Imprimir
Sistema Ocepar - Paraná Cooperativo - Informe Diário

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 3369 | 25 de Junho de 2014

TRIGO: Isenção da TEC sobre a importação do cereal vai trazer prejuízos ao setor produtivo, avalia Ocepar

trigo 25 06 2014A decisão da Câmara de Comércio Exterior (Camex), de reduzir o imposto de importação do trigo, a Tarifa Externa Comum (TEC), de 10% para 0%, deve trazer prejuízos expressivos para o setor produtivo, na avaliação do Sistema Ocepar. A medida, publicada nesta terça-feira (24/06), na edição extra do Diário Oficial da União, vai vigorar até o dia 15 de agosto e incidir sobre um milhão de toneladas de fora do Mercosul. “O setor produtivo paranaense sempre foi contrário a essa medida e tem se mobilizado constantemente para evitá-la, pois deve causar muitos danos à triticultura nacional e desestimular plantios futuros. Esse produto adquirido de outros países deve chegar ao Brasil na época de colheita da safra nacional de trigo e a indústria já vai estar abastecida com cereal importado. Isso poderá provocar falta de liquidez no mercado interno e interferir nos preços pagos ao triticultor brasileiro”, afirma o gerente técnico e econômico da Ocepar, Flávio Turra.

Outros reflexos- Ainda de acordo com ele, o próprio governo deverá ser afetado pela isenção da tarifa de importação. “O governo federal deixará de recolher esse imposto e, por outro lado, poderá ter que desembolsar recursos significativos para apoiar a comercialização da produção nacional, visando garantir o preço mínimo ao produtor”, acrescenta.

Produção nacional – Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção nacional do cereal deve somar 7,37 milhões de toneladas na safra 2014/15, 33,4% mais que no ciclo anterior. A demanda brasileira chega a pouco mais de 11 milhões de toneladas por ano e, para suprir o mercado, o Brasil tem adquirido trigo especialmente da Argentina, Estados Unidos e Canadá. O Paraná deve manter nesta safra a liderança da produção nacional, com a expectativa de colher 3,9 milhões de toneladas, a partir de agosto. A área cultivada no Estado deve chegar a 1,3 milhão de hectares, aumento de 32% em relação à safra passada, e cujo plantio está em fase de finalização.   

 

MELHORES&MAIORES: Cocamar evolui 13 posições no ranking da Exame

melhores maiores 25 06 2014O crescimento da Cocamar Cooperativa Agroindustrial em 2013, no comparativo com o ano anterior, pode ser avaliado pelos números apresentados na publicação “1.000 Melhores e Maiores do Brasil” da Revista Exame, da Editora Abril, que começa a ser distribuída. O anuário aponta que a cooperativa, sediada em Maringá (PR), evoluiu 13 posições naquele período, subindo do 236º para o 223º lugar. Em 2013, seu faturamento foi de R$ 2,630 bilhões, 12,5% sobre os R$ 2,360 bilhões registrados no exercício 2012.

Região Sul- Entre as 100 maiores da Região Sul, a Cocamar galgou quatro posições de um ano para o outro, evoluindo da 28ª para a 24ª colocação. Ainda na Região Sul, é a 10ª maior empresa do segmento do agronegócio e a 48ª considerando o quesito vendas. Por fim, a revista revela que a cooperativa se manteve entre as 44 maiores corporações brasileiras do agronegócio.

A cooperativa- Com cerca de 12 mil associados e 2,4 mil colaboradores, a Cocamar possui 54 unidades operacionais nas regiões noroeste e norte do Paraná, uma em Presidente Prudente (SP) e outra em Nova Andradina (MS). Sua previsão é crescer ao menos 10% este ano e chegar ao histórico faturamento de R$ 3 bilhões. (Imprensa Cocamar

 

LAR: Com cápsula do tempo, cooperativa encerra os festejos dos 50 anos

Na manhã desta terça-feira (24/06), a Cooperativa Lar depositou em uma urna a cápsula do tempo que será aberta em 2039, em comemoração aos 75 anos de fundação. A cápsula marca o encerramento das comemorações dos 50 anos e permanecerá fixada na entrada do Centro Administrativo, junto aos mastros da área externa. Estiveram presentes à cerimônia o diretor-presidente da Lar, Irineo da Costa Rodrigues, o diretor vice-presidente Lauro Soethe, o diretor-secretário Urbano Inacio Frey, conselheiros de administração, a coordenadora do Comitê Central Suzana Pieniz, o coordenador do Comitê Juvenil Jaffer Besen e todos os funcionários do Centro Administrativo.

Conteúdo - A cápsula contém depoimentos de diretores, conselheiros e gerentes da cooperativa, ex-diretores, deputados federais e estaduais, governador do Paraná, autoridades, dirigentes de outras cooperativas da região, executivos de empresas parceiras; notícias da atualidade, cobertura completa dos festejos dos 50 anos, álbum de fotos, livro de receitas dos 50 anos, livro Lar 40 anos e também 50 anos, depoimentos de diretores de escolas e reitores de universidades da região, entre outros. O presidente do Sistema Ocepar, João Paulo Koslovski, também contribuiu com uma mensagem e fotos da cooperativa, que foram depositados na cápsula.

Reflexão - “Essa cápsula servirá para fazermos no futuro uma reflexão, será que atingimos o nosso objetivo? Será que fomos além? ”, disse o diretor-presidente Irineo da Costa Rodrigues, que ainda comentou sobre a necessidade dos funcionários e associados fazerem o seu melhor para que os próximos 25 anos sejam ainda melhores que esses 50 anos que já foram muito positivos para a Cooperativa Lar. (Imprensa Lar)

{vsig}noticias/2014/06/25/lar/{/vsig}

CASTROLANDA: Agroleite abre inscrições para Dinâmicas de Máquinas

castrolanda 25 06 2014As Dinâmicas de Máquinas no Agroleite atraem olhares interessados em novas tecnologias no campo para técnicas de produção de alimento conservado (silagem pré-secada), colheita de forragem e demonstrações com misturadoras de dieta total (TMR). Serão três dias da programação oficiais dedicados as dinâmicas de máquinas que serão realizadas nos dias 06, 07 e 08 de agosto no campo experimental do Parque. A atividade está diretamente alinhada ao foco da feira - a cadeia do leite e através dessas demonstrações pretende-se captar o que existe de tecnologia nesse mercado de máquinas e equipamentos e poder transferir, para os técnicos e produtores participantes do evento os principais avanços das indústrias de máquinas.

Inscrições - As inscrições estão abertas para as empresas expositoras do Agroleite 2014 até o dia 30 de junho, no site oficial do evento (www.agroleitecastrolanda.com.br). Podem  participar das dinâmicas todos os expositores que tenham equipamentos, máquinas e/ou implementos voltados para a produção de alimentos volumosos e/ou afins.

Estrutura - A organização do evento fornecerá uma área cultivada com pastagem anual de inverno (azevém e aveia). O tema proposto das dinâmicas e organização dos plots, assim como a condução das demonstrações será de responsabilidade da organização do evento.

Operações – As demonstrações de campo estarão divididas nos seguintes segmentos:

Culturas - Azevem e Aveia

:: Corte (segadoras convencionais, condicionadoras de martelo e prensa de borracha etc...)

:: Ancinhos Revolvedores (de função única e duplos).

:: Ancinhos Enleiradores (de função única e duplos).

:: Recolhedores (vagão, carretas basculantes)

:: Enfardadoras de câmara fixa e variável, empacotadora (silagem). Silos quadrados e redondos

:: Enfadadora (feno). Fardos quadrados e redondos

:: Colhedoras de forragem

:: Misturadores de alimentos (TMR)

Tracionamento – Tratores com potência adequada para apresentar os equipamentos e implementos, assim como os dispositivos necessários, como 3° ponto, pinos de engate, barra de tração, controles hidráulicos, filmes plásticos e ferramentas serão de responsabilidade da Indústria e/ou Revenda.

Operador – O sucesso da demonstração do equipamento pode depender de um operador experiente e a organização do evento determina que cada Indústria e/ou Revenda deve orientar o seu operador para estar atento às regulagens dos implementos quando for realizar determinada função, com potencia e marcha compatível. 

Agenda - De posse das solicitações a comissão organizadora irá se reunir em data a ser informada para análise e distribuição da programação. Os pedidos de datas feitos após a reunião da comissão serão avaliados e só poderão ocorrer se houver data e horário disponível.

Agroleite - O Agroleite é um evento técnico voltado a todas as fases da cadeia do leite. Ele acontece todos os anos no mês de agosto na cidade de Castro (PR), capital nacional do leite, e busca através de sua programação apresentar o potencial de produção de leite da região nos aspectos qualitativo e quantitativo. Na última edição o evento recebeu 80 mil pessoas e foram comercializados R$ 52 milhões durante os cinco dias. (Imprensa Castrolanda)

 

SICREDI UNIÃO I: UFV chega ao Sesi Infantil e Fundamental de Londrina

sicredi uniao 25 06 2014A Escola Sesi Londrina é a mais nova parceira do programa A União Faz a Vida (UFV), que desenvolve projetos cooperativos em instituições públicas e particulares. Lançado no último dia 17 de junho, com a presença da gerente do Sesi Londrina, Lucilene Furlan, o programa vai envolver 27 professores e 609 alunos da educação infantil e do ensino fundamental do colégio.

Expectativas - A diretora do Sesi Londrina, Elisabeth Pereira Luna, diz que são “muito boas” as expectativas do colégio com a implantação do A União Faz a Vida. “O programa vem ao encontro de um tipo de trabalho que já realizamos aqui, com foco em empreendedorismo e responsabilidade social, por exemplo”, conta Elisabeth.

Metodologias - Segundo ela, o Sesi adota uma metodologia que “casa” perfeitamente com o UFV. “Trabalhamos em equipe, que é uma das vertentes do cooperativismo, e a chegada do programa tende a melhorar ainda mais esse trabalho”, afirma a diretora. “Temos tudo a ver com o União Faz a Vida.”

Aprendizado - Mesma opinião tem a coordenadora do UFV, Sandra Michels. “A metodologia do Sesi é totalmente voltada ao aprendizado através de projetos, assim como o nosso programa”, afirma Sandra. “Isso é um facilitador para a implantação do UFV nos colégios Sesi. Temos experiências muito positivas nos SESI de Londrina e Cambé com o ensino médio e, agora, com certeza teremos sucesso no SESI Fundamental e Infantil”, ela explica. “São esses desafios que dão a oportunidade para que o programa leve cidadania e cooperação para nossas crianças e adolescentes.”

Abrangência - A Sicredi União PR/SP desenvolve o União Faz a Vida em 36 escolas de onze municípios do Norte-Noroeste paranaense: Nova Esperança, Santa Fé, Munhoz de Mello, Floraí, Ivatuba, Jussara, Londrina, Cambé, Tamboara, Paraíso do Norte e Paranavaí. Ao todo, estão envolvidos 720 educadores e 7.631 alunos. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICREDI UNIÃO II: Patrocinadora oficial da atleta Tatiele de Carvalho

sicredi uniao II 25 06 2014A imagem de uma corporação se fortalece toda vez que ela apoia o esporte. Pensando assim é que a Sicredi União PR/SP assumiu o patrocínio oficial da atleta paulista Tatiele Roberta de Carvalho, uma das maiores revelações em competições de rua nos últimos anos, que tem sido destaque em provas realizadas no Brasil e no exterior.

Reforço - Radicada no interior paulista, Tatiele chega para reforçar o marketing da cooperativa paranaense que, desde o ano passado, passou a atuar também em 38 municípios da região centro-leste daquele Estado. “É uma interessante oportunidade para a instituição”, avalia o diretor-executivo da Sicredi União PR/SP, Rogério Machado, considerando o prestígio conquistado pela atleta com seu desempenho em inúmeras competições. Além de vencer por várias vezes provas como o Troféu Brasil de Atletismo e o Campeonato Brasileiro de Cross-Country, Taliete já brilhou em disputas fora do país, entre os quais os títulos de campeã sulamericana sub23 na Colômbia (2010) e o Ibero-Americano na Venezuela (2012), além de ter sido a melhor brasileira na Corrida Internacional de São Silvestre em 2012.

Disputas - Estampando a marca Sicredi, a atleta vai disputar provas nas regiões de atuação da cooperativa nos Estados de São Paulo e do Paraná. Em 2013 ela participou, em Maringá, da Prova Rústica Tiradentes, uma das mais importantes competições do calendário de rua do país, figurando entre as primeiras colocadas.  O técnico de Tatiele, Agnaldo Alexandre, destacou que o patrocínio “abre uma nova fase na carreira da atleta, com a certeza de que serão colhidos muitos frutos”.  (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICOOB ALIANÇA: Cooperativa completa 10 anos

O Sicoob Aliança, de Apucarana, completou 10 anos. Neste período atingiu a marca de mais de seis mil cooperados, distribuídos em seus nove postos de atendimento, nas cidades de Apucarana, Ibaiti, Ivaiporã, Jandaia do Sul, Pinhalão, Reserva e Telêmaco Borba. A sua área de abrangência reúne 54 municípios da região de sua sede. A cooperativa, criada em 2004, tinha R$ 500 mil de ativos, que hoje passa dos R$ 100 milhões. “O Sicoob Aliança vive um momento muito especial, tanto em termos de expansão como na excelência nos produtos e serviços que oferece aos associados”, destaca o presidente da Cooperativa, Osnei José Simões Santos. Junto desta cooperativa está o Sicoob Centro Leste, aglutinada em 2013. (Imprensa Sicoob PR)

SICOOB OESTE: Posto de atendimento é inaugurado em Toledo

O Sicoob Oeste, de Toledo, inaugura o Posto de Atendimento Coopagro, nesta sexta-feira (27/06), às 19h30, na avenida Ministro Cirne Lima, nº 3455. Esta é a sétima unidade na cidade e a 12ª da cooperativa. Segundo o presidente do Conselho de Administração do Sicoob PR, Jefferson Nogaroli, a expansão do Sistema Sicoob PR procura atender regiões que necessitem de serviços financeiros, colaborando com a melhoria da região. “Esta é uma das formas que temos de beneficiar as comunidades nas quais estamos presentes e a população de Toledo ganhará muito com este novo Posto de Atendimento”, completa.

Expansão - O novo posto de atendimento expande o Sistema Sicoob PR para 190 unidades, localizadas em 120 cidades do Paraná e Santa Catarina. O Sistema hoje representa aproximadamente 180 mil cooperados. (Imprensa Sicoob PR)

RAMO INFRAESTRUTURA: Conselho Consultivo discute normas para o setor

Representantes do Sistema OCB participaram, nesta terça-feira (24/06), na sede do Sistema Ocesp, em São Paulo, da Reunião Ordinária do Conselho Consultivo Ramo Infraestrutura. O objetivo do encontro foi debater a elaboração de um normativo específico para o setor e que será apresentado ao governo federal nas próximas semanas. Segundo a gerente geral da Organização das Cooperativas Brasileiras, Tânia Zanella, “um questionário foi aplicado às cooperativas do ramo, para conhecermos sua realidade e, assim, termos mais subsídios para defender o decreto, perante o governo federal”.

Programa - Na parte da manhã, os representantes do Sistema OPCB, conheceram um programa desenvolvido pela Fecoergs, visando à melhoria da gestão regulatória das cooperativas do ramo Infraestrutura, com foco nas cooperativas de eletrificação rural. O projeto desenvolvido no Rio Grande do Sul é uma ferramenta de diagnóstico das redes das cooperativas e suas fragilidades e, também, favorece à tomada de decisões sobre investimentos do setor. (Informe OCB)

ENERGIA: Copel vai pedir que parte do reajuste da tarifa seja adiado

A Companhia Paranaense de Energia (Copel) informou que vai pedir o adiamento de parte do reajuste médio de 35% na tarifa de energia concedido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) nesta terça-feira (24/06). Segundo o presidente da Copel, Lindolfo Zimmer, a companhia já solicitou à agência o efeito suspensivo ao reajuste e vai aguardar resposta da agência enquanto estuda o porcentual a ser postergado para o próximo reajuste, em junho de 2015, assim como já ocorreu em 2013. O diferimento também depende da aprovação da Aneel.

Suspenso - Com o pedido de efeito suspensivo, o aumento que deveria ser aplicado a partir desta terça-feira (24), data do reajuste da concessionária, fica suspenso até que a Aneel avalie a situação. A decisão foi tomada após a manifestação do governador Beto Richa nas redes sociais. "Vamos pedir à Aneel a suspensão da aplicação para buscar uma solução junto com a Copel", disse Richa em sua conta no Twitter, na manhã desta terça-feira.

Valor - A Aneel aprovou um reajuste médio de 35,05% na tarifa média cobrada pela Copel. O valor é superior ao índice solicitado pela empresa, de 32,4%. Pela rede social Facebook, o governador Beto Richa (PSDB) informou que foi "surpreendido" com a decisão da Aneel e que iria solicitar a suspensão da aplicação do reajuste.

Redes - Nas residências, que utilizam a rede de baixa tensão, o aumento autorizado pela Aneel foi de 33,49%. Para as ligações de alta tensão, o reajuste pode ser de até 37,35%. A medida afeta 4,2 milhões de unidades consumidoras localizadas em 393 municípios do Paraná e passa a valer a partir desta terça.

Itens - O aumento foi autorizado pela diretoria da Aneel, em reunião nesta terça-feira. Os principais aspectos que pesaram na conta, segundo informações divulgadas pela agência reguladora, foram o aumento dos custos que a distribuidora teve com compra de energia, a necessidade de contratar energia nos leilões para suplementação por meio de contratos de energia por disponibilidade e por quantidade (energia com maior custo), e variação da tarifa de Itaipu.

Copel pediu reajuste médio de 32,4% - No final de maio, a empresa de energia do Paraná enviou à Aneel um pedido de reajuste médio de 32,4% a ser aplicado aos consumidores a partir do dia 24 de junho. Na época em que pediu o aumento, a Copel informou que o item que mais pesou na composição do Índice de Reajuste Tarifário Pleiteado (IRT) foi a compra de energia, que equivale a 19,1% do total solicitado pela companhia neste ano.

Queda dos reservatórios- Esse custo foi fortemente pressionado pela queda do nível dos reservatórios de hidrelétricas e pelo acionamento constante das usinas térmicas. O valor representa aumento de quase nove pontos porcentuais em relação ao mesmo custo apresentado em 2013 (10,4%). Essas despesas compõem a chamada “parcela A”, referente aos custos não gerenciáveis, ou seja, aqueles sobre os quais a empresa não tem controle.

Mais - Completam ainda o porcentual solicitado pela Copel 1,5% da “parcela B”, formada basicamente pelos custos operacionais da companhia, e outros 11,8% dos componentes financeiros, que representam a diferença entre as despesas que a empresa já pagou e o que ela recebe por meio das tarifas, e que precisa ser compensado ao longo dos próximos 12 meses.

Inclusão - No custo dos componentes financeiros estão inclusos 5,1% do reajuste tarifário de 2013 autorizado pela Aneel que não foi repassado ao consumidor. Na ocasião, a pedido do governo do estado, a Aneel permitiu o parcelamento do aumento concedido de 14,6%, aplicando um aumento médio de 9,5% em 2013 e deixando o restante para entrar no cálculo da tarifa deste ano. (Gazeta do Povo)

MILHO: Frustração com produtividade do grão em MT

O excesso de chuvas que atrasou o plantio da segunda safra de milho em Mato Grosso entre o fim de fevereiro e o começo de março está produzindo efeitos negativos neste início da colheita do grão no Estado. Os primeiros lotes, saídos do campo nos últimos dias, têm apresentado produtividades até 20% inferiores às médias que os agricultores esperavam, resultado da semeadura de boa parte das lavouras locais fora do período considerado ideal.

Sorriso - Em Sorriso, um dos principais polos de produção de Mato Grosso, havia a expectativa de uma colheita de 120 sacas por hectare nesta safrinha (como também é chamada a segunda safra de milho), mas a maioria está conseguindo 15% menos, em torno de 100 sacas, conforme Laercio Lenz, presidente do sindicato rural do município. "Na época do plantio, perdemos muito dos fertilizantes, que foram embora com as chuvas. Assim, o milho não absorveu toda a adubação que precisava e isso refletiu na produtividade", afirma Lenz.

Normalidade - Apesar da frustração com o rendimento inicial, Lenz conta que os trabalhos estão fluindo dentro da normalidade e que não há relatos de problemas com armazenagem, como os que ocorreram na safra passada. Pelo menos 10% da área com milho já está colhida em Sorriso e a expectativa é de uma produção de 2,5 milhões de toneladas na região este ano, quase 30% abaixo das 3,5 milhões de toneladas de 2013. A queda, lembra o presidente do sindicato rural, também é reflexo da redução de 20% na área plantada, que passou a 400 mil hectares na atual safra.

Tapurah - Em Tapurah, outra importante região produtora de grãos mato-grossense, os trabalhos de retirada do milho de campo estão finalizados em cerca de 20% da área plantada - que recuou de 75 mil hectares no ano passado para 70 mil em 2014, de acordo com Silvésio de Oliveira, presidente do sindicato rural local. Ele diz que os agricultores têm obtido 30 sacas por hectare (pouco mais de 20%) a menos do que previam nos primeiros talhões, ficando também na casa das 100 sacas por hectare. "Mas já imaginávamos que seria assim. As precipitações do início do ano realmente atrapalharam a cultura". No ano passado, com o clima amplamente favorável no decorrer da temporada, o milho rendeu até 150 sacas por hectare no município.

Plantios mais tardios- Se, por um lado, as chuvas atravancaram o início da safrinha, por outro favoreceram o desenvolvimento dos plantios mais tardios do grão em Mato Grosso, em função das precipitações entre o fim de abril e início de maio. As chuvas, ainda que não tenham sido generalizadas, tendem a contribuir para elevar a produtividade dessas lavouras semeadas por último. "Costumamos colher de 80 a 90 sacas com as variedades mais tardias, mas esse número deve ser de 10% a 15% maior este ano", estima Oliveira.

Vendas - No momento, as negociações de milho estão lentas em Mato Grosso. Os produtores estão insatisfeitos com os valores oferecidos pela saca e têm preferido reter o grão, à espera de uma reação nas cotações. "O preço está em R$ 11 por saca, mas o agricultor espera pelo menos R$ 14 a R$ 15 por saca", afirma o presidente do sindicato rural de Tapurah.

Relatório - Em relatório divulgado na sexta-feira passada (20/06), o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) informou que a colheita da segunda safra de milho está concluída em 5,2% da área plantada total no Estado. Os trabalhos estão ligeiramente adiantados em relação aos 4,3% do mesmo período de 2013.

Produtividade parcial- Nas contas do Imea, a produtividade parcial é de 94,5 sacas por hectare - acima da média de 85,4 sacas por hectare estimada para toda a temporada 2013/14. A expectativa do instituto é que Mato Grosso colha 15,4 milhões de toneladas de milho este ano, 31,5% abaixo das 22,5 milhões de toneladas produzidas no ciclo passado. (Valor Econômico)

COMBUSTÍVEL: Estudos sobre mistura de etanol serão concluídos em três meses

Os estudos técnicos que vão definir o aumento do percentual de mistura de etanol anidro na gasolina vendida no país deverão ser concluídos em três meses, afirmou nesta terça-feira (4/06) o ministro das Minas e Energia, Edison Lobão. Atualmente a mistura é de 25% e havia no mercado uma expectativa de que a elevação, provavelmente para 27,5%, pudesse ser definida na reunião de nesta terça-feira (24/06) do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), em Brasília.

Ações - Em parte por conta dessa expectativa, as ações PN da estatal Petrobras chegaram a subir mais de 3% nesta terça na BM&FBovespa. Depois da declaração de Lobão, os papéis entraram em rota descendente e fecharam em queda de 3,6%, de acordo com o Valor Data. "Um aumento da mistura de etanol da gasolina representaria um alívio no caixa da Petrobras", lembrou o chefe de análise da CM Capital Markets, Marco Aurélio Barbosa. "Hoje, a Petrobras é obrigada a importar gasolina para atender a toda a demanda nacional pelo combustível. Com mais etanol na mistura, o volume importado seria reduzido", disse.

Índia - Se ainda não há uma definição sobre o aumento no Brasil, na Índia o percentual de mistura do etanol na gasolina subirá de 5% para 10%, conforme informações do governo do país relatadas pela agência Dow Jones Newswires. Mas, nesse caso, o motivo é diferente. Com a alteração prometida, o objetivo é oferecer apoio às usinas indianas. E foi a segunda medida anunciada em dois dias nesse sentido. Como informou o Valor, na segunda-feira (23/06), Mumbai anunciou que haverá uma elevação da tarifa incidente sobre as importações de açúcar de 15% para 40%. Na Índia, o preço da cana é definido pelo governo, mas açúcar e etanol acompanham as oscilações do mercado. (Valor Econômico)

CÂMARA DOS DEPUTADOS: Eleição começa com 30% da bancada paranaense desistindo de reeleição

camara dos deputados 250614O eleitor paranaense terá que se acostumar com novas caras em Brasília. Dos 30 deputados eleitos pelo Paraná em 2010, até dez podem não voltar a disputar cadeira na Câmara Federal – oito deles exercem mandato atualmente. Esses números mostram uma possibilidade de renovação alta na bancada paranaense. Na eleição passada, seis deputados eleitos não disputaram reeleição – cinco deles exerciam mandato.

Último mandato- Entre os deputados federais em seu último mandato estão dois dos parlamentares mais emblemáticos da direita e da esquerda paranaense, respectivamente. Abelardo Lupion (DEM) e Doutor Rosinha (PT) já decidiram que não participarão da disputa. “Sou o deputado mais antigo do estado, acho que já prestei meu serviço ao país. Vou cuidar da minha vida”, diz Lupion. Após seis mandatos na Câmara, Lupion não se candidatará a nenhum cargo, mas não deixará a política. Ele fará parte da coordenação de campanha à reeleição do governador Beto Richa (PSDB) e, depois, deve assumir a presidência da Fundação Democratas.

Senado - Rosinha tampouco deixará a política: ele disputa internamente a indicação do PT para ser candidato ao Senado. Entretanto, caso saia derrotado, não se candidatará a deputado pela quinta vez. “Já são quatro mandatos, de muito trabalho, mas entendo que [a Câmara] tem que renovar. Sou da teoria de que tem de haver um limite no número de mandatos. Como não há, estabeleci quatro.”

Mais - Outro com aspirações de disputar o Senado é Eduardo Sciarra (PSD), que está em seu terceiro mandato na Câmara. Ele depende da viabilização da candidatura de Joel Malucelli (PSD) ao governo do estado. Caso isso não ocorra, Sciarra ainda pode ser candidato a vice-governador ou mesmo a senador, em outra chapa. Mesmo no pior cenário possível, o deputado não cogita ser candidato à reeleição. Segundo sua assessoria, ele busca “novos desafios” dentro da política.

Situação parecida- Situação parecida à de Rosane Ferreira (PV), em seu primeiro mandato na Câmara. A deputada quer ser candidata ao governo do estado, mas, “por princípio”, não disputará a reeleição. “Não é justo. Quem está dentro, com a máquina na mão, tem muita vantagem. É muito desigual para quem está fora”, diz. Ela pode, também, ser candidata a vice-governadora na chapa de Roberto Requião (PMDB).

Rubens Bueno- Já Rubens Bueno (PPS) pode ser candidato a governador. Entretanto, caso não o seja, pretende disputar a reeleição. O PPS deve definir o que fará nas eleições apenas no dia 30.

Impedidos - Dois deputados, por motivos legais, já estão fora das eleições de 2012. André Vargas (sem partido), alvo de um processo no Conselho de Ética da Câmara, deixou o PT em abril. Para disputar as eleições, teria que estar filiado a uma legenda ininterruptamente desde 5 de outubro do ano passado. Já Cezar Silvestri (PPS) exerce cargo de secretário-chefe da Casa Civil no governo do estado. O prazo de desincompatibilização já passou, em abril. Ele havia anunciado que não pretendia disputar as eleições. Completam a lista Ratinho Jr. (PSC) e Cida Borghetti (Pros), que disputarão as eleições para deputado estadual, e Moacir Micheletto (PMDB), que faleceu em 2012, vítima de um acidente de carro.

Ratinho Jr. e Cida miram a Assembleia - Para a maioria dos políticos brasileiros, o caminho natural é ser eleito vereador, deputado estadual e, após conseguir uma base política sólida, tentar a sorte em Brasília. Entretanto, para dois deputados federais paranaenses, o caminho será inverso. Por motivos políticos e familiares, Ratinho Jr. (PSC) e Cida Borghetti (Pros) querem voltar à Assembleia Legislativa. Já Valdir Rossoni (PSDB), Ênio Verri (PT), Toninho Wandscheer (PT) e Osmar Bertoldi (DEM) pretendem deixar Curitiba e exercer mandato em Brasília em 2015.

Passo para trás- Para Ratinho, o retorno à Assembleia é um passo para trás visando dois passos para frente. Recordista de votos para deputado federal em 2010, ele pretende usar seu alto capital eleitoral para aumentar a bancada estadual do PSC – que hoje conta apenas com dois deputados. Ele não esconde querer ser governador do Paraná, e acredita que terá mais chances ficando em Curitiba, próximo ao eleitor, com uma bancada estadual forte. Além disso, ele alega que, em Curitiba, poderá passar mais tempo com sua família.

Disputa - Já Cida deve retornar para a Assembleia porque seu marido, Ricardo Barros (PP), disputará uma vaga na Câmara Federal. Ele foi deputado até 2010, quando deixou a Câmara para tentar se eleger senador. Além de Cida, a filha do casal, Maria Vitória, também será candidata a deputada estadual, pelo PP.

Voos mais altos - Já Rossoni, Verri, Wands­cheer e Bertoldi devem seguir o caminho mais tradicional e buscar uma cadeira na Câmara Federal. Rossoni diz que não poderia ficar na Assembleia depois de exercer a presidência por uma legislatura inteira. “Se eu permanecer, terei que ser candidato a presidente novamente, e isso não é bom para a Casa”, diz. Ele diz que nem sequer cogita voltar para a Assembleia em 2015.

Estratégia - Verri diz que sua candidatura é parte da estratégia do PT de aumentar sua bancada federal. Ele diz, ainda, que pode contribuir mais para o estado trabalhando em Brasília do que ficando na Assembleia.

Momento propício- Ex-prefeito de Fazenda Rio Grande, Wandscheer avalia que o momento é propício para candidaturas da Região Metropolitana de Curitiba. Alguns nomes fortes na região, como Ratinho, Rosane Ferreira (PV) e Luiz Carlos Setim (DEM) não disputarão as eleições. A reportagem tentou entrar em contato com Osmar Bertoldi (DEM), mas não teve sucesso.

Pré-candidatos - Três vereadores de Curitiba também estão de olho em uma cadeira na Câmara Federal. Paulo Salamuni (PV), presidente da Câmara, Cristiano Santos (PV) e Felipe Braga Côrtes (PSDB) são pré-candidatos a deputado a federal. Ao contrário dos deputados estaduais, não há o risco de eles perderem o mandato caso percam a eleição.

Votos - Ainda assim, o número de votos exigido e, por consequência, o altíssimo custo das campanhas – em média, cada deputado federal eleito em 2010 gastou R$ 946 mil nas eleições – pode dificultar a vida dos parlamentares municipais.

Candidatos de Curitiba- Para Braga Côrtes, ainda assim, o momento é propício para candidatos de Curitiba. Ratinho Jr. (PSC) e Dr. Rosinha (PT), que juntos fizeram mais de 130 mil votos no município, não estarão disputando as eleições – assim como o atual prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), que foi o deputado federal mais votado na cidade em 2006. Com isso, pode haver um vácuo de representatividade em Brasília, mas também há uma boa oportunidade para candidatos novos. Além dos quatro, outros 12 verea­dores poderão ser candidatos a deputado esta­dual. (Gazeta do Povo)

 

INFRAESTRUTURA: Finalizado projeto do novo setor leste do Porto de Paranaguá

infraestrutura 25 06 2014Está concluído o projeto arquitetônico do novo complexo de turismo e convivência do Porto de Paranaguá. A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) disponibiliza nesta quarta-feira (25/06) o edital de chamamento público, para que se manifestem os interessados em apresentar todos os estudos de viabilidade do novo empreendimento. Este será desenvolvido em parceria do Governo do Estado com a iniciativa privada.

Melhorias - “Estamos empenhados em melhorar a estrutura de atendimento aos turistas que chegam pelo Porto de Paranaguá e também oferecer a Paranaguá uma área de convivência para proveito de toda a população. Com esse novo complexo náutico, seguimos uma das propostas do Governo do Estado que é de ampliar a capacidade de investimentos na área do turismo, na região”, afirma o superintendente da Appa, Luiz Henrique Dividino.

Projeto – Como já trazia o projeto conceitual, além de um terminal de passageiros e centro de convivência, o complexo traz novos centros Administrativo e Operacional. Ao todo, no setor leste do Porto de Paranaguá são previstas 24 novas áreas, entre essas o novo Centro Administrativo da Appa, dois prédios operacionais, dois outros prédios administrativos de oito andares (que poderão abrigar empresas de todo o complexo portuário), uma marina, um terminal de passageiros, heliporto, hotel, restaurante, estacionamento e, ainda área de lazer com pista de caminhada e ciclovia.

Realização - Tanto o projeto conceitual, apresentado em março, quanto o arquitetônico – finalizado agora – foram realizados pela empresa Geplarq Arquitetura S/S, de Curitiba, ganhadora da licitação, realizada em setembro de 2013. O investimento é de R$150 mil.

Trâmite - Sob o número 001/2014, o Edital de Chamamento Público ficará disponível no site da Appa. Os interessados devem se manifestar e, a partir daí, o processo segue com a apresentação do projeto elaborado, em audiência pública. Na sequência, são estabelecidos os prazos para as apresentações das propostas. Essa manifestação deve ser formal, demonstrando interesse em desenvolver estudos para ampliação, modernização, convivência e infraestrutura náutica na área delimitada para o novo complexo portuário. Estes deverão observar diretrizes contidas no edital.

Audiência pública- Em princípio, a audiência pública está marcada para o dia 28 de julho. A partir da data, os requerimentos poderão ser entregues até o dia 15 de agosto. Os projetos deverão estar protocolados até o dia 20 de novembro. (Agência de Notícias do Paraná)

 

EDUCAÇÃO: Entidades pedem dois vetos no PNE

Entidades que atuam no setor educacional reivindicam o veto de dois trechos do Plano Nacional de Educação (PNE). Em carta à presidenta Dilma Rousseff, pedem que seja excluída do PNE a destinação de parte dos 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para programas desenvolvidos em parceria com instituições privadas e a bonificação às escolas que melhorarem o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

Sanção - O PNE tem prazo até esta quarta-feira (25/06) para ser sancionado pela presidenta Dilma Rousseff. O plano estabelece 20 metas para serem cumpridas ao longo dos próximos dez anos. As metas vão desde a educação infantil até o ensino superior, passam pela gestão e pelo financiamento do setor, assim como pela formação dos profissionais. Entre as metas está a destinação anual de no mínimo 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação, no prazo de uma década. Atualmente são investidos 6,4%.

Pleito - As entidades pedem o veto ao Parágrafo 4º do Artigo 5º, que inclui na conta dos 10% programas como o Universidade para Todos (ProUni) e o Ciência sem Fronteiras, o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). As entidades defendem que o investimento seja feito em escolas e universidades públicas. Pelas contas apresentadas na Câmara dos Deputados durante a tramitação do PNE, esses programas equivalem a 0,5% do PIB. A estimativa é que em dez anos alcancem 2% em financiamentos e isenções.

Retirada - Também pedem a retirada da estratégia 7.36, incluída pelo Senado Federal, que estabelece políticas de estímulo às escolas que melhorarem o desempenho no Ideb, "de modo a valorizar o mérito do corpo docente, da direção e da comunidade escolar", como consta no texto encaminhado para sanção.

Agravamento - Segundo a carta à Presidência, "tal medida tende a agravar a situação dos estudantes que necessitam de mais investimentos do Estado, bem como dos profissionais que serão alvo de políticas de bonificação, contrariando a perspectiva de valorização dos planos de carreira com base no piso salarial nacional".

Medida ruim- A secretária-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Marta Vanelli, diz que essa medida é "muito ruim para qualquer processo educacional". "Tem que ter boas condições no processo ensino-aprendizado em todas as escolas, seja as de centros urbanos ou áreas agrícolas. Quando há condições iguais para todas as escolas, não precisa de ranqueamento, o que se tem que perseguir cada vez mais é a qualidade", lembra.

Campanha - A campanha "Veta, Dilma!" é coordenada pela CNTE e apoiada por entidades como a Ação Educativa, a Campanha Nacional pelo Direito à Educação e a Central Única dos Trabalhadores. (Agência Brasil)

CAGED: Paraná tem o melhor desempenho na criação de empregos da Região Sul

caged 25 06 2014O Paraná foi o sexto Estado do país e o primeiro da Região Sul na criação de empregos no mês de maio. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, divulgados nesta terça-feira (24/06), foram criados no Estado 6.840 empregos, um aumento de 0,25% em relação ao estoque de assalariados com carteira assinada do mês de abril.

Sexto lugar- O número coloca o Paraná em sexto lugar entre os estados que mais abriram empregos formais no mês e o primeiro da Região Sul, à frente de Santa Catarina com saldo negativo de empregos (-1) e Rio Grande do Sul (-4.126). Os estados de Minas Gerais, com saldo positivo de (22.925), São Paulo (3.201), e Rio de Janeiro (8.920) lideram a lista de empregos gerados no País.

Dinamismo - Segundo o secretário estadual do Trabalho, Emprego e Economia Solidária, Amin Hannouche, a economia paranaense vem mostrando dinamismo. Disse que os dados do Caged revelam a criação de quase 7 mil empregos no mês de maio, resultado incomparável com Santa Catarina e Rio Grande do Sul que tiveram desempenho negativo na geração de novos postos de trabalho. “Em três anos e cinco meses, o governo Beto Richa já criou (368.884) empregos no Estado, graças à política de atração de investimentos, e à valorização e diálogo com empresários e trabalhadores”, analisou.

Municípios - Ainda de acordo com o Caged, os municípios com mais de 30 mil habitantes que mais criaram empregos no Paraná foram Curitiba (2.183), Maringá (581), Cascavel (513) Foz do Iguaçu (286), Pato Branco (285) e Francisco Beltrão (214).

Serviços - O setor de Serviços foi o que mais contratou, registrando um saldo de 4.200 postos de trabalho. Em seguida, aparece a Construção Civil (3.389 empregos), Comércio (315postos) e a Agropecuária (154 postos).

Brasil – No mês de maio foram criados 58.836 postos de trabalho celetistas no país, representando o crescimento de 0,14% em relação ao estoque do mês anterior. Na série ajustada, que incorpora as informações declaradas fora do prazo, no acumulado do ano os dados mostram um acréscimo de e 543.231 empregos (+1,34%). Ainda na série com ajustes, nos últimos 12 meses verificou-se a criação de 867.423 postos de trabalho, correspondendo ao crescimento de 2,15% no contingente de empregados celetistas do país.

Principais setores- Os principais setores responsáveis pelo desempenho positivo no mês foram: Agropecuária (44.105 postos), Serviços (38.814) e Construção Civil (2.692). (Agência de Notícias do Paraná)

 


Versão para impressão


Assessoria de Imprensa do Sistema Ocepar - Tel: (41) 3200-1150 / e-mail: imprensa@ocepar.org.br