Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4692 | 25 de Outubro de 2019

IBGE: Ricken e Nobile participam do anúncio nacional do Censo Agro 2017 em Curitiba

O Palácio Iguaçu, em Curitiba, foi palco do anúncio nacional dos números do Censo Agropecuário 2017. O evento contou com as presenças da presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, Suzana Cordeiro Guerra, do governador Carlos Massa Ratinho Júnior, do coordenador técnico do IBGE no Paraná, Sinval Dias dos Santos, do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken e do superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile e demais autoridades.

Cooperativas e G7 Ao falar em nome das cooperativas e do G7, grupo de entidades do setor produtivo, do qual é o coordenador, Ricken destacou sobre a importância desses dados para a sociedade e, principalmente, como direcionadores de políticas públicas. Ele salientou que não faz mais sentido tratar o rural e o urbano de forma diferenciada. “Tanto órgãos oficiais como instituições privadas têm que pensar nas pessoas, em como fazer para capacitá-las cada vez mais aos novos desafios. Temos no mundo mais de 2 bilhões de pessoas que passam fome, precisamos organizar o mercado, romper algumas barreiras e fazer com que os alimentos aqui produzidos cheguem até essas pessoas. Esta é uma missão do Brasil, das nossas cooperativas, dos nossos produtores. Desde o último censo (2006), aumentamos apenas 9% da área plantada e atingimos 53% no aumento da produção, com 28% da área nova destinada a solucionar a questão ambiental. Esse aumento aconteceu em função de tecnologia e dos esforços coletivos do Estado, dos agricultores e das cooperativas. Talvez ainda não consigamos dimensionar os números, mas temos que nos orgulhar do que já fizemos”, pontuou. Ricken lembrou que seu primeiro emprego em carteira foi como recenseador do IBGE, em 1976, na sua cidade natal, Manoel Ribas, região central do Paraná. “Por isso, quero hoje agradecer a todos os profissionais do IBGE pelo excelente trabalho realizado e que, com certeza, ajudará o setor se desenvolver ainda mais”.

Seab - Norberto Ortigara, secretário estadual de Agricultura e do Abastecimento, complementou que o agronegócio paranaense cresceu nas últimas décadas. mesmo diante de oscilações na economia. “Continuamos fortes e diversificamos a produção para horticultura e fruticultura. Nos tornamos líderes na produção de proteínas. O campo continua se desenvolvendo, em que pese altos e baixos da economia e das crises mundiais. A leitura que fazemos dos dados de 2017 é bastante satisfatória, e eles nos ajudarão muito”, destacou. O secretário também comemorou a escolha do Paraná como base de apresentação dos dados nacionais, o que sinaliza a relevância da cadeia produtiva estadual. “O meio rural não discute mais o preservar e produzir. Temos consciência de que é preciso fazer bem-feito. Estamos usando tecnologias e nos organizamos no meio rural. É um setor dinâmico, maior do que a indústria. Agora vamos iniciar um processo de industrialização mais acelerado”, complementou.

Retrato -A presidente do IBGE, Susana Cordeiro Guerra, disse que o primeiro Censo foi feito antes mesmo da criação do instituto, em 1920, e mostrava um País com 650 mil estabelecimentos agropecuários e área plantada de 175 milhões de hectares. Os dados de 2017 mostram outro patamar. “Os dados de 2017 apontam uma síntese do País neste século. O cenário mudou não só em termos de expansão, mas em diversificação. Os estabelecimentos agropecuários foram multiplicados por sete, chegando a mais de cinco milhões, e a área foi duplicada, superando os 350 milhões de hectares”, afirmou. “Esse setor se transformou numa grande potência para a economia brasileira”.

Mapa -Wilson Vaz de Araújo, secretário-adjunto da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, destacou que o Censo retrata os impactos do Código Florestal e seus rigores, além de programas estaduais e federais para armazenagem, redução de gases do efeito estufa e incentivos tecnológicos. “Nós temos várias realidades no País e problemas pontuais. Vamos nos debruçar nos dados do Censo para ver em quais áreas podemos melhorar”, afirmou. “A expectativa é de manutenção desse crescimento e de que próximo Censo já retrate a revolução tecnológica no campo”. O secretário representou a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que está em viagem à China.

Governador– “O Paraná continua sendo o estado mais agrícola do país e, cada vez mais, vai se consolidando como um grande produtor de alimentos in natura e industrializados. Aqui no estado ainda são muito fortes as pequenas propriedades, mas o problema é que muitas pessoas migraram para as cidades e isso se deve também ao processo de agroindustrialização. Elas foram em busca de emprego. O Censo nos fornece dados que ajudarão para podermos focar em políticas públicas. Observamos que nesses 10 anos desde o Censo anterior, as pessoas trocaram a enxada pelos smartphones, computadores, ou seja, querem cada vez mais novas tecnologias para ajudar no seu dia a dia. E um fator que chama atenção é o aumento em mais de 50% o volume de produção, enquanto a área cresceu bem menos, quase 9%, sem falar que nosso estado representa cerca de apenas 2% de todo o território nacional e lidera em vários setores a produção de alimentos. Estamos produzindo mais de forma mais eficiente graças as novas tecnologias”, disse Ratinho Júnior. 

Dados - De acordo com dados do Censo Agropecuário de 2017, que tem como base a data de 30 de setembro de 2017, o número de estabelecimentos rurais no Brasil diminuiu, passando de  5.175.636 em 2006 para 5.073.324 em 2017. Este cenário também se observou no Paraná, que perdeu cerca de 65 mil estabelecimentos. Segundo o Censo, o estado tem hoje cerca de 305 mil estabelecimentos rurais, contra os 370 mil levantados em 2006. Também apontam uma redução de 9,5% no número de estabelecimentos classificados como de agricultura familiar, em relação ao último. O segmento também foi o único a perder mão de obra. Enquanto na agricultura não familiar houve a criação de 702 mil postos de trabalho, a agricultura familiar perdeu um contingente de 2,2 milhões de trabalhadores.

Agricultura familiar Em 2017, dos 4,6 milhões de estabelecimentos de pequeno porte que poderiam ser classificados como de agricultura familiar, apenas 3,9 milhões atenderam a todos os critérios. Dez anos depois, a configuração dos produtores mudou. Aumentou muito o número de estabelecimentos em que o produtor está buscando trabalho fora, diminuiu a mão de obra da família e está diminuindo a média de pessoas ocupadas. O estabelecimento acaba não podendo ser classificado porque não atende aos critérios da lei”, comenta Antônio Carlos Florido, gerente técnico do Censo Agropecuário.  Ainda assim, a agricultura familiar continua representando o maior contingente (77%) dos estabelecimentos agrícolas do país, mas, por serem de pequeno porte, ocupam uma área menor, 80,89 milhões de hectares, o equivalente a 23% da área agrícola total. Em comparação aos grandes estabelecimentos, responsáveis pela produção de commodities agrícolas de exportação, como soja e milho, a agricultura familiar responde por um valor de produção muito menor: apenas 23% do total no país.

Presenças -Estiveram presentes na cerimônia no Palácio Iguaçu o secretário estadual de Planejamento e Projetos Estruturantes, Valdemar Bernardo Jorge; superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile; o presidente da Fetranspar, Sérgio Malucelli, o presidente da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado, Marcos Brambila; o presidente da Associação dos Municípios do Paraná e prefeito de Pérola, Darlan Scalco; o superintendente do IBGE no Paraná, Sinval Dias dos Santos; o gerente-técnico do Censo Agropecuário, Antônio Carlos Simões Florido; o deputado estadual Luiz Cláudio Romanelli; representantes e diretores da Adapar, Emater, Codapar e Iapar; empresários, lideranças do agronegócio e técnicos do IBGE, Ocepar, Faep. (Com informações da Agência Estadual de Notícias)

 

{vsig}2019/noticias/10/25/ibge/{/vsig}

FÓRUM DE MERCADO: Evento em Campo Mourão vai discutir acordos comerciais, mercado de grãos e clima

 

No dia 31 de outubro, o Sistema Ocepar realiza mais uma edição do Fórum de Mercado do Cooperativismo Paranaense. Será na sede da Cooperativa Coamo, em Campo Mourão, na região Centro-Oeste do Estado, das 9h às 12h30. “Nesta reunião, iremos trazer a temática do cenário de acordos comerciais para o Brasil, as perspectivas para o mercado de soja, milho e trigo, e as projeções climáticas para a safra 2019/2020”, esclarece o analista da Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar, Maiko Zanella.

 

Abertura e palestrantes – O evento será aberto pelos presidentes da Coamo, José Aroldo Gallassini, e do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken. Entre os palestrantes estarão o diretor da Agroconsult, André Pessôa, o meteorologista Luiz Renato Lazinski, que trabalhou durante anos no Instituto Nacional de Meteorologia INMET/Mapa, na área de agrometeorologia, e representantes da Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura.

 

Confirmação de presença – O Fórum é destinado a profissionais que atuam nas cooperativas do Paraná. Os interessados devem confirmar presença com Jessica Costa (41 3200-1133 / jessica.costa@sistemaocepar.coop.br) ou Maiko Zanella (41 3200-1115 / maiko.zanella@sistemaocepar.coop.br).

 

forum mercado folder 23 10 2019

 

AGRICULTURA FAMILIAR: Conselho Monetário eleva limite individual de financiamentos do Pronaf

agricultura familar 25 10 2019As pessoas físicas e os associados de cooperativas poderão pegar mais dinheiro para industrializar a produção familiar. O Conselho Monetário Nacional (CMN) elevou de R$ 12 mil para R$ 45 mil o limite individual de financiamentos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para essas categorias.

Validade - A decisão vale apenas para as linhas de crédito de industrialização da agroindústria familiar, subprograma do Pronaf destinado a custear o beneficiamento da produção. Os limites globais para cooperativa singular (R$ 15 milhões), cooperativa central (R$ 30 milhões) e empreendimento familiar rural (R$ 210 mil) não foram alterados.

Equiparação - O CMN também equiparou as regras de financiamentos para a aquisição de equipamentos usados e novos por mutuários do Pronaf. A medida beneficia a aquisição de tratores e implementos associados, colheitadeiras e suas plataformas de corte e máquinas agrícolas autopropelidas para pulverização financiados em grupo.

Teto - Nesse caso, cada beneficiário pode financiar até R$ 165 mil (limite individual) por ano agrícola. Caso mais produtores se associem para adquirirem uma máquina, os limites individuais podem ser somados.

Mais - O Conselho Monetário esclareceu ainda dois pontos referentes à concessão de financiamentos no Pronaf. Somente produtores rurais com Cadastro de Pessoa Física (CPF) inscrito como titular na Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP) poderão financiar a construção ou reforma de moradias em imóveis rurais familiares. Essas linhas de crédito têm limite de financiamento até R$ 50 mil, com prazo de reembolso de até dez anos e taxa efetiva de juros de 4,6% ao ano.

Pronamp - O segundo ponto diz respeito aos beneficiários do Pronaf que contraírem empréstimos nas condições do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp). O CMN permitiu que esses mutuários usem linhas de crédito fora do Pronaf sem perderem o status de agricultor familiar. Segundo o Ministério da Economia, a medida pretende evitar qualquer interpretação equivocada sobre quais financiamentos o pequeno produtor pode contrair sem ser excluído do Pronaf. (Agência Brasil)

 

EVENTO: Sistema OCB estreia na HSM Expo

 

evento 25 10 2019Uma geração engajada, preocupada com um estilo de consumo consciente e em impulsionar meios de produção inovadores e sustentáveis. Essa é a liderança que o cooperativismo aplica e defende para a construção de uma sociedade mais justa. E é esse olhar no futuro que vai pautar a participação do Sistema OCB na HSM Expo, a mais importante reunião de lideranças da América Latina. O evento ocorre de 4 a 6 de novembro, na Transamérica Expo Center, em São Paulo. Ainda há vagas para inscrição na página da organizadora.

 

Inovação - “Não é à toa que costumo dizer que a inovação faz parte do DNA do cooperativismo. E o nosso movimento SomosCoop foi criado pensando na qualidade de vida das pessoas no futuro, mas desde já. Por tudo isso, nós estamos muito satisfeitos em participar da HSM Expo, desta vez como entidade apoiadora e, com isso, nós realizamos um desejo antigo, que é o de levar o cooperativismo para mais próximo dessas lideranças tão comprometidas”, afirma o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas.

 

Apoio - É isso mesmo! Nesta edição, o Sistema OCB é mais do que um convidado. É um apoiador do evento. E, por isto, vai contar com um espaço especial para divulgar o movimento SomosCoop — um modelo de negócios diferenciado e que desperta o orgulho e o sentimento de pertencimento nos cooperados, com uma identidade forte, que abraça todas as causas e apresenta os rostos, a cultura e principalmente as histórias que fazem parte desse jeito de gerar trabalho, emprego e renda.

 

Programação - A programação contará com palestras, painéis e entrevistas. Além disso, está prevista uma experiência interativa para os participantes. Toda a programação está pautada no tema “Futuro se constrói com cooperação”. A partir das apresentações e dos debates, cada pessoa poderá colher as informações necessárias para formular o entendimento sobre os tópicos apresentados.

 

Ouvir e conectar - Serão três painéis por dia de evento, com intervalos para almoço e coffee break. Parceiros do cooperativismo, os palestrantes Romeo Busarello e Thomas Brieu já confirmaram presença. Eles também participaram das atividades do 14º Congresso Brasileiro do Cooperativismo (CBC), realizado em maio, em Brasília.

 

Futuro - Diretor de Marketing da Tecnisa, especialista em inovação e professor da USP, FGC e da ESPM, Busarello acredita que o futuro bate à porta. No Seminário Nacional das Cooperativas Educacionais, realizado em julho deste ano, ele aconselhou que as empresas se atualizem para sobreviver às mudanças e quebras de paradigmas.

 

Item básico - “...A educação passará a ser um item básico de sobrevivência. Ou o profissional se educa em todos os níveis, ou seja, ele precisa buscar outras habilidades ou ele está fora do mercado”, afirma o professor. Essa teoria deve ser aprofundada na apresentação ao HSM, com o conceito do reaprender e fazer novas conexões.

 

Qualidade e competitividade - Já o especialista em storytelling Thomas Brieu vai explicar como é possível associar essa qualidade ao conceito de competitividade, com empatia e gerando resultados para a cooperativa.

 

Mais painéis - Além deles, são convidados os palestrantes Ricardo Yogui, Jan Diniz e Marina Miranda. Pelo Sistema OCB, o presidente Márcio Freitas vai falar sobre confiança para crescer junto e a gerente de Relações Institucionais, Fabíola Nader, sobre a força do coletivo.

 

Mediação - O superintendente da OCB, Renato Nobile, vai mediar debate sobre cultura e propósito, com participação de representantes do Sicoob e do Sicredi. Já gerente de Comunicação, Daniela Lemke e a especialista em marketing digital Martha Gabriel vão falar sobre como as marcas podem mudar o mundo. (Informe OCB)

COOPERATIVISMO: GT de Inovação debate os próximos passos do setor

 

cooperativismo 25 10 2019O Sistema OCB realiza, nestas quinta e sexta-feira (24 e 25/10), em Brasília, a primeira reunião presencial do Grupo de Trabalho para Inovação no Cooperativismo. A equipe é composta por representantes de todos os ramos e conta, ainda, com a participação de pesquisadores da Faculdade de Tecnologia do Cooperativismo do Rio Grande do Sul (Escoop) e de algumas unidades estaduais do Sistema OCB.

 

Estratégias - Nessa primeira reunião do GT, o desafio é estabelecer as estratégias da atuação para o desenvolvimento das diretrizes do setor nos próximos anos. No último dia 3/10, o grupo realizou um encontro prévio, por videoconferência, para que os integrantes se conhecessem.

 

Pauta - As diretrizes prioritárias vão pautar a atuação do Sistema OCB e têm como base as definições ocorridas durante o 14º Congresso Brasileiro do Cooperativismo. Considerado um dos mais importantes eventos do cooperativismo brasileiro, o CBC foi formatado para que os cerca de 1,5 mil participantes debatessem o setor, com foco em comunicação; governança e gestão; inovação; intercooperação; mercado e representação.

 

Atuação - O trabalho do GT de Inovação estará voltado às iniciativas que promovam a formação de jovens sucessores em cooperativas, a capacitação de conselheiros, dirigentes e colaboradores, além de outras ações alinhadas com ações que visem a intercooperação de cooperativas. (Informe OCB)

FRÍSIA: Cooperativa é nomeada Embaixadora para a América Latina do Prêmio Mundo de Respeito 2019

Programas, projetos e ações socioambientais renderam neste mês à Frísia o título de Embaixadora para a América Latina do Prêmio Mundo de Respeito em 2019. Representantes da cooperativa foram a Washington (Estados Unidos) receber o reconhecimento que garantiu à ela ser considerada uma das cooperativas mais sustentáveis do Brasil. A premiação foi concedida pela Corteva Agriscience, multinacional que é referência em incentivo e realização das boas práticas sociais e ambientais no planeta.

Melhor pontuada - A Frísia foi a cooperativa que mais apresentou pontuação no País em um relatório de todos os trabalhos realizados com (e para) a comunidade, os colaboradores, cooperados e em prol do meio ambiente. Essa foi apenas a terceira vez que a Frísia participa da premiação. Em 2017, ficou em quinto lugar e no ano passado alcançou o terceiro.

Qualidade - “Ser embaixador da América Latina mostra que estamos fazendo um trabalho muito forte e de qualidade, tanto em capacitação de pessoas, organização do ambiente de trabalho, uso correto dos defensivos. Estamos passando para outro patamar. Nós temos conhecimento, agora vamos disseminá-lo para outras regiões, para que cada vez mais as pessoas possam ter essa capacitação, conscientização”, afirma o superintendente da Frísia, Emerson Moura.

Reconhecimento - Coordenador de Boas Práticas Agrícolas da Corteva, Igor Borges explica que a cooperativa foi reconhecida em um primeiro momento como destaque em nível nacional, se sobressaindo perante outras parceiras no País com o Prêmio Mundo de Respeito. “Em um segundo nível, foi escolhida como Embaixadora para a América Latina, concorrendo com outros parceiros de países da região. O mérito da Frísia foi o diferencial e a qualidade do seu programa, apresentando um planejamento que atende uma massa de pessoas diversificada e mostra a preocupação com a comunidade, os cooperados, as escolas e o município”, conta Borges.

Atividade e ações - “Apresentamos atividades e ações que comprovam o compromisso com a sustentabilidade e promovem a melhoria na sociedade. Para os pilares da sustentabilidade serem considerados, fatores econômicos, sociais e ambientais devem ser atendidos”, reforça o gerente comercial da Frísia, Mario Dykstra.

Programas de sucesso - Emerson Moura lembra que “Frísia” tem o “S” de sustentabilidade, um dos valores da cooperativa. “Ganhar o Prêmio Mundo de Respeito, um dos maiores prêmios social e ambiental do Brasil no setor, mostra que estamos no caminho certo. Esse prêmio contempla todo um trabalho que realizamos há alguns anos”.

Destaques - Na questão ambiental, destacam-se o Coleta Legal, programa de recolhimento de embalagens veterinárias feito com os cooperados e que em 2018 deu a destinação correta a mais de 24 toneladas; o programa Campo Limpo, de logística reversa de embalagens de defensivos agrícolas feito junto à Associação dos Revendedores de Insumos Agropecuários dos Campos Gerais (Assocampos), que também em 2018 coletou 377 mil embalagens; a recuperação de áreas degradadas, com a conservação e recuperação de reservas em consonância com os órgãos públicos; o rígido controle dos produtos instalados nos armazéns de insumos; as atividades feitas pela Assistência Técnica da Frísia (Astec) para a preservação do solo e bem-estar animal, por exemplo; e o trabalho da Fundação ABC, uma das principais instituições de pesquisa e desenvolvimento do Brasil, e que tem a Frísia como uma das mantenedoras.

Sociedade - Em relação aos pontos sociais e econômicos, a Frísia realiza o projeto Sementes do Bem, uma parceria com a Apae Ponta Grossa, que visa a inclusão de pessoas com necessidades especiais. São 19 pessoas empregadas, sendo 18 alunos da Apae que trabalham no contraturno plantando mudas de flores e de árvores para reflorestamento.

Inserção - Também foram inseridos no Prêmio Mundo de Respeito o Cooperjovem, que desperta nos educadores e estudantes os preceitos do cooperativismo como forma de organização socioeconômica; o projeto Mulheres Cooperativistas; o Virando a Camisa, ação apoiada pela cooperativa junto à Apae Tibagi que transforma uniformes dos colaboradores em kits novos para comercialização - os recursos são totalmente voltados ao atendimento de jovens e adultos com necessidades especiais; o sistema Frísia+Lean, que aperfeiçoa a gestão da propriedade pelo cooperados, visando a otimização de recursos, redução de desperdício, diminuição de custos e aumento da produtividade; a aplicação do Boas Práticas da Fazenda (BPF); e a plataforma de gestão financeira na cooperativa.

Digital Agro - “Também inserimos na premiação a Digital Agro, uma das principais feiras digitais voltadas para o campo no Brasil, porque as tecnologias e as palestras apresentadas também são voltadas para os produtores serem mais sustentáveis, tendo acesso a ações e produtos modernos e eficientes”, afirma Dykstra.

ODS - Além do Prêmio Mundo de Respeito, no início de setembro, a Frísia foi premiada com a Menção Honrosa Sesi ODS, reconhecimento-destaque entregue pelo Serviço Social da Indústria em favor dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, referendado pela Organização das Nações Unidas (ONU). Ele foi entregue devido ao programa Coleta Legal.

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1925, a Frísia é a cooperativa mais antiga do Paraná e segunda do Brasil. Localizada na região dos Campos Gerais, tem sua produção voltada ao leite, carne e grãos, principalmente, trigo, soja e milho. A cooperativa é resultado da união do trabalho de todos os cooperados e colaboradores; da diversificação da produção, englobando a produção leiteira, de grãos e de proteína animal; e da alta qualidade do que é feito e comercializado, com animais de excelente genética, rastreamento e investimento em tecnologia, infraestrutura e mão de obra. Os valores da cooperativa são Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). (Informe Frísia)

{vsig}2019/noticias/10/25/frisia/{/vsig}

CAPAL: Cooperativa coleta mais de 19 toneladas de resíduos veterinários em 2019

capal 25 10 2019O programa Descarte Certo, desenvolvido pela Capal, obteve em 2019 a maior coleta de resíduos veterinários de suínos e bovinos desde que foi implantado há cinco anos. Este ano, 19,1 toneladas foram reunidas pelos cooperados. O crescimento na quantidade de embalagens recolhidas mostra a maior preocupação dos produtores rurais com o meio ambiente e com a legislação.

Evolução - Em 2014, ano que foi instituído o Descarte Certo, foram reunidas 11,1 toneladas de embalagens; no ano seguinte, quase 14,9 toneladas; em 2016, 13,5 toneladas; 2017, 17,2 toneladas; e no ano passado, 16,8 toneladas. Em 2019, houve crescimento de 41,8% na coleta comparado a 2014.

Fatores - De acordo com a engenheira ambiental da Capal, Ana Carla Rosgoski, o aumento do material coletado se deve, entre outros fatores, aos treinamentos e capacitações realizados junto aos cooperados e funcionários. “Além da conscientização do cooperado, houve um aumento das informações sobre o programa”. Ana Carla lembra ainda que a destinação correta dos resíduos é um dos requisitos legais para os produtores rurais obterem o licenciamento ambiental.

Cooperado - Com 140 vacas em lactação que produzem 3,6 mil litros de leite por dia, o cooperado Edson Mendes de Oliveira, de São José da Boa Vista (PR), coleta duas bombonas por ano com frascos de vidro, embalagens de medicamentos, seringas, luvas, entre outros materiais.

Melhora nos processos - Oliveira destaca a melhora nos processos com o programa Descarte Certo. “Mudou bastante. Eu não tinha o que fazer com as embalagens. Eu tinha tudo guardado porque nunca gostei de jogar fora”.

Lei - As práticas estipuladas pela Capal são de acordo com a Lei nº 12.305/10, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, praticadas em todas as unidades da cooperativa nos Estados do Paraná e de São Paulo.

Treinamento - No início do programa, os cooperados e funcionários das unidades receberam treinamento sobre o manuseio, separação, acondicionamento e destinação final dos resíduos de saúde animal gerados nas propriedades. O associado é responsável pela separação e acondicionamento em bombonas com tampas, mantendo o material em abrigo temporário em sua propriedade até o momento da coleta.

Transporte - Uma empresa terceirizada transporta os resíduos coletados para a Usina de Tratamento de Resíduos Sólidos do Serviço de Saúde, tendo destinação ambientalmente adequada. Atualmente, a coleta ocorre a cada seis meses em um roteiro estabelecido entre a Capal e a empresa contratada para o serviço, sem gerar nenhum custo ao cooperado.

Sobre a Capal Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1960, a Capal conta atualmente com mais de 3 mil associados, distribuídos em 14 unidades de negócios, nos estados do Paraná e São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 70% das operações da cooperativa, produzindo mais de 640 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, milho, café e trigo. A área agrícola assistida ultrapassa os 140 mil hectares. O volume de leite negociado mensalmente é de 9 milhões de litros, proveniente de 360 produtores com uma média de produção de 2,5 mil litros por dia. Além disso, a cooperativa comercializa mais de 27 mil toneladas de suínos vivos. (Imprensa Capal)

 

COCAMAR: Rally vê semeadura e avalia lavouras na região

 

A semeadura de soja está atrasada nas regiões atendidas pela Cocamar, mas depois das chuvas que ocorreram em volume razoável no início de semana, as plantadeiras, enfim, não têm descanso.

 

Atraso - De acordo com a área técnica da cooperativa, o atraso é de 15% em comparação ao mesmo período no ano passado, mas isto não significa muito para a soja, avalia o gerente técnico Emerson Nunes, que na quinta-feira (24/10) acompanhou a equipe do Rally Cocamar de Produtividade em um giro pela região de Maringá.

 

Impacto - Conforme Nunes, a janela de semeadura para a soja se estende até meados de novembro e, em último caso, pode avançar um pouco mais. O problema é que a demora vai impactar na semeadura da safra seguinte, de milho de inverno (safrinha), cujo prazo ideal expira em meados de março.   

 

Chuvas - As chuvas recentes foram caracterizadas por uma distribuição irregular de umidade, o que tem sido a tônica deste início de safra de verão 2019/20. Em Maringá, Floresta e Ivatuba, onde as precipitações foram mais generosas, as áreas já estão praticamente concluídas, mas em São Jorge do Ivaí e Floraí – municípios visitados pelo Rally na quarta-feira (23/10) - os percentuais de áreas finalizadas eram muito diferentes - respectivamente 55% e 5% -, apesar da proximidade entre ambos. Agora, com o solo apresentando boas condições para o andamento da operação, a expectativa é que os índices avancem rapidamente.   

 

Começando - O gerente da unidade da cooperativa em São Jorge do Ivaí, Bernélio José Orsini, afirmou na quarta-feira que os trabalhos devem terminar em três ou quatro dias, enquanto a gerente em Floraí, Christiane Longo, estimou que por lá eles ainda vão longe. “Por causa da irregularidade climática, a semeadura ainda está começando aqui no município.” Levando em conta todas as regiões atendidas pela Cocamar (PR, SP e MS), o percentual de área semeada era de 30% na média, de acordo com o gerente Emerson Nunes. No noroeste do Paraná, chegava a 50% e, na região norte, a 20%.

 

Normalidade - O Rally visitou uma propriedade semeada no dia 24 de setembro em Floresta – portanto, há exatos 30 dias -, e conforme avaliação do engenheiro agrônomo Renan Valdez, da unidade local da Cocamar, o desenvolvimento segue normal. “Todas as demais lavouras estão apresentando boas condições”, disse, mencionando não ter havido replantio.

 

Conclusão - O produtor Luiz Totti Souza e o filho Deimis, de Doutor Camargo, concluíram a semeadura da soja na quarta-feira (23/10) e a torcida deles agora é que o tempo se mantenha favorável. Deimis contou ao Rally que a média da família, nos últimos anos, tem sido ao redor de 135 sacas por alqueire (55,7/hectare) mas no ano passado, por causa da seca mais severa, caiu para 103 sacas (42,5/hectare). “Estamos mais animados agora, depois da chuva, as nossas lavouras estão indo bem”, completou.

 

Sobre o Rally - Em seu 5º ano, o Rally Cocamar de Produtividade é patrocinado pelas empresas Sicredi União PR/SP, Basf, Spraytec e Zacarias Chevrolet (principais), Texaco Lubrificantes, Sancor Seguros, Cocamar TRR, Altofós Suplemento Mineral Cocamar e Elanco (institucionais), com o apoio do Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb), Aprosoja/PR e Unicampo. 

 

Assista - A equipe do programa de TV RIC Rural acompanhou a equipe no giro aos municípios da região e exibe a reportagem na edição de domingo (27/10) a partir das 9h, para todo o estado do Paraná, na RIC TV (Record). (Imprensa Cocamar)

 

{vsig}2019/noticias/10/25/cocamar/{/vsig}

COAMO: Convenção de Vendas reuniu representantes

 

“Conectado no presente com foco no futuro”. Com este mote, a Coamo realizou na sexta-feira passada (18/10) a Convenção de Vendas dos Alimentos Coamo para reunir toda a equipe comercial da cooperativa. Trata-se da equipe que têm a missão de levar os Alimentos Coamo, originados nos campos dos mais de 28 mil associados da Coamo, donos da cooperativa, à mesa de milhares de brasileiros. Este é o marco anual para a equipe, uma vez que, é o momento de avaliar o ano, traçar os objetivos para o próximo e premiar as áreas que foram destaque em vendas.

 

Motivação - O gerente Comercial dos Alimentos Coamo, Wagner Schneider explica que a convenção de vendas teve como objetivo motivar o time comercial na conquista do mercado e alinhar a equipe em torno do plano comercial. Além disso, durante o dia do evento, os representantes contaram com palestras técnicas e oportunidades para a troca de informações com toda a equipe comercial interna e externa. “É uma alegria receber nosso time para prepará-los para um ano que teremos desafios e muitas oportunidades de crescimento. Os resultados das convenções podem ser medidos pelo aumento expressivo do faturamento. ” 

 

Conteúdo - Schneider salienta que o conteúdo das convenções é baseado no compartilhamento das informações de mercado, na divulgação das metas, além do trabalho motivacional com o reconhecimento por mérito e da divulgação destas boas práticas para todo o time. “O trabalho dedicado e focado do time comercial, com apoio de eventos como a convenção, consolidou os Alimentos Coamo, por meio das marcas Coamo, Anniela, Primê e Sollus, entre as maiores e mais expressivas do país. Nas categorias de óleo de soja refinado, margarinas, gorduras e farinhas de trigo figuramos entre as principais marcas em todos os canais de comercialização do varejo e no mercado de transformação.”  

 

Escolha do tema - O superintendente Comercial dos Alimentos Coamo, Alcir José Goldoni, coordena o evento há anos e explica a escolha do tema deste ano. “Temos uma trajetória de sucesso, precisamos viver o presente e estar de olho no futuro, sem perder o foco de entregar alimentos com qualidade e origem. Essa é a nossa marca. Continuamos atendendo nossos clientes e consumidores com qualidade, mas precisamos projetar um futuro que acompanhe todas as inovações.”

 

Premiação - Outro momento da convenção foi a premiação dos representantes que se destacaram nas vendas em cinco categorias: 1) Quantidade de clientes positivados; 2) Mix de produtos; 3) Crescimento ticket médio do cliente; 4) Crescimento físico das vendas e 5) Maior quantidade de itens com cobertura de cota. Neste ano os premiados, respectivamente, foram: 1) Sandro Tizziani de Cornélio Procópio/PR; 2) Gil Tavares de Contagem/MG; 3) Alexandre Zancanaro de Florianópolis/SC; 4) Cleomar Andreghetto de Criciúma/SC e 5) Reinaldo Correia Sardinha de Londrina/PR.

 

Novidades - Alcir Goldoni ainda salienta que novidades e diversas ações previstas para o próximo ano comercial foram apresentadas durante a Convenção de Vendas. “Estamos com duas modernas indústrias que serão inauguradas ainda neste ano em Dourados/MS, uma indústria de processamento de soja para 3.000 toneladas de soja/dia, produção de farelo e óleo, e uma refinaria para 720 toneladas/dia de óleo de soja refinado. Além disso, iremos dobrar a capacidade de produção de gorduras e margarinas na indústria de Campo Mourão/PR, e lançaremos novos sabores de misturas para bolos”, revela.

 

Novos mercados - De acordo com Goldoni, a área comercial da cooperativa também já está organizada para os novos mercados e durante a convenção tais aspectos serão reforçados. “Há uma demanda crescente pelos Alimentos Coamo e essas indústrias. Para atender essa demanda já estamos com toda nossa força de vendas reestruturada e preparada para colocar no mercado essa expressiva produção.”

 

Reflexo - Segundo o presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, o crescimento dos Alimentos Coamo é reflexo de um trabalho de qualidade que começa nos campos dos associados. “Quem compra os Alimentos Coamo sabe que está adquirindo um alimento de origem, que é fruto do trabalho dos mais de 28 mil associados da Coamo. Nossa matéria-prima tem assistência técnica em todas as etapas de produção, ou seja, conta com rastreabilidade. Sem contar, que as demais etapas, até a industrialização e comercialização mantêm a mesma qualidade”, assegura. (Imprensa Coamo)

 

{vsig}2019/noticias/10/25/coamo/{/vsig}

COPAGRIL: ACJC realizará terceira etapa das Olimpíadas no domingo

copagril 25 10 2019A Associação dos Comitês de Jovens da Copagril (ACJC) realizará nesse domingo (27/10) no distrito de Margarida, em Marechal Cândido Rondon, a terceira etapa das Olimpíadas da ACJC, com disputas de futsal entre os times dos nove comitês de jovens participantes.

Futsal - A etapa de domingo será sediada pelo CJC Esperança Jovem, de Margarida, com as competições sendo realizadas no ginásio de esportes do distrito, a partir das nove horas da manhã. Estarão competindo pelo título da modalidade 17 equipes, nove no naipe masculino e oito na categoria feminina. O presidente do CJC anfitrião, Darlei Knob, enfatiza que a comunidade pode prestigiar as competições gratuitamente e convida a todos para almoço que será por adesão.

Convite - “Convidamos a todos os familiares, amigos, cooperados e a comunidade para prestigiar as competições que seguirão durante todo o dia. Ao meio dia haverá almoço, sendo churrasco o prato principal. Os interessados em participar precisam reservar suas fichas até esta sexta-feira (25/10). O valor da ficha é R$ 25,00 para adultos e de sete até 12 anos paga R$ 12,00”, destacou Darlei. Interessados em participar do almoço, que será realizado no Clube Corinthians, podem reservar suas fichas até sexta-feira com Darlei no telefone (45) 99946-6779.

Demais etapas - A primeira etapa da competição, foi disputada em junho no distrito de Iguiporã, com disputas de vôlei e a segunda foi em Novo Três Passos, no mês de agosto, com disputas da modalidade de futebol suíço. Ao fim da competição serão 14 modalidades disputadas em quatro etapas, contando além das disputas de futsal nesse domingo, com jogos de mesa na etapa final, que será realizada em novembro na cidade de Quatro Pontes, onde será realizada também a premiação geral dos comitês vencedores. (Imprensa Copagril)

 

UNIMED DO BRASIL: Faculdade Unimed inaugura nova sede

 

unimed brasil 25 10 2019A Faculdade Unimed reuniu dirigentes do Sistema Unimed de todo o Brasil e autoridades públicas durante a inauguração oficial da sua nova sede em Belo Horizonte. Na cerimônia realizada no auditório da instituição de ensino na noite de terça-feira (22/10), o governador do Estado de Minas Gerais, Romeu Zema, esteve ao lado do diretor-geral da Faculdade Unimed, Eudes de Freitas Aquino, para o descerramento da placa de inauguração.

 

Presenças - Também participaram o presidente da Unimed do Brasil, Orestes Pullin; o diretor-presidente da Central Nacional Unimed, Alexandre Augusto Ruschi Filho; o diretor-presidente da Seguros Unimed, Helton Freitas; o presidente da Unimed Participações, Nilson Luiz May; o presidente do Conselho de Curadores da Fundação Unimed, Alberto Gugelmin Neto; o presidente da Organização das Cooperativas de São Paulo (Ocesp), Edivaldo Del Grande; o presidente da Organização das Cooperativas de Minas Gerais (Ocemg), Ronaldo Scucato; o vice-prefeito de Belo Horizonte, Paulo Lamac; e o secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, Carlos Eduardo Amaral Pereira da Silva. Ao todo, o evento contou com 170 convidados, incluindo docentes e parceiros da Faculdade Unimed.

 

Crescimento - Maior e mais moderna, a estrutura acompanha o crescimento dos negócios e a evolução das atividades da instituição. São 10 salas de aula, com capacidade para 400 alunos, biblioteca, auditório para 120 pessoas, Laboratório de Informática, coworking e Laboratório de Aulas Práticas. Atualmente, são oferecidos mais de 300 cursos em todo o Brasil nas áreas de saúde, gestão e cooperativismo, nas modalidades graduação tecnológica, pós-graduação, curta duração, educação a distância e assessoria de gestão. Para 2020, é esperado um aumento de 20% em novos negócios, com destaque para o lançamento do curso técnico de Enfermagem e do mestrado profissional em Ciências Interdisciplinares da Saúde.

 

Sobre a Faculdade Unimed - A Instituição de Ensino Superior do Sistema Unimed teve seu funcionamento autorizado pelo Ministério da Educação (MEC) em agosto de 2016, por meio da publicação da Portaria N° 909, no Diário Oficial da União.

 

Mantenedora - A Faculdade tem como mantenedora a Fundação Unimed, uma das sociedades auxiliares do Sistema Unimed, criada em 1995 com o objetivo de capacitar e qualificar dirigentes, cooperados e colaboradores das cooperativas e rede própria Unimed de todo o país.

 

Pessoas capacitadas - Desde então, as instituições somam mais de 150 mil pessoas capacitadas em todo o Brasil, entre 650 turmas de pós-graduação, 1.200 cursos de curta duração, 120 mil certificados em educação a distância e 1.300 assessorias de gestão. E a graduação tecnológica, realizada presencialmente em Belo Horizonte, tem quatro turmas em andamento. (Imprensa Unimed do Brasil)

UNIMED PONTA GROSSA: UTI neopediátrica do HGU completa um ano com foco na humanização

 

unimed ponta grossa 25 10 2019A unidade de terapia intensiva neonatal e pediátrica do Hospital Geral Unimed completa um ano agora em outubro, com foco no atendimento humanizado. Para somar à estrutura física e à capacidade de atendimento técnico, são utilizados protocolos e práticas que permitem um tratamento mais humanizado, dependendo da condição clínica do prematuro.

 

Práticas - Entre eles está o banho de ofurô, que tranquiliza o bebê contribuindo para o ganho de peso; a terapia de rede de balanço na incubadora, que promove estabilização no recém-nascido e favorece estímulos motores; e o método canguru, consiste em colocar o bebê pele a pele com a mãe ou o pai.

 

Redução - “Ter uma UTI infantil própria nos permite reduzir o tempo de espera no atendimento e diminui também a necessidade de transferência desses pacientes para outros hospitais. Isso traz mais segurança às gestantes que dão à luz no HGU”, enfatiza o presidente da cooperativa, Rafael Francisco dos Santos.

 

Pais - Além do atendimento aos bebês prematuros e crianças, a unidade oferece atenção especial aos pais, com o apoio da psicologia hospitalar e a atuação da equipe no esclarecimento de dúvidas e acolhimento.

 

Leitos - A UTI neopediátrica do HGU conta com seis leitos, sendo um deles de isolamento, e com uma unidade híbrida de cuidado intensivo neonatal, que opera tanto como incubadora quanto berço aquecido, excluindo a necessidade de trocar a criança de leito.

 

Profissionais - A unidade conta com mais de 30 profissionais especializados em atendimento neonatal e pediátrico, entre enfermeiros, técnicos de enfermagem, médicos e fisioterapeutas.

