Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5093 | 17 de Junho de 2021

JURÍDICO: Seminário de Direito Cooperativo da Região Sul será em setembro; reserve as datas

O próximo Seminário de Direito Cooperativo da Região Sul já tem data marcada. Será nos dias 3, 10, 17 e 24 de setembro, em formato on-line, e os interessados em participar já podem reservar em suas agendas. Desta vez, a anfitriã do evento será o Sistema Ocepar. Uma das novidades é que a programação foi distribuída da seguinte forma: serão realizados quatro painéis ao todo, um por dia, com duas horas de duração cada, sempre no período da manhã, contemplando apresentação de palestras e espaço para debates. Serão discutidos temas ligados ao Direito Cooperativo, incluindo assuntos relacionados às áreas de Recursos Humanos, financeira e contábil. A programação completa será divulgada posteriormente.

Público - O evento é destinado a advogados e assessores jurídicos de cooperativas e das Unidades Estaduais do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Desde sua primeira edição, em 2017, é realizado em cooperação entre os Sistemas Ocepar, Ocesc e Ocergs e tem contado com a participação de representantes do Sistema OCB.

 

juridico 17 06 2021

REUNIÃO INSTITUCIONAL: Com industrialização e culturas de inverno, Coopagrícola projeta crescimento de 30%

O investimento em industrialização e o fomento às culturas de inverno devem impulsionar os resultados da Coopagrícola, que projeta um crescimento de 30% no faturamento em 2021. Com sede em Ponta Grossa (PR), a cooperativa iniciou em 2020 um novo ciclo de planejamento estratégico, com prioridade na profissionalização da gestão e incentivo a novas oportunidades de diversificação aos cooperados. Um dos focos de atuação será agregar valor por meio da agroindustrialização. Na manhã desta quarta-feira (16/06), representantes da Coopagrícola e do Sistema Ocepar realizaram, por meio de videoconferência, uma reunião institucional, discutindo indicadores e cenários do cooperativismo do Paraná.

Maltaria - Segundo o diretor Luiz Carlos Casara, o trabalho de fomento às culturas de inverno vai se intensificar nos próximos anos, com a participação da cooperativa na industrialização de malte. Por meio de uma aliança estratégica de intercooperação, a Coopagrícola se uniu às cooperativas Agrária, Bom Jesus, Capal, Castrolanda e Frísia, no projeto de construção da Maltaria Campos Gerais, em Ponta Grossa. A estimativa é que a indústria gere cerca de 3 mil empregos, beneficiando 12 mil cooperados, e produzindo, na primeira fase do empreendimento, 240 toneladas de malte por ano, cerca de 15% do consumo atual do país. “A maltaria traz novas perspectivas aos produtores de cevada, fortalecendo as atividades agrícolas de inverno. Além disso, agregando valor à produção, a cooperativa passa a ter um mix mais diversificado de produtos”, explicou.

A cooperativa - Fundada em 1962, a Coopagrícola (Cooperativa Agrícola Mista Ponta Grossa) tem atualmente 806 cooperados e 122 funcionários, com atuação na recepção, secagem, armazenagem e comercialização de grãos, assistência técnica, produção de sementes e comércio de peças, insumos e produtos agropecuários. Em 2020, teve um faturamento de R$ 258 milhões, um crescimento de 23% em comparação ao ano anterior. “A Coopagrícola entrou numa nova fase de desenvolvimento. Definimos um planejamento estratégico e estamos otimistas para trabalhar na geração de novas oportunidades de crescimento aos cooperados”, afirmou o presidente da cooperativa, Gabriel Nadal.

Reunião Institucional - Na reunião institucional, o superintendente do Sescoop/PR, Leonardo Boesche, fez uma explanação dos temas em discussão no cenário atual do cooperativismo, entre eles a reforma tributária, o novo modelo de pedágio para o Paraná e a formulação do Plano Safra. Os indicadores econômicos foram demonstrados pelo coordenador de Desenvolvimento Cooperativo, João Gogola Neto, e o analista técnico Emerson Barcik. A gerente do Sescoop/PR, Maria Emilia Pereira Lima, falou sobre os programas de capacitação e treinamento do S do cooperativismo, e o coordenador da gerência técnica da Ocepar, Silvio Krinski, explicou sobre a construção do novo ciclo de planejamento do setor, o PRC200.

{vsig}2021/noticias/06/17/reuniao_institucional/{/vsig}

G7: Reunião do Governo com lideranças do setor produtivo trata de ações para recuperação econômica

1g7 17 06 2021O Governo do Estado e o G7, grupo formado pelas principais entidades do setor produtivo paranaense, se reuniram nesta quarta-feira (16/06), por videoconferência, para discutir propostas conjuntas e mostrar o que já tem sido feito para incentivar a retomada econômica e apoiar os setores mais atingidos pela crise causada pela pandemia de Covid-19.

Participação - O encontro contou com a participação do vice-governador Darci Piana, dos secretários estaduais do Planejamento e Projetos Estruturantes, Valdemar Bernardo, e da Comunicação Social e Cultura, João Debiasi; o diretor-presidente da Invest Paraná, Eduardo Bekin, e o diretor de Desenvolvimento Econômico e Relações Internacionais e Institucionais da agência, Giancarlo Rocco, além dos dirigentes e representantes das entidades do G7.

G7 - Fazem parte do grupo a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio-PR), Federação da Agricultura do Paraná (Faep), Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), a Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná (Faciap), Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Paraná (Fetranspar) e a Associação Comercial do Paraná (ACP).

Direcionamentos - O vice-governador disse que a atuação e conhecimento do setor produtivo apontam ao Estado os direcionamentos das políticas de incentivo para a recuperação da economia, principalmente com a vacinação ganhando corpo no Paraná. “O setor produtivo paranaense tem contribuído muito com o governo nessa questão ao apresentar as principais dificuldades de cada segmento durante este período, para nortear a atuação do Estado”, disse.

Pequenos empreendimentos - “O olhar agora precisa ser direcionado aos pequenos empreendimentos, de segmentos que ainda sofrem muito com as restrições impostas pela pandemia, como o turismo, restaurantes e eventos. Mesmo com a retomada já observada na indústria e no comércio, alguns setores ainda sofrem mais que os outros”, afirmou Piana. “Essa discussão conjunta é necessária, para que o governo e a iniciativa privada possam encontrar uma saída para a crise”.

Ações - O Governo do Estado já tem uma série de ações e programas para dar suporte às empresas e empreendedores. Isso inclui linhas de crédito subsidiado e o programa de Auxílio Emergencial que vai destinar R$ 80 milhões para apoiar financeiramente 124 mil microempresas e microempreendedores individuais (MEI) dos segmentos mais afetados pela pandemia.

Comunicação - Outra iniciativa utiliza o aparato de comunicação institucional do governo para divulgar da produção paranaense e incentivar os consumidores a adquirirem produtos fabricados no Estado.

Feito no Paraná - O Feito no Paraná foi lançando no ano passado e será retomado neste ano e conta com reportagens especiais produzidas Agência de Notícias do Paraná (AEN), vídeos e campanhas veiculadas nas redes sociais e nos meios de comunicação, sempre com o intuito de incentivar o consumo de produtos locais.

Engajamento - A ação, explicou o secretário de Comunicação, extrapolou as mídias e gerou engajamento entre os próprios empresários, com os estabelecimentos comerciais utilizando o selo Feito no Paraná, ajudando a divulgar os produtos locais. “Queremos que os paranaenses se vejam e se identifiquem com o conteúdo que produzimos, tanto nas campanhas publicitárias como nos materiais jornalísticos. Esse programa é um exemplo disso e rendeu grande engajamento com o público”, disse Debiasi.

Alcance - Na apresentação aos membros do G7, ele destacou também o alcance dos materiais produzidos pela equipe de Comunicação. Somente no ano passado, a AEN divulgou quase 5 mil notícias, e as páginas do governo tiveram mais de 12,8 milhões de visualizações e 5,4 milhões de usuários ativos.

Notícias - De 2020 até junho de 2021, o Governo do Estado foi notícia em 2.341 veículos de comunicação, sendo citado em 315.041 matérias, veiculadas em 26 estados e com mais de 311 milhões de pessoas impactadas. (Agência de Notícias do Paraná)

 

COOPERATIVISMO: Encontro Cooperativista Brasil-Japão é nesta quinta-feira

A Organização das Cooperativas Brasileiras e a Aliança Cooperativa Japonesa realizam, nesta quinta-feira (17/06), o Encontro Cooperativista Brasil-Japão, com o objetivo de ampliar a relação institucional entre os dois países. A data foi escolhida para marcar a celebração dos 113 anos da chegada do primeiro navio de imigrantes japoneses ao Brasil. O evento terá a participação do presidente da Cooperativa Integrada e diretor da Ocepar, Jorge Hashimoto.

Horário - O evento síncrono ocorrerá às 20h, horário de Brasília, e contará com a participação de autoridades dos governos de ambos os países, além de representantes das cooperativas.

Aproximação - Segundo o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, a instituição tem buscado aproveitar o novo momento de aproximação inovadora, por meio dos canais digitais, para fortalecer o diálogo com movimentos cooperativistas desenvolvidos.

Intercâmbio - “Nossa ideia é promover o intercâmbio de experiências e fundamentar bases para a celebração de parcerias institucionais e abertura de mercado para os produtos e serviços das cooperativas brasileiras. Nosso foco, agora, é o Japão, mas já realizamos esse mesmo trabalho com as cooperativas da Índia, Coreia e Itália”, explicou Márcio Freitas.

Link - Para participar, basta clicar aqui. (Com informações da OCB)

 

evento 17 06 2021

RECM: Mercosul completa 30 anos e países querem estreitar relação

recm 17 06 2021O presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, participou nesta quarta-feira (16/06) da comemoração dos 30 anos do Mercosul, organização internacional criada em 1991, constituída por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, para adoção de políticas de integração econômica e aduaneira entre esses países, e tendo como associados Chile e Bolívia.

Próximos passos - O evento também teve por objetivo debater os próximos passos da Reunião Especializada de Cooperativas do Mercosul (RECM). O presidente do Aliança Cooperativa Internacional para as Américas, Ariel Guarco, e da ex-presidente da entidade, Graciela Fernandez, e do Secretário Nacional de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Fernando Schwanke, além de embaixadores da Argentina no Mercosul participaram da reunião.

Organismo internacional - A RECM é um organismo internacional ligado ao Mercosul, que visa promover a integração dos movimentos cooperativistas dos países do Cone Sul. A OCB é membro-fundadora da entidade, que está em funcionamento desde o ano de 2001. Durante o encontro institucional, foram debatidos o planejamento de atividades e a cooperação comercial entre as cooperativas dos dois países.

Objetivo - Segundo o presidente do Sistema OCB, Márcio Freitas, o objetivo de o Brasil fazer parte desse bloco é buscar, juntos com os órgãos governamentais e organizações representativas dos países do Mercosul, mecanismos de promover o comércio, a intercooperação e aproximação entre as cooperativas dos cinco países membros.

Fórum adequado - “Acreditamos que a RECM é um fórum adequado para fomentar o comércio entre as cooperativas do Cone Sul, propiciando a integração dos movimentos cooperativistas. Temos trabalhado para a harmonizar a legislação cooperativista nos países membros do Mercosul, o que deve contribuir com a construção de um cenário favorável a essas ações”, concluiu Freitas. (OCB)

 

RAMO CRÉDITO: Coops engajadas na educação financeira dos brasileiros

ramo credito 17 06 2021Todos os dias as cooperativas mostram o quanto se preocupam com a comunidade à sua volta. Aliás, esse é um dos valores que norteiam esse modelo de negócios. E uma das provas disso vem da área financeira. É o aponta o relatório do Fórum Brasileiro de Educação Financeira que, junto com o Banco Central, promoveu a sétima edição da Semana Nacional de Educação Financeira (Semana Enef), com apoio de mais de 400 instituições financeiras, entre elas, cooperativas de crédito. Vale destacar que o tema do evento, no ano passado, foi: Resiliência Financeira: como atravessar a crise?

Ações - Ao todo, 2.667 ações e 611 campanhas foram realizadas ao longo da Semana Enef, em 856 municípios, beneficiando um público de mais de 107 milhões de brasileiros. E a prova de que as cooperativas estão comprometidas com a saúde financeira das pessoas é que 86% de todas as iniciativas foram realizadas pelas coops de crédito (2.290 ações e 545 campanhas). Além disso, elas foram responsáveis por 53% do público alcançado.

Maiores contribuintes - “Como em várias edições anteriores, mais uma vez as cooperativas de crédito foram as maiores contribuintes na Semana ENEF, tanto em termos de quantidade de iniciativas quanto em público atingido, elevando em muito o alcance das ações da ENEF”, comentou Maurício Costa de Moura, presidente do Fórum Brasileiro de Educação Financeira.

Essencial - Segundo ele, a educação financeira é essencial para o cidadão em todos os momentos de sua vida, mas é particularmente importante em um ano como foi 2020, em que a pandemia da Covid-19 fragilizou as finanças de uma grande parcela dos brasileiros. “Mais do que em qualquer outra época, é premente falar da importância do planejamento, da poupança e do uso consciente do crédito”, explica Moura.

Cooperativismo - O Sistema OCB estimula a participação das cooperativas desde a primeira edição da Semana Enef, realizando iniciativas que mostram que lidar com dinheiro não é tarefa tão complicada assim. E quem nos explica a importância da contribuição do cooperativismo nesse processo de educação financeira do brasileiro é o superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile.

Capilaridade - “Considerando a capilaridade das nossas cooperativas de crédito – afinal de contas estamos em praticamente todos os municípios brasileiros, em centenas deles, inclusive, como a única instituição financeira existente – temos o dever de contribuir com a sociedade. Por isso, palestras e cursos sobre o valor do dinheiro, como lidar com ele, onde e como investir e, ainda, como planejar a vida financeira são grandes exemplos de como as cooperativas fazem seu dever de casa”, comenta, reforçando: “é por isso que estimulamos as cooperativas a fazerem parte desse grande evento, realizando ações locais, com grande repercussão na vida e no modo de agir das pessoas”, comenta Nobile.

Agenda BC# - Além disso, o superintendente do Sistema OCB também destacou que as cooperativas de crédito estão atuando em prol da Agenda BC# - um pacote de medidas do Banco Central para a democratização financeira no país, o que passa, necessariamente pela educação e inclusão financeira. (OCB)

 

C.VALE: Cooperativa sedia lançamento de programa de empregos

No momento em que a pandemia de Covid-19 e o desemprego castigam o Brasil e o mundo, o oeste do Paraná desfruta de qualidade de vida e da abundância de empregos. O processo de agroindustrialização das cooperativas está gerando um problema que outros estados gostariam em enfrentar: dificuldades para preencher vagas em frigoríficos. Esse quadro levou o governo do Estado a lançar o programa Emprega Mais Paraná, a fim de buscar e capacitar mão de obra para atender a demanda das indústrias. O projeto começará pelos escritórios regionais de Toledo e Umuarama da Agência do Trabalhador. Um ônibus oferecerá os mesmos serviços a municípios que não contam com essas agências.

Lançamento - O lançamento do programa aconteceu, no dia 16 de junho, na sede da C.Vale, em Palotina, no Oeste do Estado. “O mundo busca duas coisas hoje: saúde e emprego. Nós temos isso em abundância aqui: qualidade de vida e 18.330 postos de trabalhos para um futuro breve. Essa conta é só entre a C.Vale, Plusval a Frimesa de Assis Chateaubriand”, disse o presidente da C.Vale, Alfredo Lang. O cálculo envolve a ampliação da industrialização de frangos, peixes e suínos.

Oportunidade - O secretário de Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost, disse que “aqui, quem quer trabalhar tem a sua oportunidade”. Segundo ele, o Paraná é o estado que mais está gerando empregos com carteira assinada no Brasil. “Estamos com esses índices graças às cooperativas e empresas empreendedoras”, assegurou. O secretário de Previdência e Administração do Estado, Marcel Micheletto, comentou que “a vocação do Paraná para o cooperativismo está estimulando o desenvolvimento do Estado”.

Agroindustrialização - O prefeito de Palotina, Luiz Ernesto de Giacometti, observou que, com a agroindustrialização, não há mais pessoas pedindo empregos nas prefeituras. “Está faltando gente para trabalhar, resumiu. (Imprensa C.Vale)

{vsig}2021/noticias/06/17/cvale/{/vsig}

FRÍSIA: Palestrantes da 4ª Digital Agro destacarão o uso da tecnologia para o aumento produtivo no campo

frisia 17 06 2021O dinamismo será uma das características da Digital Agro 2021, que contará com os principais palestrantes nacionais e internacionais de tecnologia, inovação e agronegócio do Brasil. Realizada 100% virtual pela primeira vez, a feira terá três dias de discussões sobre temas que visam ampliar a capacidade produtiva da agropecuária de maneira sustentável e tecnológica. A quarta edição acontecerá entre os dias 12 (abertura oficial) e 15 de julho e poderá ser conferida em https://evento.digitalagro.com.br/. A abertura contará com a palestra do economista e apresentador Ricardo Amorim. O ingresso inteiro está com 50% de desconto até dia 23 de junho.

Tecnologias - No dia 13 de julho (terça-feira), às 9h30, com a temática “Tecnologias para a produção sustentável”, a primeira palestra será realizada por Gustavo Spadotti, supervisor do Grupo de Gestão Estratégica da Embrapa Territorial, que tratará do tema “Passado, Presente e Futuro do Agrossustentável”. Também está confirmada a participação de Franklin Miguel, diretor-geral da Copel Mercado Livre, que realizará a palestra “Setor Elétrico Brasileiro – Oportunidades e Tendências”. O evento terá a presença de Marcelo Prado como mestre de cerimônias e mediador do debate no fim da manhã. Prado é fundador da M.Prado Consultoria Empresarial, líder do segmento de consultoria no agronegócio brasileiro.

Futuro da gestão - No período da tarde, às 15h, a temática será “O futuro da gestão no agronegócio”, que contará com Thomas Voisin, diretor de Relacionamento da Bioline, braço da Invivo, maior grupo de cooperativas da França. Em seguida, Bernardo Maestrini fará a palestra “Big data na pesquisa de safras agrícolas”. Maestrini é pesquisador na Wageningen University and Research, possui PhD em biogeoquímica do solo pela Universidade de Zurique (Suíça) e tem pós-doutorado na Michigan State University.

Smart Farming - A terceira palestra da tarde estará à cargo de Luis Henrique Penckowski, gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Fundação ABC. Ele tratará sobre o modelo Smart Farming, que integra o sistema de informação de gestão, agricultura de precisão e automação agrícola e robótica em uma propriedade rural – o que já acontece de forma piloto em Ponta Grossa (PR) – e do SigmaABC, plataforma que reúne as informações geradas nas propriedades e cria um banco de dados da fazenda, na cloud, como máquinas, implementos, custos de produção e outras informações. Ao fim da tarde, haverá um debate mediado pelo consultor especialista em agronegócio Marcelo Prado.

Segundo dia - No dia 14 de julho (quarta-feira), a partir das 9h30, será tratado o tema “O futuro dos alimentos”. A primeira palestra será com Matthias Tigges, superintendente da Alegra Foods, marca do sistema de intercooperação Unium.

Tendências - A palestra “Tendências na reformulação de produtos cárneos” será ministrada por Marco Antônio Trindade, doutor em Tecnologia de Alimentos e professor associado no Departamento de Engenharia de Alimentos da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo.

Características do solo - No período da tarde, a partir das 15h, haverá as palestras de Fabio Teixeira, CEO e fundador da Hypercubes, startup do Vale do Silício (Califórnia, EUA) que desenvolveu uma tecnologia que, do espaço, analisa as características do solo no planeta, sendo fundamental para o aumento da produção de alimentos.

Fazenda autônoma - A segunda palestra da tarde é com Melissa Carmichael, vice-presidente da Bremer Bank. O próximo palestrante é Jonathan Gill, com a palestra “A fazenda autônoma”. No fim da tarde, haverá um debate com os palestrantes, que terá Alex Foessel como moderador.

Terceiro dia - O último dia da Digital Agro contará com a temática “Pecuária 4.0”, que é baseada no conteúdo da ExpoFrísia, a tradicional feira desenvolvida pela Frísia e que discute soluções e novas tendências na pecuária brasileira e mundial, contando com nomes como Alexandre Mendonça de Barros, falando de tendências de mercado mundial, e Carlos Saviani, gerente de sustentabilidade global da DSM, trazendo as perspectivas do mercado de neutralização de carbono na pecuária.

Inovação - O início da tarde contará com uma palestra do Francisco Jardins, CEO da SP Ventures, falando sobre investimento em inovação em agtech, e uma apresentação do marketplace Supercampo, plataforma de comércio virtual que atenderá inicialmente 80 mil cooperados no Brasil de 12 cooperativas agropecuárias. O marketplace conecta os cooperados a diversas empresas cadastradas para atender as demandas do campo com qualidade, agilidade e segurança.

Startups - Em seguida, será a vez das startups selecionadas no Digital Agro Connection – iniciativa desenvolvida pela Frísia para a escolha de startups que criam soluções para os desafios da cooperativa e suas indústrias. Na tarde do dia 15 haverá pitches das startups selecionadas para a banca examinadora e o público virtual da feira.

Mais confirmações - A organização do evento garante que, além dos citados acima, muitos outros nomes de peso ainda serão confirmados para contribuir com o conteúdo da Digital Agro 2021.

SERVIÇO

Digital Agro Virtual 2021

Quando: 12 a 15 de julho

Horário (Brasília): 19h (dia 12)

                             10h ao 12h / 15h às 17h (dias 13 a 15)

Local: https://evento.digitalagro.com.br/

Entrada: R$ 150 (inteira) / R$ 75 (meia)

Até 23 de junho com lote promocional de 50% de desconto no ingresso inteiro

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Em 2025, a Frísia completa um século de história. A cooperativa é a mais antiga do Paraná e segunda do Brasil, e tem como valores Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). Com unidades no Paraná e Tocantins, em 2020 produziu 283 milhões de litros de leite, 832.765 toneladas de grãos e 28.063 toneladas de suínos, resultado do trabalho de 895 cooperados e 1.119 colaboradores. Para promover o crescimento nos próximos cinco anos, a Frísia desenvolveu o planejamento estratégico “Rumo aos 100 Anos”, um conjunto de propostas que visa aumentar a produção agropecuária e os investimentos com outras cooperativas e em unidades próprias. O planejamento da Frísia foi desenhado sob seis perspectivas principais: Sustentabilidade, Gestão, Mercado, Pessoas, Financeiro e Cooperados. Assim, seguirá a missão da cooperativa, que é disponibilizar produtos e serviços para gerar resultado sustentável a cooperados, colaboradores e parceiros. Saiba mais em frisia.coop.br. (Imprensa Frísia)

 

COCAMAR I: Plantas daninhas, tema do 20º Ciclo de Debates

Sempre trazendo informações interessantes e de qualidade para os produtores cooperados, será promovida nesta quinta-feira (17/06), às 16h30, a 20ª Jornada do Ciclo de Debates Cocamar. O tema desta vez é “Protegendo a Sua Lavoura das Plantas Daninhas”, com transmissão ao vivo pelo canal da cooperativa no YouTube.

Desafio - Infestação de buva e capim amargoso, por exemplo, têm sido um desafio para os produtores de soja, exigindo que o controle seja feito com eficácia para não afetar a produtividade da lavoura.

Participantes - Para tratar do assunto, os engenheiros agrônomos José Eduardo Marcon, responsável pelo atendimento personalizado da Cocamar, e Rafael Furlanetto, gerente técnico da cooperativa, estarão debatendo com o convidado especial, o especialista Leandro Albrecht, professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e pesquisador da Supra Pesquisa. (Imprensa Cocamar)  

 

cocamar I 17 06 2021

COCAMAR II: Unidade e UBS arrecadam agasalhos em S. Sebastião

A unidade da Cocamar em São Sebastião da Amoreira, norte do estado, que opera no mesmo imóvel onde está localizada a Unidade de Beneficiamento de Sementes (UBS) da cooperativa, realizou no mês de maio e início de junho uma campanha para a arrecadação de agasalhos junto a colaboradores e cooperados.

Superou - O objetivo é apoiar entidades assistenciais e, de acordo com o gerente da unidade, Claudinei Donizete Marcondes, o resultado superou as expectativas. “Arrecadamos dois bags de agasalhos, uma quantidade grande, que vai atender muita gente em São Sebastião da Amoreira e também nos municípios de Santo Antônio do Paraíso e Nova América da Colina”, disse, salientando que “tanto o pessoal da unidade quando da UBS se empenhou ao máximo para o êxito da iniciativa”.

Comunidade - O gerente da UBS, Diogo Amaral, cita que projetos assim são muito importantes. “Fortalece ainda mais a participação da Cocamar na comunidade. As ações sociais vêm em linha com os propósitos da cooperativa e a união das duas unidades traz mais força para que realizações assim alavanquem mais arrecadações para atender a população que necessita”. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2021/noticias/06/17/cocamar_II/{/vsig}

SICREDI I: Acordo de cooperação com Conaje é renovado

O Sicredi, instituição financeira cooperativa com mais de cinco milhões de associados em todo o Brasil, renovou por mais dois anos o apoio à Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje). O acordo de cooperação tem como objetivo apoiar jovens empreendedores, disponibilizar acesso a produtos e serviços financeiros, além de promover a formação de líderes das novas gerações em projetos de capacitação para empreendedores. Com a renovação do apoio, a instituição financeira cooperativa reforça seu propósito com a promoção de uma sociedade mais próspera por meio do fomento ao empreendedorismo qualificado que gera emprego e renda, resultando no desenvolvimento regional sustentável.

Iniciativa - A iniciativa é uma parceria da Central Sicredi PR/SP/RJ, que reúne 31 cooperativas atuantes no Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, com mais de 740 agências em 543 municípios dos três estados e da Sicredi Planalto Central, que atua no estado de Goiás e em Brasília (DF). “Como instituição financeira cooperativa, incentivamos a inclusão e o incentivo a jovens com projetos que visam à formação de novas lideranças. Compartilhamos com a Conaje a missão de transformar a sociedade gerando desenvolvimento econômico e social, com o fortalecimento do empreendedorismo e da cooperação por meio das novas gerações”, comenta o diretor de Desenvolvimento da Central Sicredi PR/SP/RJ, Adilson de Sá.

ODS - Conectado aos princípios do cooperativismo, o Sicredi já desenvolve, ao longo de sua história, projetos que estão diretamente ligados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), estabelecidos pela ONU. Integrante do Pacto Global desde 2020, o Sicredi tem entre suas iniciativas de impacto positivo a inclusão de jovens nas cooperativas de crédito com ações de capacitação de lideranças no setor e na sociedade. Somente nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, o Sicredi desenvolve o projeto dos Comitês Jovem em 21 cooperativas com o envolvimento de aproximadamente 600 membros ativos.

Assinatura - A renovação do patrocínio com a Conaje foi assinada no dia 9 junho, durante a posse da nova diretoria da Conaje para a gestão 2021/2022, em Brasília. A assinatura foi realizada pela atual presidente da instituição, Maria Brasil, jovem empreendedora de Salvador (BA). "A Conaje tem, em sua essência, um completo alinhamento com o propósito do cooperativismo e do Sicredi. Buscamos, sempre que possível, ter um olhar mais focado nas pessoas, na possibilidade de construção em conjunto e no crescimento coletivo, com a distribuição de oportunidades e riquezas de forma mais eficiente e justa. Um caminho que oferece a possibilidade de promoção de negócios mais humanizados, com empresários mais conscientes sobre seu futuro e mais confiantes quanto aos potenciais parceiros em sua trajetória rumo ao sucesso sustentável. É com esse pensamento, focados em cooperação mútua, crescimento em conjunto e parcerias com instituições que fazem a diferença, que mantemos a Conaje em seu caminho, com mais de 20 anos de história, de construção de um ambiente empreendedor competitivo para todos os brasileiros", finaliza Maria Brasil.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

{vsig}2021/noticias/06/17/sicredi_I/{/vsig}

SICREDI II: Woop Sicredi passa a contar com pagamentos pelo Google Pay

sicredi 17 06 2021A partir de agora, usuários do Woop Sicredi poderão realizar seus pagamentos de maneira ainda mais simples e rápida via Google Pay, plataforma de carteira digital e sistema de pagamentos por aproximação. Trata-se de mais uma iniciativa da instituição financeira cooperativa para proporcionar alternativas que facilitem a vida financeira dos associados.

100% digital - Com o Google Pay, associados da conta 100% digital do Sicredi podem fazer compras no débito ou crédito sem a necessidade de usar o cartão físico. Utilizando o aparelho celular em maquininhas compatíveis, por meio da tecnologia NFC (Near Field Communication ou comunicação de campo próximo), é possível efetuar pagamentos por aproximação em estabelecimentos físicos, com maior rapidez, agilidade e segurança, além de sites e aplicativos. Para utilizar a ferramenta, é preciso baixar o aplicativo Google Pay e fazer o cadastro do cartão diretamente na plataforma do Google, ou no Woop Sicredi.

Solução - “Esta é mais uma solução que simplifica a rotina das pessoas, pois o celular é um item que costuma estar sempre à mão, e vai ao encontro da premissa de proporcionar benefício aos associados por meio de conexão com parceiros”, explica a líder de Meios de Pagamento do Sicredi, Virginia Cunha.

Autosserviço - O Woop Sicredi é baseado no conceito de autosserviço e disponibiliza funcionalidades como cartão múltiplo, programa de fidelidade, crédito, poupança, organizador financeiro, entre outras. A conta digital conta com diversos canais de atendimento digital como chat, chatbox, videochamada, e-mail e redes sociais. Além disso, proporciona os diferenciais do cooperativismo de crédito como participação nos resultados positivos e direito a voto nas decisões da cooperativa. Para baixar o Woop Sicredi, é só acessar as lojas de aplicativos dos sistemas Android e iOS ou o endereço www.woopsicredi.com.

Passo a passo - Confira o passo a passo para cadastrar seu cartão do Woop Sicredi no Google Pay.

- Abra o app do Woop Sicredi no seu celular

- Procure a opção Google Pay e clique na opção "Registrar meu cartão"

- Escolha o cartão para registro e clique em “Continuar” para seguir o cadastro

- Na tela com a mensagem “Vamos abrir o Google Pay para continuar o registro”, clique em “Continuar”

- Digite sua senha (utilizada para compras presenciais), verifique as informações e clique em "Aceitar"

- Complete com seu endereço e aceite os termos de uso.

Sobre o Sicredi - O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br). (Imprensa Sicredi)

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

 

COMÉRCIO EXTERIOR: Agronegócio bate recorde de US$ 14 bilhões em exportações em maio

comercio exterior 17 06 2021O mês de maio deste ano registrou recorde nas exportações de produtos do agronegócio, com US$ 13,94 bilhões, alta de 33,7% em relação a maio de 2020.

Preços internacionais - De acordo com análise da Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, as vendas foram influenciadas pelo incremento nos preços internacionais das commodities. O índice de preço dos produtos do agronegócio exportados pelo Brasil aumentou 24,6%, enquanto o crescimento do índice de quantum foi de 7,3%.

Nova era - Analistas apontam que a pandemia precipitou uma nova era de uso intensivo de commodities, na medida em que os governos enfatizam a criação de empregos e sustentabilidade ambiental, ao invés do foco na estabilidade financeira desencadeado pela crise de 2009. Além disso, a forte demanda chinesa permanece pressionando os preços de grãos, como milho e oleaginosas, destinados à recomposição e ampliação dos rebanhos suíno e de frango na China.

Redução - Apesar do forte incremento das exportações do agronegócio, a participação do setor diminuiu de 59,5% das exportações totais brasileiras (maio/ 2020) para 51,7% (maio/ 2021).

Importações - As importações do agronegócio subiram, passando de US$ 837 milhões (maio/2020) para US$ 1,22 bilhão (maio/2021), com alta de 13,5%. O saldo da balança ficou em US$ 12,71 bilhões.

Complexo soja - O complexo soja continua como principal destaque, responsável por praticamente 60% do valor das exportações do agronegócio no mês passado.

Cenário internacional - De acordo com o boletim da SCRI, o cenário internacional da soja em grão reflete baixos estoques norte-americanos e elevadas aquisições chinesas.

China - As importações totais chinesas de soja em grão cresceram 12,8% em 2021, passando de 33,9 milhões de toneladas, entre janeiro e maio de 2020, para 38,2 milhões de toneladas na comparação com o mesmo período deste ano.

Recorde - As exportações brasileiras registraram volume recorde de 16,4 milhões de toneladas de soja em grão em maio (+16,3%). O montante e a elevação do preço médio de exportação (+34,5%; US$ 447,73 por tonelada) geraram valor recorde de US$ 7,34 bilhões nas exportações do produto (+56,3%): +US$ 2,64 bilhões em valor absoluto.

Maiores compradores - Em maio, a China foi o país que mais importou soja em grãos (11,2 milhões de toneladas), equivalente a 68% do total exportado pelo Brasil ou aumento absoluto de 1,1 milhão de toneladas em relação a maio de 2020. A União Europeia aparece na segunda posição com 1,552 milhão de toneladas (-8,8%), seguida pela Turquia com 730 mil toneladas (+74,5%). (Mapa)

>> Nota à imprensa - Maio 2021

>> Balança Comercial do Agronegócio - Maio 2021

 

SELIC: Copom eleva taxa básica de juros para 4,25% ao ano

selic 17 06 2021O Banco Central (BC) subiu os juros básicos da economia em 0,75 ponto percentual, pela terceira vez consecutiva. A decisão, anunciada nesta quarta-feira (16/06) pelo Comitê de Política Monetária (Copom), elevou a taxa Selic de 3,5% para 4,25% ao ano. A elevação foi deliberada de forma unânime pelos integrantes do colegiado, que é formado por diretores do BC, e era esperada pelos analistas financeiros.

Elevação - Em comunicado, o BC indicou que deve seguir elevando a taxa Selic na próxima reunião, marcada para os dias 3 e 4 de agosto. "Para a próxima reunião, o Comitê antevê a continuação do processo de normalização monetária com outro ajuste da mesma magnitude. Contudo, uma deterioração das expectativas de inflação para o horizonte relevante pode exigir uma redução mais tempestiva dos estímulos monetários. O Comitê ressalta que essa avaliação também dependerá da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e de como esses fatores afetam as projeções de inflação", informou o texto.

Pressão inflacionária - No comunicado, o Copom destacou que a pressão inflacionária revela-se maior que o esperado, "sobretudo entre os bens industriais". "Adicionalmente, a lentidão da normalização nas condições de oferta, a resiliência da demanda e implicações da deterioração do cenário hídrico sobre as tarifas de energia elétrica contribuem para manter a inflação elevada no curto prazo, a despeito da recente apreciação do real. O Comitê segue atento à evolução desses choques e seus potenciais efeitos secundários, assim como ao comportamento dos preços de serviços conforme os efeitos da vacinação sobre a economia se tornam mais significativos", informou o comunicado.

Ciclo de alta - Com a decisão desta quarta, a Selic continua em um ciclo de alta, depois de passar seis anos sem ser elevada. De julho de 2015 a outubro de 2016, a taxa permaneceu em 14,25% ao ano. Depois disso, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegou a 6,5% ao ano, em março de 2018.

Julho de 2019 - Em julho de 2019, a Selic voltou a ser reduzida até alcançar 2% ao ano em agosto de 2020, influenciada pela contração econômica gerada pela pandemia de covid-19. Esse era o menor nível da série histórica iniciada em 1986. Porém, a taxa começou a subir novamente em março deste ano, passando para 2,75%. Depois, em maio, subiu de novo, para 3,5%.

Inflação - A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em maio, o indicador fechou no maior nível para o mês de maio desde 1996. No acumulado de 12 meses, o IPCA acumula alta de 8,06%. De janeiro a maio deste ano, a inflação foi de 3,22%.

Acima do teto - O valor está acima do teto da meta de inflação. Para 2021, o Conselho Monetário Nacional (CMN) tinha fixado meta de inflação de 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. Com isso, o IPCA não poderia superar 5,25% neste ano nem ficar abaixo de 2,25%.

Relatório - No Relatório de Inflação divulgado no fim de março pelo Banco Central, a autoridade monetária estimava que, em 2021, o IPCA fecharia o ano em 5% no cenário base. Esse cenário considera um eventual estouro do teto da meta de inflação no primeiro semestre, seguido de queda dos índices no segundo semestre. A projeção oficial só será atualizada no próximo Relatório de Inflação, no fim de junho.

Focus - Já a projeção do mercado prevê uma inflação ainda maior, acima até do teto da meta. De acordo com o último boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo BC, a inflação oficial deverá fechar o ano em 5,82%, na 10ª alta consecutiva da projeção. (Agência Brasil)

FOTO: Banco Central do Brasil

MERCADO FINANCEIRO: Ibovespa fecha em queda após EUA anunciarem alta de juros

mercado financeiro 17 06 2021O Ibovespa fechou em queda nesta quarta-feira (16/06), e ficou abaixo de 129 mil pontos durante a tarde, após o Federal Reserve antecipar para 2023 projeção da primeira alta dos juros nos Estados Unidos desde o começo da pandemia de covid-19.

Recuo - Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa recuou 0,64%, a 129.259,49 pontos, em dia também marcado pelos vencimentos dos contratos de opções sobre o Ibovespa e do índice futuro.

Dólar - O dólar fechou o dia cotado a R$ 5,067, em uma leve tendência de alta após cair abaixo de R$ 5 na tarde desta quarta-feira (16/06). A moeda foi negociada a R$ 4,9936 às 13h, mas virou após o anúncio do Federal Reserve (Fed), o banco central dos Estados Unidos, sobre os juros.

Volume financeiro - O volume financeiro somou 91 bilhões de reais.

Fed - O Federal Reserve (Fed), banco central dos Estados Unidos, manteve a taxa de juros de curto prazo próxima de zero e informou que continuará a comprar mensalmente 120 bilhões de dólares em títulos para alimentar a recuperação econômica. Entretanto, o Fed estimou pelo menos dois aumentos nas taxas de juros norte-americanas para 2023. Anteriormente, as projeções apontavam para uma primeira elevação apenas em 2024.

Índice - Nos EUA, o índice norte-americano S&P 500 caiu 0,54%. Na noite desta quarta foi a vez de o Banco Central brasileiro anunciar decisão para a Selic, cuja taxa foi elevada de 3,5% ao ano para 4,25%. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

 

SAÚDE I: País tem 2,9 mil mortes e 95,3 mil casos em 24 horas

Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde registraram 2.997 mortes e 95.367 novos casos de covid-19. Foi o maior número de óbitos em um único dia desde 29 de abril, quando foram confirmadas 3.001 mortes.

Total - O total de novos diagnósticos positivos de covid-19 registrados na atualização do Ministério da Saúde desta quarta-feira (16/06) foi o terceiro maior desde o início da pandemia, perdendo apenas para os dias 2 de junho (95.601) e 25 de março (100.158).

Infectados - Com os novos casos, o país acumula 17.628.588 pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia. Na terça-feira (15/06), o sistema de dados do ministério trazia 17.533.221 casos acumulados. O país tem ainda 1.104.294 casos ativos, em acompanhamento.

Mortes - O total acumulado de mortes em função da covid-19 no Brasil chega a 493.693. Na terça, o número de óbitos por consequência da doença estava em 490.696. Ainda há 3.827 mortes em investigação, ou seja, as autoridades de saúde ainda apuram a causa da morte, mesmo após a declaração do óbito.

Atualização - Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada na noite desta quarta-feira (16/06). O balanço é organizado a partir de informações das secretarias estaduais de saúde. No balanço de hoje não foram computados os dados relativos ao Rio Grande do Sul.

Recuperados - O número de pessoas que foram infectadas e se recuperaram da doença passou dos 16 milhões, alcançando 16.030.601. Isso corresponde a 90,9% do total de infectados pelo vírus.

Números - Os números são em geral mais baixos aos domingos e segundas-feiras em razão da menor quantidade de funcionários das equipes de saúde para realizar a alimentação dos dados. Já às terças-feiras os resultados tendem a ser maiores pelo envio dos dados acumulados do final de semana.

Estados - O ranking de estados com mais mortes pela covid-19 é liderado por São Paulo (119.905). Em seguida vêm Rio de Janeiro (53.476), Minas Gerais (43.559), Rio Grande do Sul (30.032) e Paraná (28.847). Já os estados com menos mortes são Roraima (1.688), Acre (1.723), Amapá (1.784), Tocantins (3.054) e Alagoas (5.056).

Vacinação - Até o momento, foram enviadas a estados e municípios 110.471.288 de doses de vacinas contra a covid-19. Deste total, foram aplicadas 76.695.677 doses, sendo 54.715.698 da primeira dose e 21.979.979 milhões da segunda dose. (Agência Brasil)

 

saude I tabela 17 06 2021

SAÚDE II: Informe sobre a Covid-19 divulga 6.351 novos casos e 294 óbitos no Paraná

saude II 17 06 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quarta-feira (16/06) mais 6.351 casos confirmados e 294 mortes pela Covid-19 no Paraná. Os números são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 1.156.632 diagnósticos e 28.683 óbitos.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta quarta-feira são de janeiro (261), fevereiro (191), março (627), abril (632), maio (563) e junho (3.606) de 2021, e dos seguintes meses de 2020: março (1), abril (10), maio (5), junho (32), julho (70), agosto (105), setembro (27), outubro (23), novembro (63) e dezembro (135).

Internados - O informe relata que 2.717 pacientes com diagnóstico confirmado estão internados. São 2.032 em leitos SUS (957 em UTIs e 1.075 em enfermarias) e 685 em leitos da rede particular (363 em UTIs e 322 em enfermarias).

Exames - Há outros 3.092 pacientes internados, 1.163 em leitos de UTI e 1.929 em enfermarias, que aguardam resultados de exames. Eles estão nas redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Secretaria da Saúde informa a morte de mais 294 pacientes. São 117 mulheres e 177 homens, com idades que variam de 19 a 100 anos. Os óbitos ocorreram de 29 de junho de 2020 a 15 de junho de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Curitiba (38), Foz do Iguaçu (33), Telêmaco Borba (12), Londrina (9), Maringá (8), Ponta Grossa (8), Guarapuava (7), Paranaguá (7), Ibaiti (6), Medianeira (6), Arapongas (5), Paranavaí (5), Campina da Lagoa (4), Fazenda Rio Grande (4), Nova Olímpia (4), Santo Antônio da Platina (4), Campo Mourão (3), Cascavel (3), Colombo (3), Faxinal (3), General Carneiro (3), Paraíso do Norte (3), Pato Branco (3), Pinhais (3), Rolândia (3), Santa Helena (3), Almirante Tamandaré (2), Apucarana (2), Araucária (2), Bituruna (2), Cambira (2), Campo Magro (2), Cruzeiro do Oeste (2), Engenheiro Beltrão (2), Francisco Beltrão (2), Imbaú (2), Japurá (2), Mandaguaçu (2), Maripá (2), Palmas (2), Pinhão (2), Piraí do Sul (2), São José dos Pinhais (2), Tibagi (2), Toledo (2), Tomazina (2) e Umuarama (2).

Uma morte - A Secretaria da Saúde registra, ainda, a morte de uma pessoa em cada um dos seguintes municípios: Altamira do Paraná, Alto Paraná, Bandeirantes, Barracão, Bom Sucesso, Campina Grande do Sul, Campo Largo, Cianorte, Cidade Gaúcha, Conselheiro Mairinck, Cornélio Procópio, Coronel Vivida, Cândido de Abreu, Dois Vizinhos, Florestópolis, Guairaçá, Guaraqueçaba, Guaratuba, Honório Serpa, Imbituva, Irati, Itapejara D'Oeste, Ivaiporã, Jaguariaíva, Jardim Alegre, Joaquim Távora, Laranjeiras do Sul, Mandaguari, Marilena, Marilândia do Sul, Matelândia, Moreira Sales, Nova Esperança, Nova Londrina, Nova Prata do Iguaçu, Paiçandu, Palmital, Paula Freitas, Pinhalão, Piraquara, Planaltina do Paraná, Pontal do Paraná, Pérola, Quatiguá, Quinta do Sol, Rebouças, Reserva, Rio Branco do Ivaí, Rondon, Sabáudia, Santa Fé, Serranópolis do Iguaçu, Siqueira Campos, São José da Boa Vista, São João, São João do Caiuá, São Mateus do Sul, Tamarana, Tapejara, Ubiratã, União da Vitória e Uraí.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 6.334 casos e 164 óbitos de residentes de fora do Estado. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o Informe completo.

 

SAÚDE III: Após início da vacinação na população em geral, Paraná atualiza plano de enfrentamento à Covid-19

saude III 17 06 2021A Secretaria de Estado da Saúde atualizou o Plano Estadual de Vacinação Contra a Covid-19 nesta quarta-feira (16/06). O Paraná incluiu a população geral de 18 a 59 anos, cujo calendário de imunização já foi apresentado, e atualizou a estimativa populacional dos grupos prioritários, que somam agora 4.931.989 pessoas.

Total de imunizados - São, ao todo, 8.736.014 paranaenses aptos a receberam os imunizantes. Desses, 3.397.386 já receberam ao menos uma dose e 1.269.791 estão totalmente imunizados. Cerca de 68,8% do grupo prioritário e 31,9% da população em geral já foram imunizados ao menos com a D1.

Atualizações - “Desde o início da vacinação contra o coronavírus, o Paraná tem buscado atualizações com o objetivo de incluir todas as pessoas que possuem prioridade, dentro das estimativas do Ministério da Saúde, possibilitando recebimento de vacinas compatíveis com a população do Estado”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Nova versão - A Secretaria encaminhará a nova versão do documento para o Ministério da Saúde, para que seja realizado o ajuste da estimativa populacional do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO).

População geral - Segundo a atualização, a estimativa é de que o Paraná tenha 8.736.014 pessoas acima de 18 anos que devem receber pelo menos a primeira dose da vacina até 30 de setembro, conforme o calendário de vacinação divulgado pelo Governo do Estado. A vacinação deve acontecer em ordem decrescente, sucessiva e concomitante com a imunização dos grupos prioritários.

Grupos prioritários - Com o novo Plano o grupo prioritário passa a contar com 4.931.989 pessoas, subdivididas em 30 categorias. A última inclusão foi de trabalhadores da limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos. De acordo com o Vacinômetro do governo federal, todos já contabilizam aplicações.

Estratégia - No Paraná, a estratégia de vacinação adotada segue as normas do Programa Nacional de Imunizações (PNI), com prioridade para grupos pré-definidos. Sua operacionalização se dá em etapas e fases, conforme bases técnicas, científicas, logísticas e epidemiológicas, estabelecidas nacionalmente.

6ª edição - Esta é a 6ª edição do Plano Estadual. A primeira foi publicada em janeiro, diante da iminência da vacinação, com 4.049.801 pessoas elencadas nos grupos prioritários. Desde então o Paraná já incluiu diversas orientações e atualizações no documento. Dentre elas, destacam-se a inclusão da vacina da Pfizer, antecipação do grupo de forças de segurança e salvamento e forças armadas e trabalhadores da educação do ensino básico.

Inclusão - Nesta nova versão foi incluído a vacina da Janssen como imunizante a ser utilizado no Paraná nos próximos dias. Também foram atualizadas as informações sobre vacinação de profissionais de saúde, incluindo todos os profissionais da área com registro em seus respectivos Conselhos de Classe. A vacinação de gestantes e puérperas sem comorbidades também foi incluída. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira a nova versão do Plano Estadual de Vacinação Contra a Covid-19.

FOTO: Sesa

 

SAÚDE IV: Paraná receberá mais 234,5 mil vacinas contra a Covid-19

saude IV 17 06 2021O Paraná receberá nos próximos dias mais 234.510 doses de imunizantes contra a Covid-19, dando respaldo ao Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, as doses serão organizadas e separadas para continuar a imunização dos grupos prioritários e a população em geral acima de 40 anos, seguindo o escalonamento de cada município e do calendário anunciado nesta quarta-feira (16/06).

Lote - A 25ª pauta de distribuição do governo federal destinará ao Estado 90.600 doses da Coronavac/Butantan, parte de um lote de 1,8 milhão de doses distribuído a todo o País. São para D1 e D2. O tempo de aplicação entre as doses do imunizante é de apenas três semanas.

Retomada - Essas vacinas foram entregues pelo instituto paulista ao Ministério da Saúde após a retomada da produção da vacina, que chegou a ser paralisada em maio por conta da falta de matéria-prima (Ingrediente Farmacêutico Ativo).

Pfizer - As outras 143.910 doses são da Pfizer/BioNtech, parte de uma distribuição nacional de 2,4 milhões de doses. Nesse caso, todas são primeiras doses. Seguindo o protocolo adotado nas últimas remessas, essas doses, que requerem refrigeração especial a longo prazo, também serão descentralizadas para todas as Regionais de Saúde.

Chegada - As vacinas chegarão ao Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Logo em seguida serão encaminhadas para o Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar). A data ainda não foi oficializada pelo Ministério da Saúde

Vacinômetro - O Paraná vacinou até o final desta quarta-feira (16/06) 3.397.386 pessoas com a primeira dose e 1.269.791 com as duas. É o sexto que mais imunizou no País em números absolutos. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Américo Antonio / Sesa

 


Versão para impressão


RODAPE