cabecalho informe

UNIMED MARINGÁ: Dia Mundial de Saúde Ocular reforça cuidados com a visão na infância e vida adulta

 

unimed maringa 10 07 2018Na década de 70, a miopia atingia 15% da população brasileira. Hoje, quase 50 anos depois, o número chega a 35% seguindo uma tendência mundial. Mas a que se deve esse aumento?

 

Equipamentos eletrônicos - De acordo com a oftalmologista Silvana Volpe de Lazary, parte do aumento se deve ao uso excessivo de equipamentos eletrônicos. “Cada vez mais cedo estamos expostos à luz-azul, que é emitida por celulares e tablets, e isso está prejudicando diretamente a saúde dos olhos, tanto que a Organização Mundial da Saúde (OMS) tem apontado a miopia como o quinto maior problema de saúde pública no mundo”, diz. Para alertar a população sobre os cuidados com a visão, foi instituído o dia 10 de julho como o Dia Mundial da Saúde Ocular. 

 

Orientação - Segundo a médica, a orientação é que os pais não permitam que crianças menores de dois anos manuseiem equipamentos eletrônicos. “Entre dois e quatro anos é aceitável que as crianças façam uso do celular ou tablets eventualmente, isso quer dizer, por exemplo, na sala de espera de uma consulta médica, em um restaurante ou em outra situação em que não transcorra muito tempo”, orienta. Já para as crianças com mais de quatro anos, a recomendação é que o uso não ultrapasse uma hora por dia. “É na infância que acontece o desenvolvimento da visão, por isso, toda interferência externa pode acarretar em problemas como a miopia”, explica. 

 

Estudos - Há estudos que indicam uma menor incidência da miopia em países em que as pessoas têm o hábito de praticar atividades ao ar livre. “Na África Central e na Oceania, por exemplo, a incidência não passa dos 10%, porque as crianças e os jovens costumam praticar esportes que os expõem a luz do dia”, diz. Nos Estados Unidos, em que a obesidade e o sedentarismo também têm índices elevados, a taxa de miopia chega aos 42%. 

 

Teste do olhinho - Nos hospitais, assim que a criança nasce é feito o teste do olhinho, mas de acordo com a médica, é importante que até os dois anos de idade seja feito acompanhamento a cada seis meses. Ainda na infância, a saúde dos olhos pode ser comprometida com acidentes domésticos, como perfurações causadas por objetos pontiagudos, queimaduras na região da face e contato com substâncias químicas. Já na vida adulta, as orientações são em relação à automedicação e uso de lentes de contato sem procedência. “Há pessoas comprando lentes de contato pela internet ou no Paraguai sem conhecer a origem desses produtos. Isso é muito g rave. Outro problema sério é a automedicação, usar um colírio com corticoide, por exemplo, pode fazer com que a pessoa desenvolva glaucoma, podendo inclusive perder a visão”, explica. 

 

Coceira - Outra orientação que vale tanto para as crianças como para os adultos é em relação a coceira nos olhos. Mãos contaminadas por bactérias podem trazer irritações aos olhos, por isso, a orientação é evitar o contato e se houver vermelhidão ou coceira excessiva, a dica é procurar um médico o quanto antes. (Imprensa Unimed Maringá)

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias