtores sejam uma vitrine tecnológica, uma referência em sua região, servindo para propagar as tecnologias”, afirma o gerente de Produção Agrícola, Leandro Cezar Teixeira.

Complemento - O “Parceiros em Campo” complementa outros programas que a Cocamar já desenvolve para encontrar soluções aos gargalos que ainda limitam a produtividade, conforme enfatiza o superintendente de Negócios da Cocamar, Arquimedes Alexandrino. “Nosso serviço não é só receber a safra e comercializar insumos, mas tornar o produtor cada vez mais forte com maior produtividade e lucratividade. Por isso estamos investindo na capacitação da equipe técnica, buscamos consultores e especialistas nas mais diversas áreas para ajudar o produtor a encontrar soluções, aumentar sua produtividade e lucratividade”, finaliza. (Imprensa Cocamar)

UNIMED MARINGÁ: “Saúde Empresarial” será levado para 100 empresas no primeiro semestre

No primeiro semestre deste ano, aproximadamente 100 empresas foram selecionadas para receber o programa Saúde Empresarial oferecido pela Unimed Maringá, o que vai ser proporcionado sem custo adicional às que possuem planos empresariais de saúde da cooperativa. A finalidade é a promoção da saúde dos colaboradores.

Avaliação - Os profissionais atendidos recebem avaliação corporal, clínica, nutricional, psicológica e participam de pequenas palestras. Ao final, de acordo com o diagnóstico, eles poderão ser encaminhados à realização de atividades na unidade de Medicina Preventiva (MEP) da cooperativa. O projeto oferece ainda orientações de cuidados com as gestantes.

Perfil - “O atendimento é prestado de acordo com o perfil de cada corporação”, informa a gerente de Mercado da Unimed Maringá, Mirna Bevilaqua.  Segundo ela, o programa reestruturou sua equipe de profissionais e “para que os melhores resultados possíveis sejam alcançados, as empresas devem disponibilizar o maior número possível de colaboradores para que participem dos programas e das atividades”. A importância desse trabalho, acrescenta a gerente, está na prevenção de doenças e também no tratamento de patologias instaladas, proporcionando melhor qualidade de vida aos colaboradores.

Atendimento - Em 2013, mais de 40 empresas foram atendidas pelo programa, que beneficiou cerca de 6 mil pessoas. “É uma forma de melhorar a saúde das equipes, para que seus integrantes tenham melhor rendimento no trabalho e, também, mais satisfação na vida pessoal”, explica Carolina Lastra, coordenadora de Medicina Preventiva, destacando que o programa se molda a empresas de todos os tamanhos e segmentos. (Imprensa Unimed Maringá)

SICREDI UNIÃO: Especialista em agro do Banco Cooperativo ministra palestra na Expo Londrina

O engenheiro agrônomo João Antonio Lapolli, gerente de análise econômica e de riscos de mercado do Banco Cooperativo Sicredi, de Porto Alegre, virá ao Paraná para fazer uma palestra a produtores rurais durante a Expo Londrina 2014, que acontece de 3 a 13 de abril no Parque Internacional Governador Ney Braga. A iniciativa é da Sicredi União PR/SP e o evento será dia 9, às 20h, no Recinto Horácio Sabino Coimbra. De acordo com a cooperativa, o público será formado por produtores convidados do município e região, além de lideranças do setor. “Temos uma presença forte no agronegócio regional e a feira é importante para intensificar esse relacionamento”, afirma o diretor-executivo Rogério Machado.

Estande - Como faz desde 2010, o Sicredi vai participar da exposição com um estande em local estratégico e disponibilizar uma linha de financiamentos, em condições especiais, para a compra de máquinas e equipamentos agrícolas, veículos e utilitários, animais, construções rurais e outros. Segundo Machado, o posicionamento do Sicredi em uma feira como a Expo Londrina é especialmente importante por ser tratar de um dos maiores eventos do gênero do Brasil e também porque o Sicredi se consolidou, em nível nacional, como o terceiro maior repassador de recursos para o campo.

Formação - Formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com MBA Executivo em Marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Lapolli agrega experiências anteriores nas áreas de desenvolvimento de mercado de defensivos, sementes e fertilizantes em canais de distribuição e também de crédito rural em instituições financeiras privadas. Foi, também, produtor rural e, atualmente, desenvolve atividades voltadas a projeções de commodities agropecuárias e acompanhamento do cenário climático e seus riscos associados. (Imprensa Sicredi União)

C.VALE: Seminário atrai 1.500 mulheres

Cerca de 1.500 mulheres participaram, na última quarta-feira (26/03), da 15ª edição do Seminário da Mulher. O evento promovido pela C.Vale, com apoio da Basf, foi comemorativo ao Dia Internacional da Mulher. A psicopedagoga Fernanda Sobreira abordou o tema: Novos tempos, novos rumos, o mundo em tempo de mudança. 

Papel da mulher- O presidente da C.Vale, Alfredo Lang, participou da abertura do seminário e destacou o papel da mulher na sociedade e dentro da cooperativa. “Dos quase 15 mil associados, 2.137 são mulheres. Queremos que este número seja cada vez mais expressivo porque a mulher é mais sensível em muitas coisas que os homens não percebem”, enfatizou Lang. Entre as mulheres, a sua esposa Sonia Lang também prestigiou o evento e disse que a palestra serviu para reforçar muitos conceitos de família e convivência em comunidade. “O mundo muda, mas pessoas mudam, mas os valores permanecem”.

Viagem - Muito segura e conhecedora do tema, a Fernanda convidou as participantes para uma viagem entre mundo moderno e os valores do passado. “Entendo que a informação não deve educar as nossas famílias, ela deve ser uma fonte. A base, os valores ainda devem ser repassados pelos pais”, alerta a professora. Ela também diz que o sonho é o principal motivador das conquistas. “Realizamos apenas 30% dos nossos sonhos. Precisamos continuar sonhando para não pararmos de caminhar e realizar”, ensina.

Aprendizado - As participantes riram, aplaudiram e se viram em muitas das situações apontadas pela palestrante. Tereza Carvalho, de Assis Chateaubriand, disse que foi um aprendizado que é possível aplicar na família. “Temos que acompanhar a mudança dos tempos, mas nunca deixar para traz os valores que aprendemos com os nossos pais no passado”.  Para Sônia Maria Parcianelo, de Palotina, este tipo de palestra, além de tratar de temas do dia a dia, ajudam a melhorar a qualidade de vida na propriedade, na família e na educação dos filhos. “O que levo hoje de conhecimento é que sempre temos que nos atualizar e valorizar as coisas que aprendemos no passado.”

Donativos - As associadas, esposas e filhas de cooperados da C.Vale que participaram da palestra, trouxeram um quilo de alimento não perecível. Os donativos serão repassados para entidades assistenciais da área de ação da cooperativa. (Imprensa C.Vale)

{vsig}noticias/2014/03/27/cvale/{/vsig}

COPAGRIL: Em apenas um ano, supermercado conquista preferência em Guaíra

Com apenas um ano e alguns meses de funcionamento, o Supermercado Copagril já conquistou a preferência do público de Guaíra, fato atestado pelo Prêmio Destaque do município, entregue em março. De acordo com o instituto de pesquisas Conecta, de Cascavel, o Supermercado Copagril detém quase 40% da preferência dos guairenses consultados, contra 23% do segundo colocado e 15% do terceiro. A pesquisa foi realizada em dezembro passado, com 380 homens e mulheres consultados por telefone, todos com mais de 16 anos.

Dedicação - Para Gilmar Rotta, gerente do mercado, o resultado reflete a dedicação da empresa e funcionários com a qualidade dos produtos. “Buscamos ofertar alimentos seguros e produtos de qualidade, com muita variedade, para que os clientes estejam sempre satisfeitos”, declarou. Para ele, a conquista aumenta a responsabilidade do Supermercado. “Agora temos que nos esforçar ainda mais para corresponder às expectativas e à confiança dos nossos consumidores”, afirmou.

Reconhecimento - De acordo com o gerente da área comercial e insumos da Copagril, Enoir Primon, que é responsável também pelos mercados, o prêmio é um reconhecimento do trabalho realizado pela Copagril, que busca trazer o que há de melhor para os consumidores do interior. Além disso, para atender aos clientes de Guaíra, foi necessário um processo de adaptação. “São públicos diferentes em Rondon e Guaíra, cada local tem suas preferências e tivemos que nos adaptar a isso, buscar fornecer aquilo que cada local exige e prefere”, explicou Primon.  (Imprensa Copagril)

{vsig}noticias/2014/03/27/copagril/{/vsig}

EXPEDIÇÃO SAFRA: Evento técnico vai reunir produtores em Balsas (MA)

O roteiro da Expedição Safra em parceria com a Agrex do Brasil segue nesta quinta-feira (27/03) para Balsas (MA). Mais de 200 pessoas são esperadas para um evento técnico e de relacionamento com produtores e lideranças do agronegócio da região, que será realizado a partir das 19h30. Nas três primeiras etapas mais de 400 pessoas já participaram dos encontros em Rio Verde (GO), Canarana (MT) e Guaraí (TO). A agenda encerra nesta sexta-feira (28/03) de Bom Jesus (PI). A programação conta com uma palestra da INTL FCStone, em que o economista Thadeu Silva vai apresentar um panorama da safra atual e as tendências para a temporada 2014/15. Ao todo serão cinco eventos. (Gazeta do Povo)

 

ConviteExpedicaoAgrexBalsas 27 03 2014

LEGISLATIVO: Deputados mudam Código de Processo Civil, que volta a senadores

A Câmara dos Deputados concluiu nesta quarta-feira (26/03) a análise do novo Código de Processo Civil, com a aprovação, em plenário, da redação final do projeto. O texto segue agora para uma segunda avaliação do Senado Federal, autor da proposta original em 2009, antes de ir à sanção da presidente Dilma Rousseff.

Debate - Dos cinco volumes e mais de mil artigos do Código, é certo que os senadores vão debater dois pontos em relação ao aprovado pelos deputados: regras para a penhora online e a aplicação imediata das decisões de primeira instância. Este último foi uma inovação dos senadores à legislação atual e que foi excluída pela Câmara, mas que tem grandes chances de ser retomada no Senado, segundo avaliação dos técnicos que acompanharam o debate sobre o projeto.

Regras - Pelas regras vigentes hoje em dia, as sentenças de primeiro grau são suspensas assim que uma das partes apresenta recurso à segunda instância. Os senadores alegam que apenas 18% das decisões de primeira instância são reformadas pelos tribunais superiores e, por isso, o fim do "efeito suspensivo automático de apelação" daria mais celeridade à Justiça. Porém, o relator do CPC na Câmara, deputado Paulo Teixeira (PT-SP), atendeu pedido dos juízes de segunda instância e retomou a regra atualmente em vigor, em que as decisões de primeiro grau perdem efeito com o recurso.

Ponto polêmico- Outro ponto polêmico que deve ser novamente discutido são as regras aprovadas pelos deputados para a penhora online - sistema do Banco Central pelo qual o juiz pode penhorar eletronicamente ativos financeiros do executado. Parlamentares ligados ao empresariado articularam a proibição da penhora em diversas situações com o argumento de que os juízes têm decretado "indiscriminadamente" o bloqueio dos bens de empresas.

Modificação - A principal modificação na penhora online em relação à legislação atual é o veto ao uso para ações de tutela antecipada (procedimento em que o juiz concede, provisoriamente, o bloqueio dos bens do réu para impedir que ele se desfaça de imóveis e dinheiro com o objetivo de não ter de ressarcir o credor). Esse procedimento é muito comum em casos de improbidade administrativa - pelos quais 41 deputados e senadores em atividade são processados. Delegados da Polícia Federal e juízes já têm se mobilizado para tentar mudar o texto no Senado.

Governo - O governo também deve aproveitar a maioria que tem no Senado, onde a base aliada é bem menos rebelde que na Câmara, para recuperar derrotas no texto, como a previsão de que os advogados públicos poderão receber honorários pelas causas que atuarem. Pelo código atual o dinheiro vai para os cofres públicos. (Valor Econômico)

CAPACITAÇÃO: Parceria com a Faciap amplia atuação do Bom Negócio Paraná

O Governo do Paraná firmou uma parceria com a Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná (Faciap) para capacitar gratuitamente mais 12 mil empreendedores dentro do Bom Negócio Paraná, programa da Secretaria Estadual da Indústria e Comércio voltado às micro e pequenas empresas dos setores industrial, comercial e de serviços de todo o estado. As aulas serão realizadas a distância, por meio do portal da Federação.

Cursos - O Bom Negócio oferece cursos de capacitação gerencial, consultorias para micro e pequenos empresários e facilidades no acesso às linhas de créditos baratas do Banco do Empreendedor, da Fomento Paraná. A orientação é feita pelas universidades estaduais e por entidades parceiras.

Atuação ampliada- De acordo com o secretário em exercício da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Horácio Monteschio, a parceria vai ampliar a atuação do Bom Negócio principalmente nas cidades e regiões onde não ocorrem cursos promovidos pelas universidades estaduais. "É mais um passo importante na criação de oportunidades de negócios que gerem empregos e renda, sobretudo nas cidades de pequeno e médio porte".

Empréstimo - Além das aulas gratuitas, o programa permite aos empreendedores o acesso a empréstimos pelo Banco do Empreendedor, com juros entre os mais baixos do país, de 0,51% a 1,07% ao mês. As faixas de financiamento variam de R$ 300 a R$ 300 mil, de acordo com a capacidade de cada empresário. O prazo de pagamento vai de 12 a 60 meses. "Quanto mais capacitado, menores são os juros", reforça Monteschio.

Faciap - Os cursos gerenciais serão oferecidos a distância pelo portal www.capacitando.net/faciap, plataforma de educação a distância da Faciap. De acordo com o superintendente da Federação, Edson Araújo Filho, as capacitações serão gratuitas e voltadas aos pequenos empresários. “Vamos atender 12 mil empresas gratuitamente, ofertando cursos voltados às áreas de gestão, finanças empresariais, técnicas de negociação, dentre outras”, informa.

Exclusivos - Os cursos possuem em média de 60 a 80 horas e são voltados exclusivamente para empresários. Para participar, o interessado deve utilizar um card, que será oferecido pela Associação Comercial local, que contém um código. Ao acessar o portal e clicar na opção de inscrição, basta inserir o código para garantir a gratuidade do treinamento.

Universidades - As universidades estaduais continuam realizando as capacitações com turmas presenciais e também vão ofertar os cursos na modalidade a distância (EaD). A primeira turma será composta por 80 alunos de diferentes localidades do estado.

Municípios mais distantes- Para o secretário da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Carlos Gomes, a ampliação do atendimento do Bom Negócio atingirá empreendedores dos municípios mais distantes do Estado. "São empresários que têm dificuldades em comparecer aos cursos presenciais". (Agência de Notícias do Paraná

INDÚSTRIA: Senai inaugura 2 centros de inovação em Salvador

Dois institutos avançados de pesquisa do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), que serão inaugurados nesta quinta-feira (27/03) em Salvador, começam a funcionar com projetos de mais de R$ 30 milhões encomendados por empresas de vários setores, que buscam melhores indicadores de competitividade e produtividade.

Rede - Os Institutos Senai de Inovação (ISI) da capital baiana fazem parte de uma rede de 25 unidades que serão abertas até o fim de 2015. Os primeiros ISI, inspirados nos centros Fraunhofer da indústria alemã, foram abertos no Paraná e em Santa Catarina, no ano passado. O projeto desses institutos conta com investimento de R$ 2 bilhões, sendo R$ 1,5 bilhão do BNDES

Maior projeto- O maior projeto do ISI de Salvador foi encomendado pela BG Brasil, multinacional britânica de petróleo e gás. A empresa pagou R$ 30 milhões para o desenvolvimento de um robô capaz de fazer operações de inspeção e manutenção de instalações petroleiras do pré-sal em até 2 mil metros de profundidade por controle remoto e sem fio. A iniciativa prevê a troca de experiências de profissionais especializados em robótica e inteligência artificial da Alemanha. (Valor Econômico)

SEBRAE/PR: Curitiba terá semana para microempreendedores individuais

Começa em Curitiba e em todo o Paraná, nesta segunda-feira (31/03), e segue até 4 de abril, a Semana do Microempreendedor Individual. Na Capital, a entidade espera realizar mais de 3 mil atendimentos, nas oito Ruas da Cidadania e em seu escritório regional, que fica na Rua Caeté, 150.

Mutirão - No mutirão, que acontece em parceria com a Agência Curitiba e a Prefeitura de Curitiba, serão oferecidas palestras, oficinas, orientações, além de informações sobre formalização e a declaração anual do Simples Nacional, obrigatória para todos os microempreendedores individuais. A programação oficial está no site www.sebraepr.com.br/semanamei.

Cinco anos- A Semana do Microempreendedor Individual, neste ano, comemora os cinco anos da figura jurídica do microempreendedor individual, instituída por lei em 2009. Enquadram-se nessa categoria, os empreendedores que faturam até R$ 60 mil ao ano. A consultora do Sebrae/PR, Juliana Schvenger, afirma que o foco das ações desta edição será voltado à capacitação.

Oficinas - As oficinas terão duração de três horas, nos dias úteis das 19 às 22 horas, e os empreendedores curitibanos poderão optar pelos temas: “Sei controlar meu dinheiro”, “Sei Vender”, “Sei Empreender” e “Sei Comprar”, além da palestra “Como criar um modelo de negócios para a minha empresa”, com duração de duas horas. Para participar dos cursos, com temas variados, é preciso fazer inscrição antecipada, pois as vagas são limitadas.

Melhoria da gestão- Juliana Schvenger afirma que as capacitações ajudarão os microempreendedores individuais a melhorar a gestão dos seus negócios. “Nosso objetivo com a Semana é garantir o desenvolvimento dos microempreendedores individuais para que cresçam, gerem mais oportunidades de empregos e transformem seus negócios em micro e pequenas empresas.”

Orientações individuais- Durante a Semana, os microempreendedores ainda poderão contar com orientações individuais sobre marketing, finanças e recursos humanos, que serão realizadas somente no escritório do Sebrae/PR. “Serão miniconsultorias, para que eles tirem dúvidas diretamente com os consultores”, esclarece Juliana. Não será preciso marcar horário e o atendimento ocorrerá por ordem de chegada, das 8h30 às 18h30.

Formalização - Curitiba tem hoje 41 mil microempreendedores individuais em atividade, de acordo com dados do Portal do Empreendedor (www.portaldoempreendedor.gov.br). O número é significativo, mas ainda existem muitos empresários trabalhando na informalidade. Para dar agilidade ao processo de formalização, durante a Semana do Microempreendedor Individual, o Sebrae/PR, em parceria com a Prefeitura de Curitiba, irá disponibilizar em seu escritório regional, técnicos das Secretária de Finanças e de Urbanismo.

Burocracia - “Os representantes desses órgãos estarão emitindo alvarás e realizando consultas comerciais, que são requisitos obrigatórios para abertura de empresas e que por causa da burocracia acabam travando o processo de formalização. Além disso, também teremos um espaço reservado para a Previdência Social onde os empresários poderão tirar dúvidas sobre aposentadoria e outros benefícios como auxílio doença e licença maternidade”, explica a consultora do Sebrae/PR, Juliana Schvenger.

Informações - Em Curitiba, os microempreendedores individuais também contarão, no escritório do Sebrae/PR, com informações do Serviço Brasileiro de Reposta Técnica (SBRT) que atuará em conjunto com o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar). O SBRT é uma rede formada por instituições de grande reconhecimento nacional e que fornece gratuitamente informações tecnológicas para que o empresário possa melhorar a qualidade do seu produto ou processo produtivo. Durante a Semana, o atendimento será focado nos microempreendedores individuais.

Grande Curitiba - Ao todo, 11 municípios da Região Metropolitana terão ações da Semana do Microempreendedor Individual, com oficinas, palestras e orientações. São eles: Almirante Tamandaré, Araucária, Campina Grande do Sul, Cerro Azul, Fazenda Rio Grande, Itaperuçu, Pinhais, Piraquara, Rio Branco do Sul, Rio Negro e São José dos Pinhais. Em algumas cidades, o serviço não será ofertado todos os dias e, por isso, é importante que os interessados acessem a página do Sebrae/PR para conferir as datas e horários de atendimento.

Declaração anual - Durante a Semana do Microempreendedor Individual, também será dada atenção especial aos empreendedores que precisam fazer a declaração anual do Simples Nacional. A consultora do Sebrae/PR em Curitiba, Juliana Schvenger, lembra que o prazo termina no dia 31 de maio e a prestação de contas é obrigatória.

Certificado - “Para fazer a declaração, é preciso ter em mãos o certificado de condição de microempreendedor individual, os relatórios de receita bruta, preenchidos e referentes ao exercício de 2013, com as notas fiscais e extratos da máquina de cartão de crédito anexos a esses relatórios. Quem não fizer a declaração ficará sujeito à multa mínima de R$ 50.”

Microempreendedor - Desde setembro de 2009, quando passou a funcionar o Portal do Empreendedor, meio utilizado pelos empreendedores para regularizarem sua situação, mais de 203 mil paranaenses já se formalizaram. Mais de 400 ocupações se enquadram no perfil de microempreendedor individual. Entre elas, doceira, cabeleireira, manicure, pedreiro, pintor, pipoqueiro, borracheiro, barbeiro, artesão, carpinteiro, encanador, engraxate, jardineiro, jornaleiro e marido de aluguel.

Vantagens empresariais- Ao formalizar sua atividade, o microempreendedor individual ganha vantagens empresariais, como a de emitir nota fiscal e melhores linhas de acesso ao crédito, e a proteção da Previdência Social, com direito à aposentadoria por idade, por invalidez, salário-maternidade e auxílio-doença.

Localização - O escritório do Sebrae/PR fica na Rua Caeté, nº 150, no Parolin. O telefone para mais informações é o 0800 570 0800. (Assessoria de Imprensa do Sebrae/PR)

COMÉRCIO BILATERAL: Nova linha de crédito isenta Brasil de travas comerciais na Argentina

comercio bilateral 27 03 2014Uma das últimas costuras para destravar o comércio entre Brasil e Argentina, com a criação de um novo esquema de financiamento ao comércio bilateral, promete livrar os exportadores brasileiros das dores de cabeça para entregar seus produtos no país vizinho.

Negociações - Nas negociações entre os dois países, que devem resultar em um memorando de entendimentos a ser assinado nos próximos dias, a Argentina prometeu não impor barreiras não-tarifárias às exportações brasileiras contempladas pela nova linha de crédito. Os importadores argentinos vão continuando precisando de declarações juramentadas (DJAIs) para liberar os produtos brasileiros retidos na fronteira, mas há um compromisso de não atrasar esse processo de autorização e respeitar rigorosamente os prazos.

Relatos - Nos últimos meses, o governo brasileiro recebeu relatos preocupantes dos exportadores. As montadoras, que venderam à Argentina quase US$ 5 bilhões em 2013, comunicaram que havia risco de encolher a produção em até 5% neste ano. Indústrias relataram que as barreiras argentinas criavam imprevisibilidade no recebimento das vendas. Por isso, os bancos encareciam o crédito e resistiam a oferecer adiantamentos de contratos de câmbio (ACCs), um dos principais "pulmões" no financiamento às exportações.

Desvalorização do peso - om a desvalorização do peso, em janeiro, o governo brasileiro percebeu que a escassez de dólares na Argentina poderia acentuar os problemas. Por isso, empenha-se em criar um esquema de financiamento que seja operado estritamente por bancos comerciais, sem garantias do Banco Central nem do Tesouro. Mas colocou como condição, às autoridades argentinas, que não haja imprevistos com barreiras comerciais.

Vantagens - À primeira vista, parece haver vantagens só para os exportadores brasileiros, mas não é bem assim. Eles serão os beneficiados pela liberação do crédito e terão a garantia de completar os trâmites alfandegários sem atrasos impostos pela burocracia argentina. Trata-se, no entanto, de uma operação mutuamente benéfica.

Cruciais - Autopeças brasileiras são cruciais para a produção das montadoras instaladas na Argentina. E a maior parte das exportações argentinas de veículos tem o Brasil como destino, sendo operações intercompanhias, entre subsidiárias das mesmas montadoras. Se uma das vias do comércio bilateral é interrompida, por falta de financiamento, a tendência é que todo o sistema comércio entre os dois países seja prejudicado.

Assinatura - O memorando de entendimentos com a Argentina deve ser assinado à margem do encontro anual do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que começa nesta quinta-feira (27/03) e vai até domingo, na Costa do Sauípe (BA), conforme reiterou o ministro do Desenvolvimento, Mauro Borges (foto).

Limite de recursos- De acordo com o ministro, a linha de crédito para financiar o comércio entre Brasil e Argentina não trabalhará com um limite máximo de recursos. "É um sistema aberto, sem teto, direcionado pela demanda", disse Borges, depois de ter participado de um seminário sobre a economia brasileira, na Câmara dos Deputados.

Valor - Falava-se, nas últimas semanas, em uma linha de crédito para financiar exportações brasileiras à Argentina no valor de US$ 2 bilhões. "Se a demanda for maior do que US$ 2 bilhões, o volume de crédito ficará acima disso. É uma estrutura que não se baseia na oferta de crédito, mas na demanda das empresas exportadoras. Não tem teto, por isso mesmo o sistema é mais engenhoso."

Garantias - Segundo o ministro, não haverá garantias do Banco Central nem do Tesouro, mas ele não revelou como funcionará o mecanismo. "Estamos criando uma engenharia financeira inovadora. É uma linha comercial inteiramente privada, sem participação do Banco Central nem do Tesouro, apenas com bancos comerciais."

Mecanismo - O Valor apurou que uma das possibilidades é que haja garantias do Banco Central da Argentina, por meio do Convênio de Pagamentos e Créditos Recíprocos (CCR), mecanismo existente desde 1982 e do qual são signatários 12 países latino-americanos. Ele foi concebido originalmente para facilitar o intercâmbio comercial da região, ao reduzir as transferências internacionais, em um cenário de escassez de divisas. (Valor Econômico)

 

CREA-PR: Profissional da Agronomia contribui para o uso adequado de tecnologias no campo

crea 27 03 2014Um relatório divulgado pelo Ipardes (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social) aponta que os principais produtos agrícolas do Paraná em 2011 foram a cana-de-açúcar, soja, milho, mandioca, feijão e trigo, representando este último 42,97% da produção nacional. Neste sentido, a importância do profissional da Agronomia é fundamental, bem como a atuação da fiscalização do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR) nessa área.

Conhecimento - “O profissional da Agronomia é quem possui os conhecimentos para planejar, executar e orientar corretamente o produtor a tomar decisões assertivas, buscando o melhor custo-benefício, o uso adequado das tecnologias agrícolas e minimizando os riscos à sociedade, ao meio ambiente e à cultura”, esclarece o engenheiro agrônomo Ricardo Araujo, facilitador do Núcleo Sudoeste do Departamento de Fiscalização (Defis) do Crea-PR. “As culturas, sejam elas permanentes ou temporárias, estão sujeitas a diversas adversidades causadas por doenças viróticas, fúngicas ou bacterianas, pragas e parasitas. Quando as decisões não são bem planejadas, podem ocorrer prejuízos ao produtor e ao meio ambiente”, acrescenta.

Participação no processo - Para que os resultados sejam o mais próximo possível do desejado, o profissional deve ter participação efetiva no processo e o planejamento deve ser realizado com antecedência, utilizando técnicas amplamente estudadas pelos profissionais qualificados. “Antes do plantio, são escolhidas as espécies para a realização de rotação de culturas, escolha da semente adequada e da melhor época de plantio, planejamento e interpretação do laudo de análise do solo com posterior adubação com micro e macronutrientes”, ensina o engenheiro.

Levantamentos e análises - “Durante o cultivo, são realizados levantamentos e análises para verificação da necessidade e do momento ideal para controle das moléstias, pragas e plantas invasoras, como é o caso do Manejo Integrado de Pragas (MIP). Com isso, é feita a escolha do uso de agrotóxicos e de produtos biológicos no controle preventivo e corretivo, entre outros itens com foco em evitar quebras de produção e perda de tempo no plantio, manejo ou colheita”, diz.

Conscientização e fiscalização - Segundo Araujo, muitos pequenos, médios e grandes produtores estão conscientes dos benefícios que um profissional qualificado traz durante o planejamento, condução e análise de mercado. “Cabe ao profissional promover a sua valorização, através da efetiva participação, buscando o aperfeiçoamento, conhecer novas tecnologias e transmiti-las ao cliente. Somente apresentando resultados positivos é que o profissional será valorizado”, acredita. “Sem a participação de uma profissão centenária que é a Agronomia, não conheceríamos as tecnologias que existem atualmente e, talvez, a produção ainda fosse arcaica”, diz.

Novo modelo - Em 2008 foram realizadas mais de 26 mil fiscalizações, sendo a maior parte delas de culturas temporárias, como a soja, milho, trigo e feijão, com ápice de fiscalização no ano de 2009. Atualmente encontra-se em prática um novo modo de fiscalização, iniciada na safra de verão 2013/2014. Em 2014 foram realizadas 184 fiscalizações até meados do março, e a expectativa é que neste ano o número de fiscalizações supere o ano anterior.

Questionamentos - Com o novo modelo de fiscalização, o produtor é questionado quanto à presença de responsável técnico habilitado pelo cultivo do solo; é solicitado ao profissional a relação das atividades técnicas realizadas, verificado se ele cumpre com as obrigações com o Crea-PR – se possui registro profissional, se realizou a ART regulamentada pela Lei nº 6.496/77 – e também possíveis descumprimentos éticos, buscando a defesa da sociedade e do meio ambiente. (Assessoria de Imprensa do Crea-PR)

 


Versão para impressão


Expocoop 2014

Assessoria de Imprensa do Sistema Ocepar - Tel: (41) 3200-1150 / e-mail: imprensa@ocepar.org.br