Imprimir
Sistema Ocepar - Paraná Cooperativo - Informe Diário

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 3363 | 16 de Junho de 2014

CAPACITAÇÃO: Curso sobre atualização tributária será dias 15 e 16 de julho

capacitacao 16 06 2014O Sistema Ocepar promove, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR), um curso de atualização tributária, com enfoque em ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e ISS (Imposto sobre Serviços de qualquer natureza). Será dias 15 e 16 de julho, no auditório da Ocepar, em Curitiba. A capacitação, destinada a profissionais de cooperativas paranaenses, terá como instrutor José Julberto Meira Júnior.

Inscrições - Os interessados devem efetuar as inscrições por meio do agente de Desenvolvimento Humano das cooperativas ou com Cristina Moreira (41  3200-1186/cristina.moreira@sistemaocepar.coop.br) e Rodrigo Queiroz (41  3200-1124/rodrigo.queiroz@sistemaocepar.coop.br).

Clique aqui para conferir na íntegra a programação do Curso de Atualização Tributária

 

UNIMED CURITIBA: Campanha do agasalho arrecada roupas e cobertores

unimed curitiba 16 06 2014Para garantir um inverno mais quentinho para quem precisa, a Unimed Curitiba, em parceria com a Associação dos Funcionários da cooperativa médica, promove anualmente a Campanha do Agasalho. Em 2014, o prazo para a arrecadação de roupas e cobertores, que serão doados ao Instituto Pró-Cidadania de Curitiba e Provopar Ação Social, encerra dia 18 de julho. Os postos de coleta são as Unidades de Atendimento ao Cliente de Curitiba (Itupava, Dr. Pedrosa, Palladium e Boqueirão), região metropolitana (Araucária, Campo Largo, Lapa, São José dos Pinhais e São Mateus do Sul), setor GRC (Itupava), sede administrativa e AFUC (Tarumã). (Unimed Curitiba)

 

SICOOB PR I: Programa abre canais de atendimento ao cooperado

sicoob I 16 06 2014Para promover os canais de atendimento do Sicoob, o Sistema Sicoob PR está implantando em todos os postos de atendimento o Programa Sicoob Multi, que oferece ao cooperado atendimento em transações financeiras e consultas por meio do Internet Banking, Mobile Banking e Caixas Eletrônicos, de forma rápida, cômoda e segura. “Estes canais de atendimento estão sempre disponíveis para o cooperado e abrem a possibilidade do cooperado aproveitar melhor os produtos e serviços ofertados pelo Sicoob, de uma forma simples e rápida”, assegura José Eduardo Oliveira Pereira, gerente de Negócios do Sicoob PR.

Operações - Pelo SicoobNet, o Internet Banking do Sicoob, o associado pode retirar saldos e extratos; fazer pagamentos, transferências, empréstimos e investimentos; e também realizar operações nos cartões e previdência. As facilidades também encontram-se no SicoobNet Empresarial, o Office Banking do Sicoob, disponível para Windows e Linux.

Caixas eletrônicos- Hoje, mais de 1600 caixas eletrônicos do Sicoob, presentes nos postos de atendimento, estão disponíveis para o cooperado realizar suas transações financeiras e consultas, onde é possível emitir extratos e saldos, realizar saques, pagar contas, transferir recursos, realizar investimentos, contratar empréstimos e depositar cheques ou dinheiro. No Paraná, há caixas eletrônicos disponíveis no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, e no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu. A rede será ampliada também para os aeroportos de Cascavel, Londrina e Maringá.

Celular- Para o celular, o Sicoob oferece o SicoobNet Celular, o Mobile Banking, que permite o acesso a conta, para a realização de transações financeiras. O aplicativo está disponível para as plataformas Apple, Android, BlackBerry e Windows Phone. O aplicativo ainda permite leitura de código de barras, para celulares com câmera fotográfica superior a 1 megapixel, e impressão e exportação de extratos e comprovantes para algumas plataformas.

Facilidade - “Hoje, o aplicativo é um dos mais baixados pela Apple Store e Google Play, tendo recebido as melhores avaliações dos usuários, pois oferece facilidades e segurança ao cooperado na hora de realizar operações”, explica Pereira. (Imprensa Sicoob PR)

 

SICOOB PR II: Atuação em aeroportos é expandida

sicoob II 16 06 2014Os cooperados do Sicoob contam com mais um terminal de atendimento no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, por iniciativa do Sicoob PR, em conjunto com a cooperativa singular da região, o Sicoob Três Fronteiras, foi instalado um ATM avulso. Neste terminal estará disponível consultas, pagamentos e saques para qualquer associado do Sicoob.

Segundo - Este é o segundo aeroporto a receber a presença do Sicoob PR. No fim do ano passado, foi inaugurado o Ambiente Associado a Você, no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais. A primeira sala VIP do Sicoob inaugurada no país. O Ambiente é equipado com terminal de atendimento eletrônico, painel de voo, televisão a cabo, bebidas e lanches, jornais e revistas, internet sem fio e poltronas e sofás.

Mais - Ainda estão previstas inaugurações para os aeroportos de Cascavel, Londrina e Maringá. (Imprensa Sicoob PR)

 

SICREDI PARQUE DAS ARAUCÁRIAS I: Projeto ensina alunos a poupar

sicredi parque araucarias I 16 06 2014A professora Marisete De-Itoz, da escola Municipal Padre Eduardo Machado, de Mariópolis (PR), desenvolveu um projeto para ensinar seus alunos sobre investimentos. O "Quem poupa se diverte" tem o objetivo de incentivar os alunos a não gastarem seu dinheiro somente em doces, mas a guardá-lo para outros propósitos. O projeto está sendo desenvolvido com os alunos do 2º ano B da instituição e conta com apoio dos pais e da diretora Marilu Gonzaga. Além de várias atividades, a professora organizou um "mercadinho", no qual os alunos levaram para a escola embalagens vazias de produtos com a intenção de simular compras e ensiná-los sobre valores.

Poupança - Ao receberem dinheiro dos seus pais, os alunos levam para a professora guardar na poupança, sendo que, ao fim do projeto, cada estudante vai retirar o dinheiro economizado para adquirir livros na feira do livro, em agosto. O acompanhamento dos depósitos será feito por meio de uma tabela da professora.

Palestras - Além das ações, os estudantes receberam palestras com a professora Tania Lucia Lupatini e Edina Gobetty Payano, do Sicredi, sobre investimentos e a importância de poupar o dinheiro. (Imprensa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC)

 

 

SICREDI PARQUE DAS ARAUCÁRIAS II: Campanha Inverno Cooperativo arrecada seis mil peças

A Sicredi Parque das Araucárias PR/SC arrecadou 6 mil peças, entre calçados, roupas e cobertores, para doar a famílias carentes de entidades ligadas ao setor de ação social de 19 municípios da área de abrangência da cooperativa. Este é o sexto no consecutivo da campanha “Inverno Cooperativo”, que mobiliza colaboradores, associados e entidades representativas, como a Jornada Jovem de Vitorino/PR, dessas cidades no Paraná e Santa Catarina.

Motivação - Em maio, as unidades de atendimento do Sicredi envolveram e motivaram colaboradores, associados e entidades parceiras a doar itens de inverno. A campanha se tornou uma das ações realizadas para suprir a necessidade sentida por parte da população, dentro dos princípios defendidos pelo cooperativismo.

Entrega - O presidente da Sicredi Parque das Araucárias PR/SC, Clemente Renosto, acompanhou a entrega dos donativos à Secretaria de Ação Social de Pato Branco e foi recepcionado pela secretária Maria Cristina. A entrega continha os itens arrecadados pelos colaboradores da Superintendência Regional (Sureg). Os demais donativos serão entregues nos municípios de origem. (Imprensa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC)

{vsig}noticias/2014/06/16/sicredi_parque_araucarias_II/{/vsig}

COPAGRIL: Dia de Campo Milho Safrinha atrai mais de 500 pessoas

A trégua das chuvas e o belo sol de quarta-feira (11/06) atraíram mais de 500 visitantes para o Dia de Campo Milho Safrinha 2014, promovido pela Copagril, na Estação Experimental da cooperativa, em Marechal Cândido Rondon. Ao todo, mais de 15 empresas parceiras participaram do evento, expondo sementes de milho, defensivos agrícolas, máquinas agrícolas e tecnologias voltadas à pecuária.

Mais atrativos- De acordo com o responsável pela Estação, o engenheiro agrônomo Darci Sônego, a cada ano o Dia de Campo Milho Safrinha agrega mais atrativos, mantendo a característica de ser um evento técnico. “É aqui que eles têm a oportunidade de verificar as novidades do mercado e conferir na prática como elas se comportam no clima e no solo da região. Assim, os produtores e demais associados optam por aquilo que mais combina com as suas propriedades e expectativas”, comentou.

Híbridos - Segundo Darci, foram apresentados mais de 50 híbridos de milho, com os representantes das respectivas empresas tirando as dúvidas dos agricultores e explicando sobre cada um. Além das amostras do grão, o evento contou com ensaios de doenças fúngicas, diversas espécies de pastagens anuais e perenes preparadas pelo departamento pecuário da Copagril, agricultura de precisão, exposição e comércio de máquinas agrícolas e equipamentos para o aquecimento de aviários.

Transferência de informação- Para o diretor-presidente da Copagril, Ricardo Sílvio Chapla, a junção de todos estes aspectos com a assistência técnica faz com que o Dia de Campo Safrinha seja aguardado pelos associados. “Acredito que esta seja uma das principais funções da cooperativa, levar a informação e a tecnologia para quem faz parte dela, incentivando o aumento da produtividade, da lucratividade e, ao mesmo tempo, alcançando patamares cada vez melhores de qualidade”, destacou.

Benefícios - Chapla afirmou, ainda, que os Dias de Campo trazem benefícios para quem participa, como mais conhecimento sobre o surgimento de novas ferramentas e produtos que podem ser aplicados nas propriedades agrícolas, sempre com o intuito de tornar as produções mais eficientes. “Quem não participa, perde uma oportunidade de aprender mais”, concluiu. (Imprensa Copagril)

{vsig}noticias/201406/16/copagril/{/vsig}

COCAMAR: Dia de Campo de Inverno terá eventos com produtores de laranja, milho e soja

A edição 2014 do Dia de Campo de Inverno a ser promovido pela Cocamar Cooperativa Agroindustrial nos dias 10 e 11 de junho na Unidade de Difusão de Tecnologias (UDT) em Floresta, região de Maringá, vai sediar, no segundo dia (uma sexta-feira), três eventos com produtores.

Exposição de máquinas e estandes - Em paralelo às várias atrações, como o desempenho de cultivares de milho, trigo e outras culturas, além de exposição de máquinas e estandes de dezenas de empresas parceiras, começa às 10 horas no pavilhão central 8º Encontro de Cooperados de Citrus, do qual faz parte o 12º Concurso de Produtividade (safra 2013/14). No período da tarde, às 13h30, é a vez do 8º Encontro de Produtores de Milho e, às 14h30, a divulgação e a premiação do 3º Concurso de Produtividade de Soja da Cocamar (safra 2013/14). 

Público - Conforme explica o coordenador técnico de culturas anuais da cooperativa, agrônomo Emerson Nunes, no primeiro dia (quinta-feira) a UDT receberá exclusivamente técnicos e convidados, no horário das 13h30 às 17h30. No segundo dia, o expediente será das 8h30 às 16h30 e a previsão é que cerca de 2 mil produtores participem (os interessados devem retirar seus convites na unidade da cooperativa).

Programação - A programação do segundo dia inclui, também, credenciamento e café da manhã, abertura oficial às 9h com a presença de dirigentes da Cocamar, almoço e visitas a estandes e protocolos.

Milho - No Encontro de Produtores de Milho, está programada uma palestra com o engenheiro agrônomo Jorge Verde sobre “Práticas de manejo para obter altos rendimentos na cultura do milho”. No evento que vai reunir citricultores, a expectativa é que as altas médias de produtividade obtidas na região, continuem evoluindo – atualmente, segundo dados da CitrusBR (entidade que congrega o setor), a média alcançada no noroeste paranaense é o dobro da obtida no Estado de São Paulo, principal produtor mundial. Com relação ao Concurso de Produtividade de Soja, os três primeiros colocados nas três regiões de atuação da cooperativa (arenito, tradicional e norte do Estado) e os respectivos profissionais que os assistiram, vão ganhar o direito de participar de uma viagem ao Meio-Oeste dos Estados Unidos, em agosto próximo. (Imprensa Cocamar

CERCAR: Cooperativa do PR se inspira no modelo gaúcho de geração de energia

Diretores da Cooperativa de Eletrificação e Desenvolvimento Econômico de Marechal Cândido Rondon (Cercar), do Paraná, visitaram, no último dia 06, a sede administrativa da Certel e da Certel Energia, em Teutônia (RS). O objetivo foi conhecer as atividades das cooperativas, em especial, a contabilidade da geração de energia elétrica, tendo em vista que a Cercar inaugurará em agosto a operação da sua primeira pequena central hidrelétrica, a PCH Moinho, no rio Iguaçu, com quatro megawatts de potência instalada. Além de debaterem aspectos relacionados ao cooperativismo, à contabilidade e à regularização da Aneel, os visitantes conheceram, em Teutônia, o Centro de Operação do Sistema Elétrico, o de Geração (COG), a Certel Artefatos de Cimento e a Hidrelétrica Boa Vista, em Estrela. (Informe OCB)

SISTEMA OCB: Educação cooperativista é tema de evento em Brasília

sistema ocb 16 06 2014Educação Cooperativista e Organização do Quadro Social. Esse foi o tema da palestra do gerente de Educação da Fundação Sicredi, Marcos Alexandre Schwingel, ministrada sexta-feira (14/06) de manhã aos colaboradores do Sistema OCB, em Brasília. O objetivo foi ressaltar a importância e as contribuições da educação cooperativista e da organização do quadro social (OQS) na sustentação dos empreendimentos cooperativos.

Desenvolvimento das pessoas- Para Marcos, a Educação é o único meio de promover o desenvolvimento das pessoas. “A organização do quadro social é a aproximação do associado com a cooperativa. Mas este associado só estará próximo da instituição, se ele compreender o que é o cooperativismo, como ele atua, como funciona a cooperativa e qual a importância de sua participação nos processos decisórios”, comenta.

Incentivo - Com expressivo investimento em ações de responsabilidade social, o Sicredi incentiva o propósito cooperativo de gerar o desenvolvimento das comunidades onde atua. Suas ações têm o objetivo de semear o crescimento econômico social e a melhoria da qualidade de vida não só dos cooperados, mas da comunidade onde está inserido. “Com foco intenso em programas educativos, o Sicredi acredita que investir em educação e disseminar os valores cooperativistas é o melhor caminho para assegurar o desenvolvimento de pessoas e de instituições”, argumenta o gerente.

Exemplo - O superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile, agradeceu à presença do representante do Sicredi se referindo à instituição financeira cooperativa como sendo um grande exemplo. “O Sicredi é um orgulho referencial para todo o cooperativismo nacional. Sempre atende aos nossos pedidos e tem contribuído sobremaneira com o desenvolvimento do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo”, enfatiza Nobile.

Apresentação – o gerente de Educação da Fundação Sicredi, Marcos Alexandre Schwingel, discorreu sobre os programas de responsabilidade social da instituição e que incluem, necessariamente, a participação dos cooperados. Segundo ele, a conformação do sistema Unicredi – presente em mil cidades, por meio de cinco mil núcleos - permite que todos os seus associados falem sobre suas necessidades, participem de debates e opinem a respeito dos rumos que o sistema deve tomar.

Calendário - Para isso, um calendário de encontros foi cautelosamente planejado para que os eventos ocorram com a maior participação possível do quadro social. Cada evento tem um cronograma e um material específico. Dados de 2013 dão conta de que o Sicredi conta com um universo de 2,5 milhões de cooperados em 106 cooperativas espalhadas pelo país.

A União Faz a Vida- Um dos destaques da apresentação foi o programa “A União Faz a Vida”, considerado a principal ação social do Sicredi. Criada em 2005, a iniciativa está presente hoje em 154 cidades, nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Mato Grosso e recebeu, em 2012, aportes da ordem de R$ 4,1 milhões.

Ampliação do conhecimento- O Programa A União Faz a Vida foi desenvolvido pelo Sicredi para ampliar o conhecimento das comunidades sobre o cooperativismo e a natureza das sociedades cooperativas após uma fase de dificuldades no segmento, na década de 80. A proposta do programa de educação cooperativa para crianças e jovens foi construída a partir de exemplos internacionais e da parceria com o Centro de Desenvolvimento e Pesquisa sobre Cooperativismo da Universidade do Vale do Rio do Sinos, de São Leopoldo (RS).

Projeto piloto- O projeto piloto foi implantado em Santo Cristo, pertencente à Cooperativa Sicredi Grande Santa Rosa/RS, em 1995. Outros municípios do Estado também adotaram o programa e novas instituições de ensino superior ingressaram na rede de assessoria pedagógica.

A abelha é símbolo do programa-  Assim como as abelhas, a iniciativa se estabelece na dimensão nacional, de forma flexível e adaptável às diferentes realidades educacionais. O cenário de atuação são as salas de aula, escolas e seu entorno, e os atores são crianças e adolescentes, educadores e comunidade escolar, entre outros, como secretarias estaduais e municipais de Educação, as quais atestam a credibilidade da iniciativa.

Expansão - A expansão nacional do programa começou pelo Estado do Mato Grosso, em 2005 e em 2006 foi a vez do Paraná Em 2007, o programa passou por uma reestruturação com um novo objetivo e definindo que o trabalho com projetos passaria a ser a direção da nova proposta implantada neste mesmo ano.

Assessorias pedagógicas- Os anos de 2008 e 2009 são marcados pelas formações de assessorias pedagógicas e oficinas para educadores. Em 2010, o programa chegou a Santa Catarina. No ano seguinte, em São Paulo. Hoje, está presente em 154 cidades, nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Mato Grosso. Em 2012, foram investidos R$ 4,1 milhões no programa. Participaram da iniciativa 38 cooperativas, 13.511 educadores e 157.978 crianças e adolescentes. Mais de cinco mil perguntas nortearam milhares de expedições investigativas, que despertaram a curiosidade dos alunos.

OQS – A Organização do Quadro Social (OQS) emerge como prática institucional de participação e controle democrático nas organizações cooperativas. É caracterizada pela formação de uma nova instância de exercício do poder, além daquelas comumente encontradas nas cooperativas, como as assembleias gerais, o conselho de administração, o conselho fiscal, dentre outras.

Mudança institucional- Esta estratégia conduz a uma mudança institucional na estrutura da cooperativa. A proposta é viabilizar a vivência integral do princípio cooperativista da gestão democrática. Trata-se de estruturar uma nova forma de expressão e integração entre os membros do grupo cooperado.

Espaço - O objetivo do OQS é estruturar um espaço de poder na cooperativa, possibilitando a participação do maior número de cooperados na gestão do empreendimento cooperativo. Isso, pois, através da participação política, os cooperados reduzem o espaço da burocracia, entendido como o local onde se reproduzem determinadas relações de poder.

Mediação - Esse novo mecanismo institucional de participação se estabelece como uma nova forma de mediação, como um canal de comunicação entre o poder central nas cooperativas e seus cooperados, ampliando as representações dos interesses.

Participação voluntária- Uma das premissas do OQS é que a participação nas cooperativas não deve ser imposta. Deve resultar de um movimento espontâneo e endógeno de adesão e compreensão dos indivíduos acerca de seu papel, o que os leva a um ato de solidariedade com os outros membros do grupo e concretiza a identificação do mesmo enquanto parte integrante e membro funcional da organização.

Reações - A partir da identificação do cooperado como dono da cooperativa, suas ações começam por desencadear sucessivas reações no grupo e na empresa, seja através da motivação transmitida aos outros membros, ou pela regular participação política, social e econômica nas ações da cooperativa. (Informe OCB)

 

AGENDA PARLAMENTAR: Comissões mistas são instaladas para debater MPs de interesse do setor

agenda parlamentar 16 06 2014Na semana passada, foram instaladas três Comissões Mistas para debater Medidas Provisórias de interesse para o cooperativismo, durante a instalação foram eleitos os presidentes e vice-presidentes dos colegiados. Além disso, o deputado Antônio Brito (BA) foi designado relator da MPV 645/2014; o senador Gim (DF) foi designado relator da MPV 646/2014; e o deputado Arnaldo Jardim (SP) como relator da MPV 647/2014.

Senado Federal - A Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) realizou audiência pública, na última terça-feira (10/06), com a finalidade de debater as políticas públicas de Recursos Hídricos para o Semiárido nordestino e de Planejamento, Execução e Controle do Crédito Rural no Brasil. Na ocasião, o Sistema de Operações de Crédito Rural (Sicor) foi apresentado pelo Banco Central, com esse programa será possível visualizar todas as operações de crédito existentes no país e verificar se estão em atraso, se foram renegociadas ou liquidadas, entre outras situações. Além disso, o representante do Banco Central explanou sobre o Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro). (Blog OCB no Congresso)

Para acessar o Resultado completo da Agenda da Semana,clique aqui.

 

CHUVAS: Número de cidades em emergência e rodovias interditadas se estabiliza

Mesmo sob chuva fraca ou moderada por todo o estado neste domingo (15/06), o número de municípios paranaenses que decretaram situação de emergência e a quantidade de bloqueios nas estradas do estado permanece inalterado em relação a sábado (14/06). Ao todo, 147 cidades do Paraná, cerca de 37% dos municípios do estado, já declararam emergência, enquanto 34 pontos das rodovias do Paraná ainda registram bloqueio total ou parcial.

Boletim - Conforme boletim divulgado às 8 horas deste domingo, 594.325 pessoas foram afetadas pelas chuvas, contabilizando prejuízos que já ultrapassam R$ 600 milhões. A quantidade de mortos e desaparecidos também continua a mesma. Onze pessoas morreram e duas ainda estão desaparecidas – uma em São João do Ivaí e outra em Rebouças.

Atenção - O estado, porém, ainda está em atenção por conta das chuvas, segundo a meteorologista Sheila Radmann da Paz Rivas, do Instituto Tecnológico Simepar. As chuvas no Paraná se mostram persistentes, mas parecem que não trarão mais danos, já que, até o fim da manhã deste domingo, não havia registros de tempestades localizadas, ventanias ou raios.

Sábado - No sábado (14/06), a chuva afetou algumas cidades, mas provocou menos estragos que o esperado. Pato Branco foi o município mais atingido pelo temporal de ontem, segundo a Defesa Civil do Paraná. Foram contabilizados prejuízos em 20 casas e os serviços de fornecimento de energia elétrica e abastecimento de água foram interrompidos. Todos os serviços foram normalizados durante a madrugada deste domingo. Foz do Iguaçu registrou alagamentos em alguns bairros, como Portal da Foz, São Luiz, Vila Portes, Jardim Primavera e Boicy. (Gazeta do Povo)

SOLIDARIEDADE Veja onde entregar donativos para as vítimas das enchentes no Paraná

solidariedade 16 06 2014O governo do estado está organizando o recebimento e a distribuição de donativos para as vítimas das enchentes no Paraná. Abra o PDF para ver a lista completa. As enchentes deste mês foram consideradas a pior tragédia natural do estado nas últimas décadas. Segundo informe da Defesa Civil e do governo do Estado, os materiais necessários neste momento são: água; alimentos não perecíveis – cestas básicas; roupas limpas e separadas por sexo e idade; colchões e cobertores. Para cada município atingido constam na tabela os endereços das Prefeituras, e também dos Quartéis de Bombeiro para os que possuem Quartel no município, e aos que não possuem Bombeiro o endereço do Bombeiro Regional. (Gazeta do Povo)

 

COMMODITIES: Soja inicia semana operando em campo misto em Chicago

A semana começou com a soja operando em campo misto nesta segunda-feira (16/06) na Bolsa de Chicago. Os futuros da oleaginosa no curto prazo, por volta das 7h20 (horário de Brasília), registravam ligeiras altas, com o julho de volta aos US$ 14,30 por bushel, enquanto as posições mais longas recuavam, mas com baixas pouco expressivas. A volatilidade já vinha sendo esperada pelos analistas de mercado para permear os negócios com a soja no mercado internacional. Apesar de ainda contar com fundamentos positivos de oferta e demanda, principalmente para os contratos mais próximos, as expectativas de uma boa safra nos Estados Unidos pressiona os preços nesse momento, e cria uma limitação ao avanço das cotações.

Clima nos EUA- As atuais condições climáticas nos Estados Unidos têm contribuído muito para o bom desenvolvimento das lavouras que, de acordo com os últimos números do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), estão 75% em boas ou excelentes condições. Assim, espera-se uma colheita recorde de mais de 98 milhões de toneladas para a temporada 2014/15.

Atualização - Esses números serão atualizados nesta segunda-feira, quando o USDA deve divulgar um novo relatório de acompanhamento de safras por volta das 17h (horário de Brasília), após o fechamento do mercado em Chicago. Além desse boletim, mais cedo o departamento norte-americano traz também a atualização dos embarques semanais do ano comercial 2013/14, que já somam mais de 42 milhões de toneladas frente às 43,55 milhões de toneladas estimadas pelo departamento para serem embarcadas em toda a temporada.

Fechamento da semana– Na sexta-feira (13/06), os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago fecharam o pregão em alta, refletindo um movimento de correção técnica depois das últimas baixas acumuladas ao longo da semana. O mercado vem contando com uma forte influência da atuação dos fundos de investimento nos últimos dias, o que acentua as realizações de lucros e liquidações de posições no mercado internacional. Como explicou Vlamir Brandalizze, consultor da Brandalizze Consulting, "a bolsa tem conseguido flutuar de 10 a 20 pontos diariamente, que são níveis que os grandes investidores buscam para garantir lucratividade. Ele força o mercado até o seu suporte e depois os preços voltam".

Fundamentos - Afinal, ainda segundo analistas, as cotações se mantêm sustentadas no curto prazo pelos fundamentos de oferta e demanda, que permanecem positivos e ainda bastante pertinentes aos negócios.

Exportações - "Os Estados Unidos continuam vendendo o que não tem', diz Brandalizze sobre a atual situação dos Estados Unidos. No país, as vendas para exportação passam de 45 milhões de toneladas. A última estimativa do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) para exportações de toda a temporada 2013/14, no entanto, é de 43,55 milhões de toneladas.

Expectativa - Além desse quadro já conhecido, as grandes expectativas para a nova safra dos Estados Unidos começam a ganhar força com o passar dos dias. O quadro climático no Meio-Oeste norte-americano se mostra bastante favorável e vem contribuindo para o bom desenvolvimento das lavouras, com 75% delas em boas ou excelentes condições nos principais estados produtores.

Aperto - "O mercado caiu, mas tem se mantido entre US$ 14,20 e US$ 14,30, até por conta desse aperto no mercado americano. No ano passado, a soja também ficou bem firme nesse mesmo período, mesmo com projeções boas de produção, por conta do mercado físico norte-americano. As cotações só começaram a esfriar no meio de julho, quando as fábricas reduziram suas compras, esperando as novas safras, o que também poderia acontecer esse ano", explicou Glauco Monte, consultor de grãos da FCStone.

Definição - Assim, Monte acredita que o mercado aguarda, portanto, uma melhor definição da nova safra dos Estados Unidos. Com isso, o comportamento do clima nos Estados Unidos nas próximas semanas. A previsão para os próximos sete dias é de boas chuvas para importantes regiões de produção, melhorando ainda mais o cenário atual. E esse mercado climático deverá acentuar ainda mais a volatilidade no mercado internacional. A última estimativa do USDA é de que os Estados Unidos colham na temporada 2014/15. (Notícias Agrícolas)

INFRAESTRUTURA: Richa inaugura último trecho da duplicação do contorno de Campo Largo

O governador Beto Richa inaugura nesta terça-feira (17/06), às 11h30, o último trecho de duplicação do Contorno de Campo Largo, na rodovia BR-277. Serão liberados os 4 quilômetros restantes do contorno, além da nova ponte sobre o Rio Itaqui e uma trincheira na PR-423. Por meio desta interligação, todo o tráfego pesado, que hoje atravessa Campo Largo, será desviado para fora da cidade. O contorno é uma parceria do Governo do Paraná com a concessionária CCR RodoNorte, que antecipou a obra, cujos investimentos somam R$ 75 milhões.

Solenidade - Participam da solenidade o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho; o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná, Nelson Leal Junior; o presidente da CCR RodoNorte, José Alberto Moita, entre outras autoridades.

Contorno – O contorno de Campo Largo conta com 11 quilômetros de novas pistas, duas trincheiras, um viaduto, uma ponte e a modernização de dois viadutos. Em fevereiro, o governo estadual liberou os primeiros 7 quilômetros do trecho, além dos acessos por três viadutos e uma trincheira. O contorno dividirá o trânsito entre os veículos leves e pesados que circulam pela região. Com isso, o fluxo ficará mais rápido para os usuários que seguem para todas as regiões do Paraná, como Centro-Oeste e Mercosul em direção a Curitiba e ao Porto de Paranaguá. Diariamente utilizam a rodovia, entre Campo Largo e Curitiba, 55 mil veículos. (Agência de Notícias do Paraná)

 

infraestrutura 16 06 2014

 

TRABALHO: Agronegócio impulsiona oferta de vagas de empregos no interior

trabalho 16 06 2014O que era desconfiança virou fato: o emprego cresce fora das grandes capitais. E a diferença é grande. No primeiro trimestre deste ano, as seis maiores capitais do País tiveram queda de 9% na abertura de vagas com carteira assinada, na comparação com o mesmo período do ano passado. No entanto, no resto do Brasil, a oferta de novos postos cresceu 22%, na mesma comparação. Os dados são do IBRE, da Fundação Getulio Vargas, com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados.

Agronegócio - Por que tem mais emprego no interior? Produtividade no trabalho do agronegócio, por exemplo. Nos últimos 30 anos, a área plantada de grãos cresceu 42%, enquanto a produção cresceu 228%. O ganho de produtividade, portanto, foi de 3,2% ao ano. Esse avanço foi sustentado primeiro pela forte geração contínua de nova tecnologia, via Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) com pesquisa e desenvolvimento aplicada.

Qualificação - Segundo, para usar bem a nova tecnologia precisa gente mais qualificada, e foi também o que aconteceu. Pesquisa da Embrapa mostrou que, em 2013, 53% dos agricultores já usavam o conceito de “agricultura de precisão”, com automação de processos, nos nove estados mais produtivos do País.

Efeito multiplicador- Na nova geografia do emprego, a renda do agronegócio tem forte efeito multiplicador nas outras atividades, serviços especialmente. E, sem dúvida, esse avanço só foi possível porque o conjunto da mão de obra está mais educado, como mostrou a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) do IBGE.

Pessoas ocupadas- No Brasil, das 91,2 milhões de pessoas ocupadas, no primeiro trimestre deste ano, 47,5 milhões delas (52%) possuíam ensino médio completo, cursavam ensino superior, ou já o tinham concluído. Em 2005, a condição de ensino médio concluído alcançava só 35% dos ocupados. Em 2012, 49,3%; no ano de 2013, foram 50,3% e, em 2014, consolidou maioria com maior grau de escolaridade.

Mudanças - Na prática, o mercado de trabalho brasileiro já mudou. A geografia do emprego é outra. O perfil do trabalhador também é outro. A disputa por vaga dependerá, cada vez mais, da capacidade de atender ao pedido de mais produtividade. Aceitar a ideia de educação continuada é a melhor forma de atender este “pedido”. Seja qual for o ramo de atividade. (Agência Estado)

 

VIGILÂNCIA SANITÁRIA: Anvisa inicia consulta pública sobre rotulagem de alimentos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) inicia nesta segunda-feira (16/06) consulta pública para definir mudanças nos rótulos de alimentos que contêm ingredientes capazes de provocar alergia. A proposta de nova norma para a rotulagem de alergênicos está disponível no portal da Anvisa  e as sugestões deverão ser enviadas eletronicamente por meio do preenchimento de  formulário específico. O prazo para recebimento de comentários e sugestões será 60 dias.

Substâncias alergênicas- Entre as chamadas substâncias alergênicas a serem listadas nas embalagens dos produtos estão: cereais com glúten, crustáceos, ovo, peixe e amendoim; o leite, a soja, castanhas em geral, nozes e os sulfitos (presentes no vinho). Alimentos que contenham traços ou derivados desses ingredientes também deverão mostrar o aviso em seus rótulos. Após a decisão final da agência, as indústrias terão prazo de 12 meses para adequação às novas regras.

Avanço - Para a administradora de empresas Priscilla Tavares, uma das coordenadoras da campanha  “Põe no rótulo”, a consulta pública é um grande avanço pois mostra que o Poder Público inseriu o tema na agenda política. “É muito importante que o órgão regulador esteja se preocupando com esse assunto e fiscalize o cumprimento da norma. A informação clara no rótulo vai melhorar muito a segurança alimentar e a vida de muitas famílias. Essa nova regra também permitirá que as famílias tenham onde reclamar caso [a norma] não seja adequadamente cumprida”, disse.

