Imprimir
cabecalho informe

Informe Paraná Cooperativo - edição nº 5136 | 17 de Agosto de 2021

JORNALISMO: Reportagens vencedoras do 14º Prêmio Ocepar são disponibilizadas na íntegra

jornalismo destaque 17 08 2021As 14 matérias vencedoras do 14º Prêmio Ocepar de Jornalismo já podem ser conferidas integralmente no Portal Paraná Cooperativo. Clique aqui para acessar os conteúdos. Foram selecionadas as três primeiras colocadas nas categorias Jornalismo Impresso, Telejornalismo, Radiojornalismo e Mídia Cooperativa e, ainda, a melhor reportagem em cada um dos Prêmios Especiais Unimed e Ramo Crédito.

Anúncio - O resultado do concurso foi revelado durante cerimônia promovida pelo Sistema Ocepar na última quinta-feira (12/08), com a presença de todos os finalistas. O evento ocorreu virtualmente, seguindo todos os protocolos sanitários de prevenção contra a Covid-19, e pode ser conferido pela TV Paraná Cooperativo. Até esta terça-feira (17/07) já haviam sido registradas mais de 530 visualizações. 

Tema - Nesta edição, o Prêmio Ocepar de Jornalismo teve 86 trabalhos inscritos, entre os quais 14 foram selecionados entre os melhores. Os participantes tiveram que produzir reportagens com o tema “Cooperativismo, força econômica e social que faz a diferença”. Além dos troféus, foram distribuídos R$ 88.000,00 em premiações, divididos da seguinte forma, já descontados todos os impostos: 1º lugar: R$ 10.000,00, 2º lugar: R$ 4.000,00 e 3º lugar: R$ 3.000,00. Nos dois prêmios especiais, cada vencedor recebeu R$ 10.000,00.

Comissão Julgadora - Os trabalhos foram avaliados por uma Comissão Julgadora, formada por Júlio Tarnowski Júnior, assessor de imprensa da Ceasa e ex-presidente do Sindijor/PR; Roberto Monteiro, jornalista do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR); Jossânia Veloso, assessora de imprensa da Federação Unimed Paraná; Rogério Leal, gerente de marketing da Central Sicredi PR/SP/RJ; André Franco, jornalista e membro da Associação dos Jornalistas de Agronegócio do Paraná - Ajap; Alexandre Salvador, jornalista e proprietário da Alle Comunicação, além de Lucia Suzukawa, Marli Vieira, Ricardo Rossi e Silvio Oricolli, jornalistas da Assessoria de Comunicação Social do Sistema Ocepar.

15ª edição - O evento de quinta-feira (12/08) foi finalizado com o lançamento do 15º Prêmio Ocepar de Jornalismo, que terá como tema: “50 anos Ocepar. Cooperativa, instrumento de desenvolvimento das pessoas e das comunidades no Paraná”, remetendo ao cinquentenário completado pela entidade no dia 2 de abril deste ano. Poderão concorrer matérias publicadas no período de 4 de junho de 2021 a 11 de março de 2022. O prazo de inscrições se encerrará em 11 de março de 2022.

O Prêmio - O Prêmio Ocepar de Jornalismo é uma iniciativa do Sistema Ocepar, que conta com o apoio financeiro da Central Sicredi PR/SP/RJ e Federação Unimed do Paraná, e apoio institucional da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (Sindijor/PR) e do Sindicato dos Jornalistas do Norte do Paraná. 

VENCEDORES DO 14º PRÊMIO OCEPAR DE JORNALISMO POR ORDEM DE CLASSIFICAÇÃO

TELEJORNALISMO

1º LUGAR

Veículo: CATVE TV

Jornalista: CAMILA REGINA FRETAG

Produtora: KATUSCIA DA SILVA

Imagem e Edição: HANDREY ZOZ

Editora-Chefe: ELIANE MENDONÇA

Tema: “Cooperativismo mirim transformando a realidade social de crianças e adolescentes no Oeste do Paraná”

2º LUGAR

Veículo: TV NAIPI – REDE MASSA - SBT

Jornalista: CRISLAINE FLORENCIO NERES

Repórter Cinematográfico: RAHVI DUARTE BATISTA

Editor de Imagem: YURI IAWAMOTO

Tema: “Cooperativismo nozes”

3º LUGAR

Veículo: REDE MASSA – TV IGUAÇU - SBT

Jornalista/Produtora: ALINE RODRIGUES PERES

Repórter: LUCIAN PICHETTI BRENDLER

Repórter Cinematográfico: JEFERSON RODRIGO WEISS

Editor de Imagem: GABRIEL MACHADO DE SOUZA

Editora: MILENA GONÇALVES DE MACEDO

Tema: “COOENF-PR: Cooperativa de enfermagem na linha de frente”

 

RADIOJORNALISMO

1º LUGAR

Veículo: RÁDIO COMUNITÁRIA FM

Jornalista: RODRIGO ALCANTARA DÁVILA

Tema: “Cooperativas paranaenses: exemplos de inovação e desenvolvimento para o Brasil”

2º LUGAR

Veículo: RÁDIO CBN CURITIBA

Jornalista: FÁBIO TOMICH BUCHMANN

Tema: “Solidariedade que salva”

3º LUGAR

Veículo: RÁDIO BANDA B – CURITIBA

Jornalista: DENISE MELLO

Produtor e editor: ANTÔNIO NASCIMENTO

Tema: “As cooperativas do Paraná na contramão da pandemia”

 

JORNALISMO IMPRESSO

1º LUGAR

Veículo: REVISTA GLOBO RURAL

Jornalista: WILHAN AVILA SANTIN

Tema: “As gigantes do cooperativismo”

2º LUGAR

Veículo: JORNAL DIÁRIO DOS CAMPOS

Jornalista: MILLENA EDUARDA SARTORI

Tema: “Castrolanda, Frísia e Capal conquistam recorde com faturamento de mais de R$ 10 bi em ano de pandemia”

3º LUGAR

Veículo: REVISTA PITOCO

Jornalista: JAIRO EDUARDO FABRÍCIO LEMOS

Tema: “Made in Nova Aurora”

 

MÍDIA COOPERATIVA

1º LUGAR

Veículo: RÁDIO INFORMATIVO COAMO

Jornalista: WILSON BIBIANO LIMA

Tema: “Cooperativismo em verso e prosa”

2º LUGAR

Veículo: REVISTA C.VALE

Jornalista: SARA FERNEDA MESSIAS

Coautores: ALMIR TREVISAN / RENAN TADEU PEREIRA

Tema: “Fé e cooperativismo contra o coronavírus”

3º LUGAR

Veículo: REVISTA COOPAVEL

Jornalista: JEAN CARLO PATERNO

Tema: “Cooperativismo - Trabalho, dignidade e uma chance para recomeçar”

 

PRÊMIO ESPECIAL CRÉDITO

Veículo: REDE MASSA TV NAIPI - SBT

Jornalista: MARIANA KOJUNSKI PINTO

Repórter Cinematográfico: RAHVI DUARTE BATISTA

Editora de Imagens: SANDY STEFANNY DOS SANTOS

Tema: “A realização do sonho pelo cooperativismo”

 

PRÊMIO ESPECIAL UNIMED

Veículo: RÁDIO BANDNEWS CURITIBA

Jornalista: FELIPE HARMATA MARINHO

Jornalista: LORENA PELANDA

Tema: “Cooperativas de saúde criam alternativas para amenizar os impactos do isolamento social em idosos”

 

SISTEMA OCB: Primeiro Seminário do Ramo Transporte 2021 é no Norte

sistema ocb 17 08 2021No ano de 2020 os Seminários Regionais do Ramo Transporte representaram um marco para o cooperativismo de transporte e, em 2021, não será diferente. E, nesta terça-feira (17/08), o primeiro seminário deste ano terá a região Norte como foco. O objetivo do Sistema OCB com essa iniciativa é elaborar, coletivamente, o plano estratégico do cooperativismo de transporte. Para participar, o interessado deve se inscrever (aqui). O evento é online e começa às 16h (horário de Brasília).  

Cronograma - Nas demais regiões os seminários ocorrem nas seguintes datas:

- 2 de setembro de 2021 – Região Nordeste;

-️ 23 de setembro de 2021 – Região Centro Oeste;

- 29 de setembro de 2021 – Região Sul;

- 14 de outubro de 2021 – Região Sudeste;

- 21 de outubro de 2021 – Nacional.

Avaliação - Na avaliação do Sistema OCB, os cinco seminários regionais foram um sucesso de público, com mais de mil participantes. Mesmo ocorrendo de forma totalmente virtual, foi possível a troca de experiências, conhecimentos e a concretização de negócios entre as 1093 coops de transporte. (OCB)

 

COOPAVEL I: Edição de inverno do Show Rural vai receber produtores de 1 a 3 de setembro

coopavel I 17 08 2021Produtores rurais da área de abrangência da Coopavel vão poder participar, de 1º a 3 de setembro, de etapa presencial do 2º do Show Rural Edição de Inverno – a cooperativa tem 34 filiais e está presente em 23 municípios do Oeste e Sudoeste do Paraná. O número de pessoas no parque será limitado e todos os parâmetros dos órgãos de saúde vão ser observados para evitar qualquer risco aos visitantes.

Visitas - Grupos vão visitar as estações pela manhã e à tarde. Os interessados em participar deverão procurar a filial da Coopavel mais próxima de sua propriedade ou ligar para o número (45) 3225-6885. “Vamos receber preferencialmente cooperados, mas outros interessados nas tecnologias que serão apresentadas também serão muito bem-vindos”, diz o coordenador geral do evento, o agrônomo Rogério Rizzardi.

Empresas - O presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, informa que 20 empresas que desenvolvem tecnologias e soluções para culturas de inverno, principalmente ao trigo, vão estar presentes e divulgarão novidades e tendências. Os três dias contarão também com a participação de técnicos da Embrapa e do IDR (Instituto de Desenvolvimento Rural), que apresentarão informações e resultados de suas mais recentes pesquisas sobre cultivos indicados para os meses mais frios do ano.

Grupos - Os visitantes serão divididos em grupos e percorrerão estações especialmente preparadas. Ali, técnicos repassarão os conteúdos correspondentes e esclarecerão dúvidas. “Será similar ao que tivemos no ano passado e que apresentou ótimos resultados”, diz a gerente do Show Rural Coopavel, Adriana Gomes. Desde junho último, a edição digital do evento acontece o ano todo nas plataformas de mídias sociais do evento.

Novos episódios - Os novos episódios podem ser assistidos no portal www.showrural.com.br e no Youtube no endereço youtube.com/showruralagro. Realizado desde 1989 em Cascavel, no Oeste do Paraná, o Show Rural Coopavel é um dos maiores e mais conhecidos eventos de disseminação de novidades e tecnologias para o campo do mundo. (Imprensa Coopavel)

 

COOPAVEL II: Dilvo recepciona Guto Silva e fala de investimentos e de obras estratégicas

A Coopavel experimenta um dos seus melhores momentos, com crescimento a índices históricos e com investimentos em novas unidades e indústrias. Esses foram os principais pontos apresentados pelo presidente da cooperativa, Dilvo Grolli, ao secretário-chefe da Casa Civil, Guto Silva, em visita à Coopavel, em Cascavel (PR), na tarde de sexta-feira (13/08). O secretário se fez acompanhar dos deputados estaduais Gugu Bueno e Marcio Pacheco e foi recepcionado também pelo vice-presidente Jeomar Trivilin, diretores, membros do Conselho Fiscal e gerentes de unidades da cooperativa.

Agronegócio - Dilvo informou que, apesar dos desafios da pandemia, o agronegócio vai bem, abre novas oportunidades de emprego e ajuda o Paraná e o Brasil a avançar economicamente. Ele falou também sobre novos investimentos da Coopavel que chegarão a R$ 500 milhões nos próximos dois anos. Serão R$ 200 milhões em 2021 e R$ 300 milhões em 2022. Esses recursos serão investidos na construção de novas unidades e fábricas no Oeste e Sudoeste do Paraná.

Atuação - “Atualmente, estamos em 12 ramos industriais e vamos lançar, segundo um cronograma cuidadosamente elaborado, inúmeros novos produtos no mercado”, segundo o Dilvo. Cinco novas indústrias serão ativadas em 2021 e 2022 nos setores de fertilizante foliar, fertilizante agromineral, adubos biológicos, saneantes e materiais de limpeza e produtos de carne elaborados prontos para consumo.

Grandes obras - A importância da Ferroeste, com ramais a Foz do Iguaçu, interior do Mato Grosso do Sul e futuramente também ao Sudoeste do Paraná, foi destacada por Dilvo Grolli. “Secretário, essa é uma obra imprescindível ao futuro do nosso Estado. E o governo de Ratinho Júnior tem trabalhado muito e acertadamente para fazer da nossa ferrovia um grande corredor de exportações”. Com 1.285 quilômetros de extensão e previsão de investimentos de R$ 25 bilhões, a Nova Ferroeste será uma das principais estruturas da malha ferroviária brasileira.

Empregos - Dilvo falou também da geração de empregos pela cooperativa, que acaba de ultrapassar a marca histórica de sete mil colaboradores. Ele citou também que 1,8 mil desses funcionários são estrangeiros, de 13 nacionalidades. “São pessoas que, de certa forma são invisíveis para a sociedade, mas que são visíveis e importantes para a nossa e outras cooperativas. Eles encontram aqui a chance de recomeçar as suas vidas, de ter um trabalho, renda fixa e de confiar em um futuro mais promissor”, pontuou o presidente.

Orgulho - O secretário Guto Silva falou que a Coopavel é um grande orgulho aos paranaenses. “É uma cooperativa alicerçada pela união, trabalho, compartilhamento e desenvolvimento, fundamentos que o Governo Ratinho Júnior respeita e compactua”. Guto falou também de investimentos e parcerias para dotar o Paraná de novas tecnologias e inovações, como o 5G. “Vamos investir em tudo que facilite a vida de quem trabalha e empreende”, afirmou o secretário, que citou ainda um projeto de compensação de crédito de ICMS para as cooperativas que viabilizará a implantação de plantas de energia fotovoltaica. (Imprensa Coopavel)

{vsig}2021/noticias/08/17/coopavel_II/{/vsig}

COCAMAR: Cooperativa é destaque em produção de novilho precoce no Paraná

Em setembro a Cocamar completa um ano de atuação no mercado de carne de alta qualidade, em uma parceria que vem assegurando mais rentabilidade a produtores pecuaristas de várias regiões do estado. Por meio da cooperativa, os animais são abatidos no Frigorífico Argus, de São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba, que faz também a distribuição ao segmento varejista.

Bons resultados - Conforme observa o médico veterinário do programa de Produção de Carne Precoce Cocamar, Luiz Henrique Garcia Abreu, ao longo desse ano têm chamado atenção os bons resultados obtidos pelos pecuaristas participantes, com seus lotes.

Qualidade - Além da precocidade, destaque para o melhoramento genético realizado nas propriedades, bem como a nutrição adequada para atingir o critério desejado de gordura. “Os animais se sobressaem pela qualidade diferenciada da carne destinada ao mercado consumidor”, diz, salientando que cooperados das regiões de Paranavaí, Nova Fátima, Santa Mariana e Cianorte apresentaram o melhor desempenho no último trimestre (maio-julho).

Planejar - Abreu comenta que o planejamento é essencial e lembra que a pecuária, por ser uma atividade de ciclo longo, começa agora, por exemplo, a programação para os lotes que serão abatidos em 2023 e 2024. “O ciclo de um animal voltado a esse programa inicia muito antes do seu nascimento, com as matrizes e a genética do touro a ser utilizado na estação de monta.

Trabalho e dedicação - Depois, serão nove meses de gestação e mais sete até a desmama; na sequência, um período de seis a dez meses de recria e entre 100 a 120 dias de confinamento. “São exigidos muito trabalho e dedicação em todas as etapas para garantir o que há de melhor para um mercado consumidor exigente”, completa Abreu.

Apoio aos produtores - A Cocamar tem o objetivo de consolidar sua presença em todos os elos da cadeia, apoiando os produtores desde a compra dos bezerros de qualidade, à recria e terminação, prestando assistência técnica, fornecendo insumos e medicamentos e chegando ao mercado com o produto final – cortes especiais – identificado por um selo do programa.

Precificação adequada - A demanda surgiu de produtores que desenvolvem o sistema de integração lavoura-pecuária (ILP) e integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) em suas propriedades e conseguiram reduzir a idade de abate de seus animais, mas não estavam encontrando no mercado uma precificação adequada para animais de melhor qualidade.

Consolidação - Segundo Abreu, o programa vem se consolidando com animais provenientes de cruzamento industrial entre nelore e angus.

Adicional - Os produtores que atendem aos quesitos desejados de carcaça, como acabamento uniforme de gordura, idade, faixa de peso e outros critérios, têm direito a um valor adicional pela arroba.

Detalhes - “Estamos padronizando os rebanhos, trabalhando apenas com animais de idade inferior a 24 meses, avaliados pela dentição, com gordura uniforme e na faixa de peso de 19 a 23 arrobas”, salienta o médico-veterinário, explicando que 90% dos animais abatidos têm abaixo 20 meses de idade. (Imprensa Cocamar)

{vsig}2021/noticias/08/17/cocamar/{/vsig}

FRÍSIA: Conteúdo completo da Digital Agro virtual está disponível até o dia 15 de setembro

frisia 17 08 2021Está disponível até o dia 15 de setembro o conteúdo da Digital Agro virtual 2021. As pessoas que participaram do evento e quiserem novamente assistir as palestras devem realizar o login na plataforma. Os demais podem adquirir o ingresso a preço promocional de R$ 75.

Registros - Ao todo, a feira contou com mais de 2 mil registros na plataforma do encontro. O conteúdo está disponível em evento.digitalagro.com.br.

Organização - Ocorrida entre os dias 12 e 15 de julho, a Digital Agro é organizada pela Frísia Cooperativa Agroindustrial, com o apoio técnico da Fundação ABC e do governo do Estado do Paraná. A programação do evento contou com os painéis “Tecnologias para produção sustentável”, “Futuro dos alimentos”, “O futuro da gestão no campo”, “AgroInnovation” e “Pecuária 4.0”.

Mesa redonda - A edição deste ano teve ainda uma mesa redonda com as startups Agrimates, Mush, St-One, NeoSilos e Tarvos, que foram as vencedoras do Digital Agro Connection 2020. Também foi realizado o pitch (apresentação das soluções) das startups Getter, Sensix, Ubivis, Agrothings e Agripad, que são as finalistas da edição 2021 do Connection.

Sobre a Frísia Cooperativa Agroindustrial - Em 2025, a Frísia completa um século de história. A cooperativa é a mais antiga do Paraná e segunda do Brasil, e tem como valores Fidelidade, Responsabilidade, Intercooperação, Sustentabilidade, Integridade e Atitude (FRISIA). Com unidades no Paraná e Tocantins, em 2020 produziu 283 milhões de litros de leite, 832.765 toneladas de grãos e 28.063 toneladas de suínos, resultado do trabalho de 895 cooperados e 1.119 colaboradores. Para promover o crescimento nos próximos cinco anos, a Frísia desenvolveu o planejamento estratégico “Rumo aos 100 Anos”, um conjunto de propostas que visa aumentar a produção agropecuária e os investimentos com outras cooperativas e em unidades próprias. O planejamento da Frísia foi desenhado sob seis perspectivas principais: Sustentabilidade, Gestão, Mercado, Pessoas, Financeiro e Cooperados. Assim, seguirá a missão da cooperativa, que é disponibilizar produtos e serviços para gerar resultado sustentável a cooperados, colaboradores e parceiros. Saiba mais em frisia.coop.br. (Imprensa Frísia)

 

COAMO: Sistema fotovoltaico traz economia a cooperados

O sistema de energia fotovoltaica traz benefícios aos adeptos dessa fonte renovável de eletricidade, gerada a partir da conversão direta da luz do sol. Para isso, são utilizados equipamentos para a captação e geração de energia: o painel solar, que consiste em um conjunto de placas que captam a luz do sol e convertem ela em energia elétrica, e o inversor fotovoltaico, que adapta a energia gerada pelo painel para o padrão utilizado em tomadas e rede elétrica.

Uso - Milhares de pessoas no Brasil utilizam a luz do sol como fonte de energia elétrica. Além de uma fonte de energia limpa, renovável e abundante, quem utiliza esse sistema pode economizar nas faturas.

Peabiru - É o que acontece na propriedade do cooperado Denglar Antônio Rodrigues, de Peabiru (Centro-Oeste do Paraná). Denglar instalou o sistema fotovoltaico na esperança de melhorar os custos. “Eu achei que meu custo de energia estava ficando muito caro. A princípio estava receoso, mas depois vi que era uma alternativa muito boa.” Foram instalados na propriedade 75 painéis, que têm capacidade para produzir 3000 a 4000 kwats hora/mês.

Atividades - O cooperado utiliza a energia para várias atividades. Na propriedade, além das cinco casas e do barracão, Denglar tem máquinas e outros equipamentos com alto consumo elétrico. A última fatura, antes da instalação das placas, foi de R$2.222,26. O primeiro mês, após o sistema ser ativado, fez com que o valor da fatura caísse mais de 98%, chegando a R$34,94. “Todos os cooperados deveriam investir na energia fotovoltaica. A tendência da energia é ficar cada vez mais cara e essa economia, para mim, fez toda a diferença”, acrescenta o cooperado.

Credicoamo - A Credicoamo possui uma linha de financiamento para incentivar o uso dessa fonte renovável, facilitando ainda mais a aquisição da tecnologia aos associados. Toda a estrutura já tem seguros, uma tranquilidade a mais para o cooperado.

Melhores marcas - O encarregado de Distribuição da Coamo em Peabiru, Tiago Fabiano Alves, enfatiza que a Coamo trabalha com as melhores marcas de equipamentos fotovoltaicos. “O produtor deixa de pagar a fatura de energia e paga a fatura do gerador. A Credicoamo oferece condições facilitadas, para um investimento que vale a pena. Se o cooperado fizer a conta, em cinco anos ele termina de pagar seu gerador e tem uma energia de qualidade, quase de graça, pagando somente a taxa mínima para a empresa distribuidora”, explica Tiago. (Imprensa Coamo)

{vsig}2021/noticias/08/17/coamo/{/vsig}

UNIUM: Herança Holandesa divulga finalistas de concurso de influencers de gastronomia

unium 17 08 2021A Herança Holandesa, marca de farinha de trigo da Unium, divulgou nesta segunda-feira (16/08) os 20 finalistas do concurso “Seja um Influencer Herança Holandesa”, que irá escolher três "referências digitais" no ramo gastronômico para representar a indústria em publicações nas redes sociais pelo período de três meses.

Finalistas - Confira a lista dos finalistas:

Nathalia de Paula do Vale - @engordamarido

Amanda Kuner - @kutnerr

Emanoel Mainardes - @emmanoelmainardes

Lucas Machado - @lucasmachadoa

Graciane Eckermann - @GraEckermann

Viviane Prado - @viviprado_gastronomiaartesanal

Ana Paula Ortiz - @ana_paula_ortiz

Marilene Serenato - @culinariatibagi

Olyvia Bueno - @buenabrigaderia

Aline dos Santos Martins - @oficinadocarboidrato

Ivonete de Almeida Gallani Pinto - @ bolos.danete

Diego Clausen - @doceanjopatisserie

Luciane Demczuk - @cake_loo

Giselle Giza Ramos - @cacau3geracoes

Bruna Xavier Borges - @bruna.borgesxavier.75

Silvia Kugler - @silvia_kugler

Liziane Bolonhezi - @bolognezi__massas

Rayana Malinowski da Trindade - @rayanamtrindade

Fabiane Peplow - @faby_peplow

Mariane Dahmer Ferreira Pedroso - @_doceamorpg

Última fase - Na última fase do concurso, a Herança Holandesa escolherá os três melhores influencers por meio de um vídeo de até um minuto sobre sua "receita favorita", que deve ser enviado pelos candidatos até o dia 27 de agosto.

Cestas e brindes especiais - Além de contar com a divulgação nas redes sociais oficiais da Herança Holandesa, os vencedores receberão, durante três meses, cestas com todos os produtos da marca e brindes especiais, além de uma batedeira Kitchenaid. Uma visita às instalações do Moinho Herança Holandesa, em Ponta Grossa, também está planejada.

Vencedores - A divulgação dos vencedores acontecerá no dia 1° de setembro de 2021.

Sobre a Unium - Marca institucional das indústrias das cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, a Unium representa os projetos em que as cooperativas paranaenses atuam em parceria. Conta com três marcas de lácteos: Naturalle – com produtos livres de aditivos -, Colônia Holandesa e Colaso. No setor de grãos, a Unium tem a marca Herança Holandesa – farinha de trigo produzida em uma unidade totalmente adequada à ISO 22000, com elevados padrões de exigência.Além disso, fazem parte dos negócios a Alegra, indústria de alimentos derivados da carne suína, e a Energik, usina de produção de energia sustentável, todas reconhecidas pela qualidade e excelência. Mais informações: http://unium.coop.br/. (Imprensa Unium)

 

CRESOL: Investimentos em marketing são ampliados e nova campanha nacional é lançada

cresol 17 08 2021 A Cresol, uma das principais cooperativas de crédito do Brasil, lança na segunda quinzena de agosto sua mais nova campanha nacional. Com investimento 42% superior a 2020, a instituição pretende se aproximar cada vez mais do cooperado. Dessa vez, para reforçar os benefícios de fazer parte de uma cooperativa de crédito.

Tema - Com o tema “Cresol para Todos”, a campanha conta com quatro diferentes filmes de 30 segundos cada e um principal de 1:30’, além de versões para outros formatos, e tem como objetivo mostrar que a Cresol está moderna, digital, mas integrada e sendo para todos.  

Campanha - A campanha, que será veiculada em TV aberta e emissoras de rádio nos 17 estados onde a Cresol está fisicamente presente, além de mídia online e impressa, e uma forte presença nas redes sociais da instituição, mostra ao cooperado que ele pode contar sempre com a Cresol, para tudo o que precisar, tendo à sua disposição um serviço ou produto específico e criado para ele.

Filmes - Além disso, foi desenvolvida uma série de filmes que estará disponível também no Youtube e no IGTV do Instagram da marca. Os episódios ressaltam produtos e serviços específicos para cada público, independente se é um produtor rural, empresário, investidor ou pessoa física.

Gravações - As gravações foram realizadas em Maringá (PR) e contaram com diferentes cenários: um pet shop, uma propriedade rural, um escritório e o home office. As histórias se conectam entre os diferentes personagens, cuja mensagem sempre é o motivo que os fizeram optar por participar de uma cooperativa de crédito e a facilidade em fazer parte da instituição.

Cooperativismo - O cooperativismo é um movimento que vem crescendo muito nos últimos anos, contribuindo para dar acesso a soluções financeiras para milhares de brasileiros. Diferente de outros modelos de negócio, na Cooperativa de Crédito, o cooperado tem parte dos resultados creditados em sua conta em forma de remuneração de seu capital, o que contribui para abrir oportunidades de investimento melhores.

Origem - Fundada em 1995, a Cresol surgiu da unificação de agricultores no sudoeste do Paraná. Sua atuação fomentou o trabalho de produtores rurais que estavam excluídos do sistema financeiro, e, por isso, não tinham condições de obter crédito para investir no próprio negócio. Somente nos últimos 30 dias, a Cresol liberou R$ 1 bilhão em recursos destinados aos produtores cooperados, contemplando operações de custeio e investimento. Sendo este, apenas um dos públicos da cooperativa.

Presença - Atualmente a Cresol possui mais de 645 mil cooperados e 5 mil colaboradores em 17 estados brasileiros, e é uma instituição cooperativa financeira completa, com soluções e atendimento personalizado de acordo com o interesse do cooperado, tendo como principal diferencial o relacionamento, tanto com o quadro social, quanto com a comunidade. A solidez e a confiança da instituição também são expressas em outros números, como mais de R$ 14 bilhões em ativos e uma carteira de crédito de quase R$ 10 bilhões.

Atendimento - “Hoje na Cresol atendemos todos os nichos, pessoa física, empresas, os agricultores, investidores, somos de todos. Nos modernizamos, temos a tecnologia a nosso favor, mas sem deixarmos de lado a nossa história e o nosso grande diferencial, que é o relacionamento”, explica Cledir Magri, Presidente da Cresol Confederação.

Mais - Confira mais sobre a campanha em cresol.coop.br/para-todos. (Imprensa Cresol)

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Agência Idéxis

Produtora: Check Filmes

Direção de cena: Douglas Frigeri

Direção de fotografia: Luiz Maximiano

Coordenação de produção: Renato Prado

Direção de arte: Ana Basso

Atores: Tiago Luz, Tati Crespa, Paulo Nogueira e Ricardo Marchiori

Edição, finalização e color: Check Filmes

 

SICREDI UNIÃO PR/SP: Na estrada com o presidente da cooperativa

sicredi uniao 17 08 2021O diferencial cooperativista é o relacionamento. Mais do que entregar serviços financeiros, o acolhimento, o bom atendimento e o relacionamento com o associado sempre foram e serão benefícios da participação em uma instituição financeira cooperativa.

Visitas presenciais - Mas essas premissas não podem ser apenas faladas, e sim vividas pelas instituições e seus líderes. E esse sempre foi o olhar do presidente da Sicredi União PR/SP, Wellington Ferreira, que, após quase dois anos de isolamento, está visitando presencialmente as agências, conversando com cada colaborador, ouvindo anseios e vitórias neste tempo e, como sempre, distribuindo aprendizado.

Primeiros - Os primeiros colaboradores a receberem a visita foram os da Regional Maringá, cuja área de atuação abrange 28 municípios e conta com 25 agências. E os encontros têm sido proveitosos. Quem confirma é o gerente regional, Sérgio Gentilin. “Acreditamos que se o colaborador conseguir transmitir para o associado o orgulho que tem de trabalhar conosco, é a receita do sucesso. As visitas promovem aculturamento principalmente dos colaboradores jovens e recém-chegados. Conhecer o presidente, a história dele, como começou a cooperativa... isto não tem preço”, destaca.

Satisfação - Quem não esconde a satisfação de ter tido a oportunidade de conversar com o presidente é a estagiária Jaqueline Beatriz de Matos, de Maringá. Cursando o terceiro ano de Ciências Contábeis, ela ingressou na cooperativa há quatro meses. “Foi um dia marcante e inspirador. Na Sicredi União PR/SP tanto o associado como o colaborador são tratados com valor. Quando descobri todas as estratégias e os esforços da cooperativa, entendi mais sobre nosso papel. É como o presidente falou: o que faz com que as pessoas venham às agências? Nosso atendimento faz a diferença”.

Dificuldades - Os encontros são momentos também de lembrar as dificuldades que a Sicredi União PR/SP enfrentou, a importância de não desistir e de bem atender os associados. O que impulsionou a cooperativa a colocar as pessoas em primeiro lugar no processo, incentivando o desenvolvimento e o propósito pessoal e coletivo.

Colaboradores - Maior cooperativa do Sistema Sicredi, a Sicredi União PR/SP tem mais de 1,3 mil colaboradores. “Numa cooperativa desse tamanho ter o presidente nas agências é diferente, realmente marca a equipe, que se sente segura, abraçada e inserida. Em muitas empresas o presidente não tem relacionamento com ninguém. Aqui é diferente e todos são importantes para o negócio”, declara o gerente da agência Astorga, Murilo Scandelae de Morais.

Importantes - As visitas têm sido igualmente importantes para o presidente. “Estar entre as pessoas sempre foi o que gostei de fazer e, mesmo com a pandemia, conseguimos, de forma virtual. Não nos distanciarmos do colaborador, mas essas visitas são um presente para mim, vivenciar o dia a dia do trabalho e do aprendizado não tem preço. Além do mais, continuo aprendendo o que é ser cooperativa, e os colaboradores têm um espaço primordial nisso. O gestor que não ouve seus colaboradores e não participa ativamente do dia a dia da instituição precisa aprender muito ainda a como ser cooperativo”, Wellington Ferreira. (Imprensa Sicredi União PR/SP)

 

SICREDI PARQUE DAS ARAUCÁRIAS: Associadas são sorteadas na campanha de poupança

As associadas Marizete Ubialdi Duz e Paloma Vanin Marcante, ambas da agência Pato Branco Centro (PR), foram mais duas contempladas da Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP na campanha Poupança Premiada Sicredi. Elas receberam um prêmio de R$ 5.000,00, entregue recentemente de forma simbólica na agência local.

Contemplados - Elas foram, respectivamente, a terceira e quarta sorteadas da cooperativa na campanha institucional do Sicredi. Os associados Vinicius Bonatto Ribas e Erik Fernando Michalichen, ambos da agência de Palmas (PR), também foram contemplados com prêmios de R$ 5.000,00.

Promoção - Realizada no âmbito da Central PR/SP/RJ, a promoção premia por meio de sorteio os associados que aplicarem recursos na poupança. A cada R$ 100 investidos, o associado recebe um número da sorte para participar dos sorteios. Se a aplicação for programada, as chances de ganhar dobram.

Total - Ao todo serão sorteados R$ 2,5 milhões, distribuídos em sorteios semanais; no sorteio de um prêmio de meio milhão de reais no mês de outubro, mês da poupança, e do grande prêmio de R$ 1 milhão no sorteio final, que será realizado em dezembro. (Imprensa Sicredi Parque das Araucárias PR/SC/SP)

{vsig}2021/noticias/08/17/sicredi_parque/{/vsig}

NEW HOLLAND: Curitiba abre a exposição itinerante do 14º Prêmio de Fotojornalismo

O valor da água para matar a sede, um imenso pé de couve, a simbiose entre pessoa e árvore. Essas cenas fazem parte da exposição itinerante da 14ª edição do Prêmio New Holland de Fotojornalismo, que contemplou as principais fotos do campo da América do Sul. Curitiba será a primeira cidade desta edição a receber a exposição composta por 31 imagens, incluindo as quatro campeãs e as três que receberam menção honrosa.

Tema - Com o tema “Agricultura, substantivo feminino”, a exposição acontece entre 24 de agosto e 21 de novembro deste ano no Museu da Imagem e do Som do Paraná (MIS/PR). As imagens contam com trabalho de fotógrafos profissionais e amadores de todo o continente. Todos os vencedores desta edição foram formados por fotógrafos brasileiros, sendo dois paranaenses: Sérgio Ranalli e Rodrigo Arabori.

Interação cultural - “Recebemos com grande satisfação e alegria a 14ª edição do Prêmio New Holland de Fotojornalismo. Além de seu histórico consolidado mundialmente, entendemos que trata-se de uma excelente oportunidade de interação cultural, trazendo a cultura do campo através dos olhos dos premiados fotógrafos, ao alcance de todos da cidade. Convidamos a todos os paranaenses e turistas a virem contemplar este belíssimo trabalho”, destacou Mirele Camargo, diretora do Museu da Imagem e do Som.

Aproximação - “Para a New Holland, o Prêmio de Fotojornalismo é uma oportunidade de aproximar as pessoas da realidade do campo, mostrando toda a diversidade da agricultura na América do Sul. Como somos uma marca sempre próxima dos agricultores, queremos levar essa mensagem para toda a sociedade, que além de poder admirar o excelente trabalho desses fotógrafos, sejam eles profissionais ou entusiastas, vai poder conhecer um pouquinho mais, por meio das imagens desta exposição, a força da agricultura no nosso continente”, afirma Gustavo Taniguchi, diretor de Marketing Comercial da New Holland Agriculture para a América do Sul.

As melhores - O primeiro lugar profissional campo ficou para Ricardo Wolffenbüttel, de Santa Catarina, com a imagem “A terra cura”. A melhor fotografia profissional máquina é de Sérgio Ranalli, com “A colheita”. Na categoria amador, o vencedor campo foi Noilton de Lacerda (Bahia) e, máquina, Rodrigo Arabori. Eles foram os vencedores com as fotos “Simplicidade” e “Colheita de milho”, respectivamente.

Menção honrosa - Com a foto “Tocando para Pacha Mama”, Uriel Montúfar, do Perú, recebeu a menção honrosa profissional na categoria campo. Também tiveram o reconhecimento nessa categoria João Henrique Garrigos, do Brasil, com a foto “O caipira”, e menção honrosa amador campo com Malely Sanches, da Colômbia, que apresentou a fotografia “Renascer”.

Mais - Além das sete imagens premiadas, outras 24 farão parte do evento, sendo elas:

- “Mulher e a alpaca”, Uriel Montúfar (Peru);

- “A casa de Pedro Marmeleiro”, Daniel Castellano (Brasil);

- “A horta da dona Maria Inês Riva”, Fellipe de Alcântara (Brasil);

- “A pega de boi”, Miguel Salvador (Brasil);

- “Atentas”, Ariel Miranda (Uruguai);

- “Bem viver”, Ana Mendes (Brasil);

- “Caminho para o campo”, Federico Orozco (Colômbia);

- “Campo próprio”, Márcio Menasce (Brasil);

- “Candeia”, Nereu Cavalheiro (Brasil);

- “Corrida de cavalos nos Altos Andinos”, Uriel Montúfar (Peru);

- “Cavalo negro e seu dono”, Daniel Soares (Brasil);

- “Dedicação no campo”, Fernando Martinho (Brasil);

- “Engenho de madeira com tração animal”, Rui Barreto (Brasil);

- “O nascedouro de árvores”, Sérgio Ranalli (Brasil);

- “Rambo do bananal”, Albari Rosa (Brasil);

- “Roscasiri”, Uriel Montúfar (Peru);

- “Saudação matinal”, Cesar Martinez (Colômbia);

- “Descanso na cozinha”, Antonio Herrera (Colômbia);

- “Colheita do pão de cada dia”, André Shimohiro (Brasil);

- “Coliseu do campo”, Victor Imesi (Brasil);

- “Plantio”, Daniel Machado (Brasil);

- “Semeador”, Daniel Machado (Brasil”;

- “Sucessão de espanto”, Ana Cecilia Casnati (Uruguai);

- “Rotina”, Carlos Aliperti Júnior (Brasil).

Registros - A atual edição do Prêmio New Holland de Fotojornalismo contou com 2.201 imagens registradas por 530 fotógrafos entre profissionais e amadores. Do total de participantes, 211 são profissionais, responsáveis por 895 fotos de campo e 141 de máquina. Já os amadores são 319, que produziram 953 imagens de campo e 212 de máquina. Os países participantes foram: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Panamá, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.

Realização - O Prêmio é realizado pela Mano a Mano Produções, apoiado pela Lei de Incentivo à Cultura da Secretaria Especial da Cultura e patrocinado pela New Holland Agriculture e pelo Banco CNH Industrial. A exposição itinerante em Curitiba tem o apoio do MIS/PR e do governo do Estado do Paraná.

SERVIÇO

Exposição Itinerante 14º Prêmio New Holland de Fotojornalismo

Data: 24 de agosto a 21 de novembro de 2021

Local: Museu da Imagem e do Som do Paraná

             Rua Barão do Rio Branco, 395, Centro

             Curitiba (PR)

Horário: Terça a sexta, das 10h às 17h

             Sábados, domingos e feriados, das 10h às 12h e das 12h30 às 16h

Sobre o Prêmio New Holland de Fotojornalismo - O Prêmio New Holland de Fotojornalismo é um projeto cultural apoiado pela Lei de Incentivo à Cultura da Secretaria Especial da Cultura, com a realização da Mano a Mano Produções Artísticas e patrocinado pela New Holland Agriculture e pelo Banco CNH Industrial. Criado com o objetivo de valorizar o trabalho dos repórteres fotográficos, o projeto passou a premiar também fotógrafos não profissionais — pessoas aficionadas pela fotografia. Inicialmente restrito ao Brasil, o concurso foi ampliado primeiramente para o Mercosul e, ao completar dez anos, para toda a América do Sul, tornando-se o principal concurso fotográfico desses países. Além da premiação, o projeto realiza exposições fotográficas itinerantes pelas cidades dos países participantes. (Assessoria de Imprensa do evento)

COMÉRCIO EXTERIOR I: Superávit da balança comercial chega a US$ 3,58 bilhões até a segunda semana de agosto

comercio exterior I 17 08 2021A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 3,58 bilhões até a segunda semana de agosto, em um crescimento de 29,3%, pela média diária, em relação a agosto do ano passado. A corrente de comércio (soma das exportações e importações) alcançou US$ 20,76 bilhões, em alta de 50,4%. No acumulado do ano, o superávit chegou a US$ 47,94 bilhões, subindo 44,6%, e a corrente de comércio atingiu US$ 299,70 bilhões, um aumento de 34,9%, na comparação com o período de janeiro a agosto de 2020. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (16/8) pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia.

Vendas - As exportações em agosto, até a segunda semana, cresceram 46,9% e somaram US$ 12,17 bilhões, enquanto as importações subiram 55,7% e totalizaram US$ 8,59 bilhões. Já no acumulado desde janeiro, as exportações cresceram 36,2% e somaram US$ 173,82 bilhões, com as importações subindo 33,2% e alcançando US$ 125,88 bilhões.

Exportações por setores - O desempenho das exportações brasileiras por setores, neste mês, apresentou crescimento de 36,5% na Agropecuária, que somou US$ 2,46 bilhões; de 108,9% na Indústria Extrativa, que chegou a US$ 4,09 bilhões; e de 23,7% na Indústria de Transformação, com US$ 5,55 bilhões.

Agropecuária - Na Agropecuária, o crescimento nas vendas foi impulsionado por café não torrado (+18,9%), soja (+72,5%) e madeira em bruto (+305,1%). Na Indústria Extrativa, destacaram-se minério de ferro e seus concentrados (+109,7%), minérios de cobre e seus concentrados (+147,1%) e óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (+108,6%).

Indústria de Transformação - Já a Indústria de Transformação teve crescimentos mais expressivos nas vendas de carne bovina fresca, refrigerada ou congelada (+80,5%), ferro-gusa, spiegel, ferro-esponja, grânulos e pó de ferro ou aço e ferro-ligas (+71,4%) e produtos semiacabados, lingotes e outras formas primárias de ferro ou aço (+82%).

Importações por setores - Do lado das importações, neste mês, também houve crescimento em todos os setores. Na Agropecuária, com alta de 18,1%, as compras do exterior somaram US$ 178,42 milhões. Na Indústria extrativa, a alta foi de 296,8%, chegando a US$ 556,05 milhões, enquanto a Indústria de Transformação registrou aumento de 51,7%, com US$ 7,81 bilhões.

Influências - O movimento de crescimento das importações na Agropecuária foi influenciado pela ampliação das compras de pescado inteiro vivo, morto ou refrigerado (+101,5%), trigo e centeio, não moídos (+28,7%) e milho não moído, exceto milho doce (+213,7%).

Indústria Extrativa - Na Indústria Extrativa, os destaques foram os aumentos nas compras de carvão, mesmo em pó, mas não aglomerado (+107,8%), óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (+141,4%) e gás natural, liquefeito ou não (+795,6%).

Altas - Já na Indústria de Transformação as importações foram puxadas pelas altas de óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos (+188,8%), medicamentos e produtos farmacêuticos, exceto veterinários (+180,7%) e adubos ou fertilizantes químicos, exceto fertilizantes brutos (+97,8%). (Ministério da Economia)

Veja os principais resultados da balança comercial

FOTO: Markus Distelrath / Pixabay

 

COMÉRCIO EXTERIOR II: Comércio pelos Portos do Paraná registra superávit de US$ 2,6 bilhões

comercio exterior II 17 08 2021A balança do comércio realizado pelos Portos do Paraná no acumulado de janeiro a julho deste ano registra superávit de US$ 2,6 bilhões. De acordo com dados divulgados pelo Ministério da Economia (ComexStat), o valor alcançado com as exportações pelos terminais de Paranaguá e Antonina foi de cerca de US$ 11,6 bilhões. Já em importações o montante chega a quase US$ 9 bilhões.

Quarto em valor - “Foram quase US$ 20,6 bilhões movimentados em cargas, nos dois sentidos. Somos o quarto porto nacional em valor movimentado em exportações; e o segundo no valor das importações, atrás apenas do Porto de Santos”, diz o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Exportação - Na exportação, os produtos que mais somaram foram a soja (US$ 3,66 bilhões); a carne de frango (US$ 1,55 bilhão); e o farelo de soja (US$ 1,27 bilhão).

Importação - Na importação, os produtos que mais geraram valor foram os fertilizantes (US$ 1,84 bilhão); componentes industriais como reatores nucleares, caldeiras, máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos (US$ 1,12 bilhão); e os veículos (US$ 1,02 bilhão).

Alta - Comparando os valores alcançados nos sete primeiros meses de 2020 e 2021, a alta registrada foi de US$ 3,7 bilhões. De janeiro a julho, no ano passado, foram US$ 16,9 bilhões em produtos comercializados pelos portos paranaenses: US$ 10,4 bilhões com as exportações e US$ 6,5 bilhões com as importações.

Volumes - Segundo os dados da Coordenadoria de Sistemas e Performance da Portos do Paraná, de janeiro a julho deste ano foram 34.864.945 toneladas de cargas movimentadas nos dois sentidos. O volume é 5% maior que as 33.296.133 toneladas registradas no período, em 2020.

Granéis sólidos - Os granéis sólidos, tanto de importação quanto de exportação, representam o maior volume: 22.359.238 toneladas de janeiro a julho. O segmento registra alta de 1% em relação às 22.178.656 toneladas acumuladas nos mesmos setes meses do ano passado.

Carga Geral - A maior alta no período foi registrada no embarque e desembarque da Carga Geral: 13%. Neste ano, 7.815.530 toneladas; no ano passado, 6.937.927 toneladas.

Granéis líquidos - De granéis líquidos importados e exportados pelo Porto de Paranaguá foram 4.690.177 toneladas de janeiro a julho deste ano. O volume é 12% maior que as 4.179.550 toneladas registradas em 2020, no período. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Rodrigo Félix Leal

 

INFRAESTRUTURA: Movimentação geral de cargas cresce 13% em julho nos Portos do Paraná

infraestrutura 17 08 2021Os portos paranaenses tiveram mais um mês de destaque na movimentação geral de cargas. Em julho deste ano, os terminais de Paranaguá e Antonina carregaram e descarregaram 5.783.348 toneladas em produtos. O volume é 13% maior que o registrado nos mesmos 31 dias de 2020, com 5.118.798 toneladas.

Alta - A alta foi observada tanto na importação quanto na exportação mensal, explica o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia. Em julho, as exportações somam 3.553.905 toneladas – 7% a mais que as 3.330.290 toneladas registradas no mesmo mês, em 2020.

Destaque - “Nesse sentido do comércio, destaque para as altas registradas no embarque da soja, do açúcar, dos óleos vegetais, da carga geral, em especial dos contêineres, e da celulose”, destaca Garcia.

Total - As importações do último mês totalizaram 2.229.443 toneladas, volume 24,7% maior que as 1.788.508 toneladas importadas em julho do ano passado. “Entre as importações, tivemos alta nos fertilizantes, carga geral, principalmente contêineres, trigo, malte e cevada. O volume de óleo vegetal importado também fez subir essa alta”, complementa.​

Contêineres - Nos 31 dias de julho, foram movimentados 45.582 contêineres (unidades de 20 e 40 pés) pelo Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP). A quantidade é quase 5,5% maior que as 43.224 unidades carregadas e descarregadas em 2020, no mesmo mês.

Unidades de contêineres - Sentido exportação, em julho deste ano foram 22.724 unidades de contêineres embarcados, quase 7,9% a mais que as 21.063 unidades no mesmo período do ano passado. Importadas, foram 22.858 unidades de contêineres no mês passado, enquanto em julho de 2020 on total foi de 22.161 unidades.

Antonina - No Porto de Antonina, o terminal privado (TPPF) movimentou 209.778 toneladas de cargas no último mês de julho. O volume registrado neste ano é 130% maior que as 91.147 toneladas de cargas movimentadas nos mesmos 31 dias do ano passado.

Farelo de soja - A exportação de farelo de soja não transgênico pelo terminal registrou alta de cerca de 7%, comparando às 22.242 toneladas embarcadas em julho deste ano com as 20.734 toneladas no mesmo mês do ano passado.

Gêneros alimentícios - Não houve embarque de açúcar para exportação em julho em Antonina. Porém, foi registrado o embarque de 17.741 toneladas de gêneros alimentícios diversos, como farinhas, arroz e feijão, com destino à Venezuela.

Fertilizantes - Na importação, o volume de fertilizantes desembarcado no mês na TPPF registrou alta de 264%. Foram 137.748 toneladas neste ano, contra 37.843 em julho de 2020.

Outros itens - Além dos adubos, foram importadas pelo Porto de Antonina, no último mês, 16.892 toneladas de sal e outras 15.154 toneladas de trigo, produtos que não passaram pelo terminal no mesmo período do ano passado. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Rodrigo Félix Leal

 

BNDES: Rede de investidores atrairá interessados em privatizações

bndes 17 08 2021O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou, nesta segunda-feira (16/08), o lançamento da Rede de Investidores. A ferramenta inovadora vai conectar usuários com interesse comum por projetos de infraestrutura e privatizações.

Avanço - Segundo o diretor de Concessões e Privatizações do BNDES, Fabio Abrahão, o banco busca atrair investimentos expressivos em projetos de infraestrutura e privatizações, o que é fundamental para o desenvolvimento do país nas próximas décadas. Abrahão disse que a rede representa um avanço por possibilitar a “conexão direta entre potenciais investidores”.

Plataforma - A rede faz parte da plataforma BNDES Hub de Projetos, que desde o ano passado oferece ao mercado informações e oportunidades de investimentos em projetos estruturados pelo banco, viabilizando o contato sigiloso, sem custos ou intermediários, entre potenciais investidores locais e internacionais e demais interessados na carteira da instituição.

Contemplados - São contemplados projetos de infraestrutura econômica e socioambiental, incluindo educação, florestas, saúde, saneamento, portos, iluminação pública e rodovias, entre outras áreas. É possível também conectar participantes que queiram se envolver no mesmo empreendimento ou setor, informou o BNDES, por meio de sua assessoria de imprensa.

Canal de contatos - Atrair novos investidores para o país é a meta da nova ferramenta, que deverá funcionar também como um canal de contatos entre advogados, consultores, engenheiros e governos, entre outros interessados. O Hub de Projetos fornece aos usuários informações atualizadas sobre a carteira de projetos e acesso a relatórios mensais produzidos pela equipe de Relacionamento com Investidores do BNDES. O banco detém a carteira de projetos em concessão de infraestrutura, parcerias público-privadas (PPPs) e privatizações no Brasil, englobando 120 projetos e cerca de R$ 260 bilhões em oportunidades de investimento.

Acesso - Para ter acesso a todas as informações, os interessados precisam se cadastrar no site do Hub de Projetos do BNDES. (Agência Brasil)

FOTO: Fernando Frazão / Agência Brasil

 

CÂMBIO: Dólar aproxima-se de R$ 5,30 e fecha no maior valor desde maio

cambio 17 08 2021Num dia de tensões domésticas e globais, o dólar aproximou-se de R$ 5,30 e fechou no maior valor desde maio. A bolsa de valores teve forte queda e zerou os ganhos acumulados em 2021.

Cotação - O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (16/08) vendido a R$ 5,281, com alta de R$ 0,036 (+0,68%). A cotação teve um dia de volatilidade. Depois de iniciar a sessão em R$ 5,29, na máxima do dia, caiu para R$ 5,23 perto das 12h. À tarde, no entanto, a moeda voltou a subir, até fechar próxima dos valores mais altos do dia.

Maior valor - A cotação está no maior nível desde 26 de maio, quando tinha fechado a R$ 5,313. A divisa acumula alta de 1,36% em agosto. Em 2021, a valorização chega a 1,77%.

Ações - No mercado de ações, o dia também foi marcado por tensões. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 119.180 pontos, com recuo de 1,66%. O indicador operou em baixa durante todo o dia. Com o desempenho de hoje, os ganhos acumulados em 2021 estão em 0,13%. Em 7 de junho, a bolsa tinha batido recorde, encostando em 131 mil pontos.

Fatores - Fatores internos e externos contribuíram para a instabilidade no mercado financeiro. No exterior, a divulgação de dados que mostram a desaceleração da economia chinesa trouxe tensões, principalmente para países exportadores de commodities (bens primários com cotação internacional), como o Brasil.

Crescimento abaixo do previsto - A indústria e o comércio chineses cresceram, em julho, abaixo do previsto, por causa de enchentes no interior do país e do crescimento dos casos da variante Delta do novo coronavírus, que forçou medidas de restrição social em algumas regiões do país asiático.

Afeganistão - A retomada do governo do Afeganistão pelo regime talibã provocou tensões no mercado de petróleo, por causa de possíveis efeitos sobre o Oriente Médio. O barril do tipo Brent (usado nas negociações internacionais) caiu 1,53%.

Votação - No mercado doméstico, as incertezas em relação à votação da reforma do Imposto de Renda, prevista para esta terça-feira (17/08), criaram instabilidades no mercado, por causa do receio com a aprovação de medidas que resultem em perda de arrecadação. As dúvidas em torno da proposta de emenda à Constituição que permite o parcelamento de precatórios (dívidas do governo reconhecidas definitivamente pela Justiça) também influenciaram as negociações. (Agência Brasil, com informações da Reuters)

FOTO: Thomas Breher / Pixabay

 

ECONOMIA: IGP-10 acumula inflação de 32,84% em 12 meses, diz FGV

economia 17 08 2021O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10), calculado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), registrou inflação de 1,18% em agosto deste ano. A taxa é superior ao 0,18% de julho deste ano, mas inferior ao 2,53% de agosto do ano passado.

Acumulado - Com o resultado, o IGP-10 acumula taxas de inflação de 16,88% no ano e de 32,84% em 12 meses, segundo a FGV.

IPA - O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que mede o varejo, registrou inflação de 1,29% em agosto. Em julho, havia tido uma deflação (queda de preços) de 0,07%.

IPC - Também teve alta na taxa, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede o varejo, ao subir de 0,70% em julho para 0,88% em agosto.

INCC - Por outro lado, a inflação do Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) recuou de 1,37% em julho para 0,79% em agosto. (Agência Brasil)

FOTO: Tânia Rêgo / Agência Brasil

 

LEGISLATIVO: Relator diz que reforma tributária deve desonerar consumo e especialistas apontam vantagens do IVA

legislativo 17 08 2021O Senado promoveu a primeira Sessão de Debates Temáticos de um ciclo de quatro eventos para discutir a PEC 110/2019, que reforma o sistema tributário brasileiro. Para o relator da proposta, Roberto Rocha (PSDB-MA), a legislação atual é complexa, confusa, dispendiosa e nefasta à produção e à prestação de serviços, sendo geradora de uma torrente de tributos, impostos, taxas e contribuições que complicam enormemente a vida do cidadão, das empresas e também dos governos.

“Vacina econômica” - Ao comentar o debate, Roberto Rocha (PSDB-MA)  classificou a reforma tributária como “vacina econômica” que poderá ter efeitos mais amplos e profundos que os do Plano Real. Ele criticou duramente a legislação vigente, que deve ser substituída de modo a destravar a economia e beneficiar os pobres.

Sistema injusto - “O sistema é injusto do ponto de vista social, com o agravante de promover competição desenfreada entre entes federados, esgarçando o pacto federativo”, resumiu.

Oportunidade - Roberto Rocha chamou atenção para a oportunidade de realização de uma ampla reforma tributária, percebendo a convergência de objetivos de especialistas em tributação e dos estados federados.

Vantagens - Na sessão temática de debate, especialistas defenderam as vantagens do Imposto sobre o Valor Agregado (IVA) como forma de unificação de tributos e simplificação de cobrança. O modelo é previsto nas duas Propostas de Emenda à Constituição (PECs) em discussão, como Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), e também em projeto de lei de iniciativa do Executivo, como Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS).

Outras propostas - Também no sentido de reformar o sistema tributário, tramita na Câmara a PEC 45/2019, que converge com a proposta em análise pelo Senado ao determinar a extinção de tributos que incidem sobre bens e serviços. Já o PL 3.887/2020, de iniciativa do Executivo, institui a CBS.

Defesa - Rita de la Feria, professora de Direito Tributário na Universidade de Leeds (Reino Unido), defendeu o IVA. Segundo ela, “não é acidente” que o modelo seja adotado em 107 países por ser tecnicamente superior em eficiência e neutralidade sobre a incidência, além de mais adequado à economia digital - especialmente em comparação com impostos sobre a renda. O padrão tributário no Brasil, conforme ressaltou, está sujeito a defeitos que incluem a aplicação de alíquotas diferentes, a tributação na origem e a cumulatividade.

Crítica - “É difícil de coletar, é permeável à sonegação, cria imensas distorções de mercado e cria distorções de investimento”, criticou.

Mãe de todas as reformas - O economista Luiz Carlos Hauly espera a aprovação da “mãe de todas as reformas”, sem a qual, segundo ele, o Brasil sofre com quatro décadas de baixo crescimento, desempenho econômico inferior ao de outros países emergentes e uma carga tributária que mais pesa mais sobre os mais pobres. Ele disse que a aprovação do IBS poderá facilitar a entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), ressalvado o estabelecimento de alíquotas reduzidas para itens essenciais à vida humana, e destacou os benefícios de simplificação de impostos, redução da renúncia fiscal e cobrança eletrônica.

Base tributária - “Não escapa ninguém. A base tributária vai ser ampla; tudo que tiver transação financeira vai ser pego, e, para operações em dinheiro, teremos milhares de auditores”, declarou.

Política única - A advogada Melina Rocha, diretora de cursos na Universidade York (Canadá), disse que o Brasil tem uma oportunidade política única para estabelecer um acordo que leve a um modelo de IVA dual – uma parte cobrada pela União, outra pelos Estados. Ela mencionou a peculiaridade da federação brasileira ao atribuir à União, Estados e Municípios a competência concorrente para tributação de consumo, que gera resistência dos entes subnacionais ao IVA.

Adaptação - “Hoje temos que adaptar o modelo internacional de IVA ao nosso contexto federativo. Se queremos aprovar alguma coisa, não podemos criar sistemas que gerarão conflitos e não façam consenso entre entes federativos.”

“Mito” - Melina Rocha também contestou o “mito” de que o IVA não é compatível com sistemas federativos, citando os exemplos de Canadá e Índia, mas ponderou que a reforma nesse sentido só foi possível nesses países depois de longa negociação.

Integração dos entes federados - Presidente da Sociedade Brasileira de Direito Público e professor titular da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Carlos Ari Sundfeld, manifestou o entendimento de que a reforma tributária não afronta o sistema federativo, pois a proposta em tramitação não inviabiliza a garantia de recursos para Estados e Municípios. Ele sugeriu a criação de uma entidade pública, a ser mencionada na Emenda Constitucional, integrando os entes federados.

Integração efetiva - “Isto é uma solução possível para a integração efetiva, para que estados e municípios exerçam de modo integrado a sua competência e que se garanta a autonomia deles neste contexto de integração.”

PIB - Bernardo Appy, diretor do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF), disse que uma reforma tributária poderá contribuir para o crescimento do país, elevando o Produto Interno Bruto (PIB) em 20 pontos percentuais no período de 15 anos e proporcionando oportunidade indireta de crescimento com a melhora das expectativas econômicas. Apresentando projeções estatísticas, Appy argumentou que a tributação no destino beneficiará os estados mais pobres e defendeu uma alíquota única para bens e serviços — o que já contribuiria para a distribuição de renda. “Nenhum país relevante do mundo, hoje, separa a tributação de bens e serviços. O Brasil é o último”, lamentou.

Objetivo - O objetivo do ciclo de sessões temáticas é discutir a PEC 110/2019 em plenário antes que ela seja encaminhada à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). O requerimento do ciclo de debates (RQS 1867/2021) foi aprovado na sessão plenária semipresencial de 11 de agosto. (Agência Senado)

FOTO: Roque de Sá / Agência Senado

 

SAÚDE I: Casos somam 20,37 milhões e mortes, 569,4 mil

O total de pessoas que pegaram covid-19 desde o início da pandemia chegou nesta segunda-feira (16/08) a 20.378.570. Em 24 horas, foram registrados 14.471 novos casos. A incidência do vírus no país (número de casos por 100 mil habitantes) está em 9.697,3.

Acompanhamento - Ainda há 553.151 casos em acompanhamento. O nome é dado para pessoas cuja condição de saúde é observada por equipes de saúde e que ainda podem evoluir para diferentes quadros, inclusive graves.

Óbitos - O total de pessoas que perderam a vida para a covid-19 alcançou 569.492. Entre domingo e segunda-feira (15 e 16/08), as autoridades de saúde confirmaram 434 novas mortes por covid-19.

Índice - O índice de mortalidade (quantidade de óbitos por 100 mil habitantes) é de 271. As autoridades de saúde investigam 3.562 falecimentos para avaliar se foram resultados da covid-19.

Recuperadas - O número de pessoas que se recuperaram da covid-19 foi para 19.255.927.

Balanço diário - As informações estão no balanço diário do Ministério da Saúde, divulgado nesta segunda-feira (16/08). A atualização consolida informações disponibilizadas pelas secretarias estaduais de saúde sobre casos de covid-19 e mortes associadas à doença.

Dados - Os dados em geral são menores aos domingos e segundas-feiras em razão da dificuldade de alimentação do sistema pelas secretarias estaduais. Já às terças-feiras os resultados tendem a ser maiores pela regularização dos registros acumulados durante o fim de semana.

Estados - No topo do ranking de mortes por estado estão São Paulo (142.609), Rio de Janeiro (60.655), Minas Gerais (51.970), Paraná (36.535) e Rio Grande do Sul (33.768). Os estados com menos mortes são Acre (1.808), Roraima (1.917), Amapá (1.936), Tocantins (3.621) e Alagoas (5.966).

Vacinação - O Ministério da Saúde distribuiu 203,9 milhões de vacinas para todos os estados brasileiros e para o DF. Foram aplicadas 115 milhões de primeiras doses e 49 milhões de pessoas completaram o calendário vacinal. (Agência Brasil)

 

 

whatsapp image 2021-08-16 at 18.15.44

SAÚDE II: Mais 1.598 casos e 51 óbitos em decorrência da Covid-19 são confirmados no Paraná

saude II 17 08 2021A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta segunda-feira (16/08) mais 1.598 casos confirmados e 51 mortes — referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas — em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

Soma - Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.411.479 casos confirmados e 36.332 mortos em decorrência da doença.

Meses - Os casos confirmados divulgados nesta data são de agosto (1.381), julho (38), junho (35), maio (115) abril (2), março (5), fevereiro (1) e janeiro (3) de 2021 e do seguinte mês de 2020: dezembro (18).

Internados - 1.118 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 811 pacientes em leitos SUS (476 em UTI e 335 em leitos clínicos/enfermaria) e 307 em leitos da rede particular (144 em UTI e 163 em leitos clínicos/enfermaria).

Exames - Há outros 1.573 pacientes internados, 785 em leitos UTI e 788 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos da rede pública e particular e são considerados casos suspeitos.

Óbitos - A Sesa informa a morte de mais 99 pacientes. São 24 mulheres e 27 homens, com idades que variam de 29 a 92 anos. Os óbitos ocorreram de 3 de agosto de 2020 a 16 de agosto de 2021.

Municípios - Os pacientes que morreram residiam em Curitiba (14), Maringá (5), Lapa (2), Fazenda Rio Grande (2), Cascavel (2), Cambé (2), Bandeirantes (2), Araucária (2) e Arapongas (2).

Uma morte - A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Tapejara, São Mateus do Sul, São José dos Pinhais, Sengés, Sarandi, Rio Negro, Ponta Grossa, Palmeira, Nova Prata do Iguaçu, Medianeira, Londrina, Loanda, Irati, Imbituva, Iguatu, Foz do Iguaçu, Cruzeiro do Oeste e Chopinzinho.

Fora do Paraná - O monitoramento da Sesa registra 6.368 casos de residentes de fora do Estado, 204 pessoas morreram. (Agência de Notícias do Paraná)

Confira o informe completo clicando AQUI.

 

 

SAÚDE III: Paraná recebe mais 184.250 vacinas da AstraZeneca e completa 40ª pauta de entrega

saude III 17 08 2021O Paraná recebeu, na noite desta segunda-feira (16/08), mais 184.250 vacinas contra a Covid-19. Os imunizantes da AstraZeneca/Fiocruz fazem parte da 40ª pauta de distribuição do Ministério da Saúde e complementam a remessa de 127.530 doses, da Pfizer/BioNTech, que desembarcaram pela manhã no Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais. A remessa possui, portanto, um total de 311.780 vacinas.

Destinação - Os imunizantes da AstraZeneca/Fiocruz são exclusivamente para segunda dose (D2), para pessoas que iniciaram o ciclo vacinal no primeiro semestre. Já as 127.530 da Pfizer/BioNTech estão divididas em 50.310 primeiras doses (D1), que começaram a ser distribuídas nesta segunda-feira, e 77.220 para D2.

Centro de Medicamentos - O lote que desembarcou à noite foi encaminhado para o Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), em Curitiba, onde permanecerá armazenado até a distribuição para as Regionais de Saúde.

Vacinação - Segundo os dados do Vacinômetro Nacional, o Paraná já aplicou 9.277.504 vacinas contra a Covid-19, sendo 6.570.213 primeiras doses e 2.707.291 segundas doses ou doses únicas. (Agência de Notícias do Paraná)

FOTO: Gilson Abreu / AEN

 

ARTIGO: Use os incentivos fiscais a seu favor

artigo 17 08 2021*Rodrigo Martimiano da Rocha e Juliana Olivieri Refundini.

A taxa Selic está em alta, fazendo com que investimentos atrelados a este indexador se tornem mais atrativos. Afinal, quem não gosta de investir em um produto seguro e com boa rentabilidade? Pois é, todo investidor adora uma boa rentabilidade atrelada a segurança da renda fixa. Mas hoje, vamos falar um pouco sobre como deixar esta rentabilidade ainda maior. Quer saber como? Aproveitando os incentivos fiscais! É isso mesmo, alguns investimentos possuem isenção de impostos, o que melhora as suas rentabilidades.

Na grande maioria dos investimentos, o governo tributa o lucro do investidor na forma de imposto de renda retido na fonte, cada um com uma alíquota de imposto diferente. CDB, RDC, Fundos de Investimentos e Letra Financeira, são alguns exemplos que possuem tributação que variam de 15% a 22,5% dos seus rendimentos. Isso por exemplo, faz com que um CDB aplicado a 100% do CDI durante 6 meses, entregue um rendimento líquido de apenas 77,5% do CDI. Essa tributação é igual para todas as instituições que oferecem tais produtos, e a alíquota a ser descontada varia conforme o tempo de aplicação. Quanto maior o prazo, menor a alíquota.

A boa notícia é que o governo oferece alguns produtos com isenção deste imposto, melhorando consideravelmente a rentabilidade final. Essa isenção é dada quando o governo pretende incentivar algum segmento específico, tornando mais vantajosos os produtos de aplicação que direcionam os recursos para estas áreas. É o caso da Letra de Crédito Imobiliário, a LCI, que visa incentivar o setor habitacional e está atrelada ao crédito imobiliário. Já falamos sobre ela aqui neste canal, clique aqui para relembrar.

No exemplo acima onde citamos o CDB, observamos a rentabilidade do investimento de forma líquida, descontando a incidência do imposto que será aplicado. Vale ressaltar que devemos fazer o mesmo com todos os nossos investimentos. No caso da LCI, essa análise fica bem mais fácil, pois não tem imposto de renda. Ou seja, a taxa que você negocia é a mesma que você vai receber de rendimento líquido! Interessante né? Temos também no mercado, outros produtos que possuem o benefício, é o caso da Poupança, da LCA, dos Fundos Imobiliários, entre outros.

Outra dica interessante para aumentar a rentabilidade do seu investimento, é optar por instituições que podem vir a entregar remuneração extra a suas aplicações, que é o caso das cooperativas de crédito que distribuem sobras anuais.

Você pode usar estes benefícios para diversificar sua carteira e majorar a sua rentabilidade, mas não esqueça que cada produto de investimento tem sua funcionalidade e indicação. Hoje aqui, o que vale é a dica de aproveitar o que cada um tem de melhor para maximizar seus rendimentos. Fique sempre atento!

Ainda tem dúvidas sobre os investimentos com isenção de imposto de renda? Fale com a gente através do e-mail: contato@uniprimebr.com.br.

*Rodrigo Martimiano da Rocha e Juliana Olivieri Refundini são colaboradores da Uniprime e profissionais com Certificação CFP®

 


Versão para impressão


RODAPE