Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4942 | 05 de Novembro de 2020

SISTEMA OCEPAR: Ricken concede entrevista para Rádio CBN Curitiba

sistema ocepar destaque 05 11 2020Planejamento estratégico do cooperativismo paranaense (PRC200), derrubada do veto presidencial à desoneração da folha de pagamento e Encontro Estadual de Cooperativistas foram os temas abordados, durante entrevista concedida pelo presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, na manhã desta quinta-feira (05/11), para a Rádio CBN Curitiba. Ricken detalhou sobre o papel desenvolvido pelas 221 cooperativas filiadas ao Sistema Ocepar e que atuam em sete segmentos diferentes. Já com relação ao planejamento, explicou que neste ano está sendo discutida a formatação de novas estratégias para a próxima década. O dirigente também destacou que o setor cooperativista, mesmo neste período de pandemia, continuou produzindo, trabalhando dentro de todas as recomendações e protocolos.

Veto - Sobre a derrubada do veto à desoneração da folha de pagamento pelo Congresso Nacional ocorrido nesta quarta-feira (04/11), ele ressaltou ter sido uma decisão muito importante para dezessete setores da economia. “Algo necessário para que esses setores continuem gerar emprego. Somente no setor cooperativista paranaense a continuidade deste sistema possibilita a geração de mais 3 mil postos de trabalho”. 

Encontro Estadual- Na entrevista o presidente do Sistema Ocepar falou da realização do Encontro Estadual de Cooperativistas, que acontecerá de forma digital neste ano, no dia 4 de dezembro. “Um evento tradicional, onde reunimos mais de 2 mil lideranças cooperativistas todos os anos. Mas, agora, com a pandemia, será tudo de forma virtual, com transmissão pela TV Paraná Cooperativo e também pelo Canal Rural para que mais pessoas possam acompanhar as conquistas do setor neste ano de 2020”, lembrou.

Clique aqui para conferir na íntegra a entrevista

 

COVID-19: Confira o comunicado 150 do Comitê de Acompanhamento

covid 19 destaque 05 11 2020A derrubada do veto sobre a desoneração da folha de pagamentos para 17 setores da economia, ocorrida nesta quarta-feira (04/11), no Congresso Nacional, é um dos destaques do comunicado 150, emitido na manhã desta quinta-feira (05/11) pelo Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar. O boletim informa ainda sobre a participação da entidade em diversas reuniões de interesse do setor. Confira abaixo.

1. No dia 4 de novembro, o Congresso Nacional derrubou o Veto 26/2020, da Presidência da República, da desoneração da folha de pagamentos para 17 setores da setores da economia até o fim de 2021, no cooperativismo o principal setor que será beneficiado é o de proteína animal.

2. O Sistema Ocepar, no dia 4 de novembro, em conjunto com o Sistema OCB, realizou duas reuniões virtuais com representantes da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), para avaliar o descompasso no balanço de oferta e demanda de milho e soja, com as cooperativas agropecuárias do Paraná.

3. No dia 4 de novembro, o Sistema Ocepar, participou da reunião organizada pelo GT Ferrovias, com objetivo de apresentar o plano estadual ferroviário e a proposta da nova Ferroeste.

4. O Sistema Ocepar, no dia 4 de novembro, realizou de forma virtual, Reunião da Autogestão com a cooperativa Cooptur, com a participação do corpo diretivo e gestores.

5. As Organizações Estaduais da Região Sul, Sistema Ocepar, Sistema Ocesc e Sistema Ocergas, realizaram em conjunto a 1ª Webinar para os profissionais de auditoria interna do ramo agropecuário, com objetivo de discutir gestão de riscos e controles internos em tempos de crise.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa). Desde que o trabalho remoto foi adotado pela instituição, em 20 de março, os integrantes se reúnem diariamente, por meio de videoconferência, para analisar cenários e discutir o andamento das atividades visando atender as demandas das cooperativas. O Comitê tem ainda divulgado os comunicados para informar as principais ações de interesse do cooperativismo paranaense que estão sendo executadas pelo Sistema Ocepar nesse período de pandemia.

 

LEGISLATIVO: Congresso derruba veto da desoneração

legislativo 05 11 2020O Congresso Nacional derrubou, nesta quarta-feira (04/11), o Veto 26/2020, da Presidência da República, à prorrogação da desoneração da folha de pagamentos até o fim de 2021 para 17 setores da economia. A matéria segue agora para publicação no Diário Oficial da União.

Mobilização - A OCB e Frencoop (Frente Parlamentar do Cooperativismo), que estiveram mobilizadas desde o início da tramitação da matéria, comemoram a importante conquista para o país, em virtude do seu grande impacto para a competitividade da produção brasileira e para a manutenção de milhares de empregos nas cooperativas.

Placar - Na Câmara, o veto foi derrubado por 430 deputados, enquanto que, no Senado, 64 parlamentares apoiaram a suspensão da decisão presidencial. Assim, a política de desoneração, com alcance a 17 setores da economia, fica prorrogada até o fim de 2021.

Prazo - Pela legislação, a promulgação da matéria deve ser feita pelo Presidente da República em até 48 horas ou, na omissão deste, pelo presidente ou vice-presidente do Senado, em igual prazo. (OCB)

FOTO: Jefferson Rudy / Agência Senado

 

LIVE: Segundo evento com adidos agrícolas terá palestra com o professor do Insper, Marcos Jank

 

O professor do Insper Instituto de Ensino e Pesquisa, Marcos Jank, é o palestrante convidado da segunda live com adidos agrícolas que será realizada no dia 12 de novembro, com o propósito de debater as oportunidades existentes no mercado internacional para as cooperativas e para o agronegócio brasileiro. Haverá a participação dos adidos lotados na China, Japão, Índia, Indonésia e Coreia do Sul. O primeiro evento ocorreu no dia 27 de outubro, com profissionais que atuam na União Europeia, Estados Unidos, Arábia Saudita e África do Sul, incluindo a participação do professor da USP e da FGV, Marcos Fava Neves.

 

Transmissão ao vivo – A live será transmitida ao vivo pelo canal do Sistema Ocepar no Youtube, pela TV Paraná Cooperativo, e contará com as presenças dos presidentes dos Sistemas Ocepar e OCB, José Roberto Ricken e Márcio Lopes de Freitas, respectivamente, da Fetaep, Marcos Brambilla, do diretor da Faep, Luiz Eliezer Ferreira, e dos secretários de Estado da Agricultura, Norberto Ortigara, e de Desenvolvimento Sustentável e Turismo, Márcio Nunes, representando as entidades promotoras dos eventos.

 

Atribuições – Segundo o Ministério da Agricultura, atualmente o Brasil conta com 24 adidos agrícolas ativos lotados em 22 países, sendo que Pequim e Bruxelas possuem dois adidos. Uma vaga em Genebra, na Suíça, encontra-se em aberto e deverá ser preenchida ainda este ano. Eles desempenham missões permanentes de assessoramento junto às representações diplomáticas brasileiras no exterior e têm o papel de identificar oportunidades, desafios e possibilidades de comércio, investimentos e cooperação para o agronegócio brasileiro.

 

Clique aqui para conferir como foi a live do dia 27 de outubro

 

live folder 05 11 2020

REUNIÃO INSTITUCIONAL: Cooptur recepciona profissionais do Sistema Ocepar em encontro virtual

No final da manhã desta quarta-feira (04/11), a Cooperativa Paranaense de Turismo (Cooptur), com sede em Carambeí, no centro-sul do Paraná, sob a liderança de seu presidente Dick Carlos de Geus, com a participação do secretário Márcio Canto de Miranda,  entre outros, recepcionou profissionais do Sistema Ocepar na reunião institucional, a 93ª na modalidade virtual. Durante o encontro, que durou cerca de duas horas, foi apresentada a situação econômico-financeira da cooperativa, por meio de indicadores e comparativos com outras cooperativas paranaenses do mesmo ramo e região. O monitoramento visa manter a qualidade da gestão, a credibilidade perante terceiros, a transparência perante o quadro social e, principalmente, a solidificação do sistema cooperativista. Também foi feito o relato das ações da entidade em prol do cooperativismo neste período de quarentena, indicadores do sistema, bem como das atividades finalísticas do Sescoop/PR.

Momento – Ao abrir a reunião, o coordenador de Monitoramento da Gecoop, João Gogola Neto, lembrou que, com a determinação do isolamento social pelas autoridades sanitárias, a Executiva do Sistema Ocepar decidiu que o plano de metas estabelecido no final de 2019 teria de ser cumprido, mas na modalidade virtual. Segundo ele, a substituição do formato da reunião proporcionou ganhos para todos, por permitir agendar mais compromissos em um mesmo dia e em regiões diferentes, além de poder contar com número maior de profissionais da entidade. “Nesta reunião, por exemplo, contamos com a participação de uma equipe multidisciplinar para cumprir a pauta da reunião, além de ouvir as demandas da cooperativa e buscar respostas para elas”, disse, ao considerar que, apesar de a pandemia ter impactado muito forte o faturamento da Cooptur neste ano. “constata-se que ela está estruturada para superar esse momento e aproveitar a tendência de retomada do setor de turismo no final do ano e em 2021.”

Sintonia – A gerente de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, Maria Emília Pereira Lima, agradeceu a atenção da diretoria da Cooptur na atualização das informações para alimentar o Programa de Autogestão e, assim, poder elaborar os indicadores da cooperativa apresentados no encontro. E reforçou o propósito do Sistema Ocepar, de estar cada vez mais próximo das cooperativas. “Portanto, que esta reunião sirva também para ouvir as demandas de vocês, de unir esforços em benefício do desenvolvimento da cooperativa. Por isso, contem com a nossa equipe, com o nosso trabalho”, enfatizou.

Luz – O secretário da Cooptur, Marcio Miranda, após relatar que o ano foi muito difícil, pois o setor de turismo foi um dos mais afetados pelas restrições sanitárias impostas pela pandemia da Covid-19, a ponto de a última nota de serviço ter sido emitida em março, ao final da exposição dos indicadores, mostrou-se até aliviado. “Os números não são tão ruins. E refletem a nossa estratégia de, em 2019, redefinir o caixa para trabalhar com mais tranquilidade. E começamos 2020 com as melhores expectativas, mas veio a pandemia e parou tudo. Então, tomamos a decisão de suportar até o final do ano. Mas desde setembro já há uma retomada para os empreendedores de turismo, as pessoas voltaram a viajar. E até mesmo para grupos presenciais começa a aparecer luz no fim do túnel”, disse, ressalvando que toda a atividade do setor deve seguir criteriosamente as recomendações das autoridades sanitárias do país e do estado e também as normas estabelecidas pelos municípios.

Novo produto – O secretário mostrou-se bastante animado com a possibilidade de dar início à retomada das atividades da Cooptur por meio de um novo produto planejado pelo Sistema Ocepar e desenvolvido com a cooperativa para programas de imersão em cooperativismo na modalidade online, de muita interação e adaptado para cada ramo de cooperativas e, inclusive, para públicos de diversas idades. É a Gincoop, cujo piloto foi testado recentemente, com sucesso, em duas provas com os profissionais do Sistema Ocepar, nos moldes de uma gincana, bastante animada e com muita informação sobre o cooperativismo. Aliás, a entidade, para manter a interação entre o seu quadro funcional neste período de home office, desenvolve a gincana cooperativa, com o mesmo nome do novo produto, e que tem superado a expectativa.  A partir da adoção desse serviço, Miranda prevê a oferta, no futuro, de pacotes mistos de turismo cooperativo, com a imersão online e depois as visitas presenciais de pequenos grupos para conhecer a realidade do sistema. “Obrigado por nos apoiarem com ideias de novos produtos. É essa presença de vocês em busca de solução para as nossas necessidades que reforçam cada vez mais a nossa crença no sistema”, enfatizou.  

Expectativa – Aproveitando o momento em que a Cooptur já começa a se articular junto a algumas cooperativas para a oferta do produto e reforçando os cuidados a ser observados por causa da Covid-19 e em cumprimento a decretos municipais, Maria Emilia lembrou que a realização desse trabalho, que visa sobretudo a disseminação da cultura do cooperativismo, com o apoio da entidade, deve ser ainda em novembro. E acenou com a perspectivas de novos produtos, como a Gincoop Kids, modalidade voltada para as crianças. O superintendente do Sescoop/PR, Leonardo Boesche, que, devido a compromissos de agenda só pode participar do final da reunião, relembrou o momento difícil enfrentado por alguns setores da economia, como o de turismo. E enfatizou que os períodos de dificuldades têm gerado bons aprendizados. “E o cooperativismo, com a união e esforços de todos, proporciona a busca de alternativas para superar esses momentos. É o caso da Gincoop, que mostrou ser um produto de enorme potencial para trabalhar a imersão no cooperativismo e que pode ser difundido pela Cooptur junto às demais cooperativas. Estou muito ansioso para ver essa novidade funcionando”, finalizou.  

Cooptur  Constituída em 2004 e com sede em Carambeí, no centro-sul paranaense, a cooperativa tem 67 cooperados, um funcionário e faturou R$ 934,7 mil em 2019.

Presentes – Pelo Sistema Ocepar, ainda participaram da reunião institucional o coordenador de Cooperativismo, Humberto Cesar Bridi, que falou sobre as atividades finalísticas do Sescoop/PR, e o analista técnico da Gecoop, Emerson Barcik, que apresentou o cenário econômico e financeiro do sistema cooperativo paranaense e, em especial, da Cooptur.

{vsig}2020/noticias/11/05/reuniao_institucional/{/vsig}

SICREDI PLANALTO DAS ÁGUAS: Cooperativa implanta Comitê de Sustentabilidade

sicredi planalto aguas 05 11 2020Com o objetivo de potencializar ações com base no desenvolvimento sustentável e oferecer ainda mais benefícios para associados e comunidade, a Sicredi Planalto das Águas PR/SP implantou um Comitê de Sustentabilidade. O lançamento foi realizado em evento online, no dia 28 de outubro, pela Central Sicredi PR/SP/RJ em parceria com a Fundação Sicredi. Além da Sicredi Planalto das Águas PR/SP, outras cinco cooperativas de crédito com atuação nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro participaram da cerimônia de implementação dos Comitês.

Importância - “A mobilização e a participação de membros é muito importante para promovermos o debate, a avaliação e a recomendação de iniciativas locais que ajudem a propagar a Política de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental da nossa instituição financeira cooperativa”, explica o presidente da Sicredi Planalto das Águas PR/SP e coordenador do Comitê na cooperativa, Adilson Primo Fiorentin.

ODS - O Comitê está conectado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU), por um mundo melhor. Nesse sentido, a iniciativa do Sicredi está dividida em três bases: relacionamento e cooperativismo, que busca valorizar ainda mais a relação próxima com o associado, a fim de que possam criar uma rede de apoio e continuar gerando bons negócios; soluções responsáveis, que consiste em sempre recomendar as melhores soluções financeiras ao associado, de forma responsável e adequada ao momento da sua vida; e desenvolvimento local, transformando a cooperativa de crédito, em conjunto com a comunidade e associados, em um agente propulsor do desenvolvimento.

Atuação local - O presidente da Sicredi Planalto das Águas PR/SP reforça que a criação do Comitê permite uma atuação local ainda mais voltada à sustentabilidade e aos princípios do cooperativismo. “Nossa atuação está voltada ao atendimento do nosso associado, visando também o desenvolvimento regional e a perenidade do negócio. Com nossas iniciativas, buscamos também agregar e inspirar a nossa comunidade com ações sustentáveis e positivas”, afirma.

Crédito para energia fotovoltaica - O Sicredi oferece financiamentos voltados à aquisição de equipamentos e tecnologia para captação de energia solar, em linha de crédito disponível para pessoas físicas ou jurídicas. Com a modalidade, os associados contam com alguns benefícios: a flexibilidade de aplicar os recursos também na tecnologia e nos sistemas necessários ao funcionamento da operação; a comodidade de os valores serem creditados periodicamente na conta corrente; a facilidade de um prazo de pagamento de até 96 meses; e a concessão de crédito conforme a capacidade de pagamento do cooperado. “Os associados podem encontrar mais informações sobre a modalidade e a contratação em uma das 16 agências da nossa cooperativa”, finaliza Adilson. (Imprensa Sicredi Planalto das Águas PR/SP/RJ)

 

UNIMED LONDRINA: 1º Desafio Virtual de Bike será realizado para comemorar o aniversário de Londrina

unimed londrina 05 11 2020Para comemorar o aniversário de Londrina (PR), a Unimed Londrina realiza, nos dias 5 e 6 de dezembro, um Desafio Virtual de Bike. São 500 vagas e as inscrições estão abertas e podem ser feitas por aqui (http://unimed.me/Wa1LB). A taxa de inscrição para clientes e cooperados da Unimed Londrina custa R$ 29,90 + taxa de serviço. Para o público em geral o valor é de R$ 34,90 + taxa de serviço.

Materiais - Quem for participar deste desafio receberá medalha, número de peito, camiseta e bolsa smart porta celular. Os participantes poderão escolher o percurso de 5 Km (Kids), 25 km ou 50 Km. Distribuiremos dois pontos com totem com QR Code, fotógrafo e hidratação para os participantes, um na UEL e outro no Parque Tauá. Haverá ainda outros dois pontos de Pit Stop com totem com QR Code e fotógrafo, um no Lago Igapó e outro no Jardim Botânico. Os atletas que validarem o QR Code participarão do sorteio de prêmios.

Validação - O participante terá das 7h do dia 05/12 até as 16h do dia 06/12 para validar seu tempo no site da Chip Brasil, o link estará disponível no número de peito. A evidência comprovando o tempo da prova pode ser foto ou print da tela do celular. (Imprensa Unimed Londrina)

 

COOPAVEL: Sipat faz menção aos 50 anos da cooperativa

coopavel 05 11 2020O tema da Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho (Sipat) da Coopavel é especial neste ano. Ele faz alusão ao aniversário da cooperativa, que em 15 de dezembro chega a meio século de atividades. O slogan é: 50 anos de prevenção à vida! As atividades vão ser realizadas de 16 a 20 de novembro e envolverão os quase seis mil colaboradores. O tema inovação terá papel especial durante toda a programação, que será realizada observando cuidados preventivos contra a pandemia.

Atividade tradicional - A Sipat é uma atividade tradicional na Coopavel e durante uma semana do ano, geralmente em novembro, várias ações preventivas e orientativas são intensificadas, tanto no que se refere a doenças ocupacionais quanto a acidentes de trabalho. “Os resultados dessa atividade são muito bons. Com os anos houve recuo considerável no número de ocorrências e a qualidade do ambiente de trabalho melhora continuamente”, diz o presidente Dilvo Grolli.

Objetivos - Entre os principais objetivos da Sipat estão a conscientização dos colaboradores visando à prática de seus trabalhos de forma segura e saudável, observa o gerente de Recursos Humanos da Coopavel Aguinel Marcondes Waclawovsky. Durante toda a semana ocorrerá a divulgação de materiais com orientações sobre prevenção e saúde do trabalho. Os mais diferentes recursos de divulgação e mídia vão ser empregados na tarefa.

Depoimentos - “Também disseminaremos depoimentos de pessoas, resgatando um pouco da história da Coopavel e o contexto de saúde e segurança do trabalho da cooperativa”, conforme Aguinel. Teremos palestras para todas as unidades da Coopavel, que serão realizadas on-line, em função da pandemia, buscando abranger o maior número possível de colaboradores.

Inovação - A Sipat traz uma novidade nesta edição. Trata-se de um Quiz – uma espécie de jogo com perguntas sobre o tema da semana deste ano. Todos os colaboradores serão estimulados a participar. Haverá sorteio de prêmios entre os que responderem os questionamentos corretamente. (Imprensa Coopavel)

 

FOCO NO CAMPO: Live promove o lançamento do 14º Prêmio New Holland de Fotojornalismo

foco campo 05 11 2020A 14ª edição do Prêmio New Holland de Fotojornalismo será lançada com um encontro virtual, realizado nesta quinta-feira (05/11), às 20h. Com o tema “Foco no Campo”, a live terá a participação de três fotógrafos do Brasil. Em breve, a data de inscrição de um dos mais tradicionais concursos de fotografia da América do Sul será informada.

Mediação - Mediado pela jornalista Maria Celeste Fernandez, o bate-papo on-line substitui a realização da primeira oficina desta edição, devido à pandemia de Covid-19 e à necessidade do distanciamento social.

Participação - O evento tem a participação de Rafael Martins, atual vencedor na categoria Campo do 13º Prêmio New Holland de Fotojornalismo. Ele é formado em Comunicação Social e tem especialização em Narrativas da Fotografia e do Audiovisual. Rafael é baiano e tem mais de dez anos de experiência com fotojornalismo e fotografia noturna.

Presença - Também haverá a presença de Delfim Martins, vencedor de relevantes prêmios e criador de destacadas exposições individuais e coletivas. Atualmente, sua produção é licenciada pela Pulsar Imagens, Tyba Agência Fotográfica e Alamy.

Amadora - Outra convidada é Idirlene Casarin, fotógrafa amadora. Ela é agricultora e auxilia na gestão da propriedade da família no município de Nortelândia, em Mato Grosso. Idirlene registra o cotidiano na fazenda, com um olhar especial para as belezas naturais de sua terra.

Debate - A live “Foco no Campo”, além de tratar sobre as experiências fotográficas no agro, discutirá as melhores práticas no segmento, tanto na visão de quem acompanha como de quem é protagonista nos trabalhos com a terra, como é o caso da Idirlene Casarin.

Acesso - Para acompanhar o evento, acesse facebook.com/PremioNHdeFotojornalismo

O Prêmio - Em 14 anos de história, o Prêmio New Holland de Fotojornalismo conta com cerca de 25 mil imagens inscritas. A organização do prêmio já realizou 60 workshops e 200 exposições em 115 cidades de cinco países para um público total de 510 mil pessoas. O Prêmio é realizado pela Mano a Mano Produções, apoiado pela Lei de Incentivo à Cultura da Secretaria Especial da Cultura e patrocinado pela New Holland Agriculture e pelo Banco CNH Industrial. (Assessoria de Imprensa do evento)

SERVIÇO

Lançamento do 14º Prêmio New Holland de Fotojornalismo

Live “Foco no Campo”

Data: 5 de novembro (quinta-feira)

Horário: 20h

Classificação livre e gratuito  

 

AGROBIT: Inscrições abertas até esta sexta-feira

 

evento 03 11 2020Palestrantes nacionais e internacionais já confirmaram presença no Agrobit Evolution Brasil 2020, que será realizado nos dias 10 e 11 de novembro, em formato 100% digital. O evento chega, este ano, em sua terceira edição, sendo a primeira on-line, e está com as inscrições abertas até o dia 6 de novembro.

 

Tecnologia e inovação - O Agrobit trará aos participantes a oportunidade para conhecer as principais referências de cases de tecnologia e inovação de dentro e fora do país e as oportunidades de uma carreira no Agro.

 

Nomes - Entre os palestrantes confirmados estão Arnold W. Schumann, engenheiro e professor no departamento de Ciências do Solo e Água da Universidade da Flórida (EUA); Keiichi Harasaki, diretor de tecnologia da área de Business 4.0 em manufatura para América Latina da TCS (Tata Consultancy Service - a maior provedora de serviços e produtos de tecnologia de informação da Índia, e uma das maiores do mundo); Sindhuja Sankaran, engenheira de biossistemas no Departamento de Engenharia Biológica da Universidade Estadual de Washington (EUA); Ticiane Figueiredo, especialista em Barter, e Patrícia André de Camargo Ferraz, registradora (falarão sobre Inovações dos cartórios para o agro); Raj Khosla, da Colorado State University, autoridade reconhecida mundialmente e um dos pioneiros da Agricultura de Precisão; Mariely Beef, consultora em sucessão familiar Agro; Piercristiano Brazzale, empresário italiano, engenheiro agrônomo e CEO da Brazzale Dairy Company, a primeira indústria de laticínios da Itália, e presidente da Federação Internacional do Leite (FIL/IDF), entre outros.

 

Programação intensa - “Serão dois dias com uma programação intensa, com palestrantes, painelistas, expositores e atividades que, certamente, farão a diferença na carreira dos participantes. Fomos buscar grandes especialistas e conhecedores do agro, das inovações e tecnologias para o setor, no mundo”, comenta a organizadora do evento e sócia da F&B Eventos, Dayana Bisognin.

 

Consolidação - O Agrobit Brasil se consolidou como um dos mais importantes eventos da área de tecnologia e inovação para o Agro desde sua primeira edição. Somando as duas últimas realizações – em 2018 e 2019 – foram registrados mais de 3.000 participantes de 120 cidades e oito países, presença de 45 startups, realização de oito eventos paralelos, mais de 85 horas de conteúdos relevantes e tudo isso possibilitados por 37 patrocinadores.

 

Carreira e encontros - Carreira e networking também estão no foco do Agrobit Brasil Evolution 2020. Três novidades trazidas este ano são o Agrobit Carreira, o Encontro com Influenciadores do Agro e Encontro das Mulheres do Agro.

 

Conteúdos - O Agrobit Carreira foi pensado para levar aos participantes conteúdos sobre carreira, preparação para processos seletivos, cenário de competências essenciais e outras atividades relacionadas à preparação profissional. Será possível também que o participante se candidate para vagas disponibilizadas pelas empresas patrocinadoras do evento, um diferencial da edição deste ano.

 

Tema - O Encontro das Mulheres do Agro terá como tema o “Uso de tecnologias e inovação na visão delas”. Contará com a participação de influenciadoras e produtoras rurais que se destacam no agro e com grande experiência. Estão confirmadas as presenças de Carla Rossato, Suelen Pontelo, Gianne Giovanini Barbieri, Mariluce Teixeira Duarte de Anchieta, ️Rejane Pinto Guedes Dutra e Lisiane Rocha.

 

Painel - E o painel “Conectando tecnologias com o agricultor brasileiro ao mundo do agronegócio” reunirá os principais influenciadores digitais do agro, com presenças confirmadas de Daniel Fornarolli, Michely Santana, Araquem Ibrahim Midon, Carina Queiroz, Saile Farias e Cesinha Farias; Aretuza Negri e Claudio Nicolino.

 

Detalhes - Todos os detalhes da programação e inscrições para o Agrobit Brasil Evolution estão disponíveis no site www.agrobitbrasil.com.br.

 

Promoção e Realização - F&B Eventos, Sociedade Rural do Paraná, Sebrae Paraná e Agro Valley. Patrocínio Platinum: TCS-Tata Consultancy Services. Patrocínio Diamante: Huawei; Xarvio Digital Farming Solutions/BASF, Sistema Faep/Senar e Ericsson. Patrocínio Ouro: Climate Fieldview; Cocamar / Cocamar Máquinas John Deere; It One e cooperativa Integrada. Patrocínio Prata: CME Group- Bolsa de Chicago e Adama. Patrocínios Bronze: GDM Seeds. Apoio Digital: Sicredi e Vilage Marcas e Patentes. Apoios: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa); Sistema Fiep/Senai; Supra Pesquisa; Sociedade Entomológica do Brasil; Sociedade Brasileira de Fitopatologia; Associação Brasileira de Tecnologia de Sementes – Abrates; IDR-Paraná; Embrapa Soja; Universidade Estadual de Londrina; Fornarolli Ciência Agricola; Fazenda Escola; Agrohaste equipamentos para pesquisa agrícola; Smart Value Investiment S/A; Linear-Grupo de Pesquisas Avançadas em Inteligência Artificial no Setor Agroflorestal Unesp; Instituto Federal Paraná-Campus Londrina; Londrina Convention Bureau; Farm Consultoria & Investigación Agronômica; Abrapós- Associação Brasileira de Pós-colheita; Efeito Agro; PlantUP intelligence e Mulheres do Agronegócio Brasil. Parceiros: Madeira Decoração Woodesign e Três Corações. (Assessoria de Imprensa do evento)

 

MISSÃO DIPLOMÁTICA: Ministra Tereza Cristina acompanha diplomatas em viagem à Amazônia Ocidental

missao 05 11 2020A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e diplomatas de vários países sobrevoaram áreas da Amazônia nesta quarta-feira (04/11). O sobrevoo faz parte da programação da missão, liderada pelo vice-presidente Hamilton Mourão, por meio do Conselho Nacional da Amazônia Legal, para mostrar ações do governo federal para o desenvolvimento sustentável da Amazônia Ocidental. Os diplomatas irão visitar as cidades de Manaus, São Gabriel da Cachoeira e Maturacá, todas no estado do Amazonas, até o dia 6 de novembro.

Atuação - O objetivo é mostrar a atuação de ministérios e demais órgãos federais nas áreas urbanas e remotas da região. "A iniciativa tem por objetivo mostrar à comunidade nacional e internacional que a Amazônia brasileira continua preservada e que sua complexidade ambiental e humana não permite um entendimento genérico da região. Conhecer é a base para entender e sugerir ações para contribuir com o desenvolvimento sustentável da região, preservando, protegendo e desenvolvendo nossa imensa floresta tropical", destaca a vice-presidência.

Oportunidade - A ministra ressaltou que a missão será uma oportunidade para os diplomatas conhecerem iniciativas bem-sucedidas na região. "Temos problemas, mas também temos muitas coisas boas em termos de sustentabilidade para mostrar para o mundo", disse, em Manaus. Tereza Cristina reforça a diversidade do bioma, que reúne 22 tipos de vegetação, e que tem 80% de sua área preservada. "Agora, temos que restabelecer a verdade. A verdade é que nós temos um território enorme, que a Amazônia está preservada".

Projeto - Uma dessas iniciativas é o Projeto Integrado de Colonização (PIC) Bela Vista, coordenado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), e que será apresentado pela ministra nesta quinta-feira (05/11). Localizado em Manaus, o projeto abriga famílias assentadas em uma área de aproximadamente 785 mil hectares, ocupada desde 1971. Atualmente, dos 1.311 lotes georreferenciados, 446 já receberam o título definitivo, sendo 97% constituídos por pequenas propriedades (inferiores a 400 hectares).

Baixa renda - Apesar do grande potencial econômico da região, a ministra enfatiza que muitas famílias vivem com baixa renda. Conforme ela, a melhora de renda passa pelo processo de regularização fundiária. "Temos pessoas que estão aqui há mais de 20 anos, que foram trazidas para cá, muitas vezes, por governos anteriores. Essas pessoas têm o direito a ter qualidade de vida e não viver em um lugar riquíssimo que tem um dos piores IDHs [Índice de Desenvolvimento Humano] do Brasil".

Participação - Está prevista a participação dos seguintes chefes de missões diplomáticas: África do Sul, Espanha, Peru, Colômbia, Canadá, Suécia, Alemanha, Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA), União Europeia, Reino Unido, França e Portugal.

Integrantes - A comitiva é também integrada pelos ministros do Meio Ambiente, das Relações Exteriores, da Saúde, do Gabinete de Segurança Institucional, do chefe de Estado do Conjunto das Forças Armadas do Ministério da Defesa e o senador Nelsinho Trad. (Mapa)

 

SUSTENTABILIDADE: Estudo mostra redução de 26,8 milhões de ha de pastagens degradadas em áreas que adotaram o Plano ABC

sustentabilidade 05 11 2020Estudo realizado pelo Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento da Universidade Federal de Goiás (Lapig/UFG) avaliou, com base na classificação automática de imagens de satélites da série Landsat, o grau de degradação das áreas de pastagens no Brasil no período de influência do Plano ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) e verificou expressiva redução no número de propriedades com áreas de pastagens com degradação severa e moderada entre 2010 e 2018.

Recuperados - O estudo aponta que, no período de 2010 a 2018, foram recuperados 26,8 milhões de hectares de pastagens degradadas, número bem superior à meta estabelecida pelo Plano ABC, de 15 milhões de hectares. A área recuperada é maior que o território do Reino Unido, que tem aproximadamente 24,2 milhões de hectares.

Qualidade das pastagens - O aumento na qualidade das pastagens foi mais expressivo nas regiões Centro-Oeste e Sul do país, abrangendo os estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e também o estado do Tocantins. A recuperação ocorreu principalmente no bioma Cerrado, onde houve maior investimento do Plano ABC para RPD.

Plano ABC - Nas áreas de contratos do Plano ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) para Recuperação de Pastagens Degradadas (RPD), a área total com pastagens classificadas como Degradação Severa reduziu de 34,3% para 25,2% no período avaliado. A análise de cerca de 5,5 milhões de propriedades, conforme os dados do Cadastro Ambiental Rural (CAR), também sugere um aumento nas áreas de pastagens classificadas com Degradação Leve e Não Degradada. Em termos proporcionais, e considerando este conjunto de propriedades, o aumento mais expressivo foi para a classe Não Degradada, de aproximadamente 94,7 %.

Pioneiro - Segundo a diretora do Departamento de Produção Sustentável e Irrigação (Depros) do Mapa, Mariane Crespolini, o estudo é pioneiro no país. "Ele nos permite avaliar a efetividade da política pública e o quanto os produtores rurais, quando incentivados, são capazes de corresponder adotando práticas sustentáveis de produção”, diz Mariane.

Melhora - “Comparando os dados obtidos em 2010 com as informações de 2018, foi observada uma melhora na qualidade das pastagens no período avaliado, com redução no percentual de área em todas classes de indícios de degradação, ao mesmo tempo em que houve aumento no percentual de áreas sem indícios de degradação”, aponta o estudo, coordenado pelo pesquisador Dr. Laerte Guimarães Ferreira Júnior da UFG.

Áreas totais - As áreas totais ocupadas por pastagens em 2010 e 2018 foram de aproximadamente 171,6 e 170,7 milhões de hectares, respectivamente. “Estes números indicam uma estabilização na área total ocupada na última década, que de fato vem ocorrendo e é evidenciado por uma melhora na condição das pastagens”, diz o relatório.

Política nacional - O Plano ABC é uma política nacional focada em estimular a agricultura sustentável. A iniciativa foi lançada durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP 15), realizada em dezembro de 2009, em Copenhague, na Dinamarca.

Primeiro trimestre - No primeiro trimestre do atual ano-safra (julho a setembro de 2020), as áreas agropecuárias com tecnologias de redução dos gases do efeito estufa financiadas pela linha de crédito do Programa ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) passaram de 245 mil hectares para 485,1 mil hectares, crescimento de 97,9% na comparação ao mesmo período de 2019. (Mapa)

FOTO: iStock / Mapa

 

SOJA: Nas máximas em quatro anos, preços em Chicago sobem forte e buscam os US$ 11/bushel

soja 05 11 2020Nas máximas em quatro anos, os futuros da soja continuam subindo na Bolsa de Chicago nesta quinta-feira (05/11) de forma bastante expressiva e com o contrato novembro já buscando os US$ 11,00 por bushel. Por volta de 7h50 (horário de Brasília), as cotações subiam entre 12,25 e 14,50 pontos, levando o primeiro contrato a US$ 10,93 e o janeiro/21, US$ 10,98 por bushel.

Terceira sessão - O mercado sobe pela terceira sessão consecutiva e ainda traduz os fundamentos muito fortes - demanda aquecida nos EUA, oferta ajustada e clima adverso na América do Sul - e as preliminares da eleição presidencial norte-americana que mostra, ao menos por enquanto, a vantagem do democrata Joe Biden.

Compras - "A China está ativamente comprando nos EUA e ainda há uma demanda adicional do Brasil. O clima não está perfeito no Brasil e haverá um atraso considerável em função do tempo seco", afirma um trader internacional à Reuters.

Vendas semanais - Nesta quinta, o mercado espera ansioso pelos novos números das vendas semanais para exportação pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), confirmando ainda mais a demanda forte no mercado norte-americano. As expectativas variam entre 800 mil e 1,7 milhão de toneladas.

Altista - "Enquanto o mundo financeiro está focado nas incertezas em relação a eleição presidencial dos EUA, as commodities agrícolas dão sequência à corrida altista", afirma Steve Cachia, consultor de mercado da Cerealpar e da TradeHelp.

Demanda por alimentos - Ainda segundo o especialista, "seja quem for o presidente americano, o mundo precisa comer, e com clima ameaçando a safra da América do Sul, a China com um apetite impressionante e o Brasil momentaneamente passando de maior exportador de soja no mundo para importador de soja, os altistas entendem que há justificativas para preços internacionais maiores ainda". (Notícias Agrícolas)

FOTO: Danilo Estevão / Embrapa

 

INFRAESTRUTURA: Investimentos públicos e privados ampliam capacidade do Porto de Paranaguá

infraestrutura 05 11 2020Os investimentos públicos e privados na atividade portuária seguem a todo vapor no Paraná, mesmo com crise causada pela pandemia. A empresa pública que controla os Portos de Paranaguá e Antonina executa obras importantes de infraestrutura, o que anima empresas privadas a investirem na ampliação dos negócios.

Facilitador - “O poder público precisa atuar como facilitador, não como entrave. Ao realizar grandes obras, além de oferecer mais eficiência e qualidade, também mostramos para a iniciativa privada que é seguro investir também. Precisamos crescer juntos, é uma simbiose. Todos ganham”, destaca o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Autoridade portuária - A autoridade portuária que administra o porto, e responsável por oferecer a infraestrutura necessária às atividades de movimentação de cargas, deve investir R$ 703 milhões nos próximos anos. Somente na contratação do projeto executivo de modernização do Corredor de Exportação Leste serão aplicados R$ 4 milhões.

Animadas - Com a previsão de mais estrutura e demanda crescente, as empresas que atuam no embarque e desembarque de produtos estão animadas. Nesta semana, a Rocha Terminais Portuários e Logística anunciou novos investimentos na duplicação da capacidade de armazenagem e movimentação de granéis sólidos pelo Corredor de Exportação Leste, do Porto de Paranaguá

Ampliação - “Vamos ampliar para 270 mil toneladas a capacidade total de armazenagem em Paranaguá. Além disso, vamos ampliar a capacidade de descarga para mais de 600 caminhões/dia, contando com dois novos tombadores”, explica o superintendente de Granéis de Exportação da empresa.

Duplicação - O projeto de ampliação prevê a duplicação da estrutura do Terminal de Granéis Sólidos de Exportação, que passará a ter dois novos armazéns, com capacidade de armazenamento de 62 mil toneladas cada. As obras começam já este mês e a previsão é que estejam concluídas até dezembro de 2021.

Movimentação - Atuando em portos de Norte a Sul do País, a Rocha movimenta 20 milhões de toneladas de produtos por ano. Além dos granéis de exportação (soja e milho), atua com granéis sólidos de importação (fertilizantes), granéis líquidos, celulose, produtos siderúrgicos e cargas em geral e de projetos.

Relevante - De acordo com o diretor-presidente da empresa, Juliano Agnolo, o investimento na expansão da estrutura no Porto de Paranaguá é relevante não apenas para a empresa, mas para o agronegócio brasileiro, segundo ele, “o motor do País”, para o Estado do Paraná e para os portos paranaenses.

Corredor de Exportação é planejado para os próximos 50 anos - A empresa Portos do Paraná já contratou o projeto básico para a modernização e remodelação do Corredor de Exportação Leste do Porto de Paranaguá. A obra aumentará a capacidade operacional do complexo em 100%.

Condições - O diretor-presidente da empresa, Luiz Fernando Garcia, explica que o objetivo é dar condições para que o complexo atenda a demanda com excelência para os próximos 50 anos. “Considerando a potência dos shiploaders (equipamentos carregadores de navios) e a demanda de mercado, vamos investir já neste projeto para chegar ao volume de até 18 mil toneladas por hora, ou seja, 6 mil toneladas/hora em cada berço de atracação”, afirma Garcia.

Projeto - O projeto básico para as obras de repotenciamento do complexo será a base para o projeto executivo e também das obras que dobrarão a capacidade de embarque de grãos e farelo pelos três berços exclusivos do corredor (212, 213 e 214). O objetivo é elevar a produtividade para reduzir o tempo de operação, aumentar a rotatividade das embarcações e diminuir o custo de toda a cadeia.

Novo sistema - A proposta é desenvolver um novo sistema com a instalação de novas correias transportadoras e a aquisição de novos equipamentos eletromecânicos. As novas correias serão enclausuradas – protegidas de modo a evitar perdas na carga, sujeira da cidade e prejuízo à qualidade do ar e ao meio ambiente como um todo em função do pó. No mesmo projeto estão previstas todas as obras necessárias para que o Corredor de Exportação opere em plena capacidade.

Na prática - O Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá é formado por nove terminais privados: Cargill, AGTL, Interalli, Centro Sul, Coamo, Louis Dreyfus, Cotriguaçu, Cimbesul e Rocha, que somam capacidade global de 1,025 milhão de toneladas.

Terminais públicos - Há, ainda, os terminais públicos: um silo vertical, com capacidade estática de 100 mil toneladas, e quatro silos horizontais, com capacidade total de 60 mil toneladas.

Modelo único - O modelo paranaense para embarque de granéis de exportação é único no Brasil. A carga pode ser embarcada simultaneamente nos três berços de atracação exclusivos para granéis e é possível que um mesmo navio receba mercadoria de diferentes produtores, em sistema de pool.

Estruturaras interligadas - As estruturas de armazenagem são interligadas por correias transportadoras. As linhas levam os produtos até os porões dos navios, que são carregados por seis equipamentos (shiploaders) que operam em três berços preferencias (212, 213 e 214). (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: José Fernando Ogura / Agência de Notícias do Paraná

 

DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Governo quer atrair investimentos para recuperar bacias hidrográficas

desnvolvimento regional 05 11 2020O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, disse, nesta quarta-feira (04/11), que o governo federal estuda lançar, até o fim deste ano, um programa de revitalização de bacias hidrográficas. Com a recente entrada em vigor do novo Marco Legal do Saneamento Básico, o Poder Executivo espera atrair investimentos privados para projetos de preservação, conservação e recuperação ambiental das bacias.

Projeto - “Estamos envolvidos no projeto chamado Revitalização de Bacias”, declarou Marinho ao participar de reunião pública remota realizada pela comissão temporária que o Senado criou para acompanhar as ações de enfrentamento aos incêndios que atingiram o Pantanal nos últimos meses. Segundo o ministro, o projeto foi discutido durante uma reunião com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e o do Meio Ambiente, Ricardo Salles, na terça-feira (03/11).

Questionário - No fim de outubro, o ministério enviou um questionário para diversas empresas e associações, de diferentes setores. O objetivo era avaliar o interesse das organizações. A consulta incluiu temas como recuperação, reflorestamento e preservação de nascentes e de áreas de proteção permanente; de áreas de recarga de aquíferos; de áreas degradadas; manejo sustentável de solo, com prevenção de erosão e projetos de geração de emprego e renda por meio do uso sustentável de recursos naturais. O esboço do projeto também já foi discutido com representantes diplomáticos de vários países. Segundo a pasta, a iniciativa faz parte de um processo que “busca novas formas de cooperação para viabilizar os projetos de revitalização”. Segundo a assessoria da pasta, o foco inicial são as regiões banhadas pelos rios São Francisco, Tocantins, Araguaia e Taquari.

Iniciativa privada - “Nossa ideia é atrair a iniciativa privada”, reforçou Marinho. “Hoje, não temos remanescente em termos de recursos [orçamentários] para fazer este investimento. Coincidentemente, ontem, tivemos uma reunião com a ministra Teresa [Cristina] e com o ministro [Ricardo] Sales para, de forma transversal e integrada, tratarmos de como colocar de pé o programa que permita iniciarmos um processo de revitalização de bacias, de preferência até o fim deste ano”, acrescentou o ministro, indicando que a Bacia do Rio da Prata, atingida pelos recentes incêndios pantaneiros e por problemas mais antigos, venha a ser uma das primeiras áreas contempladas.

Rio Taquari - “O Rio Taquari, que é, talvez, o mais importante da Bacia do Prata, está extremamente antropizado, deteriorado, pela ação agropecuária que ocorreu ali ao longo das últimas décadas. Estamos em tratativas para recrudescer as ações no Rio Taquari, onde teremos condições de lançar um grande programa de revitalização de bacias. E o Rio Araguaia também precisa ser tratado, revitalizado”, pontuou o ministro, destacando que a iniciativa congrega uma série de ações preventivas.

Ações - “Revitalizar bacias não é apenas plantar árvores, mas também preservar e proteger as nascentes; desassorear os rios, preservar suas encostas e integrar as populações. Temos uma série de trabalhos preventivos já em curso; projetos que dizem respeito à sustentabilidade, à integração das populações ribeirinhas, para que as pessoas que vivem no perímetro dos rios possam conviver de forma sustentável com os rios e seus afluentes”, concluiu o ministro. (Agência Brasil)

FOTO: Duda Covett / Ministério da Integração

 

 

PESQUISA AGROPECUÁRIA: Embrapa apresenta novo plano diretor para próximos 10 anos

pesquisa agropecuaria 05 11 2020A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) apresentou nesta quarta-feira (04/11) seu novo plano diretor, documento estratégico no qual são apontadas suas prioridades para os próximos 10 anos. Nele são apresentados nove temas prioritários externos, com objetivos, metas e entregas, bem como algumas metas internas à empresa.

Desenvolvimento sustentável - “Esse documento orienta e direciona o rumo da Embrapa para o desenvolvimento sustentável e competitivo da agricultura brasileira”, ressaltou o presidente da Embrapa, Celso Moretti, ao abrir entrevista coletiva online para divulgar o plano.

Prioridades - Segundo ele, o documento define e torna públicas as prioridades do órgão. “Chegamos a nove temas prioritários, 11 objetivos estratégicos que abrangem inovação, melhoria de gestão e de eficiência, 29 metas tangíveis e quantificáveis de curto, médio e longo prazos”, disse Moretti, ao destacar a relevância da empresa para levar soluções, produtos e tecnologias para a agricultura brasileira.

Temas - Entre os temas prioritários citados no plano estão agricultura digital, rastreabilidade e logística associadas aos sistemas produtivos agrícolas. “Queremos, em cinco anos, dobrar o número de usuários de aplicativos e sistemas digitais gerados pela Embrapa”, disse Moretti ao citar o primeiro dos temas apresentados no plano.

Produtividade - Com relação ao tema produtividade e sistemas de produção sustentáveis, Moretti disse que a ideia é favorecer iniciativas que ajudem na redução da quantidade de carbono emitido na atmosfera. “Queremos, até 2025, incrementar em 20% o benefício econômico gerado por práticas agropecuárias e tecnologias sustentáveis.”

Agregação de valor e outros - Também são temas prioritários agregação de valor aos produtos e serviços agropecuários e agroindustriais, adaptação e mitigação frente aos efeitos da mudança do clima, aproveitamento e transformação de biomassa para energia renovável, bioprodutos, bioinsumos, desenvolvimento territorial sustentável; Segurança alimentar e nutricional, uso e conservação de recursos naturais e sanidade agropecuária.

Íntegra - Para acessar a íntegra do plano diretor da Embrapa, clique aqui. (Agência Brasil)

FOTO: Divulgação / Embrapa

 

ECONOMIA: Micro e pequenas empresas contratam 443 mil no terceiro trimestre

economia 05 11 2020As micro e pequenas empresas mostram recuperação de fôlego após o pior período da crise econômica, entre os meses de março e junho. O segmento foi o que mais demitiu no pior momento da pandemia de covid-19 no Brasil, fechando pouco mais de 1 milhão de postos de trabalho, contra aproximadamente 605 mil das médias e grandes empresas.

Novas vagas - No entanto, as micro e pequenas empresas geraram 443 mil empregos nos meses de julho, agosto e setembro, enquanto as maiores criaram 245 mil vagas no mesmo período.

Capacidade de reação - O levantamento, feito pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), mostra a rápida capacidade de reação das micro e pequenas empresas diante de crises. Considerando o acumulado do ano (incluindo os meses anteriores à chegada da covid-19), os dados mostram que, entre demissões e contratações, as pequenas empresas tiveram saldo melhor, com cerca de 40 mil demissões a menos que as médias e grandes empresas.

Motor da economia - “As micro e pequenas empresas são o motor da economia. Para sairmos mais rapidamente da crise, será fundamental continuar apoiando esses empresários. Isso passa por uma série de medidas, desde o apoio para que as empresas consigam digitalizar suas vendas até a ampliação da oferta de crédito, que é um oxigênio vital para mantê-las operando”, afirmou o presidente do Sebrae, Carlos Melles. (Agência Brasil)

FOTO: Fernando Frazão / Agência Brasil

 

CÂMBIO: Dólar tem maior queda diária desde agosto e recua para R$ 5,65

cambio 05 11 2020Num dia marcado pelos ânimos com a corrida eleitoral norte-americana e pela aprovação do projeto de lei de autonomia do Banco Central (BC), o dólar teve a maior queda diária desde agosto. A bolsa de valores seguiu o mercado norte-americano e subiu quase 2%.

Cotação - O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (04/11) vendido a R$ 5,657, com recuo de R$ 0,109 (-1,89%). Essa foi a maior queda para um dia desde 28 de agosto, quando a cotação caiu 2,93%. A divisa está no valor mais baixo desde 26 de outubro, quando tinha fechado vendida a R$ 5,612.

Ações - No mercado de ações, a bolsa teve um dia de euforia. O índice Ibovespa, da B3, fechou a quarta-feira aos 97.867 pontos, com alta de 1,97%. O indicador seguiu Wall Street, onde o índice Dow Jones (das empresas industriais) subiu 1,34%, o S&P 500 ganhou 2,20%, e o Nasdaq (das empresas tecnológicas) valorizou-se 3,85%.

Ganhos - O mercado norte-americano teve um dia de fortes ganhos após as apurações mostrarem que o candidato Joe Biden estava numa situação mais favorável na manhã de hoje do que na noite de ontem. Tanto o presidente Donald Trump quanto Biden têm a possibilidade de alcançar os 270 votos necessários do Colégio Eleitoral para vencer a corrida, à medida que alguns estados continuam contabilizando as cédulas recebidas pelo correio.

Mercado interno - No mercado interno, a aprovação pelo Senado do projeto de lei que concede autonomia ao Banco Central, no fim da noite de ontem, foi bem recebida pelos investidores. Para instituições financeiras, a proposta diminui a interferência político-partidária na gestão da política monetária. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

 

ORÇAMENTO: Aprovados R$ 27,1 bilhões em créditos extras para diversos órgãos

orcamento 05 11 2020O Congresso Nacional aprovou 27 propostas que somam R$ 27,1 bilhões em créditos adicionais ao Orçamento. Outras duas ajustam trechos da peça orçamentária deste ano e da atual Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Todos os textos seguem para sanção presidencial.

Bloco - Desses 29 projetos de lei (PLNs) examinados nesta quarta-feira (04/11), 28 foram aprovados em bloco pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal. Só foi a voto – e apenas na Câmara – o PLN 30/20, que destina R$ 6,1 bilhões para infraestrutura. Passou por 307 a 126.

Questionamento - Deputados de oposição ao governo Bolsonaro questionaram essa proposta porque, após vários remanejamentos, o Ministério da Educação perderá R$ 1,4 bilhão. De outro lado, ganharão os ministérios do Desenvolvimento Regional; da Infraestrutura; e da Saúde.

Manutenção - O presidente do Congresso, senador Davi Alcolumbre, insistiu em manter o PLN 30 na pauta. Segundo ele, os recursos para o MEC poderão ser recompostos a depender do resultado das receitas e despesas até o quinto bimestre. O dado será divulgado no dia 30.

Acordo - Segundo ele, conforme acordo com o governo, o dinheiro do MEC será incluído no PLN 29/20, que ficou de fora nesta quarta. Esse texto atualmente destina crédito suplementar de R$ 48,3 milhões para três ministérios (Agricultura; Desenvolvimento Regional; e Turismo).

Emendas parlamentares - Relator do PLN 30, o senador Marcelo Castro (MDB-PI) rejeitou todas as 214 emendas apresentadas por deputados e senadores. Para ele, se aceitasse as sugestões, o texto seria desfigurado. “É tão complexo, deu tanto trabalho para ser formulado”, justificou.

Acordos - Castro relatou também os PLNs 40/20, 43/20 e 24/20, acatando poucas mudanças após acordos com os líderes partidários. No PLN 40, emenda dele repassa R$ 20 milhões para obra na BR-235, no Piauí, ao cancelar verba destinada a organismos internacionais.

Seguro-desemprego - O PLN 40, no valor de R$ 6,2 bilhões, destina R$ 3,8 bilhões ao seguro-desemprego na pandemia. O PLN 43, com R$ 3,8 bilhões, reforça os fundos de desenvolvimento do Norte e Nordeste em R$ 2,3 bilhões. O PLN 24 dá R$ 234 milhões a nove ministérios.

Textos - Outros 25 textos, no montante global de R$ 10,6 bilhões, foram relatados pelo líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO). Dois deles apenas mudam dispositivos legais no Orçamento deste ano e na atual Lei de Diretrizes Orçamentárias.

Acordo - O PLN 18/20 permitirá o cumprimento de acordo homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para compensação aos estados por perdas com a Lei Kandir. Já o PLN 15/20 altera característica orçamentária de emendas parlamentares no Ministério da Justiça.

Versão original - Todos os textos relatados por Eduardo Gomes foram mantidos conforme a versão original do Poder Executivo. Da pauta desta quarta, só foi adiado o PLN 41/20, que destina R$ 93 milhões para novas categorias de gasto em oito ministérios e cancela emendas de bancada estadual.

Pauta quase zerada - Com a sessão desta quarta-feira, o Congresso praticamente zerou a pauta de PLNs que aguardavam apreciação. No entanto, restam ainda os dois mais importantes, o PLN 9/20, que trata do projeto da LDO para 2021, e o PLN 28/20, com o Orçamento do próximo ano.

Rito sumário - Em razão da Covid-19, as propostas orçamentárias têm sido analisadas pelo Congresso por meio de rito sumário, com sessões remotas. Mas isso não valerá, em princípio, para os PLNs 9 e 28, que dependem da instalação da Comissão Mista de Orçamento (CMO).

Instalação - A CMO ainda não foi instalada nesta sessão legislativa devido a um impasse político na definição da presidência do colegiado. Neste ano, o cargo caberá à Câmara: uma parte dos deputados apoia Elmar Nascimento (DEM-BA); outra, Flávia Arruda (PL-DF). (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Maryanna Oliveira / Câmara dos Deputados

 

SAÚDE I: Brasil registra 610 mortes e 23,9 mil casos em 24 horas

Em 24 horas, as autoridades de saúde registraram 610 mortes e 23.976 novos casos de covid-19. As informações estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada na noite desta quarta-feira (04/11).

Total - Com os novos óbitos notificados, o total de mortes causadas pela a pandemia do novo coronavírus chega a 161.106. Na terça-feira (03/11), o painel do Ministério da Saúde contabilizava 160.496 falecimentos. Ainda há 2.295 mortes em investigação.

Infectados - Com os novos diagnósticos positivos de covid-19 registrados, o número acumulado de pessoas infectadas atingiu 5.590.025. Na terça, os dados consolidados pelo Ministério davam conta de 5.566.049 pessoas com covid-19 desde o começo da contagem.

Acompanhamento - Conforme a atualização do Ministério da Saúde, ainda há 364.575 pacientes em acompanhamento. Outras 5.064.344 pessoas já se recuperaram da doença, ou seja, 90,6% do total de infectados.

Covid-19 nos estados - Os estados com mais mortes são São Paulo (39.549), Rio de Janeiro (20.759), Ceará (9.370), Minas Gerais (9.069) e Pernambuco (8.667). As Unidades da Federação com menos casos são Roraima (693), Acre (696), Amapá (751), Tocantins (1.105) e Rondônia (1.464). (Agência Brasil)

 

saude I tabela 05 11 2020

SAÚDE II: Boletim registra mais 1.026 infecções e 11 mortes pela Covid-19

saude II 05 11 2020A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quarta-feira (04/11), mais 1.026 novas infecções e 11 mortes pela Covid-19. O Paraná agora acumula 214.014 diagnósticos positivos e 5.218 óbitos em decorrência da doença. Há ajustes nos casos confirmados detalhados ao final do texto.

Internados - O boletim relata que 697 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estavam internados nesta quarta-feira, sendo que 576 em leitos SUS (274 em UTI e 302 em enfermaria) e 121 na rede particular (38 em UTI e 83 em enfermaria).

Exames - Há outros 803 pacientes internados, 355 em leitos UTI e 448 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo vírus Sars-CoV-2.

Óbitos - Os 11 pacientes que faleceram estavam todos estavam internados. São cinco mulheres e seis homens, com idades que variam de 55 a 88 anos. Os óbitos ocorreram entre os dias 01 e 04 de novembro.

Residência - Os pacientes que faleceram residiam em Maringá (2) e um caso confirmado em cada um dos municípios de Araucária, Assis Chateaubriand, Cascavel, Cianorte, Ibaiti, Itaguajé, Santa Fé, Toledo e Umuarama.

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria da Saúde registra 2.252 casos de residentes de fora, sendo que 51 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando  AQUI

 

SAÚDE III: Sobe para cinco o número de mortes por dengue desde agosto

saude III 05 11 2020O Boletim quinzenal da dengue divulgado nesta quarta-feira (04/11) pela Secretaria de Estado da Saúde registra o total de 852 casos confirmados no atual período epidemiológico, iniciado em agosto. São quatro casos a mais que o informe anterior, que apresentava 848 confirmações.

Novos óbitos - Dois novos óbitos também foram registrados. Agora são 5 mortes provocadas pela dengue no período. As mortes aconteceram em Foz do Iguaçu (masculino, 74 anos, sem comorbidade) e em Londrina (masculino, 45 anos, sem comorbidade).

Cidades - Segundo dados do boletim, 144 cidades do Paraná apresentam casos confirmados de dengue. O total de casos notificados é de 8.265. Em relação à Chikungunya, o boletim traz 31 notificações no Paraná e dois casos autóctones confirmados no município de Londrina. Para Zíka vírus são 14 notificações.

Enfrentamento - A Secretaria da Saúde já iniciou a implantação de ações previstas no Plano de Enfrentamento à Dengue para 2020/2021, com foco na integração das áreas da Atenção Primária, Urgência e Emergência e Vigilância.

Integração - A integração das áreas profissionais para monitoramento, diagnóstico e manejo clínico foi discutida em reunião técnica nacional, realizada no final da semana passada, em Maringá, quando a Secretaria Estadual discutiu o Plano Estadual de Enfrentamento à Dengue com o Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana de Saúde, Conselho Nacional de Secretários de Saúde, Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Paraná e gestores municipais. Tanto o Ministério da Saúde como as demais instituições participantes confirmaram apoio ao Plano de Enfrentamento do Estado.

Esforços - “O Governo do Estado não medirá esforços no enfrentamento à dengue. Mesmo diante da pandemia da Covid-19, estamos atentos, preocupados e desenvolvendo novas estratégias para combater a dengue, zika vírus e chikungunya”, disse o secretário da Saúde, Beto Preto.

Ações - Já foram realizados encontros nas microrregiões de Colorado, Iguaraçu, Sarandi, Doutor Camargo e Nova Esperança, envolvendo a participação de profissionais que atuam na linha de frente da saúde em mais 24 municípios: Itaguajé, Santa Inês, Santo Inácio, Nossa Senhora das Graças, Lobato, Parancity, Atalaia, Floraí, Ourizona, Presidente Castelo Branco, São Jorge do Ivaí, Uniflor, Mandaguari, Marialva, Paiçandu, Ivatuba, Itambé, Floresta, Mandaguaçu, Astorga, Ângulo, Flórida, Munhoz de Melo e Santa Fé.

Medidas - O Plano de Ação preconiza medidas de prevenção, controle e identificação de circulação viral; além do alinhamento, capacitação e atualização profissional. O objetivo é que todos os envolvidos no processo de acolhimento e tratamento do paciente infectado trabalhem de forma integrada, ágil e eficiente.

Regionalização - “O nosso trabalho parte da premissa de regionalização da Saúde proposta pela gestão do governador Ratinho Junior”, disse o secretário. Estamos agilizando os serviços e qualificando o atendimento próximo da casa do cidadão, desta forma também acontecerão as ações para enfrentarmos juntos a dengue”, explicou.

Online - Simultaneamente aos encontros microrregionais, a Secretaria da Saúde promove um ciclo de seis webconferências também dirigidas a profissionais envolvidos no atendimento da dengue.

Semana passada - O primeiro foi na semana passada, outro acontece nesta quarta-feira e ainda haverá mais um, no dia 11, com enfoque para Agentes Comunitários de Saúde e Agentes Comunitários de Endemias, sobre manejo clínico da dengue.

Segunda etapa - A segunda etapa do ciclo será nos dias 19 e 26 de novembro e 3 de dezembro, direcionada aos profissionais da Urgência e Emergência com os temas, classificação de risco, diagnóstico, estadiamento e manejo clínico.

Prevenção - O secretário Beto Preto ressaltou, ainda, que além das medidas que estão sendo implantadas pelo Plano de Ação, o controle da dengue exige a participação da população. “Precisamos do apoio de cada paranaense na remoção dos criadouros nas residências. Mais de 90% dos focos do mosquito Aedes aegypti estão nos ambientes domiciliares, em pontos que acumulam água. A principal recomendação é para a eliminação desses criadouros”, enfatiza Beto Preto. (Agência de Notícias do Paraná)

 


Versão para impressão


RODAPE