Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5016 | 25 de Fevereiro de 2021

PRÊMIO OCEPAR: Prazos para veiculação e inscrição da 14ª edição são prorrogados para 4 de junho

A Comissão Organizadora do 14º Prêmio Ocepar de Jornalismo anunciou, nesta quinta-feira (25/02), que, por causa da continuidade do isolamento social devido à pandemia da Covid-19, decidiu prorrogar as datas de veiculação e de inscrição de trabalhos:

Período de veiculação: 01 de agosto de 2019 até 04 de junho de 2021.

Prazo para Inscrições: 04 de junho de 2021.

Pandemia – “Levamos em conta o difícil momento vivido por todos com a pandemia, que dificulta a produção jornalística em decorrência da necessidade de trabalho remoto por conta do isolamento social. Ao prorrogarmos os prazos, estamos atendendo algumas sugestões enviadas, assim, daremos oportunidade para que mais colegas possam participar desta importante premiação do jornalismo brasileiro”, comentou o coordenador do prêmio, jornalista Samuel Milléo Filho. Esta decisão foi tomada em conjunto com a Federação das Unimeds do Paraná e Central Sicredi PR/SP/RJ, “que são nossos patrocinadores, juntamente com o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná, o Sindijor, Sindicato dos Jornalistas do Norte do Paraná e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), lembrou Milléo.

Inscrições online – A partir desta 14ª edição, as inscrições estão sendo recebidas de forma digital e não mais pelos Correios. Os interessados agora têm um prazo maior para participar e fazer a postagem dos trabalhos neste endereço http://premio.paranacooperativo.coop.br/, desde que cumpram todas as normas do regulamento. “A digitalização das inscrições, além de agilizar as inscrições dos participantes, facilitará muito para que os jurados possam julgar de forma on-line”, frisou o coordenador do prêmio.

Premiação – O tema da 14ª edição é “Cooperativismo: força econômica e social que faz a diferença”.  Ao todo, serão distribuídos R$ 88 mil em prêmios, já descontados os impostos. O Prêmio Ocepar é dividido em seis categorias: Jornalismo Impresso, Telejornalismo, Radiojornalismo, Mídia Cooperativa, Categoria Especial Ramo Crédito, Categoria Especial Unimed. Os três primeiros colocados nas categorias Jornalismo Impresso, Telejornalismo, Radiojornalismo e Mídia Cooperativa vão receber, respectivamente R$ 10 mil (1º lugar), R$ 4 mil (2º) e R$ 3 mil (3º). Já os vencedores nas categorias especiais Ramo Crédito e Unimed vão ganhar R$ 10 mil cada.

 

divulgacao nova prorrogacao 25 02 2021

SISTEMA OCEPAR: Expectativa é reunir virtualmente o máximo de cooperativas nas pré-assembleias, afirma Ricken

sistema ocepar 25 02 2021Entre os dias 8 e 11 de março, o Sistema Ocepar promove mais uma rodada de pré-assembleias, virtualmente. Segundo o presidente da entidade, José Roberto Ricken, o formato on-line tem viabilizado a participação de um maior número de pessoas nos eventos. “Nós vamos seguir o mesmo modelo. Agora nós já temos uma metodologia mais adequada e pretendemos reunir o máximo de cooperativas, de forma virtual”, afirmou em entrevista ao jornalista Alexandre Salvador, da Rádio Paraná Cooperativo. “Cada cooperativa deve aproveitar para convidar as suas lideranças, seus conselheiros, toda a diretoria, para que eles possam participar desse processo. A pré-assembleia virtual permite isso”, ressaltou. “A expectativa é bastante positiva. É o terceiro ano que nós fazemos as pré-assembleias com todas as cooperativas nos cinco Núcleos Cooperativos. O objetivo principal é apresentar os resultados de 2020 e as propostas para 2021”, acrescentou.

Datas - Os encontros começam no dia 8 de março, no Núcleo Centro-Sul, tendo como anfitriãs as cooperativas Bom Jesus e Sicredi Integração; dia 9, no Núcleo Oeste, a C.Vale será a anfitriã; dia 10, com os Núcleos Norte e Noroeste, e a Unimed Londrina como anfitriã, e dia 11, no Núcleo Sudoeste, com seis cooperativas sediadas em Pato Branco como anfitriãs. As reuniões ocorrerão das 13h30 às 16h30, com os Núcleos Centro-Sul, Oeste e Norte e Noroeste. Com o Núcleo Suoeste, será das 8h30 às 11h30h. No dia 5 de abril, o Sistema Ocepar promove a sua Assembleia Geral Ordinária. 

Clique aqui para conferir o áudio da Rádio PR Cooperativo

 

FORMAÇÃO: Gincoop, um novo jeito de disseminar o cooperativismo

Disseminar o cooperativismo de uma forma descontraída, estimulando o trabalho em equipe. Essa é proposta da Gincoop, um treinamento em formato de gincana que tem como foco a doutrina cooperativista. “É um método muito dinâmico e lúdico, criado para trabalhar questões relevantes do cooperativismo. Outro aspecto importante é a flexibilidade pois, por ser customizável, cada cooperativa pode personalizar as atividades para sua realidade. Pode ser usado na formação de funcionários, cooperados, grupos femininos e de jovens, entre outros”, esclarece a analista do Sescoop/PR, Eliane Lourenço Goulart Festa. Ainda de acordo com ela, é preciso apenas seguir alguns critérios básicos, como desenvolver a programação baseada no conteúdo cooperativista, respeitar a carga horária mínima e a quantidade de participantes, que deve ficar entre 30 e 50 pessoas por turma.

Manual - O Sescoop/PR elaborou um manual para orientar os instrutores sobre a condução e a execução das atividades. A publicação traz as premissas básicas, o conteúdo obrigatório e recomendações a serem seguidas em cada etapa do treinamento. A metodologia vem sendo aplicada desde o ano passado pelo Sistema Ocepar, por meio do Sescoop/PR, em parceria com a Cooperativa Paranaense de Turismo (Cooptur), que é a primeira instrutoria cadastrada para utilizá-la. Foram realizadas três turmas-piloto, com colaboradores do Sistema Ocepar, com 76 participantes, no ano passado; com agentes de 14 cooperativas de diferentes ramos (40 participantes), no dia 11 de fevereiro; e com profissionais do Sistema Sicredi (21 participantes), no dia 19 de fevereiro. O novo treinamento, realizado em formato virtual, está despertando o interesse de várias cooperativas. “Nós já recebemos o pedido para a abertura de 18 turmas. As cooperativas podem ficar à vontade para nos encaminhar suas demandas pois basta combinarmos a data do treinamento com a Cooptur”, destaca Eliane.

Produto inovador - No dia 9 de março, a Cooptur irá promover uma Gincoop com a Cooperativa Castrolanda e a Lar também já solicitou a formação de uma turma. “É um produto inovador, que promove a interação, gera engajamento e a aproximação entre os participantes, apesar de ser online”, afirma Márcio Canto de Miranda, vice-presidente e diretor executivo da Cooptur. De acordo com ele, é possível desenvolver as atividades em três ou quatro horas, usando a criatividade e com muita liberdade. “O online propicia uma liberdade que você não tem no presencial. Liberdade de criação dentro do produto. Você poder customizar, dando a cara da cooperativa para aquele evento. Também é possível direcionar as atividades, a partir do ambiente em os participantes estão, seja em casa ou no trabalho, e abordar, inclusive, conteúdos que são importantes para a própria cooperativa. Tudo pode ser criado, desde que seguindo o formato e a linha proposta na nova metodologia de treinamento”, ressalta Márcio.

Inspiração - Ele disse ainda que o novo produto desenvolvido em parceria com o Sescoop/PR está inspirando a criação de outros projetos e tem contribuído para manter o equilíbrio econômico da Cooptur, que foi bastante impactada pela pandemia do novo coronavírus. “Com a Gincoop, a cooperativa deu uma guinada de 180 graus. Nós construímos um estúdio específico para fazer as lives online para a gincana. E o nosso projeto é fazer a locação desse espaço para outras pessoas que necessitarem. Estamos desenvolvendo outros produtos na linha da Gincoop também. Essa iniciativa abriu a nossa cabeça. Em agosto do ano passado, o presidente da Ocepar, José Roberto Ricken, e o superintendente do Sescoop/PR, Leonardo Boesche, nos instigaram a criar uma atividade online. Isso virou um baita de um projeto e nós temos muito orgulho de ter chegado até onde chegamos. E temos muito ainda para percorrer. O tamanho da brincadeira é o tamanho das nossas pernas”, afirmou Márcio.

Origem - Ele lembrou ainda do apoio que a cooperativa recebeu do Sistema Ocepar, desde a sua origem. “Lá atrás, nos anos 2002, 2003, se não fosse a Ocepar e o Sescoop/PR terem acreditado e investindo na criação de uma cooperativa de turismo, a gente não existiria. Sempre falamos com muito orgulho que somos a primeira cooperativa de empreendedores de turismo do Brasil, e não é à toa que nós nascemos aqui, pois se não fosse o Sistema Ocepar, o nosso cooperativismo não seria assim. E agora, mais uma vez, a Cooptur está renascendo, com a ajuda de vocês,” completou.

{vsig}2021/noticias/02/25/gincoop/{/vsig}

 

COOPERATIVISMO: OCB recebe Ministro do Meio Ambiente

cooperativismo 2502 2021O presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, recebeu na terça-feira (23/02), o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles para tratar de assuntos de interesse das coops brasileiras, dentre eles a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais e programas como o Floresta+ e Adote um Parque.

Diálogo - Para o líder cooperativista, quanto mais diálogo com os representantes do governo federal, maiores serão as chances de as políticas públicas elaboradas pela União estimularem o desenvolvimento das cooperativas. Freitas também afirmou que é um desafio para o governo e para o setor agro conseguir divulgar cada vez mais o quanto os produtores brasileiros inovam e preservam.

Participantes - Também participaram da reunião: Ismael Perina Junior, da Orplana, Tânia Zanella (gerente geral da OCB) e Fabíola Nader (gerente de Relações Institucionais da OCB.

Temas - Saiba mais sobre os temas tratados na reunião.

Pagamento por serviços ambientais - A Política Nacional de Pagamentos por Serviços Ambientais é lei desde meados de janeiro. De acordo com seu texto, os pagamentos por serviços ambientais podem ser aplicados em atividades individuais ou coletivas que favorecem a manutenção, a recuperação ou a melhoria dos serviços considerados de provisão, ou seja, que fornecem bens ambientais para consumo ou comercialização, como é o caso dos alimentos, serviços de suporte, aqueles que mantém perenidade da vida na terra como renovação da fertilidade do solo e controle de pragas e serviços de regulação, que dão manutenção ao meio ambiente como sequestro de carbono e controle de erosões.

Pagadores - Os pagadores de serviços ambientais podem ser o poder público, organização da sociedade civil ou agente privado seja pessoa física ou jurídica, nacional ou internacional. As formas de pagamento poderão ser feitas de forma direta, monetária, em dinheiro ou por comodatos, títulos verdes, cotas de reserva ambiental, prestação de melhorias sociais a comunidades rurais e urbanas ou por compensação vinculada à certificação de redução de emissões por desmatamento e degradação.

Programa - A política também cria o Programa Federal de Pagamentos por Serviços Ambientais. Neste programa, a União – por meio do Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama) será responsável por executar os pagamentos e será dada prioridade aos contratos fechados com comunidades tradicionais, povos indígenas, agricultores familiares, cooperativas e associações civis.

Territórios - Entre os territórios que podem ser objeto do programa, estão incluídas as propriedades privadas, situadas na zona rural, desde que estejam inscritas no Cadastro Ambiental Rural. As reservas legais e áreas de preservação permanente dos imóveis também serão elegíveis aos pagamentos por serviços ambientais com recursos públicos.

Adote um Parque - O Adote um Parque, instituído por decreto, é um programa criado para atrair recursos com o objetivo de custear a conservação dos parques nacionais. Empresas nacionais ou estrangeiras, e também indivíduos, por meio dessa iniciativa, vão contribuir concretamente com a proteção ambiental do Brasil. Ao adotar uma Unidade de Conservação (UC), os interessados serão reconhecidos como parceiros do meio ambiente e celebrarão Termo de Doação com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Expectativa - A expectativa é que a adoção seja de R$ 50 ou 10 euros por hectare ao ano. A área dessas UCs varia entre 2.574 e 3.865.172 hectares, permitindo diferentes níveis de investimento. O programa tem o potencial de canalizar R$ 3,2 bilhões ao ano, diretamente às Unidades de Conservação.

Recursos - No modelo do programa, os recursos são investidos pelo adotante em serviços como monitoramento, proteção, prevenção e combate a incêndios florestais, prevenção e combate ao desmatamento ilegal e recuperação de áreas degradadas. As doações são enviadas pelo doador diretamente às Unidades de Conservação, gerando transparência total e a garantia de que os serviços e produtos doados chegarão ao território.

Floresta+ - A iniciativa tem por objetivo de valorizar as ações de preservação da floresta nativa brasileira. O projeto inicial vai ser realizado na Amazônia Legal, e serão destinados mais de R$ 500 milhões para atividades que melhorem, conservem e recuperem a natureza.

Público - O programa é destinado a pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, grupo familiar ou comunitário que, de forma direta ou por meio de terceiros, executam as atividades de serviços ambientais em áreas mantidas com cobertura de vegetação nativa ou sujeitas à sua recuperação.

Categorias fundiárias - Poderão ser reconhecidas e beneficiadas em todo território nacional diversas categorias fundiárias, sejam elas áreas privadas, de preservação permanente e de uso restrito, assentamentos, terras indígenas ou unidades de conservação, desde que tenham atividades de proteção e conservação de recursos naturais.

Maior programa - "Esse é o maior programa de pagamento por serviços ambientais no mundo na atualidade. Os R$ 500 milhões recebidos do Fundo Verde do Clima vão remunerar quem preserva. Vamos pagar pelas boas práticas e reconhecer o mérito de quem cuida adequadamente do meio ambiente", destacou, recentemente, o ministro Ricardo Salles.

Atividades - São considerados serviços ambientais atividades de monitoramento, vigilância, combate a incêndio, pesquisa, plantio de árvores, inventário ambiental e sistemas agroflorestais que tragam resultados efetivos e relevantes para a melhoria, a conservação e a proteção da vegetação nativa. Essas ações trazem uma série de benefícios com a conservação da biodiversidade, a proteção do solo e das águas, a regulação do clima e créditos de carbono. (OCB)

 

SENADO: Presidente eleito da CRA defende trabalho com coops

senado 25 02 2021Eleito por aclamação para presidir a Comissão de Agricultura do Senado (CRA) até o final de 2022, nesta quarta-feira (24/02), o senador Acir Gurgaz (RO) destacou em seu discurso de posse a necessidade de maior aproximação com o setor cooperativista para melhorar o posicionamento estratégico da agricultura do Brasil no mercado internacional. “Nós estamos produzindo muito e temos muito a avançar ainda. Exportamos muitas commodities e temos que trabalhar junto com o governo e junto com as cooperativas para aumentar a industrialização e melhorar a renda da população brasileira, gerando mais empregos e mais superavit comercial para o nosso país”, afirmou o senador.

Vice-presidência - A vice-presidência da CRA será definida na próxima semana. Outras cinco comissões também foram instaladas nesta quarta-feira e seis na terça-feira (confira lista abaixo). Entre os nomes escolhidos para as diretorias, oito parlamentares são também membros da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Freencoop).

Quarta-feira - Comissões do Senado instaladas nesta quarta-feira (24/2):

Comissão de Agricultura (CRA)

Presidente: Senador Acir Gurgacz (RO)

Vice: será decidido posteriormente

Comissão de Meio Ambiente - CMA

Presidente: senador Jaques Wagner (BA)

Vice: senador Confúcio Moura (RO)

Comissão de Desenvolvimento Regional (CDR)

Presidente: Fernando Collor (AL)

Vice: Flavio Bolsonaro (RJ)

Comissão de Constituição e Justiça (CCJ)

Presidente: senador Davi Alcolumbre (AP)

Vice: senador Antonio Anastasia (MG) - Frencoop

Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT)

Presidente: Rodrigo Cunha (AL)

Vice: será decidido posteriormente

Comissão de Infraestrutura (CI)

Presidente: Dario Berger (SC)

Vice: Jayme Campos (MT) - Frencoop

Terça-feira - Comissões do Senado instaladas na terça-feira (23/2):

Comissão de Educação - CE

Presidente: senador Marcelo Castro (PI)

Vice: senadora Leila Barros (DF) - Frencoop

Comissão de Assuntos Econômicos -CAE

Presidente: senador Otto Alencar (BA)

Vice: senador Vanderlan (GO) - Frencoop

Comissão de Assuntos Sociais - CAS

Presidente: senador Sérgio Petecão (AC) - Frencoop

Vice: senadora Zenaide Maia (RN) - Frencoop

Comissão de Direitos Humanos - CDH

Presidente: senador Humberto Costa (PE) - Frencoop

Vice: senador Fabiano Contarato (ES)

Comissão de Relações Exteriores - CRE

Presidente: senadora Kátia Abreu (TO) - Frencoop

Vice: será decidido posteriormente

Comissão de Transparência, Fiscalização e Controle - CTFC

Presidente: senador Reguffe (DF)

Vice: senador Marcos do Val (ES) – Frencoop

(OCB)

FOTO: Agência Senado

 

IPA: Tânia Zanella assume vice-presidência do Instituto Pensar Agro

ipa 25 02 2021A defesa das cooperativas agropecuárias e as produtoras rurais do país serão o foco da atuação da gerente geral da OCB, Tânia Zanella, na vice-presidência do Instituto Pensar Agro (IPA). A eleição ocorreu na terça-feira (23/02). A presidência do IPA passa a ser ocupada pelo ex-deputado federal Nilson Leitão. O mandado dessa nova gestão tem dois anos. (OCB)

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Presidente: Nilson Aparecido Leitão (CNA)

1º Vice-Presidente: Ismael Perina Junior (ORPLANA)

Vice-Presidente Secretário: Bartolomeu Braz Pereira (APROSOJA BR)

Vice-Presidente Tesoureiro: Eduardo Luís Leão de Sousa (UNICA)

2º Vice-Presidente Tesoureiro: Tânia Zanella (OCB)

CONSELHO FISCAL

Membro Titular: Júlio Cézar Busato (ABRAPA)

Membro Titular: Eliane Suzuko Hiratsuka Kay (SINDIVEG)

Membro Titular: André Meloni Nassar (ABIOVE)

Membro Suplente: Natalino Yassushi Shimoyama (ABBA)

Membro Suplente: Antônio Jorge Camardelli (ABIEC)

Membro Suplente: José Carlos da Fonseca Junior (IBÁ)

 

COPACOL I: Unidade Industrial de Cafelândia atinge a marca de 2 bilhões de aves abatidas

Com a missão de desenvolver ações de cooperação do agronegócio, buscando a excelência dos produtos e serviços, a Copacol (Cooperativa Agroindustrial Consolata) atingiu uma marca histórica em uma de suas mais importantes atividades: 2 bilhões de aves abatidas na primeira Unidade Industrial, em Cafelândia, Oeste do Paraná.

Crescimento contínuo - O volume acumulado em praticamente 39 anos do início das operações da estrutura industrial demonstra o crescimento contínuo da avicultura na Cooperativa, que hoje representa 60,29% da participação do faturamento bruto, e ano passado totalizou R$ 5,6 bilhões. Com 6,2 mil cooperados em diversas atividades, 788 são avicultores, que mantém em pleno funcionamento 1.258 aviários.

Preferência - Considerada uma das proteínas mais ricas, a carne de frango tem grande preferência dos brasileiros, que consomem em média 43 quilos do produto ao ano, conforme a ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal). Com o total produzido na Unidade Industrial de Cafelândia desde a inauguração em 1982, que equivale a 5 milhões de toneladas de carne de frango in natura, seria possível atender a 55% da demanda nacional durante um ano.

Evolução - De 1982 a 1991, foram 84.479.288 aves abatidas; de 1992 a 2001 foram 314.874.191; de 2002 a 2011 foram 707.590.782 e de 2012 a 2021 foram 892.778.069 – chegando à marca comemorada pela Cooperativa.

Lote - O lote de aves dessa marca histórica veio da propriedade do seu Orisvaldo Cadamuro, que é de Formosa do oeste. O pai dele, Bento Cadamuro, iniciou a avicultura no sítio da família, em 1982. Hoje são três aviários, que ele cuida com a ajuda da esposa e do filho. “Construímos aviários novos e temos 90 mil aves alojadas agora. Lutamos bastante e temos bons resultados graças a assistência técnica e a Copacol”.

Oportunidades - Além de intensa produtividade para alimentar o Brasil e mais de 70 países ao redor do mundo, a Unidade Industrial garante emprego e renda diretamente para 4.137 colaboradores. Antônio Patrocínio, 52, está na Cooperativa há 35 anos e acompanhou todo o desenvolvimento da avicultura ao longo das décadas. Da pendura viva de aves, ele passou a supervisor de produção. A contratação foi a oportunidade de mudança de vida. “Só tinha a lavoura para trabalhar. A Cooperativa criou chances para gente ir mais longe. Em dois anos já fui promovido, trabalhando em setores diferentes, o que me proporcionou conhecer um pouco de tudo”.

Começo - Antonio acompanhou o começo das operações em um turno, a implantação do segundo turno em 1987 e agora participa da revitalização de toda a estrutura. “Como já atuei em todos os setores estou colaborando com os projetos. Isso tudo é como se fosse meu. Trabalho com dedicação, ajudando a Cooperativa a crescer”, declara Antônio.

Revitalização - A Unidade Industrial de Cafelândia vem passando por uma ampla modernização. A primeira fase finalizada em setembro do ano passado custou R$ 70 milhões, visando aumento da produção e bem-estar dos colaboradores. O novo espaço nas linhas de inspeção e cortes priorizou a ergonomia e a segurança dos colaboradores, facilitando a higienização do ambiente. Além de nova iluminação, o sistema de ventilação passou a contar com insuflação de ar frio e exaustão de ar quente. “Durante esses anos de avicultura a Unidade Industrial cresceu e buscou se adequar as exigências do Ministério da Agricultura. Em 2021 chegamos aos 39 anos focando em bem-estar e segurança dos colaboradores. Evoluímos muito para aumentar nossa produtividade e dar melhores condições ergonômicas aos colaboradores”, afirma o gerente da Unidade Industrial de Aves, Tomaz Kimura Júnior.

Modificações - Ainda estão previstas modificações das áreas da sala de cortes, dos processados e do congelamento, com previsão orçamentária de R$ 170 milhões.

Pioneira em avicultura - A Copacol foi a primeira cooperativa a implantar o sistema integrado de avicultura no oeste paranaense. A atividade veio como uma oportunidade para a diversificação, após uma estiagem intensa que afetou 70% da produção de grãos na região em 1978. O funcionamento da unidade industrial que agora chega a marca de 2 bilhões de aves abatidas começou em 5 de maio de 1982. Os primeiros aviários comportavam entre 5 mil e 12,5 mil aves.

Abate diário - O abate diário na fase inicial era de 6 mil aves (totalizando 2,1 milhões no ano) – hoje são 320 mil (total de 96,6 milhões ao ano). “A atividade trouxe oportunidade ao cooperado, gerou emprego e renda, proporcionando riquezas para toda a região. Tivemos o crescimento da Cooperativa para entrada de mais cooperados, com a diversificação e verticalização da produção, o que proporcionou melhores condições de vida para todas as cidades ao redor”, enaltece o diretor presidente, Valter Pitol, que participou de todo o processo de implantação da indústria, como um dos primeiros engenheiros agrônomos da Cooperativa.

Campo - A evolução de toda a atividade começa no campo, onde os cooperados contam com melhoramento genético e manejo moderno. Os investimentos garantem ao avicultor excelentes resultados, tanto que neste ano um novo recorde de valor pago por ave foi atingido na Cooperativa.

Maior valor - Ari Diefenthaeler, de Cafelândia, recebeu R$ 1,6733 por cabeça, maior valor já pago na Copacol. O peso de cada ave ficou em 3.459 gramas, ganho de peso diário de 75,20 gramas, conversão alimentar de 1,688, totalizando um IEP (Índice de Eficiência Produtiva) de 416 pontos. “Na avicultura tem que se empenhar e se dedicar. Para dar resultado bom todos que fazer sua parte: de um lado a Cooperativa nos dá todo auxílio, e de outro na propriedade temos nosso compromisso”, afirma o cooperado da Copacol. (Imprensa Copacol)

{vsig}2021/noticias/02/25/copacol_I/{/vsig}

COPACOL II: Marcando presença na Gulfood em Dubai

Considerada um horizonte pós-pandemia, a edição de 2021 da Gulfood em Dubai (Emirados Árabes Unidos) tem entre as grandes empresas expositoras a Copacol, que tradicionalmente participa da feira em busca de oportunidades de negócios no Oriente Médio, terceiro maior destino de produtos da Cooperativa que coopera sempre, no Brasil e no mundo. A marca já vende seus produtos para mais de 70 países. O volume de exportações no último ano chegou a 408,1 milhões de dólares.

Maior feira- A Gulfood é considerada a maior feira do setor alimentício do Oriente Médio e representa o retorno do Brasil em grandes eventos presenciais. O evento começou domingo (21/02) e segue até esta quinta-feira (25/02). A comitiva é liderada pela Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) e pela ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal).

Movimentação - A movimentação nestes quatro dias surpreende os expositores, que vem realizando rodadas de negócios e apresentações dos produtos para potenciais consumidores. A Copacol possui escritório em Dubai, tamanha a importância do mercado e também o nicho a ser alcançado em toda a região. “Temos a possibilidade de fortalecer nossas parcerias no mercado e ainda conquistarmos novos consumidores. Estávamos ansiosos por mais uma edição da Gulfood para avaliarmos a situação atual e ficamos surpresos - de uma maneira positiva - em relação a novas parcerias, levando nossos produtos e a essência de ser Copacol a outros países”, afirma o diretor presidente, Valter Pitol.

População vacinada - Com mais de 40% da população já vacinada, Dubai mantém ativas medidas de prevenção contra o Covid-19: durante a feira, os visitantes usam máscaras, respeitam o distanciamento social e há dispensers de álcool em gel em todos os estandes, que também estão equipados com barreiras acrílicas nas mesas.

Novas oportunidades de negócios - A feira possibilita novas oportunidades de negócios, com visitantes de todo o mundo, principalmente da Europa. Anualmente Dubai é o ponto internacional entre exportadores e importadores de países árabes, da Ásia e África, mercados de extrema importância para o setor da proteína animal. “Marcamos presença neste mercado significativo e esperamos obter excelentes resultados, principalmente agora com a retomada da economia pós-pandemia. Estamos com nossas atividades em expansão, com aumento de produção, e buscamos negócios que possam garantir nossa participação no mercado externo”, afirma o superintendente comercial, Valdemir Paulino dos Santos.

Escritório em Dubai - Para proporcionar a expansão da marca no mercado internacional, a Copacol implantou em 2018 o escritório de vendas da Cooperativa em Dubai. A unidade atende toda a região do Oriente Médio e norte da África – importantes importadores de nossos produtos. O mercado árabe corresponde a 20% do volume total exportado pela Copacol. Com o aumento gradativo da produção, a Cooperativa vem ampliando a participação na região. (Imprensa Copacol)

{vsig}2021/noticias/02/25/copacol_II/{/vsig}

COCARI: Recebimento de soja no Paraná e na região do Cerrado vem se intensificando

cocari 25 02 2021Projetando recebimento na ordem de mais de 1 milhão de toneladas de soja na safra 2020/21, as unidades da Cocari já começaram a receber a produção dos sojicultores. Para garantir a continuidade da qualidade deste serviço, tão logo foram encerradas as safras de trigo e milho, toda a estrutura de armazenagem passou por assepsia. Armazéns, silos, túneis e poços de elevadores foram higienizados e, além disso, foram realizadas manutenções corretivas e implantação de novos elevadores, de maiores capacidades, entre 240 e 300 toneladas por hora, mudanças nas salas de máquinas de recebimento, de beneficiamento e secagem, bem como ampliações com instalação de tombadores para veículos truck e bitrem.

Monitoramento - Todo esse cuidado é mantido durante o período de armazenagem. O produto recebido passa a ser monitorado diariamente até a sua expedição, garantindo, dessa forma, a qualidade do grão até que seja realizada a venda para o mercado interno ou externo.

Período de colheita - A colheita de soja teve início em janeiro e deve prosseguir até a primeira quinzena de abril. De acordo com o Departamento Técnico da Cocari, no Paraná, entre 12 e 22 de março, deve haver o maior volume de recebimento na cooperativa, com mais de 80% do volume da safra. As expectativas de produtividade no estado estão acima de 70 sacas, em média, podendo alcançar até 100 sacas por hectare. A produtividade na região do Cerrado se mostra dentro das médias históricas, próxima a 60 sacas por hectare, com até 92 sacas por hectare em área irrigada com materiais de produção da Cocari.

Incentivo à produtividade - Na última edição do programa de produtividade da cooperativa, o Colhendo Inovações, em 2020, foi conquistado incremento de 6% em relação à maior produtividade alcançada na edição 2019, de modo que o campeão do concurso registrou produtividade de 103,09 sc/ha.

Entrega de grãos - O horário de recebimento de grãos nos entrepostos da Cocari em períodos de safra vai até as 20h, podendo ser estendido até as 22h. Procure a unidade de recebimento mais próxima e entregue sua produção com segurança. (Imprensa Cocari)

 

CAPAL: Tec Campo Online mobiliza cooperados nesta quinta-feira

capal 25 02 2021Pela primeira vez, o tradicional Tec Campo, dia de campo exclusivo aos cooperados da Capal, será virtual. O evento atualiza e apresenta soluções aos desafios dos agricultores para o cultivo de grãos. A edição deste ano ocorre nesta quinta-feira (25/02), às 16h, e tem a realização da Capal em parceria com a Fundação ABC.

Produção - O coordenador de Assistência Técnica da cooperativa, Roberto Martins, lembra que estudos apontam mais de 50 fatores que influenciam a produção no campo. Martins afirma que o Tec Campo vai ao encontro da missão da cooperativa, que é o desenvolvimento contínuo do associado, agregando valor a sua produção. “Buscamos trazer essas inovações e melhorias em práticas no campo, além de informações de cunho operacional ao dia a dia da atividade agropecuária”, conta.

Acesso - Os cooperados do Paraná e de São Paulo, onde a Capal tem atuação, terão acesso às principais ferramentas e inovações. De forma virtual, devido à covid-19, serão trabalhados os temas Entomologia, com a ocorrência do inseto broca-das-axilas e da lagarta falsa medideira em soja Intacta e a importância da amostragem para definição das estratégias de controle de pragas; Fitopatologia, com tratamento de sementes da soja e o momento da primeira aplicação, dando enfoque nas perdas em produtividade; Fitotecnia, com o posicionamento de cultivares de soja; Forragens & Grãos, com os genótipos de milho e sorgo para a safrinha; e Solos e Nutrição de Plantas, com o manejo de calagem e gesso para altas produtividades.

Pandemia - Gerente técnico de Pesquisa da Fundação ABC, Luís Henrique Penckowski destaca que, devido à pandemia, foi necessário “acelerar em relação aos meios para se comunicar com os cooperados e agrônomos”. Ele reforça que “o ano de 2020 nos ensinou a ser mais assertivos e objetivos para repassar as informações aos cooperados”.

Sob medida - Apesar da Capal ter 153 mil hectares de área assistida, uma das principais características do Tec Campo é o cooperado ter uma apresentação “sob medida” à sua necessidade. “A experiência da Tec Campo é muito boa, sempre trabalhando nas microrregiões, o que é um diferencial. Abrimos espaço para o diálogo e, nessa edição virtual, vamos ter um tempo para perguntas, em que o cooperado pode tirar suas dúvidas específicas”, afirma Penckowski.

Levantamentos - Junto com a Fundação ABC, a Capal faz os levantamentos com os desafios, dificuldades e limitações que o cooperado tem no campo. “Frente a isso, nós temos um comitê técnico-científico, do qual eu faço parte, que leva as demandas à Fundação. Fazemos uma mesa-redonda de como poderíamos abordar, fazer um estudo de soluções e melhorias, adequações frente a essas dificuldades. Assim, são desenvolvidos ensaios e trabalhos em várias regiões”, explica Martins.

Campos demonstrativos - A Fundação ABC tem campos demonstrativos experimentais onde são feitos ensaios junto aos associados a fim de encontrar resultados ou mesmo caminhos para enfrentar as dificuldades. “É feito um direcionamento para os resultados serem representativos e trazerem um agregado de valor aos cooperados, com auxílio e discussões para as dificuldades impostas”, conclui o coordenador da Capal.

Sobre a Capal Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1960, a Capal conta atualmente com mais de 3,2 mil associados, distribuídos em 21 unidades de negócios, nos estados do Paraná e São Paulo. A cadeia agrícola responde por cerca de 65% das operações da cooperativa, produzindo mais de 734 mil toneladas de grãos por ano, com destaque para soja, trigo, milho e café. A área agrícola assistida ultrapassa os 153 mil hectares. O volume de leite negociado mensalmente é de 12 milhões de litros, proveniente de 320 produtores. Além disso, a cooperativa comercializa mais de 31 mil toneladas de suínos vivos. (Imprensa Capal)

 

COCAMAR I: Cooperativa apoia campanha em prol do Hospital do Câncer de Londrina

cocamar I 25 02 2021Uma iniciativa inédita pretende arrecadar fundos para ajudar o Hospital do Câncer de Londrina. Sete grandes organizações do setor de agronegócios, entre elas a Cocamar, se uniram para movimentar a Campanha Solidária “Saca do bem”.

Doação - A campanha está sendo lançada em plena colheita da soja. Os primeiros caminhões já estão chegando nas unidades de armazenamento e o momento não poderia ser mais propício para as arrecadações. Os agricultores que optarem pela doação, ao entregarem a produção nas unidades de recebimento das empresas, poderão destinar o número de sacas que quiserem ao Hospital do Câncer. O valor financeiro referente à quantidade doada será destinado ao HCL.

Fundamental - Para a coordenadora geral da captação de recursos e voluntariado do hospital, Iracema Fabian, a mobilização será fundamental para a manutenção dos atendimentos. A instituição tem 55 anos de existência e atende hoje mais de 40 mil pessoas, em mais de 250 municípios.

Solidariedade - O coordenador do marketing da campanha, Fabio Maneiro, explica que o ano de 2020 foi difícil para todos, mas principalmente para o setor da saúde, que depende da solidariedade constante para manter os atendimentos. “O agro sempre nos ajudou, mas este apoio coletivo, com o engajamento de todos os diretores, gerentes e colaboradores, me deixou muito emocionado, pois estamos falando de alimento, de cura para estas pessoas, afinal, nestes tempos difíceis de pandemia, a saúde é o que importa”, finaliza.

Informar - Presentes do norte a oeste do Paraná, as empresas participantes da campanha já estão aptas a receberem as doações. Para isso, basta o produtor informar a quantidade de sacas a serem doadas, no momento da entrega da soja. (Imprensa Cocamar)

 

COCAMAR II: Adaptação ao trabalho remoto supera expectativas

No início do ano passado, quando as empresas tiveram que adotar medidas protetivas para resguardar seus colaboradores em razão da pandemia do novo coronavírus, uma delas foi a implementação do trabalho remoto – incentivando-os a permanecerem em casa.

Não tumultuou a rotina - Naquele momento, por ter saído na frente, a Cocamar estava preparada para oferecer a seus profissionais a possibilidade de exercerem as funções como se estivessem fisicamente no ambiente da cooperativa. “A adaptação para o trabalho em domicílio não tumultuou nossa rotina”, afirma a gerente executiva de Tecnologia de Informação (TI) e Gestão, Paula Rebelo.  

Saindo na frente - Ela conta que em 2019, seguindo seu planejamento, a Cocamar investiu no aprimoramento da estrutura de TI, o que lhe permitiu, entre outros avanços e inovações, a possibilidade de implementar o trabalho à distância – ainda que isto não estivesse nos planos da maior parte das organizações.

Citrix - Paula explica que a cooperativa possui o Citrix, uma plataforma de acesso externo “que dispensa o uso de computadores parrudos na ponta” e, além de garantir o trabalho em domicílio como se colaborador estivesse na cooperativa, viabilizou reuniões virtuais de alta qualidade por meio do aplicativo Microsoft Teams.

Economia - Em resumo, as soluções para superar o desafio trazido pela pandemia alteraram os hábitos no ambiente nas empresas, flexibilizando as rotinas sem perda do engajamento e da produtividade, e tornaram desnecessários os deslocamentos para reuniões e cursos, gerando economia de tempo e dinheiro. “Por ser um modelo de vanguarda, com a cultura de pensar sempre adiante, a Cocamar antecipou-se rapidamente por estar preparada”, conclui a gerente executiva.

Premiação - A história da Cocamar com a Citrix vem de longa data. Em 2008, a cooperativa recebeu uma importante premiação mundial pela fluidez que assegurou ao recebimento das safras, a partir da utilização de um aplicativo inovador, desenvolvido por aquela companhia. (Imprensa Cocamar)

 

SICREDI VALE DO PIQUIRI: Iniciadas as ações do Programa A União Faz a Vida

sicredi vale piquiri 25 02 2021A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP deu início À agenda de 2021 do Programa A União Faz a Vida com uma live que abordou os desafios na volta às aulas. O encontro on-line contou com a participação de mais de 900 professores e foi conduzido pelo escritor Marcos Meier e pela psicóloga Raiana Bonatti.

Dicas - Na primeira parte da reunião, a psicóloga Raiana deu dicas de como os professores e a comunidade escolar podem se preparar para a volta às aulas. “Queremos ensinar as estratégias para os professores se sentirem mais seguros emocionalmente”, afirma.

Segurança e criatividade - Na sequência, o especialista Marcos mostrou como os professores e os pais podem estar seguros e recepcionar de forma criativa esses estudantes. “Esperamos que a gente possa ajudar a cada um de vocês com elementos da educação e da psicologia para auxiliar no retorno”, conta.

Ansiedade - Para os professores, o conteúdo auxiliou na baixa da ansiedade, já que comunidade escolar ainda tem muitas dúvidas de como será o ano letivo. “Os assuntos apresentados pelo Marcos e pela Raiana nos auxiliaram a encontrar alternativas para iniciarmos bem. O melhor foi perceber que parte da mudança inicia dentro de cada um de nós”, argumenta a secretária de educação de Pérola (PR), Maria Sônia Celini.

Novidades - A gerente de desenvolvimento do cooperativismo da Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, Cláudia Bonatti, adiantou ainda as novidades do PUFV ao longo do ano. “Pela frente, trabalharemos em vários projetos, que serão realizados de forma diferente dos anteriores e de maneira muito atrativa, com perguntas exploratórias junto às famílias. O Programa faz a diferença na vida da comunidade e já está presente em 20 municípios da área de atuação da cooperativa”.

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP - A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, uma das 108 cooperativas do Sicredi, conta com 32 anos de história e mais de 163 mil associados. A área de atuação da cooperativa abrange 43 cidades no estado do Paraná e 8 cidades no estado de São Paulo, incluindo a capital paulista e cidades vizinhas do grande ABCD. São 92 espaços de atendimento, sendo 52 no Paraná e 40 em São Paulo (sicredi.com.br/vale-piquiri/).

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,9 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 23 estados e no Distrito Federal, com mais de duas mil agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

 

SICOOB CREDICAPITAL: Quadro social chega aos 40 mil cooperados e comemora a conquista

sicoob credicapial 25 02 2021No ano de seu 20º aniversário, o Sicoob Credicapital tem outro motivo importante para comemorar. Em janeiro, a cooperativa chegou aos 40 mil cooperados. A conta que garantiu essa conquista foi aberta em Cascavel (PR), na agência que fica localizada na Av. Carlos Gomes.

Marco histórico - O diretor de mercado, Waldemar Paetzold, comenta que esse é um marco histórico para a cooperativa. “Representa a grandeza do Sicoob Credicapital, que está se consolidando como uma das maiores cooperativas integrantes do sistema no Brasil. Além disso, mostra também que o nosso modelo de negócio vem ganhando o mercado em relação aos bancos privados. São as pessoas acreditando no nosso diferencial e nosso propósito de conectar pessoas para promover justiça financeira e prosperidade”, comenta.

Reconhecimento - Para o presidente do Conselho de Administração do Sicoob Credicapital, Guido Bresolin Júnior, chegar aos 40 mil cooperados significa o reconhecimento de um trabalho bem feito pelos dirigentes da cooperativa e também de todos os colaboradores. Além disso, representa a certeza de que o cooperativismo traz bons resultados para as pessoas e também para as comunidades.

Comemoração - Para celebrar o momento, a equipe da agência Carlos Gomes preparou um café da manhã especial para receber a cooperada Iberenice da Costa, representante da IT Santos da Costa, empresa titular da conta 40 mil. Além da surpresa da recepção, ela também foi contemplada com uma linda cesta contendo brindes da cooperativa.

Chance - Iberenice conta que se tornou cooperada do Sicoob em uma agência bem pequena. “Na época eu quis dar uma chance a esse modelo de negócio e hoje, me arrependo por não ter me tornado cooperada antes. Agora o Sicoob é sempre minha primeira opção”, conta.

União - Empreendedora e com espírito cooperativista, Iberenice ressalta que a união faz a força. Ela possui outras contas na cooperativa e, por isso, ao abrir a nova empresa, fez questão de que essa também fosse cooperada Sicoob. Para simbolizar ainda mais o momento, durante o evento a cooperada assinou o contrato onde investe R$ 40 mil em cota capital na cooperativa. “Acredito que se minha empresa cresce, a cooperativa também cresce. Essa é a minha visão sobre cooperativismo, todos têm que crescer juntos”, ressalta. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

UNIPRIME: Divulgado o Relatório de Gestão

uniprime 25 02 2021Visando manter a transparência com seus cooperados, a Uniprime acaba de divulgar o Relatório de Gestão, com informações importantes sobre as ações praticadas pela cooperativa em 2020 e os resultados alcançados no exercício do ano passado.

Versão on-line - A versão on-line já pode ser acessada no site da Uniprime (AQUI), e o material impresso será entregue ao Banco Central, aos Conselheiros de Administração e Fiscal, aos colaboradores, às entidades cooperativas, às empresas de auditorias, e aos demais parceiros e fornecedores, além de nossos cooperados.

Gerente - Para garantir a sua edição, fale com seu Gerente Uniprime. (Imprensa Uniprime)

 

UNIMED PONTA GROSSA: Cooperativa nomeia os agentes de comunicação

Na tarde da última terça (23/02), a Unimed Ponta Grossa realizou a cerimônia de nomeação dos agentes de comunicação da cooperativa. O evento foi em ambiente online e contou com a participação dos 29 colaboradores selecionados para o primeiro ciclo do programa.

Presença - A diretora de Mercado e Desenvolvimento, Michele Cação Ribeiro, esteve presente, representando toda a diretoria executiva e o evento também contou com a participação da gerência de Marketing e Comunicação e gerência de Gestão de Pessoas.

Transformação - O Programa Uninfluencers, como foi intitulado, tem o objetivo de transformar a comunicação interna de uma forma colaborativa, reduzindo as lacunas dos fluxos de informação e trazendo mais assertividade na comunicação institucional.

Melhorias - De acordo com Michele, a diretoria acredita que a contribuição do programa nas melhorias e assertividades de comunicação vão auxiliar o crescimento da cooperativa como um todo. “Esse projeto vai ajudar em uma das nossas grandes dores, que é a comunicação. É muito bom ver essa valorização da comunicação interna, principalmente agora que temos um time de colaboradores dispostos a fazer isso acontecer, engajados e assumindo o papel de protagonistas dessa mudança”, enfatizou a diretora durante o evento.

Estratégica - A abordagem de posicionar o colaborador como um influenciador também foi estratégica na estruturação o programa. O gerente de Marketing e Comunicação da cooperativa, Sandri Anderson, explica que, de forma geral, o acesso das pessoas à informação hoje é muito rápido, com mudanças constantes e em um volume elevado.

Novas formas e tendências - “A comunicação precisa ser autêntica, verdadeira e precisa acompanhar as novas formas e tendências de como as pessoas consomem informação. A roupagem do Uninfluencers, com linguagem descontraída e leve, foi escolhida de forma que possamos conectar os objetivos e necessidades das nossas unidades de negócio e nossos públicos. Os influenciadores internos serão uma extensão da comunicação institucional”, ressalta Sandri.

Referência - Todas as áreas da cooperativa, da operadora e dos recursos próprios, foram divididas entre 29 agentes de comunicação, que serão a referência das equipes para buscar assuntos institucionais e esclarecer dúvidas sobre os que forem divulgados. O intuito também é que esses Uninfluencers auxiliem no reforço de campanhas e assuntos estratégicos junto aos colegas de área, como, por exemplo.

Kit - Os agentes de comunicação também receberam um kit com camiseta, adesivo, encarte personalizado e bottom para facilitar a identificação pelos demais colaboradores.

Vídeos - Como parte desse início de atuação dos Uninfluencers, foram disponibilizados cinco vídeos de capacitação sobre temas-chave, que irão balizar a contribuir com as atividades dos influenciadores, como: o que é comunicação; cooperativismo e comunicação; cultura da marca Unimed; Jeito de Cuidar e Mude1Hábito; e dicas para se comunicar bem.

Primeiro ciclo - O primeiro ciclo do Programa terá a duração de 18 meses e então será aberto um novo. Dessa forma, a intenção é oportunizar a participação de mais colaboradores, contribuindo para o desenvolvimento pessoal e profissional. O processo de seleção dos Uninfluencers segue um dos princípios do cooperativismo, que é a livre adesão. Podem se inscrever todos os colaboradores que tenham interesse em participar, sem indicação ou interferência do gestor. O candidato passa por mais duas etapas e, após a conclusão, todos recebem um retorno sobre o resultado. (Imprensa Unimed Ponta Grossa)

{vsig}2021/noticias/02/25/unimed_ponta_grossa/{/vsig}

COMUNICAÇÃO: Últimos dias para a inscrição no 14º Prêmio New Holland de Fotojornalismo

comunicacao 25 02 2021Últimos dias para participar do 14º Prêmio New Holland de Fotojornalismo, que oferece um total de R$ 40 mil para as melhores imagens. As inscrições da premiação, que registra a vida no campo, vão até o dia 28 de fevereiro e podem ser realizadas no endereço premionewholland.com.

Categorias - Um dos mais importantes da América do Sul, o Prêmio oferece R$ 5 mil e R$ 15 mil aos vencedores nas categorias “Aficionado” e “Profissional”, respectivamente, para campo e máquina. Cada participante pode inscrever gratuitamente até dez imagens. Esta edição tem como tema “Agricultura, substantivo feminino” e valoriza a força da mulher no campo. Entretanto, as imagens não devem ser somente sobre mulheres, mas voltadas ao campo, sua cultura, cotidiano e relações de trabalho.

Realização - O Prêmio é realizado pela Mano a Mano Produções, apoiado pela Lei de Incentivo à Cultura da Secretaria Especial da Cultura e patrocinado pela New Holland Agriculture e pelo Banco CNH Industrial. Mais informações no site premionewholland.com e pelo e-mail duvidas@premionewholland.com. (Assessoria de Imprensa da New Holland)

 

ABIMAQ: Vendas da indústria de máquinas tem alta de 38,5% em janeiro

abimaq 25 02 2021As vendas da indústria brasileira de máquinas e equipamentos totalizaram no mês de janeiro R$ 12,5 bilhões, resultado 38,5% superior ao registrado no mesmo mês de 2020, e o melhor para um mês de janeiro desde 2015, quando o setor havia faturado R$ 13,2 bilhões. Os dados, divulgados nesta quarta-feira (24/02), são da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

Mercado interno - Da receita total de R$ 12,5 bilhões, R$ 9,6 bilhões foram de vendas para o mercado interno brasileiro, resultado 50,8% superior a janeiro de 2020. “Dentre os segmentos que sinalizaram aumento nas vendas, destaque para máquinas agrícolas com avanço nas empresas de todos os portes. Outro segmento que tem colaborado para a alta das vendas internas é máquinas para infraestrutura, incentivado, em grande medida, pelo andamento do Programa de Parcerias de Investimento (PPP)”, destacou a entidade, em nota.

Exportações - O setor vendeu ao exterior, no mês de janeiro, R$ 545,8 milhões em equipamentos, montante 1,6% inferior ao registrado no mesmo mês de 2020. Em relação a dezembro, as exportações foram 28,1% menores.

Redução do comércio global - “As exportações de máquinas e equipamentos sentiram fortemente a redução do comércio global em razão da pandemia em 2020. Após crescer 0,9% em dezembro, as exportações de máquinas recuaram 1,6% em janeiro de 2021, em linha com a sazonalidade de início de ano”, ressaltou a entidade. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

IRPF2021: Divulgadas as regras sobre a entrega da Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física 2021

irpf 25 02 2021A Receita Federal anunciou, na tarde desta quarta-feira (24/02), as regras para a entrega da Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física (DIRPF 2021). O prazo de envio terá início às 8h do dia 1º de março e terminará às 23h59min59s, horário de Brasília, do dia 30 de abril de 2021. Após essa data, o contribuinte que apresentar a declaração estará sujeito à multa pelo atraso. A expectativa é de que 32 milhões de declarações sejam enviadas até o final do prazo.

Programa Gerador - O Programa Gerador da DIRPF2021 estará disponível para download a partir das 8 horas desta quinta-feira (25/02), assim como o aplicativo “Meu Imposto de Renda”. Na mesma data será lançada a nova página do Imposto de Renda no site da RFB, com linguagem simplificada para maior acessibilidade. Outra novidade é que, para sistemas operacionais Windows, Linux e Mac, não será mais necessário instalar a plataforma computacional Java para envio da Declaração de Imposto de Renda. Acesse www.gov.br/receitafederal e clique em "Meu Imposto de Renda".

Cronograma de restituição - A Receita Federal manterá o cronograma de pagamento das restituições em cinco lotes e o início da devolução já para o mês subsequente ao término do prazo de entrega:

1º lote: 31 de maio de 2021

2º lote: 30 de junho de 2021

3º lote: 30 de julho de 2021

4º lote: 31 de agosto de 2021

5º lote: 30 de setembro de 2021

Priorizadas - As restituições serão priorizadas pela data de entrega da DIRPF. Algumas categorias de contribuintes têm prioridade legal no recebimento da restituição: aqueles com 60 anos ou mais, sendo assegurada prioridade especial aos maiores de 80 anos; os portadores de deficiência física ou moléstia grave e contribuintes cuja maior fonte de renda seja o magistério.

Auxílio emergencial - Os contribuintes que receberam o auxílio emergencial por conta da pandemia da Covid-19 são obrigados a declarar o Imposto de Renda da Pessoa Física, caso tenham recebido, junto com o auxílio, outros rendimentos tributáveis em valor anual superior a R$ 22.847,76. O contribuinte que tiver rendimento maior que esse valor deve devolver o auxílio emergencial. Estima-se que cerca de 3 milhões de declarações em nível nacional possua algum tipo de devolução a ser feita. Informações sobre como realizar a declaração e a devolução podem ser encontradas no site do Ministério da Cidadania (https://www.gov.br/cidadania/pt-br/servicos/auxilio-emergencial).

Declaração pré-preenchida - Neste ano, a Receita Federal está ampliando o rol de contribuintes que podem ter acesso à declaração pré-preenchida, com a inclusão de cidadãos que tenham acesso registrado no portal gov.br com um fator duplo de autenticação. A previsão de liberação dessa funcionalidade, que traz economia aos contribuintes que não adquiriram seu certificado digital, é 25 de março de 2021.

Informações - O contribuinte inicia com a declaração preenchida com diversas informações já prestadas à Receita Federal por outras fontes. Cabe ao cidadão apenas verificar as informações, corrigindo eventuais distorções e complementando, se necessário.

Disponível - A declaração pré-preenchida está disponível exclusivamente por meio do serviço Meu Imposto de Renda, quando acessado pelo e-CAC. Porém, é possível recuperar as informações no e-CAC, salvar na nuvem e continuar nos outros meios de preenchimento.

Alertas de mensagens importantes - Alertas sobre a existência de mensagens importantes na caixa postal poderão ser enviados para o e-mail ou número de telefone do contribuinte, informados na ficha de identificação.

Visualização - Para visualizar a mensagem é preciso acessar o Portal E-CAC.

Alertas - Lembrando que apenas alertas de mensagens poderão ser enviados pela Receita Federal por esses meios. A comunicação é mediada pelo Portal E-CAC e a Receita Federal não realiza comunicação com o contribuinte por e-mail ou mensagens telefônicas solicitando dados, informações bancárias ou informando trâmites dos contribuintes.

Obrigatoriedade - A obrigatoriedade do envio da Declaração do Imposto de Renda recai sobre o contribuinte pessoa física, residente no Brasil, que recebeu, no ano-calendário 2020, rendimentos tributáveis sujeitos à declaração no valor acima de R$ 28.559,70.

Atividade rural - Em relação à atividade rural, obteve receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50;

Rendimentos isentos - Recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000,00;

Ganho de capital - Obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;

Posse ou propriedade de bens - Teve, em 31 de dezembro, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300.000,00;

Multa - O não envio da Declaração dentro do prazo resulta em multa por atraso. (Receita Federal do Brasil)

 

LEGISLATIVO I: Senado aprova Marco Legal das Startups; texto vai à Câmara

legislativo I 25 02 2021O Senado aprovou nesta quarta-feira (24/02), por unanimidade, o Marco Legal das Startups e do empreendedorismo inovador. O Projeto de Lei Complementar (PLP) 146/2019 traz medidas de estímulo à criação de empresas de inovação e estabelece incentivos para quem investir nessas empresas. Como foi aprovado com mudanças, o texto voltará para a Câmara dos Deputados, onde teve origem.

Importância - “É um segmento, um ecossistema, da maior importância para o futuro do Brasil, para a juventude e para os empreendedores. Parabenizo a todos os senadores pelo debate democrático e pela conclusão da aprovação do Marco Legal das Startups, atendendo, na sua maioria, ao que pretendia o ecossistema”, comemorou o relator, senador Carlos Portinho (PL-RJ).

Princípios e diretrizes- O PLP 146/2019, de autoria do deputado federal JHC (PSB-AL), traz a definição de startups e estabelece os princípios e as diretrizes para a atuação da administração pública no setor. Também prevê medidas de fomento ao ambiente de negócios e ao aumento da oferta de capital para investimento em empreendedorismo inovador. Além disso, traz normas sobre licitação e contratação de soluções inovadoras pela administração pública.

Instrumento de desenvolvimento - O texto destaca que “empreendedorismo inovador” é instrumento de desenvolvimento econômico, social e ambiental a ser promovido de forma colaborativa pela iniciativa pública e privada. Já as startups são, de acordo com o projeto, empresas e sociedades cooperativas que atuam na inovação aplicada a produtos, serviços ou modelos de negócios.

Receita bruta - A proposta aprovada no Senado estabelece que a receita bruta das startups deve ser de até R$ 16 milhões no ano anterior e a inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) deve ter no máximo dez anos. Também exige que a empresa tenha declarado, na sua criação, o uso de modelos inovadores ou que se enquadre no regime especial Inova Simples, previsto no Estatuto das Micro e Pequenas Empresas. Para entrar no Inova Simples, no entanto, o limite de renda é menor: a receita bruta máxima é de R$ 4,8 milhões.

Financiamento - Pelo projeto, as startups poderão admitir aporte de capital por pessoa física ou jurídica, com obrigatório registro contábil. Esse aporte pode resultar ou não em participação no capital social, a depender do instrumento adotado.

Investidor-anjo - Existe também a figura do investidor-anjo — a pessoa física que aplica o próprio patrimônio em empresas de alto potencial de retorno. Sua importância está no fato de que, além de ajudar financeiramente a startup, eles também trazem suas experiências e rede de contatos para auxiliar os negócios.

Deliberações - Pelo texto, o investidor-anjo não será considerado sócio nem possuirá direito à gerência ou a voto na administração da empresa, mas poderá participar nas deliberações em caráter estritamente consultivo, estabelecido em contrato. Esse investidor não responderá por dívida da empresa, inclusive em recuperação judicial, e não será estendido a ele nenhuma obrigação da empresa — como as trabalhistas, por exemplo.  

Participação do Estado - O projeto permite a participação do Estado no processo de estímulo às startups, com uma modalidade especial de licitação que consiste na contratação de pessoas ou empresas para teste de soluções inovadoras, com ou sem risco tecnológico. A intenção é resolver demandas públicas que exijam solução inovadora com emprego de tecnologia, além de promover a inovação no setor produtivo por meio do uso do poder de compra do Estado.

Fomento à inovação - “Entendemos que esse seja um poderoso instrumento de fomento à inovação focada na solução de problemas econômicos e sociais enfrentados pelo Estado, aproximando o setor público das soluções inovadoras”, explicou Carlos Portinho.

Novas modalidades - De acordo com o relator, com as novas modalidades de contratação criadas pelo projeto, o Estado poderia, por exemplo, demandar soluções inovadoras para problemas enfrentados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), como medicamentos inteligentes, kits de diagnóstico rápido, equipamentos portáteis, logística e entrega de medicamentos, vacinas e equipamentos em áreas remotas. As soluções, segundo o senador, podem reduzir custos do SUS, aumentar a eficiência e garantir a melhores condições de vida à população.

Ações - O texto que havia sido aprovado pela Câmara incluía a possibilidade de concessão de incentivo por meio da opção de subscrição de ações, a chamada stock option ou (plano de opção de ações). Os stock options são a opção de o funcionário comprar ações da empresa em que trabalha, a preços mais baixos que os de mercado. Dessa forma, espera-se que os empregados tenham interesse direto no sucesso da empresa e haja melhora nas relações trabalhistas, além de retenção de talentos. Carlos Portinho retirou a possibilidade de stock options do texto.

Projeto específico - De acordo com o relator, apesar de serem um instrumento importante para as startups, as stock options não são restritas a elas, e por isso o assunto deveria ser tratado em outro projeto, específico para esse fim. Além disso, ele citou decisões judiciais que apontam a natureza mercantil e não remuneratória desse tipo de instrumento, ao contrário do que constava no texto aprovado pela Câmara. Para não atrasar a aprovação do projeto, já que esse tema foi objeto de emendas de vários senadores, ele se comprometeu a apresentar outro projeto de lei sobre o tema.

Outras emendas - Carlos Portinho também acolheu emenda do senador Jorginho Mello (PL-SC) para excluir da Lei das Sociedades por Ações o critério do número máximo de acionistas para que empresas sejam dispensadas de fazer publicações obrigatórias (balanços, por exemplo) em jornais de grande circulação. A autorização para que as publicações fossem feitas por meio eletrônico já foi tema de uma medida provisória que perdeu a validade sem ser votada pelo Congresso: a MP 892/2019.

Companhias fechadas - Atualmente, essa dispensa é para companhias fechadas com menos de 20 acionistas e patrimônio líquido de até R$ 10 milhões. O texto aprovado pela Câmara aumentou os limites para 30 acionistas e receita bruta anual de até R$ 78 milhões. Com a emenda acatada pelo relator, o critério do número de acionistas foi excluído e as empresas com receita bruta anual de até R$ 78 milhões estariam dispensadas das publicações impressas.

Incentivos fiscais - Outra emenda aceita pelo relator foi apresentada pelo líder do governo na Casa, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), visando suprimir a parte do texto que concedia incentivos fiscais à inovação. De acordo com o governo, a criação dos incentivos não foi acompanhada de uma estimativa de impacto orçamentário e financeiro, o que contraria a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Adiantamento - Também foi acatada parcialmente uma sugestão da senadora Daniella Ribeiro (PP-PB) para garantir o pagamento antecipado de parte do valor do contrato a startups vencedoras de licitação. No texto original, havia a possibilidade de antecipação, não a obrigatoriedade. O percentual mínimo de 20% sugerido pela senadora não foi incluído do texto.

Agradecimento - A senadora agradeceu o esforço do relator para chegar a um consenso. Outros senadores também elogiaram o relator, que concordou em adiar a votação do projeto, na última terça-feira, para buscar um consenso sobre os pontos em que havia discordância entre os senadores.

Parabenização - “A Presidência parabeniza o senador Carlos Portinho, relator da matéria, pelo trabalho desenvolvido e, igualmente, o Plenário do Senado, pela aprovação”, disse o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

Elogio - Jorginho Mello também elogiou o trabalho do relator, que, no seu entendimento, impediu prejuízos ao ao pequeno e microempresário. “O relatório coloca as startups, que são uma grande oportunidade de renda, de progresso, de desenvolvimento, numa legislação mais aprimorada”, comemorou.

Líderes do governo - O esforço por um consenso também foi ressaltado pelos líderes do governo, Fernando Bezerra Coelho, e da minoria, Jean Paul Prates (PT-RN). O líder do governo destacou o esforço do relator, que fez audiências públicas e reuniões para chegar a um texto de “amplo consenso”. Já o líder da minoria disse que o texto traz para as leis do Brasil dispositivos e soluções que já são adotados no “mundo moderno e real”. Ele também agradeceu a retirada de dispositivos que afetariam direitos previdenciários e trabalhistas. (Agência Senado)

FOTO: Jefferson Rudy/Agência Senado

 

LEGISLATIVO II: Plenário deve analisar PEC Emergencial nesta quinta-feira

legislativo II 25 02 2021O Plenário do Senado deve analisar nesta quinta-feira (25/02) a chamada PEC Emergencial (PEC 186/2019), que traz medidas fiscais que permitiriam a retomada do pagamento de auxílio emergencial a brasileiros afetados pela crise econômica causada pela pandemia de covid-19. O relator, senador Marcio Bittar (MDB-AC), apresentou o parecer na segunda-feira (22/02), na forma de substitutivo.

Entendimentos - Apesar de constar na pauta, a votação da matéria ainda depende de entendimentos entre os líderes. Nesta quarta-feira (24/02), parlamentares do PT e representantes das centrais sindicais foram recebidos pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, a quem pediram o adiamento da votação do texto. O grupo defende que os debates sejam voltados a temas como a retomada do auxílio emergencial e a ampliação do acesso às vacinas pela população, mas sem vinculá-los à PEC, cujo relatório sugere, entre outros pontos, acabar com o piso para o investimento orçamentário em saúde e educação.

Adiamento - Em entrevista coletiva na noite de terça-feira (23/02), Pacheco destacou que a votação pode ser adiada se não houver acordo de lideranças partidárias.

Relatório - Marcio Bittar propôs um protocolo de responsabilidade fiscal e uma “cláusula de calamidade” para que o governo federal possa manter o pagamento do auxílio emergencial em 2021. A definição dos valores da parcela, da vigência e das fontes para bancar o repasse seriam definidas por projeto de lei ou medida provisória a ser encaminhada pelo Executivo.   

Despesas - Conforme o substitutivo, as despesas decorrentes da concessão do auxílio não serão consideradas para fins de apuração da meta fiscal e deverão ser atendidas por meio de crédito extraordinário.

Dois turnos - Por se tratar de uma proposta de emenda à Constituição, a matéria precisará ser aprovada em dois turnos, por no mínimo 49 senadores. Entre os dois turnos, é necessário um intervalo de cinco dias úteis — mas esse interstício pode ser revisto se houver entendimento entre os líderes.

Governo Digital - Na pauta do Plenário também está o PL 317/2021, que prevê a desburocratização e institui mecanismos para a eficiência na administração pública no atendimento ao cidadão. Intitulado “Governo Digital”, o projeto traz regras e instrumentos para a prestação digital de serviços públicos. O texto chegou a constar na pauta de quarta-feira (24), mas o relator, senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL) pediu o seu adiamento, diante do grande números de emendas apresentadas.

Inovações - Entre as inovações, o PL 317/2021 determina que seja disponibilizada uma plataforma única de acesso às informações e aos serviços públicos, possibilitando ao cidadão demandar e acessar documentos, sem necessidade de solicitação presencial.

Base Nacional - Está prevista também a criação da Base Nacional de Serviços Públicos: base de dados que reunirá as informações necessárias sobre a oferta de serviços públicos em cada ente da federação. Segundo o texto, caberá à União criar políticas públicas para o financiamento dos órgãos da administração direta interessados em implementar essas medidas. (Agência Senado)

FOTO: Waldemir Barreto / Agência Senado

 

SAÚDE I: Brasil registra 1.428 novas mortes por Covid-19

O número de pessoas que não resistiram à covid-19 chegou a 249.957 nesta quarta-feira (24/02). Em 24 horas, foram registradas 1.428 mortes. Em contrapartida, 9.281.018 pessoas já se recuperaram da doença.

Total de infectados - O total de pessoas infectadas pelo coronavírus desde o início da pandemia é de 10.324.463. Entre terça e quarta-feira (23 e 24/02), foram confirmados 66.588 novos casos da doença. Ainda há 793.488 pessoas, consideradas casos ativos, que seguem em acompanhamento por profissionais de saúde.

Estados - Na lista de estados com mais mortes, São Paulo ocupa a primeira posição (58.528), seguido por Rio de Janeiro (32.574), Minas Gerais (17.974), Rio Grande do Sul (12.029) e Paraná (11.358). As Unidades da Federação com menos óbitos são Acre (975), Roraima (1.074), Amapá (1.131), Tocantins (1.496) e Rondônia (2.787). (Agência Brasil)

 

saude I tabela 25 02 2021

SAÚDE II: Paraná tem 4.449 novos casos e 65 mortes. Estado vacinou 380.019

saude II 25 02 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quarta-feira (24/02) 4.449 novos casos confirmados e 65 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.Os dados acumulados do monitoramento mostram que o Paraná soma 623.385 casos confirmados e 11.271 mortos em decorrência da doença.

Meses - Os casos divulgados nesta data são de janeiro (61) e fevereiro (4.296) de 2021 e dos seguintes meses de 2020: junho (1), julho (4), agosto (5), setembro (1), outubro (2), novembro (15) e dezembro (64).

Vacina - O Paraná já aplicou 380.019 vacinas, sendo 286.837 da primeira dose e 93.182 da segunda até a manhã desta terça-feira (23). Portanto, 286.837 paranaenses já foram vacinados. Ao todo, o Estado recebeu 641.400 doses do Governo Federal até o momento.

Clique aqui.

Internados - 1.471 pacientes com diagnóstico estão internados. São 1.277 pacientes em leitos SUS (613 em UTI e 664 em leitos clínicos/enfermaria) e 194 em leitos da rede particular (84 em UTI e 110 em leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 1.826 pacientes internados, 660 em leitos UTI e 1.166 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos.

Mortes - A secretaria estadual informa a morte de mais 65 pacientes. São 31 mulheres e 34 homens, com idades que variam de 28 a 95 anos. Os óbitos ocorreram entre 23 de novembro de 2020 a 23 de fevereiro de 2021.

Município - Os pacientes que foram morreram residiam em Curitiba (11), Pato Branco (6), Maringá (4), Londrina (3), Quatro Barras (3), Pinhais (2), Ponta Grossa (2), Rolândia (2) e Telêmaco Borba (2).

Um óbito - A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Alto Paraíso, Araucária, Barracão, Campo Largo, Capanema, Carambeí, Catanduvas, Colombo, Congoinhas, Coronel Vivida, Dois Vizinhos, Foz do Iguaçu, Guarapuava, Guaratuba, Ibiporã, Imbaú, Itaipulândia, Jaguapitã, Laranjeiras do Sul, Marechal Cândico Randon, Medianeira, Moreira Sales, Paranaguá, Paranavaí, Primeiro de Maio, São João, São José dos Pinhais, Serranópolis do Iguaçu, Tamboara e Toledo.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 4.522 casos de residentes de fora. 87 pessoas morreram. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando aqui.

 

SAÚDE III: Novo lote da vacina CoronaVac chega ao Paraná

saude III 25 02 2021A Secretaria de Estado da Saúde recebeu, na noite desta quarta-feira (24/02), uma remessa com 64.800 doses da vacina CoronaVac/Instituto Butantan. Elas chegaram em um voo comercial por volta das 20 horas no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, e em seguida foram levadas ao Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar). A distribuição para as regionais de Saúde começa nesta quinta-feira (25/02).

Destinação - As vacinas são destinadas para aplicação da primeira (D1) e da segunda dose (D2) e continuarão a ser direcionadas a profissionais da saúde que atuam na linha de frente de atendimento aos doentes e idosos com mais de 80 anos, conforme especificações do Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19.

Segunda remessa - É a segunda remessa que chega ao Paraná nesta quarta. Pela manhã outras 102.500 doses da Universidade de Oxford em parceria com a AstraZeneca e a Fiocruz chegaram ao Estado. No total, foram 167.300 doses em apenas um dia, totalizando 706.200 entregues ao Estado desde o começo da imunização.

Logística de distribuição - A secretaria estadual da Saúde está preparando a logística de distribuição das vacinas dos dois laboratórios para as 22 Regionais de Saúde.

Equipes profissionais - “É uma operação que envolve várias equipes profissionais. Pretendemos atingir o mesmo resultado dos envios anteriores, lembrando que na primeira entrega de doses da Coronavac o Paraná foi destaque nacional, com a entrega da vacina em todos os municípios em menos de 28 horas”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. “Trata-se de uma grande força-tarefa”.

Histórico - A primeira remessa, com 265.600 unidades da vacina CoronaVac, chegou ao Paraná em 18 de janeiro, no final da tarde. A data marcou o início da campanha de imunização no Estado, após a aplicação na enfermeira Lucimar Josiane de Oliveira, de 44 anos.

Lotes - No dia 23 de janeiro o Estado recebeu a segunda remessa do Ministério da Saúde, com 86.500 doses da vacina AstraZeneca/Oxford/Fiocruz. O Paraná ainda recebeu mais dois lotes de doses da CoronaVac: em 29 de janeiro foram 39.600 doses e no dia 07 de fevereiro outras 147.200 unidades. A última remessa possibilitou o começo da vacinação em idosos.

Grupos prioritários - Pelo plano estadual, seguindo a ordenação por grupos prioritários, a previsão é vacinar cerca de 4 milhões de pessoas até maio de 2021. A vacinação ocorrerá de acordo com o recebimento dos imunizantes, de forma gradual e escalonada. Fazem parte dos grupos prioritários, além de profissionais da saúde, indígenas e idosos em Instituições de Longa Permanência (ILPI), os trabalhadores das forças de segurança, da educação, do transporte coletivo, portuários, caminhoneiros e idosos com mais de 60 anos. (Agência de Notícias do Paraná)

 


Versão para impressão


RODAPE