Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4943 | 06 de Novembro de 2020

COMITÊ: Presidente da C.Vale participa de reunião com Sistema Ocepar

Alfredo Lang, presidente da C.Vale, cooperativa com sede em Palotina (PR), participou como convidado, na manhã desta sexta-feira (06/11), da 182ª Reunião do Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar. A C.Vale completa neste sábado, dia 7 de novembro, 57 anos de fundação. Com atuação no Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e Paraguai, possui 156 unidades de negócios, mais de 23.000 associados e mais de 11.000 funcionários. Destaca-se na produção de soja, milho, trigo, mandioca, leite, frango, peixe e suínos, e atua na prestação de serviços, com mais de 260 profissionais que dão assistência agronômica e veterinária aos associados. Para manter os cooperados atualizados tecnologicamente, a C.Vale desenvolve cursos, palestras, treinamentos e dias de campo.

Sistema Ocepar – O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, fez uma rápida apresentação sobre os trabalhos desenvolvidos em 2020, em especial, neste período de pandemia. Lang destacou o fato do presidente José Roberto Ricken ter iniciado sua caminhada no cooperativismo pela C.Vale. “Sempre que você participa de algum evento e comenta este fato, nos enche de orgulho. Especialmente por termos acompanhado sua trajetória dentro do sistema e ter chegado à presidência da nossa principal entidade no Paraná”, frisou.

Profissionalismo – “O Sistema Ocepar se tornou mais profissional e tem um time muito bom e que tem contribuído muito para o crescimento não só da C.Vale mas de todos o cooperativismo paranaense. Noto esta diferença de atuação em outros estados. O Sistema Ocepar sempre atuou de forma pontual, representando efetivamente as cooperativas nas principais demandas junto aos poderes, Executivos, Legislativo e Judiciário. O cooperativismo paranaense está fazendo a diferença. Estamos no caminho certo”, lembrou Lang.

Planejamento – O presidente da C.Vale frisou sobre a importância do Sistema Ocepar liderar, a cada década, uma planejamento estratégico para termos um horizonte dentro do cooperativismo no Paraná. “Planejar e preparar as pessoas é um desafio. É como se fossemos subir um morro, quanto mais caminhamos, mais podemos ver a altura que necessitamos subir. Mais importante do que chegar no topo é a caminhada para chegar até lá. Aqui temos uma meta ousada, a cada quatro anos queremos dobrar nosso tamanho. E digo para vocês: mantenham as metas e sejam persistentes, mesmo diante das dificuldades”. Ricken afirmou que o Planejamento Estratégico Paraná Cooperativo (PRC) é a soma dos planejamentos individuais do cooperativismo paranaense em todos os ramos. “Precisamos cada vez mais incentivar que nossas cooperativas tenham seus planejamentos e assim possamos evoluir de uma forma mais concisa e estruturada”.

Sescoop - Lang fez questão de destacar que a formação das pessoas é fundamental para que as cooperativas tenham cada vez mais massa crítica e assim continuem contribuindo para o desenvolvimento do Paraná. “Mas isso precisa acontecer com todas as cooperativas, não apenas algumas. Treinar, capacitar, esta é o importante papel do Sescoop que vem realizando um excelente trabalho. Só com pessoal preparado podemos evoluir, pois de nada adianta ter estratégia se não tivermos funcionários com conhecimento”, disse Lang.

SomosCoop – Lang comentou sobre a iniciativa do Sistema OCB na realização da campanha publicitária que utiliza o tenista Gustavo Kuerten, o Guga como garoto propaganda. “Vejo com bons olhos esse investimento necessário em comunicação. Entendo que a marca SomosCoop teve uma aceitação muito grande por parte dos cooperados e consumidores. Transmite que os produtos que têm este selo, possuem qualidade, aproxima mais. Os produtos de cooperativas por essência são de qualidade, mas precisamos cada vez mais comunicar isso para a sociedade, para os consumidores”, lembrou.

Agroindústria – “Produzimos milho e soja em abundância que serve para produzir carne para o mercado interno e externo. Com este raciocínio é que passamos para a agroindustrialização, agregar mais valor ao produto in natura. Talvez o que realizamos aqui não seja valido para outros lugares. Para crescer precisa ter padrão e nós temos, o cooperativismo tem”. O dirigente ainda frisou que não é só agroindustrializar a produção dos cooperados, levando um maior ganho e renda. “Precisamos produzir com foco na qualidade, assim podemos garantir um mercado permanente. Temos relatos de alguns compradores que fidelizaram nosso produto porque mantemos um padrão de qualidade e isso passa ser um diferencial, mesmo que o preço seja maior”.

{vsig}2020/noticias/11/06/comite/{/vsig}

COVID-19 I: Realização da segunda live com adidos agrícolas é um dos destaques do comunicado 151

covid 19 destaque 06 11 2020Na semana que vem, no dia 12 de novembro, os Sistemas Ocepar, OCB e Faep, em parceria com o Governo do Estado, promovem a segunda live com adidos agrícolas, com o objetivo de identificar oportunidades para as cooperativas e agronegócio no mercado internacional. Esse é um dos destaques do comunicado 151, emitido na manhã desta sexta-feira (06/11), pelo Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19. Veja abaixo todas as informações.

1. O Sistema Ocepar, no dia 6 de novembro, contou com a participação do presidente da C.Vale, Alfredo Lang, na reunião diária do comitê estratégico, para discutir o futuro do cooperativismo paranaense.

2. No próximo dia 12 de novembro, o Sistema Ocepar, em parceria com o Sistema OCB, Sistema Faep e Governo do Paraná, irá realizar a segunda live com os adidos agrícolas da China, Japão, Índia, Indonésia e Coréia do Sul, visando identificar oportunidades para as cooperativas e agronegócio no mercado internacional. Para informações clique aqui.

3. No dia 5 de novembro, o Grupo Técnico, formado por representantes das entidades Sistema Ocepar, Sistema Faep e Sistema Fiep/Sindiavipar/Sindileite/Sindicarnes, realizou reunião para discutir o projeto das estradas rurais, com a participação do secretário Norberto Ortigara.

4. O Governo Paraná, no dia 5 de novembro, publicou o Decreto nº 6080/20, que define uma série de critérios para a realização de eventos abertos ao público no Paraná. As regras, que incluem capacidade máxima de 50%, uso obrigatório de máscara e distanciamento físico de no mínimo 1,5 metro entre as pessoas. Clique aqui para acessar o Decreto nº 6080/20.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa). Desde que o trabalho remoto foi adotado pela instituição, em 20 de março, os integrantes se reúnem diariamente, por meio de videoconferência, para analisar cenários e discutir o andamento das atividades visando atender as demandas das cooperativas. O Comitê tem ainda divulgado os comunicados para informar as principais ações de interesse do cooperativismo paranaense que estão sendo executadas pelo Sistema Ocepar nesse período de pandemia.

 

COVID-19 II: Confira os novos destaques da área destinada ao coronavírus no Portal PR Cooperativo

covid II 06 11 2020A Área Covid-19 do Portal Paraná Cooperativo é atualizada toda sexta-feira com as notícias que foram destaques durante a semana no Informe Paraná Cooperativo e na Rádio Paraná Cooperativo. Lá, é possível acessar também os comunicados do Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar. Há ainda uma seção de perguntas e respostas, com esclarecimentos relativos à pandemia. Clique aqui e confira.

 

COOPERATIVISMO: OCB divulga boletins com informações atualizadas de interesse do setor

cooperativismo 06 11 2020 O Sistema OCB publica, semanalmente, diversos boletins com informações relevantes e de interesse do cooperativismo brasileiro. Confira abaixo as publicações atualizadas até esta quinta-feira (05/11), que tratam de política, economia, reforma tributária, pleitos do cooperativismo em tramitação no Congresso Nacional, normativos e medidas tributárias publicadas pelo governo que impactam nas cooperativas. Há ainda um apanhado sobre as ações que estão sendo executadas pela entidade para reduzir o impacto da pandemia nessa crise.

Análise Política: As votações legislativas em meio ao cenário de eleições americanas. https://bit.ly/3dvDvOv

Análise Econômica: a importância da inovação nos negócios cooperativos. https://bit.ly/2UCWjUD

Reforma Tributária: atuação em defesa do cooperativismo. https://bit.ly/3iJPv0X

Pleitos do Cooperativismo: temos 82 demandas das coops vinculadas à Covid-19. Veja como estão. https://bit.ly/2UD17rV

Normativos: resumo dos principais normativos federais relacionados à Covid-19, com link e análise da OCB. https://bit.ly/3anoYlY

Medidas Tributárias: infográfico com as respostas tributárias do governo à crise que tenham impacto nas cooperativas. https://bit.ly/2KrNgjn

Acompanhe essas e outras ações da OCB para diminuir o impacto desta crise em: https://www.somoscooperativismo.coop.br/covid-19

 

SICREDI: Parceria com Fetaep possibilita envio de propostas para crédito via sindicatos

O Sicredi firmou convênio com a Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado do Paraná (Fetaep). A parceria possibilita que a instituição financeira cooperativa atenda propostas de associados para crédito rural de custeio e investimento encaminhadas pelos Sindicatos Rurais do Paraná que possuem equipes técnicas qualificadas para captação dos projetos e envio ao Sicredi.

Projetos técnicos - “A maioria das operações de crédito rural é feita por meio de projetos técnicos que podem ser realizados via Emater, empresas especializadas ou engenheiros agrônomos. Por isso, essa parceria com uma nova possibilidade para envio de propostas traz ainda mais facilidade aos produtores rurais associados”, explica o gerente de Desenvolvimento de Negócios da Central Sicredi PR/SP/RJ, Gilson Farias.

Proximidade - O convênio reforça a proximidade do Sicredi com o produtor rural, que sempre foi estratégico desde a fundação da instituição financeira cooperativa, há mais de um século. Nos últimos anos, o Sicredi tem se destacado no ranking de desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pela liberação de recursos por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Somente para Plano Safra 2020/2021, que iniciou em julho, o Sicredi pretende disponibilizar mais de R$ 22,9 bilhões em crédito rural. A projeção é que os recursos sejam liberados para aproximadamente 227 mil operações. O montante é cerca de 12% superior ao disponibilizado no ciclo anterior.

Agricultura familiar - “Grande parte do nosso quadro social é ligado ao agronegócio, em especial à agricultura familiar. Ao facilitar o desenvolvimento no campo, valorizamos o relacionamento com nosso associado e contribuímos para o crescimento econômico regional”, comenta Farias.

Exclusivo - O especialista em crédito do Sicredi lembra ainda que o convênio é exclusivo para cooperativas do Sicredi no estado do Paraná, devido à área de atuação da Fetaep. “Indicamos que os produtores procurem os Sindicatos Rurais da sua cidade ou a sua agência Sicredi para mais informações sobre o andamento da parceria na sua região”, finaliza Farias.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 23 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.900 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

{vsig}2020/noticias/11/06/sicredi/{/vsig}

 

SICREDI CENTRO SUL: Comitê de Sustentabilidade é lançado oficialmente

sicredi centro sul 06 11 2020O Comitê de Sustentabilidade da Sicredi Centro Sul PR/SC/RJ foi lançado oficialmente no dia 28 de outubro, em cerimônia online realizada pela Central Sicredi PR/SP/RJ. A iniciativa tem como objetivo avaliar, debater e recomendar iniciativas locais sustentáveis, além de reforçar e propagar a Política de Sustentabilidade e de Responsabilidade Socioambiental da instituição financeira cooperativa.

ODS - Construído estrategicamente com profissionais de diversas áreas da cooperativa de crédito, o Comitê de Sustentabilidade também visa incentivar, ainda mais, colaboradores, associados e comunidade no desenvolvimento de ações que defendam os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU) e que estão ligados ao tema.

Propósito - Segundo o presidente da Sicredi Centro Sul PR/SC/RJ, Santo Cappellari, a atuação sustentável visando à promoção de um futuro melhor para associados e comunidades integra o propósito do Sicredi e está presente na missão, visão e valores da instituição. “Com o Comitê vamos formalizar e intensificar tudo que já vem sendo realizado ao longo dos anos na cooperativa para o desenvolvimento regional. Vamos ampliar nosso impacto positivo, e, desta maneira, iremos juntos construir uma sociedade mais próspera”, comenta o presidente, que também é coordenador do Comitê.

Ações positivas - Ao longo dos anos, a Sicredi Centro Sul PR/SC/RJ tem desenvolvido ações positivas conectadas aos ODS. Em recente reunião do Conselho de Administração foram apresentadas aos conselheiros algumas dessas ações já realizadas. “Com o Comitê de Sustentabilidade temos a certeza de que iremos ampliar nosso impacto positivo nos âmbitos econômico, social e ambiental.”, analisou a assessora de Desenvolvimento do Cooperativismo, Maria Gisele Pontarollo.

Estratégias - Com a iniciativa, estratégias de atuação serão estruturadas e debatidas, levando em consideração os impactos positivos e/ou negativos. Os membros que integram a iniciativa devem se reunir ao menos uma vez ao ano, de forma ordinária e, quando necessário, de maneira extraordinária, sempre com registros em ata. A intenção é que os participantes tenham o olhar sempre voltado para o social, o ambiental e econômico, visando possibilidades de melhorias nos processos e oportunidades para a realização de novos projetos.

Participação - Além da Sicredi Centro Sul PR/SC/RJ, outras cinco cooperativas de crédito com atuação nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro participaram do evento de implementação dos Comitês, realizado pela Central Sicredi PR/SP/RJ.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 23 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.900 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

COOPAVEL: Show Rural aquece economia de Cascavel e de municípios vizinhos

coopavel 06 11 2020As áreas que compõem a cadeia do agronegócio não são as únicas que aguardam as edições do Show Rural Coopavel com expectativa. Inúmeros segmentos ligados ao setor produtivo são diretamente alcançados pelo evento, realizado sempre no início de fevereiro. “O impacto à economia local e regional é contundente. As vendas crescem, negócios e parcerias são confirmados e consolidados e inúmeros empregos, mesmo que temporários, injetam somas interessantes em nossas empresas”, diz o presidente do Comtur (Conselho Municipal de Turismo de Cascavel), Orestes Hotz.

Movimentação - A edição de 2021, agendada para o período de 1º a 5 de fevereiro, movimenta de forma ainda mais especial os negócios diretamente beneficiados. “Devido à pandemia e aos reflexos que ela trouxe, a expectativa com a próxima edição é ainda maior. Mesmo que possa atrair menos gente, em função das medidas de restrição, contribuirá para colocar dinheiro nas mãos de famílias e de empresas em recuperação”, afirma o presidente do Secovi (Sindicato da Habitação do Paraná), Luiz Langner.

Hotéis - A procura aos hotéis começa com bastante antecedência e três, quatro meses antes da abertura oficial da mostra de tecnologia é difícil encontrar acomodações na cidade. “Além de procurar em municípios próximos, o pessoal das empresas costuma locar casas de famílias que, nesta época do ano, têm o Show Rural Coopavel como fonte de um dinheirinho extra”, ilustra Luiz. “Inúmeras imobiliárias têm essa modalidade de locação, específica para o evento, inclusive a minha”. As casas são geralmente ocupadas por diretores e colaboradores de empresas nacionais e estrangeiras e também por pessoas contratadas pelas montadoras, responsáveis pela estruturação dos estandes.

Gratidão - Os setores hoteleiro e de gastronomia estão entre os que mais sentem os reflexos do Show Rural. “Esse é o nosso maior evento. Colabora e muito para acentuar os negócios neste início de ano e somos muito gratos aos organizadores”, ressalta o coordenador da Câmara Técnica de Turismo do Codesc (Conselho de Desenvolvimento Econômico Sustentável de Cascavel) e coordenador do Núcleo Setorial de Hotelaria da Acic, Felipe Casagrande. “Cascavel conta com quatro mil leitos disponíveis e o Show Rural é o único que consegue a façanha de superlotar todos os hotéis da cidade simultaneamente”.

Garagem - O empresário Onírio Anderle é dono de uma garagem que presta serviços a donos de aviões particulares, no Aeroporto de Cascavel, há 30 anos. “Torcemos para que a época de Show Rural chegue logo, porque assim vemos os números do nosso negócio melhorar bastante”. A estrutura administrada por Onírio é composta por hangar e salas de reuniões e vip. Ali, além de um local seguro para abrigar as aeronaves, a empresa presta serviços de limpeza e abastecimento dos aviões.

Diferentes lugares - “São diretores de empresas expositoras e agropecuaristas que chegam dos mais diferentes lugares do Brasil para participar desse evento que tanto nos orgulha”, afirma o empresário, que sempre contrata mão de obra temporária na semana da mostra para dar conta da demanda de trabalho. A presidente do Cascavel Convention & Visitors Bureau, Silvana Ribeiro, diz que a cidade e o seu entorno têm uma grande dívida de gratidão com o evento. “Além de trazer divisas, projeta Cascavel e a pujança da nossa região para o Brasil e para o mundo. Essa é uma marca forte e que ajuda a incentivar e a tornar conhecidos outros inúmeros eventos pautados no turismo e no entretenimento”.

R$ 60 milhões - Na edição mais recente, em fevereiro de 2020, o Show Rural Coopavel movimentou R$ 2,3 bilhões em negócios. Foram mais de quatro mil empregos e o montante de recursos injetados na cidade e nos municípios vizinhos foi superior a R$ 60 milhões, aponta o presidente da cooperativa Dilvo Grolli. “É uma soma considerável. A Coopavel fica feliz em contribuir com a economia da região com esse evento, hoje reconhecido como um dos três maiores do mundo. Ao mesmo tempo em que leva informações e tecnologias ao campo, o Show Rural dá impulso a outras áreas igualmente importantes da nossa economia”, pontua Dilvo Grolli. (Imprensa Coopavel)

 

COCAMAR: Investimentos são feitos em ampliações e melhorias

cocamar 06 11 2020Para tornar mais ágil e confortável o atendimento aos produtores cooperados, agilizar o fluxo de entrega das safras, modernizar equipamentos e ampliar a capacidade estática de armazenagem de grãos, a Cocamar anuncia a realização de mais de 100 milhões de reais em investimentos para os próximos meses. As obras devem ser concluídas em duas etapas: a safra de verão do ciclo 2020/21 e a safra de inverno 2021.

Verão - Na primeira, com aportes de R$ 22,350 milhões, vão ser contempladas as unidades de Maringá, Dr. Camargo, Panema (município de Santa Mariana), Floraí, Jussara, Cianorte, complexo graneleiro de Cambé e Tamarana, no Paraná, além de Nova Andradina (MS) e Iepê (SP).

Inverno - A segunda, que inclui Maringá, Cianorte, Iepê, Tamarana, Floraí, Jussara, Iporã, Doutor Camargo e Nova Fátima no Paraná e Iepê em SP deve chegar a R$ 80,150 milhões.

Capacidade - A armazenagem de grãos, com capacidade atual de 1,686 milhão de toneladas, será acrescida de 141 mil toneladas com a construção de uma bateria de 6 silos para 18,5 mil toneladas cada no complexo graneleiro em Maringá e a ampliação de estruturas regionais de Cianorte, Iepê e Tamarana - as duas primeiras em mais 12 mil toneladas cada e a última em 6 mil toneladas. Além disso há outras 24 mil toneladas da unidade que está sendo erguida em Mirante do Paranapanema (SP) e não faz parte desse pacote de investimentos. Com isso, a capacidade estática total subirá para 1,851 milhão de toneladas.

Tamarana - Entre outras realizações, o plano de melhorias prevê a construção da nova loja de Tamarana, situada em ponto estratégico na entrada da cidade, a ser entregue no primeiro semestre do próximo ano. (Imprensa Cocamar)

 

COPACOL: Cooperativa repassa doação a hospitais para combate e prevenção ao câncer

Hospitais especializados no combate e a cura do câncer de mama começam a receber doações da Copacol, arrecadadas pela Campanha Filé de Tilápia Outubro Rosa. Estima-se que neste ano 66,2 mil mulheres tiveram confirmação da doença, conforme o Inca (Instituto Nacional do Câncer), e quando diagnosticado precocemente, têm grandes chances de cura. Diante a necessidade de conscientizar milhões de brasileiros, a Copacol decidiu abraçar a causa e adotar a cor rosa pelo terceiro ano consecutivo.

Consumidores - A ação mobiliza consumidores de todo o País que cooperam diretamente com a iniciativa. A cada embalagem da Tilápia Copacol Outubro Rosa comercializada um real teve como destino as instituições de saúde parceiras. Ao todo, durante o mês de outubro, foram 120 toneladas de tilápias comercializadas, que resultou em R$ 200 mil em doações. “Nosso propósito é cooperar sempre e isso inclui vencermos essa doença que faz tantas vítimas todos os anos. Mais uma vez realizamos a Campanha da Tilápia Outubro Rosa e além de conscientizarmos nossos consumidores pela embalagem que leva a cor da mobilização internacional cooperamos com doações aos hospitais, que ajudarão diretamente os pacientes”, ressalta o presidente da Copacol, Valter Pitol.

Divisão - Os valores arrecadados foram divididos conforme as vendas em cada uma das centrais da cooperativa. A Uopeccan (União Oeste Paranaense de Estudos e Combate ao Câncer), em Cascavel (PR), recebe R$ 43.568; o Hospital Erasto Gaertner, em Curitiba (PR), R$ 53.228; Hospital Alfredo Abrão, em Campo Grande (MS), R$ 18.864; IGES (Instituto de Gestão Estratégica de Saúde), no Distrito Federal (Brasília), R$ 46 mil; e Hospital de Amor, em Barretos (SP) R$ 38.336.

Apoio essencial - Os recursos são usados pelas instituições na manutenção dos serviços prestados aos pacientes. Em Cascavel, a Uopeccan utiliza os recursos na Casa de Apoio – um braço forte de quem está em tratamento e vem de cidades vizinhas e outros estados. O valor será repassado segunda-feira, às 15h, na sede da entidade. “Queremos agradecer a Copacol pela campanha fantástica da Tilápia Rosa, com doações revertidas aos pacientes da Uopeccan”, ressalta o presidente da Uopeccan, Leopoldo Furlan.

Campo Grande - Em Campo Grande, a Rede Feminina de Combate ao Câncer possui voluntárias engajadas no auxílio aos pacientes do Hospital de Câncer de Campo Grande Alfredo Abrão. Pela união de esforços do serviço voluntário são atendidos pacientes oncológicos, hospedados na Casa de Apoio: são mais de 1,2 mil diárias por ano, alimentação e transporte durante o tratamento. “Essa caminhada é dura, são necessários muitos recursos humanos, tecnológicos e financeiros. E o mais importante: amor ao próximo e solidariedade. Nossos aplausos à Copacol por mais uma vez apoiar esta causa pela vida, em um momento de pandemia mundial”, agradece Magda Braz Alves, presidente da Rede Feminina de Campo Grande.

Novos casos - Dados do Hospital de Câncer do Erasto Gaertner apontam que, dos mais de 2,5 mil novos casos de câncer registrados por ano, 23% deles são de mama e 7% de colo de útero. Com o Outubro Rosa, pacientes ficam mais atentos e procuram por consultas médicas – a campanha da Copacol coopera com a prevenção. “A união do Erasto Gaertner com a marca Copacol vem fortalecer ainda mais esse nosso propósito de aproximação da sociedade para aumentar as chances de cura a partir do diagnóstico precoce”, afirma Adriano Lago, superintendente do Hospital Erasto Gaertner.

Câncer de mama - O câncer de mama é mais comum em todo o mundo e no Brasil corresponde a 29% dos casos. Ele pode ser percebido em fases iniciais, na maioria dos casos, por meio de nódulos, mama avermelhada, alterações no bico do peito e líquido anormal nos mamilos. Praticar atividade física, alimentar-se de forma saudável, manter o peso corporal adequado e evitar o consumo de bebidas alcoólicas são recomendações para reduzir os riscos da doença. “O diagnóstico precoce do câncer de mama é importante porque é na fase inicial que o tratamento é mais eficaz. O recomendado pela Sociedade Brasileira de Mastologia é a realização de mamografia todos os anos, a partir dos 40 anos de idade, mesmo em mulheres assintomáticas. Isso em razão de que o câncer de mama no início pode ser uma doença silenciosa”, afirma o mastologista, Emerson Wander Silva Soares, da Uopeccan. (Imprensa Copacol)

 

copacol 06 11 2020

C.VALE: Mensagem de Alfredo Lang alusiva aos 57 anos da cooperativa

cvale 06 11 2020Em mensagem alusiva aos 57 anos da C.Vale, o presidente Alfredo Lang destacou o avanço obtido ao longo da trajetória da cooperativa, sediada em Palotina, no Oeste do Estado. Fundada em 7 de novembro de 1963, como Cooperativa Agrícola Mista de Palotina Ltda (Campal), em 2019, a C.Vale recebeu um total 3,89 milhões de toneladas de grãos e fechou o ano com 21.920 cooperados, 10.634 funcionários e faturamento de R$ 8,9 bilhões.

Mensagem de Alfredo Lang

Celebrar a vida, as datas comemorativas é quase que um sinônimo de estar junto de quem participou e ajudou a consolidar todos os nossos projetos e sonhos. Se puxarmos pela memória, foram magníficos os anos anteriores em que pudemos confraternizar os aniversários e as conquistas da C.Vale.

Mesmo virtualmente, a gratidão em celebrar tudo o que nos trouxe até aqui, tem que ser compartilhada. Afinal começamos nossa história com 24 associados e hoje somos mais de 23 mil. Éramos pouco mais de meia dúzia de funcionários e agora somos uma legião de 12 mil.

O faturamento na década de 1990 era de 128 milhões, esse ano vamos chegar a 11 bilhões reais.

Nossa maior preocupação antes era em armazenagem de grãos, embora ainda continue sendo, mas hoje somos uma cooperativa altamente industrializada que tem o desafio de colocar alimentos de qualidade na mesa dos consumidores mais exigentes do Brasil e do mundo.

Tenho que aplaudir! Aplaudir muito. De pé, todos que acreditaram e transformaram a C.Vale nessa gigante do agronegócio.

O meu coração bate compassado com o propósito da C.Vale: Despertar nas pessoas um mundo mais próspero!

Parabéns família C.Vale e seus agregados e parceiros pelos 57 anos de história e conquistas!

 

Alfredo Lang

Diretor-presidente da C.Vale

 

FUNDO AZUL: Acordo entre Sanepar e Frísia melhora qualidade de mananciais

A Sanepar e a Frísia Cooperativa Agroindustrial oficializaram, na quarta-feira (04/11), parceria com bovinocultores das cidades de Castro, Piraí do Sul e Carambeí, para reduzir o aporte de matéria orgânica nos mananciais de abastecimento. A parceria resulta de um Acordo de Cooperação Técnica assinado entre a Sanepar e a Cooperativa por meio do Programa Fundo Azul, da Sanepar.

Dejetos - O confinamento de bovinos produz grande quantidade de dejetos, e a inadequação em seu armazenamento provoca a contaminação do solo e da água, por meio da infiltração em fossas sem proteção, saturação do solo ou até mesmo por extravasamentos.

Materiais - Com este acordo, a Sanepar fornecerá materiais para adequar e isolar as esterqueiras, como tubos e conexões, palanques de madeira tratada e arame liso. A empresa também irá fornecer e instalar geomembranas nas esterqueiras de 15 pequenas propriedades, selecionadas pela Frísia, que estão localizadas em bacias de mananciais.

Orientação e treinamento - A cooperativa, além de identificar as propriedades, já fez o dimensionamento das esterqueiras e dará orientação técnica e treinamento aos cooperados sobre o manejo dos dejetos, seu armazenamento e destinação. A Frísia também vai monitorar a execução dos serviços nas propriedades. “É uma parceria importante, que pode servir de modelo a iniciativas com outras cooperativas do Estado”, afirma a gerente de Recursos Hídricos da Sanepar, Ester Mendes.

Selecionado - O coordenador Ambiental e Florestal da Cooperativa Frísia, Francis Dalton Bavoso, diz que o projeto foi selecionado entre outras propostas. “Vamos visitar cada propriedade e definir um cronograma de obras. A ideia é que as escavações, que ficarão a cargo dos próprios cooperados, comecem ainda este mês”. O Acordo de Cooperação tem prazo de doze meses de execução, com investimentos de R$ 140 mil.

Beneficiários - Um dos beneficiados pelo Fundo Azul é o casal Tânia Maria Ribas e José Ênio Ribas, que tem uma pequena criação de vacas leiteiras em Carambeí.

Adequações - Atualmente, utilizam uma fossa de tijolos, mas pretendem fazer as adequações em breve. “Essa doação dos materiais e o apoio técnico vai ajudar bastante. Sozinhos ficaria difícil”, afirma Tânia. Outras famílias também contam com os materiais e o apoio técnico para dar início às adequações nas propriedades.

Fundo Azul - O programa Fundo Azul foi criado pela Sanepar em 1998 para apoiar com recursos financeiros projetos e ações de recuperação, proteção e conservação dos mananciais de abastecimento. Reformulado recentemente, ele está alinhado ao Plano de Segurança Hídrica em implantação pela Sanepar. Atualmente, a Companhia possui projetos em andamento pelo Programa Fundo Azul nas cidades de Campo Mourão, Umuarama e Cascavel. (Agência de Notícias do Paraná)

{vsig}2020/noticias/11/06/fundo_azul/{/vsig}

IPCA: Inflação avança 0,86% em outubro, maior alta para o mês desde 2002

ipca 06 11 2020A alta no preço dos alimentos e das passagens aéreas pressionou a inflação de outubro, que acelerou para 0,86%, acima da taxa registrada em setembro (0,64%). Esse é o maior resultado para um mês de outubro desde 2002, quando o indicador foi de 1,31%. Os dados são do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado nesta sexta-feira (06/11), pelo IBGE.

Ano - No ano, a inflação acumula alta de 2,22% e, em 12 meses, de 3,92%, acima dos 3,14% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em outubro de 2019, o indicador havia ficado em 0,10%.

Grupos - Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito apresentaram alta em outubro. A maior variação (1,93%) e o maior impacto (0,39 p.p.) vieram, mais uma vez, de alimentação e bebidas, que desaceleraram em relação ao resultado de setembro (2,28%). Isso ocorreu em função das altas menos intensas em alguns alimentos, como o arroz (13,36%) e o óleo de soja (17,44%), que no mês anterior haviam ficado em 17,98% e 27,54%, respectivamente.

Tomate - Por outro lado, a alta nos preços do tomate (18,69%) foi maior que em setembro (11,72%). Outros itens, como as frutas (2,59%) e a batata-inglesa (17,01%), também registraram variações positivas em outubro, após recuo dos preços no mês anterior. As carnes subiram 4,25%. Já no lado das quedas, destacam-se a cebola (-12,57%), a cenoura (-6,36%) e o alho (-2,65%). “Todos esses itens têm contribuído para alta sustentada dos preços dos alimentos, que foram de longe o maior impacto no índice do mês”, afirma o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov.

Transporte - O segundo maior impacto (0,24 p.p.) sobre a inflação veio dos transportes (1,19%), principalmente, das passagens aéreas (39,83%), que contribuíram com 0,12 p.p, exercendo o maior impacto individual no índice geral. Houve alta nos preços das passagens em todas as regiões pesquisadas, que foram desde os 21,66% em Porto Alegre até 49,71% em Curitiba.

Demanda - “A alta nas passagens aéreas parece estar relacionada à demanda, já que com a flexibilização do distanciamento social, algumas pessoas voltaram a utilizar o serviço, o que impacta a política de preços das companhias aéreas”, explica Pedro Kislanov, lembrando que os preços das passagens foram coletados em agosto para quem ia viajar em outubro.

Gasolina - A segunda maior contribuição nos transportes (0,04 p.p.) foi da gasolina, cujos preços subiram 0,85%, desacelerando em relação à alta de 1,95% observada no mês anterior.

Artigos de residência - Ainda entre os grupos, Kislanov destaca que a segunda maior variação veio dos artigos de residência (1,53%), com a alta nos preços dos eletroeletrônicos e dos artigos de informática, influenciados pelo dólar. Outro destaque no lado das altas foi vestuário (1,11%), que acelerou na comparação com o mês anterior (0,37%). Os demais ficaram entre a queda de 0,04% em educação e a alta de 0,36% em habitação.

Generalizada - A alta dos preços foi generalizada em todas as 16 regiões pesquisadas pelo IBGE. O maior resultado ficou com o município de Rio Branco (1,37%), devido às carnes (9,24%) e ao arroz (15,44%). Já o menor índice ficou com a região metropolitana de Salvador (0,45%), influenciado pela queda nos preços da gasolina (-2,32%).

INPC avança 0,89%, maior índice em 10 anos - Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) teve alta de 0,89% em outubro. Esse é o maior resultado para um mês de outubro desde 2010, quando o INPC foi de 0,92%. Em setembro, o indicador havia ficado em 0,87%. No ano, o índice acumula alta de 2,95% e, nos últimos 12 meses, de 4,77%. Em outubro de 2019, a taxa foi de 0,04%.

Acima do IPCA - Pedro Kislanov observa que o INPC ficou, novamente, acima do IPCA (0,86%), mas com uma diferença menor que no mês anterior. Em setembro, o INPC avançou 0,87%, enquanto o IPCA subiu 0,64%. A aproximação dos dois indicadores em outubro pode ser explicada pelos alimentos e as passagens aéreas.

Fatores - “O IPCA se aproximou do INPC porque os preços dos alimentos continuam em alta, mas também por conta das passagens aéreas, que jogaram o IPCA para cima em outubro. O peso das passagens aéreas é maior no IPCA. Já os alimentos pesam mais no INPC”, diz, complementando que, em outubro, o preço dos produtos alimentícios subiu 2,11% no INPC, menos que no mês anterior (2,63%).

Cálculo - O INPC é calculado com base em famílias com rendimento de um a cinco salários mínimos, sendo o chefe assalariado, em dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília. Já o IPCA abrange famílias que ganham até 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte. (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Licia Rubinstein / Agência IBGE Notícias

 

ipca tabela 06 11 2020

 

 

ECONOMIA: Fortalecimento do crédito será prioridade em 2021, informa ministério

economia 06 11 2020O fortalecimento do crédito “no curto prazo” será uma das prioridades da equipe econômica para 2021, informou nesta quinta-feira (05/11) a Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia. Em nota informativa sobre os objetivos e os desafios da equipe econômica para 2021, o órgão informou que pretende investir na modernização das garantias (bens dados como garantia em empréstimos) para fortalecer a recuperação econômica após a pandemia de covid-19.

Imóvel - Entre as propostas apresentadas no documento estão a autorização para que um imóvel possa ser usado como garantia várias vezes, ajustes nos procedimentos de notificação e intimação para a execução extrajudicial da alienação fiduciária e mudanças nos valores de referência para os leilões de execução. As medidas pretendem facilitar o fornecimento de bens como garantia para a obtenção de empréstimos, ao mesmo tempo em que agilizam a execução das garantias (leilões quando o tomador fica inadimplente).

Novo processo - Para permitir a ampliação do uso das garantias, o governo pretende estabelecer um novo processo de execução extrajudicial da hipoteca, por meio de “aprimoramentos nas regras atinentes aos bens de família legais, estendendo a exceção hipotecária às garantias reais em geral”. Segundo a nota, o governo pretende criar as Câmaras Gestoras de Garantias, que pretendem “facilitar a constituição, a utilização, a gestão e o compartilhamento de garantias utilizadas para operações de crédito e de financiamento”.

Fundos de pensão - O governo também quer ampliar o uso do saldo de fundos de pensão como garantia de crédito. Segundo a SPE, isso permitiria padronizar regras e ampliar os tipos de instrumentos financeiros que podem ser usados como lastro (bem cujo valor é baseado em outro bem) nas operações de crédito. Atualmente, os principais instrumentos de lastro são os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) e Agrícolas (CRA).

Setor rural - A nota informativa lista propostas para estimular o desenvolvimento do setor rural com medidas vinculadas à preservação do meio ambiente. Uma das iniciativas em estudo, a criação do Fundo Imobiliário Rural pretende financiar a regularização das propriedades e os investimentos nas propriedades.

Bolsa de valores - Entre os instrumentos ambientais, estão a criação de um mercado na bolsa de valores para a negociação de cotas de reserva ambiental. Por meio do mecanismo, áreas rurais que excedam os limites mínimos de conservação podem ser vendidas para os proprietários de terrenos com percentual de preservação abaixo do exigido. O mercado funcionaria de forma similar aos créditos de carbono, que negocia cotas de emissão de gás carbônico.

CPR - Outra iniciativa em estudo é a Cédula do Produtor Rural (CPR) verde, que permite antecipar recursos da safra. O dinheiro obtido com a venda dos títulos irá para uma conta especial, da qual o produtor só poderá sacar recursos em prestações, mediante comprovação de que cumpriu metas de conservação de matas naturais na propriedade.

Desafios - O documento da SPE listou os principais desafios para a economia brasileira em 2021. Segundo o órgão, as principais ações se darão em duas frentes. Por um lado, o país precisa prosseguir com as reformas estruturais para controlar os gastos públicos e reequilibrar as contas. Por outro, a revisão de marcos regulatórios é importante, na avaliação da secretaria, para atrair investimentos privados e melhorar a competitividade da economia brasileira.

PECs - “As PECs [propostas de emendas à Constituição] de Emergência Fiscal, do Pacto Federativo, dos Fundos, e da Reforma Administrativa precisam caminhar no Congresso Nacional com o devido senso de urgência”, destacou o texto.

Prognósticos - Em relação aos prognósticos para o fim deste ano e o início de 2021, a nota informou que a economia está num movimento de retomada após a fase mais aguda da pandemia de covid-19. Segundo a SPE, a recuperação foi puxada pelo comércio e pela indústria no terceiro trimestre e será liderada pelo setor de serviços no quarto trimestre de 2020.

Mercado de trabalho - Em relação ao mercado de trabalho, a secretaria informou acreditar que o setor informal se recuperará com a reabertura das atividades. Para 2021, o documento disse acreditar que a taxa de ocupação da mão de obra retornará aos níveis anteriores ao início da pandemia. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

 

CÂMBIO: Dólar fecha no menor valor em quase um mês com eleições nos EUA

cambio 06 11 2020O ambiente externo positivo criado pela apuração dos resultados das eleições nos Estados Unidos fez o dólar ter mais uma forte queda e fechar no menor valor em quase um mês. A bolsa de valores voltou a superar os 100 mil pontos no terceiro dia seguido de alta.

Cotação - O dólar comercial fechou a quinta-feira (05/11) vendido a R$ 5,545, com recuo de R$ 0,108 (-1,91%). A cotação começou o dia em estabilidade, mas passou a recuar fortemente em meio à divulgação de novos resultados em estados americanos decisivos para definir o resultado da corrida eleitoral.

Menor valor - A divisa está no menor valor de fechamento desde 9 de outubro, quando tinha encerrado em R$ 5,527. O dólar acumula queda de 3,4% em novembro, mas registra alta de 38,2% em 2020.

Euforia - No mercado de ações, o dia foi marcado pela euforia. O índice Ibovespa, da B3, encerrou a quinta-feira aos 100.751 pontos, com forte alta de 2,95%. O indicador acumula alta de 7,2% na semana.

Otimismo global - O mercado financeiro teve um dia de otimismo global, com o dólar caindo na comparação com as principais moedas, inclusive de países emergentes como México e África do Sul. Nos Estados Unidos, os principais índices saltaram com a expectativa de vitória de Joe Biden nas eleições americanas e de um Congresso dividido, com a Câmara sob controle democrata e o Senado nas mãos dos republicanos.

Dow Jones - O índice Dow Jones, das empresas industriais, subiu 1,95%, o S&P 500, das 30 maiores empresas de capital aberto, ganhou 1,95%, e o Nasdaq, das empresas de tecnologia, valorizou-se 2,59%, passando para 11.890,93 pontos.

Congresso dividido - A manutenção de um Congresso dividido foi bem recebida pelo mercado financeiro norte-americano. Isso porque a manutenção da maioria republicana no Senado forçaria Joe Biden, se eleito, a adotar uma política moderada.

Decisão - A decisão do Federal Reserve, Banco Central norte-americano, de manter os juros básicos entre 0% e 0,25% ao ano também animou os mercados por representar um sinal de que a autoridade monetária está comprometida em socorrer a economia dos Estados Unidos em meio ao repique de casos de covid-19 no país. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

 

LEGISLATIVO: Congresso aprova projeto sobre compensação de perdas da Lei Kandir

legislativo 06 11 2020Segue para sanção do presidente da República o PLN 18/2020, projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional na quarta-feira (04/11) que dá início ao cumprimento do acordo para compensação das perdas dos entes federados com a Lei Kandir. Pelo acordo, a primeira parcela do total devido pela União aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios será quitada ainda neste ano.

LDO - O projeto altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) em vigor para permitir que o Executivo seja dispensado da apresentação de medidas compensatórias, como aumento de impostos, em razão da transferência.

Regras - O acordo, homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 20 de maio, prevê regras para a União compensar os entes federados pelas perdas com a desoneração de ICMS nas exportações — desoneração prevista na Lei Kandir. Estados, Distrito Federal e municípios devem receber R$ 58 bilhões, divididos em parcelas, até 2037.

Repasses - Estão previstos ainda dois repasses extras da União. Um, de R$ 3,6 bilhões, está condicionado à aprovação da Proposta de Emenda à Constituição do Pacto Federativo (PEC 188/2019). O outro, de R$ 4 bilhões, depende do futuro leilão de petróleo dos blocos de Atapu e Sépia.

Ministério da Justiça - O Congresso Nacional também aprovou na quarta-feira o PLN 15/2020, projeto de lei do Poder Executivo que modifica o identificador de resultado primário (RP) de R$ 869 milhões em emendas ao Orçamento de 2020 destinadas ao Ministério da Justiça. A alteração prevista nesse projeto, porém, não altera o montante das despesas primárias estabelecidas para o ano em curso. O texto segue agora para sanção do presidente da República.

Lei - A alteração decorre da Lei 14.005/2020, que modificou o Orçamento deste ano em decorrência de uma decisão do STF que havia determinado a transferência obrigatória de parte dos recursos das loterias oficiais aos entes federados para ações na área de segurança pública. O projeto estabelece que parte das emendas destinadas ao Ministério da Justiça, classificadas como RP-9, serão alteradas para RP-1, indicador que caracteriza as despesas primárias obrigatórias. Dessa forma, entrarão no cálculo da meta fiscal deste ano, cujo cumprimento está suspenso devido ao estado de calamidade decorrente da pandemia de covid-19. (Agência Senado)

FOTO: Marcos Brandão / Senado Federal

 

NOVO DECRETO: Governo define critérios para a realização de eventos no Paraná

novo decreto 06 11 2020O Governo do Estado definiu uma série de critérios para a realização de eventos abertos ao público no Paraná. As regras, que incluem capacidade máxima de 50%, uso obrigatório de máscara e distanciamento físico de no mínimo 1,5 metro entre as pessoas, estão previstas no decreto nº 6080/20, assinado na quarta-feira (04/11) pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior e publicado no Diário Oficial do Estado na mesma data.

Alteração - A normativa altera o decreto 4.230/20, editado em meados de março para definir as regras de distanciamento social logo no início da pandemia do novo coronavírus no Paraná, e também permite algumas atividades curriculares em estabelecimentos da rede de educação básica que ofertam ensino profissionalizante e de estágios obrigatórios das instituições de ensino superior da rede estadual.

Eventos de massa - As novas regulamentações não valem para eventos de massa que concentram um grande número de pessoas, conforme determina a normativa nº 595/17, da Secretaria de Estado da Saúde. Aqueles que proporcionam risco de aglomeração e não garantam o distanciamento físico também permanecem suspensos. Caso as orientações definidas no decreto sejam descumpridas, os responsáveis poderão sofrer penalidades civis ou penais.

Anuência - As novas regras foram possíveis a partir da anuência da Secretaria da Saúde. O secretário Beto Preto esclarece, contudo, que os cuidados devem ser mantidos de forma rigorosa. “Embora pareça que os números estão baixando e que a situação é de estabilidade, reforçamos que a continuidade dos cuidados é fundamental”, afirma.

Responsabilidade - O secretário reforça que cada indivíduo tem a responsabilidade sobre o seu cuidado, o uso de máscara é obrigatório, a higienização das mãos deve ser constante e ainda é importante evitar encontros desnecessário e aglomerações. “A pandemia da Covid-19 segue e precisamos cumprir os compromissos e atividades que temos com muito cuidado para evitar que mais pessoas morram e mais pessoas fiquem em estado grave”, ressalta.

Educação - O novo decreto reforça que continuam suspensas as aulas presenciais em escolas públicas e privadas, inclusive nas entidades conveniadas com o Estado, e em universidades públicas. De outra parte, ficam autorizadas a acontecer no modo presencial, em caráter excepcional, as aulas práticas de laboratório e estágios supervisionados obrigatórios do Ensino Médio Profissionalizante.

Procedimentos - Ainda assim, as atividades precisam seguir os seguintes critérios: devem ocorrer em ambientes previamente autorizados a funcionar pela Secretaria de Estado da Saúde; de acordo com planos de estudo devidamente aprovados no âmbito institucional; e mediante assinatura de termo de livre consentimento por parte do estudante ou responsável.

Ensino superior - Com relação ao Ensino Superior, o decreto autoriza, também em caráter excepcional, os estágios supervisionados obrigatórios de todos os cursos das universidades estaduais durante o período de suspensão das aulas presenciais, obedecendo os mesmos protocolos definidos para o Ensino Profissional. As atividades nas instituições privadas de ensino superior ou federais são determinadas pelo Ministério da Educação.

Últimos períodos - A medida contribui principalmente com os estudantes dos últimos períodos, muitos dos quais precisam apenas completar o estágio obrigatório para se formar. Mário de Athayde Junior, assessor da Coordenadoria de Ensino Superior da Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, ressalta que o retorno à atividade fica a critério do próprio estudante.

Teóricas - “As aulas teóricas estão acontecendo neste período a distância, mas as atividades práticas acabaram ainda mais prejudicadas pela pandemia. A retomada dos estágios fora da universidade, seguindo todos os critérios definidos pela Secretaria da Saúde, atende à necessidade dos alunos que precisam cumprir essa carga horária. As universidades estavam sendo muito demandadas neste sentido”, explica Athayde.

Critérios - Confira os critérios para a realização de eventos abertos ao público:

- O local deve assegurar condições para o distanciamento físico mínimo de 1,5 metro entre as pessoas, em todas as direções (9 m²/pessoa), considerando frequentadores e trabalhadores;

- Cada estabelecimento deve elaborar seu Plano de Contingência e dimensionar a capacidade do local, inclusive da disposição dos mobiliários, a fim de assegurar as condições para o distanciamento físico e demais medidas de prevenção;

- A capacidade de pessoas no local deve ser definida pelo responsável do estabelecimento de forma a garantir o distanciamento exigido e de forma a não ultrapassar 50% do total;

- Todos os frequentadores do evento devem obrigatoriamente usar máscara, conforme Lei Estadual n.º 20.189/20;

- O local deve ser mantido constantemente arejado. O uso do ar-condicionado deve ser evitado, mas caso seja imprescindível, o aparelho deve ser mantido com seus componentes limpos e com a manutenção preventiva em dia, sob responsabilidade de um profissional habilitado, adotando estratégias que garantam maior renovação do ar e maior frequência na limpeza dos componentes;

- O local deve disponibilizar dispensadores de álcool gel 70% para higienização das mãos, dispostos em condições de fácil acesso e mantidos constantemente abastecidos;

- Em nenhum local do evento deve ser permitida a formação de pontos de aglomeração;

- O local deve disponibilizar recursos para o controle do número de pessoas no evento, como senha, pré inscrição, QR-code e outros;

- Quando necessária, a venda de ingressos deve ocorrer preferencialmente online;

- Para eventos que possuem período definido de término, como palestras, teatros e outros, deve haver organização de fluxo de entrada e saída, para evitar aglomeração de pessoas também nestes pontos. (Agência de Notícias do Paraná)

 

SAÚDE I: País tem 161,7 mil mortes e 5,61 milhões de casos acumulados

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, o país registra 161.736 óbitos. Nas últimas 24 horas, foram registradas 630 mortes. Na quarta-feira (04/11), o sistema de dados sobre a pandemia marcava 161.106 óbitos. Ainda há 2.295 falecimentos em investigação, informação referente a quarta-feira.

Balanço diário - Os dados estão no balanço diário do Ministério da Saúde, divulgado na noite desta quinta-feira (05/11). A atualização é feita a partir das informações de mortes e casos levantadas pelas secretarias estaduais de saúde.

Infectados - O número de pessoas infectadas com o novo coronavírus desde o início da pandemia atingiu 5.612.319. Entre quarta e quinta-feira, foram notificados pelas autoridades estaduais de saúde 22.294 novos diagnósticos positivos para a doença. Na quarta, os dados consolidados pelo Ministério davam conta de 5.590.025 pessoas com covid-19 desde o começo da contagem.

Acompanhamento - O balanço não acrescentou novos pacientes em acompanhamento, permanecendo o dado do dia anterior 364.575. O mesmo vale para as pessoas que já se recuperaram da doença, totalizando 5.064.344. A justificativa do ministério é que ocorreu dificuldade na atualização devido à queda dos sistemas internos hoje.

Covid-19 nos estados - Os estados com mais mortes são São Paulo (39.717), Rio de Janeiro (20.849), Ceará (9.386), Minas Gerais (9.128) e Pernambuco (8.687). As Unidades da Federação com menos casos são Roraima (695), Acre (697), Amapá (751), Tocantins (1.108) e Rondônia (1.470). (Agência Brasil)

 

saude I tabela 06 11 2020

SAÚDE II: Boletim registra mais 910 infecções e 25 mortes pela Covid-19

saude II 06 11 2020A Secretaria de Estado da Saúde, em informe epidemiológico desta quinta-feira (05/11), divulga mais 910 infecções e 25 óbitos pela Covid-19 no Paraná. Os dados acumulados do monitoramento mostram que o Estado soma agora 214.918 casos e 5.242 mortos em decorrência da doença. Há ajuste de casos confirmados detalhados ao final do texto.

Internados - Nesta quinta-feira havia 694 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 internados: 573 pacientes em leitos SUS (275 em UTI e 298 em enfermaria) e 121 em leitos da rede particular (38 em UTI e 83 em enfermaria).

Exames - Há outros 791 pacientes internados, 379 em leitos UTI e 412 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão nas redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - Os 25 pacientes que faleceram estavam internados. São 11 mulheres e 14 homens, com idades que variam de 29 a 88 anos. Os óbitos ocorreram entre 23 de outubro e 05 de novembro.

Residência - Os pacientes que foram a óbito residiam em Londrina (5), Foz do Iguaçu (4), Arapongas (2), Porecatu (2). A Secretaria da Saúde registra, ainda, a ocorrência de um óbito em cada um dos municípios de Arapoti, Cascavel, Florestópolis, Ivaí, Maringá, Matinhos, Medianeira, Palmas, Rolândia, Santa Amélia, São Miguel do Iguaçu e São Sebastião da Amoreira.

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria da Saúde registra 2.257 casos de residentes de fora, sendo que 51 pessoas foram a óbito.

Ajustes - Os óbitos totais de residentes de Curitiba estão desatualizados em virtude da não notificação por parte do município ao Sistema Oficial do Estado do Paraná (Notifica COVID-19), que é compulsória.

Falta de registro - A Secretaria da Saúde identificou preliminarmente a falta de registro de aproximadamente 80 óbitos desde o dia 2 de outubro, que deixaram, portanto, de serem informados ao Estado pela Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba. A Secretaria Estadual ressalta a importância da informação correta, fiel e transparente.

Municípios - A Secretaria de Estado da Saúde esclarece, também, que os municípios são responsáveis pelos atendimentos e confirmações de casos. Assim como é de responsabilidade dos gestores municipais o registro das informações referentes aos pacientes no Notifica COVID-19 para que casos e óbitos possam ser contabilizados pelo Centro de Informações Estratégias em Vigilância em Saúde (CIEVS) da secretaria estadual.

Alteração de município - Dois casos confirmados no dia 05/10 em Cornélio Procópio foram transferidos para Londrina.

Um caso confirmado no dia 28/09 em Cornélio Procópio foi transferido para Londrina.

Um caso confirmado no dia 26/09 em Cornélio Procópio foi transferido para Londrina.

Um óbito confirmado no dia 03/08 em São José dos Pinhais (mulher, 67 anos) foi transferido para Fazenda Rio Grande.

Um óbito confirmado no dia 26/10 em Peabiru (mulher, 80 anos) foi transferido para Santa Terezinha de Itaipu.

Um óbito confirmado no dia 23/07 em Campo Magro (homem, 59 anos) foi transferido para São José dos Pinhais.

Exclusões - Foram excluídos por duplicidade de notificação um caso confirmado no dia 05/10 em Cornélio Procópio

Um caso confirmado no dia 05/09 em Cornélio Procópio

Um caso confirmado no dia 03/06 em Cornélio Procópio

Um caso confirmado no dia 10/06 em Cornélio Procópio

Um caso confirmado no dia 03/09 em Cornélio Procópio

Um caso confirmado no dia 23/10 em Palmas

Um óbito confirmado no dia 12/07 em Nova Prata do Iguaçu (mulher, 59 anos) foi excluído por duplicidade de notificação. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando AQUI 

 

SAÚDE III: Novo aplicativo do Estado amplia serviços de telemedicina

saude III 06 11 2020O Governo do Estado lançou nesta quinta-feira (05/11), na Universidade Estadual de Londrina (UEL), um novo serviço de atendimento à população chamado Saúde Online Paraná. A plataforma inovadora utiliza um sofisticado sistema de Inteligência Artificial, que vai conectar os pacientes e profissionais da Saúde de forma personalizada e eficiente. Para fazer download do aplicativo, clique aqui.

Prevenção e combate à Covid - O aplicativo será usado como medida de prevenção e combate à Covid-19, infecção respiratória grave, causada pelo novo coronavírus e seus efeitos psicológicos, além do monitoramento de doenças crônicas, que podem agravar o quadro clínico de pessoas contaminadas.

Alcance maior - Para o governador Carlos Massa Ratinho Junior, o novo aplicativo multiplica o alcance das medidas de proteção e atenção em saúde do Governo do Estado. “Um projeto inovador, que alia tecnologia e profissionais gabaritados para aprimorar e ampliar o atendimento à saúde da população em um momento tão delicado como este”, disse ele. “Estamos implantando sistemas inovadores para aproximar o governo da população e aprimorar serviços públicos”, afirmou.

Enfrentamento - Ratinho Junior também destaca que as medidas para o enfrentamento da pandemia incluem a expansão da oferta de leitos para pacientes da Covid-19, entrega de novos hospitais, parcerias para produção de vacina, além de proteção às pessoas mais vulneráveis. “O Saúde Online Paraná vem reforçar o rol de medidas de combate à Covid-19, consolidando nosso Estado como uma referência nesta área”.

Saúde física e mental - O superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Bona, enfatiza que o novo aplicativo vai beneficiar a saúde física e mental da população. “Ele permitirá o acompanhamento de relatórios e indicadores integrados sobre a situação da pandemia no Estado”, afirma, destacando melhorias no processo de tomada de decisões estratégicas por parte do Governo do Estado.

Aplicativo - No aplicativo, disponível inicialmente para Android na Play Store, os cidadãos poderão acessar informações oficiais sobre o novo coronavírus e receber atendimento de profissionais da saúde de plantão, tanto para buscar orientações relacionadas à Covid-19, quanto para outras doenças. A plataforma localiza as unidades de saúde mais próximas ao cidadão e apresenta informações sobre atendimentos. Em breve, o aplicativo estará disponível também na App Store para IOS.

Ferramentas e estratégias - “Precisamos utilizar todas as ferramentas e estratégias disponíveis para a promoção da saúde da nossa população. Já tivemos um período de uso do aplicativo extremamente bem-sucedido e apresentamos agora o aprimoramento do serviço”, destacou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Inovação - O novo aplicativo foi desenvolvido pela Techtools Health Innovation, empresa de inovação em saúde, a partir de uma demanda da Superintendência Geral e Ciência, Tecnologia e Ensino, com o apoio da Secretaria de Estado da Saúde.

Políticas públicas - “Reunimos as melhores tecnologias de certificação de identidade, triagem, inteligência artificial e telessaúde. Com base nesses dados, o Estado poderá gerir as políticas de Saúde Pública de forma ainda mais assertiva, engajando a comunidade na vigilância participativa”, comenta Jeff Plentz, fundador da empresa parceira.

Coordenação - Coordenadora do projeto de extensão UEL pela vida e contra o Coronavírus, Daniela Frizon Alfieri explica que a universidade será responsável pela coordenação da iniciativa. “A UEL já trabalhava com o conceito de telessaúde antes da pandemia, sendo referência no Paraná. Possuímos profissionais qualificados em diferentes áreas que vão contribuir para ampliar o acesso dos paranaenses ao serviço de saúde, reforçando o combate ao coronavírus”.

Funcionalidades - Os cidadãos cadastrados no aplicativo podem incluir os familiares que não possuem dispositivos móveis com acesso à Internet. Depois do cadastro, os pacientes passam por uma triagem rápida, selecionando as seguintes opções: Suspeita de Covid-19; Retorno de Covid-19 positivo; e Contato com Covid-19 positivo.

Encaminhamento - De acordo com o resultado da triagem, o paciente pode ser encaminhado a uma unidade de pronto atendimento ou realizar uma consulta remota com os médicos da plataforma, no período das 8 às 23 horas, diariamente. As consultas são realizadas pelo próprio aplicativo, por meio de Teleconsulta.

Prescrição - Caso seja necessário, os médicos podem prescrever medicamentos e emitir atestados digitais. Os médicos que atuam no Teleatendimento têm acesso ao histórico completo de consultas realizadas pelos pacientes, agilizando os diagnósticos e prognósticos.

Inteligência artificial - O Saúde Online Paraná utiliza recurso de Inteligência Artificial para identificar mais de 750 condições físicas e mentais diferentes. Ao responder um questionário fácil e intuitivo, o cidadão terá uma sugestão do nível de criticidade de sua condição de saúde e poderá se programar para procurar o atendimento médico indicado.

Telemedicina - A Telemedicina é um segmento da saúde que utiliza Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) na atenção médica a pacientes e profissionais da área, situados em locais diferentes, principalmente casos médicos em que a distância representa fator crítico na oferta de serviços de saúde.

Suporte - Esse serviço remoto possibilita o suporte ao diagnóstico clínico, permitindo a interpretação de exames e a emissão de laudos médicos a distância. A especialidade está amparada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), por meio da Resolução CFM nº 1.643/2002, com reconhecimento da Organização Mundial da Saúde (OMS), desde a década de 1990.

Segurança - O aplicativo preza pelos mais rígidos controles de privacidade, a fim de garantir que os dados de identidade dos cidadãos sejam preservados. As informações contidas na plataforma não serão usadas para nenhum outro fim, que não a segurança e a proteção sanitária da população paranaense. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Geraldo Bubniak / AEN

 

SAÚDE IV: ANS divulga números dos planos de saúde de setembro

saude IV 06 11 2020A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) atualizou os números de beneficiários de planos de saúde relativos ao mês de setembro. No período, o setor totalizou 47.118.643 usuários em planos de assistência médica e 26.030.342 em planos exclusivamente odontológicos em todo o Brasil.

Sala de Situação - A consulta destes dados está disponível por meio da Sala de Situação, ferramenta disponível no portal da ANS. Acesse aqui.

Tendência - Em setembro, foi confirmada a tendência de crescimento que vinha sendo verificada nos meses anteriores: na segmentação de assistência médica, o setor registrou um aumento de 0,37% no comparativo com agosto e de 0,27% em relação a setembro de 2019. Na segmentação odontológica, foi constatado crescimento de 0,93% em relação a agosto e de 3,48% em relação a setembro do ano passado.

Estados - Entre os estados, no comparativo com setembro do ano anterior, o setor registrou aumento de beneficiários em planos de assistência médica em 17 unidades federativas, sendo Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal os que tiveram o maior ganho de beneficiários em números absolutos. Já no segmento exclusivamente odontológico, 21 unidades federativas registraram aumento no comparativo anual, sendo São Paulo, Minas Gerais e Pernambuco os estados com maior crescimento em números absolutos. Confira os dados nas tabelas abaixo.

Modificações - A ANS ressalta que os números podem sofrer modificações retroativas em função das revisões efetuadas mensalmente pelas operadoras.

Tabelas - Confira nas tabelas abaixo a evolução de beneficiários por tipo de contratação do plano e por UF em diferentes competências. (ANS)

saude III tabela I 06 11 2020

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

   

saude III tabela II 06 11 2020

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

saude III tabela IIII 06 11 2020

 


Versão para impressão


RODAPE