Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4866 | 16 de Julho de 2020

SISTEMA OCEPAR: 1º Fórum Digital dos Presidentes vai debater novo planejamento estratégico das cooperativas do PR

Lideranças das cooperativas vinculadas ao Sistema Ocepar estão sendo convidadas a discutir a estruturação do novo planejamento estratégico do cooperativismo paranaense. Será durante o 1º Fórum Digital dos Presidentes, que ocorrerá no dia 28 de julho, das 13h30 às 16h30, por meio da plataforma Microsoft Teams. A ideia é debater uma nova fase do PRC100 (Plano Paraná Cooperativo 100), iniciado em 2015 e cuja meta financeira de alcançar R$ 100 bilhões de faturamento deve ser atingida pelo setor neste ano. No evento, o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, vai apresentar as diretrizes do novo ciclo de planejamento das cooperativas do Paraná, juntamente com os diretores da entidade.

Governador - A programação contempla ainda a participação do governador Carlos Massa Ratinho Junior, que irá falar sobre as estratégias do Paraná para as áreas econômica e de infraestrutura, além das parcerias com o cooperativismo.

Cenário econômico - Na sequência, o diretor da Consultoria MB Associados, José Roberto Mendonça de Barros, apresenta os cenários e as perspectivas econômicas para o Brasil e o mundo no pós-pandemia.

Câmara de Mediação e Arbitragem - No Fórum também será discutida a viabilidade de constituição da Câmara de Mediação e Arbitragem do Cooperativismo, com a presença da professora da PUCPR, Leila Dissenha, e do gerente da Federação e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Fecoopar), Anderson Lechechem.

Informações e inscrições - Informações e inscrições com Neuza Oliveira, pelo telefone (41) 99151-2148 ou secretaria@sistemaocepar.coop.br.

 

sistema ocepar folder 16 07 2020

 

 

CRÉDITO RURAL: Sistema Ocepar acompanha lançamento do Plano Safra do Banco do Brasil

O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, acompanhou, na manhã desta quinta-feira (16/07), a live de lançamento do Plano Safra 2020/2021 do Banco do Brasil. O evento também contou com a participação do secretário da Agricultura do Paraná, Norberto Ortigara, do superintendente regional, Fabrício Reis, do gerente de negócios do banco, Alexandre Boechat, e do gerente para a área de Governo, Luiz Antonio Digiovani.

Recursos - Durante o encontro, foram anunciados que na safra passada o Banco do Brasil disponibilizou R$ 92,5 bilhões no Brasil e R$ 10,1 bilhões no Paraná. Para esta nova safra, o banco pretende aplicar R$ 103 bilhões, dos quais R$ 11,1 bilhões destinados aos produtores paranaenses, um crescimento de 10,4%. Por segmento foram anunciados R$ 6,4 bilhões para o setor empresarial e cooperativas e R$ 2,8 bilhões para o Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp). O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) terá R$ 2 bilhões em recursos.

{vsig}2020/noticias/07/16/credito_rural/{/vsig}

COVID-19: Confira as informações do comunicado 76 do Comitê de Acompanhamento

covid 19 destaque 16 07 2020O 1º Fórum Digital dos Presidentes das Cooperativas do Paraná, que será realizado pelo Sistema Ocepar, no dia 28 de julho, é um dos destaques do comunicado 76, publicado na manhã desta quinta-feira (16/07) pelo Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19. O boletim informa ainda sobre a participação da entidade na Digital Agro, evento promovido pela cooperativa Frísia. Veja abaixo o conteúdo completo.

1. No dia 15 de julho, o Sistema Ocepar encaminhou o convite do Fórum dos Presidentes, que neste ano, será realizado de forma virtual, no próximo dia 28 de julho, para discutir a estruturação do novo planejamento estratégico do cooperativismo; o plano de desenvolvimento do Paraná; cenários e perspectivas pós-pandemia e a viabilidade da constituição da Câmara de Mediação e Arbitragem do Cooperativismo.

2. O Sistema Ocepar, no dia 15 de julho, participou, em conjunto com representantes da OCB e Fecoagro, da reunião virtual organizada pelo Banco do Brasil, para apresentar a plataforma de registro e escrituração de títulos de crédito, conforme a Lei nº 13.986, de 07 de abri de 2020. Para acessar a Lei nº 13.986, clique aqui.

3. No dia 15 de julho, o Sistema Ocepar participou da abertura da Digital Agro, evento organizado pela cooperativa Frísia, para compartilhar ideias e conteúdo para solucionar os desafios do agronegócio e cooperativismo por meio da inovação.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa).

 

SISTEMA FINANCEIRO: Cooperativismo de crédito continua em expansão no Brasil

sistema finaceiro 16 07 2020O número de associados às cooperativas de crédito no país chegou a 10,9 milhões de pessoas. A informação faz parte do Panorama do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo, que acaba de ser divulgado pelo Banco Central. O estudo, cuja data-base é dezembro de 2019, aponta que o cooperativismo de crédito tem se destacado nos últimos anos por sua contribuição para a expansão do mercado de crédito no país. Sua participação tem aumentado de forma consistente e beneficiado principalmente as micro, pequenas e médias empresas, além das pessoas físicas (com ênfase nos produtores rurais).

Base - De acordo com o Banco Central, a base de cooperados em dezembro de 2019 era de 10,9 milhões de associados – 9,4 milhões de pessoas físicas e 1,5 milhão de pessoas jurídicas (um aumento de 9,6% em relação à 2018). Esse quantitativo mostra que 4,5% da população do país é associada a alguma cooperativa de crédito.

Receita - Para Márcio Lopes de Freitas, presidente do Sistema OCB que representa todas as cooperativas do país, a receita desse sucesso é simples: “as cooperativas de crédito têm feito muito bem o seu dever de casa. Elas estão sempre de olho no mercado para propor as soluções ideias para seus cooperados, sempre com uma taxa de juros justa, geralmente mais baixa do que as praticadas pelos outros bancos, com um atendimento individualizado, próximo e humano”, explica o líder cooperativista.

Capilaridade - O documento destaca o potencial de inserção das cooperativas de crédito e o fato de que o seu alcance em lugares remotos do país contribui de forma significativa para o desenvolvimento regional. Para se ter uma ideia, a quantidade de municípios onde a cooperativa de crédito é a única alternativa para obtenção de serviços financeiros na própria localidade passou de 184, em dezembro de 2018, para 202, em dezembro de 2019.

Detalhamento - O panorama também detalha as medidas tomadas pelo Banco Central ao longo do último ano cujo objetivo foi o de fomentar o desenvolvimento do Sistema Nacional das Cooperativas de Crédito (SNCC), como as que permitiram a captação de recursos por meio de depósitos de poupança rural e habitacional, além das emissões da Letra Imobiliária Garantida (LIG) e da Letra Financeira (LF).

BC# - O desenvolvimento de projetos ligados ao setor como um todo é uma das ações da Agenda BC#, pauta de trabalho do Banco Central voltada ao fomento de ações nas áreas de competitividade, educação, inclusão e transparência.

Atenção especial - “A Agenda BC# dá especial atenção ao cooperativismo de crédito. Além da Letra Imobiliária Garantida (LIG) e da Letra Financeira, por exemplo, outros projetos estão em andamento, como a possibilidade de concessão de empréstimos sindicalizados, o aprimoramento da governança e a modernização do conceito de área de atuação e as assembleias virtuais”, explicou o coordenador no Departamento de Monitoramento no Sistema Financeiro do BC, Gustavo Dutra.

Expansão - No ano passado, os ativos totais do SNCC atingiram R$ 274 bilhões - crescimento 2,7 vezes superior ao conjunto dos demais segmentos de instituições financeiras, com incremento acentuado na participação do crédito. Já as captações somaram R$ 204 bilhões ao final de 2019, como informa o Panorama.

Patamar confortável - Ainda de acordo com o trabalho, o capital do segmento continua em patamar confortável, com margem no atendimento dos limites regulamentares, com uma folga de capital nas cooperativas singulares que permitiria a expansão aproximada de R$ 306 bilhões em operações de crédito.

Receitas - Enquanto as receitas de serviços tiveram variação positiva de 22% durante o período analisado (que compreendeu de 31.12.2018 a 31.12.2019), as despesas administrativas e de captação, por sua vez, cresceram 17,1% e 7,9%, respectivamente. (OCB, com informações do Banco Central)

Clique aqui e veja o documento na íntegra.

 

 

COOPERATIVISMO: OCB participa da Assembleia Geral do Cicopa

cooperativismo 16 07 2020Como as cooperativas de trabalhadores mundo à fora estão lidando com a crise econômica gerada pela pandemia? Este foi um dos temas discutidos durante a Assembleia-Geral da Organização Internacional das Cooperativas de Trabalhadores na Indústria e Serviços, o Cicopa, e que contou com a participação de representantes da OCB.

Primeira organização - Criado em 1949, o Cicopa foi a primeira organização setorial criada no âmbito da Aliança Cooperativa Internacional. Seu objetivo é promover o fomento, apoio técnico e a intercooperação entre as cooperativas do Ramo Trabalho e Produção de Bens e Serviços em todo o mundo.

Representação - A OCB tem representado as cooperativas brasileiras junto ao Cicopa, participando das atividades promovidas pelo secretariado global do organismo e dos conselhos regional (Cicopa-Américas) e subregional (Cicopa-Mercosul). O intercâmbio entre cooperativas e a troca de experiências bem sucedidas de articulação e relações governamentais têm sido as principais ações desenvolvidas no âmbito do Cicopa.

Países - Participaram da Assembleia-Geral do Cicopa representantes de cooperativas de trabalhadores da Argentina, Canadá, Colômbia, Espanha, Estados Unidos, França, Índia, Itália, Japão, México, Polônia, Portugal, Romênia, Tchéquia e Uruguai. Os delegados aprovaram a prestação de contas do Cicopa, assim como o planejamento de atividades para o próximo ano. 

Intercâmbio - Os participantes também tiveram a oportunidade de intercambiar informações sobre como as cooperativas em seus respectivos países têm respondido à crise econômica gerada pela pandemia. As ações desenvolvidas pelas organizações representativas para conter o impacto também foram apresentadas pelos delegados. (OCB)

 

FORMAÇÃO: Inscrições abertas para graduação EAD em Gestão de Cooperativas da Faculdade Unimed

Estão abertas as inscrições para a primeira graduação tecnológica a distância em Gestão de Cooperativas da Faculdade Unimed, instituição de ensino superior do Sistema Unimed. Candidatos de todo o Brasil podem se inscrever para o processo seletivo, gratuitamente, pelo site faculdadeunimed.edu.br/vestibular, até 1º de agosto.

Série - E para demonstrar a relevância do segmento para a economia nacional e como a capacitação na área é um diferencial para quem quer se destacar, a instituição de ensino lançou a série Gestão de Cooperativas.DOC, que reúne vídeos curtos com depoimentos de profissionais do setor sobre desafios, experiências e oportunidades.

Episódios - Esta semana estão disponíveis no canal da Faculdade no YouTube os episódios com Renato Nóbile, superintendente do Sistema OCB, e com Carla Machado, coordenadora de Extensão e Pós-Graduação da Faculdade do Cooperativismo (ICoop), do Sistema OCB-MT. Os demais vídeos serão publicados até o final de julho.

Sobre o curso - As aulas da graduação tecnológica EAD em Gestão de Cooperativas começam em agosto. Com 2 anos e meio de duração, o curso oferece conteúdos pertinentes à realidade do setor, que têm princípios e práticas específicas.

Encontros presenciais - Haverá apenas um encontro presencial por semestre, podendo ser em Belo Horizonte (MG), sede da instituição de ensino; em São Paulo (SP), sede da Unimed do Brasil; em Governador Valadares (MG), na Intrafederativa Leste Nordeste de Minas; em Goiânia (GO), na Federação Centro Brasileira; em Recife, na sede do Sescoop/PE; ou em Ji-Paraná (RO), na Unimed Ji-Paraná. Outros polos estão sendo formalizados para facilitar o acesso dos alunos.

Dúvidas - Em caso de dúvidas, entre em contato pelo e-mail vestibular@faculdadeunimed.edu.br. (Assessoria de Marketing e Comunicação da Faculdade Unimed)

formacao 16 07 2020

DIA C: Sicredi Aliança PR/SP contabiliza arrecadação histórica no Dia de Cooperar

O Dia de Cooperar, que tem como lema “atitudes simples movem o mundo”, reúne cooperativas do o país todo em prol de ajudar o próximo. Na Sicredi Aliança PR/SP foram no total 23 ações, mais de 600 voluntários envolvidos entre colaboradores e parceiros e mais de 7.700 pessoas impactadas. Em números, foram mais de 24 toneladas de alimentos, mais de 2.200 litros de leite, mais de 6.200 peças de roupas, mais de 700 itens de produtos de limpeza, 23 cobertores, 22 doadores de sangue, mais de 300 fraldas geriátricas, 48 mil folhas de papel sulfite e R$ 56 mil arrecadados em lives de artistas locais.

Iniciativas voluntárias - O presidente do Conselho de Administração, Adolfo Rudolfo Freitag, destaca que o Dia C coloca em prática a cooperação por meio de iniciativas voluntárias. “Todo ano nos unimos por esta causa que é tão bonita. Cada uma de nossas agências e a nossa sede regional realizaram uma ação. Além disso, neste ano estivemos juntos de diversas lives de artistas locais que além de trazer entretenimento neste momento que estamos passando também realizaram arrecadações em prol de entidades que pertencem a nossa área de ação. Dessa forma, uma grande corrente do bem se formou. Gostaríamos de agradecer a todos que participaram tornando esse movimento maior e possibilitando beneficiar ainda mais pessoas. Este ano tivemos número recorde de doações e por isso nosso reconhecimento a quem doou e quem foi parceiro neste Dia C”, considerou. (Imprensa Sicredi Aliança PR/SP)

{vsig}2020/noticias/07/16/dia_c/{/vsig}

SICOOB: Sistema de crédito cooperativo já recebeu R$ 500 milhões em pedidos do Pronampe

sicoob 16 07 2020Dentro do seu compromisso de apoiar o pequeno negócio de todo o País, o Sicoob - Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil - começou a operar o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) na segunda-feira (13/07). E em menos de 24 horas, o sistema já recebeu R$ 500 milhões em pedidos pela linha de crédito.

Linha especial - Com prazo de 36 meses, sendo 8 (oito) de carência, e juros à taxa Selic acrescida de 1,25% ao ano, o programa é uma linha especial para que pequenos negócios possam contar com capital de giro durante a pandemia.

Benefício - "Esta linha de crédito é um grande benefício para os micro e pequenos empresários brasileiros. Com uma taxa de juros baixíssima e prazo de reembolso confortável, eles podem receber um importante aporte para manter ou incrementar os seus negócios em um momento no qual a atividade econômica começa a dar sinais de retomada", afirma o superintendente de Negócios e Desenvolvimento do Sicoob, Luciano Ribeiro.

Regiões - Neste primeiro dia de operação do programa, destacaram-se as regiões Sudeste e Sul, que, somadas, representaram 95% de todos os pedidos de crédito do País por meio do Sicoob. O Pronampe conta com a garantia do Fundo Garantidor de Operações (FGO), que cobre até 85% de eventuais inadimplências, e os cooperados interessados podem solicitar os recursos por telefone, site, aplicativo ou presencialmente na cooperativa da qual forem associados.

Base de cálculo - Segundo Ênio Meinen, Diretor de Operações do Sicoob, os juros pagos nessas operações compõem a base de cálculo para rateio de resultado ao final de cada ano no período de empréstimo, o que fará reduzir a taxa contratada para os cooperados do Sicoob. Podem participar do Pronampe empresas com Receita Bruta Anual de até R$ 4,8 milhões/ano, conforme informado pela Receita Federal do Brasil.

Sobre o Sicoob- O Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil, Sicoob, possui 4,7 milhões de cooperados em todo o país e está presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. É composto por mais de 390 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais e a Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob (Sicoob Confederação). Integram, ainda, o Sistema, o Banco Cooperativo do Brasil do Brasil (Bancoob) e suas subsidiárias (empresas/entidades de: meios eletrônicos de pagamento, consórcios, DTVM, seguradora e previdência) provedoras de produtos e serviços especializados para cooperativas financeiras. A rede Sicoob é a quarta maior entre as instituições financeiras que atuam no país, com mais de 3 mil pontos de atendimento. As cooperativas integrantes do Sistema oferecem aos cooperados serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento, dentre outras soluções financeiras. Mais informações acesse: www.sicoob.com.br. (Imprensa Sicoob)

 

SICOOB UNICOOB: Saldo da carteira de crédito rural chega a R$ 1 bilhão

Refletindo a confiança do produtor rural nas soluções ofertadas pelas cooperativas do sistema, a carteira de crédito rural do Sicoob Unicoob continua em crescimento e no final da Safra 19/20 superou R$ 1 bilhão em saldo com recursos livres, recursos repassados pelo Bancoob e pelo BNDES.

Número importante - Segundo o supervisor de Crédito Rural da Central, Michel Shoiti Tamura, o número é muito importante, pois posiciona o Sicoob como financiador da cadeia do agronegócio. “Mesmo em pouco tempo de atuação no agro, cerca de sete anos, atingir essa marca mostra que o Sicoob evoluiu bastante no segmento. Agora a meta é atingir os R$ 2 bilhões até 2021”, afirma.

Processos operacionais - Michel explica ainda que os processos operacionais do setor de Crédito Rural do Sicoob Unicoob foram centralizados para colaborar com as cooperativas e dar todo o suporte necessário para a realização dos negócios. “Estamos sempre em busca de promover capacitações para as equipes das singulares para que elas possam atender o produtor rural da melhor maneira possível”, explica.

Satisfação - Para o supervisor de Crédito Rural do Sicoob Meridional, Jonas Oliveira, é uma grande satisfação perceber que o Sicoob vem, ano após ano, conquistando seu lugar entre as demais instituições financeiras. Ele conta que a cooperativa de Toledo (PR) vem adotando e implementando medidas e ações coordenadas pela diretoria para conseguir expandir a carteira de cooperados produtores rurais e também incrementar o volume de operações.

Novos negócios - “Buscamos novos negócios ofertando melhores condições aos produtores e, em contrapartida, contribuímos para o crescimento da nossa cooperativa, da Central e do sistema Sicoob como um todo”, relata.

Singular - Entre as singulares filiadas ao Sicoob Unicoob, o Sicoob Metropolitano é a cooperativa que possui a segunda maior carteira de crédito rural do sistema. De acordo com a supervisora de Crédito, Daniele Mori Pessoa, a singular oferece linhas que ajudam o produtor rural a crescer, fazendo com que, consequentemente, o agronegócio cresça também. “Nossa estratégia é trabalhar com crédito rural sem adição de produtos e despesas indesejados pelo associado. Com isso, cumprimos o nosso propósito de humanizar relações financeiras”, ressalta. (Imprensa Sicoob Unicoob)

SICREDI UNIÃO: Novo episódio da websérie “Prosa com o Produtor” terá profissionais do agro de várias culturas

De produtor para produtor será o tema do quarto episódio da websérie Prosa com o produtor, descomplicando o agronegócio, que acontecerá ao vivo, nesta quinta-feira (16/07), às 16 horas, no canal da Sicredi União PR/SP no Youtube. E o programa está imperdível, já que conta com a participação de produtores de várias culturas, num bate-papo franco, com apresentação de dúvidas e soluções.

Participação - O encontro terá a participação da produtora rural e veterinária Carla Rossato da cidade de Sertanópolis-PR, que trabalha com grãos; do agricultor e pecuarista Rogério Lorenzetti de Paranavaí-PR; do produtor de café, frango e psicultura Jonas Ragazzo de Espirito Santo do Pinhal-SP; além do presidente do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR), Natalino Avance de Souza; do gerente de desenvolvimento agro da Sicredi União PR/SP, Vitor Pasquini; e do presidente da Sicredi União PR/SP, Wellington Ferreira.

Mediação - Este será mais um episódio mediado pelo jornalista Sérgio Mendes e com participação ao vivo do público. Nos três primeiros episódios foram discutidos ‘Como aproveitar ao máximo os recursos para sua lavoura’, ‘Quais serão as novidades do Plano Safra 2020-2021?’ e ‘Plano Safra - O que vem por aí?’. Batizado de ‘Prosa com o produtor’, o projeto é uma iniciativa da Sicredi União PR/SP que tem o objetivo de descomplicar o Plano Safra, entre outros assuntos sobre o agronegócio.

Acesso - Para participar é fácil, é só acessar o canal da Sicredi União PR/SP no Youtube. Depois da transmissão, os conteúdos audiovisuais dão origem a minivídeos que são enviados aos produtores e toda a cadeia do agro, além de serem divulgados em redes sociais.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados e no Distrito Federal, com mais de 1.900 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros www.sicredi.com.br. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

sicredi uniao 16 07 2020

COPACOL: Cooperativa amplia sistema de abate de peixes com aquisição de frigorífico

copacol 16 07 2020Pioneira no sistema integrado de produção de peixes, a Copacol acaba de adquirir o frigorífico da Tilápia Pisces, em Toledo, Oeste do Paraná, com o propósito de fomentar o desenvolvimento regional por meio da diversificação de renda, aumentar a participação de vendas e proporcionar oportunidades aos cooperados. O investimento ultrapassa os R$ 60 milhões.

Missão - A ampliação da estrutura voltada à piscicultura atende a missão de aplicar ações de cooperação ao agronegócio, buscando a excelência dos produtos e serviços. A instalação fica em uma área de 57 mil metros quadrados na estrada rural de acesso ao Distrito de São Luís do Oeste e passa a ser administrada pela cooperativa. “Decidimos pelo investimento pensando em gerar aos nossos cooperados mais oportunidades de negócios para que possamos aumentar nossa participação na atividade. A piscicultura vem ganhando espaço entre os consumidores e a integração do peixe, implantada pela Copacol, garante maior rendimento ao nosso produtor, que tem a comercialização garantida no fim do processo”, explica Valter Pitol, presidente da Copacol.

Negociações - O sócio proprietário do frigorífico da Tilápia Pisces, Sidney Godinho, esteve à frente das negociações com a cooperativa. A unidade industrial de peixes em Toledo em funcionamento há 13 anos gera entorno de 250 empregos diretos – o quadro atual será mantido pela Copacol. A capacidade de abate é de 40 mil tilápias/dia.

Atividades - As atividades passam a ser automaticamente desempenhadas pela Copacol. Até que todo o processo administrativo esteja concluído, a marca Tilápia Pisces será mantida – incluindo vendas aos consumidores e compras com fornecedores. Logo em seguida haverá implantação das embalagens com a marca Tilápias Copacol.

Ampliação de abate - Com o maior volume de abate de tilápia da América do Sul, a Unidade Industrial de Peixe em Nova Aurora abate 140 mil tilápias/dia. Ano passado foram abatidos 42 milhões de peixes, totalizando 14,9 mil toneladas. A estrutura atingiu a capacidade máxima, por isso, a aquisição do novo frigorífico foi consolidada. “Com a compra da estrutura teremos mais produtos para atender os clientes internos e também desenvolver o mercado internacional de tilápia”, explica Valdemir Paulino dos Santos, superintendente comercial Copacol.

Integração - O modelo atual mantido no frigorífico em Toledo se diferencia do sistema de integração: os piscicultores investem capital de giro para compra dos alevinos e ração; já na Copacol o cooperado entra com a infraestrutura (a lâmina de água) e a mão de obra. Com a transação, a cooperativa iniciará um mapeamento das propriedades rurais que fornecem a matéria-prima ao frigorífico disponibilizando a adesão ao atual sistema integrado Copacol para as próximas safras. “Estamos estruturando a implantação do sistema. Incialmente faremos visitas por meio dos nossos técnicos demonstrando as vantagens existentes no sistema integrado, onde realizamos a reprodução de alevinos, que passam para a fase de juvenis para depois chegar ao produtor na fase final – há uma verticalização do trabalho, incluindo o fornecimento da ração pela cooperativa”, explica Irineu Dantes Peron, superintendente de produção Copacol. (Imprensa Copacol)

 

COCARI: Programa Colhendo Inovações premia recordistas na produtividade de soja da safra 2019/2020

A terceira edição do Programa de Produtividade Cocari, Colhendo Inovações, foi transmitida na noite de terça-feira (14/07) por meio das redes sociais da cooperativa, alcançando mais de 15.500 pessoas. O programa foi desenvolvido para estimular o Departamento Técnico da Cocari e seus associados a buscarem maiores produtividades de soja, com ética e sustentabilidade. Nesta edição, 121 produtores participaram do concurso.

Crescente produtividade - O presidente da cooperativa, Vilmar Sebold, ressaltou o aumento de produtividade verificado entre os associados da Cocari. “Gostaríamos de destacar o crescimento que vem acontecendo ano a ano, não só em número de produtores, mas naquilo que é muito importante, em produtividade. Este ano temos grandes motivos para comemorar. Parabéns a todos que participaram do nosso programa. Vocês estão conseguindo se superar”, cumprimentou.

Benefícios ao produtor - Segundo o superintendente da Cocari no Cerrado, Fábio de Souza Xavier, o objetivo deste projeto é aumentar a rentabilidade do produtor por meio das altas produtividades de soja. Para isso, é feita a recomendação técnica, o uso de produtos de qualidade e o manejo adequado, buscando maior resultado para o produtor rural.

Comparativo - De acordo com o superintendente de Logística Integrada, Jacy César Fermino da Rocha, foi conquistado um incremento de 6% em relação à maior produtividade alcançada na edição anterior. “Parabenizo o produtor João Cortez e agradeço a cada um dos participantes que confiaram neste projeto e se dedicaram a buscar altas produtividades da cultura da soja”, disse.

Vencedores - Os produtores do Paraná e da região do Cerrado e seus respectivos assistentes técnicos que alcançaram as maiores produtividades na safra 2019/2020 foram premiados em quatro categorias. Confira quem foram os vencedores:

Categoria Cerrado Sequeiro

1.º Lugar:

Cooperado João Lazari e Eng. Agrônomo Fernando Gomes Nessralla, também gerente da unidade

Produtividade: 92,6 sc/ha

Unidade: São João d’Aliança-GO

2.º Lugar:

Cooperado Rafael Parca e Eng. Agrônomo Wendel Rodrigues

Produtividade: 85 sc/ha

Unidade: São João d’Aliança-GO

Categoria Cerrado Irrigado

1.º Lugar:

Cooperado Eduardo da Mota e Eng. Agrônomo Felipe Marincek

Produtividade: 85,5 sc/ha

Unidade: Paracatu-MG

2.º Lugar:

Cooperado Sidney Salvalagro e Eng. Agrônomo Joviano Neto

Produtividade: 84,20 sc/ha

Unidade: Campo Alegre de Goiás-GO

Categoria Paraná Baixo

1.º Lugar:

Cooperado João Tsumoto Suzuki e Téc. Agrícola David Ferreira

Produtividade: 100,76 sc/ha

Unidade: Borrazópolis-PR

2.º Lugar:

Cooperado Carlos Adriano Marioti e Eng. Agrônomo Fábio Barros

Produtividade: 90,62 sc/ha

Unidade: São Luiz-PR

Categoria Paraná Alto

1.º Lugar:

Cooperado João Cortez e Eng. Agrônomo Jefferson Cabral

Produtividade: 103,09 sc/ha

Unidade: Faxinal-PR

2.º Lugar:

Odivaldo Teixeira Scremin e Eng. Agrônomo Rafael Gutierrez

Produtividade: 99,94 sc/ha

Unidade: Placa Luar-PR

Programação - O evento contou ainda com a contribuição de pesquisadores sobre manejo mais eficiente da cultura de soja, com depoimentos do prof. Dr. Marcelo Batista, da Universidade Estadual de Maringá (UEM), e do Dr. Fernando Adegas, especialista em plantas daninhas da Embrapa Soja, de Londrina.

Assista ao evento - A cerimônia completa continua disponível nos perfis @cocaricoop, no Facebook e Canal do Youtube.

4ª edição - Os produtores interessados já podem procurar o Departamento Técnico da Cocari para se inscreverem na quarta edição do Programa Colhendo Inovações. (Imprensa Cocari)

{vsig}2020/noticias/07/16/cocari/{/vsig}

SAÚDE ANIMAL: Instrução Normativa aprova diretrizes gerais para a vigilância da febre aftosa

saude animal 16 07 2020O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou nesta quarta-feira (15/07), no Diário Oficial da União, a Instrução Normativa Nº 48 que aprova as diretrizes gerais para a vigilância da febre aftosa com vistas à execução do Programa Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa (Pnefa), conforme estabelecido pelo Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa).

Atualização - Trata-se de uma atualização dos atos normativos aos novos conceitos internacionais, prevista no cronograma do Pnefa para o avanço do status sanitário do país para livre de febre aftosa sem vacinação, segundo diretrizes da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE).

Mudanças - Entre as principais mudanças estão a permissão do ingresso de animais vacinados destinados para abate e exportação em zonas livres sem vacinação e a permissão do retorno de animal originário de zona livre sem vacinação, para participação em feiras ou centrais de inseminação localizadas em zona livre com vacinação. A norma traz a adequação do trânsito de produtos de origem animal entre as zonas livres, ficando vedada apenas o trânsito de cabeça, língua, faringe e linfonodos associados de zonas livres com vacinação para zonas livres sem vacinação.

Obrigatoriedade - A IN também prevê a obrigatoriedade da atualização cadastral do rebanho pecuário pelo produtor, pelo menos uma vez por ano e a obrigatoriedade de cadastro dos transportadores de animais junto ao Serviço Veterinário Oficial (SVO).

Adequação - “A atualização do regulamento do Pnefa faz uma adequação às diretrizes internacionais vigentes, retirando grande parte das restrições que existiam para o trânsito de animais e produtos entre unidades da federação que possuíam condição sanitária distinta para febre aftosa. Também prevê atividades de vigilância específicas voltadas para esta nova etapa do Pnefa, de ampliação gradual de zonas livres de febre aftosa sem vacinação”, destaca o diretor do Departamento de Saúde Animal, Geraldo Moraes.

Contribuição - A norma contou com a participação e contribuição de vários segmentos e setores envolvidos e destina-se aos atores que atuam na cadeia produtiva de carnes de animais susceptíveis à febre aftosa, entre eles Mapa, órgãos executores de defesa agropecuária, entidades de classe representativas de profissionais, indústrias e produtores rurais, entre outros.

Validade - A IN entra em vigor no dia 3 de agosto. (Mapa)

 

CÂMBIO: Dólar volta a aproximar-se de R$ 5,40 em dia de volatilidade

Em mais um dia de volatilidade no mercado financeiro, o dólar voltou a valorizar-se e encerrou no maior nível em oito dias. O dólar comercial fechou a quarta-feira (15/07) vendido a R$ 5,384, com alta de R$ 0,035 (+0,66%). A bolsa de valores subiu pelo segundo dia seguido e superou a marca dos 101 mil pontos pela primeira vez em quatro meses.

Evolução - Embora tenha começado o dia em queda, o dólar passou a subir no início da tarde, até fechar próximo da máxima do dia. A divulgação de que a produção industrial nos Estados Unidos (EUA) aumentou 7,2% em junho fez a moeda norte-americana valorizar-se. A divisa acumula alta de 34,16% em 2020.

Ações - No mercado de ações, as bolsas continuaram a registrar ganhos. O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), fechou o dia aos 101.790 pontos, com alta de 1,31%. O indicador seguiu a bolsa norte-americana. O índice Dow Jones, da bolsa de Nova York, subiu 0,85% nesta quarta.

Estudo - Além da recuperação da economia dos EUA, o mercado financeiro foi influenciado pela divulgação de que o primeiro estudo em humanos de uma vacina contra covid-19 desenvolvida por um laboratório norte-americano teve resposta satisfatória em todas as 45 pessoas analisadas. Os testes em larga escala foram antecipados para o fim de julho.

Nervosismo - Há vários meses, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. Nas últimas semanas, os investimentos têm oscilado entre possíveis ganhos com o relaxamento de restrições em vários países da Europa e em regiões dos Estados Unidos e contratempos no combate à doença. (Agência Brasil)

LEGISLATIVO I: Senado deixa caducar MP que altera regras trabalhistas

legislativo I 16 07 2020O Senado retirou da pauta de votação a Medida Provisória (MPV) 927/2020, que altera as regras trabalhistas durante o período da pandemia. O texto irá caducar, tendo em vista que o prazo de vigência da proposição expira no próximo dia 19 (domingo).

Opinião - Na sessão remota desta quarta-feira (15/07), o presidente do Senado, Davi Alcolumbre decidiu pela retirada de pauta após ouvir a opinião das lideranças partidárias sobre a matéria, cujas regras contemplam o teletrabalho, a antecipação do gozo de férias e de feriados e a concessão de férias coletivas, entre outros tópicos.

Falta de entendimento - Na semana passada, a falta de entendimento já havia impedido a votação da proposição pelos senadores, tendo em vista a polêmica gerada pelos dispositivos do Projeto de Lei de Conversão (PLV) 18/2020, resultante da MP, que recebeu mais de mil emendas no Senado.

Alterada - Editada pelo Executivo em março, a MP 927/2020 já havia sido alterada pelos deputados, que a transformaram no PLV, relatado pelo senador Irajá (PSD-TO), que acolheu apenas 12 das emendas apresentadas ao texto.

Sem acordo - Davi Alcolumbre ressaltou que faltou acordo para exame da matéria. O presidente do Senado explicou que 17 destaques foram apresentados à proposição, e ressaltou ainda que o sistema remoto de votação pode ter contribuído para a falta de um entendimento entre as lideranças partidárias para exame do texto. “Quando não se tem entendimento é praticamente impossível votar MP ou uma matéria com a complexidade dessas”, afirmou.

Dificuldade - O líder do governo, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) reconheceu a complexidade do tema e a dificuldade para colocar a MP em votação no Senado. Ele disse que faltou argumento por parte da própria liderança do governo para convencer os senadores sobre a votação da MP. Também reconheceu o esforço do relator. E afirmou, porém, que o governo poderá "buscar soluções" para o que não foi deliberado.  

Mudanças profundas - A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) observou que a MP contém mudanças profundas na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e retira direitos trabalhistas. Ela ressaltou que o texto aprovado na Câmara prevê a dispensa de realização de exames demissionais, e também a devolução de remuneração de férias por parte dos empregados quando não houver completado o período aquisitivo ou em caso de demissão.

Controversa - Para o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP),a matéria é amplamente controversa. Ele observou que todos os partidos de oposição apresentaram destaques ao texto a ser votado.

Direitos trabalhistas - O senador Eduardo Braga (MDB-AM) afirmou que a matéria é extremamente complexa e envolve direitos trabalhistas. Ele reconheceu o esforço do relator da MP, senador Irajá (PSD-TO), mas ressaltou que não se sentia tranquilo para adentrar no mérito da proposição, que estabelece a prevalência do acordo individual sobre a questão coletiva, o parcelamento do salário educação e da previdência, entre outros pontos.

Parcelamento - O senador Paulo Paim (PT-RS) criticou o projeto por estabelecer o parcelamento de débito trabalhista em cinco anos, a prorrogação da jornada para profissionais da saúde e a adoção de banco de horas que pode ultrapassar o período da pandemia e chegar a 18 meses. Paim destacou ainda que outras MPs já aprovadas pelo Congresso contemplaram vários pontos previstos na proposição, favorecendo o governo.

Desfavorável - Na avaliação do senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) as circunstâncias atuais e as limitações naturais do processo remoto de votação não favorecem o exame do texto. O senador Otto Alencar (PSD-BA) disse que a matéria é polêmica e que muitos setores da indústria, que a ele recorreram, avaliaram a possibilidade de aumento do desemprego com a aprovação da proposta.

Parlamentares - A retirada da MP da pauta de votação também foi defendida pelos senadores Alvaro Dias (Podemos-PR), Major Olímpio (PSL-SP) e pelas senadoras Rose de Freitas (Podemos-ES), Daniella Ribeiro (PP-PB) e Zenaide Maia (Pros-RN). (Agência Senado)

FOTO: Marcos Oliveira / Agência Senado

 

LEGISLATIVO II: Senado muda programa de suporte a empregos para fortalecer Pronampe

legislativo II 16 07 2020O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (15/07) o projeto de lei de conversão que abre crédito para que pequenas e médias empresas mantenham seus funcionários durante a pandemia de covid-19. Os senadores fizeram mudanças para reduzir pela metade o escopo do programa e fortalecer o Pronampe, linha de crédito para essas empresas com finalidades mais amplas. O texto volta para a análise da Câmara dos Deputados.

Origem - O projeto vem da Medida Provisória (MPV) 944/2020, publicada no início de abril. Ela criou o Programa Emergencial de Suporte a Empregos (Pese), destinado a disponibilizar verbas para que micro e pequenas empresas possam pagar salários e saldar dívidas trabalhistas ou previdenciárias durante a pandemia.

Valor - No texto aprovado pelo Senado, o Pese poderá contar com até R$ 20 bilhões, metade do valor previsto originalmente. Em compensação, a União fica autorizada a remeter R$ 12 bilhões adicionais para o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), que também oferece crédito, mas não o vincula exclusivamente a salários ou dívidas — as empresas também podem fazer investimentos.

Justificativa - O relator da MP, senador Omar Aziz (PSD-AM), justificou o rearranjo dizendo que o Pronampe “decolou” como forma de apoio às micro e pequenas empresas, ao contrário do Pese, que não tem concedido alto volume de crédito desde a sua criação. “Como o funding federal tem sido utilizado de maneira eficiente no âmbito do Pronampe, é plenamente aceitável realocar mais recursos para este programa”, escreveu o senador em seu relatório.

Combinado - Segundo o líder do governo, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), as mudanças foram combinadas com a equipe econômica. Ele reconheceu que o Pese não cumpriu os seus objetivos. “O Pese não andou bem. Houve uma série de exigências que terminaram não criando atratividade. O relatório, ao retirar os recursos do Pese, está colocando mais dinheiro para a micro e pequena empresa.”

Emenda - Omar também aceitou emenda do senador Esperidião Amin (PP-SC) que elimina o faturamento anual mínimo exigido para participação no Pese e reduz o faturamento anual máximo, de R$ 50 milhões para R$ 10 milhões. Além disso, beneficiários com receita anual inferior a R$ 360 mil terão linhas de crédito menores (até 40% do faturamento), mas poderão destinar livremente os recursos captados.

Fintechs - Outras mudanças do relator foram a inclusão de organizações religiosas entre as entidades que podem ser beneficiadas pelo Pese e permissão para que o programa seja operado também através de cooperativas de crédito e fintechs.

Previsão - Por fim, Omar acrescentou previsão para que, a partir de outubro, a União possa pedir devolução de até 50% da verba destinada ao Pese que não tenha sido repassada. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), gestor do programa, terá até 30 dias para atender o pedido.

Rearranjo - O Programa Emergencial de Suporte a Empregos (Pese) é lastreado em repasse da União para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que corresponde a 85% da linha de crédito. Outros 15% devem ser aportados pelos bancos privados que operam o programa. Todos os financiamentos concedidos devem seguir essa proporção de fontes de recursos.

Redução - O texto do Senado reduz de R$ 34 bilhões para R$ 17 bilhões o aporte da União. O compromisso dos bancos privados passa de R$ 6 bilhões para R$ 2,55 bilhões.

Acréscimo - Dos R$ 17 bilhões retirados do Pese, R$ 12 bilhões serão acrescidos à participação da União no Pronampe. Os R$ 5 bilhões restantes, segundo o senador Fernando Bezerra Coelho, serão garantidos pela MP 975/2020, que oferta crédito às micro e pequenas empresas através de uma modalidade que permite o uso das vendas feitas com máquinas de cartão como garantia.

Funcionamento - No Pese, empresários, sociedades empresárias ou cooperativas (exceto as de crédito), sociedades simples, organizações da sociedade civil, empregadores rurais (pessoas físicas e jurídicas) e organizações religiosas poderão acessar as linhas de crédito até 31 de outubro. A principal regra é o uso do dinheiro exclusivamente para pagar salários e dívidas trabalhistas ou previdenciárias.

Pagamento direto - Se o empregador mantiver o pagamento da folha de salários no banco com o qual negociar o empréstimo, o pagamento aos funcionários deverá ser feito diretamente pelo banco. De qualquer modo, o pagamento somente poderá ser feito com depósito na conta titular do trabalhador.

Proibido - As empresas ficam proibidas de demitir funcionários, na proporção em que participarem do programa. Por exemplo: se a linha de crédito acessada cobrir 100% da folha, então ninguém poderá ser demitido, sem justa causa, até 60 dias após o recebimento da última parcela. Se a linha de crédito cobrir 75% da folha, então 1/4 dos trabalhadores poderá ser demitido, e assim sucessivamente.

Pedidos - Os pedidos de empréstimo podem ser feitos no valor de até 2 salários mínimos (R$ 2.090) por empregado. Sob nenhuma hipótese o contratante poderá se valer dos recursos para finalidade diferente do pagamento de salários ou verbas trabalhistas. Se for constatada esta prática, o vencimento da dívida será antecipado.

Verbas trabalhistas - O empregador poderá usar os recursos para quitar verbas trabalhistas decorrentes de condenações transitadas em julgado na Justiça do Trabalho, e referentes a execuções que tenham começado desde o início da calamidade pública do coronavírus (20 de março), ou que venham a ocorrer até 18 meses após o fim da vigência do estado de calamidade.

Vigência - Como o decreto que institui a calamidade pública por causa da covid-19 tem vigência até 31 de dezembro de 2020, estariam abrangidos os processos iniciados até junho de 2022. Poderão ser financiados também débitos resultantes de acordos homologados, inclusive extrajudiciais, no mesmo período.

Verbas rescisórias - Poderão ser financiadas ainda verbas rescisórias pagas ou pendentes, decorrentes de demissões sem justa causa ocorridas entre 20 de março e a data de publicação da futura lei, inclusive os débitos relativos ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), contanto que haja a recontratação do empregado demitido.

Acesso - O texto considera o acesso a este tipo de linha de crédito uma confissão de dívida irrevogável, limitando o valor a R$ 15 mil para o total de dívidas e a R$ 15 mil por contrato de trabalho, no caso do FGTS, quando comprovada a recontratação pelo mesmo empregador. A recontratação também deverá perdurar por 60 dias, sob pena do vencimento antecipado da dívida.

Juros - A taxa de juros que deve ser praticada será de 3,75% ao ano, com prazo para pagar de 36 meses e carência, já incluída neste prazo, de 6 meses para começar a pagar.

Concessão - Para conceder os empréstimos, os bancos poderão seguir suas próprias políticas de concessão, podendo consultar sistemas de proteção ao crédito e registros de inadimplência referentes aos 6 meses anteriores. Os riscos de inadimplência e perdas financeiras serão suportados na mesma proporção da participação (85% de recursos públicos, e 15% de recursos privados).

Incentivo ao turismo - Foi incluído pelo relator da MP na Câmara, deputado Zé Vitor (PL-MG), um artigo permitindo que o Fundo Geral do Turismo (Fungetur) libere dinheiro para agentes financeiros credenciados concederem empréstimos com pagamento de taxa efetiva de juros de 1% ao ano ao Fundo. Esta política específica também visa tentar manter empregos neste setor, um dos mais afetados pela pandemia. Estes recursos também só poderão ser usados na manutenção ou eventual geração de empregos.

Garantia - O Pronampe permite aos bancos que concedem empréstimos com recursos do Fungetur, contarem com a garantia do Fundo Garantidor de Operações (FGO), podendo chegar a até 100% em cada operação. (Agência Senado)

FOTO: Marcos Oliveira / Agência Senado

 

LEGISLATIVO III: Comissão da Câmara dos Deputados debate situação da Covid-19 no Paraná

A Comissão Externa de Enfrentamento da Pandemia da Covid-19 da Câmara dos Deputados realiza, nesta quinta-feira (16/07), a partir das 11h, uma audiência pública para debater a situação da pandemia no Paraná. A deputada federal Leandre Dal Ponte (PV-PR) compõe o colegiado da Câmara e participa da reunião, transmitida pelo canal do Youtube da Câmara dos Deputados.

Ministro - A audiência pública virtual tem a participação do ministro interino da Saúde, Eduardo Panzuello, e do secretário de Saúde do Paraná, Carlos Alberto Gebrim Preto. Também vão participar o presidente da Comissão de Saúde Pública da Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (Alep), deputado Estadual Dr. Batista, do presidente da Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná (Femipa), Flaviano Feu Ventorim, do presidente da Associação dos Municípios do Paraná (AMP), prefeito Darlan Scalco, e do presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Paraná (COSEMSPR), Carlos Alberto de Andrade.

Única - Leandre destacou que a comissão externa é a única, no momento da pandemia, em funcionamento na Câmara dos Deputados. “Já foram feitas reuniões com o Rio Grande do Sul e com Santa Catarina. Agora é a vez do Paraná. O objetivo é que o secretário Beto possa expor as principais demandas do nosso Estado para o Ministério da Saúde. E que o próprio ministro Panzuello possa dar um panorama do que podemos esperar da pasta da Saúde não só agora, durante a pandemia, mas também no momento pós-pandemia. Nós estamos sofrendo hoje. Mas a área da saúde sofrerá um impacto muito grande depois que nos recuperarmos”, disse a deputada Leandre.

Participação - Além de acompanhar a audiência pública pelo Youtube da Câmara dos Deputados, os paranaenses puderam enviar perguntas aos participantes pela plataforma E-Democracia da Câmara dos Deputados. (Assessoria de Imprensa da deputada federal Leandre Dal Ponte)

{vsig}2020/noticias/07/16/legislativo/{/vsig}

SAÚDE I: Brasil tem 1,96 milhão de casos e 75,3 mil mortes

O Brasil chegou a 1.966.748 de casos confirmados acumulados de covid-19 e o total de 75.366 óbitos desde o início da pandemia do novo coronavírus. O número foi divulgado na atualização diária do Ministério da Saúde nesta quarta-feira (15/07), durante entrevista coletiva no Palácio do Planalto.

Novos registros - Nas últimas 24h, foram 39.924 novos registros de pessoas diagnosticadas com covid-19 informados pelas autoridades estaduais de saúde. Entre terça-feira (14/07) e quarta-feira (15/07), foram 1.233 mortes registradas no sistema do Ministério da Saúde.

Acompanhamento - De acordo com a pasta, 635.818 pessoas estão em acompanhamento e outras 1.255.564 se recuperaram da doença.

Covid-19 nos estados - Os estados com mais mortes por covid-19 são: São Paulo (18.640), Rio de Janeiro (11.757), Ceará (7.030), Pernambuco (5.772) e Pará (5.337). As Unidades da Federação com menos falecimentos pela pandemia são: Mato Grosso do Sul (183), Tocantins (271), Roraima (403), Acre (446) e Amapá (488).

Casos confirmados - Os estados com mais casos confirmados de covid-19 desde o início da pandemia são: São Paulo (393.176), Ceará (141.248), Rio de Janeiro (134.449), Pará (130.834) e Bahia (112.993). As Unidades da Federação com menos pessoas infectadas registradas são: Mato Grosso do Sul (14.631), Tocantins (16.031), Acre (16.672), Roraima (23.681) e Rondônia (27.917).

Evolução da curva - Segundo o Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, a curva de casos novos por semana epidemiológica oscilou levemente para baixo na última semana (28ª) em comparação com a anterior (27ª), de 262.846 para 263.337. Foi a primeira vez que o total de pessoas infectadas registradas na semana foi menor. Até então a curva vinha apresentando números semanais totais ascendentes.

Mortes - Já a curva de mortes pela covid-19 oscilou levemente para cima no mesmo período. Na 28ª semana epidemiológica, foram 7.204 falecimentos, contra 7.195 na 27ª. Há cerca de um mês e meio os números de óbitos novos por semana vêm oscilando pouco, mantendo uma trajetória de estabilização. A curva, contudo, não apresenta sinais de queda.

Por estados - Na análise da curva de casos por estados, nove tiveram aumento, oito ficaram estabilizados e 10 experimentaram redução entre as semanas 28 e 27. Já na avaliação de mortes, 12 estados tiveram menos registros, cinco ficaram estabilizados e 10 apresentaram um aumento, especialmente no Sul e Centro-Oeste.

Questionamento - Perguntado sobre o porquê da curva não cair, como em outros países, o secretário de Vigilância em Saúde da pasta, Arnaldo de Medeiros, respondeu que o Brasil tem dimensões continentais e que aqui “a epidemia não se comporta de maneira idêntica em diversas regiões do país”. E acrescentou: “Quando olha para algumas regiões tem sensação que o pior já passou. E quando olha para outras, vê que está passando por este momento agora”.

Comparação internacional - O Brasil segue em 2º no ranking mundial em número de mortes e de casos confirmados de covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos (que possui 3,4 milhões de pessoas infectadas e 136.466 mortes desde o início da pandemia). Quando considerada a comparação proporcional, no critério incidência (casos de covid-19 por 100 mil habitantes), o Brasil cai para a 10ª posição; e no critério mortalidade (quantidade de óbitos por 100 mil habitantes), o país cai para o 11º lugar.

Covid-19 por região - Na comparação das regiões tomando como referência as semanas epidemiológicas, o Norte apresentou redução de mortes de 9% e de casos de 20%. O estado com maior queda foi Roraima (-46% nos casos e 61% nos óbitos).

Nordeste - Na região Nordeste, a redução foi de 8% nas pessoas infectadas e 4% nos óbitos. O Rio Grande do Norte foi o local onde houve maior diminuição (-56% nos casos e -38% nas mortes), enquanto o maior aumento de casos foi em Pernambuco (24%).

Sudeste - No Sudeste, na 28ª semana, foram registrados 7% mais casos e 3% menos falecimentos em decorrência da doença. Em registros de casos confirmados de covid-19, o Rio de Janeiro teve 21% de queda e Minas Gerais 19% de elevação no índice. Já se considerados os óbitos, o Espírito Santo apresentou queda de 26% e Minas Gerais contabilizou incremento de 22%.

Sul - No mesmo período, o Sul teve majoração dos casos e falecimentos de, respectivamente, 8% e 36%. As maiores elevações dos índices foram em Santa Catarina (24% nos casos) e Rio Grande do Sul (42% de óbitos).

Centro-Oeste - O Centro-Oeste foi a região com maior incremento de casos (6%) e de mortes (26%). Entre os estados, os destaques negativos foram Mato Grosso (20% nos casos) e Distrito Federal (49% nos falecimentos).

Disponibilização - O secretário Arnaldo de Medeiros disse o governo vem disponibilizando respiradores, medicamentos e verbas para que os gestores estaduais possam aplicar os recursos da melhor maneira para o controle da pandemia em cada região do país.

Testes - De acordo com os representantes do Ministério da Saúde, até o momento foram realizados 1.278.201 exames pela rede pública. Se adicionados 945.602 testes particulares, o total de exames realizados no Brasil para diagnosticar a covid-19 chega a 2.223.803. Foram adquiridos até o momento 10 milhões de kits. Os representantes do ministério justificaram a diferença entre as aquisições e os realizados pela capacidade de armazenamento de insumos e de processamento dos exames dos laboratórios.

Ambiente refrigerado - “O armazenamento dos insumos do teste de laboratório (RT-PCR) precisa ser feito em um ambiente refrigerado. Os laboratórios têm lugar para estocar, mas nessa quantidade, por esta pandemia, superou as capacidades. Por este motivo, conforme eles vão utilizando os kits, solicitam novos e vamos encaminhando de forma proporcional aos exames realizados”, respondeu a diretora substituta de Laboratórios de Saúde Pública, Grace Madeleine.

Média - A média geral por semana foi de 63.102 análises processadas. Nas últimas cinco semanas, esta média foi de 110.112 por semana. Mas na análise por semana epidemiológica, houve queda da média mensal 25% entre a 26ª e a 28ª semana epidemiológica.

Atualização - Grace Madeleine explicou que a queda ocorreu devido ao tempo de atualização. “Leva-se um tempo para digitação. Devido ao volume expressivo, pode levar alguns dias para que sejam concluídos os dados daquelas semanas anteriores. Geralmente isso ocorre. Provavelmente o dado mostrado vai ser maior na semana que vem”, acrescentou.

Síndrome Respiratória Aguda Grave - As hospitalizações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) somaram 404.037 desde o início do ano, tendo 36.830 novas notificações na última semana epidemiológica. Deste total, 191.466 foram por covid-19. Outros 77.348 ainda estão em investigação.

Perfil - Dos internados por covid-19, 50,4% tinham acima de 60 anos, 43% eram mulheres e 57% eram homens. No recorte por cor e raça, 31,3% eram pardos, 28,4% eram brancos, 4,6% eram pretos, 1% era amarelo, 0,3% era indígena e 34,3% não informaram.

Falecidos - Já no perfil dos pacientes que faleceram por SRAG diagnosticados com covid-19, 71,8% tinham mais de 60 anos, 42% eram mulheres e 58% eram homens. Na distribuição por raça e cor das vítimas, 35,3% eram pardas, 25,2% eram brancas, 4,9% eram pretas, 1,1% era amarela, 0,4% era indígena e 33,1% não informaram. (Agência Brasil)

saude I tabela I 16 07 2020

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

saude I tabela II 16 07 2020

 

 

SAÚDE II: Pandemia avança no Paraná com mais 1.751 casos e 52 mortes

saude 16 07 2020

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quarta-feira (15/07) mais 1.751 novas confirmações da Covid-19 e 52 mortes pela infecção.  O Paraná soma 46.601 casos e 1.181 óbitos em decorrência da doença. Há ajustes nos casos confirmados detalhados ao final do texto. 

Internados - O boletim desta quarta-feira relata que 1.122 pacientes com diagnóstico confirmado estão internados. Deste total, 920 estão em leitos SUS (368 em UTI e 552 em enfermaria) e 202 em rede particular (63 em UTI e 139 em enfermaria). 

Resultados - Há outros 927 pacientes internados, 451 em leitos UTI e 476 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo vírus Sars-CoV-2. 

Óbitos - Os 52 pacientes que faleceram estavam internados. São 14 mulheres e 38 homens, com idades que variam de 34 a 88 anos. Os óbitos ocorreram entre os dias 27 de junho e 15 de julho. Os pacientes que faleceram residiam em Curitiba (21), Paranaguá (3), Arapongas (2), Itaperuçu (2), Pinhais (2), Pontal do Paraná (2), São Jose dos Pinhais (2), Araucária (2).  

Uma ocorrência - Houve a ocorrência de uma morte em cada um dos seguintes municípios: Assis Chateaubriand, Cascavel, Colombo, Corbélia, Curiúva, Guaratuba, Jesuítas, Mangueirinha, Matinhos, Pato Branco, Piraquara, Ponta Grossa, Quedas Do Iguaçu, Rio Branco do Sul, Santa Helena e Santa Izabel do Oeste.  

Municípios - Atualmente, 382 cidades paranaenses têm ao menos um caso confirmado pela Covid-19. Em 196 municípios há óbitos pela doença. 

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria da Saúde registra 523 casos de residentes de fora. 19 pessoas foram a óbito. 

Ajustes - Alteração de município: um caso confirmado dia 8 de julho, em Cascavel, foi transferido para Pato Branco; uma confirmação dia 10 de julho, em Curitiba, foi transferida para Pontal do Paraná. Também no dia de julho, um caso confirmado em Curitiba foi transferido para Itapoá/SC; e outro confirmado dia 11, em Palmital, foi transferido para Araucária. 

- Um caso confirmado dia 9 de junho, em Japurá; outro confirmado dia 4 de julho, em Cianorte, foi transferido para Tuneiras do Oeste. 

- Um caso confirmado dia 3 de julho, em Cianorte, foi transferido para Tapejara. Uma confirmação em Cornélio Procópio, dia 6 de julho, foi para Londrina; e outra de 4 de julho, de São José dos Pinhais, foi transferida para Paranaguá. 

- Houve transferências de municípios, também, de um caso confirmado dia 3 de julho, de Pato Branco para Mangueirinha; dia 11de julho, de Maringá para Curitiba; dia 13 de julho, de Bom Sucesso para Mandaguari; dia 9 de julho, de Curitiba para São José dos Pinhais, e de 4 de julho, de Curitiba para Tuneiras do Oeste. 

Exclusões - O boletim relata 19 exclusões por duplicidade de notificação e um por erro de notificação. As exsclusões por duplicidade ocorreram em Cornélio Procópio, confirmado dia 17 de maio; outro também em Cornélio Procópio, confirmado dia dia 2 de junho; em Siqueira Campos, confirmado dia 2 de julho; em Cornélio Procópio, confirmado em 8 de junho. 

- Também foram excluídos por duplicidade de notificação casos confirmados em Curitiba (dia 12 de junho); em Três Barras do Paraná (dia 20 de junho); em Cornélio Procópio (dia 22 de junho); Cascavel (dia 24/6); Maringá (também em 24/06).  

- Também houve exclusão que haviam sido confirmados em Foz do Iguaçu (dia 01/07; Dois Vizinhos (dia 10/06); Curitiba (02/07); mais um em Cornélio Procópio (05/07); mais um Foz (06/07). 

- Um caso confirmado dia 09/07 em Curitiba também foi excluído por duplicidade de notificação. Foram excluídos, ainda, casos de Paiçandu (dia 17/6); Curitiba (12/7); Maringá (13/7). O caso de exclusão por erro de notificação foi em Ivaiporã, dia 08/07. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo aqui.

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quarta-feira (15/07) mais 1.751 novas confirmações da Covid-19 e 52 mortes pela infecção.  O Paraná soma 46.601 casos e 1.181 óbitos em decorrência da doença. Há ajustes nos casos confirmados detalhados ao final do texto.

 

Internados - O boletim desta quarta-feira relata que 1.122 pacientes com diagnóstico confirmado estão internados. Deste total, 920 estão em leitos SUS (368 em UTI e 552 em enfermaria) e 202 em rede particular (63 em UTI e 139 em enfermaria).

 

Resultados - Há outros 927 pacientes internados, 451 em leitos UTI e 476 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo vírus Sars-CoV-2.

 

Óbitos - Os 52 pacientes que faleceram estavam internados. São 14 mulheres e 38 homens, com idades que variam de 34 a 88 anos. Os óbitos ocorreram entre os dias 27 de junho e 15 de julho. Os pacientes que faleceram residiam em Curitiba (21), Paranaguá (3), Arapongas (2), Itaperuçu (2), Pinhais (2), Pontal do Paraná (2), São Jose dos Pinhais (2), Araucária (2).

 

Uma ocorrência - Houve a ocorrência de uma morte em cada um dos seguintes municípios: Assis Chateaubriand, Cascavel, Colombo, Corbélia, Curiúva, Guaratuba, Jesuítas, Mangueirinha, Matinhos, Pato Branco, Piraquara, Ponta Grossa, Quedas Do Iguaçu, Rio Branco do Sul, Santa Helena e Santa Izabel do Oeste.

 

Municípios - Atualmente, 382 cidades paranaenses têm ao menos um caso confirmado pela Covid-19. Em 196 municípios há óbitos pela doença.

 

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria da Saúde registra 523 casos de residentes de fora. 19 pessoas foram a óbito.

 

Ajustes - Alteração de município: um caso confirmado dia 8 de julho, em Cascavel, foi transferido para Pato Branco; uma confirmação dia 10 de julho, em Curitiba, foi transferida para Pontal do Paraná. Também no dia de julho, um caso confirmado em Curitiba foi transferido para Itapoá/SC; e outro confirmado dia 11, em Palmital, foi transferido para Araucária.

 

- Um caso confirmado dia 9 de junho, em Japurá; outro confirmado dia 4 de julho, em Cianorte, foi transferido para Tuneiras do Oeste.

 

- Um caso confirmado dia 3 de julho, em Cianorte, foi transferido para Tapejara. Uma confirmação em Cornélio Procópio, dia 6 de julho, foi para Londrina; e outra de 4 de julho, de São José dos Pinhais, foi transferida para Paranaguá.

 

- Houve transferências de municípios, também, de um caso confirmado dia 3 de julho, de Pato Branco para Mangueirinha; dia 11de julho, de Maringá para Curitiba; dia 13 de julho, de Bom Sucesso para Mandaguari; dia 9 de julho, de Curitiba para São José dos Pinhais, e de 4 de julho, de Curitiba para Tuneiras do Oeste.

 

Exclusões - O boletim relata 19 exclusões por duplicidade de notificação e um por erro de notificação. As exsclusões por duplicidade ocorreram em Cornélio Procópio, confirmado dia 17 de maio; outro também em Cornélio Procópio, confirmado dia dia 2 de junho; em Siqueira Campos, confirmado dia 2 de julho; em Cornélio Procópio, confirmado em 8 de junho.

 

- Também foram excluídos por duplicidade de notificação casos confirmados em Curitiba (dia 12 de junho); em Três Barras do Paraná (dia 20 de junho); em Cornélio Procópio (dia 22 de junho); Cascavel (dia 24/6); Maringá (também em 24/6).

 

- Também houve exclusão que haviam sido confirmados em Foz do Iguaçu (dia 01/07; Dois Vizinhos (dia 10/06); Curitiba (02/07); mais um em Cornélio Procópio (5/7); mais um Foz (06/07).

 

- Um caso confirmado dia 09/07 em Curitiba também foi excluído por duplicidade de notificação. Foram excluídos, ainda, casos de Paiçandu (dia 17/6); Curitiba (12/7); Maringá (13/7). O caso de exclusão por erro de notificação foi em Ivaiporã, dia 08/07. (Agência de Notícias do Paraná)

 

Confira o informe completo aqui.


Versão para impressão


RODAPE