cabecalho informe

MEIO AMBIENTE: Alemanha cobra proteção a florestas para ampliar parceria

 

meio ambiente 11 07 2019O ministro alemão da Cooperação Econômica e do Desenvolvimento, Gerd Müller, disse que o interesse do país europeu é reforçar e ampliar a parceria econômica com o Brasil. A proteção das florestas, contudo, é ponto fundamental desta colaboração.

 

Visita - Müller está em visita ao Brasil e chegou nesta quarta-feira (10/07) a Manaus. A Alemanha é a maior parceira socioambiental do Brasil, com um portfólio de empréstimos e doações que chega a € 2 bilhões. É, junto com a Noruega, doadora do Fundo Amazônia, o maior mecanismo existente de proteção às florestas tropicais.

 

Futuro - O futuro do Fundo Amazônia, gerido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), está em discussão desde março, quando o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, empreendeu uma auditoria na operação. Salles diz ter encontrado irregularidades, mas o relatório não é público e não chegou aos doadores, que não tinham queixas quanto ao funcionamento do fundo.

 

Reunião - Müller esteve na terça-feira (09/07) no Ministério do Meio Ambiente (MMA). A reunião com Salles durou duas horas. O clima foi menos tenso do que tem sido. Os alemães escutaram as propostas da equipe de Salles, mas não avançaram no debate sem os parceiros noruegueses. Aguardam uma proposta por escrito, vinda do MMA, na próxima segunda, para discutirem em Oslo e Berlim.

 

Acordo - O acordo de livre-comércio Mercosul-União Europeia fechado no fim de junho não foi debatido na reunião com Salles. Mas é evidente que a importância da continuidade do Fundo Amazônia é mensagem estratégica para que Parlamentos europeus ratifiquem o acordo, principalmente na Alemanha, onde o Partido Verde é uma força política cada vez importante.

 

Ampliação da parceria - "Queremos ampliar a parceria econômica entre Brasil e Alemanha. E acredito que o acordo de livre comércio MercosulUnião Europeia vai contribuir bastante para isso", disse ao Valor um membro da delegação alemã. "Mas não queremos fazer comércio pelo comércio."

 

Otimismo - Müller se disse otimista tanto com a ratificação do acordo Mercosul-União Europeia como com a continuidade do Fundo Amazônia. Não respondeu, contudo, quais as reais possibilidades de o acordo de livre-comércio ser aprovado na Alemanha.

 

Preocupação - "Os agricultores e ambientalistas europeus estão preocupados que não se aumentem as áreas de soja e pecuária às custas da floresta", registrou Müller. "Reconhecemos tudo o que o Brasil tem feito em prol das energias renováveis e na redução do desmatamento nos últimos anos, embora os últimos meses tenham mostrado tendência de alta."

 

Preservação ambiental - Müller tocou em ponto crucial do acordo de livre-comércio: as cláusulas que garantem a preservação ambiental. "Esse acordo tem também um capítulo sobre sustentabilidade. Achamos importante que isso tudo seja implementado, com uma cadeia de fornecimento sem desmatamento na produção de soja e de carne." "A Floresta Amazônica é importante para o mundo inteiro e estamos interessados em continuar com os programas no âmbito do Fundo Amazônia. Conversei sobre isso com o ministro [Salles]. (Valor Econômico)

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias