Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4719 | 04 de Dezembro de 2019

ENCONTRO ESTADUAL: Cooperativistas de todo o Paraná se reúnem na sexta-feira, em Medianeira

Cooperativistas de diversas regiões do Estado irão se reunir, na sexta-feira (06/12), no Centro de Eventos da Cooperativa Lar, em Medianeira, no Oeste do Estado, para participar do tradicional Encontro Estadual promovido pelo Sistema Ocepar com o propósito de celebrar as conquistas alcançadas pelo setor ao longo do ano. São esperadas cerca de duas mil pessoas, entre cooperados, colaboradores, dirigentes, demais lideranças ligadas ao cooperativismo paranaense, seus familiares e convidados.

Números - O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, irá fazer um balanço do ano e apresentar os resultados preliminares alcançados neste exercício pelas cooperativas do Paraná, em pronunciamento no evento. Atualmente são 215 cooperativas de sete ramos (agropecuário, crédito, saúde, infraestrutura, consumo, transporte, trabalho, produção de bens e serviços) registradas no Sistema Ocepar. Em 2018, elas atingiram faturamento de R$ 83,7 bilhões e fecharam o ano com 1,7 milhão de cooperados e 101 mil colaboradores. As exportações somaram US$ 3,5 bilhões. O setor responde por cerca de 60% do PIB agropecuário paranaense.

Painel com autoridades - A programação do Encontro Estadual contempla a realização do Painel com autoridades, que terá a presença de representantes do executivo, legislativo e entidades parceiras.

Programação - Haverá ainda a apresentação sobre a Cooperativa Lar, anfitriã do Encontro. “Improviso e criatividade” e “A arte de viver a transformação” são os temas das palestras que serão apresentadas pelo ator, diretor e dramaturgo, Márcio Ballas, e pelo doutor em Psiquiatria e Psicologia Médica e professor Pedro Calabrez, respectivamente. O evento será encerrado com uma grande atração: um show com o cantor medianeirense Michel Teló, que irá animar o público no período da tarde.

encontro estadual folder 04 12 2019

PR COOPERATIVO: Informe volta a circular na sexta-feira

pr cooperativo 04 12 2019Excepcionalmente, o Informe Paraná Cooperativo não será publicado nesta quinta-feira (05/12). Nesse dia, a equipe de Comunicação Social do Sistema Ocepar estará se deslocando para Medianeira, no Oeste do Estado, para realizar a cobertura jornalística do Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses. O Informe volta a circular na sexta-feira (06/12), com notícias sobre o evento.

 

MP DO AGRO: Relatório de Lupion traz inovações aos registros de imóveis rurais

mp agro 04 12 2019O deputado federal Pedro Lupion (DEM-PR) apresentou, nesta terça-feira (03/12), o projeto de lei de conversão, fruto das alterações propostas por ele à medida provisória nº 897, conhecida como “MP do agro”. O novo texto tem mais de 120 páginas, vai desburocratizar o acesso a crédito pelos produtores rurais e será votado nesta quarta-feira (04/12).

Mudanças - As mudanças no texto foram propostas e analisadas pelo relator a partir das três audiências públicas realizadas para discutir MP, além de reuniões setoriais e de análise das 347 emendas parlamentares encaminhadas.

Fundo - Entre as alterações propostas está o Fundo Garantidor Solidário – que substitui o Fundo de Aval Fraterno proposto na medida original – e que deixa de ter limite máximo de participantes, mantendo um mínimo de dois devedores.

Central Nacional - Outra mudança é a criação da Central Nacional de Registro de Imóveis, a ser instituída em até 120 dias após publicação da MP, responsável por centralizar as informações de registro imobiliário em todo o país. Lupion afirma que é um passo para modernizar o modelo atual. “Entendemos a necessidade de se repensar o sistema de registro desses bens no país. É preciso rever conceitos e, o que tentamos, com esse texto, é iniciar uma mudança nesse sentido que seja benéfica ao produtor rural”, afirma Lupion.

Patrimônio de afetação - Lupion explicou que houve muita discussão sobre a questão do patrimônio de afetação, que permite ao produtor dar uma parte de seu imóvel como garantia. A ideia é ter o porcentual da terra possa ser subdividido.

Reserva legal - Além disso, o patrimônio a ser afetado, ou seja, usado como garantia, não pode pertencer à reserva legal ambiental, já que esse é um pedaço do terreno onde não é possível haver produção. Para cancelar a afetação do imóvel, é preciso concretizá-lo por pedido no cartório de registro de imóveis.

Cerealistas - O novo texto também favorece os cerealistas, ao ampliar em um ano o prazo para que eles contratem, junto ao BNDES com subvenção econômica na forma de equalização de taxas, financiamentos destinado a investimentos em obras e aquisição de equipamentos para construção ou ampliação de armazéns. A data limite passa a ser 30 de junho de 2021.

Investimento - Outro ponto alterado por Pedro Lupion é o que trata da busca por novos investidores no mercado de crédito rural. A nova redação permite que residentes no Brasil, e não só estrangeiros, estejam autorizados a emitir a Cédula de Produto Rural (CPR), com cláusula de correção pela variação cambial e vinculação desse título com outros do setor, como o Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA).

Problema - “O texto original trazia um problema a empresas do Brasil, por exemplo, que quisessem emitir a CPR, já que previa a autorização apenas para não-residentes. Corrigimos isso, porque não fazia sentido impedir quem está sediado ou tem domicílio no Brasil de participar no mercado de crédito rural do país”, afirmou o relator.

Entidades - Lupion acredita que o novo texto atenderá não só ao governo, mas às entidades setoriais, representantes de bancos, registradores e, principalmente, a quem depende do crédito rural. “O nosso objetivo é ajudar o produtor rural. O trabalho junto à Frente Parlamentar da Agropecuária, CNA, OCB e outras instituições foi no sentido de desburocratizar o acesso ao crédito, facilitar a vida de quem produz e, principalmente, permitir que essas pessoas possam gerar renda e oportunidades no novo Brasil que estamos construindo”, finalizou. (Assessoria de Imprensa do deputado federal Pedro Lupion)

 

COPAGRIL: Dia de Campo será nos dias 15 e 16 de janeiro

Cooperados, clientes, produtores rurais e população em geral da área de abrangência da Cooperativa Agroindustrial Copagril já podem se preparar para o Dia de Campo Copagril - o Show do Agronegócio, realizado regularmente pela cooperativa e que em 2020 será nos dias 15 e 16 de janeiro, novamente na Estação Experimental, em Marechal Cândido Rondon (PR). Os dois dias de evento são destinados para o compartilhamento de conhecimento e difusão de novas tecnologias, com novidades para a lavoura, pecuária, atividades do campo e também para o dia a dia do homem da cidade.

Novidades - Conforme o superintende agropecuário da Copagril e coordenador do evento, Enoir José Primon, o Dia de Campo é preparado para receber os cooperados e visitantes com o objetivo de apresentar as novidades e melhorias para o trabalho no campo. “São mais de 70 híbridos de milho, quase 60 cultivares de soja e mais de 20 espécies de pastagens que estarão em exposição para os participantes do Dia de Campo”, descreve ao falar da organização e participação das várias empresas de sementes e agroquímicos que estarão no evento.

Empresas parceiras - “Contamos com várias empresas parceiras que novamente farão parte do nosso grande Show do Agronegócio. Com novidades para a agricultura e pecuária, também máquinas e implementos, além dos vários parceiros das Lojas Agropecuárias que também fazem parte do nosso grande pavilhão, atendendo os visitantes do campo e da cidade”, diz Primon.

50 anos - A Copagril completará 50 anos em agosto de 2020 e a realização do Dia de Campo é um dos grandes eventos programados para a comemoração. Os dias de campo fazem parte da trajetória da cooperativa desde o princípio de sua atuação, onde a disseminação do conhecimento, a inovação e a melhoria são fundamentais para o desenvolvimento dos cooperados, fortalecendo a produção agrícola e pecuária.

Slogan - “Trazemos para a comemoração do jubileu o slogan ‘O valor está nas pessoas’ e esse evento é a grande vitrine dessa proposta, oportunizar ao cooperado novos conhecimentos e assim agregando valor ao trabalho de cada dia”, revela.

Programação - O Dia de Campo Copagril oportunizará a participação dos milhares de visitantes que vem da região Oeste do Paraná, Mato Grosso do Sul e de outras regiões, com atrativos diversificados e proporcionando negócios, obtenção de conhecimento, diversão e lazer.

Novidades - O Dia de Campo será nos dias 15 e 16 de janeiro, com amplo horário de atendimento. Novidades na programação serão informadas e ainda haverá surpresas para os visitantes nos dias da feira. Mais informações no site: https://www.copagril.com.br/diadecampo/. (Imprensa Copagril)

{vsig}2019/noticias/12/04/copagril/{/vsig}

COOPAVEL: Show Rural 2020 terá 650 expositores e espera público de 250 mil visitantes

coopavel 04 12 2019A 32ª edição do Show Rural Coopavel já comercializou todos os estandes do evento agendado para o período de 3 a 7 de fevereiro de 2020. Serão 650 expositores, o maior número já registrado. O evento, que hoje está entre os três maiores do mundo, começou em 1989 com apenas 110 visitantes e 15 empresas. “Há muitos fatores que explicam esse crescimento todo, mas principalmente o fato de jamais perdermos o foco, que é fazer da mostra uma grande universidade a céu aberto, voltada a apresentar o melhor em inovações e pesquisas ao produtor rural”, diz o presidente Dilvo Grolli.

Público - A expectativa de público para os cinco dias é de 250 mil pessoas. O Show Rural Coopavel acontece às margens da BR-277, na saída para Curitiba, a dez quilômetros do centro de Cascavel, no Oeste do Paraná. São 720 mil metros quadrados destinados a empresas do agronegócio referências em suas áreas de atuação. A abertura oficial será no domingo, 2 de fevereiro, às 11h, com missa campal, que também já é tradição. De 3 a 7 de fevereiro, o parque estará aberto à visitação das 8h às 18h, com acesso gratuito.

Estacionamento - O estacionamento destinado à recepção dos visitantes e das caravanas tem capacidade para 14 mil veículos, também gratuito. “A organização de um evento desse tamanho não para. Termina um e imediatamente começamos o outro. Durante a semana do evento, são 5,5 mil profissionais envolvidos na realização das mais diferentes tarefas”, diz o coordenador geral, o agrônomo Rogério Rizzardi. O ambiente conta com restaurante com capacidade para servir quatro mil refeições simultaneamente, além de quatro lanchonetes próprias.

Área pavimentada - Para visitar toda a extensão do parque, existem mais de 15 quilômetros pavimentados. Desses, sete quilômetros têm cobertura, que protegem do sol e da chuva. Os jardins, com 350 mil mudas cultivadas, costumam chamar a atenção dos visitantes, que também contam com inúmeros pontos de descanso. Há água potável e gelada disponível em toda a área. Entre as atrações estarão o 2º Show Rural Digital, que ocupará estrutura de 8,7 mil metros quadrados, novidades nos setores da pecuária, suinocultura e avicultura e lançamento de máquinas e de novas tecnologias em híbridos e cultivares. (Imprensa Coopavel)

 

COAMO: Cooperativa homenageia mais de 400 funcionários no programa Tempo de Casa

Um total de 416 funcionários foram homenageados em 2019 pela diretoria da Coamo. Eles completaram 10, 20, 30 e 40 anos de trabalho na cooperativa e receberam o reconhecimento da diretoria com a entrega de placas alusivas em eventos realizados em dez regionais no Programa Tempo de Casa. As homenagens aos funcionários da Coamo, Credicoamo, Fups, Via Sollus e Arcam aconteceram em toda a área da Coamo nos estados do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul e foram prestigiadas pela diretoria e gerência de Recursos Humanos da Coamo. Do total de mais de 400 homenageados neste ano, 43 deles entraram para o Clube dos 30 e 40 anos de serviço na cooperativa.  

Partilha - De acordo com Antonio César Marini, gerente de Recursos Humanos da Coamo, os funcionários recebem com alegria e felicidade a homenagem da diretoria, que reconhece e comemora os 10, 20, 30 e 40 anos de trabalho na empresa. “É uma marca expressiva que merece este reconhecimento, por isso idealizamos e colocamos em prática o programa Tempo de Casa, que tem a função de coroar um período importante de trabalho dos funcionários na cooperativa.”

Orgulho - Dos mais de oito mil funcionários da Coamo, cerca de 40% deles estão há mais de 10 anos na cooperativa. “Ficamos felizes em prestar esta homenagem e neste ano são seis funcionários que completam 40 anos junto conosco. Eles merecem esta honraria, pois ajudaram e ajudam a desenvolver com sucesso os trabalhos da Coamo como empresa. Se chegamos aonde estamos, é porque temos uma equipe determinada que faz tudo bem feito, por isso agradecemos a cada um dos laureados em nome dos nossos mais de 29 mil associados da Coamo”, comemora o engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini, presidente da Coamo.

Valores - O gerente de Tecnologia da Informação, Ailton de Almeida Queiróz é um dos seis homenageados em 2019 com 40 anos de trabalho na Coamo. Segundo ele, cada funcionário nas suas funções tem a resposta para explicar o sucesso da Coamo. “Nada seria possível sem as pessoas, o nosso presidente (Dr. Aroldo), com sua visão, com seus princípios, com seus valores, liderando várias gerações, nos inspira a fazer o nosso melhor. E cada diretor, superintendente, imprime uma marca pessoal na condução deste grande empreendimento chamado Coamo. De cada pessoa vieram os valores, a transparência e a solidez que lapidaram a grande marca Coamo, cujo maior valor é confiança”, afirma Queiróz.

Marca de confiança - Os valores inerentes à Coamo são apresentados pelos funcionários e familiares em vários campos de atuação no cotidiano. “Cada um de nós leva o sobrenome Coamo, por isso, também compartilhamos desses valores e contribuímos para essa marca Coamo ser confiável. Assim, somos gente que faz, gente de confiança da diretoria para condução do dia a dia dessa espetacular empresa. Temos orgulho em estar aqui ajudando a construir um mundo melhor, sustentando e transmitindo valores as nossas famílias e aos colegas de trabalho com menos tempo de casa, pois somos responsáveis pela formação dessa nova geração, na busca do equilíbrio entre o tradicional e o inovador”, explica Ailton Queiróz, que entrou na Coamo quando ela tinha apenas nove anos de existência.

Escolha - “É uma homenagem justa e merecida, pois há 10, 20, 30 e 40 anos vocês escolheram a Coamo para trabalhar e a Coamo escolheu vocês. Na Coamo só cria raízes quem trabalha e quer trabalhar, caso contrário não permanece”, enaltece o engenheiro agrônomo Ricardo Accioly Calderari, diretor-secretário da Coamo, que esteve presente nas regionais e entregou as honrarias aos homenageados. (Imprensa Coamo)

{vsig}2019/noticias/12/04/coamo/{/vsig}

CAPAL: Emoção marca homenagem aos funcionários

“A gente é como uma família”, conta o assistente de Compras Luiz Henrique Brodowski, um dos 82 funcionários da CAPAL homenageados no programa “Nossa gente, nossa história”, que valoriza aqueles que têm de 5 a 35 anos de atuação na cooperativa. Um evento para comemorar o feito aconteceu no dia 29 de novembro, na Associação dos Funcionários da Capal (Asfuca), em Arapoti (PR).

Festa - A festa já seria um sucesso com o jantar, a música ao vivo, a cabine de fotos e a presença de representantes do Conselho de Administração e da Diretoria Executiva parabenizando os agraciados. Porém, teve mais: “um evento que me marcou para o resto da vida. Eu não esperava a homenagem que fizeram. Minha esposa levando uma flor para mim já era marcante, mas o depoimento feito por toda a minha família me emocionou. Fico emocionado até agora lembrando”, disse o gerente operacional César Rodrigues de Almeida, que em janeiro de 2020 completa 31 anos na Capal.

Responsável - Alocado em Arapoti, onde está a sede administrativa da cooperativa, o gerente operacional é o responsável da unidade para recepção, secagem, armazenagem e manutenção industrial. Engenheiro agrônomo, lembra que, quando iniciou na Capal, a cooperativa estava em um mercado restrito aos municípios de Arapoti e Itararé (SP).

Trabalho em equipe - Almeida aponta que o trabalho em equipe e a união dos profissionais fez com que acontecesse a evolução na cooperativa, seguindo o planejamento estratégico. “É um orgulho imenso fazer parte da equipe que fez da Capal uma das maiores do setor no mercado. Todo o trabalho e dedicação dos funcionários é alinhado com o planejamento e com a direção da cooperativa”.

Emocionante - Brodowski, assistente de Compras, também considerou o evento “emocionante” e “surpreendente”. Na cooperativa há 13 anos, entrou na função de estagiário, sendo ali seu primeiro emprego. “Tudo que conquistei devo à cooperativa”, conta com gratidão.

Expansão - “Quando entrei eram apenas quatro entrepostos: de Arapoti, Itararé, Wenceslau Braz e Carlópolis. Agora, está caminhando para 16 unidades”, reforça Brodowski. Além do evento e do reconhecimento, cada funcionário recebeu uma bonificação no salário.

Sobre a Capal Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1960, a CAPAL conta atualmente com mais de 3 mil associados, distribuídos em 14 unidades de negócios, nos estados do Paraná e São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 70% das operações da cooperativa, produzindo mais de 640 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, milho, café e trigo. A área agrícola assistida ultrapassa os 140 mil hectares. O volume de leite negociado mensalmente é de 9 milhões de litros, proveniente de 360 produtores com uma média de produção de 2,5 mil litros por dia. Além disso, a cooperativa comercializa mais de 27 mil toneladas de suínos vivos. (Imprensa Capal)

{vsig}2019/noticias/12/04/capal/{/vsig}

AGRÁRIA: Colégio Imperatriz está com matrículas abertas para o Curso Técnico em Agropecuária

O Colégio Imperatriz está com matrículas abertas para o Curso Técnico em Agropecuária. As aulas começam no dia 08 de fevereiro de 2020 e acontecem sempre aos sábados, das 7h30 às 12h e das 13h às 17h30.

Inscrições - Podem se inscrever pessoas que estejam no Ensino Médio ou que o tenham concluído. O curso tem duração de três anos e funciona no modelo de ensino híbrido, onde 20% dos créditos são ofertados em um ambiente virtual de aprendizagem, através da plataforma moodle.

Atendimento - Criado em 1.974, o Curso Técnico em Agropecuária do Imperatriz atende estudantes de Entre Rios, Guarapuava e outros 12 municípios da região. Só em 2018, o Colégio formou 55 técnicos aptos a atuar em diversos setores do agronegócio como agropecuárias, cooperativas, assistências técnicas, venda de insumos, gerenciamento de propriedades e outros.

Tradição e inovação - O curso alia tradição e inovação no contexto das aulas, o que o torna uma referência para todo Paraná. Além do já citado ensino híbrido, que recentemente recebeu o Prêmio Práticas Inovadoras em Educação, promovido pelo Sinepe (Sindicato das Escolas Particulares do Paraná), a avaliação integrada é outro diferencial utilizado na aprendizagem. O sistema capacita os estudantes a resolver problemas de maneira ética.

Exemplo - Um exemplo da eficácia da formação profissionalizante ofertada pelo Imperatriz são o primeiro e segundo lugares obtidos por alunos do Colégio no último concurso para Técnico em Agropecuária realizado pela Prefeitura de Guarapuava. “Isso, sem dúvida, é resultado do trabalho efetivo de uma equipe de docentes qualificada, atuante, preocupada com o aprendizado do aluno e que está disposta a fazer a diferença”, afirma a professora Deise Maria Feltin, coordenadora do curso.

Conhecimento e oportunidades - Maria Turok é aluna da turma que conclui em 2019 o curso Técnico em Agropecuária. Ela trabalha com bovinocultura de leite no município do Candói e tem colocado em prática aquilo que aprendeu durante as aulas. “O curso é muito bom. Estes três anos foram importantes tanto na minha vida profissional como pessoal, pois além do aprendizado fiz muitas amizades”, comenta.

Finalização - O estudante Josenei de Col também está prestes a finalizar o Técnico em Agropecuária e passou por uma grande mudança profissional desde que iniciou os estudos no Imperatriz. De assistente técnico em uma multinacional, ele passou a representante comercial da mesma empresa. “O curso foi de extrema importância para mim. Mais que aprendizado, ele me abriu portas no mercado de trabalho”. (Imprensa Agrária)

SERVIÇO

Curso Técnico em Agropecuária

Aulas aos sábados das 07h30 às 17h30

Colégio Imperatriz

Avenida Michael Moor, 2097, Colônia Vitória – Distrito de Entre Rios

Guarapuava- PR

Informações: (42) 3625-8356

{vsig}2019/noticias/12/04/agraria/{/vsig}

INSTITUTO SICOOB: Expresso reúne centenas de pessoas para cursos gratuitos em Umuarama

Entre os dias 25 e 29 de novembro, o ônibus o Expresso Instituto Sicoob esteve na praça Miguel Rossafa, em Umuarama (PR). Com turmas lotadas, os participantes tiveram a oportunidade de escolher entre mais de 50 cursos profissionalizantes na modalidade EAD.

Adaptado - O ônibus, que é totalmente adaptado e funciona como uma plataforma itinerante de formação profissional e cidadã, é equipado com mesas, assentos, notebooks, televisores, impressora e internet.

Públicos - Públicos de todas as idades participaram das atividades que têm como objetivo qualificar a comunidade para o mercado de trabalho. Um deles foi o motorista Ari Cavalheiro, de 40 anos, que fez o curso “A arte de falar em público”. “Eu escolhi esse curso para melhorar minha comunicação e aprimorar minha fala. Aprendi alguns pontos para melhorar”, explicou.

Ensino médio - Também participaram do curso os estudantes do ensino médio do Colégio Estadual Bento Mossurunga, Guilherme da Silva e Abna Laiane, ambos de 15 anos. “Eu fiz minha inscrição na sexta-feira e escolhi os cursos que falam sobre etiqueta profissional, como falar em público e como gerenciar o tempo”, explicou Abna.

Fácil compreensão - De acordo com a estudante, o conteúdo é de fácil compreensão, o que ajuda na aprendizagem. “Achei muito legal, principalmente por ser online. Às vezes pensamos que por ser assim o conteúdo pode ser fraco, mas eu gostei bastante do que aprendi”, elogiou.

Primeira experiência - Já Guilherme, salientou que essa foi sua primeira experiência em capacitações EAD. “Nunca tinha feito e achei bem legal e diferente, principalmente o curso de educação cooperativista”, disse.

Volta - Depois da visita, o Expresso Instituto Sicoob seguiu de volta para Maringá (PR), para traçar as rotas do próximo ano e agendar seu retorno para a cidade de Umuarama com mais cursos para a comunidade. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2019/noticias/12/04/instituto_sicoob/{/vsig}

SICREDI UNIÃO PR/SP I: Alunos apresentam resultados de programa social

sicredi uniao I 04 12 2019Conhecer o resultado dos trabalhos desenvolvidos ao longo do ano pelo Programa A União Faz a Vida (PUFV), da Sicredi União PR/SP, nas regiões noroeste e norte do Paraná, centro e leste paulista. Este é o objetivo dos eventos de culminância, em que crianças e educadores das escolas e instituições participantes fazem mostras culturais, apresentações musicais, teatrais e de dança para expressar o progresso que obtiveram com as atividades.

Total de eventos- Ao todo, serão realizados quase 120 eventos, que foram iniciados no final de agosto em Terra Boa, quando cerca de 500 crianças se apresentaram. A partir desta terça-feira (03/11), está ocorrendo mais um evento em Maringá, no Centro Municipal de Educação Infantil Galdino de Andrade (CMEI). No mesmo dia também houve programação em Iracemápolis e Águas da Prata, em São Paulo.

Finalização - As apresentações serão finalizadas em Maringá, no dia 13 de dezembro, na Escola Municipal Odilon Tulio Vargas e no CMEI Afonso Vidal Cezar. Até esta data, colaboradores da Sicredi União terão percorrido 43 municípios do Paraná e de São Paulo para prestigiar as escolas que desenvolvem o programa.

Projetos - Além da apresentação cultural, professores e alunos expõem os projetos realizados ao longo do ano e os resultados obtidos com as atividades. Todo esse trabalho incentiva os alunos a ter mais interesse pelo conhecimento, tornando-os protagonistas do processo de aprendizagem

Etapa importante - Para a assessora de programas sociais da Sicredi União PR/SP, Gisely Almeida, acompanhar o encerramento dos projetos é uma etapa importante do PUFV. “É um momento para perceber toda a produtividade realidade ao longo do ano e celebrar tanto as conquistas dos alunos em aprendizagem quando nossa contribuição em formar pessoas melhores para a sociedade”, afirma.

Programa - A proposta do PUFV é desenvolver cidadãos cooperativos por meio de valores como o empreendedorismo e a solidariedade. Para isso, a metodologia do programa é apresentada para prefeituras municipais, secretarias de educação, instituições e escolas, e, conforme interesse dos mesmos, é feita a capacitação dos educadores para a aplicação do método de ensino-aprendizagem.

Tema - A partir daí, os alunos, junto com o educador, definem o tema que será abordado durante o ano letivo, envolvendo todo currículo escolar. O trabalho é feito por meio de expedição investigativa, pesquisa, relatos, rodas de conversa, comunidade de aprendizagem, aplicação do currículo entre outros métodos de aprendizagem, quase sempre com o envolvimento da família e da comunidade, que despertam o interesse dos alunos por adquirir novos conhecimentos. Por fim, há o evento de culminância, em que são apresentados os projetos.

Abrangência - Atualmente, o PUFV está implantado em 72 municípios da área de abrangência da Sicredi União PR/SP, envolvendo 4.200 professores e 35 mil alunos. Somente em 2019, foram desenvolvidos 2.100 projetos. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICREDI UNIÃO PR/SP II: Apae de São Jorge do Ivaí apresenta resultados do Programa A União Faz a Vida

sicredi uniao II 04 12 2019A Associação de Pais e Amigos de Excepcionais (Apae) de São Jorge do Ivaí (PR), promoveu, no dia 19 de novembro, o evento de culminância do Programa A União Faz a Vida (PUFV), da Sicredi União PR/SP. Com o objetivo de apresentar o resultado dos projetos desenvolvidos durante o ano letivo, a ação reuniu alunos, familiares, educadores, representantes da instituição financeira cooperativa e o prefeito André Luiz Bovo.

Apresentações artísticas - A diretora da Apae, Marlene da Cruz Casagrande, conta que as crianças fizeram apresentações artísticas para demonstrarem a mascote do PUFV, que é a abelha por atuar de forma cooperativa, bem como os símbolos flor e mel, que representam a semeadura em novas gerações. “A experiência de apresentar ao público foi muito positiva para eles, sem contar as atividades realizadas durante o ano, que contribuíram significativamente para o desenvolvimento dos alunos e para mudança de hábitos”, comenta.

Primeiro ano - Este foi o primeiro ano que a Apae de São Jorge do Ivaí utilizou a metodologia do PUFV na grade escolar. A Educação Infantil, por exemplo, optou pelo tema ‘Conhecendo algumas frutas’, já as turmas do Ensino Fundamental abordaram ‘Qualidade de vida’ e ‘Conhecer para comer bem’, e a turma de Educação de Jovens e Adultos (EJA) focou no tema ‘Saúde e qu alidade de vida’. “A comunidade escolar se uniu para um objetivo comum e construiu coletivamente alternativas e estratégias de desenvolvimento de valores e cooperação”, destaca Marlene.

Impacto positivo - Para a gerente da agência da Sicredi União PR/SP, de São Jorge do Ivaí, Maria Aparecida Pereira, o trabalho resultou em um impacto muito positivo por também proporcionar o envolvimento da comunidade na escola. “Nutricionistas e profissionais de saúde foram lá ensinar cuidados de higiene pessoal e alimentação. São ações simples que mudam comportamentos e melh oram a q ualidade de vida, a saúde e o bem-estar não só dos alunos, mas também das famílias”, enfatiza.

Programa - O PUVF disponibiliza metodologia prática em que os alunos são incentivados a ter mais interesse pelo conhecimento, tornando-se protagonistas do processo de aprendizagem. Para isso, o programa é apresentado aos gestores e diretores de escolas públicas ou privadas e, a partir da adesão, os educadores recebem capacitação para aplicar o método.

Prática - Na prática, professores e alunos definem uma temática que será abordada durante o ano letivo, envolvendo o conteúdo das disciplinas. O trabalho é feito por meio de expedição investigativa, pesquisa, relatos, rodas de conversa, entre outros métodos de aprendizagem, quase sempre com o envolvimento da família e da comunidade, que despertam o interesse dos alunos para adquirir novos conhecimentos. Por fim há o evento de culminância, em que são apresentados os resultados.

Municípios - Atualmente, o PUFV está implantado em 72 municípios da área de abrangência da Sicredi União PR/SP, envolvendo 4.200 professores e 35 mil alunos. Somente em 2019, foram desenvolvidos 2.100 projetos. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICREDI PARQUE DAS ARAUCÁRIAS: Agência de Quilombo está em novo endereço

Nesta segunda-feira (02/12), a Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP reinaugurou sua agência no município de Quilombo (SC). A unidade, que antes funcionava no número 1195 da Avenida Coronel Ernesto Bertaso, passa a estar localizada no número 553, endereço mais próximo ao centro da cidade.

Conforto e comodidade - A agência possui maior espaço físico para oferecer mais conforto e comodidade, e seguir com o propósito de oferecer um atendimento de qualidade, de acordo com as reais necessidades dos associados.

Presenças - Participaram da reinauguração, o presidente da Sicredi Parque, Clemente Renosto; o diretor executivo, Fabio Vedelago Burille, o diretor de operações Alcimar Gerhard; o gerente da agência, Taffarel Antônio Simon, o prefeito municipal, Silvano de Pariz, além de colaboradores da agência e outras lideranças locais. (Imprensa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP)

{vsig}2019/noticias/12/04/sicredi_parque/{/vsig}

EVENTO: Fórum Nacional Sucroenergético se reúne na quinta-feira, em Maringá

Lideranças dos oito principais estados produtores de açúcar e etanol do país participam, na manhã de quinta-feira (05/12), em Maringá (PR) de uma reunião ordinária do Fórum Nacional Sucroenergético, convocada pelo seu presidente, o goiano André Luiz Baptista Lins Rocha.

Assuntos - Prevista para começar às 9h, na sede da Associação de Produtores de Bioenergia do Estado do Paraná (Alcopar), os dirigentes vão tratar de assuntos como a expectativa de balanço de oferta e demanda de etanol na Região Centro-Sul para a entressafra 2019/2020, RenovaBio, reforma tributária, Lei de Cultivares, venda direta de etanol e monofasia tributária no setor produtor de etanol.

Entidades representativas - Além dos representantes do Paraná e de Goiás, estão confirmados dirigentes de entidades representativas do setor de São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Alagoas, Pernambuco e Minas Gerais. Juntas, elas representam cerca de 70% dos volumes nacionais de produção de açúcar e etanol.

No Paraná - Há quase dez anos que o Fórum Nacional não se reúne no Paraná, estado que é o quinto maior produtor nacional de bioenergia, atrás de São Paulo, Goiás, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. “Estamos em um momento muito importante do setor, em que essa agenda é crucial para alinhavar os caminhos visando a chegada de um novo exercício”, comenta o presidente da Alcopar, Miguel Rubens Tranin. (Assessoria de Imprensa)

IBGE: Agropecuária é o setor com maior alta do PIB no terceiro trimestre do ano

pib agro 04 12 2019O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, nesta terça-feira (03/11), os resultados das Contas Nacionais Trimestrais referentes ao terceiro trimestre deste ano, mostrando um crescimento de 0,6% no Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em relação ao trimestre anterior. A agropecuária foi o setor que apresentou a maior alta, registrando crescimento de 1,3%.

Crescimento - No mesmo período, a indústria cresceu 0,8% e o setor de serviços, 0,4%. A taxa acumulada nos últimos quatro trimestres resulta num crescimento do PIB de 1,0% e da agropecuária, de 2%. A Indústria não cresceu e os serviços cresceram 1,2%.

Terceiro trimestre- O PIB alcançou R$ 1,842 trilhão no terceiro trimestre. Desse valor, a agropecuária participa com 4,3%, a indústria com 19,1% e o setor de serviços com 62,5%.

Produtos - Ao longo deste ano, a agropecuária acumula crescimento de 1,4%. Esta taxa é mais elevada do que as acumuladas nos trimestres anteriores. Pode-se atribuir esse crescimento ao comportamento positivo de diversos produtos. O IBGE destaca especialmente o algodão, com crescimento da produção de 39,7% apurado em outubro; o milho (23,2%) e a laranja (6,3%). Pode-se também destacar a contribuição da banana, batata-inglesa, feijão e tomate.

Contribuições negativas- Outros produtos apresentaram contribuições negativas, como o café, com redução na produção de 16,5%, e a cana de açúcar (-1,1%). As estimativas da pecuária especialmente bovinos, suínos e ovos apontaram desempenho positivo. (Mapa)

 

COMÉRCIO: Atividade no setor tem aumento de 2,9% em outubro, diz Serasa

comercio 04 12 2019O Indicador de Atividade do Comércio da Serasa Experian registrou aumento de 2,9% em outubro, em comparação ao mesmo mês do ano passado. Os dados, divulgados nesta terça-feira (03/12), mostram que o resultado foi influenciado principalmente pelas vendas de veículos, motos e peças. Supermercados, alimentos e bebidas também tiveram papel de destaque.

Renda - “Apesar de ser uma das menores variações dos últimos meses, no geral, alguns segmentos – como supermercados –, apresentaram bom desempenho graças ao gradativo aumento da renda da população. Já as menores taxas de juros continuam influenciando o acesso a crédito, potencializado nos últimos meses”, disse o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi.

Elevação mais expressiva - As vendas do setor de veículos, motos e peças foram a que tiveram elevação mais expressiva em outubro, de 5,2%, em comparação com o mesmo mês de 2018, seguido por supermercados, alimentos e bebidas (3%), material de construção (2,9%), móveis, eletrodomésticos, eletroeletrônicos e informática (2,7%), e tecidos, vestuário, e calçados (2,7%). Já as vendas do setor de combustíveis e lubrificantes tiveram queda de 6%.

Acumulado - No acumulado do ano, de janeiro a outubro, a variação do indicador da Serasa é positiva em 1,4%, em relação ao mesmo período de 2018. (Agência Brasil)

 

INDÚSTRIA: Produção industrial cresce 0,8% em outubro

indsutria 04 12 2019A produção da indústria brasileira teve um crescimento de 0,8% em outubro frente a setembro. Essa foi a terceira taxa positiva seguida, acumulando alta de 2,4% no período de três meses. Os dados da Pesquisa Industrial Mensal foram divulgados nesta quarta-feira (04/12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Comparação - Na comparação com outubro de 2018, a indústria avançou 1%. Apesar desses resultados, o setor industrial ainda acumula queda de 1,1% em 2019 e de 1,3% no acumulado nos últimos 12 meses.

Crescimento - Na alta de 0,8% da indústria na passagem de setembro para outubro de 2019, três das quatro grandes categorias econômicas e 14 dos 26 ramos pesquisados mostraram crescimento na produção.

Altas mais elevadas - Entre as categorias econômicas, bens de consumo duráveis (1,3%) e bens de consumo semi e não-duráveis (1,0%) tiveram as altas mais elevadas em outubro. Ambos apontaram o segundo mês seguido de crescimento e acumularam, nesse período, expansão de 4,1% e 1,7%, respectivamente.

Bens intermediários - O segmento de bens intermediários (0,3%) também mostrou avanço e manteve o comportamento positivo de agosto (1,6%) e setembro (0,2%). O setor de bens de capital (-0,3%) teve a única taxa negativa em outubro de 2019, após recuar em setembro (-0,4%).

Influências positivas - Entre as atividades pesquisadas, as influências positivas mais importantes foram registradas por produtos alimentícios (3,4%) e produtos farmoquímicos e farmacêuticos (11,2%). Produtos alimentícios reverteram a queda verificada no mês anterior (-0,3%). Farmoquímicos e farmacêuticos eliminaram a redução de 9,1% acumulada nos meses de agosto e setembro.

Outros impactos - De acordo com a pesquisa, outros impactos positivos relevantes foram observados nos setores de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (4,9%), de celulose, papel e produtos de papel (2,4%), de impressão e reprodução de gravações (15,3%), de máquinas e equipamentos (1,4%), de outros produtos químicos (1,1%), de produtos de minerais não-metálicos (1,8%) e de bebidas (1,6%).

Redução - Entre os dez ramos que reduziram a produção, os desempenhos de maior impacto foram: coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-2,1%), metalurgia (-3,2%) e indústrias extrativas (-1,1%). Também houve recuo na confecção de artigos do vestuário e acessórios (-3,4%), móveis (-5,6%) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-0,6%). (Agência Brasil)

 

RODOVIAS: Agepar homologa reajuste tarifário anual do pedágio

rodovias 04 12 2019A Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Infraestrutura do Paraná (Agepar) homologou nesta terça-feira (03/12) o reajuste tarifário anual do pedágio das seis concessionárias do Anel de Integração. A homologação ocorreu durante a reunião ordinária do Conselho Diretor da Agepar, com as devidas análises técnicas e jurídicas, amparos legal e contratual.

Percentuais - O reajuste médio anual será de 3,3627% para cinco concessionárias: Econorte, Viapar, Ecovia, Ecocataratas e Caminhos do Paraná. Somente a Rodonorte terá um reajuste médio de 2,9237%. A diferença ocorre porque a Rodonorte usa a fórmula paramétrica prevista no contrato original, enquanto as demais tiveram esta fórmula alterada a partir de 2014.

Alteração - A Agepar informa que estas tarifas poderão sofrer alteração, tendo em vista os acordos de leniência que foram firmados ou a serem firmados – que não são de natureza regulatória.

Reposição - Para a reposição inflacionária foram utilizados os indicadores que compõem a cesta de índices da FGV (Fundação Getúlio Vargas). O reajuste anual das tarifas é previsto em contrato, sendo diferente da revisão tarifária que analisa o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos, que já está em andamento em face das Resoluções Normativas 04, 05 e 06 expedidas pela Agepar, no segundo semestre de 2019.

Providências - O Agepar informa que o poder concedente, Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR), deverá tomar as providências necessárias para aplicação das novas tarifas, assim como a divulgação para os usuários.

DER/PR- A partir desta homologação, o DER/PR vai publicar portarias em diário oficial autorizando as concessionárias a cobrarem os valores reajustados, a partir de uma data e horário específicos. Os valores também ficarão disponíveis no portal do DER/PR (http://www.der.pr.gov.br). (Agência de Notícias do Paraná)

 

PLANEJAMENTO: Estratégias regionais vão nortear desenvolvimento do Paraná até 2035

O Governo do Paraná começou a entregar os primeiros mapas regionais de desenvolvimento para o Estado. A Secretaria do Planejamento e Projetos Estruturantes já finalizou os planos de Desenvolvimento Regional Sustentável da Metrópole Paraná Norte e do Litoral do Paraná. Os documentos reúnem estratégias e ações que vão nortear os investimentos do Estado até 2035.

Próximo passo - O próximo passo será ampliar e estruturar um documento específico para o Vale do Ivaí, até contemplar todas as regiões do Paraná. Os cadernos buscam respeitar as vocações de cada área, usando os pontos fortes como alicerce para o desenvolvimento econômico, sustentável e social dos municípios.

Apresentação - A apresentação dos projetos foi feita nesta terça-feira (03/12) pelo secretário do Planejamento e Projetos Estruturantes, Valdemar Bernardo Jorge, durante a reunião do governador Carlos Massa Ratinho Junior com o secretariado.

Potencial - “O Paraná tem potencial inexplorado em várias áreas, do turismo ao setor de transformação do agronegócio. Vamos apostar naquilo que as cidades e as regiões têm de melhor, com foco na geração de emprego e renda”, destacou o governador Ratinho Junior. “Mas sem esquecer do olhar social, de cuidar do ser humano”, completou.

Diálogo - O secretário Bernardo Jorge explicou que os documentos são frutos de um grande diálogo com a sociedade, responsável por apontar caminhos e ações prioritárias. “Investir em infraestrutura é uma das bases do governo. Teremos um documento para cada região, sempre respeitando a aptidão e o planejamento de cada lugar”, disse.

Pesquisa e diagnóstico - Ele lembrou que foi realizada uma ampla pesquisa e diagnóstico das áreas, fundamentada em cinco eixos de estudo: socioterritorial, meio ambiente, infraestrutura, economia e institucional, que culminaram na construção de cenários e visão de futuro para a região até 2035.

Região Norte - O documento Metrópole Paraná Norte reúne estratégias e ações de desenvolvimento da macrorregião Norte, composta por 15 cidades no eixo Londrina-Apucarana-Maringá. São 29 programas que se desdobraram em 127 ações e projetos, a serem executados em períodos de até 15 anos.

Corredor de desenvolvimento - O objetivo é criar um grande corredor de desenvolvimento sustentável e integrado, que ligará as cidades de Arapongas, Rolândia, Cambé, Londrina, Ibiporã, Jataizinho, Apucarana, Paiçandu, Maringá, Sarandi, Marialva, Mandaguari, Jandaia do Sul, Cambira e Mandaguaçu. Os 15 municípios, situados ao longo das BR-369 e BR-376, concentram 1,5 milhão de habitantes e um PIB de R$ 35 bilhões.

Propostas - Entre as principais propostas estão o projeto Parque Metropolitano do Tibagi, na região de Londrina; os Contornos rodoviários de Maringá, Apucarana e Londrina; a criação de um ramal da Ferrovia Norte-Sul, que passará próximo a Maringá, permitindo a ligação com as demais cidades do eixo. Há também possibilidade de implantação de um aeroporto de cargas na região.

Litoral - Com 702 páginas, o documento para o Desenvolvimento Sustentável do Litoral do Paraná contempla dez programas. Aposta em obras de infraestrutura, tendo o Porto de Paranaguá como um dos grandes indutores de desenvolvimento, além de ações ligadas ao turismo para ampliar a geração de emprego e renda dos sete municípios da região.

Intervenções - Entre as intervenções, destacou Bernardo Jorge, está a necessidade da construção de uma nova ferrovia, corredor para o transporte de grãos, cortando a Serra do Mar. “As obras a serem realizadas dependem das prioridades do governo e da sociedade. São eles que vão mostrar o que é primordial nos cadernos”, afirmou.

Vale do Ivaí - O secretário ressaltou que os primeiros estudos apontam para duas vertentes de desenvolvimento da região: fruticultura e turismo. De acordo com os primeiros pontos do material elaborado pela Paraná Projetos, a área tem um grande potencial a ser explorado em relação ao turismo religioso e de aventura, com cerca de 100 cascatas catalogadas. “Além disso, acredito que o investimento na fruticultura pode acabar com o desemprego na região”, destacou Bernardo Jorge.

Municípios - O Vale do Ivaí contempla 26 municípios: Apucarana, Arapuã, Ariranha do Ivaí, Bom Sucesso, Borrazópolis, Califórnia, Cambirá, Cruzmaltina, Faxinal, Godoy Moreira, Grandes Rios, Ivaiporã, Jandaia Do Sul, Jardim Alegre, Kaloré, Lidianópolis, Lunardelli, Marilandia do Sul, Marumbi, Mauá da Serra, Novo Itacolomi, Rio Bom, Rio Branco do Ivaí, Rosário do Ivaí, São João do Ivaí, São Pedro do Ivaí.

Presenças - Participaram da reunião o prefeito de Cascavel Leonaldo Paranhos e o líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado estadual Hussein Bakri. (Agência de Notícias do Paraná)

{vsig}2019/noticias/12/04/planejamento/{/vsig}

BRASIL: Após EUA, europeus também ameaçam barrar aço brasileiro

brasil 04 12 2019O anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de retomada de sobretaxas contra o aço e alumínio do Brasil e da Argentina agora reforça a demanda da indústria siderúrgica europeia para a Europa também aumentar barreiras à entrada do produto brasileiro.

Temor - A Eurofer, associação dos produtores siderúrgicos da Europa, diz temer que o aço que o Brasil e a Argentina não puderem mais exportar para o mercado dos Estados Unidos acabe desviado para a Europa, fragilizando ainda mais a já combalida indústria do velho continente.

Parceria duradora - “O Brasil é o nono maior exportador de aço para a UE e tem sido um duradouro parceiro comercial da UE para o metal”, afirmou Charles Lusignan, porta-voz da Eurofer. “Como os EUA e a UE compartilham muitos dos mesmos exportadores de aço, incluindo o Brasil, haverá uma preocupação em mais desvio de aço para o mercado europeu.”

Salvaguarda - A Eurofer pediu para a UE reforçar a salvaguarda contra o aço estrangeiro, o que passa por uma proteção “mais robusta” e pela “redução das cotas de importação em linha com a menor demanda atual e projetada na economia europeia”, demanda que deverá afetar as vendas brasileiras caso seja acatada.

Demanda - O porta-voz diz que a demanda foi feita antes de Trump anunciar a sobretaxa contra o Brasil e a Argentina. Mas ninguém ignora que o movimento do presidente americano dá fôlego, por sua vez, para a Europa agir na mesma direção.

Comentários - A Comissão Europeia, o braço executivo da UE, disse que não comentava o desenvolvimento de políticas. Mas lembrou que o regulamento de salvaguardas prevê revisões regulares. E destacou que “os primeiros resultados dessa revisão agora são efetivos, iremos monitorar de perto a situação nos mercados e permaneceremos atentos aos sinais das partes interessadas para realizar revisões futuras sempre que elas forem necessárias”.

Aplicação - A União Europeia aplicou salvaguarda contra o aço estrangeiro em agosto de 2018, em seguida à decisão da Casa Branca de impor sobretaxa de 25% sobre a maior parte do produto importado pelos EUA. Em agosto deste ano, Bruxelas fez um primeiro ajuste na sua proteção, diminuindo de 5% para 3% o aumento anual das cotas de importação de aço, que vigoram até junho de 2021. O volume que passar das cotas sofre taxação de 25%.

Retirada da lista - Com a mudança de agosto, a UE retirou os aços inoxidáveis exportados pelo Brasil da lista de produtos com volumes limitados para entrar no mercado europeu. Permaneceram cotas para produtos como perfis de aço e laminados a frio. A União Europeia já tinha excluído desde o início o aço semiacabado do Brasil de limites de entrada em seu mercado, o que se explica por sua importância para a indústria europeia.

Ajuste - O ajuste de agosto não foi, portanto, especialmente negativo para o Brasil, até porque o país ainda poderia vender mais aço inoxidável, de maior valor agregado. Para os produtores brasileiros, qualquer chance de poder exportar mais é um alívio. Em agosto, o setor siderúrgico nacional estava operando a apenas 67% de sua capacidade instalada, quando precisa operar 80% para ter resultados.

Realinhamento - Agora, a Eurofer insiste para Bruxelas realinhar a salvaguarda, alegando que mesmo com as restrições as importações cresceram 12% no ano passado. Defende que a proteção deve refletir o fato de que as cotas de importação foram estabelecidas “bem acima” dos níveis tradicionais de importação pelo velho continente e levar em conta que, desde então, as condições se deterioraram consideravelmente.

Empregos - Argumenta que, de um lado, as companhias europeias tiveram que anunciar cortes de produção de pelo menos 15 milhões de toneladas de aço neste ano (dos 160 milhões produzidos anualmente, na média), colocando em risco 15 mil empregos, De outro lado, as condições do mercado internacional de aço também se tornaram mais negativas, com aumento de distorções nos fluxos comerciais e menor demanda global para o produto, causando uma depressão nos preços internacionais e corrida de exportadores para abastecer mercados ainda abertos.

Capacidade global - Pelos cálculos dos produtores europeus, o excesso de capacidade global no setor siderúrgico ainda é de 450 milhões de toneladas ou mais, sendo dois terços concentrados na China. Para a Europa, o excesso de capacidade é a principal razão para a fraqueza do mercado global de aço e para o crescente número de perdas de emprego na indústria da Europa. E isso torna mais importante do que nunca que o Fórum Global sobre Excesso de Capacidade, criado pelo G-20, realmente leve os países a cortar capacidade de produção em torno do mundo. (Valor Econômico)

 

INTERNACIONAL: Trump vê acordo distante com China e abala mercados

internacional 04 12 2019O presidente dos EUA, Donald Trump, disse estar disposto a esperar até depois da eleição presidencial de 2020 para fechar um acordo comercial limitado com a China. A declaração tensionou os mercados e pôs em dúvida a possibilidade de as duas partes encontrarem um consenso para deter a adoção de novas tarifas.

Após a eleição - “De alguma forma, acho que é melhor esperar até depois da eleição, para falar a verdade”, disse Trump à imprensa após se reunir com Jens Stoltenberg, o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan, a aliança militar do Ocidente), em Londres. As declarações de Trump desencadearam um movimento de baixa nos mercados de ações. Em Nova York, o índice Dow Jones caiu 1%.

“Ridícula” - Trump disse depois que a queda é “ridícula” se comparada a quanto o mercado tinha subido durante seu governo. “Não acompanho a bolsa”, disse, embora seus assessores digam que ele muitas vezes lhes pergunta sobre as flutuações da bolsa e reage furiosamente quando eles responsabilizam sua política comercial por uma queda.

Pressão - Seja como for, as observações de Trump talvez indiquem um esforço de aumentar a pressão nas duas últimas semanas antes do prazo final de 15 de dezembro para a entrada em vigor de novas tarifas sobre produtos chineses de consumo, em vez de sinalizar uma paralisação radical das negociações, disseram autoridades americanas e aliados próximos de Trump.

Envolvimento - O lado americano aponta para o recente envolvimento do assessor da Casa Branca Jared Kushner, o genro de Trump, como prova de que as negociações se aproximam de sua conclusão. Kushner age como um indicador do que Trump considera aceitável em um acordo e tem trabalhado com o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, o principal negociador de Trump, e com o embaixador chinês nos EUA, Cui Tiankai.

Recompensa - “Em última análise, o presidente será recompensado nas urnas por conseguir fechar um acordo”, disse Jason Miller, ex-diretor de comunicações de Trump. “Ele não será recompensado nas urnas por manter uma briga comercial com a China.” Mas Trump tem de garantir que os chineses apresentem uma boa oferta antes de ele aprovar um acordo, acrescentou Miller.

Em curso - Autoridades chinesas disseram que as negociações comerciais ainda estão em curso. Pequim tem fortes incentivos para dar prosseguimento ao acordo comercial, que pode aliviar a pressão sobre a economia do país, em desaceleração.

Intensificação - Nos últimos dois anos, Trump muitas vezes intensificou o poder de sua retórica pouco antes da entrada em vigor de uma tarifa, apenas para depois fechar um acordo que coloca a guerra comercial em suspenso. Até agora, no entanto, essas tréguas não duraram.

Tarifas - Agora os EUA têm tarifas sobre cerca de US$ 360 bilhões em produtos importados da China. E deverão acrescentar tarifas de 15% sobre mais US$ 165 bilhões em produtos vindos da China no dia 15, a não ser que os dois lados fechem um acordo.

Reação negativa - As tarifas podem desencadear uma reação negativa por parte do consumidor, uma vez que comprometerão iPhones da Apple, laptops, brinquedos e roupas. Os principais assessores de Trump, incluindo Lighthizer, o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e o diretor do Conselho Econômico Nacional, Larry Kudlow, desejam evitar essas tarifas quase com a mesma intensidade que os chineses.

Mais - Mas os chineses querem mais de um acordo do que a suspensão de tarifas futuras. Querem uma reversão das tarifas já aplicadas. Trump e Lighthizer são contra a eliminação das tarifas em vigor, o que tem sido um impasse nas negociações.

“Fase um” - A chamada “fase um” do acordo, em negociação, também inclui promessas chinesas de comprar bilhões de dólares em produtos agrícolas, liberalizar em certa medida o setor de serviços financeiros da China e fortalecer sua proteção à propriedade intelectual.

Pequena parcela - Um possível acordo atenderá só uma pequena parcela das queixas dos EUA contra a China, deixando, em grande medida, inalterados problemas fundamentais, como a extinção de subsídios do governo às empresas estatais chinesas e o fim da transferência forçada de tecnologia das empresas americanas para as parceiras chinesas.

Outras fases - Essas questões serão deixadas para possíveis fases dois e três das negociações comerciais, em meio ao ceticismo generalizado de parte da comunidade empresarial americana de que discussões futuras possam gerar algum resultado. Lighthizer quer manter as tarifas sobre a China para garantir isso.

