Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5050 | 15 de Abril de 2021

CONCESSÕES RODOVIÁRIAS: Reportagem destaca mudança de postura do governo estadual, a partir de propostas apresentadas pelo G7

concessoes 15 05 2021

O jornal Boa Noite Paraná, exibido pela RPCTV nesta quarta-feira (14/04), veiculou uma reportagem destacando a mudança de posição do governo do Paraná em relação ao modelo proposto pelo governo federal para as novas concessões rodoviárias paranaenses. Segundo a matéria, agora o governo estadual está defendendo o modelo da menor tarifa, seguindo a proposta apresentada ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, pelo G7, grupo formado pelas principais entidades representativas do setor produtivo paranaense, entre as quais a Ocepar e a Fecoopar.

Posição técnica - “A Ocepar sempre teve uma posição muito firme e técnica em relação à questão dos pedágios. E consideramos que o modelo vigente é inadequado e tem causado grandes prejuízos”, afirma o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken. De acordo com o superintendente da Fecoopar, Nelson Costa, há dois anos a entidade vem trabalhando em cima do assunto, juntamente com as demais entidades do G7, além do Instituto de Engenharia do Paraná (IEP) e Movimento Pró-Paraná, entre outras. “Como as atuais concessões vencem em 27 de novembro deste ano e há uma previsão de que o leilão deva sair entre os próximos meses de agosto e setembro, nós intensificamos as ações no início deste ano”, ressalta.

Audiências públicas - Ele lembrou que nos dias 24 e 25 de fevereiro foram realizadas as audiências públicas pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). “Nesses dois dias foram apresentadas mais de 200 indagações, depoimentos e reivindicações. Na sequência, o G7 promoveu eventos para discutir cada um dos lotes que integram o novo modelo de concessão proposto pelo governo federal, onde todas as pessoas ou entidades que têm ligação com os trechos puderam se posicionar. Nós tivemos uma participação de cerca de 1.300 pessoas nos seis encontros, que incluíram visitas aéreas virtuais, obra por obra”, relata.

Propostas - Posteriormente, as entidades do G7 entraram em consenso sobre as mudanças que consideram necessárias na proposta apresentada pelo governo federal, especialmente em relação ao modelo de licitação que deve ser adotado nesse processo de concessão das rodovias paranaenses à iniciativa privada, e entregaram um documento com as propostas do grupo ao ministro da Infraestrutura, em encontro ocorrido no início do mês, em Curitiba. “O ministro gostou e entendeu que estamos propondo que haja uma licitação da concessão pela menor tarifa, sem limite de desconto, porém, nós agregamos uma novidade, uma sugestão específica nossa: se o desconto for superior a 20%, as concessionárias devem fazer um depósito caução, para que nós tenhamos a garantia de execução das obras”, explica Costa.

Sobre o G7 - Fazem parte do G7, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Federação e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Fecoopar), Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná (Faciap), Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado do Paraná (Fetranspar) e Associação Comercial do Paraná (ACP).

Clique aqui para conferir a reportagem exibida no Boa Noite Paraná

 

OPEN BANKING: OCB realiza 2º Encontro Técnico

open banking 15 04 2021As cooperativas de crédito estão contribuindo com a construção do open banking aqui no Brasil. E, por isso, o Sistema OCB realizou nesta quarta-feira (14/04) o 2º Encontro Técnico sobre o assunto. O evento contou com a participação de representantes do Sistema Nacional do Cooperativismo de Crédito (SNCC) e, também, do Banco central. A primeira edição do evento ocorreu em janeiro.

Objetivo - O objetivo do evento foi apresentar o que tem sido feito em prol das cooperativas de crédito, no âmbito do Conselho Deliberativo do Open Banking. Vale dizer que se trata de um conjunto de regras e tecnologias que permitirá o compartilhamento de dados e serviços de clientes entre instituições financeiras, por meio da integração de seus respectivos sistemas.

Temas - Assim, a programação contou a apresentação do status geral da implementação do open banking no país, da evolução da infraestrutura e dos requisitos de segurança. Também debateu a experiência do usuário; o compartilhamento de dados e a comunicação com o mercado.

Ambiente favorável - O presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, reconheceu o empenho do Banco Central em criar um ambiente favorável ao debate das questões que envolvem esse novo jeito de consumir produtos e serviços financeiros.

Caminho seguro - Segundo ele, a participação das cooperativas está ajudando a construir um caminho seguro para que o open banking se torne realidade no país. “Esse processo – muito bem conduzido pelo Banco Central – é moderno, arrojado e conta com muita precaução. Aliás, essas são marcas da gestão do presidente Roberto Campos e sua equipe. Dessa forma, nós agradecemos por fazermos parte dessa construção”, comenta o presidente.

Relevância - O chefe do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro, Denor João André Calvino Marques Pereira, enfatizou que o projeto do open banking é importantíssimo para o Banco Central, sobretudo devido à transformação digital dos últimos anos.

Velocidade - “O que vemos é algo que nunca aconteceu. É um volume grande de dados indo e vindo em alta velocidade. O acesso à informação está mais ágil e tudo isso muda a forma de relacionamento das pessoas e das empresas. E no Sistema Financeiro Nacional isso não é diferente. Por isso, com todo mundo se ajustado, é preciso ter um arcabouço de proteção dos dados dos clientes. E essa é a nossa função: organizar o ambiente para esse momento mais digital”, explicou.

Cooperado - Atualmente, o SNCC é representado no Conselho Deliberativo do Open Banking pelos cooperativistas César Bochi e Márcio Alexandre. Para Bochi, um dos grades diferenciais das coops de crédito é sua capacidade incomparável de resiliência. “Tem muitas novidades vindo por aí. E quando a gente pensa que elas beneficiam o associado, as cooperativas se organizam, viabilizam formas de conseguir vencer os desafios e de estar à frente, competindo em tecnologias, já que o nosso atendimento atento ao associado é imbatível”, declarou.

Open Banking - O princípio fundamental do open banking é o consentimento do usuário, ou seja, as empresas deverão, obrigatoriamente, compartilhar informações de um cliente (seja pessoa física ou jurídica), se ele solicitar e autorizar a transmissão dos dados para outra instituição. Não é um aplicativo que vai permitir o compartilhamento, nem um produto. Os clientes poderão pedir para suas instituições financeiras compartilharem seus dados, se assim desejarem, por meio dos aplicativos já existentes das respectivas instituições.

Países - Vale dizer que o open banking não é uma exclusividade do Brasil. O Reino Unido foi o pioneiro, ao implementar um sistema parecido em 2018, enquanto a Austrália implementou a primeira fase do seu programa em julho do ano passado, por exemplo. A Índia também já deu os primeiros passos para a criação do seu open banking. Além disso, países como Estados Unidos, Canadá e Rússia estão analisando maneiras de incorporá-lo aos seus sistemas financeiros.

Brasil - No Brasil, de acordo com a Resolução Conjunta nº 1, do Banco Central, com data de 4 de maio de 2020, está previsto o compartilhamento de dados cadastrais, usados para abrir uma conta em banco, tais como: dados pessoais (nome, CPF/CNPJ, telefone, endereço, etc.); dados transacionais (informações sobre renda, faturamento no caso de empresas, perfil de consumo, capacidade de compra, conta corrente, entre outros); e dados sobre produtos e serviços que o cliente usa (informações sobre empréstimos pessoais, financiamentos, etc). Tudo sempre com o consentimento do usuário. O processo de liberação dos dados vai acontecer de forma gradual ao longo de 2021.

Assista ao evento - Acesse o evento, clicando aqui. (OCB)

 

SICREDI: Entre as melhores instituições financeiras do Brasil, segundo a Forbes

sicoob 15 04 2021O Sicredi, instituição financeira cooperativa com mais de cinco milhões de associados e presença em 24 estados e no Distrito Federal, conquistou a sétima posição do país no ranking World’s Best Banks 2021, elaborado pela Forbes em parceria com a empresa de estatísticas Statista. No total, 500 bancos foram listados globalmente na publicação.

Opinião - A pesquisa, de caráter popular, levou em conta a opinião de 43 mil respondentes, de 28 países diferentes e avaliou as instituições com base na satisfação geral e recomendação, a partir dos elementos confiança, termos e condições, atendimento ao cliente, serviços digitais e consultoria financeira. Os participantes indicaram as instituições financeiras onde possuem ou já possuíram uma conta corrente ou poupança e em seguida responderam um questionário detalhado, dando notas baseadas na sua experiência.

Orgulho - “A presença em uma lista tão relevante nos orgulha muito, pois premia o nosso modelo de atuação diferenciada dentro do setor financeiro. Enquanto cooperativa de crédito, somos focados em atender as necessidades dos nossos associados, que possuem poder de participação nas decisões e resultados das cooperativas. Para isso, buscamos estar próximos das pessoas, sendo um integrante ativo das comunidades e buscando gerar prosperidade além dos serviços financeiros. Em resumo, mantemos os diferenciais positivos do cooperativismo, ao mesmo tempo em que investimos em tecnologia, gerando soluções que facilitam as rotinas das pessoas, e é todo esse conjunto que gera boas experiências em quem se relaciona conosco”, afirma o presidente executivo do Banco Cooperativo Sicredi João Tavares.

Crescimento e solidez - Em março deste ano, o Sicredi ultrapassou a marca de cinco milhões de associados e tem mantido um ritmo constante de expansão de áreas de atuação, estando hoje presente em quase 1,5 mil municípios do país, com mais de duas mil agências e 30 mil colaboradores. Atualmente, a instituição detém R$ 159, 9 bilhões em ativos, R$ 20, 8 bilhões em patrimônio líquido e R$ 105, 7 bilhões em depósitos. Além disso, por meio de sua Gestora de Recursos (Asset), são mais de R$ 50 bilhões administrados.

Rating - O Sicredi possui ratings das principais agências de classificação de risco mundiais: Fitch (AA), Moody´s (Aa2) e Standard & Poor´s (AAA), além da classificação como “Forte” da Fitch em relação à Asset do Sicredi.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

SICOOB TRÊS FRONTEIRAS: Reunião preparatória viabilizou doações para instituições beneficentes

sicoob tres fronteiras 15 04 2021Com base no princípio da gestão democrática, o Sicoob Três Fronteiras realizou uma reunião preparatória para a AGO para dar voz aos seus cooperados e para realizar a prestação de contas referente ao ano de 2020, além de fazer a apresentação do planejamento estratégico para o ano de 2021.

Participação - Realizada de forma on-line no último dia 25 de março, a cooperativa contou com a participação de mais de 1600 cooperados e convidados. Em número de visualizações, já que a transmissão foi feita pelo Youtube, entre os dias 25 e 26 de março foram mais de 3200.

Presencial - Antes da pandemia, as reuniões aconteciam de forma presencial em todos os 10 municípios onde a cooperativa possui agência, tanto no estado do Paraná quanto no Rio Grande do Sul. “Mesmo on-line, não abrimos mão desse momento de estarmos juntos com os cooperados e apresentarmos a eles todo o trabalho realizado pela cooperativa com a participação direta ou indireta de cada um”, destacou o diretor Superintendente, Dirceu Luiz Tessaro.

Doação - Ainda segundo Dirceu, diante à dificuldade que tantas entidades têm passado em termos de recurso financeiro, a cooperativa teve a iniciativa de fazer a doação de R$ 10,00 a cada acesso registrado no evento para entidades beneficentes onde o Sicoob Três Fronteiras está presente, sendo elas: Associação Fraternidade Aliança e Nosso Canto (Foz do Iguaçu), Serviço de Acolhimento para crianças e adolescentes – Casa Lar (São Miguel do Iguaçu), APAE (Missal), Hospital e Maternidade Padre Tezza (Matelândia), Hospital Maternidade (Medianeira), Itacães e Patinhas de Amor (Itaipulândia), Cuidadora de Animais Ana Claudia (Santa Terezinha de Itaipu), Observatório Social do Brasil (Gravataí/RS), Lar do Idoso Nossa Senhora Aparecida (Cachoeirinha/RS) e Mitra da Arquidiocese de Porto Alegre – Paróquia NSG (Canoas/RS),

Divisão - Os valores das doações para cada entidade foram divididos de acordo a participação do número de cooperados e convidados das suas respectivas agências e cidades. “Com o envolvimento dos cooperados e colaboradores conseguimos cumprir com o sétimo princípio cooperativista, o interesse pela comunidade, doando R$ 16.390,00 para 12 instituições”, disse o diretor.

Gratificante - “É muito gratificante podermos fazer a diferença na vida das pessoas. Agradeço a nossa diretoria que nos incentiva a olhar para a comunidade”, ressaltou a gerente da agência do Sicoob em Medianeira, Magna dos Santos.

Resultado - Segundo o gerente da agência de Itaipulândia, Anderson Jacob, “o trabalho em conjunto da nossa equipe resultou na participação de 201 pessoas pela agência, ou seja, conseguimos reverter o valor de R$ 2.100,00 divididos em partes iguais para duas instituições que cuidam e resgatam animais de rua”, concluiu. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

QUEM É QUEM I: Frimesa conquista prêmio na categoria Varejo

A campanha de marketing “Um Ano de Mercado Grátis”, realizada pela Frimesa em 2020, rendeu à cooperativa central o título de campeã na categoria varejo em mais uma edição do Prêmio Quem é Quem que marcou a abertura da Avesui Online 2021. O evento, organizado pela Gessulli Agribussines, revelou os vencedores das 11 categorias e aconteceu no dia 12 de abril. A escolha foi feita por votação de integrantes do setor e a avaliação de especialistas no agronegócio.

Ações bem direcionadas - De acordo com o diretor-presidente da Frimesa, Valter Vanzella, esse prêmio é o atestado que as ações estão sendo bem direcionadas, além disso, reforça a importância que o mercado interno possui. “Fizemos muito com pouco. Nossa equipe de marketing está de parabéns junto com a agência Opus Múltipla. Fizemos todas as tentativas com campanha de prêmios, destaque a nosso portfólio que é amplo, além dos embaixadores da marca Fernando e Sorocaba, que abrilhantaram as ações. Esperamos continuar nessa trajetória e, cada passo é uma conquista que constrói a história da Frimesa”, comemora.

Foco - A campanha “Um Ano de Mercado Grátis” teve como foco principal fortalecer a marca e manter a comunicação com consumidores, times de vendas e clientes.

Sétimo título - Esse é o sétimo título da Frimesa no Prêmio que vem sendo realizado desde 2016. Confira o ranking de premiações:

2016 – Campeã na categoria Responsabilidade Social e Desenvolvimento Sustentável

2017 - Campeã na categoria Responsabilidade Social e Desenvolvimento Sustentável

2018 – Campeã na categoria Varejo (Campanha A Carne Que o Mundo Prefere)

2019 – Campeã na categoria Econômico-financeiro

2020 – Campeã na Categoria Varejo (Campanha Um Ano de Mercado Grátis)

(Imprensa Frimesa)

{vsig}2021/noticias/04/15/quem_quem_I/{/vsig}

QUEM É QUEM II: Frísia vence na categoria Responsabilidade Social da premiação

quem II 15 04 2021A Frísia Cooperativa Agroindustrial foi a vencedora da categoria Responsabilidade Social na cerimônia da quinta edição da premiação “Quem é Quem | AveSui América Latina”. O evento, que ocorreu de forma online, é promovido pela Gessulli Agribusiness, que edita as revistas Avicultura Industrial e Suinocultura Industrial.

Impacto social e econômico - A categoria Responsabilidade Social avalia o impacto social e econômico sobre a vida dos produtores, assim como a adoção de práticas gerenciais voltadas a atual demanda social.

Agradecimento - “A equipe da Frísia agradece o reconhecimento, o que nos honra e nos faz acreditar em nossa filosofia de que juntos somos mais fortes. Reforço o que a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, falou em seu discurso nesse evento: de que o agro não para de produzir alimentos mesmo com as dificuldades que estamos enfrentando no momento de pandemia. As premiações que presenciamos hoje, entre as cooperativas, só reforçam que devemos sempre buscar o melhor e nos desafiar a cada dia a darmos um passo adiante na conquista da melhor gestão, das melhores práticas e dos melhores resultados com sustentabilidade e com as pessoas”, declarou o diretor vice-presidente Pecuária Suínos, Wilant van den Boogaard.

Finalista - A cooperativa também foi finalista nas categorias Biomassa&Bioenergia, Melhor Cooperado Suínos (com Deyse Marileen van Santen) e Melhor Mulher Cooperada (com Deborah de Geus). “As cooperativas desempenham um extraordinário papel social no campo e na própria comunidade onde estão inseridas. São ações em forma de renda, capacitação, educação e muitas outras iniciativas que beneficiam todo o entorno. E o agronegócio, por meio das cooperativas, de sua atuação social, de preocupação com os colaboradores e associados, mantém vivo o compromisso de não faltar alimento às famílias brasileiras e até de outros países. A categoria Responsabilidade Social é muito importante, pois o social é uma das dimensões centrais do sistema cooperativista”, disse Andrea Gessulli, presidente da Gessulli Agribusiness.

Divulgação - “Meu muito obrigado em nome da Frísia, agradecendo o importante trabalho da Gessulli em divulgar a atividade suinícola e levar conhecimento ao ambiente rural e à sociedade”, concluiu o diretor vice-presidente.

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Em 2025, a Frísia completa um século de história. A cooperativa é a mais antiga do Paraná e segunda do Brasil, e tem como valores Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). Com unidades no Paraná e Tocantins, em 2020 produziu 283 milhões de litros de leite, 832.765 toneladas de grãos e 28.063 toneladas de suínos, resultado do trabalho de 895 cooperados e 1.119 colaboradores. Para promover o crescimento nos próximos cinco anos, a Frísia desenvolveu o planejamento estratégico “Rumo aos 100 Anos”, um conjunto de propostas que visa aumentar a produção agropecuária e os investimentos com outras cooperativas e em unidades próprias. O planejamento da Frísia foi desenhado sob seis perspectivas principais: Sustentabilidade, Gestão, Mercado, Pessoas, Financeiro e Cooperados. Assim, seguirá a missão da cooperativa, que é disponibilizar produtos e serviços para gerar resultado sustentável a cooperados, colaboradores e parceiros. Saiba mais em frisia.coop.br. (Imprensa Frísia)

 

INTEGRADA: Entre as 4 melhores empresas para trabalhar em Londrina

integrada 15 04 2021A Integrada, mais uma vez, recebeu as atenções da GPTW – Great Place to Work e Acil – Associação Comercial e Industrial de Londrina. Na manhã desta quarta-feira (14/04), foi homenageada com um selo de certificação que reconhece as Melhores Empresas para Trabalhar em Londrina, entre as 4 organizações com mais de 1.000 colaboradores.

Total - A 3ª edição do Destaque Acil & GPTW 2020 premiou 20 empresas, associadas à entidade, em 4 categorias, classificadas pelo número de colaboradores. Ao todo, foram 8.630 pessoas ouvidas nas pesquisas aplicadas nas empresas.

Satisfação - Para o diretor presidente da Integrada, Jorge Hashimoto, é uma grande satisfação receber este reconhecimento pelos próprios colaboradores, o que reforça cada vez mais o compromisso da cooperativa em colocar as pessoas como foco da gestão. “Queremos nossos colaboradores cada vez mais felizes e comprometidos para juntos, fortalecermos a nossa cooperativa. Parabéns à Acil e a GPTW pela iniciativa e por sempre valorizarem as empresas engajadas em fazer a diferença na sociedade e semear um futuro melhor”, reconheceu Hashimoto.

Excelência já faz parte do time Integrada - Nos anos de 2019 e 2020, a Integrada recebeu da GPTW a Certificação de Excelente Lugar para Trabalhar e foi reconhecida como uma das 10 Melhores Empresas para Trabalhar no Paraná – Categoria Grandes empresas. Os resultados são pautados em um pesquisa de clima organizacional respondida pelo time de colaboradores, além de um relatório de boas práticas de gestão de pessoas elaborado pela cooperativa. A metodologia da GPTW é internacional, adotada em 109 países, impactando mais de 12 milhões de colaboradores no mundo.

Grandes Indústrias - Ainda em 2020, a Integrada Cooperativa Agroindustrial ficou entre as 40 Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil, na categoria Grandes Indústrias, no ranking em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI)

Sobre a Integrada Cooperativa Agroindustrial - A Integrada Cooperativa Agroindustrial foi fundada em Londrina (PR), no dia 6 de dezembro de 1995, por um grupo de agricultores confiantes no sistema cooperativista. Com 25 anos de existência, a Integrada se tornou uma das principais cooperativas do Brasil, com 65 unidades de recebimento distribuídas em notórias áreas produtoras dos estados do Paraná e São Paulo.  

Presença - Presente em 50 municípios do Paraná e de São Paulo, a Integrada conta com cerca de 11.000 cooperados e mais de 1.800 colaboradores, dedicados a impulsionar a força do agronegócio no país. Atuante na agroindústria, venda de insumos, assistência técnica e recebimento da produção agrícola, a Integrada desenvolve atividades nos mercados de soja, milho, trigo, café, laranja, entre outras culturas. A maior parte de seu faturamento vem da comercialização de grãos. (Imprensa Integrada)

 

COAMO I: Iniciada a 25ª turma de Jovens Líderes Cooperativistas

A Coamo Agroindustrial Cooperativa iniciou, na terça-feira (13/04), a 25ª turma de Jovens Líderes Cooperativistas. São 42 cooperados com idades entre 18 e 35 anos de idade de unidades da cooperativa no Paraná e Mato Grosso do Sul, que terão a oportunidade de se aperfeiçoar sobre a gestão da propriedade rural. Diante a pandemia ocasionada pela Covid-19, o curso está sendo realizado por vídeoconferência.

Realização anual - O Programa Coamo de Formação de Jovens Líderes Cooperativistas começou em 1998 e é uma realização anual da Coamo com apoio do Sescoop/PR. Da sua primeira edição até a atual, foram capacitados mais de mil jovens cooperados, representando todos os entrepostos da Coamo no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul.

Aula inaugural - A aula inaugural contou com a participação do presidente do Conselho de Administração da Coamo e Credicoamo, José Aroldo Gallassini, dos presidentes Executivos da Coamo, Airton Galinari e da Credicoamo, José Alcir Goldoni, e do superintendente do Sescoop-PR, Leonardo Boesch.

O curso- O curso será ministrado por profissionais da Universidade Federal do Paraná em sete módulos com um total de 144 horas/aula e com término previsto para a segunda quinzena de agosto.

Preocupação - Gallassini recordou na abertura que a preocupação da Coamo é formar os seus cooperados para a perpetuação da cooperativa. “A Coamo não foi feita para uma ou duas gerações, mas para vida toda. O curso é importante e os participantes terão noções de administração e gestão para atuarem como empreendedores no agronegócio.”

Formato virtual - Segundo Gallassini, mesmo diante da pandemia e da inviabilidade de eventos presenciais, o curso não poderia parar e o formato virtual se tornou um aliado do desenvolvimento do quadro social durante a pandemia. “Os jovens cooperativistas representam o presente e o futuro promissor do cooperativismo e do agronegócio. Este curso visa o desenvolvimento pessoal e profissional, e o interesse em desempenhar uma administração voltada para o incremento dos negócios e da cooperativa", afirma.

Objetivo - O assessor de Cooperativismo da Coamo, José Ricardo Pedron Romani, destaca que o objetivo do curso é capacitar os cooperados para que eles possam entender todo o processo que envolve uma cooperativa e ajudá-los na tomada de decisões dentro da propriedade. “O curso está sendo realizado no formato EAD, mas sem perder a sua essência que é formar cooperados para que possam atuar na cooperativa e na comunidade que estão inseridos.” (Imprensa Coamo)

Programação do Curso

Módulo I: Integração Cooperativista - Tomas Sparano Martins (UFPR)

Módulo II: Planejamento Estratégico - Gustavo Abib (UFPR)

Módulo III: Gestão Estratégica - Claudimar Veiga e Pedro Piccoli (UFPR)

Módulo IV: Liderança e Gestão de pessoas - Simoni Ramos (UFPR)

Módulo V: Governança Corporativa e Ferramentas de Controle - Marcos Wagner da Fonseca (UFPR)

Módulo VI: Jogo Corporativo - Gustavo Abib (UFPR)

Módulo VII: Projeto Integrador - Marcos, Gustavo e Tomas (UFPR)

{vsig}2021/noticias/04/15/coamo_I/{/vsig}

COAMO II: Brasil bate recorde com maior navio de soja do mundo e cooperativa tem carga embarcada

coamo II 15 04 2021O Brasil bateu o recorde com o maior embarque de farelo de soja em um único navio de sua história. A embarcação graneleira panamenha Pacific Myra foi carregada no Porto de Paranaguá (PR) e tem capacidade para carregar até 180 mil toneladas de granéis sólidos. A carga saiu por correias transportadoras de quatro terminais diferentes que compõem o Corredor de Exportação para os porões do navio. Pelo terminal Coamo foi carregado o maior volume, 37.327 toneladas.

Tamanho - O navio tem 292 metros de comprimento (loa) e 45 metros de largura (boca). A embarcação vai levar para a Holanda 108.577 toneladas do produto. Ele atracou no último sábado (10/04), por volta das 17 horas e zarpou nesta quarta-feira (14/04).

Evolução -O diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia, lembrou que ele completa uma evolução que vem desde o ano passado. Em junho de 2020 foram carregadas 102,2 mil toneladas em um único navio, o Pacific South. Um mês depois, em julho, foram 104,2 mil toneladas embarcadas no E.R Bayonne. “Agora estamos embarcando mais de 108,5 mil. Todos no mesmo berço. Estamos nos superando a cada novo grande embarque, e conseguindo carregar cada vez mais, com segurança e eficiência”, afirmou.

Custos - Ainda segundo Teixeira, os custos envolvidos nessas operações são relativamente menores na comparação com navios de médio porte. “Estamos carregando praticamente o dobro de carga em um único navio”, completou.

Planejamento diferenciado - Ele destacou, ainda, que a operação envolveu um planejamento diferenciado da Portos do Paranaguá. São necessárias manobras como a puxada e o giro do navio, para que todos os porões sejam carregados com segurança. (Agrolink / Imprensa Coamo)

Clique aqui para conferir a matéria divulgada pelo Agrolink

 

 

COCAMAR I: Cooperativa formaliza a prefeito ampliação em Prudente

cocamar I 15 04 2021A Cocamar Cooperativa Agroindustrial fortalece ainda mais a sua presença em Presidente Prudente (SP), onde mantém operações desde 2012. A cooperativa decidiu investir em uma ampla e moderna loja em uma das vias mais importantes e movimentadas da cidade, a Avenida Manoel Goulart, próximo ao Cristo. Desde sua chegada ao município, o atendimento está concentrado em uma estrutura na Avenida Coronel Marcondes.

Visita ao prefeito - A decisão da Cocamar de ampliar investimentos em Presidente Prudente foi comunicada recentemente ao prefeito Ed Thomas, em visita ao seu gabinete, pelo gerente da unidade local da cooperativa, Welington Pedro Frassati.

Crescimento - Na reunião, o chefe do executivo colocou a administração pública à disposição e se prontificou a dar todo o apoio necessário. Por sua vez, o gerente destacou que a ampliação é resultado do crescimento expressivo da cooperativa na cidade. “A Cocamar se encontra em momento de grande expansão e isso tem gerado cada vez mais confiança entre os produtores”, disse.

Dobrou - Para dar uma ideia do ritmo de crescimento, Frassati destacou que no ano passado a meta de sua unidade era fechar o exercício com um faturamento de R$ 32 milhões. No entanto, 2020 foi finalizado com o dobro do valor estipulado.

Confiança - “Com a parceria do município, estamos ainda mais confiantes no futuro da cooperativa em Presidente Prudente”, completou o gerente.(Imprensa Cocamar)

 

COCAMAR II: Cada vez mais cooperados recorrem ao aplicativo

cocamar II 15 04 2021 Contar com um aplicativo para fazer a venda da safra é algo que vem trazendo facilidade aos produtores cooperados da Cocamar. Diante dos riscos oferecidos pela pandemia, todo cuidado é pouco e, nesse sentido, sempre que possível, deslocamentos devem ser evitados.

Agilidade - Entre outros serviços, o aplicativo foi desenvolvido para que os cooperados não precisem se dirigir à cooperativa toda vez que desejam aproveitar a oportunidade de realizar um negócio. Com isso, agilizam a operação e economizam tempo.

Satisfeito - Produtor de grãos em Paiçandu, vizinho a Maringá, Marcelo Girondi reside em Colorado (PR) e há pouco menos de um ano baixou o aplicativo. “No ano passado eu vendi grande parte da safra de soja e milho por esse sistema e estou satisfeito”, afirma Girondi, de 52 anos. “É fácil de manusear, seguro e com ele eu acompanho o meu saldo. Não tem erro.” O cooperado diz que ainda não foi preciso comercializar a produção recém-colhida, mas quando chegar a hora, não terá dúvida: “O aplicativo está aí para facilitar a nossa vida”.

Mais tranquilo - Dorival Aparecido Maruti, de Floresta (PR), comenta que também passou a utilizar o aplicativo há cerca de um ano, estimulado pela Cocamar. “Assim, eu vou na cooperativa apenas quando necessário e já me habituei a fazer as fixações pelo celular, ficou bem mais tranquilo pra nós.”  

Em alta - Segundo a cooperativa, um número cada vez maior de produtores tem preferido efetuar suas negociações por meio dessa alternativa, quantidade que ganhou ainda mais impulso durante a pandemia. A ferramenta pode ser baixada na loja de aplicativos disponível no aparelho celular. (Imprensa Cocamar)

 

UNIMED APUCARANA I: Eleita a nova diretoria da cooperativa

unimed apucarana I 15 04 2021 Na noite de 31 de março, os médicos cooperados da Unimed Apucarana participaram da Assembleia Geral Ordinária, realizada em formato digital. Além das deliberações inerentes à assembleia, como prestação de contas, apresentação do balanço patrimonial e destinação das sobras, os cooperados também votaram para escolher os novos membros da Diretoria Executiva, dos Conselhos de Administração e Técnico, Fiscal, de Ética e Disciplina, além da Homologação do Conselho de Especialidades.

Participação - O evento contou com uma grande participação dos médicos cooperados, representando 75% do quadro social, que utilizaram uma plataforma digital certificada para eleições online.

Composição - A nova diretoria executiva que fará parte do Conselho de Administração da gestão 2021-2025, assumiu dia 01 de abril, e é composta pelos médicos: Ribamar Leonildo Maroneze (Presidente), Adriano Fonseca Vituri (Diretor Vice-Presidente), Newton Benevenuto (Diretor Superintendente).

Responsabilidade - “Nossa equipe está ciente das responsabilidades de administrar a nossa cooperativa. Inicialmente, gostaríamos de valorizar o trabalho e manter o empenho dos que nos sucederam. Isto, embasará nosso trabalho, ciente dos desafios impostos pelo cenário da saúde suplementar em nosso país”. Ressalta o presidente, Ribamar Leonildo Maroneze.

Próximos anos - Para os próximos quatro anos, Maroneze enfatiza que pretende aliar o propósito da cooperativa, que é cuidar das pessoas, com ações que resguardem a sustentabilidade no negócio e a satisfação dos nossos cooperados e clientes. “Pretendemos um mandato de aproximação e participação dos nossos principais atores, os médicos cooperados, também priorizando os cuidados com nossos usuários, individuais e familiares, almejando sempre a qualidade e excelência dos nossos serviços.” finaliza. (Imprensa Unimed Apucarana)

 

UNIMED APUCARANA II: Hospital da Providência recebe visita da nova diretoria

unimed apucarana II 15 04 2021No dia 13 de abril, a nova Diretoria da Unimed Apucarana, junto dos Conselheiros de Administração e do Conselheiro de especialidade, visitou o Hospital da Providência, na cidade de Apucarana (PR). O encontro objetivou estreitar laços, ouvindo as necessidades do prestador para desenvolver novas parcerias em prol da melhoria dos serviços aos beneficiários. “Temos no nosso planejamento a visita dos prestadores de saúde em nossa área de abrangência, representando todo o vale do Ivaí. Serão visitas de planejamento de novas ações e propostas de cooperação.” (Imprensa Unimed Apucarana)

 

UNIMED CASCAVEL: Campanha do Agasalho reforça que máscaras e roupas protegem a vida

unimed cascavel 15 05 2021A medida em que o inverno se aproxima e as temperaturas começam a cair, pessoas e empresas voltam a reforçar que, tão essenciais quanto as máscaras têm sido no combate à Covid, as roupas são necessárias para proteger a vida de quem tem frio. Na Unimed Cascavel, a Campanha do Agasalho 2021 começou em 1º de abril e vai até 16 de julho, como o tema: “Máscaras protegem a vida. Roupas também. Ajude quem tem frio e cuide-se!”

Arrecadação - “A campanha visa arrecadar agasalhos, cobertores, mantas, calçados e roupas em geral - tanto de adultos quanto de crianças. Todas as doações serão recebidas pela Unimed Cascavel e direcionadas às entidades beneficiadas, cumprindo todos os protocolos de segurança contra o coronavírus”, explica Jessica Tabalipa, responsável pelo setor de Sustentabilidade da Cooperativa.

Dia de Cooperar - A ação também faz parte de uma das ações do Dia de Cooperar 2021, cujo lema é “Atitudes simples movem o mundo”, como explica a colaboradora Maria Carolina Pedro, também do setor de Sustentabilidade da Unimed Cascavel: “O Dia de Cooperar é celebrado sempre no primeiro sábado do mês de julho que, neste ano, será no dia 3. A iniciativa reforça a importância de ações transformadoras para ajudar entidades e a união entre as cooperativas. Todas as ações têm como foco o auxílio aos necessitados e a preocupação com a pandemia.”

Pontos de coleta

• Sede da Unimed Cascavel

• CAS Cafelândia

• Unimed Ubiratã

• Empresas clientes (Corplife, Transvale, Posto Pra Frente Brasil, Amic, Acic, Aceu, Acicaf, Sindicato Rural, Mascarello e Comil).

Entidades beneficiadas

• Albergue Noturno André Luiz - Entidade que auxilia pessoas de todas as idades que estejam em situação de rua. São aproximadamente 50 pessoas dia.

• Centro de Convivência Eureca I - Atende 170 crianças (meninos e meninas) entre seis e 12 anos de idade e que estejam em situação de vulnerabilidade social.

• Comunidade Terapêutica Renascer – Presta ajuda a homens entre 18 e 65 anos com problemas decorrentes do uso/abuso de substâncias psicoativas. Atualmente, a entidade está com 32 pessoas atendidas.

• Cootacar – Cooperativa de Trabalhadores Catadores de Recicláveis de Cascavel, atende uma média superior a 60 famílias que vivem da reciclagem de resíduos.

Orientações

• Doe itens que estejam em bom estado de conservação.

• Não doe roupas íntimas usadas.

• Quanto às demais peças de vestuário, é possível doar itens novos ou usados.

• Higienize as peças que for doar.

• A Unimed Cascavel se responsabilizará pela segurança das entregas, diante do coronavírus.

(Imprensa Unimed Cascavel)

 

BANCO CENTRAL: Doenças causadas pela cigarrinha na lavoura de milho serão cobertas pelo Proagro

banco central 15 05 2021O Banco Central do Brasil emitiu um comunicado na terça-feira (13/04) esclarecendo o tratamento a ser dado, no âmbito do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), às perdas decorrentes da cigarrinha Dalbulus maidis na lavoura de milho. Segundo o documento, as perdas causadas por doenças transmitidas pela cigarrinha receberão a cobertura do Proagro, “já que não se dispõe, atualmente, de método difundido de combate, controle ou profilaxia, que seja técnica e economicamente exequível”.

Revisão - A nota, assinada pelo chefe do Departamento de Regulação, Supervisão e Controle das Operações do Crédito Rural e do Proagro (Derop), Claudio Filgueiras Pacheco Moreira, também recomenda aos agentes do Proagro a revisão de eventuais indeferimentos de pedidos de cobertura de operações enquadradas a partir de 1º de julho de 2020, caso tenham sido motivados pelo entendimento de que as perdas decorrentes da presença de cigarrinha nas lavouras de milho não seriam amparadas pelo programa.

Alteração futura - Caso sejam desenvolvidos métodos de controle ou combate técnica e economicamente exequíveis da praga, a orientação pode ser alterada futuramente.

Proagro - O Programa é custeado por recursos alocados pela União, além de recursos provenientes da taxa paga pelo produtor rural para aderir ao Proagro. O objetivo é garantir a amortização ou a liquidação de custeios agrícolas de financiamento, quando no caso de ocorrência de sinistro na lavoura e na proporção das perdas apuradas, e permitir o recebimento dos recursos próprios comprovadamente aplicados na lavoura.

Cobertura - Nas operações de custeio agrícola, há cobertura de lavouras afetadas pelos seguintes fenômenos: chuva excessiva, geada, granizo, seca, variação excessiva de temperatura, ventos fortes e ventos frios. Também são amparadas as perdas decorrentes de doenças sem método de combate, controle ou profilaxia.

Administração - O Proagro é administrado pelo Banco Central e executado por instituições financeiras autorizadas a operar em crédito rural. (Mapa)

FOTO: Charles Oliveira / Embrapa Cerrados

 

IPEA: Estudo mostra que impacto da pandemia foi maior para trabalhadores jovens e menos escolarizados

ipea 15 4 2021O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, nesta quarta-feira (14/04), a análise do desempenho recente do mercado de trabalho e perspectivas para 2021. Apesar da melhora no segundo semestre de 2020, o mercado de trabalho brasileiro segue deteriorado. De acordo com dados da PNAD Contínua, embora a ocupação tenha voltado a crescer após ter atingido, em julho do ano passado, o menor valor da série (80,3 milhões), em janeiro deste ano, havia 86,1 milhões de trabalhadores ocupados no país, bem abaixo do observado antes da pandemia (94 milhões em janeiro de 2020).

Mais prejudicados - Os trabalhadores com idade entre 18 e 24 anos foram os mais prejudicados pela pandemia. A taxa de desocupação subiu de 23,8% no quarto trimestre de 2019 para 29,8% no mesmo período de 2020, o que corresponde a quase 4,1 milhões de jovens a procura de emprego. No recorte por escolaridade, a desocupação foi maior para os trabalhadores com ensino médio incompleto: alta de 18,5% para 23,7%, na mesma base de comparação. Em contrapartida, a ocupação dos que têm ensino superior continuou crescendo e houve alta de 4,7%, na comparação entre os números de trabalhadores nesta condição, nos respectivos trimestres de 2019 e 2020.

Diferenças - A economista Maria Andreia Lameiras, autora do estudo, acredita que a crise sanitária potencializou as diferenças existentes no mercado de trabalho. "À medida que os dados das PNADs contínuas foram disponibilizados, o cenário de forte deterioração, que conjuga desemprego elevado e aumento da subocupação e do desalento, foi se tornando cada vez mais evidente, principalmente nos segmentos mais vulneráveis, os jovens e os menos escolarizados, cuja probabilidade de transitar da desocupação e da inatividade para a ocupação, que já era baixa, se tornou ainda menor", acrescentou a pesquisadora do Ipea.

Gênero e regiões - O documento da Carta de Conjuntura do Ipea mostra que, no quarto trimestre de 2020, a taxa de desemprego para o sexo feminino (16,4%) foi superior à do sexo masculino (11,9%). No recorte regional, ainda no último trimestre do ano, as regiões Nordeste e Sudeste tiverem maior incremento na taxa de desemprego: de 13,6% para 17,2% e 11,4% para 14,8%, respectivamente.

Setorial - Na análise do emprego setorial, o segmento de serviços foi o maior prejudicado, com queda de 28% na ocupação no quarto trimestre de 2020, fortemente impactado pela paralização do setor em virtude do distanciamento social imposto pela pandemia.

Perspectiva - A perspectiva para 2021 é que, apesar da expectativa de aceleração da atividade econômica, as vagas geradas não devem ser suficientes para suprir não apenas os desocupados como também quem deve sair da inatividade. Sendo assim, a taxa de desocupação deve seguir elevada.

Cruzamento de dados - A análise tem como base o cruzamento de diversos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) do IBGE e do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) da Secretaria do Trabalho do Ministério da Economia. (Assessoria de Imprensa do Ipea)

Acesse a íntegra da nota

 

ECONOMIA: Ministério abre consulta pública para debater nova Lei de Licitações

economia 15 04 2021O Ministério da Economia abriu, nesta quarta-feira (14/04), a consulta pública para debater o processo de regulamentação da nova Lei de Licitações (Lei nº 14.133), publicada no dia 1º de abril. A consulta trata da atualização da Instrução Normativa de Pesquisa de Preços. Segundo a pasta, a medida marca a abertura do processo de revisão de normas da área de compras públicas para adequação às regras recém-criadas.

Site - Os interessados em participar da consulta pública devem acessar o site do ministério e encaminhar suas sugestões e contribuições até o dia 20 de abril.

Consulta - De acordo com o Ministério da Economia, os órgãos públicos de todas as esferas e a sociedade serão consultados durante todo esse processo de atualização das normas e de adequação das compras públicas. Em 2020, os processos homologados de compras públicas do governo federal movimentaram R$ 51 bilhões.

Consolidação - Três leis regiam o tema das compras públicas no Brasil e agora foram consolidadas pela nova Lei de Licitações: a nº 8.666/1993, que era, até então, a Lei Geral de Licitações e Contratos; a nº 10.520/2002, conhecida como a Lei do Pregão; e a nº 12.462/2011, do Regime Diferenciado de Contratações.

Transição - Com a entrada da nova lei em vigor, foi criado um período de transição de dois anos. Durante esse período todos esses normativos continuarão valendo.

Normas - Após o processo de revisão, os 193 órgãos e entidades do Poder Executivo Federal terão de seguir as normas estabelecidas pelo Ministério da Economia.

Revisão - “Este é o começo do trabalho de revisão dos normativos federais da área de compras públicas. A ideia é tornar a Lei de Licitações operacional o quanto antes”, disse o secretário Especial de Gestão, Desburocratização e Governo Digital do Ministério da Economia, Caio Mario Paes de Andrade. “Já identificamos uma série de normativos que terão de ser revisados, como portarias e instruções normativas, e estamos começando por esta IN de Pesquisa de Preços”, acrescentou. (Agência Brasil)

FOTO: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

 

ABRAS: Vendas nos supermercados têm alta de 5,18% em fevereiro

abras 15 05 2021As vendas em supermercados registraram alta de 5,18% em fevereiro em comparação com o mesmo mês de 2020, segundo o balanço divulgado nesta quarta-feira (14/04) pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Em janeiro, o crescimento havia sido de 12% em relação ao mesmo período do ano passado.

Fatores - Segundo o vice-presidente Administrativo da Abras, Marcio Milan, o resultado menos favorável em fevereiro do que no primeiro mês do ano foi influenciado por fatores como as próprias características do mês, que tem menos dias, e também a renda das famílias na pandemia da covid-19. “Esse mês de fevereiro foi mais difícil para todos em função do fim do auxílio emergencial”, disse. O cancelamento do Carnaval foi outro elemento que, de acordo com ele, ajudou a desacelerar o setor.

Variação esperada - No entanto, Milan disse que essa variação é esperada no planejamento dos varejistas. Para este ano, a Abras estima um crescimento de 4,5% em comparação com as vendas de 2020.

Auxílio emergencial - O retorno do auxílio emergencial na semana passada, será um elemento importante para o desempenho do setor, na avaliação de Milan. “Os próximos meses de março e abril vão dar a gente uma condição melhor para olharmos esse momento e termos a tendência”, disse.

Alimentação - Ele destacou que, em 2020, cerca de 60% do valor do benefício foi destinado a despesas com alimentação. A proposta de emenda à Constituição que determinou a nova rodada do auxílio prevê R$ 44 bilhões para o pagamento de quatro parcelas para famílias com pouca renda ou em situação vulnerável, com valores entre R$ 150 e R$ 375.

Valor considerável - “Nós estamos falando de um valor considerável que o consumidor vai dedicar aos supermercados”, ressaltou o vice-presidente da Abras, ao comentar a injeção de recursos que o benefício deve trazer ao mercado. (Agência Brasil)

FOTO: StockSnap / Pixabay

 

SERVIÇOS: Setor avança 3,7% em fevereiro e supera nível pré-pandemia

servicos 15 04 2021O setor de serviços cresceu 3,7% na passagem de janeiro para fevereiro e superou pela primeira vez o nível em que se encontrava antes da pandemia de Covid-19. Em nove meses consecutivos de taxas positivas, o setor acumula crescimento de 24,0%, se recuperando assim da perda de 18,6% registrada nos meses de março e maio de 2020. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada nesta quinta-feira (15/04), pelo IBGE.

Disseminado - O crescimento foi bastante disseminado, sendo acompanhado por todas as cinco atividades investigadas e por dezoito das 27 unidades da federação. São Paulo (4,3%), Minas Gerais (3,5%), Mato Grosso (14,8%) e Santa Catarina (3,9%) registaram as principais altas e o Distrito Federal (-5,1%) a retração mais relevante.

Atividades - Entre as atividades, a expansão de maior importância em fevereiro foi a dos transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (4,4%), que acumulou ganho de 8,7% nos dois primeiros meses do ano e agora supera em 2,8% o patamar de fevereiro do ano passado.

Destaque - “Nesse segmento vêm se destacando as empresas que prestam serviço de logística, que já vinha tendo alta expressiva por conta do aumento das exportações de petróleo e do agronegócio e, durante a pandemia, teve uma grande escalada de demanda, devido ao crescimento das vendas no comércio online. Assim, o segmento de armazenagem, serviços auxiliares aos transportes e correio (4,4%) cresceu de forma significativa desde junho de 2020 e neste mês de fevereiro atingiu seu ponto mais alto da série (iniciada em janeiro de 2011)”, analisa o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

Transporte terrestre - Ele ressalta que, ainda dentro dessa atividade, o transporte terrestre (5,5%) vem também seguindo trajetória ascendente importante, principalmente devido ao aumento da demanda pelo transporte rodoviário de cargas. Além disso, nos serviços de informação e comunicação (0,1%), o segmento de tecnologia da Informação (1,7%) foi outro que passou a ter grande notabilidade durante a pandemia e, em fevereiro de 2021, atingiu o mais alto patamar na série histórica do IBGE.

Famílias - Já os serviços prestados às famílias (8,8%), que incluem segmentos como restaurantes e hotéis, tiveram a maior alta do mês, mas isso se deve muito ao fato de a base de comparação estar baixa.

Perdas significativas - “Sendo uma das atividades mais afetadas pelas restrições impostas por estados e municípios para enfrentamento da pandemia, serviços prestados às famílias tiveram perdas significativas entre março e maio e ainda oscilam muito, conforme as medidas de isolamento social são relaxadas ou enrijecidas. Os dois meses anteriores foram de queda e, portanto, há um longo caminho a percorrer para a recuperação, estando ainda 23,7% abaixo do nível de fevereiro de 2020”, esclarece Lobo.

Turismo - Na mesma linha, o índice de atividades turísticas apontou expansão de 2,4% na passagem de janeiro para fevereiro, registrando a segunda taxa positiva seguida, após variação negativa (-0,1%) em dezembro de 2020. Mas também tem ainda muita estrada pela frente: mesmo tendo avançado 127,5% entre maio de 2020 e fevereiro de 2021, ainda precisa crescer 39,2% para retornar ao patamar de fevereiro de 2020.

Regiões - Regionalmente, sete dos 12 locais pesquisados acompanharam este movimento de expansão do turismo. O destaque positivo ficou com São Paulo (3,4%), seguido por Minas Gerais (6,8%), Goiás (9,1%) e Pernambuco (4,9%). Por outro lado, o Distrito Federal (-8,2%) e a Bahia (-2,8%) tiveram as retrações mais relevantes.

Na comparação com fevereiro de 2020, o resultado se mantém negativo - Na comparação com igual mês do ano anterior, no entanto, os índices se mantêm negativos. O volume do setor de serviços recuou 2,0% e o volume de atividades turísticas no Brasil, 31,1%, ambos registrando a décima segunda taxa negativa seguida.

Primeiro bimestre - No primeiro bimestre do ano, o setor de serviços apresentou retração de 3,5% frente ao mesmo período de 2020, com quatro das cinco atividades pesquisadas apontando taxas negativas. Entre os setores, os serviços prestados às famílias (-28,1%) exerceram a influência negativa mais importante sobre o volume total de serviços nessa comparação.

Sobre a pesquisa - A Pesquisa Mensal de Serviços produz indicadores que permitem acompanhar o comportamento conjuntural do setor de serviços no País, investigando a receita bruta de serviços nas empresas formalmente constituídas, com 20 ou mais pessoas ocupadas, que desempenham como principal atividade um serviço não financeiro, excluídas as áreas de saúde e educação.

Brasil e Unidades da Federação - Há resultados para o Brasil e todas as Unidades da Federação. A técnica de coleta é o Questionário eletrônico autopreenchido (CASI) e a Entrevista pessoal com questionário em papel (PAPI). A pesquisa completa pode ser acessada aqui e os resultados podem ser consultados no Sidra. (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: José Fernando Ogura / AEN

 

servicos tabela 15 04 2021

 

PNAD CONTÍNUA: Internet chega a 88,1% dos estudantes, mas 4,1 milhões da rede pública não tinham acesso em 2019

pnad continua destaque 15 04 2021O percentual de estudantes, de 10 anos ou mais, com acesso à internet cresceu de 86,6%, em 2018, para 88,1% em 2019, mas 4,3 milhões ainda não utilizavam o serviço, sendo a maioria alunos de escolas públicas (95,9%). Enquanto, 4,1 milhões de estudantes da rede pública de ensino não tinham acesso ao serviço, apenas 174 mil alunos do setor privado não tinham conexão à rede mundial de computadores.

Pesquisa Nacional - Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios (PNAD) Contínua, que investigou no último trimestre de 2019 o acesso à Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). As informações foram divulgadas nesta quarta-feira (14/04) pelo IBGE.

Particulares - Quase todos os estudantes de escolas particulares tinham acesso à internet (98,4%). Já no ensino público, eram 83,7%. Essa diferença é ainda mais marcante entre as grandes regiões do país. No Norte e Nordeste, o percentual de estudantes da rede pública que utilizaram a internet foi de 68,4% e 77,0%, respectivamente. Nas demais regiões esse percentual variou de 88,6% a 91,3%.

Acima de 95% - Já na rede de ensino privada, o percentual de uso da internet ficou acima de 95,0% em todas as grandes regiões, alcançando praticamente a totalidade dos estudantes no Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Renda - “Isso está relacionado à renda. 26,1% dos estudantes não utilizaram a internet por considerar o serviço caro e 19,3% devido ao custo do equipamento eletrônico para navegar na rede. Essas diferenças são ainda maiores entre os estudantes da rede pública e da rede privada, revelando um traço de desigualdade que ficou ainda mais evidente na pandemia, quando o ensino presencial foi suspenso e as famílias tiveram que se adaptar às aulas remotas”, afirma a analista da pesquisa, Alessandra Scalioni Brito.

Somente 64,8% dos estudantes de escolas públicas têm celular Em 2019, o uso do celular para acessar à internet avançou ainda mais entre os estudantes, chegando a 97,4%. A pesquisa mostra, contudo, que somente 64,8% dos alunos de escolas públicas tinham o aparelho para uso pessoal e nem todos eles tinham acesso à rede. No ensino privado, 92,6% dos estudantes tinham um telefone móvel. Essa diferença era ainda maior no Norte do país, onde apenas 47,5% dos alunos do ensino público tinham um celular.

Percentual - “Entre os estudantes da rede privada, o percentual dos que tinham celular com acesso à internet foi de 99,1%, ao passo que, entre os estudantes da rede pública, foi 97,0%, ou seja, o estudante que tem celular próprio costuma ter acesso à internet no aparelho”, comenta Alessandra.

Custo - Dos estudantes da rede pública que não tinham celular em 2019, 41,2% alegaram o alto custo do aparelho. Outros 28,7% disseram que não tinham celular porque usavam o aparelho de outra pessoa. Esses dois motivos também foram os mais comuns entre os estudantes da rede privada, contudo o uso de aparelho de outra pessoa tem peso maior (40,3%) que a questão do aparelho telefônico ser caro (20,0%).

Menos acesso - “Esses dados mostram que estudantes da rede pública tinham menos acesso a telefone próprio e a questão financeira tinha um peso maior. E como o celular é o principal meio de acesso à internet, num contexto de ensino remoto, provavelmente, esses estudantes terão mais dificuldades do que os da rede privada”, diz a analista da pesquisa

Microcomputador - Se o uso do celular por estudantes para acessar à internet vem crescendo, ano após ano, o do microcomputador, por outro lado, vem reduzindo. Em 2016, início da pesquisa, 70,6% dos estudantes usavam computador para navegar na internet, frente a 56,0% em 2019. Já o uso da televisão para navegar na internet cresceu, de 11,9% para 35,0%. O tablet era usado somente por 13,4% dos estudantes, a maioria da rede privada.

Uso da internet avança nos domicílios, principalmente no Nordeste - A PNAD TIC mostra ainda que a internet era usada em 82,7% dos domicílios brasileiros em 2019, um aumento de 3,6 pontos percentuais em relação a 2018. O aumento foi maior na área rural (55,6%) que na urbana (86,7%). Houve avanços em todas as grandes regiões, sobretudo no Nordeste, que, apesar do aumento de 5,2 pontos percentuais em relação a 2018, ainda se manteve como a região com menor percentual de domicílios com acesso à internet (74,3%).

Banda larga - Nos domicílios em que havia utilização da internet, o percentual dos que usavam banda larga móvel 3G ou 4G passou de 80,2% para 81,2% entre 2018 e 2019. Já o percentual dos domicílios que utilizavam a banda larga fixa aumentou de 75,9% para 77,9%.

Norte e Nordeste têm menores percentuais de pessoas com acesso à internet - Em 2019, a internet foi usada por 143,5 milhões de pessoas com 10 anos ou mais, estudante ou não (78,3%). Esse número é maior que o de 2018 (74,7%). Norte (69,2%) e Nordeste (68,6%) registraram os maiores avanços entre 2018 e 2019 (4,5 e 4,6 p.p., respectivamente), mas ainda permanecem abaixo do percentual das demais grandes regiões do país.

Grupos etários - O uso da internet também avançou em todos os grupos etários, mas vem sendo mais acelerado nas faixas de idade mais elevadas, como 50 a 59 anos e 60 anos ou mais, cujo acesso à internet subiu 6,3 p.p. de 2018 para 2019.

Evolução - “Isso pode ter sido propiciado pela evolução nas facilidades para o uso da internet e na sua disseminação no cotidiano da sociedade”, ressalta Alessandra Scalioni Brito, lembrando que nesses grupos etários, o uso da internet tem mais espaço para crescer que nos demais, que já têm elevados percentuais de acesso.

Uso pessoal - Em 2019, 81,0% da população de 10 anos ou mais, estudante ou não, tinha celular para uso pessoal, percentual um pouco maior ao do ano anterior (79,3%). Não à toa o aparelho é o meio mais usado para acesso à internet (98,6%), seguido pelo microcomputador (46,2%), pela televisão (31,9%) e pelo tablet (10,9%).

Motivos - Entre os 39,8 milhões de pessoas que não acessaram a internet em 2019, 43,8% alegaram não ter o serviço por não saber navegar na rede. Outras 31,6% disseram não ter interesse, 18,0% alegaram custo e 4,3% afirmaram que o serviço não estava disponível nos locais que costumavam frequentar.

Serviço indisponível - O percentual de pessoas que não acessaram a internet devido ao serviço não estar disponível nos locais que costumavam frequentar continuou destacadamente mais elevado no Norte (12,8%) e menor no Sudeste (2,0%), variando entre 3,2% e 3,9% nas demais grandes regiões. Esse motivo era o mais elevado na área rural (10,6%), se comparado à área urbana (1,5%). (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Divulgação / MCTIC

pnadTIC graf1 15 04 2021

pnadTIC graf2 15 04 2021

CÂMBIO: Dólar fecha abaixo de R$ 5,70 com alívio no exterior

cambio 15 04 2021Em um dia de alívio nos mercados internacionais, o dólar fechou abaixo de R$ 5,70 pela primeira vez em quase uma semana. Na terceira sessão seguida de alta, a bolsa de valores fechou acima de 120 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro.

Cotação - O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (14/04) vendido a R$ 5,67, com recuo de R$ 0,047 (-0,82%). A cotação chegou a subir no início das negociações, mas começou a recuar ainda durante a manhã até fechar próxima dos níveis mínimos do dia.

Ações - No mercado de ações, o dia foi marcado pela euforia. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 120.295 pontos, com ganho de 0,84%. O indicador operou em alta durante toda a sessão e está no nível mais alto desde 17 de fevereiro. O índice acumula alta de 1,1% em 2021.

Exterior - Em um dia sem avanços nas negociações para destravar o Orçamento de 2021, as notícias do exterior dominaram as negociações. Nesta quarta, o vice-presidente do Federal Reserve (Banco Central norte-americano), Richard Clarida, disse que o órgão só elevará os juros da maior economia do planeta quando a inflação média anualizada ultrapassar a meta de 2%.

Temores - A declaração afastou os temores de que as taxas podem começar a subir com a queda do desemprego nos Estados Unidos, fazendo os juros dos títulos públicos norte-americanos de dez anos, considerados os investimentos mais seguros do mundo. Juros mais baixos em economias avançadas beneficiam a entrada de recursos em países emergentes, como o Brasil. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO: Pixabay

 

SAÚDE I: Número de mortes sobe para 361,8 mil no Brasil

O total de vidas perdidas para a covid-19 no Brasil subiu para 361.884. Nas últimas 24 horas, foram registradas mais 3.459 mortes no país. Na terça-feira (13/04), o sistema de informações da pandemia indicava que 358.425 vidas tinham sido perdidas para a doença causada pelo novo coronavírus.

Investigação - Ainda há 3.609 mortes em investigação por equipes de saúde. Isso porque há casos em que o diagnóstico sobre a causa só sai após o óbito do paciente.

Atualização - Os novos dados estão na atualização diária sobre a pandemia do Ministério da Saúde, divulgada na noite desta quarta-feira (14/04). O balanço é elaborado a partir das informações enviadas por autoridades locais de saúde.

Casos acumulados - A soma de casos acumulados foi para 13.673.509. Entre terça e quarta-feira (13 e 14/04), foram confirmados 83.513novos diagnósticos positivos. Na terça, a quantidade de casos acumulados estava em 13.599.994.

Recuperadas - O número de pessoas recuperadas está em 12.170.771 e o de pacientes com casos ativos, em acompanhamento por equipes de saúde, ficou em 1.140.852.

Estados - O estado com maior número de mortes por covid-19 é São Paulo, com 85.475 registros. Em seguida vêm o Rio de Janeiro (40.091), Minas Gerais (28.636), Rio Grande do Sul (22.565) e Paraná (19.715). As unidades federativas com menos óbitos são Acre (1.374), Roraima (1.417), Amapá (1.432), Tocantins (2.309) e Sergipe (3.849).

Vacinação - Até o início da noite desta quarta-feira, haviam sido distribuídos 47,8 milhões de doses de vacinas. Deste total, foram aplicados 31,4 milhões de doses, sendo 24 milhões da primeira dose e 7,4 milhões da segunda. (Agência Brasil)

 

saude I tabela 15 04 2021

SAÚDE II: Boletim registra mais 2.354 casos de Covid-19 e 192 óbitos

saude II 15 04 2021 A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quarta-feira (14/04) mais 2.354 casos de Covid-19 e 192 óbitos – referentes aos meses ou semanas anteriores e últimas 24 horas. Há ajustes ao final do texto.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Paraná soma 887.549 casos confirmados e 19.594 mortes pelo novo coronavírus.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de janeiro (23), fevereiro (131), março (216) e abril (1.906) de 2021 e dos seguintes meses de 2020: maio (1), junho (1), agosto (3), novembro (18) e dezembro (55).

Vacina - O site da Secretaria de Estado da Saúde possui um Vacinômetro atualizado em tempo real à medida que os municípios inserem as doses aplicadas no sistema.

Internados - Há 2.404 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 internados. São 1.895 em leitos SUS (924 em UTI e 971 em leitos clínicos/enfermaria) e 509 em leitos da rede particular (296 em UTI e 213 em clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 2.483 pacientes internados, 954 em leitos UTI e 1.529 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Secretaria informa a morte de mais 192 pacientes. São 87 mulheres e 105 homens com idades que variam de 5 a 100 anos. Os óbitos ocorreram entre 7 de outubro de 2020 e 13 de abril de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Curitiba (40), Ponta Grossa (23), Londrina (20), Arapongas (14), Assis Chateaubriand (10), Foz do Iguaçu (7), Colombo (6), Cascavel (5), Mandaguari (4), Maringá (4), Matelândia (4), Contenda (3), Itaperuçu (3), Pinhais (3), São Jose dos Pinhais (3), Sarandi (3), Tibagi (3), Astorga (2), Cambé (2), Cianorte (2), São Jorge d'Oeste (2) e Tijucas do Sul (2).

Uma morte - O informe registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Adrianópolis, Almirante Tamandaré, Alvorada do Sul, Araruna, Araucária, Bituruna, Castro, Fazenda Rio Grande, Florestópolis, Guaíra, Ibaiti, Imbituva, Irati, Iretama, Jacarezinho, Jandaia do Sul, Mandaguaçu, Marechal Cândido Rondon, Maria Helena, Paranaguá, Pinhão, Piraí do Sul, Rolândia, Roncador, Rondon, Santa Helena e Tamarana.

Fora do Paraná - O monitoramento da Secretaria da Saúde registra 5.491 casos de pessoas que não moram no Estado – 121 foram a óbito.

Ajustes - Total de exclusões: 6 casos e 8 óbitos de residentes no Paraná.

Um caso e óbito confirmados (M,53) no dia 17/06/2020 em PINHAIS foram excluídos por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmados (F,62) no dia 25/06/2020 em PINHAIS foram excluídos por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmados (M,82) no dia 11/07/2020 em PINHAIS foram excluídos por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmados (M,72) no dia 03/08/2020 em PINHAIS foram excluídos por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmados (M,83) no dia 13/09/2020 em COLOMBO foram excluídos por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmados (F,64) no dia 05/01/2021 em PINHAIS foram excluídos por erro de notificação;

Um óbito confirmado (M,24) no dia 02/12/2020 em TRÊS BARRAS DO PARANÁ foi excluído por erro de notificação;

Um óbito confirmado (F,28) no dia 08/12/2020 em PINHAIS foi excluído por erro de notificação. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o Informe completo.

 

SAÚDE III: Pandemia permanece em níveis preocupantes, alerta Fiocruz

A pandemia deve permanecer em níveis preocupantes ao longo do mês de abril, segundo dados do Boletim Extraordinário do Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado nesta quarta-feira (14/04).

Tendência de alta - Na Semana Epidemiológica 14 - período compreendido entre de 4 a 10 de abril - a tendência de alta de transmissão da covid-19 se manteve no país, segundo o boletim, com valores recordes no número de óbitos, atingindo uma média de 3.020 mortos por dia, e um aumento de novos casos, com média de 70,2 mil casos diários. A análise aponta também que a sobrecarga dos hospitais continuou em níveis críticos no período.

Testes positivos - A alta proporção de testes com resultados positivos revela que, durante esse período, o vírus permanece em circulação intensa em todo o país. Segundo os pesquisadores do observatório, o quadro epidemiológico pode representar a desaceleração da pandemia, com a formação de um novo patamar, como o ocorrido em meados de 2020, porém com números muito mais elevados de casos graves e óbitos.

Ocupação de leitos - Outro indicador estratégico, a taxa de ocupação de leitos de unidades de terapia intensiva (UTIs) covid-19 para adultos no Sistema Único de Saúde (SUS) se manteve predominantemente estável e muito elevada. Destacam-se a saída do Maranhão (78%) da zona de alerta crítico para a zona de alerta intermediário e quedas significativas do indicador no Pará (87% para 82%), Amapá (de 91% para 84%), Tocantins (de 95% para 90%), Paraíba (de 77% para 70%) e São Paulo (de 91% para 86%).

Vacinação - O boletim traz ainda um painel sobre a vacinação no Brasil. Do total das pessoas vacinadas (27.567.230) até o dia 10 de abril, 30,2% completaram o esquema vacinal com duas doses e 69,8% receberam apenas a primeira dose do imunizante.

Medidas convergentes - Para controlar a disseminação da pandemia e preservar vidas, os pesquisadores reforçam que é fundamental que os municípios brasileiros, em especial dentro das regiões metropolitanas, adotem medidas convergentes e sinérgicas.

Êxitos localizados - “As medidas de restrição de mobilidade e de algumas atividades econômicas, adotadas nas últimas semanas por diversas prefeituras e estados, estão produzindo êxitos localizados e podem resultar na redução dos casos graves da doença nas próximas semanas. No entanto, ainda não tiveram impacto sobre o número de óbitos e no alívio das demandas hospitalares. A flexibilização de medidas restritivas pode ter como consequência a aceleração do ritmo de transmissão e, portanto, de casos graves de Covid-19 nas próximas semanas”, alertaram os pesquisadores da Fiocruz.

Orientações - Nesta semana, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, fez um apelo para que pessoas imunizadas com a primeira dose respeitem as orientações e tomem a segunda dose no prazo estabelecido pelas autoridades de saúde. (Agência Brasil)

 

saude III mapa ocupacao uti 15 04 2021


Versão para impressão


RODAPE