Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4961 | 02 de Dezembro de 2020

ENCONTRO ESTADUAL: Família cooperativista paranaense vai se reunir virtualmente na sexta-feira

Em apenas dois dias, o Sistema Ocepar estará reunindo a família cooperativista paranaense em seu tradicional Encontro Estadual que, neste ano, ocorrerá em formato digital, devido à pandemia. O evento será realizado na sexta-feira (04/12), a partir das 8h30, e poderá ser acompanhado por meio de diferentes canais de comunicação (veja abaixo). A programação irá até às 11h30. Além do o pronunciamento de autoridades e lideranças do setor, haverá a apresentação de palestra com o tema “O mundo pós-pandemia”, com o estrategista da área de Comunicação, Nizan Guanaes. O Espaço Sou Arte, de Campo Mourão (PR), vai animar o público com muita arte circense, dança e teatro. Já o ilusionista Paul & Jack fará um show de mágica ao vivo durante o evento.

SERVIÇO

Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses

Data: 4 de dezembro (sexta-feira)

Horário: 8h30 às 11h30

Veja abaixo os meios disponíveis para acompanhar o evento

TV PARANÁ COOPERATIVO

https://bit.ly/3q9e2Rp

CANAL RURAL PELA TV

Canal Rural na NET: 185 e 685

Canal Rural na Sky: 164

Canal Rural na OiTV: 179

Canal Rural na ClaroTV: 185

Canal Rural na parabólica analógica: banda C na Star One C2

Canal Rural na parabólica digital: Star One C2

Canal Rural no Youtube

REDE MASSA

https://ocepar.mural-web.com/

Pela plataforma streaming, que terá a participação do time de jornalistas da Rede Massa e do professor Eugênio Stefanelo

encontro estadual folder 02 12 2020

FÓRUM: Sistema Ocepar realiza último fórum do ano com cooperativas de transporte

Na manhã desta terça-feira (01/12), o Sistema Ocepar promoveu o terceiro Fórum de Dirigentes de Cooperativas de Transporte do Paraná. Durante o evento virtual, que reuniu 32 cooperativistas, foram abordadas ações realizadas pela entidade em defesa dos interesses das cooperativas. E os dirigentes também apresentaram novas demandas e sugestões que farão parte do plano estratégico do ramo para 2021. De acordo com coordenador de Monitoramento da Gerência de Desenvolvimento Cooperativo (Gecoop), João Gogola Neto, essas demandas são relatadas de forma técnica para, então, serem apresentadas às entidades pertinentes. “Por exemplo, as questões que são de competência da OCB, são encaminhadas para fazer parte do plano de ação nacional, via Conselho Deliberativo Nacional do ramo.”

Evento - Além de Gogola Neto, a abertura do fórum, o terceiro e último do ano, contou com a participação do coordenador estadual do ramo transporte, Marcos Antonio Trintinalha, e da gerente de Desenvolvimento Cooperativo, Maria Emília Pereira Lima. Com duração de mais de três horas, o evento teve uma pauta extensa. Entre os assuntos, o cenário econômico e os resultados obtidos por estas cooperativas no estado ao longo do ano, além de temas tratados pelo Conselho Consultivo Nacional, como frota verde, RNTRC Digital, Manual Contábil, Tributário e Operacional, reforma tributária e o Encontro Nacional do Ramo Transporte.

Peculiar - Na abertura do fórum, Trintinalha enfatizou o atual momento difícil que afetou a vida de todos, devido ao isolamento social imposto pelas autoridades sanitárias para fazer frente à pandemia do coronavírus. Como o transporte é uma atividade essencial, o setor se manteve em operação e obteve resultados muito bons. “Este é um ano diferente, e muito difícil, com coisas novas todos os dias. Mas estamos cumprindo a nossa missão com a realização de um trabalho necessário e muito legal, que foi, por exemplo, o de levar alimentos para todos. E neste momento de dificuldades, o transporte foi muito valorizado. Para chegar a isso, contamos com o apoio da Ocepar, e também da OCB, para que pudéssemos nos desenvolver continuamente durante todo o ano”, enfatizou.

Superação - A gerente de Desenvolvimento Cooperativo, Maria Emilia, também classificou o período como um ano diferente, mas de muita superação e vitórias, a ponto de alguns setores do cooperativismo terem obtido faturamento e resultado muito bons. “O transporte foi um setor que não parou, por ser uma atividade essencial e também em cumprimento de sua missão, gerando resultados para os cooperados e a necessária entrega para a sociedade. Como estamos em plena elaboração do plano estratégico do cooperativismo paranaense, o PRC200, que tem como uma das metas alcançar o faturamento de R$ 200 bilhões, temos de nos reunir e falar das ações com os ramos do cooperativismo para focarmos, juntos, nessa meta. E isso passa também pelo atendimento das demandas das cooperativas por meio de articulações da entidade junto com a OCB e aos governos estadual e federal. Podem contar conosco. E agradecemos a confiança que depositam no Sistema Ocepar para fazer a representação institucional do setor”, enfatizou.

Organização - O superintendente do Sescoop/PR, Leonardo Boesche, ressaltou que as cooperativas de transporte são um dos ramos que mais têm se destacado no estado pelo nível de organização nos últimos anos. “Por isso, tem obtido bons resultados. Afinal, dos debates entre vocês surgem as demandas que são encaminhadas para nós, o que contribui para melhorar a nossa interação para articular a busca de solução para elas nas várias esferas de decisão, no estado e em nível nacional. E estamos aqui sempre prontos a ouvi-los, acolher e dar encaminhamento às demandas de vocês e, assim, contribuir, para o desenvolvimento do cooperativismo”, acentuou.  Boesche não pode estar presente na abertura do evento devido a compromissos prévios de agenda.

Estratégia - Um ponto alto do fórum foi a apresentação do portfólio digital Cooperativas de Transporte do Paraná pelo coordenador Gogola Neto e pelo analista técnico do Monitoramento, Jessé Aquino Rodrigues, o responsável pela elaboração do material em atendimento a uma demanda do setor.  O manual contém a apresentação de 20 cooperativas, que concordaram em participar do projeto e enviaram informações para a elaboração do perfil de cada uma, com os serviços que prestam e os diferenciais de atuação no segmento. A iniciativa objetiva conquistar mais clientes e promover a intercooperação de ramos, especialmente do agro, que tem grande demanda pelos serviços de transporte, ou seja, estabelecer parcerias de oferta e contratação de serviços de transportes entre cooperativas. Esta é primeira versão do portfólio que, até o final deste mês, será disponibilizado no site do Sistema Ocepar, além de ser enviado eletronicamente para as cooperativas de transporte. ‘Pretende-se com isso, divulgar, de forma organizada, as atividades das cooperativas desse ramo para atingir um grande número de potenciais clientes com informações precisas e periodicamente atualizadas”, anunciou o coordenador de Monitoramento.

Ramo - De acordo com indicadores dos nove primeiros meses de 2020, elaborados pela Coordenadoria de Monitoramento da Gecoop, no Paraná há 35 cooperativas de transporte, com 3.750 cooperados e 166 funcionários. Até setembro, o setor contabilizava receita bruta de R$ 343,9 milhões, com sobras (lucro) de R$ 9,4 milhões, e recolhido R$ 10,6 milhões em impostos. A estimativa é fechar o ano com faturamento de R$ 417 milhões, superando em mais de 20% os R$ 347,4 milhões de 2019.

{vsig}2020/noticias/12/02/forum/{/vsig}

 

COVID-19: Confira os destaques do comunicado 166 do Comitê de Acompanhamento

A reunião do G7, grupo formado pelas principais entidades representativas do setor produtivo paranaense, ocorrida no dia 30 de novembro, para tratar de diversos temas e que contou com a presença do secretário de Estado da Agricultura, Norberto Ortigara, é um dos destaques do comunicado 166, emitido nesta terça-feira (01/12), pelo Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar. Confira abaixo o boletim completo.

1. O Sistema Ocepar, no dia 4 de dezembro, irá realizar o Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses. Clique aqui para mais informações.

2. No dia 27 de novembro, o Conselho Monetário Nacional – CMN, publicou a Resolução CMN nº 4.872, que dispõe sobre os critérios gerais para o registro contábil do patrimônio líquido das instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Para acessar a Resolução CMN nº 4.872, clique aqui.

3. O Grupo G7, formado pelas entidades empresariais do Paraná, no dia 30 de novembro, reuniu-se para tratar de assuntos de interesse dos setores produtivos, com destaque: processo de concessão das rodovias, infraestrutura rural e demanda da UFPR. A reunião contou com a participação do secretário estadual da Agricultura, Norberto Ortigara.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa). Desde que o trabalho remoto foi adotado pela instituição, em 20 de março, os integrantes se reúnem diariamente, por meio de videoconferência, para analisar cenários e discutir o andamento das atividades visando atender as demandas das cooperativas. O Comitê tem ainda divulgado os comunicados para informar as principais ações de interesse do cooperativismo paranaense que estão sendo executadas pelo Sistema Ocepar nesse período de pandemia.

FPA: Ricken destaca escolha de Sérgio Souza como novo presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária

fpa 02 12 2020

O deputado federal Sérgio Souza (PR) foi eleito, nesta terça-feira (01/12), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) para o biênio 2021/2022. Segundo o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, “o parlamentar já integra a bancada paranaense na Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), onde tem realizado um excelente trabalho. Ficamos felizes com a escolha, não só por ser um paranaense mas pelo seu compromisso com o cooperativismo e a agropecuária brasileira”, destacou o dirigente. Para o deputado, entre as prioridades do agro brasileiro para os próximos anos está, segundo ele, o aumento da segurança jurídica que envolve os processos de produção e a busca por estabelecer a real imagem do setor perante o Brasil e os demais países do mundo. E para isso, ele acredita também no incentivo ao cooperativismo.

 

Resposta positiva- “O agro tem dado reposta positiva para a retomada da economia, crescendo não só na balança comercial, mas também como responsável por pelo menos 50% do PIB. Por isso, lutamos sempre para valorizar o trabalho das cooperativas, do produtor rural integrado. O alimento fruto dessas iniciativas reflete na mesa do consumidor, que tem acesso a um produto de qualidade, com boa procedência e preço justo”, afirma o parlamentar que também é secretário-geral da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop).

 

Visão distorcida -Ainda sobre a importância do agro brasileiro, Souza destacou que há, em geral, uma visão distorcida sobre o setor e que “é necessário que a população saiba que ocupamos hoje a posição de um dos maiores produtores de alimentos do mundo e que buscamos processos cada vez mais modernos e sustentáveis”. (Com informações da OCB)

 

 

UNIMED CASCAVEL: Projeto de educação à distância da cooperativa é indicado como exemplo de sucesso

unimed cascavel 02 12 2020O projeto de E-Learning desenvolvido pelo setor de Gestão de Pessoas da Unimed Cascavel foi indicado em novembro de 2020 como exemplo de sucesso pelo Sescoop/PR (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo). A entidade evidenciou os casos que servem de referência para a formação cooperativista e incluiu a iniciativa que a singular colocou em prática para enriquecer o programa de Gestão por Competências. “Seguimos uma diretriz da Unimed do Brasil. Aderimos porque muitas decisões relativas à gestão de pessoas são pautadas na Gestão por Competências. Este modelo traduz muito o Jeito de Cuidar Unimed e também a questão do protagonismo de carreira", comentou a coordenadora Rozinha Campos Filha.

Gestão por Competências - O programa da Unimed Cascavel foi implantado em 2016, definindo cinco áreas para nortear o desenvolvimento dos colaboradores.

Atuação sistêmica: Atuar a partir da compreensão do funcionamento das áreas da cooperativa, do Sistema Unimed e do mercado/setor da organização. Inclui a compreensão de seu papel no todo e consequentes impactos.

Foco no cliente: Estabelecer relacionamentos de proximidade, empatia e confiança com os clientes para entender e atender as demandas com qualidade e garantir sua satisfação. Inclui a análise e priorização de atendimentos para assegurar o cumprimento dos prazos acordados.

Foco no resultado: Apresentar comprometimento no alcance de objetivos e metas com eficiência e qualidade. Inclui o planejamento e monitoramento de recursos e prazos.

Intercooperação: Estabelecer e manter relacionamentos e parcerias e trabalhar de forma integrada e cooperativa, com foco na manutenção de clima organizacional agradável.

Melhoria contínua: Identificar problemas e oportunidades e propor soluções e encaminhamentos adequados e inovadores, utilizando novas formas de pensar e agir.

E-Learning - Implantado no fim de 2019, o modelo de ensino à distância representou a modernização do processo de treinamento dos colaboradores da Unimed Cascavel. "Logo em seguida, em março de 2020, a gente se deparou com o cenário de pandemia. Porém, visualizamos ali uma oportunidade de priorizar o projeto que já estava em andamento e acelerar a sua conclusão", explica Rozinha. "Lançamos o projeto em maio. O Sescoop/PR nos ajudou muito para que a gente pudesse se adaptar e fazer diferente. Desta forma, foi possível realizar uma boa parte do planejamento por meio da plataforma EAD. E isso é algo que não tem volta. No futuro, provavelmente vamos mesclar os dois modelos, ou seja, EAD e presencial", completou.

Por que implantar - A implantação do E-Learning foi proposta diante de dificuldades como:

• Morosidade no processo de integração presencial

• Perda de conhecimentos críticos para o negócio

• Dificuldade de participação em treinamentos presenciais (dentro ou fora do expediente)

• Necessidade de padronização de treinamentos obrigatórios

• Inexistência de uma plataforma on-line customizada

• Cenário de pandemia e limitações

Linha do Tempo - Linha do tempo da Plataforma Educacional Unimed Cascavel – Peuc

15 de maio

• Lançamento aos cooperados e diretores

• Programa de integração de novos cooperados

• Vídeo-aulas e materiais de leitura complementar

• Participação de 41 novos cooperados

• Check-in, Avaliação de Reação e Certificados

18 de maio

• Lançamento a todos os colaboradores e gestores

• Cursos de integração com sete módulos

• Vídeo-aulas e Avaliação de Aprendizagem

• Participação de 73 novos e atuais colaboradores

• Check-in, Avaliação de Reação, Avaliação de Eficácia (aprendizado) e Certificados

18 de junho

• Primeira live via Sescoop

• Palestra com professor Adeildo Nascimento

• Transmissão ao vivo (via Microsoft Teams), condicionado ao envio do check-in.

• Participação de 52 colaboradores e gestores

• Check-in, Avaliação de Reação, Gravação e Certificados

Vantagens - Autonomia e controle, aprendizagem móvel e flexível, praticidade, padronização e monitoramento. O resultado dos primeiros seis meses incluem:

• 25 vídeo-aulas

• Semana S e Sipat

• Dez lives

• 60 participantes por lives

• 300 acessos na plataforma

• Redução média de dez horas no processo de integração

Exemplo - “Neste ano, por causa da pandemia, o encontro de agentes foi feito de forma on-line. Neste cenário, nós chegamos à ideia de mostrar as Unimeds que se sobressaíram de alguma forma. Levamos a iniciativa da Unimed Cascavel para a coordenação e o pessoal disse ‘seria legal se todas as cooperativas tivessem uma plataforma parecida com essa’. Não tivemos dúvidas de que esse seria um ponto de atenção, ou seja, uma forma de estimular as outras cooperativas e fortalecer boas práticas para que elas também possam colocar em prática. Certamente essa exposição trará bons frutos, visto que outras cooperativas já nos perguntaram como funciona a plataforma da Unimed Cascavel, que é um bom exemplo a ser seguido”, finaliza Henrique Xavier, analista de Desenvolvimento Humano do Sescoop/PR. (Imprensa Unimed Cascavel)

 

UNICAMPO: Cooperativa comemora 28 anos em crescimento

Em novembro, a Unicampo - Cooperativa de Trabalho dos Profissionais de Agronomia Ltda - completou 28 anos de trabalho “graças à dedicação e ao comprometimento dos cooperados e colaboradores”, ressaltou o diretor presidente da cooperativa, Luciano Ferreira Lopes, na abertura da “live”, realizada no início de novembro com o consultor Eduardo Bassan, sobre a importância do trabalho cooperativista. O evento foi organizado para marcar a comemoração.

Agradecimento - Na abertura, Luciano agradeceu aos cooperados, colaboradores, parceiros tomadores de serviço e fornecedores. “Só chegamos aos 28 anos graças à colaboração de todos”. Ele destacou também o trabalho e o empenho dos pioneiros e dos ex-presidentes da Unicampo: Reginaldo Teodoro de Souza, Marino Hideo Akabane, Antônio Carlos Marcolli e Nivaldo Barbosa de Mattos.

Comprometimento - “O futuro da Unicampo depende do comprometimento, da dedicação e do empenho de cada cooperado, além da qualidade de serviço de cada um. A Unicampo pode fornecer as ferramentas que auxiliam na execução do trabalho, mas o principal ingrediente, o diferencial, são o conhecimento e a qualidade do trabalho do cooperado”, afirmou Luciano.

Reconhecimento - O diretor presidente lembrou ainda as dificuldades enfrentadas por todos no início. “Tudo era muito novo”, disse. Mas, que o reconhecimento nacional hoje mostra que estão no caminho certo. “Somos respeitados no setor, um empreendimento consolidado, e permanecer vai depender de cada cooperado”.

Números - Também presente no evento, o diretor vice-presidente, André Carlos Garcia Vilhegas,destacou o crescimento da cooperativa em todo o Brasil. Atualmente são 1.650 cooperados ativos no mês e 2.500 que tiveram atuação no ano. “A cooperativa está presente em toda a fronteira agrícola do Brasil”, complementou.

Oportunidade - Segundo Luciano, mais de 80% dos cooperados têm menos de 35 anos, o que mostra que a cooperativa tem sido uma importante oportunidade para jovens profissionais, que estão ingressando no mercado de trabalho, e que usam a cooperativa como vitrine profissional. “São jovens com amplo conhecimento tecnológico e técnico, dedicados, pró-ativos, comprometidos e que ajudam a Unicampo a ser o que é”, citou.

Primeira experiência - Recém-formado em engenharia agronômica, em 2013, o cooperado da Unicampo, Alexandre Guivernau Gaudens Rycheta Correia buscava sua primeira oportunidade de trabalho quando acessou o portal Unicampo para conhecer a cooperativa. Selecionado, percebeu desde o início “quão grande e cordial era a cooperativa, que sempre defendeu os direitos da classe agronômica”. Atualmente ele gerencia os projetos da Unicampo/Corteva Brasil.

Paixão - “Já foram quase oito anos de trabalho, com muita ética e responsabilidade. Sou muito grato a Unicampo que abriu as portas para o mercado de trabalho e que ao longo desta jornada profissional me acolheu rapidamente nos momentos que precisei. Tenho paixão pela cooperativa, que cuida dos cooperados como o bem mais precioso e garante nossos benefícios durante a prestação de serviços”, afirmou.

Lugar certo - Alexandre comentou que a Unicampo na área profissional é como os pais na vida pessoal. “Lembro quando nossos pais perguntavam se já tínhamos pegado a jaqueta, pois iria esfriar, e alertavam quanto à velocidade na direção. A Unicampo nos pergunta se nosso EPI/carro está em boas condições de uso e assegura que não seja ultrapassada a velocidade permitida, entre outras coisas. Quando há esse grau de importância, é sinal que você está no lugar certo”, disse.

Atuação ampla - Cooperado a pouco mais de três anos, o engenheiro agrônomo Rodrigo Coutinho presta serviços à Bayer, através do Projeto AGD, e faz parte do Conselho Fiscal da Unicampo, o que permite uma participação ainda maior na cooperativa. “Quando me associei, abriu-se a oportunidade de entrar no mercado de trabalho. A Unicampo tem uma grande área de atuação, por estar presente em todo o território brasileiro, de norte a sul, e por atender diversas empresas do setor do agronegócio. Por isso, proporciona a seus cooperados oportunidades de trabalho nos diversos ramos ligado ao segmento”.

Crescimento - Rodrigo citou que já trabalhou em outros setores, mas foi através da Unicampo que conseguiu crescer profissionalmente. “A cooperativa dá total apoio e voz para o cooperado opinar e contribuir com a melhoria, tanto no trabalho que desempenha, quanto para o fortalecimento da cooperativa. A remuneração, a valorização do profissional e os benefícios são também agentes motivadores para o nosso trabalho junto a Unicampo”.

Força - Mostrando a força do cooperativismo em todo o mundo, Eduardo Bassan disse que sua palestra que 40% dos 7,2 bilhões de habitantes do mundo estão ligados ao cooperativismo em mais de 100 países. “Um em cada sete habitantes participa de uma cooperativa e esse número é crescente o que mostra que o cooperativismo tem agregado à vida das pessoas”. Bassan ressaltou que o cooperado é a cooperativa e que o empreendimento é de todos.” Não tem como ser um bom cooperado sem ter arraigado em si os princípios cooperativista”, finalizou. (Imprensa Unicampo)

{vsig}2020/noticias/12/02/unicampo/{/vsig}

SICOOB: Pix tem promoção com R$ 425 mil em prêmios

sicoob destaque 02 12 2020Para aumentar ainda mais a quantidade de Chaves Pix cadastradas e o número de transações Pix feitas em seus sistemas, o Sicoob iniciou uma grande promoção: serão sorteados R$ 425 mil em prêmios, com sorteio de 70 vales-poupança de R$ 5 mil e R$ 10 mil. A cada nova chave cadastrada ou transação Pix realizada, o usuário recebe um número da sorte a mais, aumentando as suas chances de ganhar.

Promoção - A promoção é válida para todos os cooperados, PF e PJ, e para os não-cooperados que possuem uma conta poupança no Sicoob. Além dos sorteios, outra promoção vigente, também relacionada ao Pix, é a isenção de qualquer tarifa durante 90 dias, contados a partir do lançamento do Pix em 16 de novembro. Ou seja, neste período, no Sicoob ninguém paga tarifas para enviar ou receber um Pix.

Objetivo - Segundo Marcos Vinicius Viana Borges, diretor-executivo de Operações do Centro Cooperativo Sicoob (CCS) - conjunto das instituições de âmbito nacional do Sistema, o objetivo das promoções é despertar o interesse e estimular a utilização do Pix por todos, com destaque para o micro e pequenos empresários, público fortemente beneficiado com a chegada do Pix, especialmente pelo recebimento imediato das vendas, que favorece o seu fluxo de caixa. "Ao lado da inovação tecnológica, o Banco Central concentrou-se na inclusão, pois, com um celular na mão, as pessoas têm condições de abrir digitalmente uma conta na instituição que desejarem, inclusive no Sicoob, com acesso imediato ao Pix. É super inclusivo".

Pontos fortes - A instantaneidade da transferência financeira e custos menores são pontos fortes do Pix para a sociedade brasileira. O serviço está em pleno funcionamento no Sicoob, 24h por dia, sete dias por semana, conferindo comodidade e agilidade para todos que mantêm uma conta no Sicoob, seja qual for o momento que precisarem.

Sobre o Sicoob - O Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil, Sicoob, possui 4,8 milhões de cooperados em todo o país e está presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. É composto por mais de 390 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais e a Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob (Sicoob Confederação). Integram, ainda, o Sistema, o Banco Cooperativo do Brasil do Brasil (Bancoob) e suas subsidiárias (empresas/entidades de: meios eletrônicos de pagamento, consórcios, DTVM, seguradora e previdência) provedoras de produtos e serviços especializados para cooperativas financeiras. A rede Sicoob é a quarta maior entre as instituições financeiras que atuam no país, com mais de 3,4 mil pontos de atendimento. As cooperativas integrantes do Sistema oferecem aos cooperados serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento, dentre outras soluções financeiras. Mais informações acesse: www.sicoob.com.br. (Imprensa Sicoob)

 

 

SICREDI UNIÃO PR/SP I: Cooperativa recebe duas premiações no Top de Marcas Londrina

Manter um relacionamento próximo de seus associados sempre fez parte dos propósitos da Sicredi União PR/SP e essa escolha é percebida pela população. Foi o que mostrou o resultado do prêmio Top de Marcas Londrina 2020, divulgado na última sexta-feira (27/11), e que colocou a cooperativa de crédito como a grande vencedora da categoria Valor. Além dessa premiação, a cooperativa recebeu o prêmio, na categoria Serviços, de banco cooperativo mais lembrado pelos entrevistados.

Comunicação - A categoria Top Valor é indicada por um júri formado por profissionais atuantes no mercado de comunicação e marketing londrinense. Eles escolhem, dentre as marcas vencedoras da pesquisa Top de Marcas, as que mais se destacaram ao longo do ano na comunicação com os seus públicos e no relacionamento com a sociedade.

Inovação - A Sicredi União PR/SP teve uma atuação ainda mais próxima dos associados e da sociedade nos últimos meses, buscando amenizar os efeitos da pandemia para toda a comunidade. “Nós sempre procuramos inovar e todos os dias iniciamos nosso trabalho com a meta de estar perto do associado. Nesse período de pandemia, mais do que nunca, estivemos próximos de nossos associados e comunidade, disponibilizando tecnologias e incentivando a economia local”, comenta o presidente da cooperativa, Wellington Ferreira.

Cooperação - Uma das ações lançadas no período da pandemia foi a campanha “Eu coopero com a Economia Local” e a disponibilização para todos do aplicativo Conecta, permitindo que os associados anunciem e vendam produtos e serviços entre si. Esse aplicativo já existia, mas registrou um aumento exponencial nesse período de isolamento social. “Não estivemos distantes de nossos associados em nenhum momento, especialmente, nesse período de pandemia”, observa Wellington Ferreira.

Prioridade - Ele comenta que o momento exigiu algumas mudanças, mas a comunicação com seus públicos sempre esteve entre as prioridades da Sicredi União PR/SP. “Tivemos que ser mais cautelosos, até para preservar a saúde de nossos associados e de nossos colaboradores, mas o contato com nossa equipe nunca foi dificultado. Foram realizadas lives – a grande novidade – e estreitados os contados por fone, whastapp, e cuidados redobrados para receber os que realmente precisavam de atendimento pessoal”, comenta.

Trabalho diário - A reputação da cooperativa é construída dia a dia, destaca Ferreira. Além dos serviços cotidianos prestados por instituições financeiras, a Sicredi União também tem forte atuação na sociedade, seja estimulando o comércio local, seja atuando com programas sociais que buscam o desenvolvimento social.

Visibilidade - A Sicredi União PR/SP é a maior cooperativa do sistema Sicredi do país. Possui 110 agências, cerca de 400 mil associados, entre titulares, cotitulares e poupadores; 1.300 colaboradores; atua no Norte e Noroeste do Paraná e Leste e Centro-Leste Paulista; possui R$ 6,9 bi em ativos e patrimônio líquido de R$ 518 milhões. “Esses números dizem muito sobre como construímos nossa visibilidade. Enquanto muitas instituições financeiras fecham agências, nós abrimos. E não são agências nos formatos tradicionais. Inovamos e criamos espaços de relacionamento”, reforça o presidente.

Relacionamento - A gerente Carla Sonoda, da Regional Norte da cooperativa, acrescenta que a palavra-chave da Sicredi União sempre foi relacionamento. “Gostamos de olhar olho no olho de nossos associados, saber como eles estão, do que estão precisando e como podemos ajudá-lo a ter sucesso”, diz ela. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

SICREDI UNIÃO PR/SP II: Lives discutem as comemorações de Natal em tempos de pandemia

O Natal está chegando e a pandemia do coronavírus persiste. Diante desse cenário, como comemorar a data? O assunto será tema de duas lives, ambas com a presença do padre Romão, de Londrina. A primeira, dia 4 de dezembro, sexta-feira, tem como foco um dos grupos de risco – os idosos – e questiona: “Vai ter Natal para a terceira idade?”. Além de padre Romão, participa também o médico geriatra Marcos Cabreira.

Segunda - A segunda live será no dia 7 de dezembro, segunda-feira, com o tema “Você vai ter Natal! Superando os medos e as tribulações da Covid-19”. Padre Romão irá compartilhar o espaço com a escritora e palestrante Maria Augusta. A transmissão das duas lives será a partir das 9 horas pelo instagram do Espaço CoopConecta, da cooperativa de crédito Sicredi União PR/SP (@espacocoopconecta). (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICREDI RIO PARANÁ: Ação de fim de ano será realizada em intercooperação com a Unimed

A intercooperação é um dos sete princípios do cooperativismo. A Unimed Presidente Prudente e o Sicredi Rio Paraná PR/SP irão colocá-la em prática neste fim de ano. Com o objetivo de ajudar entidades das áreas de atuação, promover a intercooperação e o desenvolvimento local ,as cooperativas irão doar produtos que algumas entidades listaram como de maior necessidade.

CooperAção - Intitulada de CooperAção, a atividade irá fortalecer o apoio das cooperativas nas comunidades, outro princípio cooperativista. As entidades beneficiadas são: em Presidente Prudente (SP), a Associação Bethel e Lar São Rafael. E em Presidente Epitácio (SP), o Espaço Criança e a Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais).

Doações - As doações ocorrerão por meio dos produtos informados previamente pelas entidades, como cestas básicas, cestas de Natal, produtos de limpeza e fraldas. E com a finalidade de alegrar as crianças, a ação também entregará bolas temáticas.

Ação simbólica - A doação simbólica ocorrerá em duas datas, dia 3, quinta-feira na Associação Betel e Lar São Rafael e na sexta-feira, dia 4, nas entidades de Presidente Epitácio. “O Sicredi já realiza muitas ações sociais em prol das regiões locais, então esse ano, ampliamos nossa atividade com a parceria com a Unimed”, salientou o diretor Executivo da Sicredi Rio Paraná PR/SP, Vanderlei de Oliveira.

Tradicional - O diretor da Unimed, Osvaldo Saraiva Marques Júnior, salientou que esta ação já é tradicional na cooperativa, e que agora passa a ser maior com a parceria do Sicredi.

Mais - Para saber mais acesse @sicredirioparana e @unimedpresidenteprudente. (Imprensa Sicredi Rio Paraná PR/SP)

FACULDADE UNIMED: Comunicação com cooperados e comunidade é tema abordado em Oficina de Carreiras

faculdade unimed 02 12 2020De 9 a 11 de dezembro, a Faculdade Unimed promove uma Oficina de Carreiras, voltada para o desenvolvimento profissional com foco na escolha da carreira e no mercado de trabalho.Totalmente on-line e gratuita, a programação conta com temas como planejamento para gestão de carreiras, comunicação e humanização em saúde.

Público em geral - O evento é aberto ao público em geral e será realizado via Microsoft Teams. É necessário se inscrever separadamente para cada oficina, que tem vagas limitadas. As inscrições podem ser feitas clicando aqui.

Saiba mais sobre os temas - Os conteúdos estão relacionados à Gestão de Cooperativas e à Gestão Hospitalar, cursos de graduação tecnológica ofertados pela instituição de ensino superior do Sistema Unimed, autorizada pelo Ministério da Educação (MEC) desde 2016.

Autodesenvolvimento - No primeiro dia (09/12), o destaque é o autodesenvolvimento, quando serão abordadas questões como escolha da profissão, progressão na carreira e felicidade na vida profissional e pessoal.

Possibilidades de atuação - Já as outras duas oficinas têm como objetivo apresentar possibilidades de atuação nas áreas da saúde e do cooperativismo, um modelo de negócio que, de 2014 a 2018, registrou um crescimento de 17,8%, chegando a 425,3 mil postos de trabalho, segundo dados do Sistema OCB, divulgados em 2019.

Comunicação - Nesse contexto, a comunicação, tema do encontro do dia 10, tem grande importância para expansão do cooperativismo e manutenção do relacionamento com cooperados e comunidades.

Humanização da saúde - No dia 11, a proposta é mostrar como a humanização na saúde gera melhoria na qualidade do atendimento, a partir da integração de profissionais da área e usuários sobre os processos de gestão e de cuidado.

Vestibular 2021 - A Oficina de Carreiras faz parte das ações do vestibular 2021 da Faculdade Unimed. Colaboradores, cooperados e beneficiários dos planos de saúde do Sistema Unimed têm 30% de desconto na matrícula e mensalidades dos cursos de graduação, disponíveis nas modalidades EAD e presencial. Saiba mais sobre o processo seletivo, que é on-line e gratuito, aqui. (Assessoria de Imprensa da Faculdade Unimed)

 

COCAMAR: Copa Cocamar ganha sua versão online

Em tempos de pandemia, eventos de uma forma geral tiveram que ser revistos para a versão digital e até mesmo tradicionais competições esportivas estão ganhando formatos eletrônicos. É o caso da Copa Cocamar, promovida há mais de 35 anos. Com a impossibilidade de que seja realizado presencialmente, o certame vai trocar os gramados por telas de computadores.

Integração - Organizada todos os anos no mês de dezembro para o fechamento do calendário de eventos da cooperativa e também como forma de promover a integração entre os produtores cooperados, a Copa Cocamar reúne em média quatro mil participantes durante um dia inteiro na Associação Cocamar em Maringá. São, em sua maioria, integrantes de times de futebol suíço, mas há também duplas de truco e bocha.

Duas modalidades - De acordo com o gerente de Cooperativismo João Sadao, uma novidade neste ano é que as inscrições estarão abertas para cooperados e filhos nas modalidades futebol e truco, ambas online. Só não será realizado o torneio de bocha.

Na tela - No futebol, vão ser oferecidas 30 vagas individuais para produtores que possuírem videogame Play Station 4 com internet e, no truco, 100 vagas. Para inscrever-se, o interessado deverá ter um computador ou notebook conectado.

Prazo - As inscrições devem ser feitas até o dia 10 de dezembro às 12h e os mesmos competidores não podem participar de ambas as modalidades.

Calendário - Os torneios acontecem em duas datas: as manhãs dos dias 12, com as partidas eliminatórias, e 19, quando haverá a decisão. Segundo o gerente, a previsão é que os vencedores do truco sejam conhecidos no próprio dia 12. Quanto ao futebol, os quatro competidores classificados para a etapa decisiva disputarão o título presencialmente em Maringá, em ambiente preparado com distanciamento na sede da Cocamar.

Serviço - Mais informações sobre as competições os interessados em participar devem procurar o gerente de sua unidade de atendimento. (Imprensa Cocamar)

SEGURO RURAL: Projeto-piloto para estimular a contratação teve adesão de quase 10 mil produtores do Pronaf

gestao risco 02 12 2020O projeto-piloto de subvenção ao prêmio do seguro rural em 2020 resultou na contratação de 10 mil apólices, o que representou uma área segurada de aproximadamente 282 mil hectares e um valor segurado de R$ 937 milhões. O projeto é voltado para operações enquadradas no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), para as culturas de milho 1ª safra, soja, banana, maçã e uva, no âmbito do Programa de Seguro Rural (PSR).

Oito seguradoras - A iniciativa, que teve como objetivo fomentar a contratação de seguro rural para o público do Pronaf, contou com a participação de oito seguradoras que comercializaram apólices em 11 estados do país. Os resultados preliminares foram divulgados nesta terça-feira (01/12) pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Potencial - “Ficamos contentes com os resultados alcançados, o número de interessados foi bastante significativo, isso demonstra que as contratações de seguro rural têm potencial para crescer junto a esse perfil de produtor, que em muitos casos ainda não conhece como funciona esse mecanismo de mitigação de riscos”, explica o diretor do Departamento de Gestão de Riscos do Mapa, Pedro Loyola.

Estados - As contratações se concentraram nos estados do Paraná (46%), Rio Grande do Sul (34%) e Santa Catarina (13%), mas também ocorreram nos estados de Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Pará, Roraima e Tocantins. “Considerando o resultado deste ano, tudo indica que devemos manter esse projeto em 2021”, ressaltou Loyola.

Valor disponibilizado por cultura - O projeto-piloto teve R$ 40 milhões disponibilizados para milho 1ª safra e soja e R$ 10 milhões para banana, maçã e uva. O percentual de subvenção ao prêmio diferenciado (fixo) foi de 55% para milho 1ª safra e soja (55%) e 60% para as demais culturas.

Contratação - O produtor que tiver interesse em contratar o seguro rural deve procurar um corretor ou uma instituição financeira que comercialize apólice de seguro rural. Atualmente, 14 seguradoras estão habilitadas para operar no PSR. O seguro rural é destinado aos produtores pessoa física ou jurídica, independente de acesso ao crédito rural.

Subvenção - A subvenção econômica concedida pelo Ministério da Agricultura pode ser pleiteada por qualquer pessoa física ou jurídica que cultive ou produza espécies contempladas pelo Programa. Para os grãos em geral, o percentual de subvenção ao prêmio pode variar entre 20% e 40%, a depender da cultura e tipo de cobertura contratada. No caso das frutas, olerícolas, cana-de-açúcar e demais modalidades (florestas, pecuário e aquícola) o percentual de subvenção ao prêmio será fixo em 40%. (Mapa)

FOTO: iStock / Mapa

 

COMÉRCIO EXTERIOR: Balança tem superávit de US$ 3,7 bilhões em novembro

comercio exterior 02 12 2020A balança comercial teve superávit de US$ 3,732 bilhões e corrente de comércio de US$ 31,33 bilhões em novembro, segundo dados divulgados nesta terça-feira (01/12) pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia. No mês, as exportações somaram US$ 17,531 bilhões e as importações, US$ 13,799 bilhões.

Total - No ano, as exportações totalizam US$ 191,678 bilhões e as importações, US$ 140,518 bilhões, com saldo positivo de US$ 51,16 bilhões e corrente de comércio de US$ 332,195 bilhões. “O que observamos no mês de novembro é resultado do que vem acontecendo ao longo do segundo semestre, com recuperação das importações e manutenção das exportações”, comentou o subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior da Secex, Herlon Brandão, em coletiva à imprensa.

Trajetória estável - Os dados da Secex mostram que a exportação vem mantendo uma trajetória estável ao longo do ano, com algumas mudanças na composição da pauta exportadora, o que influenciou o primeiro semestre de uma forma diferente do que vem influenciando agora, no segundo semestre. Segundo Brandão, isso vem ajudando a manter o crescimento do volume exportado, apesar da queda do valor. “Temos volumes crescentes, e o preço é o que causa a queda do valor, com uma redução de 3% no mês”, explicou.

Importações - Apesar de uma queda de 2,6% em relação ao mesmo período do ano anterior, um dos destaques de novembro foi o valor das importações, de US$ 13,8 bilhões, com uma média diária de cerca de US$ 700 milhões. Essa média diária, no auge do impacto da pandemia, em julho, estava em menos de US$ 500 milhões.

Preços internacionais - O subsecretário lembrou que, em julho, a queda do valor importado era de cerca de 35%, mas agora está em menos de 3%, puxada ainda pelo recuo dos preços internacionais (-10,3%). “O que chama a atenção é esse grande aumento do índice de quantum (volume) das importações, com um crescimento destacado de 9,6%”, salientou. Esse crescimento é desconcentrado, abrangendo vários produtos, mas principalmente insumos para a produção nacional, incluindo insumos eletroeletrônicos, além de adubos e fertilizantes.

Saldo comercial - Já o saldo comercial subiu 4,7% em relação a novembro ano anterior. A corrente de comércio, por sua vez, exprime tanto a sustentação das exportações quanto a trajetória de melhor desempenho das importações, com uma queda de 1,8%.

Produtos e setores - O que puxou a exportação em novembro, em valores, foi a indústria extrativa, com destaque para minério de ferro e petróleo. O resultado do minério de ferro, por exemplo, foi impulsionado pelo aumento de mais de 40% dos preços nesse mês.

Agropecuária - No caso da agropecuária, com queda de 21,9% nas exportações, Herlon Brandão cita a entressafra e considera “natural ter menos participação de produtos agropecuários nesse final de ano”.

Safra - Além disso, Brandão vê influência da programação de embarques do período de safra, que muda de um ano para outro. No ano passado, o escoamento da soja foi mais tardio, havendo também aumento dos embarques de milho no final do ano. Em 2020, no entanto, houve uma concentração de vendas de soja no primeiro semestre, diminuindo a exportação no final do ano. Já a indústria de transformação observou queda de 2,9%, após dois meses seguidos de aumento.

Minério - Apesar de o preço do minério de ferro ter contribuído para o aumento do valor exportado, o aumento do quantum na indústria extrativa (+23,4%) é muito mais preponderante no mês. A indústria de transformação também teve um quantum positivo (+3,8%). “Isso também é bastante significativo porque, apesar da queda de preço, mostra competitividade nesse setor, o que faz com que o total seja positivo (+2,8%)”, observou o subsecretário da Secex.

Recuperação da economia - Do lado das importações, os produtos da indústria de transformação representam 93% do total e tiveram redução de apenas 0,5% em novembro, puxada pela queda de 9,7% nos preços. Os volumes importados da indústria de transformação, no entanto, cresceram 10,8%. “A gente vê esse crescimento muito em linha com o que foi anunciado, de recuperação da economia, passada a fase mais aguda da pandemia”, afirmou Brandão.

Média diária - Ele explicou que, na média diária, as exportações vêm mostrando estabilidade ao longo do ano, enquanto nas importações a curva mostra um movimento de recuperação a partir de julho. “É muito provável que, no próximo mês, tenhamos um crescimento do valor importado. Será o segundo do ano, pois em fevereiro também teve um crescimento de importação e, provavelmente, em dezembro vamos ter outro”, previu.

Acumulado do ano - Essas trajetórias levam ao resultado acumulado do ano, de redução de 6,1% da exportação e de 13,6% da importação até novembro, reforçando as estimativas da Secex para o fechamento do ano, apresentadas em outubro. “Esperamos um saldo comercial de US$ 55 bilhões. Estamos com U$ 51 bilhões. A corrente de comércio projetada era de uma queda de 9% e está com 9,4% de redução”, pontuou.

Indústria extrativista - No acumulado do ano, a indústria extrativa ainda apresenta uma pequena redução (-2,1%) e a indústria de transformação vem sofrendo a maior queda do ano (-12,4%). “São os produtos mais sujeitos a uma redução da demanda mundial”, diz Brandão. O setor agropecuário continua sendo destaque, com um recorde de exportação de soja que contribuiu muito para esse segmento. (Ministério da Economia)

Veja os dados completos da balança comercial

 

FOTO: Pixabay

INFRAESTRUTURA I: Ponte da Integração Brasil-Paraguai atinge quase 45% de execução

A Ponte da Integração Brasil – Paraguai atingiu quase 45% de execução em novembro, um ano e três meses após o início da construção, no Rio Paraná, em Foz do Iguaçu (Oeste). Nesta terça-feira (01/12), o governador Carlos Massa Ratinho Junior recebeu os presidentes Jair Bolsonaro e Mario Abdo Benítez e os acompanhou na vistoria à obra. A visita foi uma comemoração ao estágio da construção. O governador é um dos responsáveis pela articulação com a Itaipu Binacional para tirar o projeto do papel.

Desafogar o trânsito - A ponte tem como objetivo principal desafogar o trânsito intenso da Ponte da Amizade, construída nos anos 1960, e consolidar o Estado como um hub logístico e de turismo da América do Sul. As obras são executadas dentro de um convênio entre Itaipu Binacional e o governo federal com o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Infraestrutura e Logística e o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR).

Integração - O presidente Jair Bolsonaro disse que a obra representa um “casamento perfeito” entre Brasil, Paraguai e o Paraná. “Nosso relacionamento é excelente, só pode produzir frutos como esse. É uma obra de integração. O Paraguai não é nosso vizinho, é nosso irmão”, disse. Ele também destacou a geração de cerca de 500 empregos diretos (85% de operários da região) e 1.500 indiretos na cadeia de fornecedores.

Parceria estratégica - O governador Ratinho Junior destacou a parceria estratégica com a governo federal e a Itaipu Binacional, propondo uma nova era de desenvolvimento para o Paraná. “É uma conquista histórica do Estado e que atrairá novos investimentos, novos empregos. A ponte é um marco arquitetônico, turístico e de integração entre os dois países”, afirmou.

Planejamento estratégico - Segundo o diretor-geral brasileiro de Itaipu Binacional, Joaquim Silva e Luna, a obra respalda o planejamento estratégico do Governo do Estado para a região Oeste. “Está interligada com as demais intervenções de Itaipu no Estado, alinhadas com o governador Ratinho Junior”, afirmou. “É uma obra fundamenta para a região da tríplice fronteira, para o Paraná e para o Brasil”.

Ponte - A segunda ponte internacional sobre o Rio Paraná e a nova perimetral até a BR-277, que acompanha a obra, terão investimentos de R$ 463 milhões da Itaipu Binacional. A ponte, estimada em R$ 323 milhões, está sendo construída nas proximidades do Marco das Três Fronteiras, ligando Foz do Iguaçu à cidade paraguaia de Presidente Franco.

Estrutura - A estrutura terá 760 metros de comprimento e vão-livre de 470 metros, o maior da América Latina. Serão duas pistas simples com 3,6 metros de largura, acostamento de 3 metros e calçada de 1,70 metro nas laterais. A previsão é que a obra seja entregue em 2022. Ela será maior que a Ponte Internacional da Amizade e está localizada cerca de 10 quilômetros abaixo dela, em direção ao Rio Iguaçu.

Obras - Atualmente as obras se concentram na continuidade da construção das pernas do mastro (peça mais alta que irá compor a estrutura e que serve de apoio para os estaios que darão estabilidade ao tabuleiro/pista) do lado brasileiro. Essa estrutura em formato de Y invertido terá 190 metros de altura, tamanho de um prédio de 60 andares.

Pista - Também há uma frente importante de trabalho na pista. Entre os dias 24 e 26 de novembro foi realizado o segundo empurramento no lado brasileiro, de mais 27 metros, deixando a pista a apenas dois pilares de sustentação do Y principal. Ela está sendo montada num movimento de encaixe no molde que avança paulatinamente sobre o rio, respeitando a concretagem sobre uma estrutura metálica de 60 toneladas, que depois é empurrada para frente para possibilitar a nova concretagem.

Grandeza - “É um dos maiores empreendimentos do País e monumento de turismo e de desenvolvimento econômico para Foz do Iguaçu. Estamos com as maiores tecnologias, tudo o que tem de melhor na engenharia”, disse o engenheiro André Toledo, responsável pelo consórcio Construbase-Cidade-Paulitec, que fez uma apresentação para a comitiva que visitou a obra. “É uma obra que exigiu muito planejamento, uma tecnologia inovadora de estudo de solo através de filmagens, e engenheiros com 70 anos de idade e outros com 30 anos e novas ideias”.

Trabalhos - Assim como no lado brasileiro, o lado paraguaio já conta com sua caixa de equilíbrio e os seis principais pilares em plena forma. Os trabalhos do outro lado da fronteira se concentram na instalação da estrutura metálica e da concretagem do primeiro pedaço, que será empurrado assim que a pista atingir os primeiros 30 metros.

Programas ambientais - Também há, nos dois lados do rio, programas ambientais de preservação do solo, da fauna e da flora, respeitando as contrapartidas exigidas no contrato para minimizar os efeitos socioambientais da obra.

Projeto - O projeto foi concebido originalmente por uma comissão mista entre Brasil e Paraguai em 1992, mas foi deixado de lado com o decorrer dos anos por falta de dinheiro ou interesse diplomático. Também houve problemas ambientais no início da execução, em 2014, e a obra foi paralisada. Quando houve avanços nas questões legais não havia recursos e a entrada da Itaipu Binacional nessa estratégia foi fundamental para resolver todas as pendências.

Contrapartida - Como contrapartida da diretoria paraguaia de Itaipu Binacional, haverá uma nova ponte, também bancada pela estatal, entre Carmelo Peralta (Paraguai) e Porto Murtinho (Mato Grosso do Sul). Essa nova ponte auxiliará na estratégia da criação de um corredor bioceânico ligando os portos paranaenses ao Porto de Antofagasta, no Chile.

Perimetral - A perimetral que faz parte da obra vai permitir que caminhões procedentes da Argentina e do Paraguai acessem diretamente a BR-277 na altura do Posto Paradão, reduzindo o fluxo de veículos pesados na área urbana de Foz do Iguaçu. A ponte também terá acesso facultado a veículos menores e turistas.

2021 - A perimetral do lado brasileiro está prevista para começar a sair do papel em 2021 e inclui toda a estrutura necessária para a aduana na chamada zona primária. As licenças do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) foram concedidas em novembro deste ano. Ela terá 15 quilômetros de extensão, três viadutos, duas travessias e duas aduanas, com investimento de R$ 174 milhões.

Lado paraguaio - A perimetral do lado paraguaio será de responsabilidade do governo local e terá 35 quilômetros de extensão, com um viaduto, duas pontes, um trevo, um centro integrado de cargas e uma área de controle primário. A obra está orçada em US$ 172 milhões. Da mesma forma, na outra ponte ligando os dois países, cada um deles será responsável pela construção da sua respectiva perimetral.

Presidente em Foz - Esta foi a quarta visita do presidente Jair Bolsonaro a Foz do Iguaçu e a sexta ao Paraná em menos de dois anos do mandato. A primeira ocorreu na posse de Joaquim Silva e Luna como diretor-geral brasileiro da Itaipu, em 2019; a segunda, em maio do mesmo ano, no lançamento da pedra fundamental da Ponte da Integração e na ativação do Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública da Região Sul (CIISP-Sul), em Curitiba; e em agosto de 2020, no lançamento da pedra fundamental da duplicação de um trecho de 8,7 quilômetros da BR-469, a Rodovia das Cataratas.

Renascença - No mês passado, o presidente esteve em Renascença, no Sudoeste do Paraná, para o lançamento da continuidade da revitalização de um trecho de 46 quilômetros da Estrada Boiadeira, entre Porto Camargo e Umuarama, que terá aporte de R$ 223,8 milhões da usina de Itaipu.

Reunião bilateral - Logo depois do evento, os presidentes Bolsonaro e Benítez e suas respectivas comitivas diplomáticas foram ao Hotel Recanto Cataratas para uma reunião bilateral de trabalho.

Presenças - Estiveram presentes na visita o diretor-geral paraguaio de Itaipu, Ernst Ferdinand Schmidt; o governador de Alto Paraná, Roberto González Vaesken; o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e da Casa Civil, Walter Braga Netto; a ex-governadora Cida Borghetti; deputados federais e estaduais; diretores de Itaipu; o secretário de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex; o diretor-geral do DER-PR, Fernando Furiatti; o prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro; e autoridades diplomáticas dos dois países. (Agência de Notícias do Paraná)

{vsig}2020/noticias/12/02/infraestrutura_I/{/vsig}

INFRAESTRUTURA II: Movimentação de cargas pela Ferroeste cresce 34%, com novo recorde

infraestrutura II 02 12 2020A movimentação de cargas pela Ferroeste (Estrada de Ferro Paraná Oeste S/A), que liga Cascavel a Guarapuava e transporta a produção agropecuária do Oeste paranaense para o Porto de Paranaguá, cresceu 34% nos primeiros dez meses de 2020, em relação ao mesmo período de 2019. O volume de janeiro a outubro deste ano chegou a 1,2 milhão de toneladas transportadas e, mesmo sem contar novembro e dezembro, já é a maior quantidade registrada pela empresa em um ano.

Revitalização - Nesta terça-feira (01/12), o governador Carlos Massa Ratinho Junior esteve na Ferroeste e entregou o primeiro pacote de revitalização e modernização das locomotivas e vagões empresa. Passam pelos trilhos da ferrovia grãos e frango refrigerado, que são enviados para exportação via Porto de Paranaguá, e fertilizantes e cimento ensacado, transportados até Cascavel. O trabalho apenas na movimentação de grãos (730 mil toneladas) atingiu patamar histórico, ajudando a potencializar as exportações de soja do Paraná, que atingiram US$ 4,4 bilhões até outubro, 31% de tudo o que saiu do Estado para outros países e 57% maior em relação a 2019.

Lucro - Entre janeiro e outubro deste ano a Ferroeste registrou lucro operacional de R$ 1,2 milhão e faturamento bruto de R$ 19 milhões, segundo balanço da empresa. Também houve redução dos custos operacionais em relação a 2019, em cerca de 35%, consequência de um trabalho de austeridade. O resultado consolida o bom desempenho que a empresa vem conquistando desde o ano passado, quando pela primeira vez a estatal, criada em 1996, fechou com lucro.

Diferença - “Queríamos mostrar que um bom trabalho pode fazer a diferença na Ferroeste. Ela nunca havia dado lucro e a média era de prejuízo de R$ 7 milhões por ano. Agora começou a dar lucro, estamos em novo patamar”, disse o governador Carlos Massa Ratinho Junior. “Hoje a Ferroeste é referência em volume, logística, em apoio ao agronegócio, manchete na imprensa nacional”.

Eficiência - Segundo o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, a Ferroeste parou de custar ao bolso do paranaense. “A empresa é símbolo de eficiência e isso é comprovado com números. Ano passado ela teve lucro e entramos no segundo ano da mesma forma, além de conseguir inclui-la no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do governo federal”, disse. “Temos que agradecer essa equipe. Se fosse fácil, estava feito. Temos o objetivo de conectar a ferrovia com o Centro-Oeste e transformar a logística do Estado para sempre”.

Números - Para o diretor-presidente da Ferroeste, André Gonçalves, esses números foram alcançados com austeridade, gestão, parceria com o setor produtivo e o acordo com a Rumo Logística para ampliar a capacidade de escoamento da safra da região Oeste pelo ramal ferroviário. As duas empresas passaram a dividir os trilhos no começo deste ano – a Rumo, que opera o trecho entre Guarapuava e Paranaguá, passou a entrar com seus vagões na malha da Ferroeste, dobrando a capacidade de operação das empresas.

Operação contínua - “Esse ano trabalhamos com a Rumo em uma operação contínua. Em termos de faturamento não é tão alto, mas o resultado é bom. O grande ganho é a melhoria do atendimento do setor produtivo. Queremos aumentar gradativamente essa performance enquanto a Nova Ferrovia não sai do papel”, destacou Gonçalves. “A solução do gargalo logístico está na ferrovia. Ficamos para trás. É hora de recuperar esse tempo perdido”.

Desestatização - A Ferroeste foi qualificada em meados deste ano no âmbito do Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI) do governo federal, o que deve acelerar o seu processo de desestatização. O pedido foi feito pelo Governo do Estado e significa que a União vai ajudar o Paraná com apoio técnico regulatório necessário em diversas áreas, da modelagem e meio ambiente à atração de investidores.

Expectativa - A expectativa é colocar a Ferroeste em leilão na B3 até o final de 2021 já com o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA), o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e seu respectivo Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) da ferrovia que liga Maracaju (MS) a Paranaguá concluídos. O modelo de concessão (total ou parcial) será discutido em um Comitê de Governança do Projeto, mas a ideia é que o setor produtivo assuma a companhia é o compromisso com a construção desses novos trilhos.

Extensão - A nova ferrovia terá 1.371 quilômetros. O projeto inclui a construção de uma malha entre Maracaju e Cascavel (Oeste do Paraná), a revitalização do atual trecho ferroviário operado pela Ferroeste, entre Cascavel a Guarapuava; a construção de um novo traçado entre Guarapuava e Paranaguá e de um ramal multimodal entre Cascavel e Foz do Iguaçu. Como está em fase de elaboração, não há um valor definido para a obra.

Estudos - “Os estudos de viabilidade econômica e ambiental estão em andamento, e a modelagem econômico-financeiro está em fase final de contratação. Com os três vamos chegar no leilão da B3 até o final do ano que vem”, disse o diretor-presidente da Ferroeste. Segundo ele, o trilho original será conhecido ainda no final deste ano.

Valuation - Além disso também está sendo feito o valuation da companhia para levantamento dos ativos da empresa.

Investimentos - Também há melhorias em andamento com recursos do Governo do Estado na Ferroeste. Eles englobam R$ 1 milhão na construção de um parque fotovoltaico para reduzir em 50% os gastos com energia elétrica, R$ 1 milhão para resolver os nove pontos críticos do trecho Guarapuava-Cascavel, diminuindo as restrições de velocidade e melhorando a eficiência do transporte; e R$ 3 milhões com apoio de Itaipu Binacional para a contratação dos Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) dos terminais de Cascavel (novo plano-diretor para modernização do terminal, preparando a estrutura para a ferrovia Maracaju-Paranaguá) e Foz do Iguaçu (análise de localização para complementar as obras em andamento no município, tirando os caminhões do Centro).

Desempenho - Confira o desempenho operacional da Ferroeste nos últimos anos

Resultado operacional (lucro ou prejuízo)

2015 – Prejuízo de R$ 3.738.435,87

2016 – Prejuízo de R$ 5.105.751,30

2017 – Prejuízo de R$ 7.368.195,98

2018 – Prejuízo de R$ 6.783.555,82

2019 – Lucro de R$ 230.610,25

2020 – Lucro parcial de R$ 1,2 milhão (janeiro a outubro)

Receita transporte

2015 - R$ 20.578.520,27

2016 - R$ 22.796.380,82

2017 - R$ 19.374.833,13

2018 - R$ 22.070.147,02

2019 - R$ 32.464.155,25

2020 - R$ 19 milhões (janeiro a outubro)

Carga - tonelagem transportada

2015 - 735.577

2016 - 826.795

2017 - 717.647

2018 - 780.590

2019 - 1.140.704

2020 - 1.202.675 (janeiro a outubro)

(Agência de Notícias do Paraná)

 

INDÚSTRIA: Produção cresce 1,1% em outubro e fica 1,4% acima do patamar pré-pandemia

industria 02 12 2020A produção da indústria nacional cresceu pelo sexto mês seguido em outubro e registrou alta de 1,1% na comparação com setembro. Com o resultado acumulado de 39% em seis meses, o setor está 1,4% acima do patamar de fevereiro, antes da pandemia de Covid-19. Ainda assim, no acumulado do ano a produção encontra-se negativa (-6,3%). O acumulado dos últimos 12 meses é de -5,6%. Em relação a outubro de 2019, a alta é de 0,3%. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada nesta quarta-feira (02/12) pelo IBGE.

Categorias - Duas das quatro grandes categorias econômicas apresentaram crescimento, com destaque para Bens de Capital, que avançou 7% de setembro para outubro. Bens de consumo duráveis cresceu 1,4%. Ambas marcaram o sexto mês seguido de expansão na produção, com acumulados de 111,5% e 506,7%, respectivamente. A primeira está 3,5% acima do patamar de fevereiro, enquanto a segunda ainda está 4,2% abaixo.

Bens Intermediários - Já Bens intermediários (-0,2%) e Bens de consumo semi e não duráveis (-0,1%) tiveram resultados negativos, interrompendo cinco meses consecutivos de crescimento na produção, com ganhos acumulados de 26,6% e 30,4%, respectivamente.

Comportamento diferente - O gerente da pesquisa, André Macedo, destaca que o crescimento de outubro refletiu um comportamento diferente dos últimos meses, quando os avanços eram disseminados entre os ramos. Desta vez, 15 dos 26 ramos pesquisados mostraram alta na produção, contra 22 das 26 de setembro. Para o economista, o efeito da pandemia foi evidente no setor, principalmente nos meses de março e abril, com medidas de distanciamento social mais rigorosas.

Acumulado negativo - “Mesmo com essa sequência de altas e a recuperação ao patamar de fevereiro, o acumulado do ano ainda é negativo”, explica Macedo. Na comparação com o nível recorde de produção, alcançado em maio de 2011, a indústria ainda se encontra 14,9% abaixo do pico.

Setor de veículos cresce 1.075,8% em seis meses, mas não recuperam pandemia - Entre as atividades, a influência mais relevante na passagem de setembro para outubro foi de Veículos automotores, reboques e carrocerias, com alta de 4,7%. Muito prejudicado nos meses críticos da pandemia, o ramo acumulou expansão de 1.075,8% nos últimos seis meses, mas ainda assim se encontra 9,1% abaixo do patamar de fevereiro. “As perdas foram muito acentuadas em março e abril", ressalta Macedo.

Outros ramos - Outros ramos com influência positiva no resultado do mês na indústria foram Metalurgia (3,1%), Produtos farmoquímicos e farmacêuticos (4,5%), Máquinas e equipamentos (2,2%), Produtos de metal (2,8%), Couro, artigos para viagem e calçados (5,7%), Produtos de minerais não metálicos (2,3%), Confecção de artigos do vestuário e acessórios (5,0%) e Produtos de borracha e de material plástico (2,1%).

Impactos negativos - Dentre as onze atividades que tiveram queda, os principais impactos negativos foram Produtos alimentícios (-2,8%), que vinha de três meses de altas seguidas com acumulado de 4,3%).Também contribuíram negativamente o setor de Indústrias extrativas (-2,4%), segundo mês de queda seguido, acumulando perda de 7,0%. Outros recuos relevantes: Coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-1,2%), Produtos do fumo (-18,7%) e Outros produtos químicos (-2,3%).

Com dias úteis a menos, outubro cresce 0,3% contra outubro de 2019 Na comparação com outubro de 2019, o setor industrial mostrou avanço de 0,3%, com resultados positivos em duas das quatro grandes categorias econômicas, 16 dos 26 ramos, 45 dos 79 grupos e 50,8% dos 805 produtos pesquisados, mesmo com outubro de 2020 tendo dois dias úteis a menos do que outubro do ano anterior.

Atividades - Entre as atividades, destacam-se as influências positivas de Coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (7,2%), Máquinas e equipamentos (9,4%), Bebidas (9,9%) e Produtos de minerais não metálicos (9,8%) e negativas de Veículos automotores, reboques e carrocerias (-14,6%) e Indústrias extrativas (-6,0%).

Avanço - Já no que diz respeito às grandes categorias econômicas, Bens intermediários (3,2%) registrou o avanço mais acentuado de outubro de 2020 contra outubro de 2019. Bens de capital (2,1%) também registrou taxa positiva. Já os segmentos de Bens de consumo duráveis (-8,3%) e de Bens de consumo semi e não duráveis (-3,4%) tiveram queda. (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Itamar Aguiar / Palácio Piratini

 

industria quadro 02 12 2020

 

CÂMBIO: Dólar cai para menor valor em quatro meses com euforia externa

cambio 02 12 2020Em um dia marcado pela euforia no mercado externo, o dólar fechou na menor cotação em quatro meses. A bolsa subiu mais de 2% e chegou ao nível mais alto desde o fim de fevereiro.

Cotação - O dólar comercial fechou esta terça-feira (01/12) vendido a R$ 5,228, com recuo de R$ 0,118 (-2,21%). A divisa está no menor valor desde 31 de julho, quando tinha fechado em R$ 5,218.

Ações - No mercado de ações, o dia também foi marcado pelo otimismo. O índice Ibovespa, da B3, fechou esta segunda aos 111.216 pontos, com alta de 2,13%.Depois da realização de lucros na segunda-feira (30/12), quando investidores vendem ações para embolsarem ganhos recentes, o Ibovespa voltou a subir e está no melhor nível de fechamento desde 21 de fevereiro, quando tinha fechado em torno dos 113 mil pontos.

Ambiente internacional - Em relação ao ambiente internacional, o mercado está otimista com a expectativa de que a administração de Joe Biden injete dinheiro na economia norte-americana, o que estimula a migração de capitais para países emergentes, como o Brasil.

Pacote - Ao apresentar a equipe econômica, Biden pediu ao Congresso que aprove um pacote de US$ 908 bilhões em estímulos para enfrentar a crise decorrente do coronavírus. O pacote anterior venceu em julho, e a renovação ficou paralisada por causa das eleições norte-americanas.

Anúncio - No Brasil, o anúncio do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, de que pretende pôr em pauta no próximo dia 16 a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2021 também trouxe alívio aos investidores. A votação indicará um rumo para as negociações do orçamento do próximo ano. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO: Pixabay

 

CONGRESSO NACIONAL: Definidas datas de novo esforço concentrado, análise da LDO e votação de vetos presidenciais

congresso nacional 02 12 2020O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, anunciou que a próxima semana de esforço concentrado para análise de indicações de autoridades e votação de projetos de temas relevantes será nos dias 14 a 17 deste mês. A pauta da semana, a realização de sabatinas e as sessões semipresenciais foram definidas na reunião de líderes desta terça-feira (01/12).

LDO - Também durante a semana de esforço concentrado, no dia 16 de dezembro, o Congresso Nacional analisará a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2021. Além disso, ainda estão previstos na sessão deliberativa os exames de 22 vetos presidenciais.

Agências - O novo esforço concentrado para recompor as agências reguladoras deverá votar as indicações de autoridades pendentes. De acordo com informações da Secretaria-Geral da Mesa, 23 nomes aguardam definição do Senado — entre eles, ao menos seis indicados para agências reguladoras estão na fila para serem sabatinados pelos senadores.

Indicações - O número não inclui indicações que ainda não foram lidas em Plenário, como é o caso do tenente-coronel da reserva Jorge Luiz Kormann, nome escolhido pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, para a diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão responsável pelo registro de vacinas. 

Outros - Além de diretores para agências reguladoras, aguardam votação ao menos 10 indicados para embaixadas, e conselheiros para o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), entre outros cargos.

Orçamento - Também será pautada na semana de esforço concentrado a deliberação do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO - PLN 9/2020) no Congresso Nacional.

Impasse - Na ocasião deverá ser resolvido o impasse sobre a eleição do presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO) e a indicação dos relatores das matérias, que foram adiadas várias vezes este ano. Líderes partidários questionaram o método definido pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para a distribuição de vagas entre os deputados. Segundo esse critério, os partidos Pros e PSC ficariam sem representação na CMO, o que gerou questionamento e impasse entre as legendas.

Recesso - Sem a aprovação da LDO pelo Congresso não pode haver recesso parlamentar, previsto para ocorrer de 23 de dezembro a 1º de fevereiro.

LOA - Já a votação da Lei Orçamentária Anual (LOA - PLN 28/2020) de 2021, ainda sem acordo entre os líderes partidários, pode ficar para o ano que vem.

Vetos - Entre os 22 vetos presidenciais que estão trancando a pauta do Congresso está o que trata da compensação financeira aos profissionais e trabalhadores de saúde incapacitados para o trabalho em virtude da covid-19 (VET 36/2020). Jair Bolsonaro vetou integralmente a matéria com a alegação de que o projeto (PL 1.826/2020) viola a lei que estabeleceu o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus Sars-CoV-2 (Lei Complementar 173, de 2020), ao prever “benefício indenizatório para agentes públicos e criando despesa continuada em período de calamidade no qual tais medidas estão vedadas”.

Indenização - Além do benefício para profissionais incapacitados por atuarem na linha de frente de combate à pandemia, o projeto, aprovado pelo Senado em julho, também previa a indenização de R$ 50 mil aos dependentes dos trabalhadores, em caso de morte do profissional pela doença.

Pacote Anticrime - Com 24 dispositivos vetados, o Pacote Anticrime (PL 6.341/ 2019), que modifica a legislação penal e processual penal, é outro item da pauta do Congresso. O veto parcial (VET 56/2019) foi justificado pelo Executivo porque a medida “viola o princípio da proporcionalidade entre o tipo penal descrito e a pena cominada”. Além disso, o dispositivo poderia “gerar insegurança jurídica” aos agentes de segurança pública.

Pena - O projeto aprovado pelo Congresso prevê pena de 12 a 30 anos para os casos de homicídio cometido com emprego de arma de fogo de uso restrito ou proibido. (Agência Senado)

FOTO: Roque de Sá / Agência Senado

 

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: Governo já empenhou 97,6% dos recursos autorizados para combate à pandemia

adminstracao publica destaque 02 12 2020Às vésperas do final do ano, o governo formalizou o empenho de 97,6% dos recursos autorizados para ações emergenciais durante a pandemia do novo coronavírus (R$ 561,1 bilhões). Já os valores efetivamente pagos chegam a 85,0% (R$ 488,5 bilhões).

Fase - Empenho é a fase da despesa em que o ente público confirma ao credor que há o dinheiro necessário para a quitação de compromisso assumido. Da mesma forma como a autorização para despesa pode ser revista, é possível cancelar um valor empenhado.

Montante autorizado - Estudo da Consultoria de Orçamento da Câmara dos Deputados mostra que o montante autorizado para combate à Covid-19 acumulou mais de R$ 574,9 bilhões até novembro. O levantamento também revisa verba destinada à ampliação do Programa Bolsa Família.

Revisão - No relatório, se uma medida provisória de crédito extraordinário perde eficácia – já são 24 nessa situação –, ocorre a revisão do valor autorizado. As 38 MPs editadas em razão da pandemia somam cerca de R$ 604,0 bilhões, mas o total atualizado é, assim, menor.

Bolsa Família - O governo editou em março a Medida Provisória 929/20 que, entre outros itens, previa R$ 3 bilhões para incluir 1,2 milhão de famílias no programa. Cerca de R$ 396 milhões foram pagos. A MP perdeu eficácia em julho e não há mais autorização para esse gasto.

Substituição - A perda de eficácia da MP 929 não afetou o Bolsa Família porque os benefícios, para quem preenchem os requisitos, foram substituídos na pandemia pelas parcelas mensais do auxílio emergencial de R$ 600 – agora, R$ 300 –, devido ao maior valor.

Cancelamento - Por essa razão, levando em conta que a MP 929 “caducou” e houve o cancelamento de parte do crédito extraordinário, o estudo da consultoria considera concluídos os repasses para a ampliação do Bolsa Família. Agora são 12,4 milhões de famílias nesse programa.

Balanço das ações - Das ações emergenciais, outras seis estão com repasses concluídos: o socorro aos entes federativos; o apoio às micro, pequenas e médias empresas; o financiamento da folha salarial; a isenção da tarifa de conta de luz; ao apoio ao setor cultural; e o auxílio às instituições para idosos.

Principal medida - O auxílio emergencial destinado às pessoas em situação de vulnerabilidade é a principal medida na pandemia. No total, somadas as duas fases, foram autorizados R$ 321,8 bilhões, dos quais R$ 275,6 bilhões (85,6%) já chegaram efetivamente aos beneficiários.

Comissão mista - Esses dados deverão ser analisados pela comissão mista que acompanha a execução orçamentária e financeira das ações relacionadas ao novo coronavírus. O colegiado foi criado pelo decreto legislativo que reconheceu o estado de calamidade pública no País.

Integrantes - A comissão mista é formada por seis deputados e seis senadores, com igual número de suplentes. O presidente do colegiado é o senador Confúcio Moura (MDB-RO). A relatoria está a cargo do deputado Francisco Jr. (PSD-GO). (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Camila Domingues / Palácio Piratini

 

adminstracao publica 02 12 2020

 

SAÚDE I: Brasil tem 173,8 mil mortes e 6,38 milhões de casos

As mortes causadas pela pandemia do novo coronavírus chegaram a 173.817. Entre segunda e terça-feira (30/11 e 01/12), foram registrados 697 novos óbitos. Ainda há 2.163 mortes em investigação.

Casos acumulados - O número de casos acumulados de covid-19 atingiu 6.386.787. Em 24 horas, foram registrados 50.909 diagnósticos positivos para a doença.

Atualização - Os novos dados sobre a pandemia estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada em entrevista coletiva nesta terça-feira (01/12). O balanço é formado a partir de informações repassadas pelas secretarias estaduais de saúde.

Acompanhamento - Ainda conforme a atualização o ministério, há 556.472 pacientes em acompanhamento. Outras 5.656.498 pessoas já se recuperaram da doença.

Menor - Em geral, o número de casos é menor aos domingos e segundas-feiras em função da dificuldade de alimentação pelas secretarias estaduais de saúde. Já às terças-feiras, eles podem subir mais em função do acúmulo de registros.

Estados - A maioria das mortes foram registras em São Paulo (42.290), Rio de Janeiro (22.683), Minas Gerais (10.051), Ceará (9.629) e Pernambuco (9.056). As unidades da federação com menos óbitos pela doença são Acre (726), Roraima (728), Amapá (810), Tocantins (1.167) e Rondônia (1.567). (Agência Brasil)

 

saude I tabela 02 12 2020

SAÚDE II: Boletim da Sesa totaliza 282.645 casos confirmados de Covid

saude II 02 12 2020A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta terça-feira (01/12) mais 2.539 casos confirmados e 61 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. A Sesa registra também 2.682 casos confirmados retroativos do período entre 05/05/2020 e 29/11/2020, que estavam com investigação em aberto e agora foram encerrados como casos confirmados e automaticamente computados no sistema.

