Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5005 | 08 de Fevereiro de 2021

FORMAÇÃO: Processo seletivo para a graduação tecnológica em Gestão de Cooperativas será realizado dias 11 e 14

 

O processo seletivo do Curso de Graduação Tecnológica em Gestão de Cooperativas EAD será realizado em formato online, no dia 11 de fevereiro, às 19h, e no dia 14 de fevereiro, às 14h. Serão três horas de prova. O candidato pode optar pela data e o horário de sua preferência para fazer o exame, composto de 40 questões objetivas de múltipla escolha e uma redação. Serão classificados os 120 primeiros colocados no vestibular. Clique aqui para se inscrever no processo seletivo. A formação, uma inciativa do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR) em parceria com o Isae, é destinada a empregados das cooperativas paranaenses. As aulas iniciam no dia 22 de fevereiro.

 

Enem - Quem realizou o Exame do Ensino Médio (Enem) entre os anos de 2017 e 2020 pode ingressar na graduação sem a necessidade de fazer o vestibular. Basta enviar o relatório de notas do Enem para graduacao@isaebrasil.com.br.

 

A distância - O Curso de Graduação Tecnológica em Gestão de Cooperativas terá encontros quinzenais ao vivo via internet e provas presenciais duas vezes por semestre nos polos regionais. O conteúdo foi desenvolvido pelo Isae e a formação tem duração de quatro semestres. Os professores possuem conhecimento de mercado sobre o cooperativismo e haverá tutoria técnica e acadêmica, com suporte e acompanhamento em tempo real do progresso dos alunos.

 

 

formacao folder 03 02 2021

GETEC: Informe nº 5 apresenta expectativas de mercado sobre indicadores econômicos

getec destaque 08 02 2021A Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec) divulgou, nesta segunda-feira (08/02), mais uma edição do Informe Expectativas de Mercado, com base nas informações do Boletim Focus, do Banco Central (BC), levantadas com instituições financeiras sobre as projeções relativas à economia nacional, contemplando o Produto Interno Bruto (PIB), IPCA (Índice de Preços ao Consumidor), taxa Selic e câmbio para 2021, 2022 e 2023. A Getec também publicou o Informe Mensal, contendo o histórico das projeções do Banco Central referente a janeiro.

Clique aqui para conferir o Informe Expectativas de Mercado Semanal

Clique aqui para conferir o Informe Mensal com o histórico de janeiro

 

FUNDAÇÃO ABC: Representante do cooperativismo paranaense no Prêmio Soja Brasil

fundacao abc 08 02 2021Luís Henrique Penckowski, gerente Técnico de Pesquisa na Fundação ABC – instituição de pesquisa agropecuária mantida pelas Cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal – é um dos finalistas do prêmio Personagem Soja Brasil, na categoria Pesquisador. O prêmio é uma iniciativa do Canal Rural e Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil).

Experiência - Penckowski possui experiência de 20 anos como pesquisador na área de herbologia (ciência das plantas daninhas). Está diretamente envolvido com o trabalho de identificação e controle de novas espécies de amaranthus, resistentes a herbicidas no Brasil, em especial na região Sul. Também tem liderado os estudos sobre nova planta daninha de importância agronômica na soja: a amaranthus hybridus.

Votação - A votação, que vai indicar o vencedor, está sendo feita pela internet, no endereço: https://personagemsojabrasil.canalrural.com.br/votacao-pesquisadores/. (Com informações da Assessoria de Imprensa da Fundação ABC e do Canal Rural)

 

BOM JESUS: Faturamento cresce 29,7% e chega a R$ 988 milhões em 2020

bom jesus 08 02 2021A Cooperativa Bom Jesus, no ano de 2020, cresceu 29,7% e chegou ao faturamento recorde de R$ 988 milhões, conforme apresentou na AGO 2021 (Assembleia Geral Ordinária), em evento semipresencial realizado na Lapa e com transmissão para as unidades. O resultado foi positivo com pouco mais de R$ 40 milhões, com sobras ao produtor de R$ 14 milhões, os melhores números na história da cooperativa, sediada na Lapa (PR). Destaque para a tesouraria positiva da cooperativa que, com isso, continua sendo uma das melhores cooperativas do Paraná em solvência e liquidez. Outro ponto de destaque é o recebimento recorde de soja, com mais de 5,6 milhões de sacas.

Investimentos - Outro destaque importante é em relação aos investimentos em 2020 que chegaram a mais de R$ 70 milhões na região com destaque a nova unidade de recepção de cereais em Palmeira (adquirida da FTG); a construção de nova unidade recepção de cereais em Mafra, sendo a primeira unidade da Bom Jesus no planalto norte catarinense; ampliação da unidade do Capão Bonito, na Lapa; ampliação da unidade de Rebouças; além de investimentos na Sede e Boqueirão, novo sistema de ERP (Enterprise Resourse Planning) voltado a gestão da Cooperativa, entre outros.

Mercado - Em relação ao mercado, a Bom Jesus continuou com o bom trabalho de transferência de tecnologias ao produtor com assistência técnica e agora com novos negócios em parceria com as empresas Saframax e Turim na venda de equipamentos agrícolas.

2021 - Para 2021, a Bom Jesus projeta a inauguração da nova unidade em Mafra, a abertura do TRR (Transportador-Revendedor-Retalhista) e um projeto de intercooperação na região. Todo esse trabalho é para colocar o produtor mais próximo do mercado com toda segurança de uma Cooperativa, aliando a transferência de tecnologias com a inovação no negócio. (Imprensa Bom Jesus)

 

COPAGRIL: Cooperativa sedia 1º Workshop de Inovação

Inovação é a palavra-chave para qualquer empresa em todos os segmentos, assim, também no cooperativismo esse é um termo presente. Com a proposta de intensificar as ações e atitudes inovadoras, a Copagril em parceria com o Codemar (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Marechal Cândido Rondon), por meio do Centro de Treinamento (CT) de Inovação, realizou na terça-feira (02/02) o 1º Workshop de Inovação. Evento que reuniu representantes dos setores públicos e privados, instituições de ensino e entidades para discutir as ações que reflitam de maneira inovadora sobre os modelos de produção e negócios da comunidade.

Busca contínua - A Copagril, como membro deste ecossistema, reuniu o grupo de colaboradores para integrar o grupo e fomentar ainda mais a cultura de inovação na cooperativa. O diretor vice-presidente da Copagril, Elói Darci Podkowa, recebeu os convidados, agradeceu pela participação e destacou sobre a relevância para todos os segmentos. “Nossa busca por inovação é contínua e por isso sabemos da necessidade deste processo como aliado no desenvolvimento de nossas atividades”, descreve Podkowa.

Ações - O workshop envolveu os participantes para discutir as ações programadas em 2021, de modo a envolver todos os agentes com efeitos inovadores e positivos sobre as demandas locais. O grupo Copagril presente no encontro recebeu papel fundamental como disseminador dos projetos de inovação dentro da cooperativa e no desenvolvimento da cultura inovadora, de modo que todos os colaboradores possam atuar como transformadores, aprimorando os processos e melhorando o ambiente de trabalho.

Potencial - “Temos pessoas com grande potencial e queremos envolver todos da Copagril neste projeto. A inovação deve fazer parte da nossa cultura e por isso cada passo é importante para criar um ambiente inovador e por conseguinte mais produtivo”, completa o diretor vice-presidente ao falar dos projetos programados para 2021 a serem implementados na Copagril.

Programação - O encontrou contou com palestra do Coordenador CT Inovação Codemar/Acimacar, Nilmar João dos Santos, e discussão dos temas propostos. Entre os presentes no encontro, respeitando as regras de saúde e segurança em relação ao Coronavírus, estiveram representantes da Acimacar, Codemar, PTI, Sesc, Senac, Isepe Rondon e Unioeste. (Imprensa Copagril)

{vsig}2021/noticias/02/08/copagril/{/vsig}

CAPAL: Diretor financeiro fala sobre distribuição de sobras aos cooperados

capal 08 02 2021Parte dos resultados obtidos pelas cooperativas é repassado aos seus cooperados, são as chamadas sobras. Esse é o tema da entrevista realizada pela Assessoria de Comunicação da Cooperativa Capal, sediada em Arapoti (PR), com o diretor financeiro Marco Rumen, publicada no boletim Capal Notícias, na sexta-feira (05/02). De acordo com ele, a cooperativa obteve valor superior a R$ 2 bilhões de faturamento em 2020. “As sobras também não deixaram a desejar e logo serão divulgadas. Nós temos um percentual de distribuição mais ou menos travado no Estatuto Social, além das obrigações legais. Então, em média 35% das sobras são destinados aos cooperados. É esse percentual que vai para a assembleia para ser submetido à aprovação. É um bom número. Tenho certeza de que os cooperados vão receber com muita satisfação e alegria”, afirmou. Confira abaixo entrevista na íntegra.

Comunicação (C.): Em linhas gerais, para um novo cooperado, o que é e como funciona a distribuição das sobras do exercício?

Marco Rumen (MR): As sobras são formadas com o movimento que cada cooperado faz na Capal. Vamos imaginar que o cooperado está na linha da Pecuária Leite. Ele consome produtos da loja agropecuária, medicamentos, vacinas e a também a ração: são os principais insumos. Essa movimentação vai gerar uma sobra. No final, a cooperativa junta tudo e calcula a sobra daquele cooperado proporcional ao seu movimento durante o ano. Quanto mais o cooperado movimentar no seu setor de atuação, maior será o volume das sobras. Tudo é calculado proporcionalmente ao movimento do cooperado em cada setor.

C.: Recentemente, tivemos a distribuição da sobra das indústrias (Alegra e Leite). Podemos dizer que a distribuição é um diferencial do cooperativismo?

MR: Absolutamente, é um super diferencial. O cooperado da Pecuária Leite, para continuar com o exemplo, já recebe o preço de mercado que todos os laticínios, em média, pagam aos produtores. E ainda, se a indústria consegue bons negócios, com preços bons, gera as sobras. É uma distribuição bastante igualitária. O pequeno produtor recebe de acordo com o seu movimento, o grande e o médio também.

C.: Voltando a falar das sobras da Capal, o cooperado participa da decisão sobre a distribuição por meio da AGO. Qual a importância da presença dos cooperados nos momentos de decisão?

MR: A Capal apura o balanço anual e convoca as pré-assembleias e a AGO. Do número que é submetido à aprovação da assembleia, já foram deduzidos os valores estatutários e legais, que são obrigações da Capal. O Conselho de Administração elabora uma proposta de destinação, com a Diretoria Executiva, que segue para aprovação em assembleia. Eu diria que a AGO é o auge dos eventos da cooperativa durante o ano, pois ela coroa todo o trabalho realizado, e a participação do cooperado é muitíssimo importante. Por isso, sempre ficamos satisfeitos com a presença dos cooperados, pois é sinal de que, cada vez mais, a Capal está bem representada. São eles que votam e decidem. A assembleia é o órgão máximo, soberano. Então, é importante o cooperado ir, debater, discutir e até votar não, se ele discordar; é um direito democrático do cooperado. E, principalmente as sobras, são os cooperados que deliberam e aprovam.

C.: Como Diretor Financeiro, como avalia o resultado do exercício de 2020 que em breve será divulgado no relatório anual? Quais as expectativas para a distribuição das sobras?

MR: 2020 foi um ano diferente, no início achamos que não iria decolar. Aos poucos, as coisas foram acontecendo: as transações com os cooperados, as safras foram muito boas. Os preços das commodities subiram além do que nós tínhamos imaginado quando fizemos o orçamento no final de 2019. Tudo isso ajudou no faturamento da cooperativa. O dever de casa foi bem feito, a cooperativa soube navegar no momento da pandemia e o agronegócio, de um modo geral, foi muito bem. O alimento tem de estar na mesa do consumidor e nós produzimos alimentos.

As indústrias também geraram resultados positivos, como no caso do leite que foi comentado agora há pouco, foram resultados espetaculares. A Alegra, por seu lado, operou 2020 no azul e isso tirou um peso grande da administração da Unium, o que também ajudou a construir o resultado de 2020 que já conhecemos e comemoramos bastante. A cooperativa rompeu a barreira dos 2 bilhões de faturamento, e as sobras não deixaram a desejar, logo serão divulgadas, aguardem. Para a distribuição, nós temos um percentual mais ou menos travado no Estatuto Social, além das obrigações legais. Então, em média 35% das sobras são destinados aos cooperados. É esse percentual que vai para a assembleia para ser submetido à aprovação. É um bom número, tenho certeza de que os cooperados vão receber com muita satisfação e alegria, a exemplo do que aconteceu com as sobras do leite e da Alegra.

C.: Gostaria de fazer alguma consideração final?

MR: A Capal está em um momento muito bom. Temos um time bom, com o pessoal engajado, que entende o trabalho e a missão da cooperativa. Esse é um ponto importante para sempre destacar: qual é o papel da Capal? Eu considero a cooperativa como um imã que, por onde passa, vai atraindo todos os que querem entrar: cooperados, funcionários, fornecedores, clientes. (Imprensa Capal)

 

PRIMATO: Pré-Assembleia online apresenta resultados de 2020

primato 08 02 2021A AGO Primato do exercício 2020, onde todos os dados apresentados serão apreciados, será realizada no dia 12 de fevereiro, na Associação da Primato, em Toledo (PR), a partir das 14h.

Pré-assembleia - No dia 1 de fevereiro, a Primato Cooperativa Agroindustrial promoveu a Pré-Assembleia de forma digital, com a apresentação dos números relacionados ao exercício de 2020 como forma de prestação de contas. Além disso, os gerentes de divisão apresentaram suas estruturas, os principais pontos de melhorias e contemplaram todos os segmentos da cooperativa no ano passado. O evento serviu como alinhamento, tirada de dúvidas e entendimento sobre o que será apresentado e apreciado durante a Assembleia Geral Ordinária, a AGO Primato e, foi transmitido pelos canais oficiais da Primato no Youtube e Facebook.

Início - O evento teve início às 20h, com as boas-vindas feita pela diretoria executiva da cooperativa, composta pelo presidente Ilmo Werle Welter, vice-presidente Cezar Luiz Dondoni, secretário Moacir Jovino Scuzziato e o diretor executivo Anderson Sabadin . “Este momento é muito importante para que possamos transmitir as informações, números e resultados obtidos no exercício 2020, além da apresentação de nosso corpo gerencial que visa demonstrar nossa estrutura de trabalho em todos os segmentos e atividades da cooperativa”, destacou o presidente da Primato Ilmo Werle Welter que complementou, “e o uso da tecnologia na transmissão das informações é fundamental para o maior alcance de todos os cooperados que nos acompanham”.

Sugestão - Houve a sugestão para alteração no estatuto para discussão sobre a Lei Geral de Proteção de Dados.

Gestores - Dando sequência à Pré-Assembleia, os gestores de divisão apresentaram suas estruturas e números em 2020. O primeiro a falar foi o gerente de originação, Marcio Jose Bach, que apresentou dados sobre os resultados da produção de leite, suínos, tilápias, bovinos, aves, milho, soja e planejamento futuro. Logo após, foi a vez do gerente de industrialização, Juliano Millnitz falar sobre a estrutura organizacional, números industriais, consumo de MPs, representatividade nutrição Prima Raça, inovação e investimentos.

Pilares - O gerente de marketing, comunicação, serviço e inovação, Adriano Arrosi, foi o terceiro a apresentar informações sobre pilares da estrutura organizacional, definições por área, big picture, ferramentas, linha do tempo e omnichannel. Dando continuidade, o gerente de gente e gestão, Carlos Hech concluiu a apresentação com informações sobre finanças e controladoria, pessoas, ações de endomarketing, capacitação e treinamentos, educação, cooperados, colaboradores, eventos, reconhecimento, LGPD e TI. Ainda participaram o auditor interno Leandro Chiella e o contador Rafael Gonçalves.

Cooperativa - Após as apresentações estruturais, foi a vez da sugestão de distribuição de sobras. “A expectativa de cada um de nós cooperados sobre a destinação das sobras, aprovada pelo conselho de administração, sendo cada um com a sua participação de forma proporcional ao que movimentou com a Primato em 2020. Por isso, reforçamos a importância do cooperado informar a matrícula nos negócios da cooperativa, pois isso gera mais resultado também”.

Mais - Foram apresentados também o orçamento que vai à apreciação para o exercício 2021, o plano de investimentos 2021/2028 e a composição da renovação dos conselhos de administração e conselho fiscal para os próximos anos. Em 2020 o faturamento da Primato foi de R$ 747.314.223, com um resultado líquido de R$ 21.019.055. O quadro de cooperados ativos ficou em 8768, com 1252 colaboradores, uma movimentação de aproximadamente de 40 milhões de litros de leite, com quase 37 mil toneladas de suíno, tendo as indústrias de alimentos para animais faturado cerca de 147 milhões de reais, com a produção de 7 mil toneladas de ração suína e 11 mil toneladas de ração bovina mensais. (Imprensa Primato)

 

COOPAVEL: Cooperativa lamenta morte de Salazar Barreiros

Cooperados, colaboradores e parceiros da Coopavel lamentaram profundamente o falecimento de Salazar Barreiros, ocorrida na sexta-feira (05/02). Salazar foi presidente da Coopavel em um dos períodos decisivos da história da cooperativa.

Novo tempo - Com liderança forte, sabedoria e dedicação, Salazar contribuiu para o início de um novo tempo na história da Coopavel. Advogado, agropecuarista e homem público, Salazar Barreiros deixa um grande legado à comunidade de Cascavel e região. (Imprensa Coopavel)

SICREDI UNIÃO PR/SP: Nota de pesar

sicredi uniao 08 02 2021É com o coração muito entristecido que a Sicredi União PR/SP comunica o falecimento do diretor Constantino de Souza Júnior. A cooperativa esteve ao lado da família em todo o período em que ele esteve internado e continua fornecendo apoio neste momento tão difícil. Constantino era colaborador da Sicredi União PR/SP há mais de 20 anos e atuava grandemente na comunidade. Com olhar futurista, foi um grande incentivador e apoiador na ida da cooperativa ao estado de São Paulo, onde morou por alguns anos.

Legado - “Sabemos que muitos colaboradores foram impactados com a alegria, determinação e gestão do senhor Constantino, como era conhecido pela maioria, e temos certeza de que ele deixará um legado para toda nossa cooperativa, que se perpetuará por gerações. O último adeus será na cidade de Paranavaí (PR), onde ele morava. Devido aos decretos referentes à pandemia, o velório e o enterro seguirão protocolo municipal”, diz ainda a nota de pesar emitida na manhã desta segunda-feira (08/02) pela Sicredi União PR/SP. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

UNIPRIME: Livelo, liberdade para acumular e trocar pontos

uniprime 08 02 2021Quem utiliza os cartões Uniprime Mastercard pode transferir os pontos acumulados para o programa de recompensas da Livelo, que reúne mais de 40 parceiros e dá acesso a mais de 700 mil produtos, dentre passagens aéreas das principais companhias, lojas de varejo, aluguel de carros, entre outros.

Transferência - Como transferir para Livelo? Fale com seu gerente e solicite a transferência. Se for a sua primeira transferência de Pontos Uniprime para um parceiro, o mínimo deve ser de 10.000 pontos. Caso já tenha realizado alguma, o valor das próximas deve ser múltiplo de 1.000. 1 ponto Uniprime = 1 ponto Livelo.

Destaque - O destaque fica por conta da parceria da Livelo com a Luxury Loyalty, uma experiência que aproxima os cooperados do mercado de luxo. Confira AQUI a lista de produtos e serviços Premium que é possível resgatar com os pontos Uniprime.

Compre e pontue - Outro benefício é o programa Compre e Pontue, em que é possível acumular pontos extras ao comprar em um dos sites parceiros da Livelo. Confira AQUI as lojas e serviços que oferecem pontos na sua conta Livelo para cada real gasto.

Gerente - Ficou interessado? Fale agora mesmo com seu Gerente Uniprime. (Imprensa Uniprime)

 

SEAB/DERAL: Boletim agropecuário retrata atraso nas lavouras em razão das chuvas

seab deral 08 02 2021Dois dos principais grãos produzidos no Paraná, a soja e o milho, entre outras culturas, sofreram bastante com as condições climáticas observadas no Estado. O Boletim Semanal de Conjuntura Agropecuária, produzido por técnicos do Deral, analisa essa situação na edição da semana de 30 de janeiro a 5 de fevereiro.

Milho primeira safra - O milho da primeira safra está com 37% em estágio de maturação, com boa parte pronta para a colheita, mas as chuvas constantes dos últimos dias frearam esse trabalho. A expectativa é que o sol se firme, sobretudo nas regiões de Ponta Grossa, Guarapuava e Curitiba, possibilitando maior avanço.

Chuvas - No entanto, as chuvas acima da média histórica podem impactar na qualidade do cereal e causar perdas. As condições das lavouras tiveram uma piora, de acordo com o boletim. No mês passado, aproximadamente 79% da área de 359 mil hectares apresentavam condições boas. Agora, baixou para 71%.

Segunda safra - O plantio da segunda safra de milho está bastante lento. Os produtores precisam primeiro promover a colheita da soja. Mas as condições climáticas impedem que esse trabalho seja feito de forma mais intensa. As chuvas constantes e volumosas sobre o produto no campo provocaram aumento de doenças na soja e preocupação com a qualidade e produtividade do grão.

Trégua - Da mesma forma que no milho, a expectativa é de uma trégua das chuvas nas próximas semanas, que possibilite aos agricultores realizar os tratos culturais e garantir melhor qualidade e volume à produção. Enquanto isso, o plantio da segunda safra de soja já alcança 65% da área estimada de 39 mil hectares.

Outros produtos - O boletim também relata a situação do feijão de primeira safra, cuja colheita e qualidade estão igualmente prejudicadas pelas chuvas em abundância. No caso da mandioca, é colhida durante todo o ano, mas, em janeiro, as condições climáticas não foram favoráveis. Para a batata, a estiagem prejudicou o plantio e desenvolvimento e, agora, o excesso de chuva compromete a colheita.

Frutas - O documento trata, ainda, do volume de 575,5 mil toneladas de frutas comercializadas nas cinco unidades da Ceasa no Paraná em 2020. O montante financeiro em circulação alcançou R$ 1,6 bilhão. Por fim, registra-se a expectativa de que os números apontem que, em 2020, o Brasil produziu 13,7 milhões de toneladas de carne de frango, volume em torno de 4% superior a 2019. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o Boletim Semanal de Conjuntura Agropecuária.

FOTO: Jonathan Campos / AEN

 

BNDES: Programa Crédito Rural financia agropecuária com R$ 1,7 bilhão em 2020

bndes 08 02 2021O setor agropecuário brasileiro recebeu, por meio do Programa Crédito Rural, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), criado em março de 2020, financiamentos no montante de R$ 1,7 bilhão no ano passado. Desse total, R$ 1,5 bilhão foram referentes ao plano safra 2020/2021.

Perenidade - Segundo o BNDES, o objetivo do programa é garantir perenidade na oferta de crédito para produtores rurais. Até agora, o banco concedeu empréstimos a 3.700 produtores, em mais de 5.200 operações.

Portal - Para consultas sobre esse programa e demais linhas de apoio ao setor do agronegócio, o BNDES criou em seu site um portal que permite acesso a dados como volumes aprovados por porte de beneficiário, programa e agente financeiro, distribuição geográfica das operações, equipamentos financiados, categoria estratégica à qual o apoio pertence, como inovação, sustentabilidade ou irrigação.

Ano safra - Dados relativos ao ano safra 2020/2021, que vai de julho de 2020 a junho de 2021, revelam que a maior parte dos beneficiários (cerca de 37 mil ou o equivalente a 62,7% do total) está vinculada à agricultura familiar. O estado com maior quantidade de financiamentos foi o Paraná.

Principais programas - O painel mostra também que os principais programas em volume, desde julho de 2020, são o Moderfrota (com R$ 5,8 bilhões em aprovações), o Pronaf Investimento (R$ 2 bilhões) e o BNDES Crédito Rural (R$ 1,5 bilhão). Os interessados têm acesso ainda, no portal, a um ranking dos agentes financeiros, identificando aqueles que aprovaram os maiores volumes de recursos.

Alternativa - O Programa BNDES Crédito Rural é usado como alternativa aos programas agropecuários do governo federal, cujas taxas de juros são equalizadas pelo Tesouro Nacional.

Pioneiro - De acordo com a instituição, um dos pioneiros no uso do programa BNDES Crédito Rural foi o agricultor Antônio Donizetti Primon, que tomou empréstimo de R$ 1,3 milhão na agência da Cresol Baser de Nova Esperança, cidade próxima de Maringá, no Paraná. Ele vai investir na construção de um barracão para armazenar máquinas, equipamentos e sementes em sua propriedade de Anaurilândia, Mato Grosso do Sul, em área de 726 hectares.

Planejamento - “Tenho um prazo bom e consigo administrar o pagamento. Com isso, já posso pensar em investir em irrigação com a compra de um pivô móvel, que vai permitir ter três safras ao ano. Assim, a propriedade fica altamente produtiva”, disse Primon. (Agência Brasil)

FOTO: Valter Campanato / Agência Brasil

 

APRE: Com apenas 5% da área ocupada do Paraná, cultivo florestal gera impactos positivos no Estado

apre 08 02 2021O setor de florestas plantadas movimenta, anualmente, o comércio e os serviços locais dos municípios onde estão instalados os plantios, bem como as indústrias e toda a cadeia de suprimentos que faz desta uma das atividades que tem contribuído para a transformação social e econômica de diferentes regiões do Estado do Paraná. Mesmo ocupando apenas 5% da área territorial do Paraná, as florestas plantadas fazem do Estado um dos líderes nacionais em cultivo, produção, industrialização e exportação, com a cadeia mais completa do país. Existem aqui mais de seis mil empresas florestais, que representam 10% do total brasileiro, segundo levantamento realizado pela Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (Apre) e divulgado no Estudo Setorial recentemente publicado.

Geração de empregos - O impacto positivo dessas empresas na economia local passa também pela capacidade de geração de empregos. Em 2018, o Brasil apresentou mais de 600 mil empregos no segmento, um aumento de 0,5% em relação ao ano anterior, e o Paraná respondeu por 16,5% desse total, com 98.782 empregos diretos, número 2,9% maior do que em 2017. Já quando se fala em empregos indiretos e efeito-renda, o Estado chega a 400 mil empregos.

Telêmaco Borba - Somente no polo de Telêmaco Borba, que abriga a maior área de cultivos florestais do Paraná, do qual fazem parte os municípios de Telêmaco Borba, Ortigueira, Reserva, Tibagi, Ibaiti, São Jerônimo da Serra, Sapopema, Figueira, Curiúva, Imbaú, Ivaí, Cândido de Abreu e Ventania, são 313 empresas florestais, a maioria (36%) no segmento de produção de florestas plantadas. Em 2018, o município de Reserva detinha o maior número do segmento, com 84 estabelecimentos. As empresas sediadas nesse polo empregam 12.724 pessoas, e a maior parte desses profissionais (71%) estão em Telêmaco Borba. Os dados também fazem parte do Estudo Setorial Apre 2020.

Pessoas beneficiadas - “Se pensarmos no número de empregos indiretos, podemos dizer que aproximadamente 400 mil pessoas são beneficiadas pelo setor. Pela característica do segmento no Estado e pela localização geográfica, de terrenos mais íngremes e de acesso mais difícil, o uso de mão de obra ainda é muito grande, pois há a dificuldade de mecanização em algumas áreas. Nessas regiões onde as empresas florestais estão alocadas, que são regiões mais carentes, não temos desemprego, temos oferta de emprego, temos atividade. Ou seja: o setor florestal traz um benefício enorme para o Paraná, diminuindo o desemprego e, consequentemente, o êxodo rural”, detalha o engenheiro florestal e presidente da Apre, Álvaro Scheffer Junior.

Áreas remotas - Nessas áreas mais remotas, segundo Scheffer Junior, muitas vezes não há pavimentação, e o acesso a diversos serviços, como saúde e educação, é mais difícil. Por isso, as empresas florestais mantêm inúmeros programas para oferecer qualidade de vida à população. Somente as associadas à Apre contam com mais de 80 programas sociais e ambientais, a maioria delas com pelo menos dois projetos por empresa. Os mais frequentes estão relacionados ao desenvolvimento socioeconômico das comunidades (40,2%), seguido de meio ambiente (28,0%), socioeconômico/meio ambiente (13,4%), saúde (11,0%) e socioeconômico/cultural (7,3%).

Atuação proativa - Além disso, em um ano desafiador como foi 2020, por conta da pandemia do novo coronavírus, as empresas associadas à Apre atuaram de forma proativa para prover recursos às instituições que estavam na linha de frente no combate à doença, com doação de insumos, equipamentos de proteção individual, kits de higiene e testes para a detecção do vírus para hospitais e secretarias municipais de saúde, além de cestas básicas e contribuições em dinheiro para inúmeras organizações.

Compromisso com o futuro - Os dados levantados pela Apre mostram ainda que as empresas do setor estão atentas à agenda mundial quanto ao papel que têm na sociedade. Assim, além das contribuições sociais e econômicas, a cadeia de florestas cultivadas tem sido um dos agentes fundamentais quando o assunto é conservação no Brasil. O país possui nove milhões de hectares plantados e outros 5,9 milhões de hectares destinados a áreas de preservação e reservas naturais, resultando na proporção de 0,5 hectare protegido para cada 1 hectare plantado. No Paraná, somente com as associadas da Apre, esse número é ainda mais expressivo: para cada hectare de floresta plantada, existe mais um hectare de floresta nativa destinada à conservação.

Alinhamento - “Os números mostram que, mais do que cumprir o que a legislação exige, as empresas associadas à Apre estão alinhadas com o que se espera de empresas éticas e comprometidas com a sociedade. Por isso, tenho convicção de falar que o setor florestal paranaense, dentro do agronegócio do Estado, é o que mais preserva o meio ambiente. Esse dado é de grande importância, principalmente num ano atípico como o que vivemos, com escassez de água, por exemplo, pois nas áreas preservadas estão as nascentes, os mananciais. O setor florestal protege e garante a existência desses recursos hídricos. Isso é fundamental para o meio ambiente e para toda a população do Estado”, reforça o engenheiro florestal.

Outros benefícios - Ainda de acordo com o presidente da Apre, a atividade florestal garante outros benefícios, como a fertilidade do solo, reciclagem de nutrientes, redução sobre a pressão nas florestas nativas. Vale destacar também a bioeconomia, que consiste, de forma geral, em substituir materiais não renováveis por materiais renováveis. Para isso, instituições de pesquisa e iniciativa privada se unem para aprofundar os estudos na área de nanotecnologia, buscando o desenvolvimento de novos produtos com base em compostos de nanocelulose, por exemplo. Bio-óleos, nanofibra e nanocristais são alguns desses bioprodutos desenvolvidos de materiais biodegradáveis de fontes renováveis, como as florestas plantadas. Em 2020, pesquisadores desenvolveram, a partir de nanocelulose de pinus e eucalipto, um espessante para fabricação de álcool em gel.

De olho no futuro - “Com base nos dados apresentados no Estudo Setorial da Apre, confirmamos que o setor florestal é um setor que está de olho no futuro, pois une tecnologia e pessoas para gerar crescimento econômico e desenvolvimento socioambiental, além de soluções para a nova economia, que foca também em colaboração, justiça e nos impactos das atividades humanas. Somos uma indústria que tem o compromisso com o desenvolvimento sustentável, por meio de ações focadas nas pessoas, no meio ambiente e na prosperidade das comunidades”, completa Álvaro Scheffer Junior. (Assessoria de Imprensa da Apre)

 

FOCUS: Mercado financeiro aumenta projeção da inflação para 3,60%

focus 08 02 2021A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA - a inflação oficial do país) deste ano subiu de 3,53% para 3,60%. A estimativa está no boletim Focus desta segunda-feira (08/02), pesquisa divulgada semanalmente em Brasília, pelo Banco Central (BC), com a projeção para os principais indicadores econômicos. Para 2022, a estimativa de inflação é de 3,49%. As previsões para 2023 e 2024 são de 3,25%

Abaixo da meta - O cálculo para 2021 está abaixo da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75% para este ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,25% e o superior, 5,25%.

Taxa de juros - Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, estabelecida atualmente em 2% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Expectativa - Para o mercado financeiro, a expectativa é que a Selic encerre 2021 em 3,50% ao ano. Para o fim de 2022, a estimativa é que a taxa básica fique nesse mesmo patamar. E para o fim de 2023 e 2024, a previsão é 6% ao ano.

Aumento - Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros a meta é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Entretanto, os bancos consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

Redução - Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

PIB e câmbio - As instituições financeiras consultadas pelo BC reduziram a projeção para o crescimento da economia brasileira este ano de 3,50% para 3,47%. Para o próximo ano, a expectativa para Produto Interno Bruto (PIB) - a soma de todos os bens e serviços produzidos no país - é de crescimento de 2,50%, a mesma previsão há 146 semanas consecutivas. Em 2023 e 2024, o mercado financeiro também continua projetando expansão do PIB em 2,50%.

Mesmo valor - A previsão para a cotação do dólar permanece em R$ 5,01, ao final deste ano. Para o fim de 2022, a expectativa é que a moeda americana fique em R$ 5. (Agência Brasil)

FOTO: Banco Central do Brasil

 

INFRAESTRUTURA: Parceria entre Estado e Itaipu acelera a revitalização da Estrada Boiadeira

infraestrutura 08 02 2021Um convênio entre o Governo do Estado e a Itaipu Binacional traz melhorias à mobilidade de uma das principais ligações do Paraná com o vizinho Mato Grosso do Sul, os dois maiores produtores agrícolas do País. Trata-se das obras de revitalização da BR-487, mais conhecida como Estrada Boiadeira, que recebe investimentos de R$ 223,8 milhões. A maior parte do trecho de 46 quilômetros será pavimentada, reduzindo os custos logísticos de produção do campo.

Pedra fundamental - Na sexta-feira (05/02), o governador Carlos Massa Ratinho Junior e o diretor-geral de Itaipu, Joaquim Silva e Luna, estiveram no distrito de Santa Eliza, em Umuarama (Noroeste), para o lançamento da pedra fundamental da obra. Na solenidade, também foi formalizado o convênio autorizando o repasse dos recursos da binacional para o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR), que recebeu a gestão da obra do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

Rota estratégica - Reivindicação antiga da população do Noroeste paranaense, a rota será estratégica para o escoamento da produção agrícola dos dois estados e também para a concretização do projeto do Corredor Bioceânico, que integrará o oceano Atlântico ao Pacífico através de um corredor multimodal entre os portos de Paranaguá e de Antofagasta, no Chile.

Novo ramal - “Estamos consolidando um novo ramal de desenvolvimento para o Noroeste do Paraná, ligando o Paraná ao Mato Grosso do Sul por um trecho mais curto do que é percorrido hoje pelos motoristas”, afirmou o governador. “Tudo isso se reflete nos custos logísticos da produção. Vai diminuir os gastos com combustível e a hora trabalhada do caminhoneiro. O ganho de eficiência no transporte representa uma transformação para a região”.

Parceria - Ratinho Junior também destacou a parceria com a Itaipu para tirar do papel projetos estratégicos para a infraestrutura paranaense. “Juntamos a capacidade financeira da Itaipu com a experiência da nossa equipe de engenharia e também com o Ministério da Infraestrutura para fazer essas obras de transformação no Paraná”, salientou.

Sonho - “É um sonho se tornando realidade, uma parceria que se torna cada vez mais forte entre a Itaipu e o Governo do Estado para melhorar a logística regional, mas com uma visão bem mais ampla. Enxerga o local, o nacional e o internacional, com este futuro projeto de ligação do Pacífico ao Atlântico”, afirmou o general Silva e Luna.

Outro projeto - A obra na Estrada Boiadeira, ressaltou o secretário estadual da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, se soma a outro projeto importante do Governo do Estado no Noroeste, que é a duplicação da PR-323. “Com o aporte da Itaipu, estamos consolidando mais um projeto, parte de um grande pacote de infraestrutura em todo o Estado”, disse. “Nesta região, iniciaremos até o mês que vem mais duas frentes de serviço na PR-323. A duplicação até o Rio Ivaí e a construção do trevo do Gauchão, em Umuarama. São compromissos do nosso governo”.

Obras - A obra na Estrada Boiadeira foi dividida em três lotes, sendo que o recurso de R$ 223,8 milhões é para o Lote 1, que inicia na divisa com o Mato Grosso do Sul, no distrito de Porto Camargo, em Icaraíma, e segue até Umuarama. Com o asfalto implantado neste traçado, os carros e caminhões que vêm do estado vizinho conseguirão economizar até 20 quilômetros para chegar a Umuarama, já que hoje é preciso desviar dos trechos não pavimentados.

Desenvolvimento regional - O prefeito de Umuarama, Celso Pozzobom, lembrou que a população espera há décadas pela pavimentação da rodovia, que vai influenciar no desenvolvimento regional e reduzir o fluxo de veículos pesados que trafegam pela área urbana de Umuarama. “Centenas de caminhões transitam no perímetro urbano pela falta desta estrada, causando um transtorno para os moradores da região do Alto São Francisco”, afirmou.

Inserção - “Os moradores dos distritos rurais dizem que eles ficaram fora de rota. E agora com a vinda da Boiadeira eles serão inseridos em uma rota de desenvolvimento. O setor agropecuário vai se desenvolver muito, porque uma rodovia de qualidade garante acesso e traz investidores para a região”, completou Pozzobom.

Melhorias - Estão previstas, neste lote, melhorias entre o distrito de Porto Camargo e Icaraíma, um trecho de cerca de 10 quilômetros que já é asfaltado; a construção de um contorno em Icaraíma, para desviar o fluxo de veículos pesados da cidade; e a pavimentação do traçado original da Boiadeira, de Icaraíma ao distrito Serra dos Dourados, já em Umuarama. Neste trecho, também está inclusa a construção de outro contorno, de 4,5 quilômetros, em Santa Eliza.

Total - No total, o investimento contempla 46 quilômetros de rodovias, sendo que alguns trechos já estão em obras.

Liberação de recursos - A formalização do convênio deve acelerar a liberação dos recursos e dar mais velocidade aos trabalhos. Atualmente, cerca 250 trabalhadores estão à frente das obras. A previsão é que elas estejam concluídas até o início de 2022. A revitalização também vai facilitar o acesso da região à cidade de Porto Murtinho (MS), onde será construída uma nova ponte internacional entre Brasil e Paraguai, sobre o Rio Paraguai, com recursos da margem paraguaia de Itaipu.

Outros lotes - Enquanto as obras correm no Lote 1, o Dnit está concluindo o chamamento da empresa que venceu a licitação do Lote 2, entre a Serra dos Dourados e Cruzeiro do Oeste. Serão 37 quilômetros de obras, passando pela localidade de Lovat e coexistindo com a PR-323.

Modelo - O contrato é do modelo de RDCI, ou seja, a mesma empresa faz o projeto e executa a obra. Essa conexão alcança no Lote 3, o primeiro a sair do papel, em 2013, entre Cruzeiro do Oeste e Campo Mourão. Há expectativa de encerrar a revitalização da Boiadeira nos próximos cinco anos, com mais de 150 quilômetros no Paraná.

Parceria - O projeto da Estrada Boiadeira faz parte de um conjunto de obras financiadas pela margem brasileira de Itaipu e executadas pelo Governo do Estado, em um pacote que soma R$ 1,4 bilhão em investimentos.

Lista - A lista inclui a construção da Ponte da Integração Brasil-Paraguai, entre Foz do Iguaçu e Presidente Franco; a duplicação da BR-469, a Rodovia das Cataratas, e a ampliação da pista do Aeroporto Internacional do Iguaçu, também em Foz; o Contorno de Guaíra; a duplicação do Contorno Oeste e da BR-277, em Cascavel; a revitalização da Ponte Ayrton Senna, em Guaíra; a implementação de iluminação viária em trechos da BR-277, na região Oeste; e a ligação entre Ramilândia e Santa Helena.

Presenças - Participaram da solenidade o secretário estadual do Desenvolvimento Sustentável e Turismo, Márcio Nunes; o diretor de Coordenação da Itaipu Binacional, general Luiz Felipe Carbonell; os presidentes da Associação dos Municípios do Paraná (AMP), Darlan Scalco, e da Associação dos Municípios de Entre-Rios (Amerios), Marcio Juliano Marconlino; os deputados estaduais Delegado Fernando, Soldado Adriano José e Alexandre Curi e prefeitos da região. (Agência de Notícias do Paraná)

 

LEGISLATIVO I: Câmara pode votar nesta terça-feira novo marco legal do mercado de câmbio

legislativo I 08 02 2021A Câmara dos Deputados pode votar nesta terça-feira (09/02) o projeto de lei sobre novas regras cambiais (PL 5387/19, do Poder Executivo), pautado para a primeira sessão do ano destinada à análise de propostas. O tema está na lista de prioridades do governo, anunciada na abertura do ano legislativo, e também foi considerado prioritário pelos líderes partidários. As votações em Plenário começam às 15 horas de terça.

Texto-base - O texto-base do novo marco legal do câmbio foi aprovado na última sessão de trabalhos legislativos do ano passado, na forma do substitutivo do deputado Otto Alencar Filho (PSD-BA). Ainda falta analisar os destaques apresentados pelos partidos na tentativa de mudar o texto.

Limite - Entre outros pontos, o substitutivo de Alencar Filho propõe o aumento do limite de dinheiro vivo que cada passageiro pode portar ao sair do Brasil ou nele entrar. Em vez dos atuais R$ 10 mil serão 10 mil dólares (cerca de R$ 50 mil ao câmbio atual) ou o equivalente em outra moeda.

Destaque - Um dos pontos destacados para votação em separado é o que permite aos bancos e instituições financeiras brasileiros investirem no exterior recursos captados no Brasil ou em outros países. De acordo com o texto do relator, as instituições financeiras poderão usar esse dinheiro também para financiar ou emprestar no País ou no estrangeiro.

Exportadores - Outro destaque pretende retirar a permissão para que exportadores usem o dinheiro obtido com exportações, e mantido no exterior, para realizar empréstimo ou mútuo.

Superendividamento - Para a quinta-feira (11/02), está marcada a análise do Projeto de Lei 3515/15, do Senado Federal, que cria regras para prevenir o superendividamento dos consumidores, proíbe práticas consideradas enganosas e prevê audiências de negociação.

Desistência - De acordo com o substitutivo preliminar do relator, deputado Franco Cartafina (PP-MG), o consumidor poderá desistir de contratar empréstimo consignado dentro de 7 dias do contrato sem indicar o motivo. Para isso, o fornecedor da proposta deve dar acesso fácil a formulário específico, em meio físico ou eletrônico, no qual constarão os dados de identificação e a forma de devolução de quantias recebidas e eventuais juros.

Devolução - No entanto, qualquer tarifa paga pelo consumidor para a contratação do crédito não será devolvida e ele terá de efetuar a devolução em um dia útil contado de quando tiver sido informado sobre a forma de fazê-lo.

Proibido - Cartafina propõe que será proibido fazer oferta de crédito ao consumidor, seja em propagandas ou não, com expressões enganosas, como “sem juros”, “gratuito”, “sem acréscimo”, “taxa zero” ou expressões semelhantes.

Consulta - Nessas ofertas de crédito, será proibido ainda dizer que a operação poderá ser concluída sem consulta a serviços de proteção ao crédito ou sem avaliação da situação financeira do interessado.

Pandemia - Caso seja aprovado o regime de urgência, outras matérias podem ser analisadas, principalmente relacionadas à pandemia. Uma delas é o Projeto de Lei 5638/20, do deputado Felipe Carreras (PSB-PE), que cria o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos, com o objetivo de oferecer condições para que o setor possa diminuir perdas financeiras em razão da pandemia de Covid-19.

Parcelamento - O projeto prevê, por exemplo, o parcelamento de débitos tributários e não tributários em qualquer estágio de cobrança, inclusive para empresas optantes pelo Simples Nacional, em até 120 parcelas não inferiores a R$ 300. Multas e juros terão desconto de 70%; e os encargos legais, de 100%.

Vacinas - Poderá contar com urgência também o Projeto de Lei 27/21, do deputado Mário Negromonte Jr. (PP-BA), que aumenta a pena para o crime de dano caso a coisa destruída, inutilizada ou deteriorada seja vacina, insumo ou qualquer outro bem destinado ao enfrentamento de emergência de saúde pública.

Pena - Atualmente, a pena de dano para os casos gerais é de detenção de 1 a 6 meses ou multa. Já o projeto estipula a pena de reclusão de 1 a 5 anos para a nova hipótese de agravante.

PL 33- Outro projeto que poderá entrar na pauta, o PL 33/21, do deputado Alex Manente (Cidadania-SP), prevê pena de detenção de 1 a 3 anos e multa para o crime de furar a ordem de prioridade no Plano Nacional de Vacinação.

Nos tipos penais - Esse projeto está apensado ao PL 25/21, do deputado Fernando Rodolfo (PL-PE), que é mais abrangente e cria três novos tipos penais para os crimes de furar a ordem de prioridade na vacinação, desviar vacinas e usar do cargo para inverter a prioridade de imunização.

Independência do BC - Uma das prioridades do governo também depende da votação de regime de urgência. Trata-se do Projeto de Lei Complementar 19/19, do Senado, que garante a autonomia do Banco Central e inclui outros objetivos para a instituição além da estabilidade de preços, como a estabilidade financeira e o cumprimento das metas de política monetária estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Mandatos - O texto prevê que os mandatos do presidente e dos oito diretores da instituição não coincidam com os do presidente da República.

Outros - Vários outros projetos em tramitação na Câmara sugerem a autonomia do Banco Central e estão apensados ao mais antigo, o PL 220/89. Um desses projetos é o PLP 112/19, do Poder Executivo. (Agência Câmara de Notícias)

Confira a pauta completa do Plenário

FOTO: Pablo Valadares / Câmara dos Deputados

 

LEGISLATIVO II: Senadores avaliam lista de prioridades do governo no Congresso

legislativo II 02 08 2021Depois de apresentar uma lista com mais de 30 propostas em tramitação no Congresso consideradas prioritárias, o governo tem agora que convencer os parlamentares a apoiarem essas pautas. A avaliação é do senador Nelsinho Trad (PSD-MS).

Temas - No documento entregue na quarta-feira (03/02) pelo presidente Jair Bolsonaro aos presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, estão projetos como a reforma tributária e as três propostas de emenda à Constituição (PECs) da chamada Agenda Mais Brasil: PEC Emergencial (PEC 186/2019), PEC do Pacto Federativo (PEC 188/2019) e PEC dos Fundos (PEC 187/2019).

Avaliação - Para Trad, é natural o governo apresentar suas prioridades, mas o senador frisa que cabe a deputados e senadores avaliar se as propostas devem prosperar. 

Debate - “Uma coisa é você ter a percepção daquilo que é importante para o governo, outra coisa é o debate e a aprovação das matérias. Temos situação e oposição. Vai caber ao governo apresentar as boas ideias para convencer a oposição a aprová-las. Cada senador tem o seu pensamento, sua ideia, e vota do jeito que sua consciência determinar. Estamos aqui para debater e esgotar o debate e votar a favor ou contra. Na reunião de líderes deverá sair a lista daqueles que vão tramitar na frente dos outros”, disse Trad à Agência Senado.

Porte de armas - Na planilha, elaborada pela Secretaria de Governo da Presidência, também figuram itens fora das pautas relacionadas à crise econômica e sanitária. Uma das propostas traz regras para flexibilizar registro, posse e comercialização de armas de fogo. Esse talvez seja o ponto mais sensível entre as prioridades listadas, conforme avaliação da senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA). Ela usou sua conta em uma rede social para criticar a intenção do governo de flexibilizar o acesso a armas de fogo.

Apontamentos - “É inadmissível que num país com 14 milhões de desempregados, o presidente peça ao Congresso para priorizar ampliação do porte de armas. Sobre o auxílio emergencial, nenhuma palavra. A hora é de fazer reformas, garantir vacina para todos, alavancar a economia e gerar empregos”, apontou. 

Pandemia e economia - Avançar na vacinação e garantir um auxílio para os mais necessitados parecem ser as prioridades que estão no topo da lista para a maioria dos senadores. Líder da Minoria no Senado, Jean Paul Prates (PT-RN) disse que a Casa deve atuar para resolver as consequências da covid-19. 

Cobrança - “Compreendo que a população brasileira deve cobrar do Senado Federal a aprovação de propostas urgentes no combate à pandemia e à crise econômica, instaurada não só pelas consequências da rápida disseminação do vírus, mas também pela condução irresponsável de suas consequências pelo Poder Executivo. As expectativas dos  brasileiros sobre o trabalho do Congresso são grandes. Principalmente dos que estão procurando emprego ou dependem de amparo direto do Estado. Uma reforma tributária justa e equitativa, capaz de diminuir as desigualdades, é fundamental para a recuperação da economia”, apontou.

Ambiente de negócios - Jean Paul defendeu medidas para melhorar o ambiente de negócios e também manifestou resistência à possibilidade de aumentar o número de armas em circulação. 

Investimentos - “Aprovar leis que melhorem o ambiente negocial brasileiro e modernizem a regulação, para possibilitar maiores investimentos em infraestrutura e consequentemente melhores serviços, também deve ser uma prioridade. Existem muitos problemas nas prioridades estabelecidas pelo governo, mas tenho a convicção de que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, saberá conter algumas das propostas punitivistas de natureza claramente inconstitucional, e, pior, totalmente inefetivas. Há um debate muito importante a ser travado na reforma do sistema de segurança pública brasileiro, mas os melhores exemplos apontam para aprimoramento de inteligência e de dados, e não incluir mais e mais violência no sistema e achar que isso resolve alguma coisa”, disse Jean Paul Prates. 

Vacinas - No encontro com Bolsonaro na quarta, Lira e Pacheco reafirmaram o diálogo entre os Poderes e a prioridade das pautas econômicas e de combate à pandemia do novo coronavírus.

Antecipação - Antes da visita a Bolsonaro, os presidentes do Senado e da Câmara já haviam antecipado projetos considerados por eles prioritários, como a ampliação da oferta de vacinas.

Norte - Já nesta quinta-feira (04/02), o Senado mostrou que esse será um dos nortes: na primeira sessão de votações, a Casa aprovou uma MP que facilita a aquisição de vacinas.  Pacheco ressaltou que a pauta de prioridades do Senado para os próximos meses deve ser sacramentada em reunião de líderes na próxima semana. (Agência Senado)

FOTO: Marcos Oliveira / Agência Senado

 

SAÚDE I: Brasil supera 231 mil mortes e 9,5 milhões de infectados por Covid-19

As mortes por covid-19 chegaram a 231.534 desde o início da pandemia. Nas últimas 24 horas, foram registrados 522 óbitos. O número de pessoas infectadas chegou a 9.524.640. Entre sábado e domingo (06 e 07/02), foram registrados 26.845 novos diagnósticos positivos. No total, 8.397.187 pessoas se recuperaram da covid-19.

Balanço - O balanço foi divulgado neste domingo (07/02) pelo Ministério da Saúde (MS). O balanço reúne as informações levantadas pelas secretarias estaduais de Saúde de todo o país.

Registros - Em geral, os registros de casos e mortes são menores aos domingos e segundas-feiras em razão da dificuldade de alimentação dos dados pelas secretarias de Saúde nos finais de semana. Às terças-feiras, os totais tendem a ser maiores pelo acúmulo das informações de fim de semana que são enviadas ao ministério.

Covid-19 nos estados - Os estados que concentram o maior número de casos têm São Paulo na liderança com 1.849.334 de pessoas contaminadas. Em seguida vem Minas Gerais (774.111) e Bahia (607.946). O Acre é a unidade da Federação com o menor número de casos (50.546), seguido de Roraima (75.712) e Amapá (78.799).

Mortes - São Paulo também lidera o número de mortes, com 54.614. Rio de Janeiro (30.597) e Minas Gerais (15.930) aparecem na sequência. Os estados com menos mortes são Acre (888), Roraima (896) e Amapá (1.079). (Agência Brasil)

 

saude I tabela 08 02 2021

SAÚDE II: Secretaria confirma 1.558 novos casos e 11 mortes pela Covid

saude II 08 02 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou neste domingo (07/02) 1.558 novos casos confirmados e 11 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento mostram que o Paraná soma 565.655 casos confirmados e 10.309 mortos em decorrência da doença.

Meses - Os casos divulgados neste domingo são de fevereiro (1.497) e janeiro de 2021 (34), e dos seguintes meses de 2020: maio (1), novembro (8), dezembro (18).

Internados - 1.376 pacientes com diagnóstico estão internados. São 1.154 pacientes em leitos SUS (626 em UTI e 528 em leitos clínicos/enfermaria) e 222 em leitos da rede particular (94 em UTI e 128 em leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 1.293 pacientes internados, 440 em leitos UTI e 853 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos.

Mortes - A secretaria estadual informa a morte de mais 11 pacientes. São 7 mulheres e 4 homens, com idades que variam de 34 a 96 anos. Os óbitos ocorreram entre 5 de janeiro de 2021 a 06 de fevereiro de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram morreram residiam em Foz do Iguaçu (3) e um cada um dos seguintes municípios: Boa Vista da Aparecida, Castro, Guarapuava, Marechal Cândido Rondon, Paranapoema, Tamarana, Telêmaco Borba e Umuarama.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 4.256 casos de residentes de fora, 79 pessoas morreram. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo acessando www.saude.pr.gov.br/Pagina/Coronavirus-COVID-19

 

SAÚDE III: Com a chegada do quarto lote, Paraná começa a vacinar idosos

saude III 08 02 2021O Governo do Estado concluiu neste domingo (07/02) a distribuição de mais 71.990 doses da vacina CoronaVac/Instituto Butantan contra a Covid-19. Os imunizantes são parte do quarto lote, com um total de 147.200 doses, encaminhado ao Paraná neste fim de semana pelo Ministério da Saúde.

Idosos - Seguindo as recomendações do Programa Nacional de Imunizações (PNI), parte do quantitativo atenderá a imunização das pessoas acima de 90 anos, em todas as regiões do Paraná. Serão 55.430 doses destinadas a idosos desta faixa etária e 16.560 para seguir o processo de proteção aos profissionais da saúde.

Novo grupo - “Conseguimos avançar para a imunização de um novo grupo prioritário. Idosos que estão muito suscetíveis à doença, respondendo por boa parte das internações e óbitos no Paraná", destacou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Secretário - Infectado pelo vírus, o secretário está internado desde quinta-feira (04/02) em uma das unidades do Complexo do Trabalhador, comandando a operação a distância. “Na sequência poderemos aplicar em idosos com mais de 80 anos, depois com mais de 70 anos e assim em diante", disse Beto Preto.

Regionais - O material já está com as 22 regionais que formam o sistema público de saúde do Paraná e ficará à disposição da população a partir desta segunda-feira (08/02), nas 1.850 salas de vacinação dos 399 municípios paranaenses.

Duas aplicações - Diretor-geral da Secretaria de Estado da Saúde, Nestor Werner Junior explicou que como o medicamento necessita de duas aplicações em um intervalo estimado pela bula entre 14 a 28 dias, a outra parte das vacinas, com 75.210 doses, seguirá acondicionada no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), garantido a imunização por completo de quem receber.

Imunidade - “Precisamos da segunda dose para que as pessoas tenham a completitude da imunidade. Assim, logo ali na frente, poderemos enxergar a redução dos casos graves, internamentos e dos óbitos”, afirmou ele. “Mas não é o momento de relaxar. Precisamos seguir com todas as orientações sanitárias de higienização e distanciamento”, acrescentou.

Logística - O lote foi repassado às secretarias municipais de saúde em menos de 24 horas, reforçando a agilidade logística da Secretaria de Estado da Saúde – as doses chagaram ao Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, às 8 horas deste domingo.

Números absolutos - Em números absolutos, a 2ª Regional de Saúde, responsável pela Capital e cidades da região metropolitana, foi quem recebeu mais doses: 20.260. Dessas, 12.260 são apenas para Curitiba.

Quarta remessa - Essa é a quarta remessa de vacinas que o Paraná recebeu do Ministério da Saúde, totalizando 538.900 doses. Foram três grupos do imunizante produzido pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, somando 452.400 doses, e 86.500 aplicações do material elaborado pela Universidade de Oxford em conjunto com o Laboratório AstraZeneca/Fiocruz.

Expectativa - A expectativa da Sesa é que com a chegadas dos imunizantes da China para a produção das vacinas no País, tanto pelo Butantan quanto pela Fiocruz, o ritmo de imunização no Paraná ganhe maior celeridade nos próximos dias.

Acima de 90 anos - A população paranaense com mais de 90 anos é estimada pelo Governo Federal em 50.889 pessoas. Segundo avaliação do próprio Ministério da Saúde, foi observado sobrerrisco para morte por Covid-19 relacionado à faixas etárias mais avançadas, chegando a 8,5 para hospitalização e 18,3 para óbito entre os idosos com 90 anos ou mais.

Trabalhadores da Saúde - Ainda com esse quarto lote de imunizantes o Estado pretende equalizar a vacinação dos trabalhadores da Saúde, ressaltando a prioridade para aqueles profissionais que estão na linha de frente do combate ao vírus.

Orientação - A Sesa reforça a orientação para que os gestores municipais agilizem o processo de aplicação das doses dentro dos grupos estabelecidos, utilizando as 1.850 salas de vacinas distribuídas em todas as cidades paranaenses, e para que não deixem vacinas estocadas.

Vacinação - De acordo com o último boletim de vacinação, divulgado pela Secretaria da Saúde no sábado (06), o Paraná imunizou 198.310 pessoas contra a Covid-19. O número mostra que 83% do total de 238.871 das primeiras doses enviadas aos municípios foram aplicadas.

Balanço preliminar- O balanço é preliminar e foi divulgado pela Secretaria estadual da Saúde a partir de um levantamento interno realizado com as regionais e os respectivos municípios. Por isso, pode haver diferenças entre alguns números de um dia para o outro considerando que os municípios aplicam as doses, registram e fazem ajustes dos registros.

Sistema - A expectativa é que nos próximos dias o sistema integrado do Ministério da Saúde, Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI), funcione corretamente para divulgação de dados.

Regionais - Veja a quantidade de doses que cada regional de saúde vai receber na distribuição deste quarto lote de imunizantes contra a Covid-19:

1ª RS – Paranaguá – 1.430 doses

2ª RS – Metropolitana – 20.260 doses

3ª RS – Ponta Grossa – 3.610 doses

4ª RS – Irati – 920 doses

5ª RS – Guarapuava – 2.300 doses

6ª RS – União da Vitória – 980 doses

7ª RS – Pato Branco – 1.610 doses

8ª RS – Francisco Beltrão – 2.170 doses

9ª RS – Foz do Iguaçu – 2.360 doses

10ª RS – Cascavel – 3.750 doses

11ª RS – Campo Mourão – 2.460 doses

12ª RS – Umuarama – 2.320 doses

13ª RS – Cianorte – 1.110 doses

14ª RS – Paranavaí – 2.140 doses

15ª RS – Maringá – 5.660 doses

16ª RS – Apucarana – 2.570 doses

17ª RS – Londrina – 7.590 doses

18ª RS – Cornélio Procópio – 1.820 doses

19ª RS – Jacarezinho – 1.900 doses

20ª RS – Toledo – 2.760 doses

21ª RS – Telêmaco Borba – 890 doses

22ª RS – Ivaiporã – 1.380 doses.

(Agência de Notícias do Paraná)

 

SAÚDE IV: ANS disponibiliza números de dezembro sobre os planos de saúde

saude IV 08 02 2021A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) atualizou os números de beneficiários de planos de saúde relativos ao mês de dezembro de 2020. No período, o setor totalizou 47.564.363 usuários em planos de assistência médica e 27.050.313 em planos exclusivamente odontológicos em todo o Brasil.

Assistência médica - Na assistência médica, o número é o maior registrado desde janeiro de 2017 - antes disso, foi superado em dezembro de 2016, quando foram registrados 47.631.754 beneficiários.

Sala de Situação - Estes dados estão disponíveis na Sala de Situação, ferramenta de consulta do portal da ANS. Acesse aqui.

Tendência confirmada - Em dezembro, foi confirmada a tendência de crescimento que vinha sendo verificada nos meses anteriores: na segmentação de assistência médica, o setor registrou um aumento de 0,37% no comparativo com novembro, e de 1,16% em relação a dezembro de 2019. Na segmentação odontológica, foi constatado crescimento de 1,35% em relação a novembro e de 4,45% em relação a dezembro de 2019.

Estados - Entre os estados, no comparativo com dezembro de 2019, o setor registrou aumento de beneficiários em planos de assistência médica em 20 unidades federativas, sendo Minas Gerais e São Paulo os que tiveram o maior ganho de beneficiários em números absolutos. Já no segmento exclusivamente odontológico, 24 unidades federativas registraram aumento no comparativo anual, sendo São Paulo, Minas Gerais e Pernambuco os estados com maior crescimento. Confira os dados nas tabelas abaixo.  

Modificações - A ANS ressalta que os números podem sofrer modificações retroativas em função das revisões efetuadas mensalmente pelas operadoras.  

Tabelas - Confira nas tabelas abaixo a evolução de beneficiários por tipo de contratação do plano e por UF em diferentes competências. (ANS)

saude IV tab I 08 02 2021

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

saude IV tab II 08 02 2021

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

saude IV tab III 08 02 2021

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Versão para impressão


RODAPE