Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4689 | 22 de Outubro de 2019

ENCONTRO DE NÚCLEOS: Cooperativas de Cascavel sediam evento nesta terça-feira, com 140 participantes

As cooperativas Coopavel, Cotriguaçu, Credicoopavel e Credicapital recebem, nesta terça-feira (22/10), o 55º Encontro de Núcleos Cooperativos do Sistema Ocepar. O evento ocorre na Associação Atlética Coopavel, em Cascavel, Oeste do Estado, com 140 lideranças de 17 cooperativas, dos ramos agropecuário, crédito, saúde e infraestrutura, e é realizado paralelamente à reunião da diretoria da Ocepar, prestigiada por diversos diretores da entidade.

Abertura - A reunião foi aberta com a execução do Hino Nacional e com as bençãos do padre Zico, Reginei José Módulo. Em seguida, o prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos, deu boas-vindas e destacou a importância das cooperativas para o desenvolvimento da região. “O que existe por trás de cada um de vocês nesta sala? Quantos empregos geram, quantas riquezas distribuem? Sou da opinião de que o poder público não deve atrapalhar e tem a obrigação de incentivar, apoiar e ser parceiro das principais iniciativas das nossas cooperativas aqui do município”, frisou o prefeito.

Agradecimento - O coordenador do Núcleo Oeste, Valter Pitol, agradeceu o apoio das cooperativas anfitriãs e ressaltou boa presença no evento. O superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile, e o presidente do Sistema Ocepar, Roberto Ricken, destacaram, na sequência, a importância desses encontros. Guido Bresolin, presidente da Credicapital Sicoob, e o presidente da Coopavel e diretor da Ocepar, Dilvo Grolli, anfitriões do evento deram boas-vindas a todos presentes.

Ferrovia - Grolli fez um relato sobre as principais demandas da região Oeste e que necessitam de uma ação do sistema. Entre os temas, o dirigente falou sobre a necessidade de uma ferrovia para escoamento da produção, especialmente carnes. Em artigo entregue a cada um dos participantes do evento, Dilvo ressalta: “no Paraná, faz-se necessária uma nova versão de concessão, bem como um programa de investimentos em melhorias nas ferrovias e em novos trechos como o de Cascavel a Paranaguá, inclusive com o aproveitamento de parte da malha existente e a ampliação da linha da Ferroeste para Mato Grosso do Sul e para o Paraguai, em Foz do Iguaçu/PR”.

Sistema OCB - A novidade desta rodada de reuniões é a presença do superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile, que, pela primeira vez, acompanha este roteiro. Como aconteceu em Prudentópolis, em Cascavel, Nobile fez um relato sobre a atuação do Sistema OCB. “É um trabalho intenso e sempre em sintonia com o Paraná, onde um dos nossos diretores é o Ricken, que nos traz as demandas apresentadas pelas cooperativas do Estado. Nossa equipe está em Brasília com a missão de sempre defender os interesses do setor, seja junto aos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário”, lembrou. Nobile apresentou números de uma recente pesquisa realizada com os integrantes do Congresso: “atualmente, 15% dos parlamentares são associados a pelo menos uma cooperativa. Apenas 5,5% dos parlamentares possuem uma imagem negativa do cooperativismo. E 19,6% dos parlamentares entrevistados citaram o ramo agropecuário como sua principal bandeira no parlamento. Precisamos ampliar ainda mais esta base e a Frente Parlamentar (Frencoop) é o caminho. Temos hoje 264 deputados nesta frente e 37 senadores. Esta mobilização já completou 30 anos de atividade. Não temos uma cor partidária. Temos, sim, a causa do cooperativismo como bandeira principal no Congresso”, destacou o líder cooperativista.

Próximos eventos - A segunda rodada dos Encontros de Núcleos Cooperativos iniciou nesta segunda-feira (21/10), por Prudentópolis, e continua, nesta quarta e quinta-feira (23 e 24/10), em Francisco Beltrão e Mandaguari.

{vsig}2019/noticias/10/22/encontros_nucleos/{/vsig}

 

FORMAÇÃO: Curso sobre aplicação das principais normas de contabilidade inicia com 60 participantes

Cerca de 60 contadores e técnicos contábeis das cooperativas do Paraná estão participando do Curso Aplicação Prática das Principais Normas de Contabilidade para Cooperativas, que teve início, na manhã desta terça-feira (22/10), no auditório do Sistema Ocepar, em Curitiba. A programação foi aberta pelo superintendente da Federação e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Fecoopar), Nelson Costa, e pela gerente de Desenvolvimento Cooperativo do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR), Maria Emília Pereira. A formação prossegue até esta quarta-feira (23/10). As orientações estão sendo repassadas pelo especialista em Contabilidade e Finanças, professor Laudelino Jochem.

Conteúdo - Ao longo dos dois dias, o instrutor irá tratar dos seguintes temas: estrutura das normas de contabilidade; como interpretar um fenômeno contábil; políticas contábeis e retificação de erros; Interpretação Técnica Geral (ITG) 2004 – entidade cooperativa; estoques; ativo imobilizado; ativo intangível; provisões, passivos e ativos contingentes; mensuração a valor justo; receita de contrato com cliente e instrumentos financeiros.

Clique aqui para conferir a programação completa do Curso Aplicação Prática das Principais Normas de Contabilidade para Cooperativas

 

{vsig}2019/noticias/10/22/curso_normas_contabeis/{/vsig}

COOPERATIVISMO: OCB participa da Conferência e Assembleia da ACI

 

cooperativismo 22 10 2019A Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) participou na semana passada, em Kigali, capital de Ruanda, da Conferência Internacional e da Assembleia Geral da Aliança Cooperativa Internacional (ACI). Os eventos reuniram mais de 1.100 pessoas, provenientes de 94 países.

 

Debate - Com o slogan “Cooperativas em prol do Desenvolvimento”, a Conferência Internacional da ACI, realizada entre os dias 15 e 17 de outubro, debateu a contribuição do cooperativismo para os principais desafios do desenvolvimento internacional sustentável.

 

Casos de sucesso - A OCB foi convidada a apresentar casos de sucesso de cooperativas brasileiras nos painéis que debateram segurança alimentar e redução de desigualdades. Tivemos a oportunidade de compartilhar experiências positivas de nossas cooperativas para estas que são duas das frentes dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

 

Prêmio - Durante a conferência, a ACI fez a entrega do Prêmio Pioneiros de Rochdale, principal honraria do cooperativismo internacional. O prêmio é oferecido a grandes líderes mundiais na promoção do ideal cooperativista. Este ano, foram dois homenageados: o presidente da CCA Global Parners dos Estados Unidos, Howard Brodsky; e o presidente da NACF da Coreia do Sul, Kim Byeong-won.

 

Cenário internacional - O cenário internacional como um todo tem despertado a atenção das cooperativas para a importância do planejamento estratégico e da gestão financeira temas que pautaram as deliberações da Assembleia Geral que reuniu o maior quórum dos últimos treze anos. As discussões ocorreram logo depois da reunião da ACI.

 

Prioridades - Entre os itens apreciados, foram aprovados quatro pilares para a composição do próximo planejamento estratégico da ACI. Com o objetivo de substituir o Blueprint para a Década Cooperativista, o novo plano de ação entrará em vigor no próximo ano e definirá as prioridades da Aliança até 2030.

 

Temas priorizados - Os temas priorizados para o planejamento foram: promoção da identidade cooperativa; fomento ao crescimento do modelo em todo mundo; promoção do comércio entre cooperativas e colaboração aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. O próximo passo será a criação de um grupo de trabalho no âmbito do Conselho da ACI que elaborará uma proposta de plano de ação.

 

Moção conjunta - A Assembleia também aprovou uma moção conjunta dos membros em favor de padrões internacionais de contabilidade específicos para o modelo cooperativo. A Aliança entende que a incorporação das atuais práticas internacionais de contabilidade tem prejudicado os negócios de cooperativas em diversos países ao exigir, por exemplo, que o capital social das cooperativas seja categorizado como débito. Por esse motivo, a ACI lidera um movimento em prol da criação de regramento específico ao cooperativismo.

 

Mudanças no estatuto - Os delegados também optaram por mudanças no estatuto da ACI para permitir uma maior e mais efetiva participação dos representantes de comitês de jovens e de mulheres nos conselhos de administração regionais da Aliança. O orçamento destinado a tais comitês também será revisado.

 

2020 na Coreia - Ao final do evento, Seul, capital da Coreia do Sul, foi anunciada como a sede da Assembleia Geral de 2020, ano em que a ACI vai comemorar seus 125 anos de fundação. Na ocasião, a proposta de planejamento estratégico para o período de 2020-2030 será referendada pelos membros da Aliança. (Informe OCB)

COOPAVEL: Show Rural terá encontro de TI de cooperativas do Brasil e Paraguai

 

coopavel 22 10 2019Uma das principais novidades da segunda edição do Show Rural Digital, agendado para o período de 3 a 7 de fevereiro de 2020, será o Encontro de TI das Cooperativas do Brasil e Paraguai. O evento é inédito na área de Tecnologia da Informação e contribuirá para aprofundar assuntos de interesse comum das cooperativas dos dois países.

 

Alinhamento  - Os temas do encontro já são alinhados por equipes da Coopavel, Ocepar e OCB, a Organização das Cooperativas do Brasil. Segundo o coordenador do Show Rural Digital, José Rodrigues da Costa Neto, há a possibilidade também de representantes de cooperativas da Argentina participar do evento. A área de TI, devido às inovações que invadem o setor produtivo e que estão presentes nos mais diversos segmentos do agronegócio, ganham grande importância no cotidiano das cooperativas.

 

Edição inaugural - Na edição inaugural do Show Rural Digital, em fevereiro de 2019, aconteceu em Cascavel o Fórum de TI das Cooperativas do Paraná. Diante da repercussão desse evento e do que o Show Rural Coopavel representa para o País, a OCB entendeu como importante a realização do encontro nacional, que ganha ainda mais destaque com a confirmação da presença de cooperativas do Paraguai, que, a exemplo do Brasil, é um grande produtor de grãos e consumidor de novas tecnologias e inovações para o setor.

 

Números - Atualmente, o Brasil conta com 6.828 cooperativas com atuação em 13 segmentos. Juntas elas têm 14,6 milhões de cooperados e geram 425 mil empregos. O faturamento anual é superior a R$ 260 bilhões, com geração de R$ 7 bilhões em impostos todos os anos. No Paraná, são 220 as cooperativas em atividade, com 1,8 milhão de cooperados e mais de 101 mil empregos gerados. O faturamento global do setor no ano passado foi de R$ 83,7 bilhões, com mais de R$ 2 bilhões em impostos e R$ 15 bilhões em exportações. (Imprensa Coopavel)

COAMO: 39º Festival de Música da Arcam reúne mais de mil pessoas e grande nível técnico no show da MPB

 

O Festicam é um show! É o show dos calouros associados da Arcam e uma bela realidade há 39 anos, como grande atração do calendário sóciocultural da Associação dos Funcionários da Coamo Agroindustrial Cooperativa. 

 

Apresentações - Na sua 39ª edição, o Festicam foi realizado com sucesso de público e nível técnico no sábado (19/10), no ginásio da Arcam, em Campo Mourão (PR), com apresentações de 30 músicas nos estilos popular e sertanejo com mais de 40 associados representantes de 25 entrepostos do Paraná e Mato Grosso do Sul.

 

Vencedores - O campeão do Festicam 2019 foi a dupla Fernando Lago e Rogério Dobbins, das unidades Mamborê/Guarapuava com a música “Mia Gioconda”, de Christyan e Ralf. Eles receberam a premiação em dinheiro e troféu do diretor-secretário da Coamo, Ricardo Accioly Calderari. A dupla Emerson Pires & Marcelo Batista, de Cantagalo, cantou “Chuá Chuá”, de Chitãozinho e Xororó, e ficou em segundo lugar. Foram premiados pelo presidente da Arcam, Paulo Sérgio Mem. Representando Luiziana e Furnas, a dupla Aldo Bastos e Ueliton Nogarini, foram terceiro lugar com a música “É o Amor”, de Zezé Di Camargo e Luciano, recebendo o prêmio de Mário Lino Arantes, diretor Social da Arcam. O gerente da Coamo em Aral Moreira, Fábio Alves, entregou premiação a Elizabete Inouye, de Ivaiporã, que interpretou “Jeito do Mato”, de Paula Fernandes.  Foi para Candói, o troféu de quinto lugar no Festicam, com a música “Como Nossos Pais”, de Elis Regina. Karla Tatiane foi premiada pelo gerente da Coamo em Roncador, Marlon Costa. A Revelação do 39ª Festicam foi o associado Michael Thiago, da gerência de Transportes, com a música “Sem você não viverei”, de André e Matheus. Ele recebeu troféu do gerente da Coamo em Ivaiporã, Domingos Carlos Fontana. 

 

Torcida - A melhor torcida ficou com Cruzmaltina. Com organização, preparação, entusiasmo e alegria os associados fizeram uma festa muito bonita no ginásio da Arcam. Também foram premiadas as torcidas de Guarapuava/Mamborê, Roncador/Tricolor, São Pedro do Iguaçu/Ouro Verde do Oeste e Ivaiporã.

 

Jurados -   No Festicam 2019 participaram da equipe de Jurados o radialista e publicitário Adriano Lima, o professor Pedro Santos, a professora e secretária Municipal de Cultura Marley Formentini, a jornalista Rute Borsuk, a radialista Seli Valença, o jornalista Sid Sauer, a cantora ex-aprendiz na Coamo e vencedora do Festicam na década de 1990 Milene Mesquita. A presidência do Juri esteve a cargo de Edenilson Carlos de Oliveira, gerente de Produtos da Coamo e diretor vice-presidente da Arcam.

 

Organização - Foi composta a Comissão Organizadora pelos seguintes membros:  Presidente de Honra (Paulo Sérgio Mem), presidente da Comissão Organizadora (Mário Lino Arantes). Coordenação geral (Ilivaldo Duarte de Campos); Jader Lupércio dos Santos, Claudete Maria Kurta, Danielle Cristina da Silva e Gilson José Peres Fávaro.

 

Participação - “Agradecemos a nossa equipe da Organização, aos associados presentes de várias unidades e a todos que direta ou indiretamente colaboraram para o grande sucesso do nosso Festicam, um evento grandioso que revela talentos, contribui para valorizar a nossa música brasileira e proporciona momentos de alegria, entretenimento e diversão para as nossas famílias. Partilhamos com todos o sucesso do nosso Festival de Música que em 2020 completará 40 anos”, comemora Paulo Sérgio Mem, diretor presidente da Arcam. (Imprensa Coamo)

 

{vsig}2019/noticias/10/22/coamo/{/vsig}

SICREDI I: Série de vídeos explica o cooperativismo de crédito de maneira descomplicada

 

sicredi I 22 10 2019Com o objetivo de promover o conhecimento sobre o cooperativismo de crédito para a população brasileira e impulsionar o segmento que já conta com mais de 11 milhões de adeptos no Brasil, segundo o levantamento de junho do Banco Central, o Sicredi ampliou a série de vídeos Como Fazer Juntos, trazendo mais 25 filmes sobre linhas de crédito, consórcios, cartões, crédito agrícola e seguros. Ao todo, são 43 vídeos que explicam de forma simples tudo sobre o Cooperativismo de Crédito. A série está disponível na plataforma Como Fazer Juntos (comofazerjuntos.com.br).

 

Participação igualitária e colaborativa - O material valoriza a participação igualitária e colaborativa do cooperativismo de crédito, onde o associado é o dono do negócio, vota e decide os rumos da sua cooperativa. Para o Sicredi a inclusão financeira é prioridade no desenvolvimento econômico e social do país e, por isso, a instituição segue investindo em iniciativas que possam levar informações mais claras para a sociedade de uma forma geral. 

 

Dúvidas - “Os vídeos foram criados a partir das principais dúvidas registradas sobre o Cooperativismo de Crédito na nossa Ouvidoria e nas nossas redes sociais. E outro ponto forte da série é que os protagonistas são os próprios colaboradores da instituição, uma forma de aprender sobre o segmento com quem o vive na prática”, afirma Bianca Franchini, gerente de Comunicação Institucional do Sicredi. 

 

Mais acessados - Os conteúdos que tratam de poupança e investimento têm sido os mais acessados na plataforma e já reúnem mais de 7 milhões de visualizações via redes sociais e site institucional. Embora o hábito de guardar dinheiro ainda não faça parte da cultura de boa parte dos brasileiros, o interesse nesse tema tem aumentado cada vez mais e a instituição tem impulsionado ações para estimular os associados a planejarem melhor seu futuro. O bom desempenho da carteira de poupança é um dos fatores que leva a instituição a acreditar que o hábito está se tornando mais comum. Em 2018, foi registrado o incremento de R$ 3,7 bilhões na carteira de poupança do Sicredi, volume 38,7% maior em relação ao ano anterior.   

 

Solidez e segurança - Outros pontos que os novos vídeos buscam destacar são a solidez e segurança do Cooperativismo de Crédito. As cooperativas também são reguladas pelo Banco Central do Brasil e contam com o Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop), um mecanismo de segurança semelhante ao das instituições financeiras convencionais para garantir mais segurança nos investimentos. 

 

Fortalecimento - A plataforma Como Fazer Juntos é mais uma ferramenta para fortalecer o segmento que já representa 2,7% dos ativos totais do Sistema Financeiro Nacional (SFN) e que hoje está presente em aproximadamente metade dos municípios brasileiros e, em muitos deles, sendo o único meio de acesso ao sistema financeiro. 

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

SICREDI II: Instituição cooperativa participa de conferência que discute tecnologia e contabilidade

 

Maior evento de contabilidade e tecnologia da América Latina, a Conta Azul [CON] é realizada nos dias 22 e 23 de outubro, no Transamérica Expo Center, em São Paulo, com o objetivo de levar informação e possibilitar troca de experiências e networking entre empreendedores da área. A conferência terá cinco palcos simultâneos, workshops, hackathon e feira de negócios. 

 

Participantes - Entre os palestrantes estão o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o executivo da Magazine Luiza Frederico Trajano e o historiador Leandro Karnal. Outro destaque do evento é o Sicredi, instituição financeira cooperativa com mais de 4 milhões de associados, que leva para o empreendedor informações sobre as vantagens do cooperativismo de crédito para quem já tem ou pretende abrir um negócio próprio na área. Diferenciais que serão demonstrados pelo diretor de Desenvolvimento da Central Sicredi PR/SP/RJ, Adilson Félix de Sá, durante palestra realizada no evento, na quarta-feira, 23 de outubro. “Estamos crescendo significativamente junto aos empreendedores por conta das condições oferecidas e atendimento mais próximo. Além disso, o associado pode participar da gestão da instituição, durante as Assembleias, e se beneficiar dos resultados financeiros obtidos”, explica Felix de Sá.

 

Aumento - Alternativa ao mercado financeiro tradicional, as instituições financeiras cooperativas já têm conquistado empreendedores em todo o Brasil.  De acordo com o Panorama do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo, elaborado pelo Banco Central, o setor teve um aumento de 23% na carteira de crédito em 2018, principalmente para o setor agrícola e de micro e pequenas empresas.

 

Diferencial - Um dos grandes diferenciais da instituição financeira cooperativa é que o associado é também dono dos negócios. Por meio delas é possível atender aos empreendedores com menos burocracia e custos mais justos. “Recentemente lançamos no mercado a máquina compacta de cartões que não tem aluguel e o valor pago na aquisição é devolvido de acordo com a sua movimentação (cashback). Com chip de internet wi-fi e frete grátis para todo o Brasil, a nossa máquina é um exemplo de solução oferecida pelo Sicredi e que atende à demanda de empreendedores que atuam em diversos setores da economia”, finaliza. (Imprensa Sicredi)

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SERVIÇO

Conta Azul [CON] 

Quando: 22 e 23 de outubro

Local: Transamérica Expo Center - Avenida Dr. Mário Villas Boas Rodrigues, 387 - São Paulo

Palestra - Diferenciais do cooperativismo para empreendedores, por Adilson Felix de Sá

Quando: 23 de outubro, quarta-feira 

Horário: 16h15

Onde: Palco Patrocinadores - Conta Azul [CON] (Transamérica Expo Center)

 

{vsig}2019/noticias/10/22/sicredi_II/{/vsig}

SICREDI UNIÃO PR/SP: Bairro de Ibiporã é transformado por programa social da cooperativa

 

A paisagem do bairro Taquara do Reino, de Ibiporã, Norte do Paraná, está bem diferente do que se via no início do ano. Hoje as ruas estão asfaltadas, os terrenos e calçadas estão limpos, e a comunidade está mais consciente sobre a preservação ambiental. As mudanças ocorreram graças ao Programa A União Faz a Vida (PUFV), da Sicredi União PR/SP, que viabilizou o projeto ‘Meio ambiente por meio de políticas públicas’, desenvolvido por professores e alunos da Escola Municipal Presiden te Marechal Humberto Alencar Castelo Branco e do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Precioso Tesouro.

 

Início - A diretora das duas instituições de ensino, Juliana Maria de Jesus Ribeiro, conta que o trabalho foi iniciado por meio de expedição investigativa em ruas do bairro. “As crianças ficaram impressionadas com a quantidade de lixo e até identificaram objetos descartados pela própria família. Por isso, as duas instituições decidiram que o projeto seria com foco em preservação ambiental”, cita.

 

PUFV - As ações conjuntas também foram motivadas pela proposta do PUFV, que incentiva o cooperativismo, o envolvimento da comunidade e o sentimento de pertencimento. Sendo assim, a primeira ação foi levar as crianças para visitar o prefeito João Toledo Coloniezi a fim de apresentar as necessidades do bairro, como a falta de asfalto, que agora está em fase d e conclusão.

 

Mutirão de limpeza - No córrego Taquara, as turmas também fizeram mutirão de limpeza e o plantio de 70 mudas de árvores doadas pela prefeitura - outras 120 serão plantadas até novembro. E como o bairro já recebe coleta seletiva, a opção foi por ações de conscientização na comunidade. “Esse trabalho foi feito em parceria com agentes sanitários do município. Mensalmente, eles fizeram a entrega de sacos de lixo e de panfletos, enquanto as crianças reforçaram a importância da separação correta do lixo reciclável”, enfatiza Juliana.

 

Pioneiros - A diretora cita ainda que convidaram pioneiros do município para contar às crianças que, antigamente, o lixo era queimado, mas com o aumento da população e da produção de lixo foi preciso encontrar outras soluções para os resíduos. Teve ainda palestra e apresentação teatral para ensinar aos alunos a importância de preservar o meio ambiente.

 

Mudança de mentalidade - “Essas ações resultaram na mudança de mentalidade das crianças, que passaram a cuidar mais de seus pertences e a cobrar tanto dos pais quanto de vizinhos. Além disso, trouxe nova paisagem para o bairro, após recolhimento dos lixos espalhados. Sem dúvida, valeu todo o empenho”, frisa Juliana.

 

Melhorias - Além das questões ambientais, o projeto também promoveu ações de melhorias, como mutirão com os pais de alunos que pintaram a escola municipal e o CMEI. “Em novembro vamos finalizar o projeto com mais uma ação de conscientização sobre o lixo, teremos mais um bate-papo com pioneiros e vamos construir um marco na pista onde foram demolidas barraquinhas irregulares. Nesse local também faremos o plantio de mudas da flor crotalária, que atrai libélulas, predadoras naturais das larvas do mosquito Aedes Aegypti”, adianta.

 

Continuidade - Ao todo, o projeto terá duração de nove meses e, apesar de ser encerrado com o ano letivo, Juliana está certa de que o trabalho terá continuidade. “Toda mudança que vimos no bairro mostra que quando a gente coopera os benefícios acontecem. Essa verdade ficou clara para as crianças e para a comunidade e, por isso, penso que cada um seguirá fazendo a sua parte”, avalia.

 

Programa - O Programa A União Faz a Vida foi criado há 21 anos no Sistema Sicredi com o objetivo de contribuir com a sociedade por meio da melhoria da qualidade de ensino. O foco é incentivar os alunos a terem mais interesse pelo conhecimento, tornando-os protagonistas do processo de aprendizagem. A ideia é que se tornem cidadãos mais cooperativos e proativos no desenvolvimento da comunidade onde vivem.

 

Atividades - As atividades são feitas por meio de expedição investigativa, pesquisa, relatos, rodas de conversa, entre outros. Vale ressaltar que as práticas educativas contam, quase sempre, com o envolvimento da família dos alunos e de apoiadores da comunidade – profissionais e moradores voluntários que agregam conhecimento e, assim, viabilizam a proposta de aproximar o processo educativo da sociedade. O ano letivo é encerrado com a apresentação do aprendizado em forma de dança, teatro, música ou feira de ciências. Há também a exposição do portfólio dos projetos desenvolvidos ao longo do ano. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

{vsig}2019/noticias/10/22/sicredi_uniao/{/vsig}

SICOOB METROPOLITANO: Empoderamento Feminino é tema de evento promovido em Presidente Venceslau

 

Como parte das ações do Outubro Rosa, a agência do Sicoob Metropolitano em Presidente Venceslau (SP) promoveu no último dia 17 o Encontro de Mulheres Empoderadas. Na ocasião, colaboradoras, cooperadas, empresárias e profissionais liberais discutiram assuntos relacionados ao papel da mulher no mercado de trabalho e no meio social.

 

Presença - O evento contou com a participação da superintendente de Gestão Estratégica da Unidade Administrativa, Luciana Pizaia Sakai, que foi uma das palestrantes. Com dados estatísticos, ela abordou a presença feminina no comando dos negócios. Luciana ressaltou também que a trajetória da mulher para chegar a altos cargos é complicada e passa por diversas barreiras.

 

Igualdade e diversidade - Segundo ela, é importante que a cooperativa esteja antenada e preocupada com a igualdade e diversidade das mulheres no ambiente de trabalho e na sociedade. “Quero mostrar um outro olhar do potencial que a mulher tem e como ela pode encarar o dia a dia para fazer acontecer. O lugar da mulher é onde ela quiser. Por isso, é preciso ousar e quebrar padrões”, destaca.

 

Importância da prevenção - Ainda como parte da programação do encontro, a médica Sema Corral falou sobre a importância da prevenção do câncer de mama. Já a executiva da Sancor Seguros, Gisele de Souza, apresentou uma modalidade de seguro que garante à mulher receber ajuda financeira em caso de diagnóstico de câncer.

 

Acima das expectativas - "O Encontro de Mulheres Empoderadas gerou um impacto acima das expectativas. As cooperadas se sentiram valorizadas com o tema apresentado pela nossa superintendente. Além disso, a palestra gerou grande repercussão, mídia espontânea e abriu oportunidade de negócios com mulheres formadoras de opinião", comenta o gerente da agência do Sicoob Metropolitano em Presidente Venceslau. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

{vsig}2019/noticias/10/22/sicoob_metropolitano/{/vsig}

SISTEMA FAEP/SENAR: Projeto sobre evolução dos meios de comunicação vence Concurso Agrinho 2019

 

sistema faep 22 10 2019Os seis projetos vencedores na categoria Experiências Pedagógicas do Concurso Agrinho 2019 foram revelados durante a festa de premiação, nesta segunda-feira (21/10), no Expotrade Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Desenvolvidos ao longo do ano, os trabalhos impactaram não apenas os alunos, mas as famílias, a comunidade e até mesmo o município em que vivem. Entre os anunciados, estão quatro projetos da rede pública, um da rede particular e um do Agrinho Solos. Cada professora autora do projeto levou um carro zero quilometro como prêmio.

 

Rede pública - O projeto vencedor da rede pública veio do município de Moreira Sales, região Central do Paraná. Desenvolvido pela docente Sheila Rodrigues Berti Rosa na Escola Municipal Professora Leonilda O. Prado, o projeto “Informação e comunicação: Agrinho em ação” promoveu o resgate da evolução dos meios de comunicação que fazem a conexão entre campo e cidade, por meio da imersão na realidade de cada veículo. A partir de visitas às emissoras de rádio, de televisão e jornais, foram criados a “Rádio Agrinho” e o “Jornal Agrinho” na escola, com conteúdos produzidos exclusivamente pelos alunos.

 

Alegria - “É uma alegria muito grande. Isso é graças ao trabalho sério que fazemos com a educação e é pelas crianças que estamos aqui. O reconhecimento dessa experiência pedagógica fortalece o trabalho que fazemos todos os dias em sala de aula”.

 

Segundo lugar - O segundo lugar da rede pública também foi para a região Central do Estado, em Rancho Alegre d’Oeste, com o projeto da professora Eliane dos Santos Macedo de Oliveira, do Colégio Estadual Rancho Alegre. Intitulado “Molduras coloridas – memórias das pessoas daqui”, este trabalho teve o objetivo de resgatar a história do município e dos moradores, promovendo a importância da experiência das pessoas na construção da memória local. Desta forma, os alunos embarcaram em uma jornada histórica para conhecer o passado e entender melhor sua identidade e cultura. “É uma emoção indescritível. Com essa vitória, quero levar esperança ao nosso município, que é tão pequeno, e inspirar as crianças”.

 

Bronze - A medalha de bronze ficou com o projeto “Sustentabilidade que faz a diferença”, da docente Janaine Gonçalves de Oliveira, da Escola Municipal Sant’Ana, em Paulo Frontin, no Sudeste. O ponto de partida para esta experiência pedagógica foi uma brincadeira de um aluno que, ao se deparar com um computador com defeito, falou para a professora jogá-lo no mato. A partir daí, foi realizado um trabalho de conscientização sobre o descarte correto de aparelhos e equipamentos eletrônicos. Os resultados apareceram por meio das mudanças de atitude na escola e na comunidade, além da incorporação de hábitos de consumo mais sustentáveis.

 

Maravilhoso - “Eu fui aluna do Agrinho e já participei do concurso, isso sempre marcou a minha vida. Hoje estar aqui como professora é algo maravilhoso. Só tenho a agradecer aos meus alunos, à escola, aos pais e a todos que ajudaram o projeto acontecer. É uma motivação para fazer a diferença na vida das pessoas”.

 

Quarto lugar - O quarto e último lugar da rede pública foi para a professora Ivelize Helena Schuetzler Simão, da Escola Municipal Rui Valdir P. Kern, em Quatro Barras, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). O projeto “Barragem: uma ligação entre o campo e a cidade” surgiu a partir da preocupação dos alunos que, ao verem o caso do rompimento da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais, questionaram se isso poderia acontecer no Paraná. Outro destaque foi a promoção da empatia e da inclusão. Em uma das atividades práticas, uma aula de campo nas barragens Piraquara I e II, a turma se mobilizou para que o colega com problemas de locomoção pudesse ter acessibilidade durante a visita.

 

Sem palavras - “Estou sem palavras. O trabalho só pode ser desenvolvido se todos estiverem juntos, porque juntos somos mais fortes. Quero agradecer ao SENAR-PR por proporcionar essa aprendizagem que não é só dentro da sala de aula, mas que atinge muita gente fora dela”.

 

Rede particular - Na rede particular, a medalha de ouro ficou com a professora Ayzita Sbardella Milioli, do Colégio Franciscano Nossa Sra. de Fátima, em São Miguel do Iguaçu, no Oeste. O projeto “Uma jornada para uma vida saudável e sustentável” foi pautado por uma visão holística, conscientizando os alunos sobre o papel fundamental de cada indivíduo e seus impactos no mundo. As atividades realizadas abordaram questões como hábitos de consumo e redução da produção de lixo, além da confecção de ecobags com tecidos feitos da reciclagem de garrafas PET. “Estou muito realizada. Só tenho a agradecer a todo mundo pelo trabalho desenvolvido e pelas minhas crianças que puderam aprender muito. Nós vamos, sim, ter um mundo melhor”.

 

Solos - Já na categoria Agrinho Solos, o projeto vencedor veio de Castro, nos Campos Gerais, e foi desenvolvido pela professora Gislaine Ferraz e Silva na Escola Municipal Jardim Bela Vista. Sob o título “Reciclando atitudes para salvar nosso solo”, a docente mobilizou a turma para conscientização da população devido ao grande acúmulo de lixo no bairro da escola. Além da implantação de uma horta escolar para recuperação do solo, os alunos conheceram a trajetória do lixo no município e passaram a promover a separação correta dos materiais destinados à coleta seletiva. O resgate da autoestima e a valorização dos catadores de recicláveis também foram destaque neste trabalho, que receberam uma homenagem dos alunos.

 

Felicidade - “É muita felicidade ser reconhecida dessa forma pois é um trabalho que fez uma transformação na comunidade. Eu nunca vi outro programa fazer uma coisa dessas, é inacreditável. Meu objetivo agora é continuar fazendo a diferença na vida dos meus alunos”.

 

Avaliação - Na edição deste ano, a banca do Agrinho avaliou 650 trabalhos inscritos na categoria Experiência Pedagógica. Para a etapa final do concurso, foram selecionados 30 trabalhos – 20 da rede pública, cinco da rede particular e cinco na categoria Agrinho Solos. Como prêmio, cada um dos seis professores responsáveis pelos projetos vencedores ganham um carro zero quilômetro. (Assessoria de Comunicação Social do Sistema Faep/Senar-PR)

INFRAESTRUTURA: Duplicações, viadutos e trincheiras serão executados com recursos de leniência

 

O governador Carlos Massa Ratinho Junior anunciou, nesta segunda-feira (21/10), as 12 obras que serão executadas com R$ 365 milhões liberados pelo acordo de leniência firmado pela Concessionária CCR-Rodonorte e o Ministério Público Federal (MPF). São oito interseções de nível (viadutos, trincheiras e passagens) e cerca de 30 quilômetros de duplicações nas rodovias sob responsabilidade da empresa.

 

Escolha técnica - Ratinho Junior afirmou que a escolha do pacote de obras foi técnica e levou em consideração questões como segurança de usuários e pedestres, fluxo de veículos e mobilidade. Entre as prioridades estão trechos com alto índice de mortes por atropelamento, conforme informações colhidas junto à Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Polícia Rodoviária Estadual (PRE).

 

Início imediato - As obras que já tiverem projetos começam imediatamente, mas todas as intervenções devem ser realizadas até o final da concessão, em 2021. “É uma vitória do povo do Paraná. Essas obras vão diminuir a violência nas estradas”, afirmou o governador. “Estamos recuperando o tempo perdido. O pedágio não é um mal, existe em todo o mundo. Ruim são o preço e as obras que não aconteceram”.

 

Execução de todas - O secretário de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, reforçou que o acordo assegura a execução de todas as obras. “Já há orçamento previsto para todas as ações. Se, por um acaso, uma ou outra obra não chegar ao fim, a concessionária se responsabiliza por terminar mesmo fora do prazo de concessão. Não existe chance de qualquer obra começar e não terminar”, explicou.

 

Trechos - Após 11 reuniões entre a Secretaria de Estado da Infraestrutura e Logística (Seil), o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-Pr) e a Rodonorte ficou acordada a realização de 12 ações. As duplicações vão ocorrer em cinco trechos da BR-376, na região de Imbaú e as intersecções na BR-277, em Campo Largo, na PR-151, em Ponta Grossa, Piraí do Sul e Castro, e nas BRs 376 e 373, em Ponta Grossa (veja lista abaixo).

 

Segurança - A decisão pelas intervenções levou em conta balanço da Polícia Rodoviária Federal que aponta 62 mortes entre 2010 e 2018 apenas no trecho urbano da BR-373, que corta Ponta Grossa. “Participamos ativamente de toda a discussão, sempre tendo como ponto focal aqueles trechos que causam mais acidentes, procurando preservar a vida dos paranaenses”, comentou Ismael Oliveira, da Superintendência da PRF no Paraná. “Teremos mais segurança, zelando pelas vidas”, completou o tenente-coronel Olavo Vianei, comandante da PRE.

 

Obras previstas e não realizadas - Várias obras estavam previstas no contrato inicial de concessão firmado pelo Governo do Paraná em 1997, mas não foram realizadas. Uma delas era o Contorno de Ponta Grossa, com extensão de 12,8 quilômetros. De acordo com a concessionária, hoje o valor estimado dessa obra seria de quase R$ 312 milhões, inviabilizando a inclusão da intervenção neste pacote.

 

Melhorias - Com isso, explicou Sandro Alex, os técnicos do DER sugeriram obras de melhorias na Avenida Souza Naves que não estavam no contrato inicial. “Este trecho apresenta uma combinação letal: pedestres e crianças convivem com o tráfego pesado de caminhões”, ressaltou.

 

Logística - Outro ponto destacado pelo governador Ratinho Junior diz respeito à logística do Estado. As interseções em áreas industriais de Ponta Grossa e no trecho de acesso a Castro permitirão um melhor escoamento da produção. “Precisamos lembrar que a nossa produção agropecuária dobra a cada 10 anos. Essas obras vão ajudar muito na logística de todo o Paraná”, afirmou.

 

Incumbências - Ficou ainda estipulado no acordo, entre outros pontos, que o DER terá a responsabilidade de fiscalizar o cumprimento do termo de leniência, acompanhando a execução das obras. A concessionária poderá terceirizar a execução dos serviços, mas fica proibida de contratar diretamente construtoras que integram o mesmo grupo econômico.

 

Operação - O acordo de leniência entre a Rodonorte e o MPF foi firmado em março de 2019 depois que a concessionária foi alvo da Operação Integração, que apurou atos de corrupção entre agentes públicos e as seis concessionárias de rodovias que atuam no Anel de Integração.

 

Propinas - A Rodonorte reconheceu o pagamento de propinas para conseguir mudanças contratuais, atos de corrupção e lavagem de dinheiro desde 2000. O acordo prevê que a empresa pagará, a título de reparação de danos, valores destinados a reduzir a tarifa de pedágio e a fazer obras rodoviárias no interesse direto dos usuários da via.

 

Valor - Ao todo são R$ 750 milhões até o final da concessão, sendo R$ 365 milhões para a execução de obras e outros R$ 350 milhões para arcar com redução em 30% da tarifa de todas as praças de pedágio por ela operadas, medida em vigor desde abril. Houve ainda o pagamento de multa para o Estado no valor de R$ 35 milhões.

 

Grupo de trabalho - Diante dos reflexos da Operação Integração, o governador Ratinho Júnior determinou a criação de um grupo técnico para acompanhar o fim dos contratos de concessão entre o Estado e as cinco empresas responsáveis pelo Anel de Integração.

 

Especialistas - O grupo composto por 13 especialistas de diferentes secretarias tem como objetivo avaliar e acompanhar todas as questões em aberto nos contratos, estabelecer as liquidações necessárias e apurar indenizações eventualmente devidas, considerando inclusive outros aspectos discutidos em âmbito judicial.

 

Determinação - A determinação do governador Ratinho Junior é de que todo o patrimônio de direito seja entregue ao Estado e que os contratos sejam encerrados sem ônus aos usuários.

 

PGE - O trabalho acabou por municiar a Procuradoria Geral do Estado (PGE) com informações para defesas em processos já instaurados na Justiça além da propositura de ações reparadoras para o Paraná.

 

Nova concessão - Outra consequência da operação da PF foi a celeridade de entendimento entre o Governo do Paraná e o governo federal. Em fevereiro de 2019 houve concordância para a realização de uma nova licitação do Anel de Integração. 

 

Ampliação - “Vamos ampliar de 2.500 para 4.100 quilômetros de rodovias concedidas no Paraná. Será o maior leilão de rodovias do Brasil, a ser realizado pela União”, afirmou o governador, ressaltando que o leilão vai ocorrer na Bolsa de Valores de São Paulo”, . “A nossa estimativa é que o valor do pedágio seja reduzido de 30 até 50% em alguns casos”, completou o secretário Sandro Alex.

 

Presenças - Participaram do anúncio o secretário da Comunicação e Cultura, Hudson José; o controlador-geral do Estado, Raul Siqueira; o diretor-geral do DER, Fernando Furiatti; e Wilson Oliveira; presidente do Conselho de Desenvolvimento Econômico de Ponta Grossa.

 

Veja quais obras serão feitas no Paraná:

Interseção I-04 - Jardim Guarany – Campo Largo - BR-277

Interseção I-06 - Cercadinho – Campo Largo - BR-277

Interseção I-19 – Acesso a Castrolanda/Socavão – Castro – PR-151 com PR-340

Interseção I-09 - Trevo de Brotas - Piraí do Sul - PR-151

Interseção em dois trechos da Avenida Souza Naves - Ponta Grossa - BR-373

Interseção I-27 Acesso Secundário Ponta Grossa - PR-151

Interseção I-60 Acesso ao Contorno Leste de Ponta Grossa - BR-376

Duplicação BR 376 – KM 431 ao 420

Duplicação BR 376 – KM 420 ao 412

Duplicação BR 376 – KM 412 ao 411,3

Duplicação BR 376 – KM 403 ao 399,8

Duplicação BR 376 – KM 399,8 ao 394,5

 

Concessão Rodonorte

O sistema rodoviário atendido pela Rodonorte no Paraná abrange:

- BR 277, entre Curitiba e São Luiz do Purunã;

- BR 376, entre Apucarana e São Luiz do Purunã, passando por Ponta Grossa;

- PRC 373/PR 151, entre Ponta Grossa e Jaguariaíva;

- BR 373, no perímetro urbano de Ponta Grossa (Av. Souza Naves), ligação da cidade com as saídas para o Norte do Paraná e Foz do Iguaçu.

(Agência de Notícias do Paraná)

 

{vsig}2019/noticias/10/22/infraestrutura/{/vsig}

SETOR SUCROALCOOLEIRO: Portaria define regras para cota de importação de etanol sem tarifa

 

setor sucroalcooleiro 22 10 2019Portaria do Ministério da Economia, publicada nesta segunda-feira (21/10), define a divisão da cota de importação de etanol pelo Brasil, mantendo o limite de 750 milhões de litros ao ano. Na safra de etanol no Nordeste, de 31 de agosto de 2019 a 29 de fevereiro de 2020, poderão serão importados no máximo 200 milhões de litros com alíquota zero.

 

Duas cotas - Na entressafra, serão duas cotas de 275 milhões: de 1º de março de 2020 a 31 de maio de 2020 e de 1º de junho de 2020 a 30 de agosto de 2020. O estabelecimento de cotas menores na safra nordestina foi negociado pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina.

 

Reuniões - Durante as negociações, a ministra se reuniu com o setor sucroalcooleiro. Também falou por telefone com o secretário da Agricultura dos Estados Unidos, Sonny Perdue. De acordo com dados de 2018, 99,7% das importações brasileiras de etanol vêm dos Estados Unidos.

 

Imposto - Atualmente, o imposto de importação para o etanol é de 20%, mas a tarifa só é cobrada se o país ultrapassar a cota. Dentro do limite, a tarifa é zero para qualquer país. 

 

Limite - A cota de importação anterior era de 600 milhões de litros de etanol por ano. O limite de 750 milhões foi estabelecido em agosto passado, com validade de 12 meses. (Mapa)

MISSÃO INTERNACIONAL: Ministra Tereza Cristina inicia agenda de compromissos na China

 

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) iniciou nesta segunda-feira (21/10) agenda de compromissos na China. Esta é a segunda visita da ministra ao país este ano.

 

GACC - Tereza Cristina reuniu-se com o administrador-geral da GACC, ministro Ni Yuefeng. O órgão é responsável pelas questões sanitárias e fitossanitárias na China. Na pauta, a ampliação dos produtos agropecuários brasileiros exportados para a China, maior parceiro comercial do Brasil. As conversas técnicas sobre tema terão continuidade nesta terça-feira (22/10).

 

Executivos - A delegação brasileira teve encontro também com executivos da BBCA Brazil, grupo de tecnologia de fermentação biológica, para debater a ampliação dos investimentos no Brasil.

 

Companhia - Acompanham a ministra o secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Orlando Leite Ribeiro, e o secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, José Guilherme Leal, além de diretores de questões sanitárias e inspeção animal do ministério, adidos agrícolas e representantes da Embaixada do Brasil na China.

 

Ministro da Agricultura - Durante a viagem, Tereza Cristina irá se reunir com o Ministro da Agricultura e Assuntos Rurais da China, Han Changfu.

 

Bolsonaro - Na sexta-feira (25/10), a ministra integra a comitiva do presidente Jair Bolsonaro, que estará no país.

 

Seminário - Tereza Cristina participará da abertura do Seminário Empresarial Brasil e China, promovido pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e também de uma palestra sobre o agronegócio brasileiro. A ministra retorna ao Brasil no dia 26 de outubro.

 

Exportações para China - Em maio, a ministra esteve na China, quando se encontrou com o representante da GACC. Depois da visita, a China anunciou a habilitação de 25 plantas frigoríficas do Brasil. Com isso, o número de frigoríficos habilitados a vender carnes para os chineses passou de 64 para 89.  

 

Habilitação - A China também habilitou 24 estabelecimentos brasileiros para exportação de produtos lácteos, como leite em pó, queijos e leite condensado. A certificação estava acordada com o país asiático desde 2007, mas não havia nenhuma planta brasileira habilitada a exportar. Os chineses são os maiores importadores mundiais de lácteos. (Mapa)

 

{vsig}2019/noticias/10/22/missao_internacional/{/vsig}

IPCA-15: Prévia da inflação é de 0,09% na menor taxa para outubro desde 1998

ipca 15 22 10 2019A prévia da inflação de outubro é de 0,09%. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) foi divulgado nesta terça-feira (22/10) e é o menor registrado para outubro desde 1998, quando foi de 0,01%. O IPCA-15 é a inflação oficial do país.

Alta acumulada - Segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a alta acumulada este ano está em 2,69%. Nos últimos 12 meses, ficou em 2,72%.

Grupos - Os grupos de saúde e cuidados pessoais, com 0,85%, e transportes, com 0,35%, foram os responsáveis por puxar o IPCA-15 para cima em outubro.

Quedas - As principais quedas, que determinaram deflação, ficaram por conta de alimentação e bebidas (-0,25%), habitação (-0,23%) e artigos de residência (-0,21%). (Agência Brasil)

Foto: Pixabay

 

ECONOMIA: Brasil planeja ‘choque’ em tarifa industrial

 

O plano de abertura da economia desenhado pelo governo Jair Bolsonaro prevê um corte unilateral das alíquotas de importação sobre produtos industriais de 13,6% para 6,4%, na média, em quatro anos - o que deixaria o Brasil com níveis de proteção tarifária à indústria equivalentes aos dos países mais ricos do mundo.

 

Simulação - O Valor teve acesso à simulação feita pelo governo brasileiro e compartilhada com os demais sócios do Mercosul para reduzir a Tarifa Externa Comum (TEC). A intenção do Ministério da Economia e do Itamaraty é avançar nas discussões em encontro de cúpula presidencial do bloco pré-marcado para os dias de 4 e 5 de dezembro, em Bento Gonçalves (RS), com a presença do argentino Mauricio Macri e menos de uma semana antes da conclusão de seu mandato na Casa Rosada.

 

Primeiro exercício - Pela simulação, que representa o primeiro exercício efetivo nas discussões sobre o futuro da TEC, as alíquotas aplicadas sobre automóveis de passageiros trazidos do exterior devem cair de 35% para 12%. Diminuiria também, de 35% para 12%, a tarifa cobrada de produtos têxteis e vestuário. Em um momento de sobreoferta e excesso de capacidade global, laminados de aço a quente teriam queda de 12% para 4%.

 

Ônibus - Ônibus passariam de 35% para 4%. O polipropileno, um dos principais bens da indústria petroquímica produzidos no Brasil, baixaria de 14% para 4%.

 

Corte médio não linear - Integrantes da equipe econômica já haviam dito, em entrevistas, que o Brasil submeteria ao Mercosul um plano de corte médio e não linear da TEC pela metade.

 

Canal de diálogo- Representantes do setor privado reclamam que, desde então, não têm conseguido abrir um canal de diálogo com o governo para falar sobre o assunto. O que revela a proposta obtida pelo Valor é que, para diversos setores da indústria de transformação, o corte poderia ir muito além de 50% da tarifa de importação praticada hoje. Enquanto isso, o agronegócio ficaria com alíquotas praticamente inalteradas.

 

Apresentação - O documento foi apresentado ao “Grupo Ad Hoc para Analisar a Consistência e Dispersão da TEC” e ainda não teve resposta dos outros sócios do bloco - Argentina, Uruguai e Paraguai. Há sugestões de alíquotas para 10.270 NCMs, como são conhecidas as nomenclaturas comuns do Mercosul. Cada NCM abrange um produto específico ou uma pequena categoria de produtos.

 

Todo - Quando se levam em conta segmentos industriais como um todo, o “choque tarifário” também fica evidente: o estudo é de redução da TEC para calçados (31,8% para 12%), equipamentos médico-hospitalares (11,2% para 3,8%), móveis (17,6% para 8,8%), produtos plásticos (10,8% para 4,8%), siderúrgicos (10,4% para 3,7%), máquinas, material e aparelhos elétricos (12% para 4,2%).

 

Agronegócio - A forte abertura da indústria, no entanto, contrasta com um movimento bem mais tímido de liberalização da agricultura e do agronegócio - justamente os setores nos quais o Brasil tem mais competitividade e, em teoria, não precisaria tanto de proteção.

 

Vinhos - A simulação feita para a tarifa dos vinhos, cujo polo gaúcho de produção fica em base eleitoral do ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil), é manter a alíquota no mesmo nível da praticada hoje (20%). A TEC para o etanol seria mantida em 20%, o que pode conter a insatisfação dos usineiros do Nordeste, com viés mais protecionista e já contrariados com a ampliação recente - de 600 milhões para 750 milhões de litros - da cota livre de tarifas pelo período de um ano.

 

Banana - Outro segmento sem mudança é o dos produtores de banana. A tarifa atual é de 10% e ficaria assim. Em março, Bolsonaro fez questão de “pedir desculpas para o pessoal do Vale do Ribeira”, onde passou a adolescência, pelas importações de bananas do Equador. 

 

Reconhecimento - Em 2017, após anos de negociações, o Ministério da Agricultura reconheceu o país andino livre de um vírus apontado como risco fitossanitário ao Brasil. “Como é que pode uma banana sair do Equador, andar 10 mil quilômetros, passando pelo canal do Panamá e pelo porto de Santos, e chegar a um preço competitivo lá no Ceagesp, se a 150 quilômetros de São Paulo você tem o Vale do Ribeira, cuja economia em grande parte é a banana?”, questionou Bolsonaro.

 

Postergação - Reservadamente, um alto funcionário do governo brasileiro afirma que a iminência de uma derrota de Macri deve postergar o desfecho das discussões sobre a nova TEC. Até meados do ano, segundo essa fonte, Brasília vinha trabalhando com um cenário de reeleição do atual presidente e um clima mais favorável para a maior reestruturação da tarifa comum do Mercosul em 25 anos.

 

Cronograma repensado - Como essa aposta não vingou e a chapa oposicionista Alberto Fernández-Cristina Kirchner tem ampla vantagem para ganhar já no primeiro turno, nas eleições presidentes deste domingo, o cronograma está sendo repensado.

 

Imprudente - Segundo a fonte ouvida pelo Valor, seria “imprudente” bater o martelo em torno das novas alíquotas na cúpula do Mercosul e deixar um constrangimento ao novo governo argentino, que toma posse em 10 de dezembro. Agora, a ideia é avançar nos trabalhos e ter uma decisão em estágio adiantado, para ser tomada depois de conversas com o provável governo Fernández sobre o futuro do bloco.

 

Tarifa comum - Como é uma união aduaneira, mesmo cheia de imperfeições (já que muitos produtos têm regimes próprios ou fazem parte de listas de exceções), o Mercosul pratica uma tarifa comum para importações provenientes de outros países. A visão dominante na equipe econômica é que o corte unilateral das alíquotas deve ser feito com ou sem a Argentina. 

 

Regressão - Se o país vizinho recusar a proposta de abertura, seguindo a tradicional linha kirchnerista de maior protecionismo, haveria uma espécie de beco sem saída para o Mercosul: a união aduaneira precisaria regredir para uma zona de livre-comércio. (Valor Econômico)

 

 

economia quadro 22 10 2019

COMÉRCIO EXTERIOR: Balança comercial tem déficit de US$ 218 milhões na 3ª semana de outubro

 

comercio exterior 22 10 2019A balança comercial brasileira registrou déficit de US$ 218 milhões na terceira semana de outubro, resultado de uma corrente de comércio de US$ 7,813 bilhões, com US$ 3,798 bilhões em exportações e US$ 4,015 bilhões em importações, informou a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia.

 

Mês - No mês, as exportações somam US$ 11,304 bilhões e, as importações, US$ 10,797 bilhões, com saldo positivo de US$ 507 milhões e corrente de comércio de US$ 22,101 bilhões. No ano, as exportações totalizam US$ 178,510 bilhões e, as importações, US$ 144,385 bilhões, com saldo positivo de US$ 34,125 bilhões e corrente de comércio de US$ 322,895 bilhões.

 

Média diária - A média diária das exportações da terceira semana chegou a US$ 759,5 milhões, 8,9% abaixo da média de US$ 834,1 milhões até a segunda semana, em razão da queda nas exportações das três categorias de produtos: semimanufaturados (-24,3%, de US$ 110,7 milhões para US$ 83,8 milhões, em razão de celulose, ouro em formas semimanufaturadas, ferro-ligas, alumínio em bruto, ferro fundido); manufaturados (-15,1%, de US$ 282,1 milhões para US$ 239,4 milhões, em razão, principalmente, de aviões, automóveis de passageiros, tubos flexíveis de ferro/aço, etanol, gasolina) e básicos (-1,1%, de US$ 441,3 milhões para US$ 436,3 milhões, por conta de milho em grãos, minério de ferro, fumo em folhas, carnes de frango, bovina e suína, algodão em bruto).

 

Crescimento - Do lado das importações, houve crescimento de 6,6%, sobre igual período comparativo (média da terceira semana, de US$ 803,1 milhões, sobre média até a segunda semana, de US$ 753,5 milhões), explicado, principalmente, pelo aumento nos gastos com equipamentos mecânicos, equipamentos eletroeletrônicos, plásticos e obras, farmacêuticos, cobre e suas obras. (Valor Econômico)

SAÚDE: Paraná aplica 17 mil doses da vacina contra o sarampo no Dia D

 

saude 22 10 2019O balanço parcial do Dia D de vacinação contra o sarampo no Paraná registra 17 mil doses aplicadas no sábado (19/10). A mobilização foi dirigida às crianças de seis meses até cinco anos, mas todos que compareceram aos postos puderam receber a dose. No Estado, cerca de 1,8 mil salas de vacinação abriram para imunizar a população.

 

Crianças - Segundo levantamento da Secretaria de Estado da Saúde, cerca de 9,7 mil crianças foram imunizadas dentro da faixa etária priorizada para o Dia D. O público-alvo foi definido pelo Ministério da Saúde com o objetivo de interromper a cadeia de transmissão do vírus da doença em todo o País.

 

Faixa etária- Receberam a vacina 5.575 crianças menores de um ano e 4.124 crianças na faixa de um a quatro anos. Na faixa acima de cinco até 29 anos foram aplicadas 7.305 doses da tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola.

 

Proteção - “A vacina é a única forma de proteção. O Paraná está mobilizado nesta campanha nacional e ações integradas entre o Governo do Estado, Regionais de Saúde e secretarias municipais de saúde estão sendo realizadas para atingirmos a meta de mais de 95% de cobertura vacinal estabelecida pelo Ministério da Saúde”, afirmou o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

 

Campanha - A Campanha Nacional de Vacinação contra o sarampo começou em 7 de outubro. Na primeira fase, até o dia 25 deste mês, seguirá imunizando crianças de seis meses até cinco anos. A segunda etapa será de 18 a 30 de novembro e priorizará os adultos jovens, entre 20 e 29 anos, com Dia D também em um sábado (30/11).

 

População-alvo - “O Dia D é importante para chamar a atenção da população-alvo, mas todas as pessoas que comparecerem aos postos de saúde poderão ser imunizadas. É uma oportunidade de colocar em dia a carteira de vacinação, que é o passaporte para a saúde de todos”, informou Beto Preto.

 

Balanço - Segundo dados parciais do Ministério da Saúde, do início da campanha até agora, o Paraná registra cobertura vacinal entre 95% e 100% para a faixa de menores de um até dois anos incompletos, com aplicação de mais de 121 mil doses. A vacinação seletiva, de seis meses a 11 meses aponta cobertura de 76,5%, com cerca 45 mil doses aplicadas. Na faixa de 20 a 29 anos, a cobertura até agora é de 3,78%, com 58.251 doses aplicadas.

 

Orientação - “Diante do cenário de 157 casos de sarampo confirmados no Paraná na semana passada, reforçamos a orientação para que toda a população procure uma unidade de saúde para atualização da situação vacinal. O sarampo é uma infecção altamente contagiosa”, complementa a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde, Maria Goretti David Lopes. (Agência de Notícias do Paraná)


Versão para impressão


RODAPE