Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5095 | 21 de Junho de 2021

COOPERATIVISMO: Brasil e Japão estreitam relação

cooperativismo 21 06 2021Mais de 150 pessoas participaram do Encontro Cooperativista Brasil-Japão, realizado na quinta-feira (17/06), pela OCB em conjunto com a Aliança Cooperativa Japonesa. O evento que contou com a presença lideranças cooperativistas e autoridades políticas de ambos os países marca a celebração dos 113 anos da chegada do primeiro navio de imigrantes japoneses ao Brasil.

Contribuição cultural - O presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, fez questão de ressaltar a contribuição cultural do Japão para o desenvolvimento da agricultura brasileira e, também, para o cooperativismo nacional.

Gratidão - “Vocês fazem parte da consolidação da base cultural brasileira, especialmente no setor agropecuário, com uma afinidade muito mais forte no cooperativismo. Por isso, quero enfatizar a minha gratidão ao movimento cooperativista japonês. Temos mais de 26 coops fundadas originalmente por imigrantes japoneses, que vêm desde 1930 sendo exemplos do bom desenvolvimento agrícola e, também, do cooperativismo verde-e-amarelo”, ressaltou o presidente do Sistema OCB.

Integrada - Uma dessas cooperativas é a Integrada, fundada em 1995, na cidade de Londrina, no Paraná, e que hoje já conta com mais de 65 unidades de recebimento tanto no estado de origem quanto em São Paulo, registrando um faturamento global de mais de R$ 4 bilhões. O presidente da Integrada e diretor do Sistema Ocepar, Jorge Hashimoto, prestigiou o evento. “Há 25 anos, 28 produtores de diversas regiões do estado resolveram fundar essa cooperativa. No início não tínhamos nada. Arrendamos as estruturas de uma outra coop e criamos a Integrada. Já no primeiro ano tínhamos mais de 1000 cooperados”, lembrou o cooperativista.

Fortalecer o diálogo - O presidente do Sistema OCB também destacou que o objetivo do encontro – estreitar os laços entre OCB e Aliança Cooperativa Japonesa – foi alcançado. “Nossa ideia era promover o intercâmbio de experiências e fundamentar bases para a celebração de parcerias institucionais e abertura de mercado para os produtos e serviços das cooperativas brasileiras. Não tenho dúvidas de que logo após a pandemia poderemos estabelecer uma conexão maior e até discutir futuras parcerias comerciais com as coops japonesas”, afirmou Lopes.

Américo Utumi - Historicamente, Brasil e Japão se apoiam mutuamente nos pleitos estabelecidos no âmbito da Aliança Cooperativa Internacional, inclusive para eleição de membros do Conselho. Um exemplo dessa parceria é a eleição de Américo Utumi, representante do Brasil no Conselho de Administração da ACI por três mandatos consecutivos. Além de defender os interesses das coops brasileiras, Utumi construiu um relacionamento muito próximo com as entidades de representação do cooperativismo japonês. (OCB)

GETEC: Informe nº 29 apresenta expectativas de mercado sobre indicadores econômicos

getec destaque 21 06 2021A Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec) divulgou, nesta segunda-feira (21/06), mais uma edição do Informe Expectativas de Mercado, com base nas informações do Boletim Focus, do Banco Central (BC), levantadas com instituições financeiras sobre as projeções relativas à economia nacional, contemplando o Produto Interno Bruto (PIB), IPCA (Índice de Preços ao Consumidor), taxa Selic e câmbio para 2021, 2022 e 2023.

Clique aqui para conferir o Informe Expectativas de Mercado Semanal

 

COAMO: Secretário de Planejamento elogia prática do cooperativismo, que gera maior confiança e participação

coamo 21 06 2021O secretário de Planejamento do Estado do Paraná, Valdemar Bernardo Jorge, esteve no dia 17 de junho, conhecendo o funcionamento da Coamo, em Campo Mourão (centro-oeste do Paraná). A visita teve como objetivo apresentar ao secretário os produtos e serviços oferecidos aos cooperados e a história de sucesso da cooperativa.

Símbolo - De acordo com o secretário, a Coamo é um símbolo de que é possível, através da força do trabalho, construir uma sociedade melhor. “A Coamo é uma empresa que está investindo no Paraná. Retira o produto do campo e faz a transformação, deixando um legado, uma história para a sociedade”, afirmou o secretário.

Produção e planos - Jorge conheceu, junto com o presidente dos Conselhos da Coamo e Credicoamo, José Aroldo Galassini, e do presidente do Executivo da Coamo, Airton Galinari, a produção e planos de futuro da cooperativa. “Foi muito bom receber a visita do Secretário de Panejamento do Paraná, Valdemar Jorge, e mostrar a ele o trabalho que a Coamo faz há mais de 50 anos, sempre com a missão de gerar renda aos cooperados com desenvolvimento sustentável”, conta Galinari.

Crescimento - Para Jorge, a Coamo projeta crescimento, mesmo em tempos de pandemia. “Em um ano tão difícil, produziu alimentos para que não houvesse crise de abastecimento, que era nossa preocupação como governo. Recentemente a cooperativa e o Governo do Estado anunciaram um investimento de R$ 81 milhões para a construção de uma fábrica de ração, gerando mais empregos e renda.”

Potência - Sobre o cooperativismo, o secretário afirmou que o estado é o que é por causa do cooperativismo, e através da produção agrícola o Paraná é um estado melhor. Segundo Jorge, se não fosse o cooperativismo, liderado pela Coamo, o Paraná não seria essa potência que é hoje. “O cooperativismo praticado pela Coamo gera maior confiança e aumenta a participação dos cooperados no processo de decisão”, afirma.

Diversidade - O governo está preocupado em desenvolver a produção paranaense, buscando aumentar a diversidade de produtos. “Isso é feito através de pesquisas e tecnologia, e da confiança dos empresários em continuar investindo no Paraná. Acreditamos no futuro e na parceria entre as cooperativas, a Coamo em especial, e o governo do estado.”

Projetos - Em relação aos principais projetos da pasta, Jorge afirma que o governo tem uma grande preocupação com a infraestrutura, rodoviária e ferroviária, e a ideia é ampliar a capacidade de transporte nas rodovias. Outro eixo do governo é dar todo apoio ao produtor rural para que ele possa ter condições efetivas de ampliar sua capacidade de produção, obter rentabilidade e reinvestir na sua propriedade. (Imprensa Coamo)

 

 

AGRÁRIA: Condomínio Milla é campeão brasileiro de produtividade de soja

agraria 21 06 2021Na manhã de quinta-feira (17/06), o Cesb (Comitê Estratégico Soja Brasil) divulgou os cases campeões de produtividade de soja na safra 20/21. O grande campeão nacional foi o Condomínio Milla, formado por cooperados da Agrária.

Produtividade - A Fazenda Fundo Grande, localizada no município do Pinhão (PR), registrou uma produtividade de 129,16 sacas por hectare. De acordo com o relatório apresentado durante a premiação, os diferenciais que fizeram a propriedade atingir esse nível elevado de produção foram o perfil do solo, a palhada e o sistema de adubação. Além disso, destaque para a principal marca do Condomínio Milla: o cuidado e esforço durante todo o processo de produção.

Homenagem - Ao divulgar o prêmio, o Cesb prestou uma homenagem ao cooperado Ernest Milla, que nos deixou no último mês de abril. Conhecido em todo Brasil como referência na produção de grãos, Milla sempre buscou métodos inovadores de cultivo, sendo um dos percursores do plantio direto. O Conselho de Administração da Agrária sente-se orgulhoso pelo legado deixado pelo senhor Ernest Milla. Seu exemplo como produtor e cidadão é uma grande inspiração, especialmente para as novas gerações.

Conquista - A equipe da Cooperativa Agrária também celebra essa conquista do Condomínio Milla, rendendo suas homenagens ao senhor Ernest Milla, e estendendo os parabéns aos cooperados Karl, Egon e Robert Milla, que certamente darão continuidade a essa bonita história de amor pela agricultura. (Imprensa Agrária)

 

COCARI: Programa Colhendo Inovações premia vencedores em produtividade da soja

A Cocari realizou o evento de premiação do Programa Colhendo Inovações na noite da última quinta-feira (17/06). A cerimônia foi transmitida pelos perfis @cocaricoop no Facebook e canal do YouTube. O objetivo do programa é desafiar o Departamento Técnico da Cocari e seus cooperados estimulando a busca pelo conhecimento necessário para se produzir soja em um ambiente ético, sustentável e maximizando a produtividade das lavouras.

Participantes – A quarta edição do Colhendo Inovações contou com 133 inscritos, que concorreram nas categorias Paraná Alto, Paraná Baixo, Cerrado Irrigado e Cerrado Sequeiro. No Paraná, participaram 99 produtores e 47 técnicos. No Cerrado, foram 34 produtores e 22 técnicos concorrendo. Entre os quesitos para participação estavam a área de, no mínimo, 10 hectares, sendo em talhão contínuo, cultivados com a mesma variedade e recebendo os mesmos tratos culturais, com colheita de, no mínimo, 3 hectares; e a inscrição de uma área por produtor.

Cerimônia de premiação – Marcelo Luís Basso Meneguim, gerente técnico do Paraná, e Izaias Olindo dos Santos, engenheiro agrônomo de São Pedro do Ivaí-PR, apresentaram a cerimônia de premiação do programa. Durante a transmissão, os inscritos (produtor e consultor) que alcançaram as maiores produtividades na cultura da soja e seguiram as regras do regulamento foram premiados. O evento ainda contou com uma palestra sobre a importância da qualidade das sementes.

Evolução – O presidente da Cocari, Marcos Antonio Trintinalha, fez a abertura do evento e ressaltou a satisfação em realizar o programa de produtividade da soja. “Agradeço e cumprimento a todos os nossos técnicos e cooperados que participaram deste trabalho, e também aos nossos parceiros que colaboraram para a realização do Programa Colhendo Inovações. Essa forma de trabalho é algo que a Cocari vem implementando com o objetivo de fazer com que o nosso cooperado receba do seu técnico aquilo que existe de melhor em inovações e tecnologias disponíveis para que o aumento da produtividade no campo possa ser constante”, relatou Trintinalha.  

Paraná Baixo – Ao lado do técnico David Ferreira da Silva Junior, o cooperado João Suzuki, de Borrazópolis-PR, alcançou a melhor marca na categoria Paraná Baixo, com produtividade de 89,35 sc/ha. “É uma grande satisfação participar do Programa Colhendo Inovações. Agradeço a Deus por ter colhido esta safra porque foi um ano muito desafiador, em que tivemos uma grande estiagem na fase inicial e depois chuva na formação dos grânulos, além de vários dias nublados. Com isso, não conseguimos fechar a produtividade esperada, mas, graças a Deus, ainda conseguimos essa produtividade. Agradeço à Cocari e ao Detec pelo trabalho em parceria com o uso de tecnologias”, destacou o produtor.

Paraná Alto e Campos Gerais – Jonas Vandoski, cooperado de Ponta Grossa-PR, e o técnico Carlos Ardengui foram os campeões na categoria Paraná Alto e Campos Gerais, com 100,23 sc/ha. “Agradeço a Deus pelo clima ter corrido bem para alcançarmos essa marca porque por mais que o produtor consiga investir na planta, se não tiver chuva na hora certa, sol no momento exato, o bom acompanhamento do engenheiro agrônomo, de nada adianta. Ficar em primeiro lugar nesta categoria foi uma surpresa. Eu esperava colher bem, mas não tanto assim. Fiquei satisfeito porque foi resultado de um trabalho em conjunto”, frisou o cooperado.

Cerrado Irrigado – De Campo Alegre de Goiás-GO, o produtor Arlindo Salvalaggio e o técnico Joviano José da Silva Neto alcançaram o primeiro lugar na categoria Cerrado Irrigado, com 95,1 sc/ha. “É a segunda vez que participamos do Colhendo Inovações e essa parceria com a Cocari foi muito boa, o técnico sempre esteve à disposição para esclarecer alguma dúvida e orientar na hora das aplicações de defensivos, fungicidas. Nosso maior desafio nesta edição foi em relação ao clima, que estava muito instável, mas com as orientações dos técnicos, trocando ideias constantemente, conseguimos chegar a um fator satisfatório”, disse Sidney Luís Salvalaggio, filho do cooperado Arlindo Salvalaggio.

Cerrado Sequeiro – Também de Campo Alegre de Goiás-GO, a produtora Valdete Troncha e o técnico Danilo Cipriano ficaram em primeiro lugar na categoria Cerrado Sequeiro, com 82 sc/ha. “É a primeira vez que participo e tivemos realmente uma assistência muito efetiva, com o acompanhamento feito pelo técnico a todo momento para verificar se existia algum problema de praga, doença, erva daninha. O maior desafio foi o veranico. Em segundo lugar, devido a isso, houve grande ataque de lagarta em soja RR e um pouco de percevejo. Mas fizemos um trabalho bem feito, desde o preparo do solo e conseguimos alcançar essa produtividade porque, apesar do veranico, houve bastante luminosidade”, afirmou a produtora.

Qualidade das sementes – Durante o evento, o engenheiro agrônomo Dr. João Batista Gonçalves Dias da Silva, que é responsável pelo Centro Tecnológico Cocari, conversou com o pesquisador da Embrapa Soja, Fernando Henning. “Conhecemos o sistema de produção de sementes e sabemos que o time da cooperativa tem essa grande responsabilidade de produzir qualidade no campo e depois, da colheita até a venda, este sistema mantém a qualidade das sementes ou até mesmo gera o aprimoramento dessa matéria prima”, destacou. “Nós, da Embrapa, zelamos pela bandeira da qualidade e confiamos muito nesse tipo de sistema. A Cocari sempre busca inovações e tudo isso passa por um dinamismo do time e por um sistema de qualidade muito bem aferido”, completou o pesquisador.

Sorteio – Os produtores que participaram do Programa Colhendo Inovações concorreram a um Diagnóstico Inicial de Solo. O sorteado foi Antonio Marcos Salazar, da unidade de Aquidaban-PR. (Imprensa Cocari)

{vsig}2021/noticias/06/21/cocari/{/vsig}

ALEGRA: Indústria paranaense investe R$ 1,8 milhão em reciclagem animal

alegra 21 06 2021Na indústria frigorífica, o pensamento do químico francês Lavoisier de que “nada se cria, tudo se transforma” é uma realidade presente. Dentro da reciclagem animal, ramo que converte em novos produtos itens como sangue, gordura e ossos descartados pela cadeia da pecuária, 13,5 milhões de toneladas de resíduos foram transformadas somente em 2020, de acordo com a Associação Brasileira de Reciclagem Animal (Abra). No Paraná, a indústria de carne suína Alegra aderiu ao projeto.

Forma rentável - Além do benefício ambiental, ao evitar o descarte desses resíduos em aterros sanitários, a reciclagem animal também é uma forma rentável de reaproveitamento, pois seus produtos têm valor e importância no mercado. Em 2020, segundo a Abra, o setor movimentou R$ 8,3 bilhões.

Na prática - Na Alegra, por exemplo, a reciclagem animal foi a solução encontrada para o descarte do sangue dos animais que passavam pelo abate. De acordo com o gestor de Project Management Office (PMO) da Alegra, Fernando Garcia Persoli, a produção de farinha de sangue se tornou um formato viável para a empresa. “A farinha de sangue é utilizada para alimentar peixes, aves e outras espécies não ruminantes, então é uma saída sustentável para um resíduo que antes era descartado sem reaproveitamento”, explica.

Investimento - Para a implementação do projeto, o investimento será de R$ 1,8 milhão. “O descarte do sangue sempre foi um problema a ser resolvido, pois essa operação gera um custo para a empresa. E, nesse caso, criar a estrutura e passar a aproveitar esse resíduo em uma solução sustentável, limpa e ainda rentável justifica o investimento e também o esforço para internalizar esse processo”, conta.

Sobre a Alegra - A indústria de alimentos Alegra é a união das cooperativas de origem holandesa, Frísia, Castrolanda e Capal, que constituem o grupo Unium. Uma empresa que combina condições de trabalho ideais aliando tecnologia, equipamentos de última geração, preocupação com o bem-estar dos animais e sustentabilidade em seu parque industrial, sempre primando pela excelência em seu produto final, que utiliza as melhores carnes suínas.

Reconhecimento internacional - Em 2017, a marca conquistou o reconhecimento internacional quanto às Práticas de Bem- estar Animal no abate, tornando-se a primeira planta brasileira a receber essa certificação em bem-estar suíno, pela WQS. Mais informações em www.alegrafoods.com.br. (Imprensa Alegra)

 

MARIA MACIA: Cooperativa está atendendo em nova sede

maria macia 21 06 2021A Cooperativa Maria Macia está atendendo em uma nova sede, com um total de 1.800 metros quadrados, para proporcionar mais conforto aos cooperados e clientes. Também a área de insumo está funcionando em um espaço mais amplo visando dar mais agilidade ao atendimento das demandas. A nova sede fica na Rua Maria Olímpia Jardim, 776, Jardim Isabel, em Campo Mourão, na região Centro-Oeste do Paraná.

A cooperativa - Fundada e sediada em Campo Mourão há cerca de 12 anos, a Maria Macia é uma cooperativa de produção de carne bovina, com cooperados e parceiros comerciais em diversas regiões do estado. Da criação do bovino à comercialização da carne, todo o processo tem rigoroso controle de qualidade. Os cooperados recebem treinamentos, orientações técnicas e adquirem produtos de excelente qualidade, o que resulta em segurança, rentabilidade e conhecimento. Todo produto ofertado ao mercado tem que atender aos procedimentos operacionais padronizados. Isso tudo garantido por um rígido sistema de rastreabilidade, que permite à cooperativa ofertar o atestado de origem de seus produtos.

Mais informações - Saiba mais em www.mariamacia.com.br. (Com informações da Cooperativa Maria Macia)

COPACOL: Parceria com Athletico Paranaense é renovada por mais uma temporada

Uma união vencedora dentro e fora de campo vai continuar ainda mais forte. A Copacol e o Athletico Paranaense renovaram parceria pela quarta vez consecutiva. Duas grandes marcas do nosso estado, que seguem lado a lado em uma trajetória de grandes conquistas.

Marca - Ao longo desses anos, o Athletico Paranaense fortaleceu sua marca no cenário internacional, com títulos nacionais, continentais e intercontinentais. E a Copacol reforçou sua presença em todos os cantos do Brasil e em mais de 70 países pelo mundo, levando a milhões de famílias alimentos de qualidade, produzidos por mais de 6,2 mil cooperados, 16 mil colaboradores.

Conquistas - A Copacol esteve ao lado do Furacão nas conquistas do tricampeonato estadual 2018-2019-2020, da Conmebol Sul-Americana 2018, da Levain Cup 2019 e da Copa do Brasil 2019. Sua marca está para sempre na história do clube, registrada nas lembranças desses grandes triunfos rubro-negros.

Formação - Também acompanhou o clube em resultados expressivos das Categorias de Formação. Com a marca da Copacol na camisa, os jovens talentos rubro-negros chegaram às decisões dos últimos Campeonatos Brasileiros Sub-17 e Sub-20.

Omoplatas - Com a renovação, a marca Copacol seguirá nas omoplatas dos uniformes do Athletico em 2021. E continuará presente em uniformes de treinos e viagens, transmissões da Furacão Live, plataformas digitais do clube, placas e LEDs de campo nos jogos do Campeonato Brasileiro, placas no centro de treinamentos, telão do estádio e backdrop de entrevistas.

Alimentação - Além disso, a Copacol seguirá sendo parte importante na alimentação dos atletas do Furacão, oferecendo sabor e qualidade nutricional para o dia a dia de treinamentos e competições. Um combustível essencial para o desempenho do Athletico nos gramados.

Funcionários - Os produtos Copacol também estão nas refeições dos funcionários do clube, no CAT Alfredo Gottardi. E assim que for possível o retorno do público aos estádios, a torcida athleticana poderá reencontrar o sabor dos tradicionais hot-dog e choripan Copacol nas lanchonetes da Arena da Baixada.

Triunfo - Para o Athletico Paranaense, a renovação dessa parceria é mais um triunfo que o clube e a Copacol conquistam lado a lado. "É o prosseguimento deste projeto vencedor, com a união de duas instituições que sempre buscam a excelência e o crescimento de suas marcas. Copacol e Athletico seguem juntos, em busca de novas e grandes conquistas", afirma Mauro Holzmann, diretor comercial e de relações institucionais do Athletico Paranaense.

Satisfação - A Copacol também celebra a renovação da parceria. "É satisfatório fazer parte da história do futebol paranaense, estar ao lado do Athletico Paranaense e celebrar as conquistas. A Copacol coopera dentro e fora de campo, levando para milhões de consumidores nossa essência e incentivando o esporte. Esperamos mais um ano de talento em campo e muitas vitórias", afirma Valter Pitol, diretor-presidente da Copacol. (Imprensa Copacol)

{vsig}2021/noticias/06/21/copacol/{/vsig}

SICREDI: Com estratégia e adaptação, capacitação de professores é garantida na pandemia

O avanço da vacinação contra a Covid-19 e o retorno parcial de aulas presenciais ou em sistema híbrido colocam professores, pais e alunos frente a novos desafios, especialmente no período de transição. Desde o início da pandemia, em março de 2020, foram necessárias várias adaptações na área de educação, como o ensino remoto. Um movimento que nem sempre foi fácil para os educadores. De acordo com a pesquisa realizada pela International School, no início da pandemia, 52,9% dos professores sentiam que estavam totalmente despreparados, ou tecnicamente pouco preparados para as aulas on-line. O estudo realizado em 118 cidades de 26 estados e no Distrito Federal mostrou que, ao longo dos meses, 82,4% dos educadores passaram a se sentir extremamente ou bem mais confiantes com relação ao ensino remoto.

Adaptação - A adaptação pode estar relacionada ao aprimoramento técnico ou às capacitações realizadas por professores de escolas públicas ou privadas que não pararam mesmo durante a pandemia. No município de Nova América da Colina, no Norte do Paraná, a professora Maria Aparecida Alves de Lima Campos destaca como a continuidade na formação do projeto desenvolvido na escola onde trabalha, o CMEI João Pedro Guilherme, foi importante no avanço profissional. “Favoreceu o aperfeiçoamento dos meus conhecimentos, contribuindo no desenvolvimento dos projetos para aplicação com os alunos”, comenta.

Programa - A escola é uma das uma das 2,6 mil no país que integra o “Programa A União Faz a Vida”, elaborado pela instituição financeira cooperativa Sicredi em mais de 470 cidades de 12 estados. Ao longo da pandemia, o projeto que conta com formação continuada de professores se manteve graças a uma nova estratégia de atuação com os educadores. A instituição desenvolveu uma plataforma de interação com a produção de conteúdos customizados que foram enviadas aos participantes, por meio do WhatsApp, garantindo facilidade de acesso.

Opção - “Contamos com a opção de acessar e assistir as videoaulas em momentos oportunos facilitando o acesso de todos os professores”, complementa Maria Aparecida. Ao todo, o projeto promoveu a formação continuada a 5.779 educadores do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, além de reforçar o impacto positivo e a proximidade com os agentes educacionais, apesar dos desafios impostos pela crise sanitária.

Modelo - O “Programa A União Faz a Vida'' propõe um modelo de educação no qual o aluno é protagonista do processo de aprendizagem. Por isso, para a assessora de Desenvolvimento do Cooperativismo da Central Sicredi PR/SP/RJ, Alyne Lemes, os professores são fundamentais. “São eles que desenvolvem na ponta a metodologia do programa, articulam e fazem todo o movimento com os alunos e, portanto, para nós é essencial estarmos próximos aos educadores, olharmos suas demandas e necessidades na área pedagógica. Pensando nisso, a estratégia de promover uma formação continuada por meio de uma ferramenta mais democrática e não deixar o professor nesse momento tão difícil ajudou a mostrar que estamos juntos. Com o programa, acreditamos que a educação é o meio mais eficaz para a transformação de uma sociedade mais justa e cidadã”, argumenta.

Transformando.com.vc - Somado à estratégia de formação continuada a distância, a instituição financeira cooperativa ainda desenvolveu um plano de ações específicas para a plataforma Transformando.com.vc. O site traz conteúdos produzidos especialmente para que educadores e famílias trabalhem com as crianças. Além de lives com especialistas em educação, artigos e posts com assuntos que ajudam a promover a reflexão sobre o atual momento da educação. Nas matérias são abordados temas como gestão de cuidado, tecnologia no ambiente escolar, competências para o século XXI e a importância da conexão entre família e escola para aprendizagem. Além do site, os conteúdos também são trabalhados no Instagram, Facebook e canal no YouTube.

Sobre Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins

{vsig}2021/noticias/06/21/sicredi/{/vsig}

 

SICREDI UNIÃO PR/SP: Gestão da propriedade e sucessão familiar no quarto episódio da Prosa com o Produtor

A websérie Prosa com o Produtor, realizada pela Sicredi União PR/SP, chega ao quarto episódio nesta terça-feira (22/06), e o tema é “Gestão da Propriedade e Sucessão Familiar”. A transmissão, feita a partir do estúdio SRP Valley, em Londrina (PR), terá início às 16 horas pelo canal da cooperativa no YouTube (sicrediuniaopr-sp).

Especialistas - O assunto será abordado por especialistas: Mariely Biff, consultora e palestrante em sucessão e governança na propriedade rural e empresas do agronegócio e co-autora do livro “Mulheres do Agro”; Luiz Henrique Pedroni, vice-presidente da Sicredi União PR/SP; e João Vitor Martins da Silva, superintendente de Gente e Gestão da cooperativa.

Mais episódios - A websérie terá ainda mais dois episódios, além do desta terça-feira. No dia 29 de junho e 6 de julho, com os temas: “Gestão da propriedade e sucessão familiar”, “Tendências do agro” e “Agricultura familiar”. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

SICREDI RIO PARANÁ: Cresce amantes do veículo de duas rodas

Para diversão, transporte ou exercícios físicos, a bicicleta se tornou uma grande aliada. De acordo com a Associação Brasileira do Setor de Bicicletas (Aliança Bike), houve um crescimento na compra do bem durante a pandemia.

Usuários - De acordo com a pesquisa, existem três tipos de usuários de bicicleta: aqueles que a usam como meio de transporte, os que começaram a pedalar para praticar atividade física, e os que usam para lazer.

Meio ambiente - Além do exercício físico, o uso de bicicletas também é benéfico para o meio ambiente, já que elas não são poluentes. A OMS (Organização Mundial de Saúde) incentiva o uso de bicicletas como exercício físico e redução da poluição.

Linha - E, para ajudar as pessoas que sonham em ter uma bike, a Sicredi Rio Paraná PR/SP lança a linha Bike Nova. Com esta linha, os associados podem adquirir uma nova bicicleta com financiamento que chega até 48 vezes. E tem mais, são 90 dias de carência para o pagamento da primeira parcela e financiamento de até 100 % da bike.

ODS - Esta linha está diretamente ligada aos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) da ONU (Organização das Nações Unidas), com destaque para os ODS: 3 Saúde e bem-estar e 12 Consumo e Produção Responsável.

Mais - Para saber mais, procure o Sicredi de sua cidade. (Imprensa Sicredi Rio Paraná PR/SP)

{vsig}2021/noticias/06/21/sicredi_rio_parana/{/vsig}

EVENTO: Inscrição gratuita para evento de lançamento da plataforma CBSoja GoLive termina dia 25

Abertas até 25 de junho as inscrições gratuitas para o primeiro evento do CBSoja GoLive, plataforma que irá congregar cinco eventos técnicos on-line até a realização do IX Congresso Brasileiro de Soja (CBSoja) e do Mercosoja, em 2022, em Foz do Iguaçu (PR). Promovido pela Embrapa Soja, o evento de lançamento será no dia 28 de junho, das 8h às 15h, em formato on-line. Para a cerimônia de abertura está confirmada a participação do general, Antonio Hamilton Mourão, vice-presidente da República, de representante do Ministério da Agricultura, do presidente da Embrapa, Celso Moretti, e do chefe-geral da Embrapa Soja, Alexandre Nepomuceno, entre outras autoridades.

Painel de abertura - O painel de abertura sobre "Produção sustentável de soja: desafios, oportunidades e avanços obtido" terá a moderação do presidente da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), Ricardo Manoel Arioli Silva. A primeira palestra será sobre Os desafios agroambientais do Brasil no comércio internacional e será ministrada pelo presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Marcelo Brito. Na sequência, será debatido O papel da ciência na produção sustentável de soja, pelo pesquisador, Henrique Debiasi, da Embrapa Soja.

Mercado internacional - A partir das 13h, será realizado o painel "Mercado internacional de grãos e farelo de soja: relações internacionais, atualidades, desafios e soluções¨, cuja moderação será conduzida pelo gerente de economia da Associação das Indústrias de Óleo Vegetal (Abiove), Daniel Furlan Amaral. Uma das palestras do painel será sobre Panorama dos principais temas agro na China no momento: segurança alimentar, segurança do alimento, sustentabilidade, pela assessora da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Chefe do Núcleo China, Larissa Wachholz. Outro tema a ser debatido será o Novo padrão chinês da soja e consequências para o Brasil, pelo diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal do Ministério da Agricultura, Glauco Bertoldo. Também terá destaque a palestra Las perspectivas del mercado de la soja: corto, medio y largo plazos, a ser ministrada pelo diretor de Informações e Estudos Econômicos da Bolsa de Comércio de Rosario, Julio Calzada.

Antecipação - O presidente do CBSoja, Adeney de Freitas Bueno, pesquisador da Embrapa Soja, explica que a plataforma CBSoja GoLive está organizada para antecipar relevantes discussões relacionadas à cadeia produtiva da soja e reunir os agentes envolvidos com a cadeia produtiva da soja para discutir importantes temáticas da cultura que não podem esperar o ano de 2022. “Criamos este espaço virtual e interativo para manter todos os atores envolvidos com o sistema de produção de soja atualizados até a data do encontro presencial no IX CBSoja e Mercosoja 2022”, explica.

Sobre o IX CBSOJA e o Mercosoja 2022 O Congresso Brasileiro de Soja (CBSoja) e o Mercosoja 2022, que aconteceriam este ano, foram prorrogados para 16 a 19 de maio de 2022, em Foz do Iguaçu (PR). Acesse www.cbsoja.com.br e confira a programação completa dos eventos do CBSoja GoLive e do evento presencial em maio de 2022.

Programação Lançamento do CBSoja GoLive – on-line

28 de junho de 2021, segunda-feira - Lançamento (gratuito)

8h - 9h35 Cerimônia de abertura com a presença do Vice-Presidente da República, General  Antonio Hamilton Mourão

9h35 - 9h50 Intervalo para visitação à feira virtual

9h50 – 11h30 Painel - Produção sustentável de soja: desafios, oportunidades e avanços obtidos

Moderador: Ricardo Manoel Arioli Silva (Presidente da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA)

Os desafios agroambientais do Brasil no comércio internacional

Marcelo Brito (Presidente da ABAG)

O papel da ciência na produção sustentável de soja

Henrique Debiasi (Pesquisador Embrapa Soja)

13h – 15h Painel - O Mercado internacional de grãos e farelo de soja: relações internacionais, atualidades, desafios e soluções

Moderador: Daniel Furlan Amaral (Abiove- Gerente de Economia)

Panorama dos principais temas agro na China no momento: segurança alimentar, segurança do alimento, sustentabilidade

Larissa Wachholz (Assessora Especial da Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Chefe do Núcleo China)

Novo padrão chinês da soja e consequências para o Brasil

Glauco Bertoldo (Diretor do DIPOV / SDA / Mapa)

Las perspectivas del mercado de la soja: corto, medio y largo plazos

Julio Calzada (Director de informaciones y Estudios Económicos de de la Bolsa de Comercio de Rosario)

Inscrição gratuita

Inscrições até 25 de junho na página do CBSoja GoLive: https://www.cbsoja.com.br/golive. Em tipo de inscrição escolher: lançamento

Obs: As inscrições garantem emissão de certificado aos participantes. (Assessoria da Embrapa Soja)

 

evento 21 06 2021

CONJUNTURA AGROPECUÁRIA: Colheita de mandioca acelera e reduz ociosidade da indústria de fécula e farinha

conjuntura agropecuria 21 06 2021Os produtores de mandioca no Paraná puderam acelerar os trabalhos de colheita nas últimas semanas, beneficiados pelo clima. Dessa forma, também as indústrias de fécula e de farinha reduziram os níveis de ociosidade. Esse é um dos assuntos analisados no Boletim de Conjuntura Agropecuária elaborado pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, na semana de 12 a 18 de junho.

Umidade - A presença de maior umidade no solo nas últimas duas semanas no Paraná foi favorável para a colheita de mandioca. Isso foi observado, sobretudo, nas principais regiões produtoras, concentradas nos núcleos de Umuarama (34%), Paranavaí (30%), Campo Mourão (8%) e Toledo (4%). Nessas áreas está também a maioria do parque industrial de fécula e farinha.

Oferta - Com maior oferta da matéria-prima, as indústrias retomaram com mais força os trabalhos. Durante o longo período de estiagem, a ociosidade ultrapassou 40% no setor de transformação. Agora começou a reduzir, o que é importante para o País, visto que o Paraná é o segundo produtor de raiz e o primeiro processador, responsável por 70% do amido nacional.

Área ocupada - A área ocupada com a cultura de mandioca no Estado, na safra de 2020/21, é de 143 mil hectares, com produção estimada em 3,3 milhões de toneladas. Essa projeção significa perda de 4% na área e do mesmo porcentual em relação à produção observada na safra 2019/20, quando foram colhidas 3,5 milhões de toneladas em 148,9 mil hectares.

Todo o Estado - A mandioca é plantada em todo o Paraná. No Sul, onde a produção é feita em menor escala e com pouca tecnologia, a maior parte se destina ao consumo humano e animal. Na região de Curitiba, o município de Cerro Azul destina praticamente toda a produção para comercialização na Ceasa e nas feiras livres. É chamada de mandioca de mesa e tem preço mais elevado se comparado ao da indústria de transformação.

Pecuária leiteira e avicultura - O documento preparado pelo Deral destaca que a produção leiteira no Estado está pressionada e até limitada devido aos altos custos da alimentação, o que é agravado pela estiagem, que reduziu as pastagens. No entanto, a demanda pelo leite pode apresentar elevação devido a fatores como a recuperação gradativa da economia e o avanço da vacinação contra a Covid-19.

Aumento - O boletim retrata, ainda, o aumento médio de 5,6% no custo de produção de frango de corte no País em maio. No Paraná, a alimentação das aves teve reajuste de 6,9% comparado a abril. Em relação aos ovos, a produção no primeiro trimestre de 2021 foi 0,3% superior ao mesmo período do ano passado, com 978,25 milhões de dúzias no País. Mas o Paraná teve redução e caiu da segunda para a quarta posição nacional.

Batata e frutas - O Paraná está com 99% da área total preenchida com o plantio de batata, enquanto 54% já está colhida. A maior parte do que permanece no campo está em boas condições. Apenas 18% das lavouras são consideradas medianas e 1% está em situação ruim.

Participação variável - Sobre as frutas, o boletim registra que o setor tem participação variável entre 1% e 2% no Valor Bruto da Produção (VBP) paranaense dos últimos anos. A previsão é que, ao se divulgar o valor de 2020, que está estimado em torno de R$ 120 bilhões, as 35 principais frutas cultivadas no Estado representem 1%.

Grãos - O documento preparado pelos técnicos do Deral analisa, ainda, a situação produtiva dos principais grãos – soja, milho e trigo. Também traz informações da cultura do feijão, que já tem 90% da área colhida com previsão de 309 mil toneladas. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: José Fernando Ogura/AEN

CONCURSO: IDR-Paraná participa do prêmio Café Qualidade Paraná

As sedes do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná-Iapar-Emater (IDR-Paraná) receberão até o dia 4 de outubro os melhores cafés do Estado. De acordo com o regulamento do concurso Café Qualidade Paraná, os produtores interessados em divulgar seus produtos deverão procurar o órgão para fazer as suas inscrições.

Público - Chegando à 19ª edição, o Café Qualidade Paraná é aberto a proprietários, meeiros, arrendatários e parceiros. “O objetivo é valorizar o cafeicultor e promover a bebida paranaense, uma das melhores do Brasil”, afirma o economista Paulo Sérgio Franzini, secretário-executivo da Câmara Setorial do Café, entidade que promove a disputa.

Categorias - O concurso é realizado nas categorias café natural, cereja descascado e fermentação induzida.

Possibilidade - É possível concorrer simultaneamente em duas categorias, mas o produtor deve atentar para o tamanho do lote, que é de até cinco sacas (60 quilos) beneficiadas para as categorias café natural e cereja descascado, e de 15 a 60 quilos para quem concorrer na classe fermentação induzida. Os grãos devem ter peneira 16 ou superior, menos de 11,5% de umidade e apresentar até 12 defeitos.

Avaliação - Os lotes inscritos passam primeiramente por uma avaliação física com base na Classificação Oficial Brasileira (COB). Seguem depois para a prova de xícara, esta utilizando a metodologia da Specialty Coffee Association (SCA), em que são analisados aroma, doçura, acidez, corpo, sabor, gosto remanescente e balanço da bebida. Os vencedores serão conhecidos na solenidade de encerramento do certame, em novembro – dia a ser definido.

Prêmio - Em cada categoria, os finalistas classificados até o terceiro lugar têm garantida a compra de seu lote pela cotação da BM&F no dia anterior à data do evento de encerramento, acrescido de um ágio mínimo de 50%.

Opção - Ao fazer a inscrição, o cafeicultor pode também optar por uma avaliação do quesito sustentabilidade da produção de seu lote. Os profissionais do IDR-Paraná fazem uma auditoria da propriedade e as três mais bem posicionadas são premiadas com um certificado de boas práticas.

Patrocínio - O concurso Café Qualidade Paraná é patrocinado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Bratac, Federação de Agricultura do Paraná (Faep), Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado do Paraná (Fetaep), Grupo Dois Irmãos, Integrada Cooperativa Agroindustrial, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Sistema de Crédito Cooperativo (Sicredi) e Sistema Ocepar.

Realização - O certame é uma realização da Câmara Setorial do Café, juntamente com o IDR-Paraná, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Paraná e a Associação dos Engenheiros-Agrônomos de Londrina, com o apoio da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), Associação Brasileira da Indústria do Café (Abic), Probat Leogap e Sociedade Rural do Paraná. (Agência de Notícias do Paraná)

SERVIÇO

19° Concurso Café Qualidade Paraná

Inscrições: até 4 de outubro, nos escritórios municipais do IDR-Paraná

Mais informações AQUI

FOTO: José Fernando Ogura / AEN

{vsig}2021/noticias/06/21/concurso/{/vsig}

FOCUS: Mercado financeiro eleva expansão do PIB 4,85% para 5%

focus 07 06 2021Com base em consultas a instituições financeiras, o Banco Central elevou de 4,85% para 5% a projeção de expansão do Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, para 2021. As estimativas constam do boletim Focus destas segunda-feira (21/06), divulgado semanalmente pelo BC, com a projeção para os principais indicadores econômicos.

Próximos anos - Para 2023 e 2024, o mercado financeiro a projeção é de expansão do PIB em 2,50%.

Recuo - Para 2022, houve um recuo na expectativa, com um crescimento anual menor do que o projetado há uma semana. A projeção caiu de 2,2% para 2,1%.

Inflação - A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano subiu de 5,82% para 5,90%. Para 2022, a estimativa de inflação se manteve em 3,78%. Tanto para 2023 como para 2024, a previsão para o índice se mantém em 3,25%.

Limite da meta - A estimativa para 2021 supera o limite da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. O centro da meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é de 2,25% e o superior de 5,25%.

Centro - O centro da meta de inflação para 2022 é 3,50% e para 2023, 3,25%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para os dois anos.

Taxa de juros - O principal instrumento usado pelo BC para alcançar a meta de inflação é a taxa básica de juros (Selic), que é fixada pelo Comitê de Política Monetária (Copom). A previsão das instituições financeiras para a Selic em 2021 registrou alta, passando dos 6,25% previstos há uma semana para 6,50%, conforme o boletim Focus desta semana. O mesmo índice é esperado para 2022, 2023 e 2024.

Câmbio - Com relação ao valor do dólar, a expectativa do mercado para o valor da moeda norte-americana está menor do que a registrada na semana passada, passando de R$ 5,18 para R$ 5,10. Para os três anos seguintes, a projeção é estável, em R$ 5,20 para 2022; em R$ 5,10 para 2023 e em R$ 5 para 2024. (Agência Brasil)

FOTO: Banco Central do Brasil

 

LEGISLATIVO: Pessoas físicas, associações e cooperativas poderão ter regras de falência e recuperação

legislativo 21 06 2021O Projeto de Lei 1262/21 amplia as categorias de beneficiários da recuperação judicial, extrajudicial e falência, tornando-as acessíveis a pessoas físicas, sociedades simples, associações e cooperativas. O texto tramita na Câmara dos Deputados.

Proposta - A proposta é do deputado licenciado Carlos Bezerra (MT) e altera a Lei de Recuperação de Empresas, que hoje não abrange a falência e a recuperação de pessoas físicas ou jurídicas que não executam atividades empresariais.

Única opção - No caso das cooperativas, a única opção é a dissolução e liquidação, que só pode ser requerida pelos associados.

Proposta semelhante - Proposta semelhante foi apresentada na Câmara em 2005, mas acabou arquivada ao final da legislatura (2007). “Decidimos revisar o texto e propor a presente inovação legislativa, de modo a retomarmos o debate sobre esse tópico do direito falimentar”, disse Bezerra.

Roteiro - Pelo projeto, o plano de recuperação das sociedades simples, associações e pessoas físicas terá o seguinte roteiro: será apresentado dentro de 60 dias contados do deferimento do pedido do devedor, e o prazo de seu cumprimento será limitado a 36 meses. A remissão da dívida (perdão), quando houver, não abrangerá mais do que 50% dos créditos habilitados à recuperação.

Devedor - Em relação à falência do devedor, não será decretada se for provada a existência de patrimônio líquido superior aos débitos ou caso os bens estejam penhorados em execuções em andamento.

Assembleia geral - O texto prevê também que só haverá assembleia geral de credores se requerida por credores que representem pelo menos 20% dos habilitados.

Cooperativas - No caso das cooperativas, a proposta estabelece que as que desempenham atividade de industrialização e comercialização de produtos de seus cooperados, com faturamento superior ao das empresas de médio porte, serão equiparadas às empresas para efeitos de recuperação judicial e falência. As demais cooperativas serão tratadas como sociedades simples.

Crédito - As cooperativas de crédito permanecem excluídas das regras de recuperação judicial e falência, já que são reguladas pelo Banco Central.

Tramitação - O projeto será analisado em caráter conclusivo pelas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços; e de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Pablo Valadares / Câmara dos Deputados

 

SAÚDE I: Brasil registra 17,9 milhões de casos de Covid-19 e 501,8 mil mortes

saude I 21 06 2021O Ministério da Saúde divulgou neste domingo (20/06) novos números sobre a pandemia de covid-19 no país. De acordo com levantamento diário feito pela pasta, o Brasil tem no acumulado 17,9 milhões de casos confirmados da doença e 501,8 mil mortes registradas. Os casos de recuperados somam 16,2 milhões.

24 horas - Nas últimas 24 horas, o ministério registrou 44,1 mil novos casos e 1.025 mortes.

Estados - O estado de São Paulo tem o maior número de casos acumulados desde o início da pandemia, com 3,5 milhões de casos e 122 mil óbitos. Em seguida, estão Minas Gerais (1,7 milhão de casos e 44,5 mil óbitos); Paraná (1,2 milhão casos e 29,9 mil óbitos) e Rio Grande do Sul (1,1 milhão de casos e 30,4 mil óbitos).

Investigação - De acordo com o Ministério da Saúde, 3,6 mil casos estão em investigação. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

SAÚDE II: Boletim confirma mais 10.415 casos de Covid-19 e 21 óbitos no Paraná

saude II 21 06 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou neste domingo (20/06) mais 10.415 casos e 21 mortes pela Covid-19 no Paraná. Os números são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas. Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 1.197.002 casos e 29.828 óbitos.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de janeiro (5), fevereiro (19), março (14), abril (15), maio (1.009) e junho (9.347) de 2021 e dos seguintes meses de 2020: setembro (2), novembro (1) e dezembro (3).

Internados - O informe relata que 2.355 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 1.906 em leitos SUS (924 em UTI e 982 em enfermaria) e 449 em leitos da rede particular (236 em UTI e 213 em enfermaria).

Exames - Há outros 2.828 pacientes internados, 1.136 em leitos UTI e 1.692 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão nas redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Secretaria da Saúde informa a morte de mais 21 pacientes. São 9 mulheres e 12 homens, com idades que variam de 26 a 101 anos. Os óbitos ocorreram de 18 de maio de 2021 a 20 de junho de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Sarandi (7), Maringá (5), Curitiba (2) e Londrina (2), além de uma morte de residente em cada um dos seguintes municípios: Ampére, Coronel Vivida, Mangueirinha, Rio Negro e São José dos Pinhais.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 6.396 casos de pessoas que não moram no Estado – 168 foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo.

 

SAÚDE III: Paraná ultrapassa 5 milhões de doses aplicadas contra a Covid-19

saude III 21 06 2021Com o mutirão de vacinação por todas as regiões do Estado no fim de semana, o Paraná ultrapassou neste domingo (20/06) a expressiva marca de 5 milhões de aplicações contra a Covid-19, atingindo um total de 5.011.603 doses administradas. Os números foram atualizados nesta manhã pelo Vacinômetro do Sistema Único de Saúde (SUS), que reúne os dados atualizados em tempo real pelos municípios.

Doses - O total de imunizações é dividido em 3.728.500 primeiras doses (D1) e 1.283.103 segundas doses (D2). Ou seja, com o avanço da vacinação para a população em geral com menos de 60 anos, escalonada por idade, além dos grupos considerados prioritários, 42,3% dos paranaenses receberam ao menos uma aplicação de vacina contra a Covid-19. Desses, 14,5% completaram o esquema vacinal.

Ministério - O Ministério da Saúde leva em conta os adultos com mais de 18 anos e prevê que, dentro dessa faixa, 8,8 milhões de paranaenses devem ser vacinados. As prioridades, por sua vez, formadas por aquelas pessoas que são mais expostas ao vírus ou têm maior chances de desenvolverem casos graves da doença, correspondem a mais da metade da população vacinável, cerca de 4,9 milhões de paranaenses de acordo com o Plano Estadual de Vacinação.

Planejamento - O planejamento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde estipulada que toda a população adulta do Paraná será vacinada com a primeira dose até setembro. “Contamos muito com o apoio dos municípios para fazer esse processo de vacinação acontecer cada vez mais rapidamente, de acordo com a quantidade de doses que são encaminhadas pelo Ministério da Saúde. Reforço que vacina boa é aquela que vai para o braço da população”, destacou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Imunizados - Ainda levando em consideração o critério da idade, 246 mil pessoas acima de 80 anos abriram o ciclo vacinal no Paraná com a primeira dose devidamente aplicada. Na sequência, foram 222 mil entre 75 a 79 anos; 330 mil de 70 a 74 anos; 450 mil de 65 a 69 anos; 542 mil de 60 a 64 anos; 544 mil de 55 a 59 anos; 403 mil de 50 a 54 anos; 233 mil de 45 a 49 anos; 186 mil de 40 a 44 anos; 170 mil de 35 a 39 anos; 150 mil de 30 a 34 anos; 126 mil de 25 a 29 anos; 96 mil de 20 a 24 anos; e 23 mil jovens de 18 e 19 anos.

Prioritários - Além desses, a imunização avança também em nichos dentro do grupo prioritário. Até o momento, considerando novamente a aplicação da dose inicial, 414 mil trabalhadores da saúde começaram a ser imunizados; 496 mil pessoas com algum tipo de comorbidade; 182 mil trabalhadores da educação do ensino básico; 36 mil pessoas com mais de 60 anos institucionalizadas; 43 mil pessoas com doenças permanentes; 22 mil ligadas a forças de segurança e salvamento; 30 mil gestantes e puérperas; e 19 mil trabalhadores da educação do ensino superior.

Outras categorias - Outras categorias profissionais também aparecem entre os imunizados com a dosagem inicial: 11,6 mil trabalhadores portuários; 7,2 mil das Forças Armadas; 5,3 mil trabalhadores da limpeza; 4,5 mil caminhoneiros; e 3,6 mil trabalhadores do transporte aéreo, entre outras.

Cidades - O recorte entre os municípios dentro do painel do SUS aponta, em números absolutos, que Curitiba (889 mil), Maringá (287 mil), Londrina (264 mil), Cascavel (148 mil), São José dos Pinhais (141 mil), Foz do Iguaçu (118 mil) e Ponta Grossa (105 mil) lideram a imunização.

Proporcional - Proporcionalmente ao número de habitantes, contudo, o ranking Secretaria de Estado da Saúde destaca que São Jorge d’Oeste (62,08%), Diamante do Norte (50,03%), Paranaguá (49,85%), Pontal do Paraná (48,04%) e Kaloré (47%) foram os mais eficientes em relação à primeira dose.

Destaques - Para a dose 2 os destaques são Capanema (17,53%), Diamante do Norte (17,52%), Tamarana (17,35%), Terra Roxa (16,92%) e Maringá (16,75%). (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Jonathan Campos / AEN

 

SAÚDE IV: Mais de 800 mil doses da vacina Covid-19 da Pfizer chegam ao Brasil

saude IV 21 06 2021O Ministério da Saúde recebeu, neste domingo (20/06), mais um lote de vacinas Covid-19 pelo consórcio Covax Facility. No total, 842,4 mil doses da Pfizer/BioNTech desembarcaram no Aeroporto de Viracopos (SP), cumprindo a previsão de chegada dessa remessa para junho.

Primeiro lote - Esse é o primeiro lote da farmacêutica que desembarcou no País oriundo da aliança liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e outros parceiros. O contrato do Brasil com a Covax prevê 42,5 milhões de doses de vacinas Covid-19 de diferentes laboratórios até o fim de 2021.

AstraZeneca - Até então, o Brasil havia recebido lotes via Covax Facility da vacina da AstraZeneca/Oxford, produzidos na Coreia do Sul e adquiridas através do Fundo Rotatório da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Todas as mais de 5 milhões de doses já foram distribuídas aos estados e Distrito Federal. Ainda está prevista a entrega de mais 4 milhões de doses do mesmo laboratório até julho.

Sobre a Covax - O Brasil é um dos quase 200 países que integram a iniciativa global, criada para permitir o acesso justo e igualitário de vacinas Covid-19 através de parcerias com laboratórios. Além da OMS, o consórcio é coliderado pela Coalizão para Promoção de Inovações em prol da Preparação para Epidemias (Cepi) e pela Aliança Mundial para Vacinas e Imunização (Gavi), em parceira com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Pátria vacinada - Desde janeiro, o Ministério da Saúde já distribuiu mais de 115,6 milhões de doses de vacinas Covid-19 – mais de 86,4 milhões de doses já foram aplicadas. Somente nesta última semana, foram entregues 4,2 milhões de doses para todo o País. Outra remessa com mais 7,6 milhões de doses da AstraZeneca/Fiocruz começou a ser distribuída pela pasta neste domingo (20/05). (Agência Brasil)

FOTO: Walterson Rosa / MS

 

METEOROLOGIA: Simepar prevê inverno gelado e seco, com muito nevoeiro e alguns veranicos

meteorologia 21 06 2021O inverno começou às 0h32 desta segunda-feira (21 de junho) e termina à 16h21 do dia 22 de setembro. Segundo o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), no primeiro dia o tempo fica parcialmente nublado nas regiões Norte e Noroeste. Chuvas ocorrem a partir da tarde no Litoral, na Capital e nas regiões Central, Sul, Oeste e Sudoeste. O dia deve ser ensolarado no Norte Pioneiro e nublado em Guaíra e Campos Gerais. A temperatura mínima prevista é de 8 ºC em União da Vitória. A máxima deve atingir 26 ºC em Paranavaí e Jacarezinho.

Próximos dias - Nos próximos dias, no entanto, a tendência é de queda na temperatura. As médias mínimas da estação giram em torno de 10° C. “Para este inverno são esperadas ondas de ar frio e seco”, observa o meteorologista do Simepar, Reinaldo Kneib.

Frequentes - Serão frequentes, segundo ele, episódios de frio intenso por vários dias consecutivos, incluindo a formação de geada. Podem ocorrer alguns veranicos, períodos de tempo seco e quente mais frequentes a partir da segunda quinzena de agosto.

Temperatura média - A temperatura média deve seguir o padrão típico da estação, exceto nos extremos Oeste e Norte, com picos mais quentes: “Na fronteira com o Paraguai e nas divisas com Mato Grosso do Sul e São Paulo as temperaturas devem variar de próximas a ligeiramente acima da normal climatológica”, afirma o meteorologista.

Volume de chuva - O cenário climático indica que o volume de chuva ficará entre próximo e abaixo da normalidade, à exceção do Litoral, dentro do habitual. O Paraná já vive um cenário de emergência hídrica e rodízios de abastecimento.

Fenômenos - Os fenômenos El Niño e La Niña não se manifestarão neste inverno. Após influenciar o clima nos últimos meses no Paraná, La Niña dissipou-se sobre o Oceano Pacífico Equatorial. Alguns modelos meteorológicos preveem um repique com fraca intensidade na primavera e no início do verão.

Estação - Julho e agosto são os meses mais secos do ano no Paraná. A partir da segunda quinzena de setembro, começam as alterações no regime de chuvas típico de inverno, com o desenvolvimento de áreas de instabilidade causado pelo aquecimento mais acentuado da atmosfera entre o Centro-Oeste brasileiro e o Paraguai.

Massa de ar frio e seco - A estação caracteriza-se ainda pelo ingresso de massas de ar frio e seco no território paranaense, causando quedas bruscas nas temperaturas num intervalo entre 24 e 48 horas. Associado a massas de ar de origem polar, o frio intenso favorece a formação de geadas em boa parte do Estado. Também é comum a ocorrência de nevoeiro.

Agrometeorologia - Segundo a agrometeorologista do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná-Iapar-Emater (IDR Paraná), Heverly Morais, são sensíveis às baixas temperaturas e vulneráveis às geadas as mudas em viveiros e as lavouras de café com até dois anos, bem como as frutíferas tropicais recém-plantadas e as hortaliças, que têm ciclo curto.

Estiagem - Embora o cultivo dos cereais de inverno esteja sendo favorecido pelas condições meteorológicas, a estiagem do outono prejudicou as lavouras de trigo e cevada semeadas em abril. “O desenvolvimento normal dessas plantações pode ser afetado em caso de geadas tardias durante as fases de florescimento e espigamento”, explica a pesquisadora. A seca deve causar perdas na produtividade do milho safrinha, a ser colhida em julho.

Geada - Em caso de geada prevista com impacto em culturas sensíveis a baixas temperaturas, o IDR Paraná orienta os agricultores a adotarem medidas para prevenir ou reduzir danos às lavouras. O risco climático é observado nas regiões mais altas do Estado: Sul, Centro-Sul, Centro, Campos Gerais e Sul da Região Metropolitana de Curitiba.

Previsões - Até o final do inverno, o Simepar emite as previsões para todas as regiões por categorias de intensidade – fraca, moderada ou forte - com antecedência de 72, 48 e 24 horas. O serviço Alerta Geada tem espaço dedicado na página www.simepar.br e envia mensagens a usuários cadastrados por meio do aplicativo WhatsApp. Interessados devem inserir o número (43) 3376-2248 nos contatos e enviar a seguinte mensagem: “Quero receber o Alerta Geada”.

Valores - Confira os valores das médias históricas de chuva (faixa de variação), temperaturas mínimas e máximas para cada região do Paraná nos meses de julho, agosto e setembro:

 

meteorologia quadro 21 06 2021

(Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Geraldo Bubniak / AEN

 


Versão para impressão


RODAPE