Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4824 | 18 de Maio de 2020

COVID-19 I: Comitê de Acompanhamento do Sistema Ocepar divulga comunicado 39

covid 18 05 2020O Comitê de Acompanhamento e Prevenção do Covid-19 do Sistema Ocepar divulgou na tarde desta quarta-feira (14/05), o comunicado 39, com mais informações sobre medidas adotadas para amenizar os impactos da pandemia. O Sistema Ocepar informa que suas atividades estão sendo desenvolvidas de forma remota, não havendo atendimento presencial. Informações e contatos podem ser realizados pelo site www.paranacooperativo.coop.br.

1. No dia 15 de maio, o Sistema Ocepar realizou reunião virtual da Autogestão com a cooperativa AGRÁRIA, contando com a participação do presidente, diretores e gestores.

2. No dia 15 de maio, o Presidente do Sistema Ocepar participou do debate Líderes do Paraná em Ação promovido pelo SEBRAE/PR. Para acessar a matéria completa, clique aqui.

3. No   dia 15 de maio, o Sistema Ocepar realizou reunião virtual com o grupo do projeto do PRC100 – Compartilhamento de Soluções em TI, com a participação de 17 cooperativas agropecuárias. O objetivo da reunião foi apresentar e debater as propostas comerciais/técnicas estruturadas para o desenvolvimento do plano de negócios do projeto pelas empresas de consultoria.

4. No dia 14 de maio, o Governo Estadual do Paraná publicou o Decreto nº 4.658, que altera dispositivo do Decreto nº 4.230, de 16 de março de 2020, ampliando p período de suspensão, no âmbito da Administração Pública Direta, Autárquica e Fundacional, dos prazos recursais, de defesa dos interessados nos processos administrativos e o acesso aos autos dos processos físicos, até o dia 31 de maio de 2020. Para acessar, clique aqui.

5. No dia 14 de maio, Governo Estadual do Paraná publicou o Decreto nº 4.658, que dispõe sobre a isenção do ICMS relativo à parcela da subvenção da tarifa de energia elétrica, para consumidores enquadrados na "subclasse Residencial de Baixa Renda", como medida de enfrentamento aos efeitos da emergência de saúde pública decorrente de pandemia de coronavírus. Para acessar, clique aqui.

6. No dia 14 de maio, o Governo Estadual do Paraná publicou o Boletim Semanal de acompanhamento dos impactos econômicos e sociais, destacando que 89% das empresas estão em operação, mas a receita de ICMS caiu 3,8%. Para acessar o boletim completo, clique aqui.

O Comitê- O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção do Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa).

REPORTAGEM: Cooperativas mantém a atividades e geram empregos, apesar da pandemia

 

reportagem 18 05 2020A pandemia do coronovavírus não afetou o trabalho no campo. Neste ano o Brasil deve colher uma safra recorde de 227 milhões de toneladas de grãos. O trabalho continua, mas a rotina mudou. Reportagem da TV Record, exibida na última sexta-feira, dia 16, mostra que as cooperativas do Paraná estão tomando os devidos cuidados e mantendo suas atividades, apesar da pandemia. Com investimentos que devem somar R$ 3,5 bilhões, as cooperativas esperam contribuir para o combate da Covid-19 e diminuir os efeitos da crise, por meio da geração de empregos. Em entrevista, o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, citou como exemplo uma cooperativa do Oeste do estado que, na última semana, contratou mais de duas mil pessoas. “O grande compromisso das cooperativas nesse momento é garantir o abastecimento das cidades”, afirmou o dirigente. Clique aqui e confira a reportagem. 

 

INFORME ECONÔMICO: Mercado financeiro reduz projeção do PIB de 2020 para 5,12%

 

informe economico 18 05 2020A retração econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus fez o Banco Central rever a projeção do PIB (Produto Interno Bruto) para este ano, aumentando em 1,01% a estimativa de queda de uma semana para outra. Segundo informe divulgado nesta segunda-feira (18/05) pela gerência Técnica do Sistema Ocepar, elaborado com base no Boletim Focus do Bacem, a projeção de queda passou de 4,11% (semana passada) para 5,12%. Clique aqui e confira os indicadores econômicos da semana. 

 

TIME DO ASFALTO: Setor de transporte tem sido essencial neste período de pandemia

 

time do asfalto 18 05 2020O ir e voltar de um lugar para o outro em tempos de pandemia é uma tarefa corajosa que os caminhoneiros têm enfrentado desde o início da disseminação do coronavírus. A categoria continua em plena atividade, para que os produtos essenciais cheguem aos supermercados, farmácias, hospitais e lares de todo o mundo. 

 

Importante papel - Para a Integrada, o trabalho dos transportadores é fundamental para escoar a produção dos mais de 10 mil cooperados do Paraná e São Paulo, para entrepostos e portos. Além de colaborar com a distribuição dos itens produzidos pela agroindústria, necessários às lavouras, à mesa das famílias e à nutrição animal. Itacir Nardino Junior, coordenador de logística da Integrada, explica que, além de movimentar o agronegócio por meio da logística de distribuição, o trabalho dos profissionais de transporte cria uma importante rede para a economia, garantindo o sustento de muitas famílias, sejam elas dos próprios caminhoneiros, agentes de transporte, transportadoras, entre outras.

 

Orientação - Com relação à pandemia, Nardino Junior afirma que o departamento de logística da Integrada orientou todas as transportadoras que prestam serviço para a cooperativa sobre a importância e a obrigatoriedade do uso de máscaras por parte dos colaboradores das transportadoras e dos motoristas. “Com o apoio de todas as regionais, essa prática se tornou regra e a ideia foi comprada pelas transportadoras e motoristas”, observa o gerente. 

 

Protocolo de segurança - Além disso, outras normativas também foram inseridas no protocolo de segurança da cooperativa como: não formar aglomerações, lavar as mãos e/ou utilizar de álcool em gel, entre outras ações. Durante o processo de embarque, exemplifica Nardino Junior, o motorista é orientado a não descer do caminhão. Todas essas medidas foram adotadas para prevenir e combater o Coronavírus, além de preservar a vida das pessoas.

 

Movimento - A alta movimentação da produção, devido ao recorde da safra de soja (2019/20), tem agitado os entrepostos da cooperativa. O coordenador Nardino Junior afirma que, nos picos de produtividade, a demanda por transportes aumenta consideravelmente. O serviço é solicitado para locomoção da produção entre as unidades, o atendimento das vendas de cereais e, também, escoamento para os mercados interno e externo. As maiores demandas do departamento de logística da Integrada é realizar o transporte dos produtos comercializados pelo departamento comercial da cooperativa. Tudo isso com o compromisso da entrega dentro do prazo estabelecido pelos clientes e, sempre, com os devidos cuidados com a saúde de todos envolvidos no processo. (Assessoria de Comunicação da Integrada)

BOM JESUS: Trigo gera expectativa entre produtores no período de inverno

 

bom jesus 18 05 2020O trigo é um grande aliado dos produtores para rotação de cultura e manutenção do campo, evitando de deixar em pousio e podendo elevar problemas com plantas daninhas, por exemplo. Henrique Tortato Zanon, Engenheiro Agrônomo da Cooperativa Bom Jesus de Contenda, explica que "o trigo é uma gramínea que plantamos bastante na região sul, a principal região produtora, que é responsável por 50% da área plantada e 45% da produção nacional. No Brasil tem o consumo médio de 12 milhões de toneladas e produz somente 5 milhões de toneladas, então essa diferença tem que importar de outros países". Com isso a grande necessidade do plantio no Brasil, principalmente no atual quadro do país com uma pandemia. 

 

Período de plantio - Quando falamos em desenvolvimento da cultura, Henrique comenta que " na nossa região o trigo começa o plantio em maio, com alguns produtores, até em meados de junho. Esse plantio mais cedo, para antecipar o plantio da soja, corre o risco de ser atingida por geada na espiga (cacho), podendo comprometer a produção", com isso é importante o produtor ficar atento ao calendário do Zarc (Zoneamento Agrícola de Risco Climático) para não correr risco de perdas. Henrique lembra que "quem planta mais no tarde não corre risco de geadas na espiga em meados de setembro, mesmo tendo que plantar a soja mais no tarde, hoje a Cooperativa trabalha com diversas variedades de soja que tem bom desenvolvimento com o plantio mais tardio". 

 

Clima - O clima é um fator decisivo na agricultura. Henrique diz que "as temperaturas ideias para o desenvolvimento do trigo é de 15°C à 20°C na fase do perfilhamento, então a semente irá germinar, crescer e perfilhar. No perfilhamento com temperaturas mais baixas, até uma geada, vai fazer uma indução para a planta perfilhar. Após isso terá o alongamento, o emborrachamento e o espigamento", comenta o agrônomo sobre as fases da cultura. Momento importante e de cuidados que o produtor deve ter é "a partir da fase do alongamento pois teremos a folha bandeira, a menos um e a menos dois (uma folha abaixo da bandeira e a segunda folha abaixo da bandeira, respectivamente), precisa de uma temperatura um pouco mais alta para seu desenvolvimento. A folha bandeira é responsável por 50% do enchimento de grão , já as outras folhas em torno de 20% da desenvolvimento da planta e as mais de baixo, parte inferior da planta, em torno de 5%", explica Henrique. 

 

Cuidados - Em relação a doenças, Henrique lembra que o clima tem fator preponderante neste processo. "Um problema para o trigo é em relação a anos muito chuvosos, pois não é muito interessante para a cultura, por mais que ela também precise de umidade para seu desenvolvimento, mas o excesso pode causar perdas. Historicamente a cultura vem de uma região mais seca e terrenos mais alcalino", diz o agrônomo, que complementa dizendo que "com anos muito chuvosos e umidade alta a predominância de doença é o oídio, já em anos mais secos a predominância de doença são as manchas, então podemos ter grandes variações a cada ano. Outro cuidado é que se tiver, principalmente, umidade na época de floração da espiga a doença que mais causa dano é a giberela, problema sério na região por ser ter altitude e úmida, com isso a recomendação técnica da Bom Jesus é importante para desenvolvimento". (Assessoria de Comunicação da Bom Jesus)

COCAMAR: Campanha de insumos para a próxima safra de verão é encerrada

 

cocamar 18 05 2020

A Campanha de Vendas de Insumos Safra de Verão 2020/2021, que a Cocamar Cooperativa Agroindustrial realizou junto aos seus cooperados entre os dias 28 de abril e 15 de maio, superou a sua meta de vendas e foi oferecido um portfólio completo de produtos desde o preparo do solo até a colheita. “A conquista foi em todos os sentidos, confirmando a grande adesão por parte dos cooperados pela boa oportunidade de negócios e a eficiência e profissionalismo dos nossos colaboradores, ampliando de forma significativa a participação da Cocamar no mercado”, ressalta o superintendente de Negócios, Anderson Bertolleti. “O resultado é fruto de muita dedicação e comprometimento dos nossos colaboradores em treinamentos, capacitações e, principalmente, no acompanhamento e contato diário com os cooperados”, lembra o superintendente de Relação com o Cooperado, Leandro Teixeira.

Condições vantajosas- O gerente comercial de Insumos, Geraldo Amarildo Ganaza, explica que as condições exclusivas para os cooperados foram vantajosas, não sendo embutida nas negociações a forte variação cambial de 45% ocorrida desde o início do ano. Ganaza explica que a aquisição dos insumos nesta época do ano, para serem utilizados a partir de setembro, quando começa a semeadura da safra, é estratégica e providencial para que todos os elos da cadeia possam programar-se e possibilitar que os produtores recebam os produtos em suas propriedades nos prazos estabelecidos. A campanha é uma das alavancas que impulsionam o faturamento de insumos da Cocamar, que alcançou R$ 1,378 bilhão em 2019 e está estimado em R$ 1,740 bilhão neste ano, representando parcela significativa dos R$ 5,8 bilhões projetados na soma de todos os setores da cooperativa em 2020. (Assessoria de Comunicação da Cocamar)

 

PRIMATO: Primato Agrícola lança campana de Safra

 

primato 18 05 2020A agricultura brasileira é uma das mais competitivas do mundo e é desenvolvida em grande parte por pequenos produtores rurais, que contam com a parceria, principalmente, das cooperativas, para conseguir que o custeio seja feito com melhores preços e prazos. O ministério da agricultura promove a liberação de créditos através de linhas, como Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar, o Pronaf, para que seja possível os incentivos necessários.

