Imprimir
Sistema Ocepar - Paraná Cooperativo - Informe Diário

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 3357 | 06 de Junho de 2014

SISTEMA OCEPAR: Diretores se reúnem segunda-feira em Curitiba

sistema ocepar 06 06 2014Será realizada, segunda-feira (09/06), a 37ª Reunião ordinária da diretoria da Ocepar, referente à gestão 2011/2015, na sede da entidade, em Curitiba, a partir das 9h. Na oportunidade, os diretores tratarão de temas ligados à Expocoop – Feira Internacional do Cooperativismo, ocorrida entre os dias 15 e 17 de maio, em Curitiba, e sobre o Plano Agrícola e Pecuário da safra 2014/15, lançado dia 19 de maio pelo governo federal, entre outros assuntos. Ao final, haverá a participação da senadora Gleisi Hoffmann. 

 

FÓRUM DE MERCADO: Apresentações dos palestrantes são disponibilizadas

forum mercado 06 06 2014O Sistema Ocepar disponibilizou um link de acesso para os conteúdos apresentados pelos palestrantes do Fórum de Mercado, ocorrido quarta-feira (04/06), em Maringá. Os convidados foram o especialista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Luiz Renato Lazinski, o diretor de economia agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (Mapa), Wilson Vaz de Araújo e o analista da FCStone, Étore Barone. O evento teve a participação de profissionais das áreas comercial, técnica e financeira das cooperativas Witmarsum, Cocari, Integrada, Cocamar, Coamo, Coagru, Copacol, Cvale, Copagril, Primato e Lar.

Clique aqui para acessar o link. 

 

SESCOOP/PR: Agentes de DH são capacitados no interior do Estado

O Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR) promoveu, nesta semana, um treinamento para agentes de Desenvolvimento Humano (DH), no Sicoob Maringá, terça-feira (03/06), com 24 participantes; Unicoop, em Cascavel, quarta-feira (04/06), com 17 participantes, e na Agrária, em Guarapuava, nesta quinta-feira (05/06), com 21 participantes. A capacitação teve como objetivo orientar os profissionais para habilitá-los a utilizar o Sistema de Autogestão (AG) e compreender os parâmetros e indicadores de Recursos Humanos do Sescoop/PR. Houve ainda a apresentação do novo modelo do Plano Estratégico de Desenvolvimento Cooperativo (PEDC).

Alinhamento – Os treinamentos tiveram como instrutores o coordenador de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, João Gogola, e o analista técnico especializado, Anderson Helpa. As atividades foram acompanhadas por toda a equipe de analistas de Desenvolvimento Humano do Sescoop/PR. Na avaliação de Gogola, a realização do treinamento foi bem sucedida. “Ao meu ver, foi um sucesso, pois além de contar com uma quantidade expressiva de técnico diretamente envolvidos na áreas de Recursos Humanos das cooperativas, também tivemos discussões enriquecedoras e importantes para o sistema como um todo, inclusive estas discussões serão tema de oficinas de trabalho que serão realizadas no próximo mês de julho quando da realização do fórum de agentes das cooperativas”, disse.

Metodologia - Ainda de acordo com Gogola, o objetivo principal do treinamento foi o esclarecer dúvidas sobre o conceito de cada parâmetro solicitado no “Balanço de RH”, mas eles também aproveitaram para explicar a metodologia de cálculo de cada indicador e também efetivamente o uso do sistema AG para extração destas informações. “A utilização dos indicadores de RH nas cooperativas é fundamental para que, além da parte operacional, os gestores também possam auxiliar a gestão com decisões estratégicas, e o grande diferencial de se trabalhar com estes indicadores no sistema AG é a possibilidade de geração de cenários e comparativos para as cooperativas”, acrescentou. 

{vsig}noticias/2014/06/06/sescoop/{/vsig}

COAMO: Marca é registrada no Chile

coamo 06 06 2014Focada na expansão no mercado externo e em agregar valor aos seus produtos, a Coamo acaba de registrar sua marca em mais um país da América Latina. Agora no Chile, por meio do Ministério de Economia, Fomento e Turismo do país, é permitido que a cooperativa comercialize seus produtos em grãos e industrializados, uma garantia para o consumidor chileno que comprará um produto que ele sabe a origem. De acordo com o superintendente Comercial da Coamo, Alcir José Goldoni, esse registro garante uma evolução significativa para a cooperativa. “Estamos levando a marca Coamo de forma mais intensa à América Latina, uma vez que, nossa marca já está registrada em outros países do continente”, explica Goldoni. 

Mercado – A Coamo já comercializa com diversos países da União Européia e, recentemente, também teve a marca registrada na comunidade européia, conforme esclarece o gerente comercial de Produtos Agrícolas, Rogério Trannin de Mello. “Realizamos vendas diretas com a Alemanha, Suécia, França, Dinamarca, Holanda, Espanha, além de comercializarmos com os demais países deste bloco econômico, levando a marca e o selo de origem da cooperativa. Uma significativa expansão que conquistamos devido a confiabilidade e a qualidade que nosso produto tem”, revela.

Exportações – Figurando entre as maiores exportadoras do país, a Coamo exporta farelo de soja, milho e soja em grãos. Em 2013, a cooperativa exportou pelo terminal portuário de Paranaguá, no Paraná e porto de São Francisco, em Santa Catarina, um total de 2,56 milhões de toneladas que resultaram no montante de US$ 1,21 bilhão. No ranking nacional a cooperativa é a 33ª maior empresa exportadora; 2ª do Paraná e a 1ª do agronegócio paranaense.

Futuro – Segundo o presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, a cooperativa pretende ampliar ainda mais os mercados. “Já temos nossa marca registrada no Paraguai, Argentina e Uruguai para garantir a comercialização dos nossos produtos industrializados. E, para um futuro bem próximo já estamos com pedidos de registro de marca no Japão e Coréia do Sul tramitando. É a expansão da Coamo atravessando fronteiras e levando o que produzidos por nossos cooperados do Brasil para o mundo”, comemora Gallassini. (Imprensa Coamo)

 

SICOOB: Lar Escola de Maringá recebe o Expresso do Instituto

O Expresso Instituto Sicoob já caiu na estrada! No Lar Escola de Maringá, crianças e jovens receberam a visita do ônibus equipado com computadores e preparado especialmente para reforçar o trabalho de difusão da cultura cooperativista em todas as regiões onde o Sicoob está presente. Cerca de 80 alunos participaram de cursos de cooperativismo, nos dias 27, 28 e 29 de maio, em uma das primeiras atividades executadas por meio do Expresso.

Cooperativa mirim- A iniciativa, cujo objetivo é compartilhar educação e agir por meio da inclusão social, está atingindo a comunidade e integrando os estudantes ao tema cooperativismo, com a colaboradores de todos.  A escolha do tema no Lar Escola ocorreu devido à formação de uma cooperativa mirim na entidade. A intenção foi repassar noções de cooperativismo para os alunos e integrantes da instituição para conhecerem o apoiarem a cooperativa em constituição.

Efeito benéfico- Segundo o palestrante e assessor administrativo institucional, Adilso Carniel, a expectativa está sendo superada pois os jovens receberam e participaram ativamente dos ensinamentos e assim, o espírito cooperativista e a solidariedade serão disseminados. ”O efeito é benéfico, pois por meio do curso aplicado pelo Expresso, os alunos do Lar Escola aprenderam sobre o histórico, vantagens, benefícios e, sobretudo, conseguem aplicar e observar os efeitos  da cooperação”. (Imprensa Instituto Sicoob)

{vsig}noticias/2014/06/06/sicoob_I/{/vsig}

BOM JESUS: Nascente recuperada em São Mateus do Sul tem vazão recorde

Foi realizada, no dia 31 de maio, no Sítio Rio das Pedras da família Vachak, em São Mateus do Sul, a recuperação da segunda nascente do Renascer (Projeto de Recuperação e Manutenção de Nascentes), feita pelo grupo de jovens da Cooperativa Bom Jesus, o B Jovem. A atividade contou com a participação de Luiz Henrique Vachak, Daniel Pachek, Emerson W. dos Santos e da líder Sarajane Daldin Cordeiro, do B Jovem de São Mateus do Sul; Celso Pinheiro Filho e Rodrigo I. Cardoso, da Cooperativa Bom Jesus; e Ricardo Luis Bonin e Tiago Lara, da Engegreen, empresa responsável pela coordenação dos trabalhos de recuperação da nascente.

Atividades - O sábado de recuperação amanheceu com tempo fechado e previsão de chuva, mas isso não atrapalhou a iniciação do projeto. O trabalho começou por volta das 9h30, com a limpeza e o processo de secagem da nascente, importante passo para o sistema de filtragem da água, e a preparação do entorno para o início do plantio de mata nativa. Mesmo com chuviscos e frio, grande parte da nascente já havia sido terminada às 13h. Depois do almoço, foram feitos o plantio da mata nativa e a cerca de fechamento da nascente, apesar da chuva já ter aparecido na região.

Peixes - Alguns fatos interessantes também transcorreram com o passar do tempo. Foram encontrados na nascente, peixes, como bagre e traíra, ainda pequenos, que poderiam fazer parte do tanque onde a nascente desemboca. A nascente também tinha uma madeira que servia como barragem, que segundo Ricardo Bonin “aponta que essa área é antiga e a água por tempos já pode estar sendo usada”.

Ponto de abastecimento- Com isso, e já apurado na visita técnica uma semana antes, é que a nascente serve como ponto de abastecimento de uma casa vizinha a propriedade da família Vachak. Com este processo de recuperação da nascente, além da família Vachak, uma família mais carente também vai poder usufruir da qualidade da água.

Contagem - Depois de recuperada, foi realizada a contagem de quantos litros de água a nascente fornece por dia: 6.294,86 litros. Isso é um recorde se comparada à última nascente recuperada em Mallet (que tinha duas nascentes), pois neste caso era somente um ponto de água.

Importância - O projeto Renascer já se mostrou importante tanto para as famílias beneficiadas, como para a comunidade em geral, visto que hoje algumas cidades importantes do Brasil estão sofrendo com a seca e a poluição dos rios. Este projeto tende a abranger toda a região da Cooperativa Bom Jesus e visa um comprometimento da comunidade em prol da qualidade de um dos maiores bens que temos: a água.

Próxima parada- O Renascer continua e a próxima parada do projeto já está sendo encaminhada. Será na cidade de Irati e mais informações poderão ser acompanhadas pelo Facebook da Cooperativa Bom Jesus e do B Jovem e pelos programas de rádio Bom Dia BJ e Informativo Bom Jesus. (Imprensa Bom Jesus)

{vsig}noticias/2014/06/06/bom_jesus/{/vsig}

COPACOL I: Cinquenta novos aprendizes são contratados

Foram abertas, na última quarta-feira (03/06), na Copacol, mais duas turmas do Jovem Aprendiz Cooperativo. Nesta etapa, 50 jovens foram integrados ao programa para trabalhar em diferentes áreas da cooperativa. A 11ª turma é formada por jovens de Cafelândia e a 12ª de Nova Aurora. Nesta etapa do programa, que acontece com parceria entre o Sescoopr/PR e a Faculdade Unica, os aprendizes ficarão por dois anos na cooperativa.

Treinamento - Os novos integrantes, filhos de associados, colaboradores e comunidade, irão passar por treinamento e, nos próximos dias, iniciam os trabalhos na Copacol. “Meu pai é colaborador há 16 anos e em casa tive muito apoio. Espero adquirir conhecimento, aproveitar os cursos, dar o meu melhor”, conta Gabriel da Silva Campos. Para o associado Jair João Tenfen, ter a filha inserida no programa é uma alegria imensa. “É um prazer para nós ver ela trabalhar na Cooperativa que estamos há mais de 20 anos, espero vê-la crescer”, conta o pai da Carolina.

Encerramento - Foi realizada também nesta semana a cerimônia de encerramento da 8ª turma do programa Jovem Aprendiz Cooperativo, que contou com 33 participantes. Durante um ano e quatro meses, os aprendizes atuaram em diferentes setores nas áreas da Cooperativa em Cafelândia e Nova Aurora. “Essa é uma oportunidade única para estes jovens, para os que estão entrando desejamos que aproveitem todo o conhecimento que irão encontrar neste primeiro contato com o mercado de trabalho. E para os que encerraram o programa, desejamos boa sorte e que um dia eles possam ser contratados”, conta o diretor presidente da Copacol, Valter Pitol. (Imprensa Copacol)

{vsig}noticias/2014/06/06/copacol_I/{/vsig}

COPACOL II: Piloto da Fórmula Truck participa de mais uma etapa em Brasília

O piloto da equipe Copacol Truck Racing, Diogo Pachenki, está otimista para voltar ao pódio neste domingo (08/06), na etapa de Brasília que será a quarta corrida do ano nesta temporada de 2014. Segundo Diogo, a pista de Brasília tem um traçado com curvas em alta velocidade. “Já ganhei nesta pista quando corria na Stok Car Light e tenho a certeza que vamos conseguir um excelente resultado neste domingo”, ressalta Diogo, que vai em busca de um pódio para poder homenagear o seu filho Bernardo, nascido recentemente. A Corrida de Brasília será neste domingo, às 13 horas, com a transmissão ao vivo da Band. (Imprensa Copacol)

{vsig}noticias/2014/06/06/copacol_II/{/vsig}

COCAMAR: Cooperadas terão direito a vagas no Conselho Consultivo

Buscando uma participação mais efetiva das mulheres cooperadas, que hoje representam 13% do quadro social da Cocamar, o presidente do Conselho de Administração da cooperativa, Luiz Lourenço, compareceu ao Encontro Anual do Núcleo Feminino, na quinta-feira (05/06), na Associação Cocamar, em Maringá, especialmente para oficializar-lhes um convite. Disse que gostaria de vê-las fazendo parte do Conselho Consultivo criado no início do ano, quando foi aprovada, em Assembleia Geral Ordinária, a reestruturação do sistema de gestão. Lourenço explicou que o Conselho, formado atualmente por 73 cooperados, que representam todas as 56 unidades operacionais, tem a finalidade de contribuir diretamente, com sugestões, para que corporação seja bem administrada.

Mulheres em campo- Com o tema “Mulheres em campo – a força do cooperativismo formando um time campeão”, o evento reuniu aproximadamente 500 representantes dos núcleos femininos mantidos em toda a área de ação.

Abertura de vagas- Lourenço informou que, em maio, na reunião mensal do Conselho de Administração, 16 vagas foram abertas no Conselho Consultivo para serem preenchidas por integrantes dos núcleos femininos. “Cada núcleo com mais de 30 integrantes pode indicar uma representante”, disse. “Queremos que elas conheçam tudo sobre a cooperativa, a maneira como é administrada, que acompanhem todas as ações, ajudem a discutir, a pensar o futuro”, acrescentou.

Produtores e líderes- Ligado diretamente ao Conselho de Administração, o Conselho Consultivo reúne produtores líderes. As unidades com até 250 cooperados têm um representante; de 251 a 400, dois representantes e, acima de 450 cooperados, três.

Modernização e tranquilidade- O presidente explicou as mudanças realizadas na gestão da cooperativa visam a modernizar e garantir tranquilidade ao processo sucessório. “O cooperativismo vai muito bem e precisa ser perpetuado. A administração de uma cooperativa é complexa, daí a necessidade de se profissionalizar a gestão”, completou Lourenço, que aproveitou para fazer a apresentação dos integrantes da diretoria executiva e das superintendências.

Importância - Em seguida, o vice-presidente de Negócios, José Cícero Aderaldo, proferiu palestra sobre a importância das mulheres no agronegócio, e a forma como são formados os preços das commodities agrícolas. No encerramento, houve uma apresentação do Grupo Fábrica Teatral, de Curitiba, que encerou a peça “Curtas Circuito”, desenvolvida especialmente para enfatizar a importância do trabalho em cooperação. (Imprensa Cocamar)

COCAMAR/SICREDI: Cooperativas apoiam o 11º Concurso de Redução de Perdas na Colheita de Soja

cocamar sicredi 06 06 2014Mantendo uma tradição de vários anos, a Cocamar e a Sicredi União PR/SP patrocinaram mais uma edição do Concurso Regional de Redução de Perdas na Colheita de Soja, cuja solenidade de premiação foi realizada na noite de quinta-feira (05/06), no Centro de Tradições Gaúchas Rincão Verde ,em Maringá. As duas cooperativas dividiram o valor de uma motocicleta, entregue ao operador classificado em primeiro lugar.

Abrangência - Promovido pelo Instituto Emater, e já em sua 11ª edição, o Concurso está entre os mais importantes do gênero, no Brasil. De acordo com o agrônomo Joaquim Nereu Girardi, do escritório local da instituição em Maringá, a abrangência da área de soja foi de 40,3 mil hectares de um total de 240 mil cultivados na região, sendo inscritos 185 operadores de máquinas, entre proprietários e trabalhadores rurais de 12 municípios. Segundo ele, avaliando o conjunto de operadores e máquinas, algumas com mais de 25 anos de uso e com todas as marcas existentes no mercado, observou-se que a idade das mesmas não tendo sido o fator mais importante para a redução de perdas. “Três pontos fundamentais fazem a diferença: a habilidade do operador, a regulagem e a manutenção das máquinas em operação”, disse. (Assessoria de Imprensa da Cocamar)

 

SICREDI UNIÃO PR/SP: Unidade em Pitangueiras é reinaugurada

A reinauguração na última segunda-feira (02/06) de uma unidade da Sicredi União PR/SP em Pitangueiras, município de 3 mil habitantes situado no norte do Paraná, mostra bem a atenção que a cooperativa de crédito tem dado às pequenas cidades onde atua. Enquanto as grandes corporações bancárias se transferem para centros maiores, o cooperativismo de crédito encontra aí uma oportunidade para crescer.

Ampliação - “Em vez de ir embora, estamos ampliando nossa estrutura aqui”, comentou o presidente da instituição, Wellington Ferreira, durante café da manhã na espaçosa unidade de atendimento, situada na Rua Brasil 147, agora com 270 metros quadrados de área, onde coloca à disposição todos os seus produtos e serviços. O prefeito Antonio Edson Kolachinski diz que as cooperativas de crédito exercem um papel fundamental no apoio às pequenas cidades, enfatizando que a resposta da população é grande. “O Sicredi tem tudo o que precisamos”, completa. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

CAMISC: Realizado o segundo módulo de programa modular feminino

camisc 06 06 2014Com muito otimismo e alegria, cooperadas e esposas de associados da Camisc iniciaram o segundo módulo do calendário 2014 das atividades do Camisc Mulher. O módulo faz parte do Curso de Cooperativismo – Programa Modular Feminino, realizado na comunidade Christus Dominus, em Mariópolis.

Temas - Coordenado pelo especialista em cooperativismo, Ney Guimarães, o primeiro modular abordou temas relativos à história do sistema cooperativista, suas características e definições, além de suas diferenciações em relação a outros sistemas. “Atualmente, são mais de 850 milhões de pessoas no mundo todo envolvidas com o cooperativismo, fato que demonstra a força que ele tem na atual sociedade”.

Pessoas - De acordo com o professor, sobras e números são importantes, mas é olhando para as pessoas que o cooperativismo se difunde.  “Neste contexto, a regra de ouro é investir em educação. O cooperativismo é uma forma de evolução, à medida que ele é definido por uma nova forma de pensar o homem, o trabalho e o desenvolvimento social”, afirma.

Educação continuada- Rita Vazzata De Bortoli, gerente administrativa da Camis, destaca que a cooperativa só tem sucesso pleno quando preconiza a educação de forma continuada. “As mulheres têm papel fundamental e os cursos de cooperativismo são mais uma forma de valorização do núcleo feminino, enfatizando a importância delas perante a família, no auxilio à propriedade rural e na participação na gestão da cooperativa”.

Fomento - Para a cooperada Leandra Miglioranza, os encontros ajudam a fomentar o espírito cooperativista nas mulheres, deixando claro que elas também fazem parte de todo esse sistema. “O homem sempre foi visto como aquele que cuida dos negócios e cabia à mulher cuidar da casa. Hoje, os papéis já mudaram um pouco e os cursos deixam claro que nós também podemos assumir posições de destaque”.

Outras abordagens- Este ano, os módulos do Camisc Mulher abordarão tema sobre cooperativismo; empreendedorismo feminino, qualidade de vida e liderança; comunicação e expressão; protagonismo e lideranças femininas cooperativistas, entre outros. Os treinamentos são desenvolvidos em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo. Os próximos modulares estão marcados para os dias 09 e 10 de junho.

Núcleos femininos- Os Núcleos Femininos da Camisc contam atualmente com 50 integrantes entre Mariópolis (PR) e Galvão (SC) que realizam atividades voltadas para o quadro social da cooperativa e para a sociedade como um todo. (Imprensa Camisc)

 

UNIMED NORTE PIONEIRO: Cooperativa recebe selo “Empresa amiga da Apae”

No dia 26 de maio, a Unimed Norte Pioneiro-PR esteve na unidade da Associação de Pais e Alunos Excepcionais (Apae), em Jacarezinho, para a realização da entrega e assinatura dos termos que proporcionam à entidade o subsídio de 12 consultas médicas com qualquer médico cooperado, por ano, aos alunos dependentes da entidade.

Presenças - Na oportunidade representando a cooperativa, estiveram o presidente, Rogério Veloso de Abreu, o gerente administrativo, Tiago Pereira e a gerente de mercado, Regina Périco. Da escola, se estiveram presentes a presidente, Rosa Lucia Ramos Vita de Almeida, a diretora em exercício da Escola, Maria de Nazaré Ribeiro e a coordenadora da Central de Doações, Karina Alves Pereira, além dos alunos.

Empresa amiga- Perante tal benefício, a Unimed Norte Pioneiro-PR foi declarada como "Empresa amiga da Apae", sendo presenteada com o selo comemorativo. O projeto, segundo a direção da escola, consiste na firmação de parceria com empresas da cidade, onde podem contar com ajuda para dar continuidade aos atendimentos e serviços prestados aos mais de 180 alunos, que em sua extensão são atendidos por equipe pedagógica, fisioterapeutas, fonoaudiólogas, psicólogas, terapeutas ocupacionais, entre outros.

Agradecimento - “A Apae agradece esta importante parceria com a Unimed Norte Pioneiro-PR, pois vem de encontro às necessidades básicas de saúde dos alunos com deficiência intelectual e múltipla, e com certeza contribuirá para uma melhor qualidade de vida e bem-estar físico e emocional deles”, declarou Vilma Caldeira de Oliveira, diretora da Escola Maria de Nazaré. (Unimed Norte Pioneiro)

OCB: Sistema participa de debates sobre crédito rural no Bancoob

ocb 06 06 2014O superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile, participou da abertura do 5º Workshop Sobre Crédito Rural do Bancoob, que começou hoje, em Brasília. O evento tem a intenção de debater assuntos que permeiam o universo do crédito rural no Brasil.

PAP - O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Neri Geller, apresentou o Plano Agrícola e Pecuário (PAP) 2014/15, para lideranças do cooperativismo de crédito que compõem o Sistema Sicoob. Em seguida, o secretário de Política Agrícola, Seneri Paludo, comentou sobre a intensificação dos debates para a definição de novas regras para o seguro rural no Brasil, reforçando a prorrogação do prazo da obrigatoriedade da contratação, estendido para 2015.

Relevância - Para o superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile, a discussão sobre os assuntos que permeiam o crédito rural são muito relevantes neste momento pós-lançamento dos planos Agrícola e Pecuário (PAP) 2014/15 e o Safra da Agricultura Familiar 2014/15. “As instituições financeiras cooperativas têm um importante papel na oferta de crédito ao setor agropecuário. Para se ter uma ideia, 23,6% de todos os contratos de financiamento rural são operados por cooperativas. Isso evidencia a capilaridade do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo, cujos integrantes são responsáveis pelo atendimento aos pequenos e médios produtores”, comenta o superintendente, referindo-se ao ano de 2012.

Valores - Isto, porque, de acordo com Nobile, enquanto a média dos valores das operações de custeio – por contrato – para o crédito rural é de R$ 54,3 mil, para as cooperativas os valores médios – por contrato – são menores, atingindo R$ 31,6 mil.

