Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4887 | 14 de Agosto de 2020

FÓRUM AGRONÔMICO: Evento vai discutir problemas e desafios do milho safrinha

forum 14 08 2020Com o propósito de debater os problemas enfrentados pelos produtores com as lavouras de milho segunda safra no ciclo 2019/2020 e os desafios para o próximo período, o Sistema Ocepar promove mais uma edição do Fórum Agronômico, no dia 18 de agosto, das 8h30 às 11h30. Será por videoconferência, pela plataforma Teams.

Programação - No evento haverá a apresentação de proposta sobre o manejo da cigarrinha no Paraná, que será feita por Rodrigo Sakurada e Tiago Madalosso. Depois, haverá o relato dos desafios enfrentados nas última duas safras, com representantes das cooperativas Cocamar, Copacol, Coasul, Nova Produtiva, Coamo e Coopavel. A programação contempla ainda o debate sobre infestação, controle e problemas provocados pela cigarrinha no milho, com a participação de profissionais do IDR-Iapar. Na sequência, representantes da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) vão falar sobre as ações da entidade.

Clique aqui para conferir a programação completa do Fórum Agronômico – Milho Segunda Safra

 

COVID-19 I: Comitê de Acompanhamento divulga o comunicado 97

covid 19 destaque 14 08 2020O comunicado 97, emitido na manhã desta sexta-feira (14/08) pelo Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar, traz entre os seus destaques a publicação da Resolução nº 3, do Banco Central do Brasil, com medidas de interesse das cooperativas de crédito. Também, a reunião promovida pelo Sistema OCB com os representantes do Conselho Consultivo do Ramo Crédito para debater temas importantes ligados ao setor. Veja abaixo todas as informações.

1. O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, comentou, no dia 13 de agosto, sobre a importante conquista das cooperativas agropecuárias, com a derrubada dos vetos da Lei do Agro, durante sessão especial realizada pelo Congresso Nacional, e ressaltou o importante apoio das bancadas da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) e da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Clique aqui para acessar a matéria.

2. O Sistema Ocepar, no dia 13 de agosto, realizou duas Reuniões da Autogestão de forma virtual, nas cooperativas Unimed Norte Pioneiro e Coopermap, contando com a participação do presidente, diretores e gestores.

3. No dia 13 de agosto, o Banco Central do Brasil – BCB, publicou a Resolução nº 03, de 12 de agosto de 2020, que dispõe sobre informações e procedimentos para autorização para instalação de agências no País e sobre o fornecimento de informações de dependências das instituições financeiras e das demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Destaca-se que as cooperativas de crédito de livre admissão estão inseridas nas disposições desta Resolução, porém as demais cooperativas foram dispensadas, conforme art. 6º e parágrafo único. Para acessar clique aqui

4. O Sistema OCB, no dia 13 de agosto, realizou reunião virtual com os representantes do Conselho Consultivo do Ramo Agropecuário. Os principais temas abordados foram: reforma tributária; plano agrícola e pecuário 2020/21; estratégias para registro de CPRs - Lei nº 13.986, de 2020; agricultura familiar (PAA e PNAE), portaria Interministerial nº 19/2020 - ações aplicadas as indústrias de alimentos buscando a prevenção e diminuição dos riscos de contágio pela Covid-19; ações em relação aos trabalhos sobre o mercado de lácteos.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa). Desde que o trabalho remoto foi adotado pela instituição, em 20 de março, os integrantes se reúnem diariamente, por meio de videoconferência, para analisar cenários e discutir o andamento das atividades visando atender as demandas das cooperativas. O Comitê tem ainda divulgado os comunicados para informar as principais ações de interesse do cooperativismo paranaense que estão sendo executadas pelo Sistema Ocepar nesse período de pandemia.

 

COVID-19 II: Novos destaques na área destinada ao coronavírus no Portal Paraná Cooperativo

covid II 14 08 2020A Área Covid-19 do Portal Paraná Cooperativo atualiza toda sexta-feira as notícias que foram destaques durante a semana no Informe Paraná Cooperativo e na Rádio Paraná Cooperativo. Lá, é possível acessar também os comunicados do Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar. Há ainda uma seção de perguntas e respostas, com esclarecimentos relativos à pandemia. Clique aqui e confira.

 

REUNIÃO INSTITUCIONAL I: Sistema Ocepar promoveu encontro virtual com a cooperativa Coopermap

A 42ª reunião institucional do Sistema Ocepar, realizada virtualmente no início da tarde desta quinta-feira (13/08), foi com representantes da Cooperativa de Transportes Rodoviários de Maripá (Coopermap), sediada em Maripá, no oeste do Paraná. No encontro, foi feita a apresentação e discussão da situação econômico-financeira da cooperativa, baseada em indicadores e comparativos com outras organizações do mesmo ramo e região. O intuito é estimular o aperfeiçoamento da gestão visando à solidificação do sistema cooperativista. Ainda durante o encontro foi feito o relato das ações da entidade em prol do cooperativismo no período de quarentena, indicadores do sistema, bem como exposição de treinamentos e capacitações do Sescoop/PR.

Representação - Ao abrir a reunião, o coordenador da área de monitoramento da Gerência de Desenvolvimento Cooperativo (Gecoop) do Sescoop/PR, João Gogola Neto, explicou que a diretoria executiva do Sistema Ocepar não pode participar do encontro devido ao cumprimento de outros compromissos virtuais em defesa dos interesses do cooperativismo, tanto no âmbito estadual como nacional. Frisou, porém, que os encontros remotos, em atendimento às determinações das autoridades sanitárias visando à prevenção do contágio da Covid-19, têm sido um instrumento até mais produtivo na interlocução entre a entidade e as cooperativas. Enfatizou que o Sistema Ocepar tem dado continuidade aos trabalhos e desenvolvimento de ações para o pleno funcionamento das cooperativas paranaenses. “Como sempre destaca o presidente José Roberto Ricken, tudo o que fazemos tem de ser relevantes e essenciais para o desenvolvimento das cooperativas”, completou.

Exposição - Pelo Sistema Ocepar, ainda participaram da reunião virtual o analista técnico Rodrigo Gandara Donini, que apresentou o cenário econômico e financeiro da Coopermap, além de focar os números do cooperativismo paranaense em geral; e o coordenador de Desenvolvimento Cooperativo, Leandro Roberto Macioski, que fez a apresentação das atividades finalísticas do Sescoop/PR, abordando o desenvolvimento de ações específicas das coordenações de Monitoramento, Profissionalização, Cooperativismo e  de Gestão Estratégica.

Expectativa - O contador da cooperativa, Darci Milani, que falou em nome dos participantes, fez um relato das atividades da organização em meio à quarentena, dizendo que “as coisas começaram a se acalmar”. Explicou que a maior dificuldade ocorreu entre abril e maio, mas que agora as operações da Coopermap estão voltando ao normal, esclarecendo que diversificaram a atividade para prestar serviços a outros clientes e, assim, não ficar “centrado” em apenas um. E disse que há expectativa de crescimento no segundo semestre devido ao aumento do volume de leite transportado para atender a demanda dos laticínios.

Participação – Além de Milani, pela cooperativa, participaram da reunião o presidente Silvio Gnewuch, o secretário Antônio Piletti, e Valnei Schmitt, além dos colaboradores Rogério Schanoski, Nilce Toebe de Souza e Carla Starke. Fundada em dezembro de 2009, a Coopermap, cuja atividade principal é o transporte de leite, tem 36 associados. Em 2019, movimentou R$ 4,47 milhões.

{vsig}2020/noticias/08/14/reuniao_institucional_I/{/vsig}

 

REUNIÃO INSTITUCIONAL II: Sistema Ocepar apresenta os dados de desempenho da Unimed Norte Pioneiro

O Paraná possui 221 cooperativas filiadas ao Sistema Ocepar. Estes empreendimentos atuam em sete ramos: agropecuário, saúde, crédito, transporte, consumo, infraestrutura e trabalho, produção, bens e serviços.  Juntos, reúnem mais de 2,2 milhões de cooperados, pessoas que acreditam nos diferenciais no modelo cooperativo para desenvolver suas atividades. Em tempos de crise, em que há retração econômica e diminuição da renda, estar sob o guarda-chuva de uma cooperativa pode fazer a diferença. “Estamos nos adaptando às exigências e trabalhando muito para atender as demandas que surgem por conta do cenário de pandemia. O objetivo é que as cooperativas continuem se desenvolvendo e, por consequência, seus cooperados e comunidades onde atuam”, afirma o coordenador de Desenvolvimento Cooperativo do Sistema Ocepar, João Gogola Neto.

Análise de desempenho  Dar continuidade às reuniões institucionais com as filiadas,  para apresentação da  análise de desempenho no período, inclusive no item matriz de risco, é uma das atividades do Sistema Ocepar que tiveram continuidade nesta pandemia. “Hoje realizamos a 43ª reunião institucional desde que a pandemia teve início, em março deste ano”, disse Gogola Neto ao abrir, na tarde desta quinta-feira (13/08), ao abrir a reunião institucional com a Unimed Norte Pioneiro, cooperativa médica com sede em Jacarezinho, interior do Paraná. “Eu prefiro a reunião olho no olho, mas não podemos parar, por isso agradeço ao Sistema Ocepar por manter o atendimento às cooperativas”, afirmou o diretor presidente da cooperativa, o dr. Antônio Vendramin Filho. Também participaram do encontro online, o diretor vice-presidente Mario Alberto Hartog Pombo, e o gerente administrativo e financeiro, Josinei Marcos Cândido da Silva.

Autogestão – O analista técnico do Sistema Ocepar, Jessé Rodrigues, explicou que esses encontros são importantes porque a cooperativa fica a par dos dados de desempenho que constam no Programa Autogestão, e ainda tem um comparativo entre cooperativas do mesmo ramo e região. “Conseguimos reunir indicadores como despesas, resultados, matriz de risco, liquidez, margem, patrimônio líquido imobilização, capitalização, capital de giro, sinistralidade, entre outros”, afirmou. “Estas informações são importantes para a tomada de decisão das cooperativas e do Sistema Ocepar.”

Sescoop/PR – Os projetos finalísticos do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do Paraná (Sescoop/PR) também são pautas das reuniões institucionais. “A finalidade é falar da estrutura do Sescoop/PR e o que cada cooperativa tem à sua disposição”, disse o coordenador de Cooperativismo do Sescoop/PR, Humberto Bridi. A gerência de Cooperativismo do Sescoop/PR possui quatro   coordenações: Monitoramento, que realiza, entre outros trabalhos, o acompanhamento econômico e financeiro das cooperativas, o programa de formação de conselheiros, trabalhos especiais e consultoria; Profissionalização, que oferece cursos e formações de curta e longa duração, entre as quais, pós-graduações, programas em diversas áreas, como inovação e planejamento estratégico, soluções técnicas, como pesquisas, indicadores de RH, e EAD (ensino a distância); Cooperativismo , com atuação nas áreas de Aprendizagem, Saúde e Bem Estar, Comunidade e Educação Cooperativa, Organização do Quadro Social, Liderança e Sustentabilidade; e Gestão Estratégica, que coordena os programa de Compliance, Excelência de Gestão, Formação em Finanças, Formação de Auditores internos e Formação em Processos de Qualidade.

Utilização – O gerente da Unimed Norte Pioneiro, Josinei Marcos Cândido da Silva, contou que a cooperativa tem aproveitado bem o portfólio de projetos disponibilizado pelo Sescoop/PR. “Todos os cursos de formação oferecidos aos funcionários são viabilizados com recursos do Sescoop/PR. Além disso, entramos recentemente no Programa de Compliance. Teremos na próxima semana a primeira reunião para agendar o diagnóstico. E ainda temos acessado bastante a área de Monitoramento, que fornece todos os indicadores que precisamos. O Sescoop/PR possui, portanto, áreas ricas em informações e que estão à disposição das cooperativas”, ressaltou. “Estamos vivendo um período de incerteza. A preocupação existe poque estamos num momento totalmente atípico. Nunca vivenciamos uma crise nestes moldes. Na Unimed Norte Piorneiro, ficamos com receito dos impactos, pois a sinistralidade caiu. Mas a situação não está tão ruim quando pensávamos, então, ficamos felizes com o que foi apresentado hoje”, resumiu o presidente da cooperativa, dr. Antônio Vendramin Filho.

{vsig}2020/noticias/08/14/reuniao_institucional/{/vsig}

 

LIVE: Novos Tempos, Novas Atitudes é tema da palestra com Maurício Louzada nesta sexta-feira

Mais de 400 pessoas já se inscreveram para assistir, nesta sexta-feira (14/08), a 23ª live promovida pelo Sistema Ocepar com o palestrante internacional Maurício Louzada. Ouça aqui a entrevista de Maurício Louzada à Rádio Paraná Cooperativo. Maurício, que é formado pela Bridgestone AC (Londres) em Professional Coach, conta o que proferirá na palestra Novos Tempos, Novas Atitudes. A 23ª live é destinada a todo o público cooperativista. Ela será realizada pela Plataforma Webinar Jam e começa às 14h. O link para inscrição é event.webinarjam.com/channel/novostempos. Qualquer dificuldade na inscrição, favor enviar e-mail, até o meio-dia, para fabianne.ratzke@sistemaocepar.coop.br.

sistema ocepar 14 08 2020

 

COOPAVEL: Parceria é firmada com a Pioneer para a produção de sementes de soja

coopavel 14 08 2020A Coopavel e a Pioneer, duas referências do agronegócio brasileiro, acabam de assinar uma parceria histórica para a produção conjunta de sementes de soja. A confirmação do acordo aconteceu em recente encontro de diretores das duas empresas, em Pato Branco, onde está a Sementes Guerra, que foi adquirida pela Coopavel no ano passado. “É, sem dúvida, um momento de grande alegria à direção e a todos que integram essas três empresas, que se tornam parceiras em uma área em forte expansão na agricultura brasileira”, segundo o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli.

Primeiras conversas- O gerente da Unidade de Beneficiamento de Sementes da Coopavel, Anderson Granville, informa que há um bom tempo foram iniciadas as primeiras conversas de olho em uma parceria que pudesse unir a cooperativa e a Pioneer na produção de sementes. Já havia o interesse da norte-americana, que atua no Brasil há cinco décadas, em multiplicar a produção de sementes e com a compra pela Coopavel de uma estrutura moderna em Pato Branco deu à cooperativa as condições certas para participar do projeto.

Duas cultivares precoces - Em uma primeira fase serão produzidas duas cultivares precoces, uma delas mais adaptada à realidade de solo e clima do Oeste e outra obedecendo esses mesmos critérios em relação ao Sudoeste. Dilvo Grolli informa que essa junção de forças e interesses traz grandes possibilidades, tanto em novos lançamentos de cultivares quanto de transferência de tecnologias.

Expertise - “As três (Pioneer, Coopavel e Sementes Guerra) têm expertise na produção de sementes e vão oportunizar aos agricultores a condição de também serem produtores de sementes, uma vez que o melhor dessa tecnologia vai ser levada ao campo e elevará ainda mais a produtividade de safras futuras”. A Pioneer surgiu em 1913 em Iowa, nos Estados Unidos, e é referência mundial em melhoramento de sementes de soja e milho.

Cooperativismo - O presidente da Coopavel cita a característica do cooperativismo agrícola de agregar valor aos cooperados e de melhorar as condições econômicas do campo. “Hoje, temos bons preços à soja, milho, trigo e carnes e estamos alcançando produtividades jamais vistas. A força do agronegócio tem sido determinante ao superávit da balança comercial brasileira em um ano bastante difícil à economia. O saldo, devido ao bom momento do agro, é de R$ 50 bilhões, e sem a participação dele o déficit da balança no ano estaria em R$ 23 bilhões”, destacou Dilvo.

Produtor é o que mais ganha - O gerente de Distrito de Vendas da Pioneer, Sérgio Watanabe, lembrou que há uma história de quase 40 anos de parceria entre a empresa e a Coopavel. “Sentimo-nos muito honrados em ter sido convidados a dar continuidade e aumentar ainda mais a importância desse trabalho conjunto a partir da produção e multiplicação de sementes”. É uma grande satisfação participar desse projeto, reforçou Sérgio, afirmando que quem mais ganha com a parceria são os produtores rurais que terão à disposição sementes voltadas a ganhos expressivos em produtividade.

Estrutura otimizada - A Coopavel otimiza a sua estrutura, que é ampla e dotada de tecnologia sofisticada, e incrementa negócios em uma área em expansão da cooperativa no Sudoeste, destaca o vice-presidente Jeomar Trivilin. Ele reforça ainda que se trata de uma parceria com uma empresa idônea e tradicional. “Essa integração merece ser ressaltada, porque o objetivo é o mesmo: levar o melhor ao campo de olho em resultados mais expressivos”, diz o gerente de Filiais do Oeste Altair Garcia. Um dos aspectos mais determinantes dessa junção de forças e conhecimentos é a possibilidade de aumentar o portfólio de sementes, gerando novas oportunidades ao agricultor, pontua o gerente de Filiais do Sudoeste, Adelar Goehl. (Imprensa Coopavel)

 

COCAMAR I: Ciclo de Debates revela força do agro brasileiro

Em dez anos, na safra de grãos 2029/30, o Brasil deverá estar colhendo mais de 400 milhões de toneladas, um salto em comparação às 253 milhões que devem ser totalizadas no ciclo 2019/20. A informação, que tem como base um recente estudo realizado pelo consultor de mercado Paulo Cogo, foi comentada pelo presidente da John Deere Brasil, Paulo Herrmann, durante o Ciclo de Debates Cocamar na noite de quinta-feira (13/08).

Desafios e oportunidades - Sob a coordenação do vice-presidente de Negócios da cooperativa, José Cícero Aderaldo, a 8ª edição do Ciclo, que analisou o tema Desafios e Oportunidades do Agronegócio, contou também com a participação do presidente do Conselho de Administração, Luiz Lourenço.

Brilhante - De acordo com Herrmann, “o futuro do agronegócio brasileiro é brilhante”. O setor vem registrando acréscimos de produtividade a cada ano e o potencial de expansão ainda é considerável. “Neste ano superamos os Estados Unidos em produção de soja”, lembrou, citando que a oleaginosa é a mais importante fonte de proteína vegetal. “A expansão da soja está correlacionada ao crescimento da população mundial, atendendo a uma demanda crescente por alimentos.”

Evolução - Aderaldo comentou que há duas décadas o Brasil colhia não mais do que 85 milhões de toneladas de grãos e, atualmente, só os volumes de soja e milho, por exemplo, ultrapassaram a marca de 100 milhões de toneladas cada um.

ILPF - O país conta com mais de 162 milhões de hectares de pastagens, em que a pecuária, na média, não produz mais do que quatro arrobas de carne por hectare, mencionou Luiz Lourenço, pontuando que desse total, segundo a Embrapa, 70 milhões podem ser ocupados por programas de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), para produção de soja, milho, carne e outros produtos. “Só a ILPF vai gerar, em um futuro próximo, um grande volume a mais de matérias-primas que vão se transformar em alimentos para o mundo”, comentou.

Juventude - Para Herrmann, o Brasil apresenta um trunfo a mais na competição com tradicionais países produtores, como os Estados Unidos: os agricultores brasileiros seriam 12 anos mais jovens que seus colegas norte-americanos, em média. E, para dar uma ideia do expressivo aumento da produtividade do agro brasileiro, ele ilustrou que na década de 1970, quando a população rural somava 40 milhões de pessoas, um agricultor produzia em média 1 tonelada de grãos/ano. Atualmente, com apenas 28 milhões de moradores no campo, cada agricultor produz 9 milhões de toneladas de grãos/ano.

Penetração digital - Conforme destacou, o produtor mais jovem consegue lidar melhor com as tecnologias, sendo que o Brasil leva outra vantagem em comparação aos EUA: mesmo com as grandes dificuldades para acessar a internet no interior brasileiro, a penetração digital já é de 36% aqui, contra 28% entre os produtores norte-americanos. E fez um apelo: “Jovens, olhem para o campo, vocês devem nos ajudar a superar os nossos desafios, que são aumentar a produtividade, a eficiência, melhorar a gestão de custos...”

Não planejado - Herrmann credita tamanho avanço ao trabalho de pesquisa realizado por instituições como a Embrapa, “a mãe de tudo, que trouxe a ciência”, e também ao empreendedorismo dos produtores que, segundo ele, entraram “com a cara e a coragem”. “Tivemos ao longo das décadas um alinhamento de fatos não planejados, como o surgimento da Embrapa, o plantio direto, o advento da segunda safra, a transgenia, a Lei das Cultivares, o Código Florestal, as grandes inovações tecnológicas. “Uma grande coalização de acontecimentos importantes que faz a diferença no setor.”

Disrupção - Para o presidente da John Deere, os tempos são de disrupção (descontinuidade), para usar uma palavra da moda. “O desafio está em compreender que o que nos trouxe até aqui não nos levará ao futuro”, disse, salientando que tudo deve se modificar com a pandemia. “Quem imaginava, em janeiro, que no meio do ano estaríamos fazendo lives para nos comunicar, algo que já se tornou comum?”

Tema sensível - Sobre como o impacto do desmatamento na distante Amazônia afeta diretamente o produtor do Paraná, Paulo Herrmann fez uma correlação com a pecuária: se uma única vaca, por exemplo, for constatada com febre aftosa no interior do Pará, os mercados internacionais podem se fechar até mesmo para a carne produzida no Rio Grande do Sul, a milhares de quilômetros de distância. Quanto ao desmatamento na Amazônia, ele ressaltou que a grande maioria dos agricultores e pecuaristas brasileiros é cumpridora da lei, mas, como acontece em toda atividade, pode haver também os transgressores, os maus profissionais. “Estima-se que no universo de produtores brasileiros, só 2% não cumprem a lei, mas estes causam um enorme estrago à imagem do agro brasileiro”, disse. Para estes, devem ser aplicados os rigores da lei, “não podemos ficar assumindo a culpa dos outros”.

Responsável - Para ele, “o agricultor é o ser humano mais responsável social e ambientalmente sustentável, o seu sustento está na preservação dos recursos naturais. Ele sabe que se não cuidar, os recursos vão se exaurir”.

Mercados - Com o avanço tecnológico, cada consumidor já pode, a partir do seu celular, conhecer a trajetória da produção de um alimento, no supermercado, e saber como o mesmo foi produzido. E ressaltou que os principais mercados para a produção brasileira estão na Ásia, em especial China, Índia, sem falar de Japão, Indonésia, Tailândia, as Coreias e outros.

Espetáculo - “A sustentabilidade é o assunto do momento”, frisou Luiz Lourenço, destacando que o Paraná foi pioneiro em programas preservacionistas como o plantio direto e as microbacias hidrográficas, além de ter uma das legislações ambientais mais rigorosas. “Esse trabalho tem sido realizado ao longo das décadas e é um espetáculo quando, por exemplo, se olha de cima uma propriedade rural no Paraná, com suas áreas de preservação permanente e matas ciliares”, comentou Lourenço. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2020/noticias/08/14/cocamar/{/vsig}

COCAMAR II: Domingo, na TV, os campeões da soja

cocamar II 14 08 2020Os vencedores do Concurso Cocamar de Produtividade de Soja, edição safra 2019/20, vão ser divulgados no próximo domingo (16/08), por meio do programa semanal de televisão RIC Rural, da RIC TV Record.

Premiação - Exibido das 9 às 10h pelas emissoras integrantes da Rede Independência de Comunicação (RIC), que cobre todo o estado, o RIC Rural será praticamente todo dedicado à premiação dos ganhadores: 1º e 2º lugares nas categorias Geral e 1º em Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF).

Divulgação - Com a pandemia e os protocolos de isolamento social, a TV foi a alternativa encontrada para apresentar os resultados do Concurso – e, de quebra, garantir ampla divulgação -, ante a impossibilidade de a cooperativa realizar neste momento um evento de premiação, como faz todos os anos.

Maior média- De acordo com o Departamento Técnico da Cocamar, a safra 2019/2020 apresentou a maior média de produtividade de todos os tempos nas áreas do Concurso: 243 sacas por alqueire, o equivalente a 101,25 sacas por hectare. A maior, até então, havia sido registrada na safra 2017/2018, de 230 sacas por alqueire (95 sacas/hectare).

Acima da média Brasil - Foi, também, a maior média geral obtida entre os participantes do Concurso, com 186 sacas por alqueire (76,8/hectare), bem acima do volume médio de produtividade de soja no Brasil, de 132 sacas/alqueire (54,5/hectare).

Números - Com a participação de 150 cooperados de todas as regiões de atuação da cooperativa, nos estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul, o Concurso Cocamar de Produtividade auditou 39 áreas. (Imprensa Cocamar)

 

CAPAL: Realizada a primeira reunião semestral on-line

capal 14 08 2020A pandemia de Covid-19 promoveu mudanças nas relações entre diretoria e cooperados da Capal. A mais representativa aconteceu na última segunda-feira (10/08) com a reunião de balanço semestral via videoconferência. O encontro é mais um exemplo da transparência na gestão da cooperativa e contou, até o momento, com mais de 1.300 visualizações.

Novos canais de comunicação- De acordo com o diretor-presidente do Conselho de Administração, Erik Bosch, a pandemia forçou a todos a buscar novos canais de comunicação. “Na verdade, não tão novos, mas, sim, pouco usados em nosso meio. Algumas práticas precisaram ser revistas, mas as nossas políticas de transparência e valorização do cooperado continuam como pilares da administração da Capal”.

Via web - Bosch destacou ainda que, como não é possível realizar as reuniões semestrais presenciais, foi apresentado via web o relatório do primeiro semestre de 2020, distribuído de forma digital. “Nele, você, associado, tomará conhecimento do desempenho da cooperativa nesse período, poderá acompanhar a evolução dos principais números e projetos em andamento como também saber das iniciativas que tomamos para nos proteger contra o coronavírus”, completa.

Reinvenção - Já o presidente-executivo, Adilson Fuga, afirmou que todos tiveram que se reinventar devido à atual situação. “Tenho falado muito com todas as nossas unidades que, aparentemente, nós estamos distantes, mas nunca estivemos tão próximos. Fazemos reuniões diárias para analisar o que está ocorrendo. Essa situação nos aproximou ainda mais”.

Ótimos resultados - Cooperado do município de Wenceslau Braz, Paulo Roberto Campos parabenizou toda a equipe da Capal “pelos ótimos resultados e para todos os agricultores que acreditam no cooperativismo”. “Muito bom esse formato e sugiro manter, pois fica fácil participar!”, elogiou o cooperado Bernhard Kiep, de Itaberá. A cooperada Ângela Maria atestou: “estamos firmes e confiantes na cooperativa”.

Números - Na ocasião, foram apresentados os números do período, que confirmaram o melhor semestre em faturamento da história da cooperativa, ultrapassando R$ 1 bilhão. Também foram apresentadas as doações e ações sociais realizadas no período, principalmente ligadas ao combate da Covid-19.

Sobre a Capal Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1960, a Capal conta atualmente com mais de 3 mil associados, distribuídos em 20 unidades de negócios, nos estados do Paraná e São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 70% das operações da cooperativa, produzindo mais de 640 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, milho, café e trigo. A área agrícola assistida ultrapassa os 140 mil hectares. O volume de leite negociado mensalmente é de 9 milhões de litros, proveniente de 360 produtores com uma média de produção de 2,5 mil litros por dia. Além disso, a cooperativa comercializa mais de 27 mil toneladas de suínos vivos. (Imprensa Capal)

 

UNIMED COSTA OESTE: Encontros virtuais mantêm ativo o Programa de Atenção ao Tabagista

Tomar a decisão de largar um vício é resultado de um processo longo de reflexão, influências positivas e até tentativas anteriores sem sucesso. Por isso, ela não deve ser desperdiçada. A pandemia do novo coronavírus fez todo mundo se reinventar. Os tradicionais encontros presenciais do Programa Viva Mais – Atenção ao Tabagista, oferecido gratuitamente pela Unimed Costa Oeste aos beneficiários que desejam cessar o tabagismo, deram lugar aos encontros virtuais.

Diferencial - Sandro Marcio Flores foi um dos participantes desse novo modelo de encontro. Depois de algumas complicações nos exames do coração, continuar fumando poderia agravar ainda mais o problema. Foram 30 anos de vício e nos últimos tempos consumia 20 cigarros por dia. “Soube do programa da Unimed por meio da mídia eletrônica e fui atraído pelo suporte médico, nutricional e psicológico que é oferecido. Isso com certeza é um diferencial pois eu já havia tentado parar de fumar em outras situações e não consegui, pois não estava preparado e nem amparado” relata.

Liberdade - O modo online das reuniões não foi um empecilho para conquistar sua liberdade. “Foi uma experiência ímpar, pois ninguém imaginava que teríamos que nos distanciar por causa de um inimigo invisível. Acredito que se pudéssemos estar reunidos presencialmente seria melhor, porém, para mim, o objetivo do programa foi alcançado mesmo de forma virtual”, atesta Sandro.

Dinâmica mista - A dinâmica dessa segunda turma do ano foi mista, entre as terapias em grupo realizadas por videoconferências, terapias individuais realizadas via aplicativo de smartphone e consultas presenciais com o médico e a nutricionista. Neste caso, há a necessidade de avaliar cada caso para definir a terapia medicamentosa de suporte e realizar a avaliação nutricional.

Ajuda - Todas essas ações foram um conjunto importante para ajudar quem quer cessar o tabagismo. “Eu indico a quem quer parar de fumar que procure a Unimed, pois o Programa de Atenção ao Tabagista é muito profissional e com certeza vai fornecer o suporte necessário para você parar de fumar”, divulga Sandro.

Informações - Mais informações: (45) 3277-8000. (Imprensa Unimed Costa Oeste)

{vsig}2020/noticias/08/14/uniprime_costa_oeste/{/vsig}

SICREDI RIO PARANÁ: Porto Rico ganha uma agência

Além das belas águas do Rio Paraná, o município de Porto Rico (PR) agora possui uma agência da Sicredi Rio Paraná PR/SP. Esta será a 29ª unidade de atendimento da cooperativa de crédito, poupança e investimento que atua nos estados de São Paulo e Paraná.

Live - Em tempos de isolamento social como medida para conter a propagação do novo coronavírus, uma das principais preocupações é a saúde. Pensando nisso, a Sicredi Rio Paraná PR/SP irá realizar a cerimônia de inauguração da agência por meio de uma live. A transmissão ao vivo do evento será nesta segunda-feira, dia 17 de agosto, às 9h.

Canais - Quem quiser assistir à atividade pode acompanhar pelas redes sociais, a cerimônia será transmitida na página oficial da cooperativa facebook.com/sicredirioparana e também no youtube.com/sicredirioparana

Contingenciamento - O evento contará com contingenciamento de pessoas, apenas com a presença da diretoria da instituição, prefeito municipal e a equipe técnica que fará a transmissão. Estes deverão estar com máscaras e no espaço haverá álcool em gel para higienização das mãos.

Atendimento ao público - No mesmo dia já será iniciado o atendimento ao público das 9h às 12h e das 13h às 16h. Segundo o decreto municipal nº 3708/2020 o atendimento aos associados e não associados deverá ser feito com a disponibilização de álcool gel, colaboradores e associados de máscaras.

Contato - É possível também falar com os colaboradores da nova agência pelo telefone local, (44) 3427-1808 ou direto pelo whatsapp (51) 3358-4770. A agência fica na rua Joaquim Lopes, 533 no centro de Porto Rico (PR).

Sobre a cooperativa - A Sicredi Rio Paraná PR/SP atua em 44 cidades da região que fica na divisa dos estados do Paraná e São Paulo. Hoje são 29 agências para atender os associados. Para saber mais, acompanhe as redes sociais @sicredirioparana. (Imprensa Sicredi Rio Paraná PR/SP)

{vsig}2020/noticias/08/14/sicredi_rio_parana/{/vsig}

SICREDI FRONTEIRAS: Associada do Paraná é contemplada em sorteio do Seguro Mais em Vida

sicredi fronteiras 14 08 2020Na última terça-feira (11/08), a equipe da agência de Bela Vista da Caroba/PR entregou R$ 32.293,89 mil para Scheila Gabriela Palharini, referente à sua premiação no sorteio do Seguro Mais em vida.

Surpresa - Associada da Sicredi Fronteiras PR/SC/SP há mais de 3 anos, Scheila conta com muito carinho como soube da notícia. "A gestora da minha conta, Camila Zampirão, ligou no meu trabalho e pediu que eu viesse à agência assinar a atualização do meu cadastro. Quando eu entrei, ela e todos os colaboradores vieram em minha direção com vários balões, enquanto o Tiago, gerente da agência, me contou que fui contemplada no sorteio", comenta Scheila. De acordo com ela, esse valor irá lhe auxiliar a realizar alguns de seus sonhos.

Semanais - Diego Ratusznei Iuchemui, representante do Grupo Icatu Seguros, comenta que os sorteios são realizados semanalmente com os números da loteria federal e que cada apólice de seguro possui a sua numeração. "Trabalhamos com o Sicredi há mais de 20 anos e durante nossa trajetória, já contemplamos mais de 2 mil associados, distribuindo mais de R$ 60 milhões. Tudo isso com o intuito de valorizar essa nossa parceria", afirma Iuchemui.

Contemplados - Moisés Fernando Schwengber, gerente de negócios, especialista na área de seguros, afirma que mais de 30 associados da Sicredi Fronteiras já foram contemplados em sorteios do Seguro Mais em vida. "Um dos propósitos do Sicredi é cuidar dos associados e esse produto é exatamente para isso, para proteger quem confia na gente. No Sicredi não temos apenas seguro de vida, temos seguros para cobrir todas as necessidades dos associados, como por exemplo: seguro para automóvel, residencial, empresarial, seguro de vida coletivo para os colaboradores de sua empresa, marítimos, aéreos e muito mais. Possuímos um portfólio muito grande de seguros, tanto patrimonial quanto de vida", reitera Schwengber.

Gratificante - O diretor de negócios da cooperativa, José Carlos Steffen, diz ser gratificante ver que os associados sabem a importância do seguro e que confiam no Sicredi para a contratação do mesmo.

Convite - Já Tiago Fernando Schaurich, gerente da agência de Bela Vista da Caroba, faz um convite aos associados e também a quem ainda não é associado e queira saber mais sobre produtos e serviços. "Entre em contato com a gente, faça uma cotação sem compromisso e saiba todas as coberturas disponíveis nas linhas de seguro que possuímos. Nós sempre falamos em todos os benefícios que o seguro possui e agora poder entregar um desses benefícios que mencionamos, é realmente muito gratificante", finaliza o gerente.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.900 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Fronteiras PR/SC/SP)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICOOB CREDICAPITAL: Unidade de atendimento móvel vai visitar cooperativas de produtores rurais da região de Cascavel

sicoob credicapital 14 08 2020Com o início do Plano Safra 2020/2021, o Sicoob Credicapital começou a 1ª Turnê Sou Rural. Com o Sicoob Móvel, um veículo adaptado que serve como agência itinerante, a cooperativa vai visitar diversas cidades da região iniciando por Laranjeiras do Sul, gerando condições especiais para bons negócios e oportunidades de contato direto entre o produtor rural e Sicoob.

Atendimento humanizado - Além de oferecer as melhores soluções para quem quer investir, custear e comercializar a produção, a proposta da iniciativa é levar o atendimento humanizado do Sicoob para além das agências físicas e atender os produtores rurais de diversas cooperativas de produção e cerealistas com mais comodidade.

Inovação - Para o gerente regional Gizélio Linhares, a Turnê Sou Rural significa inovação. “O Sicoob mais uma vez inova na relação com o cooperado e demonstra o seu compromisso com o agronegócio da região”, afirma.

Primeira parada - A primeira parada da Turnê Sou Rural será Laranjeiras do Sul e em seguida segue para Rio Bonito do Iguaçu, Guaraniaçu, Catanduvas, Três Barras do Paraná, Quedas do Iguaçu e Nova Laranjeiras. “Nesse momento queremos demonstrar que estamos próximos dos nossos cooperados, colocando o Sicoob sempre à disposição da comunidade”, explica Gizélio.

Mais informações - Para mais informações sobre as visitas, os cooperados podem entrar em contato com a agência do Sicoob Credicapital mais próxima. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB OURO VERDE: Cooperativa fecha parcerias para oferecer cursos on-line do Expresso Instituto Sicoob

sicoob ouro verde 14 08 2020Buscando apoiar ainda mais as comunidades que estão sofrendo com a falta de emprego e renda o Sicoob Ouro Verde firmou duas importantes parcerias que vão permitir disponibilizar os cursos rápidos de capacitação profissional e gratuitos do Expresso Instituto Sicoob para milhares de pessoas. Com a pandemia, a utilização do ônibus que disponibilizava a plataforma de cursos foi suspensa, mas para dar continuidade ao trabalho, os cursos EAD estão sendo oferecidos abertamente para que todos possam aproveitar esse benefício e oportunidade de realizar os cursos diretamente de suas casas.

Primeira - A primeira parceria foi firmada com a Prefeitura de Londrina através da Secretaria Municipal do Trabalho, Emprego e Renda, que apoiará na divulgação dos cursos para os públicos já atendidos por meio de suas ações e disponibilizará sua estrutura para quem não possui acesso à internet e computador.

Oportunidade excelente - Para o secretário do Trabalho, Emprego e Renda, Elzo Carreri, o Expresso Instituto é uma oportunidade excelente. “É realmente extraordinário para o trabalhador ter a chance de aproveitar esse período em que está amparado pelo seguro-desemprego para se qualificar com segurança, direto pela internet e ainda sendo certificado pelo MEC. Por isso, ao sermos procurados pelo Sicoob, prontamente apoiamos essa grande iniciativa. Temos certeza de que é só o início de uma parceria que vai render muitos frutos”, parabenizou Carreri.

Aprimoramento - O diretor-presidente do Sicoob Ouro Verde, Elisberto Torrecillas, enfatiza a necessidade constante de aprimoramento dos conhecimentos em todas as situações. “Que essa parceria com a Prefeitura de Londrina, através a Secretaria Municipal do Trabalho, Emprego e Renda fortaleça ainda mais o relacionamento com a comunidade elevando o espírito cooperativista que rege o nosso trabalho”, reforçou.

Espro - Além disso, a cooperativa também se uniu à área de Desenvolvimento Organizacional do Ensino Social Profissionalizante do Brasil - Espro, uma organização sem fins lucrativos que atua na capacitação profissional para inclusão de jovens no mercado de trabalho. Com isso, vai disponibilizar os cursos gratuitos de capacitação do Instituto Sicoob para 500 funcionários e 13 mil jovens aprendizes da instituição.

Para participar - Qualquer pessoa com idade mínima de 14 anos pode acessar a plataforma pelo celular ou computador e se inscrever nos cursos do Instituto Sicoob. São mais de 90 opções nas áreas de educação, saúde e bem-estar, administração e empreendedorismo, informática e línguas. A ferramenta está disponível para cooperados do Sicoob, colaboradores e comunidade no geral. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB METROPOLITANO: Inaugurada biblioteca compartilhada para colaboradores

sicoob metropolitano 14 08 2020Pensando no desenvolvimento dos colaboradores e no espírito cooperativo, o Sicoob Metropolitano desenvolveu um projeto de biblioteca compartilhada. O espaço, que foi inaugurado no último dia 7, leva o nome do fundador e presidente do Conselho de Administração, Luiz Ajita. Além de uma figura muito importante para a cooperativa, o Luiz Ajita é um grande incentivador do desenvolvimento das equipes, principalmente quando os assuntos são inovação e cooperativismo. Ele é, inclusive, referência nacional no assunto.

Pandemia - Por conta do cenário de pandemia e em respeito às restrições de distanciamento social, a inauguração da biblioteca e a homenagem à Ajita ocorreram apenas com a presença dos diretores e de alguns colaboradores da cooperativa, que representaram os demais.

Doação - Todos os exemplares que compõem a biblioteca foram doados pelo Luiz Ajita e colaboradores do Sicoob Metropolitano. As versões físicas dos livros ficam alocadas na Unidade Administrativa e tem o conceito de “biblioteca livre”, em que os usuários escolhem os exemplares e se responsabilizam pela devolução, sem nenhum registro ou controle feito por parte da cooperativa.

Princípios cooperativistas - Para o assistente de Recursos Humanos, Luan Vitor Quiarato Gregoris a iniciativa reforça os princípios cooperativistas. “Dessa forma a Cooperativa está estimulando o acesso à informação, a formação e ao conhecimento de maneira colaborativa”.

Versão on-line - Também foi criada uma versão on-line da biblioteca, com exemplares digitais (e-books) sobre diversos temas, para o acesso de todos os colaboradores. O espaço online fica dentro da Intranet e possui formato colaborativo, permitindo que os colaboradores enviem mais títulos para a composição de um espaço cada vez mais completo.

Feliz - O assistente da agência de Mandaguaçu, Guilherme Besson Nascimento, doou e-books para a biblioteca virtual. Ele disse que ficou muito feliz em ter contribuído e acredita que este hábito, faz com que as pessoas se tornem mais críticos e reflexivos sobre diversos aspectos da sociedade.

Enriquecimento - “Desta maneira, nossos colaboradores terão a oportunidade de enriquecer seu vocabulário, desenvolver novas ideias e habilidades na escrita. Por consequência, enriquecer nossos atendimentos com os cooperados”, afirma. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

UNIPRIME: Navegue com segurança

Os canais digitais de atendimento se evidenciaram como grande alternativa aos consumidores e empresas durante a pandemia da Covid-19. Embora não seja uma novidade, a utilização da Internet para o acesso a serviços ainda gera desconfiança em grande parte da população, principalmente quando se trata da segurança de dados bancários.

Prevenção a fraudes - “A Uniprime possui equipe própria de prevenção a fraudes e terceirizada com foco em construção de regras de prevenção e monitoria contínua de transações”, conta Johnny Rodrigues de Mello, Analista de Negócios da Uniprime.

Medidas - Ele ainda lista uma série de medidas simples que os usuários devem tomar para garantir a segurança dos seus dados. Confira:

1. Baixar aplicativos sempre nas lojas oficiais;

2. Ao fazer compras ou acessar o aplicativo do banco, não utilizar redes públicas ou desconhecidas;

3. Ao efetuar uma compra, dar preferência a sites e plataformas conhecidas como grandes redes de eletrodomésticos, grandes redes de supermercados e etc;

4. Desconfiar de sites que ofertam produtos a preços muito baixos;

5. Ao pagar um boleto, antes de finalizar o pagamento, verificar se o beneficiário é realmente a pessoa ou empresa correta;

6. Jamais fornecer os dados do cartão de crédito a terceiros, seja por telefone, whatsApp ou presencialmente;

7. Ao viajar para o exterior, utilizar o cartão sempre com chip e senha, evitando uso da tarja.

Alerta - Mello alerta ainda para um golpe chamado de Phishing, que vem sendo muito explorado durante a pandemia, no qual o fraudador envia links maliciosos (via whatsApp, e-mail, SMS ou facebook), geralmente oferecendo descontos ou sorteios, e pedindo para a vítima se cadastrar e/ou fornecer dados pessoais e financeiros. Isso também acontece via telefone e, em alguns casos, é solicitado que a vítima entregue o cartão físico a um estranho que teoricamente se apresenta como representante da instituição financeira.

Dúvidas - Fique atento às medidas de segurança e, em caso de dúvidas referentes à Uniprime, consulte imediatamente um Gerente por telefone ou whatsapp. (Imprensa Uniprime)

 

MERCADO: Preços da soja continuam subindo

mercado 14 08 2020No Rio Grande do Sul, de acordo com informações da T&F Consultoria Agroeconômica, o preço no porto de Rio Grande subiu mais R$ 1,0/saca para R$ 130,00, contra R$ 129,00 do dia anterior, para pagamento em setembro, oferecidos pela indústria, por sua vez impulsionada pela demanda de farelo, com a alta do milho e óleo de soja, principalmente para biocombustível. “No interior, no entroncamento ferroviário de Cruz Alta e em Ijuí a indústria também elevou o preço em R$ 2,50/saca para R$ 128,00, contra R$ 125,50 do dia anterior e em R$ 3,0/saca para R$ 129,00 em Passo Fundo para final de agosto”, informa.

Paraná - No Paraná, os preços subiram entre 3 e 4 reais/saca, nesta quinta-feira (13/08), por forte alta no câmbio e em Chicago. “No mercado de balcão o preço oferecido ao agricultor na região de Ponta Grossa manteve em R$ 110,00, segundo informações de mercado. No mercado de lotes, para entrega em setembro subiu R$ 3,00/saca para R$ 123,00, em Ponta Grossa, pagamento final de setembro”, completa.

Mato Grosso do Sul - “No Mato Grosso do Sul os preços subiram para R$ 118,00 em Caarapó, R$ 122,00 em Campo Grande, R$ 118,50 em Chapadão do Sul, R$ 119,50 em Dourados, R$ 121,30 em Maracaju e 119,00 em São Gabriel do Oeste. No Mato Grosso os preços ficaram em R$ 122,30 em Campo Verde, R$ 115,00 em Lucas do Rio Verde, R$ 120,00 em Nova Mutum e R$ 121,60 em Primavera do Leste. Em Goiás os preços subiram 1 real/saca para R$ 116,00/saca em Rio Verde e, R$ 120,00 em Motividiu, R$ 113,00 em Cristalina e Morrinhos, R$ 110,00 em Formosa e R$ 109,00 em Cabeceiras”, conclui a T&F Consultoria Agroeconômica. (Agrolink)

FOTO: Cleverson Beje / Faep

 

IBGE I: Abate de suínos cresce no 2º trimestre de 2020 e chega a 12 milhões de animais

A produção pecuária do Brasil registrou queda no abate de bovinos e frangos no segundo trimestre de 2020. Apenas o abate de suínos cresceu, tanto na comparação com o primeiro trimestre de 2020 quanto no confronto contra o segundo trimestre de 2019.

Comparação - Na comparação com o mesmo período do ano passado, o abate de bovinos caiu 9,7% e o de frangos, 1,6%, enquanto o de suínos cresceu 5,9%.Já contra o trimestre passado, houve diminuição de 1,2% no abate dos bovinos e 7,2% no de frangos, ao passo que o abate de suínos também cresceu nesta comparação, 1,6%.

Primeiros resultados - Os dados são os primeiros resultados da Estatística da Produção Pecuária para o segundo trimestre de 2020, divulgada nesta quinta-feira (13/08) pelo IBGE. O resultado definitivo será apresentado no dia 10 de setembro.

Suínos - A pesquisa preliminar aponta que foram abatidas 12,07 milhões de cabeças de suínos. O peso acumulado das carcaças registrou 1,10 mi de toneladas, uma alta de 8,2% em relação ao segundo trimestre de 2019. Em comparação com o trimestre anterior, o aumento foi de 3,2%.

Bovinos - Foram abatidas 7,17 milhões de cabeças de bovinos sob algum tipo de serviço de inspeção sanitária. Já a produção de carcaças bovinas foi 1,85 milhão de toneladas, número que representa uma queda de 6,6% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior e aumento de 0,5% em relação ao primeiro trimestre de 2020.

Frango - A pecuária brasileira também abateu, de acordo com o estudo, 1,40 bilhão de cabeças de frango no segundo trimestre de 2020. O peso acumulado das carcaças foi de 3,21 milhões de toneladas, o que representa -4,0% em relação ao segundo trimestre de 2019 e -7,7% frente ao primeiro trimestre de 2020.

Aquisição de leite e couro caem, produção de ovos sobe - A pesquisa mostra que a aquisição de leite cru, feita pelos estabelecimentos que atuam sob algum tipo de inspeção sanitária federal, estadual ou municipal, foi de 5,69 bilhões de litros no segundo trimestre de 2020. Este número significa uma redução de 2,9% em comparação ao segundo trimestre de 2019 e queda de 9,7% no confronto contra o trimestre anterior.

Curtumes - Os primeiros resultados da Pesquisa Trimestral do Couro apontam que os curtumes declararam ter recebido 7,25 milhões de peças inteiras de couro cru no segundo trimestre de 2020, quantidade que representa queda de 13,7% em comparação ao segundo trimestre de 2019 e redução de 3,6% em relação ao trimestre anterior. O estudo investiga apenas os curtumes que efetuam o curtimento de, pelo menos, 5 mil unidades inteiras de couro cru bovino por ano.

Ovos de galinha- Já a produção de ovos de galinha foi de 965,41 milhões de dúzias no segundo trimestre de 2020. Esta quantidade mostra estabilidade frente à produção do trimestre anterior e um aumento de 1,9% em relação ao mesmo trimestre de 2019. (Agência IBGE de Notícias)

IBGE II: Após quatro meses de queda, serviços crescem 5% em junho

ibge II 14 08 2020O setor de serviços avançou 5% na passagem de maio para junho e interrompeu uma sequência de taxas negativas dos quatro meses anteriores, quando havia acumulado uma perda de 19,5%. Mesmo com o resultado positivo de junho, o volume de serviços ficou 14,5% abaixo do patamar registrado em fevereiro, último mês antes da implementação das medidas de isolamento social para controle da pandemia de Covid-19. Na comparação com junho de 2019, a queda é de 12,1%. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada nesta quinta-feira (13/08) pelo IBGE.

Restaurantes - Entre os 166 serviços investigados pela pesquisa, o segmento de restaurantes foi um dos que mais influenciaram o índice. “Com as medidas de isolamento, muitos restaurantes estavam fechados, ainda que alguns estivessem funcionando por delivery. Com a flexibilização, ou seja, com o aumento do fluxo de pessoas nas cidades brasileiras, eles começaram a abrir e a receita do segmento voltou a crescer, impactando o volume de serviços de junho”, explica o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

Conjuntural - O pesquisador destaca que a retração sentida pelo setor em fevereiro (-1,1%) foi conjuntural e refletia uma acomodação frente ao comportamento apresentado no fim de 2019. Os efeitos do isolamento social começaram a ser sentidos nos últimos 10 dias de março, quando começaram as paralisações. Entre março e maio, o setor teve uma retração de 18,6%.

Cinco setores - Os cinco setores pesquisados acompanharam o resultado positivo do setor de serviços em junho, com destaque para transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio, com avanço de 6,9% e serviços de informação e comunicação, com crescimento de 3,3%. “É a segunda taxa positiva para o setor de transportes. Tanto ele quanto os serviços prestados às famílias mostraram perdas em março e abril e taxas positivas em maio e junho. Mas o crescimento dos últimos dois meses foi insuficiente para recuperar a perda dos meses anteriores”, analisa Lobo.

Transporte - Em maio e junho, o setor de transportes acumulou uma alta de 11,9%, enquanto a perda acumulada de março e abril foi de 25,2%. “Entre os segmentos do setor que tiveram crescimento esse mês estão transporte rodoviário de carga, transporte aéreo de passageiros e operação de aeroportos. Com isso, o setor de transporte teve o aumento mais intenso desde junho de 2018”, complementa.

Segmentos - Entre os segmentos que mais influenciaram o aumento dos serviços de informação e comunicação estão desenvolvimento e licenciamento de software e portais, provedores de conteúdo e ferramentas de busca na internet. “O setor de informação e comunicação foi um dos que menos sentiram o impacto da pandemia. Os segmentos mais impactados dentro do setor foram os relacionados ao audiovisual. Mas especialmente a parte de serviços de tecnologia da informação teve apenas uma perda suave nos meses de março e abril e voltou a crescer em junho e sempre operando muito próximo do topo da série histórica”, complementa Lobo.

Recuo - Apesar do avanço de 5% em junho, o setor de serviços fechou o primeiro semestre de 2020 recuando 8,3%, com queda em quatro das cinco atividades pesquisadas. A pesquisa aponta a influência do fechamento dos estabelecimentos durante o isolamento social na queda do setor de serviços prestados às famílias, que recuou 35,2% no período. A queda foi influenciada principalmente pela retração nas receitas de restaurantes, hotéis, bufê e outros serviços de comida preparada.

São Paulo avança 5,1% em junho frente a maio - O avanço no setor de serviços também foi sentido por 21 das 27 unidades da federação. São Paulo registrou um crescimento de 5,1%, após ter recuado 19,5% entre fevereiro e maio. Rio de Janeiro (3,6%), de Minas Gerais (4,7%), do Rio Grande do Sul (6,6%) e do Distrito Federal (6,6%) também acompanharam o movimento de crescimento. Mato Grosso (-3,2%), Paraná (-1,0%) e Espírito Santo (-3,2%) registraram os principais impactos negativos entre as unidades da federação.

Índice de atividades turísticas cresce 19,8% em junho - Em junho, o índice de atividades turísticas avançou 19,8% em comparação a maio. É a segunda taxa positiva seguida, período em que acumulou crescimento de 28,1%. O segmento de turismo tinha uma perda acumulada entre março e abril de 68,1%, refletindo o impacto das medidas preventivas para combate à pandemia de Covid-19 nas empresas que compõem as atividades do setor. Entre as atividades mais atingidas estão transporte aéreo de passageiros, restaurantes e hotéis.

Unidades da federação - Todas as doze unidades da federação observadas nesse indicador apresentaram taxas positivas, com destaque para São Paulo (19,6%), seguido por Rio de Janeiro (23,7%), Minas Gerais (17,2%), Santa Catarina (26,1%) e Paraná (17,9%). (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Tania Rego / Agência Brasil

 

 

IBC-BR: Atividade econômica recua 10,94% no segundo trimestre

Em meio à pandemia da covid-19, a economia brasileira apresentou retração de 10,94% no segundo trimestre deste ano, comparado ao período anterior. É o que mostra o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado nesta sexta-feira (14/08).

Comparação - Na comparação entre o segundo trimestre deste ano e igual período de 2019, a queda chegou a 12,03%.

Primeiro semestre - No primeiro semestre, a queda do IBC-Br ficou em 6,28%. Em 12 meses encerrados em junho, o recuo da atividade econômica foi de 2,55%.

Crescimento - Em junho, comparado a maio deste ano, o índice registrou crescimento de 4,89% (dado dessazonalizado). Na comparação com junho de 2019, houve queda de 7,05%.

Evolução - O IBC-Br é uma forma de avaliar a evolução da atividade econômica brasileira e ajuda o BC a tomar decisões sobre a taxa básica de juros, a Selic.

Setores - O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos.

PIB - No entanto, o indicador oficial sobre o desempenho da economia é o Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Mercado - Para o mercado financeiro, o PIB deve registrar queda de 5,62% neste ano. Na avaliação do governo, a retração será de 4,7%. E o BC prevê recuo de 6,4%, segundo o último Relatório Trimestral de Inflação, divulgado em junho. (Agência Brasil)

ECONOMIA: Pedidos de Seguro-Desemprego diminuem 42% no Estado

economia 14 08 2020O Paraná registrou queda no número de solicitações do benefício do Seguro-Desemprego neste período de pandemia. O número de requerimentos em julho foi 42,28% menor em relação a maio. No mês de julho foram 36.149 pedidos enquanto em maio foram 62.634 solicitações.

Dados - Os dados são do setor de Intermediação de Mão de Obra (IMO), do Departamento do Trabalho e Estímulo à Geração de Emprego e Renda da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho. “Ao longo dos últimos meses, mesmo considerando a pandemia, o número de demissões caiu. Tivemos saldo positivo de empregos formais, ou seja, o Paraná contratou mais do que demitiu trabalhadores”, diz o secretário da Justiça, Família e Trabalho, Mauro Rockenbach.

Reflexo - “Este quadro é reflexo das políticas de incentivo aplicadas pelo Governo do Estado e de uma postura ativa para o enfrentamento do desemprego na pandemia”, afirma o secretário.

Busca ativa - Uma das políticas de incentivo adotadas pelo Governo do Paraná é a busca ativa de ofertas de vagas nas empresas, através das equipes das Agências do Trabalhador. Outra medida é a continuidade, com agendamento prévio, nos atendimentos nas Agências para intermediação de mão de obra nas 216 Agências do Trabalhador do Estado, o que proporcionou a retomada de emprego e renda no Paraná.

Comparação - A chefe do Departamento do Trabalho e Estimulo à Geração de Renda da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho, Suelen Glisnki, explica que uma comparação entre os dados de requerentes mensais do Seguro-Desemprego com os números de desligamentos divulgados pelo Cadastro Geral de Admitidos e Desligados (Caged) no ano de 2020, fica demonstrado que houve queda significativa do número total de requerimentos do benefício no Estado, neste período.

Agências - Em julho, as Agências do Trabalhador do Governo do Estado conseguiram aumentar em 92% o número de trabalhadores inseridos no mercado de trabalho, se comparado com o mês de abril, no início da pandemia do coronavírus.

Unidades - As unidades que mais colocaram trabalhadores no mercado em julho foram Umuarama (493), Curitiba (207), Cafelândia (196), Cascavel (195) e Rolândia (185).

Caged - O Paraná registrou saldo positivo de 2.829 empregos com carteira assinada em junho, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Foi o sexto melhor resultado do País, atrás de Mato Grosso, Santa Catarina, Goiás, Maranhão e Pará, e o primeiro balanço positivo após três meses de baixas, apontando certo reequilíbrio da economia. (Agência de Notícias do Paraná)

 

COMBUSTÍVEL: ANP reduz temporariamente mistura de biodiesel ao diesel para 10%

combustivel 14 08 2020A diretoria colegiada da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), com a concordância do Ministério de Minas e Energia (MME), aprovou nesta quinta-feira (13/08) a redução excepcional e temporária do percentual de mistura obrigatória do biodiesel ao óleo diesel dos atuais 12% para 10% no bimestre de setembro e outubro de 2020.

Continuidade - Segundo a ANP, a medida é necessária para dar continuidade ao abastecimento nacional, uma vez que a oferta de biodiesel para o período poderia não ser suficiente para atender à mistura de 12% ao diesel B, que vem sendo bastante consumido, apesar da atual situação de pandemia de covid-19. (Agência Brasil)

FOTO: Tomaz Silva / Agência Brasil

 

CÂMBIO: Dólar tem maior queda diária em quase um mês e fecha abaixo de R$ 5,40

cambio 14 08 2020Num dia de ajustes no mercado de câmbio, o dólar devolveu parte da alta acumulada nos últimos dias e registrou o maior recuo diário em três semanas. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (13/08) vendido a R$ 5,368, com queda de R$ 0,085 (-1,56%).

Maior queda diária - Essa foi a maior queda diária desde 22 de julho, quando a divisa caiu 1,87%. A cotação operou em baixa durante toda a sessão. Na mínima do dia, por volta das 14h50, chegou a cair para R$ 5,35. Em 2020, a divisa acumula alta de 33,75%.

BC - O Banco Central (BC) não interveio no mercado nesta quinta. A autoridade monetária apenas rolou (renovou) contratos de swap cambial – equivalentes à venda de dólares no mercado futuro – que vencem em setembro. Na quarta-feira (12/08), o BC tinha leiloado US$ 1 bilhão em novos contratos de swap, o que não ocorria desde o fim de maio.

Compromisso - O mercado repercutiu o compromisso do presidente Jair Bolsonaro e dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, de defender o teto de gastos e de impedir a prorrogação do estado de calamidade. Ontem, o dólar fechou em R$ 5,45 em reação à saída de dois secretários do Ministério da Economia.

Pressões - Dados positivos da economia brasileira reduziram as pressões sobre o câmbio. Indicadores divulgados hoje apontaram crescimento no setor de serviços e no desempenho das pequenas indústrias em junho. Embora ainda apresentem queda, os dados mostram que a atividade está próxima do registrado antes da pandemia de covid-19.

Bolsa - Diferentemente do câmbio, o mercado de ações teve um dia de turbulências. O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), caiu 1,62%, fechando o dia aos 100.460 pontos. O indicador operou em leve alta durante quase todo o dia, mas reverteu o movimento e despencou nas duas últimas horas de negociação.

Ações mais prejudicadas - As ações mais prejudicadas foram as de empresas do setor de carnes, afetadas pela divulgação de que um lote de frango congelado brasileiro estava contaminado com o novo coronavírus. O cenário internacional também afetou as negociações, com o índice Dow Jones, da bolsa de Nova York, caindo 0,29%.

Exterior - No exterior, a indefinição nas negociações sobre novos estímulos fiscais para a economia norte-americana. O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, disse à presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, que estava disposto a avançar com a ajuda contra a covid-19 em algumas áreas, mas não no financiamento eleitoral. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

 

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL I: Prazo para a suspensão da queima controlada de cana-de-açúcar no Paraná é adiado

desenvolvimento sustentavel I 14 08 2020O Instituto Água e Terra (IAT) prorrogou para esta segunda-feira (17/08) o prazo para suspensão da queima controlada como método para a despalha de cana-de-açúcar. O IAT é vinculado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo.

Decisão - A decisão foi publicada em Diário Oficial do Estado na quarta-feira (12/08) pela Portaria nº 225/2020, em substituição à 221/2020, publicada no dia 06 e que previa a suspensão imediata da atividade.

Ação - Assim, deve ser suspensa por 30 dias toda e qualquer ação de queimada controlada da cana-de-açúcar a partir do dia 17. A nova portaria cancela, ainda, os autos de infração lavrados no período do dia 06 a 17 de agosto.

Permissão - A queima é permitida dentro de um amplo acordo que existe com o órgão ambiental e o setor produtivo para evitar problemas como a presença de animais peçonhentos e a exposição ao perigo dos profissionais que lidam com o produto, pois as folhas são altamente cortantes. A atividade é admitida apenas em áreas não mecanizadas e que necessitam do corte manual.

Quadro climático - “A decisão de suspender pelo prazo de 30 dias a queima controlada foi tomada diante do quadro climático problemático que vivemos hoje, com a umidade relativa do ar muito baixa”, disse o presidente do IAT, Everton Luiz da Costa Souza.

Alegações - Entre as alegações do setor produtivo, está a necessidade de adequação para o que foi solicitado. “Sensibilizados com esse pedido, prorrogamos o prazo de vigência dessa portaria. Entendemos o prejuízo financeiro e o impacto social dessa medida, mas precisamos também nos preocupar com a saúde das pessoas e com o meio ambiente”, afirmou Souza.

Adequação - Segundo o presidente da Faep (Federação da Agricultura do Paraná), Ágide Meneguette, a mudança na data da medida permite que as usinas e produtores do Paraná possam se adequar, minimizando os impactos no campo.

Beneficiados - A nova portaria beneficia cerca de 30% dos produtores rurais do Estado que ainda precisam fazer a queima controlada da cana-de-açúcar para finalizar a colheita prevista para esse período e mobilizar equipamentos e pessoal.

Protocolo - “O protocolo firmado com o governo estadual está sendo cumprido rigorosamente pelo setor agroindustrial”, disse Meneguette. Ele explicou que a prática da queima é utilizada onde há colheita manual da cana-de-açúcar, o que atinge milhares de hectares e produtores rurais paranaenses. “As usinas precisam deste tempo de planejamento para encontrar alternativas, de modo que a produtividade seja mantida e estes trabalhados e suas famílias não sejam prejudicados”.

Portaria 221/2020 - A Portaria publicada no início deste mês e que passa a vigorar no próximo dia 17 visa a defesa da qualidade do ar e da vida e o combate a todas as formas de poluição, inclusive a atmosférica.

Soma de fatores - O documento levou em consideração uma soma de fatores, como a estiagem que o Estado vive atualmente, problemas respiratórios que podem ser causados pelas queimadas com o clima seco, e a baixa visibilidade nas estradas que é provocada pela fumaça.

Problemas respiratórios - “Problemas respiratórios podem ser graves neste momento de pandemia do coronavírus”, disse a gerente de Licenciamento Ambiental do IAT, Ivonete Chaves. “Outro problema que as queimadas podem acarretar com o clima seco é a grande intensidade de neblina nas estradas, especialmente à noite, podendo causar acidentes graves”, acrescentou.

Área - O Paraná tem cerca de 600 mil hectares de produção de cana-de-açúcar, a maioria à beira de estradas, e 21 usinas em atividade. A prática da queimada aumenta a concentração de material particulado no ar, conhecido como fuligem, podendo impactar na saúde do ser humano e nas condições de tráfego de rodovias. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Sedest

 

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL II: Programa desenvolverá ações para prevenção e controle de efeitos das mudanças climáticas

desenvolvimento sustentavel II 14 08 2020A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo assinou um convênio no valor de R$ 3,4 milhões com o Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar) para a implantação do programa Sinais da Natureza. O programa é uma proposta da pasta para o desenvolvimento de projetos e ações de prevenção e mitigação de controle dos efeitos das mudanças climáticas.

Programa - Entre outras ações, o recurso será destinado para a implantação do Programa Paranáclima que vai atender às diretrizes do Plano Nacional de Mudanças Climáticas e o compromisso firmado pelo Paraná com o Governo Federal para reduzir as emissões de gases efeitos estufas (GEE).

Pontapé inicial - Sobre a assinatura do convênio, o secretário estadual do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Marcio Nunes, destacou que a criação da secretaria, em 2019, foi o pontapé inicial para que o Paraná traçasse a trajetória para o crescimento sustentável. “O Paranáclima é fruto dessa visão do governo Ratinho Junior”, disse o secretário.

DNA - “Não foi apenas uma mudança de nome. Mudamos o DNA da Secretaria, e o Simepar é um desses eixos que veio fortalecer e somar no entendimento de que vivemos uma crise climática e só atingiremos nossas metas identificando os sinais que a natureza está nos enviando. O Paranáclima é um componente dentro do Programa Sinais da Natureza, que será construído por vários atores,a partir de levantamento de dados e interpretação de cada situação em particular”, explicou Nunes.

Diagnóstico - Charles Carneiro, engenheiro e coordenador de Projetos Sustentáveis da secretaria estadual, salienta que o programa vai diagnosticar as emergências climáticas do Paraná, dentro da gravidade do problema e da realidade do País. Segundo ele, com a sondagem e o levantamento de dados será possível fazer a diferenciação em termos de impacto, conforme vocação e adaptabilidade de cada região.

Estudo - “Com um estudo pormenorizado podemos identificar áreas de maior fragilidade e vocacionar melhor os programas desenvolvidos no nosso Estado. Essa é a missão do Paranáclima, que será formatado nesse contexto do Programa Sinais da Natureza, anunciado hoje”. Ele ressaltou que também vão propor ferramentas para sistematizar as informações coletadas, criando programas que estimulem a mitigação.

Rumo - O diretor-presidente do Simepar, Eduardo Alvim, disse que o Sinais da Natureza é um projeto que vai dar um rumo para o Estado com relação às mudanças climáticas. “A partir disso, será possível criar um plano com medidas regionalizadas, em conformidade com o Plano Nacional, fazer prognósticos e antecipar medidas mitigadoras e minimizar efeitos do aumento da temperatura, com um trabalho de curto, médio e longo prazo”,

Inspiração - Alvim falou que o nome Sinais da Natureza foi inspirado na seguinte frase do artista plástico paranaense Poty Lazzarotto: estou entendendo que o Simepar não pretende decifrar ou controlar a natureza, mas entender seus sinais, compreendê-la. O texto está estampado no mural do artista Tempo e a Vida, na sede do órgão.

Programas - O Programa Sinais da Natureza tem como objetivo a criação do Programa Paranáclima, discutido no segundo semestre de 2019. Um grupo de trabalho reuniu técnicos da Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, do Simepar e da Universidade Federal do Paraná para a elaboração do programa.

Componentes - Os primeiros estudos foram agrupados em dois componentes: atividades imediatas e atividades de longo prazo, voltadas à pesquisa e ao desenvolvimento do tema mudanças climáticas e impactos no setor produtivo. Foram subdividos em quatro módulos – Políticas Ambientais; Ações de Mitigação, Mapeamento e Estruturação do Plano Estadual.

Temáticas - Entre as temáticas relevantes a serem consideradas, embasarão o programa o monitoramento e inventário GEE; vigilância das atividades existentes; Selo Clima; ODS; Fórum Paranaense de Mudanças Climáticas; benefícios/reconhecimento a empreendedores e órgãos públicos envolvidos; plataforma de divulgação para cidades, empresas, indústrias e setor produtivo; sustentabilidade; biodiversidade; smartcity e componentes; mitigação; saúde ambiental e pesquisa & desenvolvimento. (Agência de Notícias do Paraná)

 

SAÚDE I: Brasil tem 1,2 mil novas mortes e 60 mil novos casos

O balanço diário do Ministério da Saúde sobre a pandemia do novo coronavírus, divulgado nesta quinta-feira (13/08), trouxe 1.262 mortes e 60.091 casos de covid-19 registrados nas últimas 24 horas pelas secretarias estaduais de saúde. Foi o terceiro dia desde o início da pandemia com maior número diário de novas pessoas infectadas. No dia 22 de julho, foram 67.860 casos e no dia 29 de julho, 69.074.

Soma - Com os números desta quinta, a soma de óbitos em função da pandemia chegou a 105.463. Na quarta-feira (12/08) o painel do ministério trazia 104.201. Ainda há 3.411 mortes em investigação. No boletim divulgado ontem, os dados por semana epidemiológica apontaram a manutenção da estabilidade nas mortes, com oscilação de 3% para baixo.

Acumulados - Já os casos acumulados totalizam 3.224.876. Ontem, o balanço do Ministério da Saúde marcava 3.164.785 pessoas infectadas desde o início da pandemia. De acordo com o boletim epidemiológico, a curva de casos também segue em estabilização, com oscilação de 3% para baixo na última semana epidemiológica.

Recuperadas - Até o momento, 2.356.640 pessoas se recuperaram da covid-19. Atualmente há 762.773 pacientes em acompanhamento.

Covid-19 nos estados - Os estados com mais mortes por covid-19 são: São Paulo (26.324), Rio de Janeiro (14.412), Ceará (8.088) e Pará (5.917). As Unidades da Federação com menos óbitos são Tocantins (493), Roraima (561), Mato Grosso do Sul (570), Acre (574) e Amapá (609).

Covid-19 no mundo - O Brasil lugar o segundo lugar no ranking de mortes e casos, perdendo apenas para os Estados Unidos, que teve 5.236.599 pessoas infectadas e 166.77 vítimas fatais até o momento conforme o mapa da Universidade Johns Hopkins, levantamento de referência mundial.

Proporção - Quando considerada a proporção populacional, o Brasil cai para a oitava posição na incidência da doença (casos por 1 milhão de habitantes) e cai para nona posição na mortalidade (óbitos por covid-19 por 1 milhão de habitantes), segundo dados mais atualizados do Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde anunciado nesta quinta-feira. (Agência Brasil)

saude I tabela 14 08 2020

SAÚDE II: Sesa confirma mais 60 mortes e 1.873 novos casos de coronavírus

saude II 14 08 2020A Secretaria de Estado da Saúde informa que o Paraná tem 98.559 casos confirmados de Covid-19 e 2.547 mortes em consequência da infecção até esta quinta-feira (13/08). O boletim confirma mais 1.873 diagnósticos positivos e 60 óbitos pelo novo coronavírus. Há ajustes nos casos confirmados detalhados ao final do texto.

Internados - São 1.095 pacientes internados com diagnóstico confirmado de Covid-19. Destes, 849 ocupam leitos SUS (410 em UTI e 439 em leitos clínicos/enfermaria) e 246 leitos da rede particular (103 em UTI e 143 em leitos clínicos/enfermaria).

Resultados - Há outros 1.102 pacientes internados, 489 em leitos UTI e 613 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo vírus Sars-CoV-2.

Óbitos - A secretaria estadual informa a morte de 60 pacientes. Todos estavam internados. São 21 mulheres e 39 homens com idades que variam de 20 a 97 anos. Um óbito ocorreu em junho, quatro em julho e os demais em agosto.

Residência - Os pacientes residiam em: Curitiba (16), Maringá (7), Arapongas (2), Campina Grande do Sul (2), Campo Largo (2), Colombo (2), Itaperuçu (2), Mandaguaçu (2), Paranaguá (2), Pinhais (2).

Uma morte - Além destes óbitos, uma morte foi registrada em cada um dos seguintes municípios: Astorga, Atalaia, Bandeirantes, Dois Vizinhos, Doutor Camargo, Fazenda Rio Grande, Iretama, Mandaguari, Nova Aurora, Nova Esperança, Nova Laranjeiras, Painçadu, Ponta Grossa, Rio Negro, Sabáudia, Santo Antônio da Platina, Santo Inácio, São Pedro do Ivaí, Telêmaco Borba, Tibagi e Toledo.

Fora do Paraná - O monitoramento da secretaria estadual registra 1.108 casos de pessoas que não moram no Estado. Destas, 29 morreram.

Ajustes - Alteração de município:

Um caso confirmado em 06/08 em Palmeira foi transferido para Ponta Grossa.

Um caso confirmado em 30/07 em Laranjeiras do Sul foi transferido para Nova Laranjeiras.

Um caso confirmado em 21/07 em Curitiba foi transferido para Colombo.

Um óbito confirmado em 03/08 em Campo Bonito foi transferido para Colíder (MT).

Um óbito confirmado em 10/08 em Palmeira foi transferido para Curitiba.

Um óbito confirmado no dia 11/08 em Apucarana foi transferido para Curitiba.

Exclusões - Um caso confirmado em 10/08 em Piraquara foi excluído por duplicidade de notificação.

Um caso confirmado em 08/08 em Nova Esperança foi excluído por duplicidade de notificação.

Um caso confirmado em 07/08 em Curitiba foi excluído por duplicidade de notificação.

Seis casos confirmados em 10/08 em Curitiba foram excluídos por duplicidade de notificação.

Um caso confirmado em 10/08 em Colombo foi excluído por duplicidade de notificação. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo.

 

SAÚDE III: ANS finaliza análise técnica e determina inclusão de teste sorológico no Rol de Procedimentos

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) decidiu incorporar de forma extraordinária ao Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde o teste sorológico para detectar a presença de anticorpos produzidos pelo organismo após exposição ao novo Coronavírus. A decisão da Diretoria Colegiada, nesta quinta-feira (13/08), foi tomada após a ANS concluir análise técnica das evidências científicas disponíveis e promover amplo debate sobre o tema com o setor regulado e a sociedade.

Validade - A medida passa a valer a partir desta sexta-feira (14/08), com a publicação da Resolução Normativa no Diário Oficial da União. O procedimento incorporado é a pesquisa de anticorpos IgG ou anticorpos totais, que passa a ser de cobertura obrigatória para os beneficiários de planos de saúde a partir do oitavo dia do início dos sintomas, nas segmentações ambulatorial, hospitalar e referência, conforme solicitação do médico assistente, quando preenchido um dos critérios do Grupo I e nenhum dos critérios do Grupo II destacados a seguir:

Grupo I (critérios de inclusão):

a) Pacientes com Síndrome Gripal (SG) ou Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) a partir do oitavo dia do início dos sintomas

b) Crianças ou adolescentes com quadro suspeito de Síndrome Multissistêmica Inflamatória pós-infecção pelo SARS-Cov2

Grupo II (critérios de exclusão):

a) RT-PCR prévio positivo para SARS-CoV-2

b) Pacientes que já tenham realizado o teste sorológico, com resultado positivo

c) Pacientes que tenham realizado o teste sorológico, com resultado negativo, há menos de 1 semana (exceto para os pacientes que se enquadrem no item b do Grupo I)

d) Testes rápidos

e) Pacientes cuja prescrição tem finalidade de rastreamento (screening), retorno ao trabalho, pré-operatório, controle de cura ou contato próximo/domiciliar com caso confirmado

f) Verificação de imunidade pós-vacinal

Descrição - Confira abaixo a descrição das condições que caracterizam Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave:

Síndrome Gripal (SG): Indivíduo com quadro respiratório agudo, caracterizado por pelo menos dois dos seguintes sinais e sintomas: febre (mesmo que referida), calafrios, dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza, distúrbios olfativos ou distúrbios gustativos. Em crianças: além dos itens anteriores considera-se também obstrução nasal, na ausência de outro diagnóstico específico. Em idosos: deve-se considerar também critérios específicos de agravamento como sincope, confusão mental, sonolência excessiva, irritabilidade e inapetência.

Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG): Indivíduo com SG que apresente: dispneia/desconforto respiratório OU pressão persistente no tórax OU saturação de O2 menor que 95% em ar ambiente OU coloração azulada dos lábios ou rosto. Em crianças: além dos itens anteriores, observar os batimentos de asa de nariz, cianose, tiragem intercostal, desidratação e inapetência.

Participação social - Em 24/07, a ANS promoveu uma audiência pública a fim de receber contribuições da sociedade civil e dos agentes regulados a respeito dos testes sorológicos. O evento contou com a participação de 146 pessoas representando diferentes categorias (sociedades médicas, órgãos de defesa do consumidor e entidades de ensino e pesquisa, setor regulado, entre outras), tendo sido contabilizadas, ainda, 1.750 visualizações na transmissão feita pelo canal da ANS no YouTube. As contribuições efetuadas na audiência pública ofereceram mais subsídios para a equipe técnica da ANS embasar sua tomada de decisão.

Inclusão - Finalizado esse amplo processo de discussão e análise técnica, a Agência concluiu pela inclusão da pesquisa de anticorpos IgG ou anticorpos totais, com Diretriz de Utilização (DUT).

Sobre os testes para diagnóstico da Covid-19 - Os testes sorológicos são aqueles que objetivam detectar a presença de anticorpos produzidos pelo organismo após exposição ao vírus e podem ser realizados por meio das técnicas de imunofluorescência, imunocromatografia, enzimaimunoensaio e quimioluminescência. Os diversos testes sorológicos existentes apresentam sensibilidade e especificidade diferentes, que podem apresentar alto percentual de resultados falsos negativos. Por isso é importante observar o início dos sintomas e o período adequado para indicação de cada teste, além de serem interpretados com cautela e considerando a condição clínica do paciente.

RT PCR - Já os testes que utilizam a metodologia RT PCR possuem a finalidade de identificar a presença do material genético do vírus. Neste tipo de teste, são utilizadas amostras de esfregaço nasal ou orofaríngeo, escarro ou líquido de lavagem broncoalveolar. O RT PCR é considerado padrão-ouro para diagnóstico laboratorial da Covid-19, e está incorporado ao Rol de Procedimentos da ANS desde 13/03.

Consolidação - A ANS reforça que, no que tange à incorporação de procedimentos para diagnóstico e manejo do paciente com Covid-19, o conhecimento da infecção pelo vírus ainda está em fase de consolidação e, à medida que novas evidências forem disponibilizadas, as tecnologias e orientações sobre seus usos poderão ser revistas. (ANS)

ARTIGO: O papel da instituição financeira cooperativa no desenvolvimento econômico e social das regiões

artigo 14 08 2020*Cesar Gioda Bochi

Enxergar a relevância de uma agência bancária ou de cooperativa para além dos produtos oferecidos por ela pode ser desafiador para a maioria das pessoas. No entanto, cresce a consciência de que por trás de agências, soluções, sistemas e aplicativos, há muitas instituições financeiras com papel social, geradoras de impactos nas regiões onde atuam. Em especial, o cooperativismo de crédito está bastante avançado nesse sentido, se caracterizando por propiciar um relacionamento mais próximo ao associado, que não é cliente, mas o próprio dono do negócio.

No Brasil, com 11 milhões de associados, o segmento tem crescido consistentemente, mas o espaço que ocupa no sistema financeiro ainda é pequeno, perto do seu potencial, como os números dos países desenvolvidos demonstram. Mesmo assim, o impacto gerado pela sua atuação na economia do país já é muito relevante e pode ser demonstrado por meio de dados oficiais. De um lado temos o ótimo trabalho feito pelo Banco Central em reunir informações sobre o avanço do cooperativismo de crédito pelo país e a própria Agenda BC#, que traz o segmento como um pilar importante para a inclusão financeira e consequentemente para o crescimento econômico. De outro, percebemos que as instituições financeiras que atuam nesse modelo estão muito mais empenhadas na produção de dados e estudos que possam demonstrar os benefícios da sua atuação.

As duas pesquisas anunciadas pelo Sicredi neste ano são um bom exemplo disso. Uma delas, de autoria da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), avaliou dados econômicos de todas as cidades brasileiras com e sem cooperativa de crédito entre 1994 e 2017 e cruzou informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), evidenciando que o cooperativismo de crédito incrementa o PIB per capita dos municípios em 5,6%, cria 6,2% mais vagas de trabalho formal e aumenta o número de estabelecimentos comerciais em 15,7%, estimulando o empreendedorismo local.

Outro estudo, conduzido a pedido do Sicredi pelo especialista em Microeconomia Aplicada e Desenvolvimento Econômico, Juliano Assunção, pesquisador do Departamento de Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), mostrou que o cooperativismo de crédito é um dos mecanismos mais eficazes para promover acesso aos serviços financeiros às pessoas em municípios menores, mais distantes e rurais do Brasil. Segundo o estudo, enquanto bancos tradicionais têm em média um limite mínimo de 8 mil habitantes para abrir uma agência, uma cooperativa de crédito tem capacidade de abertura em municípios a partir de 2,3 mil habitantes. A comparação em termos de renda também chamou atenção, apontando que as cooperativas conseguem operar em cidades com PIB a partir de R$ 79 milhões, enquanto para os bancos públicos é necessário um PIB mínimo R$ 146 milhões e para um banco privado, R$ 220 milhões.

A razão para esses resultados é a proximidade com os associados, como apontou a Fipe, tendo um diferencial importante na concessão de crédito, conhecendo a realidade de cada um para poder tanto aconselhar corretamente, quanto medir melhor os riscos. Além disso, a cooperativa coloca o associado no centro das decisões, de tal forma que ele participa ativamente dos rumos do negócio. Isso faz com que a abertura de uma agência em um local longínquo não passe apenas por um estudo de viabilidade financeira em que o resultado financeiro ao longo dos anos tem que ser maior que o custo de capital e o risco da operação. Havendo intenção da sociedade e não onerando os demais associados, uma agência cooperativa pode se concretizar. Essas características fazem com que elas sejam instaladas em locais mais distantes do que os alcançados pelos bancos privados, que são, normalmente, os que mais carecem de serviços financeiros.

No contexto atual de pandemia, olhando as regiões mais remotas e menores, é ainda mais evidente a importância das instituições financeiras, especialmente, das cooperativas de crédito. Os dados apresentados a partir de estudos do professor Juliano Assunção têm grande potencial para, além de mostrar os benefícios do modelo cooperativista, apoiar na organização de políticas públicas de apoio à população, por exemplo. A capilaridade da atuação das cooperativas de crédito, comprovada pelos estudos, é um instrumento valioso no que tange ao acesso ao sistema financeiro, na distribuição de benefícios e linhas de crédito.

Dessa forma, o movimento que visa ampliar a percepção da sociedade sobre as instituições financeiras cooperativas a partir da produção e análise de dados pode, muito mais do que ratificar o que já é dito e sentido pelas comunidades locais, contribuir cada vez mais com a resolução de desafios importantes da agenda econômica nacional como a inclusão e educação financeira e a geração de renda local. Nesse sentido, os estudos têm também o papel de comprovar cientificamente o que é sabido, fomentado e realizado há mais de um século pelas cooperativas de crédito no Brasil.

*Cesar Gioda Bochi é diretor executivo de Administração do Sicredi

 


Versão para impressão


RODAPE