Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5039 | 30 de Março de 2021

JUBILEU DE OURO: Sistema Ocepar realiza AGO comemorativa com expectativa de reunir grande número de cooperativistas

jubileu ouro 30 03 2021Após realizar quatro reuniões pré-assembleia, em março, com 517 participações, praticamente o dobro do ano passado, o Sistema Ocepar se prepara para receber um grande número de lideranças cooperativistas também na Assembleia Geral Ordinária (AGO), no dia 5 de abril, que ocorrerá virtualmente e irá celebrar os 50 anos da Ocepar, fundada em 2 de abril de 1971.

Participação - Devido à pandemia e em atendimento às normas de segurança e saúde, apenas os diretores, a presidência executiva e os conselheiros fiscais estarão reunidos presencialmente na sede da Ocepar, em Curitiba, seguindo as normas de distanciamento social. As cooperativas associadas deverão participar e votar por meio da plataforma Zoom.

Inscrições - Assim, elas devem efetivar a inscrição pelo endereço eletrônico: https://bit.ly/3tQH354. Após a confirmação do cumprimento dos requisitos estatutários, será enviado, por e-mail, um link de acesso à plataforma, que é individual.

Transmissão ao vivo - A AGO será transmitida ao vivo pelo canal da TV Paraná Cooperativo no Youtube, para possibilitar que todos os interessados possam acompanhar o evento.

PRC200 - Além da comemoração do Jubileu de Ouro da Ocepar, outro destaque da AGO será o Plano Paraná Cooperativo 200 (PRC200), o novo planejamento estratégico do cooperativismo paranaense. Após concluir o PRC100, no ano passado, com a meta de faturamento do setor atingindo mais de R$115 bilhões, o desafio agora é chegar aos R$ 200 bilhões nos próximos anos.

Mais informações - Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail secretaria@sistemaocepar.coop.br.

 

OCB: Organização das Cooperativas Brasileiras promove sua Assembleia Geral Ordinária

ocb 30 03 2021A Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) realizou, na quinta-feira (25/03), sua 52ª assembleia geral ordinária. O evento contou com a participação virtual dos representantes das unidades estaduais. Eles aprovaram o plano de trabalho e o orçamento para 2021, além do relatório de atividades e balanço patrimonial referentes a 2020, um dos anos mais desafiadores para o setor, tanto no aspecto sanitário, por conta da pandemia de Covid-19, quanto no quesito econômico.

Força e resiliência - Por isso, para o Sistema OCB, é essencial reconhecer a força e a resiliência do cooperativismo brasileiro. Segundo o presidente Márcio Lopes de Freitas, mesmo vivendo uma série de transformações, foi possível fortalecer o relacionamento entre as unidades, graças à inovação, reinvenção de processos e produtos e, claro, intercooperando.

Desempenho econômico - Essa, aliás, a explicação para se conseguir manter o desempenho econômico em praticamente todos os ramos, sempre cuidando para que os cooperados, empregados e familiares tivessem sua saúde assegurada. “Mesmo as cooperativas que estão na linha de frente do combate ao coronavírus — como as coops de saúde — conseguiram fazer ajustes, inovar nos processos de atendimento e cumprir a sua missão, fechando o ano com bons resultados”, avalia o presidente.

Relatório de Atividades 2020 - Para conhecer a íntegra do documento, clique aqui.

E, para conferir as principais conquistas do ano passado, assista ao vídeo. (OCB)

 

 

AGRONEGÓCIO I: Ocepar participa do Circuito Virtual Agro de 2021 promovido pelo Banco do Brasil

bb 30 03 2021O superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti, o gerente de Desenvolvimento Técnico, Flávio Turra, e o coordenador da Gerência de Desenvolvimento Técnico, Sílvio Krinski, participaram, na manhã desta segunda-feira (29/03), do Circuito Virtual Agro de 2021, evento promovido pelo Banco do Brasil (BB) com o objetivo de levar aos clientes as condições especiais disponibilizadas nos circuitos tradicionais de feiras agropecuárias, que estão suspensos desde o ano passado em decorrência da pandemia do novo coronavírus. O movimento é dividido em cinco etapas e seguirá com programação especializada até o fim do ano, em ambiente virtual.

Máquinas e energias renováveis - Nesta segunda, foi realizada a etapa “Modernização de Máquinas Safras 21/22 e Energias Renováveis”, com as presenças dos superintendentes do BB no Paraná, Evandro Mendes (Pessoa Física) e Felipe Zanella (Varejo Paraná), do secretário estadual da Agricultura, Noberto Ortigara, e do presidente da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado do Paraná (Fetaep), Marco Júnior Brambilla.

Investimentos e produção agropecuária do PR - Em relação aos investimentos, os representantes do BB mostraram que os repasses do banco em crédito rural para o Paraná saltaram de R$ R$1,2 bilhão, na safra 2016/17, para R$ 1,78 bilhão, na safra 2020/21, que ainda está em andamento, um aumento de R$ 586 milhões, ou 48,71% no período. As vendas de máquinas agrícolas, tratores e colheitadeiras registraram aumento de 15% nesse mesmo período em todo o Brasil. Ainda de acordo com eles, entre 2015 e 2019, a produção da agricultura paranaense expandiu 31,4%, com incremento de área de apenas 4,6%. Em relação à pecuária, o Paraná registrou, nesse mesmo intervalo de tempo, um aumento de 27,56 na produção do rebanho e de 34,23% na renda proporcionada pela atividade.

Mola propulsora - “O agronegócio é uma importante mola propulsora para a atividade econômica e a segurança alimentar”, disse Mendes. “E o Banco do Brasil está com carteiras especializadas para o setor, que contemplam uma consultoria que visa agregar valor aos produtores rurais”, complementou o superintendente Pessoa Física do banco.

Cenário otimista - De acordo com Ortigara, o Paraná fornece alimentos para o mundo e deve aumentar o volume de produção nos próximos anos. “Temos um cenário otimista pela frente. Além das condições positivas internas, devemos ter um ciclo de comodities positivas e um dólar favorável”, ressaltou. Ele também destacou a relevância de se trabalhar com foco no planejamento adequado da atividade rural, para se obter o sucesso da agricultura no Paraná, principalmente porque a produção é realizada em um ambiente biológico. “É importante cuidar do manejo e dos fatores de produção, para aumentar a produtividade e otimizar os recursos da propriedade. A modernização está chegando na propriedade rural. Ainda não é a média dos produtores, mas está chegando. Em relação às energias renováveis, Ortigara disse que o governo atua em conjunto com o setor produtivo, incentivando o uso de fontes alternativas. “Existe um excelente potencial produtivo de energia solar e de energia de biomassa e o Estado trabalha para fortalecer esta matriz energética renovável dentro da propriedade rural, como um grande parceiro para ajudar viabilizar a agricultura de modo sustentável”, afirmou.

Agricultura familiar - Segundo o presidente da Fetaep, o agronegócio tem capacidade de gerar valor, empregos e sustentar uma forte atividade produtiva, contribuindo para a econômica brasileira. “A agricultura familiar é fundamental para dar impulso ao agro pois é responsável para levar alimento à mesa do consumidor e manter o abastecimento das cidades”, pontou. Por outro lado, ele disse ainda existe a necessidade de maior modernização e de tecnificação dos agricultores familiares. “O Estado do Paraná é majoritariamente formado pela agricultura familiar e a política de crédito é fundamental para promover a competividade dentro da porteira e nos levar ao sucesso”, disse ainda Brambilla.

 

AGRONEGÓCIO II: Publicada lei que institui o Fiagro - Fundos de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais

agronegocio II 30 03 2021Foi publicada, no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (30/03), a Lei nº 14.130, que institui os Fundos de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagro). “São alternativas que estimulam captação e aplicação de recursos nas cadeias produtivas do agronegócio e das agroindústrias”, afirma o coordenador e Desenvolvimento Cooperativo do Sistema Ocepar, Devair Mem.

Constituição - O Fiagro poderá ser constituído sob a forma de condomínio de natureza especial destinado à aplicação, isolada ou conjuntamente, em:

• imóveis rurais;

• participação em sociedades que explorem atividades integrantes da cadeia produtiva agroindustrial;

• ativos financeiros, títulos de crédito ou valores mobiliários emitidos por pessoas físicas e jurídicas que integrem a cadeia produtiva agroindustrial;

• direitos creditórios do agronegócio e títulos de securitização emitidos com lastro em direitos creditórios do agronegócio, inclusive certificados de recebíveis do agronegócio e cotas de fundos de investimento em direitos creditórios e de fundos de investimento em direitos creditórios não padronizados que apliquem mais de 50% (cinquenta por cento) de seu patrimônio nos referidos direitos creditórios;

• direitos creditórios imobiliários relativos a imóveis rurais e títulos de securitização emitidos com lastro nesses direitos creditórios, inclusive certificados de recebíveis do agronegócio e cotas de fundos de investimento em direitos creditórios e de fundos de investimento em direitos creditórios não padronizados que apliquem mais de 50% (cinquenta por cento) de seu patrimônio nos referidos direitos creditórios e

• cotas de fundos de investimento que apliquem mais de 50% (cinquenta por cento) de seu patrimônio nos ativos acima.

Vetados - “Alguns incentivos tributários, que poderiam ser mais atrativos aos investidores dos fundos foram vetados, a exemplo da isenção do IR na distribuição de dividendos e diferimento do IR sobre ganho de capital na integralização de bens ao fundo, sendo estabelecido a alíquota de 20%”, esclarece Mem.

FOTO: Assessoria Copagril

Clique aqui e confira na íntegra a Lei nº 14,130, que institui o Fiagro

 

 

FORMAÇÃO: Profissionais da Primato iniciam pós-graduação em Gestão Integrada e Inovação

Quarenta e um profissionais da Primato, cooperativa agropecuária sediada em Toledo, Oeste do Paraná, iniciaram, na sexta-feira (26/03), o curso de pós-graduação em Gestão Integrada e Inovação. A aula inaugural foi realizada com as presenças do coordenador de Desenvolvimento Cooperativo do Sescoop/PR, Leandro Macioski, da diretora de Educação do Isae, Tania Mara Lopes, e do presidente da Primato, Anderson Sabadin.

Formação - A formação, na modalidade virtual, possui 432 horas de carga horária, divididas em 18 meses de atividades. A ideia do curso é promover o desenvolvimento de competências ligadas à gestão, por meio de uma visão sistêmica dos aspectos que permeiam a cooperativa e suas necessidades de desenvolvimento, com foco nas tendências do cenário externo e do mercado.

Melhoria de resultados - “Esse curso de pós-graduação foi pensado em conjunto com a Primato e o Isae, com a intenção de capacitar os participantes no que tange à gestão de pessoas, processos e negócios, visando à consolidação de ferramentas aplicáveis para a melhoria dos resultados, além de estimular a criatividade e o aprendizado que subsidiem a promoção de conhecimento em inovação”, afirma Macioski.

{vsig}2021/noticias/03/30/formacao/{/vsig}

 

AFOCA: Diretoria e Conselho Fiscal são eleitos em AGO

afoca II 30 03 2021Foi realizada, na sexta-feira (26/03) à tarde, por meio da plataforma Zoom, a eleição dos componentes da Diretoria e do Conselho Fiscal da Associação dos Funcionários do Sistema Ocepar (Afoca), para a gestão 2021/2022, durante Assembleia Geral Ordinária (AGO), que contou com 65 participantes. Para a Diretoria, foram eleitos: Rodrigo Gandara (presidente), Matheus Felipe da Silva (vice-presidente), Maurício Carlos Roesner (diretor financeiro), Raíssa Tayara Rank (diretora secretária) e Rogério Croscato (diretor social). Os membros do Conselho Fiscal são: Jessé Aquino Rodrigues, Eliane Lourenço Goulart Festa e Edite Viana dos Santos Alves (efetivos); Carlos Roberto Gonçalves, Marcelo Bonsenhor Martins e Vanessa Christófoli (suplentes).

Pauta - Na AGO, também foram aprovados o Balanço Patrimonial e a Demonstração de Resultado, referentes ao exercício de 2020, e apresentado o parecer do Conselho Fiscal sobre as contas do ano passado. A assembleia encerrou tratando de assuntos gerais.

 

SICOOB: Curso on-line ajuda jovens a lidar melhor com as finanças pessoais

sicoob 30 03 2021Seja você jovem ou não, vai ter que se esforçar para responder a essa questão: para onde foi o seu primeiro salário? Não é fácil lembrar. Mas é fato que grande parte das pessoas que entram no mercado de trabalho se empolgam com o valor e já saem gastando tudo, seja num smartphone novo, um parcelamento de TV ou até um videogame.

Erro clássico - Este, segundo Amanda Holanda, analista de Educação Financeira do Sicoob, é um erro clássico dos jovens. "Por não ter a experiência com o mercado de trabalho, que pode ser muito volátil, e também pela empolgação do valor a mais na conta, eles acabam não guardando nenhuma parcela do dinheiro e, quando precisam, pensam: o que eu fiz com tudo o que ganhei?", explica.

Programa - É pensando nestas pessoas que a instituição financeira cooperativa Sicoob oferece gratuitamente o programa "Se Liga Finanças", este ano totalmente virtual por conta da pandemia do novo coronavírus. Criado em 2017, o workshop já impactou mais de 4,3 mil pessoas de até 29 anos, e passou por algumas mudanças para estar disponível on-line.

Seis módulos - Se antes as aulas eram divididas em dois dias, com 4h de duração cada, agora o "Se Liga Finanças" está em seis módulos, com 32 vídeos curtos, além de várias interações para manter o aprendizado do aluno. "Usamos o conteúdo do workshop presencial e adaptamos, com toques de gamificação em uma plataforma de curso EAD. É importante destacar que o Sicoob segue seu princípio educacional e interesse pelas comunidades em que está inserido, mesmo quando não podemos estar fisicamente juntos", diz a especialista.

Formato virtual - Segundo o Instituto Sicoob, responsável pelo gerenciamento do "Se Liga Finanças", a ideia de adaptar o curso para o formato virtual também atende às necessidades do cotidiano desses jovens, que muitas vezes trabalham, estudam e ainda cuidam da casa, por exemplo. "Agora eles podem começar o curso no momento em que desejarem, assim como completar o curso no seu próprio ritmo", destaca.

Inscrição - Para se inscrever, basta acessar https://online.seligafinancas.com.br/ e concluir o cadastro na plataforma. Por lá, além de voluntários que vão tirar dúvidas dos alunos, eles também podem interagir uns com os outros, aumentando ainda mais o processo de aprendizagem e compartilhando experiências.

Sobre o Sicoob - Instituição financeira cooperativa, o Sicoob tem mais de 5 milhões de cooperados e está presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. Oferecendo serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio, seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento, dentre outras soluções financeiras, o Sicoob é a única instituição financeira presente em mais de 300 municípios. É formado por mais de 370 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais e pelo Centro Cooperativo Sicoob (CCS), composto por uma confederação e um banco cooperativo, além de processadora e bandeira de cartões, administradora de consórcios, entidade de previdência complementar, seguradora e um instituto voltado para o investimento social. Sua rede de atendimento físico é uma das maiores no Sistema Financeiro Nacional, com mais de 3,4 mil pontos de atendimento. Acesse www.sicoob.com.br para mais informações. (Imprensa Sicoob)

 

SICREDI VALE DO PIQUIRI: Concluído o movimento assemblear 2021

sicredi vale do piquiri 30 03 2021Um dos diferenciais do Sicredi é a maneira democrática e transparente com que as decisões são tomadas, o que faz a diferença nas comunidades. Nas assembleias de núcleo, os associados podem exercer seu papel de dono e decidir os rumos da cooperativa por meio de diálogo aberto e voto igualitário das propostas apresentadas.

Formatos - Em 2021, devido ao cenário imposto pelo coronavírus, a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP optou por eventos em dois formatos. Em 63 núcleos, todos no estado do Paraná, as reuniões contaram com menor número de pessoas e seguiram as orientações sanitárias dos municípios para manter a saúde dos envolvidos, com uso obrigatório de máscara, álcool em gel e respeito ao distanciamento mínimo entre as pessoas.

Assembleia digital - Já para associados de 42 núcleos, nas cidades de São Paulo (SP), ABCD Paulista, Campo Mourão (PR), Maripá (PR) e Umuarama (PR), a cooperativa realizou a assembleia digital. Neste modelo, os associados acessaram uma plataforma criada especialmente para a reunião, com todas as pautas disponíveis e possibilidade de votação on-line.

Prestações de contas - “Neste ano, optamos por dois formatos diferentes de assembleia para que pudéssemos levar essas informações ao maior número possível de pessoas. Independentemente do modelo, prestamos contas referente ao exercício de 2020, tratamos sobre a distribuição dos resultados e elegemos os delegados de núcleo para os próximos quatro anos, sempre juntos aos associados. Em um cenário desafiador que estamos vivendo, estruturamos a assembleia de modo que ela continuasse cumprindo o seu papel, que é ser uma oportunidade do associado exercer a sua função de dono do empreendimento cooperativo e de reforçarmos a transparência na gestão da cooperativa”, destaca o presidente da Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, Jaime Basso, lembrando que esta foi a primeira assembleia digital da cooperativa.

Processo finalizado - O processo assemblear foi finalizado com a assembleia dos delegados, realizada de forma on-line na noite desta segunda-feira (29/03).

Números de 2020 - A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP encerrou 2020 com números expressivos. A cooperativa chegou a 92 agências em sua área de atuação, com abertura de dez novos espaços no ano passado. A cooperativa fechou o período com 163.182 associados, crescimento de 13% em relação ao ano anterior. Em 2020, os depósitos totais atingiram a marca de R$ 3,2 bilhões, aumento de 56% comparado a 2019. A carteira de crédito fechou em R$ 3,3 bilhões, crescimento de 39%. Os ativos + coobrigações foram de R$ 4,8 bilhões, aumento de 44%. Tudo isso gerou o resultado líquido de R$ 69 milhões.

Integralização - Conforme deliberação da assembleia e após as destinações estatutárias, serão integralizados na conta capital dos associados o total de R$ 24 milhões, na forma de juros ao capital e participação no resultado proporcional a movimentação de cada um dos cooperados.

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP - A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, uma das 108 cooperativas do Sicredi, conta com 32 anos de história e mais de 164 mil associados. A área de atuação da cooperativa abrange 43 cidades no estado do Paraná e 8 cidades no estado de São Paulo, incluindo a capital paulista e cidades vizinhas do grande ABCD. São 92 espaços de atendimento, sendo 52 no Paraná e 40 em São Paulo (sicredi.com.br/vale-piquiri/).

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de cinco milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados e no Distrito Federal, com mais de duas mil agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

 

COCARI: Assembleias Gerais foram realizadas na segunda-feira

Na última segunda-feira (29/03), a Cocari realizou a 132ª Assembleia Geral Extraordinária (AGE) e a 133ª Assembleia Geral Ordinária (AGO), transmitidas de forma on-line aos cooperados, respeitando as determinações sanitárias para controle da pandemia de Covid-19. As Assembleias foram promovidas no auditório Dr. Oripes Rodrigues Gomes, na Sede da Cocari, em Mandaguari-PR. Assim como nas versões presenciais, os cooperados puderam participar por meio de manifestações e voto.

AGE - Na Assembleia Geral Extraordinária, que teve início às 9h, foram referendados como presidente da cooperativa, Marcos Antonio Trintinalha, e como vice-presidente, João Carlos Obici, com índice de 98% dos votos. Além disso, foi autorizada a seleção e a contratação do diretor executivo, bem como a reforma estatutária.

Modalidade on-line - Trintinalha destacou que as Assembleias on-line permitiram que um número maior de cooperados pudesse participar, chegando a registrar 700 pessoas de forma simultânea, inclusive de associados que moram em regiões distantes de Mandaguari, onde fica a Sede da cooperativa.

História de trabalho - Durante os anos de trabalho junto a Vilmar Sebold, Trintinalha e Obici participaram do desenvolvimento de novas alternativas no intuito de fazer o melhor para toda a cooperativa e, neste momento, solicitam apoio aos cooperados. “Aos cooperados, deixo a mensagem para que venham participar das reuniões, do Conselho Estratégico, para que tragam informações e sugestões. Vamos buscar as melhores soluções para os produtores junto a nossa equipe e reforço que essa gestão dará continuidade ao trabalho que já vinha sendo feito na gestão anterior”, enfatizou.

Crescimento contínuo - O vice-presidente, João Carlos Obici, agradeceu a participação significativa dos associados nas Assembleias e comentou sobre o projeto de sucessão na direção da cooperativa. “Temos um trabalho muito sério de sucessão na cooperativa. O sr. Vilmar é um grande parceiro e profissional e temos agora a responsabilidade de dar continuidade ao excelente trabalho desenvolvido junto com ele. Neste momento, precisamos do apoio de nossos associados e colaboradores, para fazer com que o crescimento dos últimos vinte anos tenha prosseguimento. Temos uma história de sucesso, mas a participação ativa de todos os associados é essencial”, destacou.

AGO - Na sequência à AGE, foi realizada a Assembleia Geral Ordinária e nela foram deliberadas a prestação de contas referentes ao exercício de 2020, a destinação de sobras, a apresentação do orçamento para 2021 e a eleição do Conselho Fiscal, em que concorreram duas chapas, sendo vencedora a Chapa 1, com 82% dos votos.

Eleição do Conselho Fiscal- Confira os nomes dos conselheiros eleitos.

Membros efetivos:

Antonio Marcos Sossai, de Kaloré-PR

Aguinelo Luiz Feltrin, de Itambé-PR

Paulo Paggi Júnior, de Mandaguari-PR

Membros suplentes:

João Carlos Barison, de Aquidaban-PR

Osmar Rati, de Ortigueira-PR

Juliano Aparecido Sacheta, de São Pedro do Ivaí-PR

Mudança na presidência - O ex-presidente da Cocari, Vilmar Sebold, realizou a entrega de um timão ao presidente eleito, Marcos Antonio Trintinalha, para representar a passagem da condução da Cocari, repetindo o gesto de Dorival Malacario, quando Sebold assumiu a presidência da cooperativa. “Peço que esse timão fique sempre na cooperativa para que as pessoas que assumirem a sua presidência o recebam”, sugeriu. Sebold falou sobre os excelentes resultados obtidos pela cooperativa. “Atualmente, a Cocari tem previsão de faturar R$ 3,5 bilhões em 2021. Estamos em regiões novas do Cerrado e dos Campos Gerais, no estado do Paraná e é importante destacar que as superações pelas quais passamos sempre aconteceram com muitas pessoas trabalhando junto conosco. Cumprimento o Marcos e o João Carlos pela eleição que acabou de acontecer e desejo sucesso nessa nova etapa”, disse.

Virtudes necessárias - O ex-presidente Dorival Malacario se colocou à disposição da diretoria para ajudar. “Sempre tratei nossos colaboradores como amigos, assim como fui tratado pelo Dr. Oripes Rodrigues Gomes, e eles me ajudaram muito a dirigir a cooperativa. A emoção é grande por pensar naquilo que passou e naquilo que conseguimos realizar, sempre visando o bem da cooperativa, cooperados, colaboradores e comunidades. Quero agradecer a todos aqueles que estiveram ao meu lado e farei um pedido como já fiz aos outros diretores. Dirijam com ética, serenidade e honestidade, com aquilo que o Dr. Oripes fez com que eu me apaixonasse por essa cooperativa. Estarei presente no que eu puder ajudar”, concluiu.

Ano de superação - O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, declarou o apoio à cooperativa também nessa nova gestão. “Hoje a Cocari é uma grande cooperativa do Brasil, tem um futuro brilhante pela frente e já está estruturada. Parabenizo a cooperativa pelos resultados alcançados. O cooperativismo do Paraná se superou em 2020. Conseguimos dar a segurança necessária ao setor da agroindústria e não foi preciso parar as atividades. Atualmente, a sociedade reconhece a importância do cooperativismo no abastecimento de insumos, no transporte e na saúde. Nunca ficou tão evidente a importância do cooperativismo”, comentou.

Perspectivas para 2021 - Segundo Ricken, para 2021, é esperado um ano intenso de trabalho e de luta para manter a saúde e lidar com os reflexos da pandemia na economia. “Torcemos para que haja uma reforma política e tributária para desonerar a produção e manter a produtividade. Além disso, aproveitaremos as oportunidades trazidas pelo reconhecimento do Paraná como área livre de febre aftosa sem vacinação e sem peste suína clássica, o que abrirá mercados a nível internacional”, acrescentou.

Nova atividade - O presidente Marcos Antonio Trintinalha falou sobre o novo projeto para abate de peixes que a cooperativa inicia este ano. “Acabamos de assinar a criação de um abatedouro de peixes no município de Alvorada do Sul-PR, onde iniciaremos o abate de tilápias, em parceria com a Cooperativa Central Aurora Alimentos, utilizando a ração da nossa indústria. Trata-se de mais uma ação para vislumbrar a continuidade e o desenvolvimento da cooperativa”, avaliou.

Agradecimentos - Trintinalha registrou também seus agradecimentos. “Gostaria de agradecer a Deus por estar à frente dessa cooperativa que eu aprendi a amar, porque conheci muitas pessoas que vivenciaram a história da cooperativa. Aos meus familiares, pelo apoio. Ao Vilmar, pela oportunidade oferecida em 2005, quando me convidou para ajudar a construir a Cocari. Agradeço a todos os colaboradores e assessores, pelo apoio para que as Assembleias acontecessem. E principalmente aos associados, que não mediram esforços para participar deste momento, confiando nas pessoas que aqui estão. Tenham certeza de que vamos juntos buscar sempre o que for melhor para a Cocari. Vamos cuidar da saúde e ter força para continuar trabalhando da melhor forma possível. Estamos sempre à disposição para que os cooperados nos procurem e para trabalhar junto a eles, que são os reais donos dessa estrutura”, disse. (Imprensa Cocari)

{vsig}2021/noticias/03/30/cocari/{/vsig}

INTEGRADA: Cooperativa disponibiliza sementes com a nova tecnologia Intacta 2 Xtend aos cooperados

integrada 30 03 2021Ainda não havia certeza sobre a possibilidade de utilização da nova tecnologia que prometia resistência às principais lagartas nocivas à lavoura, e a Integrada decidiu sair na frente e colocar à prova a 3ª geração de biotecnologia em soja.

Cultivo - Em campos de sementes certificados pelo Ministério da Agricultura, a tecnologia Intacta 2 XTend foi cultivada sob a supervisão da equipe técnica da cooperativa. O engenheiro agrônomo Rodrigo Ambrósio explica que, para produzir as sementes é preciso escolher bem a área, num ambiente controlado. “Realizamos o plantio numa área de “stewardship”, que consiste em uma barreira vegetal para proteger a lavoura, evitando a contaminação de áreas que utilizam outras tecnologias”, ressaltou Ambrósio.

Cuidado - Todo esse cuidado foi rigorosamente seguido porque as cultivares de soja com a nova tecnologia da multinacional Bayer ainda não tinham sido liberadas pela Comissão da União Europeia. “Foi uma aposta realizar o teste em áreas dos nossos cooperantes, porque se não tivesse a liberação, teríamos que destinar todas as sementes para um uso controlado da indústria nacional”, ressalta o gerente de sementes da Integrada, Romildo Birelo.

Última geração - A Intacta 2 XTend é a última geração em biotecnologia de soja e inicia uma nova fase de produtividade e resistência. Entre as principais novidades que a XTend oferece ao agricultor está a resistência ao herbicida Dicamba, eficiente no controle de plantas daninhas de folhas largas anuais e perenes, com ação em mais de 270 espécies, incluindo as mais comuns e de difícil manejo como buva, caruru, corda-de-viola e picão-preto.

Alta eficiência - A nova tecnologia também apresenta alta eficiência contra lagartas como a falsa medideira, lagarta-da-soja, lagarta-das-maças e broca-das-axilas, incluindo duas espécies: a Helicoverpa armigera e a Spodoptera cosmioide.

Três cultivares - “Com a aprovação do uso da tecnologia, a Integrada já incluiu no seu portifólio três cultivares que serão utilizadas pelos nossos cooperados na próxima safra”, ressalta Ambrósio.

Sementes - A Integrada produziu 7 mil sacas de sementes com a biotecnologia XTend, 240 mil quilos de três cultivares diferentes, com indicação para todas as regiões de atuação da cooperativa.

Produtividade - “Temos grupos de maturação de 5.9 indicados para o oeste do Paraná, de 6.2 para a região norte toda e 6.3 para a região de Maringá e estado de São Paulo. São cultivares que apresentam produtividade de até 10% a mais que a média das mais utilizadas atualmente. E o melhor de tudo, o custo global não aumenta muito. As vantagens são imensas”, afirma Birelo.

No campo - Na Fazenda Santa Guilhermina, em Arapongas (PR), o agricultor Mauro Tribulato destinou parte da lavoura de soja para a produção de sementes com a tecnologia Intacta 2 Xtend. No campo de teste, a nova cultivar foi isolada dos outros campos de soja, cercada por matas, rios e estradas, e concentradas em um só lote individual.

Limpeza - “Outro ponto importante é a limpeza das semeadoras, colheitadeiras e caminhões de transporte, para evitar contaminação com as outras variedades. Temos também muito cuidado com as sobras de sementes, que precisam ser recolhidas e devolvidas à cooperativa”, explica Tribulato.

Busca - Mauro Tribulato está entre os agricultores preocupados com alta produtividade, alto rendimento e gestão de custos. “Apesar do risco inicial em investir numa tecnologia que ainda não havia sido liberada, nós produtores temos o dever de buscar as últimas e mais modernas tecnologias para melhorar a produtividade”, finaliza Tribulato. (Imprensa Integrada)

 

COOPAVEL I: Cooperativa vai utilizar drones para melhorar assistência técnica rural

coopavel I 30 03 2021Dezesseis agrônomos da Coopavel acabam de participar de um curso sobre Geração e processamento de imagens aéreas por drones ou satélites. O treinamento foi organizado pelo NAP, o Núcleo de Aperfeiçoamento Profissional da Fag (Faculdade Assis Gurgacz) em parceria com o Sescoop/PR – Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo. Os conteúdos foram repassados pelo professor de pós-graduação Esmael Lopes.

Teoria e prática - O curso foi realizado em dois dias, com orientações práticas e teóricas. Tudo o que os agrônomos aprenderam foi colocado em prática em voos de campo para captura de imagens. Todo material coletado foi então processado e diagnosticado. Esmael informou como obter as melhores tomadas e como otimizar os voos realizados em áreas específicas.

Necessário - O gerente de Filiais Oeste da Coopavel, Altair Garcia, informa que todo novo aprendizado é bem-vindo e necessário, principalmente quando trata de tecnologias cada vez mais presentes no cotidiano das propriedades rurais. Os drones passam a ser uma ferramenta de trabalho dos agrônomos da cooperativa, melhorando assim a assistência técnica garantida aos cooperados, conforme Altair.

Ferramenta de apoio - De acordo com Esmael, o drone é uma ferramenta de apoio a mais aos agricultores e também para os profissionais da área técnica. “É uma nova tecnologia ao segmento, que oferece suporte incrível”. Esmael informa que há quatro anos sequer existia uma disciplina dedicada ao assunto nos cursos de Agronomia oferecidos por instituições de ensino superior do Oeste do Paraná. “Essa e outras novidades passam a ser cada vez mais presentes e úteis ao cotidiano do agronegócio”, ressalta o professor.

Irreversível - Os agrônomos percebem a velocidade com que as novidades chegam e são levadas ao campo. E muitas delas passam a ser determinantes, como o georreferenciamento e o acompanhamento das lavouras, segundo Altair. A Coopavel procura acompanhar todos os avanços de perto e já compra os primeiros drones para aprimorar sua atenção ao campo.

Conectados ao novo - “Precisamos estar conectados ao novo. Acompanhar a evolução e oferecer aos cooperados a melhor informação e os melhores recursos para que possam produzir cada vez mais e melhor. A tecnologia é uma aliada fundamental e irreversível aos produtores rurais”, diz o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli.

Dados valiosos - O gerente da filial da cooperativa em Lindoeste, Ramon Aurélio dos Santos, foi um dos inscritos no curso de drones oferecido pelo NAP em parceria com o Sescoop. As informações obtidas pelos drones, aliadas com as imagens de satélite, formam um acervo amplo e robusto. “Passamos a ter em mãos dados valiosos e que ajudam muito a tomar decisões ainda mais assertivas. Os agrônomos ganham um impulso importante ao participar de capacitações como essa”, afirma Ramon. (Imprensa Coopavel)

 

COOPAVEL II: Ihara desenvolve linha de herbicidas do futuro

coopavel II 30 03 2021A Ihara faz na versão digital do Show Rural Coopavel a apresentação de uma linha de produtos que, devido à tecnologia empregada, são chamados de herbicidas do futuro. Um deles é o Kyojin, pré-emergente que revoluciona o manejo de plantas daninhas nas culturas de soja e milho. “Há 22 anos não era desenvolvida uma molécula com essa finalidade e estamos aqui com o que há de mais novo no mercado”, diz o administrador técnico da empresa, Rafael Scapini de Oliveira.

Composição - O lançamento traz em sua composição uma molécula altamente tecnológica, conseguida de forma inédita pela Ihara. “Com essas novas soluções, as principais características são o longo residual, alta seletividade e controle de plantas daninhas resistentes e consideradas desafios aos produtores rurais que cultivam soja e milho”, segundo Rafael. Entre as daninhas que o Kyojin/Yamato combate estão capim pé-de-galinha, buva e digitarias.

Resultados - “É um pré-emergente que apresenta excelentes resultados”, reforça Rafael, que em vídeo técnico apresenta duas áreas cultivadas em parcela no Show Rural Coopavel, uma com e outra sem o herbicida e os resultados são impressionantes. Para assistir à versão digital do evento, agricultores, técnicos e outros interessados em avanços para o campo podem acessar os seguintes endereços: youtube.com/showruralagro e www.showrural.com.br. Ali, além de vídeos técnicos com inúmeras informações, há textos e também uma vitrine com produtos e serviços de empresas do agronegócio parceiras do Show Rural.

Outros - A Ihara apresenta outros dois produtos de sucesso de seu portfólio. O Zeus também é fabricado a partir de uma nova molécula no Brasil e leva o manejo do percevejo a outro patamar. “Ao utilizar esse produto, as suas culturas ficarão protegidas com mais eficiência e por mais tempo”, segundo Rafael. Outra novidade é o Bold, inseticida com registro para várias culturas e com grande sucesso no manejo de insetos, como cigarrinha e pulgão. (Imprensa Coopavel)

 

PLURICOOP: Cooperativismos e associativismo se unem para fomentar a mediação

pluricoop 30 03 2021Sancionada em 2015 pela Lei 13.140/2015, a Mediação inaugurou um novo paradigma cultural no mundo jurídico, voltado à resolução de conflitos por meio da autocomposição.

Exemplos - Por meio dela, qualquer pessoa física ou jurídica pode equacionar questões originadas, por exemplo, de contratos de locação, compra e venda e, também, na área de crédito, entre muitas outras.

Plataforma - Para fazer com que a Mediação seja mais conhecida e usada em Maringá (PR), a Câmara de Mediação da Pluricoop (Cooperativa de Trabalho de Executivos em Gestão e Treinamento) conta com uma plataforma específica para prestar esse tipo de atendimento - ver abaixo. Ao ingressar, o interessado informa seus dados pessoais, descreve o conflito e cita como gostaria que fosse resolvido.

Parceria - No final do ano passado, a Pluricoop promoveu um curso de Mediação Extrajudicial e, já como fruto da iniciativa, acaba de firmar parceria com o Núcleo de Mediadores do Programa Empreender da Acim (Associação Comercial e Empresarial de Maringá).

Vantagens - De acordo com a mediadora Kellin Conchon, especialista no assunto, ao se cadastrar na plataforma da Pluricoop, a pessoa física ou jurídica terá seu caso analisado pela Câmara de Mediação: “Essa alternativa é ainda mais vantajosa durante a pandemia, pois sessões presenciais são restritas e propensas a propagação do vírus".

Ferramenta -"Com a plataforma, é possível solucionar questões sem a necessidade do encontro presencial”, explica a especialista, salientando que os custos são bastante acessíveis e a parceria tem como objetivo trazer mais uma ferramenta para o empresário, principalmente neste momento difícil para a economia.

Restabelecer - A presidente da Pluricoop, Cleide Bulla, comenta que a Mediação, por ser um processo mais rápido, visa principalmente o restabelecimento das relações entre as partes.

Diferenciado - Sobre a parceria da Câmara de Mediação da entidade com o Núcleo de Mediadores do Programa Empreender da Acim, Cleide observa que “se trata de um serviço diferenciado, com ótimos resultados mas que ainda é pouco utilizado, talvez pela ausência de canais que promovam essa alternativa”. Hoje, havendo qualquer desentendimento, já se pensa em acionar a Justiça, lembra Cleide.

Louvável - O Coordenador do Núcleo de Mediadores da ACIM, Fernando Molinari, ressalta: “a mediação é o mais louvável, pois representa uma forma de solução que pode viabilizar a reconstrução dos laços entre as partes. A parceria recém constituída com a Pluricoop contribuirá para fomentar a cultura deste método adequado de solução de conflitos, propiciando entre outros benefícios, agilidade, confidencialidade e redução de custos junto a classe empresarial".

Serviço - Acesse a plataforma da Pluricoop: http://mediacao.pluricoop.coop.br/iniciar. (Imprensa Pluricoop)

 

AVICULTURA: Paraná produz um terço da carne de frango do Brasil

Líder nacional na atividade avícola, respondendo por um terço do abate de aves no País no ano passado, a produção de carne de frango no Paraná teve crescimento de 3,9% em 2020 com relação ao ano anterior. O volume total foi de 4,49 milhões de toneladas, 33,4% das 13,7 milhões de toneladas produzidas pelo Brasil em 2020, com mais de 2 milhões de aves abatidas.

Dados - Os dados da Estatística da Produção Pecuária, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), também são confirmados pelo Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar), cujas indústrias associadas foram responsáveis pelo abate de 1,95 bilhão de aves no ano passado, 4,5% a mais que em 2019, quando 1,87 bilhão de animais foram abatidos. A entidade representa 45 abatedouros e incubatórios paranaenses.

Bom resultado - Mesmo com a pandemia, que exigiu adaptações e investimentos no setor, os produtores comemoram o bom resultado do ano passado. “O setor de alimentos do Brasil provou que é possível se adaptar e manter a produção em condições saudáveis. Sempre tivemos um rigor muito alto com a higienização, antes mesmo do surgimento da pandemia”, explica o presidente do Sindiavipar, Irineo da Costa Rodrigues.

Exportação - Além de principal produtor, o Paraná é também o Estado que mais exporta carne de frango no País. Responde por 40,9% das exportações brasileiras no setor e vende para cerca de 160 países. É quase o dobro das exportações de Santa Catarina, que fica em segundo lugar, com 21,6% das exportações. Na sequência vem o Rio Grande do Sul, com 16,9%. Juntos, os três estados do Sul concentram 79,4% do frango brasileiro comercializado para outros países.

Valor - O frango, segundo principal produto, atrás apenas da soja em grão, e a principal proteína animal exportada pelo Paraná, respondeu, em 2020, por 21,6% de todo o comércio exterior paranaense, com a venda de 1,59 bilhão de toneladas no ano passado. Esse total representou US$ 2,56 bilhões na balança comercial estadual, ou R$ 14,71 bilhões na cotação atual.

Destino - O principal destino é a Ásia, sendo que a China compra um quarto da carne de frango do Estado, ou 410,18 milhões de toneladas. Outros importantes mercados são os Emirados Árabes Unidos (117,77 milhões), Japão (114,1 milhões), Arábia Saudita (92,92 milhões) e Coreia do Sul (63 milhões). Os dados foram compilados pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), com base nas informações da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia.

Sanidade animal - As recentes mudanças no status sanitário do Paraná vão interferir positivamente em toda a cadeia de carnes paranaense, incluindo a avicultura. Neste mês, o Estado recebeu parecer favorável do comitê técnico da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e deu mais um passo para o reconhecimento internacional como área livre de febre aftosa sem vacinação, além de ser reconhecido como zona livre de peste suína clássica independente.

Potencial - "Imagino que o Brasil possa saltar de 29 milhões de toneladas de proteínas animais por ano, fora o leite, para 35 milhões de toneladas em 10 anos. Com essa expectativa, o Paraná sairá de 6 milhões para 7 milhões ou 7,5 milhões de toneladas. Estamos crescendo bem em frango, no qual somos campeões, e em suínos, vislumbrando a liderança", avalia o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. "O Estado mostra aos outros países que tem volume, escala e qualidade, dá para comprar e comer sem risco", afirma. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTOS: Jonathan Campos / AEN

{vsig}2021/noticias/03/30/avicultura/{/vsig}

 

CAFÉ: Conselho aprova R$ 5,9 bilhões para financiamentos na safra 2021/22

cafe 30 03 2021O Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC) aprovou montante de R$ 5,9 bilhões para aplicação nas linhas de financiamentos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) para a safra 2021/22. São créditos para custeio, comercialização, aquisição de café, capital de giro e recuperação de cafezais. Na temporada anterior, foram destinados R$ 5,7 bilhões.

Decisão - A decisão foi tomada durante a 73ª reunião do CDPC, realizada nesta segunda-feira (29/03) com a presença da ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento). A destinação dos recursos ainda precisa passar pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Isonomia - O conselho também tratou da isonomia das taxas de juros na contratação das linhas de financiamento, medida que depende da aprovação da área econômica do governo federal.

Linha de financiamento - Outro tema debatido, na reunião virtual, foi sobre uma linha de financiamento para promoção do café brasileiro nos mercados interno e externo, com objetivo de divulgar a qualidade do produto e buscar novos mercados consumidores. (Mapa)

 

ECONOMIA I: Bolsonaro assina MP para melhoria do ambiente de negócios no Brasil

economia I 30 03 2021O presidente Jair Bolsonaro assinou, nesta segunda-feira (29/03), uma medida provisória (MP) com o objetivo de modernizar e desburocratizar o ambiente de negócios no Brasil, melhorando a posição do país no ranking Doing Business, do Banco Mundial. O documento traz mudanças legislativas para a simplificação de abertura de empresas, a proteção aos investidores minoritários, a facilitação no comércio exterior de bens e serviços e a liberação de construções de baixo risco, entre outros.

Indicadores - Por meio de dez indicadores diferentes, o Banco Mundial analisa o nível de facilidade de se fazer negócios em 190 economias do mundo. No levantamento mais recente, o Brasil ocupava a 124ª posição.

Elevação - De acordo com o Ministério da Economia, a MP deve elevar o Brasil de 18 a 20 posições no ranking. “Com as ações já traçadas e em execução desde 2020, em conjunto com a implementação do que é proposto na MP, o Brasil pode figurar pela primeira vez, no curto prazo, dentre as 100 melhores economias para se fazer negócios no país”, informou, em comunicado.

Objetivo - O objetivo do governo Bolsonaro é, até 2022, colocar o Brasil entre os 50 melhores países para se fazer negócios.

Cerimônia - A assinatura da MP aconteceu em rápida cerimônia, no Palácio do Planalto. A expectativa do governo é que a proposta tramite e seja aprovada no Congresso Nacional ainda neste ano.

Conjunto de medidas - “Trata-se de um conjunto de medidas de curto prazo não só extremamente relevantes para a minimização dos efeitos negativos da pandemia de covid-19 sobre a economia, como também urgentes, em razão de ser necessário que as mudanças legislativas ora propostas sejam implementadas a tempo de serem refletidas nas respostas aos questionários no primeiro semestre de 2021 e constarem do relatório 2022 do Banco Mundial”, explicou a Secretaria-Geral da Presidência, em nota.

Abertura de empresas - De acordo com a pasta, no âmbito da abertura de empresas, a MP determina a unificação de inscrições fiscais federal, estadual e municipal no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), “eliminando análises de viabilidade - que somente existem no Brasil – e automatizando a checagem de nome empresarial em segundos”.

Investidores minoritários - A medida ainda trata da proteção aos investidores minoritários, por meio da alteração da Lei das S.As (Sociedades por Ações), “seguindo as boas práticas definidas pelo Banco Mundial”. De acordo com a Presidência, as mudanças aumentarão o poder de decisão dos acionistas, inclusive minoritários, mediante elevação do prazo de antecedência para o envio de informações para uso nas assembleias; o aprimoramento dos dispositivos relacionados à comunicação; e a vedação ao acúmulo de funções entre o principal dirigente da empresa e o presidente do Conselho de Administração, entre outras medidas.

Comércio exterior de bens e serviços - Sobre o comércio exterior de bens e serviços, o texto assegura, por exemplo, a disponibilidade de guichê único eletrônico aos operadores de comércio exterior e prevê que quaisquer exigências baseadas em características das mercadorias sejam impostas somente por meio de lei, “modernizando o sistema de verificação de regras de origem não preferenciais”.

Tradutor Púbico - Na mesma linha, de acordo com a Presidência, a MP também confere nova regulamentação à profissão de Tradutor Público e Intérprete Comercial, revogando o Decreto nº 13.609, de 1943. “A alteração desburocratiza a profissão ao permitir que tradutores atuem em todo país e possam realizar seu trabalho em meio eletrônico, garantindo maior segurança jurídica à matéria, indispensável ao desenvolvimento do comércio exterior e à evolução do Brasil em diversos outros indicadores relacionados ao ambiente de negócios”, diz a nota.

SIRA - No âmbito da execução de contratos, o governo instituiu o Sistema Integrado de Recuperação de Ativos (SIRA) para agilizar a cobrança e recuperação de crédito. O SIRA será capaz de reunir dados cadastrais, relacionamentos e bases patrimoniais de pessoas físicas e jurídicas com o objetivo de reduzir o custo de transação da concessão de crédito através do aumento da efetividade das ações judiciais que envolvam a recuperação de créditos públicos ou privados.

Conselho profissionais - De acordo com a Secretaria-Geral, com a mudança, conselhos profissionais poderão tomar medidas administrativas de cobrança, tais como a notificação extrajudicial e a inclusão em cadastros de inadimplentes, “contribuindo para diminuir a sobrecarga judiciária brasileira”.

Eletricidade - Outro destaque da MP se refere ao fornecimento de eletricidade, “a fim de aumentar a celeridade de alguns processos de acesso à energia elétrica”. O texto propõe soluções para a questão, como o estabelecimento de prazo para o Poder Público autorizar a realização de obras de extensão de redes de distribuição energia elétrica.

Código Civil - Por fim, MP também promove alteração do Código Civil, “para cristalizar o instituto da prescrição intercorrente já consagrado pelo Supremo Tribunal Federal na Súmula 150, contribuindo, dessa forma, para o aumento da segurança jurídica”. A prescrição intercorrente é a perda do direito pela ausência de ação durante um determinado tempo. (Agência Brasil)

Clique aqui e acesse na íntegra a MP 1.040, assinada nesta segunda-feira (29/03) pelo presidente Jair Bolsonaro

 

EVENTO: Últimos dias de inscrições para o Seedthon; prêmios do primeiro hackathon da Abrates chegam a R$ 34 mil

evento 30 03 2021O prazo para se inscrever no Seedthon, o primeiro hackathon sementeiro do Brasil, promovido pela Associação Brasileira de Tecnologia de Sementes (Abrates) em parceria com a Corteva, termina nesta quarta-feira (31/03). As inscrições são gratuitas e podem ser feitas por equipe ou individualmente no site do XXI Congresso Brasileiro de Sementes. Segundo a organização do evento, os inscritos que não tiverem equipe serão direcionados para um grupo no Telegram, formado por pessoas na mesma situação, para que possam se conhecer e formar suas equipes.

Pré-evento - O Seedthon é um pré-evento do XXI Congresso Brasileiro de Sementes, que será realizado pela Abrates entre os dias 6 e 9 de dezembro de 2021, em Curitiba (PR). Ele integra o programa mundial de eventos Plant Science Symposia Series, iniciativa da Corteva, que desde 2008 vem estimulando as novas gerações de cientistas do agro.

Treinamento - As equipes inscritas passarão por treinamentos durante 45 dias nas áreas de projeto, inovação, pitches, como vender uma ideia, e também mentorias técnicas de empresas e universidade, onde os problemas reais do setor serão discutidos com as equipes participantes. O pitch final está programado para a última semana de maio.

Tema - Com o tema “Inovações no setor sementeiro”, o Seedthon será realizado no formato on-line e deve reunir técnicos, empresários, pesquisadores, docentes e estudantes, além de representantes da agroindústria.

Premiação - As três melhores equipes do Seedthon serão contempladas com prêmios que somam R$ 34 mil. A primeira colocada ganhará R$ 16 mil e bolsa de 30% de desconto em qualquer curso de MBA da Esalq/USP (Pecege), a segunda melhor equipe, R$ 10 mil e a terceira, R$ 8 mil. Além destes atrativos, várias empresas irão fornecer mentoria e estarão de ‘olho’ nos participantes para possível recrutamento de novos talentos.

Universidades participantes -A organização do Seedthon envolve estudantes e profissionais de agronomia de dez universidades do País. Do Paraná, integram a comissão organizadora Andreza Cerioni Belniaki, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Emanueli Bastos Garcia, da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e Rayssa Fernanda dos Santos, da Universidade Estadual de Maringá (UEM). São Paulo conta com a representação de Samara Moreira Perissato, da Universidade Estadual Paulista (UNESP) e Lívia Araújo Rohr, da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (ESALQ), da Universidade de São Paulo (USP). De Minas Gerais, o hackathon tem a colaboração de Daniel Teixeira Pinheiro, da Universidade Federal de Viçosa (UFV), e Venícius Reis, da Universidade Federal de Lavras (UFLA). Integram a equipe também Erivanessa Sarmento, da Universidade Federal do Ceará (UFC), Jaquelini Garcia, da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) e Jucimar Alves de Souza, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Equipes - De acordo com a agrônoma Andreza Cerioni Belniaki, pós-graduanda da UFPR, o primeiro hackathon sementeiro do País deve reunir dezenas de equipes, que poderão ser compostas de três a seis pessoas. “Temos um limite de participantes em função dos prazos e avaliação das soluções. Queremos que este evento conecte o setor. Após ouvirmos os anseios de mais de 60 empresas de várias regiões do Brasil já temos três cases e vamos colocar estes desafios para discussão no Seedthon, na busca de criar as soluções, checar novas demandas, incentivar o empreendedorismo e propiciar as conexões entre profissionais, pesquisadores e empresas, permitindo a construção de networking. Esse é o grande objetivo da maratona”, detalha Andreza.

Divulgação - Os cases só serão divulgados pela organização um mês antes das apresentações dos pitches finais, em que as equipes terão um tempo breve para defender a solução encontrada para o case escolhido. Segundo os organizadores, os desafios buscam tecnologias e inovações para o setor sementeiro.  

Regulamento - A agrônoma Emanueli Bastos Garcia, pós-graduanda da UEL, destaca que o regulamento do hackthon estimula as equipes com maior diversidade de integrantes. “Estas equipes ganharão pontos, em caso de empate na avaliação. As que tiverem em sua composição profissionais que já atuam na área sementeira, estudantes de graduação e pós-graduação do setor, profissionais de áreas diversas, como TI, engenharias e administração terão sua nota elevada e podem ter uma melhor pontuação”, enfatiza Emanueli.

Participação - Podem participar do Seedthon qualquer pessoa maior de 18 anos, de qualquer área profissional, que queira empreender no setor sementeiro. “Não precisa ser agrônomo, pode ser técnico agrícola, ou de qualquer outra área profissional. Pode até ter uma equipe inteira de pessoas de outros países, desde que tenha um integrante que fale o português para ser o interlocutor e fazer as apresentações”, explica Andreza.

Patrocínio - O Seedthon conta com o patrocínio da Agrotis, Corteva, Incotec, GDM, Pecege, Rizobacter e Silomax. E também com o apoio da AgroAgenda e InovaHub. (Assessoria de Imprensa do evento)

SERVIÇO

Seedthon - “Inovações no setor sementeiro”

Período de inscrições: de 22 de fevereiro a 31 de março de 2021

Inscrições: https://www.cbsementes.com/seedthon/

Contato: Grupo no Telegram https://t.me/seedthon

 

ECONOMIA II: Juros dos empréstimos recuam em fevereiro, diz BC

economia II 30 03 2021A taxa média de juros cobrados de famílias e empresas em fevereiro ficou em 28,1% ao ano, segundo as Estatísticas Monetárias e de Crédito, divulgadas nesta segunda-feira (29/03) pelo Banco Central. O percentual representa recuo de 0,4 ponto percentual na comparação com janeiro; e de 6 pontos percentuais no acumulado de 12 meses.

Crédito livre - Esses dados são do crédito livre, em que os bancos têm autonomia para emprestar o dinheiro captado no mercado e definir as taxas de juros cobradas dos clientes. Já o crédito direcionado tem regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural, de infraestrutura e ao microcrédito.

Taxa média - De acordo com o documento, a taxa média de juros para pessoas físicas no crédito livre está em 40,1% ao ano, o que representa uma alta de 0,6 ponto percentual em relação a janeiro. Em 12 meses, o resultado representa uma queda de 6,8 pontos percentuais.

Reflexo - Segundo o BC, o aumento da taxa cobrada para pessoas físicas reflete principalmente os aumentos dos juros cobrados no cartão parcelado (5,6%) e na composição da dívida (2,7%), que é uma renegociação com modalidades diferentes de crédito.

Empresas - Para as empresas, especificamente, os juros apresentaram queda, situando-se em 13,8% ao ano, o que representa redução de 3,2 pontos percentuais em 12 meses. Segundo o BC, o crédito livre a pessoas jurídicas alcançou R$ 1,1 trilhão, o que representa acréscimo de 1,2% no mês, “com destaque para as modalidades de desconto de duplicatas e recebíveis, antecipação de faturas de cartão, aquisição de veículos, ACC [Adiantamento sobre Contrato de Câmbio] e financiamento a exportações”.

Estoque de crédito - O saldo total das operações de crédito do sistema financeiro alcançou R$ 4,046 trilhões em fevereiro, aumento que corresponde a 0,7% no mês. No caso das carteiras de pessoas jurídicas, o saldo ficou em R$ 1,8 trilhão (variação de 0,6%). Já o de pessoas físicas ficou em R$ 2,3 trilhões (0,8%). Em 12 meses, o crescimento registrado totalizou 16,1%, motivado principalmente pela expansão de 22,9% no crédito a empresas.

Montante - O crédito livre para pessoas físicas ficou em R$ 1,2 trilhão (crescimento de 0,7% no mês e 10,3% em 12 meses). Segundo o BC, esse crescimento registrado no mês se deve principalmente ao aumento observado nas modalidades de crédito pessoal (consignado e não consignado). Já o crescimento registrado no prazo de 12 meses, o destaque ficou para as modalidades aquisição de veículos e composição de dívidas.

Saldo - O crédito livre para as empresas apresentou saldo de R$ 1,091 trilhão, em fevereiro, com crescimento de 1,2% no mês e 22,5%, em 12 meses.

Crédito direcionado - No crédito direcionado, o saldo de pessoas jurídicas recuou 0,2% no mês, atingindo R$ 700 bilhões, mantendo crescimento significativo em 12 meses, 23,5%.

Redução de saldo - O chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha explica que “os recursos destinados a pessoas jurídicas tiveram redução de saldo [de 0,2%] devido às operações feitas com o BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social], que teve redução de 0,8%”, disse referindo-se aos créditos direcionados a empresas. “O saldo de outros créditos direcionados, que inclui créditos criados durante a pandemia, está estável”, acrescentou.

Inadimplência - A inadimplência, situação em que há atrasos superiores a 90 dias, apresentou uma média de 2,3% para empresas (1,4%) e famílias (3%).

Outras operações - De acordo com o BC, nas operações com recursos livres, a inadimplência permaneceu em 2,9%, sendo que as empresas registraram 1,6% e as pessoas físicas, 4,1%.

Alta - Já as operações com recursos direcionados, o indicador ficou em 1,3%, “com evolução de 0,2 ponto percentual, também distribuída nos segmentos de empresas (0,4 ponto percentual) e de famílias (0,2 ponto percentual)”. No caso das empresas, a taxa de inadimplência das operações com recursos direcionados chegou a 1% das pessoas físicas, 1,6%. (Agência Brasil)

FOTO: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

 

CÂMBIO: Dólar chega a R$ 5,80, mas reduz alta no fim da tarde

Depois de ultrapassar a barreira de R$ 5,80, o dólar desacelerou perto do fim das negociações e fechou com pequena alta. A bolsa de valores oscilou bastante, mas subiu pela terceira sessão seguida.

Cotação - O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (29/03) vendido a R$ 5,766, com valorização de R$ 0,025 (+0,43%). Na máxima do dia, por volta das 12h, a cotação chegou a R$ 5,805, mas passou a operar próxima da estabilidade no início da tarde. Nas horas finais de negociações, a cotação voltou a acelerar, mas em ritmo insuficiente para recuperar os valores máximos.

Ações - No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, fechou aos 115.419 pontos, com ganho de 0,56%. O indicador alternou altas e baixas até o meio da tarde, mas firmou a tendência de alta após as 16h.

Orçamento - O dólar e a bolsa oscilaram em meio às negociações sobre vetos no Orçamento Geral da União, aprovado pelo Congresso na semana passada. O anúncio de trocas de comandos em diversos ministérios também influenciou o mercado próximo do fim da sessão.

Exterior - O mercado também foi influenciado pelo exterior. A decretação de novas medidas de restrição social em diversos países da Europa e alertas de prejuízos em um grande fundo de investimento norte-americano pressionaram as negociações em todo o planeta. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

CAMEX: Câmara de Comércio Exterior zera imposto de importação de mais 65 produtos para combate à Covid-19

O Comitê-Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex) do Ministério da Economia zerou temporariamente o Imposto de Importação de mais 65 produtos usados para o combate à pandemia do novo coronavírus. Os itens – que incluem medicamentos e equipamentos – passam a integrar a lista de reduções tarifárias de que trata a Resolução Gecex nº 17, de 17 de março de 2020.

Itens - A decisão contempla medicamentos para alívio de dor, sedação, intubação e respiração artificial, entre anestésicos, calmantes, analgésicos e antibióticos. A medida também abrange monitores para leitos clínicos e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), equipamentos para análise de gases respiratórios e central de monitoração para UTI adulto, além de carrocerias e caminhões-tanque para transporte de cargas perigosas, como oxigênio.

Aprovação - A redução foi aprovada pelo Gecex em reunião, nesta segunda-feira (29/03), a partir de pedido do Ministério da Saúde, e entrará em vigor um dia após a publicação de resolução no Diário oficial da União, prevista para esta terça-feira (30/03).

Produtos prioritários - Em relação aos medicamentos, o pedido teve como base a Resolução RDC nº 483, de 19 de março de 2021, elaborada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que trata dos requisitos para a importação de dispositivos médicos novos e medicamentos identificados como prioritários para uso em serviços de saúde, em virtude da emergência de saúde pública internacional relacionada à Covid-19. A inclusão desses itens na chamada Lista Covid-19 de produtos com Imposto de Importação zerado se refere a três apresentações do medicamento previstas na resolução da Anvisa – na forma de matéria-prima, produto semielaborado, a granel ou acabado.

Equipamentos - Já a lista de equipamentos foi elaborada pela Secretaria de Advocacia da Concorrência e Competitividade (Seae) da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec), e é formada por itens considerados essenciais para o atual momento de enfrentamento à Covid-19, principalmente no que diz respeito ao fornecimento de oxigênio.

Lista ampliada- Com a nova decisão do Gecex, a Lista Covid-19 passa a contemplar 628 produtos. A medida teve a vigência prorrogada até 30 de junho de 2021, pela Resolução Gecex nº 133, de 24 de dezembro de 2020.

Ajustes - O governo federal monitora e promove ajustes na mencionada lista levando em conta a avaliação das circunstâncias epidemiológicas verificadas no país. Desde o ano passado, incluindo esta, o Gecex emitiu 19 resoluções sobre reduções tarifárias ao amparo da Lista Covid-19, considerando a avaliação do abastecimento brasileiro de produtos relativos ao setor de saúde no decorrer das fases da pandemia. (Ministério da Economia)

ORÇAMENTO: IFI prevê contingenciamento de R$ 31,9 bi para manter teto de gastos

orcamento 30 03 2021A Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado Federal divulgou nota técnica que analisa os números do Orçamento de 2021, aprovado na semana passada pelo Congresso Nacional. De acordo com a nota, a elevação das despesas discricionárias (aquelas que não são obrigatórias e por isso podem ser bloqueadas pelo governo) da Lei Orçamentária Anual para R$ 139,1 bilhões levaria ao estouro do teto de gastos em R$ 31,9 bilhões.

Máximo- Segundo os cálculos da IFI, o teto de gastos permitiria despesa discricionária de, no máximo, R$ 107,2 bilhões em 2021.

Alterações - As alterações feitas no relatório final da Comissão Mista de Orçamento (CMO), por meio de complemento de voto, contemplaram o remanejamento de R$ 26,5 bilhões do gasto obrigatório para despesas discricionárias, somando os R$ 139,1 bilhões apontados pela nota técnica. O Congresso cortou despesas obrigatórias para acomodar mais emendas parlamentares.

Contingenciamento - “Dito de outra forma, é possível afirmar que, para cumprir o teto de gastos e sob as premissas que a IFI considera mais prováveis para as despesas obrigatórias, o Orçamento terá de ser contingenciado no montante acima calculado [R$ 31,9 bilhões] ao longo do ano. Esse cenário assume, também, que a necessidade de cumprimento da meta de resultado primário não irá impor um contingenciamento ainda maior nas discricionárias”, mostra o relatório da IFI, assinado pelo diretor-executivo da instituição, Felipe Salto.

Emendas parlamentares - A nota acrescenta que, embora sejam passíveis de contingenciamento, as emendas parlamentares, em regra, não podem ser utilizadas como fonte para abertura de créditos suplementares por decreto do Poder Executivo.

Cancelamento - “Assim, caso o Executivo tenha que recompor as dotações dos gastos obrigatórios cortados na complementação de voto do relator, e dado que há pouco espaço no teto de gastos, eventual crédito suplementar somente poderá cancelar emendas parlamentares por meio de projeto de lei que solicite a alteração”, ressalta o relatório.

Regras - As regras atuais permitem contingenciar as emendas parlamentares individuais e de bancada marcadas no Orçamento como impositivas, mas apenas até a proporção do bloqueio sobre o conjunto das demais despesas discricionárias. Já as emendas de comissão permanente e do relator podem ser contingenciadas normalmente.

Incerteza da pandemia - A Instituição Fiscal Independente avalia que o contexto fiscal de 2021 é marcado pela incerteza associada à evolução da covid-19, e a necessidade de realização de um novo auxílio emergencial implicará gastos novos, afetando o resultado primário e a dívida pública, mas não as regras fiscais.

Indicadores fiscais - “Em razão desse afastamento temporário da regra de ouro, da meta da LDO e do teto de gastos, é preciso ter claro que esses efeitos adicionais serão sentidos nos indicadores fiscais, mas não impactarão o cumprimento dessas três regras fiscais”, destaca a nota.

Auxílio - No Orçamento aprovado pelo Congresso (PLN 28/2020), no último dia 25, não está previsto o gasto com o auxílio. No cenário base da IFI, o gasto total seria de R$ 45 bilhões, quando considerada a parcela que migraria do Bolsa Família para o auxílio (art. 5º da MP 1.039/2021), ou R$ 34,2 bilhões, sem essa parcela. (Agência Senado)

FOTO: Pedro França / Agência Senado

 

LEGISLAÇÃO: Promulgada lei que indeniza profissionais de saúde incapacitados pela Covid-19

legislacao 30 03 2021O presidente da República, Jair Bolsonaro, promulgou na sexta-feira (26/03) a lei que prevê uma compensação financeira de R$ 50 mil aos profissionais e trabalhadores de saúde incapacitados para o trabalho em virtude da covid-19 (Lei 14.128). O ato foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) de sexta-feira (26/03).

Veto - A proposta havia sido vetada integralmente pelo governo, “por contrariedade ao interesse público e inconstitucionalidade” (VET 36/2020), mas o veto foi derrubado pelo Congresso Nacional no dia 17 de março.

Origem - A nova lei é originária do PL 1.826/2020, de autoria dos deputados Reginaldo Lopes (PT-MG) e Fernanda Melchionna (PSol-RS). O senador Otto Alencar (PSD-BA) foi o relator da proposta no Senado. Ele defendeu a aprovação do projeto. 

Indenização - A lei também prevê a indenização de R$ 50 mil aos dependentes dos profissionais que morrerem pela doença, por estarem atuando no enfrentamento da covid-19.

Categorias - Estão incluídas categorias como profissionais de nível superior reconhecidos no Conselho Nacional de Saúde (CNS); profissionais de nível técnico vinculados à área de saúde; agentes comunitários de saúde ou de combate a endemias, que tenham feito visitas domiciliares durante a pandemia; e aqueles que, mesmo não exercendo atividades-fim de saúde, ajudam a operacionalizar o atendimento. (Agência Senado)

FOTO: Mário Oliveira / SEMCOM

 

SAÚDE I: Brasil tem 313,8 mil mortes e 12,5 milhões de casos

saude I 30 03 2021O total de vidas perdidas para a pandemia alcançou 313.866. Nas últimas 24 horas, foram registradas 1.660 mortes. No domingo (28/03), a soma estava em 312.206 óbitos. Ainda há 3.470 mortes em investigação por equipes de saúde. Isso porque há casos em que o diagnóstico sobre a causa só sai após o óbito do paciente.

Casos acumulados - Já o total de casos acumulados de covid-19 subiu para 12.573.615. Entre domingo e segunda-feira (28 e 29/03), foram confirmados 38.927 novos diagnósticos.

Balanço diário - Os dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde na noite desta segunda-feira (29/03) em seu balanço diário. O levantamento é produzido com as informações coletadas pelas autoridades estaduais e locais de saúde sobre casos e mortes provocados pela covid-19.

Recuperados - O número de pessoas recuperadas chegou a 10.969.247. Já a quantidade de pacientes com casos ativos, em acompanhamento por equipes de saúde, ficou em 1.290.502.

Estados - O ranking de estados com mais mortes pela covid-19 é liderado por São Paulo (72.283), Rio de Janeiro (36.149), Minas Gerais (23.788), Rio Grande do Sul (19.020) e Paraná (16.290). Já as Unidades da Federação com menos óbitos são Acre (1.240), Amapá (1.279), Roraima (1.320), Tocantins (1.984) e Sergipe (3.456).

Vacinação - Até o início da noite desta segunda, haviam sido distribuídos 34,8 milhões de doses de vacinas. Deste total, foram aplicados 17,9 milhões de doses, sendo 13,9 milhões da 1ª dose e 4 milhões da 2ª dose. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

SAÚDE II: Paraná registra 2.831 novos casos de Covid-19 e 100 óbitos

saude II 30 03 2021 A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta segunda-feira (29/03) mais 2.831 casos de Covid-19 e 100 mortes pelo novo coronavírus. Os dados acumulados do monitoramento mostram que o Paraná soma 834.387 casos e 16.173 óbitos em decorrência da doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de março (2.763), fevereiro (21) e janeiro (15) de 2021 e dos seguintes meses de 2020: abril (1), julho (1), agosto (2), setembro (11), novembro (3), dezembro (14).

Vacina - A Secretaria da Saúde possui um vacinômetro atualizado em tempo real à medida que os municípios inserem o número de doses aplicadas no sistema.

Internados - 2.906 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. Destes, 2.259 ocupam leitos SUS (931 UTI e 1.328 clínicos/enfermaria) e 647 da rede particular (309 UTI e 338 clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 2.741 pacientes internados, 919 em leitos UTI e 1.822 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A secretaria estadual informa a morte de mais 100 pacientes. São 32 mulheres e 68 homens com idades que variam de 24 a 98 anos. Os óbitos ocorreram entre os 05 de janeiro e 29 de março de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em: Ponta Grossa (10), Foz do Iguaçu (7), Curitiba (5), Cornélio Procópio (4), Cambé (3), Jacarezinho (3), Wenceslau Braz (3), Bela Vista do Paraíso (2), Cascavel, Cianorte (2), Coronel Vivida (2), Ibaití (2), Jaguariaíva (2), Londrina (2), Maringá (2), Prado Ferreira (2), Santo Antônio da Platina (2) e Telêmaco Borba (2).

Uma morte - O informe registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Alto Paraná, Alvorada do Sul, Antônio Olinto, Arapuã, Bandeirantes, Braganey, Cafeara, Califórnia, Campo Mourão, Cantagalo, Capanema, Clevelândia, Colombo, Cruzeiro do Oeste, Diamante do Norte, Dois Vizinhos, Flor da Serra do Sul, Francisco Beltrão, Guaratuba, Ibiporã, Imbituva, Irati, Jaguapitã, Jandaia do Sul, Marechal Cândido Rondon, Marmeleiro, Nova Fátima, Nova Londrina, Palmas, Palmeira, Pato Bragado, Reserva, Santa Amélia, Santa Maria do Oeste, Santa Terezinha de Itaipu, São Sebastião da Amoreira, Sertanópolis, Teixeira Soares, Três Barras do Paraná, Ubiratã, União da Vitória e Vera Cruz do Oeste.

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria da Saúde contabiliza 5.377 casos de pessoas que não moram no Estado – 118 foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo.

 

SAÚDE III: Paraná aplicou 130 mil doses no fim de semana, um quinto de todo o País

saude III 30 03 2021Com alta adesão dos municípios, o Estado fechou o primeiro fim de semana da campanha Vacina Paraná de Domingo a Domingo com a aplicação de 129.412 doses do imunizante contra a Covid-19. Com essa grande força-tarefa, que contou com mutirões no sábado (27/03) e no domingo (28/03) em 231 cidades, o Estado se aproxima da marca de 1 milhão de paranaenses vacinados.

Vacinômetro - De acordo com o vacinômetro da Secretaria de Estado da Saúde, 933.836 pessoas dos grupos prioritários já foram vacinadas, sendo que 213.614 receberam a dose de reforço. Até a tarde desta segunda-feira (29/03), 1.147.450 doses tinham sido aplicadas no Estado. Das 1.727.850 vacinas recebidas pelo Paraná do Ministério da Saúde, 1.726.479 já foram enviadas pelo Governo do Estado às 22 Regionais de Saúde e, posteriormente, aos municípios.

Um quinto - Quase um quinto de todas as doses aplicadas no Brasil no fim de semana foi em um paranaense. Informações do consórcio de veículos de imprensa mostram 650.341 doses de vacina foram aplicadas no sábado e no domingo no País. “A nossa orientação é que os municípios acelerem a vacinação para imunizar o maior número de pessoas, com aplicações todos os dias de semana, de domingo a domingo, sem interrupção. Quanto mais paranaenses estiverem vacinados, mais rapidamente conseguiremos vencer essa pandemia”, afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Objetivo - O objetivo do Estado, explicou Ratinho Junior, é aumentar a escala de aplicação para que, em abril, todas pessoas com 60 anos ou mais sejam vacinadas, para então incluir novos grupos prioritários, como policiais e professores. “Algumas cidades já estão vacinando o público a partir de 65 anos, mas a ideia é vacinar cada vez mais rápido. O sistema de saúde do Paraná é bastante organizado. Tendo vacina, conseguimos aplicar de forma muito célere”, disse.

Regionais - A 2ª Regional de Saúde (Metropolitana), que tem o maior público a ser imunizado, foi também a que mais vacinou no fim de semana. No sábado e no domingo, 16 cidades da regional participaram do mutirão e aplicaram 36.607 doses. A 15a RS (Maringá) também se destacou, com a aplicação de 11.232 doses nos dois dias.

Doses aplicadas - Com a vacinação do fim de semana, quando 6.846 doses foram aplicadas, Maringá já vacinou 11% da sua população, chegando a imunizar 44.673 pessoas. O governador Ratinho Junior e o secretário estadual da Saúde, Beto Preto, acompanharam, no domingo, o mutirão na cidade e também em Apucarana.

Estoque - “Neste momento estamos gastando todo o estoque da primeira dose, enquanto trabalhamos com o Ministério da Saúde a garantia da segunda. O importante é ampliar o espectro de vacinados, para diminuir rapidamente os casos que precisam de internação médica”, afirmou Beto Preto. “Com o esforço dos municípios paranaenses, o trabalho de prefeitos e secretários municipais de saúde, conseguiremos chegar logo a uma boa porcentagem da população paranaense imunizada”, ressaltou.

Outros destaques - Também se destacaram na vacinação do fim de semana a 3ª RS (Ponta Grossa), com 9.056 doses aplicadas, a 9a RS (Foz do Iguaçu), com 6.935 doses, 17a RS (Londrina), com 6.546 doses, 1a RS (Paranaguá), onde todos os sete municípios aderiram e vacinaram 5.836 pessoas, 8a RS (Francisco Beltrão), com a aplicação de 5.682 doses, 14a RS (Paranavaí), com 5.580 doses, e 19a RS (Jacarezinho), que aplicou 5.031 doses.

Doses por Regional - Confira quantas doses foram aplicadas no fim de semana por Regional de Saúde

1ª RS – Paranaguá – 5.836

2ª RS – Metropolitana – 36.607

3ª RS – Ponta Grossa – 9.056

4ª RS – Irati – 1.411

5ª RS – Guarapuava – 2.736

6ª RS – União da Vitória – 1.707

7ª RS – Pato Branco – 2.242

8ª RS – Francisco Beltrão – 5.682

9ª RS – Foz do Iguaçu – 6.935

10ª RS – Cascavel – 4.495

11ª RS – Campo Mourão – 4.777

12ª RS – Umuarama – 5.421

13ª RS – Cianorte – 2.026

14ª RS – Paranavaí – 5.580

15ª RS – Maringá – 11.232

16ª RS – Apucarana – 4.390

17ª RS – Londrina – 6.546

18ª RS – Cornélio Procópio – 1.743

19ª RS – Jacarezinho – 5.031

20ª RS – Toledo – 3.675

21ª RS – Telêmaco Borba – 1.955

22ª RS – Ivaiporã – 329

Total = 129.412

FOTO: Jose Fernando Ogura / AEN

 


Versão para impressão


RODAPE