Participantes - Também participaram do evento, o diretor do departamento de Café, Jânio Zeferino da Silva, o diretor do departamento de Cana-de-Açúcar, Fernando José Sales, além do diretor do Departamento de Financiamento e Proteção da Produção do Ministério do Desenvolvimento Agrário, João Luiz Guadagnin e o gerente de Regulação e Controle das Operações Rurais do Banco Central do Brasil, Deoclécio Pereira de Souza.

Painéis - O workshop apresentou painéis sobre seguro rural, perspectivas para o café, cana-de-açúcar e agroenergia no Plano Safra 2014/2015, agricultura familiar, perspectivas de mercado.

Sexta – Nesta sexta-feira (06/06), serão abordadas questões relacionadas aos aspectos de controle e fiscalização do BCB e aspectos operacionais do crédito rural para os executivos das cooperativas do Sicoob, a gestão do Proagro e as demandas de recursos no Sicoob. (Informe OCB)

 

PARCERIA: Brasil auxilia Botsuana a desenvolver cooperativas agropecuárias

parceria 06 06 2014Uma delegação técnica do Sistema OCB irá à República de Botsuana auxiliar o governo daquele país no desenvolvimento do cooperativismo agropecuário. Esse foi o assunto principal da reunião realizada nesta quinta-feira (05/06) entre representantes cooperativistas e integrantes da missão internacional do país africano. A reunião ocorreu na Casa do Cooperativismo, em Brasília, como parte da programação de um workshop de capacitação em gestão de cooperativas agrícolas, voltadas ao cultivo de hortaliças. Todos os passos do projeto foram discutidos.

Projeto de cooperação- A comitiva representa o governo botsuanês e a Confederação de Cooperativas da Botsuana. A delegação botsuanense está no Brasil desde o início da semana. Cinco pessoas participam do treinamento organizado e realizado pelo Sistema OCB. A atividade está inserida no âmbito do projeto de cooperação "Desenvolvimento do Cooperativismo e do Associativismo Rural em Botsuana", celebrado entre os governos dos países, em 2005, por meio da Agência de Cooperação Brasileira, visando ao desenvolvimento do Cooperativismo e do Associativismo na Botsuana. (Informe OCB)

 

LEGISLATIVO: Aprovada a exigência de contratos escritos entre operadoras e prestadores de serviços

Segue para sanção o Projeto de Lei 6.964 de 2010, que torna obrigatória a existência de contratos escritos entre as operadoras e seus prestadores de serviços. Aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados em abril de 2014, aguardava deliberação de recurso para apreciação da matéria pelo Plenário da Casa.

Apoio - O projeto, que integra a Agenda Legislativa do Cooperativismo, contou com o apoio do Sistema OCB para sua aprovação.  As alterações propostas na Lei nº 9.656/1998, vão ao encontro da necessidade de trabalhar adequadamente, e com o devido regramento legal, de modo a estabelecer um relacionamento menos conflituoso entre prestadores de serviços de saúde e operadoras de planos e seguros privados de assistência à saúde.

Sanção - O Projeto de Lei 6.964 de 2010, proposto pela Senadora Lúcia Vânia (GO), já aprovado pelo Senado Federal e pela Câmara dos Deputados, agora segue para sanção presidencial. (Informe OCB)

IAPAR: Instituto sedia Oficina do Zoneamento Ecológico-Econômico

O Governo do Estado promove nesta sexta-feira (06/06), em Londrina, mais uma Oficina Institucional do Zoneamento Ecológico-Econômico do Paraná. A reunião será realizada na sede do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), a partir das 13h30.

Objetivo - O objetivo do encontro é ampliar a discussão sobre os resultados alcançados em relação às recomendações de preservação ambiental e de usos econômicos e, ainda, obter informações que, eventualmente, não tenham sido levantadas na análise técnico-científica feita pelos especialistas. Podem participar representantes dos setores público e privado, organizações não governamentais e a comunidade em geral.

Informações - Em fase de execução, com previsão de conclusão para o final de 2014, o Zoneamento Ecológico-Econômico do Paraná integra informações ambientais e socioeconômicas, obtidas por meio de estudos específicos e elaboração de mapas para a definição de zonas com características distintas, indispensáveis para planejar a ocupação racional do espaço geográfico e o uso sustentável dos recursos naturais. 

Encontros - Já foram realizadas Oficinas em Curitiba, Ponta Grossa, Guarapuava, Foz do Iguaçu, Toledo e Maringá. Os dados discutidos nesses encontros serão incorporados ao conjunto do projeto.

Grupo de trabalho- O grupo de trabalho envolvido na elaboração do Zoneamento Ecológico-Econômico do Paraná conta com representantes das secretarias estaduais do Meio Ambiente e Recursos Hídricos; Planejamento e Coordenação Geral; Agricultura e Abastecimento; Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul; Desenvolvimento Urbano, Infraestrutura e Logística e Cultura. Também participam o Iapar, ITCG, Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Instituto Águas Paraná, Ipardes, Paraná Turismo, Emater-PR, Mineropar, Simepar, Sanepar, Copel, Defesa Civil, Procuradoria Geral do Estado, Embrapa, Serviço Florestal Brasileiro e Incra. (Assessoria de Imprensa Iapar)

Serviço

Zoneamento Ecológico-Econômico do Paraná: oficina institucional de Londrina

Data: 06/06

Horário: 13h30

Local: Iapar, no auditório Dalton Fonseca Paranaguá – Rodovia Celso Garcia Cid, km 375, em Londrina-PR 

MEIO AMBIENTE: Paraná festeja criação do Parque Guaricana, na Serra do Mar

No Dia Mundial do Meio Ambiente, nesta quinta-feira (05/06), o Paraná comemorou a criação do Parque do Guaricana, em 45 mil hectares na Serra do Mar - área maior que Curitiba, que ocupa 38 mil hectares. O parque tem uma das maiores áreas contínuas de Mata Atlântica bem preservada do País. “Removemos todos os obstáculos para que o governo federal finalmente decretasse sua criação e em reunião em Brasília na semana passada obtivemos a confirmação da área”, afirma o secretário estadual do Meio Ambiente, Antonio Caetano de Paula Jr.

Araucárias - A área do parque é repleta de Araucárias e fica entre as rodovias BRs 277 e 376, nos municípios de São José dos Pinhais, Morretes e Guaratuba. “O processo de criação do Parque Nacional Guaricana começou há cinco anos, com a participação de toda a sociedade, prefeituras e entidades ambientalistas”, lembra Caetano.

Demarcação - O governador Beto Richa já dera o aval ao governo federal para a criação do parque por meio de nota ao Ministério do Meio Ambiente, que finalmente decidiu demarcar a área. “O Governo do Paraná exerceu papel decisivo e agora podemos comemorar a criação dessa unidade de conservação”, diz o governador.

Mosaico - O parque fica próximo a outras unidades de conservação, como o Parque Nacional Saint Hillaire-Lange, e vai compor um mosaico de estímulo à conservação da biodiversidade no Paraná, com áreas que facilitam a troca genética entre as espécies e com grande incidência de mamíferos como a jaguatirica e o puma, que precisam de vastas extensões de florestas para sobreviver. “A região do Guaricana é rica em biodiversidade, com muitas espécies endêmicas de fauna e flora, que só ocorrem na Mata Atlântica, além de ser habitat de muitas espécies ameaçadas de extinção”, explica Antonio Caetano de Paula Jr.

Potencial de visitação- O secretário destaca que o parque tem grande potencial de visitação, pois fica a 50 quilômetros de Curitiba, com acesso por rodovias duplicadas e atrativos como dezenas de cachoeiras, montanhas para escaladas e o tradicional Caminho do Arraial, que liga a capital paranaense ao Litoral desde o Período Colonial.

Sexto nacional- O Guaricana é o sexto parque nacional e a décima quinta unidade federal de conservação no Paraná. Nessas áreas de proteção integral, somente atividades de educação ambiental, pesquisa e turismo monitorado são permitidas.

Mata Atlântica- O Ministério do Meio Ambiente estima que a Mata Atlântica abrigue 35% das 20 mil espécies de flora já registradas no País, além de mais de 2 mil espécies de fauna, entre aves, anfíbios, répteis, mamíferos e peixes. O bioma é o mais ameaçado, desmatado e fragmentado do País, com apenas 7% de sua cobertura original preservada. (Agência de Notícias do Paraná)

 

meio ambiente 06 06 2014

 

ANFAVEA: Indústria de máquinas tem recuperação em maio

Após registrar retração no mês de abril, a indústria de máquinas agrícolas conseguiu fechar o mês de maio com ligeira recuperação nas vendas. Ao todo foram comercializadas 6153 unidades de tratores, colhedoras e afins, ante 6066 unidades negociadas no mês anterior. Os dados foram divulgados hoje pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Retração - Apesar da alta de 1,4% no mês, a comparação direta com 2013 mostra retração. Em relação a maio do ano passado houve queda de 17,7%, enquanto no acumulado dos cinco primeiros meses a redução é de 19,7%. As vendas somam 27,1 mil unidades em 2014.

Participação no exterior- A participação no exterior também consolidou avanço em relação a abril, mas segue abaixo do patamar do último ano. Foram 1445 unidades exportadas, 23,8% a mais do que o mês anterior. No acumulado dos cinco meses, contudo, há baixa de 7,3%, com 5372 unidades negociadas.

Ritmo menor- Após consolidar desempenho recorde em 2013, com mais de 83 mil unidades negociadas, o setor confirma que o ritmo das vendas será menor neste ano, e para isso são realizados ajustes na produção. A fabricação de máquinas somou 34553 unidades, recuo de 13,7% em relação a 2013. A redução também reflete na geração de empregos, que caiu 0,2%, com 21 mil funcionários. (Gazeta do Povo)

COMMODITIES: Com exportações fracas nos EUA, Chicago opera com queda expressiva

commodities 06 06 2014O pregão desta quinta-feira (05/06) na Bolsa de Mercadorias de Chicago consolida queda expressiva nos principais contratos de soja e milho. O contrato julho/2014 da oleaginosa cai mais de 20 centavos de dólar durante a sessão eletrônica, com preço próximo de US$ 14,60 por bushel.

Relatório - Os investidores repercutem o relatório de exportações líquidas divulgado nesta quinta pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que mostra forte redução nos embarques da oleaginosa. As vendas da safra 2013/14 somaram 41,3 mil toneladas na semana encerrada em 29 de maio. O índice representa queda de 32% em relação à semana anterior e retração de 51% ante a média das últimas quatro semanas. Os negócios do ciclo 2014/15 somaram 230,5 mil toneladas no período.

Bom desempenho- Outro fator de pressão é o bom desempenho das lavouras americanas, que confirmam prognóstico de uma safra cheia no país, próxima de 98 milhões de toneladas. O último relatório de evolução de plantio apontou avanço de 19 pontos porcentuais em uma semana, chegando a 78% da área total até o dia 01 de junho.

Milho - No caso do milho o fator que mais influencia os preços é a questão climática. Há registro de chuvas no cinturão produtor de grãos dos Estados Unidos, o que favorece o desenvolvimento das lavouras. Pelo lado da oferta e demanda os embarques norte-americanos do ciclo 2013/14 do cereal somaram 550 mil toneladas na semana encerrada em 29 de maio. O índice representa queda de 5% em relação à semana anterior, e salto de 41% frente à média das últimas quatro semanas. O contrato julho/2014 tem desvalorização de 6 centavos de dólar, e vale US$4,50 por bushel. (Gazeta do Povo)

 

APPA: Porto busca municípios para desenvolvimento conjunto da região

appa 06 06 2014A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) tem intensificado o diálogo com as prefeituras dos municípios da região litorânea do Estado, envolvidos nas atividades portuárias. Esta semana, o superintendente dos portos do Paraná, Luiz Henrique Dividino, esteve com representantes de Antonina, Morretes, Pontal do Paraná e Paranaguá. O objetivo do encontro é fomento de ações conjuntas para melhorar a vida população.

Possibilidade - Da reunião com o prefeito de Paranaguá, Edison Kersten, na última terça-feira (03/06), segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal, “por parte do Porto, abriu-se a possibilidade de serem revertidas para o município as receitas advindas de multas ambientais aplicadas. Esse recurso seria usado exclusivamente para ações relativas à limpeza e pavimentação para a cidade de Paranaguá”.

Desenvolvimento sólido- Segundo o superintendente da Appa, a integração com os municípios e a busca por alternativas ajudam tanto o desenvolvimento dos Portos do Paraná quanto das cidades. “Acreditamos que, em conjunto, esse desenvolvimento acontece de maneira mais sólida e perene. O resultado é melhorias para economia, para a cidade e, principalmente, para a vida da população”, afirma Dividino.

Presenças - Da reunião com o município, além do prefeito, participaram os secretários municipais de Indústria e Comércio, Antônio Saad Gebran Sobrinho, e de Comunicação, Maurício Vitor Leone, e o presidente da Fundação Municipal de Turismo (Fumtur), Rafael Guttierres Júnior.

Região – Esta semana, também, a Appa se encontrou com representantes de Antonina, Morretes e Pontal. Esse encontro, realizado no Centro Administrativo do Porto de Paranaguá, foi na última segunda-feira (02/06). Segundo o diretor do Porto de Antonina, Luis Carlos de Souza, apenas essa abertura para o diálogo e essa interação com o município já faz toda  a diferença. “Nem isso existia, há alguns anos. Nossa preocupação, com essa integração, é dar condições da população também se desenvolver com o desenvolvimento do Porto”, comenta.

Soluções - Ainda de acordo com o representante da Appa, em Antonina, entre as soluções discutidas no encontro, estão as melhorias no acesso ao município e o vizinho Morretes e outras alternativas para reduzir o impacto do movimento dos caminhões; a reativação da ferrovia, com extensão até a Ponta do Félix; estudos para a Rodovia dos Portos; e a criação de ciclovia ligando a BR 277 até o Porto de Antonina, beneficiando o trabalho e o lazer da população dos dois municípios.

Pontal – Para o prefeito de Pontal do Paraná, Edgar Rossi, as atividades portuárias – independente se desenvolvida em Antonina, Paranaguá ou Pontal – movimentam a região como um todo. “Tem gente que é de Pontal que trabalha em Paranaguá ou Antonina. Tem gente de Antonina que trabalha aqui em Pontal. Tem trabalhador de Matinhos que trabalha em Antonina ou Paranaguá ou aqui em Pontal. Então, o futuro do Porto e das cidades é um interesse só. Os municípios têm grande potencial e precisam se desenvolver como um todo, junto com a atividade portuária. Todos ganham com essa aproximação e debate conjunto que está instalado”, conclui o prefeito. (Assessoria de Imprensa da Appa)

 

INFRAESTRUTURA: Governo lança consulta pública para alterar fronteiras de 17 portos públicos

O governo lança nesta sexta-feira (06/06) consulta pública com a sugestão de alteração das fronteiras - chamadas de poligonais - de 17 portos organizados, conforme antecipou o Valor PRO, serviço de informação em tempo real do Valor. Ao contrário do que temia parte da iniciativa privada, os novos desenhos propostos pela Secretaria de Portos (SEP) não avançarão em áreas particulares nem englobarão terminais de uso privado, os chamados TUPs. "Não existe essa diretriz", disse fonte do governo.

Disponível- A consulta ficará disponível no site da SEP por 30 dias, onde constarão o atual desenho e a sugestão de alteração para os seguintes portos: Porto Velho (RO), Salvador, Aratu e Ilhéus, (BA), Barra do Riacho (ES), Cabedelo (PB), Recife (PE) Santana (AP), Angra dos Reis, Forno e Niterói (RJ), Natal e Areia Branca (RN), Porto Alegre, Pelotas e Estrela (RS) e Laguna (SC).

Decreto - A maioria dos portos públicos já conta com um decreto delimitando sua fronteira, mas os limites de 17 deles estavam definidos em antigas portarias, da época em que os portos estavam sob gestão do Ministério dos Transportes. A Lei dos Portos determinou que o governo adaptasse as poligonais em até um ano, prazo completado ontem. Não há previsão de sugestão de alteração para os 20 outros portos que já contam com decreto.

Infraestrutura pública- Os portos organizados abrigam a infraestrutura pública necessária à navegação e à movimentação de cargas e passageiros. Neles, a atuação da iniciativa privada se dá por meio de arrendamentos de terminais via licitação, conforme prevê o novo marco regulatório do setor.

Definiação - A definição das novas fronteiras dos portos públicos é um tema que envolve empreendedores de TUPs e investidores interessados nesse modelo de operação - os TUPs são construídos em área própria e, por isso, não são objeto de concessão pública, tendo regras mais flexíveis de operação. Um exemplo: são dispensados de contratar profissionais do Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo), obrigação que recai sobre os terminais arrendados.

Titularidade - Para o presidente do conselho de administração da Logz Logística Brasil, Nelson Carlini, não seria necessário realizar audiência pública para definir as poligonais, se a titularidade do terreno já determina o modelo de operação. "As poligonais têm de se ater às áreas próprias da União."

Minuta - No ano passado, uma minuta de decreto chegou a ser elaborada para substituir o atual decreto que delimita o porto de Santos. O desenho, que não chegou a ser oficializado, engloba o distrito industrial da Alemoa, região ocupada por 37 empresas que têm a titularidade dos terrenos. Como as áreas do porto organizado só podem ser ocupadas via licitação, as empresas do distrito temem o risco de que seus imóveis sejam desapropriados para o governo realizar licitações, descontinuando as atuais operações. Algumas chegaram a suspender investimentos.

Análise - "Não estamos olhando para áreas privadas. Ninguém pensa em desapropriar", disse fonte do governo que acompanha o processo. "Estamos analisando com parcimônia, há casos de poligonais que abarcam uma cidade inteira".

Paranaguá - Um exemplo emblemático é o do porto público de Paranaguá (PR). "Ele engloba a baía inteira de Paranaguá e Antonina e vai até Guaraqueçaba, numa distância de quase 50 km. Não faz sentido o governo fazer estoque de áreas", diz Carlo Botarelli, presidente do grupo Triunfo, que comprou um terreno dentro do atual porto organizado sulista e espera ver a poligonal reduzida, excluindo sua área. (Valor Econômico)

ECONOMIA: Cai o ritmo de vendas no comércio em maio

O consumo nas lojas de todo o país cresceu 0,8% de abril para maio, o que indica perda de intensidade em relação à expansão registrada na passagem de março para abril, 1,6%. É o que mostra o Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio. Em relação a maio de 2013, o movimento de clientes foi 5,2% maior, taxa ligeiramente inferior ao crescimento verificado na comparação anual em abril (5,4%). No acumulado desde janeiro, a demanda teve alta de  4,1% ante uma elevação de 9,6%, no mesmo período do ano passado.

Encarecimento do crédito- Os economistas da Serasa Experian atribuíram essa queda no ritmo das vendas ao “encarecimento do crediário em praticamente todas as suas modalidades, à inflação elevada e à queda dos níveis de confiança dos consumidores“.

Alta - O único setor com alta mais expressiva sobre abril é o de supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas, com alta de 1,8%. No segmento de material de construção, a taxa ficou praticamente estável em 0,3%. Já  nos demais ramos do comércio varejista ocorreram quedas: móveis, eletroeletrônicos e informática (-2,3%); veículos, motos e peças (-2%); combustíveis e lubrificantes (-0.2%) e tecidos, vestuário, calçados e acessórios (-0,2%).

Até maio - Nos cinco primeiros meses do ano, o crescimento foi mais concentrado no setor de combustíveis e lubrificantes (4,7%),seguido dos de supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas (4,5%); material de construção (4,4%) ; veículos, motos e peças (1,8%); móveis, eletroeletrônicos e informática (0,7%). A única queda ocorreu em lojas de tecidos, vestuário, calçados e acessórios (-3,3%). (Agência Brasil)

PREÇOS: Ata do Copom projeta inflação menor para 2014

O Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2014 no cenário de referência em relação ao valor considerado na reunião de abril. A estimativa, no entanto, permanece acima do centro da meta de 4,5% fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para 2015, no cenário de referência, a projeção de inflação também recuou em relação ao valor considerado na reunião de abril, mas também está acima do centro da meta.

Cenário de mercado- No cenário de mercado, a projeção de inflação para 2014 também caiu em relação ao valor considerado na reunião de abril, porém permanece acima da meta para o IPCA. Para 2015, neste cenário, a projeção de inflação foi mantida "relativamente estável" e continua superior ao valor central da meta.

RTI - No Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado no fim de março, o BC informou que a expectativa de inflação ao final de 2014, pelo cenário de referência, era de 6,1%, embora ainda não considerasse os juros em 11%. No cenário de mercado, a projeção do RTI para o final de 2014 era de 6,2%.

Câmbio - O Copom reduziu sua previsão para o câmbio para R$ 2,20 pelo cenário de referência. Na ata anterior a projeção era de R$ 2 30. O valor considerado para o dólar está um pouco abaixo do valor negociado no dia em que o colegiado decidiu encerrar o ciclo de aperto monetário, deixando a Selic em 11% ao ano, quando o dólar fechou em R$ 2,2330. No mercado futuro, o dólar para junho fechou no dia da reunião do Copom, na semana passada, em R$ 2,2350. Para a taxa básica de juros, o colegiado ampliou a premissa considerada de 10,75% para 11,00% ao ano em todo horizonte relevante.

Indicador fiscal- O Copom voltou a informar, no trecho da ata que fala sobre a avaliação prospectiva das tendências de inflação, que considera como indicador fiscal o superávit primário estrutural que deriva das trajetórias de superávit primário, tanto para 2014 quanto para 2015, conforme parâmetros estabelecidos na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deste ano e no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2015. (Agência Estado)

INTERNACIONAL: Primeira disputa russa na OMC é contra a UE

A Rússia abriu uma disputa contra a União Europeia na Organização Mundial do Comércio (OMC). A iniciativa coincide com a cúpula do G-7, em Bruxelas, que excluiu Moscou e ameaça o governo de Vladimir Putin com mais sanções econômicas por causa da crise na Ucrânia.

Investigação - Na primeira disputa comercial desde a sua entrada na OMC em agosto de 2012, a Rússia pediu para a entidade investigar, com a abertura de painel, uma taxa cobrada pela UE sobre série de produtos russos. Os europeus alegam que as indústrias russas se beneficiam de preços de energia subvencionados, o que distorceria a concorrência internacional.

Consultas - O governo de Putin primeiro acionou a OMC para consultas com os europeus. Mas, passado o prazo de 60 dias, entrou imediatamente com pedido para a entidade instalar um painel de especialistas para examinar a medida da UE, que considera ilegal por infringir uma série de disposições do acordo antidumping da entidade.

Taxa de reciclagem- Além disso, Moscou deflagrou o mecanismo de consulta da OMC com a UE sobre uma taxa de reciclagem de carros imposta pela Rússia aos veículos importados. Esta poderá ser a segunda disputa diante dos juízes da entidade global, visto o clima tenso entre Moscou e Bruxelas.

Prejuízos - A Rússia estima que suas empresas sofrem prejuízo de centenas de milhões de dólares por ano por causa desses "corretivos energéticos" aplicados pela UE contra uma série de setores russos, incluindo metalurgia e química.

Energia - Já a UE mantém sua posição de que o preço de energia em vigor na Rússia, bastante inferior ao praticado nos 28 países do bloco comunitário, constitui uma distorção da concorrência.

Cúpula - A disputa comercial lançada esta semana pela Rússia coincide com a cúpula do G-7, em Bruxelas. EUA, Alemanha, França, Reino Unido, Itália, Canadá e Japão adotaram ontem à noite uma resolução na qual ameaçam Moscou com novas sanções, se o governo Putin não reduzir a escalada militar contra a Ucrânia.

Exigência - O G-7 exige que Moscou acelere a retirada de suas tropas da fronteira ucraniana, corte o fluxo de armas que entram na Ucrânia e exerça sua influencia para convencer os separatistas pró-russos no leste do país a entregar suas armas. (Valor Econômico)


Versão para impressão


Assessoria de Imprensa do Sistema Ocepar - Tel: (41) 3200-1150 / e-mail: imprensa@ocepar.org.br