Origem - A campanha "Põe no rótulo" foi criada no Facebook em fevereiro. A ideia surgiu a partir da troca de informações online de mais de 700 mães cujos filhos têm alergia alimentar. O objetivo é conscientizar a sociedade sobre os riscos que a falta de informações nos rótulos podem trazer para as pessoas que têm alergia. Dependendo do grau de sensibilidade, o alérgico pode ter choque anafilático, fechamento da glote, além de outras reações graves que podem levar à morte. Em quatro meses de campanha, o #poenorotulo já tem 61 mil curtidas.

Alergia alimentar- No Brasil, 8% das crianças têm alergia alimentar, segundo estimativa da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia. O filho de Priscilla, João Pedro, de 3 anos, é uma dessas crianças. João tem alergia a leite, a soja e a todas as leguminosas (grão-de-bico, ervilha, lentilha e feijões). Ao ingerir esses alimentos, ele tem reações gastrointestinais, como diarreia e refluxo.

Batalha diária- “É uma batalha diária. As famílias ficam privadas de comer muitos alimentos porque não há informações confiáveis nos produtos. E os serviços de atendimento ao consumidor (SACs) da indústria alimentícia não estão preparados para dar informações corretas”, disse.

Falta de informações claras- A Anvisa reconhece que a atual rotulagem de produtos muitas vezes não traz a informação clara de quais substâncias alergênicas estão contidas no alimento, já que muitos rótulos contêm termos que não são conhecidos pela população. Palavras como caseína e albumina, embora corretas do ponto de vista técnico, não informam claramente ao consumidor que esses ingredientes são derivados do leite e do ovo, respectivamente.

Outros países- Nos Estados Unidos, as indústrias são obrigadas a prestar esse tipo de informação desde 2006, na União Europeia, Austrália e Nova Zelândia, desde 2003, e no Canadá, desde 2011. (Agência Brasil)

VAREJO: Brasil cai para 5º lugar em ranking global

varejo 16 06 2014Após três anos seguidos na liderança, o Brasil caiu para a quinta posição em atratividade no varejo global, atrás de Chile, China, Uruguai e Emirados Árabes. O crescimento do PIB abaixo do esperado e o impacto da inflação sobre o poder de compra da população estão entre as principais razões da perda de posição do país no Índice de Desenvolvimento do Varejo Global de 2014, a ser divulgado nesta segunda-feira (16/06) pela consultoria A.T. Kearney. Anual, o indicador mede a atratividade dos países emergentes para as empresas globais de varejo com base em mais de 20 variáveis, que englobam de investimentos em infraestrutura a riscos políticos.

Tensão negativa- Além do baixo crescimento e da inflação acima da meta, Pietro Gandolfi, diretor da A.T. Kearney, destaca a "tensão negativa" no ambiente de negócios brasileiro, inexistente há alguns anos. "Ser um mercado grande não é suficiente para tornar o país super atrativo, senão o primeiro lugar ficaria com a China nos próximos 20 anos", afirma ele. Na semana passada, o IBGE divulgou queda no varejo restrito brasileiro pelo segundo mês consecutivo (março e abril).

Investimento - Gandolfi, porém, lembra que o quinto lugar na lista não significa "não ser atrativo". Para ele, empresas brasileiras e estrangeiras seguirão investindo no Brasil, especialmente companhias com conceitos de loja e proposta de valor diferenciadas, deixando o varejo generalista para grandes redes que já atuam no país, como Carrefour e Walmart.

Chile - Entre os cinco primeiros do ranking, o "pequeno" Chile assumiu o primeiro lugar, diz Gandolfi, favorecido pelo crescimento econômico na casa dos 4% nos últimos anos e pela expectativa de que esse ritmo perdure. Apesar de ter um mercado consumidor menor, sobretudo se comparado a Brasil e China, o executivo destaca que o Chile conta com um ambiente regulatório saudável e consumidores com elevado poder de compra e gosto sofisticado.

Preciosos - Além da China, cujo tamanho do mercado mantém o país entre os mais atrativos, os outros dois países a figurar entre os cinco primeiros do ranking - Uruguai e Emirados Árabes Unidos - são pequenos, mas "preciosos", segundo Gandolfi, por serem áreas de zona franca ou terem regime de tributação diferenciado.

Surpresa - Uma surpresa positiva na nova listagem foi a entrada de países da África subsaariana, como Botswana e Namíbia, que, embora figurem nas últimas posições, são considerados a próxima fronteira para investimentos. Venezuela e Argentina deixaram temporariamente a listagem em 2014 em razão de instabilidade política e insegurança econômica. (Folhapress / Valor Econômico)

 

RELAÇÕES EXTERNAS I: BR e Alemanha estreitam os laços e buscam maior dinamismo comercial

relacoes externas I 16 06 2014A presidente Dilma Rousseff afirmou na noite deste domingo (15/06), após reunião com a chanceler alemã Angela Merkel no Palácio da Alvorada, que há espaço para que os dois países aumentem os fluxos bilaterais comerciais e de investimentos. Dilma também reafirmou a determinação do Brasil e do Mercosul de avançar no acordo do bloco com a União Europeia. Merkel também defendeu as negociações nesse sentido. "Vou fazer o possível para que se possa dar um passo à frente".

Instrumento de consultas- Ambas também confirmaram o interesse em criar um instrumento de consultas entre os dois governos a partir do próximo ano, como informou o Valor, e a disposição de estimular a vinda ao Brasil de pequenas e médias empresas alemãs. Dilma indicou à chanceler alemã oportunidades de investimentos em infraestrutura e logística no país, e Merkel reconheceu "o enorme potencial" do Brasil. A chanceler também destacou que a cooperação entre Alemanha e Brasil em formação profissional pode ser aprofundada.

Estreitamento - Em seu pronunciamento, Dilma afirmou que o Brasil quer "elevar e estreitar" parcerias com a Alemanha e relatou ter conversado com a chanceler alemã, entre outros temas, sobre os recentes anúncios de investimentos alemães no Brasil, sobretudo nas indústrias química e automobilística. Ao defender um aumento nas exportações do Brasil para aquele país, Dilma destacou que o país precisa ampliar os embarques de maior valor agregado.

Temas - Temas como mudanças na governança global, agenda de paz, segurança internacional e segurança das comunicações eletrônicas também estiveram na agenda. Merkel está no Brasil para acompanhar a estreia da seleção alemã na Copa do Mundo, nesta segunda em Salvador. Sistemas de segurança em comunicações eletrônicas é um assunto que aproximou politicamente os dois países após as denúncias de espionagem por parte do governo dos Estados Unidos. O governo brasileiro avalia que há uma aproximação política e interesses econômicos "muito grandes" entre os dois países.

Indicativo - A resolução proposta em conjunto por Brasil e Alemanha no âmbito da ONU contra a espionagem americana é encarada como um dos principais "indicativos" de uma maior aproximação entre os dois países. Mas também são lembradas outras "posições semelhantes" em questões internacionais, como nos conflitos na Síria e na Líbia ou a tentativa de negociação de uma reforma do Conselho de Segurança da ONU.

Amadurecimento - É esse amadurecimento da relação que justifica a instituição, a partir de 2015 - preferencialmente durante uma visita oficial de Merkel ao Brasil -, de uma espécie de comissão de alto nível para que Brasil e Alemanha façam consultas mútuas periódicas, proporcionando "um formato de diálogo com mais fluidez". Conforme o governo brasileiro, o intercâmbio comercial entre Brasil e Alemanha atingiu US$ 21,7 bilhões em 2013. A Alemanha é o principal parceiro comercial do Brasil na Europa e o quarto parceiro comercial brasileiro no mundo. (Valor Econômico)

 

RELAÇÕES EXTERNAS II: Reunião com vice-presidente dos EUA marca melhora na relação bilateral

O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, desembarca nesta segunda-feira (16/06) no Brasil e se encontra nesta terça-feira (17/06) com a presidente Dilma Rousseff, numa reunião que simboliza a melhora da relação entre os dois países nos últimos meses. Biden será a mais alta autoridade americana a pisar no país depois que Dilma adiou a visita de Estado a Washington marcada para outubro de 2013 devido às revelações de que tinha sido espionada pela Agência Nacional de Segurança (NSA). Nesta segunda, Biden assiste, em Natal, ao jogo dos EUA contra Gana, pela Copa do Mundo. A reunião desta terça com Dilma e o vice-presidente Michel Temer será em Brasília.

Simpatia - Dilma nutre simpatia por Biden, um político experiente - e influente - em assuntos diplomáticos. Os dois se falaram pelo telefone em 8 de maio, quando o encontro foi confirmado, e haviam se encontrado em março no Chile, na posse da presidente Michelle Bachelet.

Maior disposição- Os americanos têm notado uma maior disposição do governo brasileiro em fazer avançar o relacionamento bilateral. Em teleconferência realizada ontem, um alto funcionário do governo americano disse que o fato de a viagem ocorrer neste momento é um reflexo da importância que o presidente Barack Obama e Biden conferem em mover adiante a relação entre Brasil e EUA. "Os dois a veem como uma grande oportunidade para continuar a construir uma parceria global entre duas democracias fortes e diversas."

Chance - Segundo ele, Biden vê na reunião uma chance para discutir vários assuntos na relação bilateral, como energia, economia e ciência e tecnologia, além de assuntos regionais e globais - a situação da Venezuela deve estar na pauta, embora o funcionário americano não a tenha citado. Depois do Brasil, o americano visitará Colômbia, República Dominicana e Guatemala, em seu oitavo giro pela América Latina desde 2009. Washington tem sinalizado que a região é uma das prioridades do segundo mandato de Obama.

Sinal - Um dos primeiros sinais de melhora da relação entre Brasil e EUA neste ano foi a visita, em março, do secretário do Tesouro americano, Jacob Lew. O americano se reuniu com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini.

Contencioso de algodão- Outro sinal de boa vontade são as negociações sobre o contencioso do algodão. Na semana passada, integrantes do governo brasileiro estiveram mais uma vez em Washington com técnicos do governo Obama para tratar do assunto, em uma reunião classificada como "produtiva" pelo Itamaraty. As autoridades brasileiras vão agora examinar as propostas dos EUA para decidir se entram com um painel de implementação na Organização Mundial do Comércio (OMC), que avaliaria se a nova lei agrícola americana (a "Farm Bill") segue as normas da instituição. O Brasil parece preferir um acordo.

Eleições - A proximidade das eleições brasileiras sugere que, nos próximos meses, poderá haver contatos menos intensos entre as autoridades dos dois países. Nesse cenário, um eventual agendamento de uma nova visita de Dilma a Washington tenderia a ocorrer depois do pleito.

Espionagem - No ano passado, a relação azedou depois que surgiram as revelações de que Dilma e a Petrobras foram espionadas pelo governo americano. A presidente adiou a visita de Estado a Washington e fez um discurso duro sobre o assunto na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em setembro. Mas, aos poucos, o clima tem melhorado, como confirmou Dilma em entrevista ao "New York Times" no começo de junho. (Valor Econômico)


Versão para impressão


Assessoria de Imprensa do Sistema Ocepar - Tel: (41) 3200-1150 / e-mail: imprensa@ocepar.org.br