Imprimir
Sistema Ocepar - Paraná Cooperativo - Informe Diário

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 2878 | 29 de Junho de 2012

ANÁLISE OCEPAR: Entidade divulga estudo sobre Plano Safra 2012/2013

29062012-IMG 1000A Ocepar fez uma análise dos principais pontos que constam no Plano Agrícola e Pecuário (PAP) da safra 2012/13 anunciado nesta quinta-feira (28/06) pelo governo federal. A entidade também apresenta no documento as medidas consideradas positivas, como a redução das taxas de juros de crédito rural; o aumento da cobertura do Proagro de R$ 150 mil para R$ 300 mil por safra; a elevação do montante de recursos de R$ 2 bilhões para R$ 3 bilhões para o Procap Agro e a mudança do limite de financiamento do Procap Agro Giro de R$ 25 milhões para R$ 40 milhões por cooperativa singular. Também, o aumento do limite de financiamento do Prodecoop de R$ 60 para R$ 100 milhões por cooperativa singular, além da alteração do limite de financiamento de custeio por produtor de R$ 650 mil para R$ 800 mil por safra.

Pontos que merecem adequação – Por outro lado, a entidade considera que são necessários ainda algumas adequuações no PAP 2012/13, como o reajuste nos preços mínimos que não foram alterados, embora os custos de produção tenham aumentado ao longo do ano. Há ainda preocupação com a baixa disponibilidade de recursos para subvenção do seguro rural e a não implementação do Fundo de Catástrofe. Para a Ocepar, a taxa de juros de 9% ao ano do Procap Agro na modalidade Giro ficou muito elevada.

 

Clique aqui e acesse a íntegra da análise da Ocepar sobre o PAP 2012/13

 

ANO INTERNACIONAL: Cooperativismo será celebrado no Congresso Nacional

Para comemorar o Dia Internacional do Cooperativismo - mundialmente celebrado no primeiro sábado do mês de julho - o Congresso Nacional convocou uma sessão solene, que será realizada no dia 6 de julho. As Casas Legislativas serão sede, ainda, de uma exposição durante 15 dias, alusiva é declaração da ONU de 2012 como Ano Internacional das Cooperativas. “O cooperativismo é um movimento com uma força transformadora muito grande junto à sociedade. Nada melhor do que comemorar o dia dedicado internacionalmente a ele no local onde essas transformações nascem, crescem e ganham representação”, afirma o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas.

Exposição - A sessão solene acontece no dia 6 a partir das 14h, no Plenário do Senado, e será aberta ao público. No dia 4 de julho, uma rápida cerimônia de abertura marcará o início da exposição “Cooperativas constroem um mundo melhor”, que será realizada no espaço Mário Covas, da Câmara dos Deputados. “No local, a comunidade terá acesso a informações dos mais variados tipos, como o surgimento do cooperativismo, sua representatividade no mercado nacional e internacional, além de histórias de sucesso de cooperativas de todo o país, publicadas diariamente na internet”, destaca a gerente de Relações Institucionais da OCB, Tânia Zanella.

Outras ações – Para comemorar a decisão da ONU de destacar 2012 como Ano Internacional das Cooperativas, o Sistema OCB mantém no ar, desde o dia 1º de janeiro, um hotsite especial sobre o tema. Nele, são publicadas diariamente histórias de diversas cooperativas brasileiras, contando um pouco sobre suas origens, caminhadas e diferenciais. Mensalmente, essas histórias são compiladas em uma revista eletrônica, chamada “Histórias da Cooperação”, que é enviada a todo o país. (Informe OCB)

Convite Exposicao

SESCOOP/PR: Conselho Fiscal realiza reunião bimestral

O Conselho Fiscal do Sescoop/PR realizou, na manhã desta sexta-feira (29/06), na sede do Sistema Ocepar, em Curitiba, a reunião bimestral para avaliação e acompanhamento das atividades do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo. Os conselheiros analisaram o balancete, a reformulação orçamentária, resoluções, portarias e relatórios de auditoria interna e atividades. Fazem parte do Conselho Fiscal os cooperativistas Luiz Humberto de Souza Daniel (Uniodonto), Edvino Schadeck (Cerpa) e Amilton Pires Ribas (Castrolanda). Também participaram da reunião bimestral o auditor interno do Sescoop/PR, Tadeu Duda, e o coordenador administrativo e financeiro José Ronkoski. 

{vsig}noticias/2012/junho//29/sescoop_pr/{/vsig}

AÇÃO COOPERATIVA I: Cocari e Sicredi Agroempresarial PR promovem atividades variadas

A ação conjunta do Programa Cooperjovem, realizado pelo Sescoop/PR e pela Cocari, e do Programa A União Faz a Vida, coordenado pelo Sicredi, ambos em parceria com a Secretaria Municipal de Educação de Mandaguari, teve início nesta quarta-feira (27/06), com o plantio de mudas no Parque Nossa Senhora Aparecida e se estendeu pela manhã da quinta-feira (28/06), com a passeata cooperativa, envolvendo alunos e professores das escolas Dr. Ary da Cunha Pereira, Walter Antunes Pereira, Francisco Romagnole Junior, Yolanda Cercal da Silva e Angelina Teixeira Pinheiro, da rede municipal.

Apresentações - A passeata foi encerrada com apresentações musicais e declamação de poesia pelos alunos, abordando os temas cooperação, cidadania, solidariedade, igualdade, preservação do meio ambiente e qualidade de vida.

Formando cidadãos - A secretária de Educação de Mandaguari, Tatiana Lemes de Araújo Batista, disse que os programas Cooperjovem e A União Faz a Vida têm ajudado bastante a educação do município e que toda parceria nesse sentido é válida. “Essa iniciativa das cooperativas está auxiliando bastante na valorização do ser, no resgate de valores e isso tem vindo ao encontro das necessidades que a escola tem de resgatar e de formar melhor as crianças, os cidadãos, para que venham a atuar de maneira eficaz na sociedade”, salientou a secretária, enfatizando que a parceria com as cooperativas fortalece os conteúdos que as escolas já trabalham no dia a dia com os alunos e contribui para melhorar o desempenho escolar.

União - Cássio Roberto Vinholi Sespede, gerente da regional Mandaguari, representou a Cocari nos dois dias de evento. Segundo ele, temas como meio ambiente e sustentabilidade são preocupações das cooperativas. “A Cocari já vem trabalhando há vários anos com as crianças, levando o cooperativismo para as escolas. Na nossa regional Mandaguari, trabalhamos em Mandaguari, Jandaia do Sul e Apucarana com algumas escolas no intuito de fazer com que as crianças entendam que a união é muito importante para conseguirmos as coisas. Aquela frase que a gente sempre coloca ‘Nenhum de nós é tão forte quanto todos nós juntos’ é uma realidade hoje, porque no mundo globalizado precisamos estar unidos um com o outro, para realmente sermos competitivos”, ressaltou.

Entendimento - Na avaliação dele, as crianças já estão conseguindo enxergar isso. “Elas estão começando a entender que as pessoas precisam estar unidas para tentar conseguir um bem comum. Teve criança que já montou cooperativa dentro da escola. Isso é muito importante”, destacou. “E a Cocari nunca ficou de fora disso, nunca ficou ausente. Sempre nos preocupamos em levar os conceitos de cooperativismo para as escolas, para que eles realmente saibam o que significa uma cooperativa”.

Participação - O município de Kaloré também participou da ação conjunta, realizando plantio de árvores e abraço na escola. Em Apucarana, foi realizada uma campanha do agasalho em todas as escolas do município.

Ação Conjunta - A ação faz parte do evento promovido pelo Sescoop/PR e Sicredi, abrangendo 53 municípios, sendo realizado em comemoração ao Ano Internacional das Cooperativas, declarado pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Cooperjovem - O Cooperjovem é destinado a estudantes do ensino fundamental e é executado pelo Sescoop/PR em parceria com cooperativas e as secretarias municipais. Atualmente, abrange 10 mil alunos, 564 professores, 131 escolas, 41 municípios, com participação de 12 cooperativas. Na área de ação da Cocari, o Programa Cooperjovem envolve quatro municípios, sendo: Mandaguari, Kaloré, Jandaia do Sul e Apucarana, representando 19 escolas, 32 professores e 793 alunos de 33 turmas. (Imprensa Cocari)

{vsig}noticias/2012/junho/29/acao_cooperativa_I/{/vsig}

 

AÇÃO COOPERATIVA II: C.Vale e Sicredi Vale do Piquiri mobilizam alunos e professores

A C.Vale e a Sicredi Vale do Piquiri, por meio dos programas sociais Cooperjovem (Sescoop) e A União Faz a Vida (Sicredi), estão promovendo esta semana as atividades do “Ação Cooperativa”. De acordo com a assessora de cooperativismo da C.Vale, Mirna Klein Fúrio, a programação contempla a apresentação de 29 mini-palestras interativas sobre cooperação, para alunos das escolas que participam do programa Cooperjovem.

Envolvimentos - Ao todo, estão envolvidos mais de 1.700 estudantes e 85 professores de 52 escolas. As atividades são desenvolvidas nos municípios de Palotina, Assis Chateaubriand, Maripá, Alto Piquiri, Terra Roxa, Nova Santa Rosa (distrito de Alto Santa Fé e Planalto), Francisco Alves e Brasilândia do Sul. Os encontros contam com a presença de funcionários da C.Vale e da Sicredi, professores, secretários de educação e integrantes dos núcleos juvenil e feminino.

Mascotes - Outro atrativo para a criançada é presença dos mascotes dos programas (Pinho, Pinha, Nina, Jujú, Cazú, Lucas, Abelhinha, Poupedi e João Catavento), que se dividiram nas apresentações. “Esta ação visa difundir os benefícios do cooperativismo e a cultura da cooperação e, ainda, celebrar o Ano Internacional das Cooperativas, instituído pela Organização das Nações Unidas, divulgando porque as cooperativas constroem um mundo melhor”, destaca Mirna Klein Fúrio. Até julho diversas atividades serão promovidas em 52 munícipios paranaenses. A ideia é mobilizar ao todo 35.200 estudantes do Paraná. (Imprensa C.Vale)

{vsig}noticias/2012/junho/29/acao_cooperativa_II/{/vsig}

 

AÇÃO COOPERATIVA III: Evento ecológico é realizado com apoio da Batavo

Na manhã dos dias 25, 26 e 27 de junho, cerca de 200 alunos inseridos no Programa Cooperjovem participaram de um evento ecológico, na sede do Iapar, em Ponta Grossa. O evento fez parte da Ação Cooperativa, uma iniciativa conjunta de dois dos maiores programas de educação cooperativa do estado do Paraná - o Cooperjovem, do Sescoop/PR (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo) e o A União Faz a Vida, do Sistema de Cooperativas de Crédito Sicredi. O objetivo foi difundir o cooperativismo e a cultura da cooperação, além de celebrar o Ano Internacional das Cooperativas, instituído pela Organização das Nações Unidas – ONU. Além de praticarem uma ação coletiva para o plantio de mudas nativas, os alunos percorreram uma trilha ecológica dentro da fazenda modelo do Iapar, tendo o contato com flora e fauna local.

Conscientização - No início do evento, os alunos participaram de uma palestra sobre o uso consciente da água. Como recurso escasso, o instituto apresentou o quanto se consome de água para a produção de cada alimento, e os impactos de nossas ações inconscientes do dia a dia, como lavar a calçada, deixar a torneira aberta se necessidade, etc.

Plantio de árvores - Outra importante atividade realizada com os alunos foi o plantio de mudas nativas dentro do parque ecológico do Iapar. “Temos cerca de 300 espécies de árvores nativas nesta unidade do Iapar. Estas mudas plantadas pelos alunos contribuirão para aumentar este patrimônio, e também educá-las a respeitar a natureza, através deste plantio de uma variedade de árvore clímax, que dura mais de 400 anos”, comentou José Alfredo Baptista dos Santos, da Área de Difusão de Tecnologia do Iapar.

Trilha Ecológica - Após o plantio das mudas, os alunos se dividiram em turmas para uma trilha ecológica na floresta da fazenda modelo. No passeio, as crianças aprenderam como a natureza se mantém pela vida conjunta entre animais e espécies de plantas, num ecossistema que se completa. A ação cooperativa também teve o apoio da indústria Frísia, proporcionando a nova geração a adotar atitudes favoráveis ao meio ambiente e para uma sociedade mais consciente de seus atos. (Imprensa Batavo)

{vsig}noticias/2012/junho/29/acao_cooperativa_III?{/vsig}

 

 

COPACOL: Evento apresenta as novas tendências para o milho safrinha

 MG 5193Os produtores associados à Copacol tiveram a oportunidade de participar no início desta semana, na terça e quarta-feira, respectivamente dias 26 e 27 de junho, do 4º Tecnosafrinha, realizado na linha São José, próxima à Estação Experimental, em Cafelândia.

Público - Durante os dois dias, o evento reuniu mais de 500 produtores que, além de presenciar in loco os diversos híbridos apresentados pelas empresas parcerias da cooperativa, bem como o potencial produtivo de cada hibrido de milho apresentado, principalmente para a safrinha (2ª safra).

Manejo de pragas e doenças - O Tencosafrinha, organizado pelo Departamento Técnico da Copacol, abordou também palestras voltadas para o manejo de pragas e doenças. O controle de doenças do milho foi um dos assuntos abordados pelos técnicos da Cooperativa, mas além desse, no evento foi discutido também o controle de pragas e raízes através de novas biotecnologias, época de semeadura do milho segunda safra e as estratégias da Copacol para o manejo de percevejos.

Municípios - No primeiro dia, o evento reuniu os associados de Jesuítas, Carajá, Iracema do Oeste, Nova Aurora e Palmitópolis. Já no segundo dia contou com a participação dos produtores de  Cafelândia, Central Santa Cruz, Formosa do Oeste, Jotaesse, Universo  e Goioerê.

Expectativa superada - De acordo com o engenheiro agrônomo, Jociamar Bortoluzzi, supervisor do Departamento Técnico da Cooperativa em Cafelândia, o evento superou a expectativa no que se refere à busca de informação por parte dos produtores. “O evento serviu para mostrar aos associados o que surgirá no mercado de milho safrinha nos próximos anos”, disse Jocimar. (Imprensa Copacol)

 MG 5154

COCAMAR: Diretoria inicia reuniões com cooperados na próxima semana

Um balanço do primeiro semestre e uma abordagem sobre as perspectivas para a segunda metade do ano. Esta é a pauta básica das reuniões com os cooperados que a diretoria da Cocamar começa a realizar na próxima terça-feira (03/06) em 41 municípios da região da cooperativa - que compreende parte do norte e do noroeste do Paraná. Os eventos nas unidades vão até o dia 10, com o último deles reunindo, dia 11, o quadro de colaboradores em Maringá.

Programação - Na terça-feira, a programação começa também por Maringá e, no dia seguinte (4), às 8 horas, as primeiras unidades serão Ivatuba, Nova Esperança e Paraíso do Norte. As últimas, no dia 10, às 16 horas, em Sabáudia, Congoinhas e Sertanópolis.

Rodadas - A diretoria promove duas rodadas de reuniões por ano: a primeira em janeiro, antecedendo a Assembleia Geral Ordinária de prestação de contas do exercício anterior, e a segunda no início do semestre seguinte, como acontece agora. Além de levar informações atualizadas sobre o desempenho da cooperativa aos cooperados, as reuniões propiciam a oportunidade para que estes conversem diretamente com os diretores, esclarecendo eventuais dúvidas. “A ida aos municípios é uma forma de proporcionar transparência ao trabalho realizado pela cooperativa e fortalecer cada vez mais o relacionamento”, afirma o vice-presidente José Fernandes Jardim Júnior.

Unidades - Com 10,8 mil associados, a Cocamar possui unidades de negócios em 54 municípios. (Imprensa Cocamar)

COOPAGRÍCOLA: Festa em comemoração aos 50 anos reúne 900 pessoas

IMG 6831A Coopagícola realizou, no último dia 23 de junho, a “Festa da Família Coopagrícola”, evento em comemoração aos seus 50 anos de fundação. Cerca de 900 pessoas lotaram a Associação do Banco do Brasil, em Ponta Grossa, entre cooperados, colaboradores e familiares, que participaram de atividades esportivas e recreativas para todas as idades. À tarde foi realizado um grande show e baile foi realizado com DJ Shrek e Banda Carlos Jr. (Imprensa Coopagrícola)

UNIODONTO CURITIBA: Cooperados comemoram aniversário com jantar e aula sobre vinhos

Uma atividade especial marcou a comemoração dos cooperados da Uniodonto Curitiba que fizeram aniversário nos meses de abril, maio e junho. No dia 27 todos participaram de um jantar no restaurante Armazém Italiano, no Batel, que contou com uma aula sobre vinhos, ministrada pelo sommelier Fábio Carnielli. Os cooperados, que compareceram em grande número, foram recebidos pelo presidente da Uniodonto Curitiba, Luiz Humberto de Souza Daniel, pelo vice-presidente, Paulo Henrique Cariani, e pelo diretor clínico, Eduardo Carrilho.

Convite - Na abertura da aula sobre vinhos Luiz aproveitou a ocasião e convidou os cooperados para o IV Workshop, tradicional evento promovido pela Uniodonto, que será realizado em setembro e tem como principal objetivo o aperfeiçoamento profissional dos participantes.

Enogastronomia – Na aula sobre vinhos, o sommelier Fábio Carnielli, que é consultor do Armazém Italiano, destacou que a bebida foi a primeira com teor alcoólico da história da humanidade. “Costumo dizer que o vinho não foi inventado pelo homem, mas foi descoberto por ele”.

Dicas - Carnielli deu dicas de como harmonizar vinhos com alguns pratos. Uma das mais simples foi desmistificar que vinho branco se bebe com carne branca e vinho tinto com carne vermelha. Segundo ele essa correlação nem sempre é a mais correta e o melhor é escolher um vinho leve para uma comida leve e um vinho mais encorpado para uma comida mais pesada.

Consumo - Segundo ele o brasileiro tem consumido mais vinho. “É possível tomarmos bons vinhos com preços mais em conta, na casa dos R$ 30,00”, disse, observando que isso tem popularizado a bebida. Mas faz uma ressalva: “vinhos mais baratos, que necessariamente não significam vinhos ruins, devem ser tomados jovens, com no máximo três anos de produção. Vinhos mais caros, sofisticados, podem ser mais envelhecidos”, afirma.

Sorteio - Ao final da aula houve o sorteio de um kit odontológico, ofertado pela Dental Uni. A ganhadora foi a Márcia Marques da Silva que, inclusive, estava de aniversário nesse dia. O próximo evento comemorativo irá reunir os cooperados que fizerem aniversário nos meses de julho, agosto e setembro. (Imprensa Uniodonto)

{vsig}noticias/2012/junho/29/uniodonto_curitiba/{/vsig}

 

 

PAP 2012/13 I: Sicredi projeta R$ 6,2 bilhões em crédito rural

162394 248290  mg 3524 1O sistema de cooperativas de crédito Sicredi projeta a liberação de R$, 6,2 bilhões com o Plano Agrícola e Pecuário (PAP) - Safra 2012/2013 para a sua plataforma nacional de associados, que compreende dez Estados brasileiros. Para o Paraná está prevista a destinação de R$ 1,6 bilhão, de acordo com anúncio oficial feito nesta quarta-feira (27/06), em Curitiba (PR). Da fatia paranaense, R$ 462 milhões devem ser disponibilizados ainda nos meses de julho e agosto.

Aumento - O valor previsto para o Paraná representa um aumento de 32% em comparação ao período anterior, e será direcionado para o uso dos associados no custeio, investimento e comercialização nas linhas de crédito disponíveis. Do montante paranaense, cerca de R$ 340 milhões estão reservados para o Pronamp (Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural) e R$ 376 milhões ao Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura familiar). A maior parte, R$ 884 milhões, será direcionada aos demais produtores rurais.

Crescimento sustentável - De acordo com o presidente da Central Sicredi PR/SP e Sicredi Participações S.A., Manfred Alfonso Dasenbrock, a evolução nos valores de oferta de crédito rural aos associados está diretamente ligada ao crescimento da economia brasileira e, principalmente, à atuação estratégica de cada cooperativa na sua área de atendimento.

Otimização - "O Plano Safra é, também, uma estratégia para otimizar todos os recursos e meios para atender a necessidade do associado. Ao oferecermos meios para que o produtor rural continue a investir em tecnologia e estrutura, ele se torna mais um agente responsável pelo crescimento do País", diz. Dasenbrock comemora as ações assertivas do Sicredi na viabilização do crédito rural no período 2011/2012, que, além do crescimento sustentável do Sistema, também contribuiu com o aumento do quadro social.

Expectativa de liberação no Paraná:

Demais produtores - R$ 884 milhões

Pronamp - R$ 340 milhões

Pronaf - R$ 376 milhões

Total - R$ 1,6 bilhão

Previsão para liberação no Paraná em julho e agosto:

Demais produtores - R$ 290 milhões

Pronamp - R$ 82 milhões

Pronaf - R$ 90 milhões

Total - R$ 462 milhões

Sobre o Sicredi - O Sicredi é um sistema composto por 113 cooperativas de crédito, integradas horizontal e verticalmente. A integração horizontal representa a rede de unidades de atendimento (1.182 unidades de atendimento), distribuídas em 10 Estados (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Tocantins, Pará, Rondônia e Goiás) - 905 municípios. No processo de integração vertical, as cooperativas estão organizadas em quatro Cooperativas Centrais, uma Confederação, uma Fundação e um Banco Cooperativo, que controla as empresas específicas que atuam na distribuição de seguros, administração de cartões e de consórcios. Mais informações no site sicredi.com.br. (Imprensa Sicredi)

PAP 2012/13 II: BC reduz alíquota adicional de compulsório para financiar safra

O Banco Central (BC) reduziu pela metade a alíquota adicional de recolhimento compulsório dos bancos sobre depósitos à vista. A redução vai liberar R$ 14,8 bilhões para financiamento da safra agrícola 2012/2013. Circular 3.603 publicada na edição desta sexta-feira (29/06) do Diário Oficial da União estabelece que, a partir de 1º de julho, serão recolhidos somente 6% e não mais 12% do valor desses depósitos. A alíquota normal, que era de 43%, não foi alterada.

Ajustes - Para assegurar que o dinheiro seja aplicado em crédito rural, o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou a resolução 4.097, fazendo ajustes no direcionamento de recursos à vista e da poupança rural (exigibilidades) para essas operações.

Reunião extraordinária - A redução da alíquota adicional do compulsório foi aprovada em reunião extraordinária da diretoria do BC, nesta quinta-feira (28/06), logo após o anúncio de recursos para a safra, que terá cerca de R$ 115 bilhões. E faz parte do pacote do governo para estimular a agricultura e a produção nacional de alimentos.

Encolhimento - A atividade econômica do agronegócio encolheu 8,5% no primeiro trimestre deste ano. Para o ano calendário de 2012, o BC prevê queda de 1,5%, o que indica alguma recuperação até dezembro. Para tanto, o setor conta com o efeito das medidas do governo. (Valor Econômico)

PAP 2012/13 III: Governo engorda crédito rural em R$ 10 bilhões

Depois do tombo sofrido pela agropecuária brasileira no último verão, que freou o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) do país, o governo federal decidiu ampliar os recursos destinados ao financiamento da safra 2012/13, que começará oficialmente na próxima segunda-feira (02/07).

Recursos - Em cerimônia realizada nesta quinta-feira (28/06) no Palácio do Planalto, em Brasília, a presidente Dilma Rousseff confirmou a cifra de R$ 115,2 bilhões em crédito para custeio, comercialização e investimento da agricultura empresarial entre julho de 2012 e junho de 2013. Outros R$ 18 bilhões, direcionados aos agricultores familiares, serão anunciados na próxima semana. Recordes, os R$ 133 bilhões representam R$ 10 bilhões a mais em relação ao dinheiro ofertado no ciclo passado, quando o pacote somou R$ 123 bilhões.

Otimismo - O aumento de 8% nos recursos espalhou otimismo no campo, que agora terá amparo para alavancar a produção de grãos ao recorde de 170 milhões de toneladas, consideram especialistas e representantes do setor. “Com esse valor podemos aumentar a produção”, afirma Pedro Loyola, economista da Federação da Agricultura do Paraná (Faep). Ele lembra, porém, que “recurso não tem sido problema, mas sim o acesso a ele [ao dinheiro]”, diz, lembrando que nos últimos anos o valor aplicado pelo governo ficou abaixo do programado.

Melhoria- A reclamação referente à burocracia exigida pelas instituições financeiras, que estaria impedindo o acesso do agricultor ao dinheiro público, vem caindo, defende Manfred Dasenbrock, presidente do Sicredi, cooperativa de crédito que tem o maior número de operações realizadas no Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) no Brasil. “O fluxo dos recursos tem melhorado desde o ano passado e o produtor está mais consciente quanto ao que precisa ser feito para agilizar o processo de liberação do dinheiro”, diz.

Corte de juros - A notícia que mais agradou o setor produtivo foi a de corte na taxa anual de juros para contratação do financiamento, que caiu de 6,75% para 5,5%. Além disso, o governo aumentou o limite de crédito para custeio, de R$ 650 mil para R$ 800 mil por produtor, e para comercialização, de R$ 1,3 milhão para R$ 1,6 milhão. O Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), que deve beneficiar o Paraná em razão do perfil das propriedades do estado, teve aumento no volume de recursos para custeio, de R$ 6,2 bilhões para R$ 7,1 bilhões. O enquadramento de produtores, que antes era de R$ 700 mil, agora passa a ser R$ 800 mil, com limite de R$ 500 mil por CPF.

Sinalização - Para João Paulo Koslovski, presidente da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), os problemas ocorridos na última safra, em função do clima, “sinalizaram para o governo a necessidade de dar um suporte para o setor, que tem condições de responder rapidamente com renda, entre seis e oito meses”. O setor cooperativista paranaense comemora ainda a ampliação do Programa de Capitalização das Cooperativas Agropecuárias (Procap-Agro), que estimula a recuperação ou reestruturação patrimonial das empresas e ainda libera crédito, a juro de 5,5% ao ano, às cooperativas que tiveram sua produção castigada pelo clima. Os recursos destinados à linha subiram de R$ 2 bilhões para R$ 3 bilhões, com limite individual de até R$ 50 milhões. (Gazeta do Povo)

PAP 2012/13 IV: Limite de crédito do Prodecoop é fixado em R$ 100 milhões por cooperativa

Por meio da Resolução nº 4.100, o Banco Central fixou em R$ 100 milhões por cooperativa o limite de financiamento do Prodecoop (Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária). Em documento divulgado pelo Ministério da Agricultura sobre o Plano Agrícola e Pecuário 2012/13 constava como limite dessa linha de crédito o valor de R$ 75 milhões por cooperativa, que foi reajustado após negociação com representantes do setor produtivo, entre eles, a Ocepar. 

PAP 2012/13 V: Agricultura do PR aprova Plano Safra

O setor produtivo do agronegócio do Paraná avaliou como positivo o Plano Agrícola e Pecuário divulgado nesta quinta-feira (28/06) pela presidente Dilma Rousseff. Do total de R$ 115,2 bilhões, a Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar) estima que deve ser destinado para o Paraná cerca de 20% a 25%.

 Pleito - O presidente da Ocepar, João Paulo Koslovski, disse que o pedido da entidade junto com a Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep) e a Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (Seab) foi de R$ 128 bilhões, valor muito próximo do anunciado. Outra medida que ele considerou benéfica foi a redução da taxa anual de juros para o agricultor de 6,75% para 5,5%.

Segurança - ''A queda do PIB do agronegócio e a sensibilidade do governo federal em reconhecer a importância da agricultura para a economia brasileira foram fatores que ajudaram para o estabelecimento de uma política que consideramos boa e que vai contribuir para que os agricultores e as cooperativas possam produzir com segurança'', disse. No entanto, ele ressaltou que ''é importante que os instrumentos de apoio ao agricultor sejam implementados o mais breve possível e que os recursos anunciados sejam garantidos'', completou.

Proagro - Ele aprovou ainda o aumento do teto de cobertura do seguro oficial, o Proagro, que passou de R$ 150 mil para R$ 300 mil. ''Assim será possível abranger um número maior de produtores'', disse.

Procap-Agro - No Programa de Capitalização das Cooperativas Agropecuárias (Procap-Agro), Koslovski considerou bom o aumento do limite de financiamento de R$ 25 milhões para R$ 50 milhões por cooperativa, mas disse que os juros ainda ficaram muito altos com redução de apenas 0,5 ponto percentual, passando de 9,5% para 9% ao ano. Na modalidade capitalização do Procap-Agro, os juros caíram para 5,5% ao ano, o que, na opinião dele, foi bom.

Pronamp - Koslovski acredita que a redução dos encargos anunciada em outros programas como o Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor (Pronamp), que teve os juros ajustados de 6,5% para 5% ao ano, também contribuem para melhorar os investimentos no campo. No Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária (Prodecoop), os juros caíram para 5,5% e o limite de financiamento foi ampliado de R$ 60 milhões para R$ 75 milhões para as cooperativas singulares.

Subvenção - O volume destinado à subvenção do prêmio do seguro rural também não atendeu a demanda do setor que é de R$ 670 milhões, sendo alocado, no momento, apenas R$ 253 milhões, apesar de o governo ter assumido o compromisso de um total de R$ 400 milhões. Hoje, o governo paga, em média, 50% do prêmio do seguro, ou seja, do valor total que é pago pelo agricultor.

Preços mínimos e fundo de catástrofe- Outro problema apontado por ele, foi a falta de correção dos preços mínimos dos produtos agrícolas, o que prejudica o produtor. Além disso, ele questionou a não implementação do fundo de catástrofe, assunto muito discutido no Congresso Nacional e que poderia ajudar em momentos de quebra de safra.

Burocracia - Para o economista da Faep, Pedro Loyola, os recursos anunciados estão dentro do esperado. ''O problema é a qualidade do acesso aos recursos, o que ainda é muito burocrático'', disse. Ele afirmou que a redução da taxa de juros também atendeu as reivindicações do setor agrícola.

Seguro - Ele fez críticas ainda ao seguro rural que está longe do ideal, além dos recursos saírem atrasados. Segundo Loyola, hoje o seguro atende apenas 10% da área plantada do Brasil. O seguro agrícola privado, que atende mais médios e grandes produtores, conta com apenas 44 mil produtores no Brasil, sendo 19 mil no Paraná. ''Precisamos avançar muito no seguro agrícola'', disse. Hoje, o seguro da soja, por exemplo, é de 6,5% sobre a importância segurada. (Folha de Londrina)

PAP 2012/13 VI: Valor de subvenção ao seguro é considerado insuficiente

O ponto mais criticado pelo setor produtivo foi o seguro rural. Apesar o valor de subvenção ao mecanismo de proteção das lavouras ter aumentado 58% de 2011/12 para 2012/13, a cifra – R$ 400 milhões – seria insuficiente para atender à demanda os produtores rurais. Além disso, o Plano Agrícola e Pecuário (PAP) não garante que essa quantia será efetivamente liberada. “O governo tem R$ 174 milhões no caixa e promete mais R$ 100 milhões ainda para este ano”, explica Pedro Loyola, economista da Federação da Agricultura do Paraná (Faep). Segundo ele, para chegar ao montante anunciado ontem, outros R$ 126 milhões teriam de ser disponibilizados no início de 2013.

Aquém - “A gente pode solucionar no caminhar. Ano passado tivemos o mesmo problema e o governo na hora alocou os recursos”, avalia João Paulo Koslovski, presidente da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar). Ele ressalta, contudo, que mesmo chegando aos R$ 400 milhões, o valor de subvenção está aquém do pleiteado pelo setor, que foi de R$ 650 milhões.

Modelo - Outra reclamação do setor é que o modelo de seguro rural do Brasil cobre apenas a dívida do produto, mas não garante o retorno do investimento na lavoura. O Fundo de Catástrofe, aprovado no Congresso Nacional em 2010, ainda aguarda regulamentação do governo. O mecanismo é considerado fundamental para ampliar a contratação e eficiência do seguro rural. O fundo reduziria o risco das seguradoras em casos de perdas na produção agrícola, barateando o prêmio e facilitando o acesso dos produtores.

CNA - Atualmente, menos de 10% da área de produção do Brasil é segurada. Para a presidente da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA), senadora Kátia Abreu, o os R$ 400 milhões prometidos pelo governo seriam suficientes para elevar esse índice para 20% na safra 2012/13. Segundo ela, a meta é ter, em 2015, 50% da área de produção do país protegida. (Gazeta do Povo)

RIO+20: Cooperativismo avalia relatório final da Conferência da ONU

Terminada a conferência mundial da Organização das Nações Unidas (ONU) para o desenvolvimento sustentável – a Rio+20, o balanço que se faz é positivo e otimista para o cooperativismo mundial. É o que afirma o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, em avaliação ao documento final validado pelas lideranças mundiais durante o evento sediado no Rio de Janeiro (RJ), de 13 a 22 de junho. “Ficou claro que o cooperativismo está em foco, e de forma muito clara, no que se refere à produção sustentável de alimentos. É consenso a importância de investir no setor como forma de produzir preservando o meio ambiente”, pontua o dirigente.

Referência - Os chefes de Estado e Governo tiveram como referência as colocações apresentadas pelo Brasil no documento “Contribuição da agropecuária brasileira na construção de uma sociedade sem fome e sem miséria e de uma economia sustentável”, produzido pelo Ministério da Agricultura e Pecuária Brasileira (Mapa), com participação ativa do Sistema OCB. “A consequência foi o reconhecimento, no relatório final da conferência, da importante contribuição das cooperativas para a inclusão social e redução da pobreza, em particular nos países em expansão”, ressalta Freitas. Na opinião do presidente, a redação brasileira foi muito feliz ao afirmar que para viabilizar o desenvolvimento sustentável é necessário que os governos e os organismos internacionais reconheçam que a consolidação do cooperativismo contribui para a repartição equitativa dos resultados da atividade econômica, propiciando benefícios sociais.

Fomento do cooperativismo - A conclusão apresentada no documento brasileiro, de que “o fortalecimento da extensão rural e o incentivo ao cooperativismo são peças-chave no balizamento de uma sociedade mais justa, qualificada e integrada ao processo produtivo verde”, levou os líderes mundiais a firmarem o compromisso com o fomento ao cooperativismo em nível mundial. “A promessa de fortalecer a cooperação internacional, mediante o incremento do investimento público e privado na agricultura sustentável, investindo de forma especial na atuação das cooperativas, retorna para nós uma responsabilidade muito grande. O movimento cooperativista deve aproveitar esse momento, já reconhecido inclusive pela ONU ao declarar 2012 o Ano Internacional das Cooperativas, para alavancar a participação da sociedade e incrementar ainda mais as conquistas representativas obtidas ao longo das últimas décadas”, enfatiza Freitas.

Ações - Com esse objetivo, de divulgar a prática cooperativista, o Sistema OCB idealizou uma série de ações para o Ano 2012, além da participação na Rio+20, como a publicação mensal da revista eletrônica “Histórias da Cooperação”, que traz exemplos de como cooperativas de todo o país contribuem para a construção de um mundo melhor. (Informe OCB)

AGENDA PARLAMENTAR: Aprovação do PL 4.622 foi um dos destaques da semana no Congresso

Foi aprovado na quarta-feira (27/06), no Plenário da Câmara dos Deputados, o PL 4.622/2004, que regulamenta o cooperativismo de trabalho no Brasil, esclarecendo as relações entre as cooperativas, seus sócios e tomadores (contratantes das cooperativas), nos contratos de prestação de serviços, seja de forma  continuada ou eventual. A aprovação foi unânime entre os 324 deputados presentes à sessão extraordinária que teve o projeto como primeiro item da pauta. A proposição segue agora para sanção da presidente Dilma Rousseff.

Senado Federal - A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) esteve reunida na terça-feira (26/06) para tratar do PLS 271/2008, de autoria do senador Paulo Paim (RS) para alteração do Estatuto do Motorista Profissional. Após sanção da Lei nº 12.619/2012, o objetivo agora é lutar pelo aperfeiçoamento e regulamentação de pontos como a isonomia entre profissionais brasileiros, estrangeiros e autônomos; complementação das normas de viagens de longa distância e estabelecimento de normas específicas para transporte internacional de cargas. (Bloq OCB no Congresso)

Para acessar o Resultado da Agenda da Semana,clique aqui.

RAMO CRÉDITO: Cooperativas que atuam no setor buscam maior participação

Em 2011, o cooperativismo de crédito no País registrou um aumento de 25,8% com relação aos ativos contabilizados no ano anterior, 8,7% a mais que as outras instituições financeiras. Hoje, a participação do segmento no Sistema Financeiro Nacional (SFN) não chega a 2%. Dados divulgados pelo Banco Central (BC) sobre o SFN mostram que no total o valor movimentado no País passou de R$ 68,7 bilhões, em 2010, para R$ 86,5 bilhões, em 2011. No que depender das cooperativas, os números não devem parar de crescer e a meta é atingir a casa dos dois dígitos de participação no mercado nos próximos dez anos.

Paraná - No Paraná, a participação das cooperativas de crédito é mais significativa, ficando em torno de 7% do mercado. Especialistas ouvidos pela FOLHA afirmam que a meta de 10% é ousada, mas possível, sobretudo porque a maior participação motivaria a concorrência entre os agentes financeiros, resultando em diminuição dos níveis dos spreads bancários e das tarifas, ambos um dos mais altos em todo o mundo.

Agente mais participativo - Segundo Manfred Dasenbrock, coordenador do Conselho Consultivo do Ramo Crédito (Ceco) no Paraná e membro da diretoria do Sistema Ocepar, as cooperativas têm se firmado no sistema como um agente mais participativo, já que cada associado não é apenas um cliente, mas um ''usuário-dono''. ''Além disso, os recursos captados na comunidade na qual está inserida acabam sendo reaplicados ali mesmo'', lembra. Esses e outros fatores diferenciam as cooperativas das demais instituições financeiras, que se destacam como protagonistas no Plano Nacional de Inclusão Bancária do BC.

Arcabouço legal - Além disso, ele destaca que o avanço das normativas formaram um arcabouço legal no Brasil e deram credibilidade às cooperativas de crédito, impulsionando seu desenvolvimento. ''O BC começou a olhar com outros olhos, sobretudo após 2005, passando a orientar, supervisionar e auditar as cooperativas. Entenderam ainda que, pela concentração bancária existente no País - apenas dois bancos públicos e quatro privados fundidos - a única alternativa concorrencial eram as cooperativas, que, por sua vez poderiam trazer diferencial em termos de preços, serviços e tarifas.''

Novos postos de atendimento - Silvio Giusti, gerente de Relacionamento e Desenvolvimento do Cooperativismo de Crédito da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), revela que até o final deste ano as cooperativas devem atingir a marca de 5 mil novos postos de atendimento no País. ''Hoje, em cerca de 45% dos municípios têm cooperativas. Em 2010, havia 416 municípios brasileiros, onde as cooperativas eram as únicas instituições financeiras locais'', enumera. Isso, segundo ele, são números que refletem o bom momento das cooperativas no sistema financeiro.

Taxas mais competitivas - O crescimento do número de unidades motivado pelas taxas mais competitivas, de acordo com o gerente, é fortalecido pelo impacto social positivo que as cooperativas trazem à comunidade em que estão inseridas. ''Este fator reflete muito mais nas decisões, e os brasileiros, inclusive, já começaram a perceber o diferencial das cooperativas. É um mecanismo de reciclagem da riqueza local que é reinvestida localmente.'' Ao contrário dos bancos privados que vão atrás da maior rentabilidade, independentemente de onde tenham que aplicar aquele recurso.

Mercado concentrado - Se no Brasil as cooperativas estão no início de seu fortalecimento, Giusti diz que há países como a Alemanha em que as cooperativas de crédito, juntamente com bancos municipais, chegam a abranger 70% do mercado. ''Aqui é o contrário. Temos um mercado estritamente concentrado, no qual os cinco maiores bancos detêm quase 80% de toda movimentação. Sem falar que é uma das maiores taxas de juros mundiais'', comenta. (Folha de Londrina)

PESQUISA: Iapar lança duas novas variedades de aveia branca

O Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) lançará nesta sexta-feira (29/06) duas novas variedades de aveia branca: a forrageira IPR Esmeralda e a cultivar IPR Afrodite, primeira variedade granífera – destinada à produção de flocos, farinha e farelo – da espécie desenvolvida pela instituição.

Alimento funcional - A aveia integra o grupo dos alimentos funcionais. Seus grãos são ricos em proteínas e fibras necessárias à absorção de gorduras e toxinas do corpo humano. Além de fazer bem à saúde, a variedade IPR Afrodite tem uma vantagem fundamental para o produtor: a produtividade. Segundo o pesquisador Carlos Riede, enquanto a média de rendimento no Estado gira em torno 2.700 quilos por hectare, a nova cultivar chega a 4.800 quilos na mesma área.

Rotação de cultura - “A IPR Afrodite pode ser uma opção de rotação de cultura também porque apresenta um sistema radicular bem desenvolvido e ótima quantidade de palha, que favorece o plantio direto da cultura de verão seguinte”, explica Riede. O pesquisador acrescenta que a nova variedade tem boa resistência a nematoides, manchas foliares e ferrugem. Outros benefícios agronômicos da planta são a tolerância ao alumínio tóxico e a resistência ao acamamento. IPR Afrodite é indicada para plantio no Paraná, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Forrageira – Já a cultivar IPR Esmeralda foi desenvolvida para uso na alimentação animal e também no manejo da cobertura de solo, plantio direto, rotação de culturas e controle de plantas daninhas na propriedade. Suas principais características são a alta produção de matéria seca, alta capacidade de perfilhamento e rebrote e bom rendimento de sementes, além do ciclo precoce. Também é indicada para cultivo nos estados do Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Rio Grande do Sul. O lançamento das novas cultivares de aveia integra os eventos comemorativos dos 40 anos do Iapar. (Assessoria de Imprensa Iapar)


Versão para impressão


Assessoria de Imprensa do Sistema Ocepar - Tel: (41) 3200-1150 / e-mail: imprensa@ocepar.org.br