Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4885 | 12 de Agosto de 2020

SANIDADE: Mapa publica IN reconhecendo o Paraná como área livre de febre aftosa sem vacinação

sanidade 12 08 2020O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou, nesta terça-feira (11/08), a Instrução Normativa (IN) nº 52, reconhecendo o Paraná como área livre de febre aftosa sem vacinação, juntamente com os estados do Acre, Rio Grande do Sul, Rondônia e regiões do Amazonas e de Mato Grosso. “Essa medida é importante pois representa um passo essencial para que o Paraná alcance o mesmo status, mas em âmbito internacional, pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE), que irá se reunir em assembleia em maio de 2021, em Paris, para deliberar sobre esse e outros assuntos. O setor produtivo paranaense tem se mobilizado junto com as autoridades dos governos federal e estadual nesse sentido, com objetivo de ampliar o mercado para as carnes produzidas no Estado”, afirma o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken.

Fiscalização - O dirigente lembra que, num esforço conjunto com outras entidades do setor produtivo e governo do Estado, as cooperativas contribuíram financeiramente para a construção de postos nas barreiras sanitárias nas divisas com os estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, com 33 postos para fazer toda a fiscalização. “Sem dúvida, mais uma etapa fundamental para o setor cooperativista e para o agronegócio paranaense”, frisou.

 

Ingresso - Ainda de acordo com a IN 52, o ingresso de bovinos e bubalinos nas áreas contempladas pela nova norma devem obedecer aos critérios dispostos nas INs nº 37, de 27 de dezembro de 2019, e 23, de 29 de abril de 2020, ambas da Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa.

Autorização - O Paraná havia sido autorizado pelo governo federal a suspender a vacinação contra a febre aftosa de bovinos e búfalos em outubro de 2019, após a comprovação da qualidade do sistema de vigilância em saúde animal do Estado. Em substituição às campanhas de vacinação, que ocorriam desde 1965, foi implantada a Campanha de Atualização de Rebanhos, por meio da Portaria número 332/2019, da Adapar. A atualização abrange todas as espécies de animais de produção, com penalidades previstas na legislação caso não seja feita, entre elas o pagamento de multa. Além disso, foram tomadas diversas outras medidas para que o Estado obtivesse o reconhecimento de área livre de febre aftosa sem vacinação, de acordo com as orientações do Mapa.

FOTO: Agência de Notícias do Paraná

Clique aqui e confira na íntegra o conteúdo da Instrução Normativa 52, do Mapa

 

SISTEMA OCEPAR: Diretorias da Ocepar e Fecoopar discutem reforma tributária e nova concessão das rodovias do PR

sistema ocepar 12 08 2020Os projetos de reforma tributária em tramitação no Congresso Nacional e as propostas do governo do Estado para a nova concessão de rodovias do Paraná estão entre os itens que serão discutidos na tarde desta quarta-feira (12/08), durante a 16ª Reunião Ordinária da Diretoria da Ocepar e 27ª da Diretoria da Fecoopar. O encontro ocorre de forma virtual, pela plataforma Microsoft Teams, das 13h30 às 16h. O debate sobre as concessões das rodovias paranaenses contará com as presenças do vice-governador, Darci Piana, e do secretário de Estado da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex.

Clique aqui para conferir a pauta das reuniões na íntegra

 

 

COVID-19: Confira as informações do comunicado 95 do Comitê de Acompanhamento

covid 19 destaque 12 08 2020O Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar divulgou, na manhã desta quarta-feira (12/08), o comunicado 95 com mais informações sobre as ações da entidade nesse período da pandemia. Entre os destaques está a realização de uma reunião com as cooperativas agropecuárias para discutir normas ligadas à armazenagem. Veja abaixo todos os destaques.

1. O Sistema Ocepar, no dia 11 de agosto, realizou reunião com representantes das cooperativas agropecuárias, para discutir a norma de procedimento técnico - NPT nº 027, de 31 de outubro de 2018, que trata da armazenagem e/ou beneficiadoras de produtos agrícolas e insumos.

2. No dia 11 de agosto, o Sistema Ocepar participou da reunião organizada pelo Sistema OCB, em conjunto com as cooperativas Copacol e Aurora, para avaliar os desdobramentos das estratégias em relação a Cosit-11.

3. O Sistema Ocepar, no dia 11 de agosto, participou da reunião com os Secretários da Educação (Seed) e da Agricultura (Seab) do Paraná e as equipes técnicas, para discutir ações conjuntas dirigidas aos colégios agrícolas.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa). Desde que o trabalho remoto foi adotado pela instituição, em 20 de março, os integrantes se reúnem diariamente, por meio de videoconferência, para analisar cenários e discutir o andamento das atividades visando atender as demandas das cooperativas. O Comitê tem ainda divulgado os comunicados para informar as principais ações de interesse do cooperativismo paranaense que estão sendo executadas pelo Sistema Ocepar nesse período de pandemia.

 

COCAMAR: Ciclo de debates analisa desafios e oportunidades do agronegócio

cocamar 12 08 2020Tendo como tema “Desafios e Oportunidades do Agronegócio”, o 8º encontro do Ciclo de Debates Cocamar, programado para esta quinta-feira (13/08), às 19h, no canal da cooperativa no Youtube, será coordenado pelo vice-presidente de Negócios José Cícero Aderaldo, o Zico, com a participação de Luiz Lourenço, presidente do Conselho de Administração, e do convidado especial Paulo Renato Herrmann, presidente da John Deere Brasil.

Ferramenta - O Ciclo de Debates Cocamar se revelou uma ferramenta eficaz para levar informação de qualidade ao cooperado sobre os mais diversos assuntos relacionados à sua atividade, tendo já analisado o Plano Safra Agrícola e Pecuário 2020/21, perspectivas de mercado de commodities, tecnologia de aplicação, seguro rural, cooperativismo e outros.

ILPF - O assunto a ser abordado no 8º encontro deverá incluir, entre outros itens, o programa de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), uma das principais bandeiras da Cocamar, que incentiva essa tecnologia inovadora há mais de duas décadas. A propósito, a cooperativa e a John Deere são integrantes da Associação Rede ILPF, uma entidade de âmbito nacional que tem como finalidade fomentar a expansão de sistemas integrados pelo país. (Imprensa Cocamar)

SERVIÇO

8 ° Encontro do Ciclo de Debates Cocamar com a presença do Presidente da John Deere Brasil

Quando: 13 de agosto

Horário: 19h

Onde: Canal da Cocamar no Youtube pelo link: https://youtu.be/31k2cBrZ7GY

 

BOM JESUS: Palestra aponta manejos eficientes para a cultura do feijão

bom jesus 12 08 2020A cultura do feijão tem uma perspectiva de ter área ampliada para esta safra, devido a condições agronômicas favoráveis e a possibilidade de plantio de soja na mesma área e ano safra. A Cooperativa Bom Jesus, em parceria com a Basf, promoveu a palestra online "Manejo para Alta Produtividade em Feijão", com Guido Aguilar Sanchez.

Especialista - Guido é agrônomo e especialista na cultura do feijão, para ele "precisamos fazer manejo integrado de todas as culturas, e com toda a experiência, vemos que a agronomia é 'a ciência das verdades temporárias', pois ao poucos muda os nomes, os tratos, mas sempre um aprendizado e conhecimento com a troca de experiência". Guido também rendeu uma homenagem a Dirceu Gassen, chamado por Guido carinhosamente de "guru", na qual destacou cinco passos para uma implantação de lavoura eficiente: fazer com capricho, na hora certa, fazer bem feito, com assistência técnica de qualidade e com paixão.

Soluções - O evento também contou com a participação de Antonio Fernando Luchetti, Desenvolvimento Técnico de Mercado da Basf, que apresentou soluções para a cultura do feijão para esta safra.

Mediador - Severino Giacomel, Gerente Técnico da Cooperativa Bom Jesus, foi o mediador do evento e destacou que "precisamos ter qualidade de semente, pois se não tivermos, começamos errado a implantação da cultura; e no plantio se define o potencial, colocou a semente no solo temos que cuidar para não cair a curva de produtividade", afirmou Giacomel.

Palestra - A palestra na íntegra está disponível no canal do Youtube da Cooperativa Bom Jesus. Clique aqui  para conferir. (Imprensa Bom Jesus)

 

COPAGRIL: Agosto é mês de Campanha de Minerais nas Lojas Agropecuárias

copagril 12 08 2020Para auxiliar o produtor no manejo e insumos, com foco na maior saúde para os seus animais, a Copagril realiza no mês de agosto a “Campanha de Núcleos e Suplementos Minerais” nas Lojas Agropecuárias. Sendo assim, durante todo o mês haverá suplementos minerais, núcleos bovinos, tamponantes, adsorventes e homeopáticos com preços e condições especiais.

Vitais - Os suplementos minerais são vitais para os bovinos em todas as fases da vida, já que possuem ações e efeitos bem visíveis, atuando principalmente no crescimento, na reprodução (fertilidade), na lactação, no ganho de peso, na conversão alimentar e ainda num fator muito importante e que às vezes é esquecido: a longevidade produtiva.

Suplementos e núcleos - Os suplementos e núcleos são produtos complexos compostos por minerais. “Ambos podem ser utilizados na mistura da ração ou no cocho (como suplementação). Entretanto, o núcleo é menos palatável e por isso é mais indicado para a mistura na ração”, explica Monique Bayer, zootecnista do setor Fomento Leite da Copagril.

Vitaminas - “Os suplementos minerais que possuem vitaminas em sua composição são considerados suplementos minerais vitamínicos (ou vitaminados). Eles também podem ter ureia em sua composição, classificados então como suplementos proteicos”, destaca Monique ao explicar sobre as vitaminas e minerais complementares ao desenvolvimento dos sistemas de defesas do animal, que colaboram com a manutenção da saúde, metabolismo energético e resistência.

Copagril - As Rações Copagril possuem 4% de mineral em sua composição e já colaboram na alimentação dos bovinos, mas a suplementação é fundamental para manutenção do plantel e deve ser utilizada na quantidade correta e de maneira adequada para assegurar todo o potencial, por isso, os produtores podem contar com o corpo técnico especializado da Copagril para auxiliar a fazer a correta escolha para o rebanho.

Abrangência - A Campanha de Núcleos e Suplementos Minerais está valendo em todas as Lojas Agropecuárias Copagril, são 22 unidades entre Paraná e Mato Grosso do Sul. Converse com a equipe Copagril para mais informações. (Imprensa Copagril)

 

UNIPRIME: Cooperativa atinge R$ 3 bilhões em ativos administrados

uniprime 12 08 2020A Uniprime divulgou na última sexta-feira (07/08) a marca de 3 bilhões de reais em ativos administrados pela cooperativa. Para a instituição, esta conquista é reflexo do seu constante crescimento e traduz a alta credibilidade que possui diante seus cooperados.

Comparação - Para efeito de comparação, vale lembrar que em 2014 a cooperativa comemorou a marca de R$ 1 bilhão de recursos administrados. Ou seja, este número cresceu 200% em apenas 6 anos.

Mais - Quer saber mais sobre todos os produtos e serviços ofertados pela Uniprime? Conheça nossas agências AQUI e entre em contato com a unidade mais próxima de você.

Canais - Acompanhe a Uniprime:

uniprimebr.com.br

facebook.com/uniprime
uniprimebr.com.br/#universo
uniprimebr.com.br/#educacao-financeira

(Imprensa Uniprime)

 

SICOOB METROPOLITANO I: Espaço é criado para cooperados divulgarem seus produtos e serviços

O Sicoob trabalha para contribuir com a prosperidade econômica e social dos cooperados e comunidades. E foi pensando nisso que o Sicoob Metropolitano criou o “Espaço Cooperado”. Além de apoiar o negócio local, a iniciativa serve para que os cooperados possam expor seus produtos e serviços dentro das agências.

Contato - Com isso, além de negócios, eles poderão fazer contato com outros empreendedores que também são associados e a cooperativa, também poderá colaborar oferecendo soluções que podem facilitar a negociação, como consórcios, financiamentos e linhas de crédito especiais.

Sorocaba - Na agência de Sorocaba (SP), por exemplo, o gerente Luiz Roberto Mathias Junior intermediou a exposição dos produtos do Empório Matuto, uma empresa de queijos e geleias do cooperado José Renato Moura Piantino.

Agregação de valor - "Acreditamos em agregar valor aos produtos e serviços que são oferecidos pelos pequenos produtores, prática primordial para a excelência de nosso empreendimento. Apoiados nessa ocasião pelo Sicoob Metropolitano, entendemos que a divulgação de nossos produtos e serviços, no espaço cedido pela agência, é fundamental para nosso crescimento", comenta o cooperado.

Atendimento - Segundo o gerente, o cooperado atendeu várias pessoas que passaram pela agência, vendeu seus produtos e ainda recebeu encomendas. “Queremos unir diversos associados que podem fazer uma parceria e ajudá-los nessa comunicação para fomentar ainda mais o negócio local”, explica.

Interesse - Os cooperados que tiverem interesse em apresentar seus produtos ou serviços nas agências do Sicoob Metropolitano podem procurar seus gerentes e sinalizar interesse. Os produtos e serviços podem ser expostos por até 15 dias. (Imprensa Sicoob Unicoob)

g}

SICOOB METROPOLITANO II: Parceria com Secretaria de Meio Ambiente de Campo Mourão garante a coleta de pilhas e baterias

sicoob metropolitano II 12 08 2020A parceria entre o Sicoob Metropolitano e a Secretaria de Meio Ambiente de Campo Mourão (Seama) continua garantindo a coleta e a destinação correta de pilhas e baterias. O recolhimento é feito em pequenas urnas disponibilizadas para a população em diversos pontos da cidade.

Reciclagem - Após o recolhimento, o material é enviado para uma empresa especializada que faz a reciclagem e o procedimento correto para descarte. Esses materiais contêm metais pesados, que se forem descartados de maneira inadequada no meio ambiente, contaminam o solo, rios, o lençol freático e ainda prejudicam a saúde humana.

Sobre o projeto - Seguindo uma das metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidas pela ONU, o Papa-pilhas é um projeto do Sicoob Central Unicoob, desenvolvido em suas cooperativas filiadas e apoiado pelo Instituto Sicoob. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

INDÚSTRIA: Produção paranaense cresce 5,2% entre maio e junho

industria 12 08 2020A produção industrial paranaense cresceu 5,2% entre maio e junho deste ano, de acordo com a Pesquisa Industrial Mensal Regional divulgada nesta terça-feira (11/08) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É o segundo indicador positivo em sequência depois do impacto mais emblemático da crise provocada pelo novo coronavírus no setor. Houve retomada em 14 das 15 unidades da Federação que fazem parte do estudo e de 8,9% no indicador nacional nesse mesmo período.

Salto - O crescimento vem depois de um salto de 24,1% entre abril e maio e renova os sinais de recuperação da economia e da confiança do setor no Paraná. O Estado registrou crescimento de 1,2% em janeiro e 2,5% em fevereiro, mas a paralisação de algumas atividades e os impactos negativos da Covid-19 em nível global geraram quedas de 6% em março e 27,4% em abril. O resultado acumulado do semestre é de -8,6%, à frente do nacional, de -10,9%.

Comparação - Na comparação com junho do ano passado, as perdas na indústria chegaram a 6,8%, mas estão entre as menores na comparação com os outros estados nesse recorte. Em abril de 2020, frente ao mesmo mês de 2019, a indústria paranaense chegou a registrar queda de 30,7%. Esse também foi o mês da diferença mais acentuada em nível nacional, de -27,5%. No acumulado dos últimos doze meses houve perdas de 2% no Paraná.

Reequilíbrio - Os resultados positivos indicam que a economia paranaense aponta para um certo reequilíbrio. Houve saldo positivo de empregos em junho, expectativa de atração de R$ 4,7 bilhões em novos investimentos privados nos próximos meses e o Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre foi positivo, muito em função da safra de verão e do dólar alto, o que favoreceu as exportações do agronegócio paranaense. O saldo da balança comercial em junho também foi favorável ao Estado e ficou em US$ 645,9 milhões.

Boletim - O último boletim econômico conjuntural aponta que 98% das empresas do Estado já retomaram a produção. Em todo o Paraná apenas 2.667 empresas (1.799 inseridas no Simples Nacional e 868 no Regime Normal) seguiam fechadas na semana passada. Setorialmente, a indústria de alimentos opera em 108,2% do nível pré-pandemia e a indústria de transformação já atingiu 104,5%.

Setores - Na análise setorial dez dos 14 ramos da indústria apresentaram taxas positivas no Paraná entre junho de 2019 e junho de 2020 – não há recorte setorial na evolução entre meses sequenciais do mesmo ano. Os maiores avanços foram em bebidas (26,3%), produtos de metal (18,2%), móveis (13,1%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (6,7%), produtos alimentícios (3,8%), derivados de petróleo e biocombustíveis (3,3%), produtos minerais não metálicos (3,1%) e produtos de borracha e material plástico (2,1%).

Perdas - As perdas mais acentuadas nesse quadro foram em veículos automotores, reboques e carrocerias (-50,7%) e máquinas e equipamentos (-21,7%).

Acumulado - No acumulado de 2020, apenas derivados de petróleo e biocombustíveis (8,1%), indústria alimentícia (6,3%), celulose, papel e produtos de papel (5,4%) e produtos de metal (1,9%) registraram variações positivas na comparação com os seis primeiros meses de 2019. Houve perdas significativas em veículos automotores, reboques e carrocerias (-40,5%), máquinas e equipamentos (-31,3%) e produtos de madeira (-18,2%).

Produtos - Entre junho de 2019 e junho de 2020 houve incremento do volume de produtos em todos os setores analisados, menos no de automóveis. Algumas evoluções destacadas pelo IGBE foram registradas nas fábricas de óleo de soja refinado e beneficiamento de açúcar; cervejas e refrigerantes; óleos combustíveis; adubos ou fertilizantes com nitrogênio, fósforo e potássio; filmes de material plástico; misturas betuminosas para asfalto; fogões de cozinha e refrigeradores; e colchões e cômodas de madeira.

Nacional - Segundo o IBGE, o resultado do crescimento de 8,9% da atividade industrial entre maio e junho de 2020 reflete a ampliação do movimento de retorno à produção (mesmo que de forma parcial) de unidades produtivas que interromperam seus processos produtivos por conta dos efeitos causados pela pandemia. Na comparação com igual mês do ano anterior, o setor industrial mostrou redução de 9% em junho. No acumulado do ano, frente a 2019, houve redução em 13 dos 15 locais pesquisados.

Indústria paranaense cresceu 7,8% no primeiro semestre de 2019 - A produção industrial paranaense cresceu 7,8% no primeiro semestre de 2019. Foi o segundo melhor índice do País naquele período, atrás apenas do Rio Grande do Sul (8%), e bem superior ao recorte nacional, que apontou retração de 1,6%.

Setores - O crescimento no semestre foi puxado principalmente pelo bom desempenho do setor automotivo (23,8%), de máquinas e equipamentos (22,2%), alimentos (10,5%) e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (7,6%). Os números da indústria automobilística paranaense cresceram quase sete vezes mais do que o resultado nacional, de 3,5%.

Avanço - A indústria do Paraná desacelerou no segundo semestre e encerrou o ano passado com um avanço de 5,7%. De acordo com o IBGE, foi o maior índice de produção industrial do País. O resultado acumulado do ano foi o maior do Estado desde 2011, quando a indústria cresceu 11,2% em relação a 2010. O balanço nacional indicou um recuo de 1,1% no período.

Destaques - Os maiores avanços do ano passado foram em veículos automotores, reboques e carrocerias (25,7%), máquinas e equipamentos (9,5%), alimentos (8,8%), produtos de metal (7,1%) e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (5,3%). Nos setores automotivo e alimentício, bases consolidadas da economia estadual, os índices paranaenses também foram os maiores do País. No Brasil, os crescimentos foram de 2,1% e 1,6%, respectivamente. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: José Fernando Ogura / AEN

 

COMÉRCIO EXTERIOR Balança comercial tem superávit de US$ 2,095 bilhões na primeira semana de agosto

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 2,095 bilhões e corrente de comércio de US$ 7,596 bilhões, na primeira semana de agosto de 2020 – com cinco dias úteis –, como resultado de exportações no valor de US$ 4,845 bilhões e importações de US$ 2,751 bilhões. Os dados foram divulgados na segunda-feira (10/08) pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia.

Ano - No ano, as exportações totalizam US$ 125,737 bilhões e as importações, US$ 93,657 bilhões, com saldo positivo de US$ 32,08 bilhões e corrente de comércio de US$ 219,395 bilhões.

Análise do mês - Nas exportações, comparadas a média até a primeira semana de agosto de 2020 (US$ 969,08 milhões) com a de agosto de 2019 (US$ 894,07 milhões), houve crescimento de 8,4%, em razão do aumento nas vendas em Agropecuária (+35,5%) e em produtos da Indústria de Transformação (+3,6%). Por outro lado, caíram as vendas na Indústria Extrativista (-0,9%).

Produtos - O aumento nas exportações foi puxado, principalmente, pelo crescimento nos seguintes produtos agropecuários: Soja (+41,8%); Milho não moído, exceto milho doce (+21,5%); Café não torrado (+44,7%); Algodão em bruto (+102,8%) e Sementes oleaginosas de girassol, gergelim, canola, algodão e outras (+ 370,5%). Já em relação aos produtos da Indústria de Transformação, o aumento nas exportações se deve pelo crescimento nas vendas dos seguintes produtos: Açúcares e melaços (+121,4%); Ouro, não monetário, excluindo minérios de ouro e seus concentrados (+109,3%); Carne bovina fresca, refrigerada ou congelada (+38,7%); Carne suína fresca, refrigerada ou congelada (+166,7%) e Carnes de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas (+20,3%).

Importações - Nas importações, a média diária até a primeira semana de agosto de 2020 (US$ 550,17 milhões), ficou -22,3% abaixo da média de agosto do ano passado (US$ 707,72 milhões). Nesse comparativo, caíram os gastos, principalmente, com Agropecuária (-5,7%), Indústria Extrativa (-78,9%) e com produtos da Indústria de Transformação (-19,6%).

Queda - A queda das importações foi puxada, principalmente, pela diminuição dos seguintes produtos agropecuários: Látex, borracha natural, balata, guta-percha, guaiúle, chicle e gomas naturais (-67,2%); Pescado inteiro vivo, morto ou refrigerado (-13,9%); Milho não moído, exceto milho doce (-27,0%); Trigo e centeio, não moídos (-3,7%) e Tabaco em bruto (-89,3%).

Indústria Extrativa - Já na Indústria Extrativa a queda nas importações se deu, principalmente, pela diminuição nas compras de carvão, mesmo em pó, mas não aglomerado (-77,0%); Óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (-71,2%); Gás natural, liquefeito ou não (-100,0%); Outros minérios e concentrados dos metais de base (-93,5%) e Minérios de cobre e seus concentrados (-100,0%).

Transformação - Por fim, entre os produtos da Indústria de Transformação contribuíram para a queda nas importações, principalmente, Instalações e equipamentos de engenharia civil e construtores, e suas partes (-87,2%); Óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos (-53,0%); Adubos ou fertilizantes químicos, exceto fertilizantes brutos (-31,8%); Veículos automóveis de passageiros (-59,0%) e Partes e acessórios dos veículos automotivos (-25,3%). (Ministério da Economia)

Confira os dados completos da balança comercial

INFRAESTRUTURA I: Programa de incentivo marítimo BR do Mar é entregue ao Congresso

infraestrutura 12 08 2020O governo entregou nesta terça-feira (11/08) para o Congresso Nacional, em caráter de urgência, o projeto de lei (PL) apelidado de BR do Mar, que estimula a cabotagem - tráfego marítimo entre portos da mesma costa de um país. O texto do PL é fruto de debate entre várias pastas, e deve estimular o transporte de mercadorias internamente e aumentar a competitividade industrial do país.

Redução dos custos - “Vamos derrubar o custo de transporte no Brasil inteiro. Hoje, o minério vira aço no sul, e chega ao nordeste 40% mais caro do que se tivesse ido para a China e voltado. Isso pelo custo no transporte”, afirmou em redes sociais o ministro Paulo Guedes.

Novas rotas - Segundo nota divulgada pelo Ministério da Infraestrutura, o texto do PL criará novas rotas marítimas e reduzirá os custos de transporte nas rotas existentes. O volume de contêineres deve ser ampliado de 1,2 milhão TEU (twenty-foot equivalent unit, em inglês. Medida equivalente a 20 pés, ou 39 metros cúbicos) ao ano para 2 milhões TEUs ao ano.

Aumento da frota - “O projeto vai permitir o barateamento dos custos. Nós estimamos um aumento da frota em 40% nos próximos três anos”, afirmou o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, em vídeo durante o anúncio do BR do Mar.

Eixos fundamentais - O projeto usa quatro eixos fundamentais para incentivar a cabotagem: frota, indústria naval, custos e portos. Em relação às frotas, o programa estimula as empresas já existentes e dá mais autonomia a elas, além de desburocratizar o registro e o tráfego de embarcações. Para a indústria naval, o governo pretende estimular a docagem de embarcações internacionais no Brasil, o que aumentará o conhecimento em manutenção e a comercialização de peças e maquinário para navios, estimulando a escalonagem da indústria brasileira.

Ações - As ações sobre os custos incidirão sobre os trâmites burocráticos da cabotagem. Taxas e regulamentações devem ser diminuídas e aceleradas. Para o eixo relacionado aos portos, está prevista a agilização da entrada em operação de terminais dedicados à cabotagem. Empresas que não possuem operações em determinados portos também terão vantagens, afirma a nota técnica. A modernização que já vinha sendo feita em portos brasileiros também faz parte do projeto BR do Mar. (Agência Brasil)

FOTO: Diego Baravelli / Ministério da Infraestrutura

 

INFRAESTRUTURA II: Portos paranaenses registram aumento de 14% nas exportações

infraestrutura II 12 08 2020As exportações pelos portos do Paraná somaram 21,8 milhões de toneladas de janeiro a julho de 2020. O volume é 14% maior que o mesmo período do ano passado - com 19,1 milhões de toneladas. O embarque de produtos brasileiros com destino ao exterior representa 65% do total movimentado pelos portos de Paranaguá e Antonina.

Total - No total, de janeiro a julho, os terminais paranaenses movimentaram 33,3 milhões de toneladas de cargas. Volume 10% maior que as 30,3 milhões de tonelada movimentadas no mesmo período do ano passado. As importações, que representaram 35% do total, somaram 11,45 milhões de toneladas e também tiveram alta em 2020.

Ano positivo - “O Paraná é o grande porto do agronegócio brasileiro e este tem sido um ano bastante positivo”, afirma o diretor-presidente da empresa pública Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia. “Somos os primeiros do país em exportação de óleo vegetal e frango congelado, o segundo em exportação de soja, farelo, açúcar, papel, carne e álcool. Além de ter a melhor produtividade para desembarque de fertilizante e ser destaque na movimentação de contêineres e veículos”, afirma Garcia.

Fatores - Neste ano, segundo ele, o tempo seco, o câmbio favorável e a grande demanda de granéis estão entre as principais razões do bom desempenho da atividade portuária.

Sólidos - Os graneis sólidos representam 66,6% do total movimentado pelos portos de Paranaguá e Antonina em 2020 e foram o segmento com maior alta. Foram 20 milhões de toneladas registradas em 2019 e 22,18 milhões de toneladas de cargas operadas este ano. Crescimento de 11%.

Exportação - Na exportação, se destacam os volumes de açúcar, soja (grão) e farelos embarcados de janeiro a julho, este ano. Todos os produtos registram alta. De açúcar, a granel e em saca, foram 2 milhões de toneladas– 58% a mais que as 1,2 milhão de toneladas registradas em 2019.

Crescimento - De soja, em grão, o volume exportado passou de 10,6 milhões de toneladas, 57% a mais que as cerca de 6,8 milhões de toneladas do ano passado. De farelo de soja, comparando as 3,5 milhões de toneladas embarcadas este ano com 3,1 milhões em 2019, o percentual de aumento registrado é de 13%.

Importação - Na importação, os principais graneis sólidos movimentados são os fertilizantes/adubos. Destes, foram 5,5 milhões de toneladas importadas este ano contra 5,2 milhões registradas em 2019. Aumento de quase 6%.

Carga geral- O segmento representa 20,7% do total movimentado pelos portos do Paraná. Este ano, de janeiro a julho, foram 6,9 milhões de toneladas registradas na importação e exportação. O volume é 9% maior que as 6,3 milhões de toneladas em 2019, no período.

Destaque - Destaque para a movimentações dos contêineres. Este ano, já são 523.559 TEUs movimentados – 5% a mais que os 498.883 TEUS registrada em 2019, de janeiro a julho.

Líquidos - De graneis líquidos são quase 4,18 milhões de toneladas de cargas movimentadas, 4% a mais que as 4 milhões de toneladas embarcadas e desembarcadas em 2019, no mesmo período. Na exportação, destaque para os volumes de óleo vegetal e derivados de petróleo.

Óleo vegetal - Em óleo vegetal, principalmente óleo de soja, as exportações somam 669.043 toneladas exportadas – 34% a mais que as 498.214 toneladas embarcadas em 2019. E de derivados de petróleo, foram 397.578 toneladas este ano contra 269.581, no ano passado – aumento de 47%. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira   AQUI   os resultados de janeiro a julho. 

 

LEGISLATIVO: Congresso analisa vetos presidenciais nesta quarta-feira

legislativo 12 08 2020O Congresso Nacional pode votar nesta quarta-feira (12/08) vetos presidenciais e projetos de lei que abrem créditos extras. A sessão será dividida em três horários: às 10 horas, com deputados; às 16 horas, com senadores; e às 19 horas, novamente com deputados.

Apoio mínimo - Para que um veto do presidente da República seja derrubado, é necessário o apoio mínimo de 257 votos na Câmara dos Deputados e 41 no Senado.

Votação - Os parlamentares poderão votar 17 vetos presidenciais. Alguns deles são de 2019, como o Veto 56, que barrou 24 dispositivos do Pacote Anticrime; e o Veto 62, que cancelou totalmente o Projeto de Lei 5815/19, que prorrogava incentivos ao cinema.

Veto 2 - Entre os vetos em pauta de 2020 está o Veto 2, que atingiu dois trechos da Lei 13.977/20, que criou a Carteira de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. O primeiro trecho vetado obrigava os cinemas a reservarem uma sessão mensal para pessoas com transtorno do espectro autista. O outro dispositivo vetado dava um prazo de 180 dias para que o presidente da República, os governadores e os prefeitos regulamentassem a lei.

Trabalhadores informais - Já o Veto 3 anulou trechos do projeto que libera auxílio financeiro a trabalhadores informais afetados pelo coronavírus (PL 1066/20). Um dos dispositivos vetados é o que fixa valor igual ou inferior a meio salário mínimo como critério para o pagamento do Benefício de Prestação Continuada (BPC) a partir de 1º de janeiro de 2021.

Telemedicina - Também na pauta, o Veto 6 atingiu dois pontos do Projeto de Lei 696/20, que regula o uso da telemedicina durante a crise causada pelo coronavírus. O presidente Jair Bolsonaro vetou a validação de receitas médicas apresentadas em suporte digital, desde que com assinatura eletrônica ou digitalizada do médico que prescreveu.

Regulamentação - Ele vetou ainda um dispositivo que previa a regulamentação da telemedicina pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) após a pandemia de Covid-19. Bolsonaro alegou que as atividades médicas por vias remotas devem ser reguladas por lei após o fim da pandemia.

Crédito orçamentário - O Congresso também pode votar os PLNs 11 e 17, ambos de 2020. O primeiro libera crédito suplementar de R$ 36,7 milhões para a Justiça Federal, para a Justiça do Trabalho e para o Tribunal de Justiça do Distrito Federal. O segundo abre crédito suplementar em favor dos ministérios da Agricultura, da Justiça e da Defesa, de R$ 616 milhões. (Agência Câmara de Notícias, com informações da Agência Senado)

Confira a pauta completa

FOTO: Marcos Oliveira / Agência Senado

 

WEBINAR: Fazenda promove debate sobre reequilíbrio fiscal pós-pandemia

webinar 12 08 2020A Secretaria de Estado da Fazenda promove, por meio da Assessoria de Modernização Fazendária e da Escola Fazendária, promove no dia 18 (terça-feira) o webinar "Caminhos para o reequilíbrio fiscal", com a participação de renomados economistas.

Acesso - O evento começa às 10h e pode ser acessado pelo Youtube da Sefa (www.youtube.com/sefaparana).

Objetivo - “A intenção é debater questões econômicas e fiscais relevantes para a retomada da atividade no período pós pandemia”, diz o secretário da Fazenda, Renê Garcia Junior.

Presenças- Ele será o anfitrião do evento, que contará com as presenças de Felipe Scudeler Salto, diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente do Senado Federal (IFI); de Manoel Carlos de Castro Pires, pesquisador do Ibre-FGV e da Universidade de Brasília; e de José Roberto Rodrigues Afonso, professor do programa de mestrado do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP).

Série de encontros - O seminário online faz parte de uma série de encontros promovidos pela Secretaria da Fazenda para promover o intercâmbio de ideias sobre as políticas macroeconômicas, visando ampliar o debate de temas relevantes para a retomada da atividade econômica no Paraná e no país. (Agência de Notícias do Paraná)

 

ECONOMIA: Conselho do FGTS aprova distribuição de R$ 7,5 bi para trabalhadores

economia 12 08 2020O Conselho Curador do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) aprovou nesta terça-feira (11/08) a distribuição de parte dos lucros para os trabalhadores. Serão creditados nas contas vinculadas ao fundo R$ 7,5 bilhões, equivalentes a 66% do resultado positivo de 2019. O resultado total do ano passado foi de R$ 11,32 bilhões.

Pagamento - Conforme a deliberação, os créditos devem ser pagos até 31 de agosto. A distribuição será feita proporcionalmente ao saldo de 31 de dezembro de 2019.

Rendimento - Segundo informações apresentadas durante a reunião do conselho, a distribuição dos recursos permitirá que o FGTS tenha rendimento de 4,90%, somados juros e correções obrigatórias. Dessa forma, o fundo passa a render mais que a poupança, que fechou 2019 com rentabilidade de 4,26%, e a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que terminou o ano passado em 4,31%.

Saque - A decisão do conselho não altera as hipóteses em que o trabalhador pode sacar o FGTS. No site da Caixa é possível obter mais informações, inclusive sobre os saques emergenciais do fundo devido aos efeitos da pandemia da covid-19 na renda dos brasileiros. (Agência Brasil)

FOTO: Fernando Frazão / Agência Brasil

 

CÂMBIO: Dólar cai pela primeira vez em cinco dias, mas fecha acima de R$ 5,40

cambio 12 08 2020Pela primeira vez em cinco sessões, o dólar caiu, influenciado por um movimento global de correção das altas dos últimos dias. O dólar comercial fechou esta terça-feira (11/08) vendido a R$ 5,415, com recuo de R$ 0,05 (-0,91%).

Cotação - A cotação abriu em alta. Pela manhã, chegou a subir 0,33%. Durante a tarde, a tendência inverteu-se, e a moeda passou a cair. Na mínima do dia, por volta das 15h10, chegou a ser vendida a R$ 5,37, até se estabilizar acima dos R$ 5,40.

Expectativa - A expectativa do fechamento de um acordo para um pacote adicional de estímulos à economia norte-americana dominou as negociações. O mercado estava animado com comentários do presidente Donald Trump de que parlamentares democratas queriam reunir-se com ele para discutir as medidas. No entanto, a queda do dólar perdeu força depois de o líder republicano no Senado norte-americano, Mitch McConnell, negar que a conversa tenha ocorrido.

Ações - No mercado de ações, o dia foi marcado pelas oscilações. O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), encerrou esta terça aos 102.174 pontos, com recuo de 1,23%. O indicador seguiu a bolsa norte-americana. O índice Dow Jones, da bolsa de Nova York, fechou o dia com queda de 0,38%, depois de operar em alta durante quase toda a sessão. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

 

AUDIÊNCIA PÚBLICA: Ministro interino da Saúde presta contas à comissão mista da Covid nesta quinta

audiencia publica 12 08 2020A comissão do Congresso Nacional que fiscaliza as ações do governo no combate à pandemia de coronavírus confirmou para esta quinta-feira (13/08), a partir das 10h, uma audiência pública remota com o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello. A reunião atende requerimento do senador Esperidião Amin (PP-SC), que questiona a logística de distribuição aos estados, dos medicamentos para o enfrentamento da pandemia, assim como dos medicamentos do chamado kit de intubação e a logística implantada na distribuição dos testes.

Controvérsias - "Tem havido muitas controvérsias sobre o atendimento das demandas dos estados junto ao Ministério da Saúde, sobre esses três conjuntos de políticas públicas. Há situações graves que tornam imperioso ouvirmos o ministro", defende Amin no requerimento. (Agência Senado)

 

COMO ACOMPANHAR E PARTICIPAR

Participe:
http://bit.ly/audienciainterativa

Portal e-Cidadania:
senado.leg.br/ecidadania

FOTO: Marcos Corrêa / PR

 

SAÚDE I: Brasil registra mais 1.274 mortes e 52.160 casos

A atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada nesta terça-feira (11/08), mostra que o Brasil tem 3.109.630 casos confirmados de covid-19 acumulados desde o início da pandemia. Desse total, 103.026 evoluíram para óbito (3,3%); 2.243.124 pacientes se recuperam da doença (72,1%); e 763.480 estão em tratamento (24,6%).

Casos confirmados - Nas últimas 24 horas, passou a fazer parte dessa estatística 52.160 novos casos confirmados e 1.274 mortes. Atualmente, 3.580 óbitos estão em investigação.

Letalidade - A taxa de letalidade (número de mortes pelo total de casos) ficou em 3,3%. A mortalidade (quantidade de óbitos por 100 mil habitantes) atingiu 49. A incidência dos casos de covid-19 por 100 mil habitantes é de 1.479,7.

Epicentro - Desde o início da pandemia, São Paulo soma 639.562 casos acumulados de covid-19. É o estado com o maior registro da doença, seguido por Bahia (198.767), Ceará (190.550), Rio de Janeiro (182.563) e Pará (169.613).

Óbitos - São Paulo também lidera o maior número de óbitos causados pela covid-19 (25.571). Em seguida estão Rio de Janeiro (14.212), Ceará (8.011, Pernambuco (7.008) e Pará (5.901).

Anvisa - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vai abrir uma consulta pública sobre o reforço nas estratégias de combate à covid-19 em aeroportos e aeronaves. O texto com a proposta de resolução será publicado em breve no Diário Oficial da União, estabelecendo prazo de 15 dias para o envio de contribuições.

Profissionais de saúde - Em meio ao aumento de casos de profissionais de serviços essenciais afetados pelo novo coronavírus, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha lançou a campanha Valorize o Essencial. A proposta é combater o estigma e fomentar o respeito e o apoio aos que estão na linha de frente no combate à pandemia.

Alto risco - A entidade ressaltou que, desde o registro das primeiras infecções, os profissionais estão expostos a alto risco de contaminação. Dados do Ministério da Saúde mostram que 23,3 mil profissionais de saúde foram diagnosticados com o novo coronavírus. Desses, 196 morreram oficialmente por covid-19, sendo que mais óbitos estão sendo investigados. (Agência Brasil)

 

saude I tabela 12 08 2020

SAÚDE II: Monitoramento da Sesa soma 94.882 casos confirmados e 2.417 óbitos pela Covid-19

saude II 12 08 2020A Secretaria de Estado da Saúde informou que o Paraná chegou a 94.882 casos confirmados de Covid-19 e 2.417 mortes em consequência da infecção, nesta terça-feira (11/08). Após dias de instabilidade nos sistemas, a extração de dados relacionados à Covid-19 voltou a ser considerada segura e os números confiáveis.

Diagnósticos positivos e óbitos - Nesta terça-feira (11/08) foram confirmados mais 1.556 diagnósticos positivos e 47 óbitos pela doença.

Erros - Com a verificação dos dados retroativos, foram identificados erros nos números informados como casos de sábado, domingo e segunda-feira. Dessa forma, é necessário o ajuste de casos nos três dias. Os números referentes aos pacientes que foram a óbito nas três datas estão corretos, conforme divulgados anteriormente.

Sábado - No sábado (08/08) foram confirmados 2.228 diagnósticos positivos, ao invés de 2.340 diagnósticos positivos divulgados no texto de segunda-feira (10/08). Totalizando naquela data 90.123 casos e 2.292 óbitos.

Domingo - No domingo (09/08) foram confirmados 1.739 diagnósticos positivos, ao invés de 1.547 diagnósticos positivos divulgados no texto de segunda-feira (10/08). Totalizando naquela data 91.842 casos e 2.318 óbitos.

Segunda-feira - Nesta segunda-feira (10/08) foram confirmados 1.483 diagnósticos positivos, ao invés de 1.338 diagnósticos positivos divulgados no texto de segunda-feira (10/08). Totalizando 93.325 casos e 2.370 óbitos.

Ajustes - Há ajustes nos casos confirmados detalhados ao final do texto.

Internados - 1.088 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estavam internados nesta terça-feira (11/08). 839 em leitos SUS (402 em UTI e 437 em leitos clínicos/enfermaria) e 249 em leitos da rede particular (103 em UTI e 146 em leitos clínicos/enfermaria).

Resultado - Há outros 1.125 pacientes internados, 499 em leitos UTI e 626 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo vírus Sars-CoV-2.

Óbitos - A secretaria estadual informa a morte de 47 pacientes, todos estavam internados. São 15 mulheres e 32 homens, com idades que variam de 44 a 93 anos. Os óbitos ocorreram entre os dias 2º e 11 de agosto. Os pacientes residiam em: Curitiba (10), São José dos Pinhais (3), Almirante Tamandaré (2), Arapongas (2), Foz do Iguaçu (2), Imbituva (2), Jaguariaíva (2), Pinhais (2), Ponta Grossa (2) e um caso confirmado em cada município a seguir: Ampére, Bandeirantes, Campina Grande do Sul, Campo Largo, Campo Mourão, Castro, Colombo, Faxinal, Fazenda Rio Grande, Iracema do Oeste, Ivaiporã, Matelândia, Palmeira, Palotina, Paranaguá, Pato Branco, Pinhão, Quatro Barras, Sengés e Tapejara.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 1.061 casos de residentes de fora. 28 pessoas foram a óbito.

Ajustes - Alteração de município:

Um caso confirmado no dia 6/8 em Piraí do Sul foi transferido para Ponta Grossa.

Um caso confirmado no dia 9/7 em Castro foi transferido para São José dos Pinhais.

Um caso confirmado no dia 1/7 em Castro foi transferido para Fazenda Rio Grande.

Um caso confirmado no dia 30/7 em Piraquara foi transferido para Quatro Barras.

Um caso confirmado no dia 5/8 em Agudos do Sul foi transferido para Curitiba.

Um caso confirmado no dia 20/7 em Pinhais foi transferido para Balneário Camboriú (SC).

Um caso confirmado no dia 30/7 em Araruna foi transferido para Cianorte.

Um caso confirmado no dia 3/7 em Antônio Olinto foi transferido para Fazenda Rio Grande.

Um caso confirmado no dia 4/8 em Antonina foi transferido para Pinhais.

Um caso confirmado no dia 28/7 em Itajaí (SC) foi transferido para Ivaí.

Um caso confirmado no dia 4/8 em Curitiba foi transferido para Colombo.

Um óbito confirmado no dia 26/7 em Cascavel foi transferido para Boa Vista da Aparecida.

Um óbito confirmado no dia 6/8 em Curitiba foi transferido para Colombo.

Um óbito confirmado no dia 6/7 em Cascavel foi transferido para Toledo.

Um óbito confirmado no dia 28/7 em Pinhais foi transferido para Balneário Camboriú (SC).

(Agência de Notícias do Paraná)

Confira os informes completos clicando aqui

 

SAÚDE III: Começa o novo período de monitoramento da dengue no Paraná

saude III 12 08 2020A Secretaria da Saúde do Paraná divulgou nesta terça-feira (11/08) o primeiro boletim do novo período sazonal da dengue no Estado. O monitoramento terá sequência até julho de 2021, com dados notificados pelos municípios, acompanhados pelas Regionais de Saúde e analisados e publicados pela Coordenadoria de Vigilância Ambiental, vinculada à Diretoria de Atenção e Vigilância em Saúde.

Novos casos - O informe inicia o período com 79 novos casos confirmados, em 29 municípios. São 484 notificações e 350 casos em investigação.

Preocupação - “Mesmo diante da pandemia da Covid-19 não podemos nos descuidar da dengue, que se mantém como uma das maiores preocupações do Governo do Estado. Nossa mobilização para combater a proliferação do mosquito transmissor da doença é permanente, com apoio às ações em todos os municípios”, afirma o secretário da Saúde Beto Preto.

Proliferação - “O mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença, se prolifera inclusive no inverno, por isso a recomendação de eliminação dos criadouros é válida para o ano todo. A dengue mata, mas pode ser evitada com a adoção sistemática da remoção dos focos”, explica o secretário.

Videoconferências - Antes do início do novo período epidemiológico, a secretaria estadual da Saúde promoveu um ciclo com sete vídeoconferências com profissionais que atuam nas 22 Regionais de Saúde, secretarias municipais e unidades de saúde, nas áreas de Vigilância e Assistência. Os encontros virtuais foram realizados com o objetivo de alinhar condutas de prevenção e de manejo de pacientes com dengue. Mais de 200 profissionais participaram da ação.

Recursos - Recentemente, a pasta repassou R$ 7 milhões para a aplicação em medidas de controle e prevenção em 236 municípios.

Gráficos - O boletim apresenta, como novidade, o canal endêmico do Estado representado graficamente. “Por meio das imagens podemos avaliar as ocorrências e observar se os números ultrapassam os limites esperados”, explica a coordenadora de Vigilância Ambiental, Ivana Belmonte.

Maiores registros - As cidades com maior registro de casos confirmados na primeira publicação do período são: Foz do Iguaçu (20), Londrina (14), Pérola (9), Boa Vista da Aparecida (4) e Umuarama (3).

Dois casos - Ivaiporã, Maringá, Indianópolis, Goioerê e São Miguel do Iguaçu tiveram 2 casos confirmados cada uma. Os municípios de Tibagi, Marechal Cândido Rondon, São Pedro do Ivaí, Apucarana, Sarandi, Mandaguaçu, Colorado, Querência do Norte, Porto Rico, Inajá, Cruzeiro do Sul, São Jorge do Patrocínio, Ubiratã, Iretama, Campina da Lagoa, Cascavel, Medianeira, Marmeleiro e Dois Vizinhos registraram uma confirmação da doença.

Mosquito - O mosquito Aedes aegypti foi introduzido no País no período de colonização do Brasil, vindo da África. Os registros indicam que os primeiros relatos de dengue ocorreram em Curitiba no século 19. Porém, foi outra doença, a febre amarela, que despertou a preocupação em relação à proliferação do vetor. Nos anos 50 o Brasil erradicou o Aedes aegypti como forma de controle da febre amarela.

Volta - Aproximadamente 10 anos mais tarde, após o relaxamento das medidas de controle, o mosquito surgiu novamente em território brasileiro.

Outras doenças- Além da dengue, o Aedes aegypti transmite zika, chikungunya e a febre amarela urbana. A transmissão das doenças se dá pela picada do mosquito fêmea infectado.

Causas - Entre as possíveis causas para o crescimento da população do mosquito estão a variedade e a quantidade de recipientes que acumulam água. “Anos atrás não tínhamos tantas embalagens plásticas, então era mais simples eliminar possíveis criadouros do mosquito. Os espaços que represavam água eram, em sua maioria, troncos de árvores, pedras e plantas”, complementa a coordenadora.

Criadouros - “Hoje, 90% dos criadouros estão nos quintais e ambientes internos, em garrafas, lixeiras, caixa d´água e ralos destampados, vasilhas para água de animais, vasos de plantas, coletores de água da geladeira e do ar condicionado, entre outros”, disse Ivana.

Vírus - Existem quatro tipos de vírus de dengue no Paraná: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. Cada pessoa pode contrair a infecção provocada pelos diferentes sorotipos e a imunidade é gerada após a contaminação por cada um. A reincidência da dengue pode agravar os sintomas, podendo desenvolver a forma grave da doença.

Maior circulação - No período epidemiológico anterior, o DEN-2 teve a maior circulação. “Como este vírus ainda não havia predominado no Estado, muitas pessoas foram contaminadas. Esta é uma das avaliações que fazemos para o registro de mais de 220 mil casos confirmados”, comenta Ivana Belmonte.

Histórico - A Sesa monitora os dados da dengue desde 1991. O primeiro boletim apresentou 161 notificações e 16 casos confirmados, sendo que todos foram importados – os pacientes foram infectados fora do Paraná. O primeiro informe não teve registro de óbitos.

2017 - O ano de 2007 marcou a primeira grande epidemia de dengue no Paraná. Foram mais de 50 mil notificados, cerca de 26 mil casos confirmados e sete pessoas morreram.

Série histórica - A série histórica da doença aponta que o último período, de 2019/2020, foi o de maior registro de casos, finalizado com 227.724 confirmações e 177 óbitos. (Agência de Notícias do Paraná)

 

ARTIGO: Importância da liderança em tempos de crise

artigo 12 08 2020*Cláudio Shimoyama

“Seja um líder de crise eficaz. O mundo precisa de liderança agora e precisa de você.”

As mudanças fazem parte de toda a história, mas nunca estiveram ultrarrápidas como agora, neste momento de pandemia. A verdade é que a pandemia está transformando a vida das empresas e tirando o sono da maioria dos líderes empresariais.

Seu ritmo alucinante não é um assunto recente, um ícone futurista chamado Alvin Toffler, que faleceu em 2016, aos 87 anos em Los Angeles, já falava sobre este tema na década de 60. Em seu primeiro livro sobre o assunto, “O choque do futuro de 1970”, ele afirmava que: “A mudança não é simplesmente necessária para a vida, ela é a vida”.

Algumas das pérolas de Alvin Toffler:

” Ou você tem uma estratégia, ou é parte da estratégia de alguém.”

” Os analfabetos do próximo século não são aqueles que não sabem ler ou escrever, mas aqueles que se recusam a aprender, reaprender e voltar a aprender.”

” O futuro é construído pelas nossas decisões diárias, inconstantes e mutáveis, e cada

evento influencia todos os outros.”

” Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas.”

Estamos vivendo uma era de mudanças, em um ritmo tão acelerado que acaba atropelando a todos. O coronavírus (Covid-19) é um exemplo da mudança do mercado na velocidade que as empresas não esperavam. Estamos em um mercado que eu chamo de pista rápida ou mercado 4.0, em que a verdade se torna provisória e o processo do aprendizado deve ser contínuo. E isso é um desafio para as empresas e seus líderes.

A pesquisa Carreira dos Sonhos, realizada em 2019, pela Companhia de Talentos e publicada em 13 de abril de 2020 na revista Exame, no artigo “Este é o traço essencial das lideranças que sabem enfrentar uma crise, revelou que apenas 37% dos profissionais brasileiros confiam em seus gestores”. E sem confiança, não há inovação, não há criatividade, não há progresso. Isto demostra que os profissionais estão em busca de ambientes corporativos mais transparentes e coerentes ao seu discurso. E diante dessa crise, isso ganha mais relevância.

As pessoas, os valores, os governos, os mercados e as empresas estão como em um vórtice de um furacão, muitas vezes agarrados a fragmentos de um mundo que não existe mais. O chamado novo mercado, mais veloz, influenciado pela pandemia, apresenta um novo cenário mundial atual, os americanos usam uma sigla para isto, eles dizem que o mundo atual é VUCA (em inglês) ou VICA (em português).

Volatility – Volátil - A realidade atual tem duração desconhecida e se transforma com muita rapidez, o que torna mais difícil prever cenários futuros.

Uncertainty – Incerto - Apesar de termos muita informação disponível para tentar antecipar as mudanças que vão ocorrer, nunca poderemos ter total certeza.

Complexity – Complexo - Dificuldade em prever cenários futuros por conta da complexidade do mundo atual. Ações isoladas, que parecem simples, mas na realidade fazem parte de um conjunto enorme de variáveis, tanto do mercado como da sociedade em geral, que impactam umas nas outras.

Ambiguity – Ambíguo - Relacionado ao fato de que os contextos atuais, normalmente muito complexos, podem ser analisados de diversas formas e não apenas baseados em experiências passadas, até porque, muitas vezes, não existem precedentes que sirvam de referência.

Então, nesse momento que estamos vivendo, para potencializar seus resultados, os líderes necessitam de características como: flexibilidade, resiliência, criatividade, intuição, alta performance de trabalho em equipe, e ainda se ocupar de constante aprendizado sobre a organização e sobre si mesmo.

O líder que atinge melhores resultados é aquele que sabe obter e trabalhar o saber fazer dos membros da equipe. No dia a dia de um líder, a etapa desenvolver acontece na ação, uma vez que foram feitos contratos na etapa anterior do processo.

As empresas necessitam de líderes capazes de trabalhar e de facilitar a resolução de problemas em equipe, motivando os colaboradores e contribuindo para uma melhor produtividade, ou seja, líderes com habilidades de gestor.

A base do desenvolvimento das competências de um líder está na combinação entre o Conhecimento, Habilidades e Atitudes (CHA).

artigo tabela 12 08 2020

 

 

 

 

Conhecimento: O conhecimento se adquire estudando, seja em sala de aula, em casa, sozinho ou em grupo.

Entende-se que o conhecimento é o elemento da competência de mais fácil acesso. Sua característica principal é estar relacionado aos processos conscientes do comportamento, ou seja, o indivíduo de acordo com suas convicções, possui relativo controle sobre ele.

Quanto mais conhecimento adquirido maiores as possibilidades de ampliação da visão de mundo e consequente ganho em diversas outras competências como: ética, flexibilidade, criatividade, relação interpessoal, entre outras.

Habilidades: “Se desenvolvem por meio de exercícios. Isto vale tanto para habilidades motoras (por exemplo, dirigir uma empilhadeira) como para intelectuais e afetivas (como negociar, atender um cliente etc.)” (Boog, 2001:40).

Uma habilidade diz respeito mais ao saber fazer, isto é, ao se colocar em prática o conhecimento adquirido. Sua dinâmica é transformar equalizar as três instancias que a constituem: cognitiva, motora e afetiva. As habilidades se aprimoram com o exercício contínuo e há diversas maneiras de implementá-las, por meio de treinamentos específicos, tais como workshops, aprendizagem vivencial, jogos e simulações, que são com frequências os mais utilizados.

Atitudes: São os comportamentos habituais, que podem ser verificados em circunstâncias diferentes.

As atitudes são patenteadas através das reações repetidas de uma pessoa. Este termo tem particular aplicação no estudo do caráter, como indicação inata ou adquirida, relativamente estável, para sentir e atuar de uma forma determinada.

Portanto, se colocarmos em ação os conhecimentos acumulados, as habilidades desenvolvidas e as necessárias mudanças de atitudes, teremos como resultado o surgimento de uma competência.

Segundo Chiavenato (1999), “o líder capaz de reduzir as incertezas do trabalho é tido como um motivador porque aumenta a expectativa dos subordinados de que seus esforços levarão às recompensas procuradas”.

Para entender melhor o que é motivação, podemos analisá-la derivada da palavra "motivo", que significa necessidades ou desejos dos indivíduos. É, também, o processo de estimular as pessoas às ações para atingir os objetivos.

Bernardinho (2006), reforça que “a motivação se baseia em dois pilares: o primeiro deles é a necessidade. Se você precisa, vai “correr atrás” e se dedicar. O segundo é a paixão. Se você gosta, ama o que faz, vai querer melhorar sempre”.

Os princípios de liderança que Dale Carnegie sugere batem com os de um outro livro bem-sucedido, este bem mais recente, chamado “O Monge e o Executivo”. A ideia é de que o líder mais eficaz é o líder servidor. Perceba como esse tipo de comportamento é muito diferente do observado por chefes carrascos que estão sempre cobrando resultados sem se importar com o lado humano de seus subordinados.

De acordo com Brum (2017), atualmente se fala em líder colaborativo, que é aquele que “levanta a bola para a sua equipe bater”, que participa, que contribui e que coloca a sua opinião, mas não entrega o trabalho pronto, o que impediria o crescimento e o desenvolvimento das pessoas. Ainda, de acordo com Brum, o líder colaborativo é aquele que acredita o trabalho da equipe, deixando-a fazer e contribuindo quando necessário, ou seja, ser um líder colaborativo é ser alguém com quem a equipe pode contar.

E as sete qualidades do novo líder, que o torna inesquecível são: 1 – Acredita no impossível; 2- Enxerga oportunidades na crise; 3- coloca paixão no que faz; 4- protege a equipe; 5- é uma referência; 6- age com ética; e 7- inspira ser o melhor.

Enfim, para ser um líder é preciso seguir algumas regrinhas simples, que, quando seguidas, fazem com que você seja mais admirado e capaz de saber como influenciar pessoas e fazer amigos. É importante cultivar a confiança em uma crise, mas a esperança é o que nos move. É preciso se transformar para ser um agente da transformação que sua empresa necessita e que o momento exige. Pense nisso!

*Claudio Shimoyama é CEO do Grupo Datacenso, consultor em Marketing Estratégico e mentor empresarial

 


Versão para impressão


RODAPE