Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4705 | 13 de Novembro de 2019

SETOR FINANCEIRO: Banco Central debate demandas com cooperativistas

sistema financeiro 13 11 2019Cooperativismo de crédito, macroeconomia, mercado de capitais, financiamento do setor agro, seguro rural e comércio exterior foram os assuntos que deram o tom da reunião entre o diretor de Regulação do Banco Central, Otávio Ribeiro Damaso, e representantes do cooperativismo paranaense. Márcio Lopes de Freitas e José Roberto Ricken presidentes do Sistema OCB e do Sistema Ocepar, respectivamente, participaram do encontro que também contou com a presença de integrantes da Frente Parlamentar do Cooperativismo.

Questões - Dentre as questões apresentadas pelos cooperativistas, estão a relevância da revisão da Lei Complementar nº 130/2009, que instituiu e regulamentou o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC) e a possibilidade de as cooperativas de crédito poderem operar com o seguro rural.

Relevância - O diretor do Banco Central fez questão de reforçar que o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC) é um segmento de grande relevância para o Sistema Financeiro Nacional, tanto que o presidente da autarquia, Roberto de Oliveira Campos Neto, esteve na OCB, em junho deste ano, para anunciar os quatro eixos da Agenda BC#, que inclui as cooperativas como grandes parceiras da inclusão financeira no país, dentro do eixo Inclusão. (Leia aqui)

Oportunidade - Sobre a Lei Complementar 130/2009 o diretor do Banco Central disse que o escopo da atualização, construído conjuntamente com o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo, já está na fase final de análise da autarquia e que em breve será apresentado ao Congresso Nacional. “Graças à nossa visão macro e sistêmica, tudo o que fazemos, é para assegurar o desenvolvimento sustentável de todos os segmentos do SFN no país”, comentou.

Bom momento- Além disso, Damaso também destacou que as cooperativas vivem um bom momento para pensar em ampliar sua participação no mercado de seguro rural. “Essa é uma grande oportunidade, pois as cooperativas têm tudo para mudar a cara do seguro rural no Brasil”, destacou.

Manual - Durante a reunião, Ricken entregou exemplares do Manual Operacional dos Títulos do Agronegócio, elaborado em parceria entre Ocepar e OCB, ao diretor Otávio Damaso, à chefe adjunta do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do Banco Central, Paula Ester Farias de Leitão, e ao chefe do Departamento de Supervisão de Cooperativismo e de Instituições Não Bancárias (Desuc), Harold Espínola, que também participaram da reunião.

Orientações - O material apresenta orientações básicas para a estruturação de operações de CDCA, CRA, LCA/WA e CPF, por meio da sistematização de leis, decretos, portarias e demais normativos. A ideia é, por meio dos esclarecimentos a respeito dos títulos do agronegócio, contribuir para que os agricultores e suas cooperativas viabilizem alternativas de financiamento para sua produção, de forma mais ágil, simplificada, e a custos compatíveis com o retorno da atividade. (Assessoria OCB)

 

FÓRUM: Evento discute estratégias para o Plano de Comunicação do Sistema Ocepar

O Fórum de Comunicação dos Profissionais das Cooperativas Paranaenses discutiu os desafios do setor e definiu as estratégias para o Plano de Comunicação do Sistema Ocepar. O evento foi aberto na manhã de terça-feira (12/11), no Hotel Confiance, em Curitiba, pelo coordenador de Comunicação da entidade, Samuel Milléo Filho, destacando a importância do diálogo entre os comunicadores e a união de esforços para identificar os problemas que afetam a área. “O formato de workshop, que adotamos no primeiro dia do Fórum, deu oportunidades para que todos pudessem dividir suas experiências bem-sucedidas e também os problemas, as “dores” que dificultam a plena realização do trabalho de comunicação nas cooperativas”, afirmou. Trinta e dois profissionais de cooperativas do Paraná participaram do evento.

Workshop - Coube à professora Marlene Marchiori orientar a realização do workshop. Pós-doutora em Comunicação Organizacional pela Purdue University, dos Estados Unidos, e doutora em Ciências da Comunicação, pela Universidade de São Paulo (USP), Marlene conduziu os participantes em discussões sobre o papel da comunicação nas cooperativas, identificando os principais desafios e delineando os temas essenciais para a construção de um plano de comunicação do Sistema. “Refletindo sobre os diferentes processos, percebemos o potencial de transformação da comunicação. A ideia foi pensar sobre como valorizamos o que fazemos, com a percepção de que a comunicação cria relacionamentos e aproxima as pessoas. Os projetos resultantes desse workshop podem promover mudanças importantes nas cooperativas”, disse.

Conhecimento - No segundo dia do Fórum, na manhã desta quarta-feira (13/11), o foco foi voltado à difusão de conhecimento, com informações detalhadas sobre o PRC 100, o planejamento estratégico do cooperativismo, apresentado pelo coordenador de Gestão Estratégica do Sistema Ocepar, Alfredo Benedito Kugeratski Souza, e também a respeito da pesquisa sobre imagem e o posicionamento das marcas das cooperativas em 2019, que coube ao diretor do Grupo Datacenso, Cláudio Shimoyama. Pela manhã, houve ainda a participação do presidente do Grupo Paranaense de Comunicação (GRPCom), Guilherme Döring Cunha Pereira, que falou sobre os desafios da comunicação em tempos de crise.

Fórum 2020 - Segundo o coordenador de Comunicação da Ocepar, as discussões sobre a concretização do planejamento para o Sistema serão retomadas no próximo Fórum, que irá acontecer na segunda quinzena de abril, na sede da Coamo, em Campo Mourão.

{vsig}2019/noticias/11/13/forum_comunicacao/{/vsig}

 

FRENCOOP: PL aplicações financeiras tem novo relator

frencoop 13 11 2019O deputado Luis Nishimori (PR), integrante da Diretoria da Frencoop, é o novo relator do Projeto de Lei (PL) 3.351/2019, que adequa a tributação sobre as aplicações financeiras de cooperativas.

Prioridade - O projeto, que tramita atualmente na Comissão de Desenvolvimento Econômico da Câmara, é uma das prioridades da Agenda Institucional do Cooperativismo 2019, tendo sido aprovado recentemente na Comissão de Agricultura.

Objetivo - O PL 3.351/2019 tem o objetivo de adequar a incidência tributária de Imposto de Renda (IR) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) em aplicações financeiras realizadas por cooperativas, buscando a interpretação de que essas devem ser tributadas de acordo com a base de cálculo de seu resultado financeiro (receita financeira menos despesas financeiras).

Insegurança jurídica - De acordo com a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), que tem atuado para aprovar o projeto, atualmente, há uma insegurança jurídica sobre o tema, uma vez que algumas instâncias da Receita Federal têm entendido que a tributação sobre as aplicações financeiras de cooperativas se dá somente na receita financeira, o que tem implicado em uma tributação maior.

Adequação - “É importante também evidenciar que, o que se pretende nessa alteração legislativa, não é uma imunidade ou isenção tributária, mas tão somente adequar a apuração e recolhimento desses tributos, mantendo igualdade com as demais sociedades empresárias, bem como afastar possíveis autuações fiscais e interpretações distorcidas dos órgãos do governo”, destaca o presidente da OCB, Márcio Lopes de Freitas.

Apoio - Atuante nas Frentes Parlamentares do Cooperativismo (Frencoop) e da Agropecuária (FPA) ao longo das últimas legislaturas, o deputado Luis Nishimori tem sido um defensor do desenvolvimento da pesquisa, inovação e tecnologia no campo. É autor do PL 7.186/2014 (benefícios tributários para energia solar); e do PL 1.370/2015 (incentivo ao trigo nacional nas compras governamentais), ambos com posição favorável da OCB, e relator de diversos projetos com impacto positivo para o setor. (Informe OCB)

 

CONECTIVIDADE: Fórum da Ocepar discute soluções para ampliar acesso à internet no campo

Foi aberto na manhã desta quarta-feira (13/11), no Hotel San Juan, em Curitiba, o Fórum de Energia e Conectividade da Ocepar. O evento reúne profissionais de cooperativas paranaenses das áreas de pesquisa, agronomia, infraestrutura e tecnologia da informação (TI). Também participam representantes e técnicos do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), da Fundação ABC, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq)/USP), além de empresas públicas e privadas das áreas de energia, telefonia móvel e internet.

Objetivo - O coordenador de Desenvolvimento Técnico da Ocepar, Silvio Krinski, fez a abertura do Fórum, destacando a importância de discutir questões de energia e, em especial, conectividade, diante das mudanças tecnológicas que estão impactando a todos os setores econômicos. “O que precisamos fazer para levar a internet ao campo e conectar os produtores paranaenses? O nosso objetivo é encontrar soluções, reunindo os diversos atores necessários para que a conectividade se torne uma realidade no interior, e isso inclui as cooperativas, instituições de pesquisa, empresas privadas, governo, instituições de crédito e fomento. Dessa forma, o enfoque é gerar conhecimentos que possam agregar valor aos produtores”, explicou.

Projetos e ações - Pela manhã, os participantes acompanharam palestras com o gerente de projetos do Departamento de Banda Larga do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações, Helio Mauricio Miranda da Fonseca, que abordou as ações do Câmara Agro 4.0, que atua para ampliar a conectividade no campo, por meio da parceria entre o MCTIC e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e representantes da iniciativa privada e do cooperativismo. Depois, Alberto Barreto, pesquisador da Esalq, demonstrou os resultados de um estudo sobre a cobertura de internet no campo. Finalizando a programação da manhã, representantes da empresa Tim apresentaram soluções para conexão no campo. O evento prossegue à tarde, com foco em projetos de energia.

{vsig}2019/noticias/11/13/conectividade/{/vsig}

FORMAÇÃO: Curso orienta sobre normas legais e contábeis para auxiliar no fechamento de balanço

 

Os especialistas em contabilidade, Dorly Dickel e Diego Booni, estão orientando cerca de 50 profissionais das cooperativas paranaenses sobre o fechamento do balanço de 2019, com base em normas legais e contábeis, levando em consideração as últimas modificações ocorridas e as particularidades que devem ser observadas pelas cooperativas. A formação iniciou na manhã desta quarta-feira (13/11) e prossegue até esta quinta-feira (14/11), na sede do Sistema Ocepar, em Curitiba.

 

Programa – O evento foi aberto com um resumo das recentes alterações na legislação, seguido de uma análise sobre sua aplicabilidade. Também serão tratados os requisitos básicos da contabilidade cooperativa, a segregação dos atos cooperativos e atos não cooperativos. A programação contempla ainda uma avaliação sobre os ativos e passivos, aspectos fiscais e a elaboração das demonstrações contábeis. 

 

Clique aqui para conferir a programação completa do Curso de Fechamento de Balanço

 

{vsig}2019/noticias/11/13/contabilidade/{/vsig}

 

 

MERCADO EXTERNO: Unitá, de Ubiratã (PR), está entre os 13 frigoríficos brasileiros habilitados a exportar para a China

mercado externo 13 11 2019A Unitá Cooperativa Central, de Ubiratã (PR), está entre as 13 plantas frigoríficas brasileiras habilitadas para vender carnes à China, conforme comunicado do órgão sanitário chinês (GACC) enviado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Segundo o Mapa, foram habilitadas ao todo cinco plantas de carne bovina, cinco de suínos e três de aves.

Anúncio - O anúncio foi feito nesta terça-feira (12/11) pela ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento). “Temos tudo para entregar ao mundo nossa produção”, disse a ministra, na abertura da Agrobit Brasil 2019, em Londrina (PR).

Suínos - Os cinco frigoríficos de carne suína estão no Rio Grande do Sul, além de uma unidade de carne bovina. São Paulo e Mato Grosso tiveram, cada um, duas unidades habilitadas pelos chineses. Os demais frigoríficos que podem exportar para a China ficam em Goiás, no Mato Grosso do Sul e no Paraná.

Bovinos - As plantas de bovinos habilitadas pela China são: Marfrig Global Foods, em São Gabriel (RS); Frigorífico Sul, em Aparecida do Taboado (MS); Naturafrig Alimentos, em Pirapozinho (SP); Marfrig Global Foods, em Pontes e Lacerda (MT) e JBS, em Senador Canedo (GO).

Suínos - Os frigoríficos de carne suína são: BRF, em Lajeado (RS); Cooperativa Central Aurora Alimentos, em Sarandi (RS); JBS Aves, em Caxias do Sul (RS); Seara Alimentos, em Três Passos (RS) e em Seberi (RS).

Aves – Em aves, além da Unitá, foram habilitadas as plantas de aves de Zanchetta Alimentos, em Boituva (SP) e a União Avícola Agroindustrial, em Nova Marilândia (MT).

Sobre a Unitá– A Cooperativa Central Unitá foi criada em 2011 pelas cooperativas Copacol, Coagru e Cooperflora. Em 2013, foi inaugurada a Unidade Industrial de Aves, voltada ao abate e processamento de carne de frango. Atualmente, a Unitá abate 280 mil aves por dia. A Central trabalha em dois turnos com uma produção de aproximadamente 10 mil toneladas ao mês. A Unitá gera 2,1 mil empregos diretos, processa e embala os seus produtos com a marca Copacol, comercializados no Brasil e em mais de 40 países. (Com informações do Mapa e da Unitá)

 

FRÍSIA: Mercado e tendência do segmento florestal são tratados em evento em Carambeí

frisia 13 11 2019Como está o mercado florestal atualmente? Quais as perspectivas? Como realizar um planejamento estratégico? Essas são algumas das perguntas tratadas no Encontro Agro Florestal, evento com a realização das cooperativas Frísia e Castrolanda. As apresentações foram na última sexta-feira (08/11) no Auditório Leendert de Geus, na sede da Frísia, em Carambeí (PR).

Quinto encontro - Esse foi o quinto encontro florestal realizado pela cooperativa. Atualmente, são 60 cooperados da Frísia que atuam no segmento, produzindo em mais de três mil hectares no Paraná.

Planejamento estratégico - De acordo com o coordenador Ambiental e Florestal da cooperativa, Francis Bavoso, o intuito foi levar informações aos cooperados sobre essas áreas reflorestadas para que possam contribuir para o planejamento estratégico. “Ele corta ou não? Para quem não tem floresta é atrativo investir no segmento? Se sim, ele deve escolher o mercado, o nicho que irá produzir”, destaca Bavoso.

Palestras - O evento teve a palestra “Como agregar valor em sua floresta”, ministrada pelo pesquisador da Embrapa Floresta, José Mauro Moreira. Ele tratou sobre o mercado da madeira. Já “Resinagem de Pinus, uma nova alternativa de renda” foi apresentada por um representante da Resinas Brasil, empresa especializada na extração do produto e que explicou sobre preços, manejo, entre outros pontos. E por último, foi apresentada a palestra “Você está preparado para o agro de amanhã?”, com o analista da empresa INTL FC Stone, Matheus Sleiman da Costa, que discutiu sobre as tendências do mercado agrícola e florestal, anseios do consumidor final e o que é produzido

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1925, a Frísia é a cooperativa mais antiga do Paraná e segunda do Brasil. Localizada na região dos Campos Gerais, tem sua produção voltada ao leite, carne e grãos, principalmente, trigo, soja e milho. A cooperativa é resultado da união do trabalho de todos os cooperados e colaboradores; da diversificação da produção, englobando a produção leiteira, de grãos e de proteína animal; e da alta qualidade do que é feito e comercializado, com animais de excelente genética, rastreamento e investimento em tecnologia, infraestrutura e mão de obra. Os valores da cooperativa são Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). (Imprensa Frísia)

 

C.VALE: Seminário Motivacional atrai 2.300 pessoas

Duas mil e trezentas pessoas participaram, no dia 11 de novembro, da vigésima edição do Seminário Motivacional da C.Vale, na Asfuca de Palotina (PR). Com patrocínio da Bayer, o evento marcou os 56 anos de fundação da cooperativa. Associados, funcionários e familiares gargalharam com as brincadeiras, prenderam a respiração durante exibições acrobáticas e se emocionaram com as encenações e histórias apresentadas pelo grupo Sou Arte, de Campo Mourão (PR). Durante uma hora e meia o grupo circense fez apresentações que envolveram o público.

Participação - O presidente da C.Vale, Alfredo Lang, participou do evento. “É uma alegria ver uma ideia se tornar realidade beneficiando muitos produtores, gerando milhares de empregos, melhorando a vida de muita gente e incrementando a arrecadação de tributos”, avalia Lang. (Imprensa C.Vale)

{vsig}2019/noticias/11/13/cvale/{/vsig}

COOPAVEL: Cooperativa participa da AgroBit em Londrina

coopavel 13 11 2019A Coopavel é uma das cooperativas que participam como expositoras do AgroBit, um dos maiores eventos de inovação e tecnologias do País. Grandes líderes dos setores produtivo e político prestigiam a feira, entre eles a ministra da Agricultura e Pecuária, Tereza Cristina. Organizado pela Sociedade Rural do Paraná e parceiros, o AgroBit acontece nesta semana no Parque de Exposições Governador Ney Braga, em Londrina (PR).

Representante - O coordenador do Show Rural Digital, uma das atrações do Show Rural Coopavel, José Rodrigues da Costa Neto, representa a cooperativa no evento. Ao lado de Kleberson Hayashi Angelossi, da equipe de organização do SRI, Neto utiliza o ambiente para fazer conexões de ecossistemas e para prospectar novos expositores para o Show Rural Digital, que terá a sua segunda edição de 3 a 7 de fevereiro de 2020, em Cascavel. “Estaremos cheios de atrações e com um número ainda maior de participantes”, de acordo com Neto.

Polo - A ministra participou nesta terça-feira (12/11), do lançamento oficial do Polo de Inovação, que pretende projetar Londrina e o Norte do Paraná como referências nacionais na área. O AgroBit reúne líderes, produtores e profissionais de todo o País interessados em buscar parcerias para acelerar a transição da tecnologia do laboratório para o campo. Segundo os organizadores, o evento foi estrategicamente pensado para promover parcerias e networking.

Aprimoramento - O coordenador do Show Rural Digital informa que essas interações, que permitem conhecer e ver o que outras regiões estão fazendo, contribuem para aprimorar ainda mais eventos voltados à tecnologia. “Ao mesmo tempo em que divulgamos, prospectamos e convidamos empresas a participar, aprendemos muito. E tudo isso fará do Show Rural Digital um evento ainda maior, melhor e mais conectado com um intenso período de mudanças que impactam os mais diversos setores produtivos, principalmente o agronegócio”, ressalta Neto.

Área três vezes maior - Em sua segunda edição, o Show Rural Digital vai acontecer em uma área quase três vezes maior que a anterior. De 2,8 mil metros, o evento ocupará estrutura com mais de 8 mil metros quadrados. O número de expositores será maior e diversos novos eventos serão realizados, como o Fórum de TI das Cooperativas do Mercosul. Um dos espaços já projetados promete ser uma das principais atrações de toda a feira. Será uma arena especialmente criada para test-drive e corridas de drones. (Imprensa Coopavel)

 

SICOOB SUL: Ciclo anual de formação continuada do Programa Cooperjovem é finalizado na cooperativa

sicoob sul 13 11 2019Desde 2016, o programa Cooperjovem, por meio do Sicoob Sul, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, capacita os professores da rede pública de ensino de Ponta Grossa (PR).

Aprendizado - Por meio dos temas abordados pelos instrutores do Sescoop, os participantes aprenderam mais sobre o cooperativismo, expuseram seus projetos, discutiram melhorias, elaboraram novas propostas, analisaram as transformações causadas pelas suas realizações e compreenderam os impactos do programa na escola, nas famílias e na comunidade.

CapacitaçãoEm 2019, cerca de 30 professores foram capacitados, que, no dia 7 de novembro, apresentaram os projetos no Programa Educacional Cooperativo (PEC). Segundo a assessora de Educação de Ponta Grossa, Aparecida Castanho, o projeto terá continuidade em 2020. “Eles apresentaram projetos lindos e resultados maravilhosos, então acreditamos que o sucesso para o ano que vem também é certo”, afirma. 

Experiências - A professora da escola municipal Prefeito Dr. Fulton Vitel Borges de Macedo, Kelly Cristina Mazeika, relatou pelas experiências vividas ao longo do ano como professora. “Tenho apenas dois anos na rede municipal e com o projeto Cooperjovem, minha experiência, crescimento profissional e pessoal foram enormes. Agradeço ao Sicoob Sul, Sescoop e a Secretaria Municipal de Educação pela oportunidade”, afirma.

Cooperjovem - O objetivo do Programa Cooperjovem é promover o intercâmbio entre as escolas municipais e cooperativas, inserindo a educação cooperativa no cotidiano escolar. Coordenada pelo Serviço de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) e fomentada pelo Instituto Sicoob, a iniciativa é desenvolvida em 322 escolas de 38 municípios em três estados, reunindo mais de 40 mil alunos e 1.600 professores capacitados.

Integração - O Cooperjovem proporciona aos educadores a vivência do trabalho coletivo e a identificação de práticas educacionais pautadas na cultura da cooperação, formando cidadãos mais solidários, participativos, autônomos e comprometidos com um futuro socialmente justo, democrático e sustentável. A integração escola-família e comunidade é incentivada e promove a construção coletiva de soluções às demandas educacionais. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB ALIANÇA: Palestra sobre educação financeira é apresentada em empresas de Apucarana

sicoob alianca 13 11 2019Dando continuidade à rodada de palestras sobre educação financeira promovida nos municípios de atuação da cooperativa, o Sicoob Aliança esteve em duas empresas de Apucarana (PR) para falar sobre o tema, nos dias 30 de outubro e 4 de novembro.

Participantes - Ao todo, mais de 40 colaboradores participaram dos dois dias de palestra organizados pelos colaboradores que atuam como voluntários do Instituto Sicoob na cooperativa.

Interesse - Segundo a gerente de Relacionamento, Gabriella Galan, que ministrou as palestras, foi possível perceber o quanto os participantes ficaram interessados pelo assunto. “É algo que interfere diretamente na vida de todos, desde uma simples compra de supermercado até um investimento. Como voluntária do Instituto Sicoob sinto gratidão em poder compartilhar o conhecimento, levar as pessoas a conscientização do consumo e buscar uma vida equilibrada”, explica.

Sobre a rodada - Durante todo o mês de outubro, o Sicoob Aliança realizou palestras sobre Educação Financeira nos municípios de sua área de atuação. Os eventos aconteceram em escolas, empresas, associações, abrangendo diversos tipos de públicos.

Objetivo - O objetivo é explicar a importância do tema para a população, colocando em prática a missão de desenvolver as comunidades onde está inserido e reforçar o propósito do Sicoob Unicoob de humanizar as relações financeiras. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICREDI UNIÃO PR/SP I: Cooperativa reinaugura agência da avenida Tuiuti, no dia 18

sicredi uniao I 13 11 2019A agência Maringá Tuiuti da Sicredi União PR/SP vai completar dez anos e, pela primeira vez, passou por mudança de endereço e já está funcionando a três quadras do ponto anterior - avenida Tuiuti, 1.940. A reinauguração será na segunda-feira (18/11), às 19 horas, em Maringá (PR), e deve reunir 350 pessoas, incluindo autoridades municipais.

Nova estrutura - De acordo com o gerente da agência Maringá Tuiuti, Watson Carlos de Oliveira, a nova estrutura tem quase 500 metros quadrados, ou seja, é o dobro de tamanho do prédio anterior. “Precisávamos de um espaço maior e mais confortável para prestar atendimento, porque nos últimos cinco anos passamos de 1.200 para 4.300 associados”, comenta ao informar que a agência conta com 17 colaboradores.

Novo leiaute - No local, a comunicação e a disposição do mobiliário seguem o novo leiaute do sistema Sicredi, que também permite aplicar o novo modelo de atendimento da Sicredi União PR/SP, em que o associado é direcionado de acordo com o assunto específico. A agência também passa a contar com cinco caixas eletrônicos (na agência anterior eram três) e estacionamento próprio para oferecer mais comodidade aos associados.

Número de atendimentos - Para o gerente, a expectativa é que o número de atendimento aumente ainda mais no novo endereço, já que empresas e moradores dos bairros têm aderido o cooperativismo. “E a Sicredi União retorna para a comunidade os frutos dessa confiança não só com taxas diferenciadas em produtos e serviços, mas com programas sociais que beneficiam a população”, enfatiza ao citar que a agência já está recebendo doações de alimentos para o programa Árvore Solidária, que beneficia entidades por ocasião do Natal.

Novas agências - De janeiro a outubro, a Sicredi União PR/SP já inaugurou 15 novas agências e realizou nove reinaugurações. Até o final do ano, o plano de expansão da Sicredi União PR/SP prevê inaugurar/reinaugurar o total de 25 agências, sendo 14 em São Paulo e 11 no Paraná. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICREDI UNIÃO PR/SP II: Em Floraí, cooperativa incentiva leitura para crianças e adolescentes

sicredi uniao 13 11 2019A agência Floraí da Sicredi União PR/SP, no Noroeste do Paraná, está promovendo ação de incentivo à leitura para crianças e adolescentes de escolas municipais e estaduais, mas a iniciativa também é aberta ao público. A programação, iniciada na segunda-feira (11/11), seguiu até 21 horas desta terça-feira (12/11), na Praça João Marques, com contação de história sobre o livro ‘O Pequeno Príncipe’, entrega de gibis e apresentação de teatro sobre educação financeira.

Projeto - A iniciativa faz parte do projeto Casa Mágica Florescendo, que objetiva tirar o foco das crianças e adolescentes dos celulares e apresentar a elas um universo lúdico e de conhecimento por meio dos livros. “Já recebemos mais de 700 alunos aqui nas apresentações e cerca de 350 deles saíram daqui e foram fazer a carteirinha na biblioteca. Estamos muito felizes por motivar o gosto pela literatura”, ressalta a gerente de Negócios da agência, Neiva Natália da Silva Gregati.

Apresentações - Ao longo do dia são realizadas cerca de 15 apresentações de contação de história em uma tenda. Na sequência, os participantes entram no caminhão estande da Sicredi União PR/SP para um bate-papo sobre a lição de vida do Pequeno Príncipe e para reforçar a reflexão sobre a importância da leitura. Por fim, recebem um kit com gibis da Turma da Mônica sobre educação financeira - edição especial lançada pelo Sistema Sicredi e Maurício de Sousa Produções.

Teatro - Na noite desta terça-feira também houve a apresentação do teatro ‘Brincando de Circo’, que faz parte do projeto Caravana Kids, da Sicredi União PR/SP. Na história, os atores Hudson Zanoni e Alexandre Penha interpretam os palhaços Adalberto Pé de Chinelo e Cajuíno Castanho, respectivamente. Juntos, eles sonham em ter o próprio circo, mas sem dinheiro precisam poupar e se desdobram para fazer os personagens da trupe circense.

Pais - “Embora o foco da ação seja crianças e adolescentes, os pais também estão muito participativos e isso é muito importante, porque as crianças falam que eles também ficam muito tempo no celular. Por isso a importância de mudar esse hábito para que haja mais interação entre pais e filhos por meio da leitura de livros e da contação de histórias”, frisa Neiva. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

TECNOLOGIA: Ministra da Agricultura assina memorando do Projeto Coalizão Soja 4.0 no Agrobit

tecnologia 13 11 2019A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Teresa Cristina, assinou, nesta terça-feira (12/11), no Agrobit, realizado em Londrina (PR), o termo de compromisso do projeto Coalizão Soja 4.0, juntamente com o diretor de Inovação e Tecnologia da Embrapa, Cleber Soares, o chefe-geral da Embrapa Soja José Renato Bouças Farias, o secretário de Inovação do Mapa, Fernando Camargo, o presidente da Sociedade Rural do Paraná, Antonio Sampaio e o gestor do AgroValley – pólo de inovação de Londrina, George Hiraiwa.

Fortalecimento - De acordo com Farias, o projeto Coalizão Soja 4.0, sob liderança da Embrapa Soja, visa fortalecer os ativos de inovação para a cultura da soja. A Embrapa Soja atua no desenvolvimento de soluções tecnológicas para a cultura da soja no Brasil, trazendo orientações técnicas para os sistemas de produção e buscando soluções inovadoras para o campo.

Ações - As ações do Coalizão Soja 4.0 estão organizadas em quatro verticais com o objetivo de catalisar o desenvolvimento de soluções inovadoras para produção de soja tropical. São elas: o diagnóstico setorial de demandas, organização do ecossistema de inovação com diversos atores da cadeia de soja, editais de inovação aberta e uma área de campo de testes, chamada de plot 4.0.

Novos patamares tecnológicos - “O projeto estabelece novos patamares tecnológicos e organiza diferentes atores para missões em temas estratégicos e combina modelos que favoreçam maior coordenação entre esforços de inovação e independência tecnológica Brasil”, destaca Farias. O projeto irá envolver diretamente cooperativas, Ematers, associações de produtores, empresas privadas de tecnologia, universidades, Sebrae, Senai, lideranças e startups na identificação de desafios orientados por missões para alcançar novos patamares tecnológicos. (Assessoria de Imprensa da Embrapa Soja)

 

INFRAESTRUTURA I: Aneel aprova edital de linhas de transmissão com leilão em 19 de dezembro

infraestrutura I 13 11 2019A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (12/11) o edital do leilão de transmissão destinado à contratação de novas linhas e subestações de transmissão, marcado para o dia 19 de dezembro. Os vencedores do certame deverão construir, operar e dar manutenção à infraestrutura de transmissão de energia elétrica nos 30 anos de concessão.

Lotes - O edital prevê 12 lotes com impacto sobre 12 Estados (AC, AL, BA, CE, GO, MG, MT, MS, PA, SP, RJ e RS). Os projetos totalizam 2.360 quilômetros e 7.800 Megavoltampère (MVA) de capacidade transformação. A agência estima investimento R$ 4,18 bilhões e geração de 8.782 empregos diretos.

Disputa - Na disputa, vence a empresa ou consórcio que apresentar o lance com a menor receita anual permitida (RAP). O valor teto, estabelecido para cada lote no edital, é chamado de “RAP Máxima”.

Prazo máximo - Os projetos têm prazo máximo para entrada em operação de 36 a 60 meses. Apesar de se tratar de 12 lotes, os empreendimentos envolvem 17 trechos de linhas e 16 novas subestações e pátios. O leilão inclui um empreendimento (Lote 11) que havia sido arrematado pela Eletronorte em leilão anterior, mas, por descumprimento do contrato, foi retomado pela agência após processo de caducidade.

Local e horário - A disputa será realizada em um hotel na Zona Sul de São Paulo, em local e horário a ser divulgado pela Aneel.

Prazo - O prazo de concessão começará a contar a partir da assinatura dos contratos, previsto para 20 de março de 2020. A versão preliminar do edital havia sido aprovada 13 de agosto, mas sofreu ajuste após análise do Tribunal de Contas da União (TCU). (Valor Econômico)

 

INFRAESTRUTURA II: Principal corredor do Sudoeste, PR-280 será modernizada

infraestrutrura II 13 11 2019Principal corredor da região Sudoeste, a PR-280 será modernizada e terá sua capacidade de transporte ampliada. O Governo do Estado está finalizando os estudos que permitirão à rodovia ganhar terceiras faixas em 32 pontos ao longo de toda a sua extensão, considerados essenciais pelo Departamento de Estradas e Rodagem (DER-PR). A intervenção vai concluir a primeira etapa do plano de recuperação da rodovia.

Anúncio - O anúncio foi feito pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior nesta terça-feira (12/11), em Pato Branco, em entrevista à imprensa logo após o ato de instalação do Executivo Estadual no município. A cidade do Sudoeste é sede administrativa do governo até esta quarta-feira (13/11).

Estudos - “Os estudos de aumento de capacidade já começaram por parte do DER. Serão muitas terceiras faixas para ampliar a capacidade e também melhorar a segurança para quem usa a rodovia”, afirmou Ratinho Junior. Com 284 quilômetros de extensão, que vai de Realeza até Palmas, no Sul do Estado, a rodovia está bastante deteriorada, devido ao tráfego intenso de veículos pesados, e oferece risco usuários.

Primeiro passo - “Essas obras são o primeiro passo, que vamos fazendo paralelamente ao estudo que permitirá incluí-la no grande pacote de concessões que está sendo preparado em parceria com o Governo Federal”, disse o governador.

Expectativa - O prefeito de Pato Branco, Augustinho Zucchi, explicou que a população de toda a região espera com ansiedade a melhoria da rodovia, principal artéria de escoamento da produção local. “É extremamente importante, um nó que o governador Ratinho Junior vai desatar da região Sudoeste inteira”, disse.

Concessão – De acordo com Ratinho Junior, o Governo do Estado já finalizou todas as tratativas com o Ministério da Infraestrutura para incluir a PR-280 dentro das novas concessões. A partir de 2021, com o fim dos contratos com as concessionárias em vigor atualmente, o Paraná passará de 2,5 mil quilômetros para 4,1 mil quilômetros de rodovias pedagiadas. A negociação permitirá, entre outras intervenções, a duplicação por completo do corredor.

Tarifas - “Serão pedágios com tarifas pelo menos 50% mais baratos que os atuais, com todo o processo de concessão ocorrendo com transparência, dentro da Bolsa de Valores de São Paulo”, ressaltou o governador.

Prazo - O chefe da Casa Civil, Guto Silva, informou que a meta é licitar R$ 70 milhões em projetos executivos já prontos até o final do ano, incluindo as rodovias com maiores problemas, como a PR-280 (Sul/Sudoeste), PR-323 (Norte/Noroeste) e PR-092 (Curitiba/Campos Gerais). “O Governo está mergulhado em buscar a solução. O governador já determinou a execução dos projetos para que possamos devolver a capacidade da PR-280, uma rodovia que está totalmente antiquada”, ressaltou Silva.

Presenças -  Participaram do encontro em que foi feito o anúncio sobre a rodovia os secretários Renato Feder (Educação), João Carlos Ortega (Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas), Norberto Ortigara (Agricultura e Abastecimento) e Rômulo Marinho (Segurança Pública); o diretor do Detran, Coronel Cesar Kogut; o diretor administrativo do BRDE, Luiz Carlos Borges da Silveira; os deputados estaduais Soldado Adriano, Paulo Litro, Luiz Fernando Guerra e Nelson Luersen; além de prefeitos, vereadores e lideranças políticas e empresariais da região. (Agência de Noticias do Paraná)

 

PROGRAMA VERDE AMARELO: Governo usa pacote de emprego para fazer mudanças em regras trabalhistas

programa verde amarelo 13 11 2019O governo aproveitou o pacote de emprego Verde Amarelo para fazer novas alterações nas regras trabalhistas. O programa, enviado por meio de medida provisória e dois projetos de lei, já está sendo apontado no Congresso como uma segunda fase da reforma trabalhista, que foi aprovada em 2017 pelos senadores e deputados durante o governo Michel Temer.

Relator - Na época, o relator da reforma era o atual secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, que agora comandou a elaboração do programa de estímulo ao emprego do governo Jair Bolsonaro.

Ajuste trabalhista - Em entrevista ao Estado, o secretário especial adjunto de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, afirma que o programa representa um “bom ajuste trabalhista”, com o intuito de desburocratizar, desregulamentar para melhorar o ambiente de negócios. Ele prefere, no entanto, não chamar de nova reforma, mas de “aprimoramentos” na legislação, especialmente da Consolidação das Leis Trabalhistas.

Incentivo - O programa Verde Amarelo foi anunciado na segunda-feira (11/11) pelo governo para incentivar a contratação do primeiro emprego de pessoas entre 18 e 29 anos com remuneração de até 1,5 salário mínimo (R$ 1.497). As empresas terão redução de até 34% nos impostos que pagam sobre a folha. Para financiar o programa, o governo propôs taxar o seguro-desemprego.

Alterações - No pacote, o governo incluiu alterações nas regras trabalhistas, como a que cria uma nova sistemática de homologação do acordo trabalhista, permitindo o acerto extrajudicial, entre patrões e empregados. Ele poderá ser individual ou coletivo e valer para o encerramento dos contratos. Poderá se chegar a um acordo entre as partes e levar ao juiz para homologação.

Recursos e fiscalização - Há ainda mudança no sistema de apresentação de recursos e de fiscalização do País, além de reduzir o número de multas e flexibilizar a sua aplicação. A primeira visita do fiscal ao estabelecimento não gerará multa, mas advertência, oferecendo a possibilidade de regularização. A multa só será aplicada em caso de reincidência.

Trabalho aos domingos - O pacote também retorna ao tema dos trabalhos aos domingos, que foi incluído sem sucesso na MP da Liberdade Econômica. O texto permite que todos os trabalhadores sejam convocados para trabalhar aos domingos e feriados. Leis que vetavam convocação de 70 categorias, como professores e funcionários de call centers, foram revogadas. Para comércio e serviços, está garantida folga em um domingo a cada quatro fins de semana. Para a indústria, porém, está garantida a folga apenas em um domingo a cada sete.

Bancos - A MP prevê ainda o trabalho aos sábados nos bancos. O texto estabelece que a jornada diária de seis horas vale apenas para os bancários que trabalham nos caixas em atendimento ao público. Para os demais trabalhadores das instituições financeiras, a jornada é de oito horas.

Menos regulamentado - “As pessoas que consigam trabalhar aos domingos são obrigadas a submeter um acordo com o sindicato da categoria. Estamos possibilitando que isso seja menos regulamentado”, afirmou Bianco.

Registro profissional - O governo aproveitou também para retirar a exigência de registro profissional para jornalistas, publicitários, radialistas, químicos, arquivistas e até guardador e lavador de veículos.

Adicional - A MP ainda acaba com o adicional de 10% da multa rescisória sobre o FGTS pago pelas empresas em caso de demissão sem justa causa. O adicional foi criado no governo Fernando Henrique Cardoso com a finalidade de bancar o rombo deixado pelos planos econômicos Verão (1989) e Collor I (1990).

Seguro-desemprego - Incomodados com a taxação do seguro-desemprego, senadores já articulam alterar a fonte de financiamento do programa. Em vez de taxar o seguro-desemprego, uma das possibilidades citadas pelo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), é reduzir os recursos do Sistema S. “Para abrir o emprego para o jovem, eles estão tributando o desempregado. É muito contraditório. Nós vamos ter de ajustar”, criticou o líder do MDB, Eduardo Braga, que também quer incluir no programa pessoas com mais de 55 anos.

Mudanças - Abaixo, as principais mudanças.

Domingos e feriados - O texto permite que todos os trabalhadores sejam convocados para trabalhar aos domingos e feriados

Registro profissional - A MP revoga exigências de registros específicos para a atuação em diversas profissões, como jornalista e publicitário. O texto também acaba com a obrigatoriedade de diploma para o exercício algumas atividades

Bancários - A medida acaba com a proibição de trabalho aos sábados. Deixa claro ainda que a jornada de seis horas por dia vale apenas para os bancários que trabalham nos caixas em atendimento ao público

FGTS - Acaba com o adicional de 10% da multa rescisória sobre o FGTS pago pelas empresas em caso de demissão sem justa causa

Gorjetas - As gorjetas recebidas pelos trabalhadores serão contabilizadas como remuneração do empregado e não poderão ter parte retida pelo empregador

Acordos - Cria nova sistema de homologação do acordo trabalhista, permitindo o acerto extrajudicial entre patrões e empregados

(O Estado de S.Paulo)

 

ECONOMIA: Ministro diz que reforma da Previdência já atrai investidores

economia 13 11 2019Ao participar, nesta terça-feira (12/11) de evento na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, no Rio de Janeiro, o ministro de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse que o governo tem se preocupado em criar um ambiente amigável para negócios, e que isso tem atraído investidores. Segundo ele, algumas mudanças têm colaborado para isso, como a aprovação da reforma da Previdência.

Efeitos da retomada - De acordo com o ministro, já se observa uma expansão no varejo, na atividade industrial e recuperação moderada do emprego, que, com a retomada da economia deve crescer ainda mais. “Estamos realmente sentindo os efeitos da retomada da credibilidade. Credibilidade e investimento são coisas que caminham juntos”, afirmou, acrescentando que considera possível uma reavaliação em breve da classificação de risco.

Primeiros impulsos - “A economia está dando os primeiros impulsos na direção do crescimento, tenho certeza que a reclassificação de risco virá”, disse o ministro, que participou nesta terça-feira da 2ª Conferência Anual Cebri-BNDES, na sede do banco, no centro da cidade.

Momento propício - Para Freitas, o Brasil vive o momento propício para atacar um de seus principais problemas, a infraestrutura, que vai será alavancada para aumentar a produtividade. Neste ano, afirmou, foram realizados 27 leilões de infraestrutura, todos bem-sucedidos. Para o próximo ano, a intenção é fazer entre 40 e 44 leilões. “Uma meta bastante ousada, mas possível, afirmou".

Cronograma - O ministro da Infraestrutura disse que o governo não pretende adiantar a realização de leilões para escapar de 2022. Ele considera que o ano eleitoral não vai interferir na realização dos certames. “Não há perturbação nenhuma, ainda mais em um país em que você tem clareza de regras e estabilidade de contratos. O Brasil é um país que respeita contratos”, ressaltou.

Final de 2021 e início de 2022 - A expectativa é que os leilões ocorram no final de 2021 ou início de 2022, mas, para isso, o rito precisa ser seguido. "O processo começa com o estudo de projetos que levam de seis a oito meses para ficar prontos. Depois tem a audiência pública, que leva entre 45 dias e 60 dias. Tem um tempo para analisar e incorporar as contribuições que saem da audiência pública e, na sequência, fazer os ajustes no contrato. Após essas etapas, é preciso passar pelo Tribunal de Contas da União para emissão de parecer. Em seguida, há a publicação do edital", acrescentou.

Tempo dilatado - Conforme o ministro, o governo procura dar um tempo dilatado entre a publicação e o leilão para permitir que o investidor estude e consiga traduzir todas as peças. “A ideia é fazer o leilão dos próximos aeroportos no final de 2021 ou no início de 2022.”

Distinção - Para Freitas, não há distinção entre o melhor ou o pior leilão. “Leilão, para nós, é igual filho. A gente ama todos. O amor pelos filhos é o mesmo. A mesma coisa é o leilão de infraestrutura. Amamos todos igualzinho. Todo leilão é importante.”

Cessão onerosa - O leilão realizado na semana passada, da cessão onerosa, foi "excelente", na opinião do ministro. Ele comparou o valor obtido com o valor dos certames já feitos. “Se somarmos todos os leilões, incluindo o de Libra, houve uma arrecadação de R$ 62 bilhões. Em um único dia, agora, foram arrecadados R$ 70 bilhões. Se pegarmos todo investimento feito ao redor do mundo, incluindo bônus de assinatura, chegamos a cerca de R$ 220 bilhões de arrecadação. Com os leilões deste neste ano, foram arrecadados R$ 80 bilhões. Então, o Brasil está pegando quase 40% do mercado global de óleo e gás.”

Solução - Para Tarcísio de Freitas, o leilão representou a solução de questões que vinham se arrastando. “Tínhamos um contrato de cessão onerosa, que era antigo e precisava de desfecho, o que ocorreu em dez meses. Definimos a regra de indenização da Petrobras, que é controversa. Definimos a regra de entrada, a divisão de recursos do valor arrecadado e isso tudo foi feito em dez meses. Teve aprovação de PEC [Proposta de Emenda à Constituição], teve aprovação de PL [Projeto de Lei]. Teve negociação com Petrobras. Foi feito o leilão e teve uma arrecadação de R$ 70 bilhões.”

Risco - O ministro disse que o investidor observou o risco de entrar em outros blocos e saber que, depois de arrematar, ainda teria que negociar com a Petrobras o valor de indenização. “O resultado não foi diferente do esperado. Não faltou clareza. É um jogo de mercado. A Petrobras sabia que tinha um poder de barganha e usou este poder para manter os campos de petróleo. O resultado foi normal”, completou.

Debêntures - O ministro destacou que 2019 será o melhor ano em termos de emissão de debêntures incentivadas em infraestrutura. O governo está preparando uma forma de melhorar este tipo de investimento e vai criar uma debênture para aumentar o incentivo ao emissor, permitindo a emissão de bônus no exterior em moedas locais e sem a cobrança de tributação no retorno de capital. “É uma coisa que tem chamado atenção dos investidores estrangeiros.”

Tabela do frete - Sobre a tabela de frete, o ministro disse que a atual é "boa" e está dentro da legislação, mas o governo trabalha em uma adaptação a partir de um estudo da Universidade de São Paulo. “Temos hoje uma tabela que é legal, e que está na lei. Estamos trabalhando na adaptação do estudo feito pela Esalq [Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo]. Algumas inconsistências observadas estão sendo corrigidas. Publicamos, inclusive, consulta pública sobre isso, e em breve faremos uma reedição." (Agência Brasil)

 

SAÚDE: Paraná registra 104 novos casos de dengue em uma semana

saude 13 11 2019Boletim epidemiológico semanal da dengue divulgado nesta terça-feira (12/11) pela Secretaria de Estado da Saúde registra 1.029 casos confirmados da doença. São 104 novos casos; um aumento de 11,24% em relação a semana anterior que apresentou 925 casos.

Autóctones - O informativo soma 829 autóctones, quando a doença é contraída na cidade de residência. O município de Brasilândia do Sul, na área da 12a Regional de Saúde de Umuarama, registrou o primeiro caso autóctone do período.

Epidemia - Seis municípios estão em situação de epidemia de dengue, um a mais que na semana passada. Floraí, na região de Maringá, que apresentava situação de alerta, apresenta hoje situação de epidemia. Os outros municípios são de Nova Cantu, Quinta do Sol, Inajá, Santa Isabel do Ivaí e Uniflor.

Classificação - A classificação de situação de epidemia é definida quando o município registra, proporcionalmente, 300 ou mais casos de dengue por 100 mil habitantes.

Notificações - Do dia 28 de julho até agora o Paraná tem 9.176 notificações para a dengue em todo o Estado. Os municípios com mais notificações são Londrina (1.644), Foz do Iguaçu (1.336) e Maringá (692).

Medidas preventivas - O secretário estadual da Saúde, Beto Preto, alertou para as medidas preventivas da dengue. “A principal orientação é para a eliminação dos criadouros do mosquito Aedes aegypti, que estão nos locais que acumulam água parada. O sorotipo presente, circulante no estado, é o DEN 2 e a maioria da população ainda não passou por este tipo de dengue e pode adquirir a doença. Por isso todo o cuidado com a limpeza dos quintais e terrenos baldios devem ser tomados”, afirmou. (Agência de Notícias do Paraná)

 


Versão para impressão


RODAPE