FORMAÇÃO: Auditoria 4.0 é tema de fórum para profissionais de cooperativas

Cerca de 60 profissionais que atuam nas áreas de auditoria interna das cooperativas paranaenses estão participando, nesta terça-feira (25/06), na sede do Sistema Ocepar, em Curitiba, de um fórum com a presença de especialistas que irão debater sobre aspectos relativos as novas tecnologias disponíveis no mercado com foco em auditoria 4.0. Segundo o analista técnico do Sescoop/PR, Tiago Fernandes Gomes e um dos organizadores do evento, “o objetivo é proporcionar um ambiente de troca de informações a respeito das boas práticas de auditoria interna, sobretudo no que se refere ao uso das recentes tecnologias, como Big Data, Data Analytics e Data Science.”.

Programação - As atividades foram abertas pela gerente de Desenvolvimento Cooperativo, Maria Emília Pereira e pelo coordenador Alfredo Benedito Kugeratski Souza, ambos do Sescoop/PR. “Um dia em que paramos para ouvir profissionais das mais diferentes áreas, desde a universidade, mercado e cases de cooperativas, sobre as principais novidades tecnológicas e que podem nos auxiliar diretamente em nossas atividades”, frisou Maria Emília. Na sequência, o coordenador do curso de especialização em Data Science & Big Data da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Wagner Bonat, apresentou palestra com o tema “Ciência de dados: visão geral e perspectivas futuras.” Ainda no período da manhã, os participantes tiveram a oportunidade de conhecer o case de sucesso do Sicredi. O diretor de supervisão da Central Sicredi PR/SP/RJ, Reginaldo Pedrão, falou sobre os processos tecnológicos e auditoria Interna para supervisão das cooperativas.

À tarde - O Fórum prossegue à tarde, com a participação do coordenador de Auditoria da Castrolanda, Vitor Massato Izu, que vai apresentar as experiências da cooperativa com projetos de analytics para abordagens de auditoria. Na sequência, Rafael Kobren, da Volvo, também irá compartilhar as experiências bem-sucedidas da empresa, a partir das questões que forem geradas pelos participantes. Já o representante da empresa de consultoria Crossover Brazil, especializada em gestão empresarial, auditoria interna e governança corporativa, Marcos de Martino, vai falar sobre as transformações da auditoria interna pelo uso da tecnologia. Haverá ainda um painel com os palestrantes, última atividade do evento.

Universidade - O professor da UFPR, Wagner Bonat, que trabalha com ciências de dados há mais de 10 anos, disse que é a primeira vez que participa de um evento que trata sobre as tecnologias 4.0 voltadas para o público de auditores internos. “Um tema muito interessante, além de poder falar o que vem sendo realizado nas áreas de ciência de dados dentro da universidade, também venho para ouvir o que as cooperativas e demais empresas realizam nessas áreas”. Para ele, a universidade tem como foco o ensino, o preparo de profissionais, mas também, poderá ser uma parceria importante na implementação de novas tecnologias no setor. Cita como exemplo a questão do compliance que vem se tornando uma tônica constante nas empresas e o setor de auditoria necessita estar preparado para utilizar os mecanismos disponíveis para facilitar seu trabalho.

Sicredi - Reginaldo Pedrão, que apresentará sobre o case da Central Sicredi, afirma que traz a experiência do setor de crédito na área de auditoria. “Hoje somos um sistema com 114 cooperativas singulares e cinco centrais em todo o país, que tem a responsabilidade de fazer a supervisão das cooperativas filiadas. Neste trabalho, dialogamos com todo o sistema, definimos modelos, formas de atuação, ferramentas e sistemas e estabelecemos padrões e, a partir daí, elaboramos o plano de trabalho com visitas localmente em cada cooperativa e realizando o trabalho de monitoramento a distância. Nós elegemos os indicadores e seguimos as normas e regras estipuladas pelo Banco Central para a realização deste trabalho de auditoria”. Para Reginaldo, é importante debater temas que envolvam sempre diferentes ramos de atuação do cooperativismo. “Num momento como esse, em que acompanhamos tantas notícias negativas em termos nacionais, prova que precisamos cada vez mais fortalecer nas empresas, nas cooperativas, a importância de uma boa supervisão, de controles internos, de compliance, então, o foco de encontro com este momento em que vivemos para fazermos uma revisitação de tudo aquilo que estamos fazendo e o que podemos melhorar”.

Castrolanda - Para o coordenador de auditoria interna da Castrolanda, Vitor Massato Izu, o grande desafio é a mudança de cultura, tanto nas empresas como nas cooperativas,  que o papel do auditor é de aliado da gestão e não de fiscal. “O que estamos trazendo aqui com nosso case é proporcionar para outras pessoas um momento que a gente não teve a mesma sorte de ter vivenciado, ou seja, ter conhecido antes quais são os benefícios da implantação do date analytics nas rotinas de auditoria. Acredito que hoje os mesmos setores de auditorias internas das cooperativas têm o mesmo problema que nós enfrentamos, trabalhando de maneira detectiva. Passando a impressão que auditoria é um departamento de polícia, que tem que ficar fiscalizando e correndo atrás das informações e fica sabendo das falhas nos processos só depois que elas acontecem. O date analytics nos auxilia a agir de forma preventiva, quase online, para atuarmos de forma proativa e prevenindo perdas e trazendo uma maior tranquilidade para a governança. Mudar a cultura é o desafio neste sentido. Passar a percepção ao demais colegas deste fórum de como tivemos esta vivência de termos implantado esta ferramenta no ano passado na cooperativa”, lembrou. “Devemos trabalhar para que os demais setores vejam a auditoria como parceiros da área de negócios e, assim, com toda sinergia criada, podemos realizar um trabalho mais eficaz e com resultados positivos para a empresa, para a cooperativa, afinal os processos mudam e os riscos estão presentes em qualquer negócio”, completa Vitor.

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn