COCAMAR: Produtoras se apoiam para crescer

 

Na primeira viagem oficial do Rally Cocamar de Produtividade, promovida na segunda-feira (09/09) ao norte do Paraná, foram visitadas duas produtoras em municípios vizinhos que se sobressaem pelo seu protagonismo e também a participação cooperativista: Mirian Cristina Neumann, de Rancho Alegre, e Amália Ferreira Pintar, de Sertaneja. 

 

Convidadas - Nessa viagem que foi conhecer gestão feminina, o Rally teve três convidadas: Gabriela Renicz, analista de inovação, Lorena Betiati, analista de comunicação, e Vanessa Urataki, analista de CRM, todas da administração central da Cocamar. 

 

Patrocinadores - O Rally conta com os seguintes patrocinadores: Spraytec, Sicredi, Basf e concessionária Zacarias/Chevrolet (principais), Sancor Seguros, Cocamar TRR, Texaco Lubrificantes, Elanco e Altofós Suplemento Mineral Cocamar (institucionais), Cesb, Aprasoja/PR e Unicampo (apoiadores). 

 

Rancho Alegre - No município de colonização germânica que fica a 82,4km de Londrina, na divisa com o estado de São Paulo, Mirian, de 33 anos, é a sucessora do pai Alfons Aloysius, de 83. Casada com o médico Aníbal Eumann Mesas, ela já faz a gestão de 17 alqueires [41 hectares] da propriedade da família, de 70 alqueires [169,4 hectares], onde cultiva soja e milho. O pai descende de alemães que adquiriram as terras em 1943. 

 

Maquinário - Formada em administração de empresas e agronegócio, a produtora tem se estruturado para depender menos de maquinários de terceiros. No ano passado, recorrendo a recursos do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) ela adquiriu um trator John Deere com GPS e piloto automático e, recentemente, uma plantadeira da mesma marca. Com isso, poderá efetuar as operações sem atrasos, o que antes era comum por depender da disponibilidade de máquinas. A plantadeira conta com sistema de gerenciamento de plantio e sensor para alertar o operador em caso de falhas.

 

Sustentável - As máquinas próprias vão possibilitar também que Mírian se aprofunde em um trabalho mais sustentável a partir do próximo ano, quando pretende implantar o consórcio formado por milho de inverno e capim braquiária, seguindo uma recomendação da Cocamar. 

 

Forte - Segundo ela, ao adquirir em meados deste ano a concessão John Deere para o norte do Paraná, a Cocamar se fortaleceu ainda mais na região. “Eu acredito muito na cooperativa, especialmente porque ela vem proporcionando bons resultados aos produtores”, afirma. 

 

Tecnologias - Sempre interessada em conhecer e aplicar novos conhecimentos e práticas para melhorar o desempenho da lavoura, a produtora é orientada pelo engenheiro agrônomo Elvis Lorenzetti, da unidade local da Cocamar. “Só o fato de Mirian ser receptiva a tecnologias, já faz uma grande diferença em seu trabalho”, comenta ele. 

 

Únicas - Desde pequena acompanhando o pai no campo, Mírian tomou gosto pela atividade e ainda é uma das únicas mulheres a comandar uma propriedade rural no município. “Enfrentei preconceito no início, mas isso já é página virada”, diz. Ela faz parte de um recém-criado grupo de produtoras de cidades do norte do Paraná que participam da gestão de negócios rurais. 

 

Sertaneja - Aos 34 anos, engenheira agrônoma Amália Ferreira Pintar também é uma das poucas mulheres a dedicar-se à agricultura em Sertaneja. Ela retornou no final de 2018 de Sorriso (MT), onde residia há dez anos, para dividir a gestão da propriedade da família com o irmão Eduardo, de 36. Enquanto ela cuida de 40 alqueires [96,8 hectares] cultivados com soja e milho, Eduardo responde pela pecuária. 

 

Evoluir - Hélio Ferreira Pintar, o pai, acompanha o trabalho dos filhos e dá a palavra final, mas por entender a importância da tecnologia, ele tem incentivado a filha, que conta com o assessoramento do engenheiro agrônomo Anderson Tiago Glatz, da unidade local da Cocamar. Após o retorno de Amália, a família não demorou a retomar alguns negócios que havia parado, como a produção de leite e a criação de suínos; por outro lado, estuda investir em caprinos e quer, principalmente, melhorar seus níveis de produtividade de grãos. 

 

Confiança - A previsão da produtora é começar o plantio de soja em 5 de outubro e ela já fez os cálculos: para cada alqueire, os custos diretos são estimados em 75 sacas (30,9 por hectare). “Mantemos uma relação de muita confiança com a Cocamar para desenvolver os nossos negócios e atingir os objetivos”, completa. (Imprensa Cocamar)

 

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to LinkedIn