Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5073 | 19 de Maio de 2021

PLANO SAFRA: OCB reforça importância da aprovação imediata do PLN 4/21 em reunião promovida pela FPA

plano safra 19 05 2021A Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) participou, nesta terça-feira (18/05), de reunião da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) para tratar sobre a aprovação do Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) 4/21, que libera recursos de investimentos para o Plano Safra 2020/21. Estiveram presentes parlamentares e representantes do Ministério da Economia.

Aprovação imediata - No encontro, a OCB reforçou a importância da aprovação imediata do PLN 4/21, visto a suspensão das operações de crédito rural pelo Tesouro Nacional.

Votação - Os parlamentares acreditam que a votação deve acontecer ainda nesta semana, em uma sessão conjunta da Câmara e Senado em que seriam votados os vetos ao orçamento e, em seguida, o PLN 4/21. Para isso, os acordos entre as lideranças partidárias ainda estão em negociação.

Contato - A OCB seguirá em contato com os parlamentares e entidades do setor agro, acompanhando de perto os debates. A entidade reforçou também a importância das Unidades Estaduais e cooperativas continuarem mobilizando seus parlamentares para a votação. (OCB)

FOTO: Agência FPA

 

TRANSPORTE DE CARGAS: Governo lança programa para caminhoneiros

economia II 19 05 2021O governo federal lançou nesta terça-feira (18/05) o programa Gigantes do Asfalto, voltado ao setor de transporte de cargas, especialmente aos caminhoneiros autônomos. Em evento no Palácio do Planalto, com a participação do presidente Jair Bolsonaro e de ministros, foram assinados dois decretos e duas medidas provisórias (MPs). Tanto os decretos quanto as MPs serão publicados nesta quarta-feira (19/05), no Diário Oficial da União.

DTe - Entre as novidades, está a criação, por meio de MP, do Documento de Transporte Eletrônico (DTe), que digitaliza e unifica dezenas de documentos atualmente exigidos dos transportadores de carga. O governo também promoveu alterações legais para permitir a criação de um modelo de antecipação dos valores a receber pelo serviço de frete (antecipação de recebíveis), no qual o caminhoneiro autônomo poderá escolher a menor taxa de desconto a ser contratada por meio de agentes financeiros, como o sistema bancário.

Burocracia - "Estamos hoje lançando o futuro, o Documento de Transporte Eletrônico, que vai condensar até 90 documentos de transporte. Imagina que hoje, para fazer uma viagem, são inúmeros documentos. E muitas vezes esses documentos devem estar impressos em papel. Olha o nível do nosso atraso", disse o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, durante o lançamento do programa. Segundo ele, atualmente os caminhoneiros gastam uma média de seis horas durante as viagens apenas para lidar com a burocracia do setor.

Experimental - Segundo o Ministério da Infraestrutura, o Documento de Transporte Eletrônico começará a funcionar em caráter experimental a partir de julho, de forma não obrigatória, em determinadas rotas e com cargas de granel sólido vegetal. A expectativa é que no primeiro semestre de 2022 a operação comece a ser obrigatória para o transporte de cargas.

Recebíveis - A mesma MP também regulamenta a antecipação de recebíveis pelos caminhoneiros em instituições financeiras. Atualmente, no caso dos motoristas autônomos, eles dependem de atravessadores financeiros apenas para descontar o valor do frete e antecipar o pagamento, o que equivale a cerca de 40% dos custos. Isso ocorre porque o prazo de pagamento dos embarcadores (donos da carga) costuma variar entre 30 e 90 dias. Esse prazo é mais facilmente suportável pelas grandes empresas transportadoras, mas se torna inviável para os caminhoneiros autônomos.

Intermediário - "Nós atacamos o intermediário, aquela parte que leva 40% só para transacionar", afirmou o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, que ajudou a desenvolver a medida. Segundo ele, de tudo o que o caminhoneiro recebe, 40% vão para o intermediário, 47% são custos e somente 13% ficam com o motorista. Com a mudança, o caminhoneiro poderá contratar diretamente com o embarcador e descontar o valor do frete em uma instituição financeira, na forma de um deságio (título vendido por um valor menor do que o nominal).

Ganho líquido - "Nós estamos falando em um ganho líquido de renda para o caminhoneiro acima de 10%, entre 15% e 20%", disse o secretário, sobre as previsões de aumento de renda para os trabalhadores do setor.

Nova modalidade - Para estimular a medida, a Caixa Econômica Federal anunciou a criação de uma nova modalidade de antecipação de recebíveis do frete, que será lançada no final de junho. Segundo o banco, a adesão ao limite de crédito pelo transportador e embarcador será simplificada e o pagamento antecipado será feito diretamente e sem custos ao caminhoneiro.

Pontapé inicial - "A Caixa Econômica dando o pontapé inicial, acredito que o mercado financeiro vai aumentar a concorrência para atrair esse serviço. Estamos de um mercado de frete estimado em cerca R$ 120 bilhões", disse o diretor-executivo da Confederação Nacional de Transportadores Autônomos (CNTE), Marlon Maues.

Renegociação de dívidas - Além disso, a Caixa também anunciou um programa de renegociação de dívidas voltado exclusivamente aos caminhoneiros, com condições facilitadas de parcelamento e quitação de débitos. De acordo com o banco, o pagamento poderá ser feito em até 96 meses, com taxas de juros a partir de 1,14% ao mês e desconto de até 90% para liquidação à vista de dívidas comerciais.

Pesagem - Em outra medida provisória, o governo atualizou os limites de tolerância de peso por eixo no transporte de carga, por meio de uma alteração na Lei 7.408/85. A partir de agora, a tolerância do peso bruto total (PBT) passa de 10% para 12,5% na pesagem por eixo em cargas acima de 50 toneladas. A MP também extingue a tolerância de peso por eixo para os veículos com peso bruto total inferior a 50 toneladas, valendo apenas a tolerância, em relação à carga total, de até 5%.

Penalização - O objetivo da mudança, segundo o ministro Tarcísio Freitas, é evitar que o motorista penalizado com multa por não conseguir aferir o peso por eixo no momento do carregamento, pois algumas cargas são difíceis de serem distribuídas uniformemente na carroceria. "[Com a mudança], a gente pega a maioria dos casos onde o deslocamento de carga geram aumento do peso por eixo. Nós estudamos o impacto disso no ciclo de manutenção das rodovias e é mínimo", disse Freitas.  

CTB - Outra mudança que consta nesta mesma MP é uma alteração no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), para possibilitar que, caso o veículo seja retido com alguma irregularidade e não seja possível sanar no próprio local da infração, ele poderá ser liberado, desde que ofereça condições de segurança para circulação.

Recolhimento - O documento será recolhido e, mediante regularização do veículo, não superior a 15 dias, sendo devolvido após a regularização. Caso o veículo não tenha condições de circulação e precise ficar retido pelas autoridades rodoviárias, o caminhoneiro ficará dispensado de pagar a diária do local nos finais de semana, quando os pátios estão fechados.

Comissão - Por meio de dois decretos, o governo instituiu a Comissão Nacional de Autoridades de Transportes Terrestres (Conatt), que vai coordenar o programa Gigantes do Asfalto. O colegiado deverá se articular com entidades públicas e privadas, incentivar e propor edição de atos normativos, deliberar sobre a atualização e revisão periódica do programa.

Demandas contempladas - De acordo com o coordenador de Desenvolvimento Cooperativo do Sistema Ocepar, João Gogola Neto, tanto a questão ligada aos limites de tolerância de peso por eixo no transporte de carga, como a viabilização de recursos para a categoria, contemplam demandas das cooperativas paranaenses do ramo transporte, encaminhadas ao governo federal por meio do Sistema OCB. “Nós estamos fazendo uma análise completa das MPs e do decreto, que divulgaremos nos próximos dias”, informou Gogola.

Links - Clique nos links para conferir o conteúdo das MPs e dos Decretos:

Medida Provisória nº 1.050, de 18/05/2021, que altera o Código de Trânsito Brasileiro (Leis 7.048/1985 e 9.503/1997)

Medida Provisória nº 1.051, de 18/05/2021, que institui o Documento Eletrônico de Transporte - DT-e, exclusivamente digital

Decreto nº 10.702, de 18/05/2021, que institui o Programa de Incentivo ao Transporte Rodoviário de Cargas - Programa Gigantes do Asfalto

FOTO: Fábio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

(Com informações da Agência Brasil)

 

FRIMESA: Presidente do BB visita a Central

A Frimesa e suas cooperativas filiadas – C.Vale, Copagril, Copacol, Primato e Lar – recepcionaram, nesta terça-feira (18/05), o novo presidente-executivo do Banco do Brasil, Fausto de Andrade Ribeiro, e sua equipe: Francisco Augusto Lassalvia, Diretor Corporate e Investment Banking, Jayme Pinto Junior, Diretor de Comércio Exterior, Wilson Pereira Cardoso Junior, Superintendente Corporate Centro Sul, Jefferson Marcos Vendrame, Gerente Geral, Claudemiro Fomes da Silva Junior, Assessor Especial.

Nova gestão - O encontro está no plano da nova gestão do BB de priorizar por reuniões itinerantes envolvendo setores importantes da economia brasileira para ouvi-los, entre elas, o agronegócio. A proposta é discutir ideias e alternativas de buscar melhoria da eficiência da instituição e desinvestimentos em ativos não essenciais.

Plano de expansão - Na oportunidade, a Frimesa apresentou seu plano de expansão através das obras do frigorífico de Assis Chateaubriand e todo o Conselho Administrativo fez apontamentos das necessidades e realidade existente em suas cooperativas.

Objetivo - De acordo com o presidente, Fausto Ribeiro, o principal objetivo dos encontros e levar conhecimento da realidade e necessidades das cooperativas ao presidente, Jair Bolsonaro, além de firmar as parcerias já existentes. “Sabemos como é pujante o cooperativismo no Paraná. São exemplos de gestão que o Brasil todo precisa conhecer. O BB é parceiro e se propõe a ajudar nesse desenvolvimento do agronegócio”, afirma.

Primeira vez - O diretor-presidente da Frimesa, enalteceu que é a primeira vez que um presidente do BB vem conhecer o sistema cooperativista na região Oeste e, reforça que o agronegócio, principalmente as cooperativas, têm assegurado renda, emprego em todas as cidades onde estão inseridas e, principalmente, mudado a vida da agricultura familiar. “As cooperativas têm sido a salvação da economia do Paraná, tanto nos momentos bons como ruins. Precisamos das parcerias como do Banco do Brasil que priorizam por políticas que atendam às necessidades de todos os envolvidos nessa cadeia produtiva”, finaliza. (Imprensa Frimesa)

{vsig}2021/noticias/05/19/frimesa/{/vsig}

LAR: Cooperativa firma convênio com o Banco do Brasil

lar 19 05 2021Uma comitiva do Branco do Brasil (BB), liderada pelo presidente, Fausto de Andrade Ribeiro, e demais executivos da instituição esteve no Centro Administrativo da Lar Cooperativa na manhã desta terça-feira (18/05). O grupo foi recebido em Medianeira (PR) pelos três diretores da Lar e superintendentes.

Convênio - Na oportunidade, após duas horas de conversa, e apresentação da história da Lar Cooperativa, dimensão atual dos negócios e planejamento estratégico até 2030, foi assinado o Convir, convênio que irá liberar R$ 80 milhões aos associados da Lar, valor destinado a viabilização de financiamentos relacionados à avicultura. O momento possibilitou apresentar com clareza as demandas da Lar e de seus associados.

Bom relacionamento - De acordo com o diretor-presidente da Lar, Irineo da Costa Rodrigues, a cooperativa já tem um bom relacionamento com o Banco do Brasil de longa data, desde seus primeiros anos de fundação, e a instituição financeira esteve presente em momentos importantes para Cooperativa, como na liberação do financiamento para aquisição da Unidade Industrial de Aves 2 em Cascavel.

Primeira visita - Após ter assumido recentemente a gestão do BB, essa foi a primeira visita presencial de Fausto a um cliente. O dirigente reconheceu a importância do agronegócio para o desenvolvimento do país e como o BB precisa ter um papel fundamental nesse processo. “Participo do Banco do Brasil há 33 anos, estamos otimistas e um pouco cautelosos. Esperamos que no segundo semestre de 2020 se confirme algumas tendências de mercado para que possamos apresentar resultados cada vez mais consistentes”, afirmou Fausto.

Outras parcerias - Ainda conforme a nota do BB, seu presidente, Fausto Ribeiro, fechou outras parcerias com cooperativas do oeste do Paraná. Entre elas, deve financiar parte da instalação do maior frigorífico da América Latina, que será construído no município de Assis Chateubriand pela Frimesa, cooperativa central que atua nas cadeias de carne suína e lácteos e tem como filiadas as cooperativas C. Vale, Copacol, Copagril, Lar e Primato. Juntas, elas faturam R$ 36 bilhões e geram mais de 55 mil empregos na região de Cascavel (PR).

Assinatura - O presidente do BB Fausto Ribeiro, diretor-presidente da Lar, Irineo da Costa Rodrigues, e diretor 1º vice-presidente, Lauro Soethe, assinaram o convênio que irá liberar R$ 80 milhões para investimento dos associados da Lar em avicultura. (Imprensa Lar)

 

ALEGRA: Representação feminina no setor de alimentos cresceu 50% em 20 anos

alegra 19 05 2021A constante automação da indústria brasileira e a busca pela quebra do estigma do trabalho feminino na categoria já podem ser sentidos no chão de fábrica e também nos números do segmento. Segundo dados do mais recente levantamento do Senai/PR, a participação de mulheres na indústria alimentícia cresceu 49,3% entre os anos de 1995 e 2015 - um salto de 23,9% para 35,8% na proporção dos postos de trabalho ocupados por elas. Em números absolutos, o setor é o maior empregador feminino do estado: cerca de 69 mil mulheres atuam diariamente na produção de alimentos.

Referência - Referência no setor, a Alegra, indústria paranaense de derivados de carne suína, localizada na região dos Campos Gerais, é uma das empresas que contribuem para que a participação feminina apresente resultados expressivos nos últimos seis anos. Com mais de 1500 colaboradores, a companhia possui 46% do seu quadro de funcionários composto por mulheres. “A Alegra valoriza as mulheres e todas as contribuições que elas podem trazer à nossa rotina produtiva. Além disso, valorização das pessoas é um pilar para empresa então a equidade acaba vindo naturalmente”, afirma o especialista em gestão de pessoas da Alegra, Ray Charlys Torres.

Especialização - O estudo do Senai também mostra que a busca por especialização feminina dentro da indústria também apontou um crescimento consistente nos últimos quinze anos. De lá para cá, aumentou em 63% a procura feminina por cursos técnicos e de especialização para o ramo alimentício. “As mulheres se diferem na busca de autodesenvolvimento para realizar melhor suas atividades, com isso acabam se destacando. Inclusive a Alegra conta hoje com 17 mulheres em cargos de liderança e essa é uma tendência em crescimento, que deve continuar nos próximos anos”, acrescenta Torres.

Atividades essenciais - Entrando no segundo ano de pandemia, as indústrias se mantêm como atividades essenciais que mantiveram seu funcionamento e precisaram se adaptar com novos processos de segurança. Colaboradores dos grupos de risco foram liberados para isolamento social, o que também inclui mulheres grávidas. Na Alegra, cerca de 40 contratações têm sido realizadas mensalmente para garantir que esses profissionais continuem afastados.

Ações - Além disso, a indústria também implementou ações como aumento no número de transporte, aumento dos pontos de limpeza e sanitização das mãos, verificação da temperatura dos colaboradores no transporte e nas catracas de acesso a planta, ajuste do fluxo e forma de servir no restaurante, forma de entrega de talheres, retirou uso das bandejas, instalou divisórias de acrílico nas mesas e rotina de uso de álcool 70% na limpeza da mesa – antes e após a refeição. No processo produtivo, além do uso de máscaras adequadas e reorganização do processo, também foram instaladas divisórias entre um colaborador e outro em diversos postos de trabalhos.

Sobre a Alegra - A indústria de alimentos Alegra é a união das cooperativas de origem holandesa, Frísia, Castrolanda e Capal, que constituem o grupo Unium. Uma empresa que combina condições de trabalho ideais aliando tecnologia, equipamentos de última geração, preocupação com o bem-estar dos animais e sustentabilidade em seu parque industrial, sempre primando pela excelência em seu produto final, que utiliza as melhores carnes suínas. Em 2017, a marca conquistou o reconhecimento internacional quanto às Práticas de Bem-estar Animal no abate, tornando-se a primeira planta brasileira a receber essa certificação em bem-estar suíno, pela WQS. Mais informações em https://www.alegrafoods.com.br/. (Imprensa Alegra)

 

COPAGRIL: Palestra e premiação dos melhores produtores marcam Seminário de Leite

O Seminário de Leite 2021 da Cooperativa Agroindustrial Copagril foi realizado de modo online, com transmissão pelas redes sociais da cooperativa, nesta terça-feira (18/05). A programação técnica é tradicional dentro do cronograma das atividades da cooperativa e neste ano, em decorrência das restrições de público por causa da pandemia do coronavírus, foi totalmente digital. A programação da tarde contou com participação da diretoria Copagril, palestra com o pós-doutor em Nutrição de Ruminantes Alexandre Pedroso e a apresentação dos melhores produtores cooperados nas categorias de qualidade do leite, volume de produção e qualidade de silagem.

Informações - O diretor-presidente da Copagril, Ricardo Sílvio Chapla, explica que o objetivo do evento é trazer informações aos produtores para que possam produzir melhor, com qualidade melhor e assim, com lucratividade melhor. “Vivemos em um momento complicado, em função da pandemia, mas nosso trabalho não pode parar. Assim, essa palestra online é uma forma de nos comunicarmos, aproveitando os canais de comunicação que temos disponíveis, e assim aproveitar todo conteúdo, como uma ótima palestra e também o reconhecimento daqueles que foram os melhores na atividade leiteira em suas categorias. Um evento completo, assim como era presencialmente”, destaca Chapla e ainda reforça sobre o trabalho diário que demanda a atividade leiteira e os cuidados, cada vez mais necessários, para atender mercados consumidores mais exigentes e a busca por alternativas no custo de produção.

Números - Ele também destacou os números da Copagril, que em 2020 recebeu 66 milhões de litros de leite e nos primeiros quatro meses de 2021 já recebeu 24 milhões de litros, uma média de 205 mil litros/dia para 2021, ante 183 mil/litros dia em 2020. Produção recebida de quase 1.200 produtores no Paraná e Mato Grosso do Sul.

Palestra - O palestrante da tarde, Alexandre Pedroso, pós-doutor em Nutrição de Ruminantes e consultor técnico em bovinos de leite da Nutron, falou sobre o conforto animal e a relação com produtividade e qualidade do leite. Com destaque para como o conforto das vacas leiteiras está relacionado à saúde e produtividade, assim também com relação à lucratividade. “O conforto é importantíssimo na determinação da saúde das vacas”, reforça o profissional, que em sua palestra enfatizou sobre o manejo em relação ao estresse por calor e tempo de descanso, qualidade da cama e lotação.

Melhores - Durante a transmissão também foram apresentados os melhores produtores cooperados Copagril dos resultados nos últimos 12 meses, para as categorias:

- QUALIDADE DO LEITE

ATÉ 300 LITROS/DIA - EDSON ADLER (Linha Ouro Verde/Marechal Cândido Rondon)

DE 301 A 700 LITROS/DIA - MILTON SCHAUREN (Linha União – São Clemente/Santa Helena)

ACIMA DE 701 LITROS/DIA - GIONE ROBERTO HECK (Linha Boa Vista/Marechal Cândido Rondon)

- VOLUME EM LITROS DE LEITE

1º LUGAR – VILMAR FULBER (Linha São Carlos/Marechal Cândido Rondon)

2º LUGAR – BERTOLDO BUNDCHEN (Linha Flor do Oeste/Marechal Cândido Rondon)

3º LUGAR – ELIO LINO RUSCH (Novo Três Passos/Marechal Cândido Rondon)

- CONCURSO DE SILAGEM MILHO

1º LUGAR – LUZIA PAULI SCHOFFEN (Linha São João - Margarida/Marechal Cândido Rondon)

2º LUGAR – LEOMAR FRITSCH (Linha Sanga Furão/Marechal Cândido Rondon)

3º LUGAR - ROQUE ALLES (Linha Wilhelms/Marechal Cândido Rondon)

Conteúdo - A transmissão ao vivo do Seminário de Leite foi no Facebook e no Youtube oficiais da Copagril. O conteúdo ficará disponível nos links:

Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=yDTL9GQMMD8

Facebook: https://www.facebook.com/cooperativacopagril/posts/4208257949238296

(Imprensa Copagril)

{vsig}2021/noticias/05/19/copagril/{/vsig}

COCAMAR: Encontro Internacional de ILPF será nos dias 9 e 10 de junho

cocamar 19 05 2021O presidente do Conselho de Administração da Cocamar Cooperativa Agroindustrial, Luiz Lourenço, será um dos participantes do Santa Brígida Farm Open, o Encontro Internacional de ILPF (Integração Lavoura-Pecuária-Floresta), evento digital a ser promovido pela Rede ILPF nos dias 9 e 10 de junho, das 19 horas às 22 horas.

Produzir e preservar - Lourenço fará parte do painel ILPF – Produzir e Preservar é Possível, no dia 9, no qual estarão também a proprietária da Fazenda Santa Brígida, Marize Porto Costa, o diretor de sustentabilidade da Syngenta, Guillermo Carvajal, o diretor da SLC Agrícola, Gustavo Lunardi, e o presidente da John Deere Brasil, Paulo Herrmann, o moderador.

Agenda - Antes do painel, Marize Porto Costa e o presidente do conselho gestor da Rede ILPF, Renato Rodrigues, fazem a abertura, sucedidos por uma mensagem da ministra da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento, Tereza Cristina. Na sequência, o pesquisador e ex-presidente da Embrapa, Maurício Lopes, fala sobre Agricultura do Brasil em 2030 e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, e a pesquisadora da Embrapa Cerrados, Ieda Mendes, discorre a respeito do tema Saúde do Solo em Sistemas Integrados – uma Combinação Ganha-Ganha em Ambientes Tropicais.

Segundo dia - No dia 10, o primeiro tema a ser abordado é Financiamento Verde para Agricultura, com Leísa Souza, diretora Latam da Climate Bonds Iniciative, e Justine Leigh-Bell, da Deputy; A Certificação de Propriedades ILPF e o Impacto das Finanças Verdes será analisado a seguir por José Pugas, representante do conselho da Ceptis Agro; na sequência, Aurélio Pavinato, diretor da SLC Agrícola S.A., expõe sobre Produção Agrícola x Serviços Ambientais. A programação termina com a realização do painel Prêmio Nobel da Paz, do qual estarão participando o presidente da John Deere Brasil, Paulo Herrmann, como moderador; Roberto Rodrigues, da FGV Agro e embaixador especial da FAO; Durval Dourado, diretor da Esalq; Evaldo Vilela, presidente do CNPQ, Celso Moretti, presidente da Embrapa, e o convidado especial Alysson Paolinelli.

A Rede - A realização do Encontro é da Rede ILPF, integrada por Cocamar, Embrapa, John Deere, Bradesco, Syngenta, Ceptis e Soesp Sementes.

Mais informações - www.santabrigidaopenfarm.com.br. (Imprensa Cocamar)

 

CRESOL: Campanha “Crédito para quem nunca para” destaca força do agro

cresol 19 05 2021A Cresol, uma das principais cooperativas de crédito no país, lançou no último dia 15 de maio sua nova campanha nacional. Com o tema “Crédito para quem nunca para", o filme de 30 segundos tem como proposta mostrar a força do agronegócio como um setor que nunca para, mesmo diante de adversidades.

Suporte - Mesmo diante de um cenário de pandemia desde o ano passado, o agronegócio deu importante suporte à economia brasileira e encerrou 2020 com crescimento. O crédito da Cresol esteve presente em todos os momentos desse ciclo e se coloca como importante apoio para o próximo período agrícola.

Potencial - “O setor movimenta o mundo. O potencial de negócios aumenta a cada ano. Além disso, nossa relação com o produtor rural vem da nossa base, nascemos com e para o campo, por isso, valorizamos nossos parceiros e buscamos serviços e produtos que atendam o momento do setor. Afinal, o apoio ao produtor rural é essencial para que a economia não pare e para que o alimento chegue até a mesa de todos”, explica Luiz Panzer, diretor executivo de Comunicação e Relacionamento da Cresol.

Cooperado - Hoje o campo é considerado a parte forte, sustentável e segura da sociedade, seu ciclo movimenta o mundo. “E quando falamos em ciclo, falamos de natureza, de vida, de escolhas. Esse é o ponto chave da história, fazer com que o cooperado entenda seu papel e sua importância dentro do ciclo”, reforça Panzer.

Produtos e serviços - A campanha, que será veiculada em TV aberta, spot de rádio nas regiões onde a Cresol atua, além de mídia online e impresso e nas redes sociais da instituição, mostra ao cooperado que ele pode contar sempre, para tudo o que precisar, tendo à sua disposição um serviço ou produto específico e criado para cada necessidade.

Roteiro e produção - A criação do roteiro e o acompanhamento foi feita pela Agência Idéxis, em Cascavel (PR). A produtora responsável pelo filme gravado em Xanxerê (SC) é a V8 Produções, de São Paulo. (Imprensa Cresol)

SICOOB CREDICAPITAL: Escritório de negócios é inaugurado em Porto Alegre (RS)

sicoob credicapital 19 05 2021No dia 20 de maio, o Sicoob Credicapital irá inaugurar um escritório de negócios em Porto Alegre (RS). Localizado na Avenida Wenceslau Escobar, dentro do Shopping Paseo, o novo ponto de atendimento vai levar comodidade e atendimento humanizado a população da Zona Sul da cidade.

Expectativa - Para o gerente do escritório, Diogo Bisio, a expectativa para o novo ponto de atendimento é muito grande. “Seremos o primeiro escritório do Sicoob na Zona Sul de Porto Alegre, estaremos ainda mais próximos dos nossos cooperados, ajudando no desenvolvimento da comunidade e, além disso, vamos oferecer soluções financeiras de forma mais humanizada”, ressalta.

Crescimento - O presidente do Conselho de Administração do Sicoob Credicapital, Guido Bresolin Júnior, explica que a expectativa da cooperativa é de muito crescimento. “Hoje o sistema Sicoob ocupa o 2º lugar em redes de atendimento e nós esperamos nos próximos dois anos ter em Porto Alegre, 14 pontos de atendimento da cooperativa. Queremos oferecer os melhores serviços financeiros que atendam as necessidades dos nossos cooperados”, afirma.

Receptividade - Atuando em Porto Alegre desde 2019, o Sicoob Credicapital foi muito bem recebido pela comunidade da cidade, como explica o gerente regional, Charles Krahl. “Seja os empresários, autoridades, entidades de classe, pessoas físicas de modo geral, todos foram muito receptivos à chegada da cooperativa”, explica.

Pilar - Além disso, Charles ressalta que o principal pilar que diferencia o Sicoob das demais instituições é o atendimento humanizado. “Nossos cooperados tem um bom atendimento e podem usufruir dos melhores produtos e serviços, além de serem o centro da nossa atenção, nos preocupamos e nos dedicamos muito para entregar a melhor experiência do cooperativismo na cidade de Porto Alegre”, conta

Sobre o Sicoob Credicapital - A cooperativa que nasceu em 2001, na cidade de Cascavel (PR), atualmente, possui mais de 30 agências, localizadas em 22 municípios do Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. Hoje, já são mais 40 mil cooperados e mais de 350 colaboradores, que diariamente buscam cumprir o propósito de conectar pessoas para promover a justiça financeira e prosperidade. (Imprensa Sicoob Unicoob)

 

UNIMED PONTA GROSSA: Semana da Enfermagem no HGU contou com programação especial

unimed ponta grossa 19 05 2021Em 12 maio, comemora-se o Dia Internacional da Enfermagem e, para simbolizar o reconhecimento aos profissionais, o Hospital Geral Unimed (HGU) promoveu uma semana com atividades especiais, entre os dias 10 e 14.

Abertura - A abertura da Semana de Enfermagem do hospital foi com a participação de voluntários Mãos Sem Fronteiras, que atuam com técnica terapêutica de estimulação neural em sessões de 15 minutos. A técnica contribui com a diminuição do estresse e da ansiedade.

Terapias - Terapias integrativas também fizeram parte das atividades. Durante o intervalo do almoço, os colaboradores puderam usufruir de um momento de relaxamento com o Reiki, realizado pelo educador físico do Sesmt, Cristiano Olegário. A meditação e a abstração da mente ficaram por conta da palestra “Conexão consigo mesmo”, com a facilitadora Rosilene Gomes.

Atividades - A importância do cuidado com a saúde física foi reforçada com atividades como aulas de ginásticas, dança, pilates e alongamento, realizadas em parceria com a Academia Living.

Importância - Para a técnica de enfermagem Fernanda da Silva Martins, a comemoração de datas como essa são importantes, especialmente em contextos críticos como o atual. “Estamos em um momento muito difícil onde não temos oportunidade de sair ou se reunir. Passamos a maior parte da nossa vida em nosso trabalho cuidando dos familiares dos outros e precisamos também cuidar de nós mesmos”.

Visita de Florence Nightingale - O destaque da Semana de Enfermagem ficou por conta da visita de Florence Nightingale às diversas áreas do hospital. A enfermeira Karine Dudkiewicz, coordenadora das unidades de terapia intensiva, se caracterizou como a enfermeira-símbolo da profissão, que foi uma reformista social britânica e fundadora da enfermagem moderna.

Brindes e dinâmica - Durante a passagem pelas áreas da instituição e o encontro com as equipes, foram distribuídos brindes e feita uma dinâmica de perguntas e respostas, intitulada de Quiz da Florence. O objetivo foi relembrar a história da Enfermagem e trazer uma reflexão às equipes sobre a profissão ter sido fundada em tempos difíceis e superados por Florence, com práticas utilizadas até hoje.

Motivação - “Neste momento, vivenciamos a exaustão e sofrimento emocional dos profissionais de saúde, que dobram turnos e trabalham incansavelmente no cuidado e assistência aos doentes, se dedicando em salvar vidas, então focamos na motivação, na luta diária dos colaboradores protagonistas do cuidado frente à pandemia, na gratidão, reconhecimento e carinho a todos os profissionais de enfermagem no HGU”, explica a enfermeira Laiza Moura, do Núcleo de Educação Permanente do HGU.

Toque especial - A técnica de enfermagem Aila Bezerra de Freitas deu um toque especial à visita da Florence na unidade de internação do 3º andar. Entusiasta do canto, ela aproveitou a oportunidade para dedicar uma música aos colegas. “Essas ações são importantes para que a gente se sinta importante e para saber que as pessoas pensam na gente. Nossa classe é muito criticada e cobrada e, muitas vezes, somos esquecidos. Essas homenagens fazem a gente refletir sobre quem somos como profissionais e pessoas”. (Imprensa Unimed Ponta Grossa)

 

CANA-DE-AÇÚCAR: Safra aponta produção menor para o ciclo 2021/22 no país

cana de acucar 19 05 2021A primeira estimativa da safra de cana-de-açúcar 2021/22, divulgada nesta terça-feira (18/05) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), indica que o Brasil deve produzir 628,1 milhões de toneladas, volume 4% menor em comparação com 2020/21. A queda é explicada pela redução de 3% na área de colheita no Sudeste, principal região produtora do país, com 5,2 milhões de hectares, e decréscimo de 6,2% na produção, prevista em 402,2 milhões de toneladas. O Centro-Oeste também diminuiu em 0,8% a área destinada à cultura, atingindo 1,8 milhão de hectares para um total de 137,5 milhões de toneladas de cana, 1,6% menor que a obtida na safra anterior.

Demais regiões - Na região Nordeste, mesmo com 0,5% a menos de área, há estimativa de crescimento de 3,2% na produtividade média, o que deverá resultar em 49,7 milhões de toneladas, 2,7% maior que na última safra. O Sul seguiu a tendência, com redução de 2,1% na área, mas crescimento de 2,5% na produção, estimada em 35,1 milhões de toneladas. Já o Norte deve manter a área e aumentar 3,3% a colheita da cultura, com 3,6 milhões de toneladas.

Subprodutos - A partir da safra 2019/20, além das estatísticas totais de etanol proveniente da cana-de-açúcar, a Conab passou também a disponibilizar informações do produto à base de milho. Para esta safra, somando os dois tipos, o total previsto para o etanol é de 30,5 bilhões de litros, com redução de 6,84% em relação à safra passada, sendo 27 bilhões de litros da cana e 3,5 bilhões de litros a partir do milho. Para este último, o 1º levantamento aponta que a expansão deve continuar, com aumento de 15,85% em relação à safra passada. Para o açúcar, é estimado 38,9 milhões de toneladas, redução de 5,71% em relação ao período anterior.

Ciclo 2020/21 - Devido à pandemia, a Conab havia adiado o estudo da safra de cana e, com isso, a divulgação referente ao 4º levantamento de cana-de-açúcar para 2020/21, encerrada no último mês de março, saiu também nesta terça-feira (18), junto com o 1º levantamento da safra atual. A pesquisa mostrou que o volume de cana-de-açúcar neste ciclo totalizou 654,8 milhões de toneladas, 1,8% superior ao de 2019/20. Tal crescimento não acompanhou o aumento de 2,1% na área colhida devido às condições climáticas adversas em algumas regiões produtoras.

Padrão alto - O Sudeste manteve seu alto padrão, alcançando 428,6 milhões de toneladas colhidas, indicando acréscimo de 3,3% em comparação a 2019/20, sendo São Paulo e Minas Gerais os grandes destaques da região. Centro-Oeste também apresentou leve crescimento de 0,2% na área colhida, atingindo 1,8 milhão de hectares, redução de 0,6% na produtividade média e produção 0,5% inferior ao ciclo que a antecedeu, chegando a 139,8 milhões de toneladas.

Redução - A região Nordeste colheu 48,4 milhões de toneladas, representando redução de 1,4% e o Sul seguiu a redução, com 2,3% a menos de área e colheita de 34,2 milhões de toneladas. Nesta safra, o Norte foi responsável por menos de 1% da produção nacional, a área cultivada apresentou leve acréscimo em relação à safra 2019/20 e a produção total foi de 3,5 milhões de toneladas de cana-de-açúcar.

Subprodutos - Com relação aos subprodutos, o 4º levantamento também sinalizou o milho com papel de destaque na produção de combustível, gerando sustentabilidade aos produtores, particularmente os situados nos estados centrais. Ainda assim, o número total do etanol, proveniente da cana-de-açúcar e do milho, foi de 32,8 bilhões de litros, uma redução de 8,15% em relação à safra anterior, sendo 29,7 bilhões de litros a partir da cana, enquanto o de milho cresceu 80,35% no ciclo, saindo de 1,68 bilhão de litros em 2019/20 para 3,02 bilhões de litros na temporada 2020/21. Neste mesmo período, o volume de açúcar chegou a 41,25 milhões de toneladas, crescimento de 38,46% em relação à safra 2019/20.

Mercado - No início da safra 2020/21, houve forte desvalorização do açúcar no mercado internacional, mas com rápida recuperação após aumento das cotações no decorrer da temporada. O preço médio na bolsa de futuros de Nova Iorque em abril deste ano foi de 16,26 centavos de dólar por libra-peso, valor 61,8% acima do observado no mesmo mês em 2020. O movimento contribuiu para a exportação recorde e ampliação da venda antecipada na temporada 2021/22. Na estimativa da cana-de-açúcar que se iniciou, as exportações mantêm-se em patamares elevados, influenciadas pela continuidade do cenário de preços internacionais atrativos e taxa de câmbio favorável. Em abril, o Brasil exportou cerca de 1,9 milhão de toneladas de açúcar, um aumento de 25,7% em relação a março/21.

Etanol - Com relação ao etanol, a exportação cresceu cerca de 55,1% na safra 2020/21, encerrada em março, quando comparada com o ciclo anterior, mesmo com a redução da produção nacional de etanol no período. O aumento foi favorecido tanto pela taxa de câmbio quanto pela redução da demanda interna. Neste ciclo de 2021/22, a perspectiva é de que o câmbio permaneça em patamar elevado, mas o crescimento da demanda interna deverá limitar a disponibilidade de etanol para a exportação. A safra também inicia com perspectiva otimista em relação à recuperação da demanda do etanol brasileiro, que foi prejudicada no ciclo anterior em razão da pandemia. Um crescimento na demanda do petróleo também é esperado para o segundo semestre de 2021, com o maior controle da pandemia, que deverá favorecer a valorização da gasolina no mercado e contribuir para um ganho de competitividade do etanol. (Conab)

Confira aqui os boletins divulgados pela Companhia. 

FOTO: Arquivo CNH

 

SANIDADE VEGETAL: Adapar intensifica ações contra plantas daninhas resistentes a herbicidas

sanidade vegetal 19 05 2021Dados do Sistema de Monitoramento do Comércio e Uso de Agrotóxicos (Siagro), da Adapar, mostram que entre 2018 e 2020 houve um aumento de 19,60% no uso de herbicidas no Estado, o que pode indicar que os casos de plantas daninhas resistentes a herbicidas têm se intensificado nos últimos anos.

Resistência genética - Segundo Renato Rezende Blood, gerente de Sanidade Vegetal da Adapar, a repetitiva aplicação de herbicidas, principalmente em cultivos geneticamente modificados, acabou por selecionar ao longo dos anos biótipos de plantas daninhas resistentes e tolerantes a herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Exemplos expressivos dessas invasoras no Paraná são a Buva (Conyza bonariensis) e o Capim-Massambará ou Vassourinha (Sorghum halepense).

Controle - A presença de espécies invasoras resistentes a herbicidas dificulta muito o controle, pois reduz o número de herbicidas alternativos, ocasionando ainda redução no rendimento das culturas e o aumento nos custos de produção com a utilização de maior volume de herbicidas, comprometendo a sustentabilidade dos sistemas agrícolas.

Ações - Diante desse cenário, a Adapar está intensificando as ações de defesa sanitária vegetal. Essas ações buscarão mitigar o impacto da seleção de biótipos de plantas daninhas resistentes e tolerantes a herbicidas sobre a agricultura paranaense, e ao mesmo tempo, estimular a adoção de boas práticas agrícolas, capazes de reduzir o risco de seleção de novas populações de biótipos resistentes, assim como reduzir a quantidade de herbicidas utilizados no campo.

Combatendo o problema - Foi elaborado um Plano de Ação definindo ações a serem executadas pelos Fiscais de Defesa Agropecuária para enfrentar o recente registro de plantas daninhas resistentes a herbicidas inibidores da EPSPS e ALS, na região oeste do Paraná.

Contenção e erradicação - “Já foram adotadas as medidas objetivando a contenção e erradicação da praga, para que ela não se disperse para outras áreas. O Plano continua em execução, na fase de levantamento de delimitação. Informações iniciais apontam que não há ocorrência em áreas vizinhas”, disse Renato Rezende.

Novas atividades - O coordenador do Programa de Certificação, Rastreabilidade e Epidemiologia Vegetal da Adapar, Juliano Farináceo Galhardo, destaca que, além do Plano de Ação em execução, novas atividades serão iniciadas, visando ao enfrentamento da resistência de plantas daninhas a herbicidas. A partir de agora, em todas as fiscalizações em propriedades rurais e comerciantes de insumos agrícolas, os fiscais da Gerência de Sanidade Vegetal coletarão informações sobre o conhecimento do fiscalizado acerca de práticas para evitar a seleção de plantas daninhas resistentes, assim como informações sobre eventuais locais com suspeita de ocorrência. “Isso possibilitará agirmos de maneira assertiva, direcionando as ações para os locais com suspeita de ocorrência”, resume Galhardo.

Notificação - A Adapar disponibilizou em seu portal o link para notificação de ocorrências fitossanitárias. “Caso o produtor suspeite da ocorrência de plantas daninhas resistentes em algum local, deve entrar em contato com uma das unidades da Adapar, para que sejam coletadas amostras visando a confirmação da suspeita, e adoção das medidas necessárias, com o intuito de evitar a dispersão da praga”, orienta Marcílio M. Araújo, coordenador do Programa de Prevenção e Controle de Pragas em Cultivos Agrícolas e Florestais. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Embrapa

 

 

INFRAESTRUTURA I: Ministro apresenta estudo para desestatização da Ferroeste

infraestrutura I 19 05 2021O Ministério da Infraestrutura apresentou, nesta terça-feira (18/05) o estudo de viabilidade técnico-econômica que visa a desestatização da Estrada de Ferro Paraná Oeste, mais conhecida como Ferroeste.

Arrendamento portuário - Durante o evento, que contou com a participação do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e dos governadores do Paraná, Ratinho Júnior, e do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, também foi assinado o contrato de arrendamento do terminal portuário PAR12, localizado no Porto de Paranaguá (PR).

Mais beneficiados - Os dois estados estão entre os que serão mais beneficiados pelos dois empreendimentos, uma vez que boa parte da produção agrícola do MS poderá ser escoada pela ferrovia até o Porto de Paranaguá. No trecho em operação da ferrovia, os produtos mais transportados são grãos, contêineres e cimento.

Ligação - A Ferroeste ligará as cidades paranaenses de Guarapuava e Cascavel. A expectativa é de uma extensão da ferrovia até a cidade de Dourados, no Mato Grosso do Sul (MS). Segundo o Ministério da Infraestrutura, são esperados R$ 8 bilhões em investimentos

Avanço - Tarcísio de Freitas defendeu o avanço da ferrovia até Mato Grosso do Sul, o que, segundo ele, “ligará umbilicalmente” o estado com o Porto de Paranaguá. “Tenho certeza de que, no futuro, estaremos capturando carga também no Paraguai”, disse o ministro.

Fluxo de cargas - O governador do MS, Reinaldo Azambuja, lembrou que a ferrovia diminuirá o fluxo de cargas na BR-262 que, segundo ele, “está se deteriorando com as 300 carretas que passam todos os dias por ali”.

Artéria - O governador do Paraná, Ratinho Júnior, elogiou as iniciativas implementadas por Freitas, no sentido de “tornar a Ferroeste interessante para a iniciativa privada”. “A Ferroeste será uma grande artéria de conexão com o MS”, disse o governador paranaense.

Desafios - O ministro da Infraestrutura apontou como “principal desafio” para o empreendimento ferroviário dar celeridade ao processo que culminará com o leilão da ferrovia.

Cronograma - “Temos alguns desafios pela frente. Um deles é o cronograma, até que [o projeto] seja sabatinado pela sociedade, escrutinado pelos órgãos de controle, para chegarmos ao leilão”, disse o ministro. Ele chamou atenção para alguns cuidados que devem ser levados em conta para o sucesso do leilão, em especial para que não se caia “na armadilha de termos uma demanda superestimada, o que poderia comprometer o projeto”.

Serra do Mar - Outro desafio é relativo à descida da ferrovia na Serra do Mar. “Uma coisa que tem de ser muito bem avaliada é a questão da bitola, porque hoje temos uma ferrovia que opera na bitola métrica. A migração da bitola métrica para a bitola mista tem que ser muito bem pensada. Pessoas com quem temos conversado têm falado em mudar a superestrutura para transportar mais carga por eixo.”

Impacto socioeconômico - O coordenador do Plano Estadual Ferroviário Luiz Henrique Fagundes informou que a estrada Ferroeste terá impacto de R$ 206 bilhões na economia brasileira, o que corresponde a 3% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo informou.

Beneficiadas - Pelo menos 9 milhões de pessoas serão beneficiadas com o empreendimento, principalmente nos estados do Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina. “A ferrovia terá influência direta em 427 cidades localizadas no Brasil, no Paraguai e na Argentina.” Sendo assim, o número aumenta para 925 municípios nos três países.

Movimentação - “Se a ferrovia já estivesse funcionando, estaríamos trafegando 26 milhões de toneladas por ano, com um potencial de 38 milhões de toneladas. E a redução média do custo logístico seria de 28%, em uma projeção bastante conservadora”, acrescentou.

Pleno funcionamento - Segundo o coordenador, com a ferrovia em pleno funcionamento a redução de custo será de US$ 13 por tonelada transportada, e o tempo de trânsito entre Cascavel e o Porto de Paranaguá reduziria de 100 horas para 20 horas.

Porto de Paranaguá - De acordo com o ministro da Infraestrutura, a assinatura do contrato de arrendamento do terminal portuário PAR12, que contempla a área destinada à movimentação de veículos no Porto de Paranaguá, confirma a vocação inovadora que o empreendimento demonstra ao longo de sua história.

Vanguarda - “Esse porto tem se destacado e estado na vanguarda, com a segunda maior movimentação do país e tem dado excelentes respostas e movimentações recordes. Além disso, enfrentou a pandemia com muita velocidade e diligência, conseguindo manter suas operações. Não à toa, foi o primeiro porto a conquistar, no governo federal, autonomia para a gestão”, disse Freitas ao destacar, também, a “ousadia” de ter sido o primeiro porto a ter uma concessão de manutenção do canal. (Com informações da Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Ricardo Botelho / Minfra

 

INFRAESTRUTURA II: Resolução recomenda qualificação de oito terminais portuários no PPI

Foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (18/05) a Resolução CPPI nº 172, que recomenda a qualificação de oito terminais portuários no âmbito do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). São eles:

- Terminal MUC59, no Porto do Mucuripe (CE), abrangendo 25.628 m², dedicado à movimentação e armazenagem de granéis líquidos combustíveis;

- Terminal ITG03, no Porto de Itaguaí (RJ), abrangendo 22.564 m², dedicado à movimentação e armazenagem de granéis sólidos minerais;

- Terminal IMB05, no Porto de Imbituba (SC), abrangendo 7.455 m², dedicado à movimentação e armazenagem de granéis líquidos;

- Terminal SSD09, no Porto de Salvador (BA), abrangendo 16.026 m², dedicado à movimentação e armazenagem de carga geral e conteinerizada;

- Terminal STS10, no Porto de Santos (SP), abrangendo 463.843 m², dedicado à movimentação e armazenagem de cargas conteinerizadas;

- Terminal PAR15, no Porto de Paranaguá (PR), abrangendo 40.603 m², dedicado à movimentação e armazenagem de granéis vegetais;

- Terminal PAR09, no Porto de Paranaguá (PR), abrangendo 34.688 m², dedicado à movimentação e armazenagem de granéis vegetais;

- Terminal PAR14, no Porto de Paranaguá (PR), abrangendo 51.789 m², dedicado à movimentação e armazenagem de granéis vegetais.

Leilões - Os leilões das áreas ITG03, IMB05, SSD09 estão previstos ainda para 2021 e serão os primeiros de arrendamento simplificado. Essa modalidade só pode ser celebrada para contratos de até R$ 330 milhões, pelo prazo máximo de 10 anos, e os estudos são baseados em valores unitários para exploração de áreas em portos organizados. As demais áreas têm leilões previstos para 2022.

Próximo passo - O próximo passo para a qualificação no Programa de Parcerias de Investimentos é a publicação de decreto presidencial. (Ministério da Economia)

 

ECONOMIA: Projeção de crescimento do PIB em 2021 passa de 3,2% para 3,5%

economia 19 05 2021A projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2021 aumentou de 3,2% para 3,5%, ficando em R$ 8,42 trilhões, segundo dados do Boletim Macrofiscal de Maio, divulgado nesta terça-feira (18/05), em Brasília, pelo Ministério da Economia. Os números mostram que a previsão de inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para este ano é de 5,05%, acima do centro da meta de inflação de 3,75% para o ano. A meta tem ainda intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

2022 a 2025 - Segundo o boletim, a projeção do PIB (a soma de todas as riquezas produzidas no país) para 2022 até 2025 é de 2,5%. A publicação diz, ainda, que o aumento da estimativa do PIB de 2021 se deve a uma melhora da expectativa do resultado econômico do primeiro trimestre de 2021, com um aumento esperado de 0,3% na margem do PIB com ajuste sazonal, “mesmo diante do aumento das regras legais de distanciamento e a despeito do fim do auxílio emergencial”.

Serviços - Para o segundo semestre deste ano, o boletim afirma que, com o avanço da vacinação contra a covid-19, é esperada uma aceleração do setor de serviços. Entre outros pontos, destaca-se a ampliação da vacinação no país como um fator fundamental para a retomada da atividade econômica.

Incerteza - “Deve-se salientar que a incerteza nas estimativas atuais ainda permanece significativamente elevada. Ademais, as projeções da atividade para este e para os próximos anos tornam-se particularmente sensíveis à divulgação dos dados e ao desenrolar dos efeitos da covid-19 e do processo de vacinação, principalmente considerando os seus efeitos no PIB de longo prazo", afirma.

Serviços em alta - O boletim também registra a performance dos diferentes setores da economia, registrando aumento na atividade do setor de serviços e na produção agrícola.

Recuperação - Ainda segundo a publicação, o setor de serviços tem apresentado recuperação em 2021 e está mais próximo do nível pré-crise econômica desencadeada pela pandemia do novo coronavírus, apesar de o segmento ter sido um dos mais impactados. Inclusive com maior dificuldade de retorno em razão das medidas restritivas de deslocamento e de isolamento social.

Crescimento - “Mesmo assim, observa-se que o setor de serviços cresceu 2,8% no 1T21 [primeiro trimestre de 2021] em relação ao trimestre anterior (com ajuste sazonal). Na análise interanual, o setor ainda apresenta recuo de 0,8% ante mesmo trimestre do ano anterior. O carregamento estatístico para o ano de 2021 é de alta de 6,2%”, diz o boletim.

Produção agrícola - Quanto à produção agrícola é esperado um novo recorde na safra de grãos em 2021, com estimativa de alta de 4,1% em relação à safra de 2020. Esse desempenho resulta em 264,5 milhões de toneladas (aumento de 10,3 milhões de toneladas), com destaque para aumento da safra de soja e de trigo.

Produção industrial - Entretanto, os dados mostram que a produção industrial apresentou um recuo de 0,4% no primeiro trimestre de 2021 em relação ao trimestre anterior (com ajuste sazonal).

Transformação - A indústria de transformação registrou queda de 0,6%, enquanto a indústria extrativa cresceu 0,8%. Já na comparação com o primeiro trimestre de 2020, a produção industrial apresentou crescimento de 4,3% no trimestre, com queda de 2,1% na indústria extrativa, enquanto a indústria de transformação teve alta de 5,2% e os insumos típicos da construção civil, 15,4%.

Comércio varejista - O comércio varejista também apresentou uma diminuição na sua recuperação em 2021, interrompendo o forte retorno das vendas observado no fim de 2020. No primeiro trimestre de 2021, as vendas no varejo restrito recuaram 4,3% em relação ao trimestre anterior (com ajuste sazonal).

Varejo ampliado - Por sua vez, o varejo ampliado, que inclui veículos e materiais de construção, caiu 3,9%, com recuo 20,0% para veículos e motos, e de 3,7% para materiais de construção. Frente ao primeiro trimestre de 2020, as vendas no varejo restrito caíram 0,6%, enquanto no ampliado cresceram 1,4%.

Inflação - O Boletim Macrofiscal de Maio aponta, ainda, para uma expectativa na taxa de inflação de 5,05% ao ano. Apesar de o valor estar acima da meta de inflação de 3,75%, ele se encontra dentro do intervalo de tolerância. Já para o próximo ano, a projeção do IPCA [a inflação oficial do país] converge para o centro da meta a partir de 2022, que é de 3,5%. Em 2023, a meta é de 3,25%.

Abril - Os dados mostram que o IPCA de abril, último mês divulgado, foi de 0,31%, ficando 0,62 ponto percentual abaixo da taxa de março (0,93%). Em 12 meses, o índice acumula alta de 6,76%.

Inflação acumulada - “A evolução do IPCA ao longo do ano de 2020 mostra que a inflação acumulada em 12 meses do grupo Alimentação no Domicílio, após atingir um valor mínimo de 5,1% em março de 2020, acelerou até alcançar o pico em novembro de 2020, quando atingiu 21,1%, e fechou o ano em 18,2%. No dado mais recente, no acumulado em 12 meses, encontra-se em 15,55% (abril de 2021)”, diz o boletim.

Contribuição positiva - O documento destaca, ainda, que os preços dos serviços contribuíram positivamente para a inflação acumulada em 12 meses, uma vez que a elevada ociosidade da economia contribui para manter a variação do preço baixa e estável neste setor. (Agência Brasil)

FOTO: Gerd Altmann / Pixabay

 

CÂMBIO: Dólar fecha em baixa pela terceira sessão seguida

Ajudado pelo exterior, o dólar caiu pela terceira sessão seguida. A bolsa de valores alternou altas e quedas ao longo do dia, mas fechou com valorização pela quarta sessão consecutiva.

Cotação - O dólar comercial fechou esta terça-feira (18/05) vendido a R$ 5,255, com recuo de R$ 0,012 (-0,22%). A divisa chegou a cair para R$ 5,23 na mínima do dia, por volta das 13h, mas a queda perdeu força com a remessa para o exterior de lucros recentes de multinacionais que operam no Brasil.