Dados acumulados - Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 282.645 casos e 6.160 mortos em decorrência da doença.

Internados- 1.083 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 790 pacientes em leitos SUS (442 em UTI e 348 em leitos clínicos/enfermaria) e 293 em leitos da rede particular (81 em UTI e 212 em leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 1.536 pacientes internados, 524 em leitos UTI e 1.012 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A secretaria estadual informa a morte de mais 61 pacientes. São 31 mulheres e 30 homens, com idades que variam de 0 e 89 anos. Os óbitos ocorreram entre 26 de agosto e 01 de dezembro.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em: Maringá (8), Curitiba (7), Ponta grossa (4), Colombo (3),   Araucária (3), Palotina (3), Apucarana (2), Cruzeiro do Oeste (2), General Carneiro (2), Irati (2), Paranaguá (2) e Piraquara (2). A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Campina da Lagoa, Campo Largo, Campo Magro, Cascavel, Enéas Marques, Guarapuava, Imbituva, Inácio Martins, Loanda, Munhoz de Melo, Palmital, Pinhais, Pontal do Paraná, Realeza, Rolândia, Santa Helena, São José dos Pinhais, Telêmaco Borba, Vera Cruz do Oeste, Vitorino e Wenceslau Braz.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 2.678 casos de residentes de fora, 55 pessoas foram a óbito. (Sesa)

Confira o informe completo clicando aqui.

 

SAÚDE III: Plano nacional de vacinação terá quatro fases

O plano nacional de vacinação contra a covid-19 terá quatro fases. Em cada etapa serão atendidos determinados tipos de públicos, escolhidos a partir do risco da evolução para quadros graves diante da infecção, da exposição ao vírus e de aspectos epidemiológicos da manifestação da pandemia no país.

Proposta preliminar - A proposta preliminar foi discutida em reunião realizada nesta terça-feira (01/12) com a participação do Ministério da Saúde e outras instituições, como a Fundação Oswaldo Cruz, o Instituto Butantan, o Instituto Tecnológico do Paraná e conselhos nacionais de secretários estaduais (Conass) e municipais (Conasems) de saúde.

Primeira e segunda fases - A primeira fase terá como prioridade trabalhadores de saúde, pessoas de 75 anos ou mais e idosos em instituições de longa permanência (como asilos), bem como povos indígenas. Na segunda fase a imunização será focada nos idosos de 60 a 74 anos. Pacientes a partir de 60 anos são considerados grupo de risco pelo risco maior da contaminação evoluir para uma morte.

Terceira fase - Na terceira fase estarão pessoas com comorbidades, condições médicas que também favorecem um agravamento do quadro a partir da covid-19. Entre as doenças crônicas incluídas neste grupo estão as cardiopatias e doenças renais crônicas.

Quarta fase - A quarta fase vai focar em professores, forças de segurança, trabalhadores do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade. O conjunto destes segmentos soma 109,5 milhões de pessoas, que deverão receber, cada um, duas doses. No comunicado do Ministério sobre a reunião não há informações sobre o restante da população.

Acordo - O Brasil já firmou acordo para compra de 100,4 milhões de doses com o consórcio Oxford/Astrazeneca e 42,5 milhões no âmbito do grupo Covax Facility, que reúne governos e empresas de diversos países.

Alterações - De acordo com o ministério, o planejamento apresentado pode sofrer alterações no decorrer dos debates sobre o esforço de imunização contra a covid-19. Os representantes da pasta informaram durante a reunião que estão negociando a aquisição de mais seringas e agulhas. O órgão está providenciando a aquisição de 300 milhões de seringas no mercado nacional e 40 milhões no internacional.

Reuniões - O Ministério da Saúde manteve reunião nas últimas semanas com outros grupos desenvolvendo vacinas, como Pfizer e Biontech (EUA e Alemanha), Instituto Gamaleya (Rússia), Baharat Biontech (covaxin).

Governos estaduais - Governo estaduais firmaram parcerias próprias, como o de São Paulo com Sinovac para a Coronavac e os governos do Paraná e da Bahia com o Instituto Gamaleya para a Sputinik V, mas não houve anúncio de planos específicos. Nenhuma destas vacinas obteve ainda a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). (Agência Brasil)

SAÚDE IV: Governo adota novas medidas para conter aumento de contágios no PR

saude IV 02 12 2020Em razão do significativo aumento no número de pessoas contaminadas pela Covid-19 no Paraná, o Governo do Estado produziu um novo instrumento jurídico para ajudar a conter a alta na disseminação do vírus verificada nos últimos dias. O decreto 6.284/2020, assinado nesta terça-feira (01/12) pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior, estabelece limitação de horário para circulação de pessoas no período noturno, o chamado “toque de recolher”. O prazo de vigência é de 15 dias, prorrogáveis ou não.

Validade - De acordo com o texto, a proibição valerá durante o fim da noite e a madrugada, das 23 horas às 5 horas. A medida entra em vigor a partir desta quarta-feira (02/12). Apenas serviços essenciais, como saúde e segurança pública, ficam liberados da restrição. A Polícia Militar do Paraná vai ampliar a fiscalização, reforçando o trabalho das guardas municipais.

Fiscalização e orientação - “A Secretaria de Estado de Segurança Pública deverá, durante o período indicado, intensificar operações de fiscalização e orientação, a fim de coibir aglomerações, principalmente aquelas com consumo de bebidas alcoólicas, especialmente entre as 23 horas e 05 horas”, diz o texto do decreto.

Movimentação - Secretário de Estado da Saúde, Beto Preto explicou que a resolução busca conter a movimentação de pessoas durante o período noturno, especialmente dos mais jovens. A iniciativa, reforçou ele, é para evitar aglomerações em parques, bares, festas, casas noturnas e estabelecimentos do gênero.

Situação grave - “A situação é muito grave. Precisamos deste toque de recolher para quebrar a velocidade de transmissão do vírus. E conscientizar as pessoas para que fiquem em casa. Quem pode, precisa respeitar o isolamento e o distanciamento social”, afirma o secretário. “É a medida para que possamos ter um Natal mais calmo. Neste momento o ritmo abertura de leitos no Estado, seja de UTI ou de enfermaria, não consegue mais acompanhar a velocidade dos casos”, acrescenta.

Aumento - Beto Preto lembrou que houve um aumento de 23,9% na média móvel de casos e de 6,2% na média de óbitos nos últimos 14 dias no Paraná. Atualmente, de acordo com a Secretaria da Saúde, a equação aponta para 2.635 novas contaminações por dia e 24 mortes em decorrência do coronavírus.

Urgência - “É difícil falar para as pessoas permanecerem em casa depois de nove meses de pandemia. Mas precisamos com urgência tentar mais uma vez o isolamento social, uso de máscara e principalmente o distanciamento”, destaca.

Leitos de UTI - O novo decreto informa que “a expansão de leitos de UTI exclusivos para Covid-19 já se encontra em seu último estágio, havendo falta de recursos humanos, insumos e equipamentos no atual panorama”. (Agência de Notícias do Paraná)

 

SAÚDE V: Paraná soma 1.192 casos de dengue registrados a partir de agosto

saude V 02 12 2020A Secretaria da Saúde do Paraná divulgou, nesta terça-feira (01/12), o boletim semanal da dengue e confirma 132 novos casos da doença. O Estado soma agora 1.192 casos no período epidemiológico que teve início em agosto.

Autóctones - Deste total, 905 são ocorrências autóctones, ou seja, as pessoas foram contaminadas nas cidades de residência. Hoje, 158 municípios paranaenses apresentam casos confirmados. O informe apresenta 12.303 notificações para a dengue - 1.217 a mais que na semana anterior.

Ações- A Secretaria de Estado da Saúde segue realizando ações de enfrentamento da dengue, principalmente, com a capacitação dos profissionais envolvidos no atendimento dos usuários da rede de saúde pública.

Evento - Nesta terça-feira (02/12), a partir das 19h, a Secretaria participará de evento online do Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR), sobre “Tópicos seletos relacionados à Dengue”. A diretora de Atenção e Vigilância em Saúde, Maria Goretti David Lopes, e o médico Enéas Cordeiro de Souza Filho, da Vigilância Ambiental, representarão a secretaria no encontro.

Webconferência - Na quinta-feira (03), a Secretaria da Saúde encerra o ciclo de webconferências sobre atualização dos manuais de manejo clínico da doença na Urgência e Emergência e sobre a integração das áreas de Atenção Primária e Vigilância em Saúde no atendimento e orientações aos usuários do SUS.

Outubro - Os encontros, promovidos pela Divisão de Atenção e Vigilância em Saúde, começaram em outubro e já reuniram mais de 800 trabalhadores conectados em tempo real e cerca de 5.100 visualizações no canal do Youtube da Secretaria.

Nota orientativa - Na última quarta-feira (25/11), foi publicada a Nota Orientativa número1, com indicações sobre a Organização da Rede de Atenção à Saúde para o enfrentamento da dengue no Paraná. O documento apresenta informações importantes para a organização e funcionamento dos serviços de saúde em todos os níveis de atenção e pode ser acessado no site da secretaria (saúde.pr.gov.br).

Conscientização - “Além das ações para atualização e integração dos profissionais, precisamos conscientizar uma parcela maior da população para o combate da dengue nas residências, a eliminação dos criadouros nos ambientes domésticos é fundamental nesta batalha para contra o mosquito Aedes aegypti”, disse o secretário da Saúde, Beto Preto.

Ministério - O Ministério da Saúde promoveu na última semana reunião com as secretarias estaduais para apresentar dados nacionais sobre a doença no período 2019/2020.

País - Entre as semanas 01 a 46, com início em 29 de dezembro de 2019 e finalizada no dia 23 de novembro, o país somou 971.136 casos prováveis, sendo 91,7% concentrados nos estados do Paraná, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e Mato Grosso.

Óbitos - São 528 óbitos confirmados e mais 207 seguem em investigação. Deste total, 401 aconteceram no Paraná, São Paulo, Distrito Federal e Mato Grosso do Sul. No período anterior, entre agosto de 2019 e julho de 2020, o Paraná registrou 227 mil casos e 177 óbitos pela doença confirmados. (Agência de Notícias do Paraná)

 


Versão para impressão


RODAPE