Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4917 | 29 de Setembro de 2020

MERCADO: Fórum sobre tendências do agro para a safra 2020/21 será realizado nesta quarta

O Fórum de Mercado que vai debater as tendências do agronegócio para a safra 2020/21 será realizado nesta quarta-feira (30/09), com transmissão ao vivo pela TV Paraná Cooperativo, das 14h às 16h30. Para falar sobre o tema foram convidados André Pessôa, engenheiro agrônomo da Agroconsult e especialista em análise de mercado e política agrícola, além de Luiz Renato Lazinski, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), com mais de 30 anos de serviços prestados ao Ministério da Agricultura.

Participações - Haverá também a participação dos secretários estaduais Márcio Nunes, da Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest), e Norberto Ortigara, da Secretaria da Agricultura e Abastecimento (Seab), e dos presidentes do Sistema Faep/Senar, Ágide Meneguete, e do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken.

Realização - O Fórum de Mercado é uma realização conjunta do governo do Estado, por meio da Sedest e Seab, e Sistemas Ocepar e Faep/Senar.

Link - Para assistir à live, acesse: https://bit.ly/343X9xb.

2forum mercado

 

INOVAÇÃO I: Mais de 270 profissionais das cooperativas do PR acompanharam o Fórum promovido pelo Sistema Ocepar

Duzentas e setenta e cinco pessoas acompanharam o Fórum de Inovação do Cooperativismo Paranaense promovido virtualmente pelo Sistema Ocepar, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem do cooperativismo (Sescoop/PR), na tarde desta segunda-feira (28/09), pela plataforma Microsoft Teams. Entre os participantes estavam profissionais das cooperativas do Paraná que atuam nessa área e os agentes de inovação, que são os alunos dos ciclos 2018/2019 e 2020/2021 do Programa de Inovação do Cooperativismo Paranaense.

Palestras - Eles puderam conferir as palestras ministradas pelos especialistas Wendel Afonso, direto de Boston, nos Estados Unidos, que falou sobre habilidades em inovação, e Andrea Iorio, que abordou a questão da transformação digital no cooperativismo. Além disso, houve a apresentação de cases de sucesso da Bosch e da Aker Solutions. Ao final, foi apresentada uma proposta para o Programa de Educação Continuada 2021 do Sescoop/PR. O evento foi conduzido pelo coordenador de Desenvolvimento Cooperativo, Leandro Macioski, e mediado pelo professor do Isae, Hélio Gomes de Carvalho.

Abertura - “Nosso propósito é estruturar um trabalho de inovação nas cooperativas do Paraná. Inovação é uma atitude. Nós temos que despertar uma atitude criativa e inovadora. Essa é a razão do Programa de Inovação do Cooperativismo Paranaense”, afirmou o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, ao abrir a programação do Fórum. “E, para isso, é necessário ter as melhores informações e metodologias. Nós queremos que as cooperativas se estruturem para termos realmente todas as condições de investir em inovação. Na verdade, nós precisamos disso, pois é uma questão até de perpetuar nossos empreendimentos cooperativos”, complementou o dirigente.

Planejamento com inovação - Ricken lembrou que o avanço do setor na área de inovação está previsto no atual planejamento estratégico do cooperativismo paranaense, o PRC100, que será encerrado ao final deste ano, com o cumprimento da meta financeira de atingir R$ 100 bilhões de faturamento. E o tema também estará presente no próximo desafio, o PRC200, cujo objetivo é alcançar R$ 200 bilhões de movimentação econômica. “Evidentemente esse desafio é bem maior e como queremos estruturar isso? Usando a metodologia do PRC100, conjugando com os resultados do 14º Congresso Brasileiro do Cooperativismo, realizado no ano passado, e usando os 11 propósitos de desenvolvimento do Sistema Ocepar. Esses três itens têm algo em comum: todos contemplam a inovação em suas ações. O nosso objetivo de investir nessa área está bem sedimentado e, da parte da diretoria do Sistema Ocepar, posso garantir que vocês terão todo o apoio necessário para que tenhamos um excelente Programa de Inovação do Cooperativismo Paranaense”, finalizou.

O Programa - O Programa de Inovação do Cooperativismo Paranaense é uma iniciativa do Sistema Ocepar desenvolvida por meio do Sescoop/PR, em parceria com o Isae - Instituto Superior de Administração e Economia. Teve início em 2018, com a adesão de 70 cooperativas do Paraná, mais de 500 participantes e formou 14 turmas no ano passado, com mais de 350 pessoas certificadas. No dia 24 de agosto, começaram ser capacitadas as primeiras turmas do ciclo 2020/2021. Serão 192 horas de capacitação, com término previsto para outubro de 2021. Desta vez, 543 representantes de 68 cooperativas, dos ramos agropecuário (28), crédito (22), saúde (16), transporte (1) e trabalho (1) se inscreveram no Programa. Nesse total estão ainda incluídos os profissionais do Sistema Ocepar. Os participantes foram distribuídos em 17 turmas e serão realizadas trilhas em comum e, em outros momentos da formação, eles serão divididos conforme o seu perfil, informa o coordenador de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, Leandro Macioski.

 

{vsig}2020/noticias/09/29/forum_I/{/vsig}

 

INOVAÇÃO II: Palestras abordaram habilidades e transformação digital no cooperativismo; houve ainda apresentação de cases

A primeira palestra do Fórum de Inovação do Cooperativismo Paranaense foi apresentada, na tarde desta segunda-feira (28/09), por Wendel Afonso, convidado a abordar o tema “As skills de inovação”. CEO da Harmony Baby Nutrition, uma startup baseada em biotecnologia de ponta, ele possui experiência em gerenciamento de empresas de base científica, produtos de consumo, estratégia de negócios e propriedade intelectual. Tem MBA pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (Massachusetts Institute of Technology - MIT, na sigla em inglês), é mestre em Ciências e Tecnologias de Alimentos pela Universidade Federal de Minas Gerais e bacharel em Farmácia.

Atuação - Wendel contou que começou a atuar na área de inovação meio que por acaso, após uma frustração quando estudava Farmácia e Bioquímica. Resolveu fazer outros cursos, um deles sobre Empresas Iniciantes de Base Tecnológica, que proporcionou uma experiência bem-sucedida, com a criação de uma empresa que produzia fórmulas infantis para bebês, juntamente com um professor. “Foi um grande sucesso, chegou a ser capa de revista em 2015. Mas, dois anos depois, ela quebrou. Foi um choque”, relatou. Após virar empreendedor e trabalhar com inovação, foi atrás do sonho de conhecer uma instituição que pudesse contribuir mais com o seu aprimoramento e estudou no MIT, nos Estados Unidos. “Certamente é a mais prestigiada e a mais reconhecida do mundo inteiro como geradora de inovação e tecnologia. Mais de 90 ganhadores do Prêmio Nobel são ex-alunos, membros do corpo docente ou pesquisadores do MIT”, afirmou Wendel.

Ecossistema de inovação - Um dos pontos que ele abordou em sua palestra foi sobre o ecossistema de inovação, a partir da observação de cientistas do MIT sobre o fato de haver no mundo lugares que geram mais inovação que outros. Os Estados Unidos, por exemplo, detêm três milhões de patentes, muito mais do que qualquer outro país. De acordo com a professora Fiona Murray e sua equipe no MIT, são cinco os elementos para se obter de fato um ecossistema de inovação. “O mais importante é o empreendedor, pois é ele quem empurra a cadeia, faz gerar o ciclo. Mas, sozinho, não é suficiente. Você também precisa de dinheiro, capital de risco, governo, universidades e a corporação, e eu quero falar especialmente sobre isso”, afirmou. Mas antes de chegar a esse ponto, o palestrante comentou outras questões relativas ao tema.

Disrupção - Para falar sobre como funciona a inovação no mundo corporativo, primeiro Wendel fez um paralelo, lembrando do conceito de disrupção, criado pelo professor de Harvard, Clayton Christensen. “Ele publicou um livro, 1997, chamado o dilema da inovação. Esse livro é muito interessante e onde, pela primeira vez se explicou porque as grandes empresas sofriam disrupção por causa da inovação. Elas eram pegas de calca curtas. O mercado mudava e elas não regiam em tempo. Segundo o professor Clayton, a inovação disruptiva, seja ela de um produto ou serviço, não tem a maior atratividade para os maiores líderes dessa indústria. É quase que um puxão de orelha que ele dá nos grandes líderes”, disse.

Bombardier - Depois, Wendel lembrou da experiência que teve em uma aula ministrada no MIT, por Simon Johnson, que foi o presidente do FMI em 2008, e apresentou o caso envolvendo Brasil e Canadá, e as empresas aéreas Bombardier versus Embraer. “Na hora de apresentar esse case, o professor contou como o Brasil foi excelente em se organizar em termos de sistema de inovação. Ele mostrou como as universidades, como a UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) e o ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), trabalharam gerando conhecimento para a Embraer e como o governo apoiou a iniciativa. Depois, o professor olhou para todos os alunos, perguntou se havia brasileiros na turma e disse: ‘Obrigado, Brasil. Obrigado pelo que vocês fizeram tem termos de aviação mundial. Eu adoro andar nos jatos de vocês. É impressionante como vocês derrubaram os preços das passagens aéreas. Isso impactou de forma muito positiva a economia mundial. Muito obrigado pelo que vocês fizeram. Para nós, o Brasil é o país do futuro, do futuro, do futuro. Por quê?’, questionou, se dirigindo aos alunos brasileiros”, contou o palestrante.

Contraste - Ainda de acordo com ele, o professor Simon também mostrou um gráfico indicando que, em 2012, 90% dos brasileiros demonstraram desejo de empreender, muito mais do que na China e nos Estados Unidos. “Porém, na contramão disso, trouxe outro quadro feito pelo Banco Mundial, com um ranking de 190 países. Os países que estão no topo são mais propícios a criar negócios, como Nova Zelândia, Singapura e Hong Kong. E os últimos da fila, são os mais difíceis de criar negócios. O Brasil está na posição 124. Olha o contraste que temos nas mãos. Apesar de ter um grande desejo de criar tecnologia e inovação, nós estamos lá no final da cadeia quando a gente pensa nesses rankings de quanto é difícil fazer negócio no Brasil.”

Questionamento - Wendel, então, perguntou aos participantes do Fórum de Inovação: “Se você estivesse na sala de aula comigo, no MIT, como você responderia à pergunta do professor Simon? Por que o Brasil é o país do futuro, do futuro, do futuro? Se o nosso país é capaz de ter um case como o da Bombardier, por que as coisas não estão acontecendo? E mais, tragam suas respostas para o ambiente atual de inovação que temos. Tragam essas respostas para dentro das suas corporações. Lembra que a gente disse que um pouco de impacto que você provoca numa grande corporação, como a maioria de vocês terão essa responsabilidade, gera um efeito muito grande?”, provocou.

Papel do agente - O palestrante finalizou destacando o papel dos agentes de inovação. “O que não falta em nosso povo são mentes brilhantes, pessoas capacitadas. Falta às vezes esse mindset propício a entender as mudanças, acompanhá-las e fazer as coisas de forma excelente. O desafio de vocês como agentes de inovação é enorme. Eu preciso ser muito claro. Não vai ser simples. Mas é muito importante, é recompensador que nós possamos agir e ter um papel fundamental para transformar, não só aquela indústria, aquela corporação, aquela cooperativa que estamos envolvidos, mas atuar como agentes de transformação de um país inteiro”, concluiu Wendel.

Transformação digital - Na sequência, Andrea Iori, apresentou a palestra sobre transformação digital no cooperativismo. Com dez anos de experiência em multinacionais e em tecnologia, ele foi chefe da divisão de produtos profissionais da Loreal e lançou o Tinder Brasil. É investidor anjo de diversas startups de aplicativos, autor do livro “Seis competências da transformação digital”, além de ser fundador da ONG Apps do Bem. Italiano, Andrea mora há nove anos no Brasil. Ele iniciou falando sobre como surgiu a câmera fotográfica Polaroid, em 1944, com a pergunta de uma criança de quatro anos ao pai. “Na época, você tinha que revelar as fotos e ela perguntou: posso ver a foto que você acabou de tirar? E o pai disse obviamente que não. Não havia nenhuma tecnologia para isso. Porém, ele ficou incomodado, desenvolveu e criou a Polaroid, uma empresa que prospera até hoje. Esse é Edwin Land”, disse o palestrante.

Pontos de vistas diferentes - “O grande ponto dessa questão é porque eu começo a discussão sobre a transformação digital tratando desse tema. É porque nenhum adulto teria feito uma pergunta como essa. A inovação nasce a partir do nosso poder de ter pontos de vistas diferentes e, muitas vezes, desafiar crenças que a gente acha que de fato são fixas. Muitas vezes os padrões do passado, em vez de serem soluções, são travas, e a gente não consegue olhar o momento atual sob uma perspectiva diferente”, acrescentou.

Cooperativismo - O palestrante depois citou o cooperativismo. “Em 2019, quem imaginaria que o setor de saúde seria transformado pela telemedicina. As Unimeds se adaptaram com grande velocidade, inclusive. Quem teria acreditado que Brasil seria um dos primeiros a serem aceitos pelo Whatsapp para realizar pagamentos via aplicativo, inclusive incluindo uma cooperativa de crédito como agente financeiro? Quem teria imaginado muitas das coisas que aconteceram a partir de março de 2020? Com certeza, poucos. Um adulto, em 1944, nunca teria perguntado se poderia ver a foto que você acabou de tirar porque já sabia da resposta. E nós temos um monte de respostas para muita coisa. O grande ponto é que temos que resgatar a nossa força de fazer perguntas.”

Características - Andrea destacou na sequência, as dinâmicas do mundo digital. “Para mim, o mundo digital tem cinco grandes características que o fazem diferente em relação ao mundo do passado. Primeiro, ele é um mundo conectado e com efeitos de rede. Não é mais aquele mundo linear, analógico, previsível. É um mundo de correlações ocultas, onde algo que não faz parte do nosso negócio, porém faz parte do dia a dia do cliente, afeta e transforma as nossas indústrias e nossas cooperativas”, frisou.

Tempo real - “Segundo, é um mundo onde tudo acontece em tempo real e a expectativa do cliente não é nada menos disso e do cooperado também. Terceiro, é um mundo de dados. Onde cada interação é metrificada e isso obviamente nos dá chance de mergulhar nesse mundo de dados mas, ao mesmo tempo, para quem não souber usá-los, isso representa uma trava, você fica indeciso”, afirmou. A quarta característica desse mundo digital é a exponencialidade, de acordo com o palestrante. “É um mundo onde enfrentamos novidades a cada momento e a taxa de mudança é cada vez mais rápida. E, por último, o mundo da inteligência artificial, onde a tecnologia ameaça substituir algumas de nossas capacidades competitivas, pelo menos. Então, o que sobra para nós? Essa capacidade de questionar, por exemplo. A empatia, além da colaboração, que é uma das grandes características das cooperativas”, salientou.

Respostas - “E, quando nós combinamos a mente de principiante, que é o grande chamado que eu utilizei para começar essa palestra, a gente vai conseguir desenvolver algumas respostas, novos comportamentos, metodologias, para poder responder essas dinâmicas que estão, de fato, transformando mercados, mercados tradicionais. Diante disso, podemos fazer duas escolhas: ser espectadores dessas mudanças e ver as oportunidades passarem ou podemos reagir”, complementou.

Antifrágil - Segundo Andrea, desde a sua origem, em 1844, o cooperativismo possui uma forma de atuação diferenciada. “O cooperativismo é um modelo resistente à crise. É verdadeiramente antifrágil, ou seja, ele se reforça nos momentos mais críticos e a colaboração é a grande resposta para as crises”, pontuou. O palestrante destacou ainda a importância das cooperativas resolverem as dores dos cooperados, onde é importante mergulhar no mundo dos dados para antecipar as necessidades deles. Também disse que é preciso ficar atento às tendências de outros setores que não fazem parte do mesmo segmento para obter novas ideias e ter “atitude maker”, ou seja inovar, abrindo mão de velhas receitas de sucesso. “Não tem transformação digital sem riscos, sem sair do dia a dia”, salientou. De acordo com Andrea, executar e ter protótipos são outros itens fundamentais. Da mesma forma, não se pode ter medo de errar e é necessário ir ajustando o processo de forma assertiva, com ações diárias e fundamentadas em feedbacks. Ele disse ainda que estamos na era da adaptabilidade e que um outro pilar importante é buscar escala nos negócios, a partir das necessidades do cliente.

Cultura da inovação - O palestrante tratou de outro aspecto relevante: a cultura da inovação. “O que precisamos para fomentar uma cultura de inovação nas nossas cooperativas? Precisamos de recursos financeiros. Porém, não basta apenas ter recursos mas, também, não tirá-los do orçamento na metade do ano quando as coisas estão mais ou menos. Precisamos de tempo, precisamos de um sistema claro de incentivos e recompensas. Precisamos de inteligência coletiva. Imaginem quanto conhecimento nossos cooperados têm. Que responsabilidade nossa em armazenar e compartilhar essa inteligência. Necessitamos de colaboração, empoderamento e autonomia”, afirmou.

Oportunidade - “Eu compartilhei algumas alavancas e pilares que podem contribuir com o processo de inovação e quero de novo fazer esse chamado, de explorar esse enorme potencial que o cenário da transformação digital nos está dando. É uma oportunidade de nós nos desapegarmos dos padrões do passado e entender que os desafios apresentados nesse mundo que combina o digital com a crise da Covid-19 nos fazem mais fortes. O modelo que o cooperativismo segue desde 1844, através da colaboração, é verdadeiramente uma grande solução para a crise. E, combinando o passo a passo que alimenta esse círculo virtuoso que nunca acaba, de identificação de dores constantes através de dados, de execução e prototipação rápida graças ao digital, e de escala, baseado com foco no cliente, nós conseguimos, de fato, transformar nossas cooperativas e reposicioná-las cada vez mais como ponto nevrálgico da economia brasileira”, concluiu.

Cases - No Fórum de Inovação do Cooperativismo Paranaense houve ainda a apresentação de dois cases: Eduardo Martins falou sobre o Bosch Agro 4.0 Nevonex. “O que a Bosch propõe como o Nevonex é disponibilizar para o mercado um ecossistema para que se desenvolva e se usem soluções agrícolas de uma maneira neutra, aberta, limpa, honesta e sem nenhum tipo de dado aquisitado. A Bosh tem interesse em prover essa solução para que as empresas possam desenvolver seus conteúdos no ambiente agrícola. E vemos as cooperativas com parte importantíssima na cadeia do Nevonex, seja como propagador, como instaladoras ou até mesmo como provedoras de conteúdo, já que várias cooperativas prestam assistência para o produtor. Esse é um case de grande sucesso, lançado no ano passado”, afirmou.

Aker Solutions - Já Paulo Chiquito discorreu sobre o processo de inovação implantado na Aker Solutions, que obteve o Prêmio Nacional de Inovação na edição 2018/2019, como Destaque em segurança e saúde do trabalho entre as empresas mais inovadoras do país. “Foi um processo de transformação da Aker Solutions. Fomos contemplados em uma categoria que nós não esperávamos. O Prêmio é dividido em várias categorias: gestão da organização, gestão da inovação, inovação de produtos, processos, marketing e organizacional. Nós estávamos concorrendo em inovação organizacional com mais duas empresas. A segurança e a saúde representam um valor para a empresa e demonstra o extremo cuidado que temos com os colaboradores por conta do ambiente agressivo, complexo e insalubre a que os operadores estão expostos. Você precisa ter um cuidado muito forte para não provocar danos ao meio ambiente e preservar a saúde dos trabalhadores. Nós mostramos isso aos gestores do prêmio e acabamos ganhado em algo que nem sabíamos que éramos tão fortes assim, em comparação com outras empresas”, relatou Chiquito.

Encerramento - O evento foi encerrado pelo superintendente do Sescoop/PR, Leonardo Boesche. “A inovação é um tema de grande importância e acredito que seja um diferencial para o cooperativismo do Paraná. O nosso grande desafio é construir uma cultura de inovação para o sistema cooperativista paranaense”, afirmou. Ele informou que, no ano passado, 30 presidentes de cooperativas participaram de uma formação no MIT e que agora, em outubro, será realizado o mesmo curso de liderança e inovação em parceria com a instituição de ensino norte-americana, com 50 vagas para dirigentes de cooperativas paranaenses. Ele será ministrado de forma online e em português. “É uma oportunidade muito boa que estamos disponibilizando para nossas cooperativas. O Sescoop/PR tem se dedicado especialmente em atender as demandas do setor e fazemos questão de oferecer essas possibilidades de formação em temas atuais, como a inovação, por exemplo, com um viés na cultura cooperativista. Há vários cursos no mercado, mas o Sescoop/PR promove as formações de acordo com a linguagem cooperativa, que é o diferencial que procuramos trazer em todos os nossos programas”, concluiu.

Links - Clique nos links abaixo para conferir as apresentações do Fórum.

Palestra Wendel Afonso

Case Bosch

Case Aker Solutions

 {vsig}2020/noticias/09/29/forum_II/{/vsig}

 

INOVAÇÃO III: Sescoop/PR lança dois novos cursos dentro do Programa de Educação Continuada 2021

Os profissionais das cooperativas do Paraná e do Sistema Ocepar que concluíram o ciclo 2018/209 e foram certificados pelo Programa de Inovação do Cooperativismo Paranaense para atuar como agentes de inovação terão a oportunidade de prosseguir aprimorando os conhecimentos na área. O Sescoop/PR lançou dois cursos, na tarde desta segunda-feira (28/09), dentro do Programa de Educação Continuada 2021, apresentado durante o Fórum de Inovação pela analista da entidade, Ketlyn Sharon Zipperer Mali.

ISO 56002 -  Ambos serão realizados a partir do ano que vem. O primeiro, intitulado “ISO 56002 – Sistemas de Gestão da Inovação”, vai tratar sobre o conjunto de regras criado para normatizar a inovação, conciliando conceitos e visões, além de interesses em trabalhar temas comuns dentro das organizações, com o objetivo de criar uma linguagem comum sobre o tema. “O guia ISO 56002 foi criado em 2019, mas ainda está sendo traduzido e em breve será disponibilizado pela ABNT no Brasil”, informou Ketlyn. De acordo com ela, a ideia é trabalhar uma proposta diferente. “O objetivo é entender como implantar a norma, adaptando-a à realidade das cooperativas. Normalmente, as empresas é que se ajustam às regras de ISO”, destacou. A formação terá carga horária de 48 horas e será realizada em módulos online.

Design Sprint - O outro curso vai tratar sobre Design Sprint. “O design sprint é um tipo de metodologia ágil, focado em elaborar uma solução de design para um determinado desafio existente. É um processo mais ‘mão na massa’, que parte de um problema real existente na cooperativa, trabalhado de modo que o agente consiga fazer uma entrega”, explicou Ketlyn. Ainda de acordo com ela, o design sprint é utilizado para criar um conceito, validar uma hipótese ou acelerar uma ideia. “É realizado em cinco etapas: mapeação, ideação, decisão, prototipação e testagem”, destacou a analista do Sescoop/PR. Esta formação também terá carga horária de 48 horas e será realizada em módulos online. Os dois cursos serão finalizados com Workshops Online, destinados a apresentar as boas práticas e as lições aprendidas. Clique no link abaixo para obter mais detalhes sobre os dois cursos, como objetivo, habilidades que serão desenvolvidas, estrutura e pré-requisitos.

Programa de Educação Continuada 2021

{vsig}2020/noticias/09/29/forum_III/{/vsig}

COVID-19: Confira o comunicado 127 publicado pelo Comitê de Acompanhamento

covid 19 destaque 29 09 2020O comunicado 127, divulgado pelo Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar na manhã desta terça-feira (29/09), traz mais informações sobre ações do sistema cooperativista, como a realização das reuniões com a Transcoopercam e do Comitê Técnico do Ramo Crédito, além do Fórum de Inovação do Cooperativismo Paranaense. Confira abaixo todos os destaques do boletim.

1. O Sistema Ocepar, no dia 28 de setembro, realizou de forma virtual uma Reunião da Autogestão com a cooperativa Transcoopercam, com a participação do corpo diretivo e gestores.

2. No dia 28 de setembro, o Sistema Ocepar realizou a 6ª Reunião do Comitê Técnico do Ramo Crédito do Paraná, para verificar oportunidades de negócios entre as cooperativas.

3. O Sistema Ocepar, por meio do Sescoop/PR, no dia 28 de setembro, realizou o Fórum de Inovação do Cooperativismo Paranaense.

4. No dia 28 de setembro, o Sistema Ocepar, em conjunto o Sistema OCB e o Ministério da Agricultura – Mapa, finalizou o projeto piloto de capacitação de prevenção à corrupção DEPE - De Empresas Para Empresas, programa da Alliance for Integrity, para um grupo de cooperativas agropecuárias paranaenses.

5. O Sistema OCB, no dia 28 de setembro, assinou o Manifesto do Setor Produtivo pela garantia da competitividade do agronegócio brasileiro. Clique aqui para acessar.

6. O Ministério da Agricultura – Mapa, no dia 23 de setembro, publicou a Portaria nº 129, que prorroga a vigência da Declaração de Aptidão ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf (DAP), devido ao estado de calamidade pública, reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020, do Congresso Nacional, decorrente da pandemia da Covid-19 causada pelo Coronavírus. Clique aqui para acessar a Portaria nº 129.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa). Desde que o trabalho remoto foi adotado pela instituição, em 20 de março, os integrantes se reúnem diariamente, por meio de videoconferência, para analisar cenários e discutir o andamento das atividades visando atender as demandas das cooperativas. O Comitê tem ainda divulgado os comunicados para informar as principais ações de interesse do cooperativismo paranaense que estão sendo executadas pelo Sistema Ocepar nesse período de pandemia.

 

REUNIÃO INSTITUCIONAL: Cooperativa pede ajuda da Ocepar para facilitar movimentação na fronteira com o Paraguai

Na tarde desta segunda-feira (28/09), durante reunião com representantes do Sistema Ocepar,  a diretoria da Cooperativa dos Caminhoneiros de Foz do Iguaçu e Região (Trascoopercam), com sede em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, solicitou à  entidade que faça gestões junto às autoridades brasileiras para facilitar a movimentação dos cooperados pela aduana Brasil/Paraguai, pois, segundo os diretores, ao cruzar a fronteira a trabalho, são obrigados a ficar no país vizinho de três a quatro dias em local sem estrutura e sem poder nem mesmo sair dos caminhões. Ocorre que a fronteira está fechada como medida de prevenção ao coronavírus, situação agravada com o excesso de burocracia imposto pelas autoridades aduaneiras, dificultando o trabalho deles, mesmo o transporte sendo considerada uma atividade essencial. 

Encaminhamento - O coordenador de Monitoramento, João Gogola Neto, que abriu a reunião, a 71ª na modalidade virtual, disse que o Sistema Ocepar vai levar a demanda da Trascoopercam à Organização das Cooperativa Brasileiras (OCB), em Brasília, para que a entidade nacional articule o encaminhamento do pedido a setores do governo federal visando encontrar uma solução para o problema, bem como para algumas questões pontuais do lado brasileiro, referentes basicamente à burocracia policial e fiscal.  A Ocepar e a OCB, mesmo virtualmente devido à pandemia da Covid-19, têm afinado ainda mais a sintonia para o encaminhamento e busca de atendimento às demandas das cooperativas junto às autoridades e instituições federais.

Encontro - As reuniões institucionais objetivam fazer a apresentação e discussão da situação econômico-financeira da cooperativa através de indicadores e comparativos com outras organizações paranaenses do mesmo ramo e região. O acompanhamento do desempenho ajuda a manter a qualidade da gestão, credibilidade perante terceiros, transparência perante o quadro social e, principalmente, a solidificação do sistema cooperativista. No encontro,  o coordenador de Monitoramento detalhou as ações que o Sistema Ocepar tem realizado no desempenho de sua função institucional e, especificamente, aquelas voltadas para o ramo transporte.

Agenda - Da pauta da reunião, constaram as apresentações sobre  Perspectivas de Mercado, a cargo do analista de Desenvolvimento Técnico da Getec, Jhony Moller; Cenário Econômico de Financeiro do Cooperativismo Paranaense e da Trascoopercam, pelo analista Técnico da Gecoop, Rodrigo Donini, e Atividades Finalísticas do Sescoop/PR, pela analista técnico da Gecoop, Cristina Moreira.

Cooperativa – Liderados pelo presidente Elvis Alexandre Trentini, a diretoria da Trascoopercam recepcionou o Sistema Ocepar em encontro que durou cerca de duas horas. A cooperativa, que tem 61 cooperados, faturou R$ 1,88 milhão em 2019. 

{vsig}2020/noticias/09/29/reuniao_institucional/{/vsig}

 

RAMO CRÉDITO: Comitê inicia discussões para compartilhamento de soluções e serviços

Os trabalhos do Comitê Técnico do Ramo Crédito estão avançando. Na tarde desta segunda-feira (28/08), o Sistema Ocepar coordenou mais uma reunião do grupo para discussão de ações que podem ser objeto de intercooperação entre cooperativas de crédito ligadas a sistemas ou com atuação independente. “Este comitê já é um começo. Tudo inicia com informação e alinhamento. Algumas questões são iguais a todos, então, podemos listar, esmiuçar e avaliar o que podemos fazer em conjunto”, disse o diretor de Supervisão da Central Sicredi/PR/SP/RJ, Reginaldo José Pedrão.

Fortalecer a bandeira - Entre os temas comuns elencados pelas cooperativas de crédito presentes à reunião, estão: gestão de riscos, prevenção de lavagem de dinheiro, LGPD, compliance, auditorias, transporte de valores, responsabilidades dos administradores, estrutura de capital, fomento empresarial, ouvidora, estrutura de capital e sustentabilidade. “Só com esta discussão, percebe-se uma evolução no espírito da intercooperação entre as cooperativas de crédito. Isto, por si só, já fortalece o cooperativismo. E percebemos que há uma sinergia entre as cooperativas, em relação ao que pode ser feito em conjunto”, afirmou o diretor executivo da Credicoamo, Alcir Goldoni.  

Comunicação - “Outro ponto importante é a comunicação. Hoje se gasta muito em divulgação e marketing, então, poderíamos construir um projeto coletivo com foco no  fortalecimento da bandeira do cooperativismo, despertando na sociedade paranaense o interesse pelo cooperativismo”, frisou o coordenador da Carteira de Crédito da Central da Cresol Baser, Marcos Olair Kempf. “Se a gente unir forças e buscar uma construção coletiva, ganhamos tempo e reduzimos custos”, completou Adinam Kielb, diretor Administrativo da Cresol. 

Avaliação - “Estamos felizes com o trabalho desse Comitê. Temos muitas discussões técnicas e desafiadoras para tratar. O próximo passo é analisar os temas elencados hoje e caminhar para a construção de uma proposta concreta de intercooperação entre as cooperativas de crédito”, avaliou o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken. Pelo Sistema Ocepar, também participaram da reunião o superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti, o gerente da área Técnica, Flávio Turra, o coordenador de Gestão Estratégica, Alfredo Kugeratski Souza, e os analistas Eliane Goulart Festa, Emerson Barcik, Maiko Zanella e Marli Vieira.

Atualização - O Comitê Técnico do Ramo Crédito foi criado para estimular uma maior interação entre as cooperativas do segmento, fortalecendo a visão sistêmica. Outra finalidade é informar sobre assuntos de interesse. Na reunião de ontem, por exemplo, o diretor do Sicoob Central Unicoob, Carlos Schlick, apresentou um pouco da nova configuração do Sistema Sicoob. “Com a união da confederação e do Bancoob, alguns serviços das centrais regionais serão centralizados em Brasília”, disse.

Representação - Já a gerente geral do Sistema OCB, Tânia Zanella, apresentou a agenda de trabalho da organização envolvendo Reforma Tributária, prorrogação do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), recuperação judicial e crédito rural. “Os trabalhos estão intensos. Só hoje, temos cinco reuniões para discutir a Reforma Tributária”, contou. Tânia falou ainda sobre o início de uma campanha de marketing conjunta. “A veiculação será feita em datas comemorativas, sendo que a primeira será realizada no Dia Internacional do Cooperativismo de Crédito (DICC), que ocorre na terceira quinta-feira do mês de outubro”, contou. Para essa campanha, o Sistema OCB está disponibilizando algumas peças de comunicação para redes digitais. Além disso, no site do Movimento SomosCoop, haverá uma área exclusiva para a campanha, para divulgação de informações do cooperativismo de crédito, conteúdos como fotos, curiosidades, histórias inspiradoras e dados que trazem a grandeza deste ramo.

{vsig}2020/noticias/09/29/credito/{/vsig}

 

SISTEMA OCB: Encontro das Mulheres Cooperativistas começa nesta terça

ocb 29 09 2020Começa nesta terça-feira (29/09) o Encontro Nacional das Mulheres Cooperativistas, totalmente voltado à presença feminina no setor agropecuário. O evento que é organizado pelo Grupo Conecta e que conta com o apoio do Sistema OCB termina na quarta, dia 30 de setembro. A programação contará até com uma feira agro virtual, com direito a exposição de produtos e serviços e, ainda, palestras específicas sobre temas como liderança feminina, por exemplo.

Nomes - Além de mulheres de todos os estados brasileiros, o encontro já tem confirmados importantes nomes do cenário político-econômico nacional, como o da Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, da gerente geral da OCB, Tânia Zanella, e de Teresa Vendramini, presidente da Sociedade Rural Brasileira.

Lideranças do setor - Além delas, o evento contará, também com a participação do presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, e dos presidentes Ronaldo Scucato (Sistema Ocemg), Edivaldo Del Grande (Sistema Ocesp), Luiz Vicente Suzin (Sistema Ocesc), e José Roberto Ricken (Sistema Ocepar). E, por fim, também está confirmada a participação do padre Fábio de Melo, que abordará a sabedoria feminina na edificação da família, da propriedade e dos negócios.

Estande virtual - O encontro que terá um estande virtual do movimento SomosCoop onde será possível ter acesso aos nossos materiais e publicações, conta, ainda, com o apoio das cooperativas Alfa, Camda, Coopama, Cooxupé, Integrada e Coplacana.

Programação - Acesse o site e confira a programação completa: https://gpoconecta.com.br/enmcoop/. (OCB)

 

SICREDI: Instituição financeira cooperativa chega ao Amazonas com inauguração de agência em Manaus

sicredi 29 09 2020O Sicredi dá mais um passo em seu projeto de expansão no território nacional com a inauguração de sua primeira agência em Manaus, marcando sua chegada ao Amazonas. Com a abertura no dia 28 de setembro, a instituição passa a estar presente em 23 estados brasileiros e no Distrito Federal, oferecendo mais de 300 serviços financeiros atrelados aos diferenciais do cooperativismo de crédito e fomentando o desenvolvimento local nas regiões onde atua.

Plano de expansão - O plano de expansão do Sicredi no Estado prevê a abertura de 20 novas agências nos próximos anos e envolve investimentos que totalizam R$ 20 milhões. Para a abertura da primeira delas, que será chamada de Soberane, foram aplicados R$ 1,2 milhão. Ainda em 2020, está prevista a inauguração de um segundo ponto de atendimento, localizado no Shopping Amazonas, para o qual o aporte será de aproximadamente R$ 600 mil. E a instituição já projeta a abertura de uma terceira agência na capital amazonense em 2021.

Inclusão financeira - Buscando gerar inclusão financeira da população e contribuir com o desenvolvimento de economias locais, o Sicredi também prevê a abertura das outras agências no estado nos municípios de Coari, Iranduba, Itacoatiara, Presidente Figueiredo, Tefé e Parintins. Além da oferta de produtos e serviços financeiros e investimentos que contribuem para o aquecimento das economias dessas localidades, a instituição prevê gerar 150 empregos diretos nos próximos anos.

Presença nacional e atuação regional - “Nossa chegada em Manaus reforça a visão do Sicredi de presença nacional e atuação regional. Ao mesmo tempo em que expandimos e abrimos novas agências em pequenas cidades, fortalecemos nossa aproximação com novos públicos e associados presentes também nos grandes centros urbanos e capitais. Mais do que a chegada na capital amazonense, a inauguração da agência representa uma aproximação nossa com a região Norte do país como um todo. É uma grande conquista para o cooperativismo de crédito e para a comunidade que vive na região”, comemora Manfred Alfonso Dasenbrock, presidente da SicrediPar e conselheiro do Woccu (sigla em inglês para Conselho Mundial de Cooperativas de Crédito).

Localização - A agência Soberane está localizada na Rua Salvador, 440, Edifício Soberane Mall, no bairro Adrianópolis, considerado o centro novo de Manaus, com muitos comércios e órgãos públicos situados no seu entorno. Projetada com base em padrões da arquitetura moderna, a nova agência oferece conforto e comodidade aos associados. A disposição dos ambientes e do mobiliário proporcionam mais proximidade e interação, um espaço totalmente pensado para oferecer a melhor experiência com Wifi e música ambiente para quem precisa de atendimento presencial. Conta com áreas de convivência, espaços coworking e estacionamento exclusivo.

