Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4907 | 15 de Setembro de 2020

SISTEMA OCEPAR: Diretoria se reúne virtualmente para tratar assuntos de interesse do setor

 

Durante toda tarde da última sexta-feira (11/09), os integrantes da diretoria da Ocepar estiveram reunidos na 17ª reunião ordinária, quando foram abordados diversos temas de interesse do cooperativismo paranaense. A reunião foi coordenada pelo presidente José Roberto Ricken e com as presenças dos diretores, Alvaro Jabur, Clemente Renosto, Dilvo Grolli, Frans Borg, Jorge Hashimoto, Jorge Karl, José Aroldo Gallassini, Luiz Lourenço, Valter Pitol, Valter Vanzella, Wellington Ferreira, Wilson Cavina e Yuna Bastos.

 

Aprovações - Além da aprovação da ata da reunião anterior, foram aprovados pelo conselho o balancete e reformulação orçamentária de agosto de 2020 e registro de duas novas cooperativas: Coopon – Cooperativa Pontagrossense de Serviços de Transportes Rodoviários, de Ponta Grossa e a Cooperacom – Cooperativa de Comunicação e Desenvolvimento, com sede em Curitiba. 

 

Planejamento - Ricken também apresentou aos diretores as principais diretrizes e metas do Sistema Ocepar, com foco na relevância e essencialidade para as cooperativas representadas. Dentro dessas diretrizes está a formatação de um novo planejamento do cooperativismo paranaense – Plano Paraná Cooperativo 200 (PRC200). “Como já é do conhecimento de todos, neste ano de 2020 devemos atingir no sistema uma movimentação econômica acima de R$ 100 bilhões o que levamos a concluir o PRC100. Agora queremos planejar um novo ciclo para o sistema cooperativista, almejando também dobrar este atual faturamento, semelhante o que realizamos em 2015”, lembrou. O dirigente ressaltou que todo o trabalho de formatação deste novo planejamento será executado pela equipe interna do sistema e com uma consultoria externa como apoio. “Queremos tornar o Plano PRC200 um referencial para direcionar o crescimento das cooperativas, promovendo condições necessárias para que atinjam uma movimentação de R$ 200 bilhões até a próxima década. Planejar é uma tradição do sistema e vamos dar continuidade a esta forma de construímos o futuro”, lembrou. A proposta foi aprovada pelos diretores presentes. 

 

Reforma Tributária - Outro tema em destaque foi a Reforma Tributária. O dirigente fez um relato de todas as ações que já foram realizadas pelo Sistema Ocepar em conjunto com o Sistema OCB. Rogério Croscato, advogado e especialista no tema, detalhou os principais pontos das atuais propostas que estão sendo discutidas neste momento em Brasília e que o setor está atento a tudo aquilo que pode vir a prejudicar nossas cooperativas. “Realizamos uma ação, junto a OCB com as Frente Parlamentares do Cooperativismo (Frencoop) e da Agricultura (FPA) e diretamente com a Comissão Mista, onde o senador paranaense Oriovisto Guimarães integra”, frisou.

 

Pedágio - Outro assunto abordado na reunião foi com relação ao novo programa de concessão de rodovias paranaenses. Ricken fez um relato sobre as reuniões que foram realizados para debater o assunto junto com membros do G-7, grupo de entidades do setor produtivo e com os governos estadual e federal. “Precisamos ter uma posição assertiva sobre o tema, pois não podemos errar, até porque os contratos terão uma duração de 30 anos”. O dirigente lembrou que em 21 de novembro de 2021, será os últimos dias do atual contrato, portanto, 2020 será fundamental para apresentarmos nossa posição a respeito do tema”. Em outubro deste ano, serão realizadas as audiências públicas. No final de 2020 envio do edital para o Tribunal de Contas da União para validação. Fevereiro de 2021 publicação do edital e início de Road Shows Nacionais e Internacionais. Junho e Julho de 2021 realização de licitações das novas concessões.

 

Sescoop - O superintendente do Sescoop Paraná, Leonardo Boesche fez uma detalhada apresentação para a diretoria sobre o trabalho realizado pelo Sescoop/PR neste primeiro semestre de 2020 e todos os programas disponíveis às cooperativas paranaenses. 

 

{vsig}2020/noticias/09/15/reuniao_diretoria/{/vsig}

REUNIÃO INSTITUCIONAL: Sistema Ocepar se reúne com a diretoria da Cresol

 

O Sistema Ocepar se reuniu na manhã desta segunda-feira (14/09) com a Cresol – instituição financeira cooperativa com aproximadamente 600 mil cooperados e atuação em 17 estados brasileiros. “Esta é a primeira reunião institucional desde que a Cresol se filiou, há cerca de um ano”, destacou o coordenador de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, João Gogola Neto. O objetivo é apresentar os indicadores de desempenho que constam no Programa de Autogestão do Sistema Ocepar, com um comparativo com outras cooperativas do mesmo ramo e região. “A finalidade não é apenas apresentar números, mas entender a estratégia da cooperativa e identificar oportunidades”, disse Gogola Neto. 

 

Sescoop/PR - Nas reuniões institucionais também são apresentadas informações sobre o cenário econômico atual e perspectivas em relação ao PIB (Produto Interno Bruto), câmbio, taxa de juros, entre outros indicadores, bem como sobre os projetos finalísticos do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do Paraná (Sescoop/PR) abrangendo monitoramento, profissionalização e promoção social. “Apresentamos a estrutura do Sescoop/PR e mostramos o portfólio de projetos, como o Programa de Inovação, Compliance, Formação de Conselheiros, além de cursos,  treinamentos e ações de promoção social, como o Cooperjovem e ações voltadas a formação de lideranças femininas e de jovens”, conta a gerente de Desenvolvimento Cooperativo, Maria Emília Pereira Lima.

 

Oportunidades - “O momento é diferenciado. Temos grandes desafios. Ninguém imaginava que chegaríamos em setembro deste ano sem a possibilidade de trabalho presencial. Mas esta situação trouxe oportunidades, principalmente, em relação à utilização de ferramentas tecnológicas. Muitas soluções vieram para ficar”, afirmou o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken. 

 

Representação - O dirigente também falou sobre o trabalho de representação institucional que o Sistema Ocepar realiza, destacando conquistas como a derrubada de veto ao artigo 55 da Lei do Agro da Lei do Agro (Lei 13.986/2020), o que representa o reconhecimento ao ato cooperativo. “Neste período, também houve diversos contatos com o Ministério da Agricultura, Governo Estadual e agentes financeiros, para discutir os impactos da Covid-19 nos negócios das cooperativas e analisar possíveis soluções”, disse.

 

Avaliação positiva - “Nos sentimos bem contemplados nessa questão de representação institucional. O Sistema Ocepar tem uma dinâmica de trabalho muito boa. E a forma de apresentação na reunião de hoje, foi muito positiva”, afirmou o presidente da Cresol, Alzimiro Thomé. “Agradeço a maneira carinhosa e parceira com que o Sistema Ocepar trata a Cresol. Estamos há um pouco mais de um ano filiados ao sistema, mas a impressão é de que estamos juntos desde sempre. Isto dá uma segurança e uma tranquilidade. A gente, se somando, vai longe. Como é bom ter alguém pensando no ponto de vista macro. Esta carga saí e nós”, comentou o vice-presidente, Luiz Levi Tomacheski. Pela Cresol, também participaram o diretor superintendente, Adriano Michelon, o diretor administrativo, Adinan kielb, e o diretor executivo, Luiz Ademar Panzer. Pelo Sistema Ocepar, além do presidente José Roberto Ricken e do coordenador João Gogola Neto, participaram o superintendente do Sescoop/PR Leonardo Boesche, a gerente de Cooperativismo, Maria Emília Pereira Lima, além de analistas do Sescoop/PR e da Ocepar.

 

Perfil - A Cresol celebrou em junho deste ano 25 anos de fundação. O Sistema Cresol Baser possui mais de 210 mil famílias cooperadas e conta com agências de relacionamento em dez estados brasileiros: Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo, Goiás, Rondônia, São Paulo, Rio de Janeiro e Amazonas, e segue com expansão para novas áreas. Fazendo parte da Cresol Confederação, que abrange 17 estados e mais de 550 mil cooperados, a Cresol trabalha com foco no atendimento personalizado, fornecendo soluções financeiras para gerar desenvolvimento dos cooperados, de seus empreendimentos e de toda comunidade.

{vsig}2020/noticias/09/15/reuniao_institucional/{/vsig}

COMPLIANCE EXPERIENCE: Terceiro encontro vai debater cases de sucesso nas empresas brasileiras

 

É hoje (15/09) o terceiro encontro da série do Compliance Experience. O encontro vai mostrar cases de empresas brasileiras que estão avançando com programas de compliance, e com isso buscando geração de valor e sustentabilidade dos negócios. O Compliance Experience é uma iniciativa do Sistema Ocepar, executada por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR). O encontro será às 15h30, com transmissão pela TV Paraná Cooperativo, o  canal do Sistema Ocepar no Youtube. Clique aqui para acessar o evento.

 

Palestra - O encontro de hoje reúne Rogéria Gieremek, advogada, mestre em Direito, Chief Compliance Officer do Grupo Latam, embaixadora do Compliance Women Committee (CWC), presidente das Comissões de Compliance do Instituto dos Advogados de São Paulo e da Ordem dos Advogados do Brasil, Secção São Paulo. Ela vai abordar o tema “como o programa de compliance gera valor e sustentabilidade para as organizações”; e Christina Montenegro Bezerra, executiva de Jurídico, Ética & Compliance, com mais de 20 anos de experiência em diversas empresas nacionais e transnacionais na América Latina nos setores de varejo, saúde, farmacêutica e de serviços financeiros. Sócia da consultoria Compliance Partners Brasil. Bacharel em direito pela Universidade Federal do Paraná. O tema de sua palestra será: “como o compliance pode empoderar as pessoas e as organizações para tomarem melhores decisões”.

 

O padrão ISO 37001 - Na sequência, acontecerá um painel com o tema: “o padrão ISO 37001 e a evolução do programa de Compliance da Ceptis, com as participações de Isabela Bragança, advogada, especialista em Direito Público e em Direito da Administração Pública, com mestrado em Direito pela UGF/Veiga de Almeida do Rio de Janeiro. Atualmente responde pelo jurídico e Compliance da Ceptis e preside o Comitê de Integridade da Companhia. E Ruan Badu, engenheiro químico e especialista em qualidade total, auditor líder na ISO 9001, auditor interno nas normas ISO´s 14001, 37001 e 18001. Atualmente é coordenador de QSMS, qualidade, saúde, meio ambiente e segurança. Ouça aqui matéria de rádio sobre o assunto. 

 

compliance 15 09 2020

GETEC: Informe nº 44 apresenta expectativas de mercado sobre indicadores econômicos

 

getec destaque 15 09 2020A Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec) divulgou, nesta segunda-feira (14/09), mais uma edição do Informe Expectativas de Mercado, com base nas informações do Boletim Focus, do Banco Central (BC), levantadas com instituições financeiras sobre as projeções relativas à economia nacional, contemplando o Produto Interno Bruto (PIB), IPCA (Índice de Preços ao Consumidor), taxa Selic e câmbio para 2020, 2021 e 2022. 

 

Clique aqui para conferir o Informe Expectativas de Mercado Semanal

 

FORMAÇÃO: Encontro virtual vai enaltecer a presença feminina no cooperativismo

 

Acontece no próximo dia 25/09 o Encontro Virtual das Lideranças Femininas Cooperativistas, o Cooperlíder Feminino. Um tradicional evento do calendário de atividades do Sistema Ocepar, que pela primeira vez será online, em função da pandemia do novo coronavírus. A analista técnica do Sescoop/PR, Eliane Goulart Festa, detalha as atrações do Cooperlíder Feminino, a começar pela presença do poeta Bráulio Bessa. O Encontro Virtual das Lideranças Femininas Cooperativistas, o Cooperlíder Feminino, acontece no dia 25/09, uma sexta-feira, com transmissão pela TV Paraná Cooperativo, o canal do Sistema Ocepar no YouTube. Ele será de 13h30 às 16h30. O evento será aberto pelo Presidente da entidade, José Roberto Ricken. Ouça aqui

LIVE: Live Agro Brasil será na quinta-feira, dia 17, das 18h às 19h

 

O setor agropecuário se consolida como uma das principais alavancas da economia brasileira. Para discutir o novo ciclo de oportunidades e quais serão os fatores-chaves para transpor os desafios do segmento agro, será realizada na próxima quinta-feira (17/09), a Live Agro Brasil. O evento será aberto ao público com transmissão ao vivo no canal do Youtube da Falconi, das 18hs às 19hs. O link para inscrição é o https://conteudo.falconi.com/agro-brasil.  

 

Convidados - Para falar sobre o momento que o mundo atravessa, por conta da pandemia do novo coronavírus, e a  atuação do setor agropecuário nesse contexto, participam José Roberto Ricken, presidente do Sistema Ocepar e diretor da Organização das Cooperativas Brasileiras, Francisco Turra, presidente do Conselho Consultivo da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), o ex-ministro da Agricultura, Odilio Balbinotti, o CEO do Grupo ATTO Adriana Sementes, Jacyr Costa, o diretor-presidente da Tereos, bem como os sócios da Falconi, Alexandre Lunkes e Luiz Roberto Prates. 

 

live 15 09 2020

 

COCAMAR I: Jovem precisa ter atitude para ser protagonista

 

“O jovem cooperado tem a oportunidade de contar com a estrutura disponibilizada pela Cocamar. O cooperativismo é uma importante ferramenta, uma grande família”, comentou César Farias, um dos convidados da 10ª jornada do Ciclo de Debates Cocamar, promovido da noite de quinta-feira (10/09) pela cooperativa, que teve como tema Desafios do Jovem Gestor no Agronegócio. 

 

Convidados - Com a mediação do gerente de Cooperativismo, João Sadao, o evento reuniu, além de César e sua irmã Saile – sócios em uma empresa de fertilizantes organominerais no interior de São Paulo e também parceiros no perfil Jovens do Agro – o cooperado Igor Uehara, 27 anos, de Cianorte.  Os três são engenheiros agrônomos. 

 

Fazer um legado - “A nossa vida é persistência, tem que trabalhar muito. Os problemas que enfrentamos nos trazem maturidade. Ouvir nossos pais, pensar sempre no legado da família, eles construíram o patrimônio, os pais não são passado e sim presente”, enfatizou César. Sua fala foi completada por Saile, em afirmação dirigida a herdeiros, sucessores e estudantes: “Se a gente não agir, as coisas não acontecem. Do céu só cai a chuva, sejam protagonistas da vida de vocês, procurem ser líderes, empreendam dentro da propriedade, inovem, deixem o seu legado também. Precisa de atitude, pois sonhar grande ou sonhar pequeno dá o mesmo trabalho, o trabalho tudo vence e o mundo é de quem faz”. 

 

Incentivo - “Eu tenho uma família bem estruturada, um pai que incentiva, tudo o que eu tenho eu devo aos meus pais, à minha família. A minha história é comum, igual a de muitos outros sucessores que trabalham em família”, disse Igor, lembrando que desde pequeno acompanhava o pai em suas atividades. “Quando chegou a época da faculdade, aos 17 anos, eu escolhi o curso de agronomia. Ao me formar, comecei a trabalhar com meu pai na fazenda e, ao longo desses cinco anos, tenho me encontrado cada vez mais, tornando esse trabalho cada vez mais prezeroso. Espero que essa trajetória da minha vida permaneça por muito tempo. A gente tem muitas pedras pelo caminho, dúvidas, mas vai aprendendo e superando.” 

 

Cara e coragem - Saile contou que ela e o irmão herdaram o amor pelo mundo agro. O pai possuiu propriedade durante muito tempo, produzindo algodão e batata doce, mas não obteve sucesso. “A gente precisou empreender muito cedo, com a cara e a coragem mesmo, até conseguir fazer agronomia, estudamos na mesma sala e nos formamos em 2012, sempre tivemos esse perfil de empreender.”

 

Diferença - Igor discorreu sobre a diferença que vê entre sucessor e herdeiro. “Se o pai vem a faltar, ou perde a capacidade de gerir a fazenda, o herdeiro recebe no colo a empresa rural e se vê diante da decisão de continuar ou não. Já o sucessor é aquele que acompanha ao longo dos anos a trajetória da propriedade, então não chega da noite para o dia”. 

 

O patrimônio em risco - No seu caso, Igor faz gestão compartilhada da propriedade com o pai. Há cinco anos que trabalham juntos. “Uma empresa rural tem suas complexidades, há uma série de fatores específicos.” Se o herdeiro não estiver preparado para assumir, a fazenda começará a se degradar, vai passar por um arrendamento ou até ser vendida. Já o sucessor, se ele estiver acompanhando a propriedade ao longo do tempo, e sabe como funciona, conhece os funcionários e as estratégias, a passagem do bastão será menos tumultuada. 

 

Buscar espaço - Saile comentou que se o filho não encontrar seu espaço no negócio da família, o caminho é buscar um diálogo, começar com uma área pequena, tentar ser inovador; “Quando o resultado aparecem, as coisas fluem com naturalidade”.  

 

Não é fácil - Igor expôs que quando vai falar sobre sucessão para outras pessoas do agro, nem sempre é uma tarefa fácil. E quando se trata da própria família, se torna algo pessoal. “Se o jovem se define como produtor e quer continuar o legado da família, o maior desafio é achar o seu espaço, conquistar autoridade para ser ouvido pelo pai e começar a executar o trabalho.” 

 

Alinhar - O jovem cooperado de Cianorte observa:  não é porque se formou ou fez doutorado, mestrado, que vai ter espaço. “O sucessor precisa ter uma conversa com o pai, para alinhamento. É sempre uma conversa difícil. Precisa alinhar as coisas que gostaria de fazer ou que o pai espera dele. A maioria dos jovens entra desalinhada na propriedade e com isso não é ouvido, não se posiciona, não tem autoridade para dar continuidade ou aprimorar as coisas da propriedade.”  (Assessoria Cocamar)

 

{vsig}2020/noticias/09/15/cocamar_I/{/vsig}

 

COCAMAR II: Produtores avançam em agricultura de precisão

 

A histórica geada negra de 1975, que destruiu os cafezais, foi o fim da linha para muitos produtores paranaenses que, da noite para o dia, se viram sem perspectivas de permanecer no campo. Para outros tantos, porém, a intempérie representou o inverso: o despertar de um novo tempo. Foi o que aconteceu com a família Perrucci, de Cambé (PR). Sem o café, eles seguiram a tendência de converter as terras para as culturas mecanizadas de grãos. 

 

Aprender tudo - O início foi um grande desafio: a tecnologia e os maquinários eram incipientes, mas isso não desanimou o pessoal que, para lidar com a lavoura, teve que aprender praticamente tudo.  

 

Soja e milho - Quarenta e cinco anos depois, a cafeicultura é apenas uma lembrança para a família, que prospera com a moderna produção de soja e milho. Detalhe: os Perrucci não abrem mão de trabalhar com as mais recentes tecnologias e estão avançando em agricultura de precisão. E quando se fala em máquinas, a preferência deles é pela marca John Deere: são 3 tratores, 2 plantadeiras e 2 colheitadeiras – a última delas adquirida em meados deste ano.  

 

Terras próprias e arrendadas - Os dois irmãos, Antonio e Walmir, mais o primo José Donizete, são apoiados pelos jovens Luiz Felipe e Fernando, filhos respectivamente do primeiro e do terceiro. Juntos eles cultivam 672,7 hectares, dos quais 266,2 em sistema de arrendamento. 

 

Comodidade - Antonio se recorda que as primeiras máquinas eram SLC – que precedeu a John Deere no país. “Naquele tempo as cabines eram abertas, não tinha conforto”, conta, mostrando que hoje eles trabalham comodamente em cabine climatizada, repleta de recursos sofisticados. Se a colheitadeira mais antiga, uma STS 9650, ano 2009, já era a queridinha da família pelo bom desempenho, a nova, uma 5760 tirada neste ano de 2020, permite a elaboração de detalhados mapas de produtividade. 

 

Corrigir as manchas - O investimento vale a pena, afirma Antonio. “Estamos começando agora em agricultura de precisão e vamos poder corrigir as manchas do solo”, explica o produtor, lembrando que pelo sistema anterior, o equipamento era regulado para fazer o mesmo padrão de aplicação de fertilizante em todo o talhão. Agora, isto será feito mancha por mancha, aplicando os fertilizantes de acordo com as reais necessidades. 

 

Facilidade - “É tudo ainda muito novo pra nós”, comenta Fernando, a respeito da agricultura de precisão. Segundo ele, está sendo possível medir de uma maneira melhor as zonas de produção, de acordo com as variações de produtividade da lavoura. Antigamente, lembra, tudo era tratado como se fosse um talhão único. “A operação é muito fácil, o monitor conversa o tempo todo com você. Estamos dando um grande passo em modernidade.”

 

Ferramenta - Elizeu Santos, gerente corporativo de Agricultura de Precisão da concessionária Cocamar John Deere, explica que nesse processo de investigar a variabilidade do solo, o mapa de produtividade é a ferramenta mais apurada e precisa. 

 

Sensores - Santos detalha que as máquinas constroem os mapas de produtividade utilizando vários sensores. Um deles mede o volume de massa, um outro o teor de umidade e, o terceiro, as impurezas. Até então, para obter uma avaliação mais completa, o operador tinha que registrar na máquina o peso do grão, mas geralmente não fazia isso. 

 

Faz tudo sozinha - A colheitadeira recentemente adquirida pelos Perrucci possui um quarto sensor, de peso, tirando do operador a obrigação de informar o equipamento toda vez que o mesmo muda de talhão e de variedade. “A máquina faz tudo sozinha. Ela gera um mapa com muito mais precisão, lembrando que nesse processo de entender as manchas e a variabilidade do talhão, essa informação é vital”, diz Santos.  

 

Parâmetros - Ele observa ainda que a principal informação trazida pela nova máquina é o conhecimento mais minucioso do talhão, pois há uma série de outros parâmetros que vão ajudar a investigar o mesmo. “Tudo fecha no mapa de produtividade construído com base no sensor mais real, que é a raiz da planta. A planta revela através do mapa onde há problema e também onde há uma boa produtividade.” Segundo Santos, ao contar com um calibrador de peso, a máquina vai dar a certeza de que o mapa reflete a variabilidade, o retrato do talhão na sua totalidade. 

 

Segurança - Assim, ao ter em mãos uma radiografia exata do que está acontecendo na lavoura, o produtor se sente mais seguro, principalmente o que está começando ou praticando a forma de gestão através da agricultura de precisão. “Ele tem muito mais visão do que está acontecendo ali. E vai economizar, porque o princípio da agricultura de precisão é o insumo certo no lugar certo. Alguns lugares vai colocar mais, em outros, menos”, finaliza. (Assessoria Cocamar) 

 

{vsig}2020/noticias/09/15/cocamar_II/{/vsig}

 

SICREDI UNIÃO: Cooperativa de crédito inaugura agência modelo em Londrina

 

A cooperativa de crédito Sicredi União PR/SP completa 35 anos no próximo dia 25 de setembro e vai comemorar a data inaugurando uma agência modelo, com conceito inédito no país, e a cidade escolhida foi Londrina (Norte do Paraná). A comemoração será dupla. Além do ineditismo do modelo e do conceito, esta será a 110ª agência da Sicredi União e, com ela, todas as metas do ciclo de planejamento estratégico da cooperativa serão atingidas.  A inauguração da agência Ayrton Senna será no dia 25, às 20 horas, com transmissão on-line, pelo canal da Sicredi União PR/SP no YouTube.

 

Novo conceito - O novo endereço, na avenida Ayrton Senna (na gleba Palhano), traz um conceito diferenciado de atendimento oferecido por instituições financeiras, inspirado em modelos encontrados na Alemanha, França, Inglaterra e China e completamente diferente dos modelos brasileiros.

 

Conecta - Com cerca de 768 metros quadrados, o espaço é denominado Conecta, nome que vem ao encontro do que a diretoria da cooperativa de crédito buscava quando iniciou o projeto. "Nosso objetivo era trazer uma nova experiência aos cooperados quando pensassem em ir a uma agência. Queremos que ele se sinta indo ao encontro de momentos interessantes, onde poderá fazer bons negócios, encontrar amigos, tomar um café, obter informações e até mesmo trabalhar no espaço”, comenta o presidente da cooperativa, Wellington  Ferreira.

 

Diferenciais - Para proporcionar essa nova experiência à comunidade – e não só aos associados - a agência tem um projeto arquitetônico diferenciado e oferece outros serviços além dos financeiros. Logo ao chegar ao Espaço Conecta, o associado ou não encontrará uma loja Carrinho Cheio, onde poderá adquirir produtos de conveniência sem ter que abrir a carteira. Ele usará apenas o aplicativo do seu celular para escanear as mercadorias que quiser e finalizar a compra pelo próprio telefone. Na loja não haverá vendedor.

 

Experiências- Mais à frente, terá uma cafeteria – a Casa Taste, do grupo Apetit. E ao lado, mais um ambiente, com estante com pé direito duplo, onde sempre terá à venda produtos de associados e que funcionará na base da confiança. Ou seja, pegou, pagou, sem que haja interferência de vendedores. O pagamento será feito por meio de cartão de crédito ou débito, utilizando maquininha Sicredi.

 

Smart - No fundo, estará a agência ,que funcionará no modelo Smart, com equipe gerencial para orientar negócios e investimentos e prestar todas as informações que o associado precisar. O gerente Renan Henrique Boareto de Almeida observa que o primeiro objetivo da agência é que as pessoas tenham uma nova experiência com instituição financeira e que, segundo ele, será o modelo do futuro. “Não teremos caixa físico ou eletrônico na agência. O modelo é 100% smart”, comenta.

 

Tecnologia - Outro espaço que traz o DNA da inovação é a Sala de Reuniões, equipada com tecnologia que proporciona a realização de reuniões on-line,  lives e ainda jogos eletrônicos, para momentos de descontração.“Tudo na agência foi pensado para fortalecer conexões entre associados e cooperativa, para criar pontos dentro da comunidade e apoiar as transformações locais”, destaca  o gerente Renan de Almeida. Ele informa que a escolha do bairro em Londrina se deve à forte migração de empresas e serviços para aquela região, além de uma grande concentração de equipamentos de lazer, gastronomia e entretenimento. 

 

Parceiros - O Carrinho Cheio e Casa Taste são os parceiros da Sicredi União PR/SP. A Casa Taste é um novo modelo de negócio da empresa Apetit, de refeições corporativas. “Para nós é um novo segmento que começa a surgir no varejo e que vem de nossa experiência de atender refeições corporativas. Fomos montando a Casa Taste num “conceito in”,  aprendendo como faz esse atendimento e a partir daí montamos a Casa Taste para o varejo”, explica o diretor executivo da empresa, Sérgio Freitas. Esta será a segunda Casa em Londrina. “Trazemos um modelo disruptivo, num conceito de aconchego, numa work station, onde se pode tomar um café e um lanche, e trabalhar ao mesmo tempo”, complementa.

 

Case  Para o Carrinho Cheio, também é a primeira experiência de parceria com uma instituição financeira. A empresa de varejo, com base em tecnologia (retailtech) nasceu em Londrina, como formato de delivery e evoluiu para lojas físicas autônomas, ou seja, sem vendedores e caixas para cobrança. Hoje, a Carrinho Cheio é a única loja nesse modelo em Londrina, com uma unidade 100% autônoma no espaço Carba Mall, próximo ao Catuaí, e agora com essa nova unidade no espaço Conecta. “Essa parceria está sendo muito legal e inesperada. A Sicredi abriu esse espaço para nós e vamos trabalhar muito para que seja um case de sucesso”, comenta o empresário Felipe Scarinci Lanza.

 

Arquitetura e integração Neste projeto da agência Ayrton Senna, a arquitetura foi uma grande aliada para que a Sicredi União atingisse o objetivo de oferecer à comunidade um espaço integrado, onde os associados pudessem ter uma nova experiência quando o assunto for “ir ao banco”. A arquiteta responsável pelo projeto, Vanessa Shirakura Rodrigues, explica que os diferenciais da obra proporcionam essa experiência aos associados. “Não temos portas giratórias, os espaços são bem integrados, tem uma permeabilidade visual. A ideia foi fazer uma reinterpretação de agência e fizemos isso pela arquitetura”, explica.

 

Conexões - A flexibilidade do projeto permitiu criar novas conexões. Assim, sócios e não sócios da agência podem usufruir do espaço, seja para tomar um café, ler um livro, trabalhar, se reunir com um cliente. A agência em si fica nos fundos, com atendimento mais reservado quando necessário, pois o objetivo é que o associado possa ser atendido em qualquer espaço.

 

Contemporâneo - Outro diferencial do projeto são as tubulações aparentes, deixando o ambiente mais contemporâneo. Foram utilizados jardim vertical e muxarabi de madeira, dando mais conforto ao espaço.   “Projetamos também salas para a comunidade, onde poderão ser realizadas palestras, exposições de arte, reuniões e eventos em geral. Uma das salas tem linguagem mais descontraída, com arquibancadas, pufs e um fechamento em vidro deslizante que permite integrá-la ao mezanino e ser utilizada para eventos maiores”, informa a arquiteta.Ela também aponta como ponto marcante da obra a estante com pé direito duplo, onde serão expostos para venda, de forma itinerante, produtos de parceiros da cooperativa.  (Assessoria Sicredi União)

 

{vsig}2020/noticias/09/15/sicredi_uniao/{/vsig}

 

SHOW RURAL: Edição de Inverno dá norte para a produtividade e qualidade do trigo

 

A edição de inverno do Show Rural Coopavel passa a ser um norte à produtividade e à qualidade do trigo no Brasil para as safras de 2020 a 2025. Essa é a síntese da fala do presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, sobre o evento inaugural específico às culturas de inverno realizado  de 8 a 11 de setembro, em Cascavel, no oeste do Paraná.

 

Sucesso - A etapa presencial confirmou o sucesso de um evento basicamente criado para as plataformas digitais. “Tivemos um grande público tanto nas redes sociais como aqui, no nosso parque tecnológico. São agricultores de vários lugares que buscam o melhor da informação para produzir mais e melhor”, segundo Grolli. “Sem dúvida, esse é o maior evento às culturas de inverno já realizado nos 50 anos da cooperativa.”

 

Variedades  - Vinte e três variedades de trigo foram apresentadas e pelo menos dez delas já alcançam índices de produtividade superior a cem sacas por hectare. Isso significa 40% a mais do que existe de melhor em produção atualmente. “A tecnologia é uma grande aliada e traz novidades interessantes para o trigo que farão dela uma grande commodity brasileira”, disse o presidente da Coopavel.

 

Participantes - O evento inaugural da edição de inverno contou com a participação de 15 empresas, que apresentaram o melhor do resultado de suas pesquisas às culturas adaptadas para os meses de temperaturas baixas. Além do trigo, os produtores rurais encontraram informações especializadas sobre aveia, azevém, centeio, triticale, plantas de cobertura e pastagens. 

 

Show Rural  - Grolli também confirmou, durante a edição de inverno, a realização do 33º Show Rural Coopavel, agendado para 1º a 5 de fevereiro de 2021. A novidade é que será um evento híbrido, presencial e também para plataformas digitais. (Assessoria Coopavel)

 

{vsig}2020/noticias/09/15/show_rural/{/vsig}

COPROSSEL: 29 anos gerando riqueza e desenvolvimento

coprossel 15 09 2020Diante dos desafios propostos para 2020, o agronegócio mais uma vez mostrou sua força. O setor que é essencial para evitar o desabastecimento de alimentos no país durante a pandemia não parou. Foi também o único setor a registrar alta no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro no 1º trimestre (IBGE). Com forte atuação no agronegócio regional, a Coprossel (Cooperativa de Produtores de Sementes) tem fortalecido suas raízes, tendo em sua base a cooperação. Hoje, a Coprossel é a soma de mais de mil cooperados, 250 colaboradores em 15 unidades. A cooperativa completou 29 anos no dia 11 de setembro. O diretor vice-presidente da Coprossel, Célio Bechi Dapont, diz que a finalidade principal da cooperativa é o desenvolvimento econômico e o bem-estar da sociedade e das famílias, agregando valor à produção agrícola. Ouça aqui

 

 

 

COOPTUR: Márcio Miranda fala sobre a retomada do setor turístico

 

cooptur 15 09 2020Os Governos Federal e Estadual têm adotado uma série de medidas para auxiliar os empresários do setor de turismo, um dos mais atingidos pela pandemia do coronavírus. De planos de retomada, protocolos de saúde, criação de selos de responsabilidade e disponibilização de linhas de crédito, tudo é bem-vindo, diz Márcio Canto Miranda, vice-presidente e diretor-executivo da Cooptur (Cooperativa de Turismo de Carambeí). Márcio faz apenas algumas ressalvas importantes. Ouça aqui

 

 

COPACOL: Manutenção e manuseio correto dos equipamentos evitar casos de emergência/sinistros

 

copacol 15 09 2020A manutenção básica dos equipamentos, como realização de limpeza e revisão das máquinas, equipamentos e acessórios no sistema de funcionamento da granja, é essencial para evitar a ocorrência de sinistros e não comprometer o desempenho do lote. O momento climático atual de muita seca e de altas temperaturas exige mais atenção de todos e, na avicultura os cuidados devem ser redobrados, pois o bom desenvolvimento do frango depende muito da ambiência da granja. 

 

Orientação - A Copacol, através de toda a sua equipe técnica, orienta os produtores sobre esses cuidados diários, principalmente nesta época do ano, como explica Amanda Carmem Charalo, médica veterinária da Copacol de Formosa do Oeste. “Nós reforçamos aos produtores os cuidados básicos para manutenção de boa ambiência e mínimas variações de clima dentro do galpão. Os manejos básicos - envolvendo temperatura, umidade e ventilação - recomendados pela equipe técnica auxiliam no bom desempenho do lote, evitando, consequentemente, possíveis sinistros”, alerta Amanda.

 

Correias - Entre as várias orientações para manutenção de equipamentos que podem evitar perdas nos lotes, está a substituição de correias de exaustores, por exemplo. Elas precisam ser trocadas a cada cinco lotes, afinal os exaustores são mais eficientes quando as condições das correias são boas. “Vale lembrar também que periodicamente deve-se realizar o aperto dessas, pois mesmo novas precisam ser revisadas. Quando necessitar de troca utilizar a correia dentada que aumenta a tração dos exaustores e consequentemente aumenta a extração de ar, melhorando a ventilação”, destaca a veterinária.

 

Cautela - É importante lembrar que a umidade relativa aumenta a sensação térmica, por isso é importante ter cautela na utilização de placas e nebulizadores, não utilizando esses equipamentos a partir de 80% de umidade. Com esses manejos básicos conseguimos aproveitar melhor os equipamentos de climatização do aviário, melhorando a ambiência e o desempenho das aves. (Assessoria Copacol)

COVID-19: Paraná tem mais 638 infecções e 30 mortes

 

covid 15 09 2020A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta segunda-feira (14/09) mais 638 diagnósticos positivos e 30 mortes causadas pela Covid-19. Os dados acumulados do monitoramento mostram que o Paraná soma 153.176 casos e 3.813 óbitos em decorrência da infecção pelo novo coronavírus. Há ajustes de casos confirmados detalhados ao final do texto. Informe relata que 1.091 pacientes com diagnóstico confirmado estão internados nesta segunda-feira. São 907 pacientes em leitos SUS (412 em UTI e 495 em enfermaria) e 184 em leitos da rede particular (68 em UTI e 116 em enfermaria). Há outros 1.119 pacientes internados, 514 em leitos UTI e 605 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo vírus Sars-CoV-2.

 

Óbitos - A Secretaria de Estado da Saúde informa, ainda, que os 30 pacientes que foram a óbito, relatados neste informe, estavam internados. São 12 mulheres e 18 homens, com idades que variam de 19 a 91 anos. Um óbito ocorreu no dia 7 de agosto, os demais pacientes faleceram entre 4 e 14 de setembro. Os pacientes que faleceram residiam em Curitiba (4), Londrina (4), Colombo (2), Ibiporã (2), Ponta Grossa (2). A Secretaria confirma também um óbito em cada um dos municípios de Almirante Tamandaré, Apucarana, Assis Chateubriand, Bandeirantes, Faxinal, Fazenda Rio Grande, Formosa do Oeste, Foz do Iguaçu, Mandaguari, Marumbi, Nova Aurora, Quitandinha, Santa Mariana, Santa Terezinha de Itaipu, São José dos Pinhais e Telêmaco Borba.

 

Fora do Paraná - O monitoramento da Saúde registra 1.644 casos de residentes de fora, sendo que 40 pessoas foram a óbito.

 

AJUSTES

Alteração de município

Um caso confirmado no dia 31/08 em Londrina foi transferido para Nova Aurora

Um caso confirmado no dia 26/08 em Sertanópolis foi transferido para Londrina

Um óbito confirmado no dia 19/08 em Curitiba (mulher, 92 nos) foi transferido para Paranaguá.

 

Confira o informe completo clicando AQUI

 


Versão para impressão


RODAPE