Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4821 | 13 de Maio de 2020

COOPERATIVISMO: Presidente do Sistema Ocepar fala sobre o papel do setor na retomada da economia

 

Nesta quarta-feira (13/05), o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, é o entrevistado da websérie Lide Paraná Talks. Ele irá falar sobre a força do cooperativismo e o papel do setor na retomada da economia no período pós Covid-19. A entrevista será às 17 horas e será conduzida pela presidente do Lide Paraná, Heloísa Garret. “Neste momento de pandemia o cooperativismo não parou. Não porque quisemos. Mas porque não podemos. Nossa missão é garantir o abastecimento de alimentos e a oferta de serviços essenciais à pulação”, destaca Ricken, lembrando que as cooperativas respondem por 60% da produção de alimentos do Paraná, tendo ainda uma forte atuação no transporte, crédito, saúde, infraestrutura, consumo e produção de bens e serviços. 

 

Lide Paraná - O Lide Paraná - Grupo de Líderes Empresariais, é uma organização de caráter privado que reúne empresários em diversos países, promovendo o debate em relação ao fortalecimento da livre iniciativa para o desenvolvimento econômico e social, assim como a defesa dos princípios éticos de governança corporativa nos setores público e privado.

 

Lide Talks - A websérie criada pelo Lide Paraná tem a finalidade de auxiliar os empresários neste momento de incertezas, trazendo uma rica agenda de discussões, com a participação de especialistas de diversos assuntos. A programação conta com uma entrevista ao vivo na plataforma de webnair do grupo, onde convidados e filiados possuem acesso exclusivo. Após a entrevista, o conteúdo é disponibilizado através do canal Lide Paraná no Youtube. “Nós estamos trabalhando para trazer conteúdos que dêem suporte, orientação e, sobretudo, inspirem os empresários paranaenses”, destaca a presidente do Lide Paraná, Heloísa Garrett, que é a mediadora dos programas.

 

Acesso - Para assistir ao webinar com o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, basta clicar aqui

 

cooperativismo 13 05 2020

COVID-19: Comitê de Acompanhamento do Sistema Ocepar divulga comunicado 35

covid 13 05 2020O Comitê de Acompanhamento e Prevenção do Covid-19 do Sistema Ocepar divulgou na tarde desta quarta-feira (11/05), o comunicado 35, com mais informações sobre medidas adotadas para amenizar os impactos da pandemia. O Sistema Ocepar informa que suas atividades estão sendo desenvolvidas de forma remota, não havendo atendimento presencial. Informações e contatos podem ser realizados pelo site www.paranacooperativo.coop.br.

1. No dia 12 de maio, o Sistema Ocepar realizou reunião virtual com o grupo do projeto do PRC100 – Compartilhamento de Soluções em TI. O objetivo foi o alinhamento estratégico e definição sobre a retomada do projeto com as 17 (dezessete) cooperativas agropecuárias interessadas. O próximo encontro do grupo será no dia 15/05 com a participação das empresas de consultoria para apresentação das propostas técnica/comercial.

2. No dia 11 de maio, o Ministério da Economia (ME) publicou a Portaria nº 201, que  prorroga os prazos de vencimento de parcelas mensais relativas aos programas de parcelamento administrados pela Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil (RFB) e pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), em decorrência da pandemia da Covid-19, declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Para acessar, clique aqui.

3. No dia 11 de maio, o Governo Federal publicou o Decreto nº 10.344, alterando a definição dos serviços públicos e as atividades essenciais, incluindo salões de beleza, barbearias e academias de esporte de todas as modalidades, devendo obedecer as determinações do Ministério da Saúde. Para acessar, clique aqui.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção do Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa).

PRC 100: Sistema Ocepar reúne cooperativas para discutir projeto de compartilhamento de TI

 

O projeto de compartilhamento de TI que vinha sendo discutido com as cooperativas, no âmbito do PRC 100 – Plano Paraná Cooperativo 100 -, voltou à pauta das discussões. Na tarde desta terça-feira (12/05), o Sistema Ocepar realizou reunião virtual com as 17 cooperativas agropecuárias interessadas em participar dessa ação. Além de retomar as conversas sobre o tema, o objetivo foi compartilhar experiências e alinhar o que pode ser feito no âmbito do projeto. Participaram da reunião o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, os superintendentes Leonardo Boesche (Sescoop/PR), Robson Mafioletti (Ocepar), Nelson Costa (Fecoopar), e os coordenadores Alfredo Kugeratski Souza (Gestão Estratégicas) e Placido da Silva Junior (TI). O próximo encontro do grupo será no dia 15/05 com a participação das empresas de consultoria para apresentação das propostas técnica e comercial.

 

{vsig}2020/noticias/05/13/prc_100/{/vsig}

POLÍTICA: Entenda como as pautas políticas afetam as cooperativas

 

Tudo que acontece na política afeta o dia a dia das pessoas de alguma forma e, nas últimas semanas, a tomada de decisões tem sido acelerada devido à pandemia do coronavírus. Quer entender as principais pautas políticas que estão em discussão e como elas podem afetar a sua cooperativa? Assista à live do Sistema OCB nesta sexta-feira (15/05), às 11h, no Facebook (www.facebook.com/sistemaocb) e no Youtube (www.youtube.com/sistemaocb). Vão participar da conversa o diretor geral para as Américas do Grupo Eurasia, Christopher Garman, o presidente da Frencoop, deputado Evair de Melo, e o presidente do Sistema OCB, Márcio Freitas, com mediação do analista de relações institucionais, Eduardo Queiroz. Não perca!

 

politica 13 05 2020

COCARI: Campanha Corrente do Bem capacita voluntários para a confecção de máscaras

 

Temos presenciado a multiplicação de ações solidárias para ajudar no controle da pandemia do Covid-19. A população, o governo e a iniciativa privada têm se organizado para reduzir as dificuldades dos grupos sociais mais necessitados. A Cocari também tem atuado nesse sentido com a realização da Campanha Corrente do Bem, que, em um primeiro momento, beneficiou as Secretarias de Saúde dos municípios de ação da cooperativa por meio de doações feitas por cooperados e colaboradores. No dia 4 de maio, foi iniciada a segunda etapa da campanha, que irá viabilizar a confecção de 10 mil máscaras reutilizáveis para as comunidades dos municípios a que os associados da Cocari estão vinculados.

Ação voluntária - Segundo o presidente da cooperativa, Vilmar Sebold, para esta nova etapa, a Cocari adquiriu a matéria-prima necessária (tecido, elástico e fio) para a confecção das máscaras. Também foram mobilizados os Núcleos Femininos da cooperativa, que estão atuando com voluntários dos próprios municípios. "Por mais simples que seja a iniciativa, seguramente, junto com os(as) voluntários(as) e com ações coordenadas pelas Líderes Femininas, iremos beneficiar àqueles mais carentes e que precisam de proteção nos municípios onde a Cocari está inserida", declarou o presidente Sebold.

Apoio do Núcleo Feminino - De acordo com o analista de cooperativismo, Hugo Carnelossi, a campanha será desenvolvida durante o período da pandemia. Para dar andamento à ação, participam a Diretoria Executiva, o Departamento de Cooperativismo e a Fiação da Cocari. "Estamos muito felizes com a adesão das voluntárias nesse projeto, elas estão recebendo muito bem, e felizes por contribuir com sua comunidade, nesse momento delicado que estamos vivendo", diz Carnelossi. Segundo ele, as voluntárias foram convidadas a participarem do projeto a partir da coordenadora do Núcleo Feminino de cada unidade.

Participação da comunidade - Além disso, a comunidade externa está envolvida nesta etapa. Com o apoio das Prefeituras e da Assistência Social dos municípios, voluntários procuraram ajuda para a confecção das máscaras. A produção será distribuída conforme a demanda das comunidades. "A coordenadora do Núcleo Feminino, juntamente com o gerente da unidade, destina as máscaras de acordo com a necessidade da população local", informa Carnelossi. "O Cooperativismo tem sete princípios, um deles é o Interesse pela Comunidade, e a Cocari se preocupa com a comunidade onde está e presta sua contribuição por meio de vários projetos. É gratificante saber o impacto que suas ações vem causando na comunidade", diz.

Credibilidade - A coordenadora do Núcleo Feminino em Lunardelli-PR, Maria de Sousa Felizardo Costamagna, conta que aderiu à campanha por sua disposição natural em praticar ações solidárias e também devido à credibilidade da cooperativa. "Decidi participar porque me sinto feliz sempre que posso ajudar outras pessoas e sei que é uma ação séria, feita com muita responsabilidade, por uma instituição de confiança que é a Cocari", relata a cooperada.

Protagonismo - "Fico feliz por ver que as companheiras de nosso entreposto abraçaram esta causa, estou muito confiante de que vamos alcançar nossa meta", comemora. Segundo Maria Costamagna, é muito importante o contato que a cooperativa mantém com os cooperados, além das campanhas realizadas. "Nelas podemos participar diretamente, opinando e ajudando. É uma grande oportunidade que nos dão de ajudar a nossa comunidade, só tenho a agradecer", afirma.

Solidariedade - Para a artesã Anamelia Bittencourt, de Mandaguari-PR, que está capacitando as voluntárias a pedido da Cocari, a sua realização por participar desta campanha é grande. "Há alguns anos, eu nem sabia costurar, me interessei por fazer artesanato, ganhei uma máquina e comecei a aprender. Hoje eu posso ajudar pessoas a fazerem o bem", pontua.

União de esforços - De acordo com Anamelia, todos podem contribuir para vencermos este período de pandemia. "Há as costureiras profissionais que podem tirar uma hora do seu tempo para confeccionar essas máscaras e, mesmo aquelas pessoas que não são profissionais, mas que estão em casa com tempo ocioso e têm uma máquina parada, podem envolver a família. Na minha casa, eu peço ao meu esposo para cortar o material, para ajudar a desvirar a parte costurada. É muito importante essa união", considera.

{vsig}2020/noticias/05/13/cocari/{/vsig}

SICREDI: Inovações desenvolvidas por startups são aprovadas por produtores rurais

 

sicredi 13 05 2020O programa de potencialização de startups apoiado pelo Sicredi, Intensive Connection, encerrou a primeira edição com resultados que prometem novos horizontes na adoção de tecnologias capazes de gerar transformações positivas no agronegócio. Algumas das soluções desenvolvidas pelos participantes já foram testadas por produtores rurais e tiveram avaliação positiva de 92% deles, segundo levantamento da instituição financeira cooperativa.

 

O programa - O Intensive Connection é idealizado pela AgTech Garage – um dos maiores hubs de inovação da América Latina para o agrobusiness – e conta com a participação do Sicredi, sendo uma maneira de a instituição se aproximar do universo de startups, possibilitando a geração de valor para os produtores rurais. Nesta primeira edição, contribuiu com as empresas Digifarmz, Elysios, por meio de mentorias, para que elas desenvolvessem soluções tecnológicas aplicáveis no campo. Entre elas, aplicativos e softwares que ajudam agricultores no combate a doenças da soja, na rastreabilidade e até na gestão financeira da produção. Mesmo não fazendo parte do programa, no período, o Sicredi também apoiou pilotos com a empresa Aegro, obtendo também resultados positivos junto ao público agro.

 

Conexão - “Durante o Instensive Connection, além de apoiar as startups por meio de conhecimento técnico e estrutura, nosso papel é de fazer a conexão entre as empresas e nossa base de associados do meio rural, gerando uma relação de benefício mútuo. Ao mesmo tempo que as startups têm o benefício de escala para pilotar os produtos, nossos associados se beneficiam com o conhecimento de novas tecnologias que podem auxiliar nas suas atividades. Trata-se de uma maneira de ir além da oferta de soluções financeiras e buscar identificar o que pode ser relevante para esse público no futuro, em termos de inovações que proporcionem melhorias na gestão das safras, por exemplo”, explica Cesar Bochi, diretor executivo de Administração do Sicredi.

 

Soluções tecnológicas - Segundo Bochi, a próxima etapa do trabalho será oferecer as soluções tecnológicas criadas na primeira edição do Intensive Connection na plataforma Sicredi Conecta, marketplace da instituição financeira cooperativa que permite negociações entre seus associados.

 

Segunda edição - Após receber as inscrições de dezenas de startups de diversas regiões do país, o Sicredi anuncia as startups Atomic Agro e Leigado como as participantes da segunda edição do Instensive Connection. A partir de 13 de maio elas receberão mentorias técnicas e de negócios oferecidas por executivos experientes vinculados ao Sicredi, empresas parceiras e especialistas do AgTech Garage, além da possibilidade de realizar pilotos com produtores associados ao Sicredi para validar suas soluções. As dinâmicas pretendem proporcionar aprendizados, vivências e relacionamentos para impulsionar a evolução dos participantes e seus negócios. Elas estão programadas para ocorrer na sede do hub de inovação, em Piracicaba (SP).

O Intensive Connection é equity free, ou seja, não prevê investimento financeiro inicial das startups e não requer que o empreendedor inscrito venda ações de seu negócio por um valor pré-determinado. Nada impede, contudo, que durante ou ao final do programa seja negociado um investimento diretamente entre as partes interessadas.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.900 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Assessoria de Comunicação do Sicredi)

DICA DE LEITURA: Saiba como sua cooperativa pode vender na internet

dicas de leitura 13 05 2020Você sabia que mesmo em meio à crise financeira causada pelo coronavírus é possível manter e até aumentar suas vendas? Usando a criatividade e com baixo investimento, você pode ter uma loja virtual e contornar os efeitos econômicos da pandemia. Esse é o assunto do terceiro e-book da série Inovação na crise: Como vender pela internet. O material mostra que a saída para grandes problemas na comercialização dos produtos e serviços de cooperativas pode estar no mundo virtual. De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), durante a quarentena, algumas lojas virtuais, em especial as de alimentos, beleza e saúde, registraram aumento de mais de 100% nas vendas. "O mercado de vendas on-line ganhou muito destaque nos últimos anos e, atualmente, devido à crise causada pelo novo coronavírus, tem ganhado ainda mais força", ressalta a coordenadora do Núcleo de Inovação da OCB, Samara Araujo. (Assessoria de Comunicação do Sistema OCB)

Baixe o ebook - Para fazer o download gratuito do ebook, clique aqui.

Outros e-books - E mais, você também pode conferir outros e-books que podem te ajudar a vencer os desafios desse momento de crise e gerar novos negócios.

*Marketing Digital em Momentos de Crise (clique aqui)

*Como Criar Aulas On-line (clique aqui)

SAÚDE: Em dois meses, Paraná registra 1.906 casos e 113 óbitos por Covid-19

saude 13 05 2020O Paraná completa sessenta e dois dias do surgimento dos seis primeiros casos da Covid-19 no Estado. No informe divulgado nesta terça-feira (12/05), dois meses após os primeiros registros, a Secretaria de Estado da Saúde confirma 1.906 diagnósticos da doença, com 113 óbitos. Naquele 12 de março, a capacidade de testes ainda era limitada e a preocupação era com as viagens internacionais dos paranaenses ou os deslocamentos para cidades de outros estados que já sinalizaram a circulação do vírus. Nesse período, o Estado multiplicou a capacidade de testes (alcançará 5,6 mil por dia), estabeleceu controle sanitários nas divisas, restringiu a circulação de pessoas e estruturou uma rede com 549 leitos de UTI, um hospital exclusivo na Capital e sete hospitais no Interior.

Casos - No informe desta terça-feira, a Secretaria divulga 57 novas confirmações e duas mortes pela Covid-19. Uma mulher de 91 anos residente de Cascavel faleceu no dia 7 de maio e um homem de 57 anos que morava em São José dos Pinhais morreu no dia 10 de maio. Ambos estavam internados.

Locais - Os municípios que registraram novos casos confirmados foram Ampére (1), Apucarana (2), Cascavel (2), Coronel Vivida (1), Curitiba (4), Figueira (1), Foz do Iguaçu (7), Guairacá (1), Londrina (6), Maringá (1), Medianeira (2), Mirador (1), Palotina (1), Paranapoema (1), Paranavaí (2), Pato Branco (2), Ponta Grossa (1), Ramilândia (1), Ribeirão do Pinhal (2), Santa Isabel do Ivaí (2), Santa Tereza do Oeste (1), Santa Terezinha de Itaipu (1), Santo Antônio do Caiuá (1), São José dos Pinhais (7), Telêmaco Borba (1), Tijucas do Sul (1), Três Barras do Paraná (1) e Wenceslau Braz (3).

Perfil - O Paraná registra, em média, 30 casos novos e quase dois óbitos por dia nesse período. A média de idade dos pacientes diagnosticados é de 45,1 anos e dos que morreram pela doença é de 68,1 anos - o mais jovem tinha 34 e o mais idoso 95. Além disso, praticamente 70% dos pacientes já estão recuperados.

Ações de controle - Segundo o secretário da Saúde, Beto Preto, as políticas implementadas nesse período e intervenções pontuais em alguns municípios permitiram controlar o avanço da doença, ainda que ela continue a causar danos. "Se olharmos de forma epidemiológica essa situação, são quase nove semanas do novo coronavírus no Estado. O alcance e a quantidade de pessoas convalescentes e que morreram pela Covid-19 são indicadores de perigo", afirmou. "Pensamos na gestão pública de forma ampla, em grandes ações e números, mas cada número é uma pessoa, que tem em seu entorno outras pessoas que se importam e se preocupam com elas".

Impacto - Embora a Secretaria divulgue números e gráficos para demonstrar o panorama da doença no Estado, Beto Preto destaca que cada perda gera impacto imediato no Paraná.

"Acabamos de passar pelo Dia das Mães, que é uma das datas mais simbólicas do ano, em que as pessoas demonstram afeto e amor em encontros e almoços. Estamos evitando as aglomerações e percebo o quanto isso afetou as celebrações. Não somente por adiar esse momento, mas também porque muitas mães perderam os filhos, muitos filhos perderam as mães e isso nos afeta diretamente", acrescentou.

Políticas da saúde - Nesse período de dois meses a doença alcançou mais de um terço dos municípios e todas as faixas etárias, mesmo entre os mais novos (até 9 anos) e os mais idosos (mais de 80 anos). Enquanto isso, o Governo do Estado trabalhou diuturnamente em parceria com os municípios para prover Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), coletar testes com as aeronaves do Estado, estruturar a telemedicina e o sistema de apoio das políticas públicas com os bolsistas, e contratou 362 servidores já aprovados em concurso.

Controle sanitário - Com a evolução dos casos, o controle sanitário no Paraná se tornou mais rígido nas atividades essenciais e aquelas que tiveram que interromper suas rotinas vão passar por nova regulamentação. A Secretaria de Saúde começou a testar profissionais que estão na linha de frente, aumentou a transparência do boletim epidemiológico e recebeu mais recursos oriundos de outros Poderes e do caixa do Estado, oriundo da suspensão da dívida com o governo federal.

Retrospectiva - A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou na segunda quinzena de janeiro que um novo vírus havia surgido na China e que já havia casos identificados na Coreia do Sul, Tailândia, Japão e Estados Unidos, todos de pessoas que estiveram em Wuhan, na província de Hubei na China.

Orientações OMS - Naquele momento a Secretaria de Estado da Saúde, alinhada às orientações da OMS e do Ministério da Saúde, publicou uma nota informativa sobre a situação do novo coronavírus, a definição do caso, a gravidade da doença causada pelo vírus e informações gerais do que era conhecido até então. Nos dias que se sucederam, foram registradas suspeitas de pacientes com o novo coronavírus no Estado, descartadas por exames laboratoriais, e houve a instituição e ativação do Centro de Operações em Emergências em Saúde Pública da Secretaria da Saúdea (COE). O primeiro caso do Brasil teve a confirmação no dia 26 de fevereiro, em São Paulo.

Exames - Os exames laboratoriais específicos para identificação do novo coronavírus estavam concentrados no Laboratório da Fiocruz, no Rio de Janeiro, no início da pandemia. Naquele momento o Paraná organizou um fluxo em que o Laboratório Central do Estado (Lacen-PR) realizava testes das amostras de pacientes com suspeitas de contaminação para outros vírus e, caso o exame não identificasse nenhum, a amostra seguia para o Rio de Janeiro. Em 5 de março o Lacen recebeu os primeiros kits para iniciar os exames específicos para diagnóstico do novo coronavírus.

Confirmações - No Paraná, as primeiras confirmações foram informadas no dia 12 de março. Foram seis casos relatados naquela quinta-feira (12), sendo cinco de Curitiba e um de Cianorte. Todos tinham histórico de viagem ao exterior. Os dois primeiros pacientes vieram a óbito nos dias 25 e 26 de março e a divulgação das mortes tendo como causa a Covid-19 ocorreu no dia 27 de março.

Informe - No dia 17 de abril, a Secretaria de Saúde passou a divulgar um informe epidemiológico com gráficos e informações mais detalhadas dos casos confirmados de Covid-19. Nos primeiros dias o documento contava com oito páginas e já chegou a ser publicado com 20. "A nossa vontade é deixar tudo bem explicado para a população. A ansiedade por entender a situação também prejudica e é uma patologia, e queremos evitar mais problemas com muita informação", arrematou a diretora de Vigilância em Saúde, Maria Goreti Lopes, que também coordena o COE. (Agência Estadual de Notícias)

SISTEMA FINANCEIRO: BC aprova emissão de R$ 17,5 bilhões de linha para ajudar bancos

sistema financeiro 13 05 2020Pressionadas pela maior demanda por crédito, 27 instituições financeiras receberão R$ 17,5 bilhões do Banco Central (BC). O montante vem da emissão da primeira parcela da Linha Temporária Especial de Liquidez para os bancos, financiada pelas Letras Financeiras Garantidas. Os recursos financeiros serão disponibilizados às instituições nesta quarta-feira (13). Regulamentada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) no início de abril, num pacote do BC para ajudar o sistema financeiro durante a crise econômica provocada pelo novo coronavírus, a Linha Temporária Especial de Liquidez permite que os bancos atendam ao aumento da demanda por crédito por pessoas físicas e empresas durante a pandemia.

Diversos portes - Segundo o BC, a linha emergencial atende a instituições financeiras de diversos portes, fornecendo liquidez (necessidade imediata de dinheiro) para diversos mercados e produtos financeiros. No fim de cada mês, o BC avaliará a necessidade de uma nova emissão, repetindo o procedimento até o fim do ano. De forma agregada, as emissões de Letras Financeiras Garantidas, que servem de lastro para os empréstimos, poderão chegar a 100% do patrimônio de referência das instituições e injetar até R$ 650 bilhões no sistema financeiro nos próximos meses.

Garantia - As Letras Financeiras Garantidas são títulos privados emitidos pelas instituições financeiras em favor do BC, que liberará os recursos para os bancos tendo esses papéis como garantia. Caso a instituição não consiga pagar o empréstimo emergencial, o BC fica com as letras para cobrir a inadimplência. Em nota, o BC informou que esse mecanismo é inédito no sistema financeiro brasileiro. Segundo o órgão, linha emergencial de crédito servirá de aprendizado para o desenvolvimento de futuras linhas permanentes de liquidez, dentro da agência de modernização do Banco Central. (Agência Brasil / Foto: Marcelo Casal Jr.)

MERCADO: Dólar bate recorde com tensões no Brasil e no exterior

 

mercado 13 05 2020Em meio a tensões no Brasil e no exterior, o dólar aproximou-se de R$ 5,90 e voltou a bater recorde. O dólar comercial encerrou esta terça-feira (12/05) vendido a R$ 5,866, com alta de R$ 0,042 (+0,71%). Este é o maior valor nominal (sem considerar a inflação) desde a criação do real. O euro comercial fechou a R$ 6,37, com alta de 1,26%. A libra comercial encerrou o dia vendida a R$ 7,22, com alta de 0,54%.

 

Vídeo - O dólar estava em queda até pouco antes das 15h, quando se encerrou a exibição, na sede da Polícia Federal, do vídeo de uma reunião ministerial realizada no fim de abril. O vídeo é parte do inquérito que investiga declarações do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro. Na máxima do dia, por volta das 16h, encostou em R$ 5,89. A divisa acumula alta de 46,17% em 2020.

 

Interferência - O Banco Central (BC) interferiu pouco no mercado. A autoridade monetária fez um leilão de contratos novos de cerca de US$ 500 milhões de swap cambial – que equivalem à venda de dólares no mercado futuro.

 

Copom - Nos últimos dias, os investidores têm repercutido a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de reduzir a Selic (taxa básica de juros) para 3% ao ano. Além de reduzir a taxa além do estimado, o BC indicou que pretende promover novo corte de até 0,75 ponto percentual em junho, o que poderia levar a Selic para 2,25% ao ano.

 

Tensões políticas - Juros mais baixos tornam menos atrativos os investimentos em países emergentes, como o Brasil, estimulando a retirada de capitais estrangeiros. As tensões políticas internas também interferiram no mercado. Além da exibição do vídeo da reunião ministerial, os investidores estão atentos às negociações para o veto a artigos da lei de ajuda a estados e municípios que exclui categorias de servidores do congelamento salarial por 18 meses.

 

Mercado de ações -  O dia foi marcado por perdas no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), fechou esta terça-feira aos 77.872 pontos, com queda de 1,51%. O indicador estava em alta até por volta das 15h, mas passou a operar em queda nas horas finais de negociação. O Ibovespa fechou no menor nível desde 24 de abril.

 

Ibovespa - Além das tensões políticas no Brasil, o Ibovespa foi afetado pelo mercado externo. Influenciado pelo aumento de casos de coronavírus em países que relaxaram as restrições sociais, como a Alemanha e a Coreia do Sul, o índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, encerrou o dia com perda de 1,89%. A bolsa norte-americana também foi afetada pelo aumento nas tensões comerciais entre Estados Unidos e China, depois que um grupo de senadores norte-americanos apresentou um projeto de lei com sanções comerciais contra o país asiático.

 

Nervosismo - Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. Nos últimos dias, os investimentos têm oscilado entre possíveis ganhos com o relaxamento de restrições em vários países da Europa e em regiões dos Estados Unidos e contratempos o combate à doença. (Agência Brasil / Foto: Marcello Casal Jr.)


Versão para impressão


RODAPE