Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5069 | 13 de Maio de 2021

COMITÊ: Executivos e gestores da Integrada e Sistema Ocepar participam de encontro virtual

Com a finalidade de discutir o Plano Paraná Cooperativo – PRC200 e as sugestões para a formatação do planejamento estratégico do cooperativismo paranaense, executivos e gestores da cooperativa Integrada, com sede em Londrina, participaram da 58ª reunião virtual do Comitê Estratégico do Sistema Ocepar.  

Presenças - Pela cooperativa, participaram Haroldo José Polizel, superintendente geral, Akio Cyoia, superintendente administrativo financeiro, Igor Bourscheidt, superintendente industrial e operações, Edson Oliveira, superintendente de insumos e técnico, e André Galetti Junior, gerente de planejamento estratégico e inovação.  

PRC200 - O encontro foi aberto pelo presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, que apresentou os principais pontos que estão sendo debatidos para o PRC200 e onde as cooperativas podem contribuir para que este novo planejamento consiga trilhar o mesmo caminho de sucesso do PRC100, concluído no ano passado com um faturamento superior aos R$ 100 bilhões. O superintendente geral da Integrada, Haroldo José Polizel, disse que “cada vez mais o sistema está presente na vida das cooperativas e esta conversa de hoje é uma forma de também de podermos contribuir com o planejamento estratégico, com sugestões e ideias com base naquilo que estamos pensando para a cooperativa”.  

Rota 843 - Polizel fez uma apresentação rápida sobre o novo ciclo do planejamento da cooperativa 2021/2025, intitulado Rota 843. “O objetivo do plano é melhorar a estrutura de capital, reduzir a alavancagem e, até 2025, alcançar um faturamento de R$ 8 bilhões”. Em 2020, mesmo com as dificuldades impostas pela pandemia, a Integrada cresceu 36,9%, faturando R$ 4,4 bilhões. Para formatarmos esse novo planejamento, envolvemos mais de 150 pessoas e temos como foco principal o cooperado, cliente e relacionamento. Outro ponto é investir em pessoas e conectar propósitos. Fortalecer o cooperativismo de resultado, desenvolvimento de lideranças, ampliar eficiência comercial, operacional e administrativa. Criar soluções de excelência com inovação e inteligência competitiva e governança”, destacou.  

 

Sugestões - Durante uma hora, foram apresentadas sugestões de ações para o novo planejamento do cooperativismo paranaense nas áreas de sustentabilidade, intercooperação, comunicação e relacionamento, compartilhamento de TI, meio ambiente, infraestrutura, inovação, mercado, representação entre outros pontos de interesse.

{vsig}2021/noticias/05/13/comite/{/vsig}

 

COMITÊ:

Executivos e gestores da Integrada e Sistema Ocepar participam de encontro virtual

PESQUISA: A influência da comunicação na tomada de decisão de produtores brasileiros e americanos

Estudo inédito realizado no Brasil e nos Estados Unidos medirá a influência dos canais de comunicação na tomada de decisão sobre a adoção de novas tecnologias na agricultura. A pesquisa, focada em produtores de soja dos cinco principais Estados de cada país, é promovida pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e pela Universidade de Illinois, com apoio do Sistema Ocepar, da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), Federação da Agricultura do Paraná (Faep), Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul) e Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), além de Ematers, universidades, cooperativas e organizações públicas e privadas ligadas ao agronegócio.

Público-alvo - No Brasil, o público-alvo são agricultores de Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul, Goiás e Mato Grosso do Sul. Nos EUA, a mesma pesquisa será aplicada em Illinois, Iowa, Minnesota, Indiana e Nebraska. O critério de escolha foram os cinco Estados, em cada país, com a maior área cultivada com soja. São apenas cinco a sete minutos para responder as questões, todas de múltipla escolha. Os respondentes não serão identificados e todas as respostas serão confidenciais. No final do questionário, o produtor poderá ainda incluir o seu endereço de e-mail para receber os resultados da pesquisa.

Mídia - O levantamento online buscará identificar a contribuição de veículos de massa (jornais, revistas, rádio, televisão, websites), de mídias sociais (WhatsApp, Facebook, Youtube, Instagram) e das relações interpessoais (dias de campo, conferências, extensionistas, vendedores) na decisão de adotar uma nova tecnologia para a lavoura. “Os resultados serão importantes para ajudar nas estratégias de disseminação de soluções digitais na agricultura, além de subsidiar novas pesquisas em comunicação agrícola, uma área ainda carente de dados”, afirma a jornalista e doutoranda Joana Colussi, uma das pesquisadoras responsáveis pelo estudo, juntamente com os professores Antônio Padula, da UFRGS, e Gary Schnitkey, da Universidade de Illinois.

Importância - Diretor de Política Agrícola e Informações da Conab, o pesquisador Sérgio De Zen destaca que a evolução da safra está diretamente relacionada com a adoção tecnológica no campo. “Por isso é de extrema importância termos dados confiáveis para acompanhar e planejar ações nessa direção”, afirma De Zen. Para o diretor executivo da Aprosoja Brasil, Fabrício Rosa, a facilidade de comunicação e de acesso à informação, proporcionada pela internet, estão introduzindo o agricultor nessas novas tecnologias da informação. No entanto, segundo ele, sua plena utilização ainda depende de uma melhor conectividade no campo. “Pesquisas desta natureza são importantes para entender quais são as ferramentas que os produtores procuram utilizar para uma melhor tomada em decisão em seus negócios. Hoje existe uma infinidade de opções digitais e muito mais poderiam estar sendo adotados se fossem feitos investimentos para implantação de uma infraestrutura de internet mais confiável na área rural”, observa.

Questionário - Para participar, basta acessar o questionário aqui http://bit.ly/agricomunica.

 

pesquisa 13 05 2021

 

 

COOPERATIVISMO: Ato cooperativo fica fora do relatório final da Reforma Tributária

cooperativismo 13 05 2021A inclusão do ato cooperativo na proposta da Reforma Tributária da comissão mista segue sem ser contemplada. O relator do projeto, deputado Aguinaldo Ribeiro (BA), apresentou nesta quarta-feira (12/05) a versão final de seu relatório sem mudanças significativas no texto divulgado no último dia 4. Novas oportunidades para inclusão e discussão de emenda nesse sentido, no entanto, serão definidas durante os próximos passos de tramitação da reforma tanto na Câmara dos Deputados quanto no Senado.

Atuação - “Continuaremos atentos e atuando para que as especificidades do cooperativismo sejam contempladas em qualquer texto que avance no Congresso”, afirmou o presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), deputado Evair de Melo (ES). Segundo o parlamentar, a medida é fundamental para garantir segurança jurídica ao modelo de negócios do setor. “Não buscamos nenhum tipo de regime diferenciado e, sim, evitar a dupla tributação de impostos, fixando sua incidência sobre o cooperado, onde de fato se fixa a riqueza, e não nas cooperativas”.

Justificativa - Aguinaldo Ribeiro declarou que optou por não incluir o ato cooperativo em seu relatório por acreditar que “essas distorções podem ser resolvidas de forma complementar pela legislação infraconstitucional”. O relator destacou, no entanto, que concorda com a relevância da regulamentação adequada do conceito de ato cooperativo e de seu respectivo tratamento tributário.

Segurança jurídica - “Trata-se de um tema que merece toda a segurança jurídica, tendo em vista sua grande importância para o empreendedorismo, à viabilização de pequenos negócios e à geração de empregos no país. Somos favoráveis à ideia de que o novo IBS (Imposto sobre Bens e Serviços) garanta ao ato cooperado igualdade de condições em comparação às mesmas operações praticadas pelo restante dos agentes econômicos”, argumentou.

Mobilização continua - O presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Márcio Lopes de Freitas, reforçou que a entidade continuará trabalhando para que a Reforma Tributária contemple o adequado tratamento tributário do ato cooperativo. “Essa prerrogativa está, inclusive, prevista no artigo 146, III, “c” da Constituição Federal de 1988, porém, carece de maior atenção. Também estamos cautelosos para que a nova legislação não interfira em conquistas já alcançadas, como o reconhecimento da não incidência da IRPJ e CSLL sobre os atos cooperativos, dentre outros”. (OCB)

FOTO: Pablo Valadares / Agência Câmara

 

LEGISLAÇÃO: Sancionada a lei que dispõe sobre o trabalho da empregada gestante na pandemia

Foi publicada, na edição desta quinta-feira (13/05) do Diário Oficial da União (DOU), a Lei nº 14.151, sancionada nesta quarta-feira (12/05) pelo presidente Jair Bolsonaro, que dispõe sobre o afastamento da empregada gestante das atividades de trabalho presencial durante a emergência de saúde pública decorrente do novo coronavírus. Nesse período, a empregada gestante deverá exercer suas atividades laborais em seu domicílio, por meio de teletrabalho, trabalho remoto ou outra forma a distância.

Clique aqui e confira na íntegra a Lei nº 14.151/2021

 

COCAMAR: Cooperativa conquista o Troféu Sesi de Melhores Práticas em Segurança, Saúde e Bem-Estar 2020

Uma iniciativa do Sesi Paraná em parceria com o Great Place to Work (GPTW), o Troféu Sesi de Melhores Práticas em Segurança, Saúde e Bem-Estar – Edição 2020, acaba de ser conferido à Cocamar Cooperativa Agroindustrial.

Reconhecimento - A premiação reconhece as companhias paranaenses que fazem a diferença na Gestão de Recursos Humanos, implementando práticas exemplares no cuidado com a Saúde e Segurança dos colaboradores. Neste ano, o evento foi realizado de forma totalmente virtual.

Assertividade - Para o presidente executivo da Cocamar, Divanir Higino, a conquista confirma, mais uma vez, a assertividade do trabalho que vem sendo implementado pela cooperativa. “É a materialização de um trabalho ético, pautado na satisfação e entrega de serviços de excelência”, afirma Higino.

Equipe comprometida - “Uma premiação desse porte só se consegue com uma equipe altamente comprometida”, afirma Fernando Castro, gerente executivo de gestão de pessoas.

Compromisso - Em sua segunda edição, o Troféu reforça o compromisso das empresas participantes de incentivar e promover a gestão preventiva da segurança e saúde, estruturada com o trabalho especializado de dois coordenadores de Segurança e Saúde da cooperativa e suas equipes - Elvis Pavan Gomes e Diogo Reino Olegário – diretamente ligados à gerência executiva de gestão de pessoas.

Cultura de prevenção - Para Elvis, que atua como Coordenador de Segurança e Medicina do Trabalho na cooperativa, a Cocamar tem conseguido implantar uma cultura de prevenção entre os seus colaboradores, o que compreende também os terceiros que prestam serviços à cooperativa e o quadro de cooperados.

Envolvimento - Sem o envolvimento direto dos colaboradores, nada seria possível, pontua Diogo, responsável pela criação das estratégias, ressaltando a forte redução, nos últimos anos, do número e acidentes com afastamentos.

Pontos básicos - Segundo ambos, quatro pontos básicos são determinantes para essa conquista da Cocamar. O primeiro, o estabelecimento de uma política clara com regras de segurança; segundo, ter a noção das consequências e reconhecimentos definidos por essas regras; o terceiro, considerado ponto chave nesse processo, é trabalhar com a consolidação da crença e valor e, por último, contar com um ambiente altamente motivador, em que a segurança e a saúde são sempre valores dos quais a Cocamar não abre mão. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2021/noticias/05/13/cocamar/{/vsig}

COOPAVEL: Milho safrinha será novidade do 2º Show Rural Edição de Inverno

As culturas de inverno voltam a ser a atração de um dos maiores eventos de disseminação de inovações para o campo do mundo. O plantio das parcelas demonstrativas de culturas como trigo, aveia, triticale e adubação verde já acontecem e alimentam a produção de novos capítulos técnicos que serão levados ao ar pelo Show Rural Edição de Inverno que ocorre pela segunda vez.

Primeiros episódios - Os primeiros episódios já estão prontos e a previsão é que sejam colocados no ar, nos canais de Youtube, Facebook e site oficial do Show Rural, ainda no mês de maio. “Teremos um evento novamente digital, que levará a pessoas de todo o mundo, por meio de novos recursos de comunicação, conteúdos especialmente produzidos e com novidades das mais pertinentes e de forma didática aos produtores. Em qualquer lugar e hora será possível acessar aos programas e receber essas informações”, diz o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli.

Novidade - A grande novidade desta segunda edição do evento são as parcelas destinadas ao milho safrinha, cultura que cresceu, avançou e hoje assume posição de destaque na produção de um grão dos mais valorizados, afirma Dilvo Grolli. “Vamos apresentar, em capítulos técnicos especialmente produzidos, o melhor em informações sobre o milho safrinha. As novas tecnologias, que não param de chegar e surpreender, estão aí para tornar o processo, do plantio à colheita, muito melhor e com resultados mais expressivos aos agricultores”, afirma o presidente da Coopavel.

Trigo - Mesmo que neste ano divida atenções com o milho safrinha, o trigo continua com destaque no evento. “Grandes empresas de pesquisa e de desenvolvimento de sementes avançaram muito nos últimos anos e há variedades de trigo com excelentes produtividades, o que torna a cultura ainda mais especial para o Oeste do Paraná”, diz o coordenador geral Rogério Rizzardi. Rogério acredita que diante dos saltos que as inovações têm trazido à cultura que o trigo poderá apresentar produções cada vez maiores, levando inclusive o Brasil a autossuficiência. “Realmente, as condições para chegarmos a esse patamar são muito boas”, reforça Dilvo Grolli.

Digital - A versão digital do Show Rural destinado a culturas indicadas para meses frios ocorrerá de maio a setembro, e os episódios poderão ser assistidos pelos seguintes endereços: youtube.com/showruralagro e www.showrural.com.br. (Imprensa Coopavel)

{vsig}2021/noticias/05/13/coopavel/{/vsig}

CRESOL: Lançado projeto para crianças sobre cooperativismo e educação financeira

A Cresol lançou, na noite de terça-feira (11/05), o Cresol Educa, projeto para crianças sobre cooperativismo e educação financeira. O portal foi apresentado durante a live Educação & Cooperação, com o professor e filósofo Mario Sergio Cortella, transmitida no canal do YouTube da Cresol.

Aprendizado - Voltado para o aprendizado das crianças sobre a importância de uma relação equilibrada com o dinheiro ainda na primeira infância, o Cresol Educa tem conteúdos para crianças de 6 a 12 anos. No portal estão disponíveis uma série de histórias, atividades e livros sobre educação financeira divididos por faixa etária e com personagens diferentes de acordo com as etapas da infância.

Atividades- As atividades poderão ser baixadas em pdf e as coleções dos livros Turma do Futuro (voltados para crianças de 10 a 12 anos) e do Mesadinha (6 a 9 anos), além de estarem disponíveis para leitura virtual ou para download, também poderão ser solicitadas para recebimento em casa.

Estímulo - Segundo o presidente do Cresol Instituto, Alzimiro Thomé, a educação financeira na infância estimula o senso de organização, além de ensinar o valor das coisas. A criança aprende a poupar para sempre ter o que realmente precisa.

Autonomia - “Essa também é uma ótima oportunidade de incentivar a autonomia dos mais jovens. Isso porque, quando a criança detém o poder de compra, ela tem de arcar com as próprias decisões. Assim, aos poucos os pequenos vão desenvolvendo noções de consumo consciente, mesmo que restritas a um ambiente lúdico”, lembra.

Educação financeira no currículo escolar- O portal é uma extensão das parcerias entre as cooperativas, o Cresol Instituto e as Secretarias Municipais de Educação onde a Cresol atua. Antes da pandemia, os projetos já promoviam a educação financeira e o cooperativismo a partir da leitura em cooperação com professores e educadores de todo o país, que recebiam, além da coleção de livros, orientações pedagógicas para aplicação junto ao plano de aula. Com o isolamento social, o time do Cresol Instituto observou a necessidade de ampliar o acesso aos conteúdos para mais crianças.

Escolas parceiras - As escolas parceiras do projeto continuarão recebendo os livros e apoio da Cresol na aplicação da estratégia pedagógica, criada pelo Instituto para trabalho com os alunos. Mas, além das 40 mil crianças já atendidas nos últimos três anos, o projeto deve se expandir para que mais professores, pais e alunos tenham acesso a esse conhecimento, além, de agora as famílias interessadas acessem os materiais digitais no Cresol Educa com a opção de receber os livros físicos a partir de um cadastro no site.

Projetos - “Começamos os projetos com o objetivo de educar, pois está no nosso DNA. Acreditamos que é dividindo conhecimento que crescemos. Os projetos com as escolas nasceram pequenos e, hoje, com a cooperação da comunidade e professores, pretendemos contribuir para uma formação mais ampla de crianças de todo o país”, comemora José Vandresen, gerente do Cresol Instituto.

Expectativa - São esperadas mais de 100 mil famílias atendidas pelos projetos até o final de 2021 - seja com os livros digitais ou com os impressos enviados para as casas das pessoas -, além de 700 professores no país todo.

Live com Mario Sergio Cortella marca lançamento do projeto - O lançamento do portal Cresol Educa aconteceu durante a live com o professor Mario Sergio Cortella, no YouTube, com o tema Educação & Cooperação. A transmissão, assistida simultaneamente por mais de 4 mil pessoas, ultrapassou a marca de 14,5 mil visualizações totais e o canal da Cresol ganhou 1,5 mil novos assinantes.

Certificado - O certificado de participação na live pode ser solicitado na página do Cresol Instituto. (Imprensa Cresol)

Clique aqui e acesse o Cresol Educa

{vsig}2021/noticias/05/13/cresol/{/vsig}

SICREDI PARQUE DAS ARAUCÁRIAS: Reinaugurada agência na zona sul de Pato Branco

Na manhã de segunda-feira (10/05), a Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP reinaugurou sua agência na região sul da cidade de Pato Branco (PR). A unidade foi transferida para um novo prédio, maior e mais moderno, na Avenida Tupi, próximo a igreja matriz da Paróquia Cristo Rei.

Presenças - A reinauguração contou com a presença de colaboradores da cooperativa; do presidente, Clemente Renosto; do diretor executivo, Fabio Vedelago Burille; do diretor de operações, Alcimar Gerhard; do gerente regional Eslau Roberto Thomas; autoridades locais, como o prefeito Robson Cantu, assim como associados. O evento foi realizado de acordo com os protocolos de prevenção à Covid-19.

Convivência - Planejada de acordo com o novo layout do Sicredi, a nova agência Pato Branco Zona Sul se tornou um ambiente mais favorável à convivência, com menos divisórias, áreas mais amplas de circulação, espaço de café, sala de reunião, três caixas eletrônicos, além de outros ambientes. O objetivo é priorizar o atendimento personalizado, um dos grandes diferenciais do Sicredi.

Projeto de sustentabilidade - A agência Pato Branco Zona Sul também é a primeira a implementar o novo projeto de sustentabilidade da Sicredi Parque das Araucárias, que prevê a não utilização de papel nos processos administrativos. Documentos como contratos, por exemplo, serão disponibilizados apenas no formato digital, e assinaturas serão coletadas de forma eletrônica. Os gerentes utilizarão tablets em seu cotidiano de trabalho, e também haverá acesso à internet gratuita.

Especial - “Hoje é um dia especial, pois estamos reinaugurando nossa agência na Zona Sul. É um momento de muita felicidade poder compartilhar esse espaço amplo com nossos associados, com a comunidade, onde poderão realizar seus negócios, seus investimentos. O principal objetivo do Sicredi enquanto instituição financeira é poder contribuir com o dia a dia de seus associados e assim promover o desenvolvimento”, afirmou o presidente da cooperativa, Clemente Renosto.

Propósito - “Construir junto uma sociedade mais próspera é o nosso propósito, e com essa nova agência nós estamos preparados para atender os nossos associados em todas as suas demandas, seja na área de investimentos, de crédito, cartões, seguros, consórcios, para atender a todos e fazer com que nossa comunidade prospere”, disse Fabio Vedelago Burille, diretor executivo da Sicredi Parque das Araucárias.

Comunidade - “Nós estamos abertos para receber a toda a comunidade. Convido a todos para conhecer nosso espaço, conversar com nossas equipes e conhecer os serviços que oferecemos para as empresas e pessoas físicas” completou Diego Demarco, gerente da agência Pato Branco Zona Sul. (Imprensa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP)

{vsig}2021/noticias/05/13/sicredi_parque_araucarias/{/vsig}

SICREDI VALE DO PIQUIRI I: Entregue primeiro prêmio da campanha Razões para Investir e Ganhar

Como forma de incentivar os associados a terem uma reserva financeira, a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP lançou a campanha Razões para Investir e Ganhar, que vai distribuir mais de R$ 1 milhão em dinheiro. O primeiro contemplado no sorteio mensal de R$ 50 mil foi Thiago L.P., de Campina da Lagoa (PR). No total, serão dez sorteios mensais e um prêmio final de R$ 500 mil.

Bom atendimento - “Desde que o Sicredi veio para Campina da Lagoa já nos associamos. Aqui temos bom atendimento e segurança nos investimentos. Estou muito feliz com esse prêmio e ele veio em ótima hora. Vale a pena participar”, comemora Thiago, que recebeu o cartão simbólico das mãos do gerente da agência, Ednaldo Tinelli Cocolete, e do gerente regional de desenvolvimento Cirineu Varolo.

Cupom da sorte - Para participar, a cada R$ 50,00 aportados em capital social, o associado ganha um cupom da sorte para concorrer. A cada R$ 500,00 em investimentos, o associado recebe um ou mais cupons da sorte, de acordo com a carência do produto contratado. Ao realizar investimentos a médio e longo prazo, além de maior rentabilidade e segurança financeira, as chances de ganhar são ainda maiores. Quando o associado mantém a aplicação por até 6 meses, ele ganha um número da sorte; entre 6 e 12 meses, são dois; entre 12 e 24 meses, são três; e a partir de 24 meses, são quatro. A campanha é exclusiva para associados da cooperativa e segue até 31 de dezembro de 2021. Mais informações no site: www.sicredi.com.br/promocao/razoesparainvestireganhar/.

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP - A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, uma das 108 cooperativas do Sicredi, conta com 32 anos de história e mais de 166 mil associados. A área de atuação da cooperativa abrange 43 cidades no estado do Paraná e 8 cidades no estado de São Paulo, incluindo a capital paulista e cidades vizinhas do grande ABCD. São 92 espaços de atendimento, sendo 52 no Paraná e 40 em São Paulo (sicredi.com.br/vale-piquiri/).

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de cinco milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados e no Distrito Federal, com mais de duas mil agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

{vsig}2021/noticias/05/13/sicredi_vale_I/{/vsig}

SICREDI VALE DO PIQUIRI II: Associada Sicredi de Juranda (PR) ganha R$ 5 mil na Campanha Poupança Premiada

A campanha Poupança Premiada, realizada pelo Sicredi com o objetivo de incentivar o planejamento financeiro e o hábito de poupar, contemplou a associada Mônica O., de Juranda (PR), com um dos prêmios semanais de R$ 5 mil. A promoção também terá um prêmio especial de R$ 500 mil, em outubro, além do grande sorteio final de R$ 1 milhão, em dezembro. Ao todo, a campanha irá distribuir R$ 2,5 milhões em prêmios.

Reserva financeira - “A reserva financeira é um recurso de suma importância. Além de ser uma oportunidade de investimento, pode ajudar em caso de emergência. Para nós enquanto cooperativa, é muito gratificante poder contribuir com a orientação financeira das pessoas e também ver a alegria de nossa associada premiada pela campanha. Foi sensacional”, assegura a gerente da agência de Juranda (PR), Cíntia Matos.

Simples - Para participar é simples: a cada R$ 100 de incremento líquido na poupança do associado, um número da sorte é gerado automaticamente. Se as aplicações forem na modalidade programada, quando há o débito programado mensal para a conta poupança do associado, dobra-se a chance de ganhar. A campanha é realizada nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro.

Sobre a Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP - A Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP, uma das 108 cooperativas do Sicredi, conta com 32 anos de história e mais de 166 mil associados. A área de atuação da cooperativa abrange 43 cidades no estado do Paraná e 8 cidades no estado de São Paulo, incluindo a capital paulista e cidades vizinhas do grande ABCD. São 92 espaços de atendimento, sendo 52 no Paraná e 40 em São Paulo (sicredi.com.br/vale-piquiri/).

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de cinco milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados e no Distrito Federal, com mais de duas mil agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi Vale do Piquiri Abcd PR/SP)

{vsig}2021/noticias/05/13/sicredi_vale_piquiri/{/vsig}

SICREDI UNIÃO PR/SP: Colaboradores prestam homenagem a profissionais da saúde

sicredi uniao 13 05 2021Por meio de cartas escritas à mão por mil colaboradores, a Sicredi União PR/SP homenageou os profissionais da saúde que estão na linha de frente da Covid. As cartas foram entregues em hospitais de seis cidades e num ponto de vacinação e fazem parte de uma iniciativa para celebrar o Dia Mundial do Profissional da Saúde, em 12 de maio.

Mais - Junto às cartas, os colaboradores entregaram chocolates, balões e flores para profissionais de Maringá/PR, Cianorte/PR, Londrina/PR, São João da Boa Vista/SP, Limeira/SP e Mogi Mirim/SP, cidades que fazem parte da área de atuação da cooperativa. Em Cianorte, mais um momento especial: colaboradores que fazem parte do coral Vozes da União gravaram uma música exclusiva para os profissionais da saúde. O coral, que é um dos programas sociais da cooperativa, tem entre os integrantes alunos das Apaes de Nova Esperança e de Maringá, que são colaboradores da Sicredi União PR/SP e têm registro em carteira. Um telão exibiu, em frente ao hospital, o vídeo com a canção e emocionou - todas as cartas têm QRCode para acessar este vídeo.

Reconhecimento - Para o diretor da Santa Casa de Cianorte, Gilmar Célio, “o gesto de agradecimento aquece o coração. É um reconhecimento da sociedade ao nosso trabalho”. Igualmente agradecida ficou a supervisora de enfermagem Franciele Santino, da Santa Casa de Misericórdia de Maringá. “Estamos passando por um período difícil, mas é gratificante e temos um sentimento maravilhoso quando recebemos uma homenagem como esta”, destacou.

Importância - Já os colaboradores da cooperativa fizeram questão de enaltecer a importância do trabalho dos profissionais da saúde. A assistente administrativa da agência Cianorte Centro, Ana Carolina Silva, perdeu o sogro, vítima de complicações da Covid, e fez questão sua manifestar gratidão e respeito. O gerente de negócios agro João Vitor Marques Rosa também perdeu o sogro, que faleceu depois de 25 dias de internação. Ele conta que os profissionais foram atenciosos, fizeram orações com o sogro e videochamada com a família. “Agradeço o empenho e a dedicação de todos que estão trabalhando em hospitais e unidades de saúde. Eles se desgastam e trabalham muito em prol da saúde da população”.

Vídeo - Um vídeo veiculado nas redes sociais mostra as homenagens para os profissionais de saúde e pode ser conferido na conta da Sicredi União PR/SP no YouTube. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

ZARC: Mapa publica zoneamento agrícola da soja para safra 2021/2022

zarc 13 04 2021Foram publicadas no Diário Oficial da União desta quarta-feira (12/05) as portarias de Nº 110 a 125 com o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), ano-safra 2021/2022, para o cultivo da soja. Nesta publicação, as unidades da federação contempladas foram: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Maranhão, Piauí, Acre, Pará, Rondônia, Tocantins, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Temperaturas - A soja adapta-se melhor a temperaturas do ar entre 20ºC e 30ºC. A temperatura ideal para seu crescimento e desenvolvimento está em torno de 30ºC. A faixa de temperatura do solo adequada para semeadura varia de 20ºC a 30ºC, sendo 25ºC a temperatura ideal para uma emergência rápida e uniforme.

Zarc - O zoneamento tem o objetivo de reduzir os riscos relacionados aos problemas climáticos e permite ao produtor identificar a melhor época para plantar, levando em conta a região do país, a cultura e os diferentes tipos de solos.

Modelo - O modelo agrometeorológico considera elementos que influenciam diretamente no desenvolvimento da produção agrícola como temperatura, chuvas, umidade relativa do ar, ocorrência de geadas, água disponível nos solos, demanda hídrica das culturas e elementos geográficos (altitude, latitude e longitude).

Risco fitossanitário - Complementarmente, no zoneamento da soja, também é considerado o risco fitossanitário causado pela ferrugem asiática da soja, pois o Zarc leva em conta as recomendações de instituições de pesquisa e órgãos estaduais sobre medidas de manejo que incluem o período de vazio sanitário e o calendário de plantio.

Recomendações - Os agricultores que seguem as recomendações do Zarc estão menos sujeitos aos riscos climáticos e ainda poderão ser beneficiados pelo Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e pelo Programa de Subvenção ao prêmio do Seguro Rural (PSR). Muitos agentes financeiros só liberam o crédito rural para cultivos em áreas zoneadas.

Aplicativo Plantio Certo - Produtores rurais e outros agentes do agronegócio podem acessar por meio de tablets e smartphones, de forma mais prática, as informações oficiais do Zarc, facilitando a orientação quanto aos programas de política agrícola do governo federal. O aplicativo móvel Zarc Plantio Certo, desenvolvido pela Embrapa Informática Agropecuária (Campinas/SP), está disponível nas lojas de aplicativos: iOS e Android.

Plataforma - Os resultados do Zarc também podem ser consultados e baixados por meio da plataforma “Painel de Indicação de Riscos”. (Mapa)

 

CONAB: Produção de grãos tem previsão de aumento de 5,7%, chegando a 271,7 milhões de toneladas

conab 13 05 2021A produção nacional de grãos está estimada em 271,7 milhões de toneladas, com um aumento de 5,7% ou 14,7 milhões de toneladas superior ao produzido em 2019/20. A posição histórica deve-se à produção recorde da soja e aumento estimado do milho total. O resultado é do 8º levantamento da safra 2020/2021 de grãos, divulgado nesta quarta-feira (12/05), pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Situação - A situação das culturas de primeira safra, com exceção do milho e arroz, está no encerramento da colheita. Para as de segunda safra, caso do feijão, predominam os estádios de floração e enchimento de grãos. Já quanto ao milho segunda safra, em face do atraso na semeadura, mas com um percentual significativo de desenvolvimento vegetativo e floração, a cultura dependerá das condições climáticas. Já no caso das culturas de inverno, o plantio se intensifica este mês, mas dependerá do volume das precipitações.

Redução - Mesmo com um volume ainda recorde, em comparação com a estimativa do mês passado, nota-se uma redução de 2,1 milhões de toneladas. A redução deve-se, sobretudo, ao retardamento da colheita da soja e, como consequência, o plantio de grande parte da área do milho segunda safra fora da janela ideal, aliado à baixa ocorrência de chuvas. Portanto, já há redução na produtividade esperada do cereal.

Área - A previsão para área plantada é de crescimento de 4,1% ou 2,7 milhões de hectares, alcançando 68,6 milhões de hectares. Os destaques são para a soja, com aumento de 4,2% ou 1,6 milhão de hectares, e para o milho segunda safra com ganho de 8,8%, correspondendo a 1,2 milhão de hectares.

Destaque - A soja mantém o seu destaque, com uma produção recorde estimada em 135,4 milhões de toneladas, 8,5% ou 10,6 milhões de toneladas superior à da safra 2019/20. O Brasil assegura o título de maior produtor mundial da leguminosa.

Milho - Para o milho, cuja produção total está estimada em 106,4 milhões de toneladas, o crescimento é de 3,7% sobre a produção de 2019/20. São produzidas 24,7 milhões de toneladas na primeira safra, com previsão de 79,8 milhões na segunda safra e 1,9 milhão na terceira safra.

Demais grãos - Para os demais grãos, alguns aumentaram a produção. O algodão tem um total estimado em 6 milhões de toneladas para o caroço, correspondendo a 2,4 milhões de toneladas de pluma. Já o arroz marca 11,6 milhões de toneladas, com aumento de 3,9% frente ao volume produzido na safra anterior. Desses, 10,7 milhões de toneladas provêm de cultivos irrigados e 900 mil toneladas do sistema de sequeiro. O feijão reduz 3,6% no acumulado das três safras, totalizando 3,1 milhões de toneladas. E para o amendoim, há um crescimento de 7,1% na produção em comparação com a obtida em 2019/20, alcançando cerca de 597 mil toneladas.

Culturas de inverno - As culturas de inverno (aveia, canola, centeio, cevada, trigo e triticale) estão em início de plantio. Especificamente para o trigo, estimativas preliminares indicam uma área de 2,5 milhões de hectares e produção de 6,6 milhões de toneladas.

Mercado - Algodão em pluma segue com cenário positivo no mercado internacional. As exportações no acumulado de janeiro a abril de 2021 aumentaram 28% em relação ao mesmo período do ano anterior. Em relação ao milho, mesmo com embarques ainda lentos, a demanda no cenário externo aponta para uma previsão de 35 milhões de toneladas exportadas na safra atual, valor praticamente igual ao que foi observado para a safra 2019/2020. Quanto à soja, a Conab estima a venda de 85,6 milhões de toneladas para fora do país, aumento de 3,3% em relação ao último ano. Confirmada a previsão, será um recorde da série histórica. Por fim, para o arroz, as exportações em abril estão em ritmo 14% menor, quando comparado com o mesmo mês do ano passado. No acumulado até abril também observa-se a queda de 19% no volume exportado, devido à pouca disponibilidade do produto no início do ano. Destaca-se, no entanto, que a Conab elevou as projeções de exportações neste mês para 1,3 milhão de toneladas, devido ao aumento da produtividade da safra 2021 do arroz divulgada no levantamento desta quarta-feira (12/05). (Conab)

Confira aqui o Boletim do 8º Levantamento – Safra 2020/21.

FOTO: Banco de imagens CNH

 

IBGE: Estimativa de abril prevê safra recorde de 264,5 milhões de toneladas para 2021

ibge 13 05 2021A safra brasileira de grãos, cereais e leguminosas deve atingir o recorde de 264,5 milhões de toneladas em 2021, de acordo com a estimativa de abril do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado nesta quarta-feira (12/05) pelo IBGE. Com isso, a produção deve superar em 4,1% a de 2020, que somou 254,1 milhões de toneladas.

Menor - Apesar do recorde, a estimativa de abril para a safra de 2021 é 0,2% menor do que a que foi feita em março. Isso representa 409,9 mil toneladas a menos. “É a primeira vez que temos queda na estimativa mensal neste ano. Isso ocorreu porque há três safras no Brasil e houve atraso no plantio da primeira safra, conhecida como safra verão ou ‘das águas’. Isso atrasou a colheita da soja e, consequentemente, o plantio da segunda safra”, explica o gerente da pesquisa, Carlos Barradas.

Chuvas mais restritas - De acordo com o pesquisador, na segunda safra ou a “safra das secas”, as chuvas são mais restritas. “Essa safra, consequentemente, foi plantada tardiamente. Há uma condição de insegurança climática maior e está faltando chuva. Então o que está caindo é a produção da segunda safra”.

Principais grãos - O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos do grupo de grãos, cereais e leguminosas e, somados, representam 92,9% da produção. Outro recorde é esperado na safra da soja, que deve chegar a 131,9 milhões de toneladas. É uma alta de 8,6%, ou 10,4 milhões de toneladas, na comparação com o ano anterior. “Quase toda a produção da soja foi colhida na safra verão. Até faltou um pouco de chuva, mas a partir de dezembro as chuvas voltaram e houve uma boa produtividade”, diz Barradas.

Declínio - Enquanto se espera uma produção maior da soja, o milho sofre declínios. A estimativa da produção desse grão caiu 0,5% em relação à feita no mês anterior e deve chegar a 102,5 milhões de toneladas. Apesar dos aumentos de 5,6% na área plantada e de 5,9% na área a ser colhida, a safra deve ser 0,7% menor do que no ano anterior.

Atraso - “Como a colheita da soja atrasou, consequentemente, o plantio da segunda safra do milho também atrasou. É ela que está no campo agora e, como está faltando chuva, as estimativas estão caindo. Só no Paraná, em relação ao mês anterior, houve uma queda na estimativa de produção da segunda safra do milho de 8,6%, o que representa 1,2 milhão de toneladas”, afirma o pesquisador.

Batata-inglesa - Por outro lado, a estimativa da batata-inglesa aumentou 5,7% em relação a março. Considerando as três safras, a produção deve chegar a 3,9 milhões de toneladas. “Há um aumento de 15,1% na primeira safra em relação ao ano anterior. É uma cultura que varia muito com o preço. Se o preço aumenta, os produtores plantam mais. Foi o que aconteceu na primeira safra, que teve uma boa produção”, diz Barradas.

Café - Já o café deve ter sua produção reduzida em 24,3% frente ao ano passado, chegando a 2,8 milhões de toneladas. “No Brasil, há dois tipos de café. Um é o arábica, que representa 75% da safra, e o outro é o canephora ou conillon, que representa 25%. E há no cafeeiro do tipo arábico a bienalidade, ou seja, quando em um ano a produção é muito boa, no ano seguinte ela é menor, devido à exaustão das plantas. No ano passado, tivemos um recorde de produção de café arábica, então esse declínio é esperado, porque é próprio da fisiologia da planta”, explica.

Cana-de-açúcar - A cana-de-açúcar teve sua produção estimada em 654,7 milhões de toneladas, uma redução de 2,1% em relação à estimativa de março. Já em comparação à produção de 2020, a queda é de 3,4%. Isso representa 23,2 milhões toneladas a menos.

Produção do Centro-Oeste deve cair 0,7% em 2021 - Regionalmente, o Sul (11,7%), Sudeste (6,0%), Norte (1,3%) e Nordeste (4,1%) tiveram acréscimos em suas estimativas. A produção do Sul deve chegar a 81,6 milhões de toneladas, o que equivale a 30,9% do total do país e a do Sudeste, 27,3 milhões de toneladas (10,3% do total). O Nordeste deve produzir 23,5 milhões (8,9% do total) e o Norte, 11,1 milhões (4,2% do total). Já o Centro-Oeste deve produzir 120,9 milhões de toneladas em 2021 (45,7%), com a queda de 0,7% em sua estimativa.

Unidades da Federação - Entre as unidades da Federação, o Mato Grosso lidera, com uma participação de 27,2% na produção total do país, seguido pelo Paraná (15,3%), Rio Grande do Sul (13,4%), Goiás (9,8%), Mato Grosso do Sul (8,3%) e Minas Gerais (6,4%), que, somados, representaram 80,4% do total nacional.

Mês anterior - Em relação ao mês anterior, as produções de São Paulo (623,6 mil toneladas), Goiás (237,9 mil toneladas), Ceará (116,4 mil toneladas), Bahia (51,2 mil toneladas), Pernambuco (17,4 mil toneladas), Acre (8,8 mil toneladas), Minas Gerais (5,5 mil toneladas), Alagoas (3,1 mil toneladas), Espírito Santo (621 toneladas) e Rio de Janeiro (11 toneladas) tiveram alta na estimativa. Enquanto Paraná (-1,4 milhão de toneladas), Piauí (-13,2 mil toneladas), Amapá (-13,1 mil toneladas), Maranhão (-1,6 mil toneladas) e Rio Grande do Norte (- 1,6 mil toneladas) tiveram queda.

Mais sobre o LSPA - Implantado em novembro de 1972 com o propósito de atender às demandas de usuários por informações estatísticas conjunturais mensais, o LSPA fornece estimativas de área plantada, área colhida, quantidade produzida e rendimento médio de produtos selecionados com base em critérios de importância econômica e social para o país. Ele permite não só o acompanhamento de cada cultura investigada, desde a fase de intenção de plantio até o final da colheita, no ano civil de referência, como também o prognóstico da safra do ano seguinte, para o qual é realizado o levantamento nos meses de outubro, novembro e dezembro. Acesse os dados no Sidra. (Agência IBGE de Notícias)

FOTO: Jaelson Lucas / AEN-PR

 

CAR: Mapa disponibiliza aos estados plataforma para análise dos dados do Cadastro Ambiental Rural

car 13 05 2021O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) irá lançar nesta quinta-feira (13/05) o módulo de Análise Dinamizada do Cadastro Ambiental Rural - AnalisaCAR. A ferramenta tecnológica será disponibilizada aos estados para otimizar a verificação dos dados declarados no CAR.

Evento - O evento de lançamento do módulo da Análise Dinamizada será realizado na sede do Ministério da Agricultura a partir das 15h, e será transmitido pelo canal do Youtube do Mapa. Além da Ministra Tereza Cristina, estarão presentes o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Caio Andrade; o diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro, Pedro Neto; o presidente da CNA, João Martins, e o governador do Amapá, Waldez Goés. (Mapa)

SERVIÇO

Lançamento do módulo de Análise Dinamizada do Cadastro Ambiental Rural

Data: 13/05/2021

Horário: 15h

Transmissão pelo canal do Youtube do Mapa, no link http://bit.ly/car-dinamizado

 

TECNOLOGIA: Brasil inaugura primeira antena rural para a internet 5G

tecnologia 13 05 2021O Brasil já tem instalada a sua primeira antena rural destinada à quinta geração de internet (5G). A tecnologia funcionará, ainda em caráter experimental, na fazenda modelo do Instituto Mato-Grossense de Algodão (IMAmt), em Rondonópolis (MT). A expectativa é que, no futuro, quando esse tipo de conexão for disponibilizado em larga escala, ajude o produtor brasileiro a reduzir custos e ganhar produtividade, com o auxílio de drones, chips e GPS [sistema de posicionamento global].

Possibilidades - Ao conectar objetos do cotidiano – como eletrodomésticos, smartphones, roupas e automóveis – à internet (e entre si), essa tecnologia permitirá até mesmo a realização de procedimentos médicos delicados a distância, além de sistemas de direção automática de carros e as mais diversas tecnologias de automação e inteligência artificial, inclusive para a agricultura, a indústria e as cidades.

Agricultura - No caso da agricultura, ela possibilitará, entre outras possibilidades, a transmissão em tempo real de imagens em alta definição de plantações para acompanhamento a distância de uma equipe técnica. Máquinas como tratores poderão funcionar de forma mais autônoma. Além disso, informações precisas sobre o comportamento e a saúde de animais poderão ser obtidas de forma bem mais detalhada, bem como sobre as condições climáticas.

Redução de custos e de perdas - De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a digitalização do agronegócio reforçará o papel do Brasil como “protagonista no cenário mundial de produção de alimentos a partir da redução de custos e diminuição de perdas na produção”, levando, inclusive, cidadania, conhecimento e oportunidades aos produtores rurais de áreas remotas.

Monitoramento - Em nota, o Ministério da Agricultura explicou que o monitoramento remoto, a partir de sensores, permite a medição da temperatura e a avaliação das condições hídricas imediatas na plantação. “Em simulação, foi possível acionar a irrigação em determinada área mesmo a quilômetros de distância”, acrescentou.

Leilão - Durante a inauguração da antena, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, disse que o leilão das frequências de operação da nova geração de internet móvel trará “melhoria no social, ambiental e na produtividade do agro brasileiro”.

Revolução - Também presente na inauguração, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, disse que, assim como a quarta geração de internet (4G) revolucionou a vida das pessoas, o 5G vai revolucionar as indústrias. “Para o agronegócio, será um avanço gigantesco. O 5G vai fazer o nosso agro crescer 20% em média”, finalizou. (Agência Brasil)

FOTO: Guilherme Martimon / Mapa

 

INFRAESTRUTURA: Técnicos dos governos estadual e federal discutem projetos ferroviários no Paraná

infraestrutura 13 05 2021Em um encontro na terça-feira (11/05), executivos da GT Ferrovias, da Rumo Logística e uma comitiva do governo federal, formada por integrantes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), do Ministério de Infraestrutura e Ministério da Economia, discutiram os planos de ampliação e modernização da malha ferroviária do Paraná. O encontro aconteceu na sede da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), em Curitiba.

Pauta - Estiveram na pauta a Nova Ferroeste e a renovação da Malha Sul, sob responsabilidade da Rumo Logística.

Extensão - A Nova Ferroeste deve passar por 49 cidades do Paraná e ligar o município de Maracaju, no Mato Grosso do Sul, ao Porto de Paranaguá. Serão 1.285 quilômetros de extensão de uma nova malha ferroviária desenvolvida para escoar a produção dos dois estados, o Corredor Oeste de Exportação. Somente em 2020, foram movimentadas pela malha ferroviária paranaense 1,38 milhão de toneladas de produtos, 21,3% a mais que em 2019, a maior parte açúcar, soja e milho. A Nova Ferroeste terá capacidade de transportar 38 milhões de toneladas por ano.

Concessão - Já a concessão de uso de parte da atual ferrovia pertence à empresa Rumo Logística, que tem autorização para operar até 2027. A empresa pretende antecipar a renovação da concessão. Para isso, realiza estudos de revitalização da chamada Malha Sul, que compreende os três estados do sul, com 7.223 quilômetros de extensão.

Movimentação - O Ministério de Infraestrutura prevê que nos próximos 10 anos 30% da produção agrícola e industrial seja movimentada por ferrovias. "O Ministério tem acompanhado todo projeto, todo investimento no setor de ferrovias, de maneira bem próxima. Queremos ter resultados que coloquem o Brasil como líder na América Latina nesse segmento", explicou André Ludolfo, coordenador de Outorgas Ferroviárias do Ministério de Infraestrutura.

Novas fronteiras - A execução dos dois projetos, em especial a Nova Ferroeste, vai abrir novas fronteiras e investidores, e gerar outros corredores de negócio. "A gente vem trabalhando um pouco na parte técnica em si, em cada um dos dois projetos, e ao mesmo tempo tentando enxergar a visão externa, do possível investidor de cada projeto e tentando unir tudo isso num objetivo maior melhorando para todos essa infraestrutura", resumiu a assistente técnica do Ministério da Economia, Maryane Araújo.

Grupo - Em junho de 2020, a publicação do decreto estadual nº 5.076/2020, previu a criação de um grupo de trabalho que visa a elaboração de um Plano Estadual Ferroviário designado a propor diretrizes para a desestatização e o desenvolvimento sustentável dos serviços de transporte ferroviário. A equipe é composta por representantes de cinco secretarias do Governo do Paraná, podendo consultar ou estabelecer acordos com outras unidades da federação e com o governo federal.

Avanço - A importância em avançar nos dois projetos foi destacada pelo coordenador do Grupo de Trabalho do Plano Estadual Ferroviário, Luiz Henrique Fagundes. "Sem uma ferrovia moderna, que possa atingir o estado como um todo, e o Mato Grosso do Sul e mesmo o Paraguai, a gente pode estar comprometendo seriamente o futuro", disse. Segundo ele, o Governo do Estado foi convidado a participar das discussões técnicas da renovação antecipada da Malha Sul.

Mudança - Uma das principais mudanças é a combinação de distâncias entre os trilhos, chamadas de bitolas, que permite o transporte de cargas mais pesadas, como o carregamento de dois contêineres, um em cima do outro (double stack). Essa transição do modal ferroviário vai atender melhor a demanda de escoamento de cada uma das regiões do Estado e reduzir o custo logístico.

Escolha - "A Rumo olha para o Paraná como um dos grandes estados para seus investimentos estratégicos a longo prazo. O Estado tem demonstrado um altíssimo gabarito técnico", disse o representante da Rumo Logística, Danilo Veras.

Competitividade - "Uma ferrovia de baixo custo operacional e alta capacidade de transporte vai fazer com que o produtor e a indústria do Paraná possam ser mais competitivos", destacou João Arthur Mohr, gerente de Assuntos Estruturais da Fiep.

Paranaguá - Uma equipe formada por engenheiros e economistas da Secretaria de Estado do Planejamento e Projetos Estruturantes acompanhou a comitiva do Distrito Federal no Porto de Paranaguá para conhecer o Terminal de Contêineres e avaliar locais para a futura instalação de um terminal ferroviário de carga no município.

Sinergia - Para Anderson Murbach, assessor técnico do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes, a iniciativa privada e o poder público devem trabalhar juntos no planejamento dessa nova ferrovia. "A ideia é a sinergia entre todos os órgãos, junto com as prefeituras e criar um projeto que atenda melhor a todos", afirmou.

Área de influência - O caminho a ser seguido pelos trens entre Maracaju e Paranaguá, de acordo com os estudos, terá influência direta em 425 municípios (925 indiretamente) dos três estados brasileiros: Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul. A área representa cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) do País, estimado em R$ 206 bilhões.

Alcance - O alcance chega ao Paraguai (114 municípios e 39% da população) e Argentina (38 municípios e 1,2% da população). No total, terá impacto em 9 milhões de pessoas.

Estudos de viabilidade - A previsão é de que os estudos de viabilidade da Nova Ferroeste sejam finalizados em setembro e os de impacto ambiental sejam concluídos em novembro. A expectativa é colocar a ferrovia em leilão na Bolsa de Valores do Brasil (B3), com sede em São Paulo, logo na sequência. O consórcio ou empresa que vencer será responsável pelas obras. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: GT Ferrovias

 

CÂMBIO: Inflação nos EUA faz dólar subir e ultrapassar R$ 5,30

cambio 11 05 2021O aumento na inflação dos Estados Unidos provocou impactos no mercado financeiro em todo o planeta nesta quarta-feira (12/05). O dólar reverteu a queda dos últimos dias e voltou a ficar acima de R$ 5,30, e a bolsa de valores retornou aos 119 mil pontos e teve o pior desempenho diário desde março.

Cotação - O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,306, com alta de R$ 0,083 (+1,58%). A moeda norte-americana chegou a operar em queda durante a maior parte da manhã, mas reverteu o movimento por volta das 12h, quando foi divulgada a inflação norte-americana em abril. Apesar da alta de hoje, a divisa acumula queda de 2,33% em maio e valorização de 2,25% em 2021.

Ações - A tensão no câmbio também repetiu-se no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 119.710 pontos, com recuo de 2,65%. O indicador, que ontem tinha encostado em 123 mil pontos, teve a maior queda para um dia desde 8 de março.

Wall Street - A bolsa foi influenciada por Wall Street, onde os principais índices encerraram em forte queda. O Dow Jones, das empresas industriais, caiu 1,99%; o Nasdaq, das empresas de tecnologia, recuou 2,67%; e o S&P 500, das 500 maiores empresas, perdeu 2,15% nesta quarta.

Inflação - A inflação norte-americana em abril somou 0,8%, o maior resultado para o mês em 12 anos. O número veio acima das expectativas do mercado, que previa, em média, inflação de 0,2%.

Juros - Apesar de o nível de emprego nos Estados Unidos estar reagindo menos que o esperado, o repique da inflação aumentou as apostas de que o Federal Reserve (Banco Central norte-americano) começará a reajustar os juros básicos da maior economia do planeta antes de dezembro de 2022. Desde o ano passado, a taxa está numa faixa entre 0% e 0,25% ao ano, por causa do impacto econômico provocado pela pandemia de covid-19. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO: Pixabay

 

CÂMARA: Aprovado texto-base do projeto sobre licenciamento ambiental; votação continua nesta quinta

camara neri 13 05 2021A Câmara dos Deputados aprovou, por 300 votos a 122, o texto-base do projeto de lei do licenciamento ambiental (PL 3729/04), que estabelece regras gerais desse procedimento a serem seguidas por todos os órgãos licenciadores, como prazos de vigência, tipos de licenças e empreendimentos dispensados de obtê-la.

Destaques - A análise dos destaques apresentados pelos partidos ficou para esta quinta-feira (13/05), em sessão marcada para às 10 horas.

Substitutivo - De acordo com o substitutivo do deputado Neri Geller (PP-MT), não precisarão de licença ambiental obras de saneamento básico, de manutenção em estradas e portos, de distribuição de energia elétrica com baixa tensão, obras que sejam consideradas de porte insignificante pela autoridade licenciadora ou que não estejam listadas entre aquelas para as quais será exigido licenciamento.

Licença única - O texto cria ainda a licença única para simplificar o procedimento e permite a junção de licenças prévias com a de instalação, por exemplo. “O estado que tiver legislação mais rígida não vai mudá-la. É uma questão de bom senso. O projeto dá segurança jurídica para evitar questionamentos pela falta de uma norma geral”, afirmou Geller.

Burocracia - Para o relator, a dispensa de licença de empreendimentos de utilidade pública ou interesse social evita “uma cega burocracia, seja por ausência de impacto, seja por regulamentação específica em outras legislações”.

Saneamento - No caso do saneamento, a dispensa engloba desde a captação de água até as ligações prediais e as instalações operacionais de coleta, transporte e tratamento de esgoto.

Procedimentos - Ainda sobre o saneamento básico, o texto determina o uso de procedimentos simplificados e prioridade na análise, inclusive com dispensa de Estudo de Impacto Ambiental (EIA).

Atividades agropecuárias - De igual forma, o substitutivo dispensa de licenciamento ambiental certas atividades agropecuárias se a propriedade estiver regular no Cadastro Ambiental Rural (CAR), se estiver em processo de regularização ou se tenha firmado termo de compromisso para recompor vegetação suprimida ilegalmente. Nesse caso se incluem:

- cultivo de espécies de interesse agrícola, temporárias, semiperenes e perenes;

- pecuária extensiva e semi-intensiva;

- pecuária intensiva de pequeno porte; e

- pesquisa de natureza agropecuária que não implique risco biológico.

Obrigações - Entretanto, a ausência de licença para essas atividades não dispensa a licença para desmatamento de vegetação nativa ou uso de recursos hídricos. O produtor terá também de cumprir as obrigações de uso alternativo do solo previstas na legislação ou nos planos de manejo de unidades de conservação.

Mineração - Quanto à mineração de grande porte e/ou alto risco, o texto determina a obediência a normas do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) até lei específica tratar do tema.

Barragens - Mas barragens de pequeno porte para fins de irrigação são consideradas de utilidade pública para fins de listagem do que estará sujeito a licenciamento.

Duplicação de rodovias - No licenciamento ambiental de serviços e obras de duplicação de rodovias ou pavimentação naquelas já existentes ou em faixas de domínio, deverá ser emitida a Licença por Adesão e Compromisso (LAC). Essa licença valera também para o caso de ampliação ou instalação de linhas de transmissão nas faixas de domínio.

Degradação - A atividade, no entanto, não deve ser potencialmente causadora de “significativa degradação do meio ambiente”.

Amostragem - Outros casos de LAC deverão ser definidos em ato do órgão ambiental nos termos da Lei Complementar 140/11, que fixou normas para o exercício da competência concorrente entre União, estados e municípios sobre legislação relativa ao meio ambiente e sua fiscalização.

Relatório - Para obter a licença, o empreendedor deverá apresentar um relatório de caracterização do empreendimento (RCE), cujas informações devem ser conferidas e analisadas por amostragem, incluindo a realização de vistorias também por amostragem.

Renovação automática - O texto permite ainda a renovação automática da licença ambiental a partir de declaração on-line do empreendedor na qual ateste o atendimento da legislação ambiental e das características e porte do empreendimento, além das condicionantes ambientais aplicáveis.

Validade - Se o requerimento for pedido com antecedência mínima de 120 dias do fim da licença original, o prazo de validade será automaticamente prorrogado até a manifestação definitiva da autoridade licenciadora.

Impacto não significativo - O texto cria o procedimento simplificado e o procedimento corretivo. No primeiro, pode ocorrer a fusão de duas licenças em uma (prévia e de instalação, por exemplo); ou mesmo a concessão de uma licença de adesão e compromisso com menos exigências.

Definição - O uso desses procedimentos será definido pelos órgãos ambientais por meio do enquadramento da atividade ou empreendimento em critérios de localização, natureza, porte e potencial poluidor.

Exigências dispensadas - Quando a autoridade licenciadora considerar que a atividade ou empreendimento não é potencialmente causador de significativa degradação do meio ambiente, não será exigido Estudo de Impacto Ambiental (EIA) ou Relatório de Impacto no Meio Ambiente (Rima). Nesse caso, a licença a ser concedida é a de adesão e compromisso.

Adesão e compromisso - Uma das atividades que poderá ser licenciada com adesão e compromisso é a pecuária intensiva de médio porte.

Licença corretiva - O PL 3729/04 regula o licenciamento ambiental corretivo (LOC) para atividade ou empreendimento que esteja operando sem licença ambiental válida no momento da publicação da futura lei.

Termo - Esse tipo de licenciamento poderá ser por adesão e compromisso. Se isso não for considerado possível pelo órgão ambiental, o empreendedor deverá assinar termo de compromisso coerente com documentos exigíveis para o licenciamento, como o relatório de controle ambiental (RCA) e o plano de controle ambiental (PBA).

Possibilidade - Se a LOC for solicitada espontaneamente e após o cumprimento de todas exigências necessárias, o crime de falta de licença será extinto.

Utilidade pública - Regulamento Quanto à LOC para atividade ou empreendimento de utilidade pública, um regulamento próprio definirá o rito de regularização.

Infraestrutura - Para empreendimentos de transporte ferroviário e rodoviário, linhas de transmissão e de distribuição e cabos de fibra ótica, o texto permite a concessão de licença de instalação (LI) associada a condicionantes que viabilizem o início da operação logo após o término da instalação.

Minerodutos - A critério do órgão ambiental, isso poderá ser aplicado ainda a minerodutos, gasodutos e oleodutos.

Mudanças - Mudanças no empreendimento ou atividade que não aumentem o impacto ambiental negativo avaliado em etapas anteriores não precisam de manifestação ou autorização da autoridade licenciadora.

Licença única - O projeto cria ainda a licença ambiental única (LAU), por meio da qual, em uma única etapa, são analisadas a instalação, a ampliação e a operação de atividade ou empreendimento, além de condicionantes ambientais, inclusive para a sua desativação.

Prazos - Quanto aos prazos, a licença prévia (LP) deve ter validade de 3 a 6 anos, assim como a licença de instalação (LI) e a LP associada à LI.

Validade - Para a LI emitida junto à licença de operação (LO), para a licença de operação corretiva (LOC) e para a LAU, a validade será de um mínimo de 5 anos e um máximo de 10 anos, ajustados ao tempo de finalização do empreendimento se ele for inferior. Essas licenças não poderão ser por período indeterminado. (Agência Câmara de Notícias)

FOTO: Pablo Valadares / Câmara dos Deputados

 

SAÚDE I: Brasil registra 76.692 casos e 2.494 mortes

O número de casos de pessoas infectadas com o novo coronavírus subiu para 15.359.397. Em 24 horas, as autoridades de saúde confirmaram 76.692 novos diagnósticos positivos da doença.

Acompanhamento - Segundo boletim do Ministério da Saúde divulgado nesta quarta-feira (12/05), 1.007.146 pessoas estão em acompanhamento. O termo é empregado para infectados com casos ativos de contaminação pelo novo coronavírus.

Mortes - Já o total de mortes em função da covid-19 subiu para 428.034. Entre terça e quarta-feira (11 e 12/05), foram acrescidas às novas estatísticas 2.494 novos óbitos.

Investigação - Ainda há 3.678 óbitos em investigação. Isso ocorre porque há casos em que um paciente morre, mas a causa segue sendo apurada após a declaração do óbito.

Recuperadas - O número de pessoas que se recuperaram da covid-19 desde o início da pandemia alcançou para 13.942.217. Isso equivale a 90,7% do total de pessoas que foram infectadas com o vírus.

Estados - O ranking de estados com mais mortes pela covid-19 é liderado por São Paulo (102.356). Em seguida vêm Rio de Janeiro (47.052), Minas Gerais (36.495), Rio Grande do Sul (26.318) e Paraná (24.074). Já na parte de baixo da lista, com menos vidas perdidas para a pandemia, estão Roraima (1.559), Amapá e Acre (1.601), Tocantins (2.668) e Alagoas (4.429).

Vacinação - Até o momento, foram distribuídos a estados e municípios 82,8 milhões de doses de vacinas contra a covid-19. Deste total, foram aplicadas 48,7 milhões de doses, sendo 33 milhões da 1ª dose e 15,7 milhões da 2ª dose. (Agência Brasil)

 

saude I tabela 13 05 2021

SAÚDE II: Paraná registra mais 5.065 casos e 101 óbitos pela Covid-19

saude II 13 05 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quarta-feira (12/05) mais 5.065 casos confirmados e 101 mortes pela Covid-19 no Paraná. Os números são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas. Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 991.895 casos confirmados e 23.930 óbitos. Há ajustes ao final do texto.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de janeiro (22), fevereiro (29), março (72), abril (316) e maio (4.560) de 2021, e dos seguintes meses de 2020: março (1), junho (3), julho (4), agosto (3), setembro (3), outubro (6), novembro (19) e dezembro (27).

Internados - O informe relata que 2.409 pacientes com diagnóstico confirmado estão internados. São 1.913 pacientes em leitos SUS (918 em UTI e 995 em enfermaria) e 496 em leitos da rede particular (277 em UTI e 219 em enfermaria).

Exames - Há outros 2.550 pacientes internados, 1.034 em leitos UTI e 1.516 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão na rede pública e rede particular e são considerados casos suspeitos.

Mortes - A Secretaria da Saúde informa a morte de mais 101 pacientes. São 46 mulheres e 55 homens, com idades que variam de 23 a 97 anos. Os óbitos ocorreram de 01 de janeiro a 12 de maio de 2021.

Municípios - Os pacientes que morreram residiam em Guarapuava (8), Maringá (7), São José dos Pinhais (6), Francisco Beltrão (4), Castro (3), Ibaiti (3), Joaquim Távora (3), Paiçandu (3), Pato Branco (3), Ponta Grossa (3), Sarandi (3), Altônia (2), Bandeirantes (2), Campo Largo (2), Dois Vizinhos (2), Iguaraçu (2), Imbaú (2), Londrina (2), Marialva (2), Umuarama (2) e União da Vitória (2).

Um óbito - A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Arapoti, Cambira, Campo Bonito, Carambeí, Carlópolis, Cornélio Procópio, Formosa do Oeste, Foz do Iguaçu, Irati, Itaipulândia, Ivaiporã, Mandaguaçu, Mandaguari, Mandirituba, Marilândia do Sul, Mariluz, Medianeira, Miraselva, Nova Olímpia, Palotina, Paranaguá, Peabiru, Pontal do Paraná, Reserva, Ribeirão do Pinhal, Santa Cruz de Monte Castelo, Santa Fé, Santa Helena, Santa Mariana, São João, São Pedro do Ivaí, Toledo, Tuneiras do Oeste, Ventania e Wenceslau Braz.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 5.750 casos de residentes de fora, sendo que 144 pessoas morreram.

Ajustes - Total de exclusão: 19 casos residente no Paraná. 19 óbitos residente no Paraná. 1 caso e 1 morte de fora.

Um caso e óbito confirmado (M,81) no dia 24/07/2020 em Curitiba foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (M,83) no dia 13/09/2020 em Pinhais foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,71) no dia 19/11/2020 em Araucária foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,81) no dia 06/12/2020 em Colombo foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (M,89) no dia 11/01/2021 em São José dos Pinhais foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,90) no dia 14/01/2021 em Alto Boa Vista/MT foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (M,80) no dia 22/01/2021 em Campo Largo foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,66) no dia 21/01/2021 em Campo Largo foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,79) no dia 24/01/2021 em Foz Do Iguacu foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,52) no dia 01/03/2021 em Curitiba foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,87) no dia 06/03/2021 em Mandaguari foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (M,75) no dia 09/03/2021 em Mandaguaçu foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,48) no dia 07/03/2021 em Foz do Iguaçu foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,72) no dia 17/03/2021 em Pinhais foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,52) no dia 23/03/2021 em Curitiba foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,72) no dia 05/04/2021 em Foz do Iguaçu foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,77) no dia 03/12/2020 em Curitiba foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,92) no dia 09/08/2020 em Curitiba foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,73) no dia 17/03/2021 em São José dos Pinhais foi excluído por erro de notificação;

Um caso e óbito confirmado (F,96) no dia 20/01/2021 em Curitiba foi excluído por erro de notificação. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo.

 

SAÚDE III: Paraná receberá mais 244,8 mil doses de vacinas contra a Covid-19

saude III 13 05 2021O Paraná vai receber do Ministério da Saúde mais 244,8 mil doses de vacinas contra a Covid-19. São 118 mil doses do imunizante Covishield, produzido pela AstraZeneca e Fiocruz, voltadas para completar o esquema vacinal (segunda dose) do público com idade entre 65 e 69 anos, e 126.800 doses da Coronavac, da parceria entre a Sinovac e o Instituto Butantan, que serão aplicadas em pessoas com comorbidades, com deficiência permanente, gestantes e puérperas.

Separação - Assim que os imunizantes chegarem ao Paraná, a Secretaria de Estado da Saúde fará a separação dos quantitativos que serão destinados às 22 Regionais de Saúde. “A distribuição será de acordo com as necessidades dos municípios, para que eles continuem a vacinação dos grupos prioritários. A ideia é ampliar cada vez mais o número de paranaenses imunizados”, afirma Maria Goretti David Lopes, diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da secretaria.

19ª remessa- Esta será a 19ª remessa distribuída entre as 27 unidades da federação pelo ministério, que ainda não divulgou as datas em que os imunizantes chegarão aos estados. O lote conta com 3,7 milhões de doses da Covishield e quase 2 milhões de doses da Coronavac. Desde o início da campanha de vacinação, em janeiro, já foram enviadas 82 milhões de vacinas a todo o País.

Municípios - Das que o Paraná recebeu, o Governo do Estado distribuiu entre os municípios 3,7 milhões de doses. O Estado atingiu na terça-feira (11/05) 3 milhões de doses aplicadas e a vacinação de 2 milhões de pessoas. De acordo com o Vacinômetro da Secretaria de Estado da Saúde, até as 15 horas desta quarta-feira, 2.049.581 paranaenses tinham recebido a primeira dose e 1.082.800 a segunda, com aplicação total de 3.132.381 doses dos imunizantes.

Vacinação - A pauta do Ministério da Saúde destaca que os imunizantes são para a continuidade da vacinação do grupo de pessoas com comorbidades, gestantes e puérperas e pessoas com deficiência permanente com idades entre 18 e 59 anos, além do complemento do esquema vacinal de grupos que já receberam a primeira dose.

Etapas - Entre os pacientes com comorbidades, o maior grupo prioritário do Estado, a vacinação foi dividida por etapas. Esta primeira fase contempla pessoas com Síndrome de Down, com doença renal crônica que estejam fazendo diálise, gestantes e puérperas com comorbidades, independente da idade. Também é voltada para pessoas com comorbidades com idade entre 55 e 59 anos e pessoas com deficiência permanente também nessa faixa etária.

Decisão - A pasta orienta, ainda, que os estados sigam a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de suspender temporariamente o uso da vacina Covishield (AstraZeneca/Fiocruz) para imunizar gestantes e puérperas, o que já está sendo atendido pelo Paraná. As outras vacinas (Coronavac e a da Pfizer/BioNtech) podem continuar sendo aplicadas nesses grupos. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Geraldo Bubniak / AEN

 


Versão para impressão


RODAPE