Crescimento - “A chegada ao Amazonas reforça o movimento de crescimento do cooperativismo de crédito nas regiões Norte e Nordeste. Estamos muito orgulhosos de estarmos mais próximos da comunidade amazonense, podendo colaborar com o seu desenvolvimento por meio da nossa atuação”, afirma o presidente da cooperativa Sicredi Vale do Cerrado (que atende os estados de Mato Grosso e Amazonas), Sérgio Dezordi. Ele frisa que a abertura da agência no Estado tem apoio da comunidade, que demonstrou total interesse em ter a instituição financeira cooperativa na região.

Expansão para contribuir com economias locais - Pioneiro no segmento de cooperativismo de crédito no Brasil, o Sicredi tem investido fortemente na expansão para centros urbanos, além da atuação em cidades do interior pelos estados brasileiros onde está presente. Em 2016, a instituição inaugurou sua primeira agência na Av. Paulista, coração financeiro de São Paulo. Em 2017, marcou sua chegada aos estados das regiões Norte e Nordeste e, em 2018, abriu suas primeiras agências no Distrito Federal e em Minas Gerais.

Atuação - O Sicredi também preserva a atuação em diversas cidades do interior e do campo pelo Brasil, oferecendo fomento ao desenvolvimento local e regional e acesso a serviços financeiros aos associados. Atualmente, em mais de 200 municípios do Brasil é a única instituição financeira atuante fisicamente. Além de Manaus, está presente em mais de 1,4 mil cidades brasileiras, com mais de 1,9 mil agências.

Missão - O plano de expansão do Sicredi está atrelado a sua missão de contribuir com o desenvolvimento das regiões onde atua. Estudo encomendado pela instituição financeira à Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), publicado em fevereiro deste ano, concluiu que o cooperativismo de crédito incrementa o PIB per capita dos municípios em 5,6%, cria 6,2% mais vagas de trabalho formal e aumenta o número de estabelecimentos comerciais em 15,7%. A inauguração de uma agência do Sicredi, portanto, estimula o empreendedorismo e o desenvolvimento de economias locais. O impacto agregado em 1,4 mil municípios que passaram a contar com uma ou mais cooperativas durante o período do estudo foi de mais de R$ 48 bilhões em um ano. As cooperativas também foram responsáveis pela criação de 79 mil novas empresas e pela geração de 278 mil empregos.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 23 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.900 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI UNIÃO PR/SP: Espaço Conecta já está aberto à comunidade em Londrina

sicredi uniao 29 09 2020Numa cerimônia híbrida – presencial, com poucas pessoas, respeitando as normas de distanciamento social, e transmitida ao vivo para convidados – a Sicredi União PR/SP inaugurou sua 110ª agência na última sexta-feira, dia 25 de setembro, mesmo dia em que a cooperativa comemorou 35 anos desde sua fundação. A data, somada aos fatos de a cooperativa ter alcançado sua última meta para o ciclo 2016-2020, que era chegar a 110 agências, e a concretização de um sonho sonhado junto com várias pessoas, que era oferecer um espaço diferenciado a seus associados, deu um tom especial ao dia. “A gente fica emocionado e passa um filme na nossa cabeça, desde o começo da cooperativa até hoje”, pontuou o presidente da Sicredi União, Wellington Ferreira.

Atendimento diferenciado - A cidade escolhida para a 110ª agência foi Londrina e de tão diferenciada foi denominada de Espaço Conecta. Num ambiente de mais de 750 metros quadrados, a cooperativa oferece ali um atendimento gerencial aos associados e espaços que toda a comunidade pode usufruir, como uma loja de conveniência, um café, coworking, sala de games e área para realização de eventos como exposições, apresentações, palestras, entre outros.

Relacionamento - “Nosso objetivo, com esse espaço, é conectar pessoas e fortalecer relacionamentos”, destacou Ferreira. O Espaço Conecta está localizado na avenida Ayrton Senna, na Gleba Palhano.

Trajetória de sucesso - A Sicredi União nasceu dentro da cooperativa agrícola Cocamar para atender as necessidades de crédito de produtores rurais. No começo, eram três mil associados, nove agências e 25 colaboradores. Hoje, sendo de livre admissão (qualquer pessoa pode se associar), tem 400 mil associados, entre titulares, cotitulares e poupadores; tcerca de 1.300 colaboradores; atua no Norte e Noroeste do Paraná e Leste e Centro-Leste Paulista; possui R$ 6,9 bi em ativos e patrimônio líquido de R$ 518 milhões. “São números que muito nos orgulham. Nem mesmo os mais otimistas imaginavam chegar onde chegamos”, comentou Ferreira. Hoje, a Sciredi União PR/SP é a maior cooperativa dentro do sistema Sicredi.

Prestígio - As comemorações dos 35 anos e da inauguração do Espaço Conecta contou com várias atividades ao longo do dia, todas remotas. Participaram de uma das lives João Tavares, diretor-executivo do Banco Cooperativo Sicredi; José Roberto Ricken, presidente da Ocepar (Organização das Cooperativas do Paraná); Harald Spinola, chefe do Desuc/Bacen (Departamento de Supervisão de Cooperativas e de Instituições Não Bancárias do Banco Central); e Manfred Alfonso Dasenbrock, presidente nacional do Sicredi e da Central Sicredi PR/SP/ RJ. Todos os participantes destacaram a trajetória de sucesso da Sicredi União PR/SP e seu comprometimento com a comunidade onde está inserida. E também a importância do cooperativismo para o desenvolvimento da sociedade.

História - Numa live da tarde, o presidente Wellington Ferreira e o diretor-executivo, Rogério Machado, falaram sobre a trajetória da Sicredi União PR/SP, lembrando de todos os momentos que tornaram a cooperativa uma das mais importantes do país.

Shows - As comemorações foram encerradas com uma super live, com apresentações musicais e dança. Toda a programação foi transmitida do Espaço Conecta, que já está aberto a todos das 8 às 20 horas, de segunda a sexta-feira. O atendimento na agência segue o horário bancário, ou seja, das 11 às 16h. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICOOB UNICOOB: Cri8 Digital discutiu a importância da intercooperação no processo de inovação das cooperativas

sicoob 29 09 2020

Para dar continuidade ao debate iniciado em 2019, a Conferência sobre Inovação no Cooperativismo Financeiro – Cri8 ganhou uma nova edição. Diante da necessidade de respeitar o momento de pandemia e o distanciamento social, neste ano o evento teve um novo formato, totalmente on-line e gratuito.

 

Tema - A Cri8 Digital aconteceu nos 22, 23 e 24 de setembro e teve como tema principal “Inovação: Por que não começar pela intercooperação?”. Cerca de 1.500 inscritos acompanharam a programação, que contou com a apresentação de cases e palestras de dirigentes cooperativistas e especialistas em mercado financeiro, empreendedorismo e inovação que são referência no cenário nacional. Eles discutiram tendências de mercado, a importância das pessoas e da união de esforços no processo de inovação das cooperativas financeiras.

 

Grandes nomes - Participaram grandes nomes, como o empreendedor e escritor Maurício Benvenutti, o presidente do Centro Cooperativo Sicoob, Marco Aurélio Almada, o chefe do Desuc/Bacen, Harold Espínola, o ex-CEO da Pic Pay, Gueitiro Genso, entre outros.

 

Mudança - “Neste momento, tem ficado ainda mais evidente que a relação entre os agentes financeiros e seus clientes está em constante mudança. Precisamos buscar soluções que nos proporcionem inovar sem perder o DNA cooperativista e por isso, a discussão proposta pela conferência é tão importante”, comenta Luiz Ajita, presidente do Conselho de Administração do Sicoob Metropolitano e um dos idealizadores do evento.

 

Intercooperação e inovação - O tema da segunda edição da Cri8 destacou que, além das intensas transformações que o mercado financeiro tem vivenciado, a pandemia do novo coronavírus também mudou o cenário e as perspectivas do setor. Trata-se de um contexto inesperado e que tem exigido das cooperativas financeiras outras formas de colocar em prática seu planejamento para 2020 em diante.

 

Prosperidade econômica e social - Ainda que distantes fisicamente, as cooperativas têm trabalhado para contribuir com a prosperidade econômica e social de seus cooperados e das comunidades onde estão presentes. Essa contribuição tem ficado ainda mais evidente neste momento, em que o apoio das cooperativas financeiras se tornou essencial para a continuidade dos negócios, manutenção de empregos e renda de milhões de pessoas.

 

Transformações - "Diante de transformações tão intensas e desafiadoras, debates como esse que a Cri8 promoveu são fundamentais não só para o Sicoob Unicoob, mas para o sistema cooperativista como um todo, que tem se mantido firme. As pessoas são prioridade, e é por isso que prover soluções que atendam às suas necessidades não é uma obrigação, mas sim um compromisso", diz Wilson Cavina, presidente do Conselho de Administração do Sicoob Unicoob.

 

Sobre a Cri8 - A Conferência sobre Inovação no Cooperativismo Financeiro – Cri8 é uma realização do Sicoob Unicoob e correalização da Confederação Internacional dos Bancos Populares (CIBP). O evento conta com o patrocínio da Unicoob Corretora de Seguros, Unicoob Consórcios, Sancor Seguros, StarSe, Serasa Experian, 08 Inovação Consciente, Grupo Protege de Segurança e tem apoio da Confebras. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB MERIDIONAL: Cooperativa comemora os 50 mil cooperados

sicoob meridional 29 09 2020O Sicoob Meridional está em comemoração por uma importante conquista. Com uma conta aberta na cidade de Vera Cruz do Oeste (PR), a cooperativa acaba de chegar aos 50 mil cooperados.

Titular - A titular da conta é Rosangela Cappellesso, que decidiu fazer parte da cooperativa por indicação de familiares. “Toda a minha família tem conta no Sicoob, em uma agência que fica em uma cidade próxima a Vera Cruz do Oeste, e me fala muito bem. Então, eu decidi vir também”, explica.

Surpresa - Ela diz ainda que ficou surpresa ao receber uma ligação da presidente do Sicoob Meridional, Solange Martins, parabenizando a agradecendo por contribuir com essa meta. “Foi uma surpresa muito grande”, comenta.

Atendimento próximo - O gerente da agência, Anésio dos Santos, conta que o atendimento próximo e humanizado é sempre um grande diferencial para atrair novos cooperados. “A maioria das pessoas que chegam até a cooperativa é por indicação de outros cooperados que falaram bem do nosso atendimento”.

Consolidação - Segundo o diretor superintendente, Gilberto Albarello, o número representa a consolidação da cooperativa junto às comunidades onde está presente. “Nestes 17 anos, desde que abrimos nossa primeira agência, sempre nos pautamos na entrega de produtos e serviços financeiros com preço justo, buscando sempre sermos balizadores no mercado financeiro, para que tanto as taxas de juros como as tarifas sejam reduzidas”, explica.

Crescimento exponencial - Ele afirma ainda que a cooperativa vislumbra a manutenção do crescimento exponencial que teve desde o início até chegar nesta conquista do cooperado 50 mil. “Daqui para frente, projetamos novas conquistas de mercado, oferecendo os benefícios característicos de uma sociedade cooperativa.”

Meta - O objetivo agora é alcançar a meta de 54 mil cooperados e para isso, a cooperativa está promovendo uma campanha interna de incentivo, que também visa colaborar para que o Sistema Sicoob Unicoob atinja a marca de 500 mil cooperados. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB OURO VERDE I: Realizada a primeira entrega do Programa Trator Solidário

sicoob ouro verde I 29 09 2020Em setembro, o Sicoob Ouro Verde realizou sua primeira entrega do Programa Trator Solidário. A máquina foi adquirida pelo produtor rural Claudio Franco da Silva, que é de Guaravera (PR) e procurou a cooperativa para realizar o financiamento com as condições oferecidas pelo convênio.

Propriedade - A entrega foi feita na propriedade do cooperado e contou com a presença dos colaboradores Nádia Lovetro e Paulo Vancan, além do diretor-presidente, Elisberto Torrecillas, e da família do agricultor, que estava muito emocionada com a aquisição.

Iniciativa - O supervisor de Crédito Rural, João Carlos Bernardeli, explica que o Trator Solidário é uma iniciativa do Governo do Paraná, que busca fazer o crédito rural chegar a pequenos produtores com agilidade e melhores condições negociais. “O convênio é realizado com a revenda de máquinas, que tem como principais parceiros a Emater e agente financiador, nesse caso o Sicoob. Com isso, temos a redução de impostos que melhora o preço final do trator para o pequeno produtor rural”, afirma.

Agricultura familiar - “Por meio do programa, estamos incentivando a agricultura familiar, contribuindo com a produtividade e crescimento da renda agropecuária, além de fortalecer nossas relações com o pequeno produtor rural”, ressalta o diretor-presidente, Elisberto Torrecillas.

Sobre o programa - O programa Trator, Implementos e Equipamentos Solidários para a Agricultura Familiar do Estado do Paraná possibilita o financiamento, com preços mais acessíveis de tratores, pulverizadores e colhedoras para pequenos produtores. É uma parceria entre a Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, Emater, Fomento Paraná, agentes financeiros e cooperativas de crédito, além de fabricantes de implementos, equipamentos, tratores e máquinas agrícolas.

Produtividade - O Programa colabora para melhorar a produtividade nas lavouras e qualidade de vida no campo, especialmente na agricultura familiar e conta com a parceria do Sicoob, que é a primeira instituição financeira cooperativa a firmar convênio direto com Governo do Estado do Paraná. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB OURO VERDE II: Liderança e desenvolvimento de equipes é tema de treinamento para colaboradores

sicoob ouro verde II 29 09 2020Colaboradores do Sicoob Ouro Verde participaram do treinamento “Liderança e Desenvolvimento de Equipes”, que aconteceu nos dias 14, 15 e 16 de setembro, de forma on-line.

Instrutor - O curso foi ministrado pelo instrutor Jean Matos e na ocasião, os participantes conheceram os diferentes tipos de perfis profissionais, receberam dicas de como ter um relacionamento interpessoal e desenvolver as equipes, como dar e receber feedback e feedforward, entre outros temas relacionados.

Avaliação - Segundo a supervisora de atendimento, Marcela Santos dos Santos, o treinamento foi incrível, dinâmico, didático. Ela afirma ainda que a capacitação ressaltou muitos itens sobre liderança que até então eram desconhecidos por ela, mas que precisam ser analisados e aplicados para resultados positivos.

Sucesso - “O objetivo do curso foi concluído com sucesso, pois pude compreender que liderança vai muito além do que apenas delegar funções. É preciso conhecer sua equipe, motivar, saber se posicionar, falar, ter conhecimento das dificuldades, compartilhar ideias, ouvir, receber e dar feedback”, comenta. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

COPACOL: Outubro Rosa ganha cooperação da Tilápia Copacol no combate ao câncer de mama

Diagnosticado com precocidade, o câncer de mama tem grandes chances de cura. A conscientização sobre exames de rotina é uma aliada, por isso, quando chega outubro o alerta chega em tons de rosa em todo o mundo, em monumentos e prédios públicos. Cooperar sempre com a prevenção e o combate à doença tornou-se uma tradição com a Tilápia Copacol, que já chegou as gôndolas dos supermercados em embalagens especiais que remetem ao movimento Outubro Rosa.

Hospitais - Na terceira edição da campanha, a tilápia preferida do brasileiro pelo sabor e praticidade vai apoiar hospitais que atuam com pacientes em tratamento contra o câncer de mama. Para cada embalagem de 600 gramas vendida será doado R$ 1 para auxiliar ações voltadas ao atendimento em hospitais e casas de apoio. “A prevenção é muito importante, por isso, estamos envolvidos neste movimento que se espalhou pelo mundo. Em mais um ano oferecemos um dos nossos principais produtos para beneficiar quem está nesta luta contra o câncer. As doações chegam até hospitais parceiros que oferecem tratamento de qualidade, sem custos, salvando vidas em todo o Brasil”, ressalta o presidente da Copacol, Valter Pitol.

Alerta - A cor rosa evidenciada em outubro serve como um alerta para que mulheres de todo o mundo sejam lembradas da necessidade de cuidar da própria saúde. A ação ganha força anualmente com a eficiência do tratamento da doença, levando milhões de mulheres até clínicas públicas e particulares em busca do exame.

Beneficiados - Pelo terceiro ano consecutivo da campanha da Tilápia Copacol Outubro Rosa serão beneficiados hospitais de diferentes regiões do País: Uopeccan (União Oeste Paranaense de Estudos e Combate ao Câncer), em Cascavel; Hospital Erasto Gaertner, em Curitiba; Hospital Alfredo Abrão, em Campo Grande; IHB (Instituto Hospital de Base), no Distrito Federal (Brasília); e Hospital de Amor, em Barretos (São Paulo).

Ana Furtado e Paolla Oliveira - Para lançar a campanha, você é o nosso convidado para participar do "Almoço Rosa Copacol - uma conversa de amigas", com a atriz e apresentadora Ana Furtado e a atriz Paolla Oliveira durante uma live, dia 4, às 12h30, tirando dúvidas sobre cura, tratamento e prevenção do câncer de mama com a médica Danila Hubie, do Serviço de Ginecologia e Mama do Hospital Erasto Gaertner. Quem estiver acompanhando a transmissão ao vivo pelo Canal Oficial da Copacol no Youtube também poderá interagir com comentários e perguntas.

Cura - Ana curou o câncer de mama há quase dois anos e tornou-se um exemplo de superação para milhares de mulheres que enfrentam o mesmo desafio. Ela vai contar como foi esse momento de tratamento intenso e como foi passar por esse momento na vida, mantendo a carreira e a família.

Receitas - Durante todo o mês serão disponibilizadas pelos canais oficiais da Copacol (Youtube, Instagram e Facebook) receitas incríveis com tilápia para inspirar milhões de brasileiros nesta ação. Serão 31 receitas de solidariedade – uma para cada dia de outubro.

Casos - Estima-se que neste ano 66,2 mil mulheres foram diagnosticadas com a doença, conforme acompanhamento do Inca (Instituto Nacional do Câncer). O câncer de mama é mais comum em todo o mundo e no Brasil corresponde a 29% dos casos. Ele pode ser percebido em fases iniciais, na maioria dos casos, por meio de nódulos, mama avermelhada, alterações no bico do peito e líquido anormal nos mamilos. Praticar atividade física, alimentar-se de forma saudável, manter o peso corporal adequado e evitar o consumo de bebidas alcoólicas são recomendações para reduzir os riscos da doença. “O diagnóstico precoce do câncer de mama é importante porque é na fase inicial que o tratamento é mais eficaz. O recomendado pela Sociedade Brasileira de Mastologia é a realização de mamografia todos os anos, a partir dos 40 anos de idade, mesmo em mulheres assintomáticas. Isso em razão de que o câncer de mama no início pode ser uma doença silenciosa”, afirma o mastologista, Emerson Wander Silva Soares, da Uopeccan. (Imprensa Copacol)

{vsig}2020/noticias/09/29/copacol/{/vsig}

 

 

TRANSFERÊNCIA DE RENDA: Governo anuncia Renda Cidadã, com recursos de precatórios e do Fundeb

transferencia renda 29 09 2020O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta segunda-feira (28/09) o Renda Cidadã, novo programa de transferência de renda do governo, que substituirá o auxílio emergencial e o Bolsa Família. Para financiar o programa, a proposta é usar os recursos de pagamento de precatórios e parte do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Os precatórios são títulos da dívida pública reconhecidos após decisão definitiva da Justiça.

Recursos - “Estamos buscando recursos com responsabilidade fiscal e respeitando a lei do teto de gastos. Nós queremos demonstrar à sociedade e ao investidor que o Brasil é um país confiável”, disse o presidente, em declaração à imprensa após reunião com ministros de Estado e líderes partidários, realizada na manhã desta segunda-feira, no Palácio da Alvorada.

PECs - O senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo, explicou que as propostas das duas fontes de renda serão apresentadas tanto na PEC do Pacto Federativo, quanto na PEC Emergencial, que tratam da desindexação dos gastos públicos.

Orçamento - “O Brasil tem no Orçamento R$ 55 bilhões para pagar de precatórios e vamos utilizar o limite de 2% das receitas correntes líquidas, que é mais ou menos o que já fazem estados e municípios. Vamos estabelecer a mesma coisa para o governo federal. E o que sobrar desse recurso, juntando com o que tem no orçamento do Bolsa Família, vai criar e patrocinar o novo programa”, explicou Bittar.

Fundeb - Além disso, será proposto que o governo federal também possa utilizar até 5% dos recursos Fundeb, segundo o senador, “também para ajudar essa família que estarão no programa a manterem seus filhos na escola”. O Fundeb foi promulgado no mês passado e amplia de 10% para 23% a participação da União no financiamento da educação básica.

Reforma tributária - Durante a reunião, o governo também discutiu com os parlamentares a proposta de reforma tributária, mas, segundo o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), ainda não houve um acordo sobre o texto. “Nós continuaremos conversando para que ela possa avançar”, disse.

Primeira parte - A primeira parte da proposta de reforma tributária do governo, que já está em tramitação, trata apenas da unificação de impostos federais e estaduais num futuro Imposto sobre Valor Agregado (IVA) dual. A segunda parte, que ainda será enviada ao Congresso, deve tratar sobre a desoneração da folha de pagamento das empresas. (Agência Brasil)

FOTO: Alan Santos / PR

 

CÂMBIO: Dólar atinge maior valor desde maio com impasse em programa social

cambio 29 09 2020O novo programa social do governo Renda Cidadã fez o dólar ultrapassar a barreira de R$ 5,60 e fechar no maior valor em quatro meses por dúvidas sobre o financiamento do programa. A bolsa de valores despencou e fechou no menor nível em três meses.

Encerramento - O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (28/09) vendido a R$ 5,635, com alta de R$ 0,079 (+1,42%). Essa foi a maior cotação de fechamento desde 20 de maio, quando a moeda norte-americana tinha encerrado em R$ 5,69.

Oscilação - A divisa começou o dia em queda, mas inverteu o movimento após o anúncio de que o governo pretende usar recursos de precatórios e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) para custear o Renda Cidadã, programa que pretende substituir o auxílio emergencial e o Bolsa Família.

Máxima do dia - Na máxima do dia, por volta das 13h30, o dólar chegou a encostar em R$ 5,68. O Banco Central interveio com venda de US$ 877 milhões à vista das reservas internacionais. Esse foi o primeiro leilão do tipo desde 21 de agosto.

Ações - No mercado de ações, o dia também foi marcado pela tensão. O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), iniciou o dia em alta, chegando a subir 1,3% com a expectativa de que a segunda parte da proposta do governo sobre a reforma tributária seja enviada ao Congresso nesta semana. No entanto, o anúncio das fontes de financiamento do Renda Cidadã fez o indicador cair e fechar aos 94.666 pontos, em baixa de 2,41%.

Menor nível - Depois da sessão desta segunda, o Ibovespa está no menor nível desde 26 de junho. A tensão entre os investidores decorreu da utilização de precatórios (dívidas reconhecidas após decisão definitiva da Justiça) e do Fundeb para financiar o futuro programa social.

Brecha legal - No caso do Fundeb, as despesas encontrariam uma brecha legal para violarem o teto federal de gastos, pois as transferências para o fundo estão excluídas do limite de despesas. No caso dos precatórios, haveria a postergação de débitos ordenados pela Justiça para financiar um programa permanente do governo. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

 

ECONOMIA: Dívida Pública Federal sobe 1,56% em agosto e vai para R$ 4,41 tri

economia 29 09 2020A melhoria das condições de mercado e as novas emissões permitiram que o endividamento do governo subisse em agosto. A Dívida Pública Federal (DPF), que inclui o endividamento interno e externo do governo federal, subiu, em termos nominais, 1,56% em agosto, na comparação com julho, informou nesta segunda-feira (29/09) a Secretaria do Tesouro Nacional. O estoque passou de R$ 4,344 trilhões para R$ 4,412 trilhões.

DPMFi - A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi), que é a parte da dívida pública em títulos no mercado interno, subiu 1,35% em agosto, passando de R$ 4,118 trilhões para R$ 4,174 trilhões.

Emissão líquida - A alta deve-se, segundo o Tesouro, à emissão líquida de R$ 32,2 bilhões na DPMFi. Além disso, houve apropriação positiva de juros (quando os juros da dívida são incorporados ao total mês a mês), no valor de R$ 23,5 bilhões. A emissão líquida de títulos da Dívida Pública Mobiliária Interna deu-se pela diferença entre o total de novos títulos emitidos pelo Tesouro Nacional – R$ 113,79 bilhões – em relação ao volume de títulos resgatados (embolsado pelos investidores), que somou R$ 81,59 bilhões.

Mercado externo - A alta de 9,92% do dólar no mês passado fez o estoque da Dívida Pública Federal Externa (DPFe), em circulação no mercado internacional, subir 5,36%, de R$ 226,13 bilhões em julho para R$ 238,25 bilhões em agosto.

Variação - A variação do endividamento do Tesouro pode ocorrer por meio da oferta de títulos públicos em leilões pela internet (Tesouro Direto) ou pela emissão direta.

Assinaturas - Além disso, pode ocorrer assinatura de contratos de empréstimo para o Tesouro, tomado de uma instituição ou de um banco de fomento, destinado a financiar o desenvolvimento de uma determinada região. A redução do endividamento se dá, por exemplo, pelo resgate de títulos, como se observou ao longo do último mês.

Estimativa - Este ano, a Dívida Pública Federal (DPF) deverá ficar entre R$ 4,6 trilhões e R$ 4,9 trilhões, segundo a versão revisada do Plano Anual de Financiamento (PAF) da dívida pública para 2020, apresentada no mês passado.

Detentores - Os fundos de investimento e financeiras foram os principais detentores da Dívida Pública Federal interna, com 26,9% de participação no estoque. As instituições financeiras, com 26,7%, e os fundos de pensão, com 23,9%, aparecem em seguida na lista de detentores da dívida.

Não residentes - Depois de atingir 9% em julho, o nível mais baixo desde 2009, a participação dos não residentes (estrangeiros) subiu levemente para 9,4%. Nos últimos meses, os investidores internacionais tinham se desfeito de títulos da dívida interna brasileira, por causa da pandemia da covid-19 e da crise econômica global. Os demais grupos somam 13% de participação, segundo os dados apurados no mês.

Composição - Quanto à composição da DPF de acordo com os tipos de títulos, a fatia dos papéis corrigidos por taxas flutuantes caiu levemente, de 39,39% para 39,17% do total da dívida. Em seguida, vieram os papéis prefixados, cuja participação aumentou de 28,41% para 30,14%, devido principalmente à elevada emissão líquida no mês. Em agosto, o Tesouro emitiu R$ 87,33 bilhões de papéis prefixados a mais do que resgatou.

Papéis corrigidos - A participação dos papéis corrigidos pela inflação caiu de 26,7% para 24,97% por causa do resgate líquido de R$ 69,52 bilhões no mês. Os títulos do grupo cambial, que sofrem variação com base na taxa de câmbio, tiveram sua participação aumentada de 5,5% para 5,72% do montante total da DPF, principalmente por causa da alta do dólar no mês passado. (Agência Brasil)

FOTO: Palácio do Planalto

 

ITR: Prazo de entrega da declaração do imposto acaba na quarta-feira

Os proprietários rurais de todo o país têm até quarta-feira (30/09) para entregarem a Declaração do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (DITR). O prazo acaba às 23h59min59s. A Receita Federal está recebendo o documento desde 17 de agosto. Neste ano, o Fisco espera receber 5,9 milhões de declarações, contra 5.795.148 entregues no ano passado.

Balanço - Segundo o balanço mais recente da Receita, 4,76 milhões de contribuintes haviam entregado a declaração até a quinta-feira (24/09). O pagamento da ITR poderá ser feito em até quatro quotas iguais, desde que nenhuma parcela seja inferior a R$ 50 e que a primeira quota seja quitada até o último dia do prazo de entrega da declaração.

Multa - O produtor rural que entregar a DITR depois do prazo pagará multa de 1% ao mês sobre o imposto devido ou R$ 50, prevalecendo o maior valor. Se o contribuinte constatar erros ou inconsistências depois de apresentar a declaração, poderá enviar declaração retificadora, sem a interrupção do pagamento do imposto apurado na declaração original.

Obrigação - Está obrigada a apresentar a declaração a pessoa física ou jurídica, exceto nos casos de imunidade ou isenção, que seja proprietária, titular do domínio útil ou detentora de qualquer título do imóvel rural. Também deve enviar a DITR o contribuinte que perdeu a posse da propriedade entre 1º de janeiro de 2020 e a efetiva apresentação da declaração.

Preenchimento - A DITR deve ser preenchida no computador, por meio do Programa Gerador da Declaração do ITR, disponível na página da Receita Federal na internet. O documento pode ser transmitido pela internet. Caso o proprietário não tenha acesso à rede mundial de computadores, poderá entregar a declaração em mídia removível na unidade mais próxima da Receita Federal.

Auxílio - Neste ano, diversas instituições de ensino superior com Núcleos de Apoio Contábil e Fiscal (NAF) estão prestando, em parceria com a Receita, orientações para o preenchimento e a entrega da declaração. O serviço está sendo prestado de forma gratuita e virtual. A lista dos NAF com auxílio a distância está disponível na página da Receita na internet. (Agência Brasil)

LEGISLATIVO I: Reforma tributária não está enterrada, diz líder do governo na Câmara

legislativo I 29 09 2020O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), afirmou que os líderes partidários não chegaram a um acordo sobre o texto da reforma tributária. Segundo ele, os parlamentares estão buscando um “texto possível” com o governo e a equipe econômica. A segunda parte da reforma deve incluir a desoneração da folha de pagamento e a criação de um novo imposto, mas não há consenso sobre o tema.

Votos - "Não houve acordo ainda sobre o texto. A reforma tributária não está enterrada, nós estamos atrás de votos, continuaremos trabalhando para buscar mais votos. Está faltando apoio sobre alguns dos itens que nós estamos propondo. Há uma proposta de reduzir imposto do CNPJ e tributar dividendos. É uma troca de base tributária, mas precisamos de apoio pra fazer isso. Não houve acordo sobre o novo imposto para desonerar a folha de pagamentos e tributar as transações digitais, disse.

Novo programa - Barros disse ainda que o novo programa social do governo, chamado Renda Cidadã, será apresentado para atender aos brasileiros que ficarão sem recursos a partir do fim do auxílio emergencial. “O ministro Paulo Guedes dá a posição da economia, os ministros Ramos e Braga Netto formam a posição do governo, o presidente Bolsonaro valida, e os líderes são consultados. Depois de todas essas etapas, nesse momento, teremos a apresentação do Renda Cidadã”, explicou o líder.

Normalidade - No encontro, o presidente da República, Jair Bolsonaro, destacou que o objetivo é retornar à normalidade econômica o mais rápido possível. “Estamos buscando recursos com responsabilidade fiscal com respeito à lei do teto. Queremos mostrar que o Brasil é um País confiável”, reforçou Bolsonaro.

Recursos - O senador Márcio Bittar (MDB-AC) explicou que os recursos para pagar o novo programa social do governo virão do Fundeb e de verbas reservadas no Orçamento para pagamentos de precatórios. Bittar, que é o relator da chamada PEC emergencial, afirmou que a proposta vai constar no parecer que deve ser apresentado nos próximos dias.

Orçamento - "O Brasil tem no Orçamento R$ 55 bilhões para pagar de precatório, e nós vamos utilizar, vai estar na relatoria que eu apresento nesta semana, o limite de 2% das receitas correntes líquidas, que é mais ou menos o que já fazem estados e municípios", disse Bittar. (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Michel Jesus / Câmara dos Deputados

 

LEGISLATIVO II: Câmara pode votar nesta terça-feira projeto de estímulo à navegação

legislativo II 29 09 2020A Câmara dos Deputados pode votar nesta terça-feira (29/09) o projeto que facilita a navegação por cabotagem (realizada entre os portos brasileiros). A sessão virtual do Plenário está marcada para as 13h55.

Empresa estrangeira - De acordo com o Projeto de Lei 4199/20, do Poder Executivo, a navegação de cabotagem poderá ser feita por empresa estrangeira de navegação que constituir empresa nacional, permitindo-se o uso de embarcações estrangeiras afretadas. Atualmente, a legislação exige que a empresa brasileira encomende a construção de embarcação de tipo semelhante a estaleiro nacional.

BR do Mar - O texto, que tramita com urgência constitucional, cria o Programa de Estímulo ao Transporte por Cabotagem – BR do Mar e permite às empresas de navegação usarem parte do Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha Mercante (AFRMM) como garantia para a construção de embarcações em estaleiro brasileiro e para a manutenção ou reparo de embarcações próprias ou afretadas.

Intérprete de Libras - Outro projeto que pode ser votado é o PL 9382/17, da Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência, que exige diploma de curso superior para quem exercer a atividade de tradutor e intérprete da Língua Brasileira de Sinais (Libras), fixando a jornada diária em seis horas.

Carga horária - Segundo o substitutivo da Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público, de autoria da deputada Professora Marcivania (PCdoB-AP), a carga horária de seis horas diárias está limitada a 30 horas semanais. Se o trabalho de tradução e interpretação for superior a uma hora de duração, deverá ser realizado em regime de revezamento com, no mínimo, dois profissionais.

Setor automotivo - Os deputados podem votar ainda a Medida Provisória 987/20, que prorroga o prazo para empresas automotivas instaladas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do País apresentarem projetos de novos produtos para contarem com crédito presumido do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Prorrogação - O texto original da MP prorrogou o prazo de 30 de junho até 31 de agosto deste ano. Já o parecer do relator, deputado André de Paula (PSD-PE), fixa o prazo em 31 de dezembro de 2020.

Desconto - O crédito poderá ser usado para descontar o valor a pagar a título de PIS e Cofins em vendas realizadas entre 1º de janeiro de 2021 e 31 de dezembro de 2025. Durante esse período, as empresas precisam respeitar patamares mínimos de investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica na região.

Datas - O relator propõe as mesmas datas para o benefício fiscal criado pela Lei 9.826/99, que prevê crédito presumido de 32% do IPI. (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Cláudio Neves / Portos do Paraná

 

 

SAÚDE I: Brasil tem 142 mil óbitos e 4,74 milhões de casos acumulados

O boletim diário do Ministério da Saúde, divulgado nesta segunda-feira (28/09), revela que o Brasil registrou 4.745.464 casos confirmados do novo coronavírus desde o início da pandemia. Desse total, 3% dos casos resultaram em morte (142.058); 10,9% dos pacientes estão em tratamento (519.224); e 86,1% dos brasileiros que contraíram covid-19 estão recuperados (4.084.182).

Números menores - Nas últimas 24 horas, foram registrados 317 óbitos e 13.155 novos casos. Os casos são menores aos domingos e segundas-feiras pelas limitações de alimentação da base de dados pelas equipes das secretarias de saúde. Já às terças-feiras, o número tem sido maior pelo envio dos dados acumulados do fim de semana.

Investigação - As autoridades de saúde ainda investigam se outras 2.533 mortes foram provocadas por coronavírus.

Mais casos - Onde há mais casos de covid-19 no Brasil

*Casos acumulados desde o início da pandemia

São Paulo = 973.142

Bahia = 306.629

Minas Gerais = 290.137

Rio de Janeiro = 262.006

Ceará = 239.062

Mais mortes - Onde há mais mortes por covid-19 no Brasil

São Paulo = 35.125

Rio de Janeiro = 18.291

Ceará = 8.921

Pernambuco = 8.190

Minas Gerais = 7.240

(Agência Brasil)

 

saude I tabela 29 09 2020

 

SAÚDE II: Boletim registra 832 novos casos de coronavírus no Estado

saude II 29 09 2020A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta segunda-feira (28/08) mais 832 casos confirmados e 20 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 174.124 casos e 4.335 mortes em decorrência da doença.

Internados - Nesta segunda-feira (28/09) eram 906 pacientes internados com diagnóstico confirmado de Covid-19: 758 em leitos SUS (383 em UTI e 375 em leitos clínicos/enfermaria) e 148 em leitos da rede particular (63 em UTI e 85 em leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 999 pacientes internados, 446 em leitos UTI e 553 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A secretaria estadual informa a morte de mais 20 pacientes. Todos estavam internados. São 8 mulheres e 12 homens com idades que variam de 18 a 89 anos. Os óbitos ocorreram entre 21 e 27 de setembro.

Residência - Os pacientes que foram a óbito residiam em: Foz do Iguaçu (3), Colombo (2), Curitiba (2), Londrina (2) e São José dos Pinhais (2). Houve ainda registro de um óbito em cada um dos seguintes municípios: Almirante Tamandaré, Arapongas, Assis Chateaubriand, Cascavel, Lapa, Piraquara, Ponta Grossa, Rio Branco do Sul e Santa Terezinha de Itaipu.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 1.858 casos de pessoas que não moram no Estado – 43 delas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo.

 


Versão para impressão


RODAPE