Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5118 | 22 de Julho de 2021

FÓRUM DOS PRESIDENTES: Lideranças das cooperativas do Paraná se reúnem virtualmente nesta quinta-feira

Os presidentes das cooperativas do Paraná estarão reunidos nesta quinta-feira (22/07), a partir das 14h, durante o tradicional fórum promovido pelo Sistema Ocepar no mês de julho. Devido à pandemia, o evento será realizado virtualmente, por meio da plataforma Microsoft Teams, com a participação da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, do governador em exercício, Darci Piana, e do presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas.

PRC200 - Na oportunidade, o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, vai apresentar os projetos estruturantes que deverão ser implementados rumo a um novo desafio: a concretização dos objetivos do Plano Paraná Cooperativo 200 (PRC200), cuja proposta foi apresentada no Fórum dos Presidentes de 2020 e, desde então, foi sendo formatada com a contribuição de cooperativistas de todo o Estado.

BNDES - O diretor de Participações, Mercado de Capitais e Crédito Indireto do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Bruno Laskowsky, fará uma explanação sobre os programas de investimento disponíveis para as cooperativas.

Palestras - A programação do Fórum Virtual dos Presidentes das Cooperativas Paranaenses contempla ainda a apresentação de duas palestras, uma delas com o professor da USP e FGV, Marcos Fava Neves, com o tema “Planejamento estratégico como diferencial competitivo”. Já a professora da FIA, Patrícia Peck, discorrerá sobre a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Jubileu de Ouro - Também haverá um momento de celebração do Jubileu de Ouro da Ocepar. A entidade completou 50 anos no dia 2 de abril e serão prestadas homenagens aos ex-presidentes Guntolf van Kaick, Benjamin Hammerschmidt, Wilson Thiesen, Ignácio Aloísio Donel, Dick Carlos de Geus e João Paulo Koslovski. O evento encerra com o lançamento do livro alusivo ao cinquentenário da Ocepar, intitulado “Paraná Cooperativo, modelo econômico e social”.

Informações - Mais informações com Neuza Oliveira (41 99151-2148 / secretaria@sistemaocepar.coop.br).

 

forum presidentes folder atualizado 19 07 2021

REUNIÃO INSTITUCIONAL: Evolução dos indicadores da Camisc são apresentados no 49º encontro virtual promovido pelo Sistema Ocepar

A 49ª reunião institucional realizada virtualmente neste ano pelo Sistema Ocepar ocorreu na tarde desta quarta-feira (21/07), com a participação de representantes da Camisc, de Mariópolis, na região Sudoeste do Paraná, liderados pelo presidente da cooperativa, Nelson André De Bortoli. Na oportunidade, houve a apresentação e discussão da situação econômico-financeira da Camisc, por meio de indicadores e comparativos com outras cooperativas paranaenses do mesmo ramo e região. Esse acompanhamento de desempenho é feito pela coordenação de monitoramento do Sescoop/PR, com o propósito de manter a qualidade da gestão.

Números - A Camisc é uma das 59 cooperativas agropecuárias registradas no Sistema Ocepar. Ela encerrou 2020 com faturamento de R$ 305,5 milhões, valor que representa um aumento de 37,75% em relação ao obtido em 2019, que foi de R$ 221,8 milhões. As projeções para os próximos anos são bem otimistas. A cooperativa espera faturar R$ 400 milhões em 2021 e chegar a R$ 600 milhões em 2022, devido aos investimentos que estão sendo realizados no aumento da área de atuação, no mix de prestação de serviços e no projeto de sementes, de acordo com o gerente da cooperativa, Gean Rodrigo Maestri. Os resultados também apresentaram um crescimento expressivo, de 82,1%, entre os anos de 2019 e 2020, cujo valor aumentou de R$ 3,6 milhões para R$ 5,4 milhões no período. Já o número de cooperados expandiu 12,8%, subindo de 904, em 2019, para 1.018, em 2020. O quadro laboral saiu de 138 funcionários para 165, entre 2019 e 2020, representando um aumento de 19,6%. Além disso, a Camisc finalizou o exercício passado com R$ 51,91 milhões em patrimônio líquido, R$ 227,04 milhões em ativos e R$ 3,45 milhões em impostos recolhidos. “A cooperativa vem numa constante evolução em relação aos seus números e indicadores. Temos trabalhado para preservar o caixa e fazer investimentos mais a longo prazo, enfim, nós estamos no caminho”, acrescentou Maestri.

Abertura - A reunião institucional foi aberta pelo presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, que falou sobre o Fórum Virtual dos Presidentes das Cooperativas Paranaenses, que ocorre nesta quinta-feira (22/07), a partir das 14h, pela plataforma Microsoft Teams. “É um evento fundamental para nós e já há registro de um bom número de inscritos, por isso acreditamos que o Fórum será bem prestigiado. Vamos levar para os participantes o trabalho feito ao longo do último ano em relação ao PRC200, o novo ciclo do planejamento estratégico do cooperativismo paranaense, cuja ideia foi apresentada nesse mesmo evento, em 2020, com a participação do governador Ratinho Junior. Nós iremos apresentar os 20 projetos estruturantes que serão executados a partir de agora dentro do PRC200”, destacou Ricken. Após discorrer sobre outros detalhes da programação do Fórum dos Presidentes, ele também apontou alguns temas que estão preocupando o setor e que merecem atenção, como as propostas de reforma tributária em discussão no Congresso Nacional e o impacto que algumas medidas podem causar no cooperativismo, além da escassez da oferta do milho, devido a problemas climáticos.

Geada - De acordo com o presidente da Camisc, as geadas provocaram um grande prejuízo nas lavouras de milho, com reflexos na produção e na qualidade dos grãos. Bortoli também falou sobre questões relativas às peculiaridades do cultivo da soja safrinha na região, além da preocupação com a alta nos preços dos insumos e dos tributos. “Mas temos que ir administrando a situação”, complementou.

Dados - Na sequência, o coordenador de monitoramento, João Gogola Neto, apresentou os números consolidados do cooperativismo paranaense e do ramo agropecuário, referentes a 2020. Já o analista Rodrigo Gandara Donini discorreu sobre os indicadores econômicos e financeiros da Camisc, incluindo os cenários comparativos. A gerente de Desenvolvimento Cooperativo, Maria Emília Pereira, mostrou os indicadores de treinamento da cooperativa, relativos aos eventos, carga horária e recursos utilizados em 2020, comparativamente a 2019, destacando os resultados obtidos a partir do que foi planejado e o que efetivamente foi realizado. Ao final, o gerente da Fecoopar, Anderson Lechechen, abordou questões relativas às negociações sindicais.

Participações - A reunião institucional foi ainda acompanhada pelos superintendentes Robson Mafioletti, da Ocepar, Leonardo Boesche, do Sescoop/PR, e Nelson Costa, da Fecoopar, pelo gerente de Desenvolvimento Técnico da Ocepar, Flávio Turra, pelo coordenador jurídico da Ocepar, Rogério Croscato, entre outros profissionais do Sistema Ocepar.

Cooperativa – Pela Camisc, também prestigiaram o encontro, os conselheiros de Administração, Gelson Cristiano Parisotto e Inácio Hillesheim, o conselheiro fiscal Marcio André Merlo e auditora interna Silvana Barbizan.

{vsig}2021/noticias/07/22/reuniao_instituicional/{/vsig}

CRCPR: Comissão do Profissional Contábil da Área Cooperativista encerra ciclo de lives nesta sexta-feira

 

Encerra, nesta sexta-feira (23/07), o ciclo de palestras que a Comissão do Profissional Contábil da Área Cooperativista do Conselho Regional de Contabilidade do Paraná (CRCPR) está promovendo neste mês, em parceria com a KPMG, a partir das 16h, com transmissão pela TV CRCPR. O último debate da série vai tratar sobre “Hedge, Hedge Natural e Hedge Accounting”. Cada live vale um ponto no Programa de Educação Profissional Continuada do Conselho Federal de Contabilidade (PEPC-CFC) para os participantes que estiverem inscritos previamente. A primeira ocorreu no dia 2 de julho e tratou sobre Classificação, Mensuração, Reconhecimento Inicial e Subsequente de Instrumentos Financeiros (Patrimonial e Resultado) / Reconhecimento e Desreconhecimento. A segunda, no dia 9, abordou o tema Riscos Financeiros e Operacionais X Estratégias de Hedge. Na semana passada, o assunto em pauta foi Operações a Termo com Cooperados e Terceiros e Operações de Barter”.

Palestrante - O palestrante das lives é Clenes F. Bezerra, gerente da KPMG em São Paulo, atuante em Auditoria desde 2002, mais especificamente na área de Financial Services e Fundos de Investimento. Os moderadores representando a KPMG são Cristiano Aurélio Kruk, com 23 anos de experiência em auditoria e sócio de auditoria e líder de atendimento de Cooperativas agroindustriais da KPMG no Brasil e Josiane Lima, com 13 anos de experiência em auditoria e gerente sênior de auditoria, parte do time de atendimento de Cooperativas agroindustriais da KPMG no Brasil. Representando a Comissão do Profissional Contábil da Área Cooperativista do CRCPR, são moderadores o coordenador Claudiomiro Rodrigues, também coordenador Administrativo/Financeiro do Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar); e os contadores membros da Comissão Alcir Sebastião Ribeiro, contador de cooperativa desde 2001, Nelson Beltrame, Perito judicial (Vara Cívil); e Devair Mem, mestre em Gestão de Cooperativas.

Inscrição - Confira abaixo a temática programada e inscreva-se:

23/07 às 16h - Hedge, Hedge Natural e Hedge Accounting

Para inscrever-se na live de 23/07, clique aqui!

A Comissão - A Comissão do Profissional Contábil da Área Cooperativista (CRCPR) foi criada em 2016 e é composta por Claudiomiro Rodrigues (coordenador) e os membros Alcemar Luiz Candiotto, Alcir Sebastião Ribeiro, Allan Lukas Jucovski, Devair Antonio Mem, José Ronkoski e Nelson Beltrame. (Com informações da Assessoria de Imprensa do Conselho Regional de Contabilidade do Paraná)

 

contabilidade arte 09 07 2021

 

SISTEMA OCB I: José Salibi Neto na abertura da Semana ConexãoCoop

sistema ocb II 22 07 2021Se você está em busca de informações e estratégias que façam a sua cooperativa se destacar num mercado cada vez mais competitivo e sempre de olho no cliente, então não perca a palestra de José Salibi Neto, autor best seller e cofundador da HSM. Junto com o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, fará a abertura da primeira edição da Semana Conexão Coop, que começa nesta segunda-feira (26/07) e vai até o dia 30 de julho.

Ambiente de negócios - Ambos falarão sobre como entender o ambiente de negócios e as suas complexidades, a importância de ser flexível e, também sobre o fato de a adaptação e a inovação serem o melhor caminho para sua cooperativa se desenvolver cada vez mais.

Palestra - A palestra ocorre às 16h, do dia 26/07, no canal do YouTube do Sistema OCB. A palestra será ao vivo e não ficará gravada, então não perca essa oportunidade!

Sobre o palestrante - É cofundador da HSM, empresa líder em Educação Executiva e, atualmente, trabalha com palestras em eventos por todo o Brasil com objetivo de ajudar empresas e profissionais a atingirem seus potenciais e tomarem decisões que podem determinar o futuro de seus negócios e carreiras.

Outras obras - É coautor do best-seller Gestão do Amanhã, obra que alcançou o primeiro lugar na lista dos mais vendidos da Folha de São Paulo, e das obras O Novo Código da Cultura, O que as Escolas de Negócios Não Ensinam, O Algoritmo da Vitória e o mais novo, Estratégia Adaptativa.

Convivência - Conviveu e trabalhou por mais de duas décadas com todos os principais pensadores da gestão, como Peter Drucker, Jack Welch, Michael Porter e Philip Kotler e líderes mundiais como Bill Clinton, Tony Blair, Al Gore e Rudolph Giuliani. Como Coach e Master Coach, obteve seis certificações no Brasil e Estados Unidos.

ConexãoCoop - E tem mais: nesse mesmo dia o Sistema OCB vai lançar o site ConexãoCoop, cheio de ferramentas que vão ajudar a sua cooperativa acessar mais mercados. Gostou? Então marca na agenda: de 26 a 30 de julho. Clique aqui para conhecer programação completa. (OCB)

 

 

SISTEMA OCB II: Lançado projeto de capacitação para mulheres

sistema ocb I 22 07 2021Promover um processo de capacitação continuada e desenvolvimento de competências para formar lideranças femininas que atuem nas coops agropecuárias, com vistas à participação delas nas instâncias de tomada de decisão. Esse é o objetivo do projeto Semeando futuros - gestão e liderança para mulheres cooperativistas, lançado nesta quarta-feira (21/07). A iniciativa é desenvolvida pelo Sistema OCB e pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Participações - O evento contou com a participação do presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, do diretor do Departamento de Cooperativismo e Acesso aos Mercados, no Mapa, Márcio Madalena, que representou a ministra Tereza Cristina, a coordenadora do Comitê de Mulheres do Sistema OCB, Jamile Guimarães, e a representante da cooperativa Lar, Isabela Albuquerque, que falou sobre a experiência da mulher na propriedade rural.

Condições - Para o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, é preciso criar condições para que o processo da participação das mulheres no sistema cooperativista seja natural. “tem de ser um processo permanente de ocupação de espaços. Acho que nossa obrigação é construir alicerces sólidos para que isso aconteça com naturalidade e, assim, as mulheres tenham acesso às ações de desenvolvimento pessoal e profissional para que colaborem cada vez mais com o crescimento sustentável das coops.

Agradecimento - Por fim, Márcio Freitas agradeceu ao Ministério da Agricultura pela parceria. “Ficamos muito agradecidos pelo fato de o Mapa ter tido essa ideia e nos convidado a embarcar nesse projeto. É uma aliança da qual temos muito orgulho.

Resultado - Já o diretor do Mapa, Márcio Madalena, explicou que o Semeando futuros é o resultado da relação entre Mapa e OCB, que sempre procuraram evoluir juntos. Disse ainda que esse é um projeto feito por mulheres e que se baseia no compartilhamento de informações acerca do empoderamento feminino. “Nos cabe promover encontros como esse para crescermos enquanto profissionais e cidadãos. É disso que o Brasil precisa. Muito obrigado por podermos trabalhar juntos em mais esse projeto”, comenta.

Capacitação - A coordenadora do Comitê de Mulheres do Sistema OCB, Jamile Guimarães, destacou o fato de que não é de hoje que as mulheres fazem parte do cooperativismo. “Desde o surgimento do movimento, as mulheres estavam lá. E, agora, com o Comitê, nós queremos fortalecer essa presença, por meio de capacitação para que elas estejam prontas a atuar como lideranças no processo de desenvolvimento do cooperativismo, gerando a sustentabilidade do sistema”, argumenta.

Na prática - De acordo com a gerente de Desenvolvimento Humano de Cooperativas do Sistema OCB, Geâne Ferreira, as ações de capacitação serão 100% virtuais e já têm um público de 57 participantes. “Com base nas competências que se pretende desenvolver, priorizou-se a escolha de cursos que já temos disponíveis em nossa plataforma Capacitacoop, além de materiais/publicações disponíveis na página do Sistema OCB e do Ministério da Agricultura”, explica.

Duração - A capacitação terá duração de cinco meses (julho a novembro de 2021) e a carga horária total de 70 horas de conteúdo obrigatório (incluindo teoria, cursos EAD, diálogos inspiradores e intercâmbios com mulheres lideranças de diversas cooperativas) distribuídos nos seguintes módulos/temas:

• módulo 1. Cooperativismo;

• módulo 2. Boas práticas de gestão e governança cooperativa;

• módulo 3. Liderança feminina em cooperativas;  

• módulo 4: Políticas públicas de apoio à agricultura familiar e acesso a mercados;

• módulo 5: Inovação;

• módulo 6: Educação financeira (gestão de finanças pessoais);

• módulo 7: Seminário de encerramento.

(OCB)

 

DIA C: Feijoada do Bem arrecada mais de R$ 17 mil em Pato Branco

Foi realizada, no último sábado (17/07), a terceira edição da Feijoada do Bem, iniciativa promovida por um grupo de cooperativas de Pato Branco (PR) por conta do Dia de Cooperar, o Dia C. O evento arrecadou cerca de R$ 17.500,00, recurso que será destinado para a compra de equipamentos de saúde para os hospitais Policlínica de Pato Branco, São Lucas e Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

Proteção individual - Deverão ser adquiridos equipamentos de proteção individual como luvas, máscaras e aventais, além de uma bomba de infusão, que será destinada especificamente para a UPA. A relação de equipamentos será adquirida de acordo com as necessidades apuradas junto ao poder público e a coordenação dos hospitais, com o objetivo de contribuir para o enfrentamento da pandemia de Covid-19.

Alimentos não perecíveis - Além do valor em dinheiro, também foram arrecadados aproximadamente 100 kg de alimentos não perecíveis, que foram destinados para o Lar dos Idosos de Pato Branco.

Organização - Em 2021, a Feijoada do Bem foi organizada pelas cooperativas Coopertradição, Cresol, Evolua, Sicoob, Sicredi, Unicred, Unimed e Uniprime.

Drive thru - Devido às medidas de prevenção à Covid-19, o evento foi realizado no formato drive thru, na Sociedade Rural de Pato Branco. Também foram sorteados prêmios entre os participantes que adquiriram a feijoada. Os ganhadores do sorteio foram: Matheus Spanholi (Iphone11); Matheus Concolatto (Frigobar retrô); Sidnei de Franceski (JBL Charge 4); Mateus Braga (Fone JBL); Denilson de Campos (Camisa do Pato Futsal); Luiz Vivian (Camisa do Pato Basquete) e Bruna Anzileiro (Camisa do Azuriz). (Imprensa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP)

{vsig}2021/noticias/07/22/dia_c/{/vsig}

SICOOB CREDICAPITAL: Cooperativa recebe selo “Empresa Cidadã” concedido pelo Rotary Club de Cascavel

O Sicoob Credicapital foi reconhecido com o selo Empresa Cidadã, concedido pela ABTRF (Associação Brasileira da The Rotary Foundation). A entrega aconteceu no dia 12 de julho, em uma cerimônia que contou com a presença de representantes da cooperativa e do Rotary Club Integração de Cascavel (PR).

Responsabilidade - De acordo com o gerente regional de Cascavel, Antônio Bordini Júnior, ser uma empresa cidadã é ter responsabilidade e contribuir com a sociedade. “Para isso, participamos de campanhas desenvolvidas pela entidade em nosso município, como por exemplo, realização de cirurgias de lábio leporino, doação de cadeiras e rodas e muitas outras ações que ajudam a nossa comunidade”, conta.

Associação Brasileira da The Rotary Foundation - É a porta de entrada da Fundação Rotária no Brasil, para que as pessoas jurídicas sejam parceiras do Rotary em seus projetos sociais. Além disso, a associação é uma entidade civil sem fins lucrativos e conta hoje com aproximadamente 2 mil empresas parceiras. (Imprensa Sicoob Unicoob)

{vsig}2021/noticias/07/22/sicoob_credicapital/{/vsig}

UNIPRIME: Premiada nacionalmente pelo Mastercard Excellence Program 2020

uniprime 22 07 2021Recentemente, a Mastercard premiou a Uniprime no Mastercard Excellence Program 2020 por sua performance em autorizações de compras on-line com os cartões Uniprime Mastercard.

Reconhecimento - “O prêmio significa o reconhecimento de um trabalho bem-feito, da nossa imensa dedicação e paixão pelo que fazemos, e que estamos no caminho certo. Significa que, mesmo concorrendo em um mercado de grandes players, a Uniprime não entrou no jogo para ser coadjuvante, mas sim para ser protagonista e competir sempre no topo”, conta Johnny Rodrigues de Mello, analista de Negócios da cooperativa.

Incentivo - Esta não é a primeira vez que os cartões Uniprime ganham destaque no mercado. De acordo com Lorran Conceição, do Market Delivery – TAM (Technology Account Manager) da Mastercard, “o programa tem o objetivo de incentivar a melhoria de performance dos parceiros quanto a comercialização dos produtos e serviços da Mastercard, e a Uniprime obteve a segunda melhor taxa de aprovação combinada com os menores índices de fraude”, enfatiza Lorran.

Produtos de qualidade - “Para os nossos cooperados, tudo isso significa ter em mãos um produto de qualidade e que realmente agrega valor. Possuir um cartão Uniprime Mastercard garante tranquilidade para efetuar transações quando e onde for necessário”, ressalta Mello.

Momentos de descontração - E para comemorar essa conquista, a Mastercard ofereceu dois momentos de descontração: o preparo de um prato especial - arroz alentejano através de uma live com o chef de cozinha Rodrigo Oliveira e também assistir à final da Champions League 2021 com o pentacampeão mundial Cafu, considerado como um dos maiores laterais direitos da história do futebol. (Imprensa Uniprime)

 

UNIMED LONDRINA: Certificada como “Excelente Lugar para Trabalhar”

unimed londrina 22 07 2021A Unimed Londrina foi certificada pela Great Place To Work (GPTW) com o selo de “Excelente Lugar para Trabalhar”. A conquista é fruto do resultado de uma pesquisa de satisfação dos colaboradores, realizada pela GPTW neste ano. Para obter o reconhecimento é preciso alcançar, no mínimo, 70% de satisfação entre os funcionários. A Unimed Londrina obteve 85%.

GPTW - A GPTW é uma instituição fundada nos EUA que presta consultoria em mais de 100 países, além de mensurar a satisfação dos funcionários de uma empresa, com relação ao clima organizacional, benefícios, remuneração, oportunidade de crescimento, dentre outros.

Credibilidade - Ao receber o selo da GPTW, a empresa obtém credibilidade, tornando-se atrativa aos profissionais e apta para concorrer ao ranking “Melhores Empresas para Trabalhar”.

Qualificação e valorização - Omar Taha, presidente da Unimed Londrina, afirma que a certificação é resultado de um trabalho de qualificação e valorização desenvolvido pela cooperativa para seu quadro de funcionários. “Investimos em nossos colaboradores porque sabemos que temos uma equipe séria e comprometida, disposta a dar o melhor todos os dias. Ao oferecer um ambiente de trabalho comprometido com a excelência e bem-estar, retemos talentos e qualificamos os serviços prestados para os nossos clientes”, ressalta.

Período atípico - O superintendente Administrativo-Financeiro e Mercado da Unimed Londrina, Ricardo Pinelli, destaca a certificação obtida em uma época difícil ocasionada pela pandemia da Covid-19. “Um dos motivos de orgulho é saber que veio justamente num período tão atípico que estamos vivendo e que mesmo assim a cooperativa conseguiu se superar no trato e cuidado com suas equipes”, valoriza.

Reconhecimento - Segundo a gerente de Desenvolvimento Humano da cooperativa, Lucia Baum, o resultado simboliza o reconhecimento da grande maioria dos colaboradores que evidenciaram o valor e o cuidado que a Unimed Londrina presta às pessoas. “O melhor ainda é saber que quem disse isso foram os próprios colaboradores”, reconhece a gerente.

Outras fases - Com a conquista do selo, a cooperativa passará por outras fases da certificação, ao inscrever suas práticas para os demais rankings da GPTW, como Melhores Empresas de Médio Porte PR; Melhores Empresas de Médio Porte BR; Melhores Empresas de Saúde etc. (Imprensa Unimed Londrina)

 

C.VALE: Campanha arrecada mais de 18 mil peças de roupas, cobertores e calçados para doação

A edição de 2021 da Campanha do Agasalho Aqueça Corações, promovida há 14 anos pela C.Vale e núcleos femininos da cooperativa, arrecadou mais de 18 mil peças entre roupas, cobertores e calçados. O volume recorde de donativos recebidos pelas indústrias e unidades do Paraná e Rio Grande do Sul, entre 31 de maio e 10 de junho, foi repassado a entidades assistenciais da área de atuação da C.Vale. “Mais uma vez, mesmo em meio a pandemia da Covid-19, a solidariedade dos associados, funcionários e da população garantiu um inverno mais aquecido para os menos favorecidos, neste que foi o inverno mais intenso dos últimos oito anos”, destacou a coordenadora da campanha do agasalho da C.Vale, Mirna Klein Fúrio.

Indústrias - O comprometimento dos profissionais das indústrias fez novamente a diferença. A ação dos Grupos de Melhoria Contínua do abatedouro de aves arrecadou mais de 5.537 peças. Destaque para o GMC - 040 - Abate em Ação, composto por Denise Sirlei Dockhorn, Gabriela Pelisão, Leandro Bezerra, Vanessa dos Santos Tigi, Lilia Lopes Ribeiro, Carolina Costa Pereira e Ícaro Henrique Mueller que arrecadaram 30% dos donativos da indústria. As doações também foram entregues para entidades assistenciais dos municípios de origem dos trabalhadores do frigorífico. Todos donativos arrecadados foram lavados, esterilizados e embalados antes de serem entregues. (Imprensa C.Vale)

{vsig}2021/noticias/07/22/cvale/{/vsig}

COPAGRIL: Desafio virtual Guardiões da Fronteira tem apoio da cooperativa

Em comemoração ao 9º aniversário do Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron), que é neste mês de julho, é realizado II Desafio Guardiões da Fronteira, evento virtual que tem como objetivo integrar os diversos segmentos da sociedade à instituição Polícia Militar por meio da prática de atividade física, seja caminhada, corrida ou ciclismo. Ação organizada pelo BPFron e que conta com o apoio de diversas instituições e empresas, entre elas a Copagril.

Presente - A diretoria da Copagril recebeu na quarta-feira (21/07) um presente da equipe policial que está visitando os parceiros do evento. No encontro estiveram o diretor vice-presidente, Elói Darci Podkowa; o diretor-secretário, Márcio Buss; o gerente de Marketing, Comunicação e Cooperativismo, Junior Paulinho Niszczak; e os soldados do Canil BPFron: Thiago, Sales e Schimanko, e ainda a cachorra Ronda.

O Desafio- Desafio Guardiões da Fronteira tem por objetivo promover à melhoria da saúde, qualidade de vida e o bem-estar social dos participantes, além de beneficiar pessoas e entidades carentes que foram afetadas pela pandemia COVID-19 e que necessitam de alimentos, por meio das doações arrecadadas com as inscrições.

Virtual - O evento consiste em um Desafio Virtual onde os participantes se inscrevem pelo site Ticket Agora e deverão completar um percurso mínimo de 5 km de corrida/caminhada ou mínimo de 20 km de ciclismo. Completado o desafio, o participante envia uma imagem com o registro da conclusão de sua atividade em uma aba disponível no site da inscrição e recebe seu kit de participação escolhido no momento da inscrição.

Conversão em alimentos - Todo o valor arrecadado com o evento será convertido em alimentos que serão destinados a pessoas e entidades afetadas pela pandemia. Quem quiser contribuir sem participar do desafio, pode estar acessando o site www.ticketagora.com.br e realizando a compra de uma camisa ou agasalho do evento.

Sem aglomerações - Cada participante pode estar realizando o desafio onde e quando quiser, evitando aglomerações e observando as recomendações de segurança relativas à pandemia covid-19.

Sorteio - Nesta edição do evento será sorteada entre os participantes que optarem por participar do sorteio, uma bolsa de estudos da Unicesumar.

Inscrições - Inscrições: até 6 de agosto de 2021.

Validação da prova pelo atleta: até 31 de agosto de 2021.

Link:https://www.ticketagora.com.br/e/II+DESAFIO+VIRTUAL+GUARDI%c3%95ES+DA+FRONTEIRA+-32048?fbclid=IwAR2QV_02xtAmcEZ3-qA1UQLIJYD6DV6x2iLSTaLAHquE5JfPN486hER9QjM

(Imprensa Copagril)

{vsig}2021/noticias/07/22/copagril/{/vsig}

INFRAESTRUTURA: Portos do Paraná registram volumes recordes na descarga de fertilizantes

infraestrutura 22 07 2021O movimento histórico na importação nacional de fertilizantes refletiu no volume desembarcado pelos portos paranaenses. Principais portas de entrada do produto no Brasil, nunca se importou tanto adubo pelos portos de Paranaguá e Antonina quanto no primeiro semestre do ano: 5.197.527 toneladas.

Volume - Em relação às 4.529.969 toneladas movimentadas nos mesmos seis meses de 2020, o volume neste ano foi 14,74% maior. Só no último mês de junho foram 1.059.933 toneladas - a maior descarga de fertilizantes já registrada no Estado.

Crescimento - Comparado ao movimento registrado no último mês de maio, 916.924 toneladas, a importação dos adubos cresceu cerca de 15,6%. Já em comparação com junho de 2020, quando foram 706.852 toneladas desembarcadas, o aumento foi de quase 50%.

Histórico - Em apenas três outros meses, em anos anteriores, o volume de adubos descarregados pelos portos de Paranaguá e Antonina passou de um milhão de toneladas. “Mas nenhum chegou a esse total alcançado no último mês de junho”, diz o diretor de Operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior.

Novembro e dezembro - Em novembro e dezembro de 2018 foram 1.006.771 e 1.014.264 de toneladas, respectivamente. Em julho de 2020, 1.000.863 de toneladas dos granéis foram descarregadas.

Paranaguá e Antonina - “Pelos portos de Paranaguá e Antonina entram cerca de 31% de tudo o que o Brasil importa de fertilizantes. Além de sermos os principais importadores dos produtos, também somos referência em eficiência na descarga desses granéis”, afirma Teixeira.

Operadores - Dos 24 berços disponíveis nos portos paranaenses, em pelo menos sete são descarregados os adubos: três no cais comercial do Porto de Paranaguá (208, 209 e 211); dois berços em píer privado e dois berços no Porto de Antonina.

Berços - “Além dos três berços prioritários, no Porto de Paranaguá, os navios de fertilizantes podem operar em qualquer outro berço público, quando vago”, explica o diretor de Operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior.

Movimentação - Pelos berços públicos do cais comercial de Paranaguá foram movimentadas 3.366.566 toneladas, no primeiro semestre do ano. No mesmo período, em 2020, foram 2.865.300 toneladas. Por esses berços, três empresas descarregam fertilizantes no porto paranaense (Harbor, Rocha e Fortesolo), além da TCP, que recebe o produto em contêineres.

Terminal privado - Pelos berços do terminal portuário privado, localizado no Porto de Paranaguá, foram descarregadas 1.583.533 toneladas. O volume é 6% maior que as 1.493.090 toneladas registradas no mesmo período, em 2020.

TPPF - Pelo terminal privado que opera no Porto de Antonina, TPPF, foram 247.428 toneladas de fertilizantes desembarcadas no primeiro semestre. Comparado às 171.579 toneladas registradas em 2020, o aumento foi de 44%.

Líquido - Um pequeno volume de fertilizantes é importado na forma líquida. Este ano foram cerca de cinco mil toneladas.

Segmento - O Sindicato da Indústria de Adubos e Corretivos Agrícolas no Estado do Paraná (Sindiadubos) confirma o aumento significativo na importação dos produtos.

Relação de troca - “Os produtores agrícolas têm aproveitado a boa relação de troca – ou seja, gastos com fertilizantes X valor da produção - para se abastecerem para as próximas safras, do final deste ano e início de 2022”, explica o gerente-executivo Décio Luiz Gomes.

Curiosidade - As principais origens dos fertilizantes que chegam pelos portos de Paranaguá e Antonina são Rússia (23%), China (21%), Canadá (8,4%), Bielorússia (7%) e Catar (6,5%).

Tipos - Entre os fertilizantes que chegam pelos portos paranaenses estão, principalmente, cloreto de potássio (MOP), ureia, MAP (fosfato monoamônio); sulfato de amônio e complexos NPK. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o histórico da movimentação do período

infraestrutura quadro 22 07 2021

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FOTO: Rodrigo Félix Leal / AEN

 

ECONOMIA: Arrecadação federal chega a R$ 137,169 bilhões em junho

economia 22 07 2021A União arrecadou R$ 137,169 bilhões no mês passado, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (21/07) pela Receita Federal. Na comparação com junho do ano passado, houve um crescimento de 46,77% descontada a inflação, em valores corrigidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Segundo maior - O valor é o segundo maior para os meses de junho desde o início da série histórica da Receita Federal, em 1995, em valores corrigidos pela inflação. Apenas em junho de 2011 a arrecadação foi maior, de R$ 143.793 bilhões.

Primeiro semestre - Nos seis primeiros meses de 2021, a arrecadação federal soma R$ 881,996 bilhões, com alta de 24,49% acima da inflação pelo IPCA, recorde para o período.

Impulso - O ministro da Economia, Paulo Guedes, comentou os resultados e disse que as altas expressivas na arrecadação mostram o forte impulso da economia. “Todos os sinais que estão vindo da Receita, exportações, importações, ritmo de pagamento de impostos em todas as variedades, todos dão sintomas clássicos de uma vigorosa retomada de crescimento econômico”, disse.

Setores - Guedes destacou que, dos 86 setores, apenas seis ainda estão com arrecadação abaixo do período pré-pandemia. "São eventos, agências de viagem, bares e restaurantes, por exemplo, porque ainda existem vetores importantes de distanciamento social, cuidados, muitas prefeituras e estados em regime de exceção à mobilidade”, explicou.

Resultado - De acordo com a Receita, o resultado da arrecadação federal pode ser explicado, principalmente, pelos fatores não recorrentes (que não se repetirá em outros anos), como recolhimentos extraordinários de aproximadamente R$ 20 bilhões em Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e em Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), de janeiro a junho de 2021.

Recolhimentos extraordinários - No mesmo período do ano passado, os recolhimentos extraordinários foram de R$ 2,8 bilhões. No mês, o crescimento foi de 76,88% acima da inflação, com pagamento atípico de R$ 4 bilhões por empresas de diversos setores econômicos.

Pagamento da diferença- Nos últimos meses, esses recolhimentos fora de época têm impulsionado a arrecadação, por causa de empresas que registraram lucros maiores que o previsto e tiveram de pagar a diferença.

Contrabalanço - Os valores contrabalançaram a elevação de R$ 6,675 bilhões (em valores corrigidos pelo IPCA) nas compensações tributárias entre junho de 2020 e de 2021. O aumento foi de 89% em junho deste ano em relação a junho de 2020 e cresceram 51% no período acumulado.

Compensação tributária - Por meio da compensação tributária, uma empresa que previu lucros maiores do que o realizado e pagou IRPJ e CSLL por estimativa em um exercício pode pedir abatimento nas parcelas seguintes, caso tenha prejuízo ou lucro menor que o esperado. Por causa da pandemia da covid-19, que impactou o resultado das empresas, o volume de compensações aumentou de R$ 7,471 bilhões, em junho de 2020, para R$ 14,146 bilhões, em junho de 2021.

Outros fatores - Além do IRPJ e CSLL, os destaques do mês foram as altas registradas na arrecadação do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), 116,25% em valores reais – corrigidos pela inflação. Além da alta de 26,20% no volume de vendas e de 23% no volume de serviços, a receita desses tributos subiu porque o recolhimento de PIS/Cofins foi postergado três meses no ano passado por causa da pandemia.

Aumento - A arrecadação da Previdência Social aumentou 49,28% acima da inflação por causa do adiamento do recolhimento das contribuições patronais e do Simples Nacional.

Comércio exterior - Também houve crescimento da arrecadação dos tributos de comércio exterior, em razão, principalmente, do crescimento da taxa de câmbio e do valor em dólar das importações, que teve elevação de 73,81% em entre maio de 2020 a maio de 2021.

IPI - O Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) teve aumento de 60,97% em relação a junho de 2020, especialmente nos setores de metalurgia, comércio atacadista e fabricação de produtos de borracha e material plástico. O resultado é explicado, principalmente, pelo crescimento de 25,79% na produção industrial. (Agência Brasil)

FOTO: Pixabay

 

CÂMBIO: Dólar tem maior queda em uma semana e fecha abaixo de R$ 5,20

cambio 22 07 2021Influenciado pela melhoria no ambiente externo, o dólar caiu mais uma vez e voltou a ficar abaixo de R$ 5,20. A bolsa de valores reagiu e subiu pelo segundo dia consecutivo, encostando em 126 mil pontos.

Cotação - O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (21/07) vendido a R$ 5,192, com recuo de R$ 0,04 (-0,76%). A cotação operou em alta durante toda a manhã, chegando a R$ 5,26 na máxima do dia, por volta das 12h. Com o alívio no mercado à tarde, a moeda passou a cair, até fechar próxima das mínimas do dia.

Alta acumulada - A divisa acumula alta de 4,4% em julho. Em 2021, a moeda está praticamente estável, com valorização de apenas 0,06%.

Ações - No mercado de ações, o dia for marcado pela recuperação. O índice Ibovespa fechou aos 125.929 pontos, com alta de 0,42%. O indicador chegou a operar em baixa no início da sessão, mas ganhou impulso no fim da manhã e voltou a subir.

Variante delta - A redução dos receios com a disseminação da variante delta do novo coronavírus diminuiu as tensões no mercado internacional, favorecendo países emergentes, como o Brasil. As bolsas norte-americanas e as cotações internacionais do petróleo reagiram.

Arrecadação federal - No Brasil, o resultado da arrecadação federal em junho, que registrou o melhor desempenho para o mês em dez anos, também foi bem recebido pelos investidores. Os números indicam que o crescimento econômico no Brasil continua, apesar das tensões políticas internas. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO: Pixabay

 

SAÚDE I: Brasil registra 19,4 milhões de casos e 545,6 mil mortes

O total de pessoas infectadas com o novo coronavírus chegou a 19.473.954 no Brasil. Nas últimas 24 horas, foram registrados 54.517 novos diagnósticos positivos de covid-19. Na terça-feira (20/07), a soma de casos acumulados era de 19.419.437.

Acompanhamento - Ainda há 722.177 casos em acompanhamento. O nome é dado para pessoas cuja condição de saúde é observada por equipes de saúde e que ainda podem evoluir para diferentes quadros, inclusive graves. Nas últimas duas semanas esse índice vem caindo progressivamente.

Vítimas - Até esta quarta-feira (21/07), a pandemia fez 545.604 vítimas que não resistiram à covid-19. Entre terça e quarta-feira (20 e 21/07), as secretarias estaduais e municipais de saúde de saúde confirmaram mais 1.424 mortes. Na terça, a soma de óbitos estava em 544.180.

Investigação - As autoridades de saúde ainda investigam 3.457 mortes. Isso porque muitas vezes o diagnóstico de covid-19 só é obtido após o falecimento do paciente.

Atualização - As informações foram divulgadas nesta quarta-feira (21/07) pelo Ministério da Saúde em sua atualização diária. A pasta consolida dados enviados pelas secretarias estaduais de saúde sobre casos e mortes relacionados à covid-19. Os dados do estado do Ceará não foram atualizados.

Recuperados - O número de pessoas que se recuperaram da covid-19 somou 18.206.173.

Estados - No topo do ranking de mortes por estado estão São Paulo (135.973), Rio de Janeiro (57.856), Minas Gerais (49.233), Paraná (33.992) e Rio Grande do Sul (32.831). No topo de baixo da lista estão Acre (1.791), Roraima (1.823), Amapá (1.887), Tocantins (3.429) e Alagoas (5.685).

Vacinação - O total de doses disponíveis no país chegou a 164.478.404 segundo informações do Ministério da Saúde. (Agência Brasil)

 

whatsapp image 2021-07-21 at 19.04.48

SAÚDE II: Boletim da Sesa divulga 3.008 novos casos e 84 óbitos pela Covid-19

saude II 22 07 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quarta-feira (21) mais 3.008 casos confirmados e 84 mortes pela Covid-19 no Paraná. Os números são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 1.345.871 casos confirmados e 33.804 óbitos.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de janeiro (4), fevereiro (13), março (213), abril (198), maio (167), junho (210) e julho (2.203) de 2021.

Internados - O informe relata que 1.468 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 1.123 pacientes em leitos SUS (623 em UTIs e 500 em enfermarias) e 345 em leitos da rede particular (169 em UTIs e 176 em enfermarias).

Exames - Há outros 2.302 pacientes internados, 1.399 em leitos de UTI e 903 em enfermarias, que aguardam resultados de exames. Eles estão nas redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Óbitos - A Secretaria da Saúde informa a morte de mais 84 pacientes. São 36 mulheres e 48 homens, com idades que variam de 25 a 100 anos. Os óbitos ocorreram de 19 de fevereiro a 21 de julho de 2021.

Municípios - Os pacientes que foram a óbito residiam em Curitiba (18), Maringá (7), Colombo (4), Arapongas (3), Foz do Iguaçu (3), Londrina (3), Cambará (2), Campina Grande do Sul (2), Campina da Lagoa (2), Paiçandu (2), Paranavaí (2) e Ponta Grossa (2).

Uma morte - A Secretaria da Saúde registra, ainda, a morte de uma pessoa em cada um dos seguintes municípios: Abatiá, Alto Piquiri, Andirá, Apucarana, Araucária, Astorga, Barbosa Ferraz, Boa Vista da Aparecida, Bocaiúva do Sul, Campo Largo, Campo Mourão, Cascavel, Castro, Faxinal, Fazenda Rio Grande, General Carneiro, Guarapuava, Ibaiti, Ibema, Loanda, Mangueirinha, Mariópolis, Medianeira, Paula Freitas, Ribeirão do Pinhal, Rondon, Saudade do Iguaçu, São Jorge do Ivaí, São José dos Pinhais, São João do Caiuá, Telêmaco Borba, Terra Rica, Umuarama e Vitorino.

Fora do Paraná - O monitoramento registra 7.077 casos de residentes de fora do Estado, sendo que 188 pessoas foram a óbito. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o Informe completo.

 

SAÚDE III: Com 63,71% dos adultos imunizados, Paraná é 5º estado que mais vacinou a população

saude III 22 07 2021O Paraná é o quinto estado brasileiro que proporcionalmente mais vacinou sua população adulta contra a Covid-19 com pelo menos uma dose: 63,71% dos paranaenses já receberam a D1 ou a dose única. O Estado fica atrás apenas de Mato Grosso do Sul (72,61%), Rio Grande do Sul (68,66%), São Paulo (67,53%) e Espírito Santo (64,32%). Esse é o retrato de um estudo da Secretaria de Estado da Saúde desta quarta-feira (21/07).

Imunização completa - A colocação se mantém alta quando é considerada a imunização completa, somando as pessoas que receberam a segunda dose ou as doses únicas. O Paraná novamente está em quinto lugar, com 21,65% da população protegida, um em cada cinco cidadãos. O Mato Grosso do Sul lidera com 38,51%, seguido por Rio Grande do Sul (30,33%), Espírito Santo (24,41%) e São Paulo (23,97%).

Levantamento - Os dados são de um levantamento realizado junto ao Vacinômetro do Sistema Único de Saúde (SUS), mantido pelo Ministério da Saúde. A população adulta considera todas as pessoas acima de 18 anos, que no Paraná são estimadas em 8.720.953 pessoas. A meta estabelecida pela Secretaria do Paraná é vacinar 80% dos cidadãos com pelo menos uma dose até o final de agosto, e atingir os 100% até setembro.

Compromisso - Segundo Beto Preto, secretário da pasta, desde o primeiro momento o Paraná estabeleceu o compromisso de entregar as vacinas aos municípios paranaenses com a maior velocidade e equidade possível. "O Governo do Estado não mede esforços para fazer com que as vacinas que tocam o solo paranaense sejam rapidamente distribuídas para as Regionais de Saúde, chegando a todos os municípios”, afirmou o secretário.

Esforço - "Agora que atingimos seis meses de vacinação, eu olho para trás e vejo quanto esforço, quanta vontade de atender. Aviões atravessando os céus do Paraná, veículos transportando as vacinas pelas estradas, assim como os nossos caminhões de insumos, que não pararam de rodar durante todo esse período", completou.

População geral - Quando considerada toda a população paranaense (11,5 milhões de pessoas), o Paraná sobe inclusive uma posição no ranking brasileiro. Somando primeiras doses e doses únicas (indicador que considera as pessoas que efetivamente já passaram em algum ponto de vacinação), 48,24% dos paranaenses foram contemplados. O Estado está em quarto, atrás de Rio Grande do Sul (53,42%), Mato Grosso do Sul (52,89%) e São Paulo (51,61%).

Segundas doses e única - Considerando segundas doses e doses únicas, 16,39% dos paranaenses foram imunizados em relação à população em geral, na sexta posição. Completam a lista dos primeiros Mato Grosso do Sul (38,51%), Rio Grande do Sul (30,33%), São Paulo (23,97%), Espírito Santo (24,41%) e Rio de Janeiro (21,58%).

Número absoluto - O levantamento também considera individualmente o número absoluto de doses aplicadas, entre D1, D2 e doses únicas. No número total, o Paraná é o sexto que mais administrou vacinas, com 7.161.192 imunizantes. São Paulo lidera a lista, com 30.896.377 doses, e é seguido por Minas Gerais (11.763.119), Rio de Janeiro (10.023.477), Rio Grande do Sul (8.518.650) e Bahia (7.205.419).

Destaque - O Paraná se destaca no número de doses únicas aplicadas, ficando em segundo lugar no Brasil. Foram 282.874 doses, vindas dos lotes fabricados pela Janssen (Johnson & Johnson). O único que supera o montante é São Paulo, com 1.474.080 doses.

Posições - Em aplicações de D1, o Paraná fica na quinta posição, com 5.273.023 primeiras doses. São Paulo também lidera o ranking, com 22.416.091 vacinas, e é seguido por Minas Gerais (8.587.241), Rio de Janeiro (7.131.140) e Rio Grande do Sul (5.822.496). Por fim, na segunda dose, o Paraná figura na sexta colocação, com 1.605.295 pessoas. Estão à frente São Paulo (7.006.206), Minas Gerais (2.901.400), Rio de Janeiro (2.650.882), Rio Grande do Sul (2.416.466) e Bahia (1.881.208).

Equilíbrio - Segundo o secretário Beto Preto, o levantamento aponta equilíbrio na aplicação de doses no Paraná, o que considera o ritmo e realidades distintas de 399 municípios. Atualmente, segundo ele, a média de idade de aplicação no Paraná é de 36 anos, com 304 municípios na mesma faixa, de 30 a 39 anos.

Fundamental - “A vacina nesse momento é fundamental, ninguém pode deixar de tomar a segunda dose, ninguém pode simplesmente se recusar a tomar a vacina. Ela não é obrigatória, mas é uma opção que tem que ser levada em conta de maneira firme. Essa é uma decisão de amor, de solidariedade humana. Se temos uma infecção de transmissão comunitária franca e livre, fatalmente quem não tomar vacina será um campo fértil para ser atingido pelo vírus”, reforçou Beto Preto. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o levantamento completo AQUI.

FOTO: Jose Fernando Ogura / AEN

 

SAÚDE IV: Número de beneficiários dos planos de saúde mantém crescimento em junho

saude ans 22 07 2021A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulga, nesta quarta-feira (21/07), a nova edição do Boletim Covid-19 com dados sobre o impacto da pandemia de Covid-19 no setor de planos de saúde. Nesta edição, o boletim revela novo aumento do número de beneficiários de planos de assistência médica, de acordo com dados preliminares relativos ao mês de junho, e mostra que a utilização de serviços de saúde no primeiro semestre de 2021, no geral, permanece abaixo do observado antes da Covid-19. A relação entre receita e despesa das operadoras (sinistralidade) manteve-se em patamar similar ao período pré-pandemia e houve queda de queixas relativas à Covid-19 nos canais de atendimento da ANS.

Clique aqui para acessar a publicação.

Indicadores - O informativo reúne indicadores assistenciais e econômico-financeiros coletados até junho de 2021 junto a uma amostra significativa de operadoras, que representam 74% do total de beneficiários em planos de assistência médica, e contempla ainda: a prévia da evolução do número de beneficiários em planos de assistência médica relativa junho, o número de exames relacionados à Covid-19 realizados pelos usuários de planos de saúde e demandas dos consumidores recepcionadas pela ANS através de seus canais de atendimento.

Evolução de beneficiários - O número preliminar de beneficiários em planos de assistência médica no mês de junho segue a tendência de crescimento, atingindo 48.238.177 usuários, um aumento de 0,27% em relação a maio deste ano. Considerando o tipo de contratação do plano e a faixa etária do beneficiário, observa-se que a variação se mantém positiva para os beneficiários acima de 59 anos em todos os tipos de contratação no período de um ano.

Informações assistenciais - Em junho, a taxa mensal geral de ocupação de leitos – que engloba leitos comuns e UTI – se manteve abaixo do observado em maio, passando de 74% para 73%, e se manteve abaixo dos 75% observados em junho de 2019 (período pré-pandemia). Já a taxa de ocupação de leitos para Covid-19 sofreu redução em comparação a maio (passando de 73% para 68%), enquanto a taxa de leitos para outros procedimentos manteve-se estável, de 74% para 75%. A queda de internações por Covid-19 foi observada tanto para leitos comuns como para UTI, e parece refletir o avanço da vacinação contra a Covid-19 no país, que em 14/07/2021 contava com 117.005.229 milhões de doses aplicadas (somadas a 1ª e 2ª doses), segundo dados do Ministério da Saúde.

Pronto-socorro - A quantidade de consultas em pronto-socorro que não geraram internações também não sofreu variação em relação ao mês anterior, e continua abaixo do observado antes do início da pandemia. Quanto à procura por exames e terapias eletivas (Serviços de Apoio Diagnóstico Terapêutico - SADT), as autorizações emitidas para procedimentos de SADT em junho de 2021 ficaram acima do verificado em junho de 2019.

Sem aumento - De maneira geral, o Boletim aponta que no primeiro semestre de 2021 não houve aumento de utilização de serviços de saúde no comparativo com 2019 (pré-pandemia). Os números seguem em patamar próximo (no caso de exames e terapias eletivas) ou em patamar inferior (no caso de internações e atendimentos em pronto-socorro).

Exames relacionados à Covid-19 - Em relação a exames para detecção da Covid-19, após redução nos meses de janeiro e fevereiro, o número de exames de RT-PCR realizados em março de 2021 foi o maior desde o início da pandemia, atingindo o total de 843.595. Em abril, o número caiu para 330.629. Também diminuiu o número de testes do tipo sorológico: foram 146.489 em março e 65.283 em abril de 2021.

Competências - Cabe ressaltar que, em comparação com Boletins anteriores, números de competências passadas podem sofrer alteração. Isto porque exames ocorridos em determinado mês podem ser cobrados das operadoras nos meses subsequentes quando, somente então, serão enviados à ANS, conforme estabelecido no Padrão TISS.

Informações econômico-financeiras - Em relação aos indicadores econômico-financeiros, esta edição mostra que houve estabilidade no indicador de sinistralidade de caixa quando observados os meses de maio e junho de 2021, quando o índice ficou em 79%.

Sinistralidade - A publicação também revela redução significativa do índice de sinistralidade de caixa no segundo e terceiro trimestres de 2020 em relação ao período pré-pandemia, e a taxa do ano ficou em 73% - oito pontos percentuais a menos que em 2019, quando a taxa ficou em 81%.

Sazonalidade - Em 2021, os dados também mostram aumento do índice de sinistralidade entre o primeiro e o segundo trimestres, evolução que reflete tendência de sazonalidade de mesmo período de 2019. No entanto, os dados do primeiro e do segundo trimestres de 2021 indicam que o indicador permanece em patamar inferior ao observado pré-pandemia (2019). Como se observa nos demais dados deste boletim, com estabilização ou queda de taxas relacionadas a ocupação de leitos ou de procedimentos realizados, não há evidências, até o momento, de que a tendência deva se alterar.

Inadimplência - Sobre inadimplência de planos com preço preestabelecido, em junho de 2021, foram identificados valores levemente menores se comparado com o mês anterior. Porém, esse valor, assim como os percentuais de inadimplência para planos individuais/familiares e para coletivos, permanece próximo dos seus patamares históricos.

Demandas dos consumidores - Em junho, houve queda no número de reclamações relacionadas à Covid-19 registradas nos canais de atendimento da ANS. Foram 1.113 reclamações no mês e 1.280 reclamações em maio deste ano. Do total, 44% das queixas foram sobre exames ou tratamentos; 40% foram sobre outras assistências afetadas pela pandemia e 16% sobre temas não assistenciais (contratos e regulamentos, por exemplo).

Temas gerais - Com relação a temas gerais e relacionados à Covid-19, foram registradas nos canais de atendimento da Agência 16.306 reclamações, passíveis de mediação pelo instrumento da Notificação de Intermediação Preliminar (NIP). O número é 3,9% maior que o registrado em maio deste ano e 45,3% maior que o total de atendimentos feitos em junho de 2020.

Intermediação de conflitos - Importante destacar que a intermediação de conflitos feita pela ANS entre consumidores e operadoras tem resolvido mais de 90% das reclamações registradas nos canais de atendimento da Agência, tanto sobre temas gerais quanto as específicas sobre problemas relacionados à Covid-19. Também é preciso esclarecer que os números de reclamações NIP consideram os relatos de consumidores que cadastram suas queixas na ANS, sem análise de mérito sobre eventual infração da operadora ou da administradora de benefícios à Lei 9.656/98 e seus normativos ou aos termos contratuais.  

Consulte o monitoramento diário das demandas sobre Covid-19.

Sobre os dados - Para a análise dos indicadores assistenciais, a ANS considerou informações coletadas junto a uma amostra de 49 operadoras que possuem rede própria hospitalar. Para os índices econômico-financeiros, foram analisados dados de 100 operadoras para o estudo de fluxo de caixa e de 97 operadoras para análise de inadimplência.

Dados adicionais - Adicionalmente, na construção do boletim, foram utilizados dados do Documento de Informações Periódicas (DIOPS), do Sistema de Informações de Fiscalização (SIF), do Sistema de Informação de Beneficiários (SIB), do Padrão para Troca de Informação de Saúde Suplementar (TISS) e do ANS TabNet.

Monitoramento - Através do Boletim Covid-19 – Saúde Suplementar, a ANS vem monitorando o comportamento e a evolução do setor de planos de saúde desde o início da pandemia. O objetivo é subsidiar a análise qualificada da Agência para a tomada de decisão sobre temas relacionados à Covid-19 e prestar mais informações à sociedade. (ANS)

 

 


Versão para impressão


RODAPE