MAPA II: Bolsonaro e ministra inauguram Observatório da Agropecuária Brasileira, que integrará dados do setor

O presidente Jair Bolsonaro e a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) inauguraram nesta quinta-feira (05/09), na sede do Ministério, o Observatório da Agropecuária Brasileira, ferramenta que dará a gestores amplo acesso a informações estratégicas para a tomada de decisões e elaboração de políticas públicas para o setor agropecuário.

Integração - Na cerimônia, a ministra destacou que o observatório permitirá a integração de vários dados, atualmente espalhados em diversos setores do Mapa, o que ajudará na elaboração e condução de políticas públicas mais eficientes, principalmente com foco no pequeno produtor.

Marco - “Podem ter certeza que será um marco da nossa administração essa integração, principalmente de todos esses cadastros para que a gente possa fazer políticas públicas e que possa ser cirúrgica [a aplicação dos recursos]", disse a ministra, acrescentando que é preciso trabalhar com um orçamento menor. "Os recursos devem ser encaminhados e colocados de maneira que sejam melhor aproveitados por todos os agricultores Brasil afora”, afirmou.

Agradecimento - A ministra agradeceu a presença do presidente Jair Bolsonaro e a visita ao ministério.

Elogio - O presidente elogiou a iniciativa do observatório e ressaltou que os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente devem trabalhar para “casamento entre o desenvolvimento e a preservação ambiental”.

Melhor orientada - Já João Martins, presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e uma das parceiras no projeto, destacou que a partir da integração dos dados, a agropecuária brasileira será melhor orientada e terá mais capacidade de conhecer o próprio setor. “Estamos inaugurando uma nova era. Uma era na qual nós, produtores, estamos cientes de que vamos fazer uma agropecuária muito mais competitiva, muito mais atuante”, afirmou.

Presenças - Participaram da inauguração os ministros Marcos Pontes (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), Ricardo Salles (Meio Ambiente), Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e Bento Albuquerque (Minas e Energia). Estiveram presentes o secretário-executivo Marcos Montes e os secretários Fernando Camargo (Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação), Eduardo Sampaio (Política Agrícola), Fernando Schwanke (Agricultura Familiar e Cooperativismo), Jorge Seif Junior (Aquicultura e Pesca), José Guillherme Leal (Defesa Agropecuária), Nabhan Garcia (Assuntos Fundiários) e Orlando Ribeiro (Comércio e Relações Internacionais)

Observatório - A iniciativa permitirá o acompanhamento e gestão integrada dos dados produzidos por diferentes unidades do Mapa e de outros ministérios que tenham projetos relacionados a diferentes cadeias produtivas e setores da agropecuária.

Parceria - O Observatório foi desenvolvido em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). A ferramenta integra o Portfólio de 18 Projetos Estratégicos da gestão atual do Mapa, que reúne um conjunto de ações que visam ampliar a competitividade e produtividade da agropecuária brasileira, identificando os riscos de perda de mercados, desafios relacionados aos custos de produtores, exportadores e do Estado ou problemas sociais e ambientais no campo.

Tecnologia de ponta - O Observatório funcionará em uma sala de situação interativa instalada na Secretaria de Inovação, no edifício-sede do Mapa, de onde será possível fazer o cruzamento de diferentes bases de dados sobre agropecuária e que poderão se visualizado em um painel avançado de inteligência (Business Intelligence).

Espaço - O espaço conta com tecnologia de ponta, 12 telas de vídeos integradas, além de recursos de interligação de dispositivos móveis, computadores e videoconferência. Entre as informações disponibilizadas estão imagens de satélite, gráficos com dados econômicos, comerciais e de produção nacional e regional.

Facilidade de acesso - O objetivo é facilitar o acesso do gestor à base diversificada de dados agropecuários produzidos pelo Ministério, tornar as estatísticas mais qualificáveis e georreferenciadas, para deixar o processo de decisão mais dinâmico e prevenir situações de risco.

Funcionamento - Durante a inauguração da sala, o secretário de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do Mapa, Fernando Camargo, explicou aos presentes como ela vai funcionar. Na apresentação, ele destacou que o instrumento possibilitará, por exemplo, o cruzamento ágil de informações do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) ou da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), com a Secretaria de Política Agrícola. Dados da Embrapa Territorial, do Plano da Agricultura de Baixo Carbono e do Cadastro Ambiental Rural (CAR) também poderão ser acessados de forma integrada pelos gestores.

Desafio - Camargo avalia que o Observatório é um marco importante e um desafio para a gestão do Mapa, pois é a primeira vez que a pasta vai consolidar todos os dados da agropecuária nacional. “É um desafio muito grande. O Brasil é um país de dimensão territorial, como nós sabemos, com muita diversidade regional, com inúmeros bancos de dados que não conversam. Esse é o nosso grande desafio”.

Consolidação - Segundo o secretário, a intenção é “consolidar dados sobre produtividade, georreferenciamento territorial, questões fundiárias, agricultura familiar, enfim, todo o leque de atuações do Mapa. No curto e médio prazo, a gente vai ter um benefício interno de poder realizar a política pública baseada em dados consolidados pelo Observatório, e mais a longo prazo acreditamos que o cidadão também vai fazer bom uso desses dados”, diz Camargo.

Grupo de trabalho - Um grupo de trabalho foi formado com representantes de todas as secretarias e unidades do Ministério para identificar todos os sistemas e bases de informações já existentes. Inicialmente, o Observatório concentrará as informações produzidas pelo Mapa. Os dados serão organizados por uma equipe multidisciplinar formada por agrônomos, analistas ambientais, especialistas em georreferenciamento e assessoramento, entre outros.

Expectativa - A expectativa é que, em uma fase futura, o Observatório disponibilize dados públicos gerados por outras instituições, como Agência Nacional de Águas (ANA) e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e acesso do público externo à plataforma via web.

Embrapa - Uma sala semelhante a que foi inaugurada nessa quinta-feira já está em funcionamento na Embrapa Territorial, em Campinas (SP), desde maio. O local contribui para reunir dados que a Embrapa tem e, a partir disso, tirar as informações de inteligência estratégica necessárias para a agropecuária brasileira. Nos últimos meses, por exemplo, a sala consolidou dados sobre a situação da Amazônia, como os que mostram que 84% do bioma estão preservados. (Mapa)

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn