Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5151 | 09 de Setembro de 2021

JURÍDICO: Segundo painel do Seminário de Direito Cooperativo da Região Sul vai tratar sobre LGPD e Compliance, nesta sexta-feira

Será realizado, na manhã desta sexta-feira (10/09), a partir das 9h, o segundo painel do 5º Seminário de Direito Cooperativo da Região Sul, que debaterá o tema “LGPD e Compliance: responsabilidade e direito dos titulares”, com a participação de Evelyn Moreno Weck e Camilla Jimene. Após as palestras, elas ficarão à disposição dos participantes para esclarecer as dúvidas. O Sistema Ocepar é o anfitrião do evento.

Sobre as palestrantes - Camile é pós-graduanda em Direito Digital e Proteção de Dados pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP). Também é professora do curso de LGPD do Complexo de Ensino Renato Saraiva Ltda (CERS), especialista em Privacidade e Proteção de Dados e integrante do grupo desenvolvedor do Manual de LGPD para a Advocacia da OAB/PR. Já Camilla é advogada e professora especializada em Direito Digital e suas vertentes, coordenadora do Comitê de Estudos em Compliance Digital da Legal, Ethics, Compliance (LEC) e professora convidada da Escola Paulista de Direito (EPD), da Universidade Presbiteriana Mackenzie, e da PECE/USP, além de autora de diversos livros e artigos.

Programação - A programação do Seminário contempla a realização de quatro painéis ao todo. O primeiro ocorreu no dia 3 de setembro, com palestras do ministro Alexandre de Souza Agra Belmonte, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), e do advogado e professor Marco Antônio Villatore, que trataram a respeito de “Doença ocupacional Covid: decisões nos Tribunais”.

Próximos eventos - O evento prossegue no dia 17 de setembro, com o tema “Medidas atípicas do processo de execução para recuperação de crédito, alienação fiduciária e decisão do STF”, que será discutido com a presença de Liliane Maria Busato Batista e Oksandro Gonçalves. O último será no dia 24 de setembro, com Cinthia Obladen de Almeida Freitas e Amanda Souto, no painel sobre “Gestão eletrônica de documentos e assembleias digitais”. 

 

Público - O Seminário é destinado a advogados e assessores jurídicos de cooperativas e das Unidades Estaduais do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Desde sua primeira edição, em 2017, é realizado em cooperação entre os Sistemas Ocepar, Ocesc e Ocergs e tem contado com a participação de representantes do Sistema OCB.  

 

Inscrições - As inscrições podem ser efetivadas pelo link: https://bit.ly.3CCbPE5.

 

 

juridico 09 09 2021

SISTEMA OCB: Semana Inovacoop está chegando

sistema ocb 09 09 2021Entre os dias 13 e 17/09, durante a Semana Inovacoop, promovida pelo Sistema OCB, um time de especialistas vai estar a postos para despertar atitudes que façam a sua coop ir cada vez mais longe, já que o objetivo é aumentar o nível de competitividade das cooperativas por meio da inovação.

Programação - O evento é aberto a todas as coops e a programação conta com palestras, debates, lançamentos de produtos e serviços, apresentações de cases e pitches das startups, interação e muito conteúdo de valor tanto para você, quanto para sua cooperativa.

Ideias inovadoras e soluções criativas - “A nossa ideia é proporcionar o acesso a ideias inovadoras e soluções criativas em vários momentos, por isso a nossa programação é tão intensa e diversificada”, explica a superintendente do Sistema OCB, Tânia Zanella. Vale destacar que toda a programação ocorre de maneira virtual, por meio do site do evento - https://semanainova.coop.br.

Destaques - Veja abaixo os destaques do evento.

Competitividade e Inovação - Esse é um ponto que não poderia faltar na nossa pauta. Afinal, não tem como continuar atuando no mercado e se destacar sem investir em inovação, não é mesmo? Por isso, o Sistema OCB vai te mostrar o que fazer para não se tornar obsoleto e quais são as habilidades e competências para desenvolver atitudes empreendedoras. Não perca!

Transformação Digital e Novos Canais para o Cooperativismo - O mundo muda muito rápido e a gente tem mesmo é que ficar atento a todas as transformações. Você tem acompanhado as novas soluções tecnológicas, como a smart farm, que trouxe um novo conceito de gestão? E as facilidades dos marketplaces? Fique atento, pois falaremos sobre isso na semana que vem.

Construir Futuros - Se a sua cooperativa tem planos para crescer e ampliar os negócios, não perca esse debate! Você está convidado a refletir sobre os impactos das ações hoje na construção de um futuro desejado. E a importância de envolver lideranças e o time na projeção de situações futuras.

PROGRAMAÇÃO

13/09 SEGUNDA - 14h30 às 16h

Palestra: Competitividade e inovação

Convidado: Maurício Benvenutti

Nosso convidado vem do Vale do Silício para falar da importância da inovação como estratégia. O que fazer para o negócio de sua coop não ficar obsoleto, como desenvolver uma atitude empreendedora e manter-se competitivo num mundo com transformações exponenciais.

 

14/09 TERÇA - 16h30 às 18h

Palestra: O cooperativismo de plataforma no Brasil

Convidado: Mario de Conto

Na aula inaugural do curso Cooperativismo de Plataforma o professor Mário de Conto mostrará todo potencial desse modelo de negócios para quem já é coop e para quem quer se tornar coop.

 

15/09 QUARTA - 16h30 às 17h30

Mesa redonda: Transformação digital e novos canais para o cooperativismo agropecuário

Convidados: Marco Fava Neves – Doutor Agro

Leandro Angotti Guissoni - Professor da FGV

Murilo Boccia - Diretor da Natura

Esta mesa redonda vai discutir como a transformação digital impactou o agro. O desenvolvimento dos marketplaces e as transformações na gestão e comunicação.

 

16/09 QUINTA - 16h às 18h

Workshop: Comunicação e engajamento

Convidado: Mario Rosa

Num contexto acelerado, com multitarefas e um bombardeio constante de informações por todos os lados, é cada vez mais difícil prender a atenção das pessoas. Como inovar na comunicação e gerar engajamento? Como ser relevante em meio à disputa de atenção? Essas questões serão trabalhadas no workshop.

 

17/09 SEXTA - 10h30 às 12h

Palestra: Construir Futuros

Convidado: Tiago Mattos

O futuro projetado traz impactos nas ações do presente, orientando nossos planejamentos e decisões. Lideranças e times orientados para o futuro reforçam o poder da cooperação para essa construção.

Conexão com startups Um dos momentos mais aguardados da Semana InovaCoop são os pitches das startups, ocasião em que as cooperativas participantes do programa InovaCoop Conexão com Startups vão avaliar as startups selecionadas para solucionar os desafios propostos pelas coops.

Apresentações - Durante todos os dias da semana as startups vão se apresentar para as cooperativas. As melhores soluções serão escolhidas para serem executadas pela startup em parceria com as coops. E mesmo se sua coop não estiver no programa será possível acompanhar os pitches. Uma ótima oportunidade para conhecer um pouco mais do ecossistema de inovação! (OCB)

 

FRÍSIA: Cooperativa alcança melhor receita da história no primeiro semestre de 2021

frisia 09 09 2021A Frísia realizou seu melhor semestre em receita nos 96 anos de história. A cooperativa gerou receita líquida, de janeiro a junho de 2021, de R$ 2,472 bilhões, aumento de 53,9% comparado ao mesmo período do ano passado, que foi de R$ 1,607 bilhão. Os dados foram apresentados aos cooperados de forma híbrida em reunião na sede, em Carambeí (PR).

Planejamento Estratégico - Os números apresentados estão seguindo o Planejamento Estratégico “Rumo aos 100 Anos”, plano desenvolvido para os próximos cinco anos, quando a cooperativa completará um século. O foco é o crescimento dos negócios de forma estruturada para gerar ainda mais valor aos associados.

Empenho - O presidente da Frísia, Renato Greidanus, destacou o empenho dos cooperados e colaboradores na obtenção desse resultado. “É muito gratificante ver um time que está presente no dia a dia, buscando sempre a melhor eficiência, que nos dá oportunidade de sermos competitivos nos nossos negócios. Fazendo uma avaliação desse primeiro semestre só temos a agradecer pelo trabalho, pelas possibilidades, por tudo que realizamos”.

Reflexos - “O aumento de custos que nós estamos tendo, com pressão da inflação e alta nos preços dos insumos, se reflete nos nossos números”, explica Nevair Mattos, gerente administrativo e financeiro da Frísia. “Buscamos eficiência em outros negócios de forma a compensar o aumento de custo”, reforça.

Marcas próprias e intercooperação - A Frísia tem as marcas próprias Sementes Batavo, Rações Batavo, plataforma Digital Agro, feira ExpoFrísia e TRR Frísia, voltado à comercialização de combustível. Ela também integra o sistema de intercooperação Unium (que engloba cooperativas coirmãs), com as indústrias Moinho de Trigo (farinhas Herança Holandesa e Precisa), Unidade Industrial de Carnes (Alegra), Unidades de Beneficiamento de Leite (Colônia Holandesa, Naturalle e Colaso) e Energik (usina de bioenergia).

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Em 2025, a Frísia completa um século de história. A cooperativa é a mais antiga do Paraná e segunda do Brasil, e tem como valores Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). Com unidades no Paraná e Tocantins, em 2020 produziu 283 milhões de litros de leite, 832.765 toneladas de grãos e 28.063 toneladas de suínos, resultado do trabalho de 895 cooperados e 1.119 colaboradores. Para promover o crescimento nos próximos cinco anos, a Frísia desenvolveu o planejamento estratégico “Rumo aos 100 Anos”, um conjunto de propostas que visa aumentar a produção agropecuária e os investimentos com outras cooperativas e em unidades próprias. O planejamento da Frísia foi desenhado sob seis perspectivas principais: Sustentabilidade, Gestão, Mercado, Pessoas, Financeiro e Cooperados. Assim, seguirá a missão da cooperativa, que é disponibilizar produtos e serviços para gerar resultado sustentável a cooperados, colaboradores e parceiros. Saiba mais em frisia.coop.br. (Imprensa Frísia)

 

COOPAVEL: 2º Show Rural de Inverno reúne 4.140 pessoas e é sucesso

coopavel 09 09 2021O 2º Show Rural Coopavel de Inverno, realizado de 1º a 3 de setembro, reuniu em Cascavel, no Oeste do Paraná, 4.140 produtores rurais, triticultores e técnicos interessados em conhecer avanços em tecnologias para cultivares de inverno. Trinta e oito, além de cinco lançamentos, foram apresentadas. O destaque foi o trigo, com 20 variedades – algumas com potencial produtivo de seis mil quilos por hectare. O encerramento, no fim da tarde de sexta-feira, foi com missa celebrada pelo monsenhor Reginei Módolo, o Padre Zico. A edição de verão (a 34ª) foi confirmada para o período de 7 a 11 de fevereiro de 2022.

Programa - Um dos momentos mais importantes do evento foi o lançamento do Coopavel Mais Trigo, programa de estímulo ao cereal que passa a ser realizado na área de abrangência da cooperativa. O programa é alicerçado em três pilares: financiamento de insumos com taxa zero, seguro da safra e garantia de preço mínimo de R$ 100 a saca para 2022. A margem de lucro ao triticultor será de 60%. “Não existe nada parecido com isso no Brasil, medidas que demonstram o quanto a nossa cooperativa confia no crescimento dessa cultura”, afirma o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli

Ampliação de área - Com essas ações, que serão ajustadas a cada ano/safra, a Coopavel pretende ampliar a área cultivada e dobrar a recepção do grão. Atualmente, a Coopavel recebe 3,5 milhões de sacas de trigo por ano e a meta para 2026 é de chegar a 7 milhões. Os incentivos do Coopavel Mais Trigo buscam, gradualmente, elevar a área dedicada à triticultura.

Salto - Atualmente, a área de atuação da cooperativa destina 130 mil hectares para a atividade, 10% do que é cultivado com o cereal em todo o Paraná. O objetivo é, em seis anos, saltar dos 130 mil para 250 mil hectares. “O trigo não é mais só uma opção de cultura de inverno, é uma interessante alternativa de renda ao agricultor”, afirma Dilvo Grolli. Somente no Paraná, a área de pousio no inverno é de 2,7 milhões de hectares e boa parte disso poderia ser ocupada pela triticultura.

Maior produtor - O Paraná é o maior produtor nacional de trigo. Com 3,8 milhões de toneladas na safra atual, o estado responde por 52% de tudo o que o País produz – deverá chegar a 7 milhões de toneladas em 2021. Mesmo assim, o Brasil ainda precisa importar 6 milhões de toneladas. “Um a cada dois pães consumidos no nosso País é feito com farinha importada. Ou seja, temos um enorme potencial de produção pela frente, o que faz do trigo a única cultura que poderá dobrar de tamanho em pouco tempo”, conforme o presidente da Coopavel.

História - Durante o lançamento oficial do Coopavel Mais Trigo, na abertura oficial do 2º Show Rural de Inverno, no dia 1º de setembro, Dilvo Grolli, fez uma recuperação histórica e pontuou algumas das mais sérias injustiças praticadas contra a triticultura nacional. Uma delas veio a partir de uma determinação de antes de 2000 que colocou o governo como intermediário entre o produtor e o moinho na compra e venda do cereal. Outra foi, no pacto do Mercosul, determinar a Argentina como o grande produtor do grão no bloco, desestimulando os produtores rurais brasileiros que, gradualmente, abandonaram ou reduziram o cultivo.

6 mil quilos - Vinte variedades de alta performance foram apresentadas nos três dias presenciais do 2º Show Rural Coopavel de Inverno. Alguns com potencial de produtividade de 6 mil quilos por hectare, ou próximo de 250 sacas por alqueire. “Quer dizer, temos tecnologia disponível que, com a aplicação de todas as orientações técnicas corretas, podem render quase o dobro da média argentina, que é de 3,4 mil quilos por hectare. Temos, diante de variedades altamente produtivas e de novos conhecimentos de manejo, e com as condições oferecidas pelo Coopavel Mais Trigo, as melhores condições já vistas para cultivar e elevar a produção desse cereal no Oeste e Sudoeste do Paraná”, ressalta Dilvo Grolli. (Imprensa Coopavel)

 

INTEGRADA: Parceria é formalizada com a AgTech Garage

integrada 09 09 2021Velocidade. O ritmo está incorporado ao ambiente dos ecossistemas de inovação. E, a agilidade tem aumentado na mesma proporção em que surgem mais organismos virtuais de empreendedorismo, representados pelos centros de inovação e pelas startups.

Soluções - A Integrada Cooperativa Agroindustrial tem mergulhado nessa realidade, ao buscar soluções para desafios internos da cooperativa. Se estabelece onde há maior concentração de soluções, através das startups, do hub onde estão conectadas, ou de novas vias de informação.

Parceria - A parceria formalizada com a AgTech Garage é um novo passo em busca da ampliação de oportunidades.

Amplitude - Para o gerente de planejamento e desenvolvimento da Integrada, André Galletti, a AgTech Garage dá amplitude ao desenvolvimento de soluções.

Potencial - “Cada conexão oportunizada pela AgTech Garage tem potencial para se transformar em uma solução para nossos desafios estratégicos. Temos acesso a mais de 800 startups que estão nesse hub, podemos buscar novas iniciativas, que apresentem aptidão para contribuir diretamente com nosso ciclo estratégico. A parceria abre muitas possibilidades”.

Hub de inovação - A AgTech Garage é um hub de inovação especializado no agronegócio. Foi criado em 2017, e hoje tem mais de 50 grandes empresas parceiras, líderes em seus segmentos, e mais de 800 startups conectadas em sua comunidade virtual. E, afirmando essa interconexão, a Integrada ingressou no hub por meio do programa Membership Bayer.

Empolgante - José Tomé, CEO e Co-founder do AgTech Garage, afirma que "é muito empolgante poder participar da jornada de inovação da Integrada, contribuindo para a inserção dos produtores do Paraná no ecossistema de inovação e empreendedorismo. Sem dúvida um reforço de peso para nossa rede de parceiros."

Pioneiro - O hub foi pioneiro em promover a prática da inovação aberta no agronegócio. Suas iniciativas, práticas e ferramentas são voltadas a impulsionar a competitividade dos parceiros na construção de produtos e serviços inovadores para uma cadeia agroalimentar cada vez mais digital e sustentável.

Eventos - Além de posicionar a Integrada no ambiente de inovação, Galletti vê na parceria a oportunidade de a cooperativa acompanhar eventos patrocinados pela própria AgTech Garage, e de se conectar com novas ideias. “Com os eventos da AgTech Garage é possível conhecermos as soluções de no mínimo 4 startups por mês, além de acompanhar casos de sucesso de outras empresas parceiras com relação ao tema de inovação aberta”

Experiência - Galletti acrescenta que trabalhar com o hub AgTech Garage fortalece a experiência da Integrada com a inovação, e, ainda, abre janelas para a observação e o reconhecimento de novas ideias inspiradoras.

Evolução - E, finaliza, “essa é uma parceria para agilizar nosso processo de inovação aberta, contribuindo diretamente para evoluir a nossa cultura de inovação. Através de iniciativas como esta, buscamos criar soluções de excelência com inovação e inteligência competitiva, gerando mais produtividade com rentabilidade para o cooperado e para cooperativa, além de eficiência comercial, operacional, técnica e administrativa”. (Imprensa Integrada)

 

COCAMAR: Estações meteorológicas são instaladas em 16 unidades

A Cocamar anuncia que implementará na safra de soja 2021/22, que começa neste mês de setembro, um projeto-piloto com a instalação de estações meteorológicas em 16 municípios paranaenses onde mantém unidades de atendimento.

Funcionalidades - Num primeiro momento, todas as funcionalidades estarão disponíveis aos cooperados, sem restrições, mas com o passar do tempo e a implantação de novas fontes de informações, alguns itens continuarão com acesso livre e outros vão ser cobrados, uma vez que tal trabalho irá demandar uma equipe especializada em interpretar e disponibilizar os dados para a tomada de decisões.

Ampliar - A novidade está sendo capitaneada pelo Cocamar Labs, a área de inovação da cooperativa. Numa primeira etapa, as 16 unidades vão contar com o equipamento, mas a ideia, nos próximos anos, é levá-los para todas as demais regiões, nos estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul, conforme explica o especialista de projetos de Tecnologia de Informação (TI), Carlos Grigio.

FieldClimate - Segundo Grigio, os dados levantados diariamente pelas estações abastecem a plataforma FieldClimate, que pode ser consultada a qualquer momento por um dispositivo móvel e servir de base para a tomada de decisões.

Ajustado a cada realidade - O modelo meteorológico de alta resolução é refinado localmente com os dados coletados pelo equipamento e considera a combinação de outros 9 modelos meteorológicos para ajustes adequados a cada realidade climática. Oferecido em parceria com o Instituto Suíço de Meteorologia Meteoblue, o serviço contempla as seguintes variáveis atmosféricas: volume e probabilidade de precipitação, temperatura e umidade relativa do ar, cobertura / altitude de nuvens, velocidade e direção do vento, molhamento foliar e pressão atmosférica.

Alta assertividade - De acordo com a Metos, empresa fabricante, o sistema da estação é equipado com alta tecnologia e um mecanismo de autolimpeza que torna a manutenção simples e rápida, sendo o suprimento de energia assegurado por uma placa solar que trabalha com o mínimo de luz solar disponível. A combinação de técnicas avançadas de modelagem e dados locais das estações proporciona uma alta assertividade na previsão.

Programar - Com isso, o produtor consegue programar suas operações e melhorar ainda mais a eficiência dos insumos utilizados em suas lavouras nas “janelas de aplicação” mais adequadas. É o caso da adubação nitrogenada em cobertura no milho. Sabemos que grande parte das fontes de nitrogênio (N) necessitam de umidade para evitar volatilização (perdas podem chegar a 70% em alguns casos), comenta Renato Watanabe, gerente executivo técnico.

Aplicações - Acompanhar em tempo real as condições de temperatura e umidade relativa do ar também orienta os cooperados no momento das aplicações dos defensivos agrícolas. Desta forma, se pode fazer ajustes no pulverizador para manter a qualidade da aplicação, ou até parar momentaneamente a operação se as condições climáticas forem desfavoráveis em algumas horas do dia.

Solução - Na avaliação do superintendente de Relação com o Cooperado, Leandro Cezar Teixeira, “a estação meteorológica é uma solução que facilita as operações na propriedade, contendo sensores integrados de alta performance para a coleta de dados, o que permite uma condução mais assertiva da lavoura”.

Municípios - Os equipamentos vão ser instalados em Maringá, Atalaia, São Jorge do Ivaí, Floresta, Doutor Camargo, Terra Boa, Nova Esperança e Cianorte, no noroeste, Sabáudia, Cambé, Ibiporã, Assaí, São Sebastião da Amoreira, Tamarana, Primeiro de Maio e Santa Mariana, na região norte. (Imprensa Cocamar)

COPACOL I: Tilápia garante oportunidades do campo à cidade

A tilápia é o peixe reproduzido em cativeiro com maior participação no mercado interno brasileiro: equivale a 60% de todas as espécies. Ano passado, a produção superou as 486 mil toneladas – aumento de 12,5%. Com avanços em tecnologias e aprimoramento das técnicas, a participação no mercado exterior teve relevante crescimento: 35% no primeiro semestre de 2021, em comparação ao primeiro semestre de 2020, aponta a PeixeBR (Associação Brasileira de Piscicultura). “Estamos consolidados no mercado com um produto de qualidade. Por isso, estamos conquistando cada vez novos países que consomem a tilápia. Nossa meta é continuar atendendo as demandas, fortalecendo nossa marca e também os benefícios a toda cadeia produtiva”, afirma Valter Pitol, diretor-presidente da Copacol (Cooperativa Agroindustrial Consolata), referência no modelo integrado de produção de tilápias.

Exportações - Em setembro do ano passado, a Copacol iniciou as exportações para os Estados Unidos: 48 horas após o abate, o filé de tilápia resfriado chega as gôndolas dos supermercados norte-americanos. A logística aérea dá a agilidade necessária para atender o mercado externo. Há cinco anos a Copacol já exportava pele e escamas para a China. No caso dos filés, os embarques são realizados todas as semanas, com metas de crescimento. A empresa já avança as fronteiras para outros países em busca de novos mercados em franca expansão.

Posição de destaque - Com os sucessivos investimentos do setor privado, neste segundo trimestre de 2021, com faturamento de US$ 1,22 milhão de abril a junho, o Paraná ultrapassou o Mato Grosso do Sul em exportação de tilápia, cujas vendas internacionais somaram US$ 993,9 mil no mesmo período, e Santa Catarina, terceiro lugar, com US$ 763,37 mil. “A atuação intensa tem garantido posição de destaque do nosso estado na piscicultura. Estamos com metas de novos investimentos para continuarmos crescendo, como ampliação de abate em nossa segunda unidade industrial de Toledo [Oeste do Paraná], além da construção de nova fábrica de rações e de uma nova UPA [Unidade de Produção de Alevinos]”, explica Pitol.

Semana do Pescado - A Semana Nacional do Pescado, entre 1º e 15 de setembro, movimenta o setor em todo o País afim de incentivar o consumo entre os brasileiros. Além de ações promocionais, a Copacol participa com o compartilhamento de receitas e campanhas em todo o País.

Estrutura - Do banco genético até a comercialização, a Copacol possui uma cadeia completa para a produção de tilápia. A UPA possui matrizes para as safras de tilápias. Por ano são mais de 53 milhões de alevinos para atender 280 produtores. A espécie tem acompanhamento diário, com aplicação de vacinas e verificação da capacidade de ganho de peso para o melhor resultado do produto final.

Ração - Além de fornecer os próprios alevinos, a cooperativa é que fornece a ração para todos os integrados, realizando no fim no ciclo a despesca e a industrialização nas duas unidades frigorificadas – uma em Nova Aurora, com produção diária de 150 mil tilápias por dia e outra em Toledo, com capacidade para 80 mil tilápias/dia a ser atingida até 2023. O sistema de piscicultura da Copacol gera mais de 1,5 mil empregos diretos.

Lâminas d’água - Ao todo são 647 hectares de lâminas d’água que devem chegar a 1,1 mil hectares até 2023, com a inclusão de mais produtores. A produção da cooperativa chegou a 32 mil toneladas, com 42,5 milhões de cabeças abatidas. No primeiro semestre de 2021 foram 22,5 milhões de cabeças de tilápias entregues, totalizando 20,1 mil toneladas. (Imprensa Copacol)

{vsig}2021/noticias/09/09/copacol_I/{/vsig}

COPACOL II: Peixe no prato é garantia de saúde do corpo

Fonte rica em proteínas, minerais e vitaminas, o peixe previne doenças cardíacas, faz bem para o cérebro e proporciona imunidade. O brasileiro vem aos poucos aumentando o consumo de pescados nas refeições diárias – 9,5 quilos por ano, enquanto a média mundial é de 20 quilos por habitante. O hábito saudável nas refeições vem mudando e um dos incentivadores é a 18ª edição da Semana Nacional do Pescado, de 1º a 15 de setembro, promovida por meio da união do setor privado.

Valor proteico - Os pescados são fontes de gorduras que melhoram o funcionamento do sistema cardiovascular, neurológico e até a nossa produção hormonal. Nutrientes como o ferro, zinco, cálcio, magnésio, selênio, fósforo, cobre, vitamina B e vitamina C são facilmente encontrados em peixes, que possuem valor calórico relativamente baixo, destaque à tilápia, espécie com grande potencial nutritivo. “Além do alto valor proteico, a tilápia tem uma quantidade significativa de ômega 3, uma gordura boa que diminui o risco de doenças cardíacas e cardiovasculares, reduz processos inflamatórios - que acometem pacientes oncológicos - e auxilia no desenvolvimento cerebral e regeneração das células. O ideal é consumir na forma grelhada, cozida [ensopado] ou assado”, afirma a nutricionista Bruna de Lima.

Linha Mar - Da linha Mar da Copacol, empresa de alimentos saborosos e saudáveis referência no Brasil e mais 70 países, um dos produtos preferidos é o Filé de Salmão. O peixe com cor avermelhada e consistência firme é bastante versátil: pode ser consumido cru, grelhado ou assado. Para facilitar o preparo, o produto é disponibilizado em embalagens diferentes pela marca que sempre coopera com a vida de todos. Além de ser rico em Vitamina B, D, que reduzem inflamações causadoras de doenças cardíacas e melhoram a absorção de cálcio, crescimento de ossos e proporciona imunidade, o salmão é uma proteína rica em Potássio e Ômega 3.

Receita na mão - Quem gosta de pratos saborosos, saudáveis e práticos conhece o Portal Dia de Peixe Copacol, que coopera em todas as ocasiões. Seja a refeição do dia a dia ou um cardápio elaborado, tem no diadepeixe.com.br. São opções que se encaixam perfeitamente ao peixe que você tem na sua geladeira: são centenas de receitas à base de tilápia, tambaqui, sardinha, salmão, pirarucu, pintado, merluza, cação, camarão e bacalhau. Cardápio completo que faz parte das linhas de Tilápia, Mar e Rio da Copacol, a marca que Coopera Sempre com você. Quem se cadastra na página tem acesso privilegiado aos lançamentos dos produtos Copacol: fica sabendo das novidades em primeira mão. Você baixa também nosso e-book gratuito, com receitas leves, práticas e saborosas para você guardar e executar em diferentes momentos do seu dia.

Promoções - Durante a Semana do Pescado, além de novos produtos, a Copacol está com promoções nas redes supermercadistas, receitas exclusivas a base de peixes e dicas pelo embaixador da categoria de pescados da Copacol, Diego Assalve, influenciador do Canal do Youtube e perfil no Instagram, Receitas de Pai. (Imprensa Copacol)

{vsig}2021/noticias/09/09/copacol_II/{/vsig}

AGRÁRIA: Comunidade mostra seu talento na cozinha durante Concurso de Receitas Especialíssima

Diferentes aromas, ingredientes, tamanhos e cores tomaram conta da Akademie IREKS & Agrária, no dia 3 de setembro, durante o Concurso de Receitas Especialíssima. Promovido pela Agrária Farinhas, o evento envolveu cooperados e suas famílias. Foram inscritos no concurso 24 bolos e tortas doces. A principal regra da competição era clara: as receitas deviam ser produzidas com a Farinha Especialíssima.

Ideia - De acordo com a agente de cooperativismo da Agrária, Kamila Müller, a ideia do concurso surgiu durante os preparativos para a homenagem aos cooperados pelo Dia do Agricultor, celebrado no mês de julho. “Nos últimos dois anos não realizamos eventos presenciais, por causa da pandemia. Nossa intenção era mostrar de alguma forma a importância dos grãos produzidos pelo nosso cooperado e de que forma essa matéria-prima está presente no dia a dia das nossas famílias”, explicou.

Seleção - Para selecionar as receitas premiadas, a Agrária Farinhas convidou um time de especialistas, reunindo representantes de alguns de seus importantes clientes do Paraná. Participaram do júri Noeli Alves Bazanella, da Doce D’ocê, Ana Cláudia Taschim, da Delimyll Alimentos, Valdir Costa e Vasconcélio Francisco, da IREKS do Brasil, e Kiara Mildemberg Limberger, da Kiara’s Cake and Coffee.

Requisitos - Ao provar os bolos e tortas, os jurados analisaram requisitos como sabor, criatividade, textura das massas, coberturas e recheios, originalidade e apresentação. “A Agrária Farinhas está de parabéns por estimular as pessoas a irem para cozinha e mostrarem seus talentos. Nós, jurados, descobrimos muitas receitas novas e interessantes, que não teríamos acesso de outra forma. Foi difícil escolher as vencedoras, porque tudo tinha muita qualidade”, afirmou Noeli Alves Bazanella.

Premiação - Após o parecer dos jurados, as quatro receitas com maiores notas foram premiadas. O quatro lugar ficou com Bárbara Roth e seu Bolo de iogurte, limão e chocolate branco. Para o júri, a receita da Torta de Frutas Vermelhas ao Vinho, apresentada por Christina Zehr, mereceu o terceiro lugar. O Ameixa Schnitten, preparado por Bruna Novatiski, ficou na segunda posição. E o primeiro lugar foi de Elissa Marcondes Naiverth, com o Bolo de Coco com Nozes e Castanhas. “Minha sogra me contou sobre o concurso e me incentivou a participar. Foi quando me lembrei desta receita, que experimentei em um casamento. Fiz vários testes até chegar ao ponto que considerei ideal. Faço bolos apenas para família, então não tinha a expectativa de ganhar. Estou muito feliz e acho que as pessoas que provam as minhas receitas também vão ficar”, comentou Elissa, que começou a preparar bolos ano passado.

Próximos eventos - Com o sucesso do Concurso, a equipe da Agrária já pensa em próximos eventos voltados para seus cooperados. “Ficamos até surpresos com a adesão ao concurso. Ouvimos a opinião de quem participou e, para o próximo ano, já estamos planejando em como tornar essa ação ainda melhor”, finalizou Kamila Müller. (Imprensa Agrária)

{vsig}2021/noticias/09/09/agraria/{/vsig}

UNIPRIME: Criada a maior cooperativa de crédito do país focada na área de saúde

uniprime 09 09 2021Em agosto, foi realizada mais uma edição da Assembleia Geral Extraordinária (AGE), desta vez com o objetivo de tratar sobre assuntos relacionados à incorporação das duas maiores cooperativas do Sistema Uniprime, ambas genuinamente paranaenses, que uniram-se para criar a Uniprime do Brasil, a maior cooperativa de crédito do país com foco na área da saúde.

Digital - Em formato digital, a reunião foi comandada pelos dirigentes da cooperativa e transmitida aos cooperados Uniprime, que participaram do evento na noite do dia 20 de agosto. Este foi um importante momento para o cooperativismo no Brasil. A união de excelências proporcionou ainda mais solidez, crescimento e destaque nacional para a renomada cooperativa de crédito. A partir de agora, o cooperado Uniprime conta com:

• 38 agências Uniprime à sua disposição;

• um grupo de 38 mil cooperados;

• uma cooperativa com mais de R$ 4,5 bilhões em ativos administrados.

Benefícios - A união das cooperativas traz ainda mais benefícios aos cooperados, uma vez que ampliou seu portfólio de produtos e serviços financeiros, o número de agências à disposição dos cooperados, sua capacidade de gerar resultados e ainda, proporcionou ganho de escala. Tudo isso para crescer mantendo a essência, o foco no cooperado e o atendimento extremamente personalizado. (Imprensa Uniprime)

 

CRESOL: Ferramenta é lançada para agilizar o processo de contratação de crédito na Expointer

cresol 09 09 2021Participando pela quinta vez da Expointer, a Cresol lança em primeira mão aos participantes da feira, uma plataforma específica para automatizar a solicitação de crédito pelos agricultores junto às empresas do setor agro com o objetivo de oportunizar e agilizar o processo de geração de novos negócios.

Sistema integrado - O sistema é integrado à base de cooperados, todos os dados ficam acessíveis a poucos cliques. “Além de proporcionar um processo mais ágil e transparente para todas as partes, a ferramenta deve aumentar o engajamento do parceiro e preferência de indicação da Cresol para o funding de seus clientes. E, se for um novo cooperado, o sistema já busca automaticamente as informações necessárias para um rápido pré-cadastro”, explica Cledir Magri, Presidente do Sistema Cresol.

Gestão otimizada- A ferramenta também proporciona uma gestão otimizada da prioridade da fila de análise de simulações recebidas dos parceiros, com controle do prazo da operação configurados de acordo com a estratégia da Cresol para priorização de seus negócios.

Linhas de crédito para Expointer - Também durante a Expointer, que ocorre de 4 a 12 de setembro, a Cresol vai trabalhar as linhas de crédito oficiais do Plano Safra, disponíveis para consulta em https://www.cresolagro.com.br/ e uma linha de crédito pessoal. O setor de agro é um dos principais setores da cooperativa de crédito. Somente no primeiro mês de operacionalização do Plano Safra 21/22, a Cresol disponibilizou R$1 bilhão em créditos para agricultores brasileiros.

O Sistema - A Cresol reúne as quatro centrais de crédito que formam a Cresol Confederação, e busca promover a expansão e o fortalecimento do cooperativismo no país. Atualmente possui mais de 660 mil cooperados e 650 agências de relacionamento que estão presentes em 17 estados brasileiros. A participação na Expointer visa fomentar ações negociais e receber parceiros e cooperados. (Imprensa Cresol)

 

SICREDI: Destaque em duas categorias do Prêmio Broadcast Projeções

sicredi 09 09 2021O Sicredi, instituição financeira cooperativa com mais de 5 milhões de associados, teve destaque, mais uma vez, no Prêmio Broadcast Projeções. A instituição ficou em 6º lugar no Top Geral e em 7º no Top Básico. Em sua 15ª edição, o prêmio é baseado no ranking AE Projeções e tem o objetivo de premiar as instituições cujas previsões para os principais indicadores econômicos do país mais se aproximam da realidade.

Gratificante - "É muito gratificante ser premiado neste ano, pois, entre outros fatores, a pandemia impôs uma série de dificuldades adicionais para construção de cenários. Essa premiação é, sem dúvidas, resultado da dedicação de toda equipe do Sicredi”, contextualiza Pedro Ramos, economista-chefe do Sicredi, que ainda destaca o fato de o prêmio demonstrar a consistência do trabalho realizado. “O diferencial deste reconhecimento é que ele parte de uma avaliação sobre todo o cenário macro, não somente uma única variável, o que denota a coerência das análises”, explica.

Evento - A premiação ocorreu durante o evento online Finança Mais, transmitido ao vivo nas plataformas do Grupo Estado. O prêmio conta com duas categorias: a Top Geral, em que são avaliadas as previsões econômicas para sete indicadores: inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) e pelo IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), taxa básica de juros (Selic), taxa de câmbio R$/US$, Produto Interno Bruto (PIB), balança comercial e relação entre dívida pública e PIB. Já no Top Básico são classificadas as estimativas para inflação, câmbio e Selic.

Metodologia - A Agência Estado utiliza metodologia própria para reunir e avaliar dados fornecidos pelas maiores instituições país, como bancos, corretoras, consultorias, assets, instituições de ensino, entre outras que realizem projeções de indicadores econômicos.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI PARQUE DAS ARAUCÁRIAS: Associado de Treze Tílias (SC) é sorteado na campanha de poupança

O associado Edium Gece Serpa, da agência de Treze Tílias (SC), foi mais um contemplado da Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP na campanha Poupança Premiada Sicredi. Ele recebeu um prêmio de R$ 5.000,00, entregue recentemente de forma simbólica na agência local.

Contemplados - Ao todo, cinco associados da cooperativa já foram sorteados na campanha institucional do Sicredi, realizada no âmbito da Central PR/SP/RJ. As associadas Marizete Ubialdi Duz e Paloma Vanin Marcante, ambas da agência Pato Branco Centro (PR), e os associados Vinicius Bonatto Ribas e Erik Fernando Michalichen, ambos da agência de Palmas (PR), também foram contemplados com prêmios de R$ 5.000,00.

Promoção - A promoção premia por meio de sorteio os associados que aplicarem recursos na poupança. A cada R$ 100 investidos, o associado recebe um número da sorte para participar dos sorteios. Se a aplicação for programada, as chances de ganhar dobram.

Sorteios - Ao todo serão sorteados R$ 2,5 milhões, distribuídos em sorteios semanais; no sorteio de um prêmio de meio milhão de reais no mês de outubro, mês da poupança, e do grande prêmio de R$ 1 milhão no sorteio final, que será realizado em dezembro. (Imprensa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP)

{vsig}2021/noticias/09/09/sicredi_parque_araucarias/{/vsig}

SICREDI PARANAPANEMA: Horário de atendimento é ampliado para atender associados em horários alternativos

sicredi paranapanema 09 09 2021A fim de disponibilizar mais uma alternativa de atendimento e proporcionar melhor experiência aos seus associados, a Sicredi Paranapanema PR/SP, com atuação no norte do estado do Paraná e Sudoeste de São Paulo, ampliou o horário de atendimento de segunda a sexta-feira, das 7h às 20h, e aos sábados, das 8h às 17h, de sua Central de Negócios.

Inovadores - Os novos horários são inovadores e possibilita atendimento humano e personalizado pelos colaboradores da cooperativa em horários diferentes dos convencionais através do WhatsApp oficial do Sicredi.

Relacionamento próximo - Para o Diretor de Negócios da Sicredi Paranapanema, Haraon Bertacini, a ampliação no horário de atendimento da Central de Negócios destaca o relacionamento próximo do Sicredi com seus associados. “A ampliação de horários de atendimento da Central de Negócios vem para facilitar a vida de nossos associados, oferendo a melhor experiência e oferecendo a ele mais uma alternativa por qual canal e quando ele quer se relacionar com a gente, já que na correria do dia a dia as vezes o associado não consegue ir até a agência para conversar com seu gerente. Através desse meio, queremos estar ainda mais próximos de nossos associados, oferecendo sempre as melhores soluções.”, afirma Bertacini.

Mensagem - Para iniciar o atendimento é bem simples, basta enviar uma mensagem para o número (51) 3358-4770 e escolher a opção 01, fale com o colaborador. Pelo canal também é possível enviar sugestões, reclamações e elogios, acionar sinistros de seguros de automóvel e agrícola, contemplação de consórcio, ou até mesmo falar com o Theo, assistente virtual do Sicredi, que está disponível 24h por dia, 7 dias por semana.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Paranapanema PR/SP)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICOOB METROPOLITANO: Coral visita agências de Maringá e região

Para alegrar o dia dos colaboradores, integrantes do Coral do Sicoob Metropolitano estão visitando diversas agências de Maringá (PR) e região. No último dia 25 de agosto e 1º de setembro, os funcionários das agências Praça dos Pioneiros, Sarandi e agência Aeroporto em Maringá, deram uma pausa nas atividades para desfrutarem de um momento com muita música e cantoria.

Essencial - Para a agente de relacionamento da agência Aeroporto, Andreza Cristina de Freitas Braga, a ocasião foi essencial para todos ali presentes tirarem um tempo para apreciarem uma boa música.

Sensacional- “A presença do coral na agência foi sensacional! Além de nos descontrair e acalmar a correria do nosso dia, eles escolheram um repertório emocionante que tocou direto no coração. Esse tipo de ação que a cooperativa faz por nós realça o quanto se importam conosco. Gratificante fazer parte desse time lindo!”, comenta.

Sobre o Coral Sicoob Metropolitano - O coral foi um dos primeiros programas implementado pelo FIC (Felicidade Interna do Cooperativismo) e tem o objetivo de proporcionar momentos de bem-estar e relaxamento. No entanto, a atividade vai muito além disso e funciona como musicoterapia aos que participam, devido ao impacto do som sobre a saúde física e comportamental. Os resultados são incríveis. Afinal, quem canta, seus males espanta!

Reabilitação - E espanta mesmo! A música auxilia na reabilitação de funções motoras e cognitivas, ameniza dores, intensifica o combate a depressão, reduz a ansiedade e há respostas aos tratamentos de doenças graves, como o câncer.

Estímulo - Além de promover a saúde dos colaboradores, o Coral do Sicoob Metropolitano estimula o relacionamento entre funcionários e a família, pois estes também são convidados para participar do grupo. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2021/noticias/09/09/sicoob_metropolitano/{/vsig}

UNIMED CASCAVEL: Premiada pela 7ª vez entre os “Lugares Incríveis para Trabalhar”, singular é a única do PR a conquistar o título em 2021

A simbologia do número 7 está ligada à perfeição. Os mais de 270 colaboradores da Unimed Cascavel têm sido perfeitos e a cooperativa retribui com prêmio. Pela sétima vez, a singular aparece no ranking dos Lugares Incríveis para Trabalhar. O prêmio é uma iniciativa do UOL e da Fundação Instituto de Administração (FIA), que destaca as empresas brasileiras com os mais altos níveis de satisfação entre os colaboradores. Os vencedores são definidos a partir dos resultados da pesquisa FIA Employee Experience (FEEx).

Renovação de energias e confiança - “Após mais um ano de desafios, este prêmio simboliza a renovação de nossas energias e a confiança em acreditar no que realizamos diariamente, priorizando e respeitando a diversidade e a necessidade de cada colaborador, buscamos a melhoria e inovação em práticas de gestão de pessoas sem deixar de lado o acolhimento e humanidade nas relações, fatores estes que fazem a diferença no clima organizacional da Unimed Cascavel, reconhecida pelo 7ª ano como um Lugar Incrível para Trabalhar”, explica Rozinha Campos Filha, coordenadora do setor de Gestão de Pessoas.

Ações de gestão e cuidado - A premiação considera ações de gestão e cuidado com os colaboradores, para o diretor-presidente da Unimed Cascavel, Luiz Sérgio Fettback, cada pessoa que trabalha aqui precisa se sentir feliz. “Eu, por exemplo, quando venho para a Cooperativa me sinto bem, sou feliz em trabalhar na Unimed Cascavel, em estar na diretoria. Acredito que é isso que torna nossa Singular cada vez mais sólida, a alegria de estar aqui. É isso que buscamos que cada um que trabalha aqui se sinta feliz e realizado”, comemora o presidente.

Seleção - A pesquisa FEEx, realizada com mais de 180 mil trabalhadores brasileiros, selecionou as 120 empresas com as melhores práticas de RH e clima organizacional do País. A premiação foi destinada para as organizações que valorizam e investem no potencial humano, com foco na qualidade, produtividade e satisfação do cliente.

Realização de um sonho- Há pouco mais de dois meses na Unimed Cascavel, a assistente de atendimento do relacionamento com cliente, Marcia Regiane da Luz Marques, diz que trabalhar na cooperativa é a realização de um sonho. “Faz algum tempo que eu almejava, era meu sonho fazer parte dessa equipe, dessa empresa. Sempre quis. No dia da divulgação do prêmio foi à resposta de que estou no caminho certo. É aqui que eu quero construir a minha carreira”, afirmou Marcia, emocionada.

Café da manhã especial - Na última sexta-feira (03/09), os colaboradores foram recebidos com um café da manhã especial, com um mimo para marcar a conquista, além de muitos flashs. “A notícia foi recebida de uma maneira especial, uma caixa personalizada com um delicioso pão de mel gourmet para comemorar a conquista. Além disso, no painel de fotos, o nome de todos os colaboradores estava escrito. Essa ideia do painel foi uma maneira de demonstrar que todos fazem parte desta premiação”, detalhou a coordenadora Rozinha Filha.

Acolhimento - “Foi realmente incrível. Eu nunca tinha participado ou sentido uma sensação daquela. Me senti importante, senti que eu faço parte. A Unimed Cascavel tem esse acolhimento, que é muito bom. Faz 18 anos que eu trabalho, já passei por muitos lugares e nunca senti, nem recebi algo assim, foi a primeira vez que vivi algo nesse sentido: fiquei arrepiada” conta a assistente de atendimento.

Mensagens - Além disso, para divulgar boa notícia internamente, a área de gestão de pessoas em parceria com a área de Marketing e Comunicação da cooperativa utilizaram diversas mensagens em forma de spoilers que foram sendo comunicados no dia anterior e durante a comemoração via WhatsApp. As mensagens tiveram uma linguagem leve e despojada, com o intuito de “falar a língua” dos colaboradores e celebrar a importante conquista.

Gratidão e orgulho - O diretor-presidente da cooperativa explica que receber o prêmio, sendo a única Unimed do estado do Paraná e pela 7ª vez ser reconhecida como um dos Lugares Incríveis para Trabalhar do Brasil, desperta dois sentimentos. “O primeiro é de gratidão a cada colaborador. É um lugar incrível para trabalhar, pois cada um se dedica. E o segundo sentimento é de muito orgulho de pertencer a uma Unimed, que é a única do Paraná, sendo uma das 10 singulares do país que faz tudo o que é possível para transformar as pessoas que aqui trabalham, em pessoas felizes, comprometidas. É um reconhecimento de cada profissional dizendo que se sente feliz e correspondido. É o que sempre buscamos. Ter pessoas felizes e comprometidas. Essa é a razão pela qual a Unimed Cascavel atinge esse sucesso, pelo comprometimento geral em forma de integração das pessoas”, finaliza Luiz Sérgio Fettback.

Excelência - As melhores condições de trabalho dos nossos médicos e colaboradores representa a excelência em cuidado para as mais de 90 mil vidas que estão sob o Jeito de Cuidar Unimed Cascavel. (Imprensa Unimed Cascavel)

{vsig}2021/noticias/09/09/unimed_cascavel/{/vsig}

 

CONAB: Companhia confirma redução na produção de grãos no último levantamento da safra 2020/21

conab 09 09 2021A produção da safra nacional de grãos fecha o ciclo com um volume estimado de 252,3 milhões de toneladas, uma redução de 1,8% sobre a safra passada e 4,7 milhões de toneladas inferior à previsão do levantamento realizado em agosto deste ano. O resultado foi divulgado nesta quinta-feira (09/09) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), no 12º Levantamento da Safra de Grãos 2020/21. Este é o último levantamento para esta safra. A partir de outubro, a estatal reinicia o ciclo e passa a contabilizar os números da próxima colheita no país.

Primeira safra - De acordo com o Boletim do 12º Levantamento 2020/21, as áreas das culturas de primeira safra estão totalmente colhidas, as de segunda safra em fase final de colheita, as de terceira safra desde a fase de florescimento até o final da colheita, e as de inverno no início da colheita, que será intensificada a partir de setembro.

Milho - No caso do milho, a produção total é de 85,75 milhões de toneladas, volume 16,4% menor que em 2019/20, quando fechou em 102,5 milhões de toneladas. A primeira safra está com a colheita finalizada e a segunda safra com 86,9% concluída até o final de agosto. Para a terceira safra, situada na região do Sealba (Sergipe, Alagoas e nordeste da Bahia), além dos cultivos em Pernambuco e Roraima, as fases das lavouras variam desde a fase vegetativa até as operações de colheita.

Soja - A produção de soja foi a que equilibrou mais os números totais da safra, com uma produção recorde estimada em 135,9 milhões de toneladas, aumento de 8,9% em relação à safra 2019/20. O levantamento feito pela Companhia mostra que a colheita está praticamente finalizada, restando a produção de Roraima e Alagoas, que representam pouco mais de 0,1% do volume nacional.

Feijão - Em relação ao feijão, cultura também bastante atingida pelas intempéries climáticas, as atenções estão voltadas para a cultura de terceira safra, que se encontram em fase final de colheita. A produção total é estimada em 2,86 milhões de toneladas, 11,4% menor que a obtida na safra 2019/20, impactada pela seca nas principais regiões produtoras. Dessa produção, 1,7 milhão de toneladas são de feijão-comum cores, 483,7 mil toneladas de feijão-comum preto e 625,2 mil toneladas de feijão-caupi.

Arroz - Outra cultura com número positivo é o arroz, que nesta safra tem produção estimada em 11,75 milhões de toneladas, 5% superior ao volume produzido na temporada anterior. Desse total, 10,8 milhões de toneladas são cultivadas com irrigado e 921 mil toneladas em áreas de plantio de sequeiro. A colheita da safra 2020/21 já foi concluída no país, e alguns estados produtores iniciaram o plantio da safra 2021/22.

Algodão - O algodão teve redução nesta safra, com a produção estimada em 2,36 milhões de toneladas de pluma, 21,5% inferior à safra passada. Mas a queda esteve mais relacionada à diminuição da área plantada do que com as condições climáticas, que de modo geral até favoreceram o bom desenvolvimento dessas lavouras. Já para as culturas de inverno (aveia, canola, centeio, cevada, trigo e triticale), projeta-se um incremento de 13,1% na área plantada. Destaque para o trigo, que apresenta um expressivo crescimento na área de 14,9%, situando-se em 2,69 milhões de hectares. A estimativa atual é de uma produção de 8,15 milhões de toneladas, a depender das condições climáticas até outubro.

Mercado - No âmbito externo, o algodão em pluma e a soja seguem com cenário positivo no mercado internacional. Neste levantamento, a Conab manteve em 2,1 milhões de toneladas a previsão do volume exportado da fibra na safra 2020/21 e em aproximadamente 83 milhões de toneladas a exportação prevista de soja para o ano. Por outro lado, foi reduzida a previsão do volume exportado de milho. No caso do cereal, a partir dos efeitos do clima na produção e da reversão do destino de contratos de exportação para o mercado doméstico, a expectativa é de queda nas exportações em 37%, o que corresponde a 22 milhões de toneladas ao final da safra. A projeção de importação manteve-se inalterada em 2,3 milhões de toneladas.

Trigo - Quanto ao trigo, para a nova safra a Companhia espera aumento de produção aliado ao incremento do consumo interno em 3,71%. O cenário é favorável, de modo que os estoques de passagem estarão em níveis mais confortáveis. Para estes, a previsão é que fechem o ano em 1,36 milhões de toneladas, volume próximo ao observado em safras anteriores a 2019/20.

Preços - Em relação aos preços dos produtos nas principais praças, observou-se, no mês de agosto, em comparação com o mês de julho, as seguintes elevações: 7,2% no arroz do RS; 3,5% no feijão cores de SP; 4,5% no feijão preto do PR; 14% no preço do milho em MT; 7,8% no trigo do PR; 6,8% na soja em MT; 3,76% no PR; e ainda elevação de 5,8% nos preços do algodão em MT.

Dados completos - Os dados completos sobre o 12° Levantamento da Safra de Grãos 2020/21 e as condições de mercado destes produtos podem ser conferidos no Portal da Conab. Outras informações sobre os efeitos do clima nas safras são disponibilizadas regularmente nas edições do Monitoramento de Geadas e no Boletim de Monitoramento Agrícola da Conab. (Notícias Agrícolas / Conab)

FOTO: Arquivo CHN

 

IBGE: Estimativa de agosto prevê queda de 1,0% na safra de 2021, totalizando 251,7 milhões de toneladas

ibge 09 09 2021A estimativa para a safra brasileira de grãos, cereais e leguminosas em 2021 foi reduzida pelo quinto mês consecutivo e, com a informação de agosto, a produção deve ficar 1,0% abaixo da de 2020. A safra de 2021 deverá alcançar 251,7 milhões de toneladas, sendo 2,4 milhões de toneladas inferior ao recorde do ano passado, de 254,1 milhões de toneladas. Entre as causas do declínio estão a falta de chuvas e também as geadas que ocorreram em algumas das principais unidades produtoras no final de julho. E o milho foi a commodity mais prejudicada.

Levantamento - Os dados são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado nesta quinta-feira (09/09) pelo IBGE. O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos do grupo, representando 92,4% da estimativa da produção e 87,6% da área a ser colhida.

Plantio - “O ano agrícola, em geral, começa em setembro do ano anterior, que é quando se inicia o plantio. Porém, para plantar, o produtor precisa de que haja umidade no solo e, como houve falta de chuvas nesse período de 2020, esse plantio atrasou muito, sendo iniciado apenas na segunda quinzena de outubro. O que acabou prejudicando o milho 2ª safra, plantado após a colheita da soja, que teve sua “janela de plantio” reduzida, deixando as lavouras mais dependentes do clima. Como as chuvas não se confirmaram, houve drástica redução no rendimento médio, e consequentemente na produção”, explica Carlos Barradas, gerente da pesquisa.

Rendimento médio - Com uma área a ser colhida de 19,6 milhões de hectares e um rendimento médio de 4.499 quilos por hectare, a produção do milho teve sua estimativa reduzida em 4,7% frente à estimativa de julho, totalizando 87,3 milhões de toneladas. Em relação a 2020, a safra deve ser 15,5% menor, embora haja aumentos de 6,8% na área plantada e de 6,2% na área a ser colhida. Cabe ressaltar ainda que algumas unidades da federação, como é o caso do Paraná e do Mato Grosso do Sul, sofreram também com a ocorrência de geadas no final de julho, havendo redução da produtividade.

Soja atinge novo recorde com 133,8 milhões de toneladas - Por outro lado, a produção de soja continua a elevar seus recordes. Com sua colheita já concluída, a leguminosa atingiu 133,8 milhões de toneladas, com aumento de 0,3% em relação ao que foi estimado no mês anterior e de 10,1% em relação à safra de 2020 – o equivalente a 12,2 milhões de toneladas.

Desenvolvimento - “A cultura se desenvolveu de maneira satisfatória na maioria dos estados, apesar do significativo atraso no plantio. Amapá e Alagoas foram os estados que mais elevaram suas estimativas em agosto, em 41,3% e 150,6%, respectivamente. Já o Piauí reduziu, em 1,1%, devido aos problemas climáticos ocorridos durante o ciclo da cultura, com queda de 1,9% na produtividade das lavouras, mas, em comparação com o ano anterior, o estado produziu 10,9% a mais que em 2020”, ressalta Barradas.

Matopiba - Ele acrescenta que os estados que compõem o eixo chamado de Matopiba vêm propiciando a expansão das lavouras de soja e, este ano a área plantada aumentou em 73,4 mil hectares no Piauí, em 46,2 mil hectares no Maranhão, em 23,5 mil hectares no Tocantins e em quase 80,0 mil hectares na Bahia.

Centro-Oeste é a única região com queda em relação ao ano anterior - Apenas o Centro-Oeste deve ter redução (-6,1%) no volume da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas em relação a 2020. A região, no entanto, é maior produtora do Brasil (45,5% do total), e deverá somar uma safra de 114,4 milhões de toneladas.

Sul - O Sul, que responde por 30,8% da produção do país, deve fechar 2021 com 77,5 milhões de toneladas de grãos; o Sudeste, que responde por 10,2%, com 25,7 milhões de toneladas; Nordeste (9,1%), com 23,0 milhões de toneladas e Norte (4,4%), com 11,1 milhões de toneladas. Em relação ao ano de 2020, o Sul deve ter alta de 6,0%; o Nordeste, de 1,8%; o Sudeste, de 0,1% e o Norte, de 0,9%.

Unidades da federação - Entre as unidades da federação, o Mato Grosso lidera como o maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 28,2%, seguido pelo Rio Grande do Sul (14,9%), Paraná (13,5%), Goiás (9,3%), Mato Grosso do Sul (7,7%) e Minas Gerais (6,1%), que, somados, representaram 79,7% do total nacional.

Sobre o LSPA - Implantado em novembro de 1972 com o propósito de atender às demandas de usuários por informações estatísticas conjunturais mensais, o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA fornece estimativas de área plantada, área colhida, quantidade produzida e rendimento médio de produtos selecionados com base em critérios de importância econômica e social para o País. Ele permite não só o acompanhamento de cada cultura investigada, desde a fase de intenção de plantio até o final da colheita, no ano civil de referência, como também o prognóstico da safra do ano seguinte, para o qual é realizado o levantamento nos meses de outubro, novembro e dezembro. Acesse os dados no SIDRA. (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Helena Pontes / Agência IBGE Notícias

 

COMÉRCIO EXTERIOR I: Balança registra superávit de US$ 52,78 bilhões no ano, em alta de 43,1%

comercio exterior I 09 09 2021A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 52,78 bilhões no acumulado do ano, até a primeira semana de setembro, em alta de 43,1% pela média diária, na comparação com o período de janeiro a setembro de 2020. A corrente de comércio (soma das exportações e importações) chegou a US$ 332,53 bilhões no período, um aumento de 35,9%.  

Resultado - A corrente de comércio atual reflete o resultado das exportações, que somam US$ 192,66 bilhões, em alta de 36,8%, e das importações, que aumentaram 34,6%, alcançando US$ 139,87 bilhões. Os dados foram divulgados na segunda-feira (06/09) pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia.  

No mês - As exportações no mês subiram 42,8%, alcançando US$ 3,72 bilhões, enquanto as importações totalizaram US$ 3,05 bilhões, com alta de 62,2%. A balança comercial registrou superávit de US$ 673,2 milhões, portanto, em queda de 7,3% em relação a setembro de 2020, enquanto a corrente de comércio somou US$ 6,76 bilhões, subindo 51%.

Exportações - Nas exportações, comparadas a média diária até a primeira semana deste mês (US$ 1,239 bilhão) com a de setembro de 2020 (US$ 867,78 milhões), houve crescimento de 42,8%, com alta das vendas nos três segmentos – Indústria Extrativa (+47,9%), Indústria de Transformação (+47,9%) e Agropecuária (+21,5%).  

Indústria Extrativa - Na Indústria Extrativa, o aumento das exportações foi puxado, principalmente, pelo crescimento nas vendas de minério de ferro e seus concentrados (+77,8%); óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (+12,7%); outros minerais em bruto (+9,2%); minérios de metais preciosos e seus concentrados (+3.504,8%) e fertilizantes brutos, exceto adubos (+310%).

Indústria de Transformação - Já em relação à Indústria de Transformação, destaque para o aumento nas vendas de carne bovina fresca, refrigerada ou congelada (+120,3%); carnes de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas (+125,4%); ouro, não monetário, excluindo minérios de ouro e seus concentrados (+117,7%); celulose (+91,1%) e aeronaves e outros equipamentos, incluindo suas partes (+95,7%).

Produtos agropecuários - Entre os produtos agropecuários, a alta das exportações foi impulsionada pelo crescimento nas vendas de soja (+73,8%); madeira em bruto (+170,2%); especiarias (+62,8%); produtos hortícolas, frescos ou refrigerados (+31%) e matérias vegetais em bruto (+77,5%).

Importações - Nas importações, a média diária até a primeira semana de agosto de 2021 (US$ 1,015 bilhão) ficou 62,2% acima da média de setembro do ano passado (US$ 625,71 milhões). Nesse comparativo, aumentaram principalmente as compras de produtos da Indústria Extrativa (+299,3%), da Indústria de Transformação (+55%) e da Agropecuária (+35,5%).

Destaques - Na Indústria Extrativa, destaque para as compras de gás natural, liquefeito ou não (+658,1%); carvão, mesmo em pó, mas não aglomerado (+228,6%); minérios de cobre e seus concentrados (+569,4%); minério de ferro e seus concentrados (+2.100,4%) e outros minérios e concentrados dos metais de base (+321,3%).

Crescimento - Já na Indústria de Transformação, o aumento das importações foi puxado pelo crescimento nas compras de adubos ou fertilizantes químicos, exceto fertilizantes brutos (+199,2%); medicamentos e produtos farmacêuticos, exceto veterinários (+305,4%); óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos (+152,4%); partes e acessórios dos veículos automotivos (+82,9%) e veículos automóveis para transporte de mercadorias e usos especiais (+121,3%).

Alta - Por fim, na Agropecuária, a alta nas importações teve o destaque da compra de milho não moído, exceto milho doce (+418,1%); trigo e centeio, não moídos (+20,5%); pescado inteiro vivo, morto ou refrigerado (+67,4%); cacau em bruto ou torrado (+108.834,1%) e matérias vegetais em bruto (+71,7%). (Ministério da Economia)

Veja os principais resultados da balança comercial   

FOTO: Pixabay   

 

COMÉRCIO EXTERIOR II: Movimentação de cargas segue em alta nos Portos do PR; destaque continua sendo volume de fertilizantes

comercio exterior II destaque 09 09 2021Os portos do Paraná já movimentaram 39.253.267 toneladas de carga. Puxado principalmente pela alta nas importações, o volume acumulado de janeiro a agosto deste ano é 2% maior que registrado no mesmo período do ano passado, com 38.672.584 toneladas.

Fertilizantes - “O desembarque dos fertilizantes, nosso principal produto de importação, segue aquecido”, diz o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Recordes - Segundo Garcia, recordes foram registrados nas movimentações mensais em junho e julho, seguidos, com mais de um milhão de toneladas de adubos importadas pelos portos paranaenses. “Agora em agosto não tivemos recorde, foram 903.864 toneladas, mas, ainda sim, foi 3% maior que no mesmo mês de 2020, com 881.791 toneladas”, destaca.

Oito meses - No acumulado dos oito meses, 7.282.981 toneladas de adubo foram importadas pelos terminais de Paranaguá e Antonina. O volume é 16% maior que as 6.301.194 toneladas descarregadas no período, em 2020.

Percentual - Os fertilizantes representam quase 46% de tudo o que foi importado pelos portos do Paraná de janeiro a agosto, neste ano: 15.845.192 toneladas de produtos dos diversos segmentos.

Volume acumulado - O volume de importação acumulado nos oito meses é 20% maior que as 13.207.127 toneladas registradas nesse sentido do comércio internacional, no mesmo período do ano passado.

Destaques - Ainda são destaques, entre os produtos de importação, a carga geral, com alta de 35% no período; malte e cevada (+ 27%); o metanol (+13%); o trigo (+8%); e os óleos vegetais (+146%).

Dois sentidos - Considerando os dois sentidos, importação e exportação, a movimentação de veículos e contêineres se destacam com altas de 27% e 3%, respectivamente. De veículos, foram 60.548 unidades embarcadas e desembarcadas neste ano e 47.652 em 2020, de janeiro a agosto.

Contêineres - De contêineres foram 625.393 TEUs (unidades equivalentes a um contêiner de 20 pés) movimentados nos últimos oito meses, contra 604.787 TEUs no ano passado.

Exportações - Considerando somente as exportações, houve um aumento nos volumes carregados de açúcar (+13%); óleos vegetais (+7%); celulose (+6%); e carga geral (+3%).

Total acumulado - No total acumulado das exportações, houve queda de 8% em comparação com o período de 2020, principalmente pelo comportamento das commodities agrícolas no mercado externo.

Embarques - De janeiro a agosto deste ano, 23.408.075 toneladas foram exportadas pelos terminais paranaenses. No mesmo período do ano passado, 25.465.457 toneladas. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Rodrigo Felix Leal / Seil

comercio exterior II 09 09 2021

 

 

IPCA: Inflação fica em 0,87% em agosto, maior para o mês desde 2000

ipca 09 09 2021A inflação teve alta de 0,87% em agosto, a maior para o mês desde o ano 2000. Com isso, o indicador acumula altas de 5,67% no ano e de 9,68% nos últimos 12 meses, acima do registrado nos 12 meses imediatamente anteriores (8,99%). Em agosto do ano passado, a variação mensal foi de 0,24%. Os dados são Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado nesta quinta-feira (09/09) pelo IBGE.

Grupos - Oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados subiram em agosto, com destaque para os transportes, que teve a maior alta de preços. Puxado pelos combustíveis, o grupo registrou a maior variação (1,46%) e o maior impacto (0,31 p.p.) no índice geral. A gasolina subiu 2,80% e teve o maior impacto individual (0,17 p.p.). Etanol (4,50%), gás veicular (2,06%) e óleo diesel (1,79%) também ficaram mais caros no mês.

Influências - “O preço da gasolina é influenciado pelos reajustes aplicados nas refinarias de acordo com a política de preços da Petrobras. O dólar, os preços no mercado internacional e o encarecimento dos biocombustíveis são fatores que influenciam os custos, o que acaba sendo repassado ao consumidor final. No ano, a gasolina acumula alta de 31,09%, o etanol 40,75% e o diesel 28,02%”, disse o analista da pesquisa, André Filipe Guedes Almeida.

Outros destaques - Outros destaques foram os veículos próprios, que tiveram alta de 1,16% em agosto. Os automóveis usados (1,98%), os novos (1,79%) e as motocicletas (1,01%) permaneceram em elevação e contribuíram juntos com 0,10 p.p. no IPCA de agosto. Nos transportes públicos (-1,21%), as passagens aéreas caíram 10,69%. Já os preços do transporte por aplicativo subiram 3,06% e do ônibus intermunicipal 0,62%, em decorrência dos reajustes nas tarifas em Salvador e Belo Horizonte e Porto Alegre.

Alimentação e bebidas - A segunda maior contribuição (0,29 p.p.) veio de alimentação e bebidas (1,39%), que acelerou em relação a julho (0,60%). A alimentação no domicílio passou de 0,78% para 1,63% em agosto, principalmente por conta das altas da batata-inglesa (19,91%), do café moído (7,51%), do frango em pedaços (4,47%), das frutas (3,90%) e das carnes (0,63%). No lado das quedas, destacam-se a cebola (-3,71%) e o arroz (-2,09%).

Fora do domicílio- A alimentação fora do domicílio (0,76%) também acelerou em relação a julho (0,14%), principalmente por conta do lanche (1,33%) e da refeição (0,57%), cujos preços haviam subido 0,16% e 0,04% no mês anterior, respectivamente.

Habitação - Em habitação (0,68% e 0,11 p.p.), o resultado foi influenciado pela energia elétrica (1,10%), que desacelerou em relação ao mês anterior (7,88%). “O resultado é consequência dos reajustes tarifários em Vitória, Belém e em uma das concessionárias em São Paulo. Além disso, a bandeira tarifária vermelha patamar 2, que adiciona R$ 9,492 a cada 100 kWh consumidos, vigorou nos meses de julho e agosto”, afirmou André Filipe Almeida.

Gás - Os preços do gás encanado (2,70%) e do gás de botijão (2,40%) também subiram. No gás encanado, houve reajustes tarifários em Curitiba e no Rio de Janeiro. A taxa de água e esgoto teve queda de 1,02% por conta da mudança na metodologia de cobrança das tarifas em Belo Horizonte.

Saúde e cuidados especiais - O grupo saúde e cuidados pessoais (-0,04%) foi o único com variação negativa, devido à queda de 0,43% nos itens de higiene pessoal. Os planos de saúde recuaram 0,10%.

Todas as áreas- A pesquisa mostra ainda que todas as áreas pesquisadas tiveram inflação em agosto. O maior índice foi registrado em Brasília (1,40%), influenciado pelas altas nos preços da gasolina (7,76%) e da energia elétrica (3,67%). Já o menor resultado ocorreu na região metropolitana de Belo Horizonte (0,43%), por conta da queda nos preços das passagens aéreas (-20,05%) e da taxa de água e esgoto (-13,73%).

INPC tem alta de 0,88% em agosto - O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) teve alta de 0,88% em agosto, 0,14 p.p. abaixo do resultado de julho (1,02%). No ano, o indicador acumula elevação de 5,94% e, em 12 meses, de 10,42%, acima dos 9,85% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em agosto de 2020, a taxa foi de 0,36%.

Produtos alimentícios - Os produtos alimentícios subiram 1,29% em agosto, ficando acima, portanto, do resultado de julho (0,66%). Já os não alimentícios tiveram alta de 0,75%, enquanto em julho haviam registrado 1,13%.

Aumento - Todas as áreas registraram alta em agosto. O menor índice foi observado em Fortaleza (0,43%), onde pesaram as quedas nos preços do arroz (-2,81%), das carnes (-2,09%) e dos itens de higiene pessoal (-1,39%). Brasília registrou a maior variação (1,60%), influenciada pela gasolina (7,76%) e pela energia elétrica (3,67%).

IBGE retoma coleta presencial de preços - Em julho, o IBGE iniciou a retomada gradual da coleta presencial de preços em alguns estabelecimentos, conforme estabelece a Portaria nº 207/2021. Devido à pandemia, desde março do ano passado, a coleta vinha sendo realizada, exclusivamente, por outros meios, como em sites, por telefone ou e-mail.

Rendimentos - O IPCA abrange as famílias com rendimentos de 1 a 40 salários mínimos, enquanto o INPC as famílias com rendimentos de 1 a 5 salários mínimos, residentes nas regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Vitória, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, além do Distrito Federal e dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís e Aracaju. Acesse os dados no Sidra. E conheça mais sobre o IPCA no IBGE Explica. (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Helena Pontes / Agência IBGE Notícias

 

ipca quadro 09 09 2021

 

COMBUSTÍVEL: Governo reduz temporariamente porcentagem de biodiesel no óleo diesel

combustivel 09 09 2021O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), do Ministério de Minas e Energia (MME), aprovou na segunda-feira (06/09), por unanimidade, a redução do teor de mistura obrigatória do biodiesel no óleo diesel de 13% para 10%. A mudança vale para o 82º Leilão de Biodiesel, destinado ao suprimento dos meses de novembro e dezembro de 2021.

Impactos - Segundo o ministério, a redução é necessária para evitar possíveis impactos para o consumidor e reflexos em setores como o de transporte público e de mercadorias, além de atividades agrícolas e geração de energia, por exemplo.

Justificativa - Em sua justificativa, o ministério explica que o biodiesel brasileiro tem no óleo de soja sua maior parcela de matéria-prima, com cerca de 71%, sendo o restante oriundo de sebo bovino e outros óleos. Por isso, o ministério entendeu ser necessária a medida.

Momentânea - De acordo com a pasta, a decisão do CNPE de redução do teor de biodiesel na mistura é momentânea e temporal. A pasta espera “em breve, com as condições adequadas”, o aumento da produção e uso dos biocombustíveis no Brasil. (Agência Brasil)

FOTO: David Roumanet / Pixabay

 

ECONOMIA: Poupança tem retirada líquida de R$ 5,467 bilhões em agosto

economia 09 09 2021Após quatro meses de resultado positivo, o saldo da aplicação na caderneta de poupança voltou a cair com o registro de mais saques do que depósitos. No mês passado, as retiradas superaram os depósitos em R$ 5,467 bilhões, de acordo com relatório divulgado pelo Banco Central (BC). O resultado negativo contrasta com o registrado em agosto do ano passado, quando os brasileiros tinham depositado R$ 11,402 bilhões a mais do que retiraram da poupança.

Agosto - No mês passado, foram aplicados R$ 295,901 bilhões, contra saques de R$ 301,369 bilhões. Os rendimentos creditados nas contas de poupança somaram R$ 2,719 bilhões.

Retirada acumulada - Com o desempenho de agosto, a poupança acumula retirada líquida de R$ 15,629 bilhões nos oito primeiros meses do ano. Já de janeiro a agosto de 2020, houve captação líquida de R$ 123,981 bilhões.

Captação - No ano passado, a poupança captou R$ 166,31 bilhões em recursos, o maior valor anual da série histórica, iniciada em 1995. Além do depósito do auxílio emergencial nas contas poupança digitais ao longo de oito meses em 2020, a instabilidade no mercado de títulos públicos nas fases mais agudas da pandemia de covid-19 atraiu o interesse na poupança, mesmo com a aplicação rendendo menos que a inflação.

Rendimento - Pela legislação em vigor, o rendimento da poupança é calculado pela soma da Taxa Referencial (TR), definida pelo BC, mais 0,5% ao mês, sempre que a taxa básica de juros, a Selic, está acima de 8,5% ao ano. Quando a Selic é igual ou inferior a 8,5% ao ano, como ocorre atualmente, a remuneração da poupança passa a ser a soma da TR com 70% da Selic.

Selic - Atualmente a Selic está em 5,25% ao ano e a TR está zerada. Com isso, a remuneração da poupança está em 3,675% ao ano. (Agência Brasil)

FOTO: Qube's Pictures / Pixabay

 

SAÚDE I: Brasil acumula 20,92 milhões de casos e 584,4 mil mortes

As autoridades de saúde no Brasil registraram, desde o início da pandemia, 20.928.008 pessoas infectadas pelo coronavírus. Em 24 horas, foram confirmados 14.430 novos diagnósticos positivos.

Acompanhamento - Ainda há 376.894 casos em acompanhamento, situação em que houve um diagnóstico confirmado e o paciente está sendo atendido por equipe de saúde ou se recuperando em casa.

Mortes - As secretarias de saúde também contabilizaram 584.421 pessoas que perderam a vida para a covid-19. Entre terça e quarta-feira (07 e 08/09), foram registrados 250 novos óbitos por causa da doença.

Investigação - Ainda há 3.491 mortes em investigação. Nessas situações, os diagnósticos dependem de resultados de exames concluídos apenas após o paciente já ter morrido.

Atualização - A atualização foi divulgada pelo Ministério da Saúde na noite desta quarta-feira (08/09). O balanço da pandemia consolida dados sobre casos e mortes enviados por secretarias estaduais de saúde.

Recuperadas - O número de pessoas que se recuperaram da covid-19 subiu para 19.966.693. Isso corresponde a 95,4% das pessoas infectadas no Brasil desde o início da pandemia.

Dados - Os dados em geral são menores aos domingos e segundas-feiras em razão da dificuldade de alimentação do sistema pelas secretarias estaduais. Essa dificuldade também ocorre aos feriados, como ontem. Já às terças-feiras os resultados tendem a ser maiores pela regularização dos registros acumulados durante o fim de semana.

Estados - No topo do ranking de mortes por estado estão São Paulo (146.610), Rio de Janeiro (63.354), Minas Gerais (53.407), Paraná (37.858) e Rio Grande do Sul (34.362). Os estados com menos mortes são Acre (1.815), Roraima (1.958), Amapá (1.960), Tocantins (3.706) e Sergipe (6.001).

Vacinação - Até esta quarta-feira, o painel de vacinação do Ministério da Saúde marcava 203,2 milhões de doses da vacina contra a covid-19 aplicadas em todo o Brasil, sendo 135,3 milhões como primeira dose e 67,9 milhões como segunda dose. Nas últimas 24 horas, foram aplicadas 452,8 mil doses. Ainda conforme o painel de vacinação, foram distribuídas 253,7 milhões de doses. (Agência Brasil)

 

saude I tabela 09 09 2021

SAÚDE II: Sesa informa mais 1.567 casos confirmados e 32 mortes por Covid-19

saude II 09 09 2021A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou nesta quarta-feira (08/09) mais 1.567 casos confirmados e 32 mortes — referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas — em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.463.873 casos confirmados e 37.610 mortos pela doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de setembro (984), agosto (413), julho (23), junho (110), maio (72), abril (1) e março (1) de 2021.

Internados - 951 pacientes com diagnóstico confirmado estão internados. São 676 pacientes em leitos SUS (394 em UTI e 282 em leitos clínicos/enfermaria) e 275 em leitos da rede particular (138 em UTI e 137 em leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 1.350 pacientes internados, 689 em leitos UTI e 661 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos da rede pública e particular e são considerados casos suspeitos.

Mortes - A Sesa informa a morte de mais 32 pacientes. São 15 mulheres e 17 homens, com idades que variam de 27 a 93 anos. Os óbitos ocorreram entre 10 de abril a 8 de setembro de 2021.

Municípios - Os pacientes que morreram residiam em Cascavel (4), São José dos Pinhais (3), Colombo (3), Foz do Iguaçu (2) e Curitiba (2).

Um óbito - A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Toledo, Tijucas do Sul, São José das Palmeiras, Ponta Grossa, Nova Tebas, Marumbi, Londrina, Loanda, Laranjal, Entre Rios do Oeste, Diamante do Sul, Carambeí, Campo Largo, Campina Grande do Sul, Assaí, Apucarana, Andirá e Alvorada do Sul.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 6.442 casos de residentes de fora do Estado, 220 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando AQUI.

AJUSTES – Relatório de Exclusões.

 

SAÚDE III: Novos lotes de vacina contra Covid-19 chegaram ao Paraná nesta quarta-feira

saude III 09 09 2021O Paraná recebeu nesta quarta-feira (08/09) dois lotes com 156.828 doses de vacina contra a Covid-19. A remessa desembarcou no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, às 12h55, no voo LA3443.

48ª pauta - Os imunizantes da Pfizer/BioNTech fazem parte da 48ª pauta de distribuição do Ministério da Saúde e já estão no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar) para conferência e armazenamento, até que sejam repassados aos municípios. Desse total, 54.990 são para primeira dose (D1) e 101.838 para a segunda dose (D2).  

Seringas e agulhas - Além das vacinas o órgão encaminhou também 114.900 seringas de 1 ml, 655.00 agulhas 22 g e 1.631.600 seringas de 3 ml já com agulha própria e 636.330 de diluente.

Vacinômetro - Segundo os dados do Vacinômetro nacional, o Paraná já aplicou 11.347.173 vacinas contra a Covid-19, sendo 7.612.649 D1, 320.825 doses únicas (DU) e 3.414.567 D2. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Geraldo Bubniak / AEN

LEIA MAIS SOBRE O ASSUNTO:

Ministério da Saúde encaminha 158 mil vacinas contra a Covid-19 ao Paraná nesta quinta

 

SAÚDE IV: Setor de planos de saúde alcança o maior número de beneficiários desde maio de 2016

saude IV destaque 09 09 2021A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) disponibilizou os números de beneficiários de planos de saúde relativos ao mês de julho. As informações estão disponíveis na Sala de Situação, ferramenta de consulta no portal da ANS. Nesse período, o setor se manteve em crescimento e totalizou 48.413.620 usuários em planos de assistência médica e 27.929.433 em planos exclusivamente odontológicos. Essa evolução contínua do setor reforça o interesse da sociedade brasileira no acesso à saúde suplementar, em meio aos desafios estabelecidos pela pandemia.  

Clique aqui para acessar a Sala de Situação.

Médico-hospitalares - No caso dos planos médico-hospitalares, em um ano houve incremento de 1.611.959 beneficiários - o equivalente a 3,3% de aumento em relação a julho de 2020. No comparativo de julho com junho, o crescimento foi de 174.732 mil usuários. O total de beneficiários é o maior número registrado desde maio de 2016, quando o setor atingiu 48.441.585 beneficiários nessa segmentação. Já nos planos exclusivamente odontológicos, foi registrado aumento de 2.563.879 beneficiários em um ano – o que representa 9,2% de crescimento no período – e de 166.566 em um mês (comparativo com junho).

Estados - Entre os estados, no comparativo com julho de 2020, o setor registrou aumento de beneficiários em planos de assistência médica em 23 unidades federativas, sendo São Paulo, Paraná e Minas Gerais os que tiveram o maior ganho de beneficiários em números absolutos. Entre os odontológicos, todas as unidades federativas registraram aumento no comparativo anual, sendo São Paulo, Minas Gerais e Paraná, os estados com maior crescimento em números absolutos. Vale destacar que esses estados têm se destacado há três meses consecutivos, como as regiões com maior crescimento nas duas segmentações (assistência médica e odontológica).

Modificações - A ANS ressalta que os números podem sofrer modificações retroativas em função das revisões efetuadas mensalmente pelas operadoras.

Tabelas - Confira nas tabelas abaixo a evolução de beneficiários por tipo de contratação do plano e por UF em diferentes competências. (ANS)

saude IV tab I 09 09 2021

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

saude IV tab II 09 09 2021

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

saude IV tab III 09 09 2021

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

saude IV tab IV 09 09 2021

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Versão para impressão


RODAPE