Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4863 | 13 de Julho de 2020

FÓRUM: Estudo mostra retrato da área florestal das cooperativas do PR

Um estudo feito pelo Sistema Ocepar em parceria com a empresa Innovatech Consultoria traz informações relevantes sobre o cultivo e o uso de espécies florestais para a manutenção das operações das cooperativas agropecuárias paranaenses. A pesquisa foi realizada com 13 cooperativas que, juntas, somam R$ 60 bilhões em faturamento, o que corresponde a 85% do total das receitas do ramo no Estado. “O objetivo foi trazer um retrato da área florestal das cooperativas e fomentar as discussões no grupo que integra o nosso Fórum Florestal”, informa o analista da Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec), Moisés Knaut Tokarski. O resultado do levantamento foi apresentado pelo líder de Portfólio na Innovatech Consultoria, Daniel Bouchardet, no dia 9 de julho, no evento realizado virtualmente com a participação de 28 profissionais da Coamo, Castrolanda, Frísia, Agrária, Coopavel, Coasul, Lar, Copacol, Frimesa, C.Vale, Integrada e Cocari. O Fórum Florestal foi aberto pelo coordenador da Getec, Sílvio Krisnki.

Destaque - Intitulado “Diálogo Estratégico - Abastecimento de madeira nas cooperativas do Paraná”, o levantamento mostra que as 13 cooperativas consultadas desembolsam, em conjunto, mais de R$ 350 milhões por ano na produção e em custos com aquisição de madeira. A matéria-prima é usada principalmente na secagem de grãos. “O destaque do estudo é o início da substituição da lenha por cavaco e a tendência é de que essa substituição ganhe ainda mais força nos próximos anos”, ressalta Tokarski. Ainda de acordo com a pesquisa, mais de 2,4 milhões de metros cúbicos de madeira são consumidos pelas cooperativas consultadas. O autoabastecimeto é a principal estratégia utilizada por elas, seja por meio de cultivos em áreas próprias ou arrendadas, sendo que mais de 50 mil hectares de plantios de eucalipto são destinados às suas atividades.

Clique aqui e confira na íntegra o estudo “Diálogo Estratégico - Abastecimento de madeira nas cooperativas do Paraná”

{vsig}2020/noticias/07/13/forum/{/vsig}

GETEC: Informe nº 33 apresenta expectativas de mercado sobre indicadores econômicos

getec destaque 13 07 2020A Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec) divulgou, nesta segunda-feira (13/07), mais uma edição do Informe Expectativas de Mercado, com base nas informações do Boletim Focus, do Banco Central (BC), levantadas com instituições financeiras sobre as projeções relativas à economia nacional, contemplando o Produto Interno Bruto (PIB), IPCA (Índice de Preços ao Consumidor), taxa Selic e câmbio para 2020, 2021 e 2022.

Clique aqui para conferir o Informe Expectativas de Mercado Semanal

 

COVID-19: Comitê divulga comunicado 73

covid 19 destaque 13 07 2020O Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar divulgou, na manhã desta segunda-feira (13/07), o comunicado 73, destacando diversas atividades ocorridas na semana passada, como as reuniões virtuais com o banco Santander, com o Mapa e Alliance for Integrity e com o cônsul-geral do Japão. Também lembra que a Semana da Cooperação, promovida pelo Sistema Ocepar e cooperativas do Paraná para celebrar o Dia C encerrou na sexta-feira (10/07). Veja abaixo as informações.

1. No dia 10 de julho, o Sistema Ocepar realizou reunião virtual com o banco Santander para tratar das perspectivas e das estratégias futuras do cooperativismo paranaense.

2. O Sistema Ocepar, no dia 10 de julho, finalizou a Semana da Cooperação, desenvolvida em conjunto com as cooperativas paranaenses para apresentar e demonstrar a força do cooperativismo, em comemoração ao Dia de Cooperar. O conteúdo produzido durante a semana poderá ser acessado no canal youtube.com/sistemaocepar.

3. No dia 10 de julho, o Sistema Ocepar participou da reunião virtual organizada pelo Sistema OCB, com representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Mapa e Alliance for Integrity. A aliança é conduzida pela Cooperação Alemã para o Desenvolvimento (GIZ, na sigla em alemão), a fim de discutir ações para o fortalecimento do cooperativismo agropecuário por meio da implementação do programa de integridade.

4. O Sistema Ocepar, no dia 10 de julho, participou de videoconferência com o cônsul-geral do Japão, Takagi Masahiro, e com o diretor da Secretaria Estadual do Planejamento e Projetos Estruturantes, Guilherme Lorenzi. O objetivo da reunião foi discutir possíveis parcerias entre o setor cooperativista paranaense com o Japão.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa).

 

PEAC: Câmara aprova MP que facilita crédito a cooperativas

peac 13 07 2020A Câmara dos Deputados aprovou na quinta-feira (09/07) o texto da Medida Provisória (MP) 975/20, que institui o Programa Emergencial de Acesso a Crédito (Peac). O objetivo da proposta é facilitar o acesso a crédito, com a disponibilização de garantias, e preservar empresas de pequeno e médio portes diante dos impactos econômicos decorrentes da pandemia de covid-19.

Emendas - A matéria, que segue agora para análise no Senado, conta com a inclusão de emendas sugeridas pela OCB e apresentadas pelo deputado Evair de Melo (ES), presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), e incluem as cooperativas como beneficiárias do Peac e Pronampe, antes restritos às empresas.

Medida justa - O relator, deputado Efraim Filho (PB), da Diretoria da Frencoop, afirmou que a inclusão é uma medida justa pelo importante papel do cooperativismo na retomada do crescimento. Vale destacar que as coops de crédito também participam como agentes financeiras e estão autorizadas a repassar os recursos de ambos os programas.

Grande passo - O presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, avaliou a aprovação como mais um grande passo para legitimar as cooperativas como ferramentas essenciais na retomada da economia. “As cooperativas estão em todos os lugares, aliás, em quase 600 cidades brasileiras, as coops de crédito são as únicas instituições financeiras presentes. Elas, sim, contribuem para a democratização dos benefícios dos programas governamentais.

Parabenizou - O presidente da Frencoop, deputado Evair de Melo, parabenizou a Câmara por incluir as cooperativas como beneficiárias do Peac e do Pronampe. “Justo, pois elas ajudam a agilizar e desburocratizar procedimentos e ainda estão presentes em todo território brasileiro! Grande avanço para o cooperativismo e para seus milhões de usuários”, comenta o parlamentar.

Entenda - Editada pelo governo federal no mês passado, a medida destina crédito a empresas que tenham tido em 2019 receita bruta superior a R$ 360 mil e inferior ou igual a R$ 300 milhões.

Fundo - Pela proposta, a União a aumentará em até R$ 20 bilhões a sua participação no Fundo Garantidor para Investimentos (FGI), administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), exclusivamente para a cobertura das operações contratadas no âmbito do Programa Emergencial de Acesso a Crédito.

Complemento - A medida é uma complementação ao Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). Os valores não utilizados até 31 de dezembro de 2020 para garantia das operações ativas serão devolvidos à União por meio do resgate de cotas.

Mais recursos - O texto do relator, deputado Efraim Filho (PB), prevê mais R$ 10 bilhões para ajuda emergencial a microempreendedores individuais, micro e pequenas empresas, associações e cooperativas, entre outros. “Nós falhamos em uma política pública de créditos que chegasse verdadeiramente na ponta, para o CNPJ [Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica], para as pessoas jurídicas, para o empreendedor brasileiro. Talvez esse projeto, esse relatório, praticamente, 100 dias depois do decreto de calamidade, seja a bala de prata para tentarmos resolver esse problema”, avaliou Efraim Filho.

Maquininhas - O parlamentar incluiu no projeto o Peac-Maquininhas, que usará como garantia os valores a receber de vendas feitas por meios das máquinas de cartões, o chamado “crédito fumaça”. “Esse tipo de empréstimo baseado no crédito fumaça, que é o da maquininha, ou seja, com base no que ele vai vender a dois ou três meses, praticamente ninguém tem, porque o mercado é muito restrito com isso. Como estamos entrando com uma garantia e a cobertura do governo, agora vai ser possível existir”, explicou.

Desburocratização - De acordo com o deputado, a medida vai desburocratizar o acesso ao crédito pelos micro e pequenos empreendedores, por meio das maquininhas de cartão. As operações terão taxa de juros de até 6% ao ano, com prazo de 36 meses para pagamento, incluído o prazo de carência de seis meses para início do pagamento, com capitalização de juros durante esse período.

Agilidade - “Vai chegar na ponta, com agilidade, sem burocracia, sem demora, sem precisar ir à agência. O contrato será digital, eletrônico. Ou seja, não vai precisar de penhora de imóvel, de certidão de cartório, de disponibilizar o patrimônio dessa empresa, principalmente o pequeno, para aquilo que muitas vezes ele precisa priorizar. A cobertura de 100%, por parte do governo, da operação para os pequenos vai nos elevar a outro patamar, porque reduz o risco da inadimplência”, acrescentou Efraim Filho.

Valor - O valor do crédito concedido por contratante está limitado ao dobro da média mensal das vendas de bens e prestações de serviço do contratante, com valor máximo de R$ 50 mil.

Pronampe - A Caixa Econômica Federal ultrapassou a marca de R$ 5 bilhões em crédito a micro e pequenas empresas durante a pandemia. O Programa de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) atingiu o limite de R$ 3,18 bilhões emprestados às 12h desta quinta-feira. As linhas do Fundo de Aval para as Micro e Pequenas Empresas (Fampe) emprestaram R$ 1,8 bilhão.

Total - O total emprestado nos dois programas somava R$ 4,98 bilhões até o início da tarde. Como o Ministério da Economia ampliou o teto do Pronampe em R$ 1,06 bilhão, para R$ 4,24 bilhões, o marco de R$ 5 bilhões emprestados foi atingido no meio da tarde.

Participação - Segundo a Caixa, cerca de 70% dos pedidos de empréstimo para pequenos negócios afetados pela pandemia do novo coronavírus vêm de empresas sem conta na Caixa. (OCB, com informações da Agência Brasil)

FOTO: Najara Araujo / Câmara dos Deputados

 

DIA C: Semana da Cooperação encerra com apresentação especial do Espaço Sou Arte

A Semana da Cooperação, organizada pelo Sistema Ocepar e que teve início no sábado, 4 de julho, Dia Internacional do Cooperativismo, encerrou sexta-feira (10/07) com a última live conduzida pelo palhaço Alípio e com uma apresentação especial do grupo Espaço Sou Arte, de Campo Mourão (PR). Foram, ao todo, seis lives, com um mais de cinco mil visualizações pela TV Paraná Cooperativo do Youtube, com muita diversão, cultura, alegria e ações solidárias.

Sou Arte - Para Edilaine Castro, diretora artística do Grupo Sou Arte, participar novamente do Dia C, mesmo de forma virtual, “foi uma alegria para todos os componentes do grupo que fizeram questão em dar o seu melhor”. O Espaço Sou Arte existe há 18 anos e tem por base o teatro, circo e dança, “além do trabalho social”, lembra Edilaine. O grupo é formado por artistas, a maioria jovens oriundos de projetos sociais, que viviam em situação de vulnerabilidade e que hoje sobrevivem da arte.

Painel do Bem - Durante a semana, o Painel do Bem foi registrando o número de cooperativas que inscreveram seus projetos no portal do Dia C do Sistema OCB. Na sexta-feira (10/07) já eram 199 cooperativas paranaenses, com 555 ações, mobilizando cerca de 37,1 mil voluntários, beneficiando 800 mil pessoas abrangendo um total de R$ 6,5 milhões disponibilizados em toneladas de alimentos, álcool gel, máscaras de proteção, lençóis para hospitais, respiradores etc.

Abertura - A última live da Semana da Cooperação foi aberta oficialmente pelo superintendente da Fecoopar, Nelson Costa, que destacou a forma diferente de celebrar a cooperação neste ano, devido à pandemia. “Centenas de atividades foram realizadas nesta semana pelo Sistema Ocepar e pelas cooperativas. Das 221 cooperativas do Paraná, 199 já estão inscritas com projetos do Dia C até o momento. Nesses dias, milhares de pessoas tiveram oportunidades de participar e assistir às programações de forma digital”. Costa lembrou que o Dia C não encerra agora, “a programação vai até o final do ano, com o propósito de conscientizar um maior número de pessoas para a prática da cooperação, inclusive, nosso slogan é: todo dia é dia de cooperar, que induz as pessoas a inserirem nas suas vidas, no seu cotidiano a cooperação”, frisou.

História - Costa destacou ainda a importância de lembrar onde tudo começou. “Retornar à origem do cooperativismo, em 1844, quando 28 tecelões ingleses, em Rochadele, decidiram se organizar para fazer comprar em comum, mal sabiam eles que aquela iniciativa daria origem a um sistema que hoje congrega mais de 1,2 bilhão de pessoas em todo mundo. O propósito deles, na época, era comprar alimentos e bens de consumo mais barato e, por isso, decidiram se organizar economicamente. Essa data marca a primeira experiência de cooperação de pessoas para atingir objetivos econômicos. Existem outras experiências de cooperação como, por exemplo, grupos indígenas que ainda hoje vivem organizados em comunidades, quase como se fosse uma cooperativa, mas o objetivo deles está focado mais na área social. A iniciativa do grupo de tecelões de 1844 ocorreu de forma organizada e com uma característica importante - a união das pessoas na área econômica, cuja característica permeia o cooperativismo até hoje”, ressaltou.

Transformações - “Importante destacar que cooperar e transformar andam juntos. Quando nós falamos em cooperar, estamos, ao mesmo tempo, buscando a transformação de algo para atender nossas necessidades. E, nesse sentido, ao examinar a origem de nossas cooperativas, vamos verificar que seu propósito sempre foi transformar alguma coisa para atender as necessidades econômicas das pessoas. E temos vários exemplos de cidades onde há uma cooperativa o progresso é maior do que onde não há nenhuma. Dentre essas cidades, destacamos Cafelândia, Ubiratã, Entre Rios, Castro, Carambeí e a Colônia Witmarsum, no Paraná, dentre outras, ou seja, a cidade e a cooperativa cresceram de forma harmônica, juntas”, exemplificou Costa.

Organização - “Sou de uma região aqui próximo a Curitiba – conta Nelson -, onde não existe cooperativa, os agricultores ainda estão à mercê da falta de assistência técnica, armazéns, secadores e a comercialização ainda é com os intermediários, os agricultores vivem com dificuldades. As mesmas que já foram superadas em regiões onde há cooperativa, porque a cooperativa é uma organização das próprias pessoas e são eles que decidem o que é melhor para a sociedade”.

Origem do Dia C - Costa também lembrou que este movimento chamado Dia de Cooperar, nasceu em Minas Gerais, em 2009, “com propósito do cooperativismo interagir com a sociedade, mostrar suas realizações, divulgar seus trabalhos – inicialmente, uma ação de voluntariado. Ao longo desses anos e, especialmente neste ano com a pandemia, vamos ter um período maior de atividades do Dia C, é importante retornamos à essência da cooperação – cooperar para transformar algo para o bem comum”.

Novos projetos - “E, falando em cooperar e transformar, é importante debater, e os projetos apresentados até agora, aqueles que vão nesta linha, por meio da cooperação - transformam a vida das pessoas nas diversas regiões. Por exemplo, a necessidade do uso de máscara despertou o interesse pela costura de milhares de pessoas, que estão tirando seu sustento dessa atividade. Esperamos que brevemente voltemos à normalidade e não precisemos mais usar máscara, porém, essas pessoas estão capacitadas e vão ficar sem atividades. Que tal se nós incentivarmos que elas se organizem em cooperativas, apoiadas pelas cooperativas agropecuárias, de crédito, de saúde e tantas outras, para fazer uniformes para seus trabalhadores – e esse exemplo pode ser estendido para outras atividades. Então, vamos aproveitar esse período para estimular a cooperação entre as pessoas das comunidades, para se organizarem economicamente – procurando despertar a cooperação e, com isso, desenvolver as pessoas”, propôs Costa.

Clip - O encerramento da sexta live da Semana da Cooperação foi realizada pela apresentação de um clip especialmente produzido pela Realiza Vídeo, com integrantes da diretoria executiva e funcionários do Sistema Ocepar que trabalharam diretamente para que toda esta programação fosse executada. O texto que foi lido faz parte do Manifesto do DNA da Marca do Sistema Ocepar: Cooperar. Se tem uma palavra, capaz de traduzir o nosso propósito, é essa!

Assista aqui ao clip do manifesto.

{vsig}2020/noticias/07/13/dia_c_sistema_ocepar/{/vsig}

 

DIA C: União das cooperativas de Pato Branco arrecada 2,5 toneladas de alimentos

Um grupo de sete cooperativas de Pato Branco (PR) realizou recentemente um mutirão para arrecadar donativos em benefício de entidades e projetos assistenciais. Chamado de Mega-Arrecadação, foi promovido por conta do Dia de Cooperar, mais conhecido como Dia C, movimento nacional de intercooperação em benefício de causas sociais, celebrado no dia 4 de julho.

Participantes - Participaram do Dia C as cooperativas Coopertradição, Unimed Pato Branco, Uniprime, Sicoob, Sicredi, Cresol e Evolua.

Total arrecadado - Ao todo, foram arrecadadas aproximadamente 2,5 toneladas de alimentos não perecíveis, além de 25 metros de tecido, 415 itens de produtos de limpeza, como água sanitária, detergente e desinfetante, e 74 itens de higiene pessoal, como creme e escova dental, shampoo, entre outros.

Entidades - O material arrecadado será distribuído entre as seguintes entidades: Remanso da Pedreira, Instituto de Saúde São Lucas (ISSAL), Hospital do Câncer, SOS Vida, Apac, Gama, Casa Abrigo, Lar dos Idosos e Assistência Social.

Ajuda - As doações devem contribuir para a realização do trabalho dessas entidades, especialmente por conta das consequências da pandemia de coronavírus. “É muito importante vermos instituições pensando no bem comum. Isso nos auxilia e facilita nosso trabalho”, diz Thiago Quevedo, coordenador do Centro de Promoção Humana e Assistência.

Diferença - “Nós oferecemos quatro refeições por dia, além do acolhimento de cama e banho. Essa ação faz muita diferença”, comenta Jairo Bortot, coordenador do projeto Missão SOS Vida, que trabalha no atendimento de dependentes químicos e pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Entrega simbólica - A entrega simbólica dos donativos aconteceu em uma das agências do Sicoob em Pato Branco. Por conta das medidas de prevenção ao novo coronavírus, as doações serão retiradas pelas entidades através de agendamento. “Consideramos que a campanha foi um sucesso, apesar de toda a comunicação e o trabalho ter sido feito de forma online” avalia Neri Fabris, um dos coordenadores da Mega-Arrecadação. (Imprensa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP)

{vsig}2020/noticias/07/13/dia_c_pato_branco/{/vsig}

DIA C: Primato faz terceira entrega do Dia de Cooperar

dia c primato 13 07 2020Dando sequência às ações alusivas ao Dia C – Dia de Cooperar, uma iniciativa das cooperativas do país para promover e estimular a realização de ações voluntárias, a Primato Cooperativa Agroindustrial fez a terceira entrega de alimentos arrecadados e produtos de limpeza.

DIA C - A Primato vem promovendo ações para o Dia C através da rede de supermercados da cooperativa. “A cooperação é fundamental a todo momento, mas em especial agora durante a pandemia do novo coronavírus e com a chegada do inverno, se faz mais importante ainda. Por isso, em ação do Dia C, a Primato vem promovendo a campanha de reversão de desconto na compra de produtos da linha de alimentos Primato em nossos supermercados, onde iremos destinar 5% das vendas para doação às instituições sociais. Já receberam a Fazenda da Esperança, Secretaria Municipal de Assistência Social em Toledo e Embaixada Solidária”, destacou o diretor vice-presidente da Primato Cezar Luiz Dondoni.

Doações - Segundo Cezar, as doações são alimentos e produtos de higiene. “São instituições que auxiliam muitas pessoas desassistidas e até mesmo de outros países, como é o caso da Embaixada Solidária”, disse.

Live - “Na manhã de quinta-feira (09/07) a diretoria do Toledo EC representada pelo seu presidente Carlos Alberto Dulaba e o diretor esportivo Valdir Ortiz , além da dupla Walmir e Wanderley, donos das vozes do Hino Oficial do TEC, entregaram juntamente com os parceiros do Toledo, Zé Luiz Santos, Diretor da Unopar e o vice presidente Primato Cooperativa Agroindustrial via Primato Supermercado, César Luís Dondoni, as quase 6 toneladas de alimentos arrecadadas através de doações durante a transmissão da Live do Bem do Toledo Esporte Clube no último dia 1° de Julho nas dependências da GM Pizzaria”, publicou o diretor presidente do Toledo Esporte Clube (TEC), Carlos Dulaba em suas mídias sociais.

Músicos locais - A Primato também tem participação em Lives de músicos locais promovidas em Toledo. “A cada quatro cestas compradas na rede de supermercados durante a transmissão das Lives nas quais somos parceiros, a Primato doa uma cesta às instituições que recebem os recursos dessas transmissões. É uma forma de contribuir com a cultura e a sociedade onde a cooperativa está inserida”, disse o executivo.

Continuidade - A ação das Lives também continua e, nesta próxima semana, a arrecadação vai ser destinada às instituições sociais. “Na live feita pelo Rotary foram comercializadas 503 cestas, das quais 100 foram doadas pelo Primato Supermercado”, concluiu Sabadin.

Primato - A linha de alimentos Primato está disponível nas unidades da rede Primato Supermercado em Toledo e Vera Cruz do Oeste e também pelo site supermercado.primato.com.br, ou pelo aplicativo para smartaphones android https://bit.ly/3gMetfB e sistemas apple (IOS) https://apple.co/2U0JqDa. (Imprensa Primato)

 

BOM JESUS: Cooperativa completa 68 anos

Dia 13 de julho de 1952 foi registrado na Colônia Municipal, na Lapa (PR), a criação da Cooperativa Mista Bom Jesus. Seus fundadores foram 18 empreendedores rurais que vislumbravam no cooperativismo a possibilidade de crescimento. A Bom Jesus era uma cooperativa de consumo, onde os produtores buscavam um melhor poder de barganha/compras.

Sede - Sua sede, desde a fundação na Colônia Municipal, posteriormente foi levada para o centro da cidade, onde permaneceu até 1966. Com potencial ampliado, passou a funcionar a partir de 1966, na Vila São José. Com crescimento constante e visando uma maior comodidade aos seus sócios, a partir de 1989 sua Sede foi transferida para o endereço atual, as margens da Rodovia do Xisto, no trevo ligando São Mateus do Sul, Porto Amazonas e Campo do Tenente.

Mudança - A partir do século XXI, passou a se chamar Cooperativa Agroindustrial Bom Jesus e hoje está presente com 25 unidades em 13 municípios espalhados no sudeste paranaense e planalto norte catarinense, sendo: Lapa, Contenda, Quitandinha, Balsa Nova, Palmeira, São João do Triunfo, Irati, Rebouças, Mallet, Paulo Frontin, São Mateus do Sul e Antonio Olinto, no Paraná; e Mafra, em Santa Catarina. Possui também uma Fazenda Experimental e uma Fábrica de Rações, com capacidade de produção de 20 toneladas/hora, para bovinos de leite, bovinos de corte, equinos, caprinos, ovinos, suínos, aves e coelhos levando a marca Fibra.

Atuação - Atua no recebimento de cereais como a soja, milho, feijão, trigo e cevada, além de tecnologia aos produtores com assistência técnica e insumos no tratamento de diversas culturas, como por exemplo, batata, cebola, entre outros. Atua também na captação de leite na região, auxiliando na assistência técnica e trabalhando em processo de intercooperação com as Cooperativas Frísia e Castrolanda.

Avanços - Com mais de 5 mil cooperados, a Cooperativa Bom Jesus vem apresentando avanços importantes no seu balanço econômico, registrando um crescimento de 32% nos últimos 5 anos, com faturamento chegando a mais de R$ 760 milhões. Já no balanço social, voltado à promoção humana, destacam-se cursos e palestras aos cooperados, grupos de jovens e mulheres e programas de integração com crianças, além de capacitação contínua do quadro de funcionários.

Foco - Seu foco é na gestão democrática e responsável, profissionalismo e transparência, no desenvolvimento socioeconômico do associado e na responsabilidade ambiental com sustentabilidade.

Mensagem - O presidente da Bom Jesus, Luiz Roberto Baggio, divulgou uma mensagem alusiva ao aniversário da cooperativa. Clique aqui para conferir. (Com informações da Imprensa Bom Jesus)

{vsig}2020/noticias/07/13/bom_jesus/{/vsig}

COCAMAR I: Lançado o Dia de Campo de Inverno Digital

A Cocamar deu início a uma experiência inédita, no domingo (12/07), voltada aos seus produtores cooperados: a apresentação do formato digital de seu Dia de Campo de Inverno, tradicional evento que, em razão da pandemia do novo coronavírus, não pode ser realizado presencialmente.

Lançamento - Lançado pela manhã durante o programa de televisão RIC Rural – exibido pela rede de emissoras da RIC Record no Paraná das 9 às 10h – o Dia de Campo de Inverno Digital foi aberto com uma entrevista do presidente executivo Divanir Higino.

Site interativo - De acordo com Higino, diante do desafio de continuar transferindo conhecimentos aos cooperados sobre as novas tecnologias, a Cocamar inovou e desenvolveu um site interativo. “Nossa preocupação era manter a mesma qualidade das informações presenciais”, disse o presidente, assinalando que os cooperados podem, assim, navegar pelo site e se inteirar do trabalho de empresas parceiras, como se elas os estivessem recebendo em seus estandes.

Abordagem - Depois, ainda no programa de TV, em uma detalhada abordagem, foi analisado o controle da cigarrinha, uma das pragas mais preocupantes da cultura do milho no momento.

Estações e estandes - No site, assim como em um Dia de Campo presencial, são 5 estações de negócios apresentadas pela Cocamar (e que vão ser mostradas também na TV nos próximos três domingos) e 27 estandes que podem ser acessados com um simples clicar, nos quais técnicos comentam sobre novas tecnologias, totalizando três horas de conteúdo. Além do controle da cigarrinha, vão ser abordados assuntos relacionados à Concessionária John Deere Cocamar, como novidades em tecnologias agrícolas; Soluções John Deere para maior eficiência e rentabilidade de forma sustentável; Linha de fertilizantes foliares e adjuvantes Viridian – como melhorar a performance das lavouras, e Sementes Cocamar – mostrando toda a tecnologia de produção. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2020/noticias/07/13/cocamar_I/{/vsig}

COCAMAR II: Cooperativa passa a ser signatária do Pacto Global

cocamar II 13 07 2020A Cocamar acaba de ingressar na maior rede mundial de sustentabilidade e se tornou signatária do Pacto Global, iniciativa lançada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2000 e que reúne governos, empresas e a sociedade civil organizada. Seu objetivo é discutir o futuro do planeta, potencializar práticas sustentáveis e garantir transparência e visibilidade a instituições comprometidas com os dez princípios e com o progresso da Agenda 2030.  

Interesse - A cooperativa havia manifestado, no início do ano, seu interesse em integrar a rede, quando oficiou correspondência assinada pelo presidente executivo Divanir Higino, acompanhada do formulário de adesão. As práticas sustentáveis e regenerativas que desenvolve haviam sido compiladas em um amplo relatório publicado no final do exercício 2019, com mais de 40 itens, em que demonstrou seu potencial em contribuir.

Diligências - Com base nisso, representantes do Pacto Global promoveram diligências para conhecer o nível de comprometimento da Cocamar em relação aos dez princípios universais das áreas de Direitos Humanos, Trabalho, Meio Ambiente e Anticorrupção e com a Agenda Global para o desenvolvimento sustentável – Agenda 2030, aceitando a sua inclusão. Com isso, a cooperativa passou, oficialmente, a ser uma signatária.

Inovação e sustentabilidade- “Somos uma organização que, desde o seu início, há 57 anos, tem a marca da inovação e da sustentabilidade”, frisa o presidente Divanir Higino. Para ele, o ingresso da Cocamar na rede mundial é um reconhecimento aos diferenciais da cooperativa.

ILPF - Algumas das atividades mencionadas no relatório a Cocamar implementa há mais de duas décadas, caso do fomento ao Programa de Integração Lavoura-Pecuária (ILPF), do qual foi uma das pioneiras no país e que levou o governo brasileiro a criar em meados da última década o Programa ABC (Agricultura de Baixo Carbono), que se encontra consolidado. São mais de 250 mil hectares em formatos integrados nas regiões atendidas pela cooperativa, nos estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul, garantindo uma produção mais sustentável de grãos e carnes.

Solo - O manejo adequado do solo é outro programa implementado de longa data com a finalidade de orientar os produtores cooperados na adoção das melhores práticas conservacionistas. Nesse sentido, são mantidas parcerias com a Embrapa e universidades, entre outras instituições. Ainda nessa linha, para proteger e reestruturar o solo, a cooperativa estimula os produtores a fazerem o consórcio milho de inverno e capim braquiária, o qual, entre vários outros benefícios, inibe o processo erosivo, o surgimento de ervas, combate a compactação e, com a boa cobertura de palha, possibilita um plantio direto de melhor qualidade na safra de verão.

Mercado solidário - Por sua vez, pequenos produtores de laranja foram preparados pela cooperativa para atender às exigências do rigoroso mercado solidário internacional, para onde é encaminhada uma parte do suco. Com isso, eles recebem uma série de benefícios que os fortalecem na atividade.

Sistemas - De longa data, também, foram adotados sistemas mais sustentáveis na rotina dos colaboradores em todos os setores administrativos, como a substituição de copos plásticos por canecas. E, na indústria de fios, a partir da fibra de poliéster derivada de embalagens Pet recolhidas por catadores de rua, assim como tecidos desfibrados que seriam resíduos em malharias, a Cocamar produz fios ecológicos destinados ao mercado de confecções. Sem esquecer que, desde 2009, o parque industrial da cooperativa em Maringá conta com uma usina de cogeração de energia elétrica suprida por biomassa (cavacos de eucalipto) e que tem capacidade para atender toda a demanda das indústrias.

Inclusão social - Nos mais de 40 itens do relatório da Cocamar há, também, programas de inclusão social, como o Cultivar, em que alunos da Associação Paranaense dos Amigos dos Excepcionais (Apae) produzem mudas de espécies nativas para encaminhamento a produtores cooperados, visando a recompor áreas de preservação permanente. (Imprensa Cocamar)

 

CAPAL: Período mais frio do ano demanda cuidados especiais no cultivo do café

capal 13 07 2020Em cada estação, período do ano e fase da lavoura é preciso observar práticas de manejo específicas, que atendam às necessidades nutricionais do solo e das plantas. No cultivo do café, a falta de nitrogênio pode prejudicar o enfolhamento, diminuindo o tamanho e a quantidade das folhas. A florada também sofre prejuízos com a falta desse nutriente.

Adubação nitrogenada - Nesse sentido, a adubação nitrogenada é fundamental para garantir o crescimento da planta, o florescimento e a frutificação, mesmo nos períodos mais frios do ano. Embora o crescimento vegetativo seja menor que no verão, ainda há necessidade de realizar adubação nitrogenada, pois neste período o cafeeiro ganha de dois a três entrenós produtivos.

Desenvolvimento - O desenvolvimento da planta justifica a adubação nitrogenada no inverno, principalmente se for uma estação chuvosa e com temperaturas mais elevadas pois, neste caso, o crescimento vegetativo será maior. Quando não se faz uso do adubo nitrogenado no frio, o produtor não obterá o máximo potencial produtivo da lavoura.

Cooperados - Parte dos cooperados da Capal, que conhece os resultados dessa prática de manejo, já realiza a adubação no inverno. A dose do fertilizante é definida com a ajuda da equipe de Assistência Técnica da Capal, levando em consideração o potencial produtivo de cada talhão, mensurado a partir do histórico da área.

Outras medidas - O período mais frio do ano também demanda outros cuidados. Em lavouras esqueletadas, ou seja, podadas, deve-se realizar o manejo fitossanitário visando ao controle preventivo de doenças como antracnose e bactérias, com produtos de contato a base de cobre e outros.

Ferrugem tardia - Em anos com presença de ferrugem tardia, também há a necessidade de aplicações específicas. No caso de lavouras em formação que não serão podadas e lavouras em pós-colheita, o manejo também é importante para cicatrizar danos mecânicos.

Assistência técnica - O Departamento de Assistência Técnica da Capal está à disposição dos produtores associados para fazer as recomendações adequadas e solucionar dúvidas. (Imprensa Capal)

 

COCARI: Cooperativa promove Conexão Coop; live irá debater engajamento de jovens nas cooperativas do PR

Com o objetivo de discutir a importância da Organização do Quadro Social no engajamento de jovens nas cooperativas, a Cocari, por meio do Departamento de Cooperativismo, viabilizará, nesta terça-feira (14/07), às 15h, um encontro on-line entre os Agentes de Cooperativismo que atuam em cooperativas do Paraná.

Capacitação - O evento permitirá troca de experiências, alinhamento de ações, esclarecimentos sobre a metodologia de trabalho e capacitação dos participantes, tanto em relação às funções desempenhadas na cooperativa, quanto às estratégias de atração dos jovens para o cenário cooperativista.

Transmissão pelo Youtube - O Conexão Coop tem apoio do Sescoop/PR e será transmitido pelo canal da Cocari no Youtube. O coordenador de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, Humberto César Bridi, será o moderador da live, que contará com três palestrantes.

Daniel Oliveira - Líder jovem cooperativista do Programa Somos Líderes, promovido pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). Bacharel em Cooperativismo. Especialista em Organização do Quadro Social (OQS). Pós-graduado em Consultoria Empresarial e Gestão de Projetos e Programa Sociais.

Deivid Ilecki Forgiarini - Doutor em Administração pela Unisinos. Pesquisador em gestão de cooperativas. Coordenador da Graduação da Faculdade de Tecnologia do Cooperativismo (Escoop). Coordenador do Projeto de Pesquisa, financiado pelo CNPq, Sistema de Inovação para Cooperativas.

Ivan da Silva Melo - Mestre em Administração pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Especialista em Gestão de Cooperativas de Crédito. Bacharel em Gestão do Agronegócio. Instrutor do Sescoop, com atuação em todos os estados brasileiros.

Agende-se - Aproveite esta oportunidade de atualização profissional! O Conexão Coop é nesta terça-feira (14/07), das 15h às 16h30, no canal do Youtube da cooperativa: @cocaricoop. (Imprensa Cocari)

cocari 13 07 2020

 

PRIMATO: Live Solidária será realizada no dia 19

primato 13 07 2020Entre as ações do Projeto Primar, a Primato vem promovendo, nas últimas semanas, participações em Lives com talentos musicais locais e regionais promovidas por entidades e empresas de Toledo (PR) para colaborar com a instituições assistenciais que necessitam de ajuda da sociedade civil organizada. No dia 19 de julho, será a vez da Live Solidário Primato com a Dupla Gustavo Toledo e Gabriel.

Solidária - “O objetivo é cooperar, principalmente no momento em que vivemos. Queremos estar presente na comunidade onde estamos inseridos e isso passa pela cooperação”, destacou o presidente da Primato, Ilmo Werle Welter que complementou, “então estamos promovendo esta transmissão com talentos locais para que, além de um evento e boa música, possamos também colaborar participando e fazendo sua contribuição”.

Live - Durante a Live Solidária serão realizados diversos sorteios especiais. “Teremos sorteios diversos e também a arrecadação de cestas de alimentos que serão posteriormente entregues para instituições de assistência social. Vale lembrar que na compra de produtos da linha de alimentos Primato, a cooperativa doa mais uma cesta para a causa”, concluiu Ilmo.

Transmissão - A Live Solidária acontece no dia 19 de julho e vai ser transmitida pelos canais no youtube do GTG (gtgoficial), Primato (primatocooperativaagroindustrial) e também pela página do Facebook. (@CooperativaAgroindustrialPrimato). (Imprensa Primato)

 

UNIPRIME: Campanha arrecada fraldas geriátricas

uniprime 13 07 2020O mês de julho é marcado pela campanha de arrecadação de fraldas geriátricas da Uniprime, uma ação anual realizada pela cooperativa que ajuda hospitais e instituições necessitadas das cidades onde possui agência. Em 2020, Unimeds das cidades de Apucarana, Campo Mourão, Cianorte, Maringá, Paranavaí e Umuarama também aderiram à campanha.

Doação - Todo mundo pode doar, basta levar o (s) pacote (s) de fraldas a qualquer Agência Uniprime ou a uma das Unimeds participantes da campanha (confira os endereços de pontos de coleta ao final da matéria) até o dia 31 de julho.

Débito em conta - Para quem é cooperado Uniprime, é possível que a doação seja feita através de uma autorização de débito em conta. Neste caso, cada cooperado deve falar diretamente com seu Gerente e ao final da campanha, cada Agência ficará responsável pela compra das fraldas, como também pela entrega às instituições mais carentes da cidade.

Tradição - A campanha já é tradição na cooperativa. Em 2019, foram contabilizadas 87.458 fraldas doadas e, somado aos 08 anos da campanha, a Uniprime já arrecadou mais de 426 mil unidades, beneficiando mais de 42 instituições carentes.

Pontos de coleta:

Agências Uniprime (clique aqui e confira o endereço da agência mais próxima de você)

Unimed Apucarana:

•         Rua Des. Clotário Portugal, 927

•         Rua Rio Branco, 437

•         Avenida Minas Gerais, 1

Unimed Campo Mourão:

•         Avenida José Custódio de Oliveira, 1385

Unimed Cianorte:

•         Avenida Mato Grosso, 1335

•         Avenida Mato Grosso, 1355

•         Avenida América, 5045

Unimed Maringá:

•         Avenida Bento Munhoz da Rocha Neto, 750

Unimed Paranavaí:

•         Rua Antônio Felipe, 1545

•         Rua Antônio Felipe, 1515

•         Rua Luiz Spigolon, 1901

•         Rua Edson Martins, 1888

•         Rua Antônio Felipe, 1546

•         Rua Marechal Cândido Rondon, 595

Unimed Umuarama:

•         Rua Jussara, 3691

•         Rua José Bonifácio, 1150

•         Avenida Brasil, 3792

•         Rua Apucarana, 18

•         Rua Apucarana, 1859

(Imprensa Uniprime)

 

DERAL/SEAB: Boletim agropecuário aponta perdas na cultura da banana

deral seab 13 07 2020

O Boletim Semanal, elaborado por técnicos do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (Seab), sobre a situação dos principais produtos agropecuários paranaenses, destacou, na sexta-feira (10/07), as consequências, sobretudo para a fruticultura, dos ciclones extratropicais que atingiram o Estado em dois eventos recentes.  

Prejuízo imediato - O prejuízo imediato foi observado com a queda de bananais que se recuperavam da debilidade provocada pela estiagem e projetavam uma safra promissora. Os dados preliminares da assistência técnica e prefeituras dos Estados do Sul estimam que 90% a 95% dos bananais foram afetados com perdas parciais ou totais. 

Café e feijão - Os cafeicultores paranaenses alcançaram 63% de colheita da safra de café. A expectativa é colher, este ano, entre 900 e 980 mil sacas beneficiadas de 60 kg em 36 mil hectares de lavouras adultas. Em razão do clima mais frio e úmido, a maioria dos produtores poderá ter dificuldades na secagem.

 Atípica - A segunda safra do feijão foi atípica, em razão da estiagem que afetou negativamente a produção. A colheita encerrou, mas o levantamento continua e as perdas, até agora, foram de 40% do total, ou cerca de 174 mil toneladas. Do que foi colhido, 90% estão comercializados.  

Trigo e suínos - No caso do trigo, o boletim aponta previsão de corte de produção em vários países exportadores e consequente elevação nos preços. Para o mercado brasileiro, o fator mais importante será a confirmação de redução de área na Argentina, em razão do tempo seco na época do plantio. 

Área plantada - O Paraná está com 97% da área plantada e as atenções se voltam para frentes frias. Nesta semana, as geadas foram fracas e atingiram apenas áreas em desenvolvimento vegetativo, diferentemente de 2019, quando o fenômeno foi mais forte e provocou redução superior a 30% na produção de trigo. 

Exportação - O boletim aponta, ainda, que, no primeiro semestre, foram exportados 66,8 mil quilos de carne suína, volume 22% superior ao mesmo período de 2019. A cadeia exportadora contabilizou 151 milhões de dólares, 35% maior se comparado ao mesmo período do ano passado.  

 

Outros - Além desses produtos, os técnicos do Deral analisam também a situação da produção de mandioca, soja, milho, olericultura, pecuária de corte e avicultura de postura. (Agência de Notícias do Paraná)

O Boletim Semanal, elaborado por técnicos do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (Seab), sobre a situação dos principais produtos agropecuários paranaenses, destacou, na sexta-feira (10/07), as consequências, sobretudo para a fruticultura, dos ciclones extratropicais que atingiram o Estado em dois eventos recentes.

 

Prejuízo imediato - O prejuízo imediato foi observado com a queda de bananais que se recuperavam da debilidade provocada pela estiagem e projetavam uma safra promissora. Os dados preliminares da assistência técnica e prefeituras dos Estados do Sul estimam que 90% a 95% dos bananais foram afetados com perdas parciais ou totais.

 

Café e feijão - Os cafeicultores paranaenses alcançaram 63% de colheita da safra de café. A expectativa é colher, este ano, entre 900 e 980 mil sacas beneficiadas de 60 kg em 36 mil hectares de lavouras adultas. Em razão do clima mais frio e úmido, a maioria dos produtores poderá ter dificuldades na secagem.

 

Atípica - A segunda safra do feijão foi atípica, em razão da estiagem que afetou negativamente a produção. A colheita encerrou, mas o levantamento continua e as perdas, até agora, foram de 40% do total, ou cerca de 174 mil toneladas. Do que foi colhido, 90% estão comercializados.

 

Trigo e suínos - No caso do trigo, o boletim aponta previsão de corte de produção em vários países exportadores e consequente elevação nos preços. Para o mercado brasileiro, o fator mais importante será a confirmação de redução de área na Argentina, em razão do tempo seco na época do plantio.

 

Área plantada - O Paraná está com 97% da área plantada e as atenções se voltam para frentes frias. Nesta semana, as geadas foram fracas e atingiram apenas áreas em desenvolvimento vegetativo, diferentemente de 2019, quando o fenômeno foi mais forte e provocou redução superior a 30% na produção de trigo.

 

Exportação - O boletim aponta, ainda, que, no primeiro semestre, foram exportados 66,8 mil quilos de carne suína, volume 22% superior ao mesmo período de 2019. A cadeia exportadora contabilizou 151 milhões de dólares, 35% maior se comparado ao mesmo período do ano passado.

 

Outros - Além desses produtos, os técnicos do Deral analisam também a situação da produção de mandioca, soja, milho, olericultura, pecuária de corte e avicultura de postura. (Agência de Notícias do Paraná)

COMÉRCIO EXTERIOR: Com alta de 24,5%, exportações do agro batem recorde e ultrapassam US$ 10 bilhões

Em 2020, as exportações do agronegócio foram recordes para o mês de junho em relação ao mesmo período em outros anos, com registros de vendas externas de US$ 10,17 bilhões. Houve crescimento de 24,5% em relação às exportações em junho de 2019 (US$ 8,17 bilhões).

Inédito - De acordo com o Boletim da Balança do Agronegócio, divulgado na sexta-feira (10/07) pela Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SCRI-Mapa), em nenhum ano da série histórica (1997-2020) as exportações do agronegócio ultrapassaram US$ 10 bilhões para meses de junho.

Soja - O principal setor responsável pelo crescimento das exportações foi o complexo soja. As vendas externas do setor subiram de US$ 3,53 bilhões em junho de 2019 para US$ 5,42 bilhões em junho de 2020, o que representa uma alta de 53,4% ou quase US$ 1,9 bilhão de crescimento em valores absolutos. Para efeito de comparação, as exportações do agronegócio cresceram US$ 2,0 bilhões comparando-se junho de 2019 e junho de 2020.

Influência - A exportação de soja em grãos (13,8 milhões de toneladas) teve grande influência nestes valores, alcançando US$ 4,67 bilhões em junho de 2020, com expansão do quantumem 5,2 milhões de toneladas na comparação dos meses de junho de 2020 e 2019. A SCRI também ressalta a retomada das exportações de açúcar, que subiram quase 1,5 milhão de toneladas relativo aos dois períodos.

China - A China foi o principal país responsável pela expansão do volume exportado pelo Brasil, adquirindo 70% da soja em grãos brasileira em junho. O país asiático elevou ainda as aquisições de produtos do agronegócio brasileiro em US$ 1,3 bilhão entre junho de 2019 e junho de 2020: 65% do crescimento em valores absolutos das exportações brasileiras do agronegócio observados junho de 2019 e junho de 2020.

Participação - O agronegócio brasileiro aumentou a sua participação nas exportações brasileiras de 44,4% (junho-2019) para 56,8% no mês pesquisado. Por sua vez, as importações do agronegócio diminuíram de US$ 984,55 milhões (junho 2019) para US$ 826,28 milhões em junho de 2020 (-16,1%). Desta forma, o saldo da balança atingiu US$ 9,3 bilhões.

Carnes - As vendas externas de carnes foram de US$ 1,41 bilhão (4,5%). O volume exportado de carnes foi recorde para os meses de junho (626,5 mil toneladas). A carne bovina representou mais da metade do valor exportado de carnes, com registros de US$ 742,56 milhões. Tanto o valor mencionado como o volume (176,6 mil toneladas) foram recordes para os meses de junho.

Suínos - A carne suína também apresentou valor e volume recorde em vendas externas para o mês de junho. As exportações foram de US$ 196,86 milhões, com volume de 95 mil toneladas. Já as exportações de carne de frango foram de US$ 438,23 milhões (-32,1%), com queda de 13,6% no volume exportado e redução de 21,4% no preço médio de exportação.

Aquisições - A China se destacou mais uma vez nas aquisições de carnes brasileiras, tendo importado metade da carne bovina e suína exportada pelo Brasil. A participação da China nas aquisições de carne de frango também foi relevante, chegando a 23,7% do total exportado.

Álcool e açúcar - O complexo sucroalcooleiro foi o setor que teve o maior aumento percentual das exportações dentre os principais setores exportadores do agronegócio brasileiro, elevando-se 74,5% na comparação entre junho de 2019 e junho de 2020, passando de US$ 536,12 milhões para US$ 935,37 milhões.

Maior parte - As exportações de açúcar de cana representaram a maior parte do valor exportado pelo setor, com US$ 810,80 milhões (+80,4%) e quase 3 milhões de toneladas exportadas (+94,8%).

Elevação - O álcool também registrou elevação nas vendas externas, subindo de US$ 85,83 milhões (junho de 2019) para US$ 122,71 milhões exportados em junho deste ano.

Quebra de safras - De acordo com a SCRI, o crescimento das exportações brasileiras de cana de açúcar está vinculado à quebra das safras de cana de açúcar 2019/2020 na Índia e na Tailândia, que possibilitou a ampliação das exportações para diversos mercados. A Indonésia é um mercado que não importou nada de açúcar brasileiro em junho de 2019 e adquiriu US$ 86,78 milhões no mês passado. (Mapa)

>> Confira a nota e o resumo da Balança Comercial do

>> Confira o Agrostat - Sistema de Estatísticas de Comercio Exterior do Agronegócio Brasileiro    

GESTÃO DE RISCOS: Mapa lança projeto para avaliar e aperfeiçoar os produtos de seguro rural

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) está lançando em julho o projeto Monitor do Seguro Rural, que compreenderá um conjunto de ações permanentes com o objetivo de avaliar os produtos e serviços ofertados pelas seguradoras e continuamente propor melhorias. Esse trabalho será coordenado pelo Departamento de Gestão de Riscos do Mapa e terá a participação e o apoio das entidades representativas dos produtores rurais e de suas cooperativas, revendas de insumos, companhias seguradoras, resseguradoras, corretores, peritos e instituições financeiras. 

Qualidade - Segundo o secretário de Política Agrícola do Mapa, César Halum, uma vez consolidada a importância dos aportes orçamentários, torna-se necessário avaliar a qualidade dos produtos e serviços ofertados pelas seguradoras que operacionalizam o Programa. "Ou seja, é preciso focar na questão qualitativa e com isso desenvolver ainda mais esse importante instrumento. Vamos interiorizar o seguro rural e fazer chegar a informação aos produtores”, finaliza. 

Evolução - O seguro rural apresentou nos últimos anos uma significativa evolução no país. O valor total segurado, por exemplo, saltou de 127 milhões em 2005 para 20 bilhões em 2019. Para impulsionar esse instrumento, foi imprescindível o apoio estatal por meio do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), que apoiou o produtor na aquisição das apólices durante esse período. 

Possibilidades e limitações - Para o diretor do Departamento de Gestão de Riscos do Mapa, Pedro Loyola, agora é chegado o momento de os produtores conhecerem melhor as possibilidades e limitações do seguro rural para construir soluções que atendam suas necessidades. “Está previsto um cronograma de eventos a partir de julho, por vídeo conferência, com a finalidade de identificar os principais problemas relacionados aos produtos de seguro para as culturas de grãos, frutas, olerícolas, pecuária, florestas, aquícola, café e outras culturas. São mais de 60 atividades que passarão pelo crivo dos produtores até 2022”, explica. 

Cronograma - Confira aqui o cronograma de reuniões previstas no Monitor de Seguro Rural. Maiores informações pelo e-mail: seguro@agricultura.gov.br

Contratação - O produtor que tiver interesse em contratar o seguro rural deve procurar um corretor ou uma instituição financeira que comercialize apólice de seguro rural. Atualmente, 14 seguradoras estão habilitadas para operar no PSR.

 

Acesso - A subvenção econômica concedida pelo Ministério da Agricultura pode ser pleiteada por qualquer pessoa física ou jurídica que cultive ou produza espécies contempladas pelo Programa. Para os grãos em geral, o percentual de subvenção ao prêmio pode variar entre 20% e 40%, a depender da cultura e tipo de cobertura contratada. No caso das frutas, olerícolas, cana-de-açúcar e demais modalidades (florestas, pecuário e aquícola) o percentual de subvenção ao prêmio será fixo em 40%.

Aplicativo - Para mais informações sobre o PSR, faça o download do aplicativo. Basta acessar para Android e para IOS. (Mapa)

ECONOMIA: Receita alerta para retorno de obrigações adiadas na pandemia

economia 13 07 2020As empresas e os demais contribuintes devem estar atentos para o retorno de obrigações com o Fisco adiadas durante a pandemia do novo coronavírus. Tributos e declarações que haviam sido suspensos ou postergados voltam a valer em julho.

Alerta - A Receita Federal emitiu um alerta para orientar o contribuinte. A contribuição patronal ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e os Programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) devem ser pagas neste mês. O mesmo ocorre com a contribuição de empresas e de empregadores domésticos ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Cofins e PIS/Pasep - No caso das contribuições para o INSS, a Cofins e o PIS/Pasep, a suspensão só valeu para as quotas de abril e de maio, cujo pagamento foi transferido para agosto e outubro, respectivamente. As quotas de junho, com vencimento em julho, devem ser quitadas.

Empresa - A contribuição da empresa para o INSS deve ser paga até o dia 20, assim como a contribuição da agroindústria e dos empregadores rurais para a Previdência Social. As contribuições para a Cofins e o PIS/Pasep devem ser quitadas até o dia 24.

FGTS - No caso do FGTS, o governo adiou o pagamento das quotas de abril, maio e junho. Os valores poderão ser divididos em seis parcelas, de julho a dezembro, sem multas e encargos. A quota deste mês deve voltar a ser paga no dia do vencimento. A contribuição para o empregador doméstico venceu na última terça-feira (07/07).

Declarações - Também devem ser entregues neste mês declarações que estavam suspensas. As declarações de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF) originalmente previstas para o 15º dia útil de abril, de maio e de junho, deverão ser apresentadas até 21 de julho. Segundo a Receita Federal, inclusive a declaração referente aos fatos geradores de maio de 2020 deverá ser enviada.

EFD-Contribuições - O arquivo digital da EFD-Contribuições, que integra o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) deve ser entregue até a esta terça-feira (14/07). O envio estavas previsto para o 10º dia útil de abril, maio e junho. A escrituração referente a maio de 2020 também deverá ser transmitida ao Fisco. (Agência Brasil)

 

INFRAESTRUTURA: Análise do TCU é último passo para edital de construção da Ferrogrão

Já está com o Tribunal de Contas da União (TCU) o projeto de concessão da Ferrogrão, nova ferrovia que ligará Sinop, no norte de Mato Grosso (MT), a Itaituba, no Pará (PA). O documento foi protocolado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), na última sexta-feira (10/07). Cabe ao TCU, agora, a análise da documentação para a publicação do edital de licitação ainda este ano.

Assinatura - O plano, acompanhado dos estudos técnicos e das minutas de edital e de contrato foi assinado pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, após liberação da diretoria da ANTT, na terça-feira (07/07). São esperados investimentos de R$ 8,4 bilhões no projeto de concessão.

Escoamento - “Hoje, mais de 70% da safra matro-grossense é escoada pelos portos de Santos, no estado de São Paulo, e de Paranaguá, no Paraná, a mais de 2 mil quilômetros da origem. Esse cenário mostra a relevância do projeto dentro do sistema logístico de cargas do país, sendo um diferencial para a sua atratividade junto a potenciais investidores”, disse o ministro, Tarcísio Freitas.

Via importante- De acordo cor o ministério, a Ferrogrão será uma das vias mais importantes do país e um dos ativos mais aguardados pelos investidores. Com 933 quilômetros (km) de extensão, a ferrovia terá papel logístico fundamental para o escoamento da produção de milho, soja e farelo de soja do estado de Mato Grosso, prevendo-se também o transporte de óleo de soja, fertilizantes, açúcar, etanol e derivados do petróleo.

Novo corredor- A implementação da Ferrogrão irá consolidar o novo corredor ferroviário de exportação do Brasil pelo Arco Norte, ligando Sinop (MT) ao Porto de Itaituba (PA). Estão previstos, também, o ramal de Santarenzinho, entre Itaituba e Santarenzinho, no município de Rurópolis (PA), com 32 km, e o ramal de Itapacurá, com 11 km.

Expansão - “O projeto faz frente à expansão da fronteira agrícola brasileira e à demanda por uma infraestrutura integrada de transportes de carga. O empreendimento aliviará as condições de tráfego na BR-163/PA, diminuindo o fluxo de caminhões pesados e os custos com a conservação e a manutenção”, segundo o ministério. (Agência Brasil, com informações do Ministério da Infraestrutura)

 

ENERGIA: MME vai abrir consulta pública sobre Plano Nacional de 2050

minas energia 13 07 2020O Ministério de Minas e Energia (MME) informou na quinta-feira (09/0) que vai abrir consulta pública para apresentar o Plano Nacional de Energia (PNE) 2050. A consulta terá duração de três meses. Previsto para ser lançado no início do ano, o PNE foi adiado pelo MME para que o texto fosse revisado. A última edição do plano (de 2030) data de 2007.  

Alternativas - "Em um contexto de grande imprevisibilidade, o Plano busca explorar alternativas de futuro de modo a aprimorar o processo de tomada de decisão em políticas energéticas. A variedade de possibilidades e a incerteza resultante requer que o decisor evite escolhas que redundem em trajetórias tecnológicas que se tornem mais custosas a opção de interromper sua implementação, caso se mostrem posteriormente equivocadas, fenômeno conhecido como trancamento tecnológico", disse o MME. 

Seminários virtuais - De acordo com a pasta, serão realizados seminários virtuais nos meses de julho e agosto de 2020 com a participação de órgãos públicos, associações dos setores de geração e de transmissão de energia e a sociedade em geral, com o objetivo propiciar uma ampla divulgação sobre os conceitos e o conteúdo específico de cada tema contido no documento. "As datas serão divulgadas oportunamente", disse o MME. 

Apreciação - Após a consulta, o documento, elaborado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), a partir de diretrizes do MME, será levado a apreciação do Conselho Nacional de Política Energética. (Agência Brasil)

 

SAÚDE I: Brasil registra 631 mortes por Covid-19 em 24 horas

O Brasil registrou 631 óbitos pelo novo coronavírus em 24 horas, entre o boletim de sábado (11/07) e o divulgado neste domingo (12/07), segundo atualização diária divulgada pelo Ministério da Saúde. As mortes causadas pelo vírus já somaram 72,1 mil no país.

Acompanhamento - De acordo com a atualização do ministério, 669.377 pessoas estão em acompanhamento e 1.123.204 se recuperaram. Há ainda 4.063 mortes em investigação. Segundo o Painel Coronavírus, foram registrados 24.831 casos de pessoas diagnosticadas com covid-19 desde sábado. O número de casos confirmados desde o início da pandemia chegou a 1.864.681.

Estados - Os estados com mais mortes são: São Paulo (17.848), Rio de Janeiro (11.415), Ceará (6.868), Pernambuco (5.595) e Pará (5.289). As unidades da Federação com menos óbitos pela pandemia são Mato Grosso do Sul (161), Tocantins (255), Roraima (396), Acre (426) e Santa Catarina (497).

Casos confirmados - São Paulo também lidera entre os estados com maior número de casos confirmados, com 371.997, seguido por Ceará (136.785), Rio de Janeiro (129.684), Pará (125.714) e Bahia (105.763). As unidades da Federação com menos pessoas infectadas registradas são Mato Grosso do Sul (13.197), Tocantins (15.132), Acre (16.190), Roraima (22.225) e Rondônia (26.728). (Agência Brasil)

 

saude I tabela 13 07 2020

SAÚDE II: Paraná registra mais de 42 mil casos de coronavírus

saude II 13 07 2020A Secretaria de Estado da Saúde divulgou neste domingo (12/07) 1.729 novas confirmações e 30 mortes pela infecção causada pelo novo coronavírus. O Paraná soma 42.058 casos e 1.028 mortos em decorrência da doença. Há ajustes nos casos confirmados detalhados ao final do texto.

Internados - 838 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estavam internados neste domingo: 682 pacientes em leitos SUS (255 em UTI e 427 em leitos clínicos/enfermaria) e 156 em leitos da rede particular (57 em UTI e 99 em leitos clínicos/enfermaria).

Aguardando resultado - Há outros 820 pacientes internados, 406 em leitos UTI e 414 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo vírus Sars-CoV-2.

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais 30 pacientes, todos estavam internados. São 13 mulheres e 17 homens, com idades que variam de 10 a 84 anos. Os óbitos ocorreram entre os dias 5 a 12 de julho. Os pacientes que faleceram residiam em Colombo (2), Curitiba (17), e um paciente em cada um dos seguintes municípios: Cascavel, Clevelândia, Nova Prata do Iguaçu, Palotina, Perola D’Oeste, Piraquara, Ribeirão Claro, Salto do Lontra, Santo Antonio do Sudoeste, Sapopema e Telêmaco Borba.

Municípios - 379 cidades paranaenses têm ao menos um caso confirmado pela Covid-19. Em 190 municípios há óbitos pela doença.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 479 casos de residentes de fora. 17 pessoas foram a óbito.

Ajustes - Um caso confirmado na data de 3/7 de Chavantes/SP foi transferido para Curitiba. Um caso e óbito confirmado em Sarandi na data de 7/7 foi retirado do boletim. Após investigação epidemiológica ficou confirmado como óbito por outras causas. (Agência de Notícias do Paraná)

 

SAÚDE III: Verba para pandemia chega a R$ 500 bi, mas execução ainda está abaixo de 50%

saude III 13 07 2020Com três novas medidas provisórias (MPs) de créditos extraordinários editadas nas últimas duas semanas, o governo federal ultrapassou a marca de R$ 500 bilhões destinados a combater a pandemia de Covid-19 no Brasil. O valor é próximo de 7% de todo o Produto Interno Bruto (PIB) do país em 2019.

Aplicação - Apesar da grande destinação de dinheiro, a aplicação das verbas contra a pandemia ainda se mantém abaixo de 50%. Dos R$ 506 bilhões autorizados, apenas R$ 216 bilhões — menos de 43% — foram considerados executados. E são apenas os recursos já executados que podem ser verificados e avaliados (quanto à entrega do bem ou serviço contratado pela administração pública). Os dados são do Siga Brasil, plataforma de transparência orçamentária do Senado.

Medida recente - Entre as medidas mais recentes está a MP 988/2020, que libera R$ 101 bilhões para prorrogação do auxílio emergencial para famílias de baixa renda. Originalmente previsto para durar três meses, o auxílio foi estendido para duas parcelas adicionais. O Ministério da Cidadania, gestor do auxílio, é o órgão que mais tem recebido recursos: foram R$ 260 bilhões desde o início da pandemia, dos quais R$ 124 bilhões — menos de 48% — foram executados.

Entraves burocráticos - Segundo o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, entraves burocráticos explicam o uso apenas parcial das verbas disponibilizadas — entraves relacionados a processos de compra, contratação de pessoal, elaboração de portarias ministeriais e adesão de municípios, por exemplo. Apesar de tudo, ele disse ao Senado, em audiência no fim de junho, que considerava “bom” o ritmo das despesas. De R$ 39,3 bilhões recebidos, a pasta executou até agora R$ 12,4 bilhões — cerca de 31%.

Mais verba - Mais recentemente, as MPs 989/2020 e 990/2020 disponibilizaram R$ 3,35 bilhões para os ministérios da Cidadania, da Educação e da Saúde e para estados e municípios. A primeira abastece os fundos nacionais de Saúde e de Assistência Social, entre outros destinos. Já a segunda atende à Lei Aldir Blanc, de auxílio aos trabalhadores do setor cultural (Lei 14.017, de 2020).

Plataforma - As duas MPs mais novas ainda não foram contabilizadas na plataforma Siga Brasil. Com elas, o total de verbas autorizadas para a covid-19 chegará a R$ 510 bilhões.

Créditos extraordinários - Quase todo o dinheiro aplicado pelo Brasil no combate à pandemia vem de créditos extraordinários, que são verbas que não fazem parte do orçamento regular previsto para o ano. Essas ferramentas são reservadas para eventos imprevisíveis e urgentes, e são abertas por medidas provisórias (que entram em vigor imediatamente, assim que são editadas). Menos de 0,01% do dinheiro para a covid-19 veio de remanejamentos orçamentários.

Eficácia - A eficácia instantânea das MPs permitiu que o Senado, em abril, parasse de votar propostas de créditos extraordinários. O presidente da Casa, Davi Alcolumbre, explicou que, como a disponibilização do dinheiro não depende da aprovação dos parlamentares, os repasses não são impactados pela eventual perda de vigência das MPs.

Estimativas - No seu relatório de junho, a Instituição Fiscal Independente do Senado (IFI) atualizou suas estimativas para o impacto dos gastos com a pandemia sobre as contas públicas. Segundo as projeções, o déficit primário do setor público no ano de 2020 deverá atingir R$ 912 bilhões, valor dez vezes maior do que o déficit de 2019. Com isso, a dívida bruta poderá chegar a 96% do PIB ou, num cenário pessimista, ultrapassar 100% de toda a capacidade de produção nacional já neste ano. (Agência Senado)

FOTO: Clara Gouvêa / Fotos Públicas

 

SAÚDE IV: Plenário pode votar projeto de indenização a profissionais de saúde incapacitados pela Covid-19

saude IV 13 07 2020O Plenário da Câmara dos Deputados pode votar nesta terça-feira (14/07) as emendas do Senado ao Projeto de Lei 1826/20, que concede indenização aos profissionais de saúde incapacitados pela Covid-19. O texto foi aprovado pela Câmara em maio.

Compensação financeira - De acordo com a proposta, dos deputados Reginaldo Lopes (PT-MG) e Fernanda Melchionna (Psol-RS), os profissionais e trabalhadores de saúde que atuam na linha de frente do combate à doença receberão da União compensação financeira de R$ 50 mil se ficarem incapacitados devido à doença. Os dependentes também recebem caso o profissional morra de Covid-19.

Emendas - Uma das emendas dos senadores inclui novas categorias que terão direito à indenização, como fisioterapeutas, nutricionistas, profissionais que trabalham com testagem nos laboratórios de análises clínicas, trabalhadores dos necrotérios e coveiros, e todos aqueles cujas profissões sejam reconhecidas pelo Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) e que atuam no Sistema Único de Assistência Social (Suas).

Agricultura familiar - Também está na pauta o PL 735/20, do deputado Enio Verri (PT-PR) e outros, que estabelece várias medidas para ajudar agricultores familiares durante o estado de calamidade pública relacionada ao coronavírus. O texto prevê benefício especial, recursos para fomento da atividade e prorrogação de condições para o pagamento de dívidas.

Acesso - Segundo o substitutivo preliminar do deputado Zé Silva (Solidariedade-MG), poderão ter acesso às medidas propostas os agricultores e empreendedores familiares, os pescadores, os extrativistas, os silvicultores e os aquicultores.

Parcela única - O agricultor que não tiver recebido o auxílio emergencial de R$ 600,00 poderá receber do governo federal parcela única de R$ 3 mil. Já a mulher provedora de família monoparental terá direito a R$ 6 mil.

Requisitos - Os requisitos são semelhantes aos do auxílio emergencial: não ter emprego formal; não receber outro benefício previdenciário, exceto Bolsa Família ou seguro-defeso; e ter renda familiar de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar total de até três salários mínimos.

Minha Casa, Minha Vida - Outro item que pode ser votado é o Projeto de Lei 795/20, dos deputados Professor Israel Batista (PV-DF) e Helder Salomão (PT-ES), que suspende os pagamentos mensais de beneficiários do programa residencial Minha Casa, Minha Vida por 180 dias.

Faixa 1 - Segundo o substitutivo preliminar do deputado Gutemberg Reis (MDB-RJ), a medida será para os mutuários da faixa 1, com renda familiar mensal de até R$ 1,8 mil, cujo financiamento usou recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) ou do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS).

Natureza alimentar - Os deputados podem votar ainda o Projeto de Lei 2801/20, que considera de natureza alimentar o auxílio emergencial de R$ 600,00. De autoria dos deputados Alexandre Leite (DEM-SP), Luis Miranda (DEM-DF) e Efraim Filho (DEM-PB), o projeto conta com parecer preliminar do deputado Aureo Ribeiro (Solidariedade-RJ) que proíbe a penhora ou qualquer tipo de bloqueio judicial, exceto em ações de pensão alimentícia até o limite de 50%.

Outros benefícios - O substitutivo estende as mesmas regras a outros tipos de benefícios sociais que consistam em distribuição direta de renda, como o Bolsa Família. (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Maryanna Oliveira / Câmara dos Deputados

 


Versão para impressão


RODAPE