Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4994 | 22 de Janeiro de 2021

CRÉDITO RURAL I: Paraná capta mais de 20% dos recursos de investimentos do Plano Agrícola e Pecuário

credito rural 22 01 2021O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) atualizou as informações sobre as operações do crédito rural no Plano Agrícola e Pecuário de 2020/2021. O Paraná obteve o maior montante em recursos aprovados, com R$ 3,2 bilhões, o equivalente a 21,2% do total dos repasses no país, que atingiu R$ 15,3 bilhões. As operações creditícias, destinadas a produtores rurais, empresas agropecuárias e cooperativas paranaenses, tiveram 17.219 beneficiários, em 22.275 operações. Os dados dizem respeito a contratos realizados até o dia 20 de janeiro de 2021 e estão disponíveis na página do BNDES.

Programas - Em todo o Brasil, foram realizadas 77.707 operações de crédito rural, com 59.092 beneficiários. Entre os programas com maiores montantes contratados estão o Moderfrota, Pronaf, PCA, ABC e Inovagro. Já no Prodecoop (Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária), considerado fundamental para os investimentos agroindustriais das cooperativas, as operações aprovadas no país atingiram R$ 551,73 milhões.

Diversificação - Segundo o superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti, a participação do Paraná na captação de recursos do Plano Agrícola e Pecuário se deve ao perfil do setor produtivo no estado. “A estrutura diversificada, tanto na agricultura quanto na pecuária, explica o número de operações firmadas com produtores e cooperativas paranaenses. São especialmente demandas destinadas a investimentos em aviários, pocilgas (suinocultura), lâminas de água (piscicultura), leiterias, além de máquinas e implementos agrícolas”, afirmou.

Cooperação - De acordo com o superintendente, o BNDES é um parceiro essencial para o cooperativismo. “Em fevereiro de 2020, o Sistema OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras) assinou um termo de cooperação com o banco, visando ampliar a aproximação, a troca de informações, a capacitação e levantamento de demandas. Foi uma iniciativa positiva e os resultados demonstram a importância do BNDES no fomento aos investimentos do setor cooperativista, bem como no fortalecimento do processo de agregação de valor na agricultura e pecuária brasileira”, disse.  

 

Crédito rural – Desempenho operacional (Brasil)

Beneficiários: 59.092

Operações: 77.707

Valor Aprovado: R$ 15,3 bilhões

Crédito rural – Desempenho operacional (Paraná)

Beneficiários: 17.219  

Operações: 22.275

Valor Aprovado: R$ 3,2 bilhões

FOTO: Arquivo CNH

 

BNDES 01

BNDES 02

BNDES 03

CRÉDITO RURAL II: Cooperativas de crédito realizaram quase 1/4 dos repasses

credito rural II destaque 22 01 2021As cooperativas de crédito figuram entre os principais agentes financeiros dos programas do Plano Agrícola e Pecuário de 2020/2021: Sicredi, Cresol e Sicoob (por meio do Bancoob) responderam por mais de R$ 5 bilhões em operações, quase 1/4 do total contratado. Nos repasses específicos para a agricultura familiar, que totalizaram R$ 2,6 bilhões, as cooperativas de crédito realizaram a intermediação em quase 80% dos contratos, com mais de R$ 2 bilhões.    

Proximidade - Na opinião do superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti, as cooperativas de crédito têm se posicionando como principais repassadoras das linhas de investimento do BNDES. “Isso é resultado da proximidade com seus cooperados e uma demonstração de confiança no sistema cooperativista de crédito. Essa presença é notadamente mais forte nos repasses destinados a investimentos, no quais as cooperativas de crédito mostram que acreditam nos produtores rurais, contribuindo para viabilizar projetos de médio e longo prazo, que agregam valor e diversificam a atividade agropecuária”, disse.

Agentes financeiros – intermediação dos repasses (Brasil)

Cooperativas: R$ 5,03 bilhões

Repasses específicos para a agricultura familiar

Cooperativas: R$ 2,07 bilhões

BNDES 04

BNDES 05

 

 

 

 

PANORAMA: Sistema Ocepar divulga documento com perspectivas de mercado para 2021

panorama II 22 01 2021Diversas informações que impactam nas atividades do cooperativismo paranaense estão concentradas no documento “Perspectivas de Mercado”, divulgado nesta semana pela Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec). A publicação traz dados sobre economia, agronegócio, comércio exterior, clima, política e saúde, focando as principais questões que estão sendo discutidas no momento, tanto em âmbito nacional como internacional, com o propósito de fornecer uma ampla visão sobre os diversos cenários, visando auxiliar os profissionais do setor e as lideranças do cooperativismo na tomada de decisões.

Síntese - O documento inicia com uma síntese das projeções para este ano. De acordo com a edição referente ao mês de janeiro, a expectativa é de aumento de 4% no PIB mundial em 2021. Mas, segundo análise dos profissionais da Ocepar, as incertezas permanecem no mercado global. Outro destaque é a vacinação contra a Covid-19, que iniciou em várias partes do mundo, com avanço mais acelerado nos países desenvolvidos. No Brasil, a atividade econômica deve melhorar em 2021, como reflexo da vacinação, juros baixos e crescimento global. O documento destaca ainda que a inflação deve continuar avançando, da mesma forma que a dívida pública segue preocupando o mercado, mas deve reduzir nos próximos anos.

Agro - Em relação ao setor agropecuário, o documento da Getec destaca o aumento de 17% no Valor Bruto da Produção (VBP) em 2020 e a projeção de mais uma safra de grãos recorde no país, que deve atingir 264,8 milhões de toneladas na safra 2020-2021, de acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Também ressalta que as exportações do agronegócio brasileiro atingiram US$ 100,8 bilhões em 2020 e que as cooperativas paranaenses exportaram US$ 4,4 bilhões, o que equivale a quase 34% das exportações do agronegócio paranaense no ano passado.

Dados – Após o resumo, o informe “Perspectivas de Mercado”, segue com dados mais detalhados sobre a atividade econômica no Brasil e no mundo, vacinação, inflação, taxa de juros, câmbio, eleições do novo presidente da Câmara dos Deputados, safra de grãos, prognóstico de clima, Valor Bruto da Produção Agropecuária, exportações do agronegócio, além de mercado de carnes (frango e suínos) e leite.

Clique aqui e confira o documento completo

FOTO: Pixabay

 

 

 

 

COOPAVEL: Devido a restrições, Show Rural vai ter versão reduzida e visitas pré-agendadas no mês de março

coopavel 22 01 2021As necessárias restrições e normas baixadas para conter a pandemia do coronavírus levaram a direção do Show Rural Coopavel a promover mudanças significativas na edição de 2021. Ao contrário de outros anos, as visitações presenciais com público bastante limitado ocorrerão ao longo de todo mês de março. As visitas deverão ser pré-agendadas.

Nota oficial - Em nota oficial emitida na manhã desta quinta-feira (21/01), o presidente da Coopavel e o coordenador geral Rogério Rizzardi afirmam: “Atento ao avanço da pandemia de Covid-19, o Show Rural Coopavel concluiu que para proteção de seus expositores, funcionários e visitantes o evento de 2021 será realizado somente em versão reduzida e com visitas previamente agendadas”.

Grupos - Pequenos grupos de produtores rurais e técnicos da área de abrangência da cooperativa serão formados para conhecer novidades de tecnologia para a agricultura apresentadas por 40 empresas que já cultivaram suas parcelas no parque. “Mesmo com a diminuição no número de pessoas na área, vamos empregar um rigoroso protocolo de segurança, tudo para fazer com que a visita seja a mais proveitosa possível”, segundo Dilvo Grolli.

Digital - As novidades preparadas para a 33ª edição vão ser apresentadas a agricultores do Brasil e do mundo pelos canais de mídias sociais do Show Rural Coopavel. “Vamos empregar a tecnologia digital para levar esses conteúdos a todos que se interessam por novas tecnologias e avanços que, ao longo dos anos, tantas transformações trazem ao dia a dia das propriedades rurais”, diz o agrônomo Rogério Rizzardi. Para assistir aos episódios basta acessar o seguinte endereço: youtube.com/showruralagro.

Expectativa - A expectativa da organização central do Show Rural Coopavel é de que a normalidade, com um evento com a presença dos mais importantes e destacados setores da cadeia do agronegócio, ocorra em 2022. A data da edição do ano que vem já foi definida, será de 7 a 11 de fevereiro. (Imprensa Coopavel)

 

COAMO: Encontro de Verão abre série de eventos virtuais no primeiro bimestre de 2021

Diferente do ocorrido nos primeiros meses do ano passado, desta vez as tradicionais Reunião de Campo, Assembleia Geral e Encontro na Fazenda Experimental serão promovidos no formato virtual. O evento que abriu a programação da Coamo em 2021 foi nesta sexta-feira (22/01), às 09 horas, com o Encontro de Verão na Fazenda Experimental, com a participação dos cooperados por meio do canal da Coamo no Youtube. Na sequência virá a Reunião de Campo, 27 de janeiro, e posteriormente a Assembleia Geral Ordinária, que deverá ocorrer na primeira quinzena de fevereiro, assim como outro evento técnico da Fazenda Experimental.

Referência - O tradicional encontro de cooperados na Fazenda Experimental está na 33ª edição e neste formato virtual reuniu cooperados e técnicos da Coamo, além de pesquisadores abordando diversos assuntos de interesse dos produtores. De acordo com o diretor de Suprimentos e Assistência Técnica da Coamo, Aquiles de Oliveira Dias, mesmo diante de toda a situação sanitária causada pela pandemia do Coronavírus, a Coamo fez questão de realizar o encontro. “O formato virtual foi a maneira encontrada para que possamos compartilhar as novidades do segmento com nossos cooperados e equipe técnica”, frisa.

Objetivo - Ele recorda que o objetivo da Fazenda Experimental é aprimorar as tecnologias para que os cooperados possam ter o melhor resultado possível de forma rentável e sustentável. “A atividade agrícola é bastante dinâmica e sempre tem seus desafios. A equipe técnica da Coamo está atenta a todos os assuntos relacionados ao sistema de produção buscando a melhor maneira de resolver as possíveis situações que possam preocupar o cooperado”, diz Aquiles.

Laboratório a céu aberto - O presidente Executivo da Coamo, Airton Galinari, recorda que a cooperativa completou 50 anos em 2020 e a Fazenda Experimental 45 anos. “Isso mostra que desde o início a cooperativa tem como foco levar e aprimorar as melhores técnicas, sistemas e tecnologias disponíveis. A Fazenda Experimental é um laboratório a céu aberto responsável por disseminar conhecimento para os seus cooperados”, assinala.

Gerando conhecimento - O presidente do Conselho de Administração da Coamo, José Aroldo Gallassini, reforça a importância do evento para gerar mais conhecimento aos cooperados. “A Fazenda Experimental foi criada para ser uma estação de experimentos de novos produtos que chegam no mercado. É um trabalho que tem uma grande importância para que possamos recomendar e orientar os cooperados com qualidade e precisão, sobre o uso de novos produtos e a implementação de novas tecnologias.”

Experiência - Segundo o gerente de Assistência Técnica da Coamo, Marcelo Sumiya, a informação não pode parar, porém é preciso respeitar os protocolos e continuar evitando aglomerações. Ele recorda que a primeira experiência digital do Encontro de Cooperados foi em julho, com o evento de inverno, e a aceitação foi positiva. “Os entrepostos da Coamo também passaram a realizar os dias de campo virtuais, ajustando os temas e o formato, com boa participação dos cooperados”, destaca.

Tecnologia - O chefe da Fazenda Experimental da Coamo, João Carlos Bonani, destaca que os assuntos do evento desta sexta-feira foram escolhidos para atender os interesses dos cooperados neste momento que antecede a colheita da safra de verão 2020/2021. “Foram apresentados os trabalhos de pesquisa em andamento na Fazenda Experimental Coamo, os desafios no manejo de Amaranthus hybridus resistente a herbicidas, Buva resistente a herbicidas: Cenário atual e estratégia de controle, e como preparar a planta de soja frente a condição de estresse. (Imprensa Coamo)

{vsig}2021/noticias/01/22/coamo/{/vsig}

INTERCOOPERAÇÃO: Frísia, Castrolanda e Capal lançam o CoopMode para aumentar a sinergia em inovação

intercooperacao 22 01 2021A intercooperação está na estratégia da Frísia, Castrolanda e Capal há anos. Simplificam processos, fortalecem investimentos e conquistam resultados em conjunto. Esse sistema também chegou ao setor de inovação. As cooperativas lançam o CoopMode, uma iniciativa de intercooperação para fomentar a inovação.

Pilares - O CoopMode é baseado em três pilares: cultura da inovação, que visa sensibilizar - por palestras, capacitações, entre outros - colaboradores, cooperados e a alta gestão das cooperativas sobre a importância da aplicação da inovação; projetos de inovação conjuntos; e, por fim, acesso e conexão com ecossistemas de inovação, em que realizarão editais de pesquisas, encontros, inovação aberta etc.

Ganho - De acordo com o coordenador de Marketing da Frísia, Auke Dijkstra Neto, o grande ganho com essa intercooperação é a sinergia das ações, com redução de custos e aumento do impacto dos resultados. “Temos desafios iguais, e estamos unindo forças no segmento de inovação para resolvê-los de forma rápida e precisa. A Frísia, a Castrolanda e a Capal já tinham suas ações inovadoras, então vimos que muitas delas eram similares e poderíamos criar essa sinergia para simplificar e ampliar o trabalho e o resultado”, explica Dijkstra Neto.

Novos patamares - Olivia Franzoia Moss, agente de Inovação da Castrolanda, afirma que intercooperar para inovar abre caminhos e espaço para alcançar novos patamares. “Vimos oportunidade entre as cooperativas de desenvolver ações em conjunto, agregar valor aos nossos cooperados por meio da inovação, capilarizar os temas ligados à inovação, bem como ampliar o relacionamento com o ecossistema de inovação do Brasil”.

Atuação - “Atuamos em toda a cadeia produtiva, da terra ao consumidor final, e seremos mais efetivos simplificando o trabalho e agilizando os procedimentos. Tudo isso conquistaremos com foco na inovação nas nossas ações”, explica a analista de Comunicação e Marketing da Capal, Alessandra Heuer.

Solução - Para Luís Henrique Penckowski, gerente Técnico de Pesquisa da Fundação ABC, a união de pessoas, trabalhando juntas para um mesmo objetivo, acelera a busca pela solução de um problema. “Nos mais de 95 anos de cooperativismo nos Campos Gerais nós temos vários exemplos de que isso dá certo. É por isso que a Fundação ABC apoia o CoopMode para buscar soluções inovadoras aos produtores cooperados”, acrescentou.

Impulsionador - O CoopMode será um impulsionador para a inovação dentro e entre as cooperativas, gerando ganhos em competitividade, maior geração de valor aos cooperados e aos negócios.

Benefícios - Com a iniciativa, espera-se diversos benefícios como a ampliação da conexão com ecossistema de inovação, a identificação de tendências e oportunidades, o alinhamento estratégico em inovação e soluções tecnológicas. (Imprensa Capal)

 

LAR: Ação solidária promove entrega de 100 cestas básicas à entidade assistencial

Na segunda-feira (18/01), a empresa UPL e a Lar Cooperativa realizaram a entrega da doação de 100 cestas básicas à Sociedade Semear de Medianeira-PR. A ação fez parte do programa Cooper UP, desenvolvido pela UPL, que no ano de 2020 trabalhou com o tema - "Conexão que gera solidariedade", no qual 900 cestas básicas foram entregues para entidades brasileiras de apoio a crianças e idosos em nome de cada cooperativa participante.

Auxílio - A Sociedade Semear, uma entidade assistencial e beneficente, nasceu em 2000 com o objetivo definido de auxiliar as famílias a cuidar das crianças e adolescentes de um dos bairros mais vulneráveis do município. Com 20 anos de trabalho e história, atua com Programas e Projetos Sociais, atendendo por mês mais de 1.200 crianças e adolescentes de toda a região.

Gratidão - As doações foram recebidas pela fundadora Leci Desbessel e sua equipe de trabalho. “Somos muito gratos à UPL e Lar, essa doação com certeza fará diferença na vida das crianças e suas famílias, minimizando a situação de vulnerabilidade agravada com a Covid-19”, afirma Leci.

Entrega - A entrega foi realizada pelo superintendente de Negócios Agrícolas da Lar, Vandeir Conrad; o gerente da Divisão de Insumos Agrícolas da Lar, Ramiro Marcelo Debortoli Criveletto e o consultor técnico comercial da UPL, Alexandre Comae. (Imprensa Lar)

{vsig}2021/noticias/01/22/lar/{/vsig}

UNIMED PONTA GROSSA: HGU inicia a vacinação dos profissionais da linha de frente

unimed ponta grossa 22 01 2021O final da tarde da quarta-feira (20/01) foi marcado pelo início da vacinação contra a Covid-19 nos profissionais de saúde do Hospital Geral Unimed.

Doses - Para atender à priorização às equipes que atuam na linha de frente no atendimento à Covid-19, o hospital recebeu 387 doses da CoronaVac, aprovada para uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Aplicação simbólica - Na aplicação simbólica, que abriu o cronograma de vacinação na instituição, os primeiros a receber as doses foram dois médicos, quatro profissionais de enfermagem, um colaborador do laboratório, que realiza as coletas de exame PCR-RT, e uma colaboradora da higienização. Todos atuam diretamente na unidade e na UTI exclusivas para atendimento à Covid.

Reconhecimento - “Esses primeiros profissionais foram escolhidos de forma simbólica, para que cada um deles represente cada profissional do cuidado que é prestado aos pacientes no atendimento à Covid. Uma forma de reconhecer e realmente agradecer por todos esses meses de pandemia que os profissionais atuaram à frente no atendimento aos pacientes. Sem essas equipes, o HGU não seria a referência que é hoje”, comentou Eduardo Bacila, presidente da Unimed Ponta Grossa.

Emoção - Há 15 anos trabalhando como enfermeira no HGU, Tânia Cardoso contou que não conseguiu conter as lágrimas quando soube que seria uma das primeiras a ser imunizada. “Não foram meses fáceis, foi uma rotina muito pesada. Um vírus desconhecido, tudo mudando, ninguém sabia o que ia acontecer. Nós estamos numa fase complicada da pandemia, fazendo tudo que é possível para poder suprir todas as necessidades e não deixar faltar nada para os pacientes. Passar por tudo isso e chegar até aqui, e agora ser vacinada, é gratificante e poder se proteger vai nos ajudar a continuar essa batalha, ainda temos um longo período pela frente”.

Esperança - Thomas D’haese, médico coordenador da unidade Covid do HGU, que também recebeu a vacina na quarta-feira, relata que receber a vacina deu a sensação de esperança. “É o início do fim. Estamos começando a sair de dentro do buraco. A vacina é a única forma de nos livrarmos dessa doença de maneira efetiva, para controlar a doença e o número de casos. Temos muito caminho pela frente até conseguirmos imunizar boa parcela da população. Infelizmente, ainda teremos muitos casos. estamos vivendo uma segunda onda, tão pesada quanto a primeira. Mas [a vacinação] começou, é uma luz no fim do túnel”.

Logística interna - No HGU, as aplicações devem se estender até domingo, em uma logística interna montada pela equipe de imunização da cooperativa para que todos os profissionais contemplados nesse grupo prioritário possam receber a vacina e também para que se mantenha o cumprimento dos protocolos de cuidado e distanciamento social.

Atendimento - Desde março, 445 pacientes já receberam atendimento na unidade Covid do HGU, sendo destes, 283 casos confirmados. De acordo com o último boletim divulgado pela instituição na quarta-feira (20/01), a ala exclusiva do hospital para Covid conta com 18 pacientes internados na enfermaria e 11 na unidade de terapia intensiva. (Imprensa Unimed Ponta Grossa)

 

SICREDI ALIANÇA: Em ano atípico, cooperativa reforça relacionamento com associados e entrega R$ 31 milhões em resultado

sicredi alianca 22 01 2021O ano de 2020 foi bastante atípico e mostrou, sem sombra de dúvidas, o quanto estar junto mesmo que não tão fisicamente é importante. Neste contexto, a Sicredi Aliança PR/SP chegou a um momento histórico: atingiu R$31 milhões em resultado, somou 60 mil associados e R$2 bilhões em ativos, o que mostra que apesar do momento atípico, os associados têm a cooperativa como seu ponto de apoio.

Confiança - “Esse é o nosso papel, estar junto do associado em todos os momentos. 2020 foi um ano que começou com muitos questionamentos e nos perguntamos como seria passar por isso tudo e ainda não acabou. Rapidamente buscamos a forma mais segura de atender ao associado, adotamos medidas de prevenção, buscamos alternativas de contribuir com a vida financeira daqueles que confiam na Sicredi Aliança PR/SP. Confiança é o ponto chave e resume tudo o que vivemos no período. Nossa equipe de colaboradores cresceu para dar ainda mais suporte nas agências, aumentamos nossa área de atuação para que mais pessoas possam participar de uma instituição financeira colaborativa. O resultado foi muito bom e poder entregar esse resultado aos associados confirma que estamos no caminho correto. Fica o agradecimento aos conselhos fiscal e de administração, diretoria, associados e colaboradores que vestiram a camisa junto com a gente”, considerou o presidente do Conselho de Administração, Adolfo Rudolfo Freitag.

Compromisso - O diretor executivo, Fernando Barros Fenner, ressalta que a proximidade com o associado e os números obtidos reforçam o compromisso da cooperativa com seu quadro social e com as regiões onde está inserida. “Finalizamos o ano de 2020 com 61.982 associados, representando um crescimento de 17% com relação a 2019, em ativos chegamos a importante marca de R$2 bilhões, um crescimento expressivo de 56% comparado ao ano anterior, fechamos o Patrimônio Líquido em R$207 milhões, representando 19% de crescimento e entregamos um resultado histórico de R$31 milhões, representando uma variação positiva de 21%. Tudo isso mostra que alcançamos solidez e confiança. Quanto mais o associado participa da cooperativa maior serão os ganhos em conjunto. Quanto maior for o nosso resultado mais o associado também recebe, fomentando o que chamamos de círculo virtuoso”, disse. (Imprensa Sicredi Aliança PR/SP)

 

SICOOB OURO VERDE: Agência digital é reinaugurada no Boulevard Londrina Shopping

sicoob ouro verde 22 01 2021Na quarta-feira (20/01), o Sicoob Ouro Verde reinaugurou sua Agência Digital, que é destinada a Pessoas Físicas. A unidade, que antes ficava alocada na Unidade Administrativa da cooperativa, no Calçadão, agora está localizada no Boulevard Londrina Shopping.

Cerimônia - Para marcar essa mudança, foi realizada uma cerimônia presencial, seguindo todas as recomendações de segurança devido à pandemia. O evento também teve transmissão on-line, que permitiu que mais pessoas pudessem acompanhar.

Participação - Presencialmente, participaram da reinauguração o presidente do Conselho de Administração, Roberto Cremonez; o diretor-presidente, Elisberto Torrecillas; os diretores Ademir Aparecido de Lucca e Rodnei Carlos Muller Fernandes; a gerente da agência, Nadiane Fernandes, além do superintendente do Boulevard Londrina Shopping, Mauricio Morelato.

Digital - O diretor Elisberto comenta que a unidade é voltada para o digital, mas sem perder uma característica importante do atendimento nas cooperativas, que é o olho no olho. “Queremos inovar, sem perder a essência do humano. As pessoas sabem onde está a agência e quem está atendendo. Além disso, entre os diferenciais está o horário que é mais flexível, atendendo até às 20h, o processo que é muito mais ágil e a agência em si, que tem uma estrutura diferente. Aqui é um espaço para que o cooperado se relacione e resolva o que precisar”, afirma.

Facilidade de acesso - "Iremos operar em uma nova região de Londrina, em um espaço com muitas facilidades de acesso e que proporcionará aos cooperados em um atendimento humanizado e próximo", ressalta a gerente Nadiane.

Produtos financeiros - De acordo com Mauricio, no setor de produtos financeiros, o Boulevard Londrina Shopping já dispõe de caixas eletrônicos 24 horas, lotérica e, agora, uma instituição financeira. “Estamos incrementando as opções de serviços aos nossos visitantes e trazendo novas facilidades aos lojistas e clientes”, explica.

Localização - A agência Digital Pessoas Físicas fica localizada na avenida Theodoro Victorelli, 150, Primeiro piso - Loja AL01, no Boulevard Londrina Shopping, em Londrina (PR). (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

UNIPRIME: Aplique seu dinheiro com poucos cliques

uniprime 22 01 2021A Uniprime se prepara para disponibilizar novas funções de investimento no aplicativo Uniprime Mobile Banking. A partir de janeiro, os cooperados poderão realizar aplicações diretamente pelo celular. “Trata-se da inclusão da Letra de Crédito Imobiliário (LCI), da Letra Financeira (LF) e da Poupança no app da Uniprime. Além destes produtos, o cooperado também conta com os investimentos já disponíveis no aplicativo, como o RDC e o Unicap”, explica Vinicius Evangelista de Souza, Analista Desenv. Java da cooperativa.

Site - Para saber qual investimento é o mais adequado ao seu perfil, acesse o site ou entre em contato com seu gerente agora mesmo. (Imprensa Uniprime)

 

ABAG/BAYER: Conheça as histórias inspiradoras das Embaixadoras do Prêmio Mulheres do Agro 2021

abag bayer 22 01 2021Com destaques para as regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul, 11 mulheres que se sobrepõem no setor agropecuário foram selecionadas pela Bayer e pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) para se tornarem Embaixadoras da 4ª edição do Prêmio Mulheres do Agro. "Com o legado de gestão inovadora que estas empreendedoras construíram no meio rural, queremos encorajar e abrir espaço para que mais mulheres possam contar como elas fazem a diferença na agropecuária. Desta forma, acreditamos que será possível inspirar e incentivar a outras mulheres a se inscreverem este ano", explica Daniela Barros, diretora de Comunicação Corporativa para a área agrícola da Bayer Brasil.

Pequena propriedade - Mara Motter, de Três Arroios (RS), que integra o time, é uma das vencedoras do Prêmio Mulheres do Agro 2020, na categoria Pequena Propriedade, e, em sua nova função, tem como objetivo impulsionar outras mulheres, principalmente as de seu estado, a enviarem os projetos desenvolvidos por elas para serem avaliados pela comissão julgadora da premiação. A produtora comanda, há 12 anos, a gestão da Granja Motter & Cia, fundada por seus pais, e não parou de buscar formas para melhorar a eficiência na lavoura que produz trigo, soja, milho, pecuária bovina e suína, com ciclo de manejo de solo e rotação de cultura.

Valorização - Para a empresária, a premiação e a sua missão como embaixadora representam a valorização de um trabalho que começou há muito tempo. "Hoje, sem dúvida, a nossa fazenda é referência na minha região e por mérito e esforço da minha família. Comecei muito nova na área, aos 19 anos, e, por isso, já superei algumas barreiras por ser uma mulher jovem liderando uma propriedade rural. Então, ser reconhecida pela Bayer e pela Abag na última edição do prêmio é uma experiência, que, para mim, não tem preço. Ao receber este troféu sinto que estou trilhando o caminho certo. Além disso, é como se fosse um reforço para que a gente siga, cada vez mais, produzindo com qualidade e sustentabilidade", completa Mara.

Conteúdo digital - Também escolhida para ser uma das Embaixadoras do Prêmio Mulheres do Agro 2021, Aretuza Negri é uma das primeiras criadoras de conteúdo digital sobre o agro nas redes sociais, com seu perfil Ela é do Agro!. O canal tem o objetivo de discutir temas relacionados ao trabalho rural de um ponto de vista feminino.

Presença - "As mulheres sempre estiveram presentes na agricultura, mas ainda é muito pouco falado sobre a relevância delas no setor. Muitas participam de todos os processos de gestão da propriedade e carregam consigo a ideia de que não são do agro, mas que somente "ajudam" da forma que podem. Fico muito feliz em ser embaixadora do Prêmio Mulheres do Agro desse ano. Uma vez que, iniciativas como esta, dão voz ao lado feminino do agronegócio. Ser embaixadora é ter a honra de falar sobre mulheres e motivar tantas outras a contar suas histórias, por meio das mídias sociais", reforça a influenciadora.

Premiação - A premiação idealizada pela Abag e a Bayer, em 2018, chega em sua 4ª edição este ano. Desde sua criação, 550 produtoras já se inscreveram na iniciativa, que até o momento, agraciou 27 agricultoras de várias regiões do Brasil. O prêmio é destinado às mulheres que se destacam à frente da gestão de propriedades agrícolas, sejam elas pequenas, médias ou grandes fazendas.

Inscrições - Com o início das inscrições em março deste ano, o tema do prêmio é Gestão Inovadora e reconhecerá iniciativas para boas práticas agropecuárias e gestão sustentável com foco nos pilares econômico, social e ambiental como: uso racional de recursos naturais, aumento da eficiência da produção com gestão inovadora, projetos que permitam o desenvolvimento social da comunidade ou colaboradores da propriedade, bem-estar animal e valorização do capital humano. Serão premiadas as candidatas que ficarem nas três primeiras colocações de cada categoria (pequena, média e grande propriedade), o que significa um total de nove finalistas.

Exemplo -"As nossas embaixadoras representam, exatamente, o que nós queríamos ao criar este projeto: valorizar mulheres, gestoras e que dão um exemplo de agricultura sustentável em suas propriedades. Não tenho dúvida que, ao longo do ano, estas trajetórias vão inspirar outras produtoras a se inscreverem no prêmio e contarem as suas histórias", finaliza Gislaine Balbinot, gerente de Comunicação da Abag.

Quem são - Conheça as Embaixadoras do Prêmio Mulheres do Agro 2021: Tatiele Dalfior Ferreira (Governador Lindenberg, Espírito Santo); Simoni Tessaro Niehues (Serranópolis do Iguaçu, Paraná); Mara Motter (Três Arroios,Rio Grande do Sul); Clarisse Liana Weber Volski (Pitanga, Paraná); Kamila Laida Guimaraes Aguiar (Rio Verde, Goiás); Michelle Rabelo de Morais (Pato de Minas, Minas Gerais); Flávia Montans (Rio Verde, Goiás); Simone Felisbino (Rio Verde, Goiás); Luciana Dalmagro (Batatais, São Paulo); Aretuza Negri (Piracicaba, São Paulo) e Simone Dameto (Goiânia, Goiás).

Mais - Saiba mais sobre o Prêmio Mulheres do Agro no site: http://www.premiomulheresdoagro.com.br

Sobre o Prêmio Mulheres do Agro - O Prêmio Mulheres do Agro é uma iniciativa idealizada, em 2018, pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) e pela Bayer, para valorizar a importância do trabalho realizado pelas produtoras rurais, incentivando cada vez mais a gestão inovadora de mulheres no setor. O prêmio tem como tema Gestão Inovadora e reconhece empreendedoras rurais de pequenas, médias e grandes propriedades que seguem boas práticas agropecuárias e gestão sustentável com foco nos pilares econômico, social e ambiental como: uso racional de recursos naturais, aumento da eficiência da produção com gestão inovadora, projetos que permitam o desenvolvimento social da comunidade ou colaboradores da propriedade, bem-estar animal e valorização do capital humano. (Assessoria de Imprensa)

 

RODOVIAS: Justiça suspende aumento do pedágio da Ecocataratas

rodovias 22 01 2021Uma decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) concedeu, na terça-feira (19/01), antecipação de tutela para Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná (Agepar) sobre a suspensão de reajuste das tarifas da concessionária Ecocataratas. Na prática, o despacho impede o aumento que seria aplicado em dezembro de 2020.

Decisão - A Ecocataratas havia obtido decisão favorável da 5ª Vara Federal de Curitiba autorizando o processamento do pedido de reajuste. A Agepar recorreu e reverteu a decisão, mantendo a suspensão. Os reajustes das tarifas praticadas pela Ecocataratas foram suspensos, inicialmente, em reunião do Conselho Diretor em 10 de novembro de 2020.

Acordos - Os aumentos decorreriam do fim dos acordos de leniência firmados entre as empresas e o Ministério Público Federal (MPF) do Paraná. Para a Agepar, que não participou do acordo, no entanto, houve erros de cálculo em reajustes realizados em 2016 e 2017, e o valor deve ser reduzido ao mínimo possível para assegurar “a cobertura mínima dos custos operacionais" das concessionárias até novembro de 2021, quando termina o contrato atual de concessão.

Novas planilhas - A agência ainda está analisando novas planilhas encaminhadas pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR).

Outras concessionárias - Em relação ao reajuste anual dos pedágios das concessionárias, as concessionárias Viapar, Caminhos do Paraná e Econorte têm liminares para aplicar aumento das tarifas. Ecovia, Rodonorte e, desde terça-feira (19/01), Ecocataratas, estão com reajuste suspensos. (Agência de Notícias do Paraná)

 

ECONOMIA: Monitor do PIB aponta alta de 1,1% na atividade econômica em novembro

economia 22 01 2021A atividade econômica teve alta de 1,1% em novembro, em relação a outubro. É o que mostra o Monitor do PIB-FGV, divulgado nesta quinta-feira (21/01), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV). No trimestre móvel que terminou em novembro, se comparado ao trimestre móvel concluído em agosto, o avanço ficou em 4,4%.

Anual - Já na comparação interanual, o movimento foi diferente e a economia apresentou queda de 0,6% em novembro. Apesar de ainda estar em retração, esse percentual significou a menor queda desde o início da pandemia, na comparação com o mesmo mês de 2019. No trimestre móvel encerrado em novembro a queda foi de 1,7%. No acumulado do ano até novembro, o PIB (Produto Interno Bruto - a soma de todas as riquezas produzidas no país) em valores correntes ficou em aproximadamente R$ 6 trilhões 766 bilhões 288 milhões.

Expansão - Para o coordenador do Monitor do PIB-FGV, Cláudio Considera, o crescimento de 1,1% da economia em novembro em relação a outubro reflete a expansão registrada nas três grandes atividades econômicas: agropecuária, indústria e serviços.

Demanda - Já pela demanda, o consumo das famílias recuou no mês, em grande parte, por causa da influência do fraco desempenho do consumo de serviços ainda impactado pelo isolamento social. Mas, segundo o economista, houve compensações e a economia apresenta sinais de retomada, embora ainda em ritmo lento.

Capital fixo - “Em contrapartida, a formação bruta de capital fixo ajudou a compensar essa queda, crescendo 1,2%, mostrando recuperação dos investimentos. Embora ainda esteja em patamar muito abaixo do nível pré-pandemia, a economia dá sinais de retomada, ainda que lenta, no que parece ser a volta a seu antigo normal de crescimento fraco e instável”, observou.

Consumo das famílias - O Monitor do PIB-FGV indicou que o consumo das famílias caiu 3,0% no trimestre móvel de setembro a novembro, em relação ao mesmo período de 2019. De acordo com o Ibre, embora ainda com variações menos negativas, o consumo segue com tendência ascendente, desde a histórica queda de 12,2% no segundo trimestre.

Consumo de bens - Na avaliação do Monitor, essa trajetória menos negativa, na maior parte, é resultado do desempenho do consumo de bens, uma vez que o consumo de serviços tem registrado recuperação mais lenta. Esse tipo de consumo também tem apresentado taxas menos negativas desde o resultado do segundo trimestre.

Serviços - Já na análise mensal de novembro de 2020 com o mesmo mês em 2019, o consumo de serviços também registrou recuo entre os componentes do consumo. Segundo o Ibre, isso ocorreu, principalmente, por causa das retrações do consumo de alojamento, alimentação e demais serviços prestados às famílias, que dependem de interação social, dificultada pela pandemia.

Destaque - Conforme o Monitor, o destaque entre os bens, têm relação direta com o desempenho positivo dos produtos duráveis, que cresceram 8,9% em novembro. Esses produtos são menos dificultados pelo isolamento social, e podem ser comprados por meio do comércio eletrônico.

FBCV - Após sete quedas consecutivas, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) voltou a crescer e apresentou avanço de 1,0% no trimestre móvel concluído em novembro, se comparado ao mesmo trimestre de 2019. O crescimento, de acordo com o Ibre, é decorrente do desempenho positivo de máquinas e equipamentos (3,4%) e da construção (0,6%).

Exportação - Ainda segundo o Monitor do PIB-FGV, a exportação de bens e serviços recuou 6,5% no trimestre móvel entre setembro e novembro, em relação ao mesmo trimestre de 2019. A avaliação indicou que houve retração em praticamente todos os componentes nesta comparação.

Exceções - As exceções foi a exportação de bens de consumo, que aumentou 17,6%, impulsionada pela elevação de 21% na exportação de bens de consumo não duráveis e de consumos duráveis que cresceram 9,4%, no trimestre. A exportação de produtos da extrativa mineral também apresentou desempenho positivo no trimestre (3,3%).

Volume total - O volume total exportado de bens e serviços teve queda de 2,9%. Poderia ter sido maior se não tivessem ocorrido crescimentos em três segmentos: bens de consumo (17,3%), produtos da extrativa mineral (13,0%) e bens intermediários (2,5%). O Monitor indicou que a maior queda ocorreu na exportação de produtos agropecuários (27,8%), seguida dos recuos de 24,2% em bens de capital e de 21,5% na exportação de serviços.

Importação - Houve retração também na importação (14,4%) no trimestre móvel de setembro a novembro, na comparação com o mesmo trimestre de 2019. Embora muito negativa, o percentual representa uma melhora em relação ao desempenho anterior. A importação de produtos agropecuários (6,7%) foi o único componente com crescimento. A maior parte dessa retração pode ser explicada pelas quedas acentuadas de bens de capital (-26,4%), bens intermediários (-6,2%) e dos serviços (-30,2%).

Segmentos - O Monitor mostrou, ainda, que, em novembro, a maior parte dos segmentos da importação apresentou expansão. Os únicos em queda foram os segmentos de extrativa mineral e de serviços, que seguem com recuos expressivos desde abril, com taxa de -20,0% em novembro.

Impacto - Ainda conforme a pesquisa, todas as atividades econômicas foram impactadas de alguma forma pela chegada da pandemia no Brasil, o que provocou a necessidade de adoção de medidas de isolamento social. A análise apontou que, entre as principais atividades econômicas diretamente atingidas pela covid-19, figura a saúde pública e privada.

Percentual - As duas atividades representavam, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 4,3% do PIB em 2018, sendo a saúde pública responsável por 1,9 ponto percentual (p.p.) e a saúde privada pelos outros 2,4 p.p.

O que é Monitor do PIB-FGV - A pesquisa estima mensalmente o PIB brasileiro em volume, em valor corrente e em valor constante a preços de 1995. Ele foi criado para dar à sociedade um indicador mensal do PIB, tendo como base a mesma metodologia das Contas Nacionais do IBGE.

Série - A série começou em 2000 e inclui todas as informações disponíveis das Contas Nacionais do IBGE até o último ano de divulgação e as informações das Contas Nacionais Trimestrais do IBGE (CNT), até o último trimestre divulgado. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

CÂMBIO: Dólar fecha a R$ 5,36 em dia de bastante volatilidade

cambio 22 01 2021Num dia de bastante volatilidade, o dólar reverteu o otimismo registrado pela manhã e aproximou-se de R$ 5,40 durante a tarde, antes de desacelerar perto do fim da sessão. A bolsa de valores emendou a terceira sessão seguida de queda, depois de operar em leve alta na abertura dos negócios.

Cotação - O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (21/01) vendido a R$ 5,364, com alta de R$ 0,052 (+0,99%). Pela manhã, a divisa chegou a cair 1,5%, para R$ 5,23, mas a cotação reverteu a tendência perto das 12h, até fechar próxima da máxima do dia.

Ações - No mercado de ações, o dia também foi marcado pela turbulência. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 118.329 pontos, com recuo de 1,1%. O indicador afastou-se do nível recorde de 125 mil pontos registrado no último dia 8.

Declarações - A volatilidade no mercado financeiro intensificou-se após declarações do candidato à presidência do Senado Rodrigo Pacheco (DEM-MG) de que a eventual reinstituição do auxílio emergencial será discutida na primeira semana da nova legislatura do Congresso. Mais tarde, ele afirmou que o tema será debatido com respeito às regras fiscais e ao teto federal de gastos.

Gastos públicos - Uma eventual extensão do auxílio emergencial sem a compensação por outras fontes de recursos aumentaria os gastos públicos. Isso eleva a pressão sobre o mercado financeiro, que pede a continuidade das reformas estruturais, como a administrativa e a tributária. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

 

CÂMARA DOS DEPUTADOS: Projeto prorroga até abril pagamento do auxílio emergencial, com valor de R$ 600

camara deputados 22 01 2021O Projeto de Lei 5650/20 prorroga o pagamento do auxílio emergencial como medida de enfrentamento à pandemia de Covid-19, com valor de R$ 600, até abril deste ano. O auxílio foi criado pela Lei 13.982/20 para atender pessoas em situação de vulnerabilidade social durante a emergência de saúde pública provocada pela doença. O projeto tramita na Câmara dos Deputados.

Extinção - Pago desde abril de 2020, sendo as cinco primeiras parcelas de R$ 600 e as quatro últimas de R$ 300, o auxílio emergencial acabou extinto em 31 de dezembro do ano passado, juntamente com o fim da vigência do decreto 6/20, que reconheceu a situação de emergência de saúde no País.

Vantagens sociais - Autor do projeto, o deputado Chiquinho Brazão (Avante-RJ) avalia que as vantagens sociais e econômicas trazidas pelo auxílio emergencial devem ser mantidas. “Ainda que de forma temporária, o benefício contribuiu para reduzir o índice de pobreza da população e para manter a atividade econômica”, diz Brazão.

Pobreza - "Caso o auxílio não tivesse sido oferecido desde abril de 2020, o índice de pobreza teria saltado para 36% durante a pandemia. Além da queda de renda da população, o fim do benefício vai afetar a arrecadação de estados e municípios e os pequenos comércios locais”, acrescentou.

STF - Uma liminar concedida pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), em 30 de dezembro de 2020, garantiu a prorrogação das medidas sanitárias de enfrentamento à pandemia, mas não prorrogou o decreto que reconheceu o estado de calamidade pública nem o pagamento do auxílio-emergencial.

Lei de Responsabilidade Fiscal - Na prática, com o fim do estado de calamidade, o governo volta a ficar submetido às imposições da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), sendo obrigado a cumprir metas de execução do orçamento e limites de endividamento e de gastos com pessoal, o que reduz sensivelmente os recursos disponíveis para financiar políticas de assistência social e ações emergenciais na saúde e no setor produtivo. (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Cleia Viana / Câmara dos Deputados

 

SAÚDE I: Mortes somam 214,1 mil e casos, 8,69 milhões

O total de pessoas que morreram de covid-19 desde o início da pandemia chegou a 214.147 com o novo balanço divulgado pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira (21/01). Nas últimas 24 horas, foram registradas por equipes de saúde mais 1.316 mortes. Foi o segundo dia seguido com mais de 1.300 óbitos confirmados. Na quarta-feira (20/01), o total acrescido às estatísticas foi 1.340. Há 2.835 mortes em investigação por equipes de saúde.

Novos diagnósticos - O número de pessoas infectadas desde o início da pandemia subiu para 8.697.368. Entre quarta e quinta-feira (20 e 21/01), as autoridades de saúde confirmaram 59.119 novos diagnósticos positivos de covid-19.

Acompanhamento - Há 902.480 pessoas com casos ativos em acompanhamento por profissionais de saúde. O número marca um aumento de 40 mil pacientes em observação em relação a ontem. O número de recuperados é de 7.580.741 pessoas.

