Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4956 | 25 de Novembro de 2020

FECOOPAR: Fórum Internacional sobre as transformações nas relações trabalhistas durante a pandemia é nesta quinta-feira

Com a proposta de debater as transformações nas relações de trabalho ocorridas durante a pandemia e as perspectivas do cenário trabalhista no Uruguai, Estados Unidos e Espanha, a Federação e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Fecoopar) promove, nesta quinta-feira (26/11), das 8h às 12h, o Fórum Trabalhista Internacional, em parceria com a ABDConst. O evento, realizado em formato on-line e com inscrições gratuitas, é destinado a diretores, gerentes de Recursos Humanos e advogados. Clique aqui para se inscrever.

Palestrantes - O Fórum terá como palestrantes convidados o professor de Direito do Trabalho e de Seguridade Social da Universidade da República de Montevideo, no Uruguai, Alejandro Castello; o professor de Ciência Política da Agnes Scott College de Atlanta, na Geórgia (EUA), Augustus Bonner Cochran III, e o professor de Direito do Trabalho e de Seguridade Social da Universidade de Valência, na Espanha, Fernando Fita Ortega. “Vão ser debatidas questões ligadas a fechamentos de estabelecimentos e plantas industriais, impactos na economia, cenários futuros com uma nova onda e saúde e segurança do trabalho”, afirma o assessor jurídico e sindical da Fecoopar, Graziel Pedroso de Abreu, coordenador do evento, juntamente com Marco Antônio César Villatore.

Abertura - A abertura terá as presenças dos presidentes da ABDConst, Luciano Bernart, e do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken.

 

fecoopar 25 11 2020

WEBINAR: Seminário on-line vai debater perspectivas e oportunidades bilaterais no mercado agro entre Brasil e Reino Unido

Será realizado, nesta quinta-feira (26/11), a partir das 14h, pela plataforma Microsoft Teams, o seminário on-line que vai discutir as perspectivas e oportunidades bilaterais existentes no mercado agropecuário para o Brasil e Reino Unido. A ideia é tratar sobre o panorama do mercado britânico de agronegócio e as opções de inserção para as empresas paranaenses. Também, as tendências tecnológicas no mercado agro britânico e as parcerias que podem ser estabelecidas com organizações britânicas e, ainda, como a Agência de Crédito à Exportação do Reino Unido pode apoiar o setor agro no Paraná ao fomentar comércio e investimento com o mercado britânico.

Abertura e palestrantes - O webinar será aberto pelo superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti, e pelo cônsul honorário do Reino Unido no Paraná, Adam Patterson. Os palestrantes são: Maria Luqueze, diretora no Brasil da UKEF, Gabriela Meucci, líder do setor agro no consulado britânico, e Augusto Billi, adido agrícola da Embaixada do Brasil no Reino Unido.

Link - O link de acesso ao evento é: https://bit.ly/36iGret.

 

webinar 25 11 2020

PRÊMIO SOMOSCOOP: Conheça as melhores do ano

premio somoscoop 25 11 2020“O cooperativismo já faz muita coisa boa – pelas pessoas, pelo nosso Brasil – e pode fazer ainda muito mais, afinal, ele une negócio com propósito! Propósito de fazer bem feito e não só para alguns, mas para muitos. Quando você decide ser um cooperado, você decide empreender junto com outras pessoas. Você escolhe fazer parte de um movimento que tem como princípio o compartilhar... compartilhar objetivos, desafios, conquistas. No cooperativismo, a gente realmente cresce e ganha força juntos!”

Discurso - Esse é um dos trechos do discurso do presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, feito durante a cerimônia do Prêmio SomosCoop – Melhores do Ano, nesta terça-feira (24/11), realizada de forma digital. Neste ano, um outro motivo para celebrar é o número de cases inscritos na premiação: 595, de 22 estados.

Essenciais - Antes de serem conhecidos os primeiros, segundos e terceiros lugares das categorias do prêmio, Márcio Freitas também fez questão de destacar o quanto as cooperativas são essenciais para o país, especialmente nesse momento de pandemia, que acelerou as transformações que já vinham ocorrendo. “Este não tem sido um ano fácil, mas mostra o quanto as cooperativas são essenciais para os brasileiros e para a nossa economia. De norte a sul, elas não pararam. Respeitando todos os protocolos de segurança e saúde, as coops continuaram trabalhando para que o país não parasse. E é para isso que estamos aqui, hoje: para celebrar o compromisso das cooperativas com o crescimento do país”, enfatiza o líder cooperativista.

Empenho - Por fim, Márcio Freitas fez questão de agradecer o empenho das cooperativas que se inscreveram, da Comissão Julgadora, das unidades estaduais e, também, dos representantes de instituições e entidades parceiras, como o governo federal e a Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop).

Nova história- “Todos juntos, conseguiremos escrever uma nova história a partir deste ano. E junto com a gente, nós temos o Guga Kuerten falando sobre cooperativismo em todos os lugares – no digital, nos canais de TV, nas rádios. O Guga é o embaixador da nossa campanha nacional sobre o cooperativismo, que já está no ar! Ele – assim como todos nós – também acredita que com cooperação e pelo cooperativismo, nós vamos fazer um país e um mundo melhor”, finaliza o presidente do Sistema OCB.

Premiadas - Confira abaixo a lista das coops premiadas, por categoria:

COMUNICAÇÃO E DIFUSÃO DO COOPERATIVISMO

1º lugar - Sicoob Credichapada (MG): Programa de Educação Cooperativista Empreendedora e Financeira

2º lugar - Certaja Energia (RS): Projeto Sementes do Cooperativismo

3º lugar - Vinícola Aurora (RS): Programa Aprendiz Cooperativo do Campo

COOPERATIVA CIDADÃ

1º lugar - Sicredi Alto Uruguai RS/SC/MG (RS): Implantação e Promoção do Fundo Filantrópico de Incentivo a Projetos de Desenvolvimento Regional

2º lugar - Unimed Jaboticabal (SP): Adoção Compartilhada

3º lugar - Sicredi Centro-Sul MS (MS): Unidade Móvel Hospital de Amor

COOPERJOVEM

1º lugar - Sicoob Fluminense (RJ): Cooperjovem

2º lugar - Sicredi União MS/TO e Oeste Da Bahia (MS): Cooperjovem

3º lugar - Unimed Brusque (SC): Cooperjovem

FIDELIZAÇÃO

1º lugar - Sicredi Alto Uruguai RS/SC/MG (RS): Projetos Digitais “Flor&Ser” e “Maratona de Carreira”

2º lugar - Copérdia (SC): Núcleos Femininos Copérdia 32 Anos: Evolução Pessoal e Profissional das Cooperadas

3º lugar - Sicredi Progresso PR/SP (PR): Comitê Mulher Sicredi Progresso PR/SP

INOVAÇÃO

1º lugar - Coplacana (SP): Avance Hub: O Hub de Inovação da Coplacana

2º lugar - Unicred União Agência Mais – A Primeira Agência Digital do Cooperativismo de Crédito Brasileiro

3º lugar - Lar (PR): Gestão de Ideias Lar Cooperativa

INTERCOOPERAÇÃO

1º lugar - Certel e Sicredi Ouro Branco; Sicredi Integração RS/MG; Sicredi Região dos Vales; e Sicredi Botucaraí (RS): A Energia que Nos Une

2º lugar - Coopatos e Copacol (MG): Projeto Recriar

3º lugar - Sicredi Alto Uruguai RS/SC/MG e Cotrifred (RS): Projeto Meu Tambo Meu Futuro – Parceria entre as Cooperativas Cotrifred e Sicredi Alto Uruguai RS/SC/MG gera Impactos Significativos para a Cadeia Produtiva do Leite.

INFLUENCIADORES

Confira agora, os três maiores influenciadores do país, quando o assunto é cooperativismo. O voto popular contou com a participação de 14,2 mil pessoas.

- Evair de Melo (ES)

- Marco Aurélio Almada (DF)

- Rita Mundim (MG)

(OCB)

 

COMUNICADO: Lar e Copagril emitem nota conjunta sobre aliança estratégica de intercooperação

comunicado destaque 25 11 2020As cooperativas agropecuárias Lar, sediada em Medianeira, e Copagril, de Marechal Cândido Rondon, ambas no Oeste do Paraná, divulgaram, nesta terça-feira (24/11), uma nota conjunta comunicando associados, funcionários, clientes, fornecedores, parceiros financeiros e comunidade sobre o estabelecimento de uma aliança estratégica de intercooperação, estabelecida com o objetivo de aperfeiçoar os processos, a gestão e o desempenho da atividade avícola das duas cooperativas. A parceria envolve a aquisição, pela Lar, das Unidades Industriais de Abate de Aves e de Rações, pertencentes à Copagril e que estão localizadas em Marechal Cândido Rondon e Entre Rios do Oeste, respectivamente.

Clique aqui para conferir na íntegra a Nota Conjunta

 

 

FOTO: Jornal O Presente

 

TRANSPORTE: Ramo realiza seminários regionais

transporte 25 11 2020Os cinco seminários regionais do Ramo Transporte, realizados pelo Sistema OCB, foram um sucesso de público – 900 participantes – e já estão dando bons resultados. Cada evento atendeu às demandas específicas das regiões, o que possibilitou o debate de questões como tendências de mercado, intercooperação, identidade cooperativa, linhas de crédito, dentre outros.

Tecnologia - “Esse recorde de público mostra pra gente que a tecnologia pode e dever ser mais utilizada nas estratégias de aproximação com a nossa base. Vale destacar que seria muito difícil reunir tantos representantes dos segmentos das cooperativas de transporte. Mostra, também, que quanto maior a participação dos cooperados no processo de definição das diretrizes a serem trabalhadas junto aos Três Poderes, maiores são as chances de conquistas”, avalia o superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile.

Objetivos - Para o coordenador nacional do Conselho Consultivo do Ramo Transporte, Evaldo Moreira de Matos os temas de cada seminário e a participação de presidentes e superintendentes de unidades, conselheiros e representantes das cooperativas possibilitou alcançar os objetivos do seminário: ouvir detalhadamente as demandas da base e gerar oportunidades de negócios.

Integrado - “Além disso, essa participação mostrou o quanto o sistema está integrado. E, isso, considerando o cenário de desafios e oportunidades que temos representa mais do que um avanço, mas uma força. Também vimos o quanto é importante que o Ramo Transporte esteja próximo dos outros, especialmente o Agro e o Crédito”, avalia o coordenador.

Intercooperação - O ciclo de seminários também tem sido avaliado com muito sucesso devido aos resultados de intercooperação. Segundo explica o analista técnico e econômico da OCB, Tiago Freitas, logo depois dos eventos, muitas cooperativas passaram a fazer contato umas com as outras para encontrarem soluções de negócio e oportunidades de expandir suas atividades.

Crise - “O que percebemos é que foi possível que as cooperativas percebessem que poderiam se unir para evitar os efeitos da crise. Intercooperando, elas podem não só diminuir impactos econômicos, mas crescer. Temos alguns exemplos como a Federação das Cooperativas de Transporte de Cargas do Mato Grosso (Fetranscoop/MT) que buscou uma cooperativa de crédito para, juntas, montarem uma linha de crédito para renovação da frota. Além de cooperar entre si, as cooperativas de transporte também têm buscado parcerias com coops de outros ramos, como a agropecuário, por exemplo”, comenta Freitas.

Seminário Nacional - Outro fruto do ciclo de encontros é a realização de um Seminário Nacional do Ramo Transporte que já está sendo organizado para ocorrer ainda em dezembro deste ano. A ideia é continuar discutindo as tendências de mercado para os próximos anos. Para isso, estão sendo convidados representantes do governo federal, além de especialistas que possam mostrar quais os melhores caminhos para 2021. A divulgação desse seminário nacional deve começar em breve. (OCB)

 

CRESOL: Cooperativa participa da 7ª edição da Semana Nacional de Educação Financeira

cresol 25 11 2020Entre os dias 23 e 29 de novembro, a Cresol participa da 7ª Semana Nacional de Educação Financeira (Senef), uma iniciativa do Fórum Brasileiro de Educação Financeira (FBEF). Durante o período, serão realizadas ações gratuitas para promover a educação financeira no país.

Tema - Em 2020, o tema da Senef é: “Resiliência financeira: como atravessar a crise?”, alinhado com as consequências do novo coronavírus e seus impactos no planejamento. O objetivo é auxiliar as pessoas no equilíbrio da relação com o dinheiro e ajudar nas tomadas de decisão sobre finanças e consumo.

Referência - Envolvida com a Semana Enef desde 2016, a Cresol tem se tornado referência nacional na Educação Financeira, com ações que já impactaram mais de 52 milhões de pessoas. O Presidente da Cresol Confederação, Cledir Magri destaca o protagonismo crescente dentro do tema, mas que faz parte da história do Sistema.

Conexão - “Quando olhamos o conceito de educação financeira dentro da Cresol, temos uma conexão muito grande. Esse tema compõe nosso DNA, porque quando olhamos nossa missão, nossos valores, o conceito de educação financeira está presente. Nós auxiliamos na educação financeira todo dia, mas nessa semana queremos intensificar. Não tenho dúvidas que ao final dessa jornada vamos mais uma vez obter resultados significativos, com o efeito multiplicador de cada pessoa”, aponta Magri.

Inserção - Para o presidente do Cresol Instituto, Alzimiro Thomé, a Cresol sempre buscou inserir a educação financeira em suas propostas de formação.

Princípio cooperativista - “Com a Semana Nacional da Educação Financeira nós fortalecemos o princípio cooperativista da educação e formação e realizamos muitas ações internas e externas, gerando ainda mais proximidade com a comunidade. Neste ano trabalhamos a resiliência financeira, onde programamos ações online e disponibilizamos muitos materiais para quem tem interesse em ser o protagonista da sua vida financeira”, acrescenta Thomé.

A casa da Educação Financeira na Cresol - Para este ano, estão previstas diversas ações, como lives com especialistas, conteúdo educativo nas redes sociais e atividades realizadas pelas cooperativas do Sistema Cresol. Além disso, a Educação Financeira ganhou uma nova casa na Cresol, com a criação de uma página especial para o tema.

Site - No site educacaofinanceira.coop.br estão à disposição jogos, artigos, simuladores e cursos, tudo gratuito e aberto para a comunidade. A página também reúne conteúdo voltado ao mundo dos negócios, dedicado à organização das finanças nas empresas. (Imprensa Cresol)

 

SICREDI I: Presença em São Paulo aumenta 235% em seis anos

Com mais de 257 agências no estado de São Paulo, o Sicredi tem intensificado sua estratégia de expansão da rede de atendimento. Em 2014, eram 76 agências no estado - um crescimento de 235% em seis anos. O plano de investimentos segue mesmo durante a pandemia do novo coronavírus. Nos últimos dois meses, a instituição financeira cooperativa inaugurou unidades de atendimento em diversas regiões do estado, como Osasco, na Região Metropolitana da capital, e a terceira agência em Santos, no litoral Sul do estado, além de Ilha Solteira, Tremembé, Porto Ferreira, Ibiúna, São Roque e Césario Lange.

Rede de atendimento - A rede de atendimento do Sicredi no estado de São Paulo já conta agências em todos os municípios de médio e grande porte do estado. Apenas na capital, são 25 agências levando aos associados os diferenciais da primeira instituição financeira cooperativa do País. Agora, as cooperativas Sicredi presentes no Estado começam a aumentar a rede de atendimento também em municípios menores, ampliando a presença da instituição financeira cooperativa e gerando empregos.

Âmbito nacional - Nacionalmente, com a recente inauguração de uma unidade de atendimento em Manaus (AM), o Sicredi passou a estar presente em 23 estados e no Distrito Federal. Em todo o país, são 1.954 agências, dados de setembro. O número representa uma alta de 16%, em comparação a dezembro de 2018, quando a instituição registrava 1.684 agências. Somente em 2020, o Sicredi já inaugurou 113 novas agências em todo o Brasil e até o fim do ano, planeja abrir mais 36. O movimento segue na contramão dos bancos tradicionais. De acordo com o Banco Central, 1.895 agências bancárias fecharam em todo o país entre setembro de 2018 e o mesmo período de 2020.

Propósito - “A ampliação da rede física, aliada ao desenvolvimento de tecnologias e inovação nos canais de atendimento, está alinhada ao nosso propósito de gerar mais prosperidade. Internamente, temos um mote que representa bem este posicionamento: digital como é preciso ser, humano como só a gente é. Ter um relacionamento próximo às pessoas, ao comércio e ao produtor rural são alguns de nossos pilares, ao lado da gestão democrática e o incentivo ao comércio local. Nossos investimentos atendem às demandas dos associados e contribui para o desenvolvimento regional”, afirma o presidente nacional do Sicredi e da Central Sicredi PR/SP/RJ, Manfred Dasenbrock.

Impacto positivo - O impacto positivo do cooperativismo no desenvolvimento das áreas de atuação foi registrado em pesquisa divulgada em 2020 pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). De acordo com o estudo, o cooperativismo incrementa o Produto Interno Bruto (PIB) per capita dos municípios onde atua em 5,6%, cria 6,2% mais vagas de trabalho formal e aumenta o número de estabelecimentos comerciais em 15,7%.

Escala global - A presença do cooperativismo de crédito e de seus diferenciais também é significativa em escala global. De acordo com o Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito (WOCCU), em todo o mundo, já são mais de 85 mil cooperativas de crédito que reúnem 291 milhões de associados de 118 países. No Brasil, a atuação das cooperativas de crédito ficou mais abrangente na última década, com a Lei Complementar 130/2009, que regulamentou a Livre Admissão nas instituições financeiras cooperativas - possibilitando que qualquer pessoa pudesse abrir uma conta corrente numa cooperativa de crédito. “Nosso movimento iniciou no interior e em determinados segmentos da sociedade, mas agora começa a conquistar também os grandes centros urbanos, possibilitando que mais pessoas tenham acesso ao cooperativismo, modelo que promove o desenvolvimento por meio do ciclo virtuoso e da ajuda mútua. E a resposta da sociedade tem sido muito positiva, o que estimula mais inaugurações”, comenta Dasenbrock.

Crescimento na capital - Além da presença crescente nos pequenos municípios, o Sicredi também tem investido nos grandes centros urbanos. Na capital paulista, a instituição passou de 13 agências em 2018, para 25 unidades de atendimento em 2020 - um salto de mais de 90% em dois anos. “Nossas novas agências seguem um padrão completamente diferente, valorizando espaços de convivência entre os associados, que podem tomar um café ou até mesmo utilizar uma sala de reunião, no melhor estilo dos coworkings. Em toda a nossa área de atuação, investimos em agências que reflitam nosso espírito de colaboração”, reforça o presidente.

Inovação - Para Dasenbrock, a instituição cresce aliando os princípios do cooperativismo sem esquecer da inovação, das novas demandas de mercado e da renovação do quadro social das cooperativas. Um exemplo é o app do Sicredi, um dos mais bem avaliados nas lojas de aplicativo, e o PIX, lançado recentemente. “Além de oferecer mais opções aos nossos associados, buscamos sempre reforçar o que nos torna diferentes e garante a proximidade. Nossas cooperativas atuam diretamente nas comunidades com iniciativas que incluem educação cooperativa e financeira. Além disso, trabalhamos com projetos que visam engajar os jovens, garantindo a sustentabilidade do sistema e a continuidade do desenvolvimento regional por meio do cooperativismo”, finaliza.

Resultados expressivos - Os investimentos em relacionamento e nos diferenciais do cooperativismo vêm trazendo resultados expressivos nos últimos anos. Com 4,8 milhões de associados em todo o Brasil, o Sicredi registrou, em setembro de 2020, R$ 152 bilhões de ativos totais e R$ 19,5 bilhões de patrimônio líquido.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,8 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 23 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.900 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

{vsig}2020/noticias/11/25/sicredi_I/{/vsig}

SICREDI II: Central PR/SP/RJ recebe homenagem por apoiar jovens empreendedores

sicredi 25 11 2020Mantenedora da Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje), a Central Sicredi PR/SP/RJ foi homenageada na última sexta-feira (20/11), por apoiar jovens empreendedores e incentivar a formação de jovens lideranças. A cerimônia foi nas Cataratas do Iguaçu, durante a 26ª edição do Congresso Nacional de Jovens Empreendedores, que aconteceu em Foz do Iguaçu/PR.

Parceria - O presidente da Conaje, Marcelo Masso Quelho Filho, destacou que a parceria começou há cinco anos. “Se não fosse o Sicredi, o associativismo jovem do país e da Conaje não estariam no patamar que está hoje. Se a Conaje é mais cooperativa, isso se deve ao Sicredi”, destacou.

Homenagem - A homenagem foi recebida pelo superintendente de Negócios da Sicredi União PR/SP, David Conchon, que afirmou: “é uma honra receber essa homenagem em meio a amigos e grande lideranças. O Sicredi sempre apoia pessoas inspiradoras, desde que nasceu, em 1902”.

Projetos - O Sicredi desenvolve outros projetos de formação de lideranças jovens, como o Comitê Jovem. No caso da Sicredi União, que é uma das maiores cooperativas do sistema, o comitê é composto por 92 associados jovens. Para contribuir com a formação profissional e pessoal, a Sicredi União realiza encontros e discute assuntos como filosofia do cooperativismo, saúde financeira e traz lideranças inspiradoras contando sua trajetória. O comitê foi formado em 2015 e os membros têm mandato de dois anos - há também comitês de mulheres e master. (Assessoria de Imprensa)

 

SICREDI UNIÃO PR/SP: Apoio a iniciativas que levam informações e soluções ao produtor rural

sicredi uniao 25 11 2020A Sicredi União PR/SP tem hoje 110 agências espalhadas por 109 municípios do Norte e Noroeste do Paraná, Leste e Centro-Leste Paulista, e atende todos os segmentos. Mas a cooperativa de crédito nasceu, há 35 anos, para atender os produtores rurais que precisavam – e tinham dificuldades – para acessar crédito para implementar sua produção. Desde então, a Sicredi União ampliou seus focos, mas nunca deixou de estar lado a lado com o produtor rural na busca por soluções para suas demandas. Essa essência vem motivando a cooperativa a participar do Agrobit Brasil desde sua primeira edição e este ano, mesmo com o evento 100% digital, não foi diferente. O evento contou com o apoio digital da cooperativa, que esteve presente com um estande virtual e acompanhou de perto a extensa programação do evento, realizado dias 10 e 11 de novembro.

Raízes - “Para nós, ter participado do Agrobit Evolution foi de extrema relevância; nos faz voltar lá atrás, há 35 anos, quando um grupo de produtores rurais se uniu para criar a cooperativa para ter acesso ao crédito rural e poder desenvolver suas propriedades, investir em sua produção, E há 35 anos, a Sicredi vem acompanhando esse desenvolvimento da agricultura, especialmente, na sua área de atuação. Participamos da migração de uma agricultura extrativista para uma agricultura sustentável, que nós vivemos nos dias de hoje. E quando olhamos para o futuro do agro, vemos que foram de grande relevância os temas abordados pelo Agrobit”, avalia Vitor Pasquini, gerente de Desenvolvimento de Negócios Agro da cooperativa.

Conteúdo - Em dois dias, o Agrobit registrou 52 horas de conteúdo, com 76 palestras realizadas em quatro arenas simultâneas, conectando diversos players do agronegócio. “Conseguimos ver muita inovação e percebemos, cada dia mais, que ela é essencial e não existe sem a pesquisa científica”, analisa Pasquini.

Apoio - A Sicredi União acompanha de perto e apoia as iniciativas inovadoras que possam contribuir com o desenvolvimento do campo. A cooperativa está presente no AgTech Garage, hoje um dos principais hubs de inovação do Agronegócio em nível mundial. As iniciativas do AgTech Garage promovem a conexão entre grandes empresas, startups, produtores, investidores, academia, entre outros atores do ecossistema de inovação e empreendedorismo do Agro. As soluções disponíveis já impactaram diversos produtores.

Ciência - O gerente comenta que as startups são essenciais para unir o conhecimento gerado pela ciência, a tecnologia e conectá-las ao homem do campo. “Isso fica ainda mais claro de ver quando participamos de eventos como o Agrobit”, comenta.

Informação - Além de apoiar, o Sicredi também realiza eventos que facilitam o acesso à informação pelo produtor rural, como a Semana da Inovação 2020, que reuniu especialistas em conversas com transmissão ao vivo e gratuita. O evento reuniu, em setembro último, empresários, pesquisadores, e profissionais do setor para debater temas relacionados ao futuro do agrobusiness e iniciativas que impulsionam a chamada “revolução digital” no campo, entre outros assuntos.

Prosa com o Produtor - Na região de atuação da cooperativa Sicredi União PR/SP foi realizado também, recentemente, o Prosa com o Produtor, totalmente digital e que cumpriu a meta de levar informações e manter o homem do campo conectado, mesmo em época de pandemia. O projeto, realizado em quatro etapas, teve o objetivo de descomplicar o Plano Safra, linha de financiamento que permite custear todas as atividades do ciclo, com subsídio do governo federal, entre outros assuntos ligados ao agronegócio. “Seremos sempre apoiadores do desenvolvimento da agricultura sustentável e estaremos realizando ou apoiando eventos que levem soluções e informações ao produtor rural”, destaca Pasquini. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICREDI VALE DO PIQUIRI: Moto é entregue ao terceiro premiado em campanha de capital social

A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP entregou a terceira moto da promoção Investir, Cooperar e Ganhar. Após as premiações para associados de São Bernardo do Campo (SP) e de Boa Esperança (PR), foi a vez de Alessandro T., da agência de Santana, em São Paulo (SP), ser contemplado com uma BMW G310 zero quilômetro na segunda-feira (23/11).

Surpresa total - “Ser sorteado foi uma surpresa total”, comemora Alessandro. “Depositei na conta capital por acreditar no trabalho da cooperativa. Vale a pena investir aqui. São muitas as vantagens e agradeço ao Sicredi por isso”, completa.

Futuro - André Braga, gerente da agência, destaca que investir em capital social é pensar no futuro da cooperativa e do associado. “Além da rentabilidade, o associado ainda concorre a esses prêmios. A campanha vai até março do ano que vem e ainda vamos sortear outros cinco motos e três carros”.

Círculo virtuoso - A gerente de desenvolvimento de negócios, Márcia Silva, reforça sobre o círculo virtuoso. “O capital social fomenta a região e isso volta ao associado. Esse é um investimento que agrega ao futuro, que tem uma rentabilidade diferenciada”.

Exclusiva - A promoção Investir, Cooperar e Ganhar é exclusiva da Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP. A cada R$ 100 depositados em conta capital, o associado recebe um cupom para concorrer a uma moto por mês. Ao final da campanha, em março de 2021, serão sorteados três carros zero quilômetro: uma Amarok e duas Fiat Toro. Para mais informações, acesse: www.sicredi.com.br/promocao/investircooperareganhar/

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP - A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, uma das 108 cooperativas do Sicredi, conta com 32 anos de história e mais de 160 mil associados. A área de atuação da cooperativa abrange 43 cidades no estado do Paraná e 8 cidades no estado de São Paulo, incluindo a capital paulista e cidades vizinhas do grande ABCD. São 92 espaços de atendimento, sendo 52 no Paraná e 40 em São Paulo (sicredi.com.br/vale-piquiri/).

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,8 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 23 estados e no Distrito Federal, com mais de 1.900 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

{vsig}2020/noticias/11/25/sicredi_vale_piquiri/{/vsig}

SICOOB TRÊS FRONTEIRAS: Dia Mundial do Diabetes é marcado pela realização de testes e ações conscientização

sicoob tres fronteiras 25 11 2020Com foco na conscientização a respeito do diabetes, que é conhecido como uma doença silenciosa, desde o último dia 16 de novembro, o Sicoob Três Fronteiras tem promovido uma rodada de testes rápidos com os colaboradores das agências e da Unidade Administrativa.

Conteúdos informativos - Além dos testes, feitos em parceria com a Unimed, a cooperativa preparou uma série de conteúdos informativos. O material foi divulgado na Play Intranet, na semana que antecedeu o Dia Mundial do Diabetes, comemorado em 14 de novembro.

Palestra - As ações de conscientização sobre a doença foram completadas com uma palestra gravada pela médica da família da Unimed, Barbara Castro, também disponibilizada aos colaboradores via Play.

Incentivo - A menor aprendiz Kesia Buss reconheceu as iniciativas como um incentivo para estar em dia com a saúde. O sentimento da Kesia foi compartilhado pela gerente de relacionamento Michelle de David e pelos colegas de agência, que disseram ter ficado gratos por poderem cuidar da saúde com esse apoio e incentivo da cooperativa.

Importante - “A ação realizada em prol da conscientização do diabetes foi de suma importância, pois contribuiu para que as pessoas tenham cuidados preventivos, visando fomentar a preservação da saúde e bem-estar. Entendo que essa ação está intrinsicamente ligada aos objetivos do desenvolvimento sustentável, que demonstra a responsabilidade social da cooperativa conosco”, comenta a analista de crédito, Alinne Miskalo. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

COAMO I: Lançado hotsite comemorativo aos 50 anos; aniversário também é tema da reportagem especial da revista

Neste sábado (28/11), a Coamo comemora 50 anos de fundação. Diversas ações têm sido realizadas desde o lançamento da marca do Jubileu de Ouro da cooperativa, em fevereiro deste ano. Para unir todas essas ações em um mesmo ambiente, a Coamo lançou, nesta terça-feira (24/11), um hotsite comemorativo. Lá está toda a história, as pessoas que ajudaram a construir a cooperativa e muito mais.

Link - Acesse: http://www.coamo.com.br/coamo50anos/ e faça uma imersão nessa história.

Revista - O aniversário de 50 anos também é tema da reportagem especial da mais nova edição da Revista Coamo. ‘Meio século de transformação: uma história de sonhos, união, trabalho e conquistas.’ Com esse título, a revista traz várias reportagens mostrando toda a história e a trajetória da cooperativa, que evoluiu e ajudou a transformar a vida de milhares de pessoas ao longo dos anos.

Versão completa - Acesse a versão completa da Revista Coamo: http://www.coamo.com.br/revistacoamo/nov20/. (Imprensa Coamo)

{vsig}2020/noticias/11/25/coamo_I/{/vsig}

 

(Imprensa Coamo)

 

COAMO II: Cooperativa comemora um ano das indústrias de Dourados

coamo II 25 11 2020A Coamo comemora, nesta quarta-feira (25/11), um ano da inauguração das Indústrias de Dourados (MS). O empreendimento construído à margem da BR 163, entre Dourados e Caarapó contou com investimento superior a R$ 780 milhões e capacidade para processamento de 3.000 toneladas/dia de soja, produção de farelo de soja e uma refinaria para 720 toneladas/dia de óleo de soja, equivalente a 15 milhões de sacas. “Com as indústrias de Dourados, somados aos outros dois parques industriais, a Coamo ampliou a capacidade de processamento de soja para 8.000 toneladas/dia e a de refino para 1.440 toneladas/dia de óleo de soja refinado”, informa Divaldo Correa, Diretor Industrial da Coamo.

Resultados importantes - Segundo Correa, em apenas um ano, a equipe da cooperativa já conquistou resultados importantes. “Com imensa satisfação e orgulho, comemoramos um ano de funcionamento das unidades de Dourados. Todo o time de funcionários está de parabéns, pelo desafio e pelos resultados conseguidos até agora. Na extração foram produzidas 943 mil toneladas de soja, resultando em 657 mil toneladas de farelo, 196 mil toneladas de óleo bruto degomado e 53 mil toneladas de casca. Na refinaria de óleo, foram produzidos 7,413 milhões de caixas e 25, 176 mil toneladas de óleo refinado granel. Realmente números impressionantes para uma indústria nova. Parabéns também as áreas de apoio de toda Coamo que, com certeza, fazem parte deste elo e que facilitaram para que os resultados fossem alcançados.”

Produção - As indústrias produzem farelo, óleo bruto e óleo refinado de soja em Dourados, no Mato Grosso do Sul e agregam valor à produção dos associados. “Estas indústrias estão permitindo expandir a presença da Coamo no mercado brasileiro com óleo refinado, nos Estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul com farelo de soja e, também, ampliaram a nossa participação no mercado europeu com farelo de soja”, afirma José Aroldo Gallassini, idealizador e Presidente do Conselho de Administração da Coamo.

Novas indústrias - Gallassini destaca a necessidade das novas indústrias e a escolha da região de Dourados. “O volume de soja recebido pela Coamo no Mato Grosso do Sul comportou perfeitamente a instalação de uma moderna indústria esmagadora de soja e de uma refinaria de óleo de soja em Dourados, justificando plenamente a redução de custo com o transporte do produto já industrializado ao invés de transportá-lo in natura para a industrialização em Campo Mourão ou em Paranaguá”.

Empregos diretos - Para a operacionalização das indústrias, foram gerados mais de 300 empregos diretos, além de temporários e avulsos nos períodos de safra. Foi implantado um centro regional de distribuição de Insumos, peças e Máquinas Agrícolas e uma central regional de transporte para coordenação de todo o transporte necessário para o abastecimento das indústrias e distribuição dos produtos industrializados, os quais irão gerar mais de 100 empregos diretos.

História - A história da Coamo no Mato Grosso do Sul começou no ano de 2003 na região de Amambai e, atualmente, a cooperativa está instalada com modernas unidades em nove municípios – Amambai, Aral Moreira, Laguna Carapã, Ponta Porã, Caarapó, Maracaju, Sidrolândia, Itaporã e Dourados, atende milhares de associados em 14 unidades e conta com uma capacidade estática de armazenamento de 1.250.000 toneladas, com um recebimento de soja, milho e trigo de 2.000.000 toneladas. (Imprensa Coamo)          

 

COCARI: Palestra de encerramento do Cooperjovem aborda Comunicação 4.0

cocari 25 11 2020

Nesta terça-feira (24/11), o Programa Cooperjovem promoveu a palestra de encerramento das atividades de 2020, sobre Comunicação 4.0, com a pedagoga, jornalista e palestrante Cláudia Carvalho, que também é mestranda em Neuromarketing. O evento foi realizado pela plataforma Google Meet, às 15h, e participaram professores de Jandaia do Sul-PR, Kaloré-PR e Mandaguari-PR. No total, 12 escolas e aproximadamente 800 alunos desenvolvem a iniciativa de educação cooperativa em sala de aula, com apoio da Cocari e do Sescoop/PR.

Nova prática - O analista de Cooperativismo, Hugo Felipe Carnelossi, comentou sobre o valor da formação de professores nesta fase pela qual passamos. “Neste momento que estamos vivenciando, a área mais afetada foi a educação. Sabemos o tamanho do impacto dessa nova metodologia, na qual o contato com o professor fica restrito apenas ao virtual. Neste contexto, o professor teve que se atualizar profissionalmente para levar a educação de forma mais afetiva e dinâmica para nossos alunos”, considera.

Comunicação 4.0 - A palestrante Cláudia Carvalho explica que o objetivo da palestra foi levar os educadores a avaliar a comunicação em cada área da vida. “Este tema é de extrema relevância, porque estamos em um mundo onde, da mesma maneira que a internet conecta todas as coisas, a comunicação está totalmente conectada dentro de nós e pensar essa Comunicação 4.0 é fundamental para que possamos ter sucesso. O evento foi maravilhoso, os professores responderam de forma muito positiva. Sinto uma imensa gratidão de poder falar para educadores, que são pessoas que eu admiro muito”, comentou.

Reaprender - Cláudia também falou sobre o momento pelo qual os professores estão passando. “São grandes heroínas e heróis, porque estão se reinventando. Como eu mencionei no evento, existe a necessidade de desaprender para aprender novamente sob uma nova perspectiva. Espero ter contribuído com eles para que a comunicação melhore cada vez mais”, acrescentou.

Soma de forças - Segundo a professora Sueli Alves do Nascimento da Costa, da Escola Municipal do Campo Paraíso da Infância, do distrito de Jussiara no município de Kaloré, a palestra mostrou o valor da união na prática pedagógica. “Vimos que na nossa prática profissional devemos ensinar, somando nossas forças, pois juntos somos mais fortes. Principalmente nesse momento que estamos vivendo, necessitamos da ajuda da família para fazer a diferença no ensino e aprendizagem dos nossos alunos. Portanto, tudo que fazemos tem de ser por amor”, destacou.

Qualidade na comunicação - Para a pedagoga Silvana Rodrigues Malheiro Huss, coordenadora pedagógica do quarto ano na Secretaria de Educação do Município de Mandaguari, o evento serviu como motivação para aperfeiçoar o processo de comunicação. “Aprendi que para comunicar com qualidade é necessário compreender as especificidades do nosso cotidiano, como em nossa convivência com colegas de trabalho, amigos e familiares. Dessa maneira, comunicando melhor, poderemos construir uma sociedade transformadora”, resumiu. 

Ressignificação - A pedagoga acrescenta que a capacitação é essencial para fortalecer o conhecimento. “Na pandemia, distantes de nossos alunos e colegas de trabalho, temos a possibilidade de ressignificar a nossa prática pedagógica aproveitando ao máximo todos os momentos que geram aprendizagem. A palestra me motivou muito, em especial me proporcionou uma vontade a mais de estudar e aprender!”, disse.

Inspiração - Alessandra Vicentin, que também participou da palestra, deixou sua impressão. “Nossos alunos nos têm como exemplo. Devemos trabalhar com muito amor, carinho, dedicação e profissionalismo”, registrou.

Cooperativismo - Por meio de palestras educativas como essa, o Programa Cooperjovem divulga conceitos cooperativistas e ações para a formação de educadores na área de ação da Cocari. Coordenados pelos professores, os alunos desenvolvem atividades cooperativas, ações solidárias e de cuidados com o meio ambiente. (Imprensa Cocari)

 

COCAMAR: Projeto SuperSolo é tema de evento da Embrapa

O SuperSolo, projeto que a Cocamar conduz há dois anos em parceria com a Embrapa Soja, foi o tema da 73ª Reunião do Treino e Visita que essa última instituição promoveu na terça-feira (24/11), em videoconferência.

Agenda - A programação iniciou às 8h10, com abertura a cargo de Carina Rufino, chefe de Transferência de Tecnologia e Inovação, e Maiko Zanella, analista de desenvolvimento técnico do Sistema Ocepar. Na sequência, o gerente técnico da Cocamar, Rafael Furlanetto, fez uma apresentação da iniciativa, seguido de uma palestra do engenheiro agrônomo e cooperado da Cocamar em Apucarana, Fábio Von Gaevernitz Lima, a respeito dos impactos do projeto na visão do produtor.

Pesquisadores - Os resultados do projeto SuperSolo: fertilidade do solo, foi o tema abordado a seguir pelo pesquisador da Embrapa, Henrique Debiasi , sucedido pelo colega Júlio Franchini, que analisou Resultados do Projeto Super Solo: monitoramento de talhões por imagens aéreas. Após a discussão dos resultados pela equipe do Treino e Visita, a especialista Divania de Lima, da Embrapa Soja, falou sobre encaminhamentos para a próxima reunião.

O projeto- Furlanetto comentou que Cocamar e Embrapa realizaram o SuperSolo pelo segundo ano seguido, na safra de verão passada. Trata-se de um levantamento sobre as características dos solos em diferentes regiões de atuação da cooperativa, no norte e noroeste do Paraná. No ciclo anterior (2018/19) foram visitadas 24 propriedades rurais e nesse último (2019/20), mais 25.

Reduzir perdas - De acordo com Henrique Debiasi, “a agricultura é a arte de reduzir as perdas, pois os materiais, como sementes, já chegam com todo o seu potencial produtivo. Por isso, quanto melhor o produtor manejar o seu solo e empregar adequadamente os recursos, menos ele irá perder em produtividade”.

Manejo - Nesse contexto, a forma como o solo é manejado acaba sendo decisiva e não vai adiantar investir apenas em adubação química, deixando de lado os aspectos físico e biológico. Se o solo estiver compactado – o que é comum na realidade da agricultura paranaense – as raízes vão se aprofundar cerca de 20 cm, enquanto que em solo não compactado o sistema radicular pode alcançar o dobro em profundidade, assegurando um ambiente mais favorável às plantas ao reduzir os efeitos de veranicos.

Insumos - O pesquisador chamou atenção para o fato de o produtor observar alguns quesitos básicos e elementares para o sucesso do seu negócio, entre os quais uma análise de solo – o que lhe permitirá fazer a reposição de nutrientes de acordo com as necessidades detectadas. “Uma análise de solo custa muito barato diante do resultado que ela vai trazer na colheita”, afirmou Debiasi, mencionando que além dos insumos comuns – adubos, sementes, fertilizantes e defensivos – o produtor também deve levar em conta outros “insumos”, que dependem dele, como uma boa cobertura do solo, o mínimo revolvimento do mesmo, enriquecê-lo com matéria orgânica, proporcionar que as raízes se desenvolvam e também uma diversidade biológica, com práticas, entre as quais, a rotação de culturas.

Infiltração de água- “O principal fator para a viabilidade de uma cultura é a água, quanto mais água, maior a uniformidade da lavoura”, ressaltou o pesquisador, lembrando que uma visão aérea de um campo geralmente permite ver muitas falhas. Segundo ele, a capacidade de infiltração de água aumenta com a diversificação, sendo o capim braquiária mais factível para a realidade regional, cultivado em consórcio com o milho de inverno ou de forma solteira. Além dos benefícios trazidos pelo seu enraizamento, que rompe a compactação, oxigena o solo, abre canais para a infiltração de água e cicla nutrientes de camadas mais profundas, a braquiária vai inibir o desenvolvimento de ervas de difícil controle, como a buva e o amargoso. “Os resultados do consórcio milho x braquiária atingem o seu ápice no terceiro ano.”

Arapongas - Para mostrar um pouco dessa realidade e também do projeto SuperSolo, no dia 17 de novembro o Rally Cocamar de Produtividade visitou duas propriedades no município de Arapongas, em companhia do pesquisador Henrique Debiasi, da Embrapa Soja, e do gerente técnico da Cocamar, Rafael Furlanetto.

Sustentabilidade - Na primeira, com área de 130 hectares, há 21 anos os proprietários fazem plantio direto e há três aprimoraram o sistema para torná-lo mais sustentável e garantir mais produtividade, adotando no inverno o consórcio milho e braquiária recomendado pela Cocamar. O administrador Paulo Staffen, que trabalha ali há 31 anos, disse estar satisfeito com o que a braquiária tem proporcionado ao solo. No primeiro ano de consórcio com o milho, lembrou Staffen, o capim concorreu com a cultura de inverno, o que já era esperado, mas nas duas safras seguintes, diante das boas condições de solo, contribuiu para um aumento de produtividade do cereal, sem falar dos efeitos positivos disso sobre a cultura no verão.  

Diagnóstico - A equipe de técnicos que acompanhou o Rally analisou as plantas, observando o bom desenvolvimento das raízes, e coletou amostras para fazer um diagnóstico rápido de estrutura de solo, que permite saber, por exemplo, sobre como está sendo a infiltração de água.

Saúde do solo - O pesquisador da Embrapa, Henrique Debiasi, mostrou que o solo coletado se desprendeu com facilidade, em torrões pequenos, possibilitando a infiltração da água da chuva. “Essa é uma propriedade que se pode considerar sustentável”, disse, uma vez que o investimento é feito pensando, principalmente, na saúde do solo. Com a boa infiltração, ocorre também o armazenamento de água – condição para que as plantas, ao desenvolver raízes mais profundas, resistam por mais tempo uma estiagem.

Sem cobertura - O mesmo diagnóstico foi efetuado em outra propriedade no mesmo município, onde a soja havia sido semeada em solo sem qualquer tipo de cobertura. Desta vez, observou-se que as raízes das plantas não se desenvolvem devido à compactação, comprovada pela coleta de amostras, que resultou em torrões grandes e compactos. Furlanetto explicou que embora houvesse ainda umidade na camada inferior, as raízes não conseguiam acessá-la, diferente do que se viu na propriedade anterior.

Resultados desiguais - “Nas duas propriedades foram utilizados, possivelmente, os mesmos insumos, havendo o mesmo investimento. Inclusive o solo argiloso apresenta características semelhantes. No entanto, os resultados com certeza vão ser muito desiguais”, completou o gerente técnico da Cocamar. (Imprensa Cocamar)          

{vsig}2020/noticias/11/25/cocamar/{/vsig}

COOPAVEL: Palestra orienta sobre cuidados e prevenção ao câncer de próstata

coopavel 25 11 2020O que é e como prevenir o câncer de próstata. Essa foi a mensagem central de palestra, na segunda-feira (23/11), sobre uma das doenças que mais acometem e levam homens a óbito no Brasil. O assunto foi apresentado pela enfermeira da Unimed Caroline do Nascimento Leite. Organizada em parceria com o setor Médico da Coopavel, a palestra integrou um conjunto de ações realizadas em novembro para alertar e disseminar cuidados que podem salvar vidas.

Números - Caroline falou sobre tipos de câncer e deu alguns números sobre a doença no Brasil. A previsão é de que quase 70 mil pessoas percam a viva, em 2020, vítimas dessa doença no País. Pelo menos 15,5 mil desses óbitos serão por câncer de próstata. “Entretanto, além dos avanços da medicina principalmente nas últimas duas décadas, há cuidados básicos capazes de diagnosticar a doença em seu início e, então, levar a um tratamento com elevados índices de sucesso”, de acordo com a enfermeira da Unimed. A palestra foi destinada a funcionários da Coopavel lotados no Moinho de Trigo e nas áreas de rações e transportes.

Silencioso - O câncer de próstata é silencioso em suas etapas iniciais. Geralmente não existem sintomas. Quando surgem os primeiros sinais eles são semelhantes ao da expansão benigna da próstata. Caroline informou que sintomas mais comuns são dificuldades de urinar e vontade de aliviar a bexiga com frequência. Quando o estágio já está mais avançado, o doente pode sentir dor óssea, infecção generalizada ou insuficiência renal, de acordo com a enfermeira. “O câncer, apesar de como a medicina melhorou seus procedimentos, é uma doença que exige atenção e cuidados”, segundo a enfermeira do Trabalho, Giane Quinhones Dalla Costa.

Próstata - A próstata é uma glândula que só o homem tem e fica na parte baixa do abdômen. É um órgão pequeno, em formato de maçã situado abaixo da bexiga. A próstata envolve a porção inicial da uretra, tubo pelo qual a urina armazenada na bexiga é eliminada. A próstata produz parte do sêmen liberado durante o ato sexual. Quando surgem, há tumores que se desenvolvem e se espalham rapidamente, podendo levar a óbito. A maioria, entretanto, cresce lentamente e será detectada sem maiores riscos ao paciente.

Primeiros exames - Os primeiros exames para detecção precoce do câncer de próstata são o toque retal e o exame de sangue, destinado a avaliar a dosagem do antígeno prostático específico, conhecido por PSA. As investigações podem ser feitas também por exames clínicos, laboratoriais ou radiológicos. A grande maioria dos casos, 75%, ocorre em pacientes com mais de 65 anos. Mas os exames devem ser feitos a partir dos 40 anos. (Imprensa Coopavel)

 

UNIMED CASCAVEL: Colaboradores doam sangue para 132 pessoas

unimed cascavel 25 11 2020O que você seria capaz de fazer para salvar a vida de alguém que está em perigo? Esta não é uma pergunta hipotética, pois faz parte de uma realidade diária no mundo inteiro, e também não é necessário pular de um precipício ou entrar em um prédio em chamas. Existe uma ação 100% segura, necessária e eficiente para aumentar as chances de vida de uma multidão de pessoas. 25 de novembro é o Dia Internacional do Doador de Sangue.

Recomendação - A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é clara: para que a vida humana tenha mais segurança, de 3,5% a 5% da população de cada país deve doar sangue. O problema é que, no Brasil, esse número não chega a 2%. Isso representa um drama para pacientes com distúrbios crônicos, a exemplo dos hemofílicos, ou mesmo para quem está na fila de cirurgias e transplantes que só podem ocorrer com estoques garantidos nos bancos de sangue.

Medo - Medo de agulha não justifica. Também não há razão para acreditar na série de mitos que envolvem o tema. Por isso, é importante destacar: doar não engrossa nem afina o sangue, não entope nem seca as veias, não provoca anemia, não engorda nem emagrece, não oferece perigo às mulheres no período de menstruação e não risco de contaminação para ninguém.

Incentivo - A Unimed Cascavel defende a vida e, por isso, incentiva a doação. Em 2020, a cooperativa manteve o estímulo para que colaboradores fossem até o Hemocentro da cidade para se tornarem doadores. Ao todo, 33 pessoas aceitaram e, juntas, beneficiaram outras 132 vidas humanas. Além disso, os doadores da Unimed Cascavel somaram um estoque de 47 bolsas no Banco Virtual de Sangue, que é uma garantia para essas pessoas, caso elas próprias ou familiares venham a precisar de doação.

Em qual grupo você está? - Entre as possibilidades de estar no grupo que doa, do que não doa ou do que precisa de doação, o analista de contas médicas Marcelo Caiado prefere estar no primeiro. “Comecei a doar aos 18 anos e sempre considerei uma forma rápida e fácil de ajudar o próximo. Mas também já tive no terceiro grupo, pois já tive muitos familiares que precisaram receber sangue, por isso sei o quanto é necessário. Doo sem medo e, depois, tenho a melhor sensação possível, que é a certeza de ter ajudado alguém.”

Como doar? - Ao chegar no Hemocentro, o (a) candidato (a) a doador (a) faz um cadastro, passa por uma triagem clínica, pela coleta de sangue e por fim, recebe um lanche. Conforme as normas técnicas do Ministério da Saúde, há critérios que permitem ou impedem a doação. As principais são:

• Levar documento oficial com foto

• Estar em boas condições de saúde

• Ter entre 16 e 70 anos incompletos

• Pesar mais de 50kg

• Não estar em jejum

Localização - O Hemocentro de Cascavel fica na Rua Avaetés, 370 – Santo Onofre. Os horários são agendados. O telefone de contato é o (45) 3226-4549.

Restabelecimento - Finalizada a doação, o corpo do doador começa a se restabelecer quase que imediatamente. A reposição do volume de plasma ocorre em 24 horas e a dos glóbulos vermelhos em quatro semanas. Quanto ao índice de ferro, homens precisam de oito semanas (e mulheres, 12) para retornarem aos números normais. É por esse motivo que o público masculino pode doar sangue a cada dois meses, enquanto que o prazo para o público feminino é de três.

Células da vida - Além das campanhas de doação de sangue, em 2020 a Unimed também colocou em prática três edições do cadastro de doadores de medula óssea, com a participação de 89 colaboradores. A, analista Vanessa Boff dos Santos, do setor de Regulação de Rede, fez parte do primeiro grupo a se cadastrar no banco de doadores de medula. “Logo que chegamos, eles nos explicaram que estamos no cadastro e, havendo compatibilidade com alguém que precise, seja onde for, podem nos chamar. Eu decidi participar porque considero esse um ato de doação de vida, de amor e de empatia. Não doeu nada e, agora, sinto uma gratidão imensa por saber que posso ajudar alguém que nem imagino quem seja, mas que pode continuar vivendo com a minha ajuda”.

Jeito de Cuidar - Essa ação promovida pela Unimed Cascavel faz parte da iniciativa Jeito de Cuidar Unimed, que visa aumentar a qualidade e a eficiência do atendimento, elevando o nível de percepção da essência da marca: vocação para cuidar de pessoas. (Imprensa Unimed Cascavel)

 

AGRONEGÓCIO: Ipea projeta crescimento do PIB agro em 1,5% para 2020

agronegocio 25 11 2020O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, nesta terça-feira (24/11), a Carta de Conjuntura Agro, com projeções do Produto Interno Bruto (PIB) agropecuário para 2020 e 2021. Com base nos dados mais recentes do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e de dados atualizados de produção pecuária e outros, o Grupo de Conjuntura estima aumento para o PIB do setor agropecuário de 2020 de 1,9% no mês de outubro, para 1,5% em novembro. O valor adicionado da lavoura teve seu crescimento revisado de 3,9% para 3,8%, enquanto o da pecuária caiu de -1,5% para -2,0%. Para o componente "outros", que inclui exploração florestal, pesca e aquicultura, a queda projetada também se intensificou, de -6,4% para -9,4%.

2021 - Para 2021, o PIB agropecuário deve ficar em 1,2%, um crescimento menor que os 2% que haviam sido projetados em outubro. A atualização foi feita com base no primeiro prognóstico de safra do IBGE, complementados por projeções da Conab, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do próprio Ipea. A previsão para o valor agregado da lavoura teve revisão de crescimento de 1,8% para 0,4%. Esta queda se deve principalmente à substituição de parte das estimativas da Conab pelas do IBGE. Apesar de o IBGE também considerar safras recordes de soja (4,6%) e milho (2,6%) no próximo ano, a queda de outras culturas deve compensar parte da contribuição positiva desses dois grãos. Para a pecuária, houve revisão da expectativa de alta de 3,9% para 4,4%. Em relação ao componente "outros", a perspectiva é que a queda passe de -2,5% para -3,5%.

Exportações - As exportações brasileiras registraram crescimento de 6% de janeiro a outubro de 2020 na comparação com o mesmo período de 2019, impulsionadas pelo açúcar (63%) e carne suína (49%), soja (21%), algodão (21%) e carne bovina (20%). No caso das importações, houve queda de 5% nos dez principais produtos importados, entre eles o salmão (-34%), o malte (-10%), os produtos hortícolas (-8%) e o trigo (-5%).

Crédito rural - As contratações de crédito rural apresentaram bom desempenho nos quatro primeiros meses do ano-safra 2020-2021, com a concessão de R$ 92,3 bilhões de crédito entre julho e outubro, uma alta de 20,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Mesmo com a expansão do crédito, a inadimplência segue em níveis baixos.

Apresentação - A apresentação dos dados ocorreu em webinar do Ipea nesta terça-feira, às 14h30, com a participação do presidente do Ipea, Carlos von Doellinger, do diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do instituto, José Ronaldo de Castro Souza Júnior, além do diretor presidente da Conab), Guilherme Bastos, e do subsecretário de Política Agrícola e Meio Ambiente do Ministério da Economia, Rogério Boueri. (Assessoria de Imprensa do Ipea)

FOTO: Banco de Imagens CNH

Acesse a íntegra do estudo

 

 

APRE: Associação florestal paranaense lança estudo que destaca principais dados do setor no Estado

A Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (Apre) vai lançar, nesta quarta-feira (25/11), às 17h, a nova edição do Estudo Setorial Apre. O documento reúne os principais dados do setor de árvores plantadas no Paraná, destaca a importância desse segmento para a economia do Estado, além das contribuições sociais e ambientais. O evento de lançamento será on-line, transmitido pelo YouTube da Apre, no link https://bit.ly/35JT8Qj.

Mapeamento - Além da publicação, a Apre realizou, em paralelo, o Mapeamento Florestal do Paraná, com o objetivo de levantar dados para embasar o estudo. Segundo o documento, o Estado apresenta pouco mais de um milhão de hectares de área plantada, sendo 692 mil com pinus (68%), 256 mil com eucalipto (25%) e 61 mil entre corte raso e plantios jovens (6%). “No Brasil, temos aproximadamente nove milhões de hectares de florestas plantadas, conforme dado divulgado pela Indústria Brasileira de Árvores (Ibá). Reconhecer que mais de um milhão está aqui mostra a expressividade do Paraná”, avalia o presidente da Apre, Álvaro Scheffer Junior.

Diversidade - Uma das principais características do Paraná, evidenciada no estudo, é a diversidade do negócio florestal, que está entre os mais completos do país, com destaque para plantios de pinus. As áreas cultivadas produzem matéria-prima para múltiplos usos, como móveis, papel, celulose, brinquedos e instrumentos musicais, biomassa, produtos para a construção civil, entre outros. Mas além de contribuir como fonte de insumo para todos esses fins, a floresta plantada é um fator-chave para a redução da pressão sobre a necessidade de extração de madeira de áreas nativas.

Competitividade - Além de condições climáticas favoráveis, os Estados apresentam características competitivas, como infraestrutura logística (acesso a rodovias, portos e aeroportos), proximidade com os principais centros consumidores, presença de centros de pesquisa e universidades e importantes polos industriais. No Sul está concentrada praticamente a totalidade dos plantios de pinus no Brasil, com 87% das áreas. O destaque fica para o Paraná, que possui a maior área plantada de pinus do país.

Gestão - Do total da área plantada no Estado, 46% estão sob gestão das empresas associadas à Apre - mais de 466 mil hectares. Dentre os plantios de pinus, as associadas detêm 46% da área plantada, com mais de 322 mil hectares, enquanto para eucalipto este número chega a 51%, quase 131 mil hectares. Vale destacar, ainda, que as empresas que fazem parte da Associação abrangem diversos segmentos do setor florestal paranaense. Na produção de celulose e papel, destacam-se como detentoras da maior área florestal plantada, correspondendo a 45,4%, com 211.792,06 hectares, divididos entre pinus e eucalipto. No ano passado, a área colhida pelos associados da Apre girou em torno de 40 mil hectares, e a previsão de plantio para o ano de 2021 é de aproximadamente 52 mil hectares em áreas já disponíveis, além de outros 17 mil hectares para a expansão das áreas florestais.

Mercado - O Paraná destaca-se pela presença de grandes maciços florestais de pinus, que são manejados tanto para ciclos curtos - buscando maximizar a produção de biomassa -, quanto para rotações mais longas, para o uso em multiprodutos. Na produção de toras, por exemplo, o Estado foi o maior produtor do Brasil em 2019, com 30 milhões de metros cúbicos, o que representou 22,9% da produção nacional. Entretanto, o setor acompanhou o cenário brasileiro, reduzindo cerca de 7,3% a produção de toras em 2019, e a maior redução se deu na produção para o segmento de celulose e papel. Porém, diferentemente do Brasil, a produção de celulose no Paraná manteve-se estável em 2019, chegando a 2,5 milhões de toneladas, praticamente a mesma produção de 2018.

Volume - O pinus detém o maior volume de produção no Estado, chegando a 18,5 milhões de metros cúbicos em 2019, seguido do eucalipto, com 10,7 milhões de metros cúbicos. O Paraná é responsável pela metade do volume de madeira de pinus produzido no Brasil.

Queda na produção - Em 2019, a produção de eucalipto no Paraná caiu 9% em relação a 2018, enquanto a produção de pinus teve queda de 7%. A produção física da indústria de base florestal no Brasil registrou uma queda recente, mais acentuada após 2018. Já a produção nacional de celulose e papel mostrou-se mais estável entre 2002 e 2019, devido a sua solidez no mercado e característica de commodity. O Paraná, entretanto, registrou um aumento na produção de celulose, papel e produtos de papel e uma redução no setor de produtos de madeira e da aparente estagnação do setor moveleiro, principalmente a partir de 2014, com a desaceleração da construção civil e os reflexos da crise político-econômica.

Exportações - O Brasil atingiu US$ 259,16 bilhões em exportações em 2019, dos quais o Paraná foi responsável por US$ 16,4 bilhões. Desse total, a exportação de produtos florestais correspondeu a 4,5%. O setor florestal do Paraná correspondeu a 0,8% das exportações brasileiras e 11,9% das exportações do Estado. A celulose representou 2,9% das exportações brasileiras, sendo o Paraná responsável por 8,2% delas. Além disso, o Estado garantiu 73% do valor exportado de produtos como madeira serrada, compensado e molduras de pinus em 2019.

Produtividade - O setor florestal brasileiro é conhecido pela alta produtividade, graças às características climáticas e de solo favoráveis, aliadas aos constantes avanços em pesquisa genética e desenvolvimento de técnicas de manejo. Essa produtividade é mensurada pelo Incremento Médio Anual (IMA), que expressa o crescimento médio em volume das árvores em um plantio florestal ocorrido ao longo de um ano, dado em m³/ha.ano. De acordo com a Ibá, a atual produtividade para pinus é de 31,3 m³/ha.ano e para eucalipto 35,3 m³/ha.ano. Dentre as empresas associadas à Apre, o IMA está acima da média nacional para pinus e para eucalipto.

Empregos - Em 2018, o Brasil apresentou 600.515 empregos no setor florestal plantado, um ligeiro aumento de 0,5% em relação a 2017. O segmento moveleiro foi o que mais empregou, com 28,8% do total, seguido por celulose e papel (28,5%) e pela indústria madeireira (26,6%). No Paraná, foram registrados 98.782 empregos em 2018, o que equivale a 16,5 % do número nacional, um aumento de 2,9% em relação a 2017. A maior concentração estava no segmento industrial madeireiro, com 35,2% do total, seguido pela indústria moveleira (28,2%) e de celulose e papel (23,8%).

Engajamento - As associadas à Apre mantêm cerca de 82 programas sociais. Os mais frequentes são relacionados ao desenvolvimento socioeconômico das comunidades (40,2%), seguido de meio ambiente (28,0%), socioeconômico/meio ambiente (13,4%), saúde (11,0%) e socioeconômico/cultural (7,3%). Mesmo em um ano desafiador em virtude da pandemia do novo coronavírus, em 2020 as empresas associadas à Apre atuaram de forma proativa para prover recursos às instituições que estavam na linha de frente ao combate da Covid-19 nos municípios onde atuam. As empresas doaram insumos, equipamentos de proteção individual, kits de higiene e testes para a detecção do vírus para hospitais e secretarias municipais de saúde, além de cestas básicas e contribuições em dinheiro para inúmeras organizações.

Preservação - O setor de árvores plantadas no Brasil é o que mais mantém áreas de preservação e de reservas naturais entre os segmentos de cultivo da terra. Além dos nove milhões de hectares plantados, as empresas do setor têm outros 5,9 milhões de hectares destinados a áreas de preservação e reservas naturais, resultando na proporção de 0,5 hectare protegido para cada 1 hectare plantado. Já no Paraná, o total de áreas protegidas pelas associadas da Apre, em suas mais diversas modalidades, é de 450.456,48 hectares. Ou seja: para cada hectare de floresta plantada para fins produtivos, as associadas da Apre possuem aproximadamente outro hectare de floresta natural destinada à conservação. Esses números mostram que, mais do que cumprir o que exige a legislação, as empresas associadas estão alinhadas com o que se espera de empresas éticas e comprometidas com a sociedade.

Certificação florestal - De caráter voluntário, a certificação florestal tem o objetivo de atestar a origem da matéria-prima e se os processos utilizados pela empresa certificada seguem princípios legais, técnicos, ambientais e sociais de excelência. Em 2019, a área total certificada no Brasil foi de 7,4 milhões de hectares. Destes, 4,4 milhões de hectares correspondem a florestas plantadas certificadas. No Paraná, o destaque fica pelo trabalho que vem sendo realizado pelas associadas à Apre, já que 89% do total da área plantada estão certificadas.

Sobre a Apre - A Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (Apre), fundada em 1968, com sede em Curitiba (PR), é uma entidade sem fins lucrativos que congrega 46 empresas da cadeia produtiva de base florestal de diferentes segmentos de mercado. As empresas associadas à Apre representam mais de 46% da área com floresta plantada no Paraná, evidenciando sua representatividade do setor de base florestal no Estado e no Brasil. Há mais de 50 anos a Associação é referência de apoio ao setor no Estado do Paraná e no Brasil, com interação contínua junto às empresas e agentes setoriais de forma a promover e fortalecer ações produtivas do setor florestal paranaense. (Assessoria de Imprensa da Apre)

SERVIÇO

Lançamento Estudo Setorial Apre 2020

Data: 25 de novembro (quarta-feira)

Horário: 17h

Transmissão YouTube: https://bit.ly/35JT8Qj

 

apre 25 11 2020

GESTÃO DE RISCOS: Seguro rural de florestas será avaliado em videoconferência do Mapa

gestao riscos 25 11 2020O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) realizará no dia 27 de novembro, às 15h, uma videoconferência do projeto Monitor do Seguro Rural, dedicada ao seguro rural de florestas. O objetivo é avaliar e propor aperfeiçoamentos nos produtos e serviços ofertados pelas seguradoras.

Link - Para participar da videoconferência, basta acessar o seguinte link da plataforma Teams na data e horário agendados: tinyurl.com/msrflorestas

Coordenação e participação - O trabalho é coordenado pelo Departamento de Gestão de Riscos do Mapa e terá a participação de produtores com o apoio das entidades representativas do setor, cooperativas, associações, revendas de insumos, companhias seguradoras, empresas resseguradoras, corretores, peritos e instituições financeiras.

2020 - Em 2020, seguro rural de florestas foi comercializado em 14 unidades da federação, com destaque para nove estados: São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Bahia, Goiás, Rio Grande do Sul, Espírito Santo e Mato Grosso. O estado de São Paulo lidera as contratações de valor segurado, com R$ 70 milhões em uma área de 6 mil hectares. Paraná teve R$ 54,4 milhões de valor segurado em 3,7 mil hectares, enquanto que o Mato Grosso do Sul fez 9 mil hectares de área com seguro e valor segurado de R$ 44 milhões.

Área segurada - Neste ano, a área segurada de florestas no país ainda é incipiente, com apenas 34,5 mil hectares realizados em 262 apólices com capitais segurados da ordem de R$ 316,6 milhões. A subvenção é de 40% ao prêmio do seguro rural de florestas, que geralmente tem cobertura básica para incêndio e raio, podendo ter coberturas adicionais para chuva excessiva, granizo, geada, seca, tromba d´água, queda de aeronave, ventos fortes, madeira cortada, despesas de combate aos incêndios e desentulho.

Monitor do Seguro Rural - O projeto já avaliou diversas modalidades de seguros rurais desde julho desse ano e estão previstas outras videoconferências, ainda em 2020, de Seguros de Avicultura e Suinocultura (04/12). As gravações e apresentações das edições anteriores do Monitor de Seguro Rural podem ser acessadas no link: https://tinyurl.com/msrarquivos

Cronograma - O cronograma de eventos por videoconferência do Monitor, que começou em julho deste ano e se estende até final de 2022, tem a finalidade de identificar e propor melhorias nos serviços de seguro para mais de 60 atividades de grãos, frutas, olerícolas, pecuária, florestas, aquícola, café e outras culturas até o final de 2021. O monitor é uma oportunidade para os produtores e as cooperativas, com as entidades representativas, construírem soluções em conjunto com as seguradoras e o apoio do Mapa.

Mais informações - Mais informações sobre o Monitor pelo e-mail: seguro@agricultura.gov.br

Grupo de Whatsapp - Para receber informações de seguro rural no seu whatsapp, entre no grupo acessando o link: https://chat.whatsapp.com/JbWAq9uTkov2wdDZzdEU0H

Aplicativo - Para mais informações sobre o PSR, faça o download do aplicativo. Basta acessar para Android e para IOS. (Mapa)

Ouça o áudio do Mapacast que explica o funcionamento do PSR.

FOTO: iStock / Mapa

 

PESQUISA: Embrapa lança nova cultivar de feijão carioca de alta produtividade

pesquisa 25 11 2020A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), lançou na última sexta-feira (20/11) a nova cultivar de feijão tipo "carioca" BRS FC406. A cultivar se destaca na safra das águas na Região Central do Brasil pela produtividade, até 20% superior às demais do mercado, além do potencial produtivo de 4.000 quilos por hectares e resistência a doenças como a antracnose e a mancha-angular.

Indústria - Segundo a Embrapa, a cultivar também apresenta características interessantes para a indústria, como uniformidade de tamanho e coloração de grãos, com aspectos muito semelhantes à cultivar Pérola.

Brasil - O Brasil é um dos principais produtores e consumidores de feijão do mundo. A cultura é de grande importância social e econômica, compreendendo sistemas de produção em pequenas, médias e grandes propriedade, distribuídas em todo o país.

Resistência - Por causa das resistências à antracnose e à mancha-angular e maiores produtividades alcançadas, comparadas com outras cultivares, a BRS FC406 é posicionada para safra de verão e safra da seca. "Caso o produtor resolva plantar no inverno, ele não vai obter resultado tão bom” explica o pesquisador Pedro Sarmento, da área de transferência de tecnologia da Embrapa Arroz e Feijão.

Pesquisas - Nos últimos anos, os trabalhos de pesquisa do feijoeiro-comum caminharam com o foco na diversificação do portfólio de cultivares, posicionando-as de forma específica para determinadas regiões e épocas de cultivo, observando clima e incidência de pragas e doenças. Assim, a BRS Estilo foi desenvolvida para as épocas das águas e da seca, em virtude das plantas terem porte mais ereto e grãos mais claros, enquanto a BRS FC402 para a época de inverno, dada a alta resistência ao fungo fusarium e doenças de solo.

Segurança - Visando ao fortalecimento da cadeia produtiva do feijão, a Embrapa trabalha para oferecer ao produtor mais segurança, apresentando tecnologias confiáveis para condução sustentável de suas lavouras. (Mapa)

FOTO: Sebastião Araújo / Embrapa

 

INFRAESTRUTURA: PCH Bela Vista tem mais de 80% das obras executadas

infraestrutura 25 11 2020A construção da PCH Bela Vista, empreendimento orçado em R$ 217 milhões, ultrapassa 80% de execução. Além da usina, o recurso é também para a construção de uma subestação elevadora e uma linha de distribuição de alta-tensão que fará a conexão com a subestação Dois Vizinhos, para fazer a ligação ao Sistema Interligado Nacional. A linha de 18,4 quilômetros de extensão passará pelos municípios de Verê, São Jorge do Oeste e Dois Vizinhos.

Frentes de serviço - Cerca de 450 pessoas trabalham em todas as frentes de serviço. A previsão é que a instalação da PCH seja finalizada em junho do ano que vem. Até lá, porém, a central já estará produzindo energia porque as quatro unidades geradoras começam a entrar em operação, uma a uma, a partir do mês de março.  

Capacidade - A PCH Bela Vista terá capacidade para produzir 29,81 megawatts (MW) de energia, o suficiente para atender cerca de 100 mil consumidores. São três geradores na casa de força principal, com capacidade de produção de 29,3 MW, e outro na casa de força complementar, com potência instalada de quase 0,5 MW.  

Estágio atual - Ao longo do mês de novembro, duas importantes etapas foram concluídas na construção da PCH Bela Vista: a execução do concreto compactado da barragem de onde a água verte, permitindo o andamento da execução das ogivas.  

Enchimento do reservatório - Essas duas etapas são necessárias para o enchimento do reservatório previsto para janeiro de 2021. Para o fechamento das obras nessa porção da barragem, também está em andamento a construção da laje de proteção de jusante (rio abaixo) e do muro na margem direita.  

Segunda etapa - Na barragem de segunda etapa, iniciada após o desvio do Rio Chopim em junho deste ano, 100% do volume total de concreto compactado previsto no projeto já foi executado. Além disso, foram iniciadas as concretagens de segundo estágio do pré-distribuidor da unidade 1 e a armação do trecho de sucção que antecede a montagem eletromecânica e descida do gerador da unidade 1.

Construção - A construção da tomada de água, ponto de captação do reservatório para os condutos que levarão até as turbinas, já atingiu 90%. A parte de construção civil da obra apresenta avanços da ordem de 80%.  

Casa de força- Na estrutura da casa de força o foco principal é a atuação conjunta para a instalação do gerador da unidade 1 e a continuidade da montagem eletromecânica desta unidade, que tem previsão de entrar em operação em março de 2021.

Unidades geradoras - Bela Vista terá quatro unidades geradoras (conjuntos de turbinas e geradores). As três maiores serão montadas na casa de força principal, que fica a 150 metros da barragem, alternativa que permitiu melhor aproveitamento do desnível do terreno. Uma unidade geradora menor será instalada na casa de força complementar, junto à barragem, para gerar energia usando a vazão de mínima de água, que deverá ser mantida rio abaixo de forma permanente.  

Montagem - Com a chegada dos primeiros painéis elétricos, as atividades de montagem dos equipamentos eletromecânicos da PCH vão se intensificando ainda mais a partir de agora, já que a parte de construção civil da hidrelétrica está bastante avançada. O primeiro estágio de concretagem da casa de força foi finalizado e a cobertura e fechamentos laterais da edificação estão prontos também.

Ponte - O projeto completo ainda prevê a construção de uma ponte de 200 metros sobre o Rio Chopim como contrapartida para a comunidade do entorno, compondo uma ligação rodoviária entre os municípios de Verê e São João. A obra foi iniciada em maio de 2020 e está prevista para ser concluída em janeiro. A ponte terá largura total de 7,8 metros e pista dupla, além de dois passeios para pedestres e proteções laterais. (Agência de Notícias do Paraná)

 

COMUNICAÇÕES: Governo libera R$ 409 milhões para projetos de tecnologias da internet

comunicacoes 25 11 2020O Ministério das Comunicações (Minicom) anunciou nesta terça-feira (24/11) o repasse de R$ 409 milhões para investimentos no desenvolvimento e ampliação de tecnologias de internet das coisas em sistemas agrícolas, de transporte, de saúde e de segurança, e em soluções para internet 5G. Os recursos são provenientes do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Comunicação (Funttel), que completa 20 anos esta semana.

Projetos - De acordo com o governo federal, os recursos vão financiar 17 projetos, em um prazo de 36 meses, a partir de operações de crédito viabilizadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Cada instituição receberá R$ 204,9 milhões. O limite de financiamento é de até R$ 30 milhões por entidade ou empresa beneficiária a cada 24 meses, mas esse valor poderá ser ampliado mediante autorização específica do conselho gestor do Funttel.

Prioridades - "A gente elencou duas prioridades. A primeira é usar esses R$ 200 milhões para dar acesso a conexão de internet para cerca de 800 mil pessoas. E a segunda, usar esses recursos para toda a cadeia de telecomunicações e inovação", destacou o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, durante cerimônia que marcou a transferência dos recursos do Ministério das Comunicações para o banco.

Novos empregos - A expectativa do governo é que os projetos possam gerar até 41 mil novos empregos diretos e indiretos no país, além de aumentar a competitividade da indústria brasileira de telecomunicações.

Maior montante anual - Segundo o Minicom, o repasse deste ano é o maior montante anual já liberado pelo Funttel desde a sua criação, uma alta de 36% em relação a 2019, e quase quatro vezes superior à média anual de repasses feitos entre 2001 e 2018. O Funttel foi criado em 2000 com o objetivo de estimular projetos de inovação tecnológica, a capacitação de pessoas, o fomento à geração de empregos e a promoção do acesso de pequenas e médias empresas a recursos de capital.

Gestão - A gestão deste fundo está no âmbito do Ministério das Comunicações. O recurso é formado a partir 0,5% sobre o faturamento líquido das empresas prestadoras de serviços de telecomunicações e contribuição de 1% sobre a arrecadação bruta de eventos participativos realizados por meio de ligações telefônicas. (Agência Brasil)

FOTO: Fábio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

 

ANATEL: Agência prevê leilão do 5G no final do primeiro semestre de 2021

anatel 25 11 2020Integrantes da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e o ministro das Comunicações, Fábio Faria, reuniram-se na tarde desta terça-feira (24/11) com o presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto, para tratar da preparação do leilão da rede móvel 5G.

Relator - Sorteado como relator do processo na agência reguladora, o conselheiro Carlos Manuel Baigorri afirmou que o cronograma prevê a sessão de lances no fim do primeiro semestre do ano que vem. “A previsão é ter um edital aprovado na Anatel no começo do ano que vem, sendo que a sessão de lances deve acontecer ao final do primeiro semestre. Esse é o cronograma com que trabalhamos e vamos persegui-lo, apesar dos desafios que se colocam à nossa frente”, afirmou o relator a jornalistas após a reunião.

TCU - Além de ser aprovado pela Anatel, o edital deverá ser analisado pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Segundo o presidente da Anatel, Leonardo Euler de Morais, o edital do 5G não terá objetivo arrecadatório, e será construído para exigir das empresas vencedoras maiores compromissos de investimento no setor.

Maior leilão - "Deverá ser o maior leilão de direito de uso de radiofrequência da história do Brasil. E nós estamos trabalhando com uma abordagem que privilegia compromissos de investimento em detrimento de uma abordagem meramente arrecadatória. O Brasil ainda tem lacunas de infraestrutura de telecomunicações, seja na parte de acesso, seja na parte de transporte. Esse leilão é uma oportunidade singular de nós preenchermos essas lacunas", destacou.

Velocidades - A tecnologia 5G de internet móvel, em sua máxima potência, deverá oferecer altíssimas velocidades de internet no Brasil, até 20 maiores do que a 4G, além de maior confiabilidade e disponibilidade. Essa tecnologia terá também capacidade para conectar massivamente um número significativo de aparelhos ao mesmo tempo.

Empresas - Entre as empresas do setor, a chinesa Huawei desponta como uma das principais fornecedoras de equipamentos paras operadores de telecomunicações que devem disputar o leilão. O grupo chinês disputa o mercado internacional com tecnologia dos Estados Unidos (EUA) e da Europa e chegou a ter suas operações restringidas no país norte-americano, no ano passado, após uma ordem do presidente Donald Trump, que alegou ameaça à segurança nacional, por supostos dispositivos de vigilância embutidos nos aparelhos da empresa.

Técnica - Questionado por jornalistas se o governo brasileiro poderia estabelecer algum tipo de restrição à participação de grupos chineses, como tem sido defendido por uma aliança de países liderada pelos EUA, Fábio Faria disse que o trabalho de sua pasta era na parte técnica. "Aqui não tratamos de geopolítica, o que foi tratado aqui são os técnicos da Anatel, os conselheiros que vieram conhecer o presidente da República", afirmou.

Participação - Além do ministro Fábio Faria e dos conselheiros da Anatel, participou da reunião o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, responsável pela área de inteligência do governo federal. Segundo Fábio Faria, por se tratar de um assunto ligado à segurança nacional, é praxe que o ministro da área acompanhe o debate sobre novas tecnologias da comunicação. "Em todos os países, o [equivalente ao] GSI participa, porque se trata também de segurança nacional. Então, o GSI participa e participará. Tem um papel fundamental", respondeu o ministro ao ser perguntado por um repórter. (Agência Brasil)

FOTO: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

 

CÂMBIO: Dólar fecha em R$ 5,37 e tem maior queda em uma semana

cambio 25 11 2020Em um dia de euforia nos mercados globais, a bolsa de valores encostou em 110 mil pontos, e o dólar teve a maior queda em uma semana. A sessão foi marcada por notícias nos Estados Unidos que animaram os investidores em todo o planeta.

Ibovespa - O índice Ibovespa, da B3, fechou esta terça-feira (24/11) aos 109.786 pontos, com alta de 2,24%. O indicador está no nível mais alto desde 21 de fevereiro, antes de os primeiros casos oficiais de covid-19 serem registrados no país. Na ocasião, o índice tinha fechado em torno dos 113 mil pontos.

Câmbio - No mercado de câmbio, o dólar comercial caiu R$ 0,058 (-1,06%) e encerrou o dia vendido a R$ 5,375. Essa foi a maior queda diária desde o dia 17, quando a moeda tinha recuado 1.97%. A divisa operou em baixa durante todo o dia, até fechar próxima da cotação mínima da sessão.

Fatores - Vários fatores contribuíram para o otimismo no mercado financeiro. Entre eles, a escolha da ex-presidente do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) Janet Yellen para ser a próxima secretária do Tesouro norte-americano foi bem recebida pelo mercado. Com um histórico de política monetária expansionista em sua gestão no Fed, Yellen pode promover mais ações que injetem dinheiro na economia norte-americana, o que empurra para baixo a cotação do dólar em todo o planeta.

Dow Jones - O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, fechou acima dos 30 mil pontos pela primeira vez na história.

Petróleo - Os preços do petróleo retornaram aos maiores níveis desde 5 de março, uma semana antes de a pandemia do novo coronavírus ser declarada. O petróleo do tipo Brent, usado como referência para o mercado internacional, fechou em alta de 3,9%, a US$ 47,86 por barril. O petróleo do Texas teve ganho de 4,3%, sendo vendido a US$ 44,91 o barril. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

 

SAÚDE I: Brasil passa de 170 mil mortes por Covid-19 desde o início da pandemia

O Brasil passou de 170 mil mortes em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Nas últimas 24 horas, foram registradas 630 mortes, fazendo com o que o número tenha chegado a 170.115. Até segunda-feira (23/11), o sistema marcava 169.183 falecimentos. Ainda há 2.202 mortes em investigação, este dado relativo a segunda.

Balanço - O balanço foi divulgado pelo Ministério da Saúde na noite desta segunda-feira (24/11). O órgão divulga a cada dia uma atualização a partir de informações repassadas pelas secretarias estaduais de saúde.

Infectados - A pandemia já provocou também a infecção de 6.118.708 pessoas no Brasil desde o primeiro caso, em fevereiro. Entre esta terça e segunda-feira (223 e 24/11), as autoridades de saúde notificaram 31.100 novos diagnósticos positivos. Na segunda, o sistema marcava 6.087.608 casos acumulados.

Acompanhamento - Ainda conforme o balanço da pasta, há 472.575 pacientes em acompanhamento. Outras 5.476.018 pessoas já se recuperaram da doença.

Menores - Em geral, os casos são menores aos domingos e segundas-feiras em função da dificuldade de alimentação pelas secretarias estaduais de saúde. Já às terças-feiras, eles podem subir mais em função do acúmulo de registros atualizado.

Covid-19 nos estados - Os estados com mais mortes pela covid-19 são São Paulo (41.455), Rio de Janeiro (22.141), Minas Gerais (9.804), Ceará (9.492), dado relativo a ontem, e Pernambuco (8.951). As Unidades da Federação com menos óbitos pela doença são Acre (715), Roraima (721), Amapá (795), Tocantins (1.151) e Rondônia (1.529). (Agência Brasil)

 

saude I tabela 25 11 2020

SAÚDE II: Boletim informa 51 mortes por Covid-19 em 24 horas

saude II 25 11 2020A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta terça-feira (24/11) mais 1.798 casos confirmados e 51 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. O informe registra também 1.754 casos retroativos do período entre 09 de junho e 22 de novembro. Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 258.432 casos e 5.878 mortes em decorrência da doença.

Internados - São 820 pacientes internados com diagnóstico confirmado de Covid-19. Destes, 674 ocupam leitos SUS (332 em UTI e 342 clínicos/enfermaria) e 146 da rede particular (50 em UTI e 96 clínicos/enfermaria).

Exames- Há outros 1.230 pacientes internados, 505 em leitos UTI e 725 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A secretaria estadual informa a morte de mais 51 pacientes. Todos estavam internados. São 22 mulheres e 29 homens com idades que variam de 44 e 92 anos. Os óbitos ocorreram entre 28 de setembro e 24 de novembro.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Curitiba (15), Araucária (3), Campo Mourão (3), Colombo (3), Ponta Grossa (3), São José dos Pinhais (3), Francisco Beltrão (2) e Guarapuava (2). Foi registrada, ainda, uma morte em cada um dos seguintes municípios: Ângulo, Antonina, Cafelândia, Cascavel, Fazenda Rio Grande, Foz do Iguaçu, Ibaiti, Itambé, Leópolis, Maringá, Paranaguá, Paranavaí, Peabiru, Pinhalão, São João do Triunfo, Sarandi e Tijucas do Sul.

Fora do Paraná - O monitoramento contabiliza 2.600 casos de pessoas que não moram no Estado. Destas, 52 foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo.

 

SAÚDE III: Paraná tem 106 casos de dengue e o primeiro caso de Zíka Vírus

saude III 25 11 2020O boletim da dengue publicado nesta terça-feira (24/11) pela Secretaria de Estado da Saúde registra 106 novos casos da doença. Até o momento, o Estado soma 1.060 casos confirmados no atual período epidemiológico, que começou em agosto e segue até o final de julho de 2021.

Zika - Também foi registrado primeiro caso de Zika Vírus do período.

Autóctones - Do total de casos confirmados de dengue, 812 são autóctones e estão registrados em 135 municípios. A incidência de autoctonia no Paraná está hoje 7,15/100.000 habitantes. Os casos notificados também aumentaram, de 9.968 para 11.086 acréscimo de 1.118 casos. As notificações atingem 303 cidades paranaenses.

Primeiro registro - O primeiro registro de Zika Vírus do período é do município de Cambé (Norte) e também se trata de um caso autóctone. A doença é igualmente transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo da dengue, e que ainda transmite a febre chikungunya.

Capacitação - O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, afirma que o Paraná segue alerta no combate à dengue promovendo, principalmente, a capacitação de profissionais para atuação integrada no diagnóstico e manejo das doenças nas áreas da Atenção Primária e da Urgência e Emergência. “Estes profissionais são os responsáveis pelo primeiro contato com o usuário do sistema de saúde e, com o trabalho integrado, pretendemos mais agilidade na identificação da doença e tratamento do paciente, evitando óbitos”, afirmou Beto Preto.

Webconferência - A capacitação e atualização dos profissionais acontece por meio de webconferências e seguirá até o dia 3 de dezembro alcançando trabalhadores que atuam em serviços do Estado e dos municípios.

Conexões - Até o momento foram registradas 790 conexões em tempo real durante os eventos online e 5.109 visualizações para o conteúdo que está disponível na página da Secretaria da Saúde no youtube.

Participação - O secretário Beto Preto reforçou ainda a importância da participação da população no enfrentamento da dengue. “Combater a dengue é um compromisso coletivo e a população precisa participar, eliminando os criadouros nos domicílios e nas áreas próximas. Lembremos que cerca de 90% dos focos estão nestes ambientes”, disse ele. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando  AQUI

 


Versão para impressão


RODAPE