Imprimir
Sistema Ocepar - Paraná Cooperativo - Informe Diário

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 3149 | 02 de Agosto de 2013

SISTEMA OCEPAR: Próxima reunião ordinária da diretoria acontece dia 12 de agosto

sistema ocepar 02 08 2013Será realizada, no dia 12 de agosto, às 9h, a 28ª Reunião ordinária da diretoria da Ocepar - gestão 2011/2015, na sede da entidade, em Curitiba. Na oportunidade, haverá uma apresentação sobre os danos causados pelas geadas nas lavouras do Paraná. Também serão discutidos temas ligados às ações da OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras) e do G7, grupo formado por lideranças representativas do setor produtivo, entre elas, a Ocepar. Na sequência, acontece a reunião da Fecoopar. Às 14 h, os conselheiros do Sescoop/PR participam da 15ª Reunião ordinária do Conselho Administrativo, quando será feito um relato do trabalho realizado na entidade pela Controladoria Geral da União (CGU), discutidas e aprovadas resoluções e portarias internas e debatida a reformulação do planejamento de atividades de 2013, entre outros itens.  

 

ABAG: Diretor da Ocepar será um dos debatedores do Congresso de Agronegócio

O diretor do Sistema Ocepar e presidente da Cooperativa Agrária, Jorge Karl, vai participar do 12º Congresso Brasileiro do Agronegócio, Logística e Infraestrutura, que acontece na próxima segunda-feira (05/08), em São Paulo. Karl será um dos debatedores do painel cujo tema é “As oportunidades e as dificuldades para o aumento da oferta”, juntamente com Afonso Mamede, presidente da Sobratema, Carlos Fávaro, presidente Aprosoja (MT) e José Ronaldo Vilela Rezende, Sócio da PWC - Líder de Agronegócio. O jornalista William Waack será o mediador. O evento é promovido pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) e conta com patrocínio da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) que, na ocasião, estará representada pelo seu presidente, Márcio Lopes de Freitas.

Tempo real - O evento será transmitido em tempo real pela internet. Para assistir ao Congresso via web basta acessar o site www.abag.com.br/cba e após o preenchimento do cadastro, o usuário receberá uma senha para acompanhar as transmissões. Clique aqui para conferir mais informações sobre o evento.

 

SICREDI UNIÃO PR/SP I: Koslovski participa de reunião do Conselho Administrativo

O presidente do Sistema Ocepar, João Paulo Koslovski, participou da reunião do Conselho Administrativo da Sicredi União PR/SP, no último dia 29 de julho, em Maringá, Noroeste do Estado. Os conselheiros aproveitaram para conversar com ele sobre várias questões ligadas ao cooperativismo paranaense. Ao final do encontro, o presidente da Ocepar foi homenageado com um troféu, entregue pelo presidente da cooperativa, Wellington Ferreira. O presidente da Cocamar, Luiz Lourenço, também prestigiou a reunião. 

 

sicredi uniao I 02 08 2013

 

SICREDI UNIÃO PR/SP II: Cooperativa agora atua também no Centro-Leste paulista

Cooperativas paranaenses do Sistema Sicredi estão ajudando a desenvolver o cooperativismo de crédito no Estado de São Paulo e mais um passo nesse sentido foi dado na noite desta quinta-feira (01/08), em Maringá (PR). Durante Assembleia Geral Extraordinária conjunta que reuniu mais de 500 convidados, a Sicredi União PR/SP oficializou sua união com a Sicredi Integradas Centro-Leste Paulista, com sede em Limeira e atuação em 33 municípios. Com isso, a cooperativa, nascida há 28 anos em Maringá e dona de 62 unidades de atendimento no Noroeste e no Norte do Paraná, volta suas atenções também para uma das regiões mais prósperas do Estado vizinho.

Orgulho -  “Estamos orgulhosos por participar de um momento histórico e tão importante”, comentou o presidente da cooperativa, Wellington Ferreira, enfatizando que a instituição ganha ainda mais musculatura e competitividade. Com a junção, ela passa a ter 80 mil associados e ativos da ordem de R$1,5 bilhão, 69 unidades, R$ 145,2 milhões de patrimônio líquido, R$ 827 milhões em operações de crédito e R$ 1 bilhão em recursos captados. Sua área compreende agora 108 municípios onde vivem 3,4 milhões de habitantes e terá uma equipe de 574 colaboradores.

Processo - Ferreira lembrou que o processo para viabilizar a união entre as duas cooperativas demandou estudos de posicionamento mercadológico, análise econômico-financeira, apresentação de uma proposta em 48 reuniões com total de 9 mil associados e envio de projeto ao Banco Central, que concedeu a autorização.

PIB - De acordo com o presidente, a região Centro-Lste paulista possui um PIB superior a R$ 51 bilhões, volume que é praticamente o dobro em comparação à soma do noroeste e norte do Paraná. “Em três ou quatro anos pretendemos ter, lá, pelo menos 20 unidades de atendimento”, acrescentou. Ele disse também que as perspectivas são muito promissoras: enquanto no noroeste e no norte paranaenses a participação da Sicredi União (agora PR/SP) já é de 7,07% e 3,44%, respectivamente, no interior paulista “há todo um trabalho a ser feito, seremos do tamanho que quisermos”.

Abertura de unidades - O diretor regional Constantino Júnior, responsável pela nova região, informou que a cooperativa vai abrir, nos próximos meses, unidades de atendimento em Piracicaba, Espírito Santo do Pinhal, Vargem Grande e São José do Rio Pardo.

Presenças -  À AGE compareceram associados do Centro-Leste paulista, que vieram também conhecer a estrutura da Sicredi União PR. Um deles, José Eduardo Delgados, de 52 anos, é dono de uma consultoria e assessoria empresarial em Limeira e associado há 6 anos. Para Delgados, a união “é salutar”: “Meus negócios estão todos concentrados no Sicredi e tenho certeza que agora vamos crescer muito”.

Fortalecimento -  Também no evento, o presidente da Central Sicredi PR/SP, Manfredo Alfonso Dasenbrok, disse que a chegada da Sicredi União PR ao interior paulista “vai fortalecer o cooperativismo de crédito na região e fazer a diferença”. Segundo ele, a atuação do sistema é ainda recente ali e precisa desenvolver-se.

Lourenço -   O “momento histórico” foi também ressaltado pelo presidente da Cocamar, Luiz Lourenço, que participou da fundação da cooperativa de crédito, da qual é associado número 6. Ele se recordou das dificuldades, no início, para convencer um pequeno grupo de produtores de que a entidade seria viável. “É muito gratificante ver, agora, onde o Sicredi chegou”, disse.

Integrantes - Com a união, o Conselho de Administração da Sicredi União PR passa a contar com mais três integrantes: Clair Turazzi Filho, Januário César Crescitelli e Cláudio Miranda Leal, que integravam a diretoria da Sicredi Integradas. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

{vsig}noticias/2013/08/02/sicredi_uniao_II/{/vsig}

FRIMESA: Queijo parmesão conquista o título de melhor do Brasil

No último dia 18, durante o maior evento brasileiro de difusão de tecnologias de leite e derivados, realizado em Juiz de Fora, Minas Gerais, a Frimesa conquistou, novamente, o título de produtor do melhor queijo parmesão do Brasil. O reconhecimento se estende para toda a linha – peça, fatiado e ralado. O atestado de qualidade foi concedido durante o 40º Concurso Nacional de Produtos Lácteos e entregue pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais – Epamig – e pelo Instituto de Laticínios Cândido Tostes – ILCT.

Entre os melhores - A Frimesa está entre os melhores desde 2008, e já ganhou o título de produzir o melhor parmesão do país três vezes, tendo conquistado o título em 2008, 2011 e 2013. Para a Frimesa, o título valoriza o produto, ao mesmo tempo em que comprova o compromisso da empresa de desenvolver alimentos de qualidade. Esta é uma premiação conceituada entre as indústrias do setor laticinista de todo país.

Avaliação - O queijo parmesão da Frimesa venceu uma das dez categorias, no total concorreram 54 indústrias de oito estados. Foram avaliados quesitos como consistência, granulação da massa, sabor, aroma, textura e o aspecto geral do produto. O concurso acontece anualmente com o objetivo de avaliar a qualidade dos produtos lácteos disponíveis no mercado. (Imprensa Frimesa)

{vsig}noticias/2013/08/02/frimesa/{/vsig}

COAMO: Grande final da Copa de Futebol Suíço será neste sábado

Uma bonita festa está sendo preparada pela coordenação do cerimonial para a abertura da fase final da Copa Coamo de Cooperados – Futebol Suíço 2013. O evento será neste sábado, no ginásio da Arcam, em Campo Mourão, com início às 08h30. A expectativa é de que mais de três mil pessoas prestigiem a cerimônia  final da 12ª edição da Copa Coamo que consta com apresentações artísticas, entrada e desfile das delegações, entrada e hasteamento das bandeiras, entrada da chama olímpica e acendimento da pira, juramento do atleta, confraternização dos atletas, estão entre as atrações.

Abertura - Tradicionalmente, a abertura do evento chama a atenção de quem participa, e neste ano não deverá ser diferente. Porém, os detalhes são mantidos em sigilo pela organização. “Assim como nas edições anteriores, o cerimonial de abertura será um espetáculo à parte. Não podemos adiantar o tema e nem como serão as apresentações, mas posso garantir que quem assistir terá grandes surpresas e emoções”, comenta Paulo Gilmar Fuzeto, coordenador geral da Copa Coamo.

Festa do cooperativismo – “A cada edição da Copa Coamo um tema diferente é apresentado ao público, e o trabalho neste ano, a exemplo dos anteriores, foi realizado com muita dedicação para que tivéssemos um bonito e emocionante cerimonial coroando de êxito a festa do cooperativismo”, afirma Marcelo Sumiya, gerente de Assistência Técnica e presidente da Comissão Central Organizadora da Copa Coamo 2013. Logo após o cerimonial, serão realizadas as partidas de futebol suíço envolvendo os 33 campeões definidos nas sete etapas organizadas no Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina. Neste dia será conhecido o grande campeão da Copa Coamo, que está completando 20 anos de realização.

Integração - Realizada há 20 anos, a Copa Coamo se transformou no maior projeto de integração e lazer entre cooperados, familiares, diretores e funcionários. “Todas as regionais foram realizadas com muito sucesso. Contamos com grande participação de cooperados, familiares e comunidade em geral. O ponto alto, mais uma vez, foi a disciplina e o respeito entre os cooperados que protagonizaram belíssimas partidas de futebol e de integração entre o quadro social”, observa o presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini. (Imprensa Coamo)

COPA COAMO EM NÚMEROS

20 anos de realização;

Participação de 500 equipes;

7.500 atletas;

30.000 pessoas envolvidas entre atletas, cooperados, funcionários e familiares;

7 etapas com 33 regionais: 666 jogos, 1.688 gols, 319 cartões, dos quais apenas 5 vermelhos;

Início da Copa Coamo, 04 de maio

NA FINAL

33 campeões das regionais;

500 atletas;

44 jogos;

1.320 minutos de bola rolando (22 horas);

5 mil pessoas são esperadas durante o dia na Arcam;

Mais de 3 mil kg de carne para o almoço

{vsig}noticias/2013/08/02/coamo/{/vsig}

SICREDI FRONTEIRA: Unidade de Capanema comemora 22 anos

sicredi fronteira 02 08 2013A Unidade Sicredi de Capanema comemorou, na manhã do dia 31 de julho, 22 anos de serviços prestados aos seus mais de 3,8 mil associados. Para festejar em conjunto com a comunidade, foi preparado um café da manhã incluindo  bolo, refrigerantes, e uma ação denominada poupe e ganhe onde todos os depósitos realizados no período dão direto a brindes exclusivos. “Mais do que uma comemoração, a data representa a força da realização de um ideal coletivo iniciado em Julho de 1991”, destaca João Valdeci Delavi, gerente da unidade.

Reforço - Para José César Wunch, presidente da cooperativa o aniversário reforça sentimentos, tais como a perseverança, dedicação e união dos associados em prol da construção desta história, marcada por desafios e conquistas. Também é o momento de reconhecer que o crescimento da cooperativa caminha junto com o desenvolvimento sustentável da sua região.  “Nosso compromisso desde que nos instalamos neste município foi promover o crescimento e o desenvolvimento da comunidade, é um grande orgulho comemorar o aniversário de nossa primeira unidade de atendimento pioneira do cooperativismo de crédito na região, e perceber que estamos crescendo junto com nossos associados”, destacou César.

Recursos administrados - Afirmando este crescimento sólido, a cooperativa Sicredi Fronteira, que iniciou suas atividades em dezembro de 1990, administra atualmente R$ 324 milhões em ativos, com patrimônio líquido de mias de R$ 70 milhões. São 18 unidades de atendimento e 200 colaboradores promovendo os sonhos de mais de 32 mil associados. (Imprensa Sicredi Fronteira)

 

SICREDI AGROEMPRESARIAL: Especialista em etiqueta ministra palestra no VII Encontro das Mulheres

A Sicredi Agroempresarial PR realizou, no último dia 27 de julho, a sétima edição do tradicional Encontro de Mulheres. O evento aconteceu em Mandaguari contou com a participação de 400 mulheres, dentre associadas, coordenadoras de núcleo, colaboradoras e convidadas. A grande atração do evento ficou por conta de Célia Leão, que é palestrante e coach nas áreas de Etiqueta Corporativa e Comportamento Social há mais de vinte anos.  Ela falou para o público sobre “Gentileza e etiqueta - um item que faz toda a diferença nas relações pessoais e profissionais!".

Célia Leão - Célia Também atua como colunista de etiqueta da revista Você S/A e é autora dos livros “Boas Maneiras de A a Z” e “A etiqueta da sedução” e co-autora do livro “Cultura & Elegância”. Assessora jornalistas em matérias de diversas publicações em revistas (Men’s Health, Cláudia, Nova, Marie Claire, Veja) e jornais (Diário de São Paulo, Folha de São Paulo, Zero Hora(RS), dentre outros). Ela envolveu as mulheres e durante o bate papo trouxe para discussão assuntos da rotina feminina e fez colocações bem humoradas das situações comuns às mulheres, envolvendo etiqueta, elegância e atitude. A plateia participou e também questionou alguns assuntos e pediu a opinião dela para algumas situações.

Encerramento - No encerramento do evento foi servido o tradicional café colonial e realizado sorteio de brindes para todas as convidadas. O presidente da cooperativa, Agnaldo Esteves, reforçou a importância deste evento e o crescente interesse das mulheres em participar. “Ficamos muito felizes com a tradição que o Encontro das Mulheres se tornou, pois a cada ano temos mais associadas querendo participar, por isso tentamos diversificar o público para que todas tenham oportunidade. Levamos conhecimento, informação e entretenimento para nossas convidadas e associadas mostrando que o cooperativismo faz a diferença nas comunidades onde está inserido”, detalha Esteves. (Imprensa Sicredi Agroempresarial PR)

{vsig}noticias/2013/08/02/sicredi_agroempresarial/{/vsig}

COCAMAR: Com nova estrutura, unidade em Iporã será entregue no dia 13

Atuando desde 1979 em Iporã, município a 50km de Umuarama, no extremo noroeste do Paraná, a Cocamar inaugura no próximo dia 13 a nova estrutura da unidade, que segue o padrão arquitetônico das demais e possui escritório de atendimento com loja de produtos agropecuários, armazém de insumos e silos com capacidade para 24 mil toneladas de grãos, ao lado da PR-323, na saída para Guaíra. A chegada da cooperativa no município se deu, naquele ano, com a incorporação da cooperativa Coopérola, oferecendo apoio aos produtores. Nas décadas seguintes, a economia da região experimentou transformações. De tradição essencialmente cafeeira, passou também para o algodão e, com o final do ciclo dessas duas culturas, enfrenta o desafio de viabilizar novas propostas.

Sucesso - A integração lavoura e pecuária – com soja no verão e produção de carne no inverno - trouxe novas expectativas para a região a partir do final da década de 90, sendo atualmente uma opção sustentável que apresenta resultados surpreendentes em termos de revitalização econômica das propriedades, o que inclui o cultivo de eucaliptos como renda adicional. Com sua localização estratégica, Iporã é sede de uma Unidade de Difusão de Tecnologias (UDT) da Cocamar, cuja finalidade é testar e validar novos cultivos e tecnologias, incluindo o sistema de integração lavoura, pecuária e floresta. (Imprensa Cocamar)

COPAGRIL I: Seminário Anual de Produtores de Aves de 2013 tem programação definida

copagril I 02 08 2013Já foi definida a data e a programação do Seminário Anual de Produtores de Aves da Copagril. Será no dia 14 de agosto, às 13h30, no Pavilhão de Eventos da Igreja Martin Luther, em Marechal Cândido Rondon. O diretor-presidente da Copagril, Ricardo Chapla, fará a abertura do evento. Ele irá falar sobre os números da atividade na cooperativa, as novidades e futuras projeções. Depois, os presentes poderão acompanhar duas importantes palestras. A primeira, intitulada “Salmonelose – causas e consequências na cadeia avícola”, será ministrada por Paulo Roberto Raffi, veterinário da Cobb-Vantress. A segunda, “Manejo Pré-abate em Aves”, terá como apresentador o veterinário Cesar Alves.

Premiação - Outro momento importante do seminário será a premiação dos produtores que foram destaque no ano passado. Serão reconhecidos os três primeiros colocados em índice de eficiência produtiva na atividade, e também o produtor que alcançou a melhor qualidade na propriedade.

Profissionalização - Conforme o diretor-secretário da Copagril, Márcio Buss, o evento, que é realizado anualmente pela cooperativa, tem como objetivo profissionalizar os associados e trazer novidades do segmento para os produtores da região. Além disso, a premiação e o reconhecimento aos melhores da atividade servem como forma de incentivo, para que todos busquem seguir os procedimentos recomendados pela área técnica da cooperativa. Ao final do evento, a Copagril também fará o sorteio de vários prêmios entre os associados presentes. (Imprensa Copagril)

 

COPAGRIL II: Depois da colheita, é hora de fazer o manejo contra as ervas daninhas

copagril II 02 08 2013Cerca de 60% da produção de milho safrinha da área de atuação da Copagril, no Oeste do Estado, já foi colhida, segundo afirma o engenheiro agrônomo Edimar Oswald. De acordo com ele, o clima sem chuvas dos últimos dias tem sido favorável e faz com que os produtores tenham cautela e realizem a colheita sem atropelos. “Muitos produtores colhem milho com 18% a 19% de umidade, o que é muito bom, rende mais financeiramente e o grão fica com mais qualidade. Estimamos que as colheitas realizadas daqui em diante apresentem umidade ainda menor”, comentou.

Manejo de ervas daninhas - Depois da colheita, Edimar recomenda que o produtor adote alguns procedimentos de manejo das ervas daninhas. “Na semana passada, quando as temperaturas na região estavam baixas, a eficiência do controle químico ficava comprometida, devido a pouca mobilidade do produto dentro da planta. Atualmente, as temperaturas estão conforme o recomendado, porém a umidade relativa do ar está caindo muito durante o dia e o produtor deve ter cuidado para realizar aplicações quando estiver abaixo de 40%, o que certamente ocasionará perda de produto e baixa absorção pela planta”, explicou.

Estágio adequado - O produtor também deve aguardar alguns dias após a colheita para que a planta daninha possa emergir sobre a palhada, já que a maior parte fica escondida, fora do alcance dos produtos. É importante fazer a aplicação no estágio adequado, sobretudo quando se fala em ervas de difícil controle, como a buva. Neste caso, os produtos devem ser aplicados com a planta ainda pequena e, preferencialmente, nas horas mais frescas do dia, quando a umidade relativa do ar está acima de 60%. “Nestes horários, além da umidade ser maior, os ventos são mais amenos, e ocorre menos deriva dos produtos”, ressalta Edimar. Para evitar a deriva, ele ainda recomenda que o produtor utilize junto ao herbicida adjuvantes antideriva, que maximizarão a eficiência do produto. (Imprensa Copagril)

 

COPACOL: Colaboradores estrangeiros têm aulas de português

Sala cheia, olhares atentos e o interesse em aprender mais da língua do lugar que eles escolheram para viver nesta nova etapa, a maioria deles está aqui em busca de novas oportunidades e melhores condições. A adaptação já se tornou tarefa fácil para eles, agora o próximo passo é o aperfeiçoamento da comunicação deste país que os recebeu de braços abertos. Por meio de uma parceria entre Sescoop/PR, Copacol e Univel são ofertadas aulas de português instrumental para colaboradores estrangeiros da cooperativa.

Haiti e Bangladesch - O curso está sendo ministrado para colaboradores vindos do Haiti e Bangladesch. As aulas acontecem do francês e do inglês para a língua portuguesa, com atividades semanais conduzidas pelo professor Cezar Roberto Versa (Univel), com duração aproximada de seis meses. “A Copacol, preocupada com seus colaboradores, oportuniza este curso com foco em integrar estrangeiros do nosso quadro a nova cultura, assim fortalecendo e facilitando a relação e adaptação dos mesmos”, afirma a Supervisora do Departamento de Gestão de Pessoas Andrea Maria Girotto. (Imprensa Copacol)

 

CAMISC: Dia do Agricultor é comemorado com realização de projetos sociais

No último dia 28 de julho foi comemorado o Dia do Produtor Rural. Das mãos desse profissional vem o alimento nosso de cada dia. Na Cooperativa Agrícola Mista São Cristóvão (Camisc), ao longo de 50 anos, são desenvolvidos projetos de forma contínua que valorizam o quadro social, integrando o cooperado ao sistema cooperativista. Um deles é o Camisc Mulher, que incentiva a participação feminina em eventos e fortalece a atuação da mulher no cooperativismo. “O Camisc Mulher está centrado no desenvolvimento de projeto voltados a atender as solicitações e demandas do público feminino fazendo com que a mulher participe ativamente do dia a dia da cooperativa”, explica a gerente administrativa da Camisc, Rita Vazzatta De Bortoli.

Educação cooperativista - No Camisc Mulher, os projetos são desenvolvidos principalmente na educação cooperativista, buscando ampliar conhecimentos nas áreas de saúde, bem estar, autoestima e convivência familiar e social. As mulheres participam ativamente na elaboração, implantação e desenvolvimento de atividades que estejam em conformidade com as necessidades e objetivos da cooperativa. “Nesse contexto de cooperação enxergamos na figura da mulher, um papel muito além das rotinas que envolvem o dia a dia do produtor ou das lidas caseiras. Vislumbramos um ser dotado de inúmeras capacidades que podem ser demonstradas a partir de projetos, cursos, treinamentos e encontros”.

Nova expectativa - Para a cooperada Márcia Centenaro, o Camisc Mulher trouxe uma nova expectativa. “Antes, ficávamos apenas em casa. Agora, esperamos ansiosas o dia para participar dos eventos do projeto. Posso dizer que o Camisc Mulher mudou nossas vidas, nos possibilitando aprender, participar mais da cooperativa e incentivar que mais mulheres conheçam a Camisc”. (Imprensa Camisc)

APRENDIZAGEM: Sescoop é a primeira entidade do Sistema S a produzir material didático inclusivo

aprendiz cooperativo 02 08 2013Acessibilidade e inclusão. Essas duas palavras de ordem levaram o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) a sair na frente e inovar: “Somos a primeira entidade do Sistema S a fornecer aos nossos clientes material didático inclusivo para deficientes visuais”, comemora o presidente da instituição, Márcio Lopes de Freitas. O dirigente se refere ao conteúdo do programa de formação de jovens “Aprendiz Cooperativo”, que começou a ser entregue nesta semana a todas as unidades estaduais do Sescoop.

Kit - O kit contém 24 apostilas, incluindo material do instrutor, do aluno e de Gestão da Aprendizagem (do Sescoop e da cooperativa). Além das apostilas impressas, uma coleção de arquivos em áudio foi gravada em CD, com a narração dos conteúdos, de forma a atender especialmente aos aprendizes que são deficientes visuais. “Até a próxima semana, todas as unidades já estarão com o kit em mãos”, afirma a gerente de Formação e Qualificação Profissional, Andréa Sayar.

Foco - Segundo Andréa, a novidade vem reforçar o foco dado pelo Sescoop no investimento em ações de educação e formação profissional de seu público-alvo. “Entendemos como essencialmente estratégico transformar todo nosso material de forma que um número maior de pessoas tenha acesso a ele. É uma atenção específica que passa a ser dada, lidando com a realidade dessas pessoas que, na nossa visão, também têm muito a contribuir”, afirma a gestora.

Saiba mais – O Programa Aprendiz Cooperativo foi desenvolvido pelo Sescoop tendo como objetivo a formação profissional de adolescentes e jovens, à luz da doutrina cooperativista. Na prática, proporciona condições para que as cooperativas atendam ao que determina a Lei  nº 10.097/2000 – a chamada Lei do Aprendiz – pela qual as instituições devem ter uma cota determinada de jovens aprendizes em seu quadro de trabalho.  Mais do que promover a inserção destes jovens no mercado de trabalho, o Aprendiz Cooperativo oferece formação cidadã fundamentada em valores cooperativistas, possibilitando o seu desenvolvimento integral.

Modelo atual - O modelo atual do programa Aprendiz Cooperativo foi apresentado e disponibilizado para as unidades estaduais do Sescoop em novembro de 2011. O Comitê de Sistematização da Aprendizagem, grupo responsável pela produção dos conteúdos a serem utilizados nos cursos de formação, é o grupo responsável pelo apoio à implantação do programa nos estados. (Informe OCB)

 

 

PRÊMIO SEBRAE MULHER: O reconhecimento do ‘jeito’ feminino de fazer negócios

O que as empresárias Malu Villela e Christiane Yared têm em comum? Elas são empreendedoras paranaenses, com empresas em Curitiba e que ‘escreveram’ suas próprias histórias de sucesso. Malu Villela atua, há 25 anos, no setor de Tecnologia da Informação (TI) e, desde 2006, assumiu a direção da empresa Access, uma software house especializada na produção de programas de sistema de gestão e de automação para emissoras de rádios e televisões, jornais e revistas. Christiane Yared comemora os 28 anos do seu ‘doce’ negócio, a confeitaria e café colonial Coeur Douce. O estabelecimento serve o melhor e mais delicioso café colonial de Curitiba, uma excelência que lhe rende bons frutos.

Novos desafios - As histórias de Malu e Christiane têm ainda em comum uma busca incessante por novos desafios. Ambas já têm reconhecimento no ambiente empresarial, mas sempre estão abertas a novas oportunidades. Malu e Christiane estão inscritas para a etapa estadual do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios, uma iniciativa nacional do Sebrae que está na sua sétima edição e que tem como objetivo reconhecer histórias de empreendedorismo feminino.

Inscrições- As inscrições para o Prêmio seguem até 16 de agosto, e a torcida paranaense é grande. Afinal, histórias como a de Malu e Christiane são exemplos a serem seguidos pelas mulheres que cada vez mais avançam no mercado de trabalho.

Categorias - O Prêmio Sebrae Mulher de Negócios 2013 pode ser disputado em três categorias: microempreendedora individual (para negócios com faturamento bruto anual de até R$ 60 mil), pequenos negócios (para empresas que faturam até R$ 3,6 milhões ao ano) e produtora rural. Esta última categoria é a novidade da premiação que agora busca reconhecer o empreendedorismo da mulher também no campo.

Formulários - Para participar, é preciso responder ao formulário de inscrição e relatar a trajetória de empreendedorismo, com detalhes que ajudem os jurados a entender o diferencial do negócio; além de fazer a autoavaliação e o questionário que levanta as características do comportamento do empreendedor.

Parceria - O Prêmio é uma parceria do Sebrae Nacional, Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Federação das Associações de Mulheres de Negócios e Profissionais do Brasil e Fundação Nacional da Qualidade (FNQ). No Paraná, desde 2011, o Sebrae/PR conta com o apoio do Conselho Estadual da Mulher Empresária (CEME). “Hoje essa premiação é mais consistente, ela não busca somente uma história de superação e dificuldades, mas a empresária mulher que está gerenciando um negócio de sucesso, o seu potencial empreendedor de liderança que a leva a acessar novos mercados”, apresenta a consultora do Sebrae/PR e gestora do Prêmio em Curitiba e Região, Sonia Shimoyama.

Qualidade - “Em 2012, foram mais de 400 candidatas inscritas. No Paraná, privilegiamos a qualidade e, neste ano, buscamos um ouro”, aposta Shimoyama. As empresas pré-selecionadas serão avaliadas seguindo Critérios de Excelência em Gestão, desenvolvidos em parceria com a FNQ, como gestão de controle, inovação no mercado e relacionamento com clientes e com os colaboradores. A premiação estadual será realizada em novembro, durante a 23ª Convenção Anual da Federação das Associações Comerciais e Empresariais (Faciap), em Curitiba.

Seletiva nacional - Após a etapa paranaense, as três vencedoras estaduais integrarão a seletiva nacional, que premia os primeiros lugares das três categorias com uma viagem internacional. A premiação está marcada para março de 2014, em Brasília. As interessadas em concorrer ao Prêmio Sebrae Mulher de Negócios precisam se inscrever no site www.mulherdenegocios.sebrae.com.br. As inscrições são gratuitas. (Assessoria de Imprensa do Sebrae/PR)

AGRICULTURA: Ministra Gleisi lança Plano Safra e entrega maquinário no Paraná

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, estará em Toledo neste sábado (03/08), junto com representantes dos ministérios da Agricultura, Desenvolvimento Agrário, para o lançamento do Plano Safra no Paraná. O Sistema Ocepar será representado no evento pelo diretor da entidade e presidente da Cooperativa Copagril, Ricardo Chapla.

Importância do setor - Em entrevista no lançamento nacional do Plano, em junho, a ministra já havia ressaltado a importância do setor para a economia brasileira. "Esse o setor que mais cresce na nossa economia, basta ver o resultado do nosso PIB que foi puxado pela agricultura, tanto o agronegócio como a agricultura familiar. Nós esperamos com esse Plano Safra ajudar ainda mais agricultores a melhorar a sua produtividade, alcançar maior produção e renda no campo. Que acaba se espalhando por todo o país", disse Gleisi.

Empresarial - Para a agricultura empresarial, em todo o Brasil, o governo federal anunciou R$ 136 bilhões de reais, desse valor R$ 97 bilhões serão destinados para financiamento de custeio e comercialização. Já para a agricultura familiar, o valor destinado para este setor é de R$ 39 bilhões. Além do anúncio do Plano Safra, a ministra irá entregar para 33 prefeituras da região equipamentos para manutenção de estradas rurais da Segunda Fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). Em todo o Paraná, já foram entregues 248 máquinas para municípios com até 50 mil habitantes. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Agrário, somente no Paraná foram investidos pelo governo federal R$ 56 milhões em maquinário ainda sem computar os equipamentos que irão para a região de Toledo. (Com informações da Agência de Notícias do Paraná)

FAEP: Para onde vai o preço da soja e do milho no Paraná?

"As perspectivas para a comercialização agrícola da safra 2013/2014" é o tema da palestra principal dos Seminários "Os segredos fora da porteira", promovido pela Federação da Agricultura do Paraná (Faep), que vai percorrer dez regiões do Paraná entre 5 a 9 de agosto. O evento é destinado a produtores rurais, técnicos, engenheiros agrônomos, jornalistas e interessados em agronegócio. A entrada é gratuita e não há necessidade de inscrições. Durante as palestras, o especialista em mercado agrícola de Chicago (EUA), Pedro H. Dejneka abordará temas relacionados à comercialização de grãos, gerenciamento de riscos, tendências de preços e um panorama sobre a situação econômica global e a sua interferência nas commodities agrícolas. 

Histórico profissional - O paranaense Pedro Dejneka reside nos Estados Unidos desde 1995 e seu histórico profissional conta com passagens por grandes bancos de investimento nos EUA, larga experiência com commodities desenvolvendo técnicas e estratégias de comercialização vinculadas aos efeitos da Bolsa de Chicago. A palestra de Campo Mourão, que acontecerá dia 07/08 (quarta-feira) será transmitida pelo Canal Rural.

Primeiro encontro - O primeiro encontro acontece nesta segunda-feira (05/08), em Ponta Grossa, a partir das 9 horas, na sede da ACIPG - Associação Comercial, Industrial e Empresarial, localizada na Rua Comendador Miró, 860. (Imprensa Faep)

MERCADOS: Recuperação da oferta global de grãos continua inabalável

mercados 02 08 2013O Conselho Internacional de Grãos (IGC, na sigla em inglês) reduziu sua projeção para os estoques mundiais de cereais e oleaginosas ao fim da safra 2013/14, mas manteve a perspectiva de recuperação da oferta em relação à temporada anterior. Em relatório divulgado nesta quinta-feira (01/08), o IGC, que tem sede em Londres, projetou a produção mundial de trigo e grãos forrageiros, grupo que inclui o milho, em 1,92 bilhão de toneladas - praticamente estável em relação à estimativa anterior, de 1,91 bilhão.

Estoques de passagem - No entanto, a previsão para os estoques de passagem desses produtos foi reduzida em 4 milhões de toneladas, para 362 milhões, reflexo de um aumento semelhante no consumo, projetado em 1,887 bilhão de toneladas.

Trigo e grãos forrageiros - Em relação ao ano passado, no entanto, a produção mundial de trigo e grãos forrageiros deve aumentar em 134 milhões de toneladas, ou 7,5%, e os estoques, em 33 milhões de toneladas, ou 10%.

Países exportadores - Os estoques de passagem dos países exportadores devem crescer quase 40%, para 127 milhões de toneladas, depois de cair para o menor patamar em 17 anos na temporada 2012/13. Em grande parte, o aumento reflete a recuperação das safras de milho e soja dos EUA, duramente castigadas pela seca no ano passado.

Milho - De acordo com as informações do IGC, a produção mundial de milho deverá somar 942 milhões de toneladas, 4 milhões a menos do que o estimado em junho. Ainda assim, trata-se de um aumento de 83 milhões ou 9,6% em relação à safra passada. Além dos EUA, China e Ucrânia devem registrar colheitas recorde de milho no ciclo 2013/14. A estimativa para os estoques mundiais de passagem de milho foi reduzida em 1 milhão de toneladas, a 148 milhões - ainda assim, 28 milhões ou 23% a mais do que em 2012/13. Nos quatro maiores países exportadores, esses estoques devem aumentar para 59 milhões de toneladas, maior patamar em nove anos. O IGC afirmou, ainda, que o comércio mundial de milho deve ser o maior em seis anos, puxado pelo aumento das importações chinesas, mas que dificilmente vai retomar os níveis de 2007/08.

Soja - No caso da soja, a instituição elevou em 1 milhão de toneladas, para 285 milhões, sua estimativa para a produção mundial em 2013/14, um incremento de 17 milhões de toneladas, ou 6,3%, ante 2012/13. Os estoques de passagem foram projetados em 34 milhões de toneladas, 1 milhão a mais do que na estimativa de junho. Em relação à safra passada, trata-se de um aumento de 8 milhões de toneladas ou 30%. (Valor Econômico)

 

TRIGO: Próximo do fim, plantio chega a 3,7 milhões de hectares na Argentina

trigo 02 08 2013O plantio de trigo aproxima-se do fim na Argentina, com 95,3% de seus 3,9 milhões de hectares já semeados, demonstrou relatório da Bolsa de Cereais de Buenos Aires, publicado nesta quinta-feira (01/08). Houve progresso de 2,6 pontos percentuais em uma semana, além de 1,3 ponto percentual sobre a média do ano passado.

Concentração - De acordo com a Bolsa de Cereais, da área ainda pendente para semeadura, cerca de 80% estão concentrados no Sul de Buenos Aires. Estimativa é que ainda nos próximos 15 dias os trabalhos no campo sejam finalizados, aproveitando as boas condições hídricas do solo. Até esta quinta-feira o país assegurou a cobertura de 3,7 milhões de hectares dos 3,9 milhões de hectares programados para o ciclo 2013/14. Principal produtor de trigo do Mercosul, a Argentina deve produzir na campanha 13 milhões de toneladas, segundo estimativa do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA na sigla em Inglês). (Agrodebate)

 

INFRAESTRUTURA I: Tecnologia reduz frete para caminhões que descarregam em Paranaguá

infraestrutura I 02 08 2013O fluxo de caminhões que entram e saem do Pátio de Triagem do Porto de Paranaguá foi 8% maior neste mês de julho em comparação com o mesmo mês do ano passado. Ao todo, 36,7 mil caminhões passaram pelo Pátio no último mês, contra 33,9 mil em julho de 2012. Mesmo com o movimento intenso, não houve registro de filas ou qualquer outro transtorno envolvendo os caminhões graneleiros nas rodovias de acesso ao porto.

Carga Online - Com as adequações logísticas feitas através do sistema Carga Online – que acabou com as filas no acesso ao Porto – foi possível também baixar o tempo de espera dos caminhões para a descarga nos terminais. Nos anos anteriores, a espera passava das 12 horas. Este ano, mais de 50% dos veículos esperam menos de 8 horas para descarregar. E o reflexo direto disso, tem sido a redução do custo dos fretes com destino a Paranaguá.

Reflexos - De acordo com o presidente da Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado do Paraná (Fetranspar), Coronel Sergio Malucelli, a implantação do Carga Online já teve reflexos claros no custo do frete no estado. “Os caminhões, ao chegarem cadastrados ao pátio, esperam menos tempo e isso oportuniza que eles retornem à origem para um novo carregamento. E aqueles custos que as transportadoras tinham, com as horas paradas, sumiram. Isso fez com que o custo operacional do frete baixasse consideravelmente”, afirma.

Tempo de espera - Para o superintendente dos portos do Paraná, Luiz Henrique Dividino, o trabalho que tem sido feito na Appa é para reduzir ainda mais os tempos de espera. “Temos agregado funcionalidades ao sistema Carga Online como o aviso, através de mensagens, para que o caminhoneiro se dirija ao terminal de descarga. E também estamos trabalhando com melhorias estruturais para aperfeiçoar ainda mais o atendimento no pátio para as próximas safras”, explica.

Obras - Duas grandes obras estão previstas para melhorar a condição do Pátio de Triagem do Porto de Paranaguá. Uma delas, já licitada no valor de R$ 2,4 milhões, prevê a melhoria das condições de tráfego no acesso, buscando reduzir o entrelaçamento de fluxos e interferências com a construção de uma via marginal de acesso ao Pátio de Triagem. O processo está aguardando autorização da Antaq para ser iniciado.

Pátio de triagem - A segunda obra é referente à ampliação do Pátio de Triagem. Uma área lateral foi desapropriada e, com isso, será possível duplicar a capacidade de recebimento de caminhões. Hoje, o Pátio conta com mil vagas estáticas. Com a ampliação, a área poderá receber até dois mil caminhões. “Considerando que trata-se de um pátio de fluxo, hoje conseguimos ter um giro diário de 2500 caminhões no Pátio. Com a ampliação, será possível duplicar esta capacidade”, explica o superintendente.

Origem – Considerando o acumulado do ano, até julho, 226,4 mil caminhões graneleiros passaram pelo Pátio de Triagem. O volume é 4,5% superior ao registrado em 2012. Dos veículos liberados este ano, 68% vem do próprio Paraná, 17% do Mato Grosso (MT) e o restante dos estados de São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Minas, nessa ordem. (Agência de Notícias do Paraná)

 

INFRAESTRUTURA II: Taxa de retorno dos portos será de 7,5%

infraestrutura II 02 08 2013O governo definiu em 7,5% a taxa interna de retorno (TIR) que será usada como referência nos novos contratos de arrendamento do setor portuário. A primeira rodada de licitações envolverá 31 áreas nos portos de Santos (SP) e do Pará. Seus estudos de viabilidade econômica deverão ser publicados até o fim da semana que vem, segundo auxiliares diretos da presidente Dilma Rousseff.

Consulta pública - Os estudos ficarão em consulta pública durante 30 dias. Em seguida, serão enviados ao Tribunal de Contas da União (TCU), que precisará dar sinal verde para o lançamento dos editais definitivos. Se não houver imprevistos, a ideia do governo é fazer os leilões em novembro ou dezembro, em sessão na BM&FBovespa.

Oferta simultânea - Todos os lotes deverão ser oferecidos simultaneamente, sem fatiamento, conforme garantem fontes do Palácio do Planalto. Há contratos em vigência que vencem somente em 2015 ou em 2016, mas as licitações serão feitas imediatamente. Os vencedores terão que esperar o fim desses contratos para substituir os operadores atuais. A ideia é evitar a divisão dos novos arrendamentos portuários e gastar todas as energias agora, em uma megalicitação de terminais, em vez de fazer esse processo aos poucos.

Menor tarifa - Com uma ou outra exceção, será usado o critério de menor tarifa para definir os vencedores das licitações. A Lei 12.815, que teve origem na MP 595, prevê a possibilidade de adotar outros dois critérios: maior capacidade de movimentação e menor tempo de movimentação de carga. Depois, no decreto de regulamentação da lei, o cardápio de opções aumentou e permitiu a combinação de até seis critérios para o julgamento das propostas. A preferência ficou com a menor tarifa porque, na visão do governo, isso permite reduzir mais fortemente os custos de operação portuária.

Reorganização - Os estudos de Santos e do Pará, preparados pela Estruturadora Brasileira de Projetos (EBP), fizeram uma reorganização importante dos terminais nesses dois portos públicos. O choque maior será em Santos, a maior porta de entrada e saída de mercadorias do país, com uma reconfiguração principalmente de duas áreas: Saboó e Ponta da Praia.

Áreas - Ao todo, 25 áreas com contratos perto de vencer em Santos serão transformadas em apenas 11 áreas. O objetivo é dar escala às operações e combater um processo conhecido no setor como "favelização" do porto - muitos terminais de pequeno porte competindo por um volume de carga relativamente limitado.

Saboó - No Saboó, cinco terminais que existem hoje vão se transformar em uma única área, com o mesmo operador. O novo desenho abrangerá os terminais da Rodrimar (contêineres), da Deicmar (veículos) e Cutrale (suco de laranja), além de outros dois contratos. Tudo isso será transformado em um único terminal multipropósitos. O novo contrato de arrendamento terá duração de dez anos. Esse prazo não é aleatório. Em 2023, vence o atual contrato do Tecondi, um terminal de contêineres de médio porte no Saboó, controlado pela EcoRodovias. A intenção do governo é deixar o caminho preparado para permitir, no futuro, a fusão de todas as áreas em um só contrato.

Diagnóstico  - Quando isso ocorrer, em um diagnóstico de longo prazo do governo, haverá a possibilidade de criar um quarto competidor de peso no segmento de contêineres. Hoje a Santos Brasil é o único grande "player" no segmento. Dois grupos importantes, no entanto, estão começando suas operações agora: a Embraport (controlada pela Odebrecht e pela Dubai Ports) e a BTP (associação da APM Terminals, do grupo Maersk, com a Terminal Investment Limited). Na leitura do governo, quando esses dois terminais estiverem a pleno vapor e concorrerem com a Santos Brasil, haverá pouco espaço para terminais menores como o Tecondi.

Movimentação de contêineres - Santos é o grande porto brasileiro, mas está na longínqua 42ª posição no ranking mundial de movimentação de contêineres - Xangai, por exemplo, recebe 11 vezes mais carga. Os estudos do governo indicam que não haverá problemas de oferta para atender o crescimento das cargas em contêineres até 2025 ou 2030.

Ponta da Praia - Outra área em Santos que vai passar por mudanças é a Ponta da Praia, onde cinco contratos diferentes de arrendamento em vigência vão se transformar em dois grandes terminais de graneis vegetais. Em quase todos os casos, ganhará a licitação quem oferecer a menor cesta de tarifas.

Exceção - Uma das únicas exceções é a de um terminal dedicado à movimentação de celulose. Nesse caso, a tendência é usar como critério a maior capacidade de movimentação. Como ele é parte de uma extensa cadeia produtiva (a indústria de celulose), os estudos nas mãos do governo apontam que a menor tarifa não é boa saída, pois qualquer empresa do setor pode rebaixar artificialmente sua proposta para arrematar a operação do terminal - e cobrar valores irrisórios de si mesma.

Pará - Nos portos do Pará, que são administrados pela mesma Companhia Docas (CDP), a reestruturação afetará principalmente as instalações de Miramar. Os 26 contratos atuais de arrendamento da CDP vão ser aglutinados em 20 áreas. Os terminais de combustíveis - gasolina, óleo diesel, GLP (gás de cozinha) e querosene de aviação - em Miramar foram cercados por moradias precárias, com excessiva proximidade dos locais de tancagem. Os terminais que lidam com gás vão ficar no porto. A maioria das instalações terá que migrar para Vila do Conde, no município de Barcarena, e as licitações vão definir os operadores dos novos terminais.

Vila do Conde - O porto de Vila do Conde, nas imediações de Belém, ganhará nos próximos anos uma dimensão diferente da atual. A primeira ferrovia a ser leiloada no megaprograma de concessões do governo Dilma, um prolongamento da Norte-Sul, será o trecho Açailândia (MA) até Vila do Conde.

Chamada pública - Paralelamente aos arrendamentos nos portos públicos, o governo deverá concluir no dia 5 de agosto a chamada pública para os primeiros 50 projetos de portos privados, com investimentos estimados em R$ 11 bilhões. Empresas que tenham interesse na mesma área de influência dos empreendimentos precisam apresentar projetos alternativos até sexta-feira que vem. (Valor Econômico)

 

BALANÇA COMERCIAL: Déficit recorde em julho muda tom de análises do governo

A balança comercial do país em julho teve um déficit histórico de US$ 1,9 bilhão e, agora, o governo mudou o tom dos discursos. O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic) segue com a expectativa de superávit em 2013, mas "bastante inferior ao verificado no ano passado". O termo "bastante" foi incluído ontem na fala de projeção para o ano da secretária de Comércio Exterior da pasta, Tatiana Prazeres. Para ela, o resultado de julho "chama a atenção".

Petróleo e derivados - O valor em que as exportações vão superar as importações, como prevê o governo, vai depender do comportamento dos embarques e desembarques de petróleo e derivados, admitiu Tatiana, que não estima números para a balança comercial até o fim do ano. "Era difícil antecipar no início do ano esse comportamento da conta petróleo. De fato, a conta petróleo nos preocupa [...] talvez cálculos internos indiquem para um número de superávit menor", disse. Tatiana. O superávit é esperado "a ver como se comporta a conta petróleo, porque isso será determinante para a definição do tamanho desse saldo."

Queda de preços - A queda nos preços de commodities e o comportamento das transações de petróleo resultaram nesse déficit surpreendente em julho. A Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), por exemplo, previa superávit de US$ 900 milhões. A Fundação Centro de Estudos de Comércio Exterior (Funcex) estimava um déficit, porém menor.

Importações - Em julho, a alta das importações se acelerou, principalmente por causa de petróleo e derivados, enquanto as exportações recuaram ainda mais, com a queda nas vendas de commodities, além do "vilão" do ano: o petróleo.

Desempenho - O saldo mensal da balança, no caso, o déficit de julho, e o desempenho acumulado do ano voltaram a ser o pior da série histórica iniciada em 1993. De janeiro a julho, houve déficit de quase US$ 5 bilhões. Cerca de US$ 4,6 bilhões em importação de petróleo e derivados feita no ano passado foram contabilizados só em 2013.

Junho - Ao comentar o bom resultado do comércio internacional em junho, com superávit de US$ 2,3 bilhões, Tatiana disse: "Estamos vendo, de fato, uma recuperação na trajetória da balança comercial do Brasil. Caminhando, portanto, para um superávit na nossa balança comercial, que é o que nós esperamos". Após o saldo positivo também em maio, ela afirmou: "Seguimos com expectativa de encerrar o ano com balança positiva, [mas] inferior ao do ano passado".

Resultado - Só considerando as transações de petróleo e derivados, o déficit até julho foi de US$ 15,5 bilhões, ante US$ 4,2 bilhões no mesmo período do ano passado. "Não é possível compreender o comércio exterior do Brasil em 2013 em relação a 2012 sem atentar ao impacto da conta petróleo nas duas pontas, tanto o aumento das importações quanto queda das nossas exportações. 2013 nesse sentido é um ano atípico", frisou a secretária.

Próximos meses - Para os próximos meses, a expectativa do ministério é de alta na produção de petróleo, com aumento das exportações, assim como redução do ritmo das importações de derivados do produto. Em linha com esse discurso, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, também comentou o desempenho da balança comercial ontem. "Estamos consumindo mais [petróleo] e Petrobras provisoriamente exportando menos. Tirando isso, o resultado comercial é normal", analisou. Com a produção crescendo, "em breve voltaremos a exportar mais petróleo", disse.

Elevação - Além desse alívio, o governo acredita numa elevação nas vendas de aviões, automóveis e milho para o exterior até o fim do ano. Outro fator positivo é a desvalorização do real. É "razoável esperar ainda neste ano" que "o câmbio possa contribuir de maneira mais positiva para nossas exportações", segundo Tatiana, ao apresentar o cenário aguardado.

Acumulado - No acumulado até julho, as exportações brasileiras caíram 1,5% em relação a igual período do ano passado. Mesmo com a queda, o ministério avalia que as vendas de mercadorias brasileiras ao exterior estão "em um patamar elevado". O recuo foi pequeno, para a secretária, e não tira o país "desse nível histórico, recorde obtido desde 2011". Até junho, essa retração era de 0,7%. Ou seja, a baixa se acentuou por causa da menor venda de mercadorias nacionais no mercado externo em julho.

Produção recorde - No mês, as exportações do país foram afetadas pela produção recorde de algumas commodities, o que reduziu o preço de venda, por exemplo, de milho, soja e também de açúcar. No caso do minério de ferro, o produto teve em julho o menor preço de exportação do ano. "A queda é, em alguma medida, reflexo da retomada mais lenta da economia mundial, queda de atividade na China e Europa", disse Tatiana.

Incremento maior - Do lado das importações, o presidente da AEB, José Augusto de Castro, ressaltou que mesmo nos casos em que "a importação cresce de modo saudável, como em bens de capital, [...] vê-se que o incremento maior foi de peças e maquinário de reposição". (Valor Econômico)

JUDICIÁRIO: Entidades e políticos sobem o tom pelos TRFs e tentam isolar Barbosa

judiciario 01 08 2013Entidades jurídicas, parlamentares e representantes de governos estaduais elevaram o tom das críticas ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, e vão tentar iso­lá-lo para reverter a liminar que suspendeu os efeitos da emenda constitucional que cria quatro novos tribunais regionais federais (TRFs). A partir da próxima semana, congressistas vão começar a entrar em contato com os demais dez ministros do STF. Além disso, a Associação dos Juízes Federais (Ajufe) e as procuradorias estaduais do Paraná, Bahia e Minas Gerais decidiram seguir a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e entrar como parte interessada (amicus curiae) favorável à instalação das cortes na ação sobre o caso.

Estratégias - As estratégias foram apresentadas nesta quinta-feira (01/08) no Senado durante ato em defesa dos novos tribunais, que serão sediados no Paraná, Amazonas, Bahia e Minas Gerais. Durante o evento, representantes da OAB, da Procuradoria-Geral da República, da Ajufe e do Congresso defenderam a emenda como uma forma de democratizar o acesso dos cidadãos à Justiça. “Essa falta de sensibilidade de quem suspendeu os efeitos da emenda [Barbosa] é que causa espanto”, disse o presidente da Ajufe, Nino Toldo.

Postura inaceitável - Coordenador na Câmara dos Deputados da frente parlamentar em defesa dos novos TRFs, Amauri Teixeira (PT-BA) disse que a postura de Barbosa em relação ao processo é “inaceitável” e estremece a “harmonia entre poderes”. “Há um equívoco enorme do presidente do STF de teimar em não descentralizar a Justiça”, disse o deputado baiano.

Diálogo - Presidente da Câmara em exercício, o paranaense André Vargas (PT) declarou que não há outra opção a não ser tentar dialogar com os demais ministros do Supremo. “Interpretar a opinião do Joaquim Barbosa é um problema mais psicológico do que político e operacional. Nós precisamos de outros dez ministros convencidos nesta causa.”

Primeiro passo - O primeiro passo nessa direção será tomado pelo coordenador da frente no Senado, o paranaense Sérgio Souza (PMDB). Ele vai se encontrar na semana que vem com o ministro do STF Luiz Fux, relator da ação direta de inconstitucionalidade (Adin) que questiona a emenda. “Se ele entender que ação é ilegítima, pode suspendê-la por conta própria”, disse Souza.

Pauta - Caso isso não aconteça, vai caber a Barbosa, como presidente do STF, colocar o processo em pauta. “Aí pode demorar indefinidamente, a não ser que exista um consenso dos outros ministros para tentar reverter a situação”, completou Vargas. A Adin foi ajuizada em julho pela Associação Nacional dos Procuradores Federais (Anpaf) e gerou a decisão liminar de Barbosa, que pode ser revista em caráter definitivo pelo relator Luiz Fux ou pelo plenário do STF.

Emenda constitucional - Já a emenda constitucional sobre os TRFs foi promulgada em 6 de junho pelo Congresso. A partir dela, o Superior Tribunal de Justiça está preparando um anteprojeto para regulamentar a instalação dos tribunais, que também vai depender da aprovação da Câmara e do Senado. O futuro da proposta, contudo, depende do julgamento da Adin pelo STF. (Gazeta do Povo)

 


Versão para impressão


Assessoria de Imprensa do Sistema Ocepar - Tel: (41) 3200-1150 / e-mail: imprensa@ocepar.org.br