Início Sistema Ocepar Comunicação Informe Paraná Cooperativo Últimas Notícias OPINIÃO: Vender bem é tão importante quanto produzir bem

 

 

cabecalho informe

OPINIÃO: Vender bem é tão importante quanto produzir bem

 

opiniao 20 09 2019*Eugenio Stefanelo

 

Soja 

A oferta mundial superior à demanda na safra 2019/20, a safra americana sem queda maior do que a anunciada, o plantio atrasado da safra sul americana sem maior impacto sobre a produção, a menor taxa de crescimento do PIB e do comércio mundial em 2019, estão mantendo as cotações internacionais do grão entre U$ 9,0 a 9,7/bushel.

Os prêmios no Porto de Paranaguá no primeiro semestre de 2020 são menores do que os atuais.

A taxa de câmbio no Brasil aumentou para o patamar entre R$ 3,9 a R$ 4,3, com o fluxo financeiro negativo de U$ 21,5 bilhões nesse ano, o menor saldo positivo na balança comercial brasileira, a não entrada de empresas estrangeiras no leilão de petróleo e a incerteza gerada pela atuação política do STF.

A combinação dessas variáveis mostra que os preços no Porto de Paranaguá estão oscilando entre R$ 85,5 a 93,0 a saca, sem expectativa de maiores altas ou baixas a não ser que ocorram significativas mudanças nos fundamentos mencionados. 

Pouco mais de 35% da safra 2019/20 já foi vendida antecipadamente. Diante do cenário descrito, a melhor estratégia continua sendo a venda parcelada em lotes até junho/2020, sempre que os preços superarem R$ 90,0 a saca no porto, como já aconteceu em quatro oportunidades recentemente. 

A média mensal dos preços recebidos pelos produtores paranaenses está aumentando e atingiu o valor de R$ 75,38 a saca em outubro, o maior do ano segundo o Deral/Seab.

 

Milho 

Os balanços de oferta e demanda mundial e americano mais apertados na safra 2019/20 e com redução dos estoques finais está mantendo as cotações internacionais dentro do intervalo entre U$ 3,6 a 4,3/bushel. 

Os prêmios no primeiro semestre de 2020, no Porto de Paranaguá, estão mais baixos que os atuais. 

Aproximadamente 75% da segunda safra brasileira de 2019 já foi comercializada e antecipadamente 7% da 2020.  

A redução da área plantada na safra 2019/20 no centro sul, a falta de chuva que retardou o plantio da safra de verão e poderá comprometer o plantio da segunda safra de milho dentro da época recomendada e o excepcional desempenho das exportações (35,7 milhões de toneladas de fevereiro a novembro)  estão mantendo os preços internos do cereal superiores a paridade da exportação. No Porto de Paranaguá estão oscilando entre R$ 38,0 a R$ 43,0 a saca no disponível e um pouco mais baixos a partir de fevereiro/2020.  

Também a média mensal dos preços recebidos pelos produtores paranaenses está aumentando e atingiu o valor de R$ 31,41 a saca em outubro, o maior do ano segundo o Deral/Seab.

Os produtores estão vendendo o restante da produção 2018/19 aos poucos, e esta é a melhor estratégia para o final desse ano e durante os dois primeiros meses de 2020, quando a primeira safra entrará com maior intensidade no mercado, mas sem provocar queda significativa dos preços.

 

Trigo 

A previsão de aumento da oferta mundial superior a demanda, resultando em aumento do estoque final de passagem da safra 2019/20 tem mantido as cotações internacionais no intervalo entre U$ 4,9 a U$ 5,6/bushel. 

Apesar dos problemas climáticos na Argentina, nosso principal supridor, a estimativa da produção (20,0 milhões de toneladas) é levemente superior a colhida na safra 2018/19.

No Brasil, a entrada da safra paranaense no mercado reduziu os preços médios mensais recebidos pelos produtores nesse ano de R$ 45,8   a R$ 46,2 para R$ 44,58 em outubro. No entanto, as adversidades climáticas que afetaram a produção no Paraná e no Rio Grande do Sul aumentaram a necessidade de importação e o aumento da taxa de câmbio o preço do produto importado posto no país. Mas a estagnação do consumo interno não propiciou maior recuperação do preço médio recebido pelos produtores paranaenses, que apenas retornou ao nível de R$ 46,0 a saca, patamar que não cobre o custo operacional de produção. 

 

*Eugenio Stefanelo é professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), doutor em economia agrícola e apresentador do programa Negócios da Terra, da Rede Massa

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias