Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 4999 | 29 de Janeiro de 2021

INSUMOS: CMN simplifica o crédito para atendimento a cooperados

insumos 29 01 2021O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprimorou as regras e simplificou os controles existentes sobre as linhas de financiamento para compra de insumos nas operações feitas por meio de cooperativas de produção agropecuária. Com a mudança, as cooperativas poderão encaminhar as informações referentes à aquisição de insumos e aos cooperados atendidos até 120 dias antes da data de vencimento da operação, tornado o processo mais simples, fluído e com a manutenção do controle por parte do regulador. A nova regra entra em vigor em 1 de março. 

Pleito - A medida atende aos pleitos negociados entre a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar) e cooperativas com o Banco Central e a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban). “A resolução traz avanços e nossa expectativa é de, a partir de março, a situação esteja adequada e a questão resolvida”, afirmou o superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti. (Com informações do Banco Central)

Clique para ler a Resolução CMN 4.886

 

 FOTO: Arquivo CNH

 

NOTA DE PESAR: Sistema Ocepar lamenta morte de Hebert Bartz, um dos pioneiros do plantio direto

O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, lamentou o falecimento do produtor rural e um dos pioneiros do plantio direto no Paraná, Herbert Bartz, ocorrido na madrugada desta sexta-feira (29/01), em Rolândia (PR), onde residia. “A história de Bartz converge com o desenvolvimento desta importante tecnologia, que é o sistema de plantio direto na palha, e que muito contribuiu para que nossa agricultura se tornasse referência nesta prática conservacionista. Juntamente com os produtores Manoel Henrique Pereira, o Nonô Pereira, e Franke Dijkstra, foi um dos pioneiros na difusão desta importante prática no mundo”, lembrou. Bartz tinha 83 anos e morreu em decorrência de falência múltipla dos órgãos, devido à uma pneumonia. Ele deixa a esposa Luíza, a filha Marie e o filho Johann Bartz. 

Plantio Direto - A técnica do plantio direto destaca, como principal atributo, a conservação do solo que impactou o aumento significativo da produtividade de grãos, além ser um excelente meio para se fixar no solo o dióxido de carbono (CO2) retirado da atmosfera, contribuindo para a redução do efeito estufa. Os três, Bartz, Nonô e Dijkstra, promoveram a disseminação e adaptação de uma nova técnica de cultivo às condições da agricultura nacional. As ações do plantio direto ocorreram em dias de campo, reuniões, palestras e encontros. Hoje, o Brasil é líder mundial no uso de plantio direto, que ocupa mais da metade de sua área plantada. Segundo o Ministério da Agricultura, a viabilidade econômica do sistema se assegura no crescimento – em muitos casos na duplicação – da produção e da produtividade.

Show Rural - No dia 3 de fevereiro de 2015, durante o Show Rural Coopavel, foi lançado um livro sobre a história do plantio direto no Paraná, trabalho coordenado pela Itaipu, na ocasião os três pioneiros (foto) Franke Dijkstra, Herbert Bartz e Manoel Henrique Pereira, o Nonô Pereira foram homenageados pelo presidente da Itaipu, Jorge Samek e pelo presidente da Coopavel, Dilvo Grolli.

{vsig}2021/noticias/01/29/falecimento/{/vsig}

COPAGRIL: Cooperativa tem 43% de aumento no faturamento e ultrapassa R$ 2,5 bilhões em 2020

A Cooperativa Agroindustrial Copagril completou 50 anos de fundação em 2020 e essa marca histórica também é acompanhada de outros destaques, um faturamento com incremento de 43% em relação ao ano anterior. Mesmo em um período marcado pela pandemia, os negócios da Copagril foram adiante e por meio dos esforços dos cooperados e empregados, apoio dos clientes e parceiros, resultaram em valores recordes para a cooperativa e que representam 86% a mais do resultado em relação ao ano anterior e as sobras que serão distribuídas aos cooperados será 70% maior e estarão disponíveis em 1º de fevereiro.

AGO - Os resultados foram apresentados durante a Assembleia Geral Ordinária (AGO), realizada na modalidade semipresencial, nesta quinta-feira (28/01). O diretor-presidente da Copagril, Ricardo Sílvio Chapla, conduziu os trabalhos e durante a apresentação destacou que o ano trouxe desafios, mas que foram encarrados por todos com muita responsabilidade. “Houve o entendimento e a confiança das pessoas envolvidas e assim foi possível continuar produzindo, industrializando e comercializando. Evidentemente, o reflexo desta determinação está nos resultados de toda cooperativa”, reforça Chapla.

Destaque - O destaque na composição do faturamento está na recepção de grãos como, por exemplo, a recepção da soja de 82% maior em relação ao ano de 2019 e o trigo, que representa 128% a mais em 2020. Assim como, todos os negócios também apresentaram bom desempenho. “Superamos os R$ 2,5 bilhões em faturamento, uma marca histórica para a Copagril e que representa um bom aumento no comparativo com o ano anterior. Em relação às sobras, na próxima semana os associados já podem ir até sua Unidade Copagril de negócios e retirar os valores correspondentes”, destaca o diretor-presidente.

2021 - O relatório de 2020 foi aprovado na AGO, onde também foram apresentadas e validadas as projeções e objetivos para 2021, entre eles ampliação e modernização de unidades de recebimento de cereais (soja e milho), fomentar a produção pecuária (aves, suínos, peixes e leite), estudos de viabilidade de novos negócios e o início da operação da unidade de esmagamento de soja, em Marechal Cândido Rondon.

Potencialização das atividades - “Em 2021 temos investimentos planejados com o objetivo de potencializar nossas atividades. E de mesmo modo, com várias oportunidades para os associados da Copagril ampliarem e diversificarem seus negócios, pois temos a necessidade de aumentar a capacidade produtiva e todos serão fundamentais neste processo”, completa do diretor-presidente Ricardo Chapla. (Imprensa Copagril)

{vsig}2021/noticias/01/29/copagril/{/vsig}

LAR: Cooperativa apresenta plano de expansão pecuária até 2024

Com números surpreendentes, a Diretoria Executiva da Lar Cooperativa apresentou aos prefeitos e vice-prefeitos da região Oeste do Paraná o seu planejamento de ampliação das atividades de suinocultura e avicultura de corte até 2024. A reunião aconteceu na manhã dessa quinta-feira (28/01), nas dependências do Lar Centro de Eventos, em Medianeira, respeitando distanciamentos e medidas de prevenção à Covid-19. “Essa região é uma das melhores do país, e pode ser ainda melhor”, afirmou o diretor-presidente da Lar, Irineo da Costa Rodrigues, ao mencionar a importância de unir forças em prol do desenvolvimento regional. Segundo o dirigente, a cooperativa quer ser apoiadora dos municípios em prol de obras estruturantes, como melhorias de estradas, duplicações de rodovias e expansão da rede de energia elétrica trifásica para atender o avanço que está acontecendo no campo.         

Números - Dentre os principais números detalhados estão investimentos na ordem de R$ 2,412 bilhões (somando Lar e seus associados), crescimento de 165% na avicultura e geração de renda mensal aos integrados (atividade de suínos e aves) de R$ 37,3 milhões, valor que movimenta a economia local. Irineo destacou também a geração de empregos da Lar, atualmente é a Cooperativa singular que mais emprega no país, são 20.500 funcionários e até 2024 serão mais de 25 mil empregos diretos e, se considerarmos que para cada uma pessoa empregada na industrialização de aves são gerados outros 17 empregos indiretos, o número é muito maior.

Troca de ideias - O momento também foi para troca de ideias entre os prefeitos mais experientes e os que tomaram posse no mês de janeiro. Foi unanimidade o reconhecimento de que os produtores rurais são empresários do município, as atividades de suínos e aves geram renda e empregos em um curto período de tempo, são pessoas da região investindo na região.

Presenças - Participaram da reunião o prefeito de Medianeira Antonio França e o vice Evandro Mees, prefeito de Matelândia - Maximino Pietrobon, prefeito de Ramilândia - Edson dos Santos, prefeito de Diamante d’Oeste - Guilherme Pivatto Junior, vice-prefeito de Santa Terezinha de Itaipu - Vanio Morona, vice-prefeito de São Miguel do Iguaçu - Claudio Rodrigues, vice-prefeito de Itaipulândia - Lindolfo Rui, prefeito de Serranópolis do Iguaçu - Ivo Roberti, prefeito de Missal – Adilto Ferrari e prefeito de Céu Azul – Laurindo Sperotto.

Demandas urgentes - Dentre as principais necessidades da região está a duplicação de BR-277 de Matelândia a Agro Cafeeira e a construção de um viaduto de acesso a indústria de aves da Lar Cooperativa no município. “Com o crescimento da Lar cresce toda a nossa região, a duplicação e o viaduto de acesso são demandas urgentes e de longa data, precisamos entrar em contato com nossas lideranças estaduais e federais para que se tornem realidade”, enfatizou o prefeito de Matelândia Maximino Pietrobon.

Próximos passos - A Diretoria Executiva da Lar informou que no mês de fevereiro terá audiência com o governador Ratinho Júnior para apresentar os referidos números atualizados de expansão e as demandas de estrutura para região. (Imprensa Lar)

{vsig}2021/noticias/01/29/lar/{/vsig}

INTEGRADA: Estações irão abordar boas práticas do solo e rotação de cultura

integrada 29 01 2021Não existe lavoura produtiva sem uma boa preparação do solo. Boas práticas para a correção de solo são fundamentais e devem ser implementadas pelos agricultores que desejam sucesso na produção.

Demonstração - Durante o Agrotec 2021, o coordenador técnico da Cooperativa Integrada, Rodrigo Fragas, fará uma demonstração na estação preparada para que o cooperado visualize os níveis do solo e o sistema radicular das plantas.

Correção - Serão abordadas duas práticas fundamentais para a correção de solo: a calagem, que consiste na aplicação de calcário para elevar os níveis de cálcio e magnésio nos primeiros 20 cm do solo, equilibrando o PH, e a gessagem, que atua em camadas além dos 20 cm do solo, fornecendo cálcio e enxofre sem alteração no PH.

Melhorias - Essas práticas melhoram as condições para o desenvolvimento do sistema radicular das plantas e um maior aproveitamento dos fertilizantes que serão aplicados. “Com perfil de solo corrigido, as plantas se estabelecem com raízes em maior profundidade trazendo mais segurança em situações de estresse hídrico”, destaca Rodrigo Fragas.

Rotação de culturas - O coordenador técnico Vanildo J.P. Pinto vai abordar a importância da Rotação de Cultura para a Sustentabilidade do Sistema Produtivo. Durante a exposição do tema, será possível demonstrar duas parcelas de plantio de soja, uma onde foi realizada a rotação com milho, e outra onde não houve a rotação.

Diferença - “A diferença no desenvolvimento da planta e na produtividade é de mais ou menos 25% nas áreas onde foi realizado plantio do milho verão a cada três safras”, explica Vanildo J.P. Pinto. A rotação de culturas contribui para maior fertilidade do solo, maior facilidade no controle das ervas daninhas, melhor controle de pragas e doenças na cultura subsequente. (Imprensa Integrada)

Agrotec 2021 - Agroexcelência|Tecnologia a Serviço da Produtividade

Evento 100% digital

Dia: 4 de fevereiro de 2021

Horário: a partir das 8:30hrs

Programação completa, acesse:

http://agrotecintegrada.com.br/home/

 

SICREDI UNIÃO PR/SP: Mais quatro assembleias são realizadas na Regional Norte em fevereiro

sicredi uniao 29 01 2021No mês de fevereiro, a Sicredi União PR/SP tem mais quatro assembleias de prestação de contas na Regional Norte. A primeira delas, abrindo o mês, será na terça-feira (02/02), às 10 horas, em Primeiro de Maio. Também no dia 2, às 17 horas, acontecerá a assembleia em Alvorada do Sul.

Próximas - As próximas ocorrerão em Londrina: no dia 18 de fevereiro, a da agência Londrina Higienópolis, às 17 horas; e no dia 25, da agência Londrina Duque de Caxias, às 17 horas.

Presencial - Os eventos estão acontecendo presencialmente, respeitando o distanciamento orientado pelas autoridades de saúde e os decretos municipais referentes à concentração de pessoas. Todos os participantes devem, necessariamente, usar máscara. Também é disponibilizado álcool em gel.

Total - Até 9 de abril serão realizadas 110 assembleias de núcleo, uma por agência da Sicredi União. Para o dia 12 de abril está marcada a Assembleia Geral Ordinária, ratificando as decisões junto aos representantes dos 139 núcleos da instituição.

Entre as três maiores - A Sicredi União PR/SP terminou o ciclo estratégico 2016-2020 cumprindo todos os objetivos traçados, como estar entre as três maiores cooperativas de crédito do Brasil. A instituição já é a maior cooperativa de crédito do sistema Sicredi. Outro objetivo era chegar ao fim de 2020 com 110 agências, que estão espalhadas por 109 municípios do Norte e Noroeste do Paraná, Leste e Centro-Leste Paulista. No total, 75 agências da Sicredi União PR/SP estão no Paraná.

Resultados - A cooperativa também comemora os resultados financeiros e irá distribuir R$ 16,27 milhões aos associados, entre remuneração do capital social e participação proporcional aos negócios com a cooperativa. Outra conquista foi que os ativos totais atingiram R$ 7,4 bilhões, 43% a mais do que o ano anterior. As operações de crédito chegaram a R$ 3,1 bilhões, um crescimento de 23%. Já o patrimônio líquido alcançou R$ 565 milhões, o que representa 109% do estipulado no planejamento estratégico. “Foi o melhor resultado da história da cooperativa, que tem 35 anos. Estivemos ao lado dos associados que precisaram de crédito neste período de pandemia e dos produtores rurais, que puderam financiar equipamentos, maquinários e a expansão dos seus negócios. Também realizamos programas sociais que contribuem com a geração de renda, a educação e a sustentabilidade”, diz o presidente Wellington Ferreira.

Prestação de contas - Nas assembleias de núcleos são apresentadas a prestação de contas dos negócios e resultados referentes a 2020, objetivos para o ano, destinação do resultado e dos recursos do Fates, além de ser realizada a eleição do Conselho Fiscal - os resultados também estão disponíveis no site da cooperativa.

Confirmação - Para garantir o cumprimento dos decretos municipais e o distanciamento social, os associados devem confirmar a participação junto aos gerentes de cada agência. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICOOB OURO VERDE: Ação de relacionamento com a vizinhança tem trazido resultados positivos

sicoob ouro verde 29 01 2021Há algum tempo, o Sicoob Ouro Verde vem praticando uma ação para estreitar o relacionamento com pessoas e empresas em todas as suas inaugurações. Desde o início das obras de construção de uma nova agência, o futuro gerente geral passa a visitar e presentear seus vizinhos com uma muda de planta, que representa a disponibilidade de cultivar e compartilhar cooperação.

Resultado positivo - O resultado tem sido sempre positivo, por isso a cooperativa continua investindo nessa iniciativa. Na agência digital recém inaugurada no Boulevard Londrina Shopping, por exemplo, a gerente colocou a iniciativa em prática e o retorno da vizinhança foi muito bom. Por se tratar de um shopping com muitas lojas, a ação se tornou ainda mais importante.

Fortalecimento - Segundo a gerente Nadiane Maria Fernandes, a visita nas lojas para encontrar os novos vizinhos, fortaleceu o vínculo de humanização e conexão que a cooperativa quer transmitir. "Fomos acolhidos e bem recebidos por todos. Nada substitui esse contato próximo e sincero. Além do mais, podemos levar um pedacinho do cooperativismo a novas pessoas", afirma. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

UNIMED LONDRINA: 156 mil pessoas foram beneficiadas com ações sociais em 2020

A busca pelo desenvolvimento sustentável faz parte da filosofia e princípios cooperativistas e a Unimed Londrina realizou várias ações para garanti-lo em 2020. “Tivemos a felicidade, mesmo em um ano atípico, de promover grandes entregas para a comunidade”, comemora a gerente de Sustentabilidade da cooperativa médica, Fabianne Piojetti.

Iniciativas - Entre janeiro e dezembro de 2020, foram realizadas ações de inclusão social, preservação e conservação do meio ambiente e valorização da cultura local. Nesse período, as iniciativas beneficiaram cerca de 156 mil pessoas de Londrina (PR) e região e contaram com a participação de 312 voluntários, entre médicos cooperados e colaboradores da Unimed Londrina.

Cadeiras de rodas - Entre as ações que se destacaram está o “Eu Ajudo na Lata”. A oitava edição da campanha converteu 1.217 kg de alumínio arrecadados em 26 cadeiras de rodas para seis instituições beneficentes e três Secretarias Municipais de Educação (Londrina, Ibiporã e Porecatu).

Alimentos - Outra iniciativa importante foi a campanha de arrecadação de alimentos que arrecadou mais de sete toneladas (7.381 kg). Grande parte deste montante foi proveniente da Corrida Virtual Unimed Inspira que doou 1 kg de alimento para cada um dos sete mil quilômetros percorridos pelos participantes.

Livros - Além de alimentos, a cooperativa também arrecadou livros (946), cobertores (247), fraldas (3.556), presentes de Natal para idosos e crianças (123) e máscaras de tecido (2.760). E em prol do Hospital Universitário de Londrina (HU), mobilizou 67 voluntários com a campanha de doação de sangue e doou 351 frascos de vidro para o Banco de Leite do hospital.

Concurso de Desenhos - O público infanto-juvenil também foi valorizado no tradicional Concurso de Desenhos. A atividade abordou o tema “meio ambiente e cooperativismo” e contou com a participação de 894 alunos de 16 escolas municipais de Londrina. Outra ação foi a entrega de kits de higiene bucal para os 315 estudantes da E. M. Professora Vilma Rodrigues Romero, de Londrina. Ao todo foram entregues três kits para cada aluno.

Curso de Atendentes - A comunidade também foi atendida por meio do curso de Atendentes na Área da Saúde e palestras gratuitas. Na primeira, 21 estudantes receberam a capacitação e tiveram seus currículos divulgados para cooperados e prestadores realizarem contratações. No segundo, 177 pessoas assistiram às palestras ministradas por cooperados e colaboradores da cooperativa. “Praticar o bem e mobilizar pessoas para promover ações sociais traz um sentimento de satisfação imensurável”, conclui Fabianne. (Unimed Londrina)

AVICULTURA: Ministério da Agricultura abre consulta sobre funcionamento de granjas

avicultura 29 01 2021O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) abriu, nesta quinta-feira (28/01), processo de consulta pública para que cidadãos ou entidades e órgãos de classe apresentem sugestões ou comentários à proposta ministerial que estabelece os requisitos mínimos necessários à instalação e funcionamento de granjas avícolas e de unidades de beneficiamento de ovos e derivados.

Prazo - Os interessados têm até 45 dias para encaminhar sugestões tecnicamente fundamentadas para a Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária, por meio da página do Sistema de Monitoramento de Atos Normativos (Sisman) na internet. Para acessar ao Sisman é necessário estar previamente cadastrado no Sistema de Solicitação de Acesso.

Proposta - A íntegra da proposta ministerial da Instrução Normativa também está disponível na página eletrônica do Mapa. O texto trata das condições básicas em termos de instalações e equipamentos necessários ao funcionamento dos estabelecimentos de ovos e derivados e dos procedimentos e especificidades produtivas da atividade. (Agência Brasil)

FOTO: José Gomercindo / AEN

 

PSR: Mais de 10 mil agricultores familiares participam de projeto-piloto de seguro rural

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou nesta quinta-feira (28/01) os resultados do projeto-piloto de subvenção ao prêmio do seguro rural para operações enquadradas no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para as culturas de milho 1ª safra, soja, banana, maçã e uva. O projeto-piloto faz parte do Programa de Seguro Rural (PSR) de 2020.

Fomento - O projeto, que teve como objetivo fomentar a contratação de seguro rural por agricultores familiares, teve a adesão de oito seguradoras que comercializaram apólices em 11 estados. No total, foram aplicados R$ 36,6 milhões em subvenção ao prêmio, o que propiciou a contratação de 10.446 apólices, totalizando uma área segurada de 277 mil hectares e um valor segurado de R$ 881 milhões.

Percentuais - Para incentivar a contratação do seguro, foram definidos percentuais de subvenção ao prêmio diferenciados, acima daqueles já praticados no Programa. No caso das frutas, o percentual de subvenção de 40% foi elevado para 60%. Para o milho e a soja, cujos percentuais podem variar entre 20% e 30%, foi fixado em 55%. Além disso, foi destacado um orçamento específico de R$ 50 milhões para o projeto-piloto.

Resultados positivos - “Os resultados alcançados foram positivos, identificamos que 70% dos produtores nunca haviam participado do PSR. Provavelmente, muitos deles contrataram o seguro rural pela primeira vez. Além disso, tivemos a atuação da maioria das seguradoras, o que demonstra o interesse do mercado em atender esse perfil de risco, composto por áreas e valores segurados menores que os observados usualmente no Programa”, explica Pedro Loyola, diretor do Departamento de Gestão de Riscos do Mapa.

Estados - As contratações se concentraram nos estados do Paraná (45%), Rio Grande do Sul (35%) e Santa Catarina (13%). Ocorreram também nos estados do Mato Grosso do Sul, de São Paulo, Minas Gerais, Goiás, do Mato Grosso, Pará, de Roraima e do Tocantins.

>> Acesse aqui o relatório completo do projeto-piloto

Principais pontos - Pontos principais do projeto-piloto

- Orçamento disponibilizado: R$ 40 milhões (milho 1ª safra/soja) + R$ 10 milhões (banana/maçã/uva)

- Abrangência: nacional.

- Atividades: milho 1ª safra, soja, banana, maçã e uva.

- Percentual de subvenção ao prêmio diferenciado (fixo): milho 1ª safra/soja (55%) e banana/maçã/uva (60%)

- Tipo de cobertura: multirrisco (milho 1ª safra/soja)

- Nível mínimo de cobertura da produtividade esperada: 70% (milho 1ª safra/soja)

Contratação - O produtor interessado em contratar o seguro rural deve procurar um corretor ou uma instituição financeira que comercialize apólice de seguro rural. Atualmente, 14 seguradoras estão habilitadas para operar no PSR. O seguro rural é destinado aos produtores pessoa física ou jurídica, independentemente de acesso ao crédito rural.

Subvenção - A subvenção econômica concedida pelo Ministério da Agricultura pode ser pleiteada por qualquer pessoa física ou jurídica que cultive ou produza espécies contempladas pelo Programa. Para os grãos em geral, o percentual de subvenção ao prêmio varia entre 20% e 40%, a depender da cultura e tipo de cobertura contratada. No caso das frutas, olerícolas, cana-de-açúcar e demais modalidades (florestas, pecuário e aquícola), o percentual de subvenção ao prêmio será fixo em 40%.

Informações - Para mais informações sobre o PSR, faça o download do aplicativo. Basta acessar para Android e para IOS. (Mapa)

 

psr 29 01 2021

ECONOMIA: Déficit primário fecha 2020 melhor que o previsto

economia 29 01 2021O reforço da arrecadação em dezembro e o adiamento de alguns gastos relacionados à pandemia de covid-19 fizeram o déficit primário fechar 2020 com resultado melhor que o previsto pela equipe econômica. No ano passado, o Governo Central – Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central – registrou resultado negativo de R$ 743,087 bilhões.

Projeção - No fim de dezembro, a Secretaria Especial de Fazenda havia divulgado que a projeção de déficit primário para 2020 estava em R$ 831,8 bilhões. Mesmo assim, o resultado negativo foi o maior da série histórica iniciada em 1997, decorrente da queda de receitas e dos gastos extras provocados pelo combate à covid-19.

Resultado negativo - O déficit primário representa o resultado negativo das contas do governo desconsiderando o pagamento dos juros da dívida pública. Apenas em dezembro, o Governo Central teve déficit de R$ 44,11 bilhões. O valor foi melhor que o projetado pelas instituições financeiras, que estimavam déficit de R$ 59,5 bilhões no mês passado, de acordo com a pesquisa Prisma Fiscal, divulgada todos os meses pelo Ministério da Economia.

Pandemia - Parte da diferença entre as previsões e os resultados está no adiamento de gastos relacionados ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus, autorizados em 2020, mas que ficaram para 2021. Os gastos relacionados ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus com impacto no resultado primário totalizaram R$ 520,9 bilhões, de um total de R$ 599,7 bilhões autorizados até o fim de dezembro.

Receitas e despesas - O resultado de 2020 também contou com ajuda da arrecadação. No ano passado, as receitas líquidas caíram 34,5% em relação a 2019, descontada a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Apesar da queda, elas somaram R$ 1,204 trilhão no ano passado, com diferença de R$ 12,3 bilhões em relação ao estimado pela equipe econômica.

Soma - As despesas do Governo Central somaram R$ 1,947 trilhão em 2020, com alta de 31,1% acima do IPCA. Apesar da elevação, relacionada principalmente aos gastos extras com a covid-19, o valor foi R$ 76 bilhões inferior ao programado, em parte por causa do adiamento de gastos para 2021, que serão executados no início deste ano como restos a pagar.

Créditos extraordinários - A maior parte do crescimento dos gastos deveu-se aos créditos extraordinários autorizados pelo orçamento de guerra, que somaram cerca de R$ 440 bilhões no ano passado, e pelas ações de ajuda a estados e municípios, que totalizaram R$ 81,2 bilhões.

Previdência - Os benefícios da Previdência Social somaram R$ 686,73 bilhões, com alta de 2,8% acima da inflação. Os gastos com o funcionalismo público, no entanto, tiveram queda, somando R$ 331,81 bilhões, com recuo de 0,6% descontada a inflação pelo IPCA.

Custeio e investimento - A pandemia também provocou aumento nos gastos com custeio e com investimento. As despesas de custeio (manutenção da máquina pública) somaram R$ 735,55 bilhões em 2020, com alta de 118,4% acima da inflação em relação ao ano anterior. Os investimentos somaram R$ 107,94 bilhões, aumento de 80,2% acima do IPCA pela mesma comparação.

Despesas discricionárias - Descontando o efeito da pandemia, no entanto, as despesas discricionárias (não obrigatórias) atingiram R$ 108,2 bilhões (em termos nominais) em 2020, no menor valor desde o início da série histórica em 2008. Embora não sejam obrigatórios, esses gastos estão relacionados à prestação de serviços públicos, ao englobarem gastos com eletricidade, água, combustível, material de escritório, telefone e internet, entre outras despesas, dos órgãos públicos.

Não executados - Apesar do valor baixo, R$ 7,6 bilhões de gastos discricionários deixaram de ser executados em 2020 por causa do empoçamento em diversos ministérios. Por causa da rigidez estabelecida pela legislação, diversos tipos de gastos permanecem vinculados a determinadas ações e não podem ser remanejados, mesmo que não haja perspectiva da execução no ano.

Teto de gastos - Em nota, o Tesouro Nacional recomendou a aprovação de reformas que reduzam os gastos obrigatórios do governo e a preservação do teto de gastos, mecanismo que limita o crescimento das despesas à inflação por até 20 anos, como âncora fiscal. “O teto de gastos tornou-se ainda mais relevante e necessário com o aumento do endividamento público, provocado pelas medidas de combate aos efeitos da pandemia de covid-19 e, por consequência, do maior esforço fiscal futuro para retomar as finanças públicas em patamares sustentáveis e prudentes”, ressaltou o órgão. (Agência Brasil)

FOTO: Palácio do Planalto

 

CÂMBIO: Dólar sobe para R$ 5,43 em mais um dia de volatilidade

cambio 29 01 2021Em mais um dia de volatilidade no mercado financeiro, o dólar subiu, ignorando a melhora no cenário externo. A bolsa de valores teve uma alta forte depois de seis dias seguidos de queda, impulsionada pelas bolsas norte-americanas.

Cotação - O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (28/01) vendido a R$ 5,436, com alta de R$ 0,029 (+0,53%). Por duas vezes no dia, por volta das 11h e das 14h, a cotação chegou a cair para R$ 5,39, mas a tendência de alta firmou-se durante a tarde.

Ações - No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, fechou aos 118.883 pontos, com alta de 2,59%. Apesar da recuperação de hoje, o indicador está 5% abaixo do nível recorde de 125.076 pontos registrado em 8 de janeiro.

Influências - O dólar foi influenciado pelo fim de mês, quando investidores que investem em ações compram moeda para se protegerem de prejuízos. Além disso, o Banco Central (BC) interveio menos no mercado nesta quinta-feira, leiloando apenas metade do lote de 16 mil contratos de swap cambial (operação equivalente à venda de dólares no mercado futuro). Com a intervenção menor, aumenta a volatilidade da cotação.

Mercado externo - No mercado externo, a divulgação de balanços trimestrais de empresas norte-americanas com lucros melhores que o esperado impulsionou as bolsas nos Estados Unidos, que na quarta-feira (27/01) tiveram o pior dia em três meses. O fato de que os pedidos de seguro-desemprego vieram abaixo das previsões nos Estados Unidos também ajudou o mercado global. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

 

CAGED I: Brasil encerra 2020 com geração de 142.690 empregos formais

caged I 29 01 2021O Brasil fechou o ano de 2020 com a geração de 142.690 postos de trabalho. “A grande notícia para nós é que, em um ano terrível em que o PIB [Produto Interno Bruno - soma de todos os bens e serviços] caiu 4,5%, nós criamos 142 mil novos empregos”, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, durante coletiva virtual de divulgação do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Benefício - Para ele, o Benefício Emergencial para Preservação do Emprego e da Renda (BEm), criado pelo governo federal durante a pandemia de covid-19, é um dos responsáveis pelo resultado, já que evitou a demissão de cerca de 10 milhões de pessoas durante o ano passado.

Acordos - Pelo programa, empregadores e funcionários fizeram acordos de redução de jornada e salário ou de suspensão de contratos. Como contrapartida, o governo pagou, com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), uma porcentagem do seguro-desemprego a que o empregado teria direito se fosse demitido.

IBGE - “O IBGE [Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística] também soltou dado que confirma esse avanço, essa recuperação da economia brasileira em V [forte queda seguida de forte alta], quando anunciou quase 4 milhões de aumento na população ocupada, quando compara o trimestre de setembro/outubro/novembro sob trimestre anterior, sendo que quase 1 milhão foi de carteira assinada”, destacou Guedes.

Admissões e desligamentos - De acordo com dados do Caged, de janeiro a dezembro do ano passado, foram 15.166.221 admissões e de 15.023.531 desligamentos. O estoque de empregos formais no país, que é a quantidade total de vínculos celetistas ativos, chegou a 38.952.313 vínculos, o que representa uma variação de 0,37% em relação ao estoque de referência, de 1º de janeiro de 2020.

Demissões em dezembro - Após cinco meses de saldo positivo, em dezembro, o número de demissões superou o de contratações no Brasil, com o fechamento de 67.906 postos de trabalho. De acordo com o ministério, dezembro é um mês “de ressaca” no mercado e essas perdas são comuns.

Menor perda - O ministro Paulo Guedes destacou ainda que essa é a menor perda de empregos desde 1995. “Essas perdas são sazonais. Então vamos comparar com dezembro de 2015, quando o PIB caiu 3,5% no ano, foi uma recessão autoimposta e nós perdemos 596 mil empregos”, disse. Em dezembro de 2019, por exemplo, também foram fechadas 307 mil vagas.

Compromisso - Na avaliação do ministério, o compromisso de manutenção de empregos promovido pelo BEm também contribui para que essa queda em dezembro fosse menor. No mês passado, o Brasil teve 1.239.280 admissões e 1.307.186 desligamentos.

Continuidade do BEm- De acordo com o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, o governo avalia, “em conjunto com a evolução dos acontecimentos [da pandemia]”, se deve ou não lançar mão novas medidas emergenciais. “Isso sempre esteve na prancheta, em momento algum deixamos de lado esse pensamento. Mas, obviamente, isso demanda análises das circunstâncias e políticas que estamos fazendo com o ministro Paulo Guedes e o presidente da República [Jair Bolsonaro]”, explicou.

Medidas estruturantes - Além disso, segundo ele, o Ministério da Economia continua trabalhando em medidas estruturantes, como a melhoria do ambiente de negócios, desburocratização e revisão de normas. “Soltamos duas consultas públicas relativas a reestruturações de legislações trabalhistas para facilitar seu manuseio, retirar burocracia, reduzir o custo de contratação e, assim, gerar oportunidade”, contou.

Dados isolados - No acumulado do ano de 2020, apenas o setor de serviços teve saldo negativo nos empregos, com o fechamento de 132.584 postos de trabalho. A construção e a indústria lideram o ranking de contratações, com a criação de 112.174 e 95.588 empregos, respectivamente. Já no mês de dezembro, o comércio foi a única atividade com saldo positivo, com mais 62.599 empregos.

Saldo positivo - Das cinco regiões do país, quatro tiveram saldo positivo no acumulado do ano, apenas o Sudeste perdeu vagas, queda de 88.785, puxado pelo Rio de Janeiro que, sozinho, fechou 127.155 empregos, enquanto Minas Gerais criou 32.717. No Norte, o destaque é para o Pará, com a criação de 32.789 postos, mais da metade dos 62.265 empregos formais gerados na região.

Outras regiões - No Nordeste, o Maranhão, com 19.753, e o Ceará, com 18.546, puxaram o saldo positivo de 34.689 de novos postos de trabalho. No Sul, que teve 85.500 vínculos a mais, Paraná e Santa Catarina geraram 52.670 e 53.050, respectivamente. Já o Centro-Oeste teve Goiás como o principal criador de vagas, com 26.258 das 51.048 da região.

Território nacional - Para o conjunto do território nacional, o salário médio de admissão em dezembro foi de R$ 1.735,39. Comparado ao mês anterior, houve aumento real de R$ 26,45 no salário médio de admissão, uma variação positiva de 1,55%.

Estatísticas completas - As estatísticas completas do Caged de dezembro e do acumulado de 2020 estão disponíveis na página do Ministério da Economia. Os dados também podem ser consultados no Painel de Informações do Novo Caged. (Agência Brasil)

 

CAGED II: Paraná encerra 2020 com 52,6 mil novos empregos

caged II 29 01 2021O Paraná abriu 52.670 vagas de emprego em 2020, mesmo em um ano marcado pela pandemia. Esse foi o segundo melhor resultado do País, com apenas 380 contratações a menos do que Santa Catarina. O resultado é o comparativo entre 1.193.316 admissões e 1.140.646 desligamentos e é superior ao saldo positivo de todos os estados do Nordeste e do Centro-Oeste. O Paraná foi responsável por 36,9% do resultado nacional no ano passado, que foi de 142.690 novas vagas.

Superior - O saldo de empregos do ano passado foi superior inclusive a 2019, que fechou em 51.441 vagas abertas. Foi o melhor indicador do Paraná nos últimos sete anos. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (28/01) pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia.

Recorde negativo - O recorte de dezembro foi negativo, com -8.077 vagas, espelhando a realidade nacional, que encerrou em -67.906. Esse é um mês que tradicionalmente registra mais demissões de trabalhadores com carteira assinada por causa das contratações temporárias.

Evolução mensal - Na evolução mensal, o Paraná teve oito meses com saldo positivo, sendo seis consecutivos após o primeiro impacto da pandemia, entre março e maio. Os meses com registros de alta foram janeiro (18.111), fevereiro (28.729), junho (1.959), julho (14.212), agosto (16.557), setembro (19.909), outubro (32.564) e novembro (28.940).

Estratégia - O governador Carlos Massa Ratinho Junior afirmou que os índices refletem a estratégia do Governo do Estado de valorizar a produção local, destravar os negócios e investir em obras estruturantes como base da recuperação de empregos. Ele também destacou que, mesmo diante de um cenário complexo, os empreendedores paranaenses se adaptaram rapidamente em relação às medidas sanitárias para continuar desempenhando as suas atividades.

Dados animadores - “São dados muito animadores. Este é o melhor programa social que existe, aquele que conforta as famílias, que permite que elas sigam evoluindo. Estamos buscando novos investimentos junto ao setor produtivo para ampliar os empregos, mas também facilitando o acesso ao crédito e estimulando ainda mais o empreendedorismo”, afirmou Ratinho Junior. “O Paraná é um dos principais motores da retomada dos empregos no País. A ideia é ampliar esse ritmo em 2021 com o avanço da imunização contra a Covid-19”.

Recordes - O governador também destacou que esses novos empregos auxiliaram o Paraná a bater recordes na produção e exportações de carnes e produtos alimentícios, a retomar os bons números da produção industrial e a inverter a curva do Produto Interno Bruto (PIB), que registrou evolução de 5,58% no terceiro trimestre de 2020. O Estado também fechou o ano passado com um saldo de 159.398 novas empresas, um crescimento de 26,82% com relação a 2019.

Intermediação - Uma das explicações para esse desempenho é o papel das Agências do Trabalhador do Governo do Estado. O Paraná encerrou o ano passado na liderança isolada do ranking nacional de colocação de profissionais pelas agências, com 74.615 trabalhadores efetivados em vagas de emprego com carteira assinada. Na região Sul, o Paraná está muito acima do segundo lugar, que foi o Rio Grande do Sul, com 14.855.

Desafiador - “Esse último ano foi desafiador no quesito trabalho, mas continuamos trabalhando para fortalecer o papel das Agências do Trabalhador na intermediação. O resultado é essa retomada dos empregos”, destacou o secretário da Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost. “Atuamos com uma gestão proativa na procura de empresas parceiras, para que disponibilizassem novas oportunidades, e esse trabalho deu certo”.

Novos investimentos - Segundo ele, a chegada de novos investimentos privados ao Estado e o bom ambiente de negócios vai ampliar essa margem em 2021. “Estamos muito animados com essa sequência positiva desde 2019, mesmo diante dessas inúmeras dificuldades em um cenário de pandemia e incertezas globais. Mas projetamos novos saltos a partir deste ano, com apoio aos paranaenses que estão batalhando por uma vaga com carteira assinada”, acrescentou Leprevost.

Setores - Os setores que mais se destacaram no acumulado do ano de 2020 foram indústria de transformação (25.880), seguido de construção civil (14.855), comércio (7.967), agricultura (1.657) e serviços (629). Além disso, apenas um setor apresentou resultado negativo no acumulado do ano: serviços industriais de utilidade pública (-79).

Indústria de transformação - “O resultado do Paraná foi impulsionado principalmente pelas atividades vinculadas à indústria de transformação, que respondeu por praticamente metade do acumulado do ano. Nesse segmento o destaque foi a indústria alimentícia e voltada para a exportação. Este é um excelente resultado, pois a indústria ajuda a alavancar outros setores da economia”, explicou Suelen Glinski, chefe do Departamento do Trabalho e Estímulo à Geração de Renda da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho.

Municípios - Segundo o Caged, 290 municípios tiveram saldo positivo de empregos em 2020, o que representa 72,6% do total de 399. Outros dez registraram estabilidade, com saldo zero, e 99 registraram perdas – dessas, 64 perderam até 50 empregos. Os destaques foram Ponta Grossa (5.626), Curitiba (2.928), Cascavel (2.558), Toledo (2.361), Ortigueira (2.183), Arapongas (1.794), Matelândia (1.635), Rolândia (1.692) e Umuarama (1.583).

Dezembro - O saldo negativo de dezembro foi puxado pelas demissões no setor de serviços (-4.939), construção civil (-3.624), indústria (-2.183) e agropecuária (-64). O balanço positivo ficou com o comércio (2.733), estimulado pelas compras de fim de ano, pelo aumento das vendas nos supermercados e pelas injeções financeiras do décimo terceiro e do auxílio emergencial do governo federal.

Nacional - O Brasil gerou 142.690 empregos com carteira assinada em 2020. Foi o terceiro ano seguido com geração de empregos formais, mas o pior resultado para um ano fechado desde 2017. Quatro das cinco regiões do País registraram mais contratações do que demissões no ano passado, com liderança para o Sul (85.500), Norte (62.265), Centro-Oeste (51.048) e Nordeste (34.689). O Sudeste encerrou o ano com -88.785, puxado pelo desempenho do Rio de Janeiro, -127.155.

Construção civil - Setorialmente, a construção civil foi a que mais empregou (112.174), seguida da indústria (95.588), agropecuária (61.637) e comércio (8.130). O setor de serviços, que engloba restaurantes, turismo, transporte escolar, escolas de idiomas, foi duramente impactado pelas mudanças de comportamento durante o ano passado e o único a registrar perdas, de -132.584.

Saldo positivo - As atividades que mais acumularam saldo positivo foram Informação, Comunicação, e Atividades Financeiras, Imobiliárias, Profissionais e Administrativas (208.324), Saúde Humana e Serviços Sociais (110.799) e Indústria da Transformação (90.013).

Modernização - Segundo o Ministério da Economia, a modernização trabalhista teve papel importante na geração de empregos em 2020. Foram 182.767 admissões e 109.603 desligamentos na modalidade de trabalho intermitente, gerando saldo de 73.164 empregos, envolvendo 17.949 estabelecimentos contratantes. Um total de 7.426 empregados celebrou mais de um contrato na condição de trabalhador intermitente.

Tempo parcial - Já a jornada em regime de tempo parcial teve saldo negativo de 13.143 postos de trabalho no ano. No período, a movimentação envolveu 42.448 estabelecimentos contratantes e 2.382 empregados celebraram mais de um contrato em regime de tempo parcial. (Agência de Notícias do Paraná)

 

LEGISLATIVO I: Definidos os horários para a eleição da nova Mesa Diretora da Câmara

legislativo I 29 01 2021A Câmara dos Deputados realiza na segunda-feira (01/02), a partir das 19h, a eleição da Mesa Diretora que vai conduzir as atividades da Casa neste biênio (2021-2022). Conforme decisão da Mesa, a eleição será totalmente presencial, com urnas dispostas no Plenário e nos salões Verde e Nobre, espaços que ficarão restritos aos parlamentares, de forma a evitar aglomerações e manter o distanciamento.

Prazo limite - Conforme ofício enviado nesta quinta-feira (28/01) aos deputados pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o prazo limite para a formação de blocos parlamentares termina na segunda-feira, ao meio-dia. Os cargos da Mesa são distribuídos aos partidos na proporção do número de integrantes dos blocos partidários.

Reunião de líderes - Às 14h, terá início da reunião de líderes, para a escolha dos cargos da Mesa pelos partidos, conforme o critério de proporcionalidade.

Registro das candidaturas - Às 17h, termina o prazo para registro das candidaturas. Terminado esse prazo, haverá o sorteio da ordem dos candidatos na urna eletrônica. Até agora, nove deputados lançaram candidatura, sendo dois de blocos partidários, dois de partidos políticos e o restante avulso.

Composição - A Mesa é composta pelo presidente, dois vice-presidentes, quatro secretários e seus suplentes. Os votos para os cargos da Mesa só são apurados depois que for escolhido o presidente.

Votação secreta - Conforme o Regimento Interno, a eleição dos membros da Mesa ocorre em votação secreta e pelo sistema eletrônico, exigindo-se maioria absoluta de votos no primeiro turno e maioria simples no segundo turno. (Agência Câmara de Notícias)

Veja quais são os candidatos

Conheça as atribuições do presidente da Câmara

Conheça as atribuições da Mesa Diretora

FOTO: Roque de Sá / Agência Senado

 

LEGISLATIVO II: Eleição da Mesa e abertura do ano legislativo no Senado acontecem segunda e quarta

legislativo II-28 01 2021A definição do próximo presidente do Senado e a abertura do ano legislativo no Congresso Nacional marcam, a partir desta segunda-feira (01/02), uma nova configuração política no âmbito do Poder Legislativo. A cada dois anos, obedecendo à Constituição, novas Mesas são escolhidas para comandar o Senado e a Câmara. A eleição dos novos membros da Mesa do Senado começa com a reunião preparatória marcada para às 14h desta segunda. A Mesa é composta pelo presidente, dois vice-presidentes e os quatro secretários (com os respectivos suplentes). O segundo biênio da 56º Legislatura terminará em 31 de janeiro de 2023.

Candidatos - Quatro senadores disputam a presidência do Senado para os próximos dois anos: Jorge Kajuru (Cidadania-GO), Major Olimpio (PSL-SP), Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e Simone Tebet (MDB-MS).

Registro - Novas candidaturas podem ser registradas até o dia da eleição. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, consultará o Plenário na abertura da sessão, ocasião em que os líderes de partidos fazem a indicação ou o próprio candidato se apresenta.

Reunião preparatória - A reunião preparatória pode ser aberta com o quórum mínimo de 14 senadores, o equivalente a um sexto da composição do Senado. Mas a votação só começa com a presença da maioria absoluta da Casa (41 senadores). 

Presencial - No início deste mês, Davi Alcolumbre anunciou que a eleição da Mesa será presencial e que a Casa está preparada com todas as medidas de segurança contra a covid-19.

Votação - Cada voto deve durar em média seis minutos. A votação será por meio de cédulas de papel inseridas em envelopes. Serão quatro urnas no total: duas dentro do Plenário e duas fora. As urnas instaladas no Salão Azul e na Chapelaria são destinadas aos senadores considerados do grupo de risco, para prevenir a contaminação pela doença, como explica Luiz Fernando Bandeira, secretário-geral da Mesa do Senado.

Chamamento - “Os senadores serão chamados um por um, por ordem de criação do estado e de idade. Para votar, eles receberão uma cédula em papel. Se estiver fora do Plenário, aquela cédula será colocada dentro de um saquinho plástico transparente, e ela então será levada até a Chapelaria ou ao Salão Azul. Na cabine terá uma caixinha de canetas, que o senador vai usar uma vez e depois descartar para higienização. E, na sequência, ele já pode ir embora até mesmo sem entrar no prédio, votar no esquema de drive-thru.”

Regimento Interno - O presidente do Senado afirmou em nota que os procedimentos de votação obedecem ao Regimento Interno da Casa.

Discussão - “Saliente-se que esse tema já foi discutido em questão de ordem no Plenário do Senado Federal em fevereiro de 2019, ocasião em que foi decidido que a norma regimental relativa ao processamento da votação por cédulas impressas era de observância obrigatória”, esclareceu Davi Alcolumbre.

Maioria - Será considerado eleito o candidato que obtiver “maioria de votos, presente a maioria da composição do Senado”. Desde a promulgação da Constituição de 1988, todas as eleições tiveram quórum de pelo menos 72 senadores e todos os eleitos receberam pelo menos 41 votos, ou a maioria absoluta.

Pronunciamento - Cada um dos candidatos à presidência do Senado terá 10 minutos para falar na Tribuna. A ordem dos pronunciamentos ainda não está definida, poderá ser de acordo com a ordem alfabética, de inscrição ou até por sorteio.

Conclusão - A previsão é de que a votação seja concluída no final da tarde da segunda-feira. O candidato eleito é quem decidirá quando se dará a eleição dos demais integrantes da Mesa. Caberá ao novo presidente do Senado encerrar a primeira reunião preparatória e convocar a segunda, que pode ser no mesmo dia, no dia seguinte ou em outra data.

Mandato - O mandato dos novos ocupantes da Mesa também será de dois anos. As atribuições estão previstas na Constituição e no Regimento Interno do Senado. Na ausência do presidente cabe ao primeiro e ao segundo-vice-presidentes substituí-lo, nessa ordem.

Comissão Diretora - Os senadores eleitos para a Mesa integram também a Comissão Diretora da Casa, órgão que trata das questões administrativas, da organização e do funcionamento do Senado.

Trabalhos - O início dos trabalhos legislativos do Congresso Nacional foi convocado para a próxima quarta-feira, dia 3 de fevereiro. A sessão solene está marcada para as 16h.

Reunião - Senado Federal e Câmara dos Deputados se reunirão para abrir a 3ª Sessão Legislativa da 56ª Legislatura. A cerimônia conduzida pela novas Mesas das duas Casas marca a retomada das atividades do Poder Legislativo após o recesso parlamentar. Momento da prestação de contas e do anúncio das metas do Executivo e do Judiciário para 2021.

Rito - O rito de abertura dos trabalhos do ano legislativo acontece na maior parte das democracias. No Brasil, remonta ao período imperial, quando era conhecido como Fala do Trono, e foi inaugurado por Dom Pedro I, em 1823. Naquele tempo, o monarca comparecia ao Palácio Conde dos Arcos, a sede do Senado, no Rio de Janeiro (RJ), para comunicar o que esperava dos senadores e deputados naquele ano, durante uma concorrida cerimônia.

Tradição - No período republicano, a tradição anual de remeter a mensagem presidencial ao Congresso foi iniciada em 1890, pelo marechal Deodoro da Fonseca, o primeiro presidente.

Presença opcional - A presença do presidente da República na entrega da mensagem presidencial é opcional. O Palácio do Planalto envia o documento por meio do chefe da Casa Civil, cargo ocupado atualmente pelo ministro Walter Braga Netto, que é lido pelo 1º Secretário da Mesa do Congresso. No ano passado, o presidente da República, Jair Bolsonaro, se recuperava de uma cirurgia e não compareceu.

STF - Depois de lida a mensagem presidencial, será a vez do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, fazer sua apresentação. Em seguida, deve falar o presidente eleito da Câmara. A sessão solene é encerrada com o discurso do presidente do Congresso. Os demais parlamentares não fazem uso da palavra.

Recepção - Antes da sessão solene, é feita a cerimônia externa de recepção das autoridades dos Três Poderes, que começa com a chegada de militares das três Forças Armadas.

Rampa - Carros conduzindo os presidentes eleitos do Senado e da Câmara chegam à rampa de acesso ao Palácio do Congresso Nacional. O presidente do Senado será o primeiro a subir a rampa, cumprindo um rito tradicional: execução do Hino Nacional, hasteamento das bandeiras do Brasil e do Mercosul, salva de 21 tiros de canhão acionados pelo 32º Grupo de Artilharia de Campanha, e a revista à tropa.

Câmara - O presidente da Câmara subirá a rampa em seguida. Ambos serão recepcionados no Salão Negro do Congresso, onde devem ser aguardados pelo presidente do STF, pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, e por integrantes da Mesa do Congresso Nacional, líderes partidários das duas Casas e outros parlamentares.

Chuva - Em caso de chuva, a cerimônia será transferida para a Chapelaria do Congresso Nacional, sendo canceladas a execução do Hino Nacional, a revista à tropa e a salva de gala de 21 tiros. (Agência Senado)

FOTO: Geraldo Magela / Agência Senado

 

SAÚDE I: Brasil passa de 9 milhões de casos

O Brasil bateu a marca de nove milhões de casos de covid-19. Nas últimas 24 horas, foram confirmados pelas autoridades de saúde 61.811 novos diagnósticos positivos, totalizando 9.058.687 pessoas infectadas desde o início da pandemia do novo coronavírus. Na quarta-feira (27/01), o sistema de dados da pandemia trazia 8.996.876 casos.

Atualização - Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada na noite desta quinta-feira (28/01). O balanço é produzido a partir das informações fornecidas pelas secretarias estaduais de saúde sobre casos e mortes.

Total - A soma de pessoas que perderam a vida para a pandemia atingiu 221.547. Entre quarta e quinta-feira (27 e 28/01), foram confirmadas mais 1.386 mortes. Foi o segundo resultado diário mais alto do ano, atrás apenas de 7 de janeiro, quando foram acrescidos às estatísticas 1.524 óbitos. Ontem, o sistema de dados do Ministério da Saúde trazia 220.161 vítimas fatais. Ainda há 2.878 falecimentos em investigação por equipes de saúde.

Acompanhamento - Conforme o balanço do Ministério da Saúde, 913.346 pessoas ainda estão com casos ativos em acompanhamento por profissionais de saúde. Outras 7.923.794 pessoas já se recuperaram da doença.

Registros - Em geral, os registros de casos e mortes são menores aos domingos e segundas-feiras em razão da dificuldade de alimentação dos dados pelas secretarias de saúde aos fins de semana. Já às terças-feiras, os totais tendem a ser maiores pelo acúmulo das informações de fim de semana que são enviadas ao Ministério da Saúde.

Estados - Na lista de estados com mais mortes, São Paulo ocupa a primeira posição (52.481), seguido por Rio de Janeiro (29.417), Minas Gerais (14.699), Rio Grande do Sul (10.567) e Ceará (10.432). As Unidades da Federação com menos óbitos são Roraima (843), Acre (860), Amapá (1.048), Tocantins (1.366) e Rondônia (2.192). (Agência Brasil)

 

saude I tabela 29 01 2021

SAÚDE II: Estado registra 4.510 novos casos e 237 óbitos pela Covid-19

saude II 29 01 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quinta-feira (28/01) mais 4.510 novos diagnósticos e 237 mortes pela Covid-19 no Paraná. Do total de óbitos, 142 ocorreram em 2020 e 95 em janeiro de 2021. Os dados acumulados do monitoramento mostram que o Estado soma 536.351 casos confirmados e 9.804 mortos em decorrência da doença. Há ajustes ao final do texto.

Meses - Os casos divulgados nesta quinta-feira são de janeiro de 2021 (4.442) e dos seguintes meses de 2020: junho (2), julho (4), agosto (3), outubro (5), novembro (21), dezembro (33).

Internados - O boletim desta quinta-feira divulga 1.378 pacientes com diagnóstico confirmado internados. São 1.156 pacientes em leitos SUS (601 em UTI e 555 em enfermaria) e 222 em leitos da rede particular (94 em UTI e 128   em enfermaria).

Exames - Há outros 1.233 pacientes internados, 487 em leitos UTI e 746 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão nas redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A secretaria estadual informa a morte de mais 237 pacientes. São 95 mulheres e 142 homens, com idades que variam de 21 a 99 anos. Os óbitos ocorreram: um em abril, cinco em julho, cinco em agosto, cinco em setembro, 13 em outubro, 14 em novembro, 99 em dezembro e 95 em janeiro de 2021. Os óbitos ocorreram entre 07 de abril de 2020 a 28 de janeiro de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Curitiba (65), Londrina (35), Ponta Grossa (22), Colombo (10), Almirante Tamandaré (7), Cambé (6), Fazenda Rio Grande (6), Foz do Iguaçu (4), Guarapuava (4), Ibiporã (4), São José dos Pinhais (4), Bela Vista do Paraíso (3), Cascavel (3), Maringá (3), Pinhais (3), Bandeirantes (2), Campo Mourão (2), Cruzeiro do Oeste (2), Paranaguá (2), São José da Boa Vista (2) e São Miguel do Iguaçu (2).

Uma morte- A Secretaria da Saúde registra, ainda, a morte de uma pessoa em cada um dos municípios de Apucarana, Arapongas, Arapoti, Araucária, Campo Largo, Carambeí, Chopinzinho, Cianorte, Congonhinhas, Dois Vizinhos, Entre Rios do Oeste, Faxinal, Guaíra, Guaraci, Guaratuba, Ipiranga, Iporã, Ivaiporã, Ivaté, Jataizinho, Joaquim Távora, Loanda, Marechal Cândido Randon, Marialva, Medianeira, Nova Aurora, Nova Prata do Iguaçu, Paiçandu, Paula Freitas, Pinhão, Pitangueiras, Prudentópolis, Reserva, Rio Negro, Rolândia, Santa Amélia, Santa Terezinha de Itaipu, Santo Antonio da Platina, Sarandi, Sengés, Sertanópolis, Telêmaco Borba, Tibagi, Toledo, União da Vitória e Ventania.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 4.101 casos de residentes de fora, sendo que 75 pessoas foram a óbito.

Ajustes - Exclusões:

Total de exclusão: 39 casos de residentes no Paraná. 10 óbitos de residentes no Paraná

Um caso e óbito confirmado (F,78) no dia 24/04/2020 em Paranavaí foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,39) no dia 17/05/2020 em Tuneiras do Oeste foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,31) no dia 23/05/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,30) no dia 02/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,20) no dia 03/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,38) no dia 03/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,46) no dia 03/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,1) no dia 03/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,33) no dia 04/06/2020 em São Tome foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,38) no dia 05/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,46) no dia 05/06/2020 em São Tome foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,22) no dia 10/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (M,79) no dia 10/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,29) no dia 10/06/2020 em Tuneiras do Oeste foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,34) no dia 10/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,24) no dia 15/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,37) no dia 17/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,41) no dia 22/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,19) no dia 23/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,31) no dia 25/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,32) no dia 29/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,63) no dia 30/06/2020 em São Tomé foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,79) no dia 01/07/2020 em Tuneiras do Oeste foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,3) no dia 04/07/2020 em Tuneiras do Oeste foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (M,68) no dia 01/07/2020 em Santa Helena foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (F,45) no dia 01/08/2020 em Santa Mariana foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,60) no dia 09/11/2020 em São Tomé foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,25) no dia 25/11/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,51) no dia 27/11/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,8) no dia 17/12/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,72) no dia 30/12/2020 em São Tomé foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,35) no dia 30/12/2020 em São Tomé foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,35) no dia 30/12/2020 em São Tomé foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,17) no dia 05/01/2021 em São Tomé foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (F,96) no dia 07/06/2020 em Cornélio Procópio foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (M,93) no dia 22/04/2020 em Santo Antonio do Caiuá foi excluído por erro de notificação

Um caso e óbito confirmado (M,55) no dia 03/07/2020 em Terra Rica foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (F,28) no dia 24/06/2020 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um caso confirmado (M,35) no dia 12/01/2021 em Tapejara foi excluído por erro de notificação

Um óbito confirmado (M,79) no dia 20/07/2020 em Curitiba foi excluído por erro de notificação

Um óbito confirmado (F,72) no dia 13/09/2020 em Curitiba foi excluído por erro de notificação

Um óbito confirmado (F,81) no dia 10/04/2020 em Curitiba foi excluído por erro de notificação (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando  AQUI

 

SAÚDE III: Balanço mostra que Estado chega à marca de 113 mil pessoas vacinadas

saude III 29 01 2021O Paraná vacinou, até esta quinta-feira (28/01), 113.829 pessoas contra a Covid-19. Os dados de vacinação dos 399 municípios foram atualizados às 9h pela Secretaria de Estado da Saúde e representam 52% das 219.271 doses de imunizantes enviadas às 22 Regionais de Saúde do Estado. Estão sendo imunizados, neste primeiro momento, os profissionais de saúde, funcionários e internos das Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI), indígenas e pessoas com deficiência severa.

Lotes - Das doses já disponibilizadas aos municípios, 132.771 são da CoronaVac/Instituto Butantan – metade do primeiro lote enviado pelo Ministério da Saúde – e 86.500 são da vacina desenvolvida pela Oxford/AstraZeneca/Fiocruz. O Paraná também recebeu um terceiro lote com 39.600 doses da CoronaVac, que ainda serão distribuídas às regionais para completar a vacinação dos primeiros grupos prioritários.

Total - De acordo com o levantamento da secretaria, reunido junto às regionais e seus respectivos municípios, foram vacinados até o momento 98.400 trabalhadores da saúde, 8.859 residentes das ILPIs e pessoas com deficiência e 6.570 indígenas. Foram aplicadas 13.856 a mais que o divulgado na quarta-feira (27/01).

Sistema integrado - Nos próximos dias, esse levantamento será disponibilizado no sistema integrado do Ministério da Saúde, que ainda está indisponível, dentro do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI). O DataSUS, sistema macro no qual está o SI-PNI, desenvolveu um módulo especial para receber os dados de todos os estados e que contempla informações como registro de vacinados, público-alvo, origem e lote de vacinas.

Regionais - A 2ª Regional de Saúde (Curitiba e Região Metropolitana), que concentra o maior número de pessoas contempladas nesta fase, foi também a que mais vacinou até o momento, com 19.751 doses aplicadas, 29% das que recebeu. Destas, 16.224 foram em profissionais da saúde, 3.408 em pessoas com deficiência e em ILPI e 119 em indígenas.

Sequência - Na sequência, vem a 15ª Regional (Maringá), com 10.054 doses (62,7%), sendo 9.553 em trabalhadores da saúde e 501 em pessoas com deficiência e das instituições de longa permanência. Em seguida, a regional que mais vacinou em números absolutos foi a 17a Regional (Londrina), com 9.896 no total (43,2%), com 8.118 funcionários da saúde, 972 indígenas e 806 pessoas com deficiência e das ILPIs.

Proporção - Proporcionalmente, as regionais que mais vacinaram foram a 21ª (Telêmaco Borba), com 85,3% das doses aplicadas, e 11ª (Campo Mourão), com 85% do total. Na 21a Regional, foram aplicadas 2.355 das 2.706 doses enviadas, das quais 1.940 em trabalhadores da saúde, 334 em indígenas e 81 em idosos e pessoas com deficiência institucionalizados. Já a 11ª Regional aplicou 4.940 das 5.810 vacinas que recebeu, divididas em 4.646 profissionais da saúde e 294 pessoas com deficiência e residentes de ILPIs.

Balanço - Confira o balanço de aplicação por Regional de Saúde

1ª RS – Paranaguá – 1.509 (38% das 3.970 doses recebidas)

2ª RS – Metropolitana – 19.751 (29% das 67.901 doses)

3ª RS – Ponta Grossa – 5.797 (57,4% das 10.090 doses)

4ª RS – Irati – 1.979 (81,1% das 2.440 doses)

5ª RS – Guarapuava – 6.480 (75% das 8.530 doses)

6ª RS – União da Vitória – 2.100 (83% das 2.530 doses)

7ª RS – Pato Branco – 4.438 (67,9% das 6.530 doses)

8ª RS – Francisco Beltrão – 3.525 (67,1% das 5.250 doses)

9ª RS – Foz do Iguaçu – 3.557 (41,5% das 8.570 doses)

10ª RS – Cascavel – 9.186 (64,5% das 14.240 doses)

11ª RS – Campo Mourão – 4.940 (85% das 5.810 doses)

12ª RS – Umuarama – 1.920 (37,2% das 5.160 doses)

13ª RS – Cianorte – 1.802 (78,6% das 2.290 doses)

14ª RS – Paranavaí – 3.593 (69,5% das 5.170 doses)

15ª RS – Maringá – 10.054 (62,7% das 16.030 doses)

16ª RS – Apucarana – 4.856 (72,4% das 6.700 doses)

17ª RS – Londrina – 9.896 (43,4% das 22.880 doses)

18ª RS – Cornélio Procópio – 3.908 (75,3% das 5.190 doses)

19ª RS – Jacarezinho – 4.484 (80,8% das 5.550 doses)

20ª RS – Toledo – 4.694 (58,6% das 8.000 doses)

21ª RS – Telêmaco Borba – 2.355 (85,3% das 2.760 doses)

22ª RS – Ivaiporã – 3.005 (81,6% das 3.680 doses)

TOTAL – 113.829 vacinados (52% das 219.271 doses).

(Agência de Notícias do Paraná)

 


Versão para impressão


RODAPE