Imprimir
Sistema Ocepar - Paraná Cooperativo - Informe Diário

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 3112 | 12 de Junho de 2013

EXPORTAÇÕES I: Carnes de frango lideram embarques das cooperativas do PR no 1º quadrimestre

exportacoes I 12 06 2013As carnes de frango estiveram no topo da pauta de exportações das cooperativas paranaenses nos primeiros quatro meses do ano, somando US$ 119,8 milhões no período, o que representou 21,87% dos embarques totais. Em relação ao primeiro quadrimestre de 2012, houve um pequeno decréscimo, de 13%. Já o farelo de soja, que costuma liderar as vendas externas das cooperativas do Paraná, figurou em segundo lugar, alcançando US$ 119,4 milhões, respondendo por 21,79% das exportações totais. Somando o óleo de soja e o produto em grãos, o complexo soja representou 40,1% dos embarques do setor entre janeiro e abril de 2013. Outros itens que se destacaram entre os mais vendidos para outros países no período foram o açúcar (15,61%), milho (13,8%) e suínos (7,78%).

Desempenho – No primeiro quadrimestre do ano, as exportações das cooperativas brasileiras registraram aumento de 9% em relação ao mesmo intervalo de 2012, somando US$ 1,83 bilhão, contra US$ 1,67 bilhão alcançado no ano passado. Do total embarcado pelo setor, o Paraná respondeu por US$ 548,02 milhões, o equivalente a 29,8%. “Apesar da excelente safra, as cooperativas paranaenses tiveram um decréscimo de 19% nos embarques. Isso se deve principalmente ao atraso ocorrido em função de chuvas no período de exportação. Acreditamos que essa situação tende a se normalizar nos próximos meses”, disse o analista da Gerência Técnica e Econômica da Ocepar (Getec), Gilson Martins.

Destinos – Os produtos das cooperativas do Paraná foram comercializados para 62 países. O país com maior participação foi a China, com compras de US$ 88,5 milhões, ou seja, 21% do total. Em seguida, vieram a Alemanha (14,1%) e a Holanda (14%).

Clique aqui e confira o boletim “Agroexportações”, elaborado pela Getec

 

EXPORTAÇÕES II: Portos do Paraná fecham maio com 18,2 milhões de toneladas movimentadas

exportacoes II 12 06 2013Os portos de Paranaguá e Antonina fecharam o mês de maio com 5% de alta na movimentação de mercadorias. Foram 18,2 milhões de toneladas de produtos movimentados nos cinco primeiros meses do ano, contra 17,3 milhões de toneladas no mesmo período de 2012. Entre os destaques, o milho continua em alta, totalizando 2,1 milhões de toneladas exportadas por Paranaguá até maio deste ano, volume 186% superior ao registrado no mesmo período do ano passado.

Açúcar - As exportações de açúcar também registraram alta: foram 1,5 milhão de toneladas exportadas até agora, quantidade 75% maior em relação a 2012. As exportações de soja, somente no mês de maio, totalizaram 1,2 milhão de toneladas, volume 8% superior ao exportado em maio de 2012. As condições climáticas mais favoráveis permitiram a retomada nas exportações de grãos com maior agilidade. No entanto, no somatório do ano, as exportações de soja ainda apresentam queda: foram 3,4 milhões de toneladas exportadas em 2013 contra 4,2 milhões de toneladas no mesmo período do ano passado.

Importações – Considerando as importações, o destaque fica por conta dos fertilizantes que, até agora, somaram 3,8 milhões de toneladas movimentadas, volume 21% maior que o registrado no mesmo período do ano passado. (Assessoria de Imprensa da Appa)

 

CAPACITAÇÃO: Curso de extensão rural em produção animal tem início em Carambeí

Teve início, nesta terça-feira (11/06), em Carambeí, região paranaense dos Campos Gerais, o primeiro curso de extensão rural em produção animal promovido pelo Sistema Ocepar, sob a coordenação do Sescoop/PR. A turma, composta por 22 técnicos da Batavo e Castrolanda, participou, ao longo do dia, do primeiro módulo da capacitação, que abordou o tema “Ganhando a confiança do integrado”. O assessor técnico da Ocepar, Alexandre Amorim, acompanhou as atividades. Ao todo serão quatro módulos, sendo que os demais vão tratar de Qualidade na comunicação; Ferramentas de gestão rural e Planejamento pessoal, profissional e financeiro, somando ao final carga horária de 32 horas/aula, por turma. Durante o ano, estarão em andamento quatro turmas, sendo  mais duas em Cascavel, que começam a ser capacitadas nos dias 14 de junho e 26 de agosto, e outra em Castro, com atividades iniciadas a partir do dia 9 de setembro. Os treinamentos tem por objetivo desenvolver competências para criação e manutenção de um ambiente favorável à realização da extensão rural. Em cada turma deve ser capacitada uma média de 25 profissionais de cooperativas. 

{vsig}noticias/2013/06/12/capacitacao/{/vsig}

PARQUE DAS ARAUCÁRIAS PR/SC: Sicredi é finalista do prêmio Andef 2013

andef 12 06 2013A cooperativa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC, com o case “Saúde cooperativa: informando e prevenindo”, é uma das finalistas da 16ª edição do prêmio Andef (Associação Nacional de Defesa Fitossanitária), no segmento Cooperativismo e Responsabilidade Social. Neste anom o prêmio destaca a Inovação e Sustentabilidade: uma Nova Revolução Verde. Os vencedores em cada categoria serão conhecidos durante cerimônia em 24 de junho no Esporte Clube Sírio, em São Paulo.

Segmento - O prêmio anual destina-se aos segmentos Revenda/Distribuidoras Agropecuárias e Cooperativismo, Jornalistas e Instituições de Ensino Superior, nas categorias Boas Práticas Agrícolas, Responsabilidades: Ambiental e Social, Matéria Jornalística e Projetos.  A Sicredi Parque das Araucárias concorre em Responsabilidade Social, com um projeto iniciado no ano de 2012, o qual leva informações, por meio de palestras sobre prevenção ao câncer e outras doenças às comunidades de 18 municípios nos quais atua no Paraná e Santa Catarina.

Envolvimento e voluntariado - Iniciado como uma ação informativa em parceria principalmente com o Grupo Gama, de Pato Branco, que orienta e recebe pacientes em tratamento de câncer na Casa de Apoio, o trabalho foi ganhando corpo e envolvendo, além dos colaboradores da cooperativa, membros de Clubes de serviço, secretarias municipais de Saúde e Ação Social e Associações Comerciais. No primeiro ano mais de 600 pessoas receberam orientação e ao longo de 2013 este número será ainda maior.

Eventos - Em dois eventos promovidos nos meses de maio e junho nas cidades de Coronel Domingos Soares e Coronel Vivida, em torno de 350 mulheres já assistiram às palestras e, em contrapartida contribuíram com doações destinadas à Casa de Apoio do Gama. “Esta parceria é muito bem-vinda e o nosso trabalho é alertar às pessoas para a prevenção, a partir do que, muitas vidas podem ser salvas”, observa a presidente do Gama e palestrante, Antonieta Chioquetta.

Responsabilidade - Para a cooperativa, presidida pelo produtor rural Clemente Renosto, é uma forma que a instituição tem de estar próxima da comunidade, levando informação, prevenindo e cumprindo com a responsabilidade social. “São ações como estas, as quais levam qualidade de vida às pessoas, que mostram nossos diferenciais e princípios, entre eles o interesse pela comunidade, bastante forte no nosso dia a dia”, afirma o presidente. A cooperativa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC, tem mais de 31 mil associados e possui Unidades de Atendimento em 18 cidades nos estados do Paraná (Sudoeste) e Santa Catarina (Oeste e Meio-Oeste) e conta com 19 Unidades de Atendimento. (Imprensa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC)

 

COPAGRIL: Cooperativa participa de campanha que incentiva uso de sacolas retornáveis

Uma grande campanha de incentivo ao uso de sacolas retornáveis será desenvolvida, a partir desta semana, em Marechal Cândido Rondon, oeste paranaense. A promoção é do Rotary Club Beira Lago, da Associação de Senhoras de Rotarianos (ASR) e da Associação Comercial e Empresarial (Acimacar), com apoio de supermercados e patrocinadores. O lançamento da ação inédita no município foi segunda-feira (10/06), na Casa da Amizade, ocasião em que estiveram reunidos representantes de todos os parceiros no projeto. Conforme a presidente da ASR, Edileuza Seidel, a partir da campanha será distribuído pelos supermercados participantes um total de 10 mil sacolas retornáveis. A iniciativa tem o propósito de promover a conscientização da população sobre a importância de optar pelas bolsas reutilizáveis ao invés de sacolas plásticas.

Matéria-prima - As bolsas do projeto são feitas de polipropileno e carregam a inscrição: “Sou consciente, uso sacola retornável”. Edileuza adianta que são sacolas bonitas para que a população realmente “compre” a ideia. “Pensamos em fazer algo bonito para que as pessoas tenham até vontade de colecionar”, revela.

Três sorteios -A partir de R$ 200 em compras, os clientes dos supermercados Allmayer, Ruzza, Rimmava, Copagril e Cercar receberão uma bolsa retornável. Cada vez que o consumidor voltar aos supermercados utilizando a sacola que recebeu anteriormente, receberá um cupom para concorrer ao sorteio de vales-compras, que totalizarão R$ 13,8 mil. Segundo Edileuza, durante a campanha serão realizados três sorteios: um no mês de julho, no valor de R$ 5 mil; outro em outubro, no valor de R$ 3,8 mil; e o último em dezembro, somando outros R$ 5 mil. “Nossa intenção é fazer com que as pessoas criem o hábito de levar as sacolas retornáveis ao supermercado. Esperamos que tenha uma ampla adesão”, declara.

Palestras - Conscientizar estudantes sobre os malefícios que as sacolas plásticas oferecem ao meio ambiente, a importância da redução da produção de lixo e a necessidade de separação entre material orgânico e reciclável também fazem parte da campanha. Para isso, os acadêmicos do curso de agronomia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) realizarão palestras em escolas rondonenses. “Esperamos que haja redução do uso de sacolas plásticas que chegam aos aterros, assim como sacolas jogadas em vias públicas”, afirma Edileuza. A campanha tem patrocínio da Itaipu, do Sicoob, do Sicredi e da prefeitura de Marechal Cândido Rondon. (Imprensa Copagril)

{vsig}noticias/2013/06/12/copagril/{/vsig}

LARANJA: Citricultores debatem prevenção ao greening na sexta-feira, em Paranavaí

Para enfrentar o avanço do greening, a mais temida doença da citricultura, nos pomares das regiões Noroeste e Norte do Paraná, o governo do Estado promove sexta-feira (14/06), em Paranavaí, e no dia 20, em Londrina, principais polos produtores do Estado, eventos técnicos com a participação de proprietários de pomares e especialistas da área. O objetivo é conscientizar os citricultores sobre a necessidade urgente de desenvolverem um trabalho mais eficaz em conjunto visando a prevenção da enfermidade. A iniciativa é da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (Seab), Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná), Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) e Instituto Emater, com apoio das cooperativas Cocamar, Cocari e Integrada, empresa Citri e a colaboração do Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus).

Locais - Em Paranavaí o evento será às 9h no Teatro Municipal Dr. Altino Afonso Costa e, no dia 20, em Londrina, mesmo horário, no Parque Internacional de Exposições Governador Ney Braga. Segundo os organizadores, a expectativa é que participem, no total, mais de 800 convidados, entre produtores e técnicos.

Unir - Segundo o engenheiro agrônomo José Croce Filho, coordenador Estadual da Sanidade da Citricultura, o sistemático trabalho preventivo realizado em conjunto pelos produtores é a única forma de reduzir a ação do psilídeo – o inseto vetor que origina a doença a partir de uma bactéria. “Quando todos fazem a pulverização ao mesmo tempo, de uma forma bem organizada, as chances de controlar o inseto são maiores”, acrescenta Croce.

Erradicação - Os eventos vão deliberar também sobre a necessidade de erradicação de plantas e/ou alguns pomares infectados e que contribuem para a propagação da doença. O greening já está presente em pelo menos 2% dos pomares da região Noroeste do Paraná, segundo avaliação do coordenador, que estima em 4% a intensidade da doença nos pomares citrícolas no Norte do Estado.

Índice - Segundo Croce, dados do Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus) apontam que o índice de pomares doentes é de 6% no Estado de São Paulo, principal produtor mundial de suco de laranja. Croce ressalta a importância dos eventos e diz que as autoridades dos municípios produtores de laranja precisam mobilizar-se, divulgando a iniciativa e pedindo a participação dos citricultores. “Todos devem colaborar para que consigamos atingir ao objetivo de buscar mais eficácia na prevenção”, completa. (Imprensa Cocamar)

VBP: Valor da produção das lavouras aumenta 9,8% em relação ao ano passado

O Valor Bruto de Produção (VBP) das lavouras brasileiras neste ano deve somar R$ 271 bilhões, valor 9,8% superior aos R$ 246,9 bilhões registrados em 2012. A estimativa foi divulgada na segunda-feira (10/06), pela Assessoria de Gestão Estratégica do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (AGE/Mapa). “Como a safra de grãos 2012/13 está praticamente concluída, restando apenas informações das lavouras de inverno e do milho de segunda safra, o valor da produção daqui em diante tende a se estabilizar, a menos que haja eventos não esperados que possam mudar essa tendência”, explicou o coordenador de Gestão Estratégica do Mapa, José Garcia Gasques.

Aumento real - A maior parte dos produtos pesquisados apresentou aumento real do valor da produção neste ano. Os maiores destaques são a batata-inglesa, 31%; laranja, 30,1% e tomate, 82,3%. Um grupo de sete produtos tem perspectiva de crescimento menor, mas também expressivo: banana, 8,9%; arroz, 7,9%; cana- de-açúcar, 9,4%; feijão, 10,3%; fumo, 18,2%; milho, 11,8% e soja. 17,1%.

Tendência - Os resultados dos valores da produção regionais mostram uma ligeira tendência de queda do valor da região Norte, com redução de 0,7% em relação ao ano passado, e de aumento no Centro Oeste (2,3%), Sul (27%), Sudeste (14,1%) e Nordeste (9,7%). “Importante destacar que os aumentos de valor da produção esperados no Sul e Sudeste devem-se principalmente ao desempenho desfavorável dessas regiões no ano passado”, ressalta Gasques. Ainda de acordo com ele, o resultado do Nordeste deve-se às perdas na região devido à seca, principalmente em relação ao milho.

Levantamento - O resultado leva em conta os levantamentos da safra de março realizados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), além dos preços pagos aos produtores. Como o VBP mede a evolução do desempenho das lavouras ao longo do ano, é normal que as mudanças dos preços dos produtos e as quantidades previstas de produção afetem os valores do estudo feito mensalmente. (Mapa)

Cliqueaquipara baixar as tabelas do VBP de maio

AGRONEGÓCIO: Nova soja estreia sob pressão de lagartas

agronegocio 12 06 2013A soja transgênica Intacta RR2 PRO, que acaba de ser aprovada pela China e será produzida pela primeira vez em larga escala no Brasil a partir de setembro, chega ao campo com atraso de três safras e sob forte pressão de insetos, que ameaçam abreviar a “vida útil” da tecnologia. Ao mesmo tempo em que comemora a aprovação chinesa, a Monsanto, que desenvolveu a segunda geração de soja geneticamente modificada do Brasil, manifestou nesta terça-feira (11/06) preocupação com a proliferação da Helicoverpa armigea, lagarta que atacou fortemente a Bahia e atingiu os estados líderes na sojicultura como Paraná e Mato Grosso.

Orientação - “Precisamos investir muita energia e recurso para ajudar o produtor a saber como usar essa tecnologia [da soja Intacta], para que ela não se perca”, disse Márcio Santos, diretor de Produtos da Monsanto no Brasil. Ele considera que sem controle integrado de pragas ou sem adoção de áreas de refúgio (redutos de soja não-resistente a insetos, onde linhagens vulneráveis possam se perpetuar), a propriedade embutida nas sementes que mata os insetos passará a não fazer mais efeito.

120 mil toneladas de sementes da Intacta estão prontas para serem vendidas pela Monsanto. A multinacional ainda não definiu o preço, mas estima que o volume será suficiente para suprir plantações de 2,5 milhões de hectares no Brasil, do Rio Grande do Sul ao Tocantins.

Autorização - O cultivo comercial da Intacta foi autorizado em 2010 pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), mas somente em 2012 o produto teve autorização para consumo na Europa, segundo maior mercado importador de grãos do Brasil. Sem aprovação da China, a Monsanto manteve a produção em fase de testes nas lavouras brasileiras em 2012/13. Agora, três safras depois da avaliação da CTNBio, é que a semente vai ganhar escala nas lavouras brasileiras. O diferencial sobre a primeira soja transgênica – a RR1, tolerante ao herbicida glifosato, plantada por sete safras –, é justamente a resistência a insetos.

Assunto mais comentado - A nova soja se tornou o assunto mais comentado no Caminhos da Soja no Brasil, encontro chancelado pelo jornal Valor Econômico que reuniu três ex-ministros da Agricultura (Alysson Paolinelli, Francisco Turra e Pratini de Moraes) – e referências em pesquisa. O chefe-geral da Embrapa Soja, Alexandre Cattelan, disse que a semente Cultivance, que a instituição desenvolveu em parceria com a Basf e que também acaba de ser liberada para consumo na China, terá de esperar aprovação na Europa para começar a ser multiplicada.

Sementes - Ao todo, 1,5 mil produtores participaram dos testes da Intacta, que foi colhida e armazenada por sete empresas durante as safras passadas. São 120 mil toneladas ou dois navios carregados de Intacta, volume suficiente para plantar 2,5 milhões de hectares no país. O preço da tecnologia deve ser definido até a próxima semana. (Gazeta do Povo)

 

SANIDADE: Paraná inicia no sábado o vazio sanitário da soja

sanidade 12 06 2013Fiscais da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) estarão em campo a partir deste sábado (15/06) para fiscalizar a prática do vazio sanitário da soja, período em que fica proibida no Estado a presença de plantas vivas de soja. A proibição é válida até 15 de setembro e os produtores têm o papel de cumprir as normas na sua propriedade, além de denunciar a prática irregular em propriedades vizinhas.

Objetivo - Instituído pela Resolução 120 de 2007 e em prática desde 2008, o vazio sanitário tem como objetivo retardar ao máximo o aparecimento do fungo causador da ferrugem asiática, doença que ataca a cultura e causa sérios prejuízos econômicos aos produtores. A engenheira agrônoma Maria Celeste Marcondes, da Adapar, explica que o não cumprimento das determinações da resolução acarreta, além da multa, em gastos posteriores com produtos químicos para controlar o fungo.

Problema sério - “A ferrugem asiática é um problema sério no cultivo de soja e o não cumprimento do vazio sanitário tanto na propriedade quanto em localidades próximas causará prejuízos ao agricultor. Sendo ele o maior beneficiário desta ação, é importante que fique atento e cumpra as normas na sua propriedade e lembre os seus vizinhos”, alerta Marcondes. O produtor que se sentir prejudicado pelo descaso de vizinhos poderá fazer denúncia às Unidades de Sanidade Agropecuária da Adapar, nos Núcleos Regionais da Secretaria da Agricultura ou da Emater.

Autuação e multa - Se for constatada a presença de plantas vivas de soja em lavouras, carreadores, às margens de ferrovias e estradas municipais, estaduais ou federais, os responsáveis poderão ser autuados e multados. A autuação confere ao responsável 15 dias para apresentar defesa e eliminar as plantas. Caso o problema não seja resolvido neste período, a medida é a aplicação de multa, que pode variar de R$ 220 a R$ 12 mil, de acordo com atenuantes e agravantes. Os casos mais graves podem levar até mesmo à interdição da propriedade rural e à proibição de acesso ao crédito rural.

Contribuição - A Adapar conta com a contribuição dos Conselhos Municipais de Sanidade Agropecuária (CSAs), e da assistência técnica, que vão alertar e orientar produtores sobre a importância de cumprir as normas do vazio sanitário da soja. FUNGO – Maria Celeste explica que se o fungo que causa a ferrugem asiática não tiver o hospedeiro, que é a planta viva de soja, ele não sobrevive. Respeitando-se o período do vazio sanitário, conforme recomenda a pesquisa agronômica, na safra normal de soja acontecerá o retardamento do aparecimento da doença, o que acarretará numa menor quantidade de aplicação de produtos químicos para o controle e, consequentemente, um menor custo de produção, respeitando-se o meio ambiente.

Estados - O vazio sanitário é uma medida sanitária no manejo da ferrugem asiática que vem sendo adotada em 11 estados produtores de soja (Paraná, Tocantins, Maranhão, Bahia, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina). O Paraná tem grande importância no combate à ferrugem asiática, já que é o segundo maior produtor do grão do país, sendo responsável por 19% de toda a produção brasileira.

Multa – A engenheira agrônoma também alerta os produtores em relação à multa que poderá ser aplicada caso não seja cumprido o período do vazio sanitário. Para este ano, os valores subiram para mais de 400% em relação ao valor mínimo e 240% sobre o valor máximo dos praticados em 2012. Durante o vazio sanitário do ano passado, os preços praticados variavam de R$ 50 a R$ 5 mil, já para 2013 quem infringir a lei poderá ser punido em valores que variam de R$ 220 a R$ 12 mil. (Agência de Notícias do Paraná)

 

MEIO AMBIENTE: Paraná institui comissão organizadora da Conferência Estadual

O secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Luiz Eduardo Cheida, assinou nesta terça-feira (11/06) a resolução que institui no Paraná a Comissão Organizadora Estadual da 4ª Conferência de Meio Ambiente, que acontecerá em 5 e 6 de setembro, em Foz do Iguaçu. "A Secretaria do Meio Ambiente, responsável por nortear as diretrizes da política ambiental do Paraná, mobiliza-se neste momento para articular, em conjunto com os municípios e a sociedade paranaense, a realização da Conferência Estadual, que tem como objetivo principal contribuir para a implementação da Lei 12.305/2010, que cria a Política Nacional de Resíduos Sólidos", destaca o secretário Cheida.

Função - A função da Comissão Organizadora é coordenar a conferência com base nos quatro eixos definidos pelo Ministério do Meio Ambiente - produção e consumo sustentáveis, redução dos impactos ambientais, geração de emprego e renda e educação ambiental.  O desafio é debater uma das principais preocupações ambientais do Estado, que é a geração e o tratamento dos resíduos sólidos", afirma o coordenador de resíduos sólidos da Secretaria do Meio Ambiente, Laerty Dudas.

Eventos macrorregionais - Antes da 4ª Conferência Estadual de Meio Ambiente, o Paraná realizará, entre 2 de junho e 9 de agosto, cinco etapas de conferências macrorregionais. A 4ª Conferência Nacional será no mês de outubro, em Brasília.

Composição - Formada por representantes de órgãos estaduais, universidades e organizações não governamentais, a Comissão Organizadora Estadual vai planejar as ações referentes às conferências municipais e à estadual, que envolvem a elaboração do projeto executivo das conferências, captação de recursos via parcerias públicas e provadas, acompanhamento das subcomissões e demais questões relacionadas ao processo de organização das conferências.

Participação - "O objetivo principal da coordenação executiva é garantir a participação de todos os municípios paranaenses no processo das conferências e auxiliar cada região do Estado para que possam levantar as suas demandas locais relacionadas à gestão dos resíduos sólidos urbanos e rurais de forma eficiente e eficaz", explica Rosana Castella, presidente da Comissão.

Entidades - A comissão é composta por representantes de 22 entidades. Além da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos e suas autarquias, estão representados outros órgãos estaduais como as secretarias estaduais de Educação, Casa Civil, Relações com a Comunidade, Emprego, Renda e Economia Solidária, Sanepar, Provopar, Copel e Cohapar. Ainda fazem parte da Comissão a Itaipu Binacional, ongs ambientais e universidades. O grupo está divido em coordenação executiva e quatro subcomissões: Comunicação, Articulação e Mobilização, Sistematização e Infraestrutura.

Conferências municipais - Todos os municípios paranaenses devem realizar, no mês de junho, as suas conferências municipais, que servem de preparação para as conferências macrorregionais. Um dos primeiros desafios da Comissão Organizadora Estadual será o de convocar os agentes municipais para a quinta e última etapa do curso de metodologia para conferências municipais, realizada em 21 de junho, em Curitiba. "Será uma oportunidade para quem ainda não participou da capacitação e um reforço para aqueles que quiserem participar pela segunda vez", explica Dudas.

Etapas - A Coordenação de Resíduos Sólidos da Secretaria do Meio Ambiente ofereceu outras cinco etapas da capacitação nas cidades de Guarapuava, Londrina, Ponta Grossa, Maringá e Santa Helena. (Agência de Notícias do Paraná)

ARGENTINA: Empresários suspenderão venda de carnes e grãos por 7 dias

As principais entidades patronais do setor agropecuário da Argentina anunciaram nesta terça-feira (11/06) que irão paralisar por sete dias a comercialização de carnes e grãos no país. A medida começa a vigorar neste sábado. A medida não deve afetar os embarques de exportação, uma vez que os exportadores possuem estoques para o período, segundo avaliação dos organizadores. Será mantida a comercialização de frutas e hortaliças. No ano passado, também em junho, os dirigentes rurais organizaram um panelaço contra a presidente Cristina Kirchner, como protesto contra as restrições cambiais. Desta vez, a manifestação esta sendo convocada contra as pressões feitas pelo governo para que os agricultores acelerem a liquidação da safra de grãos. As vendas da colheita de soja estão em ritmo mais lento porque os agricultores acreditam que há chance de o governo promover, em médio prazo, uma desvalorização do peso. (Valor Econômico)

BRASIL: Dilma vai anunciar pacote de medidas fiscais até sexta-feira

Convencida de que o governo precisa dar um sinal forte na área fiscal, a presidente Dilma Rousseff anunciará até sexta-feira (12/06) medidas para fortalecer as contas públicas. O anúncio deve ser feito pela própria presidente, para mostrar o compromisso com a austeridade fiscal.

Itens - O cardápio de medidas inclui o contingenciamento de despesas orçamentárias, a exemplo do que foi feito em agosto de 2011. Na ocasião, o contingenciamento, de R$ 10 bilhões, foi visto como crucial para o Banco Central iniciar o último ciclo de redução da Selic. Agora, segundo informaram ao Valor fontes do governo, Dilma chegou à conclusão de que precisa fazer um esforço fiscal para auxiliar o BC a controlar a demanda, reduzir a inflação e melhorar as expectativas dos agentes econômicos.

Ajuda - A ajuda do setor público no controle da demanda se tornou premente depois que o real, seguindo um movimento global nos últimos dias, começou a perder valor em relação ao dólar. O governo acredita que um ajuste fiscal ajudará a melhorar a imagem do país para as agências de classificação de risco - na semana passada, a Standards & Poor's piorou a perspectiva da nota brasileira.

Superávit primário - Outra medida avaliada pelo governo é o anúncio de uma meta crível de superávit primário para o ano, sem manobras contábeis. Além disso, pretende-se usar R$ 10 bilhões a R$ 15 bilhões que serão arrecadados com o bônus dos leilões do de Libra, no pré-sal, para reforçar o caixa.

Reconhecimento - Ao decidir por um reforço na área fiscal e reassumir o compromisso com uma meta de superávit primário transparente, a presidente reconhece que a experiência conduzida pelo secretário do Tesouro, Arno Augustin, não foi bem-sucedida. O embate entre Augustin e Nelson Barbosa, ex-secretário-executivo do Ministério da Fazenda, que advogava redução temporária da meta previamente anunciada e exaustivamente explicada, levou à sua demissão do cargo.  (Valor Econômico)

LEGISLATIVO I: Câmara conclui votação da MP que desonera produtos da cesta básica

legislativo I 12 06 2013O plenário da Câmara concluiu, na noite desta terça-feira (11/06), a votação das emendas e destaques que pretendiam alterar o texto aprovado pelos deputados da Medida Provisória (MP) 609, que desonera produtos da cesta básica e permite ao governo subsidiar a redução da conta de luz com recursos da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). Com isso, a MP segue agora para apreciação do Senado Federal.

Categorias - A medida provisória aprovada pelos deputados desonera 41 categorias de produtos das contribuições do PIS/Pasep e da Cofins, enquanto o texto original do governo previa a desoneração de 19 categorias. De acordo com o líder do PT, deputado José Guimarães (CE), não há compromisso do governo sancionar todas as desonerações incluídas na MP pelo Congresso. Segundo ele, a equipe econômica vai analisar as alterações para verificar os itens que serão acolhidos pelo governo.

Dispositivo - Nas votações das emendas e dos destaques, os deputados aprovaram um dispositivo incluindo no rol das desonerações as fraudas geriátricas. Os parlamentares aprovaram destaque para retomar o texto original da MP a fim de permitir a aplicação da isenção do PIS/Pasep e da Cofins para os óleos vegetais brutos, o que favorece o pequeno produtor. Em outra votação, aprovaram destaque para excluir os óleos vegetais brutos dentre os produtos que podem gerar crédito presumido do PIS/Pasep e da Cofins na compra de insumos para a sua produção.

Repasse - Para o líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), há chances de vetos das desonerações a produtos não acordados com o governo. Segundo ele, é preciso garantir que as desonerações constantes da MP sejam repassadas para o consumidor de forma a baratear os produtos. “Há temor de que as desonerações beneficiem quem produz, mas não quem vai adquirir o produto”, disse. (Agência Brasil)

 

LEGISLATIVO II: Oposição faz obstrução por regras para votação de vetos

Os partidos de oposição na Câmara dos Deputados anunciaram nesta terça-feira (11/06) que vão obstruir todas as sessões do Congresso Nacional enquanto não forem definidas regras para análise dos vetos presidenciais. O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, disse que pretende se reunir com o presidente do Congresso, Renan Calheiros, nesta quarta-feira (12/06), para buscar uma alternativa.

Impasse - O impasse sobre a apreciação de vetos surgiu em meio à votação dos vetos à Lei do Royalties do Petróleo. Enquanto os estados não produtores queriam a derrubada dos vetos, os produtores recorreram ao Supremo Tribunal Federal reivindicando votação em ordem cronológica, retardando a decisão.

Pedido - O pedido foi aceito pelo ministro Luiz Fux, mas derrubado, posteriormente, pelo plenário do Supremo. Com isso, permaneceu o impasse sobre os procedimentos a serem seguidos em relação à deliberações dos vetos. “Vou agendar uma reunião com o Renan Calheiros porque os líderes querem uma definição. Este é um problema do presidente do Congresso Nacional e o abacaxi quem tem que descascar é ele”, pontuou Henrique Alves.

Análise - “Vamos obstruir todas as sessões do Congresso Nacional, inclusive das comissões mistas de medidas provisórias e as reuniões da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). A presidenta tem todo o direito de vetar o que bem entender, mas o Congresso tem direito e o dever de analisar os vetos”, disse o líder do PSDB, Carlos Sampaio (SP).

Situação delicada - O líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), admitiu que a apreciação dos vetos é “situação naturalmente delicada”, e ressaltou que todo o governo não quer vetos derrubados. “Qualquer governo tem que se preocupar com os vetos pelo óbvio: se vetou é natural que queira que sua opinião seja a prevalente”, ponderou.

Oposição - O líder do DEM, Ronaldo Caiado (GO), disse acreditar que, com a obstrução às sessões do Congresso, o governo tentará culpar a oposição pelo fracasso da política econômica. “Amanhã, o governo vai reunir toda a imprensa para dizer que a oposição está dificultando a votação da LDO, em um momento de crise, em que a presidenta perde popularidade e que estamos jogando o jogo do quanto pior melhor. Na verdade o que ocorrer é que o presidente do Congresso Nacional engaveta os vetos”, argumentou Caiado.

Constituição - De acordo com a Constituição, o Congresso Nacional só pode entrar em recesso, previsto para o período de 18 a 31 de julho, se aprovar a LDO até o dia 17. Se confirmada a obstrução, o prazo pode ser descumprido e os parlamentares sem o recesso do meio do ano. (Agência Brasil)

CNI: Atividade industrial registra o maior crescimento em três anos

Depois de um início de ano fraco, a atividade industrial registrou o maior crescimento em três anos, informou nesta terça-feira (11/06) a Confederação Nacional da Indústria (CNI). De acordo com os Indicadores Industriais, pesquisa mensal sobre o desempenho do setor, o número de horas trabalhadas (que mede a produção industrial) aumentou 2,9% em abril na comparação com março. A expansão é a maior de um mês para o outro desde março de 2010, quando o indicador tinha avançado 3%. Os dados são desassonalizados e, portanto, desconsideram as oscilações típicas de determinada época do ano. Segundo a CNI, houve crescimento das horas trabalhadas em 17 dos 21 setores da indústria pesquisados. Em março, apenas seis segmentos tinham registrado aumento no indicador.

Outros indicadores - O desempenho positivo também refletiu-se em outros indicadores divulgados pela CNI. O faturamento real – descontada a inflação – da indústria aumentou 5% em abril em relação a março. Essa expansão recuperou o nível registrado em agosto do ano passado, quando o crescimento também tinha ficado em 5%. Nos quatro primeiros meses do ano, o faturamento real aumentou 6,8% na comparação com o primeiro quadrimestre de 2012.

Sem retração - O emprego industrial cresceu 0,7%, sem retração pelo oitavo mês seguido. A massa salarial da indústria aumentou 0,4%, com alta pelo terceiro mês consecutivo. A utilização da capacidade instalada atingiu 83,3% em abril. De acordo com a CNI, é o maior nível desde junho de 2011.

Consistente - Mais cedo, o presidente da CNI, Robson Andrade, disse que a recuperação, apesar de lenta, é consistente com a retomada do crescimento da economia. Ele, no entanto, ressaltou que ainda é cedo para avaliar se a indústria continuará a expandir-se na mesma intensidade nos próximos meses. Andrade participou de reunião com o ministro da Fazenda, Guido Mantega. (Agência Brasil)

12 DE JUNHO II: Evento de conscientização contra trabalho infantil é realizado em Curitiba

A Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Paraná (SRTE/PR) está promovendo, nessa quarta-feira (12/06), das 9h às 16h, na Praça Rui Barbosa, no centro de Curitiba, ato contra todas as formas de trabalho infantil. A atividade, com ênfase no trabalho infantil doméstico e aberto ao público em geral, é em alusão à data de 12 de junho, Dia Mundial de Combate à prática. O encontro de conscientização e de educação cujo slogan “Tem Criança que Nunca pode Ser Criança” foca a realidade do trabalho infantil no Brasil. Durante o evento, estão sendo realizadas várias atividades, como plantão fiscal para atendimento à população sobre questionamentos e dúvidas, exposições e seminários.

Cenário - Em outubro, o Brasil sediará a III Conferência Global sobre Trabalho Infantil. O encontro reunirá representantes de diversos países com o objetivo de trocar conhecimentos e debater os desafios ligados à erradicação do trabalho infantil. Saída mais ( http://www.fnpeti.org.br/12dejunho). (Assessoria de Imprensa da SRTE/PR)

 

trabalho infantil 12 06 2013

 


Versão para impressão


Assessoria de Imprensa do Sistema Ocepar - Tel: (41) 3200-1150 / e-mail: imprensa@ocepar.org.br