Ações - No mercado de ações, o dia foi marcado por ganhos. O índice Ibovespa, da B3, encerrou aos 122.980 pontos, com pequena alta de 0,03%. O indicador chegou a subir 0,5% na máxima do dia, por volta das 14h50, mas perdeu fôlego à medida que as bolsas norte-americanas recuaram nesta terça-feira.

Mercados globais- Os mercados globais de câmbio e de ações tiveram desempenhos distintos. O dólar caiu em todo o planeta, num movimento de estímulo monetário nos Estados Unidos e de expectativas em torno da divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano), na próxima sexta-feira (21/05).

Bolsas norte-americanas - Paralelamente, as bolsas norte-americanas caíram num movimento de realização de lucros, quando os investidores vendem ações para embolsarem ganhos recentes. O movimento atingiu principalmente as empresas de tecnologia. Isso reduziu os ganhos das bolsas brasileiras, impulsionadas nas últimas semanas pela divulgação de lucros de empresas e pela valorização das commodities (bens primários com cotação internacional). (Agência Brasil, com informações da Reuters)

LEGISLATIVO: Aprovada criação de plataforma para unificar dados do SUS e da rede privada

legislativo 19 05 2021O Plenário do Senado aprovou nesta terça-feira (18/05) o Projeto de Lei (PL) 3.814/2020, que obriga o Sistema Único de Saúde (SUS) a criar uma plataforma digital para unificar informações de pacientes atendidos pelas redes de saúde pública e privada. A proposta, que segue agora para a Câmara dos Deputados, é de autoria do senador Confúcio Moura (MDB-RO) e recebeu voto favorável, com 24 emendas acatadas total ou parcialmente, do relator, o senador Eduardo Gomes (MDB-TO).  

Registros - Nessa plataforma digital unificada de saúde poderão ser registrados prontuários médicos; resultados e laudos de exames complementares e de apoio diagnóstico; procedimentos ambulatoriais e hospitalares; prescrições médicas e outros dados demográficos e de saúde. O paciente deverá autorizar a inserção dos dados que deverão compor seu histórico de saúde, garantindo-se o anonimato do perfil e o sigilo das informações prestadas. O acesso a esse banco de dados só poderá ser feito pelo paciente ou por profissionais de saúde diretamente envolvidos em seu atendimento, por meio de autorização do próprio paciente ou de seu representante legal. 

Urgência - Em caso de atendimento de urgência, quando essa autorização expressa não puder ser colhida, haverá a liberação do histórico do paciente armazenado nessa plataforma digital. Mas isso só será possível se tais informações forem consideradas indispensáveis ao adequado atendimento do paciente. As informações reunidas pelo SUS poderão ser utilizadas para a realização de pesquisas e relatórios epidemiológicos, desde que se garanta o anonimato dos dados e sejam seguidas as normas éticas para pesquisa. 

Fonte de dados - "Os bancos de dados associados à plataforma constituirão uma fonte riquíssima de dados para acadêmicos, pesquisadores e gestores de saúde. Atualmente, há algumas informações disponíveis sobre a produção do SUS, enquanto a Agência Nacional de Saúde Suplementar compila outras sobre a qualidade assistencial prestada pelas operadoras a cerca de 25% da população que é beneficiária de planos de saúde. Reunir esses dados e outros produzidos no âmbito da saúde privada em uma plataforma única, de abrangência nacional, representará grande avanço", observou Confúcio Moura na justificação do projeto. 

Informatização - Ao recomendar a aprovação do PL 3.814/2020, Eduardo Gomes reconheceu a importância de se estimular a informatização dos serviços públicos e privados de saúde. 

Celeridade - “Isso se traduz em maior celeridade nos atendimentos, melhora do acesso dos médicos assistentes às informações de saúde dos seus pacientes e, com isso, aprimora-se bastante questões referentes à eficácia e à segurança dos tratamentos propostos e instituídos”, apontou o relator.

Emendas - Eduardo Gomes afirmou que parte dos ajustes promovidos no texto buscaram harmonizar terminologias do projeto com termos técnicos empregados no processo de informatização e das políticas públicas de saúde. Outra preocupação do relator foi explicitar que gestores e desenvolvedores da plataforma digital única do SUS deverão seguir os princípios e as regras constantes da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais — LGPD (Lei 13.709, de 2018) do projeto à LGPD foi defendida em emendas, objeto de emendas dos senadores Leila Barros (PSB-DF), Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Jayme Campos (DEM-MT), Alessandro Vieira (Cidadania-SE), Rogério Carvalho (PT-SE) e Jean Paul Prates (PT-RN).

Inclusão - Eduardo Gomes também incluiu emenda da senadora Soraya Thronicke (PSL-MS), que prevê a manutenção de dados pessoais referentes à saúde em formato interoperável e estruturado para uso compartilhado. Segundo ele, a sugestão enfatiza a interoperabilidade dos diversos sistemas utilizados nas várias esferas de gestão do SUS e na ampla gama de serviços privados de saúde. O relator também acatou duas emendas do senador Izalci Lucas (PSDB-DF), que cuidaram de ampliar de 360 dias para dois anos a entrada em vigor da nova lei e sugerir que a comunicação dos dados registrados poderá ser realizada de forma síncrona.

Sanção - Outra emenda recebida foi apresentada pelo senador Luiz do Carmo (MDB-GO) para estabelecer sanção aos estados, municípios, ao Distrito Federal e aos serviços de saúde privados em caso de descumprimento do dever de alimentar a plataforma digital. O relator também inclui no texto emendas dos senadores Styvenson Valentim (Podemos-RN) e Rose de Freitas (MDB-ES) que defendem a inclusão do histórico de vacinações nessa plataforma. 

Pessoa com deficiência - Por fim, o relator aprimorou o projeto com emenda da senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) para registro da condição de pessoa com deficiência nessa plataforma digital e com emenda do senador Alvaro Dias (Podemos-PR) determinando comunicação ao paciente ou a seus responsáveis quando houver acesso ao banco de dados em situação de emergência.

Sugestões - Segundo Izalci Lucas (PSDB-DF), parte das emendas atendem a sugestões de técnicos do Serpro, DataSus e outro órgãos relacionados a tecnologias de informação. Eles fizeram sugestões durante audiência pública da Comissão Senado do Futuro (CSF) na semana passada. 

GovTech - “Não deixa de ser o início do GovTech, que é fundamental para economizar recursos”, apontou Izalci.  GovTech se refere ao uso da infraestrutura de tecnologia e soluções inovadoras para atender demandas governamentais. (Agência Senado)

FOTO: Waldemir Barreto / Agência Senado

 

SAÚDE I: Brasil tem 2,5 mil mortes e 75,4 mil casos em 24 horas

Em 24 horas, o Brasil registrou 75.445 casos de covid-19 e 2.513 mortes decorrentes da doença. Os dados foram apresentados na atualização diária do Ministério da Saúde sobre a pandemia, divulgada na noite desta terça-feira (18/05).

Mortes - Com as novas estatísticas, o número de mortes causadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia no Brasil chegou a 439.050. Ainda há 3.696 falecimentos em investigação. O termo é empregado pelas autoridades de saúde para designar casos em que um paciente morre, mas a causa segue sendo apurada mesmo após a declaração do óbito.

Total - Com os novos diagnósticos confirmados, o número de pessoas infectadas desde o início da pandemia chegou a 15.732.836.

Acompanhamento - Ainda há no país 1.046.177 casos em acompanhamento. Esse é o nome dado às pessoas infectadas e com casos ativos de contaminação pelo novo coronavírus.

Recuperados - O número de pessoas que se recuperaram da covid-19 desde o início da pandemia totalizou 14.247.609. Isso equivale a 90,6% do total de pessoas que foram infectadas com o vírus.

Números - Os números são em geral mais baixos aos domingos e segundas-feiras em razão da menor quantidade de funcionários das equipes de saúde para realizar a alimentação dos dados. Já às terças-feiras os resultados tendem a ser maiores pelo envio dos dados acumulados.

Estados - O ranking de estados com mais mortes pela covid-19 é liderado por São Paulo (105.105). Em seguida vêm Rio de Janeiro (48.313), Minas Gerais (37.617), Rio Grande do Sul (26.901) e Paraná (24.857). Já na parte de baixo da lista, com menos vidas perdidas para a pandemia, estão Roraima (1.579), Acre (1.625), Amapá (1.628), Tocantins (2.737) e Alagoas (4.523).

Vacinação - Até o momento, foram distribuídos a estados e municípios 90,6 milhões de doses de vacinas contra a covid-19. Deste total, foram aplicadas 54 milhões de doses, sendo 36,6 milhões da 1ª dose e 17,4 milhões da 2ª dose. (Agência Brasil)

saude I tabela 19 05 2021

SAÚDE II: Sesa confirma 6.527 novos casos e 155 óbitos pela Covid-19

saude II 19 05 2021A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou nesta terça-feira (18/05) 6.527 novos casos e 155 mortes pela Covid-19 no Paraná. Os números são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas. Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 1.026.423 diagnósticos e 24.714 óbitos.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta terça-feira são de janeiro (37), fevereiro (23), março (78), abril (149) e maio (6.216) de 2021, e dos seguintes meses de 2020: abril (1), maio (1), junho (1), julho (2), agosto (1), setembro (2), novembro (4) e dezembro (12).

Internados - O informe relata que 2.458 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 1.919 em leitos SUS (952 em UTI e 967 em enfermaria) e 539 em leitos da rede particular (288 em UTI e 251 em enfermaria).

Exames - Há outros 2.987 pacientes internados, sendo 1.037 em leitos UTI e 1.950 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão nas redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Secretaria da Saúde informa a morte de mais 155 pacientes. São 56 mulheres e 99 homens, com idades que variam de 22 a 105 anos. Os óbitos ocorreram de 28 de agosto de 2020 a 17 de maio de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em São José dos Pinhais (14), Maringá (6), Ponta Grossa (6), Curitiba (5), Foz do Iguaçu (5), Guarapuava (5), Castro (4), Pinhais (4), Cascavel (3), Ibiporã (3), Iporã (3), Marechal Cândido Rondon (3), Palmeira (3), Quatro Barras (3), Rio Branco do Sul (3), Santo Antônio da Platina (3), Astorga (2), Bandeirantes (2), Barbosa Ferraz (2), Campo Mourão (2), Candói (2), Colorado (2), Goioerê (2), Jaguariaíva (2), Marialva (2), Piraí do Sul (2), Ramilândia (2), Rio Negro (2), Santo Antônio do Sudoeste (2), Sarandi (2) e Umuarama (2).

Uma morte - A Secretaria da Saúde registra, ainda, a morte de uma pessoa em cada um dos seguintes municípios: Almirante Tamandaré, Andirá, Barracão, Boa Vista da Aparecida, Cambé, Campina da Lagoa, Campo Largo, Carlópolis, Cianorte, Colombo, Contenda, Cornélio Procópio, Faxinal, Fernandes Pinheiro, Florestópolis, Guaíra, Ibema, Imbituva, Inajá, Irati, Jardim Alegre, Londrina, Mandaguaçu, Manoel Ribas, Medianeira, Moreira Sales, Nova Santa Bárbara, Ortigueira, Palmas, Palotina, Paraíso do Norte, Paranavaí, Pato Branco, Paulo Frontin, Piên, Pinhão, Porto Amazonas, Primeiro de Maio, Rolândia, Santa Fé, Santa Mariana, São Carlos do Ivaí, São Jorge do Ivaí, São Miguel do Iguaçu, Siqueira Campos, Telêmaco Borba, Terra Rica, Toledo, Tuneiras do Oeste, Turvo, Uraí e Wenceslau Braz.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 5.749 casos de residentes de fora, sendo que 143 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o boletim completo.

 

SAÚDE III: Terceira remessa de vacinas da Pfizer chega ao Paraná com 39.780 doses

saude III 19 05 2021Integrando a 20ª remessa de imunizantes contra Covid-19 enviada ao Paraná pelo Ministério da Saúde, 39.780 vacinas Comirnaty, produzidas pela Pfizer/BioNTech, chegaram ao Estado nesta terça-feira (18/05). As doses são destinadas em sua totalidade ao prosseguimento da vacinação dos grupos de comorbidades, gestantes e puérperas e pessoas com deficiência severa.

Aeroporto - O lote aterrissou no Aeroporto Afonso Pena, na Região Metropolitana de Curitiba, depois das 19 horas, e foi encaminhado para o Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar). As doses serão conferidas e organizadas no local para posteriormente seguir para a distribuição, que será realizada nos próximos dias. A divulgação do número de doses por cidade também será divulgada pela Secretaria da Saúde em breve.

Descentralização - Esta remessa dá prosseguimento à estratégia de descentralização da Pfizer no Estado. Como a vacina requer armazenamento especial a -70°C no longo prazo, sua logística de distribuição se difere das outras vacinas, limitando seu transporte.

Mais cidades - Esta leva amplia o número de cidades que irão aplicar o imunizante: as doses serão divididas entre Curitiba, Ponta Grossa, Guarapuava, São José dos Pinhais, Colombo e Foz do Iguaçu. Além da Capital, outras três cidades já receberam doses da Pfizer: Cascavel, Maringá e Londrina.

Médio porte - “Estamos distribuindo essa remessa para os municípios de médio porte do Paraná em acordo com a orientação do governador Ratinho Junior, colocando todas as doses à disposição da operacionalização da vacinação contra Covid-19. Por isso, as doses vão para dois municípios da Região Metropolitana de Curitiba, além de Capital e de outras três grandes cidades”, disse Beto Preto, secretário da pasta.

20ª remessa - Além das doses da Comirnaty, também compõem a 20ª remessa de vacinas do Ministério da Saúde outras 374.100 doses do imunizante Covishield, produzido na parceria entre Universidade de Oxford, AstraZeneca e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Divisão - As vacinas da Covishield são divididas entre 229.100 doses para a aplicação da D2 em pessoas de 60 a 64 anos e de 65 a 69 anos e 145 mil para a primeira dose (D1) de pessoas com comorbidades e pessoas com deficiência.

Mais - Nesta terça-feira (18/05), outras 368,8 mil doses de vacinas contra Covid-19 foram enviadas às 22 Regionais de Saúde do Paraná. O quantitativo é composto por doses residuais das 18ª e 19ª remessas, sendo 22.230 doses da Comirnaty (Pfizer/BioNTech), 118 mil doses da Covidshield (AstraZeneca/Oxford/Fiocruz) e ainda 188.800 doses da CoronaVac (Butantan/Sinovac).

Vacinômetro - Até as 18h15 desta terça-feira, o Paraná aplicou 2.166.528 primeiras doses e 1.116.011 segundas doses. O Plano Estadual de Vacinação Contra a Covid-19 estima um total de 4.812.142 pessoas entre os 28 grupos prioritários para imunização. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Gilson Abreu / AEN

 

SAÚDE IV: Boletim da dengue confirma 1.836 novos casos e três óbitos em Matelândia e Londrina

O boletim semanal da dengue confirma 1.836 novos casos da doença e três óbitos. Os dados acumulados no período epidemiológico, iniciado em agosto do ano passado, registram 16.679 casos confirmados e 22 óbitos, além de 72.775 notificações, 32.680 casos descartados e 13.385 em investigação. As informações foram divulgadas nesta terça-feira (18/05) pela Secretaria de Estado da Saúde.

Notificações - No Paraná, 358 municípios têm notificações para a dengue e 267 apresentam casos confirmados.

Medidas - As medidas de combate à doença já são bem conhecidas e envolvem a eliminação de todos os pontos que possam acumular água parada como vasos de plantas, calhas, lajes, ralos, entre outros. Estas ações devem ser diárias tanto nos ambientes domiciliares como nos locais de trabalho e áreas públicas.

Verificação constante - A Secretaria de Estado da Saúde recomenda a verificação constante dos quintais e das áreas internas das residências para a eliminação dos criadouros do mosquito da dengue, o Aedes aegypti.

Trabalho integrado - “O trabalho de combate à dengue continua sendo integrado com os municípios, juntamente com a participação dos paranaenses. Cerca de 90% dos criadouros do mosquito transmissor da doença estão nos quintais e ambientes internos das residências. É importante que a comunidade esteja engajada no combate, eliminando os focos que se concentram em recipientes que acumulam água parada”, afirma o secretário da Saúde, Beto Preto.

Óbitos - Os três novos óbitos neste período referem-se a uma mulher de 71 anos do município de Matelândia (Oeste) com comorbidades, e um homem de 91 anos e uma mulher de 79 anos, ambos sem comorbidades e residentes de Londrina (Norte). As mortes foram registradas nos dias 28 de abril, 12 de abril e 2 de maio, respectivamente.

Cidades - Segundo o boletim, as cidades que registram óbito no Paraná desde agosto do ano passado são Paranaguá (2), Matelândia (1), Foz do Iguaçu (3), Paraíso do Norte (1), Santo Antônio do Caiuá (1), Maringá (1), Apucarana (1), Alvorada do Sul (1), Assaí (1), Cambé (2) e Londrina (8).

Sintomas - A dengue se manifesta com febre de início abrupto, associada a dores de cabeça, dores musculares, nas articulações, atrás dos olhos e o surgimento de exantemas (vermelhidão pelo corpo).

Evolução - Os sinais de alerta apontando para a evolução para quadros mais graves associa, ainda, dores abdominais fortes e contínuas, vômitos, tonturas, sangramentos, queda no número de plaquetas e hipotensão, entre outros.

Sangramentos severos - Na dengue grave podem surgir sangramentos severos, inclusive hemorragia digestiva, choques e formas de comprometimento neurológico, hepático e cardíaco. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o Boletim Semanal da dengue.


Versão para impressão


RODAPE