 

Balanço - Desde a inauguração, em outubro de 2018, a unidade já registrou 62 pacientes neonatais admitidos, 34 pediátricos e 67 altas. (Imprensa Unimed Ponta Grossa)

UNIMED LONDRINA: Case de inovação é apresentado num dos maiores eventos empresariais do Norte do PR

 

unimed londrina 25 10 2019O PI - Programa de Inovação da Unimed Londrina foi case num dos maiores eventos empresariais do Norte do Paraná, o Lidere, realizado dias 16 e 17 de outubro, em Londrina (PR). O gerente de Planejamento e Desenvolvimento da cooperativa médica, André Simas, apresentou a iniciativa que estimula os colaboradores a proporem soluções inovadoras.

 

Empreendedorismo - A apresentação fez parte da trilha de palestras do Sebrae sobre intraempreendedorismo. A empresa atua no ecossistema de inovação de Londrina, onde conheceu o programa da cooperativa médica. “O Sebrae convidou a singular para apresentar a iniciativa no Lidere. Foi uma experiência muito boa, e trazer o case da Unimed Londrina foi um sucesso. O PI é exemplo de busca colaborativa por soluções", avalia Simas. 

 

Incentivo e premiação - O PI incentiva e premia a criação e execução de ideias dos colaboradores da singular. Em mais de 1 ano e meio de implantação, a iniciativa registrou 121 ideias, sendo 36 aprovadas. Além disso, 67 colaboradores tiveram a ideia implantada, totalizando R$ 37.600,00 de bonificação. Neste período, a cooperativa também conseguiu economizar R$ 1.460.000,00.

 

Próximos passos - No evento, Simas adiantou os próximos passos do programa. "Pretendemos mudar o modelo para gamificação e expandir o processo para inovação aberta, englobando parceiros de negócios externos", conta.

 

Lidere - O evento é organizado pela Acil (Associação Comercial e Industrial de Londrina) e visa a apresentar o que há de mais atual no mundo corporativo. Além de palestras com os maiores executivos do país, o Lidere oportuniza rodada de negócios, painéis e apresentações de soluções tecnológicas. (Imprensa Unimed Londrina)

SICREDI UNIÃO PR/SP: Associados receberam quase R$ 40 mi em indenização no ano

sicredi uniao 25 10 2019Nos oito primeiros meses do ano mais de 3,4 mil associados da Sicredi União PR/SP tiveram seus bens resguardados por meio dos seguros oferecidos pela instituição financeira cooperativa em parceria com as seguradoras. Somando seguros agrícola, rural, residencial, patrimonial e de automóvel, as indenizações chegaram quase a R$ 40 milhões.

Benefício - As indenizações permitiram que os associados continuassem as atividades sem prejuízo financeiro. O seguro com o maior valor em sinistros indenizados foi o agrícola, com mais de R$ 29 milhões no total. O segundo foi o de automóvel, com quase R$ 6 milhões, seguido do rural, com mais de R$ 4 milhões. Na sequência, estão o seguro residencial, com cerca de R$ 370 mil em sinistros indenizados, e o patrimo nial com mais de R$ 328 mil.

Função social - “O seguro exerce uma função social. Imagine um incêndio em uma empresa que não tem seguro. Não tendo a continuidade das atividades, ela vai fechar. Supondo que essa empresa tenha dez colaboradores, serão dez famílias prejudicadas. Quando acontece um sinistro e o associado tem seguro, ele vai continuar as atividades normalmente. É a garantia da reposição do bem”, exp lica o assessor de Seguros, João Francisco Aleixo.

Parceria - A Sicredi União PR/SP tem parceria com as principais seguradoras do Brasil, o que garante descontos e facilidades aos associados ao contratar o serviço. “Como corretora, a Sicredi tem uma proximidade grande com as seguradoras e dá benefícios para os associados por meio de descontos nos seguros”, acrescenta Aleixo.

Mais informações - Mais informações sobre os seguros oferecidos pela Sicredi União PR/SP estão disponíveis no link https://bit.ly/2KL00Tg. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

PRÊMIO QUALIDADE: Tomazina e Joaquim Távora vencem Café Qualidade Paraná

 

Os cafeicultores Valdeir Luiz de Souza, de Tomazina, e Edson Messias de Carvalho, de Joaquim Távora, venceram o prêmio Café Qualidade Paraná nas categorias cereja descascado e natural. Eles superaram 120 lotes que iniciaram a disputa, e receberam R$ 5 mil de prêmio.

 

Cerimônia - A cerimônia de premiação foi nesta quinta-feira (24/10), em Ivaiporã, e reuniu cerca de 500 participantes. Presente no evento, o secretário estadual da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, disse que o objetivo do concurso, que chega à 17ª edição, é valorizar o cafeicultor que produz qualidade. “É também um momento de festejar, reconhecer o esforço e recalibrar nossa energia para continuar e obter diferença na renda da propriedade”, afirmou.

 

Valorização - Campeão pelo terceiro ano consecutivo, Valdeir Luiz de Souza vê no resultado uma valorização de seu trabalho. “Esse prêmio representa um serviço bem feito, bem concluído”. 

 

Meta superada - “Eu lutei para isso, mas não esperava tanto. Superou minha meta, é um estímulo para produzir melhor”, disse o cafeicultor Edson Messias de Carvalho. Ele foi vencedor duas vezes – ganhou também um prêmio de R$ 1,5 mil em reconhecimento à sustentabilidade de sua produção.

 

Valores - O segundo e o terceiro colocados de cada categoria levaram R$ 3,5 mil e R$ 2,5 mil, respectivamente. Foram ainda destinados R$ 1,5 mil ao quarto e R$ 1 mil ao quinto colocado.

 

Incentivo adicional - Como incentivo adicional, os campeões têm a opção de vender o lote por R$ 1 mil a saca de 60 quilos, aquisição garantida pelos patrocinadores do certame. Essa garantia de compra se estende aos classificados até a quinta posição, respectivamente nos valores de R$ 850, R$ 800, R$ 750 e R$ 700. Para se ter uma ideia, o mercado físico paga em torno de R$ 350 por um café de boa qualidade.

 

Como funciona - Os concorrentes podem disputar nas categorias cereja descascado ou “via úmida” – a polpa do grão maduro é retirada para diminuir o tempo no terreiro – e natural ou “via seca”, que é a forma mais comum de processamento, em que o grão vai inteiro para secagem.

 

Inscrição - O cafeicultor interessado em participar faz a inscrição em um escritório da Emater-PR. São aceitos até dois lotes por produtor, um em cada categoria, com o mínimo de uma e o máximo de cinco sacas de 60 quilos do produto beneficiado. Este ano, apenas a região Oeste não inscreveu concorrente.

 

Avaliação - Os lotes passam inicialmente pelo crivo de uma comissão de classificadores, para avaliação física de acordo com a Classificação Oficial Brasileira (COB). Os aprovados seguem para o julgamento final, conduzido por outro grupo de provadores – eles utilizam a metodologia SCAA (sigla em inglês para Associação Americana de Cafés Especiais) para avaliar os quesitos aroma, doçura, acidez, corpo, sabor, gosto remanescente e balanço da bebida.

 

Opção - Na inscrição, o cafeicultor pode optar por uma avaliação da sustentabilidade da produção de seu lote, e ter então sua propriedade auditada por um profissional da Emater-PR.

 

Promoção - Uma promoção da Associação dos Engenheiros Agrônomos de Londrina, Câmara Setorial do Café do Paraná, Município de Ivaiporã e Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Paraná – por intermédio de suas vinculadas Emater-PR e Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) –, o prêmio Café Qualidade Paraná 2019 tem patrocínio da Associação de Agricultores Familiares de Jacutinga, Bratac, BRDE, Faep/Senar, Crea-PR, Cooperativa Integrada, Fetaep, Fortaleza Coffee, Sebrae, Sicredi e Sistema Ocepar.

 

Apoio - Conta ainda com o apoio da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), Associação Brasileira da Indústria do Café (Abic), Cocari, Cocamar, Copacol, Equipamentos Probat Leogap e Sociedade Rural do Paraná (SRP).

 

Vencedores - Classificação completa do Concurso Café Qualidade 2019:

 

CEREJA DESCASCADO

1º - Valdeir Luiz de Souza (Tomazina)

2º - Sirlei de Fátima da Cruz Carvalho (Joaquim Távora)

3º - Maria Aparecida Maciel (Japira)

4º - José Sendeski Neto (Iguaraçu)

5º - Evilasio Shigueaki Mori (Cambira)

 

CAFÉ NATURAL

1º - Edson Messias de Carvalho (Joaquim Távora)

2º - Claudeir Marcos de Souza (Pinhalão)

3º - Tumoru Sera (Congonhinhas)

4º - Evilasio Shigueaki Mori (Cambira)

5º - Welliton Nelson Sgorlon Marques (Pitangueiras)

 

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL

1º - Sítio Santa Ana (Edson Messias de Carvalho) - Joaquim Távora 

2º - Estância Serrana (Ricardo Batista dos Santos) - Congonhinhas 

3º - Sítio Palmeiras (Donizete Soares) - São Jerônimo da Serra.

(Assessoria de Imprensa do Iapar)

 

{vsig}2019/noticias/10/25/premio_qualidade/{/vsig}

 

LÁCTEOS: Produção brasileira crescerá 2% em 2020, estima USDA

 

lacteos 25 10 2019A produção brasileira de lácteos deve aumentar 2% em 2020, impulsionada por maiores exportações e pelo aumento na demanda doméstica, estimou o adido do Departamento de Agricultura dos Estado Unidos (USDA) no Brasil, em relatório.

 

Economia - De acordo com o USDA, as perspectivas para a economia brasileira em 2020 são cautelosamente otimistas após um período de recessão. Nesse cenário, o aumento de produção de lácteos será impulsionada pela alta demanda de leite fluido usado para produtos lácteos, como leite condensado e queijos.

 

Produção total - Neste ano, a produção de leite no Brasil deverá totalizar em 24,4 milhões de toneladas, aumento de 3% em relação a 2018. Em 2020, a perspectiva é que a produção chegue a 24,9 milhões de toneladas, estimulado pela perspectiva de exportação recorde de produtos lácteos, especialmente para a China, no ano que vem e pela recuperação do mercado doméstico.

 

Em pó - A produção de leite em pó no país deve alcançar 597 mil toneladas neste ano, alta de 2,2%. Para 2020, a perspectiva é que o crescimento seja de 2%, para 610 mil toneladas. O aumento na demanda doméstica e a menor volume de importação de Argentina e Uruguai explicam, a projeção. A importação deve alcançar 63 mil toneladas em 2020 e 65 mil toneladas em 2019, ante 68 mil toneladas de 2018.

 

Queijo - A produção de queijo no país em 2019 está estimada em 775 mil toneladas, aumento de 1,97% ante ao ano passado. O aumento é atribuído a uma maior demanda para consumo doméstico especialmente por parte das indústrias de alimentos. A previsão para 2020 é de 790 mil toneladas, alta de 2%.

 

Importações - As importações de queijo pelo Brasil devem manter o mesmo nível de 2018 em 2019 e alcançar 27,9 mil toneladas, volume que deve se manter em 2020, em razão da desvalorização do real em relação ao dólar. Já as exportações devem se manter em 4 mil toneladas. No entanto, a abertura do mercado chinês para 34 plantas é motivo de entusiasmo para as indústrias brasileiras, destacou o USDA. (Valor Econômico)

CAMPOS GERAIS: Série sobre imigração holandesa é gravada no Paraná

As colônias de Castrolanda e Arapoti, localizadas nos Campos Gerais (PR), foram protagonistas de uma série de TV sobre imigração holandesa. Isso porque a região é povoada por centenas de descendentes e procura manter firme as tradições da Holanda. “Vaarwel Nederland” (“Adeus Holanda”, em português) vai mostrar a vida dos holandeses que deixaram para trás seu país de origem e embarcaram em busca de novos desafios e oportunidades. Os primeiros episódios da série mostram holandeses no Canadá, Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos. Nesta edição, serão inseridos moradores da África do Sul, Israel e Brasil.

Onda migratória - A grande onda migratória dos Países Baixos aconteceu a partir de 1948. O presidente da Associação Cultural Brasil - Holanda (ACBH), Koob Petter, conta que nesse período pós-guerra, incentivados pelo governo, cerca de 5% dos moradores do país deixaram sua terra natal. “Na década seguinte muitas pessoas começaram a se instalar no Brasil, mas sem perder a essência holandesa. Trouxemos muitos costumes, os quais seguimos até hoje”, comenta Petter. A fé, a educação e o cooperativismo são bases valiosas para os holandeses, e o que os mantêm fortes.

Vida em outro país - Durante as gravações, que também aconteceram em Carambeí e em colônias de São Paulo, como Holambra e Campos de Holambra, foram mostradas escolas, fazendas, igrejas e o desenvolvimento da atividade agropecuária na região, como a união das cooperativas locais Frísia, Castrolanda e Capal, que integram a marca Unium. “Eles puderam ver de perto como é a vida em outro País. Aqui, precisamos lidar frequentemente com a saudade e com as lembranças, mas por uma boa causa”, complementa o presidente da ACBH.

Dupla cidadania - Outros assuntos comentados nas gravações foram as dificuldades e preocupações com a dupla cidadania. “Temos um grande desafio de conseguir o passaporte holandês para as novas gerações. Aos poucos, estamos estreitando nosso relacionamento com entidades holandesas para que esse trabalho seja desburocratizado”, diz Johan Scheffer, relações internacionais da associação. A ACBH também conta com um projeto que busca fazer conexões para possibilitar intercâmbio entre jovens do Brasil e da Holanda, o Global Integration, que facilita as experiências internacionais - importantes para o desenvolvimento profissional e pessoal.

Acesso - O episódio Vaarwel Nederland gravado no Brasil poderá ser acessado a partir de março de 2020 no site da emissora.

Sobre a ACBH - A Associação Cultural Brasil-Holanda (ACBH) é uma organização formada por holandeses e descendentes de holandeses no Brasil, oriundos de diversas colônias. Visa preservar o patrimônio histórico artístico e cultural holandês e brasileiro para a posteridade. Também quer incentivar, desenvolver e divulgar as várias formas de expressão cultural. Mais informações: https://www.acbh.com.br/. (Assessoria de Imprensa da ACBH)

{vsig}2019/noticias/10/25/campos_gerais/{/vsig}

BRASIL: Projeto de ‘pacto’ vai desvincular 280 fundos setoriais

 

brasil 25 10 2019Para flexibilizar o uso das receitas orçamentárias, o projeto de emenda constitucional (PEC) do pacto federativo trará várias sugestões de desvinculação, desindexação e desobrigação. Duas delas são: desvincular as receitas dos cerca de 280 fundos setoriais, exceto as dos fundos constitucionais, e somá-las às verbas discricionárias do orçamento anual; e usar parte dos R$ 50 bilhões apurados com a desindexação de uma boa parte das despesas públicas e reforçar os investimentos.

 

Saúde e educação - Os gastos obrigatórios com saúde e educação podem ser parcialmente mais flexíveis, também, na medida que os governantes locais possam, obedecendo aos valores mínimos, escolher onde colocar mais os recursos conforme a demanda por saúde e educação nos municípios.

 

Conselho Fiscal da República - Será criado o Conselho Fiscal da República com a participação dos presidentes dos três Poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário e de vários ministros de Estado. Esse Conselho terá, como uma de suas funções, uniformizar a contabilidade das receitas e despesas dos Estados e municípios com as da União. Com isso, o governo pretende acabar com a “criatividade” usada por vários Estados na hora de apurar, por exemplo, os gastos com a folha de pessoal. Uns não contam com aposentados e pensionistas na folha de salários, outros não consideram terceirizados despesa de pessoal.

 

Investimentos - Com a economia gerada pela dexindexação, poderia se chegar a quase que triplicar o orçamento de investimentos nos próximos anos. Para 2020 o orçamento de investimentos públicos representa minguados R$ 19 bilhões. O aumento deve ser gradual, até porque o Estado perdeu a capacidade de investir por falta de bons projetos. 

 

Valor - São tantos os fundos setoriais que ainda não se sabe exatamente quanto de receitas descarimbadas poderia encorpar as verbas discricionárias. Constará, ainda, do projeto de emenda constitucional, a divisão dos recursos do pré-sal entre a União, Estados e municípios.

 

Polêmicas - O governo sabe que as propostas da PEC são polêmicas e vão ferir interesses de setores da economia que se beneficiam há muitos anos de receitas carimbadas, sem que haja qualquer métrica de checagem sobre o bom uso do dinheiro público.

 

Desafio - Suspeita, inclusive, que o novo pacto federativo seja de mais difícil aprovação no Congresso do que foi a reforma da Previdência. Mas o ministro da Economia, Paulo Guedes, está disposto a encarar o desafio.

 

Reforma administrativa - A outra PEC que está em fase final de elaboração e deverá ser anunciada na próxima semana, juntamente com a do pacto federativo, é a da reforma administrativa. Esta vai redefinir regimes de contratação de servidores, salários de início de carreira, regras para a estabilidade do funcionalismo público e número de carreiras existentes.

 

Agenda - A divulgação da agenda pós-reforma da Previdência, com as novas PECs, está prevista para a próxima semana, provavelmente entre terça e quarta-feira, quando a PEC da reforma administrativa será enviada à Câmara e a do pacto federativo, para o Senado. (Valor Econômico)

TRIBUTÁRIA: Governo enviará proposta até 10 de novembro, diz Marinho

 

tributaria 25 10 2019O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, afirmou nesta quinta-feira (24/10) que o governo vai enviar entre 9 e 10 de novembro ao Congresso uma proposta de reforma tributária. Tramitam tanto na Câmara quanto no Senado projetos sobre o tema.

 

PIS-Cofins - Segundo Marinho, a proposta do governo tem entre seus pontos principais mudanças em relação ao PIS-Cofins. “O que está acertado hoje é a consolidação e a simplificação do PIS-Cofins. São dois impostos importantes para o governo federal”, afirmou a jornalistas após apresentação em evento da revista “The Economist” em São Paulo.

 

Compatibilização - “A ideia é que a partir dessa apresentação tenhamos a oportunidade, em uma comissão mista, de compatibilizarmos as outras duas reformas, para termos um norte do processo que vai se estabelecer”, disse Marinho.

 

Negociação - De acordo com o secretário, esse cronograma respeita uma negociação com a Câmara e com o Senado. Marinho não detalhou o projeto em gestação no governo.  “Ainda está sendo refinado”, explicou. Segundo o secretário, na próxima semana o governo vai apresentar propostas para rever o pacto federativo e sobre a Regra de Ouro.

 

Previdência - No evento, o secretário ainda comentou a finalização da reforma da Previdência no Congresso nesta semana. Ele atribuiu a uma “conjunção positiva dos astros.” Isso inclui desde a mudança de posição do presidente Jair Bolsonaro, que, quando era deputado, era “corporativista” e “refratário” a mudanças no sistema de aposentadorias, até o trabalho do ministro da Economia, Paulo Guedes, em colaboração com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Esses esforços, de acordo com Marinho, somaram-se a um “Congresso reformista”.

 

Desconstrução - O secretário afirmou que o maior desafio ao longo da tramitação da reforma da Previdência foi “desconstruir narrativas” contrárias às mudanças.

 

Prioridade - Segundo ele, ao ver o fracasso da reforma da Previdência em 2016, o governo atual, por exemplo, priorizou o combate às fraudes previdenciárias, ao mesmo tempo em que enviava a PEC ao Legislativo.

 

Atraso - Mais cedo, em um evento em Brasília, o secretário afirmou não ter preocupação com um possível atraso na promulgação da reforma.

 

Movimento - Há um movimento no Congresso para só promulgar a proposta após a aprovação de um projeto de lei, a ser enviado pelo governo, que trará as condições para concessão de aposentadoria especial por periculosidade. “Não preocupa. Nos disse o presidente do Senado que preferia aguardar a chegada do presidente da República. E ele tem razão”, afirmou.

 

Emprego - Marinho disse ainda que o governo apresentará no início de novembro uma série de ações para estimular a retomada do emprego no país. As medidas, notou, focariam no público jovem, acima de 18 anos, que tem mais dificuldade para se inserir no mercado. Haverá foco também no microcrédito, acrescentou. (Valor Econômico)

SAÚDE: Confirmados 74 novos casos de sarampo no Paraná

 

saude 25 10 2019O Boletim Epidemiológico do Sarampo divulgado nesta quinta-feira (24/10) pela Secretaria de Estado da Saúde destaca 231 casos confirmados da doença no Estado, 74 a mais que na semana anterior. São 707 notificações para o sarampo, com 139 casos já descartados e 337 em investigação. O balanço refere-se ao período de 1º de agosto até quarta-feira (23/10).

 

Alerta - “É uma situação de alerta e intensificamos a importância da vacina, pois o sarampo pode ser evitado com a imunização. A vacina tríplice viral é altamente eficaz e segura, protege todas as faixas etárias e está disponível em todas as unidades de saúde. Reforçamos que vacinar é um ato de prevenção, proteção e que salva vidas”, afirma o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

 

Cadeias de transmissão - Dos 231 casos confirmados no Estado, 27 apresentam como a provável fonte de infecção o estado de São Paulo. Outros quatro casos indicam que, possivelmente, a contaminação ocorreu em Santa Catarina; 25 apontam cadeias de transmissão distintas, em festas e estabelecimentos comerciais de grande aglomeração, e 175 casos não mostram vínculo definido.

 

Região Metropolitana - A Região Metropolitana soma 223 casos: 173 foram registrados em Curitiba; 15 em Colombo; 9 em São José dos Pinhais; 7 em Campo Largo; 6 em Pinhais; 4 em Piraquara; 3 em Almirante Tamandaré; 2 em Campina Grande do Sul; 2 em Campo do Tenente; 1 em Fazenda Rio Grande e 1 em Rio Branco do Sul.

 

Interior - No interior, os municípios que registram casos confirmados são: Ponta Grossa (1), Maringá (2); Londrina (3); Rolândia (1) e Jacarezinho (1).

 

Sarampo - Transmitido por secreções respiratórias, o sarampo é altamente contagioso. Se um doente espirra ou tosse, o vírus permanece vivo no ar por cerca de duas horas. Um doente pode infectar mais de 12 pessoas.

 

Incubação - O período de incubação do vírus varia de oito a doze dias e a transmissão inicia-se antes do aparecimento da doença, permanecendo até o quarto dia após surgiram manchas vermelhas na pele, que são os exantemas.

 

Vírus - O vírus reduz a eficácia do sistema imunológico e deixa o organismo fragilizado e suscetível a outras infecções. “As crianças e os adultos jovens são as faixas etárias mais vulneráveis ao sarampo. Por isso estamos realizando, junto com o Ministério da Saúde, a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo, intensificando a imunização destes dois públicos” disse a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde, Maria Goretti David Lopes.

 

Crianças - Ela acrescenta que para as crianças a vacinação começou em 7 de outubro e segue até esta sexta (25) com o objetivo de ampliar a vacinação em crianças de seis meses a menores de cinco anos. Na segunda etapa da campanha, de 18 a 30 de novembro, serão imunizados prioritariamente adultos jovens, com idade entre 20 e 29 anos. Dos 231 casos confirmados no Paraná, 211 atingem o público entre 10 e 39 anos”.

 

Bloqueio vacinal - A secretaria estadual da Saúde informa ainda que, simultaneamente à campanha, a vacinação segue como rotina nas unidades, que mantém as ações de bloqueio vacinal diante das notificações de casos da doença.

 

Duas doses - Toda a população com idade entre 1 e 29 anos deve receber duas doses da vacina tríplice viral e de 30 a 49 anos, uma dose. Neste período de contaminação o Programa Nacional de Imunização também disponibiliza a vacinação para os bebês de 6 a 11 meses, a chamada Dose Zero. “Além disso, as pessoas que tiverem dúvidas quanto à imunização devem procurar um posto de vacinação, com a carteira vacinal em mãos, para que um profissional de saúde verifique a necessidade de aplicação da dose”, reforça a coordenadora de Vigilância em Saúde, Acácia Nasr. (Agência de Notícias do Paraná)


Versão para impressão


RODAPE