Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5022 | 05 de Março de 2021

PRÉ-ASSEMBLEIAS: Reuniões de prestação de contas iniciam na segunda-feira, com quatro encontros digitais

A partir de segunda-feira (08/03), o Sistema Ocepar estará reunindo as lideranças do cooperativismo paranaense em quatro pré-assembleias destinadas a fazer a prestação de contas de 2020 e a apresentação do plano de trabalho para 2021. Os eventos, preparatórios para a Assembleia Geral Ordinária (AGO) da entidade, que ocorrerá no dia 5 de abril, serão virtuais e terão como convidados especiais o governador Ratinho Junior e o secretário estadual da Agricultura, Norberto Ortigara. Na oportunidade, haverá ainda debates sobre o novo ciclo do planejamento estratégico do cooperativismo paranaense, o Plano Paraná Cooperativo 200 (PRC200), cujo objetivo é preparar o caminho para que as cooperativas do Paraná alcancem R$ 200 bilhões de faturamento nos próximos anos.

Participação – Participam das reuniões conselheiros de administração e fiscal, gestores, representantes dos comitês educativos, de mulheres e jovens, entre outros. A série de encontros começa no dia 8 de março, com representantes das cooperativas que integram o Núcleo Centro-Sul, tendo como anfitriãs as cooperativas Bom Jesus e Sicredi Integração. A rodada prossegue no dia 9, com o Núcleo Oeste, e a C.Vale será a anfitriã; no dia 10, será a vez dos Núcleos Norte e Noroeste, e a Unimed Londrina será a anfitriã; e no dia 11, vai reunir as lideranças do Núcleo Sudoeste, com seis cooperativas sediadas em Pato Branco como anfitriãs. As reuniões ocorrerão das 13h30 às 16h30, com os Núcleos Centro-Sul, Oeste e Norte e Noroeste. Com o Núcleo Sudoeste, será das 8h30 às 11h30.

Informações – Mais informações com Neuza Oliveira ou Daniele Luana (secretaria@sistemaocepar.coop.br / 41 - 99278 0739 ou 99151 2148).

Clique aqui para se inscrever

 

pre assembleia folder atualizado 05 03 2021

SISTEMA OCEPAR: Segunda turma do curso de Alta Performance apresenta projetos de conclusão

Na manhã desta sexta-feira (05/03), as cinco equipes do Sistema Ocepar que integram a segunda turma do curso de Ata Performance (High Performance), promovido em parceria com a Fae Business School, apresentaram para a banca de avaliação os seus projetos de conclusão de curso. O evento aconteceu de forma virtual pela ferramenta Google Meet e contou com a participação do presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, dos superintendentes, Nelson Costa, Robson Mafioletti e Leonardo Boesche, respectivamente da Fecoopar, Ocepar e Sescoop/PR, e da coordenadora do curso pelo sistema, Vanessa Christófoli. Pela Fae, participaram o diretor de Pós-Graduação, José Vicente Mello Cordeiro, e o coordenador do curso pela entidade, Claudio Marcelo Rodrigues Cordeiro.

Senso crítico - Durante a abertura dos trabalhos, o presidente Ricken ressaltou que dar continuidade à esta capacitação dos colaboradores do Sistema Ocepar faz parte da estratégia da atual gestão. “Para nós, a conclusão desta segunda turma é motivo de orgulho. Este é o principal evento de formação dos profissionais que atuam no sistema. Tem toda uma metodologia prática no desenvolvimento do senso crítico e que nos interessa. Hoje é um dia importante na vida de cada um de vocês. Se não prepararmos adequadamente nossa equipe, não vamos atingir as metas que traçamos, em especial com o novo Planejamento Estratégico, o PRC200. Precisamos fazer com excelência aquilo que é essencial para nossas cooperativas”, concluiu o dirigente.

Grupos e temas - Confira os temas dos projetos apresentados pelas equipes da segunda turma do curso de Ata Perfromance:

Grupo 01 - Com o tema “transformação digital”, o grupo foi orientado pelo professor Jamerson Moreira e tem como integrantes Camila Hamasaki, Felipe Lemes, Marlon Dreher e Nicole Vilela.

Grupo 02- “Desenvolvimento de novas cooperativas” foi o tema escolhido pelos alunos Daniely A. da Silva, Jaffer Vinicius Besen, José Ronkoski e Rodrigo G. Donini, sob a orientação do professor Daniel Muraro.

Grupo 03 - A professora Patrícia Piana Presas orientou o grupo que escolheu como tema “serviços compartilhados”, composto pelos alunos Carla Lampe, Claudiomiro Rodrigues, Daniel Braga, Fabianne Ratzke e Luis Henrique Macedo.

Grupo 04 - O quarto grupo, integrado por Carlos Roberto Gonçalves, Ketlyn Sharon Z. Mali, Mariana Balthazar, Matheus Felipe da Silva e Tiago Fernandes Gomes, escolheu o tema: “Metodologia de consultoria”, sob a orientação do professor Valter Pereira Francisco Filho.

Grupo 05 - “Estudos setoriais” foi o tema do grupo orientado pelo professor Luis André Fumagalli, que tem como integrantes: Alexandre A. Monteiro, Assis Carlos Pacheco, Devair Antonio Mem, Emerson Barcik e Sandra de Souza Schimidt.

{vsig}2021/noticias/03/05/sistema_ocepar/{/vsig}

FORMAÇÃO: Profissionais da Coacipar participam de Programa de Desenvolvimento Regional

Gestores da Coacipar - Cooperativa de Agricultura Familiar e Solidária do Paraná estão participando, nesta quinta e sexta-feira (04 e 05/03), do primeiro módulo do Programa de Desenvolvimento Regional, implementado em parceria com o Sistema Ocepar, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR). Esses dois dias estão sendo dedicados a tratar sobre o tema “Plano de negócios”, cujo conteúdo está sendo trabalhado pela instrutora Vivian Schlemm de Albuquerque, da Kreativ Factory Consultoria e Treinamento Ltda. As atividades estão ocorrendo de forma virtual.

Treinamento - O Programa contempla a realização de três módulos, totalizando 24 horas/aula de treinamento. Os próximos ocorrerão nos dias 9 e 16 de março, das 8h às 12h, e das 13h30 às 17h30. O segundo módulo será sobre “Gestão de processos”, com o professor Jameson Emanoel Moreira, da Velg Assessoria Empresarial, e terceiro abordará “Gestão de custos”, tendo como instrutor Celson Salviato, da Scelta Office Management.

O Programa - O Programa de Desenvolvimento Regional foi idealizado e construído pelo Sescoop/PR, envolvendo as coordenações de profissionalização e monitoramento e a equipe de analistas das regiões Norte e Noroeste, em conjunto com a diretoria da Cooperativa Coacipar e instrutores contratados para o treinamento. O objetivo é capacitar as equipes tático e estratégica da Coacipar nos conceitos necessários para lançamento de novos produtos, abrangendo o desenvolvimento de plano de negócios, gestão por processos e gestão de custos, a fim de melhorar seu posicionamento no mercado.

Alinhamento - “Realizamos diversas reuniões de alinhamento para ouvir e entender a demanda da cooperativa, e conseguimos transformar as ideias nesse importante programa”, relatou o analista técnico do Sescoop/PR, Fernando Mendes, que deu as boas-vindas aos participantes no início do curso, nesta quinta-feira (04/03), junto com os analistas regionais Jessé Rodrigues e Luis Henrique de Macedo. “Nós, da Coacipar, nos sentimos privilegiados pelo fato do Sescoop/PR investir em nossa capacitação por meio desse novo projeto”, afirmou a gerente da cooperativa, Joyce Santana.

Coacipar - Com sede em Paranavaí, a Coacipar é uma das cooperativas que atuam na produção de laranja, que está concentrada nas regiões Norte e Noroeste do Paraná, em razão das condições climáticas. Ela atua nos municípios de Alto Paraná, Atalaia, Cianorte, Corumbataí do Sul, Flórida, Floraí, Guairaçá, Nova Esperança, Paranavaí, Presidente Castelo Branco e Rolândia.

Certificação - A Coacipar possui a certificação internacional de Fair Trade (Comércio Justo), o que possibilita uma melhor negociação no preço pagos aos seus cooperados e ainda abriu as portas do mercado europeu e asiático para o suco da cooperativa. Devido a certificação, toda a produção é vendida para a Citri Agroindustrial S.A, que destina a matéria-prima para a produção do suco FCOJ ou NFC. Depois, a empresa exporta e realiza fechamento de safra com a Coacipar.

Histórico - Em 1995, um grupo de produtores de laranja decidiu criar a Associação dos Citricultores do Paraná (Acipar), como forma de unir forças para impulsionar seu negócio. Em 1999, a Acipar obteve a certificação da Fairtrade Labelling Organizations International (FLO), uma certificadora internacional, referente ao selo de comércio justo. Em 2011, os produtores decidiram criar a Coacipar (oficialmente estabelecida em 23 de fevereiro de 2012).

{vsig}2021/noticias/03/05/formacao/{/vsig}

COVID-19: Confira os novos destaques da área destinada ao coronavírus no Portal PR Cooperativo

covid II 05 03 2021A Área Covid-19 do Portal Paraná Cooperativo é atualizada toda sexta-feira com as notícias que foram destaques durante a semana no Informe Paraná Cooperativo e na Rádio Paraná Cooperativo. Lá, é possível acessar também os comunicados do Comitê de Acompanhamento e Prevenção da Covid-19 do Sistema Ocepar. Há ainda uma seção de perguntas e respostas, com esclarecimentos relativos à pandemia. Clique aqui e confira.

 

RÁDIO PR COOPERATIVO: O que fazer para evitar que o Paraná sofra um colapso nos sistemas de saúde?

radio pr cooperativo 05 03 2021O Paraná nunca esteve tão próximo de um colapso nos sistemas de saúde, tanto públicos como privados. A pandemia de Covid-19 atinge um pico histórico no Paraná. O diretor-presidente da Unimed Cascavel, Danilo Galletto, concedeu uma entrevista sobre o assunto num podcast produzido pela cooperativa médica. A condução da entrevista ficou à cargo do jornalista Luiz Haab. Ouça aqui

Íntegra - Você pode ouvir o podcast na íntegra, acessando o Canal da Unimed Cascavel no Spotify. Saiba mais: www.unimedcascavel.coop.br.

 

COOPERATIVISMO: Panorama Coop traz análises da semana sobre os principais fatos de interesse do setor

cooperativismo 05 03 2021Desde março de 2020, o Sistema OCB publica, semanalmente, análises sobre vários temas e seus impactos para as cooperativas. São informações que tratam de política, economia, reforma tributária, pleitos do cooperativismo em tramitação no Congresso Nacional, normativos e medidas tributárias publicadas pelo governo. Neste ano, essas análises passaram a ser divulgadas por meio do Panorama Coop, uma newsletter atualizada todas as quintas-feiras. A edição desta semana traz detalhes sobre temas que têm movimentado o Congresso Nacional nos últimos dias, com destaque para a votação da PEC Emergencial e as atualizações sobre a Reforma Tributária, fazendo uma análise especial sobre os impactos dessas movimentações no coop. Há ainda as notícias de destaque da semana que são importantes para o nosso movimento. Confira!

Análise Política - A aprovação da PEC Emergencial marcou uma semana decisiva no Congresso Nacional. Do ponto de vista político, a PEC traduz o espírito reformista do atual Congresso e traz algumas sinalizações importantes em relação à pauta econômica para os próximos meses. Clique e confira quais são os principais pontos de atenção da matéria para o cooperativismo! Acesse a Análise Política

Clique aqui e acesse todas as análises anteriores!

Análise Tributária - Continuam as negociações entre os presidentes do Senado, da Câmara e o relator na Comissão Mista, principais atores envolvidos na discussão da Reforma Tributária atualmente, para apresentação do texto que será votado pelo Congresso Nacional.

Sinalização - O deputado Arthur Lira, presidente da Câmara de Deputados, sinalizou que o parecer da Reforma Tributária está praticamente pronto e que o tema deverá ganhar força novamente depois da votação da PEC Emergencial, que foi concluída nesta quinta-feira (04/03) pelo Senado e segue para apreciação dos deputados. O objetivo é não dividir a atenção e, com isso, não prejudicar os debates sobre dois assuntos tão importantes na pauta.

Discussão - Tanto o senador Rodrigo Pacheco quanto o deputado Arthur Lira avaliam que a Reforma Tributária deve ser discutida por um período maior de tempo, por ser um tema mais delicado e de difícil consenso. “É uma discussão mais técnica, mais apurada, com efeitos mais contundentes para a economia, que detém uma gama de inquietudes, que precisam ser bem esclarecidas, com interesses de muitos entes, Estados, municípios, setores produtivos, varejo e serviços”, afirmou Lira.

Crédito debate casos de sucesso no mundo - Compartilhar conhecimentos e experiências de sucesso mundo afora. Esse é o objetivo do workshop internacional Cooperativas de crédito: novos modelos de negócios, realizado pelo Sistema OCB junto com o Banco Central. O evento virtual começou nesta terça-feira e segue até quinta (04/03). Leia mais!

Indefinição sobre Convênio 100 preocupa coops - O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), composto por secretários de Fazenda dos 26 estados e Distrito Federal, decidiu adiar, nesta sexta-feira (26), a decisão sobre a prorrogação ou não dos Convênios 100/1997 e 52/1991. A decisão será tomada na próxima reunião do colegiado, prevista para o dia 12 de março. Leia mais!

Clique aqui para conferir o Panorama Coop

 

COPACOL: Campanha destaca sabor irresistível, leveza e praticidade dos alimentos

Sabor irresistível, com alimentos leves e práticos no seu dia a dia. É assim que a Copacol coopera com você: tornando toda refeição um momento especial, saudável e feliz. A mais nova campanha de marketing está no ar, apresentando ao público a essência Coopera Sempre. A Tilápia Copacol é a grande protagonista, por ser um dos alimentos preferidos em todo o País. O peixe considerado uma fonte rica em proteínas e em vitaminas é oferecido em filés, postas e empanados, na opção tradicional ou multigrãos, fáceis de preparar e muito saborosos.

Divulgação - A superprodução com pratos de dar água na boca já é compartilhada em redes sociais e canais de televisão de abrangência nacional. A cooperativa também decidiu investir nos influenciadores digitais para compartilhar com milhares de internautas a essência de ser Copacol. Diego Assalve, do Canal Receitas de Pai, Karina Peloi, nutricionista especializada em emagrecimento, e Naiumi Goldoni, atriz que sempre tem dicas para as mamães, vão cooperar com segredos, dicas e receitas pelo Instagram da Copacol, @copacoloficial. “Apresentamos com essa campanha o nosso posicionamento Coopera Sempre. A Copacol é uma marca reconhecida no Brasil e no mundo pela qualidade, pela praticidade e pelo sabor inconfundíveis. Queremos estar cada vez mais próximos dos nossos consumidores e cooperar com pratos saudáveis e nutritivos, demonstrando sempre nosso propósito de oferecer os melhores produtos com leveza e sabor, por meio de um ecossistema exemplar”, explica o gerente de Marketing Copacol, Alessandro Guerra.

Linha de peixes - A Copacol conta com um mix completo de pescados, que cooperam com pratos saudáveis. Além da tilápia em filé e posta, tem costela de tambaqui, posta de pintado, camarão sete barbas, filé de merluza, sardinha e posta de cação. Tem ainda os filés de tilápia empanados, tradicional e multigrãos, fáceis de preparar e muito saborosos. Neste ano, a Copacol ampliou a linha de pescados e passou a oferecer também o filé de salmão em três opções de embalagens: 400 gramas, com filés congelados separadamente; 800 gramas, com o filé inteiro; e a porção individual de 125 gramas.

Dia do Peixe - No portal Dia de Peixe Copacol www.diadepeixe.com.br você encontra centenas de receitas muito práticas para arrasar em sabor e também em praticidade. Você também encontra as harmonizações ideais para cervejas, vinhos e espumantes.

Essência Copacol - Formada por 6,2 mil produtores rurais, a Copacol (Cooperativa Agroindustrial Consolata) tem como razão de existência oferecer os melhores produtos com leveza e sabor, por meio de um ecossistema exemplar. São mais de 11,2 mil colaboradores que atuam diariamente para garantir a qualidade na mesa dos brasileiros. A cooperativa fica em Cafelândia, Oeste do Paraná, considerado o berço do agronegócio paranaense. (Imprensa Copacol)

{vsig}2021/noticias/03/05/copacol/{/vsig}

AGRÁRIA: Palestras on-line do Dia de Campo de Verão atraem mais de 800 pessoas

agraria 05 03 2021Na quarta-feira (03/03), mais de 800 pessoas, entre cooperados, produtores rurais da região, profissionais e estudantes do setor agrícola acompanharam as palestras do Dia de Campo de Verão 2021. Organizado pela Cooperativa Agrária e pela Fapa (Fundação Agrária de Pesquisa Agropecuária), o evento acontece de maneira on-line, respeitando as medidas de combate à Covid-19 adotadas pelos governos estadual e municipal.

Secretário - O início das atividades teve a participação do Secretário Estadual de Agricultura e Abastecimento do Paraná, Norberto Ortigara. Em sua fala, ele destacou a importância da manutenção dos eventos técnicos para o desenvolvimento do agronegócio local. “São oportunidades como o Dia de Campo de Verão, trazendo informações técnicas de qualidade, que ajudam a agricultura paranaense a ser cada vez mais competitiva e sustentável”, afirmou Ortigara.

Apresentações - Durante a tarde, foram apresentadas quatro palestras com pesquisadores da Fapa, abordando temas como produtividade e manejo das culturas da época mais quente do ano. Encerrando a programação, o Dia de Campo de Verão recebeu o economista Roberto Padovani, que falou sobre as perspectivas econômicas para o cultivo da soja, do milho e do feijão nos próximos anos. Mesmo com o evento on-line, o público interagiu com os palestrantes enviando perguntas através de um chat.

Youtube - As palestras transmitidas na quarta continuam disponíveis no canal da Agrária no Youtube (Cooperativa Agrária Agroindustrial). Nesta quinta-feira (04/03), a programação do Dia de Campo de Verão começou às 13h45. Além do canal no Youtube, é possível acompanhar o evento pelo site diadecampodevarao.com.br.

Patrocínio - O Dia de Campo de Verão 2021 tem o patrocínio ouro da Oro Agri, patrocínio prata da Ihara e patrocínio bronze da Pioneer e do Sindicato Rural de Guarapuava. (Imprensa Agrária)

 

COCARI: Cooperativa prepara live especial do Dia Internacional da Mulher na segunda-feira

cocari 05 03 2021Para a próxima segunda-feira (08/03), Dia Internacional da Mulher, a Cocari promoverá uma live comemorativa, com o apoio do Sescoop/PR, que será transmitida às 19h30. Na programação, o evento conta com mensagem do presidente da Cocari, Vilmar Sebold; a palestra “Mulheres na TPM – Transformação para Melhor”, com Helda Elaine; e também sorteio de prêmios aos participantes. O evento é aberto à comunidade e será realizado com transmissão pelas redes sociais da cooperativa nos perfis @cocaricoop no Facebook e Canal do Youtube.

Convidada - A palestrante da noite, Helda Elaine, atua neste segmento há mais de dez anos, falando sobre temas como cooperativismo, agronegócio, liderança, motivação, vendas, empoderamento feminino e comportamento. É administradora, especialista em Comportamento e Desenvolvimento Humano, Comunicação e Marketing, mestre em Desenvolvimento Regional e Agronegócio.

Eventos on-line - Com o objetivo de preservar a segurança dos cooperados e seus familiares, respeitando as medidas de prevenção à Covid-19, os eventos da Cocari continuam a ser realizados de forma on-line, mantendo a qualidade no repasse de informações e alcançando um número maior de participantes. (Imprensa Cocari)

 

SICOOB: Dia Internacional da Mulher é comemorado com palestra de Hortencia e sorteios

sicoob 05 03 2021Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, o Sicoob - instituição financeira cooperativa - vai promover, em 8 de março, às 19h, um bate-papo virtual com um dos maiores nomes do esporte feminino brasileiro: a ex-jogadora de basquete Hortencia Marcari. As cooperadas vão acompanhar a palestra com o tema "Mulheres que Inspiram" via YouTube, no canal oficial do Sicoob.

Prêmio - Mas a ação não para por aí: a conversa também vai gerar um prêmio bastante cobiçado pelos amantes de tecnologia. Isso porque no dia 08 de maio, o Sicoob vai sortear uma Alexa 4ª geração, aparelho que auxilia na automatização de casas, para quem assistir a palestra da ex-atleta. Entre suas funções, estão reprodução de músicas, previsão do tempo, leitura de notícias e interação com outros dispositivos inteligentes, como lâmpadas, controles remotos, geladeiras e smart TVs.

Seguros - Além do prêmio para os participantes da palestra, todos que adquirirem um dos seguros Individual, Mulher ou Simples, nos dias 11 e 12 de março, vão concorrer a um HB20 zero. Este sorteio também será realizado em 08 de maio.

Trajetória - De acordo com Guilherme Ciarrochi Ferreira, diretor comercial do Sicoob Seguradora, Hortencia foi escolhida para conversar com as cooperadas com base em sua trajetória de vida e carreira. "Ela inspirou e transformou uma geração de mulheres, dando foco ao esporte feminino", explica.

Cooperação - O executivo também acredita que o basquete é um esporte que fala diretamente sobre cooperação, afinal, ninguém entra em quadra sozinho e o cuidado com os colegas é peça fundamental para o sucesso de atletas.

Pontos de atendimento - O Sicoob conta, hoje, com mais de 3,4 mil pontos de atendimento físico em todo o Brasil, consolidando-se como a segunda maior rede financeira do País, atrás apenas do Banco do Brasil. Formada por 372 cooperativas singulares e 16 centrais, a instituição chegou a 5 milhões de cooperados em 2020, sendo que 42% são mulheres.

Sobre o Sicoob - Instituição financeira cooperativa, o Sicoob tem mais de 5 milhões de cooperados e está presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. Oferecendo serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento, dentre outras soluções financeiras, o Sicoob é a única instituição financeira presente em mais de 300 municípios. É formado por mais de 380 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais e pelo Centro Cooperativo Sicoob (CCS), composto por uma confederação e um banco cooperativo, além de processadora e bandeira de cartões, administradora de consórcios, entidade de previdência complementar, seguradora e um instituto voltado para o investimento social. Sua rede de atendimento físico é uma das maiores no Sistema Financeiro Nacional, com mais de 3 mil pontos de atendimento. Acesse www.sicoob.com.br para mais informações. (Imprensa Sicoob)

 

CRESOL UNIÃO DOS VALES: Cooperativa realiza a prestação de contas de 2020 aos associados em Assembleia 100% online

A Cresol União dos Vales irá realizar, no dia 9 de março, a partir das 18h, a Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária. A reunião faz parte do processo assemblear da cooperativa e tem o objetivo de apresentar a prestação de contas de 2020, a proposta de distribuição de sobras aos sócios e demais assuntos pertinentes ao desenvolvimento da cooperativa.

Novo formato- O novo formato foi adotado para que, mesmo a distância, os cooperados possam exercer o direito e dever de sócio e dono do negócio. Assim, a Cresol mantém a essência do cooperativismo, ao estar próximos e presentes aos cooperados e a comunidade, e entende a necessidade de não promover aglomerações.

Acesso - O acesso à Assembleia Geral Ordinária deve ser feito pelo site www.cresol.coop.br/assembleias, procurar pela Cresol União dos Vales e fazer o credenciamento com CPF ou CNPJ cadastrado, sendo o usuário e senha do cooperado. Em caso de dúvidas, procure o gerente de sua agência. (Imprensa Cresol União dos Vales)

{vsig}2021/noticias/03/05/cresol_uniao_dos_vales/{/vsig}

UNIPRIME: Conheça as opções para aquisição de automóveis, veículos pesados e implementos agrícolas

uniprime 05 03 2021A ausência de juros e o parcelamento flexível são vantagens para quem deseja realizar o sonho de comprar ou trocar de carro. A Uniprime oferece a opção do “Consórcio de Automóvel”, uma excelente alternativa com créditos entre R$ 25.000,00 e R$ 125.000,00 e prazos de 50 a 80 meses, em que é possível adquirir veículos como carros, motos e, até mesmo, jet ski e barcos.

Outra alternativa - Outra alternativa refere-se ao “Consórcio de Veículo Pesado”, com créditos entre R$ 150.000,00 e R$ 300.000,00 e prazo de 120 meses para pagar. Neste grupo, além de caminhões e ônibus, o contemplado pode, ainda, utilizar o crédito para aquisição de implementos rodoviários, implementos agrícolas e carros de luxo.

Poupança programada - Vale lembrar que, diferente de um empréstimo, o consórcio de veículos funciona como uma poupança programada, em que você não adquire o bem de imediato. A contemplação do benefício ocorre por meio de sorteios ou lances.

Mais - Para saber mais, fale com seu Gerente Uniprime. (Imprensa Uniprime)

 

UNIMED COSTA OESTE: Cooperativa apresenta novo canal de comunicação virtual

“Olá! Sou a Julia. A assistente virtual da Unimed. Como posso te ajudar?”. Essa é a saudação do novo canal de relacionamento da Unimed com seu público. A assistente virtual Julia atenderá os clientes, via plataforma Whatsapp, 24 horas por dia, sete dias por semana. Para isso, basta adicionar aos contatos o número 0800-041-4554 e mandar a mensagem. O retorno é imediato.

Dados - Nela, o beneficiário poderá ter acesso a dados sobre seu plano de saúde como: demonstração do Imposto de Renda, liberação de guias, consulta de solicitações, guia médico, carteirinha virtual, extrato de coparticipação e de utilização. Além disso, é possível esclarecer dúvidas e receber orientações sobre a Covid-19 sem sair de casa ou ainda obter informações sobre a contratação de planos.

Aplicativo - Os clientes Unimed Costa Oeste também contam com um outro recurso virtual, o aplicativo para smartphone. Para tê-lo, basta acessar a loja de aplicativos (PlayStore ou App Store) e baixar o app Unimed Cliente PR. (Imprensa Unimed Costa Oeste)

unimed costa oeste julia 05 04 2021

 

FACULDADE UNIMED: Instituição de ensino recebe currículos para banco de talentos de docentes

faculdade unimed 05 03 2021A Faculdade Unimed está recebendo currículos para seu banco de talentos de docentes. Podem se inscrever, gratuitamente, profissionais das áreas de gestão, saúde e cooperativismo, de qualquer lugar do Brasil, com experiência em docência em cursos superiores.

Credenciada - Com sede em Belo Horizonte (MG), a instituição de ensino superior do Sistema Unimed é credenciada pelo Ministério da Educação desde 2016 e, nos últimos anos, vem crescendo e se consolidando cada vez mais no setor educacional. São ofertados cursos de graduação, pós-graduação, curta duração e aperfeiçoamento em todo o país.

Certificada - Além de fazer parte do maior sistema de cooperativas de saúde do mundo, a Faculdade Unimed foi certificada, em novembro do ano passado, pela Great Place to Work como um excelente lugar para se trabalhar.

Cadastro - O cadastro de currículos para futuras oportunidades pode ser feito em faculdadeunimed.edu.br/banco-de-talentos. (Imprensa Faculdade Unimed)

 

SICREDI CAMPOS GERAIS: Gilberto Zardo, vice-presidente da morre por Covid-19

sicredi campos gerais 05 03 2021A cooperativa Sicredi Campos Gerais PR/SP lamenta imensamente o falecimento do vice-presidente Gilberto José Eleutério Zardo que, nos deixou na tarde desta quinta-feira (04/03), em decorrência da Covid-19.

Formação - Zardo era mestre em Gestão de Instituições de Ensino Superior e, entre os anos de 1997 e 2009, lecionou na Universidade Estadual de Ponta Grossa, o que proporcionou ao professor incontáveis histórias contadas até os seus últimos dias com extremo orgulho. Foi membro fundamental na construção da história da cooperativa Sicredi Campos Gerais PR/SP. Esteve engajado entre os anos de 2009 a 2010, em nosso conselho fiscal, entre 2011 e 2015, em nosso conselheiro de administração e desde 2015 ocupava o cargo de vice-presidente.

Agronegócio - Além das suas contribuições ao Sicredi, não podemos deixar de reconhecer a enorme contribuição do Zardo ao agronegócio dos Campos Gerais, ao qual se dedicava com tanto amor, como agricultor e criador de cavalos.

Homenagem - Nos somamos às diversas homenagens e expressões de carinho que têm se multiplicado e com muita solidariedade à sua esposa Vilma e seus filhos Ligia, Leandro e Lucas, deixamos aqui uma mensagem de consolo para esses dias tão difíceis: "A dor da perda é imensurável e nada que se possa dizer é capaz de amenizar o sofrimento. O máximo que se pode fazer é oferecer o nosso silêncio de cumplicidade com a dor, dizer algumas palavras de amizade e consolo, e dar o ombro amigo para apoiar o peso da perda. Neste dia de tanta tristeza e consternação, oramos para que Deus dê forças para lidar com este momento tão difícil, e sabedoria e coragem para seguir em frente. A vida é o bem mais valioso que temos, e mesmo diante da morte precisamos nos manter firmes em honra e memória dos que se foram." Que Deus ilumine a vida da família e amigos e conforte os nossos corações. Recebam os nossos mais sinceros pêsames.

Gratidão - Uma homenagem repleta de gratidão em nome de todos os associados e colaboradores da Sicredi Campos Gerais PR/SP. (Imprensa Sicredi Campos Gerais PR/SP)

 

MEIO AMBIENTE: Faep e Instituto Água e Terra disponibilizam cartilha sobre o Descomplica Rural

 

meio ambiente 05 03 2021A Faep, em parceria com o governo do Paraná e o Instituto Água e Terra (IAT), elaborou uma cartilha para orientar técnicos das entidades do setor do agronegócio paranaenses e produtores rurais paranaenses em relação às mudanças no processo de licenciamento ambiental trazidas pelo Programa Descomplica Rural. O material, desenvolvido pelos técnicos da Faep e do IAT, traz um conteúdo explicativo sobre o licenciamento ambiental, definindo conceitos básicos e apresentando as modalidades de licenças que existem no modelo atual. Ainda, há um capítulo dedicado às cadeias produtivas cujo processo de licenciamento ambiental foi desburocratizado por meio do Descomplica Rural: aquicultura, avicultura, bovinocultura (de corte e leite) e suinocultura. Cartilha traz conteúdo explicativo sobre o licenciamento ambiental em atividades agropecuárias, definindo conceitos e apresentando as modalidades que existem.

Baixe o material completo aqui: http://bit.ly/3c30hgP

 

IBGE: Produção industrial cresce 0,4% em janeiro e registra nona alta consecutiva

ibge 05 03 2021A produção industrial nacional teve crescimento pelo nono mês seguido e avançou 0,4% em janeiro de 2021 frente ao mês anterior. Apesar de ainda se encontrar 12,9% abaixo do nível recorde alcançado em maio de 2011, o setor industrial vem ampliando a distância em relação às perdas registradas no início da pandemia, de março a abril de 2020, que acumularam -27,1%.

Menos acentuado - O comportamento positivo em janeiro, no entanto, foi menos acentuado do que vinha sendo registrado nos meses anteriores e também menos disseminado entre as atividades. As informações são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada nesta sexta-feira (05/03) pelo IBGE.

Desaceleração - “Observamos a manutenção do comportamento positivo do setor industrial, mas com desaceleração no seu ritmo no mês de janeiro. Em abril do ano passado, a diferença para o patamar recorde era de -38,8%. Agora estamos mais perto (-12,9%), mas ainda com uma perda de dois dígitos. Porém, também chama atenção neste mês a quantidade de ramos que ficaram no campo negativo, que foram maioria (14 de 26), um comportamento que não foi observado nos meses anteriores dessa sequência de nove meses de crescimento”, avalia o gerente da pesquisa, André Macedo.

Categorias - Duas das quatro das grandes categorias econômicas e 11 dos 26 ramos pesquisados mostraram crescimento na produção. Entre as atividades, a influência positiva mais relevante foi assinalada pela atividade de produtos alimentícios, que avançou 3,1%, eliminando, assim, parte da redução de 11,0% acumulada nos três últimos meses de 2020.

Recuo - Por outro lado, entre as 14 atividades que apontaram recuo na produção, metalurgia, com queda de 13,9%, apontou o principal impacto negativo em janeiro, interrompendo, dessa forma, seis meses de taxas positivas consecutivas e que acumularam expansão de 59,0% nesse período. O ramo de vestuário e acessórios ficou estável (0,0%).

Grandes - Já entre as grandes categorias econômicas, os bens de capital assinalaram a taxa positiva mais acentuada em janeiro de 2021 (4,5%), registrando o nono mês seguido de expansão na produção e acumulando nesse período avanço de 148,4%. E o setor produtor de bens de consumo semi e não duráveis (2,0%) também registrou crescimento acima da média da indústria (0,4%), eliminando, assim, o resultado negativo assinalado em dezembro de 2020 (-0,4%).

Bens intermediários - Por outro lado, os segmentos de bens intermediários (-1,3%) e de bens de consumo duráveis (-0,7%) tiveram taxas negativas no mês. Os bens intermediários, que são aqueles produtos que abastecem a produção final (como, por exemplo, metalurgia e derivados de petróleo), registraram a perda mais acentuada desde abril de 2020, revertendo assim a expansão de 1,4% observada em dezembro. Já os bens de consumo duráveis tiveram a interrupção de oito meses de taxas positivas consecutivas, período em que acumulou avanço de 552,2%.

Indústria cresceu 2,0% em relação a janeiro de 2020 - Já em relação a igual mês do ano anterior, o setor industrial avançou 2,0% em janeiro de 2021, com resultados positivos em duas das quatro grandes categorias econômicas, 18 dos 26 ramos, 52 dos 79 grupos e 57,9% dos 805 produtos pesquisados. Vale ressaltar, no entanto, que janeiro de 2021 (20 dias) teve dois dias úteis a menos do que igual mês do ano anterior (22).

Comparação - Nessa comparação, a categoria de bens de capital (17,0%) teve, em janeiro de 2021, o avanço mais acentuado entre as grandes categorias econômicas. O segmento de bens intermediários (2,3%) também mostrou crescimento acima da média da indústria (2,0%). Por outro lado, os setores produtores de bens de consumo duráveis (-4,2%) e de bens de consumo semi e não duráveis (-0,4%) registraram as taxas negativas nesse mês entre as grandes categorias econômicas.

Média móvel - Na média móvel trimestral, a indústria cresceu 0,8% no trimestre encerrado em janeiro de 2021 frente ao nível do mês anterior, após também avançar dezembro (1,0%), novembro (1,6%), outubro (2,4%), setembro (4,8%), agosto (7,0%) e julho (9,0%) de 2020, quando interrompeu a trajetória predominantemente descendente iniciada em novembro de 2019. (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Rodrigo Félix Leal / AEN-Paraná

 

ibge tabela 05 03 2021

 

BC: Produtos básicos impulsionam exportações na pandemia

bc 05 03 2021As exportações brasileiras apresentaram relativa resiliência em 2020, durante a pandemia de covid-19, impulsionadas pela evolução das vendas de produtos básicos. Segundo o Banco Central (BC), destacaram-se os bons desempenhos da soja, com aumento na quantidade exportada, notadamente na região Centro-Oeste, e do minério de ferro, no Norte, que apresentou melhora de preços.

Manufaturados - Já as exportações de manufaturados diminuíram, reflexo da desaceleração econômica mundial causada pela pandemia da covid-19, impactando sobretudo os resultados das regiões Sudeste e Sul. A análise desse cenário foi divulgada nesta quinta-feira (04/03) pelo Banco Central, no âmbito dos seus boletins regionais.

Resultados regionais - Os resultados regionais das exportações estão em linha com os resultados da atividade econômica, que cresceram no Norte e Centro-Oeste e tiveram queda no Sul, Sudeste e Nordeste.

Saldo da balança comercial - De acordo com o BC, o saldo da balança comercial em 2020 superou em US$ 2,9 bilhões o resultado de 2019, com diminuição mais intensa nas importações do que nas exportações, diante do enfraquecimento das demandas doméstica e externa impactadas pela pandemia e pela depreciação do câmbio.

Resiliência - “As exportações apresentaram relativa resiliência, notadamente por conta do bom desempenho das vendas de produtos básicos, preponderantemente direcionados à China, o que resultou na ampliação dos superávits comerciais das regiões Norte e Centro-Oeste. Em sentido contrário, houve queda significativa no grupo dos manufaturados, impactando nos resultados comerciais das regiões Sudeste e Sul”, informou o BC.

Soja - O estudo destaca o crescimento das vendas de soja, disseminado em todas as regiões, notadamente no Centro-Oeste e Sudeste. “O comportamento foi impulsionado pela safra recorde no ano passado e pela forte demanda internacional, o que repercutiu na disponibilidade interna do produto e impactou os preços ao consumidor.”

Minério de ferro - Ainda no grupo dos produtos básicos, as vendas externas de minério de ferro, concentradas na Região Norte, também tiveram crescimento significativo, repercutindo no aumento dos preços internacionais da commodity, em contraponto à queda no volume exportado. A participação da China nas exportações nacionais do produto passou de 59,6%, em 2019, para 71,8%, em 2020.

Óleos brutos - Por sua vez, as exportações de óleos brutos de petróleo, concentradas na Região Sudeste e majoritariamente enviadas à China, registraram significativa queda em valor, como efeito dos preços internacionais mais baixos, apesar da evolução positiva na quantidade exportada.

Açúcar - Outro item de destaque comercial, segundo o BC, o açúcar de cana em bruto (semimanufaturado), com exportações concentradas na Região Sudeste, apresentou crescimento no valor exportado, com ênfase no aumento da quantidade exportada. Isso se deu, sobretudo, pela maior destinação da cana-de-açúcar para produção desse item, diante da queda na demanda interna por etanol causada pela pandemia da covid-19.

Retração - Entre as exportações de produtos manufaturados, impactadas notadamente pela desaceleração econômica mundial causada pela pandemia, o BC destaca as retrações na venda de aviões e máquinas e aparelhos para terraplanagem, concentradas no Sudeste e destinadas sobretudo aos Estados Unidos. Recuaram também as vendas externas de automóveis de passageiros, com maior retração no volume, destinadas especialmente para a Argentina, mais intensamente no Sudeste, Sul e Nordeste.

EUA e Argentina - Em 2020, Estados Unidos e Argentina absorveram, respectivamente, US$ 5,1 bilhões e US$ 1,3 bilhão a menos de produtos manufaturados brasileiros em relação a 2019.

Concentração - O Banco Central também avaliou o aumento de concentração das exportações em todas as regiões, impulsionado por maiores compras da China. “Tal resultado sugere, de forma generalizada, maior influência da evolução da atividade econômica chinesa sobre as vendas externas brasileiras, principalmente para as regiões Norte e Centro-Oeste. Quando excluída a China da análise, observa-se aumento da concentração no destino das exportações apenas no Nordeste e Sudeste”, diz o estudo.

Mudanças - De acordo com o BC, as exportações tiverem crescimento médio de 2,9% ao ano entre 2010 e 2020 e têm demonstrado resiliência ante as restrições econômicas da pandemia de covid-19. Essa evolução é acompanhada por mudanças de composição tanto da pauta – com os produtos básicos assumindo o primeiro lugar em detrimento dos manufaturados – quanto de parceiros comerciais, destacando-se a China, que se consolidou como principal destino dos produtos brasileiros.

Posição intermediária - “A comparação internacional mostra o Brasil em posição intermediária no que se refere à diversificação de parceiros comerciais de acordo com os dados do World Integrated Trade Solution. De maneira geral, observa-se tendência de elevação da concentração na maioria dos países, mas o aumento no Brasil foi mais intenso do que a média”, diz o BC. (Agência Brasil)

FOTO: Rodrigo Leal / Arquivo Appa

 

CÂMBIO: Dólar chega a R$ 5,55, mas fecha estável com notícias do exterior

Em um dia de volatilidade, o dólar começou com forte queda, e a bolsa de valores iniciou o dia em forte alta. Os dois movimentos, no entanto, perderam força com notícias vindas do exterior.

Cotação - O dólar comercial fechou a quinta-feira (04/03) vendido a R$ 5,658, com recuo de R$ 0,006 (-0,11%). Por volta das 13h, a cotação chegou a R$ 5,55, mas a queda perdeu força até a divisa fechar próxima da estabilidade.

Ações - No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, encerrou aos 112.690 pontos, com alta de 1,35%. O indicador chegou a subir 2,92% às 12h58, mas o pessimismo nos mercados externos voltou a pesar durante a tarde, fazendo a bolsa devolver parte da alta.

PEC - Os investidores iniciaram o dia refletindo a votação da proposta de emenda à Constituição (PEC) Emergencial pelo Senado. Aprovado em segundo turno nesta quinta-feira (04/03) no início da tarde pelos senadores, o texto irá para a Câmara dos Deputados, onde necessita de pelo menos 308 votos em dois turnos para ser aprovado.

Auxílio emergencial - A proposta permite a recriação do auxílio emergencial no valor de R$ 44 bilhões em troca de medidas de ajuste fiscal no médio e no longo prazos. As sugestões de incluir despesas que furem o teto de gastos, como o Bolsa Família, na proposta não foram incluídas no texto final, o que, no entendimento dos investidores, ajuda a evitar o descontrole das contas públicas no pós-pandemia.

Declaração - O alívio no mercado local foi limitado por uma declaração do presidente do Federal Reserve (Banco Central norte-americano), Jerome Powell. O comandante do Banco Central da maior economia do planeta disse que não pretende intervir no curto prazo na elevação do rendimento dos títulos públicos norte-americanos de dez anos. Isso desencadeou a alta do dólar em todo o planeta.

Maiores juros - Considerados os investimentos mais seguros do mundo, os títulos do Tesouro norte-americano têm obtido os maiores juros em um ano, desde antes do início da pandemia de covid-19. Taxas mais altas estimulam a fuga de recursos de países emergentes, como o Brasil. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

ECONOMIA: Poupança tem maior retirada líquida em fevereiro em cinco anos

economia 05 03 2021Pelo segundo mês seguido, a aplicação financeira mais tradicional dos brasileiros registrou retirada líquida de recursos. Em fevereiro, os investidores retiraram R$ 5,83 bilhões a mais do que depositaram na caderneta de poupança, informou nesta quinta-feira (04/03) o Banco Central (BC).

Maior - A retirada líquida é a maior registrada para meses de fevereiro desde 2016, quando os investidores tinham sacado R$ 6,64 bilhões a mais do que tinham depositado. Em fevereiro do ano passado, os brasileiros tinham retirado R$ 3,57 bilhões da caderneta.

Primeiro bimestre - Tradicionalmente, o primeiro bimestre do ano é marcado por retiradas expressivas de recursos da caderneta de poupança. O pagamento de impostos e despesas como material escolar e parcelamentos das compras de Natal impactam as contas dos brasileiros no início de cada ano.

Fim do auxílio - Neste ano, o fim do auxílio emergencial intensificou a retirada. Ao longo de oito meses, a Caixa Econômica Federal depositou o benefício em contas poupança digitais, que acumulavam rendimentos se não movimentados. Com o fim do programa, beneficiários que eventualmente conseguiram acumular recursos nas contas poupança passaram a sacar o dinheiro.

Ano passado - No ano passado, a poupança tinha captado R$ 166,31 bilhões em recursos, o maior valor anual da série histórica. Além do depósito do auxílio emergencial nas contas poupança digitais, a instabilidade no mercado de títulos públicos nas fases mais agudas da pandemia de covid-19 atraiu o interesse na poupança, mesmo com a aplicação rendendo menos que a inflação.

Rendimento - Com rendimento de 70% da Taxa Selic (juros básicos da economia), a poupança rendeu apenas 1,82% nos 12 meses terminados em fevereiro, segundo o Banco Central. No mesmo período, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado prévia da inflação, atingiu 4,57%. O IPCA cheio de fevereiro será divulgado no próximo dia 11 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Perda de rendimento - A perda de rendimento da poupança está atrelada a dois fatores. O primeiro foram as recentes reduções da taxa Selic (juros básicos da economia) para o menor nível da história. Atualmente a taxa está em 2% ao ano. O segundo foi a alta nos preços dos alimentos e do dólar, que impacta a inflação desde o segundo semestre do ano passado.

Focus - Para este ano, o boletim Focus, pesquisa com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, prevê inflação oficial de 3,87% pelo IPCA. Com a atual fórmula, a poupança renderá 1,4% este ano, caso a Selic de 2% ao ano fique em vigor durante todo o ano. O rendimento pode ser um pouco maior caso o Banco Central aumente a taxa Selic nas próximas reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom). (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

LEGISLATIVO I: Com espaço para novo auxílio, PEC Emergencial é aprovada e vai à Câmara

legislativo I 05 03 2021O Plenário do Senado concluiu nesta quinta-feira (04/03) a votação da PEC Emergencial (PEC 186/2019), que permite ao governo federal pagar o auxílio emergencial em 2021 por fora do teto de gastos do Orçamento e do limite de endividamento do governo federal. Aprovada em segundo turno, a proposta segue para a Câmara dos Deputados. O valor, a duração e a abrangência do novo auxílio ainda serão definidos pelo Executivo. 

Votos - Foram 62 votos a favor do texto-base no segundo turno, mesmo número de votos da primeira etapa de votação. O texto passou pelo primeiro turno na quarta-feira (03/03). A aprovação da PEC foi possível após acordo entre governo e oposição para a quebra de interstício (prazo). Sem o acordo, o segundo turno ficaria para a próxima semana.

Créditos extraordinários - A PEC permite que o auxílio emergencial seja financiado com créditos extraordinários, que não são limitados pelo teto de gastos. As despesas com o programa não serão contabilizadas para a meta de resultado fiscal primário e também não serão afetadas pela chamada regra de ouro — mecanismo que proíbe o governo de fazer dívidas para pagar despesas correntes, de custeio da máquina pública. 

Limite - O programa ficará limitado a um custo total de R$ 44 bilhões. Durante a votação, senadores rejeitaram destaque do PT que pedia a supressão do limite. Foram 55 votos contra o destaque. Eram necessários 49 votos. 

Valor do auxílio - O senador Eduardo Braga (MDB-AM) afirmou que a supressão seria "dar um cheque em branco" para o governo no extra-teto. Líder da minoria, Jean Paul Prates (PT-RN) disse que a intenção era garantir espaço para um benefício de R$ 600 reais. Pelos cálculos do senador, o limite de R$ 44 bilhões só permitirá um auxílio de R$ 150. “Basta pegar o valor total e dividir pelo número de beneficiados cadastrados hoje. Dá R$ 150 reais. Queremos tirar. Se é cheque em branco, não vamos sair com alcunha de quem colocou limite no auxílio-emergencial”, disse Jean Paul. 

Desculpa - Com o limite, o governo quer apenas uma desculpa para não pagar um auxílio de R$ 600, apontou a senadora Leila Barros (PSB-DF). “O cheque em branco é para o governo fazer a parte dele. No ano passado, o governo queria dar R$ 200, mas foi o Congresso que aprovou R$ 600”, disse. 

Espaço fiscal - Segundo governistas, não há espaço fiscal para repetir o valor. “É claro que gostaríamos de colocar no auxílio emergencial R$ 600 por seis meses. Até recuperarmos tudo o que perdemos vai muito tempo ainda, mas precisamos ter responsabilidade e saber de onde vai sair esse dinheiro. Não adianta, não existe milagre, não existe mistério: dois e dois são quatro”, argumentou a senadora Soraya Thronicke (PSL-MS).

Valor - A primeira versão do auxílio ultrapassou os R$ 300 bilhões de custo total, tendo chegado a cerca de 68 milhões de pessoas, em duas rodadas: na primeira, que durou cinco meses, foram parcelas de R$ 600 por pessoa; na segunda, chamada de "auxílio residual", foram parcelas de R$ 300 durante quatro meses, e com um público-alvo menor. O novo montante representa menos do que o auxílio residual, que custou cerca de R$ 64 bilhões.

Medida provisória - Caso a PEC seja aprovada na Câmara, o governo ainda terá que editar uma medida provisória (MP) estabelecendo as novas regras do benefício. O governo tem falado em quatro parcelas de R$ 250, valor criticado por senadores de oposição, que defendem benefício de R$ 600, como ocorreu no início da pandemia. 

Resultado - A redação final da PEC é resultado do trabalho do relator Marcio Bittar (MDB-AC), que apresentou o substitutivo aprovado. O líder do governo Fernando Bezerra (MDB-PE) elogiou a nova versão do texto.

Proposta - “O relator acertou a mão, recebeu a proposta do governo e aqui, ouvindo os partidos, ouvindo os senadores, equilibrou a proposta, mas, ainda assim, ela se tornou uma proposta robusta, equilibrada, forte o suficiente para dar o recado à sociedade brasileira de que nós vamos agir com responsabilidade”, disse Bezerra. 

Contrapartida fiscal - Em contrapartida, a proposta impõe medidas de contenção fiscal para compensar o aumento de despesas. A principal delas são dispositivos a serem acionados quando os gastos do poder público atingirem um determinado patamar. Esses "gatilhos" passam a ser permanentes e válidos para todas as situações de estado de calamidade pública decretadas oficialmente, e não restritos à pandemia de covid-19. 

Tentativas - Durante a votação da proposta, a oposição fez uma série de tentativas de retirar do texto as contrapartidas fiscais propostas pelo governo por meio de destaques, todos rejeitados. A derrota dessa estratégia levou senadores da oposição a votarem contra a PEC, mesmo sendo a favor do auxílio emergencial viabilizado por essa proposta.

Esfera federal - Na esfera federal, todas as vezes em que a relação entre as despesas obrigatórias sujeitas ao teto de gastos e as despesas totais superar 95%, os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário e o Ministério Público deverão vedar aumento de salário para o funcionalismo, realização de concursos públicos, criação de cargos e despesas obrigatórias, concessão de benefícios e incentivos tributários e lançamento de linhas de financiamento ou renegociação de dívidas.

Estados e municípios - Os estados e municípios estão sujeitos à mesma regra dos 95%, porém apenas de forma facultativa. No caso desses entes da federação, também será possível acionar as medidas de contenção de gastos quando a relação entre as despesas correntes e as receitas correntes (impostos e contribuições) atingir 85%. Nesse caso, a implementação dependerá apenas de atos do Executivo, com vigência imediata.

Previsão - A PEC também traz a previsão de diminuir incentivos e benefícios tributários existentes. Segundo o texto, o presidente da República deverá apresentar, em até seis meses após a promulgação da emenda constitucional, um plano de redução gradual desse tipo de benefício. São feitas exceções a programas como o Simples, o subsídio à Zona Franca de Manaus e a produtos da cesta básica e o financiamento estudantil para alunos do ensino superior.

Superavit - Segundo o texto, será permitido o uso do superavit financeiro de fundos públicos para amortizar a dívida pública de União, estados e municípios. Se não houver dívida a ser paga, o recurso poderá ser aplicado livremente.

Calamidade pública - A partir da promulgação da PEC Emergencial, a Constituição passará a contar com um regime orçamentário excepcional para situações de calamidade pública — como é o caso da pandemia. Segundo o texto, durante a vigência do estado de calamidade, a União deve adotar regras extraordinárias de política fiscal e financeira e de contratações para atender às necessidades do país, mas somente quando a urgência for incompatível com o regime regular.

Dispensa - As proposições legislativas e os atos do Executivo com propósito exclusivo de enfrentar a calamidade e suas consequências sociais e econômicas ficam dispensados de observar várias limitações legais, desde que não impliquem despesa obrigatória de caráter continuado. Entre as regras que ficam suspensas está a proibição de concessão ou ampliação de benefício tributário que gere renúncia de receita. Também estão suspensos os limites e condições para contratação de operações de crédito. O regime extraordinário também permitirá a adoção de contratação simplificada de pessoal, em caráter temporário e emergencial, e de obras, serviços e compras.

Destinação - O superavit financeiro apurado em 31 de dezembro do ano anterior poderá ser destinado à cobertura de despesas com medidas de combate à calamidade pública, além do pagamento da dívida pública. Durante a vigência da calamidade pública, ficará também suspensa a proibição de que pessoas jurídicas em débito com o sistema de seguridade social assinem contratos com o poder público.

Lei complementar - A PEC prevê, ainda, que uma lei complementar poderá definir outras suspensões, dispensas e afastamentos aplicáveis durante a vigência da calamidade pública.

Regime extraordinário - A decretação do estado de calamidade pública, que vai disparar o regime extraordinário, passa a ser uma atribuição exclusiva do Congresso Nacional, a partir de proposta do Executivo.

Desvinculação de receitas - A PEC também muda regras para vinculação de receitas, liberando fatias do Orçamento que hoje são destinadas exclusivamente a certas áreas. Atualmente, a Constituição proíbe a vinculação de receitas tributárias, com algumas exceções. A proposta mexe nessa estrutura, estendendo a proibição para todos os tipos de receita e expandindo as exceções.

Vinculação - Uma ressalva que desaparece é a que permite a vinculação de receitas para serviços de administração tributária — dessa forma, essa vinculação passa a ser proibida. Por outro lado, uma série de fundos federais são incluídos entre as ressalvas e poderão manter receitas orçamentárias reservadas para eles: Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP), Fundo Penitenciário Nacional (Funpen), Fundo Nacional Antidrogas (Funad), Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) e Fundo para Aparelhamento e Operacionalização das Atividades-Fim da Polícia Federal.

Forças Armadas - Receitas de interesse da defesa nacional e as destinadas à atuação das Forças Armadas também não terão recursos desvinculados.

Educação e saúde - Originalmente, a PEC Emergencial previa outras medidas imediatas de redução de despesas para compensar o pagamento do ajuste emergencial, como o fim da vinculação orçamentária mínima para a educação e a saúde e a redução salarial de servidores públicos. Esses dispositivos causaram polêmica entre os senadores e foram removidos pelo relator, senador Marcio Bittar (MDB-AC).

Constituição - Atualmente, a Constituição obriga a União a aplicar, no mínimo, 18%, e os estados e municípios, no mínimo, 25%, da receita resultante de impostos na manutenção e no desenvolvimento do ensino. À saúde, a União deve destinar 15% da sua receita corrente líquida, enquanto estados e Distrito Federal, 12% da arrecadação de impostos, e municípios, 15%, também da arrecadação de impostos. Bittar afirmou ser favorável ao fim desses pisos, mas reconheceu que o debate não está “amadurecido” neste momento.

FAT - Outro item retirado do texto da PEC seria o fim dos repasses do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Hoje, um mínimo de 28% da arrecadação do PIS/Pasep, que abastece o FAT, vai para o financiamento de programas do BNDES.

Outros pontos da PEC - Inclui os gastos com pessoal inativo e pensionistas no teto de despesa dos Legislativos municipais. Atualmente, esse teto inclui os subsídios dos vereadores, mas exclui gastos com inativos. A despesa não pode ultrapassar o somatório da receita tributária e das transferências constitucionais.

- Inclui os pensionistas entre as despesas com pessoal que não podem exceder os limites estabelecidos em lei complementar. Atualmente, a Constituição prevê apenas que a despesa com pessoal ativo e inativo da União, dos estados, do DF e dos municípios não pode ultrapassar esse limite, sem mencionar os pensionistas.

- Inclui no artigo constitucional que trata da administração pública a determinação de que órgãos e entidades façam, individual ou conjuntamente, uma avaliação das políticas públicas e divulguem os resultados.

- Veda a transferência a fundos de recursos oriundos dos repasses feitos aos Poderes Legislativo e Judiciário, ao Ministério Público e à Defensoria Pública, os chamados repasses duodecimais. Se houver sobra de recursos, ela deve ser restituída ao caixa único do Tesouro do ente federativo ou será deduzida das próximas parcelas de repasse.

- Inclui na lei a previsão de uma lei complementar para regulamentar a sustentabilidade da dívida pública. Essa lei deverá especificar indicadores de apuração; níveis de compatibilidade dos resultados fiscais com a trajetória da dívida; trajetória de convergência do montante da dívida com os limites definidos em legislação; medidas de ajuste, suspensões e vedações; e planejamento de alienação de ativos com vistas à redução do montante da dívida. A lei poderá autorizar ações de ajuste fiscal em caso de crise nas contas públicas. União, estados, Distrito Federal e municípios também deverão conduzir suas políticas fiscais de forma a manter a dívida pública em níveis que assegurem sua sustentabilidade, conforme a ser estabelecido pela lei complementar.

- Modifica o texto constitucional que trata da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para determinar que cabe a ela estabelecer as diretrizes de política fiscal e respectivas metas, em consonância com trajetória sustentável da dívida pública. Inclui um parágrafo para determinar que as leis de que trata o artigo 165 da Constituição (Plano Plurinual, LDO e Lei Orçamentária Anual) devem observar os resultados do monitoramento e da avaliação das políticas públicas.

- Estende de 2024 para 2029 o prazo para que estados e municípios paguem seus precatórios.

Créditos extraordinários - Essa PEC permite que o auxílio emergencial seja financiado com créditos extraordinários, que não são limitados pelo teto de gastos. As despesas com o programa não serão contabilizadas para a meta de resultado fiscal primário e também não serão afetadas pela regra de ouro. (Agência Senado)

FOTO: Waldemir Barreto/Agência Senado

 

LEGISLATIVO II: Lira quer votar PEC Emergencial na próxima semana

legislativo II 05 03 2021O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que a chamada PEC Emergencial será votada na próxima semana. Segundo ele, a expectativa é que o texto tenha sua admissibilidade aprovada na próxima terça-feira (09/03) e o primeiro e o segundo turnos no dia seguinte, se tiver acordo com a maioria dos líderes. O presidente indiciou o deputado Daniel Freitas (PSL-SC) para a relatoria do texto na Câmara. Lira concedeu coletiva ao chegar à Casa para reunião de líderes que vai debater os cargos para as presidências das comissões permanentes da Casa.

Maioria - “Temos maioria para a urgência do tema do auxílio e quanto mais rápido apreciarmos é melhor. Vai ser importante abreviar o rito dessa PEC, pois vai oportunizar ao governo o pagamento do auxilio em março”, disse.

Solução - Lira afirmou que, se hoje não houver acordo para o comando dos colegiados, os líderes devem chegar a uma solução na próxima terça-feira (09/03).

Compromisso - “O único compromisso que esta Mesa foi com a CCJ (que deve ficar com o PSL), todas as demais vão para seguir de acordo com o critério da proporcionalidade”, afirmou Lira. (Agência Câmara de Notícias)

 

SAÚDE I: Brasil tem 1,7 mil mortes e 75,1 mil casos de Covid-19 em 24 horas

O Brasil registrou nas últimas 24 horas 1.699 novas mortes por covid-19 e 75.102 novos casos da doença. Os novos óbitos não ultrapassaram o recorde de quarta-feira (03/03), de 1.910, mas este foi o segundo dia mais mortal da pandemia desde o seu início.

Total - Com isso, o total de mortes por covid-19 chegou a 260.970 no país, que ainda tem 2.886 mortes em investigação por equipes de saúde. Isso porque há casos em que o diagnóstico sobre a causa da morte só sai após o falecimento do paciente.

Novos casos - Entre quarta e quinta-feira (03 e 04/03), o país teve o segundo dia com mais novos casos registrados, ficando atrás apenas de 7 de janeiro, quando foram acrescidos às estatísticas 87.843 diagnósticos. Os novos infectados confirmados nesta quinta-feira superam os de quarta-feira, quando o balanço trouxe mais 71.704 pessoas contaminadas com o novo coronavírus.

Infectados - Com os novos casos, o total de pessoas infectadas desde o início da pandemia chegou a 10.793.732. Na quarta-feira a soma estava em 10.718.630.

Atualização - Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgado na noite desta quinta-feira (04/03). O balanço é elaborado a partir das informações levantadas pelas autoridades estaduais e locais de saúde sobre casos e mortes provocados pela covid-19.

Recuperados - O número de pessoas recuperadas alcançou 9.637.020. Já a quantidade de pessoas com casos ativos, em acompanhamento por equipes de saúde, ficou em 895.742.

Estados - O ranking de estados com mais mortes pela covid-19 é liderado por São Paulo, com 60.694 óbitos. Em seguida, aparecem Rio de Janeiro (33.466), Minas Gerais (19.032), Rio Grande do Sul (13.021) e Bahia (12.251). Já as unidades da Federação com menos óbitos são Acre (1.037), Roraima (1.143), Amapá (1.152), Tocantins (1.557) e Rondônia (2.991). (Agência Brasil)

 

saude I tabela 05 03 2021

SAÚDE II: Boletim registra mais 5.386 casos de Covid-19 e 110 óbitos. Estado já aplicou 448.148 doses da vacina

saude II 05 03 2021 A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quinta-feira (04/03) 5.386 novos casos de Covid-19 e 110 óbitos pelo novo coronavírus. Os dados acumulados do monitoramento mostram que o Paraná soma 661.791 casos e 11.993 mortes em decorrência da doença. Há ajustes no final do texto.

Meses - Os casos divulgados nesta data são de março (4.367), fevereiro (929) e janeiro (23) de 2021 e dos seguintes meses de 2020: abril (2), junho (1), julho (7), setembro (5), outubro (6), novembro (18) e dezembro (28).

Vacina - Até o final da manhã desta quinta-feira (04/03), o Paraná aplicou 448.148 doses da vacina contra a Covid-19 – 331.934 da primeira dose e 116.214 da segunda. Portanto, 331.934 pessoas já foram vacinadas no Estado.

Doses - O Paraná recebeu 853 mil doses do Governo Federal, já contabilizando o lote de 146.800 de CovonaVac recebidas na quarta-feira (03/03).

Veja a distribuição das imunizações no Estado.

Internados - Nesta quinta-feira (04/03) são 2.180 pacientes internados com diagnóstico confirmado de Covid-19. Destes, 1.894 ocupam leitos SUS (786 UTI e 1.108 em leitos clínicos/enfermaria) e 286 da rede particular (116 UTI e 170 clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 1.912 pacientes internados, 717 em leitos UTI e 1.195 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos da rede pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A secretaria estadual informa a morte de mais 110 pacientes. São 43 mulheres e 67 homens com idades que variam de 19 a 98 anos. Oito óbitos ocorreram em 2020 e os demais entre 13 de janeiro e 02 de março de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Maringá (11), Londrina (10), Curitiba (8), Cascavel (6), Foz do Iguaçu (5), Mandaguari (5), Cruzeiro do Oeste (3), Ponta Grossa (3), São José dos Pinhais (3), Vera Cruz do Oeste (3), Almirante Tamandaré (2), Ampére (2), Araucária (2), Cambé (2), Cianorte (2), Clevelândia (2), Ivaiporã (2), Mamborê (2), Pato Branco (2), Pinhais (2) e Reserva (2).

Uma morte - O informe registra ainda uma morte em cada um dos seguintes municípios: Astorga, Barracão, Cambira, Campo Largo, Catanduvas, Centenário do Sul, Colombo, Coronel Vivida, Fazenda Rio Grande, Guaratuba, Ibaiti, Ibema, Iguaraçu, Imbituva, Itapejara D’Oeste, Matinhos, Medianeira, Nova Esperança do Sudoeste, Paranaguá, Pinhão, Pontal do Paraná, Pranchita, Quitandinha, Rio Branco do Sul, Santa Fé, Santa Maria do Oeste, Santo Inácio, Sarandi, Sertaneja, Sertanópolis e Tupãssi.

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria de Estado da Saúde contabiliza 4.718 casos de pessoas que não moram no Estado – 95 foram a óbito.

Ajustes - Exclusões: 5 casos e 5 óbitos de residentes no Paraná.

Um caso e óbito confirmados (M,53) no dia 27/04/2020 em SAO JOSE DOS PINHAIS foram excluídos por erro de notificação.

Um caso e óbito confirmados (M,41) no dia 03/06/2020 em SAO JOSE DOS PINHAIS foram excluídos por erro de notificação.

Um caso e óbito confirmados (F,62) no dia 09/06/2020 em SAO JOSE DOS PINHAIS foram excluídos por erro de notificação.

Um caso e óbito confirmados (M,82) no dia 07/08/2020 em SAO JOSE DOS PINHAIS foram excluídos por erro de notificação.

Um caso e óbito confirmados (F,69) no dia 13/09/2020 em SAO JOSE DOS PINHAIS foram excluídos por erro de notificação. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo.

 

SAÚDE III: Fiocruz confirma circulação de variantes do coronavírus no Paraná

saude III 05 03 2021A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou nesta quinta-feira (04/03) que há no Paraná e em várias regiões do País variantes do novo coronavírus em plena circulação. No Estado, segundo o estudo, 70,4% das 216 amostras de RT-PCR com grande carga viral enviadas para a instituição estão relacionadas à variante P1, identificada no Amazonas.

Novo protocolo - O novo protocolo, desenvolvido pela Fiocruz Amazônia, foi utilizado nas unidades de apoio ao diagnóstico para avaliação de cerca de mil amostras nos estados de Alagoas, Ceará, Minas Gerais, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A avaliação contou com o apoio do Ministério da Saúde.

Mutação comum - O protocolo detecta a mutação comum em três das variantes: P1, identificada inicialmente no Amazonas; B.1.1.7, no Reino Unido; e B.1.351, na África do Sul. Segundo o estudo, no entanto, há indicativos de que a prevalência que está sendo observada nos estados esteja associada à P1, uma vez que as outras duas variantes não têm sido detectadas de forma expressiva no Brasil.

Observatório - O estudo foi elaborado pelo Observatório Covid-19 Fiocruz. De acordo com o relatório, a alta circulação de pessoas e o aumento da propagação do vírus têm favorecido o surgimento dessas “variantes de preocupação”. O comunicado alerta para um cenário preocupante de transmissibilidade dessas variantes em todo o território brasileiro nos próximos meses.

Estados avaliados - Dos oito estados avaliados neste recorte, apenas dois não tiveram prevalência da mutação superior a 50%: caso de Minas Gerais, com 30,3% das amostras testadas como positivo, e Alagoas, com 42,6%. Nos demais estados, mais de 50% das amostras apresentaram a mutação, com tendência de circulação alta no Sul: 62,5% no Rio Grande do Sul e 63,7% em Santa Catarina, além dos 70,4% do Paraná.

Associação - Segundo a Fiocruz, até o momento não foi observada a associação dessas variantes com uma evolução clínica mais grave.

Alerta - O alerta da presença da variante P1 no Estado havia sido feito na manhã desta quinta-feira (04) pelo secretário estadual de Saúde, Beto Preto, em visita a Cascavel, no Oeste do Estado, pouco antes de um encontro com o ministro Eduardo Pazzuelo. “Foram analisados os 216 testes positivos com maior carga viral do Paraná. Destes, 70% eram a nova cepa. Foram cerca de 3 mil testes positivos no sábado, mas eles sequenciaram só 216, então não dá para falar que a cepa é a prevalente no Paraná, mas que está circulando”, disse.

Variantes - Essa avaliação da Fiocruz será ampliada e repetida de forma sistemática para um monitoramento massivo das variantes. A vigilância genômica será complementada com o sequenciamento de amostras na Rede Genômica Fiocruz. Para o vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Krieger, essa estratégia será fundamental para o enfrentamento da pandemia. “O novo protocolo de RT-PCR oferece um retrato rápido da circulação das variantes para tomada de decisão”, destacou. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira a íntegra do estudo.

FOTO: Ari Dias / AEN

 

SAÚDE IV: ANS realiza consulta pública para aprimorar revisão do Rol de Procedimentos

saude IV 05 03 2021A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) está elaborando normativa para aperfeiçoar o processo de revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde. Para isso, está abrindo uma Consulta Pública para receber contribuições de toda a sociedade. Os documentos relativos ao tema estão disponíveis no portal da ANS e o período de contribuições vai de 05/03 a 19/04.  

Clique aqui e acesse os materiais.

Ano todo - No modelo que está sendo apresentado, não há um cronograma único para as novas tecnologias. A submissão de propostas, a análise de elegibilidade (em que é verificado se as sugestões são aptas) e a análise técnica ocorrem durante o ano todo, no âmbito da área técnica responsável pelo Rol. Já a apresentação das recomendações preliminares, a consulta pública e a publicação da Resolução Normativa com as novas incorporações e demais atualizações ocorrem semestralmente, com cronograma fixo.  

Resultado - Como resultado, haverá diminuição do intervalo entre as atualizações, que atualmente ocorre a cada dois anos, para seis meses. O objetivo é reduzir o tempo de resposta às demandas de incorporação de procedimentos e medicamentos. A cada semestre, portanto, uma cesta de tecnologias com análise técnica completa será submetida a consulta pública e à deliberação da Diretoria Colegiada, e as atualizações aprovadas serão publicadas nos meses de janeiro e julho de cada ano.  

Elegibilidade - Há uma mudança também quanto à elegibilidade das propostas. A ideia é que passe a ser um processo de cunho administrativo mais simplificado, no qual a verificação dos critérios previstos em norma ocorre à medida em que as sugestões de atualização são submetidas.  

Aperfeiçoamento - O diretor-presidente substituto da ANS, Rogério Scarabel, destaca que a iniciativa visa dar continuidade ao aperfeiçoamento que vem sendo feito no processo de revisão do Rol. “Em 2018, publicamos a Resolução Normativa nº 439, que estabeleceu as etapas, os critérios de submissão de propostas, os produtos a serem entregues pela ANS e as instâncias decisórias. Isso sem dúvida aprimorou o processo de revisão da lista de coberturas de forma significativa. Agora pretendemos avançar ainda mais, implementando outras mudanças que contribuirão para qualificar e dar mais eficiência ao trabalho e diminuir o tempo de resposta da ANS às propostas de atualização”, explica. “É um tema importante posto pela sociedade e sobre o qual temos nos debruçado desde o ano passado”, ressalta o diretor.  

Tempo de revisão - Ele reforça, ainda, que o modelo que está sendo colocado em consulta pública reduz o tempo de revisão e publicação do Rol sem comprometer a qualidade técnica das análises, a transparência na tomada de decisão e a ampla participação social no processo. Neste aspecto, seguem mantidas as formas de contribuição da sociedade atualmente vigentes – através da submissão de sugestões via formulário eletrônico (FormRol) e por intermédio de Consulta Pública, além das reuniões técnicas com representantes da Câmara de Saúde Suplementar (CAMSS) e Grupos Técnicos.  

Formato final - Para se chegar ao formato final dessa proposição, a ANS promoveu reuniões com representantes da CAMSS e diversos debates internos entre equipe técnica e gestores da reguladora.  

Principais pontos - Confira os principais pontos da sugestão de normativa que está sendo colocada em Consulta Pública:

- A submissão pela sociedade de propostas de atualização do Rol é contínua, ou seja, as propostas de incorporação podem ser encaminhadas a qualquer tempo

- A análise de elegibilidade das propostas de atualização do Rol é contínua, ou seja, ocorre à medida em que as propostas chegam, com tempo máximo de resposta relativo à cada tecnologia de 30 dias

- A análise técnica das propostas elegíveis é contínua, ou seja, a equipe técnica e os pareceristas externos atuam durante o ano todo na atividade de avaliação de tecnologias de saúde (ATS)

- As atividades relacionadas à tomada de decisão, que incluem a nota técnica de recomendação preliminar, a consulta pública e aprovação das recomendações finais e a publicação da atualização do Rol ocorrem semestralmente, contemplando as tecnologias cujas análises técnicas foram concluídas

- As atualizações do Rol serão publicadas nos meses de janeiro e julho de cada ano

- Ao submeter uma proposta, o demandante poderá acompanhar a análise a partir de seu conhecimento sobre os prazos da elegibilidade, do andamento da análise técnica e das janelas de decisão semestrais  

Sobre o Rol de Procedimentos - O Rol garante o direito assistencial dos beneficiários de planos de saúde, contemplando os procedimentos considerados indispensáveis ao diagnóstico, tratamento e acompanhamento de doenças e eventos em saúde. Desde 2010, a atualização da lista de coberturas é realizada a cada dois anos. A necessidade de atualização decorre do fato de que novas tecnologias em saúde são continuamente incorporadas à prática assistencial.

Aprimoramento - O processo de revisão do Rol vem sendo aprimorado continuamente. Em dezembro de 2018, a ANS editou a Resolução Normativa nº 439, que estabeleceu os fluxos e etapas de atualização, promovendo uma série de melhorias. Agora, a Agência busca avançar em relação à redução do tempo mínimo de atualização, sem, contudo, prescindir de uma avaliação criteriosa que possibilite incorporar na lista de coberturas os procedimentos que garantem o melhor resultado em saúde, sempre obedecendo a critérios científicos comprovados de segurança, eficiência e efetividade.  

RN - No dia 24/02, a ANS aprovou a Resolução Normativa (RN nº 465/2021) que atualiza o Rol, e que entrará em vigor no dia 1º/04/2021. São 69 novas coberturas, além de outras alterações, que ampliam e qualificam a assistência aos beneficiários. Clique aqui e saiba mais. (ANS)

 


Versão para impressão


RODAPE