Avanços - Autoridades tanto de Washington quanto de Pequim disseram recentemente que fizeram avanços para fechar um acordo, inclusive concessões mútuas nos termos do texto de negociação que atormenta os negociadores há meses.

Cerimônia - As duas partes também vêm planejando uma cerimônia para o acordo parcial que não incluiria a presença dos dois líderes. Isso ameniza o caminho para concluir um acordo - embora também signifique que Trump não terá sua tão desejada cerimônia de assinatura com o presidente Xi Jinping.

Autoridades - Xi não vê motivos para viajar para Washington em uma época em que as vozes anti-China ganham volume, dizem autoridades chinesas. A China também avalia se enviará ou não o vice-premiê Liu He, seu principal negociador comercial, a Washington para assinar o acordo.

Ouro sinal positivo - Outro sinal positivo foi a reação contida à decisão de Trump de sancionar um projeto de lei em apoio aos protestos anti-Pequim de Hong Kong. A China prometeu retaliar, mas esperou até segunda-feira para revidar numa iniciativa simbólica: suspendeu as visitas a Hong Kong de navios de guerra americanos e impôs sanções não especificadas a grupos não governamentais sediados nos EUA.

Entendimento - “Os chineses entenderam que Trump se defrontava com uma maioria à prova de veto”, disse David Dollar, da Brookings Institution, que foi o representante para a China do Departamento do Tesouro no governo Barack Obama. “Eles não permitirão que isso solape as negociações.”

Ruir - Mesmo assim, as negociações podem ruir, como já aconteceu muitas vezes. A China pode ver as ameaças de Trump de elevar as tarifas ao aço e ao alumínio da Argentina e do Brasil como sinal de que não se pode confiar na palavra de Washington. (Valor Econômico)

 

MEIO AMBIENTE: Avanços no Sistema de Gestão Ambiental facilitam a vida do cidadão

meio ambiente 04 12 2019O Governo do Paraná promove avanços no Sistema de Gestão Ambiental (SGA) para tornar mais ágeis os processos e facilitar a vida do cidadão. A Celepar, em parceria com o Instituto Ambiental do Paraná (IAP), disponibilizou uma nova versão do SGA, com novidades no processo de licenciamento e autorização ambiental.

Mais opções - “Agora o sistema traz mais opções de serviços para sair do papel e tornar os processos mais ágeis”, explica o diretor-presidente do IAP, Everton Luiz da Costa Souza. O presidente da Celepar, Leandro Moura, diz que a tecnologia é a grande aliada para proporcionar agilidade e desburocratização. “Desta forma, o cidadão tem algo precioso em mãos, que é o tempo devolvido a ele em seu cotidiano”, afirma.

Coordenação - Os trabalhos de coordenação e definição das funcionalidades são realizados em conjunto com o Núcleo de Inteligência Geográfica e da Informação e a Diretoria de Monitoramento Ambiental e Controle da Poluição do IAP.

Novidades - Confira as principais novidades do SGA:

Corte de árvores - A nova versão do SGA disponibiliza o requerimento de Dispensa de Licenciamento Ambiental Estadual (DLAE) de autorização florestal para o corte de até 5 árvores nativas. O novo fluxo implantado permitirá, futuramente, incluir outros tipos de autorização florestal. Esta dispensa é necessária para atendimento aos pequenos agricultores e moradores em áreas urbanas, que precisavam fazer todo o trâmite de licenciamento para o corte.

Agilidade - A melhoria no sistema traz agilidade para este grupo de usuários, mas cabe ressaltar que esta dispensa não é emitida automaticamente. Em todas as solicitações é necessária a análise segundo critérios definidos pelos técnicos da área. Também é possível que sejam realizadas vistorias.

Emissões atmosféricas - Está sendo implantada no sistema a Declaração de Emissões Atmosféricas (DEA). Este documento faz parte do automonitoramento - condicionante importante para obtenção do licenciamento para empreendimentos que utilizam sistema de emissão atmosférica.

Autodeclaração - O empreendedor faz a autodeclaração sobre as atividades atmosféricas e, na outra ponta, os técnicos do IAP analisam se as informações declaradas estão em cumprimento com o que foi determinado pelo licenciamento para operar.

Inovação- A inovação no SGA agiliza esse processo. Antes as informações do automonitoramento eram fornecidas através de relatórios feitos pelo empreendedor e o preenchimento no sistema ficava a cargo dos técnicos do IAP. Agora, os procedimentos sistematizados permitirão a geração automática de inventários de emissões atmosféricas resultando em ações para a melhoria da qualidade do ar.

Desburocratização - A Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, junto com o IAP, fez revisões nas resoluções de avicultura, bovinocultura, suinocultura, agrotóxicos e empreendimentos imobiliários.

Segurança jurídica - A revisão visou mais segurança jurídica, padronização, desburocratização e adequação de porte para agilização dos licenciamentos destas atividades. As novas resoluções da Secretaria resultaram em alterações de porte de empreendimento e prazos de validade das licenças.

Funcionalidades - As funcionalidades implementadas no SGA para implantação das novas regras estabelecidas pelas revisões garantirão maior agilidade em processos como redução automática da modalidade do licenciamento na renovação, prorrogação da Licença Prévia (LP) e renovação automática da licença de instalação (LI).

SGA - A ferramenta foi desenvolvida em 2014 pelo IAP, em parceria com a Celepar, e propõe uma solução informatizada que facilita o processo de licenciamento. Números mostram que, desde sua implementação, a espera dos usuários diminuiu cerca de 60%. Antes os processos eram físicos e demandavam mais tempo dos servidores do IAP.

Novo serviço Voo Livre no site - O IAP disponibilizou em seu SITE o serviço de Solicitação de Cadastro no Programa Voo Livre. Este cadastramento é feito por pessoas que tenham interesse em licenciar suas áreas para se tornarem Aras e Asas

ARAS - São Áreas para Reabilitação de Animais Silvestres que dispõe de estrutura física (recintos e demais instalações) que possam assistir os animais de forma a readquirirem as condições anatômicas e funcionais, por meio de técnicas de treinamento físico e comportamental, visando a sua soltura em ambiente natural e posterior monitoramento.

ASA - São Áreas de Soltura de Animais Silvestres que possuem características ambientais (existência de remanescentes vegetacionais significativos, disponibilidade de corpos d'água, entre outras) que propiciam a soltura da fauna no local, sem o objetivo de prover reabilitação de espécimes.

Desenvolvimento - O desenvolvimento foi feito pela Celepar, com coordenação do Núcleo de Inteligência Geográfica e da Informação e da Diretoria de Avaliação de Impacto Ambiental e Licenciamentos Especiais do IAP. (Agência de Notícias do Paraná)

 

COP 25: Mudança do clima elevará gastos com saúde, diz a OMS

cop25 04 12 2019Proteger a saúde pública dos impactos da mudança do clima é mais urgente do que nunca, indica um relatório divulgado nesta terça-feira (03/12) pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na conferência do clima de Madri, a CoP 25. “A mudança do clima não só está aumentando a conta que futuras gerações terão de pagar, mas é um preço que pessoas estão pagando agora”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, da OMS.

Mortes - “Mais de 7 milhões morrem todos os anos por doenças relacionadas à poluição do ar, que tem relação com mudança do clima”, disse Maria Neira, diretora de Meio Ambiente, Clima e Saúde da OMS.

Planos - Pesquisa feita em 2017/2018 pela OMS mostra que só metade dos países analisados tem planos para lidar com problemas climáticos na saúde - de mais casos de malária pela proliferação de mosquitos a mortes por ondas de calor. (Valor Econômico)

 


Versão para impressão


RODAPE