Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5018 | 01 de Março de 2021

SISTEMA OCEPAR I: Diretoria executiva realiza primeira reunião geral do ano com equipes de trabalho

O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, e os superintendentes Robson Mafioletti, da Ocepar, Nelson Costa, da Fecoopar, e Leonardo Boesche, do Sescoop/PR, estiveram reunidos, por videoconferência, na manhã desta segunda-feira (01/03), com todos os funcionários da entidade. Ao abrir o encontro, Ricken destacou que as atividades continuarão sendo realizadas virtualmente, devido à gravidade da situação da pandemia e para preservar a saúde de todos. “Nossa linha de atuação foi definida lá atrás, quando iniciamos o trabalho remoto, em março de 2020. Precisamos agir com precaução e ter cuidado conosco e com nossas famílias. Obviamente que teremos que desenvolver nosso trabalho de forma diferenciada para atender as demandas das nossas cooperativas. Vamos ser proativos, nos integrar, nos desafiar. Nós temos capacidade para isso. Vamos fazer nosso trabalho melhor do que fizemos no ano passado”, afirmou.

Temas - Durante a reunião, foi realizada uma avaliação geral de 2020. De acordo com Ricken, o cooperativismo paranaense obteve bons resultados no ano passado, apesar da pandemia, principalmente porque o setor não teve a opção de parar pois desenvolve atividades consideradas essenciais, como a produção de alimentos, por meio das cooperativas agropecuárias; atendimento à saúde, por meio das cooperativas médicas, e transporte de cargas, por meio das cooperativas de transporte, por exemplo. Impulsionado especialmente pelo ramo agropecuário, que responde por mais de 80% do faturamento de todo o cooperativismo paranaense, o setor superou a meta do PRC100, atingindo mais de R$ 115 bilhões em receitas no ano passado, por conta de fatores como boa produção da safra de grãos, alta demanda por alimentos e câmbio aquecido, destacou Ricken.

Perspectivas - Na sequência, o presidente do Sistema Ocepar ressaltou as prioridades para 2021, entre as quais trabalhar de forma conjunta com o Sistema OCB e fortalecer as ações junto à Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop). Também, acompanhar de perto as políticas públicas, os programas e projetos do governo federal que tenham ligação com o cooperativismo, e as propostas de reforma em tramitação no Congresso Nacional, como a administrativa e a tributária. Ainda de acordo com Ricken, outro aspecto importante que está sendo trabalhado pelo Sistema Ocepar está relacionado ao crédito rural, num esforço para assegurar o acesso das cooperativas aos recursos. Em âmbito estadual, ele elencou quatro temas relevantes para o setor: a condição do Paraná tornar-se área livre de febre aftosa sem vacinação, cujo reconhecimento será deliberado em maio, durante a Assembleia da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), com a possiblidade de abrir mercado para os produtos das cooperativas, como carnes, por exemplo; o novo modelo de concessão rodoviária proposto pelo governo federal; as negociações com a Secretaria da Fazenda para viabilizar o acesso aos R$1,6 bilhão em créditos acumulados que as cooperativas possuem, para que o montante será utilizado para fazer investimentos, e questões ambientais relacionadas ao Código Florestal e à Lei da Mata Atlântica.

Pré-assembleias - Ricken lembrou ainda que, na semana que vem, entre os dias 8 e 11 de março, serão realizadas as pré-assembleias com todas as cooperativas do Estado, em encontros por Núcleos Regionais, quando será apresentada a proposta do novo planejamento estratégico do cooperativismo paranaense: o PRC200. “Queremos estruturar programas e projetos que possibilitem às nossas cooperativas chegar a R$ 200 bilhões de faturamento”, frisou. Ainda de acordo com ele, a ideia é ouvir os dirigentes nos eventos e coletar as contribuições deles para o novo plano. “Nossa missão é buscar o desenvolvimento integrado do cooperativismo do Paraná. Graças a Deus temos uma equipe com profissionais bem capacitados e que podem dar sua contribuição. Também é uma honra trabalhar com as cooperativas, pois o cooperativismo é um movimento positivo, tem uma visão proativa e sempre voltada para o futuro”, acrescentou. Ele destacou ainda que em 5 de abril será realizada a Assembleia Geral Ordinária da entidade, comemorativa aos 50 anos da Ocepar, e que o objetivo e realizar todos os eventos que a entidade costuma promover anualmente até o final de 2021. “Não vamos cancelar nada. Queremos realizar todos”, sublinhou.

Superintendentes - A reunião prosseguiu com o pronunciamento dos superintendentes, que destacaram as principais ações e perspectivas da Ocepar, Sescoop/PR e Fecoopar para este ano. O coordenador de gestão estratégica, Alfredo Benedito Kugeratski Souza, apresentou o cronograma de ações de planejamento interno do Sistema Ocepar e, ao final, foi aberto espaço para que os funcionários pudessem se manifestar. as/03/01/sistema_ocepar_I/{/vsig}

 

SISTEMA OCEPAR II: Pré-assembleias de prestação de contas serão realizadas de 8 a 11 de março

O Sistema Ocepar vai reunir lideranças do cooperativismo paranaense, na semana que vem, para realizar a prestação de contas de 2020 e apresentar o plano de trabalho para 2021, virtualmente. As pré-assembleias devem contar com a participação de conselheiros de administração e fiscal, gestores, representantes dos comitês educativos, de mulheres e jovens, entre outros. Também haverá a apresentação do PRC200, o novo planejamento estratégico do cooperativismo paranaense.

Datas - Os encontros começam no dia 8 de março, no Núcleo Centro-Sul, tendo como anfitriãs as cooperativas Bom Jesus e Sicredi Integração; dia 9, no Núcleo Oeste, a C.Vale será a anfitriã; dia 10, com os Núcleos Norte e Noroeste, e a Unimed Londrina como anfitriã, e dia 11, no Núcleo Sudoeste, com seis cooperativas sediadas em Pato Branco como anfitriãs. As reuniões ocorrerão das 13h30 às 16h30, com os Núcleos Centro-Sul, Oeste e Norte e Noroeste. Com o Núcleo Sudoeste, será das 8h30 às 11h30. No dia 5 de abril, o Sistema Ocepar promove a sua Assembleia Geral Ordinária. 

Informações – Mais informações com Neuza Oliveira ou Daniele Luana (secretaria@sistemaocepar.coop.br / 41 - 99278 0739 ou 99151 2148).

Clique aqui para se inscrever

 pre assembleia folder alterado 02 03 2021

 

COVID-19 I: Comunicado 2 do Comitê de Acompanhamento orienta cooperativas sobre AGOs

covid 19 destaque 01 03 2021O Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 se reuniu na manhã dessa segunda-feira (01/03) para discutir sobre demandas das cooperativas filiadas com relação à realização das Assembleias durante o período de vigência do atual Decreto Estadual nº 6.983/2021, que determina a suspensão de todas as atividades não essenciais no Paraná, a partir da zero hora de sábado (27/02) até às 5 horas do dia 8 de março. As informações constam no comunicado nº 2 do Comitê. Veja abaixo.

Atividade essencial - No comunicado, o Comitê ressalta que, “embora as atividades das cooperativas dos ramos agropecuário, crédito, saúde, transportes, infraestrutura (eletrificação) e demais atividades secundárias, correlatas e acessórias que amparem a atividade principal, sejam tratadas pelo Decreto 6.983/2021, em seu artigo 5º, como essenciais; nada neste Decerto menciona a realização de Assembleias das Cooperativas como sendo uma atividade essencial”.

Orientação - E continua o comunicado: “assim, se a cooperativa planejou realizar assembleia em modelo virtual (on-line) no período de vigência do referido Decreto, nada há que se preocupar. Entretanto, caso tenha planejado assembleias em modelo semipresencial ou presencial a ser realizada até o dia 08 de março, o Sistema Ocepar recomenda: Imediata publicação na imprensa sobre a alteração na forma de realização (semipresencial para virtual) ou o adiamento da Assembleia para data mais apropriada onde se verifique a contenção da pandemia e não esteja mais em vigência do Decreto, de modo a serem executados com segurança os trabalhos presenciais em Assembleia”.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa). Desde que o trabalho remoto foi adotado pela instituição, em 20 de março de 2020, os integrantes se reúnem diariamente, por meio de videoconferência, para analisar cenários e discutir o andamento das atividades visando atender as demandas das cooperativas. O Comitê tem ainda divulgado os comunicados para informar as principais ações de interesse do cooperativismo paranaense que estão sendo executadas pelo Sistema Ocepar nesse período de pandemia.

 

COVID-19 II: Comunicado do Comitê de Acompanhamento destaca novo Decreto do governo do PR

covid comunicado 26 02 2021O Sistema Ocepar restabeleceu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 que, na sexta-feira (26/02), emitiu o primeiro comunicado de 2021, destacando a publicação do Decreto Estadual nº 6.983/2021, que determina a suspensão de todas as atividades não essenciais no Paraná, a partir da zero hora de sábado (27/02) até as 5 horas do dia 8 de março. Veja abaixo todas as informações.

Decreto - O Decreto Estadual 6.983/2021, publicado na sexta-feira (26/02) pelo Governador do Estado do PR suspende, a partir da zero hora do dia 27 de fevereiro até as 5 horas do dia 8 de março, todas as atividades não essenciais. O próprio Decreto Estadual descreve no seu artigo 5º quais são as atividades que são essenciais, ou seja, aquelas que não serão suspensas e continuarão a funcionar. Lembramos que as atividades acessórias que deem suporte, apoio de modo a tornar aquelas descritas como essenciais possíveis serão tratadas pelo decreto como essenciais. Clique aqui para conferir na íntegra o Decreto.

STF - O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a competência concorrente nas normas relacionadas à saúde. Assim, se no seu município não existe legislação específica sobre atividades essenciais, tenha por base o Decreto Estadual. Caso exista a legislação municipal dispondo sobre as atividades essenciais em sua cidade, esta poderá ser mais ou menos restritiva, conforme a situação de avanço ou contenção da própria pandemia em seu município.

O Comitê - O Sistema Ocepar constituiu o Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 com objetivo de monitorar, receber, avaliar e comunicar seus públicos sobre as informações mais recentes ligadas à disseminação e precauções que devem ser tomadas diante da epidemia da doença. O grupo é formado pela Diretoria Executiva, coordenações de Gestão Estratégica e de Comunicação Social, com assessoramento jurídico e colaboração da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa). Desde que o trabalho remoto foi adotado pela instituição, em 20 de março de 2020, os integrantes se reúnem diariamente, por meio de videoconferência, para analisar cenários e discutir o andamento das atividades visando atender as demandas das cooperativas. O Comitê tem ainda divulgado os comunicados para informar as principais ações de interesse do cooperativismo paranaense que estão sendo executadas pelo Sistema Ocepar nesse período de pandemia.

 

GESTÃO: Conselho Fiscal da Ocepar se reúne para avaliar demonstrações contábeis e relatório de auditoria

Na manhã desta segunda-feira (01/03), os integrantes do Conselho Fiscal da Ocepar se reuniram por meio de videoconferência, para discutir a apreciação do balanço patrimonial e demonstrações contábeis da entidade em 2020. Participaram os conselheiros titulares e suplentes, Popke Ferdinand Van Der Vinne (Sicredi Campos Gerais), Lauro Soethe (Lar), Waldenir Romani (Nova Produtiva), Paulo Pinto de Oliveira Filho (Coprossel) e Claudemir Cavalini Carvalho (Coagru). Também presentes o presidente da Ocepar, José Roberto Ricken, o superintendente Robson Mafioletti, o coordenador administrativo e financeiro Claudiomiro Rodrigues, o contador Mauricio Roesner e o analista administrativo e financeiro, Cristiano Michalovicz. Os conselheiros aprovaram as contas do exercício de 2020 da entidade.

Planejamento - Durante a reunião, o presidente Ricken falou sobre os preparativos para as pré-assembleias, eventos virtuais de prestação de contas e planejamento, que serão realizados em março, reunindo a base cooperativista de todas as regiões do Paraná. O dirigente também fez uma explanação dos desafios e prioridades para 2021, com ênfase nas discussões do PRC 200, o planejamento estratégico do cooperativismo paranaense. O Conselho Fiscal responde pela fiscalização da administração da entidade e zela pela transparência e austeridade na utilização dos recursos, além de acompanhar a execução da estratégia e do orçamento das organizações cooperativas.

{vsig}2021/noticias/03/01/ocepar/{/vsig}

 

GETEC: Informe nº 9 apresenta expectativas de mercado sobre indicadores econômicos

getec destaque 03 01 2021A Gerência de Desenvolvimento Técnico da Ocepar (Getec) divulgou, nesta segunda-feira (01/03), mais uma edição do Informe Expectativas de Mercado, com base nas informações do Boletim Focus, do Banco Central (BC), levantadas com instituições financeiras sobre as projeções relativas à economia nacional, contemplando o Produto Interno Bruto (PIB), IPCA (Índice de Preços ao Consumidor), taxa Selic e câmbio para 2021, 2022 e 2023. A Getec também publicou o Informe Mensal contendo o histórico das projeções do Banco Central referente a fevereiro.

Clique aqui para conferir o Informe Expectativas de Mercado Semanal

Clique aqui para conferir o Informe Mensal de Fevereiro

 

FORMAÇÃO: Graduação tecnológica em Gestão de Cooperativas tem aula inaugural nesta segunda-feira

formacao 01 03 2021Será aberto oficialmente, na noite desta segunda-feira (01/03), o curso de graduação tecnológica em Gestão de Cooperativas (EaD), com uma aula inaugural, transmitida pela plataforma Zoom, a partir das 19h. A formação é uma iniciativa do Sistema Ocepar, executada por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR) e em parceira com o Isae.

Presenças Participam do evento, o diretor da Faculdade Isae Brasil, Norman Neto, o presidente do Isae, Norman Arruda Filho, o pró-reitor da Fundação Getulio Vargas e membro do Conselho Nacional de Educação (CNE), Antonio Freitas, o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, o superintendente do Sescoop/PR, Leonardo Boesche, e a coordenadora da Graduação em Gestão de Cooperativas, Nelita Buzzi.

Apoio - O Sescoop/PR está apoiando os 250 primeiros colocados no processo seletivo realizado no mês passado, que terão direito ao subsídio de 65% do valor das mensalidades do curso. O benefício é destinado aos empregados comprovadamente contratados em cooperativas registradas no Sistema Ocepar e contribuintes do Sescoop/PR. A graduação despertou grande interesse do público cooperativista, com mais de 787 candidatos concorrendo às vagas, de um total de 1.177 inscritos no processo seletivo.

O curso - O Curso de Graduação Tecnológica em Gestão de Cooperativas terá encontros quinzenais ao vivo via internet e provas presenciais duas vezes por semestre nos polos regionais. O conteúdo foi desenvolvido pelo Isae e a formação tem duração de quatro semestres. Os professores possuem conhecimento de mercado sobre o cooperativismo e haverá tutoria técnica e acadêmica, com suporte e acompanhamento em tempo real do progresso dos alunos.

 

FRÍSIA: Cooperativa conquista o maior faturamento da sua história em 2020 e traça sua estratégia rumo aos 100 anos

frisia 01 03 2021A Frísia apresentou crescimento de 27,6% no faturamento de 2020 comparado ao ano anterior. A cooperativa com sede em Carambeí, nos Campos Gerais do Paraná, alcançou R$ 3,713 bilhões, o maior da sua história. A oficialização dos números aconteceu na Assembleia Geral Ordinária (AGO), no dia 26 de fevereiro, de forma virtual.

Motivos - Os principais motivos para o desempenho da cooperativa, que completou 95 anos em 2020, foram a alta dos preços das commodities agropecuárias, uma boa produção de seus mais de 800 cooperados e a agregação de valor dos produtos através dos investimentos feitos na industrialização dos produtos.

Foco - “Todas as áreas da Frísia mantiveram o foco nos trabalhos propostos e no compromisso de entrega. Mantivemos os protocolos dos órgãos de saúde e criamos um plano de comunicação e prevenção para evitar o contágio e promover o monitoramento dos casos. Garantimos que os colaboradores pudessem trabalhar com segurança e os cooperados produzissem normalmente, contribuindo para que os alimentos continuassem a ser comercializados sem problemas”, afirmou o diretor-presidente da Frísia Cooperativa Agroindustrial, Renato Greidanus.

Commodities - O ano de 2020 contou com um aumento dos preços das principais commodities brasileiras, como soja, milho e leite, que também são produzidos pela Frísia. Os motivos para esse cenário positivo são a forte demanda da China, maior parceiro comercial do Brasil; o câmbio, com o dólar acima dos R$ 5, o que torna os produtos nacionais mais competitivos; e o aumento do consumo das famílias em casa, devido às medidas de isolamento social ocasionadas pela pandemia de covid-19.

Industrialização - Em relação à industrialização, a Frísia tem marcas próprias e no sistema de intercooperação Unium (que engloba cooperativas coirmãs). As marcas próprias são a Sementes Batavo, a Rações Batavo, a plataforma Digital Agro, a feira ExpoFrísia e o TRR Frísia, voltado à comercialização de combustível.

Marca - Como marcas da Unium estão o Moinho de Trigo (farinhas Herança Holandesa e Precisa), a Unidade Industrial de Carnes (Alegra), as Unidades de Beneficiamento de Leite (Colônia Holandesa, Naturalle e Colaso) e Energik (usina de bioenergia).

Sobras - O resultado líquido à disposição da AGO, isto é, as sobras líquidas destinadas aos cooperados no ano passado teve um aumento de 96%. Os recursos passaram de R$ 32 milhões (em 2019) para quase R$ 63 milhões. Em relação ao quadro social, a cooperativa contou em 2020 com 1.119 colaboradores e 887 associados. Ao todo, em 2020, foram distribuídos R$ 96 milhões de sobras entre ICMS, sobras técnicas e sobras de balanço.

Mais antiga - A Frísia é a cooperativa de produção mais antiga do Paraná, Estado que, ao todo, tem 216 entidades no sistema. No Brasil, foi a segunda a ser fundada e conta com cooperados localizados em mais de 30 municípios na região Centro-Sul do Paraná e 16 municípios no Tocantins.

Planejamento estratégico - Em 2020, a Frísia finalizou seu planejamento estratégico para os próximos cinco anos. O foco é o crescimento dos negócios de forma estruturada para gerar ainda mais valor aos associados. O Planejamento Estratégico da cooperativa se chama “Rumo aos 100 Anos”.

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Fundada em 1925, a Frísia é a cooperativa mais antiga do Paraná e segunda do Brasil. Localizada na região dos Campos Gerais, tem sua produção voltada ao leite, carne e grãos, principalmente, trigo, soja e milho. A cooperativa é resultado da união do trabalho de todos os cooperados e colaboradores; da diversificação da produção, englobando a produção leiteira, de grãos e de proteína animal; e da alta qualidade do que é feito e comercializado, com animais de excelente genética, rastreamento e investimento em tecnologia, infraestrutura e mão de obra. Os valores da cooperativa são Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). (Imprensa Frísia)

 

SICREDI: Marca de R$ 100 bilhões em crédito para associados é superada

sicredi 01 03 2021A carteira de crédito do Sicredi, principal instrumento da instituição para auxiliar seus mais de 4,5 milhões de associados e levar desenvolvimento para as regiões onde está presente, superou a marca de R$ 100 bilhões. O dado representa um crescimento de 32,8% na comparação com o valor verificado em fevereiro de 2020, acima inclusive das estimativas de alta na carteira de crédito do mercado que, segundo a Febraban, devem crescer 7,3% neste ano.

Destinação - Do montante concedido pela instituição, R$ 46,9 bilhões foram para associados PF do agronegócio, sendo 31% do valor destinado à agricultura familiar; R$ 35,2 bilhões para associados Pessoa Jurídica (PJ), sendo cerca de 63% destinado a micro, pequenas e médias empresas; e R$ 17,9 bilhões para associados Pessoa Física (PF) Urbana, sendo 43% dos associados com renda até R$ 4 mil.

Crescimento - No fechamento de 2020 (em comparação ao ano de 2019), o Sicredi apresentou um crescimento da carteira de PF de 26%. Para PJ esse crescimento foi ainda maior, representando 54% de aumento.

Atuação - Uma parte do crescimento da carteira de PJ em 2020 pode ser explicado pela atuação do Sicredi no cenário de pandemia. Nas concessões de crédito via linhas emergenciais de apoio ao segmento PJ, BNDES Pequenas Empresas, o Sicredi totalizou, em 2020, R$ 860 milhões concedidos em 5.230 operações. Pelo Pese (Programa Emergencial de Suporte a Empregos), a instituição concedeu R$ 171 milhões em 6.798 operações. Já via Pronampe, linha que apresentou uma grande demanda em função das condições muito favoráveis aos micro e pequenos empreendedores para capital de giro, o Sicredi liberou um volume de R$ 2 bilhões em 41.047 operações. Por fim, no Peac FGI (Programa Emergencial de Acesso ao Crédito), foram concedidos R$ 2,7 bilhões em 11.244 operações realizadas.

Necessidades dos associados - “Como instituição financeira cooperativa, nosso maior objetivo é atender as necessidades dos associados. O crédito é um instrumento importante para esse propósito e a manutenção dos volumes expressivos de concessão, especialmente no atual cenário de tantos desafios sanitários e econômicos, tem sido fundamental para as atividades das empresas, do segmento agro e das pessoas, nos seus mais variados desafios. A marca de R$ 100 bilhões reforça o papel da instituição, ajuda a oxigenar a economia e a desenvolver as regiões onde atuamos”, explica o diretor executivo de Crédito do Sicredi, Gustavo Freitas.

Confiança - O crescimento da carteira de crédito do Sicredi não é de agora, e expressa a confiança dos associados nas cooperativas que integram o Sistema, com sustentabilidade, solidez e segurança. O empenho e compromisso da instituição em melhorar a vida dos associados e das comunidades vai muito além do crédito, com orientações e ofertas seguras nos diversos produto e serviços, que seguem um ritmo equivalente de expansão.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,8 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 23 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICREDI VALE DO PIQUIRI: Campanha Investir, Cooperar e Ganhar chega à reta final

A campanha Investir, Cooperar e Ganhar entregou a sexta moto BMW G310 zero quilômetro. Desta vez, o prêmio foi para a empresa associada Tironi Loteadora, de Engenheiro Beltrão (PR). O proprietário Willian recebeu o presente na quinta-feira (25/02).

Agradecimento - “Estamos muito felizes com a moto e também com o nosso relacionamento com o Sicredi. Agradeço a equipe da cooperativa aqui da cidade, que sempre nos atende com atenção e nos apoia”, conta o associado.

Importância - O gerente da agência, Rodrigo Podanowski da Silva, frisa a importância desse tipo de investimento. “Ao aplicar em capital social, além de contribuir com o crescimento da cooperativa, o associado colabora com o desenvolvimento local. Obrigado a todos aqueles que acreditam e investem”.

Momento especial - Para o gerente regional de desenvolvimento Cirineu Varolo, este é um momento especial. “Esses movimentos fomentam a economia local. A cooperativa está sempre próxima dos associados e da comunidade. Gente que coopera, cresce junto”.

Exclusiva - A campanha Investir, Cooperar e Ganhar é exclusiva da Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP e já sorteou seis motos. Os contemplados foram associados de São Bernardo do Campo (SP), Boa Esperança (PR), São Paulo (SP), Umuarama (PR), Maripá (PR) e Engenheiro Beltrão (PR). A cada R$ 100 depositados em conta capital até o dia 17 de março, o associado recebe um cupom para participar. A campanha vai sortear ainda mais duas motos e três carros zero quilômetro: uma Amarok e duas Fiat Toro. Mais informações em: www.sicredi.com.br/promocao/investircooperareganhar/

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP - A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, uma das 108 cooperativas do Sicredi, conta com 32 anos de história e mais de 163 mil associados. A área de atuação da cooperativa abrange 43 cidades no estado do Paraná e 8 cidades no estado de São Paulo, incluindo a capital paulista e cidades vizinhas do grande ABCD. São 92 espaços de atendimento, sendo 52 no Paraná e 40 em São Paulo (sicredi.com.br/vale-piquiri/).

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,9 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 23 estados e no Distrito Federal, com mais de duas mil agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

{vsig}2021/noticias/03/01/sicredi_vale_piquiri/{/vsig}

 

SICREDI IGUAÇU: Cooperativa amplia investimentos no esporte e fecha com Guarani e Ponte Preta

A Ponte Preta e o Guarani têm um novo patrocinador: o Sicredi - instituição financeira cooperativa com mais de 4,8 milhões de associados em todo o país - acaba de fechar acordo com os dois principais times de futebol de Campinas (SP), por meio da cooperativa Sicredi Iguaçu PR/SC/SC, que atua na cidade.

Temporada - Os contratos de patrocínio são para a temporada 2021 e seguem até o dia 31 de dezembro. “O Sicredi está consolidando a sua atuação em Campinas e estamos muito felizes em apoiar os dois times da cidade. Ponte Preta e Guarani têm uma história marcante no futebol e estão no coração dos moradores”, comenta o presidente da Sicredi Iguaçu PR/SC/SP, Lotario Luiz Dierings.

Apoio consolidado - Nos últimos anos, o Sicredi vem consolidando o apoio ao esporte. Em 2020, a instituição financeira cooperativa renovou contrato com a Federação Paulista de Futebol para a edição 2021 do Paulistão Sicredi - tanto da Série A1, quanto da A2 (divisão de acesso). Desde 2019, o Sicredi é o “tittle sponsor” do principal torneio estadual do País.

Poder do esporte - “Acreditamos no poder do esporte e na força de times tradicionais do interior paulista. Incentivar e patrocinar as equipes reforça nosso propósito de colaboração, ajuda mútua e desenvolvimento das comunidades onde atuamos", destaca o presidente.

Apoio ao basquete - A Sicredi Iguaçu PR/SC/SP anunciou também a renovação do patrocínio ao time feminino Vera Cruz Basquete. A parceria com a equipe começou em 2020 e segue na temporada 2021. “No ano passado tivemos a paralisação dos jogos por conta da pandemia do novo coronavírus. Percebemos a força das jogadoras que, mesmo longe das quadras, se dedicaram para manter os treinamentos em casa. Temos certeza que em 2021 teremos grandes jogos e estamos felizes em continuar fazendo parte da história do Vera Cruz Basquete”, finaliza Dierings.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,8 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 23 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros como crédito, cartões, seguros, consórcios e diversas opções de investimentos de renda fixa e variável. (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

{vsig}2021/noticias/03/01/sicredi_iguacu/{/vsig}

SICOOB OURO VERDE: Parceria é alinhada com Secretaria do Trabalho de Londrina para oferecer projeto de qualificação profissional

sicoob ouro verde 01 03 2021O Sicoob Ouro Verde e a Secretaria Municipal do Trabalho, Emprego e Renda de Londrina (PR) estão atuando em parceria no desenvolvimento de um projeto de qualificação profissional. A iniciativa será colocada em prática através do Instituto Sicoob e ganhará o reforço dos canais de divulgação e atendimento da SMTER.

Construção conjunta - Durante um encontro para alinhamento de ações do projeto, o diretor-presidente do Sicoob Ouro Verde, Elisberto Torrecillas e o secretário do Trabalho Emprego e Renda, Gustavo Santos, reforçaram o desejo de construir juntos um programa de qualificação que atenda a demanda do trabalhador londrinense, forme mão de obra capacitada e com valores de cooperação.

À distância - Incialmente, o projeto irá contar com ferramentas de ensino à distância. Isso vai possibilitar aos participantes uma formação continuada e flexível, já eles poderão adequar o melhor horário para estudo dentro do seu dia a dia e também terão acesso a diversos cursos.

Presencias - Num segundo momento, atividades presenciais serão inseridas conforme a evolução positiva do controle da pandemia da Covid-19, sempre respeitando as medidas sanitárias e de saúde e prezando pela segurança dos envolvidos.

Benefícios - Para o secretário do Trabalho, Emprego e Renda, a aproximação entre o poder público e o Sicoob Ouro Verde trará muitos benefícios. “A Prefeitura e o Sicoob já têm um histórico de ações em conjunto que deram muito certo. O acesso ao crédito, por exemplo, foi fundamental para a sobrevivência de muitos empreendimentos na cidade durante a pandemia. A cooperativa agrega credibilidade, serviços diferenciados e um convívio íntimo e transparente com não só com os cooperados, que são muito importantes, mas para todos que têm relacionamento com o Sicoob”, disse.

Ações - Santos ainda demonstrou empolgação com as ações que estão por vir. “Quando o Sicoob Ouro Verde procurou a Secretaria do Trabalho para desenvolvermos um projeto de qualificação, imediatamente aceitamos o convite e viemos para iniciar esse processo que, com certeza, renderá muitos frutos e será apenas o começo de uma relação ainda mais próxima e próspera. O Instituto Sicoob faz um trabalho educacional fenomenal em todo o território brasileiro. Ao aliar com a nossa capacidade em ser um instrumento de aproximação entre o trabalhador e as oportunidades, temos convicção de que teremos um êxito muito grande”, afirmou Santos.

Valor - O diretor-presidente do Sicoob Ouro Verde lembrou que, além da formação profissional, um dos pilares da cooperativa é entregar valor. “Nós temos um sistema que preza pelo relacionamento e pela confiança. As cooperativas têm uma visão muito clara de que precisamos construir uma relação de crescimento mútuo. Todos nossos resultados, por exemplo, são compartilhados com o nosso cooperado, que tem influência direta no nosso sucesso e o reconhecimento dessa participação. O Instituto Sicoob já capacitou milhares de pessoas em todo o Brasil. Temos pessoas de referência que são treinados para passar o conhecimento e entregar para a sociedade uma ferramenta de transformação social, não só na geração de renda como na visão de mundo”, explicou.

Participações - Participaram também do encontro o presidente e o vice-presidente do Conselho de Administração do Sicoob Ouro Verde, Roberto Cremonez, e Marcelo Odetto Esquiante. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

SICOOB METROPOLITANO: Mais um ganhador na campanha “Sorte Assim só no Sicoob”

Os cooperados do Sicoob Metropolitano continuam garantindo prêmios nas campanhas nacionais. Desta vez, um sortudo de Alto Paraná (PR) ganhou um vale poupança no valor de R$ 2 mil na campanha “Sorte Assim só no Sicoob”.

Movimentação - Há dois anos fazendo parte da cooperativa, Lucas Eduardo da Cruz, abriu a conta para receber o salário, mas depois começou a movimentá-la. “Fico muito feliz de fazer parte de uma cooperativa e ainda ganhar um prêmio desse. Isso reforça que eu posso sempre contar com o Sicoob”, afirma.

Entrega simbólica - Na última quarta-feira (24/02), Lucas esteve na agência para a entrega simbólica do prêmio e foi recebido com festa pela equipe. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2021/noticias/03/01/sicoob_metropolitano/{/vsig}

COCAMAR: Quase 700 mil beneficiados pela União Solidária 2020

cocamar 01 03 2021A Campanha União Solidária 2020, realizada pelo Lions Club e apoiada pela Cocamar Cooperativa Agroindustrial e Sicredi União PR/SP, teve início em março do ano passado e foi encerrada no dia 17/2, beneficiando 528 projetos sociais e impactando diretamente 692.164 vidas.

Efeito - Cadastrados por associações e entidades assistenciais de todas as cidades onde a Cocamar mantém atuação, os projetos foram validados pelas unidades da cooperativa e agências do Sicredi para que, efetivamente, surtissem efeito nas comunidades.

Cupons - Lançada em meados de março de 2020, a Campanha consiste na distribuição de dezenas de milhares de cupons para que entidades assistenciais cadastradas façam a venda junto a sociedade e capitalizem os recursos financeiros. Os cupons vendidos deram direito a concorrer ao sorteio de prêmios como automóveis e motocicletas.

Dificuldades - Quando a pandemia começou a assolar a população, a Campanha passou a ser fundamental para as entidades, muitas das quais enfrentaram dificuldades. Para ajudá-las, a Cocamar e a Sicredi autorizaram emergencialmente o uso dos recursos arrecadados para uma finalidade mais ampla do que o do projeto cadastrado, possibilitando assim que continuassem seus atendimentos.

Online - O distanciamento social impôs outra barreira: como, afinal, oferecer cupons dessa forma? Tal situação motivou a criação de uma plataforma para vendas de cupons online pelas cooperativas, que disponibilizaram, ainda, treinamento para as entidades aprenderem a lidar com as redes sociais.

Prêmios - A venda de cupons terminou no dia 31 de janeiro, com o sorteio e a apuração ocorrendo respectivamente nos dias 13 e 17 de fevereiro. Foram contempladas 8 pessoas e 8 entidades. Metade das premiações sorteadas saiu para compradores de cupons distribuídos pela Cocamar: dois carros (um para Iporã-PR e outro para Itaberá-SP, e duas motos, uma para Alvorada do Sul e outra para Ibiporã, ambas no Paraná), sem contar que cada uma das entidades que venderam cupons premiados recebeu motos.

Numerário - A totalidade do recurso arrecadado pela entidade é destinado à realização do projeto cadastrado no sistema e, como informado antes, o pagamento do custeio de suas atividades.

Impacto positivo - Para a Cocamar e o Sicredi, com o fomento à captação de recursos junto às organizações da sociedade civil, é possível fortalecer e cooperar com as causas sociais, produzindo um impacto positivo nas comunidades. Foram movimentados mais de R$ 4 milhões, superando os R$ 3,5 milhões da edição da Campanha no ano anterior, assegurando que quase 700 mil pessoas recebessem atendimento de qualidade.

Agradecimentos - Por meio de sua diretoria, a Cocamar agradece a todos que contribuíram para o êxito da Campanha, em especial às unidades, entidades e voluntários.

Alegria em dobro - Eliete Nespolo, presidente da Associação das Amigas Voluntárias de Iporã (PR) foi contemplada com um dos carros sorteados na Campanha União Solidária e, com isso, conforme prevê o regulamento, a entidade tem direito a receber uma moto – que será destinada a reforçar o caixa. Tudo isso sem esquecer, claro, que a venda de cupons garantiu um recurso que vai ser empregado na aquisição de materiais para a produção de fraldas – o objetivo da associação fundada em 2009 e que reúne 25 mulheres voluntárias.

Até no Maranhão - “Foi a primeira vez que participamos”, comenta Eliete. Segundo ela, com as vendas pelo sistema online foi possível oferecer cupons para pessoas de várias regiões do país, “até para gente do Maranhão nós vendemos.”

Itaberá - Foi a primeira vez também que a Associação Assistencial Mei-Mei de Itaberá (SP) participou da Campanha e, a exemplo da de Iporã, um dos carros saiu para a cidade e, por isso, a instituição vai receber uma moto. De acordo com Ademar Manoel, um dos dirigentes, a associação existe desde 2003 e está voltada à formação de adolescentes da faixa de 15 a 18 anos que se encontram em situação de vulnerabilidade.

“Um alívio”- Segundo ele, os recursos obtidos com a venda de cupons e mais a moto, com a qual pretendem fazer uma rifa, “permitirá um alívio no caixa da associação, que está há meses no vermelho”. (Imprensa Cocamar)

 

PRIMATO: Colaboradores recebem participação de resultados por meta atingida em 2020

primato 01 03 2021A Primato Cooperativa Agroindustrial divulgou os números do exercício 2020 no dia 12 de fevereiro durante a Assembleia Geral, obtendo o melhor resultado da história da cooperativa que teve um faturamento global de R$ 747.314.223, com o resultado líquido de R$ 21.019.055.

Particpação - Esses números só foram possíveis pela participação importante dos colaboradores que desenvolvem seu trabalho, diariamente, em todos segmentos de negócios da Primato. Como forma de agradecimento, na sexta-feira (26/02) foi efetuado o pagamento por participação nos resultados para as unidades que atingiram suas metas em 2020.

Programa - O Programa de Participação de Resultados (PPR) é um dos benefícios que a Primato oferece aos seus colaboradores ao final de um ano de trabalho, caso a cooperativa atinja a meta de resultado global projetada para o ano e a unidade que o colaborador trabalha também atinja as metas planejadas, 5% do resultado operacional líquido é dividido entre aqueles que estão aptos a receber.

Normas - Segundo o presidente da Primato, Anderson Sabadin, para que o colaborador esteja apto a receber o benefício existem algumas normas. “Para que o colaborador esteja apto a receber a sua participação nos resultados é preciso ser merecedor e entre os critérios estão: não sofrer acidente de trabalho por atos inseguros, não ter mais de três faltas sem justificativa, não pode ter advertência, suspensão disciplinar, muito menos ter sido desligado dentro do período de experiência ou demitido no ano base”, destacou.

Critérios - Segundo os critérios estabelecidos no programa o colaborador conquista o direito a participar dos resultados. “É preciso destacar que a participação no PPR é uma conquista do colaborador por meritocracia pelo cumprimento de sua parte, por competências e habilidades. Por meio de cooperação coletiva e de suas atitudes diárias, prestando um bom atendimento aos cooperados, clientes internos e externos, cumprindo com excelência os processos e tarefas, escala de trabalho, zelando pelo patrimônio da cooperativa”, enfatizou Sabadin que complementou, “além das atitudes de todos os dias que fazem parte do bem maior coletivo, como ter a consciência de economizar papel, reutilizar copo plástico ou ter a sua garrafinha, cuidar do ambiente de trabalho, desligar as luzes de salas e equipamentos não utilizados no final do expediente”.

Participação - O valor geral de participação de resultados conquistado foi de R$ 501.748.32, pagos em conta corrente de cada colaborador que se enquadrou nos critérios citados, após a aprovação na Assembleia Geral. “Primaltenses, parabéns pelo trabalho e desempenho em 2020. Seu PPR já está na conta. Vamos nos esforçar para atingirmos a meta de 2021: R$ 25.202.485. Parabéns às unidades que alcançaram suas metas”, foi a mensagem divulgada na manhã de sexta-feira (26/02).

Unidades - As unidades aptas a receber o PPR foram:

04 – Agro Guaraniaçu

05 – Indústria Toledo

10 – Apoio

13 – Suíno

14 – Leite

16 – Transporte

21 – Restaurante – Refeitório

23 – Cereais e Insumos

25 – Supermercado Maripá

(Imprensa Primato)

 

AGRÁRIA: Alunos do Imperatriz atingem excelente resultado em teste de proficiência de língua inglesa

agraria 26 02 2021Referência em língua alemã, o Colégio Imperatriz Dona Leopoldina também está se destacando no ensino de outros idiomas. Na última semana, a instituição recebeu os resultados das provas de proficiência da Universidade de Cambridge, realizadas por um grupo de 13 alunos, em dezembro de 2020.

Avaliação - Os testes de proficiência da Universidade de Cambridge acontecem em inúmeros países e demonstram através da escrita, leitura, escuta e fala a capacidade de comunicação de crianças, jovens e adultos na língua inglesa. Os estudantes do Imperatriz fizeram a avaliação no Colégio Farroupilha, em Porto Alegre, um dos centros autorizados para aplicação das provas no Brasil.

Expectativas superadas - De acordo com a coordenadora pedagógica do Ensino Médio e do Ensino de Alemão do Colégio Imperatriz, Gésica Cristina Fritsch Dorfey, o desempenho dos estudantes na prova superou as expectativas. “Os alunos fizeram a prova com o objetivo de atingir o nível B1, que é um bom grau de conhecimento. Todos eles foram aprovados, e alguns chegaram ao nível B2, o que nos surpreendeu positivamente”, comenta.

Metodologia - A coordenadora explica que em 2019 o Imperatriz reestruturou sua metodologia de ensino do inglês. Hoje, os estudantes contam com um material didático específico para as aulas (English ID, para as séries finais do Ensino Fundamental, e American Headway para o Ensino Médio), além de serem divididos em dois grupos, correspondentes ao seu nível de conhecimento, assim como já acontecia com a língua alemã. “A proposta é que todos se desenvolvam de maneira adequada. O inglês e o alemão abrem muitas portas e os alunos têm se mostrado entusiasmados em estudar essas línguas”, esclarece Gésica Dorfey.

Simples - Para a estudante Julia Nauy, do 1º ano do Ensino Médio, o teste de proficiência de Cambridge foi mais simples do que esperava. “Aqui no Imperatriz temos contato com o inglês desde a Educação Infantil, por isso estávamos bastante preparados”, afirma.

Importância da língua - Também aluno do 1ª ano do Ensino Médio, Vitor Gartner Maroso concorda com Julia e ressalta a importância da língua estrangeira para o futuro dos estudantes. “Seja para lazer, estudo ou trabalho, saber inglês é fundamental”, diz.

Parceria - Em 2021, a intenção do Colégio Imperatriz é firmar uma parceria com o Colégio Farroupilha, para que possa aplicar o teste em suas instalações. Com isso, um número maior de alunos poderá participar da prova, em diferentes níveis. (Imprensa Agrária)

 

SEAB/DERAL I: Paraná deve colher 23,9 milhões de toneladas de grãos

seab deral I 01 03 2021A safra de grãos de verão 2020/21 deve somar 23,9 milhões de toneladas em uma área de 6,1 milhões de hectares, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. Esse volume indica uma redução de 4% se comparado à safra 2019/2020. O relatório deste mês aponta que tanto o clima quanto a ocorrência de pragas reduziram a produtividade e a qualidade dos grãos em algumas das principais culturas do Estado.

Produção - Espera-se a produção de 20,34 milhões de toneladas de soja para a safra 20/21 (safra total), uma redução de 2% na comparação com a safra 19/20. Se houver melhora nas condições climáticas, a colheita do grão deve acelerar nas próximas semanas. Já a primeira safra de milho deve somar 3,2 milhões de toneladas, 7% a menos do que indicava a estimativa inicial.

Clima - Mesmo com todo o investimento realizado pelos agricultores, e a assistência técnica oferecida pelos organismos públicos e privados, a agricultura do Paraná encontra algumas dificuldades devido às condições climáticas, explica o chefe do Deral, Salatiel Turra. “Mas o Estado ainda se destaca em termos de produção e produtividade, considerando o volume expressivo estimado para a soja, principal grão exportado pelo Paraná”, diz.

Soja - A colheita da soja avançou nas últimas semanas, mas ainda está atrasada com relação aos anos anteriores. Hoje, 8% da área está colhida, somando aproximadamente 470 mil hectares. A situação é semelhante à do mês de fevereiro de 2018, quando o Paraná tinha 9% da área colhida, o equivalente a cerca de 500 mil hectares. Os técnicos do Deral reduziram a expectativa de produtividade da soja comparativamente ao mês de janeiro, devido à seca no início do plantio e também do excesso de chuvas em dezembro e janeiro. Porém, a atual produtividade obtida está dentro da média esperada para o período, próxima da expectativa inicial, de 3.650 kg/ha.

Volumosa - Segundo o Deral, a produção de soja na safra 20/21 não será recorde, mas tende a ser volumosa. Se o clima colaborar nas próximas semanas, deve haver aceleração da colheita. Está prevista para esta safra a produção de 20,34 milhões de toneladas, volume 2% abaixo do produzido na safra anterior, e 1% menor do que a expectativa registrada no início do ciclo.

Preço - Por outro lado, o preço pago ao produtor ajuda a compensar essa redução, de acordo com o economista do Deral, Marcelo Garrido. Nesta semana, a saca de 60 kg de soja foi comercializada por R$ 152,14. Na mesma semana de 2020, o valor era de aproximadamente R$ 79,00.

Preocupação - De maneira geral, a situação da safra ainda preocupa os produtores, principalmente devido às chuvas que podem ocorrer neste momento do ciclo e afetar a qualidade do grão. Se a colheita se desenvolver bem em março, o produtor não terá problemas na sequência da safra. Com um leve avanço em comparação a janeiro, 45% da soja já está comercializada. No mesmo período do ano passado, o índice era de 29%. A tendência é de preços altos a médio prazo. “Mesmo que a produtividade não seja tão alta quanto a do ano passado, o que pode ter frustrado os produtores, temos ainda uma safra com um grande volume estimado e preços muito bons”, diz Garrido.

Disponível - Apesar do atraso no plantio, o Brasil é o único país com soja disponível para comercialização no mercado internacional neste período, o que ajuda a sustentar os preços. Isso porque a demanda mundial por alimentos continua forte, especialmente em países avançados na vacinação contra a Covid-19, o que gera expectativa de retomada da demanda para o mercado. Além disso, a alta do dólar reflete no mercado interno, mantendo em alta o preço pago ao produtor brasileiro. Segundo o economista do Deral, a tendência para as próximas semanas é que os preços permaneçam em patamares elevados.

Feijão primeira safra - A primeira safra de feijão está se encerrando no Paraná, embora alguns núcleos regionais, como o de Campo Mourão, ainda tenham áreas para colher. Esta safra é pequena, porque o clima impactou bastante. A produção está estimada em 254,6 mil toneladas, volume 19% menor do que o colhido na safra anterior, quando o Paraná teve uma safra cheia, e 13% menor com relação ao potencial produtivo estimado no início da safra. A área estimada é de 151,7 mil hectares, próxima ao registrado no ciclo 19/20.

Fatores - Entre os fatores que pesam na redução do volume esperado estão a longa estiagem que afetou o Paraná em 2020, além das chuvas representativas em outubro e em janeiro deste ano, o que também afeta o rendimento e a qualidade do grão. Os preços recebidos pelo produtor oscilam de acordo com a qualidade do produto ofertado.

Redução da oferta - Neste ano, a comercialização segue a mesma média de percentual do ano passado, mas há uma redução da oferta. Atualmente, 65% da produção está comercializada, cerca de 166 mil toneladas. No mesmo período do ano passado, esse índice chegou a 67%, com 215 mil toneladas. De acordo com o engenheiro agrônomo do Deral, Carlos Alberto Salvador, mesmo com a oscilação dos preços, os valores remuneram bem os produtores e cobrem os custos de produção.

Feijão segunda safra - O mercado espera uma safra satisfatória para o feijão de segunda safra no Paraná. Da área de 233,2 mil hectares prevista, cerca de 73% já está semeada, e a colheita deve iniciar em abril. Desse total, as condições das lavouras no campo são 89% boas e 11% médias.

Previsão - A previsão é que sejam produzidas 460,9 mil toneladas, 72% a mais do que na safra 19/20, quando foram produzidas 268,7 mil. Nesta semana, a saca de 60 kg de feijão-cores foi comercializada por R$ 288,51, e o feijão-preto por R$ 301,09.

Milho primeira safra - Fatores como o clima seco e a ocorrência de pragas em algumas lavouras impactam negativamente no milho da primeira safra. Embora a área, estimada em 359,7 mil hectares, seja 1% maior do que na safra passada, esses fatores reduziram a estimativa de produção. Neste momento, está prevista a colheita de 3,2 milhões de toneladas, o que representa uma redução de quase 7% se comparada à expectativa inicial, e de 11% em relação à safra 19/20.

Milho segunda safra - Estima-se a produção de 13,6 milhões de toneladas na segunda safra de milho, volume 14% superior ao produzido na safra 19/20, em uma área de 2,4 milhões de hectares, 3% maior. Mas o plantio, que atingiu 11% da área nesta semana, está atrasado comparativamente aos anos anteriores. Percentualmente, trata-se do menor índice das últimas 14 safras, o que pode gerar uma situação adversa no futuro, de acordo com o técnico do Deral, Edmar Gervásio.

Risco - Com a possibilidade de haver plantio fora do zoneamento, aumenta o risco de perdas pelos riscos climáticos, como a geada, que deve afetar principalmente o Oeste do Paraná. Os preços atuais são satisfatórios para o produtor. Na semana passada, a saca de 60 kg foi comercializada, em média, por R$ 71,00, aumento de 80% em relação ao ano passado. Nesta semana, o valor chegou a R$ 73,17. “O cenário não indica redução de preços neste momento, até porque há demanda pelo cereal”, diz o técnico.

Trigo - Após um ritmo rápido em janeiro, a comercialização do trigo teve uma desaceleração neste mês, atingindo 92%. Isso se explica pelo fato de que os agricultores já não têm tanto produto disponível, e pela boa rentabilidade proporcionada pelos preços. A saca de 60 kg do trigo é comercializada por, em média, R$ 76,00. A concorrência com o milho safrinha altera o cenário em algumas regiões onde o preço pago pelo grão está em um patamar superior ao do trigo. “Isso faz com que o produtor não pense duas vezes antes de arriscar a plantar milho, devido à alta rentabilidade que essa alternativa pode trazer”, explica o engenheiro agrônomo do Deral, Carlos Hugo Godinho. No último ano, a valorização dos preços do milho atingiu 83%, contra 50% no caso do trigo. Ainda assim, essa cultura pode ter uma ampliação da área plantada na próxima safra, superando 1,1 milhão de hectares, especialmente se ocupar áreas antes destinadas à aveia-preta.

Avançadas - Neste período, as exportações de trigo estão um pouco mais avançadas do que no ano passado, o que sinaliza que o Brasil pode precisar importar um volume maior do produto, e com uma cotação em altos patamares.

Café - O levantamento do Deral indica que a safra de café no Paraná será 10% inferior à do ano passado. Estima-se um volume de 52 mil toneladas, enquanto que, na safra 19/20, foram produzidas 57,6 mil toneladas. De acordo com o economista do Deral, Paulo Franzini, a redução da área - de 34,6 mil hectares para 33,2 mil hectares - ajuda a explicar essa queda, além do clima seco que afetou a cultura em 2020. Porém, com as chuvas de janeiro a situação foi normalizada, e os frutos estão com um bom desenvolvimento.

Comercialização - Quanto à comercialização, percebeu-se que, a partir de dezembro de 2020, houve uma recuperação no preço do café. Em janeiro, a saca de 60 kg era comercializada por R$ 556,99. Agora, o valor chegou a R$ 604,40. Embora este seja um preço histórico em valores nominais, o produtor não está se beneficiando totalmente, pois a maior parte do volume já está vendida. Em dezembro, o índice de comercialização atingiu 77%.

Arroz - A produção brasileira de arroz está estimada em 11 milhões de toneladas nesta safra. Esse valor está abaixo do esperado, principalmente em função das altas cotações que o produto registrou no último ano. Mas o abastecimento não deve ser afetado, devido ao volume em estoque.

Área - O Paraná mantém aproximadamente 20 mil hectares de área para o plantio de arroz, semelhante ao que foi destinado à cultura na safra anterior, que pode sofrer uma leve redução caso a soja, mais rentável, conquiste algumas dessas áreas de plantio.

Importador - Com produção baixa, o Estado do Paraná é um tradicional importador do produto. Na safra 19/20, foram produzidas 146,3 mil toneladas de arroz de sequeiro. Para esta safra o ciclo 20/21 está previsto um volume 2% menor, 143, 2 mil toneladas, além de 6 mil toneladas de arroz irrigado, volume 11% menor que o da safra passada. A produtividade estimada para o arroz irrigado é de aproximadamente 7,800 kg/hectare.

RS - No Rio Grande do Sul, que comporta 70% da produção nacional e inicia a safra em março, os preços da saca de 60 kg variam entre R$ 70,00 e R$ 80,00. No Paraná, devido à escassez do produto, os preços são mais altos. A saca é comercializada por aproximadamente R$ 109,00.

Mandioca - Com melhores condições climáticas, a colheita da mandioca avançou e atingiu, nesta semana, 8% dos 150 mil hectares plantados. A produção está estimada em 3,6 milhões de toneladas. A oferta mais alta do que a demanda influenciou os preços nos últimos dias. A tonelada foi comercializada por R$ 406,00 nesta semana, ante R$ 408,00 na semana anterior.

Boa - No entanto, esta safra pode ser considerada boa, segundo o economista do Deral, Methodio Groxko. O Paraná continua na vice-liderança nacional, atrás apenas do Estado do Pará. “Há expectativa de que a vacina traga uma situação mais cômoda, porque, no ano passado, a pandemia fez com que muitas indústrias atuassem parcialmente, o que afetou a demanda por fécula”, explica. (Agência de Notícia do Paraná)

FOTO: Jaelson Lucas / Arquivo AEN

 

SEAB/DERAL II: Preço do leite pago aos produtores teve redução no primeiro bimestre

seab deral II 01 03 2021A redução no preço pago aos produtores de leite no Brasil e, particularmente, no Paraná, no primeiro bimestre, é um dos assuntos analisados no Boletim de Conjuntura Agropecuária da semana de 20 a 26 de fevereiro. O documento elaborado por técnicos do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, também analisa outros produtos.

Valor recebido - O ano não começou bem para os produtores de leite, na média geral do Brasil. O preço do litro, de acordo com pesquisa do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), teve redução de 4,3% no início de fevereiro, em comparação com o mês anterior. Isso representa que o produtor recebeu R$ 2,03 pelo litro.

Paraná - No Paraná, a queda no valor do litro foi um pouco maior, de 6%, na comparação entre a média de janeiro de 2021 com a semana de 15 a 19 de fevereiro. No entanto, ainda que as reduções sejam verificadas neste primeiro bimestre, as altas ocorridas ao longo do segundo semestre do ano passado foram mais expressivas.

Restrição - Naquele período, houve restrição na oferta de leite, em razão da estiagem e da alta nos custos de produção, o que refletiu no aquecimento dos preços. O retorno das chuvas e a melhoria na disponibilidade de forragens levaram ao aumento de captação do produto, que resultou em queda na cotação para o produtor. A projeção futura depende, entre outros fatores, do clima, balança comercial e custo dos insumos.

Aves e suínos - O custo de produção da avicultura de corte teve alta de 5,12% em janeiro em âmbito nacional, de acordo com a Embrapa Suínos e Aves. No Paraná, o preço do milho, por exemplo, subiu 12% em janeiro, no atacado, comparado com o mês anterior. O farelo de soja seguiu o mesmo caminho, com aumento de 12,5% no preço.

Exportação - O boletim registra, ainda, que, em janeiro, o Paraná exportou 8,4 mil toneladas de carne suína. O volume é 2% menor que igual período de 2020, mas não altera a expectativa de que este ano o setor poderá atingir novos recordes em vendas para o Exterior.

Feijão e mandioca - A primeira safra de feijão está com a colheita praticamente finalizada, com produção esperada de 254,5 mil toneladas, volume 19% menor que o registrado no período anterior. A segunda safra tem 73% dos 233,2 mil hectares previstos semeados, com expectativa de colher 460,8 mil toneladas.

Colheita - Com o bom tempo e necessidade de liberar o solo para plantio de milho e feijão, a colheita de mandioca se intensificou nas últimas semanas, atingindo 8% dos 150 mil hectares. Com isso, a oferta para as indústrias aumentou, possibilitando a reposição dos estoques de fécula, que estavam baixos.

Outros produtos - O documento preparado pelos analistas do Deral também estima redução de pelo menos 6,7% na primeira safra do milho em relação à projeção inicial. Sobre a soja, o registro é de que a colheita atingiu aproximadamente 8% da área, abaixo do normalmente observado neste período, o que se deve ao atraso no plantio e excesso de chuvas nas últimas semanas.

Trigo - A cultura do trigo pode perder espaço, em razão da projeção de aumento da área do milho safrinha, que é concorrente. Mas ainda há expectativa de que os produtores estendam o plantio do cereal sobre áreas ocupadas por outras culturas, como a aveia preta. O boletim também aborda a comercialização de 83% da produção de cebola. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Jaelson Lucas / Arquivo AEN

www.agricultura.pr.gov.br/Pagina/Conjuntura-Boletim-Semanal-082021

 

FINANCIAMENTO: CMN aprova medidas para o setor leiteiro

Por solicitação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) o Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou, na quinta-feira (25/02) a contratação, até 30 de junho deste ano, com recursos obrigatórios, de Financiamento para Garantia de Preços ao Produtor (FGPP) para beneficiamento ou industrialização de leite. O limite de crédito é de até R$ 65 milhões, com taxa de juros de 6% ao ano e prazo de reembolso de até 240 dias.

Reembolso - Também foi ampliado de um ano para dois anos o prazo de reembolso para contratação de crédito de custeio pecuário para retenção de matizes bovinas de leite.

Descapitalização - Segundo o CMN, as medidas foram adotadas para evitar a descapitalização desse segmento e garantir o abastecimento do mercado. O aumento dos preços dos insumos para ração das vacas leiteiras, como milho e farelo de soja, levou à queda na relação de troca entre esses insumos e o leite. Para 2021, não há expectativa de recuo no preço dos insumos e do custo da alimentação desses animais. Assim, dependendo do comportamento do preço do leite, a rentabilidade do setor pode ser prejudicada, o que pode induzir ao descarte precoce de matrizes leiteiras e, consequentemente, reduzir a oferta interna de leite.

Agricultura Familiar - Outras duas medidas aprovadas na reunião do CMN, também a pedido do Ministério da Agricultura, vão ao encontro dos interesses dos agricultores familiares. A primeira autoriza o financiamento de operações de investimento, na fonte Recursos Obrigatórios, no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), o que pode resultar em até R$ 1,5 bilhão para em recursos novos para essa finalidade.

Agroindústria - A segunda medida amplia o prazo de crédito de curto prazo às agroindústrias familiares de um para dois anos, também em operações ao abalado do Pronaf.

Prazo - Ambas as medidas também têm prazo de contratação até 30 de junho de 2020. (Mapa)

DEFESA AGROPECUÁRIA: Mapa vai monitorar ocorrência do enfezamento do milho

defesa agropecuaria 01 03 2021O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) está trabalhando no mapeamento da ocorrência do enfezamento do milho junto aos principais estados produtores da cultura. O objetivo do monitoramento é permitir o diagnóstico e o dimensionamento adequados para subsídios de eventuais medidas para reduzir ou evitar os prejuízos causados pela doença nos cultivos de milho em todo o país.

Prejuízos - Os prejuízos causados pelas doenças relacionadas ao “complexo de enfezamento" têm gerado grande preocupação para os produtores nas últimas safras, devido ao aumento da ocorrência de sintomas relacionados a essas enfermidades, que também têm sido observados por pesquisadores de diferentes instituições de pesquisa no país.

Causa - Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), essas doenças são causadas por microrganismos denominados molicutes, que invadem sistemicamente e multiplicam-se nos tecidos do floema da planta de milho e são transmitidos de plantas doentes para plantas sadias, pela cigarrinha Dalbulus maidis.

Ações - As ações estão sendo discutidas e planejadas em parceria com representantes das agências estaduais de defesa agropecuária e das instituições de pesquisa envolvidas no tema. No Paraná, estado responsável por cerca de 15% da produção nacional de milho, a Adapar tem monitorado a doença nas principais regiões, durante a Safra 20/21.

Orientação - A Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa orienta que os produtores de milho que identificarem os sintomas das doenças em suas lavouras entrem em contato com as agências estaduais de defesa agropecuária nos seus respectivos estados, para prover informações e colaborar com o monitoramento que será realizado nas demais regiões do país a partir do mês de março.

Identificação das doenças nas lavouras - Para informações sobre a identificação das doenças nas lavouras e sobre o manejo mais adequado para se minimizar os impactos gerados pelos enfezamentos do milho, pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo elaboraram cartilha sobre o Manejo da Cigarrinha e Enfezamentos na Cultura do Milho num esforço conjunto entre instituições de pesquisa, defesa agropecuária e do segmento produtivo do estado do Paraná.  

Site - No site da Embrapa também é possível obter mais informações sobre o manejo das doenças que também vêm ocorrendo em outras regiões do país. (Mapa)

FOTO: Embrapa

 

FOCUS: Previsão do mercado financeiro para inflação sobe para 3,87% neste ano

focus 01 03 2021A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano subiu de 3,82% para 3,87%. A estimativa está no boletim Focus desta segunda-feira (01/03), pesquisa divulgada semanalmente pelo Banco Central (BC) com a projeção para os principais indicadores econômicos.

2022 - Para 2022, a estimativa de inflação é de 3,50%. Tanto para 2023 como para 2024 as previsões são de 3,25%.

Acima do centro - A projeção para 2021 está acima do centro da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75% para este ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,25% e o superior, 5,25%.

Taxa de juros - Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, estabelecida atualmente em 2% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Mercado - Para o mercado financeiro, a expectativa é que a Selic encerre 2021 em 4% ao ano. Para o fim de 2022, a estimativa é que a taxa básica suba para 5% ao ano. E para o fim de 2023 e 2024, a previsão é 6% ao ano.

Aumento - Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Entretanto, os bancos consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

Redução - Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

Projeção - As instituições financeiras consultadas pelo BC mantiveram a projeção para o crescimento da economia brasileira este ano em 3,29%.

PIB - Para o próximo ano, a expectativa para Produto Interno Bruto (PIB) - a soma de todos os bens e serviços produzidos no país - é de crescimento de 2,5%, a mesma previsão há 149 semanas consecutivas. Em 2023 e 2024, o mercado financeiro também continua projetando expansão do PIB em 2,5%.

Dólar - A expectativa para a cotação do dólar subiu de R$ 5,05 pra R$ 5,10, ao final deste ano. Para o fim de 2022, a previsão é que a moeda americana fique em R$ 5,03. (Agência Brasil)

FOTO: Banco Central do Brasil

 

RECEITA FEDERAL: Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa nesta segunda-feira

receita federal 01 03 20221A partir das 8h desta segunda-feira (01/03), o contribuinte pode começar a prestar contas com o Leão. Nesta segunda-feira começa o prazo de entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física 2021 (ano-base 2020). O programa para computador está disponível na página da Receita Federal na internet desde a última quinta-feira (25/02).

Prazo - O prazo de entrega vai até as 23h59min de 30 de abril. Neste ano, o Fisco espera receber 32.619.749 declarações. No ano passado, foram enviadas 31.980.146 declarações.

Restituição - Pelas estimativas da Receita Federal, 60% das declarações terão restituição de imposto, 21% não terão imposto a pagar nem a restituir e 19% terão imposto a pagar.

Lotes - Assim como no ano passado, serão pagos cinco lotes de restituição. Os reembolsos serão distribuídos nas seguintes datas: 31 de maio (primeiro lote), 30 de junho (segundo lote), 30 de julho (terceiro lote), 31 de agosto (quarto lote) e 30 de setembro (quinto lote).

Novidades - As regras para a entrega da declaração do Imposto de Renda foram divulgadas na semana passada pela Receita. Entre as principais novidades, está a obrigatoriedade de declarar o auxílio emergencial para quem recebeu mais de R$ 22.847,76 em outros rendimentos tributáveis e a criação de três campos na ficha “Bens e direitos” para o contribuinte informar criptomoedas e outros ativos eletrônicos.

Comprovantes - O prazo para as empresas, os bancos e demais instituições financeiras e os planos de saúde fornecerem os comprovantes de rendimentos acabou na última sexta-feira (26/02). O contribuinte também deve juntar recibos, no caso de aluguéis, de pensões, de prestações de serviços, e notas fiscais, usadas para comprovar deduções. (Agência Brasil)

FOTO: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

 

COMBUSTÍVEL: Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás

combustivel 01 03 2021A Petrobras anunciou nesta segunda-feira (01/03) um novo aumento nos preços da gasolina, do óleo diesel e do gás de botijão vendidos nas refinarias. A partir desta terça-feira (02/03), a gasolina ficará 4,8% mais cara, ou seja, R$ 0,12 por litro. Com isso, o combustível será vendido às distribuidoras por R$ 2,60 por litro.

Diesel - O óleo diesel terá um aumento de 5%: R$ 0,13 por litro. Com o reajuste, o preço para as distribuidoras passará a ser de R$ 2,71 por litro a partir de amanhã.

GLP - Já o gás liquefeito de petróleo (GLP), conhecido como gás de botijão ou gás de cozinha, ficará 5,2% mais caro também a partir de amanhã. O preço para as distribuidoras será de R$ 3,05 por quilo (R$ 0,15 mais caro), ou seja R$ 36,69 por 13 kg (ou R$ 1,90 mais caro).

Mercado internacional - Segundo a Petrobras, seus preços são baseados no valor do produto no mercado internacional e na taxa de câmbio.

Valores - “Importante ressaltar também que os valores praticados nas refinarias pela Petrobras são diferentes dos percebidos pelo consumidor final no varejo. Até chegar ao consumidor são acrescidos tributos federais e estaduais, custos para aquisição e mistura obrigatória de biocombustíveis pelas distribuidoras, no caso da gasolina e do diesel, além dos custos e margens das companhias distribuidoras e dos revendedores de combustíveis”, destaca nota divulgada pela empresa. (Agência Brasil)

 

ENERGIA ELÉTRICA: Aneel mantém tarifa de bandeira amarela para março

energia eletrica 01 03 2021A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou, na sexta-feira (26/02), que a bandeira tarifária permanecerá amarela no mês de março. Dessa forma, o consumidor pagará R$1,343 para cada 100kWh utilizados.

Reservatórios - Em nota, a agência explicou que os reservatórios das hidrelétricas estão com volume reduzido, embora tenham ocorrido chuvas recentes nas bacias do Sistema Interligado Nacional (SIN). O valor extra das bandeiras é usado para custear o acionamento das usinas termelétricas, que custam mais para gerar energia.

Custo - Criado pela Aneel, o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o bom uso da energia elétrica. O cálculo para acionamento das bandeiras tarifárias leva em conta, principalmente, dois fatores: o risco hidrológico (GSF, na sigla em inglês) e o preço da energia (PLD).

Funcionamento - As bandeiras tarifárias funcionam da seguinte maneira. As cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração, sendo a bandeira vermelha a que tem um custo maior e a verde, o menor.

Uso consciente - A agência recomenda que, diante da cobrança da tarifa amarela, os consumidores façam uso consciente dos aparelhos elétricos e evitem o desperdício de energia. (Agência Brasil)

 

SAÚDE I: Em 24 horas, país registra 721 mortes e 34 mil novos casos de Covid-19

De acordo com o balanço diário mais recente divulgado neste domingo (28/02) pelo Ministério da Saúde, o número de pessoas que morreu por causa da covid-19 no Brasil subiu para 254.942. Em 24 horas, foram registradas 721 mortes. Há ainda 2.860 óbitos em investigação no país.

Infectadas - Já o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia chegou a 10.551.259. Em 24 horas, foram confirmados pelas autoridades sanitárias 34.027 novos casos.

Balanço - O balanço é produzido a partir de informações fornecidas pelas secretarias estaduais de saúde e, nos finais de semana, costuma ser menor do que durante a semana.

Acompanhamento - Há, ao todo, 885.284 pessoas com casos ativos da doença em acompanhamento por profissionais de saúde e 9.411.033 pacientes já se recuperaram.

Estados- Na lista de estados com mais mortes estão São Paulo (59.493), Rio de Janeiro (33.080), Minas Gerais (18.565) e Rio Grande do Sul (12.392). As unidades da Federação com menos óbitos são Acre (998), Roraima (1.100), Amapá (1.140) e Tocantins (1.526).

Casos acumulados - Em número de casos acumulados, São Paulo também lidera (2.041.628), seguido por Minas Gerais (878.705), Bahia (684.037), Santa Catarina (670.603) e Paraná (647.032). (Agência Brasil)

 

saude I tabela 01 03 2021

SAÚDE II: Paraná soma 11.581 mortes pela Covid-19

saude II 01 03 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou neste domingo (28/02) 3.675 novos casos confirmados e 34 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 642.425 casos confirmados e 11.581 mortos em decorrência da doença.

Meses - Os casos divulgados nesta data são de janeiro (6) e fevereiro (3.638) de 2021 e dos seguintes meses de 2020: julho (2), agosto (3), setembro (1), outubro (3), novembro (10) e dezembro (12).

Vacina - O Paraná já aplicou 396.049 doses, sendo 297.611 da primeira dose e 98.438 da segunda dose contra a Covid-19 até a manhã desta sexta-feira, 26 de fevereiro. Portanto, 297.611 paranaenses já foram vacinados.

Doses - Ao todo, o Estado recebeu 706.200 doses do Governo Federal até o momento (confirme).

Internados - 1.576 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 1.382 pacientes em leitos SUS (641 em UTI e 741 em leitos clínicos/enfermaria) e 194 em leitos da rede particular (84 em UTI e 110 em leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 2.011 pacientes internados, 716 em leitos UTI e 1.295 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A secretaria estadual informa a morte de mais 34 pacientes. São 12 mulheres e 22 homens, com idades que variam de 42 a 95 anos. Os óbitos ocorreram entre 8 de dezembro de 2020 a 28 de fevereiro de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em: Curitiba (8), Cascavel (4), Foz do Iguaçu (4), Campo Largo (2), Tijucas do Sul (2).

Uma morte - A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Altônia, Assis Chateaubriand, Carambeí, Céu Azul, Cornélio Procópio, Guaratuba, Itapejara D’Oeste, Itaperuçu, Paranaguá, Porto Amazonas, Santa Mariana, São Mateus do Sul, Sarandi e Vera Cruz do Oeste.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa 4.607 registra casos de residentes de fora, 88 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo.

 


Versão para impressão


RODAPE