Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5055 | 23 de Abril de 2021

COOPER LÍDER FEMININO: Atriz Denise Fraga é a convidada especial do Encontro de Lideranças Femininas Cooperativistas

 

O Sistema Ocepar já está nos preparativos finais da próxima edição do Encontro de Lideranças Femininas Cooperativistas, o Cooper Líder Feminino. Será dia 7 de maio, às 13h30, com transmissão ao vivo pelo canal da entidade no Youtube, na TV Paraná Cooperativo. Esta edição terá como convidada especial a atriz Denise Fraga, que vai compartilhar reflexões sobre diversos temas com as demais participantes do evento. Anote em sua agenda e não perca.  

 

cooperlider feminino 23 04 2021   

 

 

 

REUNIÃO INSTITUCIONAL I: Indicadores econômicos da Coamo e da Credicoamo são apresentados aos gestores e executivos das cooperativas

 

Os cenários econômico-financeiro da Coamo e da Credicoamo, sediadas em Campo Mourão, na região Centro-Oeste do Paraná, foram apresentados aos gestores e executivos das duas cooperativas durante a 5ª reunião institucional do Sistema Ocepar de 2021, promovida na tarde desta quinta-feira (22/04), em formato virtual. O encontro contou com as presenças do presidente do Conselho de Administração da Coamo e da Credicoamo, José Aroldo Gallassini, dos presidentes executivos da Coamo, Airton Galinari, e da Credicoamo, Alcir José Goldoni, dos diretores Antonio Sérgio Gabriel (administrativo financeiro), da Coamo, e Dilmar Antonio Peri (negócios), da Credicoamo, entre outros profissionais. “O trabalho apresentado aqui foi muito bom. São informações importantes para nós e para todas as cooperativas. É um acompanhamento que precisamos ter”, salientou Gallassini.

 

Sistema Ocepar - Pelo Sistema Ocepar, participaram o presidente José Roberto Ricken, os superintendentes Leonardo Boesche, do Sescoop/PR, Robson Mafioletti, da Ocepar, e Nelson Costa, da Fecoopar, os gerentes Anderson Lechechen, da Fecoopar, Maria Emília Pereira, da Gecoop, Flávio Turra, da Getec, coordenadores e analistas. “Mais uma vez, estamos aqui com o time completo para que possamos fazer frente a todas as demandas que forem levantadas durante a reunião. O objetivo maior é buscarmos um alinhamento entre as ações do Sistema Ocepar e as necessidades das cooperativas. Todos os anos realizamos esse encontro e, hoje, estamos promovendo de forma conjunta, atendendo à demanda da Coamo e da Credicoamo”, ressaltou Boesche ao saudar os participantes.

 

Sintonia - O presidente do Sistema Ocepar também destacou que as reuniões institucionais, juntamente com outros eventos promovidos pela entidade, como as pré-assembleias e os Encontros de Núcleos Cooperativos, são organizadas com o intuito de abrir espaço para ouvir as cooperativas e buscar subsídios visando orientar o trabalho desenvolvido pela entidade em prol do cooperativismo paranaense. “Nossa preocupação é manter uma sintonia com todas as cooperativas. Temos que estar muito bem afinados e, nesse sentido, quero agradecer à Coamo e à Credicoamo, que têm nos fornecido um respaldo muito bom”, destacou Ricken. Ele ressaltou ainda as principais áreas de atuação do Sistema Ocepar para este ano, contemplando crédito rural, infraestrutura, política, entre outras. Lembrou que no final de maio, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) pode reconhecer o Paraná como área livre de febre aftosa sem vacinação, o que possibilitará a abertura de mercado internacional para as carnes produzidas pelas cooperativas e pecuaristas paranaenses.

 

Planejamento - Ricken discorreu sobre outros temas, como a certificação das cooperativas, o estabelecimento de novas alianças estratégicas dentro do setor, a exemplo do compartilhamento de TI, e a proposta de implantação do Plano Brasil Cooperativo, algo semelhante ao Plano Paraná Cooperativo 200, o PRC200, o novo planejamento estratégico do cooperativismo paranaense, mas abrangendo todas as organizações estaduais. De acordo com o dirigente, a diretoria do Sistema OCB aprovou a ideia apresentada pelo Paraná no início do ano. “O cooperativismo brasileiro poderá evoluir muito com um planejamento estratégico em âmbito nacional. Há um potencial grande nos estados”, frisou.

 

PRC200 - Sobre o PRC200, Ricken disse aos gestores e executivos da Coamo e da Credicoamo que o Sistema Ocepar está interessado em saber a opinião das cooperativas sobre os projetos que devem ser implementados para alcançar os objetivos do plano, entre os quais o faturamento de R$ 200 bilhões. “Internamente, a nossa linha sempre foi fazer aquilo que é relevante e essencial para as cooperativas, de modo prático, objetivo e bem-feito. A nossa equipe tem isso como meta. É uma tradição e não queremos perder essa visão. Nós temos duas missões. Uma é representar e fazer a defesa do cooperativismo paranaense. A outra é nos preocupar com o desenvolvimento das nossas cooperativas. Não adianta apenas defendê-las. Nós precisamos ir além e ganhar o jogo também. Para alcançar esse propósito, temos o nosso planejamento estratégico”, acrescentou. “Nós vamos fazer a nossa parte, dentro do que é possível, para que o PRC200 atinja seus objetivos. Eu acho que é uma boa iniciativa e é bom ter uma direção. No nosso caso, é chegar aos R$ 200 bilhões. Vamos trabalhar juntos. Parabéns pelo trabalho de vocês e da equipe da Coamo e da Credicoamo também”, disse Gallassini.  

 

Números - O coordenador de monitoramento do Sistema Ocepar, João Gogola Neto, fez a explanação sobre os números do cooperativismo paranaense e traçou ainda um panorama consolidado dos ramos agropecuário e de crédito no Paraná, com base nos dados de 2020. Na sequência, mostrou os indicadores da Coamo e da Credicoamo e os cenários comparativos com outras cooperativas paranaenses do mesmo ramo e região.

 

Principais resultados - Em 2020, a Coamo atingiu R$ 19,66 bilhões de faturamento e encerrou o ano com 29.438 cooperados, 8.095 funcionários, R$ 12,25 bilhões em ativos, R$ 6,22 bilhões de patrimônio líquido, R$ 479,53 milhões em impostos recolhidos e R$ 1,10 bilhão em sobras. Já a Credicoamo fechou o ano passado com receita global de R$ 196,1 milhões, 20.922 associados, 270 colaboradores, R$ 3,5 bilhões em ativos, R$ 863,7 milhões de patrimônio líquido, R$ 8,6 milhões em tributos recolhidos e R$ 119,7 milhões em sobras.

 

Pauta - Na reunião institucional com a Coamo e a Credicoamo estiveram ainda em pauta temas ligados à área sindical, formação e profissionalização, mercado, Plano Safra 2021/22, meio ambiente, entre outros.

 

{vsig}2021/noticias/04/23/reuniao_institucional/{/vsig}

REUNIÃO INSTITUCIONAL II: Lideranças da Coasul participam de encontro virtual da autogestão sobre cenários para coops agro

Cenários do cooperativismo paranaense, assuntos sindicais, profissionalização, Plano Paraná Cooperativo 200, o PRC200, entre outros temas, foram abordados durante reunião institucional do Sistema Ocepar de 2021, realizada na manhã desta sexta-feira (23/04), por meio de videoconferência com a Cooperativa Coasul com sede em São João, na região Sudoeste. A cooperativa foi representada pelo vice-presidente, Jacir Scalvi, por gestores e executivos. O evento contou também com as presenças do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, e dos superintendentes da Ocepar, Fecoopar e Sescoop/PR, Robson Mafioletti, Nelson Costa e Leonardo Boesche, respectivamente, além de gerentes e coordenadores de área do sistema.

Sudoeste - Ao abrir o evento, Ricken frisou que esses encontros, agora de forma virtual devido à pandemia, são uma excelente oportunidade de ouvir e discutir sobre os principais temas de interesse das cooperativas.  “A região Sudoeste é importante para o desenvolvimento do cooperativismo, onde existem cooperativas de todos os ramos de atuação, entre elas a Coasul, que contribui de forma efetiva para o desenvolvimento das cidades onde ela está presente. Essa reunião institucional tem por objetivo subsidiar a cooperativa com cenários econômico e financeiro para que sejam utilizados nas estratégias de planejamento e de investimentos pela cooperativa”, frisou.

Temas diversos - Ricken aproveitou para fazer um relato dos principais temas que estão sendo encaminhados pelo sistema e de interesse das cooperativas. “Em maio, deveremos conquistar finalmente o status de área livre de aftosa, reconhecimento este que contribuirá muito para o crescimento das nossas exportações de carnes para novos mercados. Com certeza, a Coasul deverá ser beneficiada diretamente e quem sabe poderá também vislumbrar a possibilidade de entrar em outras áreas de carne em parceria com outras cooperativas da região”.  Scalvi afirmou que a Coasul está conversando com várias cooperativas para firmamos parcerias nos mais diferentes setores de atuação. “Sempre defendi essa intercooperação e sabemos que não é um processo muito fácil, pois precisamos consultar nossas bases, mas aos poucos vamos avançando”, lembrou o vice-presidente.

Pedágio - Outro assunto que o Sistema Ocepar está acompanhando de perto e que interessa também as cooperativas do Sudoeste são as novas concessões de rodovias no Paraná. Na opinião do presidente Ricken, “já pagamos muito pelos erros do passado e não podemos errar novamente. Por isso, junto com outras entidades do setor produtivo, através do G7 apresentamos uma proposta mais justa e coerente e que está sendo encampada pelo Governo Estadual e pela bancada de deputados federais. Estamos pedindo menor tarifa e investimentos, em especial na região.

Crédito - Ricken também manifestou sua preocupação sobre a questão do crédito rural para investimentos. “Nós dependemos do BNDES para realizar investimentos no setor. As cooperativas precisam continuar sendo beneficiárias do crédito rural para que possam investir e gerar emprego e distribuir renda nas comunidades, como estamos fazendo ao longo do tempo”. O dirigente comentou que este assunto foi tratado durante o lançamento da Agenda Institucional, realizado nesta quinta-feira (22/04) pelo Sistema OCB, que contou com a participação da ministra da Agricultura, Tereza Cristina. O dirigente também lembrou que o PRC100, planejamento estratégico do cooperativismo encerrou seu ciclo em 2020 ao atingir um faturamento superior aos R$ 100 bilhões. “Agora estamos construindo o novo plano estratégico, o PRC200 para os próximos anos. E para que este plano possa acontecer de forma efetiva, precisamos da participação da cooperativa para que possamos ter um horizonte, um rumo para o setor”, frisou.

{vsig}2021/noticias/04/23/reuniao_institucional_II/{/vsig}

FORMAÇÃO: Mais duas turmas iniciam o mestrado profissional em Gestão de Cooperativas

Mais duas turmas começaram a ser formadas por meio do mestrado profissional em Gestão de Cooperativas, com 21 alunos, entre profissionais do Sistema Ocepar e de cooperativas paranaenses. Trata-se de uma pós-graduação na modalidade stricto sensu, ofertada pela Escola de Negócios da PUCPR, com apoio do Sistema Ocepar. A aula inaugural foi realizada nesta quinta-feira (22/04), virtualmente, com as presenças do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, do superintendente do Sescoop/PR, Leonardo Boesche, da gerente de Desenvolvimento Cooperativo, Maria Emília Pereira, e do coordenador de Desenvolvimento Cooperativo, Leandro Macioski. A PUCPR esteve representada por Bruno Henrique Rocha Fernandes, Decano da Escola de Negócios, Alex Ferraresi, coordenador do mestrado, e professores do curso.

Papel dos mestrandos - Ricken enfatizou a importância e o papel dos mestrandos e da pesquisa aplicada ao ambiente cooperativista, ao falar sobre as estratégias de atuação das cooperativas. Ele também abordou os aspectos conjunturais do cooperativismo, bem como os desafios do setor e os avanços observados no sistema cooperativista do estado do Paraná. Já o superintendente do Sescoop/PR, ressaltou que “a missão do curso é gerar conhecimentos que possam contribuir com o desenvolvimento de profissionais de alto desempenho para o setor cooperativista, capazes de pesquisar, identificar e encontrar soluções para problemas complexos existentes nas cooperativas.”

O mestrado - O mestrado integra o Programa de Pós-Graduação em Gestão de Cooperativas (PPGCoop) da Escola de Negócios da PUCPR. O curso oferece duas linhas de pesquisa: Cooperativismo e Sustentabilidade e Gestão Estratégica de Entidades Cooperativas. Ao todo são contemplados 24 créditos, com cinco disciplinas obrigatórias e três eletivas, mais uma dissertação. As aulas são quinzenais. O mestrado profissional em Gestão de Cooperativas da PUCPR é considerado uma referência nacional em gestão de cooperativas, por possuir uma proposta de valor única, transformadora e útil. Desde que foi lançado, em 2013, já foram formados 85 mestres em gestão de cooperativas. As duas turmas que iniciaram o programa nesta quinta são as de números 7 e 8.

Informações - Mais informações no site www.pucpr.br/ppgcoop.

{vsig}2021/noticias/04/23/mestrado/{/vsig}

COOPERJOVEM: Marcos Meier fala de saúde socioemocional para educadores das escolas parceiras da Castrolanda

 

Saúde socioemocional dos professores e alunos, como minimizar as novas condições de comportamento na escola. Esse foi o tema da palestra apresentada pelo mestre em Educação, Marcos Meier, para aproximadamente 600 educadores, virtualmente, no dia 16 de abril, e transmitida pelo canal da Cooperativa Castrolanda no Youtube, alcançando mais de 1.750 visualizações.

 

Fortalecimento - A iniciativa, promovida com apoio do Sistema Ocepar, por meio do Sescoop/PR, faz parte da estratégia da Castrolanda visando ao fortalecimento do Programa Cooperjovem em 2021. O evento foi prestigiado por professores da rede municipal de ensino de Castro e Piraí do Sul, na região paranaense dos Campos Gerais, e contou também com convidados de outros municípios da área de atuação da cooperativa.

 

Desafios - Em seu pronunciamento, o presidente da Castrolanda, Willem Berend Bouwman, destacou a importância de se falar sobre educação em tempos de pandemia, ressaltando ainda os grandes desafios dos educadores, que têm o importante papel de conduzir os alunos por um caminho do bem, do aprendizado e da boa convivência.

 

Temas relevantes - A coordenadora do Programa Cooperjovem no Paraná, Fabianne Ratzke, mediou a live e lembrou que o Programa Cooperjovem, da qual a Castrolanda faz parte desde 2007, prima por tratar de temas relevantes e de impacto para o dia a dia dos educadores, podendo, assim, tornar a rotina deles mais leve e fazendo com que as cooperativas estejam sempre próximas das Secretarias de Educação e escolas parceiras.

 

Escolha do tema - O responsável pelo Cooperjovem na Castrolanda, o assistente de Cooperativismo Jhonatan Bonfim, lembrou que o tema do evento de 2021 foi definido em reuniões com as Secretarias de Educação de Castro e Piraí do Sul. “Um olhar voltado para a educação fortalece estas parcerias tão importantes para nós. Também procuramos evidenciar na prática alguns dos princípios do cooperativismo”, afirma.

 

Mais eventos - Ainda de acordo com ele, para este ano estão planejados mais encontros com os educadores que participam do Cooperjovem, abordando a nova realidade enfrentada por professores e alunos, além do relacionamento entre escola e família. Jhonatan afirma que Programa vem crescendo na área de atuação da Castrolanda e atualmente abrange 28 escolas. “O objetivo é expandir o Cooperjovem para outras cidades em que a cooperativa está presente, sempre priorizando a qualidade e a excelência do Programa”, acrescenta.

 

Contribuição - A supervisora de Relacionamento com o Cooperado da Castrolanda, Roselia Gomes, avaliou positivamente a realização da palestra. “A pandemia está desafiando a sociedade quanto à criatividade, para que possamos superar momentos difíceis enfrentados em relação à saúde física e emocional. Acreditamos que o evento contribuiu com os educadores em seu cotidiano. Agradecemos a parceria do Sescoop/PR e Secretarias de Educação e ao mestre Marcos Meier pelo sucesso atingido com a iniciativa”, declara.

 

O Programa - O Programa Cooperjovem tem como propósito disseminar a cultura da cooperação no ambiente escolar e na comunidade ao seu entorno. No Paraná, é executado pelo Sescoop/PR em parceria com mais de 20 cooperativas, abrangendo 34 mil alunos, 2.200 educadores e 348 escolas localizadas em 66 municípios paranaenses.

 

{vsig}2021/noticias/04/20/cooperjovem/{/vsig}

COVID-19: Confira os novos destaques da área destinada ao coronavírus no Portal PR Cooperativo

covid 23 04 2021A Área Covid-19 do Portal Paraná Cooperativo é atualizada toda sexta-feira com as notícias que foram destaques durante a semana no Informe Paraná Cooperativo e na Rádio Paraná Cooperativo. Lá, é possível acessar também os comunicados do Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar. Há ainda uma seção de perguntas e respostas, com esclarecimentos relativos à pandemia. Clique aqui e confira.

 

COOPERATIVISMO I: OCB lança sua agenda de prioridades para os Três Poderes

cooperativismo I 23 04 2021A Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) lançou, nesta quinta-feira (22/04), a 15ª Agenda Institucional do Cooperativismo 2021, com as demandas do setor aos Três Poderes. O evento, virtual, contou com a presença da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira. Deputados e senadores, integrantes da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) também participaram do lançamento, realizado pelo presidente da OCB, Márcio Lopes de Freitas.

Eixos - As propostas incluídas na agenda seguem três eixos principais: o cooperativismo na geração de oportunidades de trabalho; na alimentação do Brasil e do mundo; e em prol de comunidades e cidades mais sustentáveis. São abordados, no total, sete temas propositivos, que podem ajudar a economia brasileira. São eles:

1) Ato Cooperativo na Reforma Tributária;

2) Modernização da Lei das Cooperativas de Crédito;

3) Manutenção da arquitetura de crédito por cooperativas;

4) Adequação do ambiente regulatório para a participação de cooperativas em licitações;

5) Possibilidade de atuação de cooperativas no mercado de seguros;

6) Telecomunicações e conectividade rural por cooperativas;

7) Lei de Recuperação Judicial própria para cooperativas (Reorganização Cooperativa)

Desdobramentos - Esses sete temas propositivos são divididos em: 9 ações voltadas ao Judiciário; 23 temas com 74 propostas ao Executivo e 49 medidas ao Legislativo. Dentre as inovações feitas neste ano pela OCB, estão a segmentação dos temas por ramo de atuação das cooperativas e, ainda, a atualização em tempo real, de acordo com o andamento das pautas.

Comprometimento - Márcio Freitas destacou que ainda são grandes os desafios no combate à pandemia, em especial, com a política nacional de vacinação e de imunização, e em relação ao cenário fiscal do país. “É por isso que a nossa agenda foi desenhada a partir do comprometimento do Sistema OCB com os três Poderes da República, tendo em vista a recondução econômica e o futuro do nosso país. Nossas bases, para isso, são responsabilidade, sustentabilidade, inovação e integridade. Essas têm sido as linhas-mestras do nosso relacionamento com o governo e com a nossa Frencoop, o que têm dado bastante resultado”, comentou o cooperativista.

Reconhecimento - O presidente da OCB aproveitou o evento para reconhecer a atuação integrantes da Frente Parlamentar que defendem as cooperativas. “É importante destacarmos que, ao nosso lado, contamos com uma das frentes mais atuantes e influentes do Congresso Nacional, a partir da coordenação do nosso presidente, deputado Evair de Melo, e também da diretoria da Frente. Isso se dá pelo prestígio que parlamentares e senadores têm e pelas importantes funções que hoje exercem no processo legislativo”.

Fortalecimento - A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que o setor possui papel crucial para o crescimento do Brasil e destacou a importância das cooperativas agropecuárias na produção de algumas das principais culturas presentes na mesa do brasileiro como a soja, o café e o milho. “O fortalecimento das cooperativas é, por isso, uma das prioridades do Ministério da Agricultura. É um setor que gera emprego, renda e inclusão social. No agro, é preciso destacar que 71% das cooperativas do setor são do perfil da agricultura familiar e precisam dos frutos gerados por esse modelo de negócio”.

Banco Central - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto frisou que os benefícios das cooperativas de crédito ultrapassam as fronteiras do Sistema Financeiro Nacional (SFN). “Muito se sabe que as cooperativas desempenham um papel relevante na distribuição de crédito no país. A presença delas impacta positivamente setores como emprego e comércio, por exemplo. Elas também ofertam produtos e serviços financeiros em localidades remotas, fortalecendo a inclusão e a educação financeira no Brasil”, reforçou.

Crescimento - Além disso, Roberto Campos também ressaltou que, mesmo com a pandemia, as coops de crédito cresceram 35% em 2020, percentual que representa o dobro do registrado pelo SFN. “O segmento mostra sua resiliência e sai mais forte para continuar contribuindo com o desenvolvimento estratégico da economia do país”, destacou.

Marco legal - Sobre 2021, o presidente do Banco Central destacou a urgente necessidade da modernização do marco legal das cooperativas de crédito. “Essa atualização é muito necessária para que as coops continuem contribuindo com a competitividade do SFN. Por isso, reafirmo o nosso compromisso com o desenvolvimento do cooperativismo de crédito no Brasil”, enfatiza.

Congresso Nacional - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, por sua vez, destacou que o Congresso é reformista e tem atuado para combater a pandemia e fazer o Brasil voltar a crescer. Como exemplos desse estilo de gestão, ele citou a votação de projetos como o que permite independência ao Banco Central, a PEC Emergencial e o Pacto Federativo.

Reforma Tributária - Além disso, Lira informou que o Congresso tem trabalhado para chegar a um denominador comum a respeito da Reforma Tributária e seus impactos como a simplificação e desburocratização.

Portas abertas - Por fim, destacou que a Câmara está de portas abertas para ouvir as cooperativas e debater os temas importantes. “Nosso papel é debater todos os assuntos que envolvem o crescimento econômico e social do país. Por isso, contem sempre conosco”, concluiu.

Ato cooperativo - O presidente da Frencoop, deputado Evair de Melo, fez questão de enfatizar que a inclusão do ato cooperativo na Reforma Tributária é uma das demandas mais importantes do setor para este ano. “Incluir na Constituição a correta aplicação do tratamento tributário significa garantir que a incidência dos tributos recaia sobre o cooperado, onde se fixa a riqueza, e não nas cooperativas, evitando assim a duplicidade de cobrança”, explicou. (OCB)

Para acessar a Agenda, clique aqui.

Confira as prioridades dos ramos.

E para assistir à cerimônia de lançamento, acesse aqui.

 

COOPERATIVISMO II: Evair de Melo destaca importância do ato cooperativo na Reforma Tributária

cooperativismo evair 23 04 2021“Nosso objetivo é continuar trabalhando com muito afinco e seriedade para defender as demandas do cooperativismo no Congresso e também junto ao Governo Federal”, afirmou o deputado Evair de Melo (PP-ES), nesta quinta-feira (22/04), no lançamento da 15ª Agenda Institucional do Cooperativismo 2021 diretamente de São Gabriel da Palha, na sede da Cooabriel, a maior Cooperativa de Café Conilon do Brasil.

Presenças - O evento contou com a presença da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), além de cooperativistas de todo o país.

Reforma Tributária - Segundo o parlamentar, a inclusão do ato cooperativo na Reforma Tributária é uma das demandas mais importantes do setor para este ano. “Incluir na Constituição a correta aplicação do tratamento tributário significa garantir que a incidência dos tributos recaia sobre o cooperado, onde se fixa a riqueza, e não nas cooperativas, evitando assim a duplicidade de cobrança”, explicou.

Outras prioridades - Ainda de acordo com Evair, a modernização da Lei Geral das Cooperativas, a conectividade rural e a possibilidade de recuperação judicial das cooperativas também são prioridades que precisam ser apreciadas e votadas, se possível, ainda este ano. “São medidas que contribuem para aumentar o reconhecimento da importância econômica e social do setor para o Brasil. Na pós-pandemia, é por meio do cooperativismo que o país poderá alcançar uma parcela significativa de sua recuperação e reorganização econômica”, acrescentou.

Eixos - As propostas incluídas na agenda seguem três eixos principais: o cooperativismo na geração de oportunidades de trabalho; na alimentação do Brasil e do mundo; e em prol de comunidades e cidades mais sustentáveis. São abordados, no total, 7 temas com 9 ações voltadas para o Judiciário; 23 temas com 74 propostas para o Executivo e 49 medidas para o Legislativo.

Reconhecimento - O presidente da OCB, Márcio Lopes de Freitas, aproveitou o evento para reconhecer a atuação integrantes da Frente Parlamentar que defendem as cooperativas. “É importante destacarmos que, ao nosso lado, contamos com uma das frentes mais atuantes e influentes do Congresso Nacional, a partir da coordenação do nosso presidente, deputado Evair de Melo, e também da diretoria da Frente. Isso se dá pelo prestígio que parlamentares e senadores têm e pelas importantes funções que hoje exercem no processo legislativo”, ressalta. (Assessoria do deputado Evair de Melo, com informações OCB)

 

COOPERATIVISMO III: Panorama Coop traz análises da semana sobre os principais fatos de interesse do setor

cooperativismo II 23 04 2021Desde março de 2020, o Sistema OCB publica, semanalmente, análises sobre vários temas e seus impactos para as cooperativas. São informações que tratam de política, economia, reforma tributária, pleitos do cooperativismo em tramitação no Congresso Nacional, normativos e medidas tributárias publicadas pelo governo. Neste ano, essas análises passaram a ser divulgadas por meio do Panorama Coop, uma newsletter atualizada todas as quintas-feiras.

Especial - A edição desta semana está especial. Além da análise que traz as perspectivas para a retomada do crescimento econômico por meio das cooperativas e do acesso ao crédito, entre os destaques está o lançamento da Agenda Institucional do Cooperativismo, ocorrido nesta quinta-feira (22/04) e transmitido ao vivo pelo canal do Sistema OCB no Youtube.

Análise econômica - A análise econômica dessa semana mostra como o acesso ao crédito e o cooperativismo são ferramentas fundamentais para superar crises. O relatório de estabilidade financeira global do FMI aponta que as instituições financeiras terão importante papel na recuperação dos países mais atingidos pela pandemia. Em média, uma em cada quatro famílias brasileiras possui alguma dívida em atraso e 53,6% tornou-se inadimplente nos últimos seis meses. Confira nesta edição os principais desafios do mercado financeiro e como os números do cooperativismo de crédito brasileiro reforçam o papel que o nosso movimento tem como indutor de desenvolvimento!

Acesse a Análise Econômica

Clique aqui e acesse todas as análises anteriores!

OCB lança agenda institucional com demandas para os três poderes - A Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) lançou, nesta quinta-feira (22/04), a Agenda Institucional do Cooperativismo 2021, com as prioridades e demandas do setor no âmbito dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Entre elas, o reconhecimento da importância econômica e social do cooperativismo para o Brasil; a atualização da Lei Geral das Cooperativas (5.764/71); e a criação de um marco que permita a participação do setor no mercado de seguros brasileiro. O evento foi realizado ao vivo, por meio do Youtube, com as presenças da ministra da Agricultura, Tereza Cristina; do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto; do presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), deputado Evair de Melo; e do presidente da OCB, Márcio Lopes de Freitas, além de outras autoridades dos poderes Legislativo e Judiciário.

Saiba mais!

Cooperativas de saúde são destaques em ranking da ANS Mesmo diante dos enormes desafios impostos pela pandemia, o cooperativismo continuou a mostrar resiliência, resultado e profissionalismo ao Brasil. Exemplo disso foi o desempenho das cooperativas operadoras de planos de saúde no Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS), ano-base 2019. O IDSS é calculado a partir de 33 indicadores definidos pela ANS, com base nos dados extraídos dos sistemas de informações gerenciais da Agência ou coletados nos sistemas nacionais de informação em saúde, gerando uma nota para cada operadora.

Saiba mais!

Smartcoop é lançada no Rio Grande do Sul - Mais de 170 mil produtores de cooperativas devem ser beneficiados com a Smartcoop, uma plataforma digital que busca facilitar o desenvolvimento das coops agropecuárias e incentivar a intercooperação. A ferramenta, criada pela Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul junto com as 30 coops filiadas, foi lançada nesta terça-feira, virtualmente, num evento que contou com a participação do presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas.

Saiba mais!

Clique aqui e confira o Panorama Coop em versão digital

 

COCARI: Cooperativa participa de cerimônia de recebimento da Unidade de Beneficiamento de Pescados em Alvorada do Sul

Na manhã desta quinta-feira (22/04), foi realizada cerimônia de entrega da Unidade de Beneficiamento de Pescados Luís Carlos Bufalo, para o abate de tilápias, que será repassada em regime de concessão para a Cocari no município de Alvorada do Sul (PR). O evento contou com a participação do governador do estado, Carlos Massa Ratinho Junior; do secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex; do secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara; do presidente do Conselho de Administração da Associação Brasileira de Piscicultura, Ricardo Neukirchner; do representante da Cooperativa Central Aurora Alimentos e gerente da unidade de Mandaguari (PR), Gilmar Luís Gruber; do prefeito municipal, Marcos Antonio Voltarelli, do vice-prefeito, Luis Garcia; entre outras autoridades.

Cocari - Estiveram presentes também o presidente da Cocari, Marcos Antonio Trintinalha; o vice-presidente, João Carlos Obici; o superintendente de Logística Integrada, Jacy Cesar Fermino da Rocha; o superintendente administrativo financeiro, Ari Luiz de Oliveira Junior; o gerente industrial da Fábrica de Rações e da Unidade de Beneficiamento de Pescados da Cocari, Fernando Sepulveda; e o engenheiro de pesca, Renne Fagundes de Brito.

Gestão da cooperativa - O governador do estado, Carlos Massa Ratinho Junior, falou à assessoria de comunicação da cooperativa. “É uma alegria muito grande participar da inauguração dessa nova indústria na área de frigorífico de peixes e, em especial, tendo à sua frente a gestão da Cocari, que é uma das maiores cooperativas da América Latina, contando com milhares de cooperados e várias plantas industriais e que atuará agora em intercooperação com a cooperativa Aurora nessa região do estado, intensificando o volume de produção de peixes, gerando emprego, desenvolvimento e o fortalecimento da agricultura familiar”, ressaltou.

Impactos do cooperativismo - Ratinho Junior falou ainda sobre o desenvolvimento promovido pelo cooperativismo. “A Cocari já tem uma expertise no setor da agroindústria e nos ajuda a desenvolver outras regiões do Paraná. O cooperativismo é a grande vocação do Paraná e traz uma mudança cultural às localidades, organizando a cadeia produtiva e viabilizando soluções não só para o desenvolvimento econômico, mas também social, a partir da assistência técnica necessária para o aumento da qualidade da produção do cooperado”, disse.

Alcance de mercado - Para o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, a inauguração do frigorífico, construído com a ajuda do estado e da União, é oportuna para que a intercooperação Cocari/Aurora promova o incentivo à produção e ao processamento de peixe, expandindo o alcance de mercado desse produto. “Esta será mais uma referência do padrão de qualidade da Cocari para o mundo todo. Acredito muito na capacidade técnica e de organização da cooperativa, que associada ao interesse do produtor e à grande procura do consumidor pela tilápia, que tem no Paraná a liderança de produção nacional, resultará em um empreendimento de sucesso”, avaliou.

Potencial da região - O ex-ministro e atual diretor-presidente da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná (Agepar), Reinhold Stephanes, destacou o potencial da região. “Temos água, agricultores, mercado e preço. Contamos com as cooperativas para fazer a integração e comercialização, tudo está encaminhado para obtermos sucesso”, disse.

Cooperativismo agrícola - O deputado federal Pedro Lupion destacou a importância do cooperativismo agrícola para a economia e sustento das famílias. “Mesmo em um momento de crise decorrente da pandemia, o cooperativismo agrícola continuou gerando empregos e renda para o nosso estado, colocando o Paraná em posição de destaque no cenário nacional e mundial”, avaliou.

Marco histórico - O deputado estadual Alexandre Curi fez um pronunciamento em nome da Assembleia Legislativa. “O anúncio desse investimento em Alvorada do Sul é extremamente importante, diante desse momento delicado que vivemos. Essa inauguração é um divisor de águas para o município, certamente teremos muitas conquistas para os próximos anos”, enfatizou.

Fomento econômico - O prefeito do município, Marcos Antonio Voltarelli, contou sobre os primeiros passos dados para a construção do abatedouro. “Em 2005, já tínhamos conhecimento da grande produção de peixes no município e buscamos saber o que o produtor precisava. Sempre acreditávamos que seria necessário compensar os quase quatro mil alqueires de terra perdidos com a construção da represa, feita na década de 1970, e rezávamos para encontrar um parceiro que pudesse viabilizar este projeto e ajudar na recuperação financeira do município, além de promover o desenvolvimento regional”, disse.  

Concretização de um sonho - O presidente da cooperativa, Marcos A. Trintinalha, falou sobre o projeto. “Nosso anseio de explorar um abatedouro de peixes estava focado principalmente na possibilidade de oferecer uma alternativa de renda ao produtor rural, para que ele agregasse valor à sua propriedade e pudesse viver melhor no campo. Fizemos isso com a criação de frangos, em intercooperação com a Aurora, integrando um conjunto de onze cooperativas singulares filiadas à cooperativa central. Com este projeto, ampliamos nossos negócios, buscando constantemente o crescimento de nossos cooperados. O projeto foi iniciado em 2018 e, no ano passado, visitamos a unidade e ficamos impressionados com a qualidade dessa estrutura. Gostaria de agradecer pela oportunidade de poder concretizar este sonho. Passaremos assumir a planta e fazer as adequações exigidas pela Aurora, que atende os mercados nacional e internacional”, pontuou.

Diversificação de renda - O vice-presidente da cooperativa, João Carlos Obici, destacou a importância do evento. “Este dia marca a entrada da Cocari em um novo segmento. É uma nova oportunidade para os nossos associados e sabemos que a cooperativa deve estar alinhada aos anseios dos produtores. Com este trabalho, demos um passo histórico com a criação de tilápias, oferecendo essa alternativa para a diversificação das fontes renda do produtor rural”, ressaltou.

Amplos benefícios - Representando a Central Aurora Alimentos, Gilmar Gruber, comentou a inauguração do projeto. “Acredito que todos acabam ganhando com esse novo investimento, quer seja o estado com a arrecadação de mais impostos; o município, com maior movimento econômico; a sociedade, com empregos; os produtores que terão a demanda para a sua produção; a Cocari que entra em um novo negócio e, por consequência aumenta o faturamento; e a Aurora, que pode ter a demanda para oferecer um produto de qualidade para o mercado”, explicou.

Preparativos - O gerente industrial da Cocari, Fernando Sepulveda, falou sobre o início do contrato de concessão, pelo qual a Cocari assume mais uma unidade. “No segmento de Integração à Piscicultura, forneceremos desde a ração produzida em nossa fábrica em Mandaguari, até o processo final no frigorífico. Já temos uma quantidade significativa de peixes alojados, em torno de 1,5 milhão, em processo de engorda, para o início das operações na unidade, previsto para o período entre o final deste ano e início de 2022.”, informou.

Contrato - O contrato para Concessão de Direito de Uso do Imóvel e Equipamentos junto à Cocari foi assinado no dia 11 de março deste ano, com o propósito de gerar empregos e renda, fomentar a produção de pescados, diversificar a cadeia produtiva, incentivar e fomentar a ampliação da renda familiar rural e promover o turismo e o agronegócio.

Estrutura - Instalada em uma área de mais de 53 mil m², a Unidade de Beneficiamento de Pescados tem 1,6 mil m² de construção, que abrange as áreas administrativa, industrial e demais dependências. A capacidade inicial instalada de abate é de até seis toneladas por turno de trabalho, porém foi traçado o objetivo de chegar ao segundo ano de operação com até 12 toneladas de peixes abatidos por dia. Para isso, serão integrados de 60 a 80 tanques de 5 mil m² de lâmina d’água, em média, para abastecimento da produção no primeiro ano de trabalho, área que pode dobrar a partir do segundo ano de atividade.

Empregos - Há expectativa de geração de 50 empregos diretos e formais ao final dos primeiros dois anos de atividade, podendo ser ampliada para mais de 75 empregos diretos após este período. Além destes, serão gerados outros postos de trabalho, com equipes de despesca, transporte, produção e outras atividades.

Construção - O projeto da unidade teve seus estudos iniciais entre os anos de 2005 e 2008 e foi aprovado pelos órgãos fiscalizadores, com a liberação dos primeiros recursos pelo Ministério da Agricultura no final de 2009. As obras iniciaram em 2010. A unidade de beneficiamento de pescados recebeu o nome de Luís Carlos Bufalo, em homenagem póstuma ao ex-vereador de família pioneira em Alvorada do Sul.

Visita às instalações - Após os pronunciamentos oficiais, foi feito o descerramento da placa que representa o contrato de concessão entre o município e a Cocari. Na sequência, os visitantes conheceram as instalações da unidade, conferindo a qualidade da estrutura onde serão realizados o abate e processamento de peixes. (Imprensa Cocari, com informações da prefeitura de Alvorada do Sul)

{vsig}2021/noticias/04/23/cocari/{/vsig}

CAPAL: Unidade de Fartura (SP) completa 6 anos de bons resultados em produtividade

A unidade da Capal Cooperativa Agroindustrial localizada no município de Fartura, sudoeste de São Paulo e população de 16 mil habitantes, segundo o último Censo, completa nesta semana seis anos de atendimento, fornecimento de produtos e assistência técnica especializada aos cooperados, que hoje soma o total de 134 produtores rurais.

Empregos diretos - A unidade gera 10 empregos diretos e realiza atendimento a outros seis cidades da redondeza: Taguaí, Sarutaiá, Piraju, Timburi, Manduri e Bernardino de Campos.

Cafeicultura - A cafeicultura é o principal atrativo entre as atividades agrícolas praticadas na região, que também se destaca pela cultura de soja, milho, pecuária leiteira e de corte.

Produtividade - Nestes seis anos, é comprovado que a produtividade abundante corresponde ao nome da cidade: em média, a unidade da Capal em Fartura reúne a colheita de 37 sacas por hectare de café no ano, uma quantidade equilibrada e proporcional à área e ao número de cooperados atendidos no município.

Expectativas positivas - Para a safra 2020/21, as expectativas são positivas. “Alguns produtores rurais já iniciaram a colheita nas últimas semanas, e as condições indicam que teremos bons resultados neste ano, principalmente pela cotação favorável da saca no mercado”, prevê Claudinei Vieira, gerente regional da cooperativa.

Insumos e suplementos - Na loja de Fartura, os insumos agrícolas e suplementos animais são os produtos mais procurados, além da ala veterinária, com serviços de assistência técnica profissional, comercialização de medicamentos e produtos veterinários.

Confiabilidade - Segundo Claudinei, a instalação da Capal em Fartura conquistou a confiabilidade dos produtores locais porque os valores cooperativistas são tratados com seriedade e compromisso. “O modelo de gestão, o investimento em novas tecnologias e os princípios bem alicerçados da cooperativa garantiram mais segurança aos nossos cooperados, que, aos poucos, passaram a corresponder a nossas iniciativas internas, como a participação ativa nas assembleias, por exemplo. Em termos de agronegócio, a Capal trouxe uma proposta diferente para Fartura e enxerga um cenário bastante promissor na região”, finaliza.

Sobre a Capal Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1960, a Capal conta atualmente com mais de 3,2 mil associados, distribuídos em 21 unidades de negócios, nos estados do Paraná e São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 65% das operações da cooperativa, produzindo mais de 734 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, trigo, milho e café. A área agrícola assistida ultrapassa os 153 mil hectares. O volume de leite negociado mensalmente é de 12 milhões de litros, proveniente de 320 produtores. Além disso, a cooperativa comercializa mais de 31 mil toneladas de suínos vivos. (Imprensa Capal)

{vsig}2021/noticias/04/23/capal/{/vsig}

COCAMAR: Para Paolinelli, Nobel deve ser dado ao setor

“A indicação ao Prêmio Nobel da Paz, como desejam alguns amigos, é um reconhecimento que deve ser prestado primeiramente aos produtores rurais brasileiros, aos técnicos, pesquisadores e empresas do setor. Eu sou apenas o seu representante, com muito orgulho.” Assim reagiu o ex-ministro da Agricultura, Alysson Paolinelli, durante a 16ª Jornada do Ciclo de Debates Cocamar promovida no final da tarde de quinta-feira (22/04) pela cooperativa em transmissão ao vivo, ao comentar sobre o fato de seu nome ter sido apresentado para concorrer àquela premiação.

Energia - Paolinelli disse ainda que “aos 84 anos, se inspira na força e na energia dos mais jovens para continuar trabalhando pela agricultura brasileira”.

Precursor - Ao discorrer sobre o tema “Evolução da Agricultura Tropical e Sustentável”, a respeito da qual é o precursor no país, o ex-ministro – atual presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho) e do Instituto Fórum do Futuro – debateu com o presidente do Conselho de Administração da Cocamar, Luiz Lourenço, e o gerente executivo técnico, Renato Watanabe.

Incentivo - Lourenço disse que Paolinelli “é um antigo amigo da Cocamar”, cooperativa que o recepcionou em diversas oportunidades quando ocupou o Ministério e também após esse período. E destacou que em 1974, numa reunião com seus dirigentes, o então ministro conclamou que fossem menos modestos para que a Cocamar participasse efetivamente da economia nacional, passando a incentivar a instalação do parque industrial da cooperativa.

Visão de futuro - Por sua vez, Watanabe comentou sobre a visão do ministro (no cargo de 1974 a 1979) em investir na correção dos solos ácidos e de baixa fertilidade dos cerrados, implantando uma agricultura altamente produtiva a partir, também, da tecnologia do plantio direto, iniciada por produtores paranaenses.

ILPF - “Com isso, tornou-se possível fazer agricultura no Brasil durante o ano todo”, asseverou o gerente executivo, ressaltando ainda que a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), igualmente incentivada por Paolinelli, reúne todas as tecnologias. “O Brasil se transformou de país importador de alimentos a um dos maiores produtores do mundo, alimentando 1,5 bilhão de pessoas, 20% da população mundial”, frisou.

Dependência - “A agricultura estava muito desorganizada e não abastecia o país”, explicou Paolinelli, ao citar que 30% dos alimentos consumidos pela população brasileira tinham que ser adquiridos no exterior.

Referência - “Fomos buscar capacidade técnica e científica e o país desenvolveu uma agricultura tropical que hoje é referência para o mundo.” Com a recuperação biológica dos solos dos cerrados, disse, estes demonstraram ser tão competitivos quanto os mais férteis das principais regiões produtoras.

Embrapa e biológicos - O ex-ministro ressaltou que o Brasil tem na Embrapa “a maior empresa de pesquisa de agricultura tropical do mundo”, mas a instituição precisa de apoio governamental para prosseguir com suas atividades. E disse também acreditar na competência brasileira em produzir insumos biológicos para livrar o país “da escandalosa dependência da importação de fertilizantes químicos”.

Sustentável - Sobre a ILPF, ele comentou que esse sistema inovador “vai aproveitar pastos degradados que são abundantes pelo país para produzir grãos, carnes, leite e também madeira de uma forma sustentável, sem desmatar”. E que se investirem em irrigação, os produtores poderão ter três safras dentro de um mesmo ano.

Noroeste - Lourenço mencionou que a transgenia propiciou um avanço considerável em termos de expansão de áreas pela agricultura, devido a praticidade que oferece, ao destacar o potencial dos solos arenosos do noroeste paranaense. São 1,7 milhão de hectares de pastos nessa região, em grande parte degradados. A respeito disso, Watanabe pontuou que a Cocamar já conta, ali, com cerca de 200 mil hectares de sistemas integrados.

Conhecimento - “Estamos agora na fase da microbiologia”, lembrou Paolinelli, enfatizando que a iniciativa privada tem feito pesquisa por conta própria, sendo essa uma área que demanda muito conhecimento. E disse que no pós-pandemia os países ricos vão dar preferência a alimentos mais saudáveis, algo que o Brasil tem condições de oferecer.

Agradecimento - Falando de sua confiança no país, o ex-ministro fez, ao final da transmissão, um agradecimento à Cocamar, “pelo que tive oportunidade de conhecer. Algumas vezes em que estive na cooperativa, participando de assembleias lotadas, me emocionei e não contive as lágrimas. Sou, também, um homem de sentimentos”.

Participantes - A transmissão no canal da cooperativa no Youtube foi acompanhada por cerca de 130 participantes, entre cooperados, técnicos e lideranças de várias regiões do país. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2021/noticias/04/23/cocamar/{/vsig}

SICREDI I: Programa A União Faz a Vida gera impacto social quatro vezes maior do que o valor investido

A Fundação Sicredi, braço social e cultural da instituição financeira cooperativa com mais de 5 milhões de associados e presença em 24 estados e no Distrito Federal, acaba de divulgar estudo sobre o impacto social do programa “A União Faz a Vida”. O trabalho buscou, por meio de metodologia científica, identificar o Retorno Social do Investimento (SROI) da iniciativa realizada há mais de 25 anos com crianças e adolescentes de escolas públicas e privadas de diversas regiões do Brasil. Como principais resultados, o estudo revelou que os impactos do Programa permanecem na mesma intensidade na vida dos participantes por um período de cinco a sete anos, e que correspondem a quatro vezes o investimento realizado. Ou seja, para cada R$ 1,00 investido, são gerados R$ 4,07 de impacto social.

Metodologia - A metodologia SROI, aplicada no desenvolvimento do estudo, permite que os impactos sociais sejam monetizados, isto é, atribuem-se valores em reais (R$) aos impactos mensurados na pesquisa. Com isso, tendo como base o ano de 2019, o estudo estima que o valor social gerado pelo Programa é de cerca de R$ 465 milhões, sendo 88,5% deste valor correspondente às transformações percebidas nos alunos participantes, e 11,5% do valor composto pelas mudanças percebidas nos professores. Outra importante conclusão foi que seis em cada dez alunos aumentaram seu interesse pela escola e suas atividades.

Princípios - A iniciativa tem como objetivo promover princípios de cooperação e cidadania entre crianças e adolescentes de escolas de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio nas comunidades onde a instituição financeira cooperativa atua, estimulando-os a serem protagonistas que tomam decisões coletivas e constroem projetos cooperativos.

Abrangência - Ao longo de mais de 25 anos, o Programa tem sido desenvolvido em escolas das regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Norte do país e já alcançou a marca de mais de 3 milhões de crianças e adolescentes impactados, além de mais de 150 mil educadores, responsáveis por implementar os princípios e a metodologia.

Gratificante - “É gratificante transformar a vida de crianças e adolescentes por meio da educação. O Programa aumenta o interesse e envolvimento dos participantes no processo de aprendizagem, sendo capaz de promover um maior senso de cidadania e coletividade e uma série de habilidades socioemocionais. Desenvolvemos esses jovens para que eles promovam impactos positivos em suas comunidades”, explica o superintendente da Fundação Sicredi, Romeo Balzan.

Mais informações - Mais informações sobre o relatório do Retorno Social do Investimento – SROI estão disponíveis em: https://auniaofazavida.com.br/impacto/estudo/

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br).

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

FOTOS: Divulgação (*a segunda foto foi tirada antes da pandemia)

{vsig}2021/noticias/04/23/sicredi_I/{/vsig}

 

SICREDI II: César Menotti & Fabiano protagonizam nova campanha de incentivo à poupança

sicredi 23 04 2021Com foco nos associados dos estados de São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro, a campanha “Poupança Premiada” do Sicredi traz em suas peças o incentivo ao planejamento financeiro e na economia de parte dos recursos para realização de metas a curto e longo prazos.

Alcance - Para destacar a poupança, modalidade mais popular entre os brasileiros, a campanha criada pela HOC House Of Creativity foi pensada para alcançar diretamente um grande número de pessoas com o ritmo musical considerado mais popular entre os brasileiros, o sertanejo.

Cesar Menotti & Fabiano - A campanha conta com a participação da dupla sertaneja César Menotti & Fabiano, com uma adaptação do sucesso “Leilão”. A nova versão traz a mensagem “Eu vou poupar de montão. E juntar o maior dinheirão. Com o Sicredi vou fazer render. E tem prêmios para eu concorrer”.

Letra especial - Na letra especial cantada para o Sicredi, os artistas, que também são associados da instituição financeira cooperativa, ainda destacam a importância de poupar e a grande quantidade de prêmios que os associados concorrem.

Promoção - “Essa é uma das maiores promoções em andamento no país, com mais de R$ 2,5 milhões distribuídos em 202 sorteios. E sabemos que a poupança é uma modalidade extremamente popular no Brasil, utilizada por todas as classes sociais e perfis de público. Por isso, partimos da ideia de associar a campanha ao ritmo sertanejo que, assim como a poupança, faz muito sucesso no país. Ainda tivemos a felicidade de contar com a ajuda de uma dupla querida e pelo público e que ainda conhece na prática os diferenciais do cooperativismo de crédito e do Sicredi. Queremos que a mensagem sobre a importância de poupar e iniciar a sua reserva financeira contagie nossos associados”, ressalta o gerente de Marketing da Central Sicredi PR/SP/RJ, Rogério Leal.

Veiculação - A campanha é veiculada em rádio, TV, impressos e na internet, além de contar com divulgação nas mais de 740 agências do Sicredi no Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. “Em nossas peças quisemos destacar que a participação na promoção é simples e ajuda não apenas quem concorre, mas também as comunidades onde atuamos. Por isso, apostamos na simplicidade da linguagem, seguindo o padrão visual das outras campanhas que realizamos, reforçando a nossa identidade de cooperação”, finaliza Leal.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

FOTO: Amos Rodrigues

Ficha Técnica

Agência: HOC House Of Creativity

Diretor de Criação: Gregório Leal

Diretor de Arte: Carlos Farneda e Wagner Tonetto

Redator: Marlon Santos e Matheus Jaeger

Atendimento: Denise Moreira, Tânia Grigoletto e Cintia Pavão

Produção: Alessandra Santos e Rodrigo Taborda

Cliente: Sicredi

Aprovação da campanha: Rogerio Leal e Carolina Gogola

Produtora: Fantástica Filmes + Vfx

Direção de Cena: Marlon Klug

Direção de Fotografia: Russo Loyola

Direção de Arte: Rosane Melink

Assistente de Direção: Felipe Claudino

Direção de Produção: Marina Rossignoli

Produção Executiva: Herminio Vinholi Jr e Marlon Klug

Gerente de Projetos: Ana Maria Sequinel

Produção de Figurino: Ana Paula Cardoso

Produção de Elenco: Call Me Cast

Pós produção e finalização: Fantástica Filmes +Vfx

Diretor Vfx: Bruno Wotroba

Coordenador de Pós Produção: Maguilla

Composição Vfx: Karlos Schirmer

Engenheiro Vfx: Ivã Stival

Montagem: Emanoel Maciel e Marlon Klug

Color Grading: Psycho N’ Look

Produtora de áudio: Jinga Música

Atendimento: Lucas Corrêa Meyer

Produção executiva: Ricardo Engels Garay

Arranjo: Eduard Follmann

Produção de áudio: Lucas Corrêa Meyer e Eduard Follmann

Violões: Maurício Hansel

Gaita: Daniel Mariano

Locução principal: Rafael Mentges

Estúdio para captação das vozes: Bruno Perdigão

Engenheiro do som: Luís Heleno

Sound-design: Luís Heleno

Mixagem: Luís Heleno e Ricardo Garay

Finalização: Luis Heleno e Lucas Corrêa Meyer

 

 

 

SICOOB TRÊS FRONTEIRAS: Agência de Itaipulândia mudará de endereço e proporcionará nova experiência aos cooperados

sicoob tres fronteiras 23 04 2021Prestes a completar seu sexto aniversário no município de Itaipulândia (PR), o Sicoob Três Fronteiras vai proporcionar uma nova experiência aos seus cooperados mudando de endereço e reconfigurando o estilo tradicional de uma instituição financeira. A alteração deve acontecer em agosto.

Localização - A nova agência, que ficará na Avenida Tiradentes, próximo à loja Rokeli, passará a ter 300m², sendo 200 a mais do que o espaço atual, situado na Rua Rui Barbosa. Além de um ambiente mais amplo para receber os cooperados, a cooperativa também proporcionará a eles a sensação de estar em casa, num local mais aconchegante e confortável.

Atendimento diferenciado - O gerente da agência, Anderson Jacob, acredita que, com a mudança de local, a equipe que já é qualificada e dedicada em oferecer um atendimento diferenciado terá ainda mais condições de bem atender os cooperados, além de ampliar o atendimento àqueles que desejam vivenciar os benefícios do cooperativismo financeiro.

Agradecimento - “Primeiramente queremos agradecer a cada cooperado e a toda comunidade que nos acolheu e contribuiu direta ou indiretamente para que esse sonho se tornasse realidade. Eu e toda a equipe estamos imensamente felizes e ansiosos para receber todos em uma agência moderna e ampla, buscando sempre promover a justiça financeira”, finalizou Anderson. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

ZARC: Mapa divulga zoneamento agrícola de feijão para a primeira safra 2021/2022

zarc 23 04 2021Cumprindo o cronograma divulgado em março de 2021, e dando continuidade às ações do Programa Nacional de Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), foram publicadas no Diário Oficial da União, as portarias que aprovaram o Zarc da cultura do Feijão 1ª safra para 14 estados: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Pará, Tocantins, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Publicação antecipada - Neste ano, a publicação das portarias foi antecipada para permitir que produtores rurais, assistência técnica, agentes financeiros, seguradoras e demais entidades que utilizam os indicativos do Zarc possam ter mais tempo para o planejamento da safra.

Zarc - Os agricultores que seguem as recomendações do Zarc estão menos sujeitos aos riscos climáticos e poderão ser beneficiados pelo Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e pelo Programa de Subvenção ao prêmio do Seguro Rural (PSR). Muitos agentes financeiros só permitem o acesso ao crédito rural para cultivos em áreas zoneadas e para o plantio de cultivares indicadas nas portarias de zoneamento.

Aplicativo Plantio Certo - Produtores rurais e outros agentes do agronegócio podem acessar por meio de tablets e smartphones, de forma mais prática, as informações oficiais do Zarc, facilitando a orientação quanto aos programas de política agrícola do governo federal. O aplicativo móvel Zarc Plantio Certo, desenvolvido pela Embrapa Informática Agropecuária (Campinas/SP), está disponível nas lojas de aplicativos: iOS e Android.

Painel - Os resultados do Zarc também podem ser consultados e baixados por meio da plataforma “Painel de Indicação de Riscos”. (Mapa)

FOTO: Embrapa Arroz e Feijão

 

INFRAESTRUTURA I: Ibama inicia nova fase dos estudos de impacto ambiental da Nova Ferroeste

infraestrutura I 22 04 2021Teve início, nesta semana, a segunda fase do diagnóstico da fauna ao longo do traçado por onde vai passar a malha da Nova Ferroeste – projeto de um grande corredor de transporte de grãos e contêineres do País, unindo Paraná e Mato Grosso do Sul. O estudo de impacto ambiental segue o Termo de Referência (TR) específico elaborado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Levantamentos de campo - Nesta fase, fica autorizada a captura, coleta e o transporte do material biológico (Abio) e a empresa a contratada para realizar o estudo de Impacto Ambiental e do Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima) está apta a fazer os levantamentos de campo.

Estudo - A intenção é estudar as diversas tipologias vegetais, onde vivem comunidades específicas da fauna silvestre. Os técnicos e especialistas estão em campo analisando anfíbios, répteis, aves, mamíferos, peixes e espécies que fazem parte da ictiofauna (seres da comunidade aquática, invertebrados e que podem ser vistos a olho nu).

Seleção - O Ibama selecionou Unidades Amostrais (UA) nas regiões mais representativas do traçado e levou em consideração a importância ambiental dos remanescentes de vegetação nativa. Ao todo, oito unidades foram selecionadas e ao longo do ano serão quatro campanhas de diagnóstico nestas UA.

Avanço progressivo - Os estudos ambientais ligados à nova malha ferroviária avançam progressivamente. Todo o projeto foi desenvolvido para ter o mínimo possível de impacto socioambiental. Ao longo do traçado não haverá interceptação em comunidades indígenas, quilombolas ou em Unidades de Proteção Integral, por exemplo.

Sustentável - Para o coordenador do Plano Estadual Ferroviário (GT Ferrovias), Luiz Henrique Fagundes, o projeto está bastante avançado e reforça que o projeto será verde e sustentável. “A sustentabilidade tem um peso muito importante em todo o projeto. Buscamos mitigar o máximo possível questões ambientais para que a Nova Ferroeste seja, de fato, uma ferrovia verde, que se preocupa com o desenvolvimento sustentável do País”, disse o coordenador.

Conflitos urbanos - Outra preocupação, destacou o Fagundes, é com a redução de conflitos urbanos. A orientação é para que os trechos da ferrovia evitem cruzar as cidades. Em Curitiba, por exemplo, os trilhos serão todos desviados, sem a passagem de trens por cruzamentos que podem gerar acidentes. “É, sem dúvida, uma iniciativa que vai deixar a capital paranaense muito mais segura, seja para motoristas ou pedestres”, afirmou.

Ferrovia - O projeto busca implementar o segundo maior corredor de transporte de grãos e contêineres do País, unindo Paraná e Mato Grosso do Sul, dois dos principais polos exportadores do agronegócio brasileiro. Apenas a malha paulista teria capacidade maior.

Maracaju (MS) / Cascavel (PR) - Pelo planejamento, será construída uma estrada de ferro entre Maracaju, maior produtor de grãos do Mato Grosso do Sul, até Cascavel, no Oeste Paranaense. De lá, o trem segue pelo atual traçado da Ferroeste com destino a Guarapuava – os 246 quilômetros de ferrovias atuais serão modernizados –, até se ligar a uma nova ferrovia que vai da região Central do Estado ao Porto de Paranaguá, cortando a Serra do Mar. Há previsão, ainda, de um novo ramal entre Cascavel e Foz do Iguaçu.

Impacto - De acordo com os técnicos responsáveis pelo estudo, a construção da ferrovia terá forte impacto positivo dentro da logística nacional, diminuindo custos e ampliando a capacidade de exportação.

Influência indireta - A área de influência indireta abrange 925 municípios de três países. São 773 do Brasil, 114 do Paraguai e 38 da Argentina. No Brasil, impacta diretamente 425 cidades do Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, totalizando cerca de 9 milhões de pessoas. A área representa 3% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. O documento aponta, entre outras vantagens, a estimativa de um aumento de 40% nas exportações de grãos e celulose com origem no Paraguai.

Arqueólogos - O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) também autorizou o estudo que está sendo realizado por arqueólogos na área do traçado da ferrovia. A decisão foi publicada em Diário Oficial da União no dia 17 de fevereiro. Porém, a autorização dos estudos não corresponde à manifestação conclusiva do Instituto para o licenciamento ambiental, que deverá ainda passar pela aprovação da Superintendência Estadual do MS. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Fundação Instituto de Pesquisa Econômica

 

INFRAESTRUTURA II: Porto de Antonina se torna apto a receber navios com maior capacidade de carga

infraestrutura II 23 04 2021O Porto de Antonina está apto para receber navios com maior capacidade de carga. O calado operacional do canal de acesso ao terminal passa de 8 para 8,5 metros, profundidade em que as embarcações podem ficar submersas na água, ao navegar para entrar ou sair do terminal.

Portaria - A alteração está na portaria 074/2021, publicada esta semana pela empresa pública Portos do Paraná. Com a retomada da dragagem de manutenção continuada essa homologação era muito esperada.

Aprovação - A aprovação do novo calado operacional foi dada pela Autoridade Marítima - Capitania dos Portos do Paraná - após a análise dos levantamentos da batimetria realizada na última atividade de dragagem no canal de acesso ao Porto de Antonina, finalizada em agosto de 2020.

Aumento - “Considerando que o Porto de Antonina movimenta, principalmente, granéis sólidos, esse aumento de meio metro significa aproximadamente mais 2.500 toneladas de carga em cada navio que o porto recebe”, afirma o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Calado operacional - O calado operacional do canal está sendo restaurado por etapas. No ano passado passou de 7,5 para 8 metros. A expectativa é chegar até os 9,5 metros.

Dragagem de manutenção - O diretor de Operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior, explica que isso é possível graças ao serviço de dragagem de manutenção e pela adequação na sinalização náutica (nas boias).

Competitividade - “Faz parte de um plano de adequação até atingir o calado máximo possível. Com certeza, essa medida trará maior competitividade ao terminal de Antonina, impactando diretamente na viabilidade de atração de maiores volumes de carga”, garante o diretor.

Otimismo - Gilberto Birkhan, presidente da Terminais Portuários Ponta do Félix (TPPF), que opera em Antonina, diz que a empresa recebe com otimismo a notícia do aumento de calado. “Isso faz crescer as nossas perspectivas de novas cargas, novos negócios. Trabalhando junto com a Portos do Paraná, creio que podemos ir além e alcançar profundidades ainda maiores, o que aumentaria os nossos diferenciais”, afirma.

Impacto - Segundo Birkhan, o impacto desse aumento de calado será direto, na primeira operação de embarque de farelo de soja, já nos próximos dias. “É muito importante contarmos com isso, porque seremos muito atrativos para cargas que merecem uma dedicação especial no manuseio”, completa o presidente da TPPF, se referindo ao farelo de soja não transgênico que é movimentado pelo terminal. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Claudio Neves / Portos do Paraná

 

EXECUTIVO: Presidente sanciona a Lei Orçamentária de 2021 com veto parcial

executivo 23 04 2021O presidente Jair Bolsonaro sancionou, com veto parcial e bloqueio adicional, a Lei Orçamentária de 2021, a qual fixa as despesas e estima as receitas de todo o governo federal para o ano de 2021. Até a sanção, que ocorreu na noite desta quinta-feira (22/04), União vinha executando apenas as ações e programas considerados obrigatórios ou inadiáveis, dentro dos limites do orçamento provisório estabelecido pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Investimentos - Com a sanção do orçamento definitivo o restante das dotações fica destravada e o governo federal poderá voltar a fazer investimentos e executar programas discricionários - aqueles considerados não obrigatórios por lei.

Recomposição - Os vetos ocorreram porque as projeções do Ministério da Economia indicavam a necessidade de uma recomposição de R$ 29 bilhões e, com isso, foi necessário abrir um espaço no Orçamento. Essa recomposição foi feita em acordo com o Congresso Nacional e com o relator do Orçamento, senador Márcio Bittar (MDB-AC), por meio de um veto parcial de R$ 19,8 bilhões de dotações orçamentárias e o bloqueio adicional de R$ 9 bilhões.

Diferença - A diferença entre o veto de dotações e o bloqueio é que o veto representa um corte definitivo da despesa, enquanto que o bloqueio permite que o valor bloqueado possa vir a ser desbloqueado ao longo do ano, no caso de novas projeções indicarem a existência de um novo espaço no teto de gastos.

Emendas - Os R$ 19,8 bilhões do veto serão distribuídos em cortes nas emendas do relator (R$ 10,5 bilhões), cortes de emendas de comissão do Poder Legislativo (R$ 1,4 bilhão), e despesas discricionárias do Poder Executivo (R$ 7,9 bilhões). A pedido do Ministério da Economia, também foi vetada a autorização para a criação de cargos na Polícia Militar e no Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, os quais são custeados pela União.

Remanejamento - O bloqueio será efetuado por decreto e os valores vetados serão remanejados por meio de um novo projeto de lei de crédito suplementar (PLN). A publicação do decreto e o envio do PLN ao Congresso Nacional serão publicados concomitantemente à sanção da Lei Orçamentária. A aprovação do projeto de lei será necessária para a cobertura das despesas obrigatórias que possuem risco de cobertura insuficiente, como as da Previdência Social. Contudo, as projeções indicam que esses valores somente serão efetivamente necessários no último bimestre do exercício fiscal.

Teto de gastos - Com o veto e o bloqueio administrativo, o Orçamento de 2021 cumpre a regra do teto de gastos, segundo as projeções do Ministério da Economia. (Agência Brasil)

FOTO: Fábio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

 

ECONOMIA I: Banco Central flexibiliza limites e regras para arranjos de pagamento

O Banco Central (BC) flexibilizou os limites e as regras para os arranjos de pagamento. Segundo resolução publicada nesta quinta-feira (22/04) no Diário Oficial da União, apenas os arranjos de maior porte continuarão a necessitar de autorização, regulação e supervisão por parte da autoridade monetária. O órgão também tornou menos rígidas as regras para a liquidação de recebíveis (recursos a receber) de cartões.

Inovação e competição - Em nota, o BC informou que a medida aumenta o espaço para a inovação e a competição no sistema financeiro. Na avaliação da autarquia, a liberalização permitirá que os arranjos de menor porte tenham mais flexibilidade e menor custo, beneficiando tanto o consumidor como as empresas.

Mais importante - A mudança mais importante foi o aumento do volume mínimo de negociações para que um arranjo fique sujeito à regulação do BC. O limite anual de movimentação passou de R$ 500 milhões e 50 milhões de transações para R$ 20 bilhões e 100 milhões de transações.

Regras e procedimentos - Os arranjos de pagamento são regras e procedimentos que permitem a prestação de serviços e conectam todos os participantes da cadeia de pagamentos. Esses arranjos fornecem todos os recursos necessários para que uma compra seja quitada, seja por cartão, boleto, transferência bancária ou Pix.

Propósito limitado - O BC também mudou a definição de arranjos de propósito limitado. Aplicado em segmentos específicos, como pagamento de pedágios e de estacionamentos, esses arranjos não são regulados pelo órgão. Segundo a autoridade monetária, a mudança tornou mais claras as condições para que o negócio seja enquadrado nessa definição.

Dispensa - Outra mudança foi a dispensa de autorização para arranjos de pagamentos fechados de instituição de pagamento com o funcionamento autorizado pelo BC. Nos arranjos fechados, o responsável pelo sistema de pagamentos (ou a empresa controlada por ele) encarrega-se da emissão e do credenciamento dos cartões de pagamento.

Mudanças - Segundo o chefe de subunidade do Departamento de Competição e de Estrutura do Sistema Financeiro (Decem) do BC, Ricardo Araújo, as mudanças da nova resolução dispensam de regulação 25 arranjos de credenciamento já autorizados ou em processo de autorização. Esses arranjos, informou o Decem, englobam 3% dos recursos que passam pelo sistema de pagamentos do país.

Credenciadores - A resolução também autorizou que os credenciadores e os subcredenciadores de cartões antecipem os pagamentos aos lojistas a qualquer hora do dia, todos os dias da semana. Até agora, o lojista só podia antecipar os recebíveis (receber com antecedência os recursos comprados nas maquininhas de cartão) uma vez por dia, em horário comercial. (Agência Brasil)

ECONOMIA II: BC aprova obrigatoriedade dos bancos ofertarem Pix por agendamento

economia II 23 04 2021A partir de 1º de setembro, as instituições financeiras serão obrigadas a oferecer o serviço do Pix Agendado, que é a possibilidade de o usuário pagador marcar o procedimento para uma data futura com o uso da chave Pix ou dados bancários de quem vai receber o dinheiro. A Diretoria Colegiada do Banco Central aprovou a nova alteração no Regulamento do Pix, anexo à Resolução nº 1, de 2020.

Facultativa - Desde o lançamento do Pix, o serviço de transferência instantânea do Banco Central (BC), em 16 de novembro de 2020, essa é uma funcionalidade facultativa. De acordo com o BC, o prazo de 1º de setembro é razoável para que todas as instituições façam os ajustes necessários no sistema e interfaces (aplicativos e internet banking). Tal medida visa ampliar ainda mais a comodidade dos pagadores, garantindo que todos os usuários, independentemente da instituição em que tenham conta, possam agendar um Pix, explicou o banco, em comunicado.

Mais prazo - As instituições bancárias também ganharam mais prazo para se adequar ao Pix Cobrança, que será lançado em 14 de maio. A ferramenta permitirá cobranças com vencimento em datas futuras por meio da geração de um QR Code (versão avançada do código de barras).

Experiência completa - A regra estabelece que as instituições participantes do Pix que não conseguirem proporcionar a experiência completa de pagamento (leitura do QR Code e pagamento em data futura) no período de 14 de maio a 30 de junho, terão que, no mínimo, possibilitar a leitura e o pagamento na data da leitura do código, com todos os encargos e abatimentos calculados corretamente. De acordo com o BC, será um período transitório, que dará às instituições tempo adicional para finalizar as alterações nos sistemas.

QR Code e pagamento futuro - A partir de 1º de julho, então, todos os participantes precisarão ser capazes de fazer a leitura do QR Code e também possibilitar o pagamento deste para data futura.

Imediatos - O BC destacou que, desde o lançamento do Pix é possível fazer a leitura de QR Code para pagamentos imediatos. “Já a oferta do Pix Cobrança (geração das cobranças com Pix e demais funcionalidades associadas a gestão das cobranças) é facultativa aos participantes, sendo obrigatória apenas a oferta de serviço de geração de QR Code estático aos usuários recebedores pessoa natural”, explicou o BC.

Implementação - A implementação do Pix Cobrança já foi adiada em outras ocasiões [https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2021-03/bc-altera-para-14-de-maio-implementacao-do-pix-cobranca].

Auxílio emergencial - Por fim, o BC aprovou a medida que garante que, a partir de 30 de abril, recursos recebidos do auxílio emergencial 2021 poderão ser movimentados por Pix. A única exceção será para os casos de transferência para conta de mesma titularidade. Segundo a instituição, tal excepcionalidade é necessária para a proteção dos usuários, uma vez que esses recursos não podem ser objeto de descontos ou de compensações que impliquem a redução do valor do auxílio.

Transferências - Sistema de pagamentos instantâneos do BC, o Pix permite a transferência de recursos entre contas bancárias 24 horas por dia. As transações são executadas em até 10 segundos, sem custo para pessoas físicas. Para usar o Pix, o correntista deve ir ao aplicativo da instituição financeira e cadastrar as chaves eletrônicas, que podem seguir o número do celular, o e-mail, o Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), para pessoas físicas ou o Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), para empresas.

Chave aleatória - O usuário também pode gerar uma chave aleatória, com um código de até 32 dígitos ou mesmo usar os dados da conta. Cada chave eletrônica está associada a uma conta bancária. Pessoas físicas podem ter até cinco chaves por conta. Para pessoas jurídicas, o limite sobe para 20. (Agência Brasil)

FOTO: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

 

CÂMBIO: Dólar cai para R$ 5,45 e fecha no menor valor em quase dois meses

cambio 23 04 2021Num dia de alívio no mercado de câmbio, o dólar fechou abaixo de R$ 5,50 e atingiu o valor mais baixo em quase dois meses. A bolsa de valores, no entanto, não acompanhou o otimismo e teve a terceira queda seguida, influenciada pelo mercado externo.

Cotação - O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (22/04) vendido a R$ 5,455, com recuo de R$ 0,096 (-1,73%). A cotação operou em queda durante quase toda a sessão e está no menor nível desde 24 de fevereiro, quando a cotação tinha fechado em R$ 5,422. A divisa acumula queda de 3,1% em abril e alta de 5,1% em 2021.

Ações - No mercado de ações, o índice Ibovespa fechou o dia aos 113.371 pontos, com queda de 0,58%. Com recuo acumulado de 1,44% na semana, o indicador pode ter a primeira semana de baixa após três semanas seguidas de altas.

Influências - A cotação do dólar foi influenciada por uma combinação de fatores domésticos e externos. A decisão do Banco Central Europeu de manter o ritmo de compras emergenciais de títulos públicos aumentou a disposição dos investidores internacionais em aplicarem em países emergentes.

Brasil - No Brasil, a entrada de recursos de exportações agrícolas e o avanço nas negociações sobre o Orçamento de 2021 também aliciaram o mercado de câmbio.

Bolsa - A bolsa de valores não aproveitou o desempenho positivo. O Ibovespa operou em alta até o início da tarde, mas reverteu o movimento acompanhando os índices norte-americanos. Nesta quinta, o presidente Joe Biden anunciou a disposição em elevar para 39,6% os impostos sobre ganhos de capital (ganhos com a valorização de ativos) dos americanos que recebem mais de US$ 1 milhão por ano. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO: Pixabay

 

SAÚDE I: Brasil registra 2.027 mortes e 45.178 novos diagnósticos

O total de mortes causadas pelo novo coronavírus subiu para 383.502. Entre quarta e quinta-feira (21 e 22/04), foram confirmados 2.027 novos óbitos.

Investigação - Ainda há 3.643 mortes em investigação por equipes de saúde. Isso porque há casos em que o diagnóstico sobre a causa sai após o óbito do paciente.

Casos acumulados - Já a soma de casos acumulados desde o início da pandemia subiu para 14.167.973. Entre quarta e quinta-feira, foram confirmados 45.178 novos diagnósticos positivos.

Atualização diária - As informações estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada na noite desta quinta-feira (22/04). O balanço é elaborado a partir dos dados sobre casos e mortes levantados pelas autoridades locais de saúde.

Recuperadas - O número de pessoas recuperadas está em 12.673.785. Já a quantidade de pacientes com casos ativos, em acompanhamento por equipes de saúde, ficou em 1.110.686.

Dados - Os dados em geral são menores aos domingos e segundas-feiras pela menor quantidade de trabalhadores para fazer os novos registros de casos e mortes. Essa redução também ocorre no dia seguinte aos feriados, como é o caso desta quinta-feira, após o 21 de abril. Já às terças-feiras eles tendem a ser maiores já que neste dia o balanço recebe o acúmulo das informações não processadas no fim de semana.

Estados - O ranking de estados com mais mortes pela covid-19 é liderado por São Paulo (90.810), Rio de Janeiro (42.362), Minas Gerais (31.386), Rio Grande do Sul (23.752) e Paraná (20.959). Já as Unidades da Federação com menos óbitos são Acre (1.458), Roraima (1.466), Amapá (1.497), Tocantins (2.328) e Alagoas (4.054). (Agência Brasil)

 

saude I tabela 23 04 2021

SAÚDE II: Mais 2.582 casos e 150 mortes pela Covid-19 são registrados no Paraná

saude II 23 04 2021 A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quinta-feira (22/04) mais 2.582 casos confirmados e 150 mortes pela Covid-19 no Paraná. Os números são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam as notificações das últimas 24 horas.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 914.392 diagnósticos e 20.850 óbitos.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta quinta-feira são de janeiro (24), fevereiro (19), março (97) e abril (2.402) de 2021 e dos seguintes meses de 2020: maio (1), julho (3), agosto (2), setembro (4), outubro (2), novembro (4) e dezembro (24).

Vacina - O site da Secretaria de Estado da Saúde possui um Vacinômetro atualizado em tempo real à medida que os municípios inserem as doses aplicadas no sistema.

Internados - O informe relata que 2.414 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 1.946 pacientes em leitos SUS (940 em UTI e 1.006 em enfermaria) e 468 em leitos da rede particular (272 em UTI e 196 em enfermaria).

Exames - Há outros 2.728 pacientes internados, 952 em leitos UTI e 1.776 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão na rede pública e rede particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Secretaria da Saúde informa a morte de mais 150 pacientes. São 66 mulheres e 84 homens, com idades que variam de 25 a 92 anos. Os óbitos ocorreram de 22 de abril de 2020 a 22 de abril de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Apucarana (17), Curitiba (14), Arapongas (4), Almirante Tamandaré (3), Cianorte (3), Fazenda Rio Grande (3), Foz do Iguaçu (3), Francisco Beltrão (3), Maringá (3), Paranavaí (3), Pato Branco (3), Ponta Grossa (3), São José dos Pinhais (3), Sarandi (3), Amaporã (2), Araucária (2), Astorga (2), Bela Vista do Paraíso (2), Cambé (2), Campo Largo (2), Colombo (2), Contenda (2), Guaíra (2), Jaguapitã (2), Jandaia do Sul (2), Laranjeiras do Sul (2), Leópolis (2), Londrina (2), Mandaguaçu (2), Mandirituba (2), Nova Esperança (2), Paiçandu (2), Palmeira (2), Pinhais (2), Piraquara (2), Rio Branco do Sul (2), Rolândia (2), Salto do Itararé (2), Toledo (2) e Tomazina (2).

Uma morte - A Secretaria registra, ainda, a morte de uma pessoa em cada um dos seguintes municípios: Alvorada do Sul, Anahy, Assis Chateaubriand, Balsa Nova, Bandeirantes, Cascavel, Castro, Cornélio Procópio, Cruzeiro do Oeste, Florestópolis, Flórida, Imbaú, Itapejara D'Oeste, Lapa, Matinhos, Nova Santa Bárbara, Paranaguá, Piraí do Sul, Quedas do Iguaçu, Renascença, Rio Branco do Ivaí, Roncador, São Carlos do Ivaí, São João do Triunfo, São Jorge D'Oeste, Sertaneja, Telêmaco Borba, Terra Rica, Tunas do Paraná e Umuarama.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 5.633 casos de residentes de fora, sendo que 134 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o Informe completo

 

SAÚDE III: Mais de 1,5 milhão de pessoas já receberam a 1ª dose da vacina contra a Covid-19 no Paraná

saude III 23 04 2021Mais de 1,5 milhão de paranaenses já receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19. O número foi alcançado na manhã desta quinta-feira (22/03). De acordo com o Vacinômetro da Secretaria de Estado da Saúde, o imunizante foi aplicado em 1.504.373 pessoas. A segunda dose, por sua vez, chegou aos braços de 606.117 moradores do Estado.

Total - No total, 2.110.490 passaram até o momento pelo processo de imunização, o que corresponde a 18,3% da população do Paraná, estimada em 11.516.840 pessoas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Considerando os 4,6 milhões de paranaenses que fazem parte dos grupos prioritários definidos no Plano Estadual de Vacinação, o porcentual passa para 45,8%, sendo primeira dose (32,7%) e segunda dose (13,1%).

Planejamento local - Segundo o planejamento local, que replica as orientações do Plano Nacional de Imunização (PNI), integram as prioridades aquelas pessoas mais expostas ao vírus, como trabalhadores da saúde e da segurança pública, ou que correm mais riscos de apresentar piora ou morrer pela doença, como pessoas com mais de 60 anos ou que apresentam algum tipo de comorbidade.

Iniciativas - Para o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, as recentes iniciativas adotadas pelo Governo do Estado estão sendo essenciais na disseminação da vacinação. De acordo com ele, as campanhas junto aos municípios buscam atingir o máximo possível de pessoas e fazer com que as doses enviadas pelo Ministério da Saúde cheguem rapidamente aos braços dos paranaenses.

Campanhas - O secretário citou a Vacina Paraná de Domingo a Domingo, em que salas de vacinação passaram a funcionar ininterruptamente, todos os dias da semana. Lembrou também do Corujão da Vacinação, campanha que estendeu os horários de aplicação até a meia-noite em algumas cidades para atingir aquele público que por algum motivo não consegue comparecer em horário comercial.

Orientação - “A orientação do governador Ratinho Junior é para vacinar o maior número de paranaenses no menor tempo possível. Tão logo os imunizantes chegam ao Paraná, vindos do Ministério da Saúde, já são verificados e encaminhados para as regionais. Precisamos que os municípios apliquem as vacinas, não deixem nada em estoque”, afirmou Beto Preto.

Aplicação - Com nova a remessa prevista para desembarcar em Curitiba na noite desta quinta-feira (22/04), o Paraná chega a pouco mais de 3 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 encaminhadas pelo Ministério da Saúde. A maior parte já está com os municípios.

Vacinômetro - Segundo o Vacinômetro, 2.470.033 vacinas foram distribuídas (82,3%). Das destinadas para a primeira dose, 100% foram aplicadas, além de 58,1% das doses de reforço.

Administração das doses - As doses são administradas conforme a ordem prevista no Plano Estadual, iniciando por pessoas idosas em Instituições de Longa Permanência, indígenas, pessoas com deficiência institucionalizadas, trabalhadores da saúde, quilombolas e idosos, que são vacinados regressivamente até chegar à faixa dos 60 anos. A partir daí, será iniciada a imunização das pessoas com comorbidades. No Paraná, profissionais das forças de segurança e salvamento e das Forças Armadas já estão sendo vacinados.

Profissionais da saúde - Com a vacina já aplicada em praticamente 100% dos profissionais da saúde e nos primeiros da fila, a vacinação no Paraná está na faixa etária entre os 60 e os 64 anos.

Municípios - Na ordem, os municípios com o maior quantitativo aplicado até agora em números absolutos, somando a primeira e a segunda dose, são Curitiba (349.093), Londrina (136.196), Maringá (93.962), Cascavel (70.720) e Ponta Grossa (61.796). (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Geraldo Bubniak / AEN

 


Versão para impressão


RODAPE