Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5012 | 19 de Fevereiro de 2021

GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA: Sescoop/PR divulga a lista dos classificados no processo seletivo

graduacao tecnologica 18 02 2021O Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR) divulgou, nesta sexta-feira, a lista dos aprovados no processo seletivo do curso de Graduação Tecnológica em Gestão de Cooperativas EAD. Ela está em ordem de classificação. O Sescoop/PR vai apoiar os 250 primeiros colocados, que terão direito ao subsídio de 65% do valor das mensalidades do curso, desde que sejam comprovadamente empregados contratados em cooperativas registradas no Sistema Ocepar e contribuintes do Sescoop/PR. Mais informações no edital.

Clique aqui para conferir a lista dos aprovados

O curso - O Curso de Graduação Tecnológica em Gestão de Cooperativas terá encontros quinzenais ao vivo via internet e provas presenciais duas vezes por semestre nos polos regionais. O conteúdo foi desenvolvido pelo Isae e a formação tem duração de quatro semestres. Os professores possuem conhecimento de mercado sobre o cooperativismo e haverá tutoria técnica e acadêmica, com suporte e acompanhamento em tempo real do progresso dos alunos. As aulas iniciam no dia 1º de março.

 

COOPERATIVISMO I: Preocupações com crédito rural são tema de vídeo com ministra da Agricultura e presidente do BC

cooperativismo 19 02 2021O futuro do Sistema Nacional de Crédito Rural e, também, do Plano Safra 21/22 foram temas da reunião entre lideranças cooperativistas com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos. A reunião virtual ocorreu no fim da tarde desta quinta-feira (18/02).

Perenidade - De forma geral, a intenção foi alinhar a perenidade dos programas e das linhas de financiamento de crédito rural que beneficiam os empreendimentos cooperativos voltados ao custeio, giro, comercialização e investimento, conforme explicitado nos diferentes capítulos do Manual de Crédito Rural (MCR), mantendo a arquitetura e as bases para sua adequada aplicação.

Crédito rural - Para Márcio Freitas, líder cooperativista, o crédito rural é um dos principais fatores de produção e condicionantes do sucesso do agro brasileiro nas últimas décadas. “A produção agropecuária brasileira, pela qual as cooperativas respondem por cerca de 50%, se desenvolveu de tal forma que o país passou de importador de alimentos para um dos maiores produtores e exportadores mundiais. E isso se deve, em muito, a uma política agrícola consistente, que foi capaz de garantir um volume de recursos e taxas de juros compatíveis com o retorno das atividades no meio rural”.

Cooperativas - Por isso, na reunião desta quinta, os representantes do setor disseram que há grande expectativa para que o governo defenda a importância das cooperativas agropecuárias, para o maior protagonismo de pequenos e médios produtores, especialmente no que se refere à agricultura familiar. “As cooperativas permitem o ganho de escala ao produtor, diminuindo as distorções de mercado por grandes conglomerados econômicos e, ainda, transferindo tecnologia no campo”, destaca Márcio Freitas.

Políticas públicas - Além disso, os representantes também reafirmaram como fundamentais as políticas públicas que reforcem o papel das cooperativas de crédito na inclusão financeira e no desenvolvimento regional do país, de forma a capilarizar o acesso aos produtores, micro e pequenos negócios tanto no campo quanto na cidade, com taxas e juros menores e melhores condições para milhões de brasileiros. Também afirmaram a confiança na condução das políticas públicas pelo Ministério da Agricultura e Banco Central.

Modernização - Ao final da reunião, a ministra da Agricultura destacou a relevância do bom relacionamento com o setor produtivo para que o desenvolvimento aconteça sempre. “Estamos sempre abertos a melhorar, modernizar os processos. As cooperativas agropecuárias são importantíssimas e os números de vocês mostram isso. Nossa intenção é modernizar o crédito rural, trazendo menos burocracia e mais agilidade. Eu desconheço uma interatividade tão boa quanto a que temos com o Banco Central e o Ministério da Economia, por isso, vai dar tudo certo”, comentou.

Autonomia - Já o presidente do Banco Central, Roberto Campos, destacou a relevância da autonomia da instituição e que isso só fortalece as políticas públicas. “Modernizar é importante e é uma tendência, e por isso estamos buscando mecanismos que possam viabilizar mais recursos ao setor agropecuário, desburocratizando e dando mais autonomia ao mercado”, concluiu.

Participação - Lideranças do cooperativismo paranaense participaram da reunião da OCB com o Mapa e o BC, entre as quais o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, e os diretores José Aroldo Gallassini, Luiz Roberto Baggio, Luiz Lourenço, Valter Pitol, Jorge Hashimoto e Valter Vanzella. (Com informações da OCB)

 

COOPERATIVISMO II “Crédito rural é fundamental para o desenvolvimento do país”

cooperativsmo II Ricken 19 02 2021“Crédito rural é fundamental para o desenvolvimento do país”. Esta afirmação foi feita pelo presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, durante sua participação na videoconferência promovida pelo Sistema OCB, na tarde desta quinta-feira (18/02), com a presença da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Segundo o dirigente paranaense, “o setor produtivo tem contribuído muito com o país, especialmente neste momento de pandemia. O fato de as cooperativas não terem parado e assumiram o compromisso do abastecimento pleno, tanto do mercado interno como externo deve ser motivo de orgulho para todos nós. Nossas cooperativas estão dando esta importante contribuição para que o país possa se desenvolver e gerar riquezas”, frisou.

Paraná - Ele destacou que no Paraná há mais de 180 mil produtores pequenos, médios e grandes que dependem deste apoio governamental. “Ministra, temos ouvido falar sobre esta possibilidade de não termos mais o crédito rural disponível. Nem consigo imaginar a hipótese de as cooperativas deixarem de serem beneficiárias do crédito rural”, frisou Ricken. Ele ressaltou que o setor tem como marco principal de desenvolvimento duas leis importantes: a Lei 4.829, de 1965, que criou, ordenou o modelo de crédito rural no país e a Lei 5.764 de 1971, a lei do cooperativismo. “O presidente do Banco Central, Roberto Campos, foi feliz ao afirmar que há um casamento perfeito entre o cooperativismo e o agronegócio – disse o dirigente, que completou - estamos abertos a uma modernização dessas leis, encontrar um modelo melhor, mais adequado aos tempos atuais, inclusive na questão dos investimentos, que tão bem foi colocado aqui pelo Luiz Roberto Baggio, coordenador do ramo agro junto a OCB”.

Recurso fundamental– Para o dirigente paranaense, as cooperativas não têm outra fonte regular de fornecimento de crédito que não seja o crédito rural. “Não temos condições de captar no mercado. Para nós, o crédito rural é fundamental para nosso desenvolvimento. Sabemos que não vamos ficar de fora, como afirmou a própria ministra da Agricultura, mas quero frisar que estamos aqui para contribuir. Posso afirmar que se não fosse o crédito rural, muitas das nossas cooperativas nem existiriam hoje. E se não fossem nossas cooperativas, com certeza, o crédito rural não teria alcançado os resultados que temos hoje de produção e produtividade”. Ricken também aproveitou para falar do seguro rural. “Outro ponto que temos que discutir é sobre o seguro agrícola que precisa ser ajustado e que a ministra tem se empenhado muito no tema. Se tivermos recursos para investir e agregar mais valor, nossos produtores terão mais renda e assim permanecerão na atividade”, concluiu.

