Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4706 | 14 de Novembro de 2019

GESTÃO: Sem compliance, empresa não será sustentável

As discussões em torno do compliance, ou estar em conformidade, e da lei 13.709/2018, que trata da proteção de dados pessoais, vem ganhando espaço na gestão das cooperativas. Não à toa, estes dois assuntos foram foco do IV Fórum de Excelência da Gestão do Sistema Ocepar, realizado na última terça-feira (12/11), no auditório da organização, em Curitiba.  “Trouxemos um time de especialistas para detalhar esses temas, sob a ótica de legislação, tecnologia e segurança”, conta o coordenador de Gestão Estratégica do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do Paraná, Alfredo Kugeratski Souza. O Fórum reuniu mais de 100 profissionais, de 36 cooperativas paranaenses dos ramos agropecuário, crédito, produção de bens e serviços e saúde.

Garantia de sustentabilidade- Uma organização “em compliance” é aquela que, por cumprir e observar rigorosamente a legislação à qual se submete e aplicar princípios éticos nas suas tomadas de decisões, preserva ilesa sua integridade e resiliência, assim como de seus colaboradores e da alta administração. “Aempresa que não tem compliance corre um risco muito grande, e aquela que tem consegue ter uma vantagem competitiva em relação aos seus concorrentes. Mas isso é hoje, porque a médio e longo prazo, quem não adotar o compliance não será sustentável”, alertou o professor e consultor Wagner Giovanni, diretor da Compliance Total.

Conhecimento - Ao abrir a programação de palestras, Giovanni disse que a tendência de mercado é que as empresas se estruturem e montem seus programas de compliance e seus mecanismos de integridade. “A principal dificuldade nesse processo é o conhecimento. O tema é novo e, por desconhecimento, as empresas correm dois riscos: fazer algo além da conta, exagerado que atrapalhe os negócios, e isso não é o foco; ou, em outro extremo, fazer de menos e virar algo de fachada. Então, o primeiro desafio é a empresa encontrar o ponto certo e isso depende de conhecer com profundidade o assunto e fazer aquilo que de fato precisa, nem mais, tornando tudo burocrático, e nem de menos”, disse. 

Interface – Para contar a experiência de como foi implantar o compliance, participaram do Fórum de Excelência de Gestão o Chief Compliance Officer da BRF, Reynaldo Goto, e o gerente de Governança, Riscos e Compliance da Unimed BH, Daniel Marques Garcia. “Foquei minha fala, basicamente, na interface entre o Programa de Desenvolvimento da Gestão das Cooperativas (PDGC), com o compliance e a LGPD”, contou o gerente da Unimed BH, ressaltando que o PDGC pode servir de base para a implantação de um programa forte de compliance. Segundo ele, o compliance iniciou de maneira informal na Unimed BH, com um grupo formado por colaboradores de várias áreas e com a finalidade de atender necessidades impostas pela ANS (Agência Nacional de Saúde). “Este trabalho foi evoluindo a ponto de, em 2015, se tornar uma gerência e, em 2016, ter um código de conduta próprio. Hoje estamos num patamar de maturidade muito bom”, disse.

Paraná - Em abril deste ano o Sistema Ocepar lançou o Programa de Compliance para o Cooperativismo Paranaense, ação que está alinhada ao pilar Governança e Gestão do PRC 100, o planejamento estratégico do setor. “Em continuidade a este programa, trouxemos para essa edição o desafio de construir um programa para apoiar as cooperativas a alcançar a conformidade em relação a Lei 13.709/2018, que entrará em vigor em agosto de 2020”, explica a advogada do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do Paraná, Daniely Andressa da Silva.

Proteção de dadosA lei 13.709/2018, em conjunto com  o Marco Civil da Internet (Lei  12.965/2014), os Decretos 7.962 e 7.963/2013 e o Código de Defesa do Consumidor, disciplina o uso de dados pessoais, por meios físicos ou digitais, definindo regras para sua coleta, armazenamento, uso, compartilhamento e exclusão, com implicações nos mais diversos segmentos, tais como relação com clientes, relação com cooperados, dados de colaboradores, dentre outros. Seguindo uma tendência mundial, a LGPD consolida um contexto de segurança e transparência em relação ao uso de informações pessoais dos cidadãos, criando um ambiente de maior proteção à privacidade, intimidade e liberdade de seus titulares. “A lei se aplica a todos aqueles que utilizam dados pessoais, abrangendo instituições públicas e privadas, dentre elas, as cooperativas. A inobservância às diretrizes da LGPD sujeita a aplicação de penalidades incluindo advertências, multas, ou mesmo a suspensão do exercício da atividade. Entretanto, mais do que evitar as penalizações, a adequação à lei já se traduz em um diferencial competitivo pelo o mercado interno e externo”, reforça Daniely.

Impactos - “O foco da minha fala no Fórum em Curitiba foram os impactos dessa lei para as companhias como um todo, lembrando que ela se aplica ao tratamento de qualquer dado pessoal”, disse Caio Cesar Carvalho Lima, sócio do Opice Blum, Bruno, Abrusio e Vainzof Advogados Associados. “E dado pessoal não é somente aquilo que identifica a pessoa, mas tudo aquilo que, dentro de um contexto, pode identificar alguém, então, estamos trabalhando com um contexto gigantesco, não só de CPF, data de nascimento ou nome de pai e mãe, mas também número de conta, placa de um veículo e até o endereço de um IP ou outro dispositivo que possa identificar uma pessoa”, completou. Também falaram sobre LGPD, como convidados Domingo Montanaro, diretor da Ventura Academy Treinamentos, que ministrou a palestra “Cuidados e riscos na adequação e conformidade da LGPD sob a ótica de segurança da informação” e os profissionais Erick Comelli e Nilson Cechetto da Compwire; Guilherme Guimarães e Mario Toews do escritório Guilherme Guimarães Advogados Associados encerraram com a palestra “Desafios tecnológicos no atendimento à LGPD.

Clique aqui para download das apresentações feitas durante o IV Fórum de Excelência da Gestão

Clique aqui e ouça reportagem de rádio sobre o Fórum, com entrevistas dos palestrantes

{vsig}2019/noticias/11/14/gestao/{/vsig}

WORKSHOP: Evento vai discutir cenários e tendências mundiais no agronegócio

Um painel sobre cenários e tendências nos setores de grãos e proteína animal, com a presença de representantes da Mckinsey, empresa de consultoria empresarial americana, e do Rabobank, uma das principais instituições financeiras na Holanda, vai abrir a programação do workshop que o Sistema Ocepar promove, no dia 20 de novembro, na sede da entidade, em Curitiba.

Mais – O evento terá ainda palestra com a professora da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Elizabeth Gomes, sobre a importância da visão de longo prazo no planejamento e tomada de decisão. Depois, será discutido o alinhamento entre as cooperativas e os Sistemas Ocepar e OCB em relação à inteligência de mercado.

Inscrições e informações – O evento é destinado a profissionais que atuam nas cooperativas agropecuárias paranaenses. Os interessados devem se inscrever até o dia 18 de novembro, com Jessica Costa (jessica.costa@sistemaocepar.coop.br / 41 3200-1199). Informações com Silvio Krinski (silvio.krinski@sistemaocepar.coop.br / 41 3200-1112).

 

workshop folder 14 11 2019

 

INOVAÇÃO: Isae e Sescoop/PR avaliam resultados de programa que capacitou profissionais de 70 cooperativas

Iniciado em 2018, o Programa de Inovação para o Cooperativismo Paranaense capacitou 470 profissionais de 70 cooperativas do estado. Durante um ano, os participantes tiveram 192 horas de formação, entre disciplinas comuns, específicas e mentorias. Os alunos foram divididos em 14 turmas simultâneas, e as aulas aconteceram, na fase de formação, em 11 municípios do estado. O programa, que tem por objetivo fomentar a cultura da inovação nas cooperativas, foi uma iniciativa do Sescoop/PR (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo), em parceria com o Isae Escola de Negócios e a Arbache Innovations. Com o fim do primeiro ciclo de formação, os organizadores reuniram-se na sede do Sistema Ocepar, em Curitiba, no dia 11 de novembro, para avaliar os resultados e discutir as próximas ações do programa.

Participantes - Participaram da reunião, o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, o superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti, a gerente do Sescoop/PR, Maria Emilia Pereira Lima, o coordenador de Desenvolvimento Cooperativo, Leandro Roberto Macioski, a coordenadora de Soluções Corporativas do Isae, Danielle Hernandes, o coordenador do Programa de Inovação no Isae, Thiago Martins Diogo, o professor do Isae, Hélio Carvalho, além de profissionais do Sescoop/PR e da Ocepar que integraram o programa.

Aplicação - Com o fim desta etapa e a formatura das primeiras turmas, os organizadores se concentram agora em acompanhar o processo de aplicação prática do conhecimento nas cooperativas participantes, além de definir ajustes e estratégias para as próximas turmas do Programa. “Os resultados obtidos nesse primeiro ano estão sendo muito positivos. Com o término da formação dos agentes, as mudanças devem acontecer agora nas cooperativas, com projetos que materializem o conhecimento adquirido em sala de aula e incentivem a cultura da inovação no ambiente cooperativo”, explicou a gerente do Sescoop/PR, Maria Emilia Pereira Lima.  

 

{vsig}2019/noticias/11/14/inovacao/{/vsig}

 

BRDE: Banco assina contratos com cooperativas do Sudoeste

 

brde 14 11 2019O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) assinou nesta quarta-feira (13/11) dois contratos com as cooperativas Coasul e Coagro. A assinatura aconteceu em evento com o governador Carlos Massa Ratinho Junior durante a transferência do Executivo estadual para Pato Branco.

 

Investimento - O contrato com a Coasul, na linha de financiamento Prodecoop (Programa de Desenvolvimento Cooperativo), permitirá a aquisição de uma unidade de recepção, beneficiamento e armazenagem de cereais com capacidade para 12.780 toneladas de grãos (soja, milho e trigo). O investimento será para a planta da cooperativa em Francisco Beltrão. O valor é de R$ 11,5 milhões.

 

A cooperativa - A Coasul fica sediada em São João e foi fundada em 1969. Possui mais de 9,4 mil cooperados, a maioria pequenos produtores, e 28 unidades localizadas no Sudoeste e Centro-Sul do Paraná, e Oeste de Santa Catarina. Além das unidades de recebimento e armazenagem de grãos, possui um abatedouro de aves, uma fábrica de rações, supermercados e um posto de combustíveis.

 

Ajuda - Segundo o presidente da cooperativa, Paulino Facchin, o BRDE ajudou a financiar todos os investimentos. “Isso vai diminuir custo aos produtores. Cerca de 80% dos cooperados da Coasul são da agricultura familiar. Temos indústria de aves, com 160 mil abates/dia, e a maior fábrica de ração para gado leiteiro do País. A cooperativa fatura anualmente cerca de R$ 2 bilhões e a nova planta vai se somar e esse bolo”, afirmou.

 

Unidade de armazenagem - O contrato com a Coagro é para a construção de uma unidade de recebimento, beneficiamento e armazenamento de grãos no município de Santo Antônio do Sudoeste. A unidade terá capacidade estática de armazenagem de 13.576 toneladas e atenderá produtores dos municípios paranaenses de Santo Antônio do Sudoeste, Barracão e Bom Jesus do Sul. O valor de financiamento é de R$ 11,7 milhões na linha Pronaf Agroindústria.

 

A cooperativa - A cooperativa foi fundada em 1971, tem sede em Capanema e é formada por mais de 4 mil cooperados. Possui unidades de grãos nos municípios de Capanema, Planalto, Pérola D'Oeste, Bela Vista da Caroba, Pranchita, Santo Antônio do Sudoeste e Barracão, além de uma fábrica de rações em Capanema.

 

Incentivos - Apenas de janeiro a agosto deste ano, o BRDE financiou R$ 257 milhões às cooperativas paranaenses e seus cooperados. Com 60% de sua carteira vocacionada para agricultores e agroindústrias, o banco, mesmo atuando somente nos três estados do Sul, é o maior operador do Programa de Desenvolvimento Cooperativo (Prodecoop), do BNDES.

 

Posição de destaque - O apoio do BRDE contribui para o desempenho das cooperativas que, cada ano, reforçam a posição de destaque na economia do Paraná. Segundo dados do Sistema Ocepar elas faturaram R$ 41 bilhões no primeiro semestre de 2019. O número representa um crescimento de 8% em relação aos seis primeiros meses de 2017 e 2018.

 

Vocação regional - Segundo o diretor administrativo do BRDE, Borges da Silveira, o banco é vocacionado a ajudar a ampliar as cooperativas. “Cada cooperativa tem entrepostos em 15 municípios. Essas ampliações vão ajudar uma região essencialmente agrícola. O BRDE é um órgão do Estado, com esforços voltados a atender a vocação regional da produção de alimentos”, complementou. (Agência de Notícias do Paraná)

FGTS: Congresso extingue os 10% da multa de rescisão

 

fgts 14 11 2019O Plenário do Senado Federal aprovou, na terça-feira (12/11), o parecer da Comissão Mista à Medida Provisória (MPV) 889/2019, que trata do FGTS. O disposto no art. 12 do Projeto de Lei de Conversão da MPV em comento, trata da extinção da multa de 10% sobre o montante dos depósitos devidos a título de FGTS, em caso de dispensa sem justa causa (art. 1º, da Lei Complementar 110/2001), com posicionamento favorável do Sistema OCB.

 

Indevida - Insta frisar que a contribuição social, com o passar dos anos, se tornou indevida, pois a arrecadação tem sido destinada para fins diversos do que, originariamente, justificou sua criação. Ela foi instituída para que a União obtivesse recursos para o pagamento de correção monetária das contas vinculadas do FGTS, com origem nos expurgos inflacionários dos Planos Verão e Collor. Contudo, tal cenário não mais existe, tendo em vista que já houve o reequilíbrio das referidas contas vinculadas.

 

Perda de finalidade - Portanto, como já houve a perda de finalidade do tributo, a extinção da contribuição irá desonerar os empregadores, especialmente a categoria econômica das cooperativas. Cabe ressaltar que, em caso de demissão sem justa causa, fica mantida a multa de 40% que serão creditados na conta do FGTS do trabalhador. A matéria segue para sanção. (Informe OCB)

RAMO CRÉDITO: Fórum Conjunto debate cases de sucesso de Gestão de Finanças

 

ramo credito 14 11 2019Ações do programa Gestão de Finanças Pessoais (GFP), oferecido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) e adotadas por cooperativas, foram importantes para o aprimoramento das iniciativas já implementadas. Esse foi o feedback repassado por representantes de cooperativas do país, na terceira edição do Fórum Conjunto, realizado pelo Banco Central do Brasil, Sistema OCB e Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop). O evento ocorreu, na terça e quarta-feira (12 e 13/11), na sede do Banco Central, em São Paulo.

 

Educação financeira - No painel que discutiu o protagonismo das cooperativas de crédito na promoção da cidadania financeira, os representantes da Central Ailos, da Sicoob Credichapada e da Sicoob Creditapiranga foram unânimes em afirmar que, após a adesão do programa GFP suas ações de educação financeira foram melhor estruturadas, passaram a contar com metodologia mais consistente e a ter um alcance de público maior.

 

Parceria - O programa GFP foi estruturado em parceria com o Banco Central, e prevê uma diversidade de ações que vão desde cursos e palestras até oficinas. E, no âmbito das cooperativas, as iniciativas têm ido além. A Central Ailos, por exemplo, passou a oferecer cursos à distância para ampliar o acesso do público e, também, um trabalho de teatro.

 

Impacto positivo - Os representantes das cooperativas foram enfáticos ao afirmar como as vidas dos participantes foram impactadas positivamente, após as aulas do GFP. Esse resultado não só reafirma o compromisso do cooperativismo com o desenvolvimento econômico e social, mas também traz mais satisfação para o movimento. (Informe OCB)

CRESOL: Intercâmbio é realizado para conhecer o sistema cooperativo dos EUA

 

cresol 14 11 2019Um grupo formado por 26 pessoas, entre Diretores Executivos e Gerentes da Cresol, está realizando uma viagem de estudos nos Estados Unidos da América, organizada em parceria com o Conselho Mundial de Cooperativas de crédito (Woccu).

 

Imersão - De 07 a 15 de novembro, o grupo irá fazer uma imersão sobre cooperativas de crédito e organizações do segmento cooperativo no estado do Texas, nos EUA. Os temas que estão sendo abordados nas agendas buscam fortalecer a compreensão dos principais movimentos que o cooperativismo dos Estados Unidos vive.

 

Temas - A programação está formatada em três grandes temas: o Sistema cooperativa dos EUA; Soluções financeiras com excelência, e relacionamento com os cooperados. Além de conteúdos teóricos, o grupo está realizando visitas para compreender na prática como é a relação da cooperativa com o cooperado no país.

 

Formas práticas e inteligentes - "O objetivo dessa viagem é estudar formas práticas e inteligentes para buscar excelência no atendimento, com soluções financeiras adequadas para cada realidade dos nosso cooperados”, disse o Diretor de Comunicação e Relacionamento da Cresol, Luiz Panzer, que participa da viagem.

 

Ag Texas - Uma das cooperativas de crédito visitadas foi a AgTexas, que tem suas ações de crédito focadas na agricultura. De acordo com Panzer, a cooperativa busca um relacionamento personalizado, onde o atendimento corpo a corpo é o mais importante para a instituição, apesar de toda tecnologia disponível.

 

Programação - A programação do intercâmbio segue até sexta-feira (15/11), e durante estes dias o grupo ainda vai conhecer experiências relacionadas ao cooperativismo nas diversas organizações americanas. (Imprensa Cresol)

SICREDI PLANALTO DAS ÁGUAS: Cooperativa promove palestra com o juiz federal do Trabalho, Marlos Melek

 

A Sicredi Planalto das Águas PR/SP promoveu, na terça-feira (12/11), em Guarapuava (PR), uma palestra com o juiz federal do Trabalho, Marlos Augusto Melek, membro da comissão da redação final da Reforma Trabalhista de 2017 e defensor da lei na Câmara e no Senado. O evento, que reuniu aproximadamente 500 empresários, profissionais ligados às áreas de RH e Jurídica de cidades da região de Guarapuava, teve como objetivo proporcionar informação, valorização e reconhecimento a todos os presentes que contribuem para a geração de trabalho e renda das comunidades.

 

Abertura oficial - A palestra iniciou com a abertura oficial realizada pelo presidente da Sicredi Planalto das Águas PR/SP, Adilson Primo Fiorentin, que agradeceu a presença massiva de empresários de todos os ramos destacando o importante papel realizado por eles em nossas comunidades.

 

Diferenciais competitivos - Durante a palestra, Melek selecionou os principais pontos da nova lei e demonstrou, na prática, com os modelos e exemplos do dia a dia, como transformar as alterações promovidas pela lei como diferenciais competitivos para os empresários.

 

Final - Ao final do evento, foi realizado sorteio de livros, sessão de fotos e autógrafos com o palestrante. (Imprensa Sicredi Planalto das Águas PR/SP)

 

{vsig}2019/noticias/11/14/sicredi_planalto_aguas/{/vsig}

SICREDI FRONTEIRAS: Realizada a formatura do Programa de Desenvolvimento do Associado

 

sicredi fronteiras 14 11 2019A cooperativa Sicredi Fronteiras promoveu este ano, de julho a outubro, o Programa de Desenvolvimento do Associado (PDA). Ele foi distribuído em quatro módulos, e os encontros foram realizados na Sede Administrativa da Sicredi, localizada na Rua Tamoios nº 1567, Centro, em Capanema/PR. O primeiro encontro do PDA tratou sobre Gestão de Pessoas, o segundo, sobre Gestão estratégica de mercado, o terceiro sobre Gestão Financeira e o quarto encontro encerrou o PDA tratando sobre Marketing e negociações.

 

Cooperativismo e liderança - O PDA é direcionado para capacitar e promover o desenvolvimento do associado na cultura do cooperativismo, bem como a sua capacidade de liderança. O curso proporciona uma maior imersão ao sistema Sicredi, capacitando-o para participar mais ativamente na cooperativa, além de possibilitar a oportunidade de rever suas práticas profissionais aplicadas em gestão em várias áreas de atuação, aprimorando as suas habilidades de atuação, compartilhando conhecimentos, trocando experiências e fomentando seu networking.

 

Proveitoso - Segundo Roberto Luiz Machado, empresário e Coordenador de Núcleo da Sicredi Fronteiras, o curso foi bastante proveitoso: “os quatro módulos trabalhados no PDA foram muitos dinâmicos, sendo possível o aprendizado de uma maneira que facilita a visualização de processos que podem ser melhorados em nossos negócios no dia a dia”, comentou Roberto.

 

Diplomas - No dia 25 de outubro, na sede da Assassef – Associação Social Esportiva da Coagro, em Capanema, às 19h, os vinte e oito participantes do curso receberam os seus diplomas do curso, com carga horária de 64h. O próximo PDA está programado para ser realizado no ano que vem no estado de São Paulo, para líderes, coordenadores e suplentes de núcleo.

 

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br. (Imprensa Fronteiras PR/SP)

 

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

INTEGRADA: Cooperativa apresenta novas tecnologias na 2° edição do Agrobit

Fomentar o crescimento da produtividade dos seus associados tem sido o trabalho da Integrada desde a sua fundação. Para isso, a cooperativa tem buscado aprimorar-se quando o assunto é inovação e tecnologia. Com este intuito, a cooperativa marcou presença na 2ª edição do Agrobit Brasil, evento voltado para a disseminação de tecnologia no agronegócio, que ocorreu entre os dias 12 e 13 de novembro, em Londrina (PR). O evento contou com a participação da ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

Estandes - A Integrada participou com dois estandes, um no pavilhão tecnológico, onde foi feita a apresentação do sistema de telemetria de Agricultura de Precisão da cooperativa, e outro estande de exposição de máquinas e equipamentos. O diretor vice-presidente, João Francisco Sanches Filho, afirma que a Integrada quer ser uma protagonista no que diz respeito à tecnologia e inovação. “Esperamos colher frutos com o Agrobit”, avalia Sanches Filho.

Vanguarda - O diretor vice-presidente reforça que a cooperativa está na vanguarda na disseminação da tecnologia por meio do seu time de agrônomos, que leva o que há de melhor do mercado para os seus associados. Além da oferta de tecnologia por meio da assistência técnica, Sanches Filho reforçou que a cooperativa também disponibiliza aos seus associados em máquinas e equipamentos de alta tecnologia.

Eficiência e redução de custos - O cooperado Humberto Uemura, de Mauá da Serra, esteve presente no primeiro dia do evento e destaca que a tecnologia ajuda o produtor a aumentar a eficiência e a reduzir os custos pela tecnologia que disponibiliza para os cooperados. “Quantas vezes me perdi na lavoura no plantio durante a noite. Hoje, com o GPS, isso não acontece mais”, observa o cooperado.

Economia de tempo - Uemura lembra que, quando era criança, durante a semeadura, arrastava corda para demarcar a passagem da plantadeira. Com o uso da tecnologia, principalmente com o uso do GPS, o agricultor evita sobreposição tanto na semeadura, quanto na pulverização. Isso resulta em economia de tempo e dinheiro e resulta em uma lavoura mais homogênea e produtiva. “Hoje tudo envolve decisão, precisa ser rápido”, completa Uemura sobre a eficiência da tecnologia.

Manejo - As tecnologias voltadas para manejo da lavoura foram os motivos que levaram o cooperado Tiago Arruda Marques, de Assaí (PR) à 2ª edição do Agrobit. Ele afirma que a Integrada presta todo o suporte tecnológico, principalmente no combate à pragas e doenças.

Tecnologia embarcada - No Agrobit, a demonstração de máquinas e equipamentos foi um show à parte. No espaço concedido à Integrada, a cooperativa apresentou o novo pulverizador Figter. Além do pulverizador, a loja de máquinas da Integrada de Londrina levou uma linha completa de implementos de pré-semeadura, semeadura e pulverização.

Hackathon - Nesta edição do Agrobit, colaboradores da Integrada estão participando como mentores do Hackathon Smart Agro. Empresas de tecnologias trabalharam durante o evento para apresentar soluções para problemas do dia a dia no setor. A equipe da cooperativa deu todo o apoio para as equipes para o desenvolvimento de projetos de tecnologia. (Imprensa Integrada)

{vsig}2019/noticias/11/14/integrada/{/vsig}

COOPAVEL: Palestra orienta sobre prevenção ao câncer de próstata

 

coopavel 14 11 2019A Coopavel intensifica ações de olho na prevenção de doenças e na qualidade de vida de seus cooperados e colaboradores. Como faz em outubro com atividades de orientação ao câncer de mama, o setor de Medicina do Trabalho da Cooperativa realiza uma programação especial para alertar sobre os cuidados sugeridos pelo Novembro Azul.

 

Público - A campanha é destinada a homens que participam de orientações e palestras sobre prevenção ao câncer de próstata. O assunto foi apresentado a colaboradores da área industrial pelo urologista José Barbosa Mendes Jr. Ele informou sobre o que, as consequências e como é possível, com a adoção de hábitos simples, estar atento ao menor sinal de alerta. 

 

Informação e cuidado - “Quanto mais informação as pessoas tiverem e mais cuidados adotarem, menos chances terão de ser acometidas por doenças. Por isso, a Coopavel investe e incentiva a prevenção”, diz o gerente de Recursos Humanos e integrante de ações ligadas à Medicina do Trabalho, Aguinel Marcondes Waclawovsky. 

 

Sensibilização - Aos poucos, campanhas como o Novembro Azul sensibilizam um número cada vez maior de homens que, a exemplo do que as mulheres já fazem, entendem que prevenção e a adoção de hábitos saudáveis são imprescindíveis.

 

Mundial - A enfermeira do Trabalho Giane Quinhones Dalla Costa, informa que a campanha Novembro Azul é um movimento mundial realizado sempre neste mês com a finalidade de reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata. De acordo com Giane, o de próstata é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens. As principais vítimas são aqueles com mais de 50 anos. A principal dica, a partir dessa idade, é que procurem o médico regularmente e façam exames de detecção com periodicidade. (Imprensa Coopavel)

COPAGRIL: Inês Neuberger é escolhida como Funcionária Padrão 2019

 

Nesta quarta-feira (13/11) foi conhecida a vencedora da 42ª edição do prêmio Funcionário Padrão. Inês Maria Neuberger que trabalha na Loja Copagril da sede de Marechal Cândido Rondon foi escolhida como a representante de 2019. A homenagem é uma iniciativa do Rotary Club Marechal Cândido Rondon em parceria com a Associação Comercial e Empresarial de Marechal Cândido Rondon (Acimacar) e entrega da premiação será realizada no dia 23 durante cerimônia do Prêmio Marechal 2019.

 

Homenagem - O prêmio Funcionário Padrão tem o propósito de homenagear os funcionários que se destacam em suas atividades. Para a escolha, vários critérios são avaliados, entre eles “o tempo de serviço, promoções recebidas, cursos realizados na área de atuação e convivência e conceito na sociedade” explica Hermínio Dassoler, do Rotary Club Marechal, e responsável pelo concurso.

 

Avaliação - A coordenadora do Prêmio Marechal e vice-presidente de Comércio da Acimacar, Geovana Aparecida da Silva Krause, comenta que a homenagem faz parte do Prêmio e por meio da avaliação dos currículos é escolhido o vencedor. “Neste ano temos a satisfação de homenagear a Inês que se destacou entre todos os currículos recebidos”, afirma Geovana. Ela ainda complementa, “sabemos o quanto o funcionário é importante para as empresas e por isso é importante homenagear aqueles que se destacam em suas atividades e na atuação na comunidade”.

 

Premiada - Inês Maria Neuberger trabalha há 33 anos da Cooperativa Agroindustrial Copagril e descreveu com surpresa o prêmio recebido. “Já tivemos vários colegas homenageados e o momento é de muita gratidão. Estou sem palavras, sempre fazemos nosso trabalho com o objetivo de atender os clientes e as expectativas da empresa, essa premiação realmente é uma surpresa”, revela.

 

Evolução - Ela começou em abril de 1986 na função de empacotadora no Supermercado, depois também trabalhou na recepção, caixa e passou ao caixa da Loja Agropecuária, onde também foi auxiliar administrativa e hoje atua como assistente administrativa no atendimento aos clientes no segmento de produtos agrícolas. “Criamos um relacionamento com os cooperados e clientes, por isso gosto muito do que faço e sou feliz trabalhando com as pessoas”, completa Inês.

 

Importância - O superintendente de operações da Copagril, José Aparecido de Lima, acompanhou o momento em que Inês foi informada sobre a premiação e falou da importância do Prêmio. “Para a Copagril é sempre uma honra ter os funcionários incluídos neste prêmio que representa os melhores de Marechal Cândido Rondon. Hoje, a Inês representa os 3.300 funcionários da Copagril que têm a oportunidade de desenvolver uma carreira dentro da nossa cooperativa”, descreveu Lima, que também falou da relevância da premiação em razão do momento comemorativo da Copagril. “Vamos completar 50 anos em 2020, adotados como slogan ‘O valor está nas pessoas’ e essa homenagem demonstra que a sociedade também reconhece e nos dá esse privilégio de mostrar o trabalho das pessoas que aqui estão”, finalizou. (Imprensa Copagril)

 

{vsig}2019/noticias/11/14/copagril/{/vsig}

POLÍTICA AGRÍCOLA: Publicado primeiro zoneamento agrícola para Sistema Agroflorestal

 

politica agricola 14 11 2019Foram publicadas na terça-feira (12/11), no Diário Oficial da União, portarias com o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) para as culturas de milho e feijão 2ª safra. A Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou também o primeiro Zarc que contempla, além do sistema convencional de cultivo, o Sistema Agroflorestal (SAF).

 

Cacau - A cultura contemplada no estudo foi o cacau, que contou com avaliação de risco para implantação, produção do pomar e cultivo irrigado. O estudo foi realizado pela Embrapa e contou com a parceria da Ceplac.

 

Sistema Agroflorestal - O Sistema Agroflorestal é reconhecidamente o modelo de exploração que mais se aproxima ecologicamente da floresta natural e é considerado como uma forma sustentável de utilização dos recursos naturais disponíveis. Dentre os benefícios dos SAFs, merecem destaque: recuperação de áreas degradadas, reflorestamento, aumento da capacidade produtiva do solo, conservação ambiental, redução do desmatamento e das queimadas ao tempo em que oferecem uma possibilidade de geração de renda. Esse modelo de cultivo permitiu, após uma cuidadosa avaliação por especialistas, a indicação do plantio em sistema SAF nas áreas de uso controlado, de acordo com as indicações do Zoneamento Ecológico-Econômico de cada estado.

 

Estados - Foram publicados o zoneamento do cacau para as seguintes unidades da Federação: Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amazonas, Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Acre, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.

 

Acesso - Os agricultores, a partir da publicação do Zarc do cacau, terão maior facilidade de acesso ao crédito e aos instrumentos de gestão de riscos ofertados pelo governo federal.

 

Feijão 2ª safra - Foram publicadas as portarias de zoneamento para o feijão 2ª safra para o Distrito Federal e os estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Sergipe, Acre, Rondônia, Tocantins, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

 

Milho - A cultura do milho para Região Nordeste também foi destaque, com grande potencial para produção de grãos, principalmente milho e soja, a região denominada SEALBA, acrônimo para Sergipe, Alagoas e Bahia, teve o Zarc renovado para safra que será semeada em 2020, o que confirma a aprovação do Mapa e da Embrapa para essa importante área de produção. 

 

Para que serve o zoneamento? - O zoneamento tem o objetivo de reduzir os riscos relacionados a problemas climáticos e permite ao produtor identificar a melhor época para plantar, levando em conta a região do país, a cultura e os diferentes tipos de solos, a partir de uma metodologia validada pela Embrapa.

 

Elementos - O sistema considera elementos que influenciam diretamente no desenvolvimento da produção agrícola como temperatura, chuvas, umidade relativa do ar, ocorrência de geadas, água disponível nos solos, demanda hídrica das culturas e elementos geográficos (altitude, latitude e longitude).

 

Exigência - Os agricultores são obrigados a seguir as indicações do Zarc para contratar recursos do crédito rural, da agricultura familiar e do seguro rural. O zoneamento é constantemente atualizado. (Mapa)

 

Confira aqui as portarias do Zarc

PESQUISA: Embrapa lança edital Soja Open Innovation para startups durante Agrobit

 

pesquisa 14 11 2019A Embrapa Soja lançou nesta quarta-feira (13/11), a 2ª edição do Soja Open Innovation - edital público de seleção de startups e empreendedores com interesse no desenvolvimento de projetos de inovação aberta para o sistema de produção de soja  durante o AgroBit Brasil 2019, evento que termina nesta quarta, em Londrina (PR).

 

Intercâmbio de experiências - Para o chefe-geral da Embrapa Soja, José Renato Bouças Farias, o objetivo do Soja Open Innovation é possibilitar o intercâmbio de experiências entre a Embrapa Soja, reconhecida por sua expertise na cultura da soja, e as startups e empreendedores com suas ideias inovadoras em tecnologia digitais aplicadas ao agronegócio e que tenham familiaridade com o conjunto de ferramentas, metodologias, processos e serviços disponíveis via Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs). “Nossa ideia é identificar oportunidades de interação e de desenvolvimento de parcerias em busca de soluções inovadoras para a cultura da soja”, destaca Farias.

 

Prioridade - A parceira técnica prioriza o desenvolvimento ou aperfeiçoamento de soluções nas áreas e linhas de pesquisa indicadas no edital, disponível aqui www.embrapa.br/soja/open-innovation. Entre as linhas de pesquisa estão as que são relacionadas a Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), Internet of Things (IoT), Inteligência Artificial, Sensoriamento, Robótica, Automação, Nanotecnologia, Bioinformática, desenvolvimento de bioprodutos, Comunicação Multimídia, entre outras soluções disponíveis. 

 

Avaliação - A avaliação dos projetos será feita por uma equipe multidisciplinar, formada por pesquisadores da Embrapa e parceiros externos, considerando oportunidades e aderência às linhas de pesquisa da empresa e a maturidade da proposta apresentada.  “O edital irá classificar as melhores propostas e as finalistas terão a oportunidade de avançar em negociações para celebração de contratos de cooperação técnica, os quais contarão com a mentoria de especialistas com conhecimento dos desafios do sistema de produção de soja”, destaca Farias.

 

Fases - O Soja Open Innovation será composto por três fases – homologação, pré-classificação e classificação final para parcerias. Na primeira fase, os interessados precisam preencher os formulários de inscrição e de apresentação da proposta de trabalho e encaminhar um vídeo de até três minutos a respeito da proposta. A segunda fase será composta pela seleção de até 10 propostas, pré-classificadas por banca examinadora. As selecionadas passarão por rodadas de entrevistas (por webconference), visando a seleção de startups finalistas para a terceira fase. O anúncio das startups selecionadas será realizado em março de 2020, via no site www.embrapa.br/soja/open-innovation. (Assessoria de Imprensa da Embrapa Soja)

CONAB: Companhia prevê novo recorde para safra brasileira de grãos com 246 milhões de toneladas

conab 14 11 2019A estimativa da safra 2019/2020 de grãos aponta para um novo recorde, com 246,4 milhões de toneladas, um aumento de 1,8% ou 4,3 milhões de toneladas em comparação à safra 2018/19. Os números são do 2º levantamento divulgado nesta quarta-feira (13/11) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A pesquisa de campo foi realizada no período de 28/10 a 1º/11, com mais de 900 informantes em todo o país.

 

Variação positiva - A intenção de plantio sinaliza uma variação positiva de 1,4% quando comparado à área da última safra, chegando a 64,1 milhões de hectares.

 

Crescimento - A área a ser semeada com soja aponta para um crescimento de 2,3% em relação à safra passada. O plantio no Brasil atinge 56% da área. A produção está estimada em 120,9 milhões de toneladas, mesmo com os problemas climáticos que atrasaram o plantio em Mato Grosso do Sul.

 

Milho primeira safra - Já o milho primeira safra, que nos últimos levantamentos perdia espaço para a soja, mostrou aumento de área e alcançou 4,1 milhões de hectares. A produção pode chegar a 26,3 milhões de toneladas, 2,4% superior a 2018/19. As condições das lavouras no RS e PR estão boas. A partir de janeiro, começa o plantio da segunda safra do cereal, que representa mais de 70% da produção de milho no país.

 

Algodão - O algodão, cuja janela de plantio começa no final deste mês, mantém a projeção de crescimento tanto em área, alcançando mais de 1,6 milhão de hectares, quanto no volume total esperado, podendo chegar a 2,7 milhões de toneladas de pluma. O produtor segue apostando na demanda externa pela pluma brasileira. Em outubro, o Brasil exportou o maior volume mensal da história: 279 mil t de pluma.

 

Feijão primeira safra - Para o feijão primeira safra, a estimativa é de redução da área, devendo ficar em 917,8 mil hectares. Ainda assim, a perspectiva é de produção superior à safra passada, podendo chegar a mais de 1 milhão de toneladas. Com o atraso das chuvas e a opção por culturas mais rentáveis, o produtor também prefere investir na segunda safra, para garantir uma colheita com maior qualidade.

 

Outras culturas - Outras culturas, como o arroz, deve ter redução de 1,8% na área cultivada. Apesar do atraso no plantio, em função do excesso de chuvas no RS e SC, a produção deverá ser 0,2% maior que a safra passada, chegando a 10,5 milhões de toneladas.

 

Clima - O clima, especialmente na Região Sul, tem prejudicado a finalização da colheita dos cereais de inverno. O trigo, por exemplo, deve apresentar redução de 2,8% na produção final, alcançando 5,3 milhões de toneladas. No entanto, outras culturas como aveia branca, centeio e cevada apontam para aumento no volume produzido em comparação ao ano anterior. (Mapa)

IBGE: Instituto estima queda de 1% na safra de grãos em 2020

 

ibge 14 11 2019A primeira estimativa para a safra nacional de grãos do ano que vem indica queda de 1% na produção. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, serão colhidas 238,5 milhões de toneladas, o que corresponde a uma diferença de 2,3 milhões de toneladas em relação ao ano anterior.

 

Segunda maior estimativa - É a segunda maior estimativa da série histórica iniciada em 1975, atrás apenas de 2017, com 240,6 milhões. De acordo com o IBGE, a redução tem como causa uma produção menor prevista para o milho (-7,5%). Para a soja, espera-se um crescimento de 4,7%.

 

Menor produção - Três dos cinco produtos de maior peso também devem ter menor produção: o algodão herbáceo (-0,1%), o feijão 1ª safra (-1,5%) e o milho 1ª safra (-1,2%). As estimativas apontam perspectivas melhores para a soja, com o crescimento de 4,7%. Outro que deve ter variação positiva é o arroz (1,6%).

 

Área - Com relação à área plantada, os dados são positivos para o algodão herbáceo em caroço, que pode ter crescimento de 4,4% no espaço atual, que é de 1,7 milhão de hectares.

 

Chuvas - Conforme o IBGE, as chuvas mais abundantes e regulares nas principais regiões produtoras do Mato Grosso e da Bahia beneficiaram as lavouras, que alcançaram produtividade elevada (4 234 kg/ha) neste ano. "Para 2020, as incertezas quanto ao clima estão reduzindo a estimativa do rendimento médio”, informa o instituto.

 

Soja - O prognóstico para a soja é de elevação de 0,8% da área plantada e para o milho, de 0,4%. As reduções ficarão por conta da área do feijão primeira safra (-0,3%) e do arroz (-0,9%).

 

Feijão - A primeira estimativa da produção de feijão para a safra 2020 indica a produção de 2,8 milhões de toneladas, o que representa recuo de 7,0% em relação à safra de 2019. Segundo o IBGE, a primeira safra deve produzir 1,3 milhão de toneladas; a segunda safra, 1,1 milhão de toneladas e a terceira safra, 461,9 mil toneladas.

 

Alterações - O IBGE informou ainda que, como o plantio e a colheita da segunda e terceira safra de feijão vão ocorrer em 2020, as estimativas de produção podem ter grandes alterações nos próximos prognósticos.

 

Safra 2019 - O IBGE também divulgou nesta quarta que a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas deve chegar a 240,8 milhões de toneladas, ou seja, será 6,3% superior à de 2018, que registrou 226,5 milhões de toneladas. O resultado significa crescimento de 77,5 mil toneladas em relação à estimativa do mês anterior.

 

Recorde anterior - O recorde anterior ocorreu em 2017, com a produção de 238,4 milhões de toneladas. A estimativa da área a ser colhida é de 63,1 milhões de hectares, com alta de 3,6% na comparação a 2018.

 

Principais produtos - Juntos, arroz, milho e soja, os três principais produtos do grupo, somaram 92,8% na estimativa da produção e 87,0% da área a ser colhida.

 

Produção estimada - A produção estimada da soja é de 113,0 milhões de toneladas. O milho terá uma produção recorde de 100,2 milhões de toneladas (25,9 milhões de toneladas de milho na primeira safra e 74,3 milhões de toneladas de milho na segunda safra).

 

Arroz - Para o arroz, a produção é estimada em 10,3 milhões de toneladas. O algodão pode bater recorde na série histórica do IBGE, com a produção de 6,9 milhões de toneladas. Em comparação a 2018, houve queda de 4,1% para a soja e de 12,0% para o arroz, mas também crescimento de 23,2% para o milho e de 39,7% para o algodão herbáceo. (Agência Brasil)

CARNES I: Abate de frangos soma 1,47 bilhão de cabeças no 3° trimestre

De acordo com os dados preliminares divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no terceiro trimestre de 2019, foram abatidas 1,47 bilhão de cabeças de frango. Esse resultado significou aumento de 3,1% em relação ao trimestre equivalente do ano anterior e aumento de 3,3% na comparação com o 2° trimestre de 2019.

Peso - O peso acumulado das carcaças foi de 3,45 milhões de toneladas no terceiro trimestre de 2019. Esse total significou um acréscimo de 2,1% em relação ao 3° trimestre de 2018 e aumento de 3,2% frente ao trimestre imediatamente anterior.

Resultados - Os resultados definitivos e por estado da Estatística da Produção Pecuária serão divulgados no dia 12 de dezembro.

Postura - A produção de ovos de galinha foi de 956,62 milhões de dúzias no terceiro trimestre de 2019. O resultado representou incremento de 3,4% em relação ao mesmo trimestre de 2018 e aumento de 1,5% em comparação à produção do 2° trimestre de 2019. (Avicultura Industrial)

CARNES II: Abate de suínos soma 11,67 milhões de cabeças no 3° trimestre

De acordo com os dados preliminares divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), O abate de suínos somou 11,67 milhões de cabeças no 3° trimestre de 2019, representando aumentos de 0,8% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior e de 2,4% em comparação ao 2° trimestre de 2019.

Peso acumulado - O peso acumulado das carcaças registrou 1,05 milhão de toneladas no terceiro trimestre de 2019, o que consistiu em aumentos de 1,1% em relação ao 3° trimestre de 2018 e de 3,3% em comparação com o trimestre imediatamente anterior.

Resultados definitivos - Os resultados definitivos e por estado da Estatística da Produção Pecuária serão divulgados no dia 12 de dezembro. (Suinocultura Industrial)

DEFESA SANITÁRIA I: Adapar realiza cerca de 100 mil exames sanitários por ano

 

defesa sanitaria I 14 11 2019O Centro de Diagnóstico Marcos Enrietti, vinculado à Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), trabalha como apoio à defesa agropecuária do Paraná e realiza aproximadamente 100 mil exames por ano. Eles ajudam a manter a saúde animal e a sanidade vegetal de boa parte dos produtos consumidos no País e exportados.

 

Entre os maiores - Entre os laboratórios públicos, o paranaense é um dos maiores, com 42 exames acreditados pelo Inmetro e reconhecidos internacionalmente, além de ser credenciado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para doenças incluídas nos programas oficiais de controle ou erradicação.

 

Excelência - "A Adapar tem um laboratório de excelência que garante o suporte à atividade de vigilância e monitoramento da sanidade agropecuária paranaense”, salienta o secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. “Os equipamentos modernos, que inclusive apresentam resultados online, e os servidores que ali atuam são uma segurança na detecção e auxílio no combate emergencial e rotineiro a qualquer doença", afirma ele.

 

Complemento - “O trabalho realizado aqui complementa o sistema de fiscalização que é feito no campo para, dessa forma, garantir a qualidade dos alimentos tanto de origem animal quanto vegetal para o consumidor”, disse o gerente do centro, Rodrigo Gibrail Okar.  Além do atendimento prioritário à Agência de Defesa Agropecuária do Paraná, à qual é vinculado, e a programas desenvolvidos pela Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, o Centro de Diagnóstico oferece serviços para particulares mediante pagamento de taxas.

 

Entrada controlada - A entrada nas dependências do laboratório, instalado no Setor do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, é controlada para evitar qualquer contaminação das amostras que chegam do campo. Aventais próprios e protetores para os pés são obrigatórios. Em alguns locais, como no laboratório de análise da raiva, ninguém entra se não obedecer todo o protocolo de controle que inclui, entre outras ações, a vacinação e sorologia para comprovação de título de anticorpos.

 

Coordenações - O Centro de Diagnóstico Marcos Enrietti tem 28 profissionais, entre veterinários, agrônomos, biólogos e técnicos, além dos servidores administrativos. Ele é dividido em três coordenações: diagnóstico animal, diagnóstico vegetal e biologia molecular. Na área animal, há alguns trabalhos que ganharam maior importância, em razão da amplitude das doenças investigadas ou de políticas governamentais de sanidade ou econômicas. Entre elas estão a peste suína clássica, a influenza aviária, a salmonelose e a brucelose.

 

Formas de trabalho - “Trabalhamos basicamente de duas formas. Uma delas é a parte de sorologia, que é a pesquisa de anticorpos, descobrir se o animal ficou exposto a uma doença indiretamente, ou seja, se ele tem anticorpos para aquela doença”, disse a médica veterinária Maria Constanza Rodrigues. “Mas também trabalhamos com a identificação do agente, saber se naquele momento em que o médico veterinário coletou a amostra no campo o animal estava com o vírus presente no organismo.”

 

Vegetal - Na área vegetal, o trabalho é para identificar pragas e doenças que atacam as plantas e que estão distribuídas em grandes grupos: insetos, nematoides, ácaros, bactérias, vírus e fungos. Eles são responsáveis por causar danos de interesse econômico à agricultura. Para auxiliar na identificação, o Centro de Diagnóstico tem uma coleção com mais de mil espécies de insetos, ácaros e outras pragas. “Eles são referência”, disse o engenheiro agrônomo Arlei Maceda. “Em vez de se debater com os livros vai na coleção e verifica se já está lá para definir a espécie por comparação.”

 

Biologia molecular - No apoio ao trabalho dessas duas áreas está o laboratório de Biologia Molecular, que concentra alguns dos equipamentos mais modernos da estrutura. Por meio de parceria, a Adapar recebeu um aparelho de alta precisão para diagnósticos por técnicas moleculares em tempo real do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar).

 

Rapidez e qualidade - Segundo a médica veterinária Rosângela Rodrigues dos Santos, os aparelhos garantem maior rapidez e qualidade nos exames. Enquanto no sistema convencional seriam necessárias várias etapas de análise em diversos equipamentos, os novos concentram o trabalho, podendo processar até 96 amostras simultaneamente, e apresentam o resultado rapidamente, quase em tempo real. “A capacidade e a precisão de diagnóstico do laboratório foi aumentada”, afirmou Rosângela.

 

Enrietti - O Centro de Diagnóstico Marcos Enrietti foi criado em 1983, com ampliação inaugurada em 2008. Nascido em São Paulo em 29 de outubro de 1913, Marcos Augusto Enrietti faleceu em Curitiba em 1981. Formado pela Escola Superior de Veterinária do Paraná, foi professor de Zootecnia Especializada na mesma instituição e, quando faleceu, ainda lecionava na Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Paraná. Ele também se formou engenheiro agrônomo em Ahun, na França.

 

Evolução - Em 1940, após estágio no Instituto Biológico de São Paulo, Enrietti influenciou seu padrasto, o interventor Manoel Ribas, a criar o Laboratório de Análises e Pesquisas (LAP), vinculado ao Departamento de Agricultura do Governo do Estado do Paraná. No ano seguinte, o laboratório transformou-se no Instituto de Biologia Agrícola e Animal (IBAA) e, logo depois, no Instituto de Biologia e Pesquisas Tecnológicas, dirigido por ele até 1960. A última alteração de nome e de estrutura jurídica e administrativa ocorreu em 1978, dando lugar ao atual Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar). (Agência de Notícias do Paraná)

DEFESA SANITÁRIA II: Pecuaristas têm obrigação de atualizar cadastro de rebanho; prazo vai até o dia 30 de novembro

 

defesa sanitaria II 14 11 2019Os pecuaristas paranaenses têm prazo até o dia 30 de novembro para atualizar o rebanho de sua propriedade. A ação é obrigatória e está prevista no Decreto Estadual n.º 12.094/2014. Caso não seja feita até o fim de novembro, o pecuarista ficará impedido de movimentar os animais. Além disso, a legislação prevê penalidades, entre elas o pagamento de multa.

 

Sistema de vigilância - “O Estado do Paraná não vacina mais o rebanho contra a febre aftosa, mas continua obrigatório, a cada seis meses, renovar o cadastro de quantos animais o produtor com vistas a alimentar o sistema de vigilância. Pelo serviço de defesa agropecuária, a Adapar, o governo quer saber como o rebanho se movimenta para ter a possibilidade de agir pronta e eficazmente se houver um eventual problema”, disse o secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

 

Animais - Entre os animais que precisarão ser cadastrados estão bois, búfalos, cabras, ovelhas, suínos, cavalos, jumentos, mulas, galinhas, peixes, além do registro de quantidade de caixas de abelhas. O registro pode ser feito pela internet (veja o passo a passo), nos escritórios regionais da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), no sindicato rural ou na unidade de atendimento agropecuária municipal. (Agência de Notícias do Paraná)

IBC-BR: Atividade econômica cresce 0,91% no terceiro trimestre

ibc br 14 11 2019A atividade econômica registrou crescimento no terceiro trimestre neste ano, segundo o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado nesta quinta-feira (14/11) pelo Banco Central (BC).

Terceiro trimestre - No terceiro trimestre deste ano, o índice apresentou alta de 0,91% comparado ao período anterior. O resultado considera dados dessazonalizados, ajustados para o período.

Comparação - Na comparação entre o terceiro trimestre deste ano e o mesmo período de 2018, o crescimento foi de 0,99%.

Setembro - Em setembro, na comparação com agosto, houve expansão de 0,44 %. Na comparação com setembro de 2018, a alta ficou em 2,11%. Em 12 meses, terminados em setembro de 2019, houve expansão de 0,99%.

Evolução mensal - O IBC-Br é uma forma de avaliar a evolução mensal da atividade econômica brasileira e ajuda o BC a tomar suas decisões sobre a taxa básica de juros, a Selic. O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos.

Tendência - O índice foi criado pelo BC para mostrar a tendência de evolução da atividade econômica. Mas o indicador oficial da economia é o Produto Interno Bruto (PIB), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgado trimestralmente. (Agência Brasil)

 

INTERNACIONAL: Brasil e China firmam acordos em áreas como política, comércio e saúde

 

internacional 14 11 2019Brasil e China assinaram, nesta quarta-feira (13/11) acordos e memorandos de entendimento nas áreas de política, economia, comércio, agricultura, inspeção sanitária, transporte, saúde e cultura. O presidente chinês, Xi Jinping, está em Brasília, para participar da 11ª reunião de Cúpula do Brics e se reuniu na manhã desta quarta-feira com presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Itamaraty.

 

Ampliar e diversificar - Em declaração à imprensa, Bolsonaro disse que o governo e o empresariado brasileiro querem ampliar e diversificar o comércio com a China. Para o presidente, os atos assinados dão impulso a essas relações. “Essa relação bilateral em várias áreas, inclusive com aceno do governo chinês em agregar valor naquilo que nós produzimos, tudo isso é muito bem-vindo”, disse.

 

Avaliação positiva - O presidente Xi Jinping avaliou como positivos os esforços do governo brasileiro para o desenvolvimento socioeconômico do Brasil e disse que a China quer fortalecer a amizade e cooperação, bem como aumentar e melhorar o comércio e os investimentos no país. Segundo ele, os dois países concordaram em intensificar os contatos de alto nível e fazer bom uso da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban) e de outros mecanismos bilaterais.

 

Alinhamento - Além disso, a expectativa da China é continuar o alinhamento entre as políticas de desenvolvimento e investimento dos dois países: o Programa de Parceria de Investimento (PPI) do Brasil e a Iniciativa do Cinturão e da Rota da China.

 

Maiores - Para Xi Jinping, Brasil e China são os maiores mercados emergentes do mundo, em um contexto de mudanças do comércio global, e devem se esforçar juntos para que a cúpula do Brics obtenha resultados e emita um sinal positivo de que seus membros - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – consolidam essa parceria estratégica e apoiam o multilateralismo, a equidade e a justiça internacional.

 

Encontro - O encontro entre os dois chefes de Estado ocorre menos de um mês depois de o presidente Jair Bolsonaro visitar a China. Na ocasião, também foram assinados atos em política, ciência e tecnologia e educação, economia e comércio, energia e agricultura.

 

Maior parceiro comercial - A China é o maior parceiro comercial do Brasil. Em 2018, o fluxo de comércio entre os dois países alcançou a marca de US$ 98,9 bilhões. O país asiático também é um dos principais investidores em áreas cruciais, como infraestrutura e energia.

 

Acordos - Entre os atos assinados hoje estão protocolos sanitários para exportação de pera da China ao Brasil e de melão do Brasil para a China. Também foi firmado um plano de ação na área de agricultura, de 2019 a 2023, nas áreas de políticas agrícolas; inovação científica e tecnológica; investimento agrícola; comércio agrícola; entre outras.

 

Transporte - No setor de transporte, foi assinado memorando de entendimento para o compartilhamento de boas práticas, políticas públicas e estratégias para o seu desenvolvimento. Prioritário para o Brasil, o governo entende que pode se beneficiar da experiência dos chineses, considerando que a China é uma das líderes mundiais no setor.

 

Saúde - O Ministério da Saúde e a Administração Nacional de Medicina Tradicional Chinesa também pretendem estabelecer cooperação ampla no campo de saúde, com foco em medicina tradicional, complementar e integrada. As Práticas Integrativas e Complementares (PICS) são tratamentos que utilizam recursos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para prevenir diversas doenças como depressão e hipertensão. Em alguns casos, também podem ser usadas como tratamentos paliativos em algumas doenças crônicas.

 

Ambiente favorável - Brasil e China querem ainda criar um ambiente favorável para o comércio e investimento no setor de serviços e encorajar o investimento do setor privado. Outro ato assinado hoje estabelece uma plataforma de intercâmbio de informações e cooperação para fomentar investimentos. A China é uma das principais origens de Investimentos Estrangeiros Diretos (IEDs) no Brasil, que se concentraram nas áreas de energia (geração e transmissão elétrica, além de óleo e gás) e infraestrutura (portuária e ferroviária).

 

Tratado - Também foi assinado um tratado que permitirá a transferência de pessoas condenadas para o território do outro país. Nesse caso, cumpridos certos requisitos, brasileiros condenados na China poderão cumprir a pena no Brasil e vice-versa.

 

Cultura - Na área cultural, o Ministério da Cidadania e o China Media Group (CMG) querem promover o intercâmbio de filmes e programas televisivos, bem como festivais de cinema brasileiro na China e festivais de cinema chinês no Brasil, para divulgação recíproca de filmes. De acordo com o governo brasileiro, pretende-se, ainda, iniciar conversas sobre a possibilidade de se estabelecer um canal de televisão por assinatura dedicado exclusivamente a programas e filmes sino-brasileiros.

 

Brics - A bilateral entre Bolsonaro e Jinping acontece no âmbito da 11ª reunião de cúpula do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. A programação do evento começa nesta tarde com o encerramento do Fórum Empresarial do Brics. Antes, Bolsonaro também se encontra, no Palácio do Planalto, com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.

 

Sessões plenárias - À noite, de volta a Itamaraty, o governo brasileiro ofereceu um jantar em homenagem aos líderes do bloco e nesta quinta-feira (14/11), também na sede do Ministério das Relações Exteriores, serão feitos as sessões plenárias e o almoço de encerramento da cúpula.

 

Lema - Presidida pelo Brasil, a reunião do Brics tem como lema “Crescimento Econômico para um Futuro Inovador”. Segundo o Itamaraty, serão discutidos, prioritariamente, temas relacionados à ciência, tecnologia e inovação, economia digital, saúde e combate à corrupção e ao terrorismo.

 

Segunda vez - Esta é a segunda vez que Brasília sedia a conferência – a primeira vez foi em 2010. Em 2014, o Brasil também organizou a cúpula, que aconteceu em Fortaleza, no Ceará. Juntos, Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (cujas iniciais, em inglês, deram nome ao grupo) reúnem uma população de cerca de 3,1 bilhões de pessoas, o que equivale a aproximadamente 41% da população mundial, e responde por 18% do comércio mundial. (Agência Brasil)

FED: Novo normal são juros baixos, inflação baixa e PIB provavelmente menor, diz Powell

 

fed 14 11 2019Embora a enorme provisão de liquidez proporcionada pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) para os mercados desde setembro seja vista com ceticismo por muitos observadores, incluindo participantes do mercado, o presidente do BC americano, Jerome Powell, disse mais uma vez que não há com o que se preocupar.

 

Juros mais baixos - Em discurso no Congresso, ele descreveu um ambiente de juros baixos em que a atuação da autoridade monetária pode ter menos impacto. Powell disse nesta quarta-feira (13/11), em seu testemunho ao Congresso, que o Fed ainda está estudando o que causou os picos nas taxas de juros de curto prazo em setembro, mas acrescentou que, a partir de agora, o que está sendo feito para manter os mercados calmos tem cunho "técnico". "Acho que temos [tudo] sob controle", afirmou.

 

Sem implicações - O presidente do BC dos EUA disse também que questões do mercado monetário e as respostas do Fed "realmente não têm implicações para a economia ou o público em geral".

 

Envelhecimento da população - Powell disse que o envelhecimento da população (que faz com que as pessoas poupem mais) e a inflação reduzida permitiram uma diminuição de forma consistente das taxas de juros nos últimos 40 anos.

 

Menos munição - O resultado é que o Fed tem menos munição hoje para enfrentar uma eventual recessão do que no passado, quando cortava normalmente as taxas em 5 pontos percentuais ou mais para combater quadros recessivos. "Acho que o novo normal são juros baixos, inflação baixa, e PIB provavelmente menor", disse, acrescentando que outras economias avançadas estão na mesma situação.

 

Taxas negativas - Na terça-feira (12/11), o presidente dos EUA, Donald Trump, mais uma vez citou a possibilidade de taxas de juros negativas nos EUA em um discurso no Clube Econômico de Nova York, semelhante ao que é visto em outras economias avançadas.

 

Cautela - Questionado sobre essa possibilidade hoje, Powell falou do assunto com cautela, dizendo que "as taxas muito baixas e até negativas que vemos ao redor do mundo não seriam apropriadas para nossa economia no atual ambiente de crescimento”.

 

Apreciação indesejada - O presidente do Fed observou que as taxas negativas são às vezes implantadas para impedir uma apreciação indesejada da moeda. Mas ele se absteve de dizer se este seria um cenário plausível nos EUA atualmente ou no futuro.

 

Questionamento - Na sessão de perguntas, o senador republicano Tom Cotton, de Arkansas, questionou se a China inflaciona artificialmente seus números de crescimento econômico. Powell disse que o Fed não tem uma opinião sobre o assunto, mas acrescentou que o BC dos EUA aceita os dados chineses com uma “pitada de sal”, ou seja, com ressalvas.

 

Volatilidade - O presidente do Fed observou que a volatilidade do crescimento econômico relatado na China - atualmente na faixa de 6% ao ano - diminuiu, o que pode sugerir "um pouco mais de administração".

 

Desavalancagem - Ainda assim, observou que o governo chinês não respondeu à recente desaceleração com um grande estímulo econômico e manteve sua campanha de desalavancagem da economia. "Eu diria que eles estão se comportando de forma relativamente atenciosa e responsável em resposta a essa desaceleração", afirmou.

 

Endividamento - A redução do déficit fiscal ficou fora de moda no Capitólio, mas Powell diz que essa visão é equivocada. Uma tendência de décadas de taxas de juros em queda, graças às expectativas de inflação mais baixas, significa que os custos de empréstimos dos EUA são muito

mais baixos hoje, mas "não significa que possamos ignorar os déficits", afirmou.

 

Dívida - "A dívida está crescendo mais rápido que a economia, em termos nominais. Isso, por definição, é insustentável", afirmou Powell.

 

Déficit - Mesmo com taxas mais baixas e crescimento consistente, os legisladores precisarão eventualmente reduzir o déficit, que atingiu quase US$ 1 trilhão no ano fiscal de 2019. Mas Powell foi rápido em dizer que não é tarefa do Fed dizer ao Congresso quando ou como fazê-lo.

 

Mudanças climáticas - O presidente do Fed minimizou o papel do BC dos EUA no combate às mudanças climáticas, dizendo aos legisladores que o evento não tem implicações de política monetária de curto prazo, mesmo que as autoridades considerem problemas climáticos como uma ameaça que as instituições financeiras precisam se planejar para enfrentar.

 

Medidas - "Não seremos os únicos que decidirão a resposta da sociedade", afirmou. Powell argumentou que lidar com as mudanças climáticas não faz parte da missão do banco central. Ainda assim, o Fed vem tomando medidas para abordar o assunto através de seus esforços de pesquisa. Na semana passada, a regional do Fed em São Francisco realizou uma conferência de um dia sobre a economia das mudanças climáticas. (Valor Econômico)

 

SAÚDE: Programa Previne Brasil quer incluir 50 milhões de brasileiros no SUS

saude 14 11 2019O governo federal lançou, na terça-feira (12/11), em cerimônia no Palácio do Planalto, o programa Previne Brasil que altera procedimentos de repasse de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) para os municípios. A iniciativa visa incluir mais pessoas nos programas de atenção primária. A expectativa do governo é incluir 50 milhões de pessoas em diferentes programas dos SUS. A previsão é de que os repasses para os municípios tenham um aporte de R$ 2 bilhões, passando de R$ 18,3 bilhões para mais de R$ 20 bilhões.

Aporte - Segundo o governo, o novo modelo vai aportar mais recursos para os municípios que melhorarem a saúde dos brasileiros, especialmente nos serviços de saúde da atenção primária, que cuida dos problemas mais frequentes, como diabetes e hipertensão, através de consultas médicas, exames e vacinação.

Antes - Antes, a distribuição de recursos era feita com base na quantidade de pessoas residentes e de serviços existentes em cada município, sem considerar o atendimento efetivamente prestado pelas 43 mil Equipes de Saúde da Família (ESF) que atuam no país. Atualmente esses profissionais atendem cerca de 90 milhões de pessoas. A avaliação do governo é de que as equipes podem atender até 140 milhões de pacientes.

Universalidade - "Em 30 anos de SUS e até hoje, o repasse de recursos aconteceu pela ótica do per capita, de quantas pessoas moram na cidade, de quantas equipes de saúde da família têm. Essa maneira era muito justificada pela chamada universalidade, de dar um pouco de recursos para cada município. E nós não podemos perder isso de visto. Mas ela criou um mundo dos esquecidos”, disse o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.

Público - De acordo com o ministro, essas medidas vão atingir especialmente as pessoas que recebem benefícios sociais, com baixa renda e idosos que, muitas vezes, acabam não sendo contempladas no atendimento de saúde. “Onde estão as pessoas? Cruzamos os diferentes cadastros e encontramos no cadastro do Bolsa Família, do BPC [Benefício de Prestação Continuada], do INSS [Instituo Nacional do Seguro Social], das pessoas que recebem os menores benefícios e são quase 40 milhões de pessoas esquecidas, as mais frágeis e que mais têm a necessidade da atenção básica”, afirmou.

Critérios - De acordo com o Ministério da Saúde, os recursos serão distribuídos com base em três critérios: o número de pessoas acompanhadas nos serviços de saúde, em especial as pessoas que recebem benefícios sociais, crianças e idosos; foco no tratamento de doenças crônicas como diabetes e redução de mortes de crianças e mães; e ainda a adesão a programas estratégicos, como Saúde Bucal e Saúde na Hora, que amplia o horário de atendimento à população dos serviços, abrindo durante o almoço, à noite ou aos fins de semana.

Cadastramento - Outro ponto que também será alterado é a forma de cadastramento dos usuários do SUS, feito pelos profissionais de saúde e gestores no Sistema de Informação da Atenção Básica (Sisab). A partir do lançamento do programa, esse cadastramento poderá ser feito também pelo CPF e não apenas pelo Cartão Nacional de Saúde (Cartão SUS). De acordo com o ministério, a alteração vai facilitar que os profissionais de saúde, a exemplo das Equipes de Saúde da Família (ESF) e Agentes Comunitários de Saúde, realizem a busca ativa dos pacientes em casos de retornos sobre exames, consultas, situação vacinal, dentre outros.

Vínculo - "O vínculo do cidadão à equipe permite o planejamento da oferta de serviços nos municípios e o acompanhamento adequado de cada paciente evitando, inclusive, que as pessoas recorram às urgências e emergências dos hospitais para tratar doenças que poderiam ter sido prevenidas na Atenção Primária e, desta forma, não teriam evoluído para estágios mais graves que são mais aflitivos para os pacientes e elevam os custos no SUS", disse o ministério.

Indicadores - Outro ponto que sofreu alteração é a quantidade de indicadores avaliados. Atualmente, 720 indicadores de saúde tem previsão de monitoramento, no entanto, de acordo com o governo, o sistema de registro dessas informações não é alimentado na maior parte dos municípios, o que impossibilita o acompanhamento real das condições de saúde das pessoas.

Monitorados - Pela proposta do Previne Brasil, agora serão monitorados 21 indicadores da saúde da população. Eles precisarão ser informados regularmente para que os municípios possam receber recursos federais. A proposta prevê que, em 2020 serão monitorados 7 indicadores, mais 7 em 2021 e mais 7 em 2022. Entre eles estão a realização de consultas pré-natais e vacinação em crianças. O monitoramento de indicadores será feito a cada quatro meses, a partir de setembro de 2020. (Agência Brasil)

 


Versão para impressão


RODAPE