Estados - Na lista de estados com mais mortes, São Paulo ocupa a primeira posição (50.938), seguido por Rio de Janeiro (28.440), Minas Gerais (13.891), Ceará (10.261) e Pernambuco (10.133). As unidades da Federação com menos óbitos são Roraima (819), Acre (844), Amapá (1.019), Tocantins (1.334) e Rondônia (2.070).

Casos - Em número de casos, São Paulo também lidera (1,67 milhão), seguido por Minas Gerais (668,2 mil), Bahia (553,7 mil), Santa Catarina (552,3 mil) e Rio Grande do Sul (520,3 mil). (Agência Brasil)

 

saude I tabela 22 01 2021

SAÚDE II: Boletim confirma mais 3.126 novos casos e 71 mortes pela Covid-19

saude II 22 05 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quinta-feira (21/01) mais 3.126 novos diagnósticos e 71 mortes por Covid-19 no Paraná. Há ajuste ao final do texto. Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 511.460 casos confirmados e 9.171 óbitos em decorrência da doença.

Meses - Os casos divulgados nesta quinta-feira são de janeiro de 2021 (2.969) e dos seguintes meses de 2020: abril (3), maio (1), junho (13), julho (7), agosto (10), setembro (6), outubro (5), novembro (36) e dezembro (76).

Internados - O boletim desta quinta-feira relata que há 1.332 pacientes com diagnóstico confirmado internados. São 1.110 pacientes em leitos SUS (573 em UTI e 537 em enfermaria) e 222 em leitos da rede particular (94 em UTI e 128 em enfermaria).

Exames - Há outros 1.374 pacientes internados, 510 em leitos UTI e 864 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão nas redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Secretaria Estadual da Saúde o falecimento de mais 71 pacientes. São 29 mulheres e 42 homens, com idades que variam de 32 a 98 anos. Os óbitos ocorreram entre 6 de setembro de 2020 a 21 de janeiro de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Ponta Grossa (12), Paranaguá (5), Cascavel (3), Jaguariaíva (3), Pinhais (3), Arapongas (2), Araucária (2), Castro (2), Foz do Iguaçu (2), Guamiranga (2), Japira (2), Nova Londrina (2), Telêmaco Borba (2) e Toledo (2).

Uma morte - A Secretaria da Saúde registra ainda a morte de uma pessoa em cada um dos seguintes municípios: Andirá, Apucarana, Arapoti, Assaí, Bandeirantes, Bela Vista do Paraíso, Cambé, Campo Mourão, Colombo, Curitiba, Faxinal, Formosa do Oeste, Guaira, Itambé, Londrina, Maringá, Nova Esperança, Pinhão, Porecatu, Quedas do Iguaçu, Rio Azul, Rolândia, São João, São José dos Pinhais, Tibagi, Ubiratã e Umuarama.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 4.004 casos de residentes de fora, com   72 pessoas que foram a óbito.

Ajustes - Exclusão:

Total de exclusão: 14 casos e 14 óbitos de residentes no Paraná

Um caso e óbito confirmado (mulher, 84 anos) no dia 30 de maio de 2020 em Londrina foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (mulher,72) no dia 11de junho de 2020 em Jaguapitã foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (homem, 81) no dia 21de junho de 2020 em Eneas Marques foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (homem, 65) no dia 13 de julho de 2020 em Maringá foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (mulher, 52) no dia 19 de julho de 2020 em Ortigueira foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (homem, 53) no dia 22 de julho de 2020 em Arapongas foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (homem, 51) no dia 26 de julho de 2020 em Maringá foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (homem,77) no dia 12de agosto de 2020 em Foz do Iguaçu foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (homem, 71) no dia 19de setembro de 2020 em Piraquara foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (mulher, 80) no dia 01de outubro de 2020 em Santa Terezinha de Itaipu foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (homem, 81) no dia 22 de junho de 2020 em Almirante Tamandaré foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (mulher,83) no dia 07 de dezembro de 2020 em Maringá foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (mulher, 76) no dia 03 de dezembro de 2020 em Maringá foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (homem, 76) no dia 22 de dezembro de 2020 em São Miguel do Iguaçu foi excluído por erro de notificação (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando  AQUI

 

SAÚDE III: Vacinação já começou nos 399 municípios do Paraná

saude III 22 01 2021A vacinação contra a Covid-19 começou em todos os 399 municípios do Estado. O balanço foi divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde às 14h30 desta quinta-feira (21/01), menos de 72 horas depois das primeiras doses desembarcarem no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Regionais - O Governo do Estado, responsável pela logística de distribuição, entregou as ampolas para as 22 Regionais de Saúde em pouco mais de 24 horas, inclusive com atraso por conta do mau tempo, o que impossibilitou o transporte aéreo para as três regionais do Oeste. Essa celeridade permitiu com que elas chegassem a todos os municípios em 44 horas e que as primeiras pessoas fossem vacinadas em 100% do Paraná em 67 horas.

Processo - “O compromisso do Governo do Estado sempre foi buscar o melhor para a população paranaense, e distribuir vacinas que fossem certificadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), respeitando o Programa Nacional de Imunização (PNI), o quanto antes. Queremos acelerar esse processo”, afirmou o secretário estadual de Saúde, Beto Preto.

Planejamento - Segundo ele, o início da vacinação em 399 municípios em menos de 72 horas é resultado do planejamento organizado pela Secretaria de Estado da Saúde desde o final do ano passado, com treinamento de técnicos, preparação de 1.850 salas de vacinação e distribuição de 1,7 milhão de insumos secos (seringas, aventais, luvas, máscaras, carteirinhas) no final de semana que antecedeu a chegada das vacinas a todas as 22 Regionais, inclusive com escolta policial.

Logística - O Governo do Estado montou uma verdadeira força-tarefa para a logística de distribuição, que incluiu três aeronaves e uma frota de caminhões. O Paraná recebeu do Ministério da Saúde 265.600 doses da Coronavac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, na segunda-feira (18).

Primeiras doses - As primeiras 132.540 doses (metade do lote) saíram do Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar) na terça-feira (19/01) de manhã. As primeiras foram entregues a Curitiba, pelas 8 horas, e às 9 horas aviões decolaram do Aeroporto do Bacacheri levando cerca de 80 mil frascos para o Interior. Outras regionais que ficam perto da Capital foram atendidas por via terrestre.

Retirada - Na quarta-feira (20/01), pouco depois das 15h, todos os municípios haviam retirado as suas cargas e a maioria iniciou a vacinação no mesmo dia, de maneira simbólica ou definitiva.

Outro lote- O outro lote será encaminhado para aplicação da segunda dose em três semanas. O armazenamento está sendo feito no Cemepar, que conta com ampla estrutura de freezers e câmaras frias, além de questões de segurança. Nesse momento a aplicação da vacina está sendo feita nos profissionais da saúde, indígenas, idosos institucionalizados e pessoas com deficiência severa, de acordo com os critérios estabelecidos no Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19.

Vacinação - A primeira vacinada no Paraná foi a enfermeira Lucimar Josiane de Oliveira, de 44 anos, servidora do Hospital do Trabalhador, na segunda-feira à noite. Além dela, também foram vacinados o médico Diego Schuster Paes, 30; as técnicas de enfermagem Patrícia Moreira, 33, e Denise Dias Brito, 38; a nutricionista Caroline Benvenutti, 33; a fonoaudióloga Suellen Meduna, 38; a encarregada de higienização Neura Cordeiro Barbosa, 46; e a fisioterapeuta Larissa Mello Dias, 34.

Diversas cidades - Na terça-feira houve vacinações simbólicas em diversas cidades. Em Londrina, quem puxou a fila foi a enfermeira Fátima Ruiz, de 52 anos, que atendeu o primeiro caso confirmado de Covid-19 na cidade. A técnica de enfermagem Ana Paula de Oliveira Machado, de 37 anos, foi a primeira pessoa a receber o imunizante em Maringá. Maria da Glória Souza, de 58 anos, auxiliar de enfermagem, foi a primeira vacinada em Umuarama.

Curitiba - Na quarta-feira foi a vez de Curitiba começar a sua campanha de imunização, alcançando mais de 800 aplicações no primeiro dia. A enfermeira Silvana Maria Bora, que trabalha na UPA Boa Vista, recebeu a Coronavac às 10h15. Em Cascavel, no Oeste do Estado, a primeira pessoa a receber o imunizante foi a técnica de enfermagem Ducilene Daniel Batista, de 56 anos. Ela trabalha na linha de frente no Hospital Municipal de Retaguarda Allan Brame Pinho.

Contador - A Secretaria de Estado da Saúde espera divulgar nesta sexta-feira (22/01) o quantitativo de imunizados no Paraná com a primeira dose. Esse levantamento está sendo feito em colaboração com o Ministério da Saúde, que centralizará as informações, mas a Sesa também está fazendo uma sondagem paralela com as Regionais de Saúde. (Agência de Notícias do Paraná)

 

SAÚDE IV: Governo divulga dados da distribuição da vacina contra a Covid

saude IV 22 01 2021O Governo do Estado passou a publicar, nesta semana, a situação da vacinação no Paraná, no que cabe ao Poder Executivo. Além dos dados sobre a doença, ocupação de leitos e gastos com a pandemia, estão disponíveis no site www.coronavirus.pr.gov.br o Plano Estadual de Vacinação, a distribuição de insumos por Regional da Saúde e sugestão de texto para os prefeitos construírem planos para atender seus municípios.

Segurança - “O objetivo do Governo do Estado é garantir o máximo de segurança na destinação da vacina entregue pela União. Com mais transparência, inibe-se atos ilegais e até desumanos, como o desvio do medicamento ou aplicação fora do cronograma de prioridades, dando possibilidade de a sociedade ajudar a fiscalizar a distribuição das doses”, afirmou o controlador-geral do Estado, Raul Siqueira.

Controle social - O secretário da Saúde, Beto Preto, reforçou a importância do controle social. “Todos estamos ansiosos pela vacina. Por isso, é preciso respeitar o planejamento e os grupos prioritários, para que possamos alcançar a imunização consistente de nosso Estado. O nosso plano visa a proteger a população paranaense e reduzir as perdas provocadas por essa doença”, disse o secretário.

Conteúdo - Para acessar o conteúdo, o cidadão deve abrir aba Vacinação, na barra superior do site. Na nova aba, também podem ser consultados os anexos, que trazem estimativa da população a ser vacinada por Regional de Saúde, conforme os grupos prioritários, conceitos e escalonamento da vacinação em trabalhadores da saúde e, também, um roteiro para ajudar o município a elaborar seus planos municipais de vacinação.

Novas informações - A Coordenadoria de Transparência e Controle Social, da Controladoria-Geral do Estado, em conjunto com a Secretaria da Saúde e a Secretaria da Comunicação e da Cultura, está trabalhando para verificar a possibilidade de incluir novas informações no site.

Dados - Nesse endereço eletrônico estão reunidos os dados das ações adotadas para o enfrentamento à covid-19 e evolução da doença, em tabelas ou gráficos, que podem ser baixados pelo usuário.

No Paraná- O Estado recebeu do Ministério da Saúde na segunda-feira (18) 265.600 doses, 22.720 reservadas para a população indígena e 242.880 para profissionais de saúde que atuam diretamente na pandemia; idosos que vivem em asilos ou outras instituições e seus cuidadores; e pessoas com deficiência severa. O Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19 segue o Plano Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde.

Previsão - Com a quantidade de doses disponibilizadas até o momento e as que chegarão nos próximos meses, seguindo a ordenação por grupos prioritários, a previsão é vacinar 4.019.115 pessoas até maio. A vacinação ocorrerá de acordo com o recebimento dos imunizantes, de forma gradual e escalonada, durante todo o ano. A intenção é vacinar todos os paranaenses acima de 18 anos ainda neste ano. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Gilson Abreu / AEN

 

ARTIGO: Agronegócio, protagonismo conquistado com resiliência

artigo 22 01 2021*Adriano Machado

O agronegócio vem sendo, ano a ano, o sustentáculo da economia brasileira. Mesmo em um ano atípico e até desastroso para outros segmentos da indústria em razão da pandemia, o setor manteve seus patamares de crescimento e deve fechar 2020 com 1,5% de ganho, conforme estimativa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Até mesmo em 2021, para o qual os especialistas anteveem dificuldades, o agribusiness deve sair ileso, com alta prevista de 1,2%.

Nos estados da região Sul o agronegócio tem especial relevância, visto que são fortes em diversas culturas. Nem mesmo a combinação da pandemia e fenômenos naturais (estiagem e nuvem de gafanhotos) tirou o protagonismo do agro para o Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. No Paraná, cerca de 80% das exportações saem do segmento, segundo o Mapa, sendo este o terceiro estado brasileiro mais expressivo neste quesito. Conforme dados da Radiografia da Agropecuária Gaúcha 2020 do Governo do Rio Grande do Sul, por exemplo, a receita do agronegócio corresponde a 40% do PIB do Estado. Com Santa Catarina não é diferente, uma vez que o bom desempenho do agronegócio amenizou o ritmo de queda registrado este ano no estado catarinense.

Segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio acumulou alta de 8,48% de janeiro a agosto de 2020 em comparação com igual período de 2019, registrando crescimento em plena pandemia, atribuído à safra recorde de grãos 2019/20 e à forte alta dos preços agropecuários, resultado do reforço da demanda, tanto interna quanto externa, e do câmbio favorável, que traz vantagens às empresas exportadoras do setor. Esta capacidade de resiliência do agronegócio vem sendo observada de perto pelo ranking Grandes & Líderes - 500 Maiores do Sul, elaborado pelo Grupo Amanhã em parceria com a PwC Brasil há 30 edições. O levantamento mostra que o desempenho do ramo no Sul vem indicando uniformidade ao apresentar pouca diferença nos últimos anos em seus principais indicadores.

Na mais recente divulgação, relativa ao exercício de 2019, das 82 empresas relacionadas diretamente ao segmento, as receitas líquidas somadas correspondem a R$ 220.918 bilhões, 36% do total de companhias analisadas. Embora se atenham ao período anterior à pandemia, quando se falava em uma "retomada gradual", estes números provam o quanto o agro vem de algum tempo condicionando a uma atuação de destaque para a economia nacional. Investimentos em novas tecnologias, adoção de práticas modernas de gestão e aperfeiçoamento contínuo vem contribuindo sobremaneira para que os empresários do campo criem esta condição favorável ao crescimento. Porém, se já havia desafios, 2020 veio para colocar todos à prova. Independentemente do cenário, contudo, o agribusiness parece estar mais blindado do que outros setores e pronto para semear novas terras.

*Adriano Machado é sócio da PwC Brasil

 


Versão para impressão


RODAPE