 

COOPERATIVISMO III: Panorama Coop traz mais análises sobre os principais fatos de interesse do setor

cooperativismo 12 02 2021Desde março de 2020, o Sistema OCB publica, semanalmente, análises sobre vários temas e seus impactos para as cooperativas. São informações que tratam de política, economia, reforma tributária, pleitos do cooperativismo em tramitação no Congresso Nacional, normativos e medidas tributárias publicadas pelo governo. Neste ano, essas análises passaram a ser divulgadas por meio do Panorama Coop, uma newsletter atualizada todas as quintas-feiras. Nesta semana, o boletim traz as últimas movimentações nos Poderes Executivo e Legislativo. Foi ainda atualizada a situação sobre o andamento da Reforma Tributária no Congresso Nacional.

Análise política - Em 2021, o governo tem a perspectiva de um cenário mais favorável para a votação da sua agenda de reformas no Congresso Nacional. Por outro lado, aguarda a definição sobre as mudanças no quadro governamental. Afinal, como isso se reflete para o cooperativismo? Quais são as prioridades do nosso setor junto ao Poder Executivo ao longo deste ano?

Acesse a Análise Política

Clique aqui e acesse todas as análises anteriores!

Coop na Reforma Tributária - Há grandes expectativas que o relator, deputado Aguinaldo Ribeiro, apresente seu relatório na próxima semana na comissão mista. Isso firmaria o compromisso proposto em reunião entre os presidentes das Casas de que o parecer seja divulgado ainda em fevereiro.

Tramitação - Após aprovação nesse colegiado inicial, o mais provável é que a Reforma Tributária comece a tramitar oficialmente pelo Senado. De acordo com o senador Roberto Rocha, presidente da comissão mista e relator da reforma no Senado, “o texto da comissão mista é apenas sugestivo. Assim que o relatório da comissão estiver pronto, vou incorporar o conteúdo, trazer também a proposta do governo. Vou fazer tudo combinado com o governo e a Câmara, mas prepondera o conteúdo da PEC 110/19”. Afirmou também que até o início de abril a proposta segue para análise da Câmara.

Paulo Guedes - O ministro da Economia, Paulo Guedes, também falou em uma live realizada nesta semana que a Reforma Tributária não vai aumentar os impostos e que, apesar da complexidade do tema, tem que ser aprovada ainda em 2021. O que pode acontecer, segundo o ministro é uma melhor divisão da cobrança de impostos, “há muitas isenções de fundo e isso a gente vai cortar mas nós compensamos derrubando os impostos das empresas. Se um imposto subir é porque caiu quatro ou cinco do outro lado”.

Clique aqui para conferir o Panorama Coop

 

COCAMAR: Números expressivos no início da colheita

A considerar pelo seu início, a colheita de soja da temporada 2020/21 no norte do Paraná, promete. Ainda que problemas climáticos como a escassez de chuvas no início e o excesso de precipitações na fase de desenvolvimento tenham ocasionado variação de produtividade nas regiões, os indicativos são de uma safra cheia.

Referência - Em Apucarana, na manhã de quinta-feira (18/02), os resultados das primeiras colheitas são animadores. A família Suguiura, reconhecida pela qualidade de suas lavouras e as premiações que têm conquistado nos últimos anos, começou a colher seus 605 hectares entre terras próprias e arrendadas com médias ao redor de 82,6 sacas/hectare (200 sacas/alqueire). O Rally Cocamar dCocamare Produtividade acompanhou o início dos trabalhos.

Tecnologias - Conduz pessoalmente os trabalhos o casal Tiezo, 75 anos, e Keiko, 70. Para eles, uma boa colheita só é possível com investimento nas melhores tecnologias. “A gente investe bastante”, diz dona Keiko, para quem a safra deste ano poderia ter sido ainda melhor. Mesmo com a média que eles vêm conseguindo, afirma: “O clima atrapalhou um pouco”.

Maximizar - Os dois fazem parte de um grupo de produtores que sabe o quanto é importante adotar tecnologias atualizadas para tentar maximizar os resultados. Eles são assistidos pelo engenheiro agrônomo Gustavo Emori, da Cocamar. Segundo seu Tiezo, a média geral em toda a área, este ano, deve ficar por volta de 74,3 sacas/hectare (180/alqueire). No município de solos muito férteis, a média no último ano foi de 60 sacas/hectare (145/alqueire).

Impressão - Integrando a equipe do Rally, o engenheiro agrônomo Rafael Furlanetto, gerente técnico da cooperativa, destaca a uniformidade e a sanidade das lavouras, com grãos bem formados. “Os Suguiura são uma referência do que se faz de melhor.”

Milho - Depois de muitos anos, o casal voltou a plantar milho em 2020 e à medida que a colheita de soja for avançando, o cereal vai sendo semeado.

Cesb - Neste ano, a colheita da família está sendo acompanhada por uma equipe do Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb), organizadora do Prêmio Nacional de Máxima Produtividade da Soja e apoiadora do Rally.

O Rally Cocamar de Produtividade - O Rally Cocamar de Produtividade tem como patrocinadores: Basf, Fertilizantes Viridian, Fairfax do Brasil Seguros Corporativos, Sicredi União PR/SP e Zacarias Chevrolet (principais), Cocamar Máquinas, Texaco Lubrificantes, Cocamar Irrigação, Estratégia Ambiental, Zoetis e Nutrição Animal Cocamar (institucionais). A realização conta com o apoio da Aprosoja/PR, Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb) e Cooperativa Unicampo. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2021/noticias/02/19/cocamar/{/vsig}

CAPAL: Unidade de Itararé completa 45 anos com 18 mil hectares de área assistida em SP

Em 18 de fevereiro de 1976, 16 anos após a fundação da Capal, foi inaugurada a primeira filial da cooperativa, em Itararé, município da região sul de São Paulo com pouco mais de 50 mil habitantes. A unidade acompanhou o desenvolvimento agropecuário da região, seus cooperados e a geração de riqueza. Atualmente, conta com 18 mil hectares de área assistida e recebeu R$ 16 milhões, somente em investimentos recentes.

Abrangência - A importância da unidade transcende Itararé, onde tem 100% de atuação sobre a área agricultável do município, mas também 10% de Itapeva, 25% em Itaberá e 100% de Riversul, todos em São Paulo. Ainda a filial atende a cooperados da cidade de Sengés, no Paraná, importante na produção leiteira. Neste município a assistência técnica para nutrição animal faz a diferença nas pequenas propriedades, onde vê-se um avanço na produção e na qualidade do leite após o acompanhamento profissional.

Capital do comércio - “A cidade tem o título de capital do comércio da região. Mas eu digo para você: o comércio só é forte porque tem uma agricultura muito forte. Nossa agricultura é de ponta, com produtividade bem superior à média do Brasil”, afirma Heron Conrado Ferreira, gerente da unidade de Itararé e que completou 13 anos de trabalho na Capal no dia 1º de fevereiro.

Relação histórica - A filial da Capal, com 45 anos, tem uma relação histórica com Itararé, com tradição na prestação de serviços ao agro da região. Devido a isso, o grau de fidelização dos clientes é de 96%, ou seja, 96% do que o produtor necessita para a safra retira na própria unidade. “O tempo vai passando, a cultura do cooperativismo vai afirmando, vai criando base sólida. Então, penso que Arapoti e Itararé são duas unidades em que o cooperativismo já está bem enraizado”, conta Ferreira.

Investimentos - Em Itararé fica uma das filiais mais estruturadas da Capal, não somente com uma ampla loja agropecuária, mas ainda com um centro logístico e de armazenagem da produção dos cooperados.

Estrutura - A estrutura recebeu investimentos e ampliação em 2019. O aporte de R$ 16 milhões contemplou a construção de mais quatro silos pulmão, um armazém para ração ensacada, um centro de distribuição, um segundo tombador, um segundo sistema de expedição de grãos com balança de fluxo, criação do espaço de apoio ao motorista – que inclui banheiros e cozinha – e completa pavimentação interna.

Loja agropecuária - A loja agropecuária conta com mais de 1,3 mil itens, diversificados entre insumos para a pecuária de leite, de corte e agricultura, produtos para higiene de ordenha, pneus, baterias, rações, sais minerais, nutrição e ferramentas. São 250 metros quadrados de área, empregando 75 funcionários diretamente nos setores administrativo, de produção e na parte técnica.

Foco no cooperado - Atualmente, 180 cooperados são atendidos pela unidade, sendo 100 da pecuária de gado de corte e leite e 80 da agricultura. São cooperados com área média de aproximadamente 500 hectares. “Nos orgulhamos por poder fazer a diferença na vida de tantas famílias, que são na maioria pequenas e médias propriedades rurais. Com a assistência técnica auxiliamos esses produtores e sabemos que estão tendo melhores resultados na produção, além do acesso a novas tecnologias e a grande difusão de conhecimento que a cooperativa promove”, reforça Heron.

Opção - Um deles é o agricultor Osmil Sala. Para os cerca de 700 hectares, entre próprio e arrendado, Sala tem os serviços da unidade de Itararé para cultivar soja, milho, trigo e feijão. “É muito importante ter uma loja agropecuária da cooperativa porque a gente, sendo um cooperado Capal, tem uma opção a mais dentro da nossa cooperativa. Qualquer coisa que eu preciso, tem uma facilidade na compra, um preço melhor que na praça e condição de pagamentos”.

Benefício - Cooperado desde 1983, Sala afirma que a unidade “fez um bem muito grande para a nossa cidade”. “Temos uma cooperativa e uma loja à disposição, o que precisa é na hora, com bons funcionários para atender e dentro das expectativas da gente. É excelente”, destaca o cooperado.

Sobre a Capal Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1960, a Capal conta atualmente com mais de 3,2 mil associados, distribuídos em 21 unidades de negócios, nos estados do Paraná e São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 65% das operações da cooperativa, produzindo mais de 734 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, trigo, milho e café. A área agrícola assistida ultrapassa os 153 mil hectares. O volume de leite negociado mensalmente é de 12 milhões de litros, proveniente de 320 produtores. Além disso, a cooperativa comercializa mais de 31 mil toneladas de suínos vivos. (Imprensa Capal)

{vsig}2021/noticias/02/19/capal/{/vsig}

UNIMED LONDRINA: Clínica de oncologia oferece atendimento especializado aos clientes

A Unimed Londrina conta com uma Clínica Oncológica que oferece uma série de serviços e procedimentos para pacientes com câncer. Na clínica, o paciente encontra tratamento oncológico via oral e endovenoso (quimioterapias). O serviço também oferece aplicação de medicamentos especiais, imunobiológicos e para o controle da dor.

Tratamentos integrados - A Clínica Oncológica faz parte da Clínica Multiprofissional da Unimed Londrina. Dessa forma, os tratamentos realizados pelo serviço são integrados com as demais áreas que atuam na Multiprofissional, como psicologia, nutrição e fisioterapia, por exemplo.

Equipe - A equipe da Clínica Oncológica é composta por cinco médicos oncologistas, todos cooperados, sob a coordenação médica de Luís Gabriel Fernandez Turkowski. O quadro de profissionais conta ainda com uma equipe de enfermeiras e técnicos de enfermagem especializados em oncologia, bem como com uma equipe de farmacêuticos especialistas na área. A Clínica também possui um quadro administrativo exclusivamente treinado para área de atuação do serviço.

Encaminhamento - Os médicos cooperados podem encaminhar seus pacientes que necessitarem de tratamento oncológico. Os agendamentos devem ser feitos por telefone, basta, no dia da consulta, apresentar a guia de encaminhamento do médico.

Novo prédio - A Clínica Oncológica está instalada no novo prédio da cooperativa, inaugurado em novembro de 2020. No sétimo andar, funcionam os serviços de quimioterapia oral e aplicação de medicações especiais e tratamento imunobiológico e, no sexto andar, o serviço de quimioterapia endovenosa. Em outros quatro andares, está instalada a Clínica Multiprofissional.

Funcionamento - A clínica de oncologia funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h. (Imprensa Unimed Londrina)

SICREDI: Programa de potencialização de startups abre inscrições

sicredi 19 02 2021A modernização no campo segue a todo vapor possibilitando aos produtores rurais aperfeiçoarem os seus negócios e aumentarem o rendimento. Nesse contexto, o boom das startups também acabou sendo um forte aliado para o desenvolvimento nas zonas rurais do nosso país, a partir das chamadas agritechs, empresas voltadas para o desenvolvimento de soluções para o agronegócio.

AgTech Garage - Diante disso, o programa de potencialização de startups Intensive Connection, desenvolvido pelo AgTech Garage, maior hub de inovação da América Latina para o agronegócio localizado em Piracicaba (SP), com apoio do Sicredi, instituição financeira cooperativa com forte atuação no setor e com mais de 4,8 milhões de associados no Brasil, chega à terceira edição e está com inscrições abertas até o dia 9 de março. Os interessados em participar do programa, que possibilitará uma experiência única no desenvolvimento de soluções para o campo com apoio de empresas ligadas ao setor, podem se cadastrar pelo site www.agtechgarage.com/intensive-connection/. “O Sicredi, como uma instituição muito próxima dos produtores rurais, busca nessa parceria estimular cada vez mais as conexões entre o campo e a tecnologia, visando levar desenvolvimento para as regiões onde está presente e soluções inovadoras e oportunas aos nossos associados agro”, explica o gerente de Agronegócios do Sicredi, Luis Henrique Veit.

Soluções inovadoras - O Intensive Connection é um programa de potencialização de startups focado em soluções inovadoras para a sustentabilidade e competitividade do agronegócio nacional. Para a edição deste ano, os empreendedores devem apresentar ideias relacionadas a sustentabilidade do agronegócio, agricultura familiar e soluções que impactam positivamente a cadeia de valor dos fertilizantes, que contribuam para a saúde animal, ou que otimizem o processo de concessão de crédito, a avaliação de risco e a regularidade ambiental.

Fase inicial - Na fase inicial serão escolhidas até 30 startups que participarão do pitch day, em que farão a apresentação da empresa e suas soluções e serviços a um comitê de seleção formado por executivos das instituições parceiras da ação. Após isso, os participantes passarão por uma nova análise e doze serão finalistas para integrarem o time de selecionados para o programa.

Contribuições - Para o hunter de inovação do Sicredi, Anderson Soares Pivotto, o programa proporciona não somente contribuições para os associados que atuam no campo como também para as próprias startups, que poderão ter em sua bagagem uma sólida experiência na área de projetos inovadores para o campo. “Por meio do Intensive Connection, geramos oportunidades para que os nossos associados tenham acesso às tecnologias, aumentem a produtividade do seu negócio, melhorem os índices de sustentabilidade, garantindo assim o crescimento sustentável e, ao mesmo tempo, para que as agritechs possam ter um campo de desenvolvimento com a experiência única que o programa oferece”, diz.

Finalistas - As doze finalistas participarão de seis meses de encontros e conexões com executivos das empresas parceiras, produtores e especialistas de mercado, explorando conteúdos essenciais para superação dos desafios das startups e realização de proofs of concept (POCs), sigla em inglês para definir demonstrações de validação de ideias ou conceitos. Cada instituição parceira conta com um tema que será foco da edição do programa. No caso do Sicredi, o tema é “Empoderar o Produtor Rural com acesso a novas tecnologias”. A instituição busca, assim, soluções em três setores que possam dar condições e suporte para o produtor rural crescer de forma sustentável e competitiva no mercado: Planejamento de Safra, Gestão Financeira da propriedade e Controle e manejo de pragas e doenças na lavoura.

Acesso - Além de outros benefícios, os selecionados terão acesso ao hub do AgTech Garage, exposição ao mercado e viagens custeadas para visitas às áreas de inovação dos parceiros do programa para estreitar relacionamento e aumentar chances de fechar negócios. O Intensive Connection também é equity free, ou seja, não requer que o empreendedor inscrito venda parte de seu negócio por um valor pré-determinado no início do programa. Além do Sicredi, o programa conta com o apoio da Bayer, Bunge, Ceva, OCP e Suzano.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,8 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 23 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

Serviço – Programa Intensive Connection

Inscrições: até 9 de março, no site www.agtechgarage.com/intensive-connection/

Comitê de seleção: 15 de abril, no AgTech Garage

Kick-offs: de 3 a 15 de maio, no AgTech Garage

Encontros: 9 de junho, 14 de julho, 25 e 26 de agosto, no AgTech Garage

Eventos: 15 de setembro e 14 de outubro, no AgTech Garage

 

SICOOB: Isenção das taxas do Pix são prorrogadas por mais três meses

sicoob 19 02 2021Para seguir auxiliando seus cooperados e incentivar cada vez mais o uso do Pix, o Sicoob, instituição financeira cooperativa, prorrogou por mais três meses a isenção de tarifas para a utilização da ferramenta de pagamentos. Isso significa que todas as pessoas - sejam PF ou PJ - que quiserem utilizar o Pix para pagar, receber ou transferir dinheiro não pagam absolutamente nenhuma tarifa até 16 de maio.

Gratuito - Inaugurado em 16 de novembro do ano passado, o Pix já estava gratuito para todos os cooperados do Sicoob durante os três primeiros meses da plataforma. "Nós acreditamos que o propósito principal do Pix no cooperativismo é levar justiça financeira para os quatro cantos do País. Enquanto alguns players do mercado decidiram cobrar tarifas por transações para PJ, nós seguimos firmes com a intenção de popularizar a ferramenta e possibilitar pagamentos totalmente gratuitos para nossos cooperados", destaca Francisco Reposse Junior, diretor executivo Comercial e de Canais do Sicoob.

Autorização - Enquanto para Pessoas Físicas e empreendedores individuais as transferências via Pix são gratuitas, o Banco Central autorizou, desde a criação da plataforma, a cobrança de taxas para transações Pessoas Jurídicas.

Procura - "Durante a pandemia do novo coronavírus, notamos que houve uma procura grande por crédito pelos PJs. Não haveria motivo para tarifá-los neste momento de dificuldade. Nosso público é majoritariamente formado por pequenos e médios, que foram amplamente afetados pela crise", explica o executivo.

Novo método - O Pix foi desenvolvido pelo Banco Central como um novo método de pagar, transferir e receber dinheiro. Seu funcionamento é simples, rápido e seguro: basta que a pessoa cadastre uma chave em sua instituição financeira e ela já pode realizar as transações, que ocorrem em até 10 segundos, até entre empresas diferentes, 24h por dia, todos os dias do ano.

Sobre o Sicoob - Instituição financeira cooperativa, o Sicoob tem mais de 5 milhões de cooperados e está presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. Oferecendo serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento, dentre outras soluções financeiras, o Sicoob é a única instituição financeira presente em mais de 300 municípios. É formado por mais de 380 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais e pelo Centro Cooperativo Sicoob (CCS), composto por uma confederação e um banco cooperativo, além de processadora e bandeira de cartões, administradora de consórcios, entidade de previdência complementar, seguradora e um instituto voltado para o investimento social. Sua rede de atendimento físico é a terceira no Sistema Financeiro Nacional, com mais de 3 mil pontos de atendimento. Acesse www.sicoob.com.br para mais informações. (Imprensa Sicoob)

 

SICOOB METROPOLITANO: Primeiro Trator Solidário financiado pela cooperativa é entregue em Japurá

Mais uma cooperativa do Sicoob Unicoob fez uma entrega do programa Trator Solidário. Dessa vez foi o Sicoob Metropolitano, que financiou o equipamento para um cooperado de Japurá (PR).

Divulgação - Lucas Piccioli Bonoto, que tem plantação de milho e soja, ficou sabendo da oportunidade de financiar tratores, pulverizadores e colhedoras com preços mais acessíveis depois da divulgação feita pelo gerente da agência local na sede da Emater na cidade.

Processo - A supervisora de negócios, Bruna Ribeiro Gaúna, conta que os limites começaram a ser gerados e a documentação recolhida em junho do ano passado. Em agosto, o contrato foi liberado e agora, em janeiro, o trator chegou.

Importante - “Esse financiamento é de extrema importância para a agência, já que mostramos todo nosso potencial para a cidade. Por ser uma instituição nova aqui, muitos desconhecem o sistema Sicoob e acabam nos vinculando a somente crédito comercial. Como o cooperado e a família são formadores de opinião na cidade e nos permitiram que o trator ficasse exposto, conseguimos mais alguns clientes agro”, explica. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2021/noticias/02/19/sicoob_metropolitano/{/vsig}

PREVENÇÃO: Cooperativas podem aderir à Campanha de Vacinação Sesi PR contra a Gripe

prevencao 19 02 2021Do dia 12 de fevereiro até 19 de março (ou enquanto durarem os estoques) estão sendo recebidas as adesões à Campanha de Vacinação do Sesi no Paraná contra a gripe. A ação, voltada para indústrias e sindicatos de todo o estado, tem como objetivo promover a saúde do trabalhador e reduzir o número de afastamentos por doença.

Como fazer a adesão? - Indústrias interessadas em participar da Campanha de Vacinação contra a Gripe do Sesi no Paraná poderão efetuar a adesão pelo Portal da Vacina até 19 de março de 2021, ou enquanto houver disponibilidade de doses da vacina. Para mais informações: adesaovacina@sesipr.org.br

Pandemia - Engana-se quem pensa que a pandemia de Covid-19 torna a vacinação contra a gripe uma medida secundária. Ao proteger-se contra a gripe, quem toma a vacina reduz consideravelmente as chances de ir parar no hospital por conta da doença. Logo, evita expor-se ao Covid-19, o que alivia a pressão sobre o sistema de saúde e facilita o trabalho de triagem nos hospitais.

Já tomei a vacina ano passado. Preciso tomar de novo? - Anualmente, as vacinas sazonais são modificadas para proteção contra as cepas virais (mutações) da gripe em circulação. Ou seja, a composição da vacina varia conforme os vírus que circularam no ano anterior. A imunidade contra a gripe dura até um ano após tomar a vacina. Daí a importância de vacinar-se a cada ano.

Quem pode ser vacinado? - A Campanha de Vacinação Sesi PR é destinada aos trabalhadores da indústria, sendo extensiva para seus dependentes legais, considerando crianças a partir de 9 anos de idade. No dia da vacinação, o trabalhador e o dependente devem apresentar um documento de identificação.

Contraindicação - A vacina é contraindicada para pessoas que já apresentaram alguma reação alérgica a componentes contra o vírus influenza ou que apresentem febre no dia da vacinação. Trabalhadoras grávidas também não devem receber a vacina sem prévia orientação médica.

Como é a vacina oferecida pelo Sesi? - O Sesi irá oferecer vacina influenza trivalente e quadrivalente, contendo os tipos de cepas de vírus em combinação, de acordo com as normas e especificações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Desde 2010, o Sesi no Paraná promove a Campanha de Vacinação contra a gripe para trabalhadores das indústrias paranaenses. As equipes farão a vacinação dentro das empresas, garantindo a imunização durante os meses mais frios do ano, quando aumentam os casos de gripe.

Quais as vantagens para as indústrias? - Ação preventiva: A gripe é considerada uma das principais causas de afastamento no trabalho. A imunização contra a gripe é importante para preservar a saúde do trabalhador e evitar o absenteísmo nas empresas. Além disso, quem toma a vacina poupa visitas desnecessárias ao hospital e evita expor-se ao Covid-19, o que alivia a pressão sobre o sistema de saúde e facilita o trabalho de triagem nos hospitais.

Mais produtividade: As indústrias e empresas que aderem à campanha de vacinação promovem um ambiente de trabalho mais saudável e produtivo.

Atendimento in company: O Sesi vai até as empresas realizar a vacinação em datas previamente agendadas.

Valores diferenciados: Os preços oferecidos pelo Sesi são bastante competitivos. O valor das vacinas é por dose solicitada e pode variar conforme a categoria à qual a indústria ou empresa pertence. (Sesi Paraná)

Confira aqui o Termo de Adesão.

 

Conheça os valores para adesão

prevencao tabela 19 02 2021

 

IAT: Instituto promove reuniões para renovação dos comitês de bacias hidrográficas

iat 19 02 2021O Instituto Água e Terra (IAT), por meio da gerência de Bacias Hidrográficas, promoverá reuniões setoriais para renovação da composição dos Comitês de Bacias Hidrográficas instalados no Estado. As primeiras serão realizadas na próxima semana (22 e 23) para o processo da nova composição do Comitê da Bacia do Paraná 3, para o mandato 2021-2025.

Colegiados - Os Comitês de Bacias Hidrográficas são organismos colegiados com atribuições normativas, consultivas e deliberativas no âmbito da bacia hidrográfica de sua jurisdição, e fazem parte do Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Os integrantes são substituídos a cada quatro anos.

Composição - Os Comitês de Bacias são formados por membros do poder público, usuários de água e organizações da sociedade civil. No Comitê da Bacia do Paraná 3 são 33 cadeiras a serem preenchidas – 13 para o segmento poder público; 13 para usuários; e 7 para a sociedade civil.

Localização - A Bacia do Paraná 3 está localizada na Mesorregião Oeste do Paraná e abrange 28 municípios, somado extensão de 7.979,4 quilômetros quadrados.

Reuniões - “As reuniões serão abertas para os representantes das instituições atuantes na Bacia do Paraná 3, de acordo com o segmento em que se encaixam. Os participantes da reunião discutirão e definirão quais entidades irão representar cada segmento”, explica Fernanda Holzmann, chefe da Divisão de Gerenciamento de Comitês de Bacias Hidrográficas do Instituto Água e Terra.

Setor público - No caso do setor público, foram convidadas as prefeituras dos municípios que se encontram dentro da área de abrangência da Bacia do Paraná 3. Quanto aos usuários, poderão participar representantes do setor de abastecimento, da hidroeletricidade, indústria, agropecuária e de lazer e recreação.

Sociedade civil - Para a reunião do segmento das organizações da sociedade civil estão convidadas as entidades de ensino e pesquisa, organizações técnico-profissionais e Organizações Não Governamentais.

Datas - As reuniões ocorrerão por meio de videoconferência nas seguintes datas:

Organizações da sociedade civil: 22 de fevereiro, às 09 horas

Usuários: 22 de fevereiro, às 14 horas;

Poder público: 23 de fevereiro, às 09 horas.

Contato - Para mais informações e/ou manifestação de interesse em participar basta entrar em contato pelo telefone (41) 3213-4786 ou pelo e-mail comiteparana3@iat.pr.gov.br. O link da reunião será enviado para cada interessado. (Agência de Notícias do Paraná)

 

AGRICULTURA: Ceasa e IDR-Paraná firmam termo de cooperação técnica

A Ceasa Paraná e o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater firmaram termo de cooperação técnica financeira para ações integradas voltadas ao desenvolvimento rural e a inserção de agricultores familiares no processo de comercialização de hortigranjeiros.

Aprimoramento - “Já temos um trabalho com os nossos agricultores cadastrados junto aos nossos cinco mercados no Estado. Esta nova ação busca aprimorar ainda mais essa parceria, que contribui para o desenvolvimento sustentável do setor”, diz Éder Eduardo Bublitz, diretor-presidente da Ceasa Paraná.

Nova configuração - Neste contexto, a agricultura familiar vem adquirindo uma nova configuração. A partir de novas interfaces, são gerados outros desafios e oportunidades, sobretudo no processo de comercialização, o qual proporciona novas possibilidades de negócios. “O termo de cooperação técnica vem no âmbito maior do que simplesmente oportunizar mais um local para a comercialização. Estamos buscando a profissionalização dos agricultores familiares, propondo e incentivando o uso de tecnologias de produção, sustentáveis e implantando uma gestão profissional nas propriedades rurais”, explica Antônio Leonardecz, diretor-técnico da Ceasa.

Inserção qualificada - Para o IDR-Paraná, esta parceria propiciará, através de ações integradas, a inserção qualificada de agricultores familiares e suas organizações no processo de comercialização da Ceasa. "Esta cooperação vai aproximar ainda mais as instituições quanto ao desenvolvimento de políticas públicas de Ater (Assistência Técnica e Extensão Rural), organização e comercialização da produção”, destaca Hernani Alves da Silva, gerente de Projetos e Cadeias Produtivas do IDR-Paraná. Segundo ele, os produtores assistidos do Instituto serão beneficiados em vários aspectos. Eles também participarão com um projeto de profissionalização de olericultores e fruticultores, utilizando-se de técnicas de gestão e agrícolas no sistema produtivo.

Propósito maior - “Este trabalho integrado tem um propósito maior”, afirma Antônio Leonardecz. Para ele, além da produção e comercialização, o objetivo é fomentar as economias locais e regionais, reduzindo as disparidades. “Proporcionamos uma reestruturação produtiva, com uma dinâmica econômica, social e ambiental, promovendo um desenvolvimento para a qualidade de vida dos agricultores familiares”, acrescenta.

Movimentação - As cinco Ceasas do Paraná, em Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel e Foz do Iguaçu, movimentam em média, por ano, cerca de 1 milhão 250 mil toneladas de hortigranjeiros. Estão instaladas, nesses mercados, 643 empresas atacadistas com 6.879 agricultores cadastrados, sendo que 1.760 são ativos, negociando diretamente suas produções em espaços próprios.

Atividades - Entre as atividades do IDR-Paraná, o termo de cooperação prevê a assistência técnica de forma continuada aos agricultores familiares para a produção sustentável em olericultura e fruticultura. Os técnicos do Instituto também farão visitas técnicas às propriedades rurais dos agricultores cadastrados, emitindo laudos com informações sobre as espécies cultivadas, áreas de plantio com projeções de volumes de produção e épocas de colheitas. (Agência de Notícias do Paraná)

{vsig}2021/noticias/02/19/agricultura/{/vsig}

ECONOMIA I: Clientes de bancos podem acessar serviços do governo pelo aplicativo

economia I 19 02 2021Clientes de instituições financeiras podem ter acesso direto a serviços digitais oferecidos pelo governo por meio dos aplicativos dos bancos.

Plataforma - Os serviços são da plataforma gov.br. Além da União, Distrito Federal, 11 estados e 74 municípios estão integrados à plataforma gov.br.

Cadastro - Atualmente, 93 milhões de pessoas têm cadastro no gov.br. Entre os principais serviços oferecidos pelo portal estão o Meu INSS, a Carteira Digital de Trânsito, a Carteira de Trabalho Digital, Sacar Abono Salarial e Solicitar Seguro-Desemprego.

Impostos - Nos estados e nos municípios que aderiram ao gov.br, o usuário pode ter o acesso ao Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), arrecadado pelos estados, ao Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e taxas de limpeza e de iluminação pública, administrados pelos municípios que já tenham aderido ao gov.br.

Bancos e cooperativa - Atualmente, o Banco do Brasil, Bradesco, Banrisul e BRB oferecem o acesso aos serviços por meio dos aplicativos. A Caixa estuda adesão à plataforma.

Sicoob - Nesta semana, o Sicoob, uma cooperativa financeira, também passou a oferecer o acesso à plataforma. De acordo com a Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia, 5 milhões de clientes da cooperativa podem entrar na plataforma gov.br com as mesmas credenciais de acesso utilizadas no aplicativo da instituição.

Seguro - A secretaria informa que o acesso por meio do aplicativo é seguro e, com a integração, o governo tem acesso apenas ao nome completo, CPF, telefone e e-mail do usuário.

Como acessar - Ao acessar sites ou aplicativos governamentais que permitam a autenticação por meio da opção gov.br, o cidadão será direcionado a uma tela que apresentará o item ‘Bancos Credenciados’. Ao acioná-lo e selecionar o Sicoob, por exemplo, entre as instituições, será direcionado para o ambiente da cooperativa, onde informará suas credenciais de acesso e receberá uma mensagem em seu celular com código de confirmação.

Compartilhamento - Após esse processo, vai ser convidado a aprovar o compartilhamento dos dados pessoais, bem como orientado sobre a forma como pode revogar essa decisão. Ao final dessa etapa, o cooperado será direcionado ao serviço que acessou originalmente já de forma identificada. (Agência Brasil)

FOTO: Arquivo / Fábio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

 

ECONOMIA II: Bolsonaro diz que impostos federais sobre gás e diesel serão zerados

economia 19 02 2021O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (18/02), durante sua live semanal nas redes sociais, que o governo decidiu zerar os impostos federais que incidem sobre o gás liquefeito de petróleo (GLP) – o gás de cozinha – e o óleo diesel. A suspensão sobre o gás será definitiva. Já a interrupção na cobrança federal sobre o diesel terá duração de dois meses. As medidas foram decididas em uma reunião do presidente com a equipe econômica, ocorrida durante a tarde, e passam a valer no próximo mês.

Gás - "A partir de 1º de março agora, não haverá mais qualquer tributo federal no gás de cozinha, ad eternum. Então, não haverá qualquer tributo federal no gás de cozinha, que está, em média, hoje em dia, R$ 90, na ponta da linha, para o consumidor lá. E o preço na origem está um pouco abaixo de R$ 40. Então, se está R$ 90, os R$ 50 aí é ICMS, imposto estadual, e é também para pagar ali a distribuição e a margem de lucro para quem vende na ponta da linha", disse o presidente.

Diesel - No caso do diesel, Bolsonaro explicou que o corte no imposto será temporário até que o governo encontre uma forma de eliminar a cobrança de forma definitiva. O presidente também criticou reajustes recentes no preço dos combustíveis por parte da Petrobras e chegou a indicar que haverá mudanças na estatal em breve.

Estudo - "Por que por dois meses? Porque, nesses dois meses, vamos estudar uma maneira definitiva de buscar zerar esse imposto no diesel. Até pra ajudar a contrabalancear esse aumento, no meu entender, excessivo, da Petrobras. Mas eu não posso interferir nem iria interferir na Petrobras. Se bem que alguma coisa vai acontecer na Petrobras nos próximos dias. Você tem que mudar alguma coisa."

PIS/Cofins - Atualmente, o único imposto federal incidente sobre o GLP e o diesel é o PIS/Cofins, que é de R$ 2,18 por botijão e cerca de 35 centavos por litro do diesel, segundo informações da Agência Nacional de Petróleo (ANP). A Cide, outro imposto federal cobrado sobre combustíveis, já está zerada tanto para o diesel quanto para o GLP. (Agência Brasil)

FOTO: Reprodução Facebook

 

COMBUSTÍVEL Petrobras anuncia aumento da gasolina e do diesel em refinarias

combustivel 19 02 2021A Petrobras anunciou nesta quinta-feira (18/02) um novo aumento médio nos preços da gasolina e do diesel em suas refinarias, que chegarão a R$ 2,48 e R$ 2,58 por litro, respectivamente. A partir desta sexta-feira (19/02), será aplicado um reajuste de R$ 0,23 para o litro da gasolina e de R$ 0,34 para o do diesel.

Preço - O preço cobrado nas refinarias da Petrobras corresponde a cerca de 33% do preço pago pelos consumidores finais da gasolina e a 51% do preço final do diesel, segundo a estatal. A companhia explica que "até chegar ao consumidor são acrescidos tributos federais e estaduais, custos para aquisição e mistura obrigatória de biocombustíveis, além das margens brutas das companhias distribuidoras e dos postos revendedores de combustíveis".

Reajuste - Os preços praticados nas refinarias da Petrobras são reajustados de acordo com a taxa de câmbio e a variação do preço internacional do petróleo, negociado em dólar. Desde janeiro, a Petrobras já reajustou três vezes o preço do diesel e quatro vezes o da gasolina, que tinha o valor médio de R$ 1,84 em 29 de dezembro e chegará a R$ 2,48 com o reajuste que vigora a partir desta sexta-feira.

Aumento médio - Em 18 de janeiro, a estatal anunciou um aumento médio de R$ 0,15 para a gasolina e manteve o preço do diesel. No dia 26 do mesmo mês, um novo reajuste elevou o preço nas refinarias em R$ 0,10 para a gasolina e em R$ 0,09 para o diesel. Já em 8 de fevereiro, foi anunciado um aumento de R$ 0,17 para a gasolina e de R$ e de 0,13 para o diesel. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

CÂMBIO: Dólar encosta em R$ 5,45 com tensões no Brasil e no exterior

cambio 19 02 2021Influenciado por fatores domésticos e externos, o mercado financeiro teve um dia de turbulências nesta quinta-feira (18/02). O dólar aproximou-se de R$ 5,45, e a bolsa de valores voltou a ficar abaixo de 120 mil pontos, um dia após ter fechado no maior nível em quase um mês.

Cotação - O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 5,441, com alta de R$ 0,026 (+0,48%). A divisa chegou a operar em queda no início da sessão, atingindo R$ 5,39 na mínima do dia, por volta das 9h30. A cotação, no entanto, ganhou fôlego e começou a subir ainda durante a manhã.

Ações - No mercado de ações, o dia foi marcado por perdas. O índice Ibovespa, da B3, fechou a quinta-feira aos 119.199 pontos, com recuo de 0,96%. O indicador abriu em alta, mas reverteu o movimento e passou a cair no início da tarde.

Auxílio emergencial - No Brasil, o mercado segue atento às negociações para a recriação do auxílio emergencial. Nesta quinta, os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco, e da Câmara, Arthur Lira, anunciaram que manterão a votação do benefício e de medidas de ajustes econômicos, apesar da prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ).

Fatores internacionais - Os fatores internacionais, no entanto, foram os principais fatores que influenciaram o mercado financeiro. A alta da inflação nos Estados Unidos aumentou os rendimentos dos títulos públicos do Tesouro norte-americano, considerados os investimentos mais seguros do mundo.

Migração - A migração de recursos para essas aplicações aumenta a cotação do dólar em todo o planeta, prejudicando países emergentes, como o Brasil. Paralelamente, a aceleração global do preço das commodities (bens primários com cotação internacional) tem aumentado a inflação em diversas economias, o que aumenta a aposta de que vários países anteciparão o aumento dos juros, que tinham caído em todo o planeta por causa da pandemia de covid-19. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO: Pixabay

 

LEGISLATIVO: Senado vota PEC Emergencial na próxima semana, diz Rodrigo Pacheco

legislativo 19 02 2021O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, anunciou nesta quinta-feira (18/02) que o Plenário deve votar a PEC Emergencial (186/2019) na próxima semana. Relatado pelo senador Marcio Bittar (MDB-AC), o texto prevê medidas para o controle do crescimento de despesas obrigatórias e para o reequilíbrio fiscal. Segundo Pacheco, a medida deve auxiliar na renovação do auxílio emergencial pago a pessoas vulneráveis durante a pandemia de coronavírus.

Acordo - “Ficou ajustado que, dentre muitos [projetos] que vamos pautar na semana que vem, será pautada a PEC Emergencial. O parecer será apresentado pelo senador Marcio Bittar desta quinta (18/02) até segunda-feira (22/02). A aprovação pelo Senado permitirá, através de uma cláusula de orçamento de guerra, uma cláusula de calamidade, que se possa ter a brecha necessária para implantar o auxílio emergencial”, disse Pacheco.

Sinalização - Ele afirmou ainda que a aprovação da PEC Emergencial não é uma “condição para a implantação do auxílio emergencial”. Mas salientou que a votação da matéria funciona “como sinalização política” de que Senado e Câmara “têm responsabilidade fiscal”.

Anúncio - O anúncio foi feito após um almoço na residência oficial do presidente do Senado. Participaram do encontro o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira; e os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos; além da presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), deputada Flávia Arruda (PL-DF) e do senador Marcio Bittar, que também relata o Orçamento Geral da União para 2021 (PLN 28/2020)

Prioridade- O deputado Arthur Lira disse que o almoço teve um caráter “simbólico” por demonstrar a prioridade que as duas Casas dão ao enfrentamento da pandemia.

Assuntos importantes - “Vamos continuar a tratar dos assuntos que são importantes para o Brasil: as PECs que tramitam no Senado e na Câmara e o auxílio emergencial, além da vacina e da pandemia. Todos os outros assuntos são laterais. Nossa democracia é forjada em firmeza de posição das instituições e com isso damos demonstração clara para toda a população de que enfrentamos os problemas”, disse Lira.

“PEC recauchutada” - Mais cedo, durante uma entrevista coletiva virtual, o líder da Minoria no Senado, Jean Paul Prates (PT-RN), disse que o Poder Executivo deve sugerir mudanças na PEC Emergencial e na PEC do Pacto Federativo (188/2019). De acordo com Prates, o novo texto deve evitar pontos considerados polêmicos, como a possibilidade de redução de salário para servidores públicos.

Dispositivos - Segundo o parlamentar, a “PEC recauchutada” deve manter dispositivos para acionamento da regra de ouro, normas para sustentabilidade da dívida pública e ressalvas que assegurem o equilíbrio fiscal “intergeracional”. Ainda de acordo com Prates, a aprovação da matéria seria “condição” para a renovação do auxílio emergencial. Ele disse que a Minoria vai insistir na manutenção de um benefício de R$ 600.

Defesa - O líder do Podemos, senador Alvaro Dias (PR), usou as redes sociais para defender a votação de duas matérias na próxima semana. O projeto de lei do Senado (PLS) 268/2018 permite que empresas ou consórcios de empresas produtoras de etanol vendam direto para os consumidores, de forma a eliminar intermediários e reduzir o custo do etanol na bomba.

Dispensa - Já o projeto de lei (PL) 578/2019 dispensa as empresas que contratarem beneficiários do Programa Bolsa Família do pagamento de contribuições previdenciárias e sociais. Pelo texto, o pagamento do benefício ficaria suspenso durante a relação de trabalho. (Agência Senado)

FOTO: Marcos Brandão / Senado Federal

 

SAÚDE I: Brasil acumula mais de 10 milhões de casos de Covid-19

Divulgado no início da noite desta quinta-feira (18/02), o boletim de situação epidemiológica do Ministério da Saúde aponta que o Brasil já registrou, desde o início da pandemia, mais de 10 milhões de casos de covid-19.

Novos diagnósticos - Segundo o informe, 51.879 novos diagnósticos da doença foram registrados em 24 horas. No total, o país já confirmou 10.030.626 casos de infecção pelo novo coronavírus.

Óbitos - O número de óbitos em decorrência da doença é de 243.457, com 1.367 novas mortes desde a última edição do boletim, no fim da tarde de ontem. O número de recuperados soma 8.995.246, equivalente a 89,7% do total de infectados. Segundo o ministério, 791.923 pessoas estão com a saúde sendo monitorada.

Estados - São Paulo segue em primeiro lugar em número de casos. No total, 1.949.459 casos foram registrados no estado, com 57.240 óbitos. Minas Gerais e Bahia se mantêm em 2º e 3ª lugar, respectivamente, com 822.448 casos e 17.249 óbitos na região mineira e 643.244 casos e 10.995 óbitos na região baiana. (Agência Brasil)

 

saude I tabela 19 02 2021

SAÚDE II: Boletim registra 3.027 novos casos de Covid-19. Já foram vacinadas 271.275 pessoas

saude II 19 02 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quinta-feira (18/02) 3.027 novos casos de Covid-19 e 92 mortes pelo novo coronavírus. Os dados acumulados do monitoramento mostram que o Paraná soma 600.189 casos e 10.907 mortes em decorrência da doença. Há ajustes ao final do texto.

Meses - Os casos divulgados nesta data são de fevereiro (2.875) e janeiro (70) de 2021 e dos seguintes meses de 2020: junho (2), julho (4), setembro (7), outubro (3), novembro (24) e dezembro (42).

Vacina - Até o final da manhã desta quinta o Paraná aplicou 308.972 doses da vacina contra o a Covi-19 – foram 271.275 da primeira dose e 37.697 da segunda. Portanto, 271.275 paranaenses já foram vacinados. Ao todo, o Estado recebeu 538.900 doses do Governo Federal até o momento.

Confira a distribuição das imunizações.

Internados - Nesta quinta-feira eram 1.519 pacientes internados com diagnóstico confirmado de Covid-19. Destes, 1.273 ocupam leitos SUS (655 UTI e 618 clínicos/enfermaria) e 246 da rede particular (109 UTI e 137 clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 1.433 pacientes internados, 485 em leitos UTI e 948 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A secretaria estadual informa a morte de mais 92 pacientes. São 40 mulheres e 52 homens com idades que variam de 22 a 94 anos. Os óbitos ocorreram entre 22 de julho de 2020 e 18 de fevereiro de 2021.

Município - Os pacientes que foram a óbito residiam em Londrina (20), Curitiba (11), Toledo (5), Ponta Grossa (4), Maringá (3), Telêmaco Borba (3), Apucarana (2), Arapongas (2), Araucária (2), Cambé (2), Francisco Beltrão (2), Paranavaí (2), Pato Branco (2) e Quatro Barras (2). O boletim registra uma morte em cada um dos seguintes municípios: Bela Vista do Paraíso, Campo Bonito, Castro, Cianorte, Cornélio Procópio, Engenheiro Beltrão, Figueira, Foz do Iguaçu, Goioerê, Guaratuba, Ibiporã, Jandaia do Sul, Lapa, Laranjeiras do Sul, Mandaguari, Manoel Ribas, Marmeleiro, Mato Rico, Medianeira, Paiçandu, Palmeira, Pinhais, Piraquara, Pontal do Paraná, Reserva, Rio Negro, Rolândia, Sarandi, Tapejara e Wenceslau Braz.

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria de Estado da Saúde contabiliza 4.405 casos de pessoas que não moram no Estado – 85 foram a óbito.

Ajustes - Exclusões: 2 casos e 2 óbitos de residentes do Paraná

- Um caso e óbito confirmado (F,77) no dia 11/08/2020 em ARAUCÁRIA foram excluídos por erro de notificação.

- Um caso e óbito confirmado (M,84) no dia 24/08/2020 em RIO NEGRO foram excluídos por erro de notificação. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira aqui o informe completo.

 

SAÚDE III: Paraná vai receber 2,4 milhões de doses de vacina até março

saude III 19 02 2021O Paraná vai receber 2.421.355 doses da vacina contra a Covid-19 entre a semana que vem e o fim de março. O cronograma de distribuição por unidades da Federação foi divulgado nesta quinta-feira (18/02) pelo Ministério da Saúde. Ainda neste mês chegarão ao Estado 452.366 doses, divididas em dois lotes – 10.113 aplicações do imunizante desenvolvido pela AstraZeneca em parceria com a Fiocruz; e 442.253 doses da Coronavac, produzidas pelo laboratório chinês Sinovac com o Instituto Butantan, de São Paulo.

Março - Em março, de acordo com o Ministério da Saúde, outras 1.968.989 aplicações serão encaminhadas ao Paraná, entre AstraZeneca (961.451) e Coronavac (1.007.538). A perspectiva é que com as novas remessas a Secretaria de Estado da Saúde consiga concluir a imunização dos idosos acima de 60 anos.

Previsão - “A previsão é que essas novas doses cheguem a partir da próxima semana. Seguiremos com a logística de distribuição em todo Estado, fazendo com que a vacina chegue a todos os paranaenses de forma segura”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Novas remessas - As novas remessas são cerca de quatro vezes maior do total recebido pelo Paraná até o momento, de 539.900 doses. Deste montante, 91.790 estão em estoque, no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar) e serão enviadas para as Regionais de Saúde para complemento das etapas de vacinação em andamento.

Nacional - Os lotes de fevereiro e março integram o cronograma de entregas anunciado pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em reunião com os governadores na quarta-feira (17/02) – o Paraná foi representado pelo vice-governador Darci Piana. Segundo o ministério, a distribuição começa na próxima terça-feira (23/02).

Distribuição aos estados - Na ocasião, Pazuello mostrou que, do final de fevereiro até julho, serão distribuídas aos estados mais de 230,7 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19.

Outros laboratórios - Além da Coronavac e AstraZeneca, o cronograma apresentado pelo Governo Federal também leva em conta as negociações com os laboratórios União Química/Gamaleya e Precisa/Bharat Biotech, que garantirão ao Brasil a chegada da vacina russa Sputnik V, e da indiana Covaxin, respectivamente.

Vacinados - O Paraná atingiu nesta quinta-feira (18/02), um mês após o início do processo de imunização, 308.972 mil doses aplicadas da vacina contra a Covid-19, sendo 271.275 da primeira dose e 37.697 da segunda. Até o final desta manhã, 271.275 paranaenses haviam sido vacinados. Se usado o cálculo de média por 31 dias, o Estado apresenta cerca de 9,96 mil doses aplicadas/dia.

Plano Estadual - A Sesa publicou, no dia 15 de janeiro, o Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19, documento elaborado seguindo as diretrizes do Plano Nacional de Imunização (PNI) com a colaboração do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Paraná. O Plano estadual prevê os grupos prioritários para a imunização, processos de distribuição de doses, estrutura disponibilizada, além de informações técnicas e recomendações do Ministério da Saúde.

Medidas de proteção - “Mesmo com a vacina, lembramos que o recebimento da dose não é álibi para descuido das medidas de proteção; reforçamos que é fundamental que todos sigam usando as máscaras de proteção individual, que façam constantemente a higienização das mãos e que mantenham o distanciamento social”, ressaltou Beto Preto.

Doses - Veja a quantidade de doses da vacina contra a Covid-19 que chegarão ao Paraná nos próximos dias.

FEVEREIRO

AstraZeneca: 10.113

Coronavac: 442.253

Total: 452.366.

MARÇO

AstraZeneca: 961.451

Coronavac: 1.007.538

Total: 1.968.989.

(Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Geraldo Bubniak / AEN

 


Versão para impressão


RODAPE