 

Safra - Com o objetivo de auxiliar os cooperados e agricultores da região de atuação que a Primato Cooperativa Agroindustrial está com a campanha Safra Verão 2020/21. “Fizemos o lançamento desta campanha importante para o setor agrícola e estamos com nossos profissionais preparados para apresentar todas as informações sobre a Campanha de safra verão 2020/21, trazendo dados, prazos e preços que estão disponíveis para cooperados e produtores rurais de toda a região de abrangência da Primato”, enalteceu o presidente da cooperativa Ilmo Werle Welter.

 

Campanha - A campanha Safra Verão 2020/21 está sendo promovida durante o mês de maio e para mais informações entre em contato com uma unidade da Primato mais próxima, pelos assistentes técnicos comerciais, via televendas 0800 600 3025 ou pelo e-mail televendas@primato.com.br

 

Consulta - “Reforçamos o convite para que os cooperados e agricultores da região façam a consulta em sua unidade de negócios mais próxima ou via canais digitais, que nossa equipe agrícola  dará toda as informações sobre as linhas de créditos e os programas disponíveis para a próxima safra de verão”, concluiu Ilmo. (Assessoria de Comunicação da Primato)

SICOOB OURO VERDE: Comemoração dos 17 anos tem festa online

 

sicoob ouro verde 18 05 2020Todos os anos, o Sicoob Ouro Verde organiza alguma ação especial para comemorar seu aniversário de fundação. Em 2018, por exemplo, um jantar reuniu colaboradores e acompanhantes. Já em 2019, uma corrida de rua contou com a participação de atletas de Londrina e região. Este ano, diante do cenário totalmente atípico, foi preciso inovar na comemoração. Para que a data não passasse em branco e todos que fazem parte da cooperativa pudessem permanecer unidos, mesmo que distantes fisicamente, os colaboradores foram convidados para um evento diferente.

 

Distribuição de kits - Nas 29 cidades de três estados diferentes onde o Sicoob Ouro Verde atua, a festa aconteceu pelo Moob. A ferramenta de engajamento corporativo, que é destinada aos cooperados da instituição, reúne diversas funcionalidades, entre elas a transmissão de eventos ao vivo. Para a comemoração, os colaboradores foram surpreendidos com um kit que continha um cartão de felicitações, varetas e bexigas personalizadas, um bolo de caneca, uma vela e um voucher de alimentação. Nos e-mails, eles receberam as instruções de como usar os itens na sua festa em casa, decorando o local escolhido para assistir a transmissão ao vivo e acionado o delivery do jantar.

 

Surpresa - Na hora do evento, a surpresa. Mais de 350 pessoas conectadas na companhia dos familiares, com a mesa posta, de olho nos depoimentos dos diretores Ademir Aparecido de Lucca, Rodnei Carlos Muller Fernandes, Elisberto José Torrecillas e do presidente do Conselho de Administração, Rafael de Giovani Netto. O diretor-presidente, Elisberto Torrecillas, ressaltou que essa jornada não vai parar e a cooperativa tem muito para crescer nos próximos anos. “Nós sentimos hoje o nosso sucesso nesses 17 anos e já sabemos o que temos que fazer amanhã para ser ainda melhor. Nesse abraço virtual estamos sentindo a emoção de cada um. Agradeço muito o trabalho de vocês, somos um só time”, disse.

 

Reconhecimento aos colaboradores - Já o presidente do Conselho, Rafael de Giovanni Netto, disse que os colaboradores desempenharam e continuam desempenhando um papel muito importante para as conquistas desses 17 anos. “Estamos muito felizes. Acredito que essa comemoração tenha sido realmente um marco e deve inaugurar uma nova fase”, ressaltou. Segundo o assistente de Crédito, Julio Otavio Conson da Silva, foi algo fantástico e grandioso. Ele afirma também que é importante relembrar o que move a cooperativa e os objetivos, além de escutar as palavras dos diretores e presidente falando da história e do futuro. “Mais uma vez foi super importante dar oportunidade de envolver a família, isso diz muito a respeito da nossa empresa. Obrigado por proporcionar esse momento e também pela amizade”, afirmou. (Assessoria de Comunicação Sicoob Ouro Verde)

UNIUM: Cooperativas paranaenses registram crescimento de 9,5% na captação de leite

 

unium 18 05 2020A Associação Leite Brasil divulgou, nesta semana, o ranking com as maiores empresas de laticínios do país. O resultado é referente ao ano de 2019 e manteve entre as principais produtoras as 13 empresas que já figuravam na lista em 2018. Ao todo, o valor agregado de captação de leite registrou um aumento de 4,1% de crescimento, tendo Nestlé, Laticínios Bela Vista e Unium como as três principais captadoras. 

 

Modelo de negócio - A Unium, Intercooperação de Lácteos das Cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, ficou entre as produtoras que registraram maior aumento de captação, com 9,5% de crescimento comparado a 2018 - valor que equivale a 1,252 bilhão de litros de leite. O resultado se deve ao modelo de negócios da instituição. Ao trazer para o Brasil o modelo de intercooperação e com os resultados recentes, em diversos setores, mostra-se que foi uma decisão acertada e que tende a crescer no mercado. 

 

Cooperados - Os números trazidos pelo ranking ainda mostram que a Unium conta com 1.293 produtores que geram, cada um, uma média de 1.676 litros de leite por dia. Ao todo, a produção diária da instituição gira em torno de 2.167.068 de litros por dia. Já na análise da soma das 13 empresas do ranking, o volume, que está estimado em 7,9 bilhões de litros ao ano, representa 31% da captação formal brasileira em 2019. 

 

Sobre a UniumMarca institucional das indústrias das cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, a Unium representa os projetos em que as cooperativas paranaenses atuam em parceria. Todas as marcas reunidas pela Unium, inclusive a Alegra, são reconhecidas pela qualidade e excelência. A Unium também conta com três marcas de lácteos: Naturalle - de produtos livres de aditivos -, Colônia Holandesa e Colaso. No setor de grãos, a Unium conta com a marca Herança Holandesa - farinha de trigo produzida em uma unidade totalmente adequada à ISO 22000, o que a qualifica com elevados padrões de exigência. (Assessoria de Comunicação da Unium)

POLÍTICA: Presidente veta novas categorias no auxílio emergencial

 

politica 18 05 2020O presidente sancionou, com vetos, o Projeto de Lei (PL) 873/2020, que incluía novas categorias entre as habilitadas para receberem o auxílio emergencial no valor de R$ 600,00. O pagamento tem sido feito aos trabalhadores informais ou desempregados que foram afetados pela pandemia do novo coronavírus. Entre os artigos da Lei 13.998/2020 vetados pelo presidente, está o que incluía "cooperados ou associados em cooperativas" entre as categorias aptas a receberem o auxílio. De acordo com a justificativa do governo, a inclusão dessa especificação feria o princípio da isonomia por privilegiar algumas profissões em detrimento de outras. 

 

Custeio - Além disso, o Executivo também informou que o Congresso Nacional aprovou o projeto sem especificar qual seria a fonte de custeio e o impacto orçamentário dessa ampliação do auxílio nas contas públicas. A OCB e a Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frecooop) trabalharam ativamente para incluir os cooperados de todas categorias no projeto e na sanção e vamos continuar buscando novas soluções para trazer essa segurança jurídica. (Assessoria Sistema OCB / Foto: Divulgação)

 

Confira quais os requisitos para que cooperados possam acessar o benefício de acordo com as regras da Lei 13.982/20: https://bit.ly/2TbjzI5

Para conhecer todas as ações do Sistema OCB durante a pandemia, acesse: https://www.somoscooperativismo.coop.br/covid-19

 

SISTEMA OCB: Política, saúde e economia são tema de debate on-line

 

sistema ocb 18 05 2020O atual cenário nacional, envolvendo o viés da saúde pública, da política e da economia foi pauta da live realizada nesta sexta-feira, pelo Sistema OCB, e que contou com a participação do presidente Márcio Lopes de Freitas, do diretor-geral para as Américas do Grupo Eurasia, Christopher Garman, e do deputado federal, Evair de Melo (ES), que também presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) e novo vice-líder do governo na Câmara.

 

Lives - Com o tema As principais pautas políticas em discussão que podem influenciar a sua cooperativa o evento virtual reuniu representantes do cooperativismo de todas as regiões do país. O bate-papo faz parte de um ciclo de lives que está sendo realizado pelo Sistema OCB, semanalmente, nas redes sociais, com a intenção de informar ao movimento cooperativista as iniciativas da OCB, do Sescoop e da CNCoop, desenvolvidas com o objetivo de diminuir, ao máximo, os impactos negativos na rotina social e econômica das cooperativas.

 

Cenário pandêmico - Durante sua fala, Christopher Garman, diretor-executivo para as Américas do Grupo Eurasia, que hoje é referência internacional em análise de cenários e riscos políticos destacou que o cenário pandêmico, causado pelo coronavírus, embora esteja sendo “sistematicamente subestimado por diversos atores”, representa um dos maiores choques para o sistema geopolítico global, devido às consequências econômicas que causam e continuarão causando uma queda brutal na economia das nações. “Uma dessas consequências é o acirramento da disputa, entre China e Estados Unidos, pela liderança econômica global”, ressaltou.

 

Sistema de saúde - Além disso, Garman frisou que o Brasil, que faz parte das nações emergentes, está numa posição muito ruim devido ao sucateamento do sistema de saúde, aos baixos índices de isolamento e à desigualdade social, tudo isso agravado pela crise política. O diretor-geral também destacou que em todas as nações cujas lideranças privilegiaram a economia em detrimento do sistema de saúde, o índice de aprovação dos presidentes caiu substancialmente e que, no caso do Brasil, um dos maiores desafios para governo de Jair Bolsonaro é, de fato, a crise sanitária que, infelizmente, deve se agravar nos próximos meses.

 

Oportunidade - Já o deputado Evair de Melo fez questão de ressaltar a maturidade do Congresso que, segundo ele, está cada vez mais alinhado com a necessidade dos brasileiros, sendo aliado do governo nos momentos mais fundamentais dessa nova fase da história do país. Ele lamentou as milhares de mortes causadas pela covid-19, mas frisou que o Brasil tem condições de retomar, rapidamente, a economia, graças ao setor produtivo. “Os países da Europa e da Ásia têm uma memória de fome e não conseguem suprir a própria demanda por alimentos. E, nós, aqui no Brasil, temos todas as condições de manter e até aumentar a nossa produtividade, cuidando do consumo interno e exportando para outros mercados do mundo”, argumenta o deputado federal. Para ele, “é preciso que pessoas físicas e jurídicas fiquem de pé, sem que ninguém fique para traz”.

 

Cooperativismo - Por fim, ele reforçou que o cooperativismo, por conta de sua história e tradição, pode ser a melhor estrutura de organização de pessoas, logo após o fim da pandemia, para reverter todos os efeitos negativos causados pelo coronavírus. “Já está provado que as cooperativas organizam as pessoas não só no setor rural e que elas, também, democratizam o crédito e movimentam diversos outros negócios em todas as partes do país”, comenta. O presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, seguindo a mesma linha de raciocínio, foi enfático ao dizer que o cooperativismo deve assumir o seu protagonismo nesse novo momento socioeconômico do país. “Não podemos esperar que os governos resolvam todos os problemas. Tem muita coisa que demanda soluções difíceis, mas outras só dependem da nossa decisão”, argumenta.

 

O papel das pessoas - Para o líder cooperativista, quem vai tomar as atitudes para sair da crise são as pessoas. São elas que vão decidir ficar em casa, em isolamento, se cuidando, por exemplo. E são elas que estão mudando o seu jeito de consumir produtos e serviços. “O problema da economia é um fato. E aí? O que vamos fazer? Digo que, com inovação, temos uma grande chance de diminuir os impactos econômicos. Somos bons em produzir. Então, devemos produzir mais barato, por exemplo, pra ajudar o Brasil e os outros países que precisarem dos nossos produtos ou serviços. Dois caminhos que temos é trabalhar a rastreabilidade e a agregação de valor”, finaliza Márcio Freitas. (Assessoria de Comunicação da OCB)

 

Clique aqui para assistir ao vídeo completo.

MILHO: Vantagem dos EUA sobre o Brasil deve aumentar

 

milho 18 05 2020Espera-se que preços atraentes e amplos estoques aumentem a vantagem dos Estados Unidos sobre o Brasil no fornecimento de milho à China este ano, mesmo com uma safra recorde esperada e uma moeda mais fraca. De acordo com o especialista José Roberto Gomes, em um texto publicado no portal estrangeiro AgroPages.com, a China está se preparando para comprar cerca de 20 milhões de toneladas de milho de outros países para restaurar suas reservas.

 

China - Os EUA historicamente têm sido um fornecedor líder de milho para a China, especialmente quando comparados ao Brasil. Em 2019, os EUA exportaram 309.500 toneladas do cereal para a China, contra apenas 68.550 toneladas do Brasil, segundo dados dos governos norte-americano e brasileiro. As exportações brasileiras de milho para a China nos últimos cinco anos foram inferiores a um terço do que os EUA enviaram, em média, completou o especialista. 

 

Brasil - “Até uma depreciação de mais de 30% do real brasileiro em relação ao dólar americano até agora este ano não foi suficiente para estimular as compras de milho brasileiro por Pequim, ao contrário da soja brasileira, onde a depreciação do real tornou essa commodity mais competitiva. A primeira razão para isso vem da CBOT, onde os contratos de milho no primeiro mês foram negociados perto de US$ 3 / bushel, o nível mais baixo em 13 anos. Espera-se que os preços caiam ainda mais em meio à expansão da área cultivada nos EUA nesta temporada para 97 milhões de acres e à demanda doméstica mais fraca da indústria de etanol, dados os impactos da pandemia de Covid-19 e a consequente desaceleração econômica”, conclui.

 

TRIGO: Boas perspectivas para 2020

 

trigo 18 05 2020O trigo, principal cultivo de inverno do sul do Brasil, apresenta boas perspectivas para o ano de 2020, segundo afirmou Marcelo André Klein, analista da cultura do trigo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). De acordo com ele, o cenário se mostra bastante favorável para o cereal.  “No contexto interno, há oferta reduzida de produto, dada a produção menor nas últimas safras e a previsão climática de inverno com tendência de uma estação de crescimento com menor umidade, que favorece o cultivo pela menor incidência de doenças e aumento de qualidade do produto colhido. Por sua vez, no cenário internacional, a desvalorização do real, em virtude da crise da Covid-19, tornou extremamente cara a aquisição de trigo argentino, cuja tonelada chegou ao mercado nacional por até R$ 1.300,00, no mês de março de 2020, com possibilidade de elevação em conformidade com o câmbio”, disse. 

 

Preços- Além disso, para fevereiro de 2020, a elevação de preço chegou a 4,09% no Rio Grande do Sul e 7,37% no Paraná. “Com os preços bastante atrativos no balcão, pode-se esperar uma tendência de aumento de área cultivada com trigo para a safra 2020. Temos terra, máquinas, tecnologia disponível e, principalmente, produtores experientes e com vontade de trabalhar. Trigo é a mais importante opção econômica para o uso das terras no inverno no Sul do Brasil”, completa. 

 

Principais produtores - Juntos, RS, SC e PR têm representado 88% da área e da produção total de trigo do Brasil. Nesse cenário, a importação gerou, somente no ano de 2019, um desembolso de U$$ 1,5 bilhão. “Nosso principal parceiro comercial é a Argentina, país do qual importamos, em média, 75% do trigo que precisamos para abastecer o mercado interno”, conclui. (Agrolink)

 

MERCADO INTERNACIONAL: Exportações do agro superam os US$ 10 bilhões em abril

 

mercado internacional 18 05 2020As exportações do agronegócio brasileiro de abril atingiram valor recorde para os meses de abril, suplantando pela primeira vez a barreira de US$ 10 bilhões. O recorde anterior das vendas externas para os meses de abril ocorreu em abril de 2013, quando as exportações foram de US$ 9,65 bilhões. O valor de abril deste ano (US$ 10,22 bilhões) foi 25% superior aos de abril de 2019 (US$ 8,18 bilhões). O recorde foi obtido em função, principalmente, do incremento dos embarques da soja em grão que cresceram 73,4%, com 16,3 milhões de toneladas, ou quase 7 milhões de toneladas a mais nesse mês em relação ao do ano anterior. A China foi o principal mercado importador do produto brasileiro, com a compra de 11,79 milhões de toneladas ou 72,3% da quantidade total exportada.

 

Receita - A receita das vendas da soja em grão, em abril deste ano, saltou de US$ 3,30 bilhões (abril/2019) para US$ 5,46 bilhões (abril/2020), crescimento de US$ 2,16 bilhões. No contexto de crise internacional do Covid-19, houve forte crescimento da demanda por soja brasileira, com antecipação das exportações do produto, explica a nota da Balança Comercial do Agronegócio, elaborada pela Secretaria de Comércio e Relações Internacionais (SCRI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

 

Participação - Essa elevação aliada à redução da demanda pelos demais produtos da balança comercial (-27,1%) ajudou a aumentar a participação dos produtos do agronegócio no total exportado pelo Brasil. A participação do agronegócio nas exportações brasileiras no mês estudado atingiu o patamar recorde de 55,8%. Em abril de 2019, a participação foi de 42,2%. Por outro lado, as importações de produtos do agronegócio caíram de US$ 1,21 bilhão (abril/2019) para US$ 1,01 bilhão (abril/2020), recuo de 16,7%.

 

Acumulado do ano  No primeiro quadrimestre deste ano, as exportações brasileiras do agronegócio somaram US$ 31,40 bilhões, alta de 5,9% em relação ao mesmo período no ano anterior. O crescimento das exportações do setor resultou no aumento da quantidade embarcada, com alta de 11,1%, enquanto o índice de preço sofreu redução de 4,7%.

 

Importações - De acordo com a nota da SCRI, as vendas externas representaram o melhor resultado do acumulado entre janeiro e abril na série histórica e foram responsáveis por quase metade das exportações totais brasileiras (46,6%). As importações, por sua vez, alcançaram US$ 4,57 bilhões (- 4,5%). Como resultado, o saldo da balança comercial do agronegócio foi superavitário em US$ 26,83 bilhões no período.

 

Soja em grão e carne bovinaAs exportações de soja em grãos alcançaram recorde para a série histórica no quadrimestre tanto em valor (US$ 11,50 bilhões), quanto em quantidade (33,66 milhões de toneladas), apesar da queda de 4,2% no preço médio do produto. A China foi responsável por 73,4% das aquisições do grão brasileiro no primeiro quadrimestre de 2020, com aumento de 26,6% em relação ao mesmo período do ano anterior.

 

Produtos in natura - A carne bovina foi o principal produto entre as carnes no quadrimestre, sendo responsável por 45,3% do valor exportado. As vendas de carne bovina in natura registraram recorde histórico para o quadrimestre em valor (US$ 2,13 bilhões) e quantidade (469,76 mil toneladas). A China representou quase metade das exportações brasileiras do produto no período (49,6%), sendo o mercado que mais contribuiu para o crescimento de 26,5% em relação a 2019. (Ministério da Agricultura / Foto: Mapa/iStock)

 

Confira a nota e resumo da Balança Comercial do Agronegócio 

Confira o Agrostat - Sistema de Estatísticas de Comercio Exterior do Agronegócio Brasileiro   

 


Versão para